“A Caminho da Luz” (1939), de Chico Xavier x “Os Grandes Iniciados” (1889), de Edouard Schuré – Análise e Semelhanças

Neste artigo de Eduardo José Biasetto revela-se como Jesus e seus colaboradores, segundo a mediunidade de Chico Xavier, estão mais para “Os Trapalhões” do que para “Espíritos Sábios” ou “Superiores”. Mais que isso, a fonte em que Chico se baseou para escrever “A Caminho da Luz” é finalmente revelada.

Ao fazer uma análise crítica da obra A CAMINHO DA LUZ (Chico Xavier/Emmanuel, FEB, 1939), deparei-me com duas conclusões bastante interessantes, as quais me revelaram grande dúvida (mais uma vez), no tocante à mediunidade de Chico Xavier. São elas:  

1º) Na citada obra, há uma extraordinária exaltação da figura de Jesus Cristo, indicando-o como o “grande arquiteto” do mundo terreno, tanto no aspecto da formação física/geológica do planeta, como na elaboração da vida e o processo evolutivo; bem como, o desenrolar das sociedades humanas, em todas as épocas. Achei estranho esta concepção, porque além de colocar Deus em 2º plano; assim como acontece em BRASIL, CORAÇÃO DO MUNDO, PÁTRIA DO EVANGELHO, Jesus Cristo parece não ter certeza das consequências de seus atos, pois os projetos por Ele (e seus colaboradores) estabelecidos, acabam, normalmente, fracassando. Assim, a impressão que a narrativa do livro me traz, é a de um desejo ardente de Chico Xavier em exaltar o Divino Mestre. Entretanto, o tiro parece ter saído pela culatra, porque o Jesus Cristo mostrado no livro comete equívocos dos mais variados; 

2º) Orientado por uma observação do Vitor Moura, pude constatar uma grande influência do livro OS GRANDES INICIADOS, do francês Édouard Schuré (1841-1929), na elaboração de A CAMINHO DA LUZ. Vitor, por sua vez, pôde detectar a influência graças às informações do moderador Paulo Dias em sua lista de discussão, a pgdelanne. A influência não é tão fácil de ser constatada, porque como o próprio Vitor me alertou, praticamente não há plágio de textos, vocábulos, mas sim de ideias. E é exatamente o que ocorre. OS GRANDES INICIADOS é um livro que procura mostrar como as “raças” humanas se distribuíram pela Terra, destacando o papel de algumas pessoas (espíritos elevados) na construção da sociedade humana. Importante indicar alguns aspectos da obra: 

- a 1ª edição é de 1889;

- a reencarnação é tema mencionado e aceito;

- há inúmeras passagens preconceituosas, do tipo “raça superior”, “raça inferior”;

- há erros de análise histórica e científicos (Biologia) na conceituação das “raças humanas”.

* porém, vale lembrar que a obra foi escrita na 2ª metade do século XIX, portanto, influenciada pelo conhecimento e a visão “quadrada” da época. 

A apresentação desta análise se faz em duas partes, vamos a elas: 

PARTE I (Informações duvidosas e imprecisas) 

De acordo com as informações de A CAMINHO DA LUZ (Chico Xavier/Emmanuel, FEB, 1939), não foi Deus que criou o mundo, mas Jesus Cristo e sua equipe. O problema é que eles parecem não ter muita competência. Acompanhe: 

1-) Sim, Ele [Jesus Cristo] havia vencido todos os pavores das energias desencadeadas; com as suas LEGIÕES DE TRABALHADORES DIVINOS, lançou o escopro da sua misericórdia sobre o bloco de matéria informe, que a Sabedoria do Pai deslocara do Sol para as suas mãos augustas e compassivas. Operou a ESCULTURA GEOLÓGICA DO ORBE TERRENO, talhando a escola abençoada e grandiosa, na qual o seu coração haveria de expandir-se em amor, claridade e justiça. Com SEUS EXÉRCITOS DE TRABALHADORES DEVOTADOS, estatuiu os regulamentos dos FENÔMENOS FÍSICOS DA TERRA, organizando-lhes o equilíbrio futuro na base dos corpos simples de matéria, cuja unidade substancial os espectroscópios terrenos puderam identificar por toda a parte no universo galáxico. ORGANIZOU O CENÁRIO DA VIDA, criando sob as vistas de Deus, o indispensável à existência dos seres do porvir. FEZ A PRESSÃO ATMOSFÉRICA adequada ao homem, antecipando-se ao seu nascimento no mundo, no custo dos milênios; ESTABELECEU OS GRANDES CENTROS DE FORÇA DA IONOSFERA E DA ESTRATOSFERA, onde se harmonizam os fenômenos elétricos da existência planetária, e EDIFICOU AS USINAS DE OZONE A 40 E 60 QUILÔMETROS DE ALTITUDE, para que filtrassem convenientemente os raios solares (…) Definiu todas as linhas de progresso da humanidade futura… [Páginas 21 e 22] 

Comentário: Os primeiros capítulos do livro informam que Jesus Cristo e uma equipe de trabalhadores devotados (espíritos evoluídos), estiveram na Terra, deve ser há uns 4 bilhões de anos (não imaginei que Jesus fosse tão velho!), arrumando o planeta para a manifestação da vida. Eles (Jesus e seus exércitos!) prepararam desde as condições físicas, geológicas, químicas, até as condições biológicas, que permitiriam a manifestação da vida em todas as formas e variedades. Aquela história de Deus criando o “mundo” em 7 dias já era de vez! (Bem, eu não acreditava mesmo!).

Não há informações, de como Jesus Cristo e seus auxiliares “construíram” o planeta. Por que eles escolheram as tais “placas tectônicas”, é algo que os japoneses provavelmente gostariam de saber, afinal de contas, conhecem bem as consequências de um terremoto. Deveriam mandar a conta pra Jesus e sua equipe. 

2-) Sob a orientação misericordiosa e sábia dos Cristo, laboravam na Terra numerosas assembleias de operários espirituais.

Como a engenharia moderna, que constrói um edifício prevendo os menores requisitos de sua finalidade, os ARTISTAS DA ESPIRITUALIDADE edificavam o mundo das células iniciando, nos dias primevos, a construção das formas organizadas e inteligentes dos séculos porvindouros.

O IDEAL DA BELEZA foi a sua preocupação dos primeiros momentos, no que se referia às edificações celulares das origens. (…) Milhares de anos foram precisos aos OPERÁRIOS DE JESUS, nos serviços da elaboração paciente das formas. [Páginas 25 e 27] 

Comentário: Vejam, mais uma vez, que foi Jesus e seus operários, os responsáveis pela “construção das formas organizadas e inteligentes”, inclusive houve grande preocupação com o “ideal da beleza”. Portanto, apreciar a beleza não é pecado coisa nenhuma, porque Jesus e seus comandados se preocuparam com a beleza das formas. (Met-Art está liberada!) 

3-) Seus condutores conheciam as elevadas finalidades da vida. Lembravam-se vagamente das promessas do Senhor, anteriores à sua reencarnação para os trabalhos do penoso degredo. [se refere aos degredados da Capela] A prova disso é que eles abraçaram todos os grandes missionários do pretérito, vendo neles os avatares do ser Redentor. [se referindo a líderes como Buda] (…) Mas, como se a questão fosse determinada por um doloroso atavismo psíquico, o povo hindu, embora as suas tradições de espiritualidade, deixou crescer no coração o espinho do orgulho que, aliás, dera motivo ao seu exílio na Terra. [Página 53] 

Comentário: O livro informa que muitos espíritos foram degredado à Terra, vindos de Capela, na Constelação do Cocheiro. Estes espíritos, apesar de cultos, ainda eram muito egoístas, orgulhosos, por isso foram punidos e reencarnaram em nosso planeta. Há várias passagens, indicando que eles reencarnaram em lugares distintos, como no Egito antigo, na Índia, na China… O problema é que estes espíritos tinham sido orientados por Jesus Cristo para ajudarem os espíritos terrenos a progredirem. Só que como é mencionado no trecho acima, muitos desses espíritos falharam. É complicado como o plano espiritual planeja algo, mas quando vem a prática, tudo falha! Aquela ideia do Deus Onisciente, também já era. Nem Deus, nem Jesus Cristo sabem o que vai acontecer. Não estou blasfemando, está no livro….

4-) Quarenta anos no deserto representaram para aquele povo [os hebreus] como que um curso de consolação da sua fé, contagiosa e ardente.

SEGUIU-LHE JESUS TODOS OS PASSOS, assistindo-o nos mais delicados momentos de sua vida e foi ainda, sob o pálio da sua proteção, que se organizaram os reinos de Israel e de Judá, na Palestina. (…) O judaísmo, saturado de orgulho, não conseguiu compreender a ação do celeste emissário. Apesar da crença fervorosa e sincera, Israel não sabia que toda a salvação tem de começar no íntimo de cada um e, cumprindo as profecias de seus próprios filhos, conduziu aos martírios da cruz o divino Cordeiro. [Páginas 68 e 71] 

Comentário: O livro mostra que Jesus acompanhou todos os povos da Terra, nos momentos mais difíceis. No caso acima, se refere ao Êxodo, indicando que esteve sempre presente na vida dos judeus, auxiliando-os. Em troca, recebeu a crucificação, que também foi influenciada pelas atitudes dos judeus. Jesus Cristo não é reconhecido pelos judeus como Messias, o Salvador. Quer dizer: ajudou os caras e ganhou isto! Fazer o quê? 

5-) Numerosos Espíritos reencarnaram com as mais altas delegações do plano invisível. Entre esses missionários, veio aquele que se chamou Maomet, ao nascer em Meca no ano 570. (…) Maomet, contudo, pobre e humilde no começo de sua vida, que deveria ser de sacrifício e exemplificação, torna-se rico após o casamento com Khadidja e não resiste ao assédio dos Espíritos da Sombra, traindo nobres obrigações espirituais com as suas fraquezas. (…) É por essa razão que o missionário do Islã deixa entrever, nos ensinos, flagrantes contradições. [Página 150] 

Comentário: Estava tudo certo para Maomet reencarnar e ser um grande missionário do Cristo. Porém, ele se casou, ficou rico e aí a coisa complicou. As riquezas e a vida conjugal desviaram ele do caminho planejado… Que pena hein!!! 

6-) O Cristo localiza, então, na América as suas fecundas esperanças. O século XVI alvorece com a descoberta do novo continente, sem que os europeus, de modo geral, compreendessem, na época, a importância de semelhante acontecimento. As riquezas fabulosas da Índia deslumbram o espírito aventureiro daquele tempo, e as testas coroadas do Velho Mundo não entenderam a significação moral do continente americano.

OS OPERÁRIOS DE JESUS, porém, abstraídos da crítica ou do aplauso do mundo, cumprem os seus grandes deveres no âmbito das novas terras. Sob a determinação superior, organizam as linhas evolutivas das nacionalidades que aí teriam de florescer no porvir. (…) localizando o cérebro da nova civilização no ponto hoje se alinham os Estados Unidos da América do Norte, e o seu coração nas extensões da terra farta e acolhedora onde floresce o Brasil, na América do Sul. Os primeiros guardam os poderes materiais; o segundo detém as primícias dos poderes espirituais, destinadas à civilização planetária do futuro. [Página 173] 

Comentário: Nesta passagem do livro, confirma-se o que foi dito pelo “espírito” Humberto de Campo, em Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, quando se menciona que Jesus Cristo e sua equipe de espíritos evoluídos, foram responsáveis pela “descoberta” e colonização da América, destacando o papel do Brasil, como a “Pátria do Evangelho”. Eu só queria saber quando isto, de fato, vai acontecer, porque o nosso país, infelizmente, deixa muito a desejar, especialmente no que diz respeito à justiça social. Mais uma vez, o que Jesus Cristo e seus colaboradores planejaram, falhou! 

7-) O humilde soldado corso, destinado a uma grande tarefa na organização social do século XIX, não soube compreender as finalidades da sua grandiosa missão. Bastaram as vitórias de Árcole e de Rívoli, com a paz de Campoformio, em 1797, para que a vaidade e a ambição lhe ensombrassem o pensamento. [Página 192] 

Comentário: O espírito de Napoleão Bonaparte veio ao mundo terreno com a “grande tarefa social”, mas se deixou levar pela vaidade e ambição. Quer dizer: era pra ser bonzinho, mas virou um bad boy! Não dá pra entender: tudo que os espíritos sábios planejam no elevado plano espiritual, não se concretiza aqui na Terra. 

PARTE II – A influência de OS GRANDES INICIADOS sobre A CAMINHO DA LUZ: 

QUADRO I.

OS GRANDE INICIADOS (P. 6 e 15) – Os templos da Índia e do Egito conservavam cifras e tradições sumárias destas civilizações desparecidas. Em nosso ciclo, é a raça branca que domina e se avaliarmos a provável antiguidade da Índia e do Egito, poderemos deduzir que sua preponderância data de sete ou oito mil anos.

Remontando à corrente semítica, por meio de Moisés chegamos ao Egito, cujos templos possuíam, segundo Maneton, uma tradição de 30 mil anos. E pela corrente ariana atingimos a Índia, onde se desenvolveu a primeira grande civilização que resultou de uma conquista da raça branca. A Índia e o Egito foram as duas grandes matrizes das religiões Possuíram o segredo da iniciação. 

A CAMINHO DA LUZ (P. 49 e 57) – As organizações hindus são de origem anterior à própria civilização egípcia e antecederam de muito os agrupamentos israelitas…

Se as civilizações hindu e egípcia definiram-se no mundo em breves séculos, o mesmo não aconteceu com a civilização ariana, que is iniciar na Europa os seus movimentos evolutivos. 

QUADRO II 

OS GRANDES INICIADOS (P. 42) – O que a epopéia hindu não nos revela é o profundo mistério da mistura das raças e a lenta fermentação das ideias religiosas, que trouxeram profundas mudanças para a organização social da Índia védica.  (…) A separação das castas, na época primitiva, não era muito rigorosa, e grandes misturas ocorreram entre os povos. (…) O prodígio foi que, apesar dessa mestiçagem, as ideias dominantes na raça branca conseguiram se manter no vértice dessa civilização, através de tantas revoluções.

 

A CAMINHO DA LUZ (P. 50 e 53) – O pensamento moderno é o descendente legítimo daquela raça de pensadores, que se organizou nas margens do Ganges, desde a aurora dos tempos terrestres, tanto que todas as línguas das raças brancas guardam as mais (…)

Em breve, a organização das castas separava as suas coletividades para sempre. Essas castas não se constituíam num sentido apenas hierárquico, mas com a significação de uma superioridade orgulhosa e absoluta. 

QUADRO III 

OS GRANDES INICIADOS (P. 93) – Nossos historiadores falam dos faraós no mesmo tom com que se referem aos déspotas de Nínive e de Babilônia. Para eles, o Egito é uma monarquia absoluta e conquistadora como a Assíria, só diferindo dela por ter durado alguns milhares de anos a mais. Teriam levado em consideração que na Assíria a realeza esmagou o sacerdócio fazendo dele seu instrumento, enquanto no Egito o sacerdócio disciplinou a realeza, e jamais abdicou, mesmo nas piores épocas, impondo-se aos reis, expulsando os déspotas, governando sempre a nação? E isto, por uma superioridade intelectual, por uma sabedoria profunda e oculta, que nenhum corpo docente em qualquer país ou qualquer tempo. 

A CAMINHO DA LUZ (P. 41 e 42) – Dentre os Espíritos degredados na Terra, os que constituíram a civilização egípcia foram os que mais se destacavam na prática do Bem e no culto da Verdade. Em virtude das circunstâncias mencionadas, os egípcios traziam consigo uma ciência que a evolução da época não comportava. 

QUADRO IV 

OS GRANDES INICIADOS (P. 130 e 163)Moisés, iniciado egípcio (…) teve a audácia de fazer do mais alto princípio da iniciação o dogma único de uma religião nacional, e a prudência de revelar suas consequências somente a um pequeno número de iniciados, impondo-o à massa pelo temor. Além disso, o profeta do Sinai evidentemente teve visões longínquas que ultrapassavam de muitos os destinos de seu povo.

Ao redor do profeta que comanda esse povo há um grupo de sacerdotes (…) Com eles, setenta chefes eleitos ou iniciados leigos comprimem-se em torno do profeta de Iavé, o qual lhes confiará sua doutrina secreta e sua tradição oral, que lhes transmitirá uma parte de seus poderes, associando-os, às vezes, a suas inspirações e suas visões. 

A CAMINHO DA LUZ (P. 66) – Sem procurarmos os seus antepassados, anteriores a Moisés, vamos encontrar o grande legislador hebreu saturando-se de todos os conhecimentos iniciáticos, no Egito antigo, onde o seu espírito recebeu primorosa educação (…)

Moisés, na sua qualidade de mensageiro do Divino Mestre, procura então concentrar o seu povo para a grande jornada em busca da Terra da Promissão. Médium extraordinário, realiza grandes feitos ante os seus irmãos e companheiros maravilhosos. 

QUADRO V 

OS GRANDES INICIADOS (P. 324, 327, 330 e 331) – Foi nessa época que Platão encontrou Sócrates, que discutia com os jovens nos jardins da Academia. Ele falava sobre o Justo e o Injusto, sobre o Belo, o Bom e o Verdadeiro.

Aquele homem mostrou-lhe a inferioridade da beleza e da glória tal como as concebera até então, diante da beleza e da glória da alma em ação (…)

As duas principais acusações contra Sócrates foram: corromper a mocidade e não crer nos deuses (…)

Eu creio mais nos deuses do que qualquer um de meus acusadores. É tempo de nos deixarmos. Eu, para morrer, e vós, para viverdes. Quem de nós fica com a melhor parte? Ninguém o sabe, exceto Deus. 

A CAMINHO DA LUZ (P. 94 e 95) – Sócrates é acusado de perverter os jovens atenienses, instilando-lhes o veneno da liberdade nos corações.

– “Sócrates, Sócrates, os juízes te condenam à morte…”

– “Que tem isso? (…) eles também estão condenados pela Natureza.”

(…)

Falaremos, apenas, deste último [Platão], para esclarecer que nenhum deles soube assimilar perfeitamente a estrutura moral do mestre inesquecível. 

Observação: As passagens deste quadro podem ser criticadas, pois o que aqui se informa é de conhecimento histórico tradicional. Porém, pra quem ler as duas obras, poderá verificar que a sequência dos temas abordados são bem semelhantes. No livro OS GRANDES INICIADOS, Sócrates é elogiado por suas virtudes e, em seguida, fala-se muito de Platão. No livro A CAMINHO DA LUZ, o texto segue a mesma direção. Observem alguns temas abordados nos dois livros: 

OS GRANDES INICIADOS

A CAMINHO DA LUZ

As raças humanas e as origens da religião

As raças adâmicas/Origens das raças brancas

As primeiras organizações religiosas

A Índia e a iniciação brâmane

A Índia/A organização hindu

Os mistérios do Egito

A civilização egípcia/A ciência secreta

Moisés – A missão de Israel

O povo de Israel / Moisés

Pitágoras / Sócrates / Platão

A Grécia e a missão de Sócrates

Mais uma vez ficam as seguintes indagações: 

- Chico Xavier era médium? Então, por que outro livro que ele disse ter recebido do plano espiritual, apresenta erros ou informações muito duvidosas e, além disso, semelhanças com outra obra?

- Se o Chico era médium, por que Emmanuel, um espírito sábio, errou nas informações que passou a ele e/ou se deixou influenciar pelas informações de outra obra?

O que você acha?

Saudações…

51 respostas a ““A Caminho da Luz” (1939), de Chico Xavier x “Os Grandes Iniciados” (1889), de Edouard Schuré – Análise e Semelhanças”

  1. Paulo Diz:

    O que eu acho? Curto e grosso:
    Que Chico Xavier escreve lixo do início ao fim!
    Consegue ser pior que o Paulo Coelho.

  2. Biasetto Diz:

    Olá Paulo!
    Estive pensando: se uma empresa contrata um profissional para “levantar” a empresa, dar uma melhorada em tudo, só que este profissional começa a fazer bobagens, o que acontece?
    Os diretores da empresa, sei lá, alguém se reúne e diz:
    - Vamos dar um basta nisto aí, porque senão a coisa vai complicar pra valer!
    .
    Agora, veja bem: Jesus e sua equipe enviam espíritos pra Terra, para que estes espíritos ajudem a humanidade em sua caminhada rumo ao progresso e o bem estar. Porém, os espíritos que reencarnaram com a tal missão do bem, se desviam dos propóstos estabelecidos e começam a fazer besteira.
    Então, não seria lógico, muito lógico e simples, que os espíritos superiores desencarnassem estes espíritos que se desviaram dos objetivos traçados?
    Mas não, eles permitem que os caras façam um monte de “cagadas”, mesmo custando a vida de milhares ou milhões de pessoas.
    Não dá pra acreditar nisto!
    .
    Se Napoleão Bonaparte começou a fazer bobagens, alguém lá em cima deveria dizer:
    - Olha, vamos dar um basta no Napoleão, porque ele se meteu em encrenca e vai ferrar com muita gente.
    Levava o cara de volta e ainda dava um belo corretivo nele, pra largar mão de ser traíra e cara de pau!
    Mas lendo o livro, a impressão que fica é esta:
    Jesus se decepciona com o desempenho do espírito missionário, mas fica lamentando e não faz nada pra cortar o barato do cara. Que Jesus bobinho hein?

  3. Gilberto Diz:

    Uma bobagem. Uma ingenuidade. Xavier jogou aquelas palavras bonitas no papel cheias de achismos e explicações “didimoconianas” e nem sabia que isso ia dar pano pra manga. Quando “criaram” a figura “Chico Xavier, O Santo” seus escritos passaram a importantes. Mas tem que se ter muito jogo de cintura pra aceitar os “fatos” Xaverianos como verdades. A questão é não questionar as questões em questão! Aí tudo vale…

  4. Caio Diz:

    Parabéns, Biasetto. Vou ser objetivo como o Paulo: acho que o Xavier, como escritor, daria um belo flanelinha.

  5. Caio Diz:

    O que me perturba é o fato desses livros venderem muito e ensinarem pseudociência. Isso é muito perigoso.

  6. Paulo Diz:

    O que me perturba é o fato desses livros venderem muito e o cordão dos estúpidos cada vez aumenta mais… :)

  7. Carlos Diz:

    Biaseto,
    .
    Além dos pontos que você comenta na obra A Caminho da Luz, alguns outros também mereceriam reparos. Cito as seguintes passagens:

    “… o orbe terrestre se desprendia da nebulosa solar” (A gênese planetária). A Terra, bem como os demais planetas rochosos (Mercúrio, Vênus e Marte) não podem ter se formado desprendendo-se do Sol. E a razão é simples: a composição desses planetas é totalmente diferente da do sol. Comparativamente seria como fazer nascer banana em pé de alfaçe.
    .
    Ainda no capítulo “A Gênese Planetária” há um aspecto no mínimo esquisito, que você comentou. Jesus teria vindo ao planeta duas vezes, uma na formação da Terra (em torno de 4,5 bilhões de anos atrás) e outra quando reencarnou (a 2.000 anos). A desproporção entre as duas datas é tão absurda que provavelmente reflete o desconhecimento do significado do tempo geológico pelo médium/espírito.

    “… e a condensação dos metais verifica-se com a leve formação da crosta solidificada”. (A solidificação da matéria). Aqui temos uma impropriedade visto que a crosta terrestre não é formada por metais, e sim por silicatos.
    .
    “Esses fenômenos geológicos estabelecem os contornos geográficos do globo, delineando os continentes e fixando a posição dos oceanos…”. (As formas intermediárias da natureza). Essa passagem mostra que o médium/espírito não tinha conhecimento da tectônica de placas que, sabemos hoje, modela o planeta. A rigor, tanto os continentes como os oceanos não possuem forma fixa; seus contornos mudam lentamente, porém de maneira constante, com o tempo geológico.
    .
    Por outro lado, merece o registro que os comentários sobre o papel da Lua na evolução da Terra são pertinentes. O problema é que junto aos equívocos, fica parecendo que os acertos são chutes.

  8. Biasetto Diz:

    Carlos,
    Perfeitas as tuas colocações.
    Este trecho que você comenta é ótimo:
    .
    “Jesus teria vindo ao planeta duas vezes, uma na formação da Terra (em torno de 4,5 bilhões de anos atrás) e outra quando reencarnou (a 2.000 anos). A desproporção entre as duas datas é tão absurda que provavelmente reflete o desconhecimento do significado do tempo geológico pelo médium/espírito.”
    .
    Muito fora de lógica esta informação do livro.

  9. Biasetto Diz:

    Então,
    A gente pega uma informação como esta que o Carlos destacou e pensa só por um pouquinho, e a gente vê que não dá né?
    São erros ou informações muito duvidosas.
    Aí, a gente questiona a veracidade disto, e tem quem acha que estamos só querendo esculhambar…

  10. Carlos Diz:

    Biasetto,
    .
    Nesse livro, como nos de Kardec, é patente que os médiuns/espíritos não conhecem mais que a ciência de seu tempo, de fato. Aqui podem haver várias explicações. Uma de que os espíritos não são superiores, outra de que o médium interfere na comunicação, e outra que tudo não passa de completo animismo. Nesse último caso, é como se o Flávio Josefo e o Biasetto não fossem duas, mas uma só personalidade, não é ?

  11. Emmanuel de Atlântida Diz:

    Carlos,

    Outra evidência da falta de conhecimento da existência de placas tectônicas são as menções a Atlântida e Lemúria. Li em algum lugar que a teoria sobre placas tectônicas só ficou aceita na década de 60,, após evidências experimentais, isto é, o Chico não tinha acesso a essa informação a época da escrita do livro

  12. Biasetto Diz:

    Vou aquecer um pouco esta conversa envolvendo religião e ciência, com um tema que foge um pouco do assunto aqui, mas também se relaciona:
    O Scur vive me sugerindo pra assistir uns vídeos do suposto médium André Luiz Ruiz. Pois bem, assisti a um desses vídeos, melhor ouvi, porque baixei só a versão de áudio.
    http://www.mensajefraternal.org.br/portuguese/palsbbm_port.htm
    O vídeo é o 376 – O cerco que se aperta.
    Então, o André Ruiz fala sobre a chegada do “cometa-planeta” Elenin, indicando que se trata de um “sinal dos deuses”. Uma catástrofe anunciada. Algo como o “planeta Chupão” que o Scur já mencionou várias vezes aqui.
    O André Ruiz faz várias colocações, indicando inclusive coincidências de filmes norte-americanos, que estavam prevendo um impacto de um cometa com a Terra, tendo como consequência várias destruições. Ele fala no vídeo, que o governo norte-americano já vem se preparando pra este acontecimento, tendo construído bases no subsolo terrestre, para que algumas pessoas possam ser salvas – cientistas, grandes artistas, os membros do governo, porque não vai ter lugar pra todo mundo!
    Bem, o que penso disso tudo, eu respondo, fazendo uma cópia do email que enviei ao Scur:
    .
    “Scur,
    Assisti ao vídeo, ou melhor, ouvi, porque baixei só em áudio!
    Agora eu pergunto pra ti: e daí?
    O que isto tem a ver com espiritualidade/espiritismo?
    São os riscos Scur! Os riscos que existem no Universo.
    Outra coisa, quem garante que isto já não aconteceu várias vezes com a Terra, isto é, quantas vezes algo parecido já pode ter acontecido?
    Só que não havia tecnologia para detectar acontecimentos assim.
    Pelas informações que obtive na net, o tal cometa vai passar a uns 30 milhões de km da Terra.
    Poderá proporcionar um belo espetáculo ou até causar alguma problema mesmo, mas isto não dá pra saber.
    Então, Scur, a vida continua, porque todos nós estamos arriscados a morrer por inúmeras formas, a qualquer momento.
    Se o tal cometa matar um monte de gente aqui na Terra, será algo da natureza. Só isso!
    O resto é bobagem.
    Um abraço!”
    .
    O que vocês pensam?
    Vocês têm outras informações sobre o tal “cometa elenin”.
    Um abraço!
    .
    Obs.: eu acho que caras como este André Ruiz, arriscam palpites para levar vantagem:
    - se o tal cometa passar e nada acontecer, ele vai dizer que graças à ação em equipe de vários espíritos e das orações que foram feitas, o cometa passou longe da Terra e não causou estrago, mas deixou o alerta pra que todos acordem!
    - se o tal cometa fizer algum estrago aqui, pouca coisa que seja, ele vai se glorificar, porque vai dizer que havia alertado e vai escrever mais livros e vai vender muito mais e assim…

  13. Jorge Diz:

    Vitor,
    Dê uma olhada no conceito de Intertextualidade e verás que nao se cita a fonte. Veja quantas versões de “a canção do exilio” existe. Isso é intertextualidade. Um texto conversa com outro, sem precisar citar a fonte. Parodia é intertextualidade também. Etc. não vou te dar uma aula de Teoria Literária.
    Biasetto, valeu,
    Primeiro, acho que devemos limpar o rancor de nossas avaliações sobre a sobrevivencia. Muita gente ( eu inclusive) fica com raiva quando descobre que os padres não precisam de mulher porque se satisfazem sexualmente com homens e isso poe por terra toda a teoria religiosa que advogam.
    A raiva da mentira é abrandada com presente ( eu chamo de vender a alma ou teoria do Fausto).
    Limpo isso ( nem sempre é facil), podemos VER que a morte é só uma passagem para uma outra coisa ( eu nao sei o que é).
    Talvez todas as teorias estejam erradas, mas devemos começar devagar…
    Evoluir sinceramente. Para isso devemos ter cuidado com o que fazemos.
    Criticar Chico Xavier pode ser util para nao cairmos na ideologização do pobre coitado que nao queria isso. É preciso porem saber o que tem de genial ali.
    Veja, Chico ia ao banheiro? Sim. Chico namorava os meninos? ( os espirita dizem que ele era “puro”) – eu acho muito dificil engolir essa teoria – só com muita hipocrisia – o que nao é adequado à sua memoria; afinal ele adotou um menino como fazem os tios velhos ( seria apenas para dizer para os maus que ele era tambem mau? ou isso é tão insignificante que eu estou perdento tempo aqui?)
    Recomendo sinceramente estudar os livros doutrinarios psicografados por Chico ( caminho verdade e vida, pao nosso, fonte viva, vinha de luz) para saber se há genialidade ali.
    Eu sou fascinado com esses livros. São lindos. Perfeitos.
    Se você desmascarar esses livros, eu te garanto que deixo de estimar o chico.
    Diga de quem ele plagiou isso?
    De quem ele ( de qual livro) ele retirou a inspiração?
    Desmonte os livros e a meduinidade cai por terra.
    Continue tentando que eu estou acompanhando..
    abs

  14. Carlos Diz:

    Olá Emmanuel da Atlântida,
    .
    O fato é que as formas dos oceanos e suas posições não são fixas, como sugere o livro. Em 1936 a teoria da Tectônica de Placas já havia sido proposta por Wegener, porém era muito combatida e, nessa época, desacreditada. A confirmação da teoria só ocorreu mesmo a partir dos anos 60, como você frisou.

  15. Biasetto Diz:

    Olá Jorge,
    Acho muito legal quando aparece alguém aqui, pra discordar e fazer novas colocações.
    Não sei desde quando você confere este blog.
    Eu comecei participando aqui, como grande admirador do Chico. Acreditando em tudo que vinha dele, inclusive a mediunidade, as psicografias.
    Lutei como pude aqui, pra provar que eu estava certo. “Briguei” com o Vítor, com o JCFF, com outros também. Só que fui avaliando os posts e fui vendo que a mediunidade do Chico é extremamente duvidosa, pra não dizer absolutamente falsa. O que me fez pensar isto?
    .
    Acho muito estranho que um médium fique escrevendo livros com passagens e ideias muito semelhantes às de outros livros. Algumas vezes, até idênticas.
    Eu vejo nos escritos do Chico, muita sabedoria também, e nesse ponto, discordo de alguns aqui, como o Paulo e o Gilberto, que acham que o Chico só escreveu bobagens.
    Agora, se os espíritos que se manifestaram por ele, sabiam pouco e ainda precisaram consultar obras pra passarem as psicografias, precisamos, então, repensar o espiritismo e o próprio conceito de mediunidade.
    Eu, às vezes, fico pensando: bem, se o Chico consultava livros e “copiava”, como ele tinha acesso a estes livros, exatamente livros que versam sobre os assuntos “espiritualistas”, numa época, penso eu, que não deveria ser muito fácil, ou até bem difícil, encontrar livros, ainda mais um sujeito que morava em uma cidade do interior de Minas Gerais, e pobre, e simples, tendo de trabalhar… Então, eu faço estas perguntas também. E fico até pensando, se realmente ele não tinha lá uma “inspiração espiritual”. Mas são só indagações.
    Por outro lado, a gente goste ou não do Chico, reconheça ou não coisas boas que ele escreveu, a gente não pode fechar os olhos pra muitas bobagens que aparecem em vários livros “dele”.
    De fato, o Chico virou um mito, e as pessoas, a maioria das pessoas que lê os livros dele, acha que tudo que está escrito ali, são ideias avançadas e autênticas. Mas, a história não é bem assim, porque antes dele, outros autores já haviam escrito algo muito parecido, às vezes, até melhor. Então, não é impossível também, que ele, de fato, tenha lido estes autores e, a partir destas leituras, tenha criado suas próprias histórias.
    De qualquer forma, vou dar uma lida, em pelo menos um dos livros que você indicou, e aí quem sabe a gente tira alguma conclusão nova.
    Um abraço!

  16. Biasetto Diz:

    Jorge, você já viu estes links aqui:
    .
    http://obraspsicografadas.haaan.com/2011/herculanum-1937-de-w-krijanowsky-e-h-dois-mil-anos-1939-de-chico-xavier-indcios-de-plgio/
    .
    http://obraspsicografadas.haaan.com/2011/novas-evidncias-sobre-as-correlaes-entre-a-vida-alm-do-vu-de-owen-e-nosso-lar-de-chico-xavier/
    .
    http://obraspsicografadas.haaan.com/2011/evidncias-da-influncia-de-a-vida-alm-do-vu-g-vale-owen-na-elaborao-da-obra-libertao-chico-xavierandreacu/
    .
    http://obraspsicografadas.haaan.com/2011/a-vida-alm-do-vu-de-george-dale-owen-x-nosso-lar-de-chico-xavier/
    .
    http://obraspsicografadas.haaan.com/2011/chico-xavier-plagiou-caibar-schutel-o-nmero-da-besta/
    .
    http://obraspsicografadas.haaan.com/2007/livro-mecanismos-da-mediunidade-1960-de-chico-xavier-e-waldo-vieira/

  17. Vitor Diz:

    Jorge,
    não me interessa o conceito de intertextualidade. O que me interessa é o que o Antero de Quental fazia em vida e deixou de fazer quando morto. Quando vivo, ele citava a fonte. Pela intertextualidade podia até não ser necessário, mas o Antero não agia assim. Depois de morto, passou a não agir assim. Passou a agir exatamente como o Chico. Ponto.
    .
    Vou pensar no seu desafio.

  18. Caio Diz:

    Biasetto,
    você disse: “eu acho que caras como este André Ruiz, arriscam palpites para levar vantagem (…)”.
    .
    É justamente isso que eu venho afirmando desde que comecei a postar nesse blog, há mais ou menos uns dois meses. Na realidade, boa parte dos místicos, bruxos, curandeiros, xamãs, médiuns, seja lá qual for o nome que você dê, faz isso: eles jogam com o resultado. Eles fazem a previsão de um determinado fenômeno e, no final, independentemente do que acontecer, posicionam-se como “vencedores”. O médium “A” afirma que um suposto objeto vem em direção à Terra e causará grande estrago. Se isso acontecer, ele dirá: “Viu só? Acertei. Realmente tenho poderes”. Se isso não acontecer, ele poderá dizer: “Oramos tanto que acabamos conseguindo interferir no resultado; a ‘falange’ espiritual trabalhou em prol do nosso planeta”, etc. O médium “B” afirma que existe vida em determinado ponto do universo. Se a ciência, investigando esse local, de fato encontrar vida por lá, ele dirá: “Meus dons mediúnicos não falham”. Se isso não acontecer, ele seguramente dirá: “A ciência convencional não tem meios ainda de fazer essa descoberta”. O médium “C” afirma que um suposto doente, que frequenta seu centro espírita, irá ser curado dentro de “X” semanas. Se isso acontecer, ele dirá: “O plano espiritual não falha”. Se isso não acontecer, ele certamente dirá: “Bem, não era a hora dessa benção se concretizar”. É um jogo de azar sórdido, malévolo, que brinca com os sentimentos e com as dores das pessoas. Na verdade, mesmo os religiosos das “castas” mais baixas, que não alegam possuírem poderes especiais, costumam raciocinar dessa forma quando o assunto em pauta é a interferências de deuses ou entidades superiores em suas vidas: se o sujeito que pretende ir a uma entrevista de emprego se atrasa para sair de casa e, ao chegar no ponto, percebe que ainda vai conseguir tomar o ônibus que naquele exato momento passa, ele pensará “Só pode ser Deus!”. Se ele não conseguir embarcar, ele imaginará algo como “Bem, se não deu certo, é porque Deus não queria que fosse assim. Ele deve ter outros planos para minha vida”. É dessa forma que funciona a mente de boa parte dos religiosos. Eles parecem não entender que praticamente tudo aquilo que faz parte do nosso mundo prático varia dentro de uma probabilidade estatística. Não há deuses nesse jogo. Apenas matemática.
    .
    Jorge,
    você disse: “podemos VER que a morte é só uma passagem para uma outra coisa”.
    .
    Qual é a evidência que você tem sobre essa afirmação?
    .
    Um abraço a todos.

  19. Caio Diz:

    Sobre o desafio do Jorge, eu só gostaria de lembrar o seguinte: mesmo que o Vitor não encontre outros textos que possam comprovar que o Xavier plagiou nesses citados livros (Caminho Verdade e Vida, Pão Nosso, Fonte Viva e Vinha de Luz), ainda assim não podemos atribuir a escrita dessas obras a entidades desencarnadas. O fato de não ter sido plágio não significa que alguma atividade sobrenatural aconteceu. Uma coisa não tem nada a ver com a outra.

  20. Biasetto Diz:

    Caio,
    Apesar dos seus 25 anos, você demonstra muita sabedoria.
    Eu é que te dou os parabéns!
    .
    É um jogo, um simples jogo:
    .
    O sujeito chuta dez vezes, acerta uma, e vem com o papo de que tem poderes, é por aí…

  21. Biasetto Diz:

    Jorge,
    Dei uma olhada nestes livros, bem superficial. Eu já li alguns livros do Chico nesta linha. São livros de mensagens, livros bem escritos, realmente.
    As mensagens são belas e interessantes. Seguem aquela linha de “minutos de sabedoria”, auto-ajuda, “levanta o astral”…
    Olha Jorge, não sei de onde vinha a inspiração pro Chico escrever estas mensagens. Tem pessoas que têm facilidades pra escrever, e o Chico tinha esta facilidade.
    O que não falta no mercado são os livros espiritualistas, de auto-ajuda… A maioria deixa muito a desejar e é cópia da cópia da cópia. Mas tem livros bons. Dalai Lama, por exemplo, escreve belas mensagens, belas reflexões, e não diz psicografar.
    O Chico era concentrado no que fazia, era muito preocupado com o próximo, tinha uma memória e uma criatividade acima da média. Talvez seja isso! Provavelmente seja isso!
    Este tipo de livro, é difícil apontar plágios, acredito eu.
    Vinha da inspiração dele mesmo.
    Se o Chico nunca psicografou, e há vários motivos pra acreditarmos nisto, ele era muito estudioso, muito capacitado intelectualmente. Um livro como Parnaso, por exemplo, ainda que haja poemas fracos ali, tem muita coisa boa. A grande maioria das pessoas, estou nesta, não consegue escrever aquelas coisas…
    O problema, é que quando o Chico se meteu a falar de ciências, aí complicou, porque o estudo que ele fez foi limitado às obras que ele pesquisou, limitado ao tempo em que vivia… Além disso, ele quis acrescentar a intervenção espiritual nos fatos terrenos, e a coisa complicou de vez.
    Sabe, eu penso que o Chico teve uma sede em escrever, acima do que seria o ideal. Se ele fosse mais seletivo nas coisas que escreveu, tivesse feito 100 bons livros, talvez não estaríamos aqui, duvidando das psicografias… Mas ele se empolgou demais!

  22. Vitor Diz:

    Jorge,
    com relação ao desafio que você me fez, eu estava vendo o “Caminho, Verdade e Vida” e o próprio Emmanuel diz:
    .
    “Algumas destas páginas, JÁ PUBLICADAS NA IMPRENSA ESPIRITISTA CRISTÃ, foram por nós revistas e simplificadas para maior clareza de interpretação”.
    .
    Essas páginas eram de quem? Do próprio Chico/Emmanuel? Ou de outra pessoa? Se for de outra pessoa, então o Emmanuel está dizendo “olha, pessoal, isso aqui é tudo copiado mas adaptado, semelhanças não são meras coincidências” uma parte do seu desafio já foi vencido…

  23. Gilberto Diz:

    Pelo menos me curvo ao Jorge numa coisa: ele dá valor literário a esse pastiche mal-emendado que Xavier chamou de “literatura”. Isso é que chamo de “forçar a barra”. Prefiro Cassandra Rios. Pelo menos sabe-se que algum valor tinha…

  24. Biasetto Diz:

    Estes livros que o Jorge considera “perfeitos”, eu até acho que são bem escritos, com belas mensagens e tudo mais, também não representam nenhuma novidade. Desde quando surgiu a escrita, por volta de 4000 a.C., também começaram a aparecer mensagens, frases bonitas e “conselhos espiritualistas”. Portanto, não há nada de original nestes livros, o que reforça a ideia de que o próprio Chico possa ter escrito tudo sozinho.
    .
    Eu não sei se o Jorge já viu outros posts aqui do blog, mostrando as “semelhanças” entre os livros do Chico e outras obras. Ontem eu selecionei uns 5 ou 6 links aqui e passei o comentário, mas ele não apareceu aqui no blog. Talvez tenha ficado registrado como span, sei lá. Se o Vítor puder, que dê uma olhada.
    .
    É incrível como certas pessoas negam as tais “semelhanças”. Estas que apontei neste artigo, até acho as mais fracas. Porém, quem achar que não se fundamenta o que aqui foi mostrado, sugiro ler, ainda que superficialmente, as duas obras. A pessoa vai perceber, que tem tudo a ver. Nos pirmeiros capítulos de A Caminho da Luz, o Chico/Emmanuel “fala” das raças humanas (o que é um bobagem!), fala de algumas civilizações, de alguns “personagens” (Buda, Confúcio…) históricos. No livro Os Grande Iniciados, os dois temas principais são estes: as primeiras civilizações, com o aparecimento das “raças humanas” e os personagens que se destacam (“os grandes iniciados”). Quer dizer, é tudo muito semelhante, muito parecido demais, pra ser só coincidência.
    Outra coisa, não consigo entender como Jesus Cristo tinha tantos poderes pra criar a atmosfera, os continentes, os oceanos, a variedade da vida e tudo mais… e esse mesmo Jesus não consegue evitar que os espíritos que reencarnaram na Terra, com uma missão sublime, se desviem totalmente do caminho e se transformam em sujeitos do mal.
    Quando Napoleão resolveu se aventurar na Rússia, levou mais de meio milhão de soldados. Somente uns 10% retornaram vivos. Será que Jesus não poderia ter evitado isto? Sem falar nas vítimas das tropas napoleônicas.
    Eu só queria entender que lógica pode existir nestas histórias. Queria, sinceramente, que espíritas bem intencionados como o Scur, me explicassem isto, a lógica destes acontecimentos.
    Fico pensando: se o Emmanuel realmente reencarnou na Itália, com o propósito de revolucionar a Igreja Católica – e se ele resolver ser jogador da Roma ou então criar um bordel em Nápoles ou quem sabe entra pra máfia siciliana? Como fica?

  25. Vitor Diz:

    Biasetto,
    Tinha entrado como spam sim, liberei agora.

  26. Caio Diz:

    Biasetto, não existe lógica alguma em qualquer aspecto de qualquer religião. Aliás, para os líderes religiosos, quanto mais o rebanho ficar longe da “lógica”, melhor. E, quando os dogmas da igreja vão de mal a pior, quando eles estão desmoronando feito paçoca, quando a situação é crítica, estes mesmos líderes tentam, inutilmente, conciliar ciência e religião. Mas, óbvio, as explicações nunca convencem as pessoas mais racionais, simplesmente porque, no fundo, sempre vai faltar, em algum momento da explicação, a tal da lógica. Veja só a Igreja Católica, por exemplo. A alta cúpula fez o “favor” de reconhecer o Big Bang como um fenômeno legítimo, aceitou o evolucionismo e, pelo que sei, existe até mesmo uma corrente de religiosos dispostos a aceitar que Deus não é onisciente. Agora eu pergunto: qual é a diferença entre um Deus que não criou o universo (pelo menos não do jeito como a bíblia, seu próprio livro, diz), não criou as espécies e que nem mesmo tem noção de tudo o que acontece e um Deus que não existe? Existe alguma lógica nisso?
    .
    Ainda na linha do meu último comentário, acho engraçado como alguns religiosos tentam, independentemente do curso dos fatos, declarar que o seus deuses imaginários estão certos. Como gosto muito de automobilismo, sempre assisto a corridas de Fórmula 1 pelo Youtube, principalmente as mais antigas. Esses dias, depois de ter visto alguns lances do Senna, dei uma olhada nos comentários e vi algo como: “Deus levou o Ayrton porque a missão dele na Terra já estava cumprida”. Quase caí da cadeira. Quem acompanha a F1 sabe que o Senna, seguramente, se tivesse permanecido vivo, ainda faria muito dentro da categoria. É provável que ele ganhasse mais alguns títulos mundiais (e tirasse alguns do Schumacher!) e batesse alguns recordes. Fora das pistas, ele também ainda tinha muito a fazer com seus projetos sociais. O cara tinha grana e vontade de ajudar… É “comum” esse perfil hoje em dia? Quase ninguém tem grana, e menos ainda vontade de ajudar o próximo. A morte dele foi uma fatalidade, muito ainda poderia ser feito. No entanto, se ele não tivesse morrido, os religiosos diriam: “Viu só? Mesmo pilotando da forma arriscada como ele pilotava, nunca nada de grave aconteceu, porque Deus quis assim, Senna acreditava demais em Deus (o que é bem verdade), Ele o protegeu”, blá, blá, blá… Como ele morreu, os mesmos religiosos preferem alegar: “A missão dele foi cumprida, era a vontade de deus”. Patético.

  27. Biasetto Diz:

    Valeu Vítor, os links estão aí pro Jorge ver e concluir.

  28. Leonardo Diz:

    Biasetto,
    .
    Como as discussões vão migrando conforme os tópicos (aliás, seria interessante um fórum no blog, não? Fica a dica), postei uma informação num artigo seu que já saiu da página inicial e que talvez te interesse.
    .
    http://obraspsicografadas.haaan.com/2011/evidncias-da-influncia-de-a-vida-alm-do-vu-g-vale-owen-na-elaborao-da-obra-libertao-chico-xavierandreacu/
    .
    Descobrei por acaso, enquanto relia o livro.

  29. Biasetto Diz:

    Leonardo,
    Esta informação tua é bem interessante.
    Veja bem: algumas pessoas argumentam, que é natural que existam narrativas semelhantes em livros como A Vida Além Do Véu e Nosso Lar ou Libertação, pois o tema é colônia espiritual, umbral, trevas…
    Eu até concordo com estes argumentos, no sentido que o plano espiritual, caso existam as tais colônias, deve ser mais ou menos parecido, seja no Brasil ou na Inglaterra.
    O problema, analisando-se as obras é que existem semelhanças de acontecimentos, de fatos e pontos nas histórias, onde a impressão que se tem, é que a partir de A Vida Além Do Véu, ocorreram adaptações das narrativas.
    Não se trata, simplesmente de se afirmar que Nosso Lar seja parecido a uma colônia espiritual na Inglaterra, o que seria aceitável, porque se uma pessoa narrar coisas que vê em São Paulo, talvez haja muitas semelhanças a coisas que se vê em Londres, mesmo havendo a diferença de desenvolvimento entre o Brasil e a Inglaterra.
    Só que, por exemplo, no livro do Owen, a narrativa do espírito Arnel, lá na cidade das trevas, a caminhada deles, as coisas que eles vão encontrando, alguns acontecimentos, tudo é muito parecido, ao que o André Luiz narra, em Libertação.
    Então, é neste sentido que trabalho com a ideia de que o Chico ou o espírito André Luiz (mas isto pra mim é estranho), foi ou foram buscar as informações de A Vida Além Do Véu, pra a produção de Libertação. Entende?

  30. Leonardo Diz:

    Entendo. Conheço bem os livros de André Luiz, no entanto, o do Owen nunca li. Verei se consigo uma versão impressa para ler e depois retorno meu parecer. Pode-se dizer, com certeza, que no ano da publicação de “Libertação”, Chico tinha, sim, conhecimento da obra de Owen.
    .
    Abraço.

  31. Jorge Diz:

    Meninos, é uma descortesia postar algo e sair de fininho (tenho agido como troll). Eu tinha um monte de coisas pra fazer. Desculpem.
    Nao posso ta vindo aqui sempre.

    O Vitor está no meu Reader, portanto já li tudo que ele publicou, nao se preocupem…

    Acho que a evolução é pessoal e intransferível.
    Portanto, evoluam, refletindo, autorefletindo, identificando os erros dos outros e de si mesmos. Verificando o que há de desonesto em si mesmos antes, mas isso nao escuda de olha os erros dos outros.

    Eu lembrei que – se somos enganados pelos padres, que rezam a missa da homofobia e depois ensinam aos coroinhas o caminho das pedras – poderemos sim ser enganados pelo Chico.

    Viver numa sociedade alicerçada no medo e na mentira, dá nisso…

    Transparencia, verdade, e desavergonhamento…

    Ainda convido Vitor para fazer uma tese de doutorado, aprofundando os pontos aqui levantados.

    abs

  32. mrh Diz:

    Folks, esse livro do CX é a koisa + absurda q já li. Cristolatria descabelada… impressionante mesmo.
    .
    + a escala d tempo usada p/ CX decerto ñ era a atual. Assim, ele provavelmente ignorava q a Terra tem 4,6 bilhões de anos. Deve ter se baseado em alguma outra estimativa muito + modesta, corrente naqueles anos.
    .
    Outro aspecto q salta aos olhos é sua psichê mitômana. Ele inventa, delira e leva os outros a acreditar no q escreve – digo, seus admiradores.
    .
    Ñ consigo concordar c/ o Vitor e o Biazeto qdo eles, p/ 1 resíduo d admiração, separam o q julgam ser a “moralidade caritativa” do CX de seus escritos malucos.
    .
    Escritos e práticas seriam assim distinguíveis.
    .
    Q caridade existe em escrever coisas absurdas e enganar o próximo? Praticar a caridade material depois conserta as coisas? Se 1 espírita, convencido da V destas sandices responder no vestibular q a origem do planeta Terra deve-se a Jesus e seu “exército” e for reprovado, sua situação vai ser resolvida pq CX deu 1 kg d arroz em Uberaba a 1 pessoa pobre? Se 1 criança for educada acreditando nessas coisas, e suas respostas na provinha da escola forem justamente mal avaliadas, se ele se tornar alvo d chacota dos professores e coleguinhas p/ isto, 1 kg d feijão a 1 pessoa pobre em Uberaba resolve?
    .
    Discordo d vcs. Ñ consigo ver 1 sentimento real qquer d bondade aqui; d qquer sentido d consequência nos atos d CX c/ relação às pessoas, apenas a vontade d se projetar usando os outros e criando 1 argumento diversionista, muito utilizado pelos espíritas, q justificam a situação pq CX supostamente fazia caridade.
    .
    Ñ há caridade em enganar as pessoas. Ñ há caridade em deseducar as pessoas. Ñ há amor ao próximo qdo se ensina falsa ciência. Ñ há bondade em vender livros e livros a 1 população pobre (deseducando-a, enganando-a, tomando seus parcos meios) p/ financiar 1 tendência do espiritismo (no caso, o chiquismo) q conduziu o kardecismo brasileiro à IMédia.
    etc.

  33. Renato Diz:

    Estou há uma hora e meia lendo seus comentários e confesso que , apesar de ser simpatizante da doutrina espírita por me parecer menos abusiva em termos sociais e financeiros, os argumentos aqui discorridos me balançaram e muito. Todos os participantes me parecem muito coerentes e cultos. Não tenho nada a adicionar no momento mas acompanharei com curiosidade seus comentários e, como estou lendo a obra ” psicografada de André Luiz, ficarei atento às discrepâncias. Só uma coisa: estava outro dia assistindo a um documentário científico sobre a origem do sistema solar e tenho certeza que foi mencionado o fato da Terra e outros planetas terem sim se originado da massa solar decorrente de explosões monumentais que era comuns no periodo. Não sou um expert, mas o que vocês acham disso?

  34. Vitor Diz:

    Renato,
    a ideia que os planetas de nosso sistema se originaram da nebulosa solar é muito antiga, se bem me lembro foi Laplace que pensou nela primeiro. Não sei até que ponto é válida, mas não é nenhuma novidade.

  35. Biasetto Diz:

    Olá Renato!
    Acho que quem pode responder melhor a tua pergunta é o Carlos.
    Você disse que é simpatizante da doutrina espírita, e agora ficou balançado. Olha, o blog não tem, pelo menos eu não tenho, a intenção de desqualificar o espiritismo como um todo. O que se discute aqui, especificamente, é a autenticidade ou não das obras ditas psicografadas.
    Um abraço!

  36. Carlos Diz:

    Olá Renato,
    .
    O modelo espírita de formação da Terra, que encontra-se na “A Gênese” de Allan Kardec e é retomado em “A Caminho da Luz”, é que o nosso planeta teria sido formado destacando-se do Sol.
    .
    Na verdade há ainda muito debate na ciência sobre a formação dos planetas chamados rochosos (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte, incluindo a Lua). O modelo mais aceito é que eles se formariam por acresção de pequenos blocos de rocha gravitando em torno do Sol (meteoritos, por exemplo). O que não é possível é a formação dos planetas rochosos destacado-se do Sol.
    .
    A razão é bem simples. O Sol é basicamente formado por hidrogênio e hélio, enquanto a Terra possui uma enorme quantidade de elementos químicos de número atômico elevado (Al, Mg, Fe, Ni …) que não são sintetizados no Sol (serão um dia, mas é uma outra história).
    .
    Você encontra na Wikipedia uma introdução atualizada do assunto. Note que o ponto essencial nessa história toda não é o fato da ciência mostrar que os conceitos mudam, e o que antes era tido como certo hoje não é mais. O que surpreende é o espiritismo permanecer engessado por conceitos em muitos aspectos ultrapassados, acreditando que suas “revelações” são intocáveis pois viriam de espíritos superiores.

  37. Alessandro Diz:

    Não sou espírita, mas achei os comentários da Parte 1 muito fracos, sem argumentos sólidos, se concentrando em palavras específicas, falácias e até comentários, com o perdão da palavra, ingênuos.

    Segundo o espiritismo, Jesus foi o espírito mais evoluído que já esteve presente em nosso planeta. Se a criação da vida em nosso planeta foi orientada por desígnios superiores, e Jesus tenha sido um dos espíritos responsáveis por tal tarefa, obviamente que ela teria sido conduzida há mais de 4 bilhões de anos. E se o objetivo de Jesus na Terra era dar à humanidade um exemplo de amor, isso poderia muito bem ter sido feito há 2 mil anos atrás, pois há mais tempo que isso a humanidade ou não existia, ou ainda não alcançara um mínimo de civilidade. Não há nenhuma incoerência nesses argumentos.

    (Sobre o Brasil, acho que está na hora de aumentarmos o nosso otimismo. Você acha que quem causa os males de nosso país são pessoas que amam a pátria e têm orgulho pelo Brasil, ou são pessoas que acham que está tudo ruim, que não é um país sério, e tal? Duvido que entre políticos corruptos haja muitos patriotas ferrenhos. Mas esse parágrafo é apenas um parêntesis)

    Aí em outros comentários você começa a misturar os desígnios divinos, a onisciência do Deus católico, com os conceitos do espiritismo, e isso é falacioso para dizer o mínimo.

    A Parte II achei mais interessante, mas como não conheço nenhum dos dois livros, vou procurar me informar para conhecer os argumentos dos dois lados.

  38. Renato Diz:

    Carlos,Biasetto e Vitor. Muito obrigado pelo retorno e desejo a vocês um futuro de discussões muito frutíferas sobre este assunto que é um dos mais importantes da humanidade que na grande maioria, infelizmente, ainda está lutando para sobreviver materialmente, que dirá preocupar-se com o que acontece após a morte terrena. Estarei seguindo seus comentários e se eu humildemente tiver algo relevante para falar, me manifestarei ( não espiritualmente, por enquanto… ) Um abraço.

  39. Alessandro Diz:

    Não sou espírita, mas os comentários da Parte 1 estão muito fracos, sem argumentos sólidos, se concentrando em palavras específicas, falácias e até comentários, com o perdão da palavra, ingênuos.

    Segundo o espiritismo, Jesus foi o espírito mais evoluído que já esteve presente em nosso planeta. Se a criação da vida em nosso planeta foi orientada por desígnios superiores, e Jesus tenha sido um dos espíritos responsáveis por tal tarefa, obviamente que ela teria sido conduzida há mais de 4 bilhões de anos. E se o objetivo de Jesus na Terra era dar à humanidade um exemplo de amor, isso poderia muito bem ter sido feito há 2 mil anos atrás, pois há mais tempo que isso a humanidade ou não existia, ou ainda não alcançara um mínimo de civilidade. Não há nenhuma incoerência nesses argumentos.

    (Sobre o Brasil, acho que está na hora de aumentarmos o nosso otimismo. Você acha que quem causa os males de nosso país são pessoas que amam a pátria e têm orgulho pelo Brasil, ou são pessoas que acham que está tudo ruim, que não é um país sério, e tal? Duvido que entre políticos corruptos haja muitos patriotas ferrenhos. Mas esse parágrafo é apenas um parêntesis)

    Aí em outros comentários você começa a misturar os desígnios divinos, a onisciência do Deus católico, com os conceitos do espiritismo, e isso é falacioso para dizer o mínimo.

    A Parte II achei mais interessante, mas como não conheço nenhum dos dois livros, vou pesquisar e me informar para conhecer os argumentos dos dois lados.

  40. Rafael Diz:

    Antes de falar com os espíritas, eu queria falar com o Carlos. Parece que voce não é espírita, e não acredita na mediunidade nem na comunicação de espíritos. Pergunto: porque está participando do Blog ? É por achar que o Blog se identifica com alguns de teus pensamentos ?

    Pelo que entendi do Blog, ele discuti a respeito de psicografias, se focando mais em Chico Xavier (porque será…), mas não tem uma conotação cética/materialista ou atéia, mas científica (se bem que a Ciência atual é bem materialista, reducionista, determinista e newtoniana…)

    Se o Blog preconiza uma postura correta e coerente, deveria se lembrar do que Kardec diz no LM a respeito de discussões espíritas. Se alguem não acredita nestas coisas, não deveria perder tempo…

    Ou eu estou enganado ? Enfim, qual o REAL objetivo do Blog ? Eu sou espírita e não vejo muito sentido no Blog, pois pelo que vi de algumas análises, as premissas se iniciam falsamente e não há método científico adequado em outras… A análise é mais baseada em indícios não muito consistentes.

    até

    Até

  41. Biasetto Diz:

    Olá Alessandro!
    Você diz:
    .
    [Segundo o espiritismo, Jesus foi o espírito mais evoluído que já esteve presente em nosso planeta. Se a criação da vida em nosso planeta foi orientada por desígnios superiores, e Jesus tenha sido um dos espíritos responsáveis por tal tarefa, obviamente que ela teria sido conduzida há mais de 4 bilhões de anos. E se o objetivo de Jesus na Terra era dar à humanidade um exemplo de amor, isso poderia muito bem ter sido feito há 2 mil anos atrás, pois há mais tempo que isso a humanidade ou não existia, ou ainda não alcançara um mínimo de civilidade. Não há nenhuma incoerência nesses argumentos.]
    .
    Você não acha incoerente, Jesus ter participado da criação da Terra, há QUATRO BILHÕES DE ANOS e, só há dois mila anos, reaparecer por aqui?
    O livro não informa o que ele ficou fazendo por TODO ESTE TEMPO.
    .
    Você diz:
    .
    [(Sobre o Brasil, acho que está na hora de aumentarmos o nosso otimismo. Você acha que quem causa os males de nosso país são pessoas que amam a pátria e têm orgulho pelo Brasil, ou são pessoas que acham que está tudo ruim, que não é um país sério, e tal? Duvido que entre políticos corruptos haja muitos patriotas ferrenhos. Mas esse parágrafo é apenas um parêntesis)]
    .
    Gostaria que você em esclarecesse O QUE É SER PATRIOTA?
    .
    Um abraço!
    .
    Rafael,
    Pelo que pude identificar no Carlos, ele aceita a mediunidade. Ele só questiona até que ponto TUDO QUE O MÉDIUM ESCREVE, vem do espírito. Ou melhor: em que grau, o pensamento do médium interefere na psicografia?
    .
    Mas, obviamente, cabe a ele te responder melhor.
    .
    Um abraço!

  42. Rafael Diz:

    Biassetto, na Codificação espírita, há informações pontuais de que os espíritos puros podem presidir a formação de mundos. A informação do Livro resenhado por você, portanto, tem sua premissa principal suportada pela obras codificadas. A premissa sendo verdadeira, então cabe irmos à segunda hipótese: Jesus como modelador do planeta. Essa idéia não há na Codificação diretamente. Quem a trás, de fato, é Emmanuel. Ele deu nome aos bois, enquanto na Codificação se afirma ser possível. Ora, a Codificação sempre prezou pela informação geral e não muito específica.

    A linguagem de Emmanuel tem uma certa peculiaridade, devido à sua formação espiritual. Alguns acham ruim, mas aumentar o vocabulário ninguém quer em contrapartida…

    Portanto, eu concluo que a sua crítica a respeito dessa parte carece de maiores fundamentações e a Codificação deve ser a base para refutá-la. A Ciência com a sua teoria da Evolução, não contestaria tanto essa informação, se comparada ao criacionismo bíblico dos 7 dias.

    Até.

  43. Biasetto Diz:

    Rafael,
    Legal tua informação e comentário.
    Mas, acho, sinceramente, confusa a ideia de que Jesus Cristo esteve “modelando” o planeta há 4 bilhões de anos atrás e, só há dois mil, retornou em missão por aqui. Penso no que ele ficou fazendo em todo este tempo. Já que o livro procura informar, poderia esclarecer.
    Outra coisa que mencionei nas minhas críticas às informações do livro, é que esta situação descrita, faz de Jesus, realmente um ser extraordinário, poderosíssimo!!!
    Entretanto, em outras passagens do livro, assim como acontece em “Brasil, Coração do Mundo…”, Jesus parece confuso, em dúvida, sem saber o que vai acontecer…
    Acho muito estranho tudo isto… muito fictício…

  44. Sueli Prudente Diz:

    E dizer que para se enganar,pessoas gastam um tempo precioso em desmascarar Chico Xavier…
    A obra não mostra um Jesus confuso. Mostra as cabeças duras que ele tem a dura missão de conduzir.Jesus jamais irá mastigar nada a ninguém, assim como Deus não é escravo dos nossos desejos.
    A missão de Jesus é auxiliar a evolução do homem da Terra.
    O Homem deve realizar a sua evolução e se ele faz confusão, “trapalhadas”, isso não é culpa do orientador mas,do orientado.
    Jesus sempre foi iluminado em relação a sua própria tarefa. Se as coisas “ainda “não tomaram o rumo da luz que Ele nos deseja, certamente não é por ser confuso e sim pelo lento e equivocado uso do livre arbítrio de cada um de nós.
    A obra se refere a Tarefa do Mestre e não ao sucesso que muitos esperam para não terem que fazer nada.
    Se refletir verá que o verdadeiro final do livro está com cada um de nós e não nas mãos de Jesus ou Deus que não é bonzinho e sim justo.
    Não há contradição na óbra, mas sim no leitor aflito por um sucesso de mídia e bem distante do sucesso espiritual.
    Quem quiser bater a cabeça na parede que o faça! Jesus ou Deus jamais impedirá. Quem quiser aprender pela dor que o faça, mas não atribua isso ao fracasso da missão de Jesus tão mal interpretado na crítica feita a obra “A caminho da luz”
    Lamentável.

  45. Mauricio historiador Diz:

    A crítica parte do desconhecimento do princípio do livre arbítrio, e da tensão em entre escolha e tendência, coisa básica em O Livro dos Espíritos. O resto é tão ingênuo que não merece comentário, caberia em uma conversa adolescente….Um comentário desses baixa o nível em comparação aos outros…

  46. marcello Diz:

    legal é ver que são sempre os mesmos que comentam, e um “debate de amigos” que juntos tentam desmerecer a opinião de outros e juntos querem dar ar de veracidade aos seus pensamentos. Achar que “missão dada é missão cumprida” aos seres encarnados é uma piada, provavelmente pensada por recem espiritas , ou espiritas bem jovens. O brasil ser patria do evangelho, ainda pode não parecer para vc mas de todos os paises do mundo qual é o mais tolerante com tudo, nossa evolução não sera em 2000 anos , todos somos eternos o tempo para os espiritos é irrelevante, lembrem-se que muitos falaram “4 bilhões de anos” ora então se demora esse tempo para a terra se tornar apta a vida e acham que 2000 anos é tempo demais para a evoluão humana? sinceramente não vejo espiritas aqui, espirita de verdade deveria sim propagar o melhor da doutrina, e incentivar as pessoas ao pensamento da paz e tolerancia ao proximo e não criando rinhas onde dão aos espiritos negativos todas as ferramentas que precisão para destruir, na mente dos fracos, a missão celeste do espiritismo.

  47. Luis Gustavo Diz:

    Alô amigos, Chico Xavier foi apenas instrumento de uma causa muito maio e ainda pouco conhecida, mas a revelação espiritual nos liberta e explica o que nenhum padre ou pastor evangélico destes que vive falando um monte de besteira pra tentar vender livros e arrecadar grana de um bando de trouxas que os sustentam, Chico nunca ganhou dinheiro em seus livros, pelo contrário trabalhou a vida inteira e ainda se dou a causa espírita, só isso já o credencia, para que plagear algo sem ganhar nada em troca, desencarnou pobre como nasceu.Compare com os pastores evangélicos que vivem de religião sem trabalhar e são sustenstados por trouxas patos e ignorantes.
    Abraço

  48. Mauro Antonio Britta Diz:

    Queridos, necessito de saber mais sobre os signos do Zodíaco contidos em “Os grandes iniciados” – os signos e seus significados, pois em cima das doze colunas de uma Loja maçônica lá estão encimados os doze signos. Sei que Áries representa o cordeiro (Rama) e o segundo, o Touro está sentado sobre seu traseiro atolado no obscurantismo… etc… é por aí… necessito mais e mais saber sobre esta simbologia… sei que da esquerda para a direita está escrita a história de Adão Kadmon (nós) até os dias de hoje e da direita para esquerda a história da infinitude e seus milhões de kosmos até Rama que abre a possibilidade de nos desenvolvermos um pouco mais nesta sub-raça…

    O Livro de Schuré fala alguma coisa, mas preciso de mais e mais – Blavatsky tem alguns fragmentos, mas estão dispersos pelos seus dez livros (Ísis sem véu e A Doutrina Secreta)…

    Os maçons são os que menos sabem disso e os símbolos estão lá gritando em nossas faces!… Infelismentte o objeto da maçonaria hoje é outra coisa…

    TFA

    Britta

  49. Doralucia Diz:

    Excelente as argumentações, Jesus e todos os emissários de luz agradecem o bom debate e a districão gratuita através da dúvida sobre Chico Xavier, pois desperta em muitos a curiosidade do conhecimento, oportunizando dessa forma que muitos queiram conhecer o que a séculos está disponível a todos.

  50. Rudy Diz:

    Os espíritas não se atêm muito a questão do verniz pseudo-científico dessa obra, mas há algo mais grave que é o que eles mais se importam. Essa Cristolatria, meus queridos, quando vocês dizem que o mundo foi criado por Jesus, que ele preside o mundo, que todas as raças na verdade só estavam anunciando-o, vocês incorrem nos mesmos erros da Igreja Católica ao dizer que fora da Igreja não há salvação, ou seja, além de Jesus nada mais há. Se vocês realmente estudassem a sério sem essa lente cristã assoberbada, veriam que várias religiões anteriores ao cristianismo já tinham um ser evoluído que criaria o planeta, e não necessariamente seria Deus. Dois exemplos simples, religião africana, Obatalá e Oduduwa criaram o mundo e presidem sobre ele; no hinduísmo Brahma criou o mundo e preside sobre ele como o maior Ser encarnado no Universo; no taoismo o espírito que preside sobre o mundo é o Rei de Jade. Então, meus caros, porque que deslocamos tudo isso para Jesus? Ao fazermos isso não entramos em conflito com as demais crenças, impondo, mais uma vez, o cristianismo como A dourina entre as doutrinas? Porque que boa parte dos espiritos do kardecismo brasileiro só vêm falar de Jesus. Nenhum vem falar de Olodumaré, do Tao, de Brahman, Krishna, e os poucos que o fazem são relegados a espíritos enganadores, cito exemplo, boa parte dos kardecistas acham que Ramatis é um espírito enganador. Como ficamos?

  51. clarissa Diz:

    Eu concordo as críticas de Rudy, não só sobre a cristolatria, mas a visão ocidental exposta no livro. Há certamente um desrespeito por outras religiões e visões orientais. Cristo é visto como um ser perfeito antes do mundo ser criado confundido com Deus, como ocorre no catolicismo. O Espiritismo não aceita que Jesus pode também ter tido várias encarnações na terra, tendo também se aperfeiçoado, sendo uma dela o próprio Buda. Por que não? Quando ao fato de planos terem dado errado, não vejo nisso nada de mal, porque acredito que seja assim mesmo. Planos são feitos no astral e o livre-arbítrio dos homens faz com que nem sempre corra tudo conforme o planejado. Isso não tem nada a ver com a perfeição ou não dos espíritos que ajudaram no planejamento.

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)