CONDIÇÕES MÉDICAS RARAS E MEMÓRIAS SUGESTIVAS DE VIDAS PASSADAS: UM RELATO DE CASO E REVISÃO Da LITERATURA (2013)

Este artigo apresenta o caso de um paciente com um conjunto de condições médicas extremamente raras que foram atribuídas a vidas passadas.

RELATÓRIO DE CASO 

CONDIÇÕES MÉDICAS RARAS E MEMÓRIAS SUGESTIVAS DE VIDAS PASSADAS: UM RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA 

Giancarlo Lucchetti, MD, PhD,1,2# Luizete dos Santos Camargo, MD, MSc,3 Alessandra L. G. Lucchetti, MD,2

Gary E.Schwartz, PhD,4 e Fabio Nasri, MD, 2,5 

Nosso objetivo é relatar o caso de um homem de 38 anos de idade, com memórias sugestivas de vidas passadas durante uma sessão de regressão e mostrar como essas memórias estavam relacionadas a problemas médicos incomuns: (1) obstrução isolada da artéria coronária direita em um jovem paciente, (2) infarto omental e (3) arco aórtico direito, com isolamento da artéria subclávia esquerda. Estas condições foram relacionadas às seguintes memórias sugestivas de vidas passadas: (1) um padre que se matou com um crucifixo pregado no peito e (2) uma arma medieval (mangual) atingindo a região cervical e a região esquerda das costas. Havia uma relação intrigante entre as memórias do paciente sugestivas de vidas passadas e condições médicas raras. Neste artigo, os autores destacam possíveis explicações, a raridade de resultados, e as semelhanças/diferenças de casos anteriores e potenciais armadilhas nesta área.

Palavras-chave: Reencarnação, memórias sugestivas de vidas passadas, Espiritualidade

(Explore 2013; 9:372-376 © 2013 Elsevier Inc. All rights reserved.) 

1 Federal University of Juiz de Fora, Juiz de Fora, Brazil

2 São Paulo Medical Spiritist Association, São Paulo, Brazil

3 Psychosynthesis Center of São Paulo, São Paulo, Brazil

4 Laboratory for Advances in Consciousness and Health, The University of Arizona, Tucson, AZ

5 Hospital Albert Einstein, São Paulo, Brazil

# Correspondence to: Rua Dona Elisa, 150—apto. 153B—Barra Funda, São Paulo, Brazil.

e-mail: [email protected]; [email protected]

Introdução 

Durante séculos, a “vida após a morte” foi amplamente discutida pela comunidade científica sem um consenso formal. Muitos pesquisadores dedicaram sua vida inteira tentando apoiar ou refutar essa hipótese, particularmente em crianças.1,2

Um dos cientistas mais notáveis ??neste campo foi o Dr. Ian Stevenson, que estudou as crianças que relataram espontaneamente memórias sugestivas de vidas passadas.3 Ele viajou por todo o mundo para coletar esses casos e descobriu que eles eram muito comuns.1

Memórias de vidas passadas podem envolver uma variedade de experiências como episódios de “déjà vu”, “flashbacks” sensoriais vívidos, experiências fora-do-corpo, sonhos, dor física atribuída a lesão durante uma vida passada, memórias que emergem durante a hipnose ou meditação, sonhos recorrentes ou intensos e imagens recobradas durante uma experiência de quase-morte na infância.4

No momento, não há uma única explicação para esses achados. Alguns autores acreditam que a reencarnação pode ser a melhor hipótese, destacando o alto grau de correspondência.5, 6 No entanto, outros autores acreditam que essas lembranças são fantasias que os indivíduos constroem com base em suas informações históricas muitas vezes limitadas e imprecisas.7

Infelizmente, devido aos desafios metodológicos, a maior evidência vem de relatos de casos e usa o número de informações corrigidas para análise, que consiste em marcas e defeitos de nascença, declarações e comportamentos de vidas passadas.1,8

Nesse contexto, há um grande número de hipnoterapeutas que tentam “recuperar memórias de vidas passadas.” No entanto, há grandes preocupações sobre se a regressão hipnótica pode ser um instrumento para avaliar essas “memórias”. De acordo com o Dr. Stevenson, a maioria das “personalidades anteriores” evocadas hipnoticamente são imaginárias, como é o conteúdo da maioria dos sonhos.3 Além disso, Meyersburg et al4 avaliaram participantes encaminhados a terapeutas de regressão de vidas passadas e descobriram que aqueles que relatavam memórias de vidas passadas exibiam maior recordação e reconhecimento falsos, e pontuavam mais em medidas de ideação mágica e absorção.

Por outro lado, existem alguns casos notáveis??, mostrando resultados impressionantes, em que os pacientes lembram nomes de vidas passadas, datas, geografia e detalhes vívidos.9 Por exemplo, Tarazi10 investigou o caso de uma mulher submetida a uma técnica hipnótica de regressão a vidas passadas. Ela lembrou uma vida passada como Antônia no século 16 na Espanha. Após verificar centenas de fatos detalhados em textos em inglês e espanhol, e fazer viagens à Espanha, Caribe e norte da África, a autora não encontrou erros.

Considerando isso, ainda há uma infinidade de perguntas sem solução. Nosso objetivo é relatar o caso de um adulto que teve lembranças sugestivas de vidas passadas durante uma regressão hipnótica e mostrar como essas memórias parecem estar relacionadas a condições médicas raras.

RELATÓRIO DE CASO

Primeiro episódio 

Um homem de 38 anos, previamente saudável, sem fatores de risco cardiovasculares identificáveis ??e sem histórico na família, foi internado em uma sala de emergência (ER) do Brasil queixando-se de dor torácica típica grave. Após a avaliação inicial, ele recebeu um eletrocardiograma, que não mostrou alterações. Posteriormente, o paciente foi conduzido para a unidade de terapia intensiva para mais investigação e para estratificação de risco. Uma tomografia computadorizada (TC) multicorte do coração foi realizada, a qual mostrou um escore de cálcio das artérias coronárias de 99 e uma lesão crítica da artéria coronária direita (Figura 1).

clip_image002

Figura 1. Tomografia computadorizada multicorte do coração do paciente, mostrando um escore de cálcio coronário de 99. 

Em seguida, o paciente relatou uma súbita e nova dor no peito e foi submetido a uma intervenção coronária percutânea com a colocação de dois stents* RCA, sem maiores complicações.

Após a alta hospitalar, o paciente foi encaminhado para um clínico geral (CG).

Sessões Terapêuticas (Primeira Sugestiva de Memórias de Vidas Passadas) 

Concomitantemente à consulta ao CG, o paciente iniciou um processo terapêutico com um psicoterapeuta, devido ao estresse. Este psicoterapeuta era um médico especializado em hipnose ericksoniana, psicologia transpessoal, e psicossíntese.

De acordo com Roberto Assagioli,11 psicossíntese é uma abordagem para a psicologia que visa promover o desenvolvimento e aperfeiçoamento da personalidade e a coordenação harmoniosa e aumentar a unificação com o eu espiritual.

Durante uma dessas sessões, o terapeuta realizou uma hipnose de regressão a vidas passadas. O paciente experimentou um sofrimento intenso e viu-se como um sacerdote que havia cometido suicídio com um crucifixo pregado ao peito (o paciente apresentou a posição da entrada do crucifixo representada na Figura 2).

Segundo Episódio 

Três meses depois, o paciente começou a sentir uma dor abdominal severa, com um aumento da temperatura corporal. Ele foi internado no pronto-socorro para uma investigação mais aprofundada.

Uma tomografia computadorizada abdominal foi realizada, e ela mostrou a aparência turva de gordura mesentérica compatível com um pequeno infarto omental (Figura 3). Notavelmente, a posição do enfarte omental estava perto do outro ponto do crucifixo (Figura 2).

Após o tratamento conservador, ele recebeu alta e o processo terapêutico foi mantido.

 

clip_image004

Figura 2. Representação da posição do crucifixo: um padre que se matou com um crucifixo pregado ao peito. 

Sessões terapêuticas (Segunda Sugestiva de Memórias de Vidas Passadas) 

Dois meses depois, durante outra sessão terapêutica, ele viu uma arma medieval (mangual) dilacerar o seu pescoço e o lado esquerdo das costas durante uma batalha.

clip_image006

Figura 3. Tomografia computadorizada do abdome, mostrando uma aparência turva de gordura mesentérica compatível com um pequeno infarto omental. 

Terceiro Episódio 

Depois, em uma consulta de rotina, seu médico de clínica geral notou que havia uma diferença importante na pressão arterial (PA) entre os braços do paciente. A PA foi de 150/90 mmHg no braço direito e de 110/90 mmHg no braço esquerdo. Em vista destes resultados, uma investigação mais aprofundada foi realizada através de uma angiografia por tomografia computadorizada, a qual mostrou uma artéria carótida esquerda comum e atresia subclávia com arco aórtico direito no mesmo lugar relatado pelo paciente (Figura 4). O paciente não apresentava marcas visíveis na pele.

clip_image008

Figura 4. Angiografia por tomografia computadorizada mostrando o arco aórtico direito com isolamento da artéria subclaviana esquerda. 

DISCUSSÃO 

Nós relatamos um caso de um adulto com supostas memórias de vidas passadas que podem ser ligadas a condições médicas raras. Para alguns leitores, estes resultados são apenas uma coincidência (quando algo estranho, acidental e inesperado acontece), para outros isso pode ser mais uma prova “potencial” de reencarnação.

Em meio a essa polêmica, vamos fazer algumas considerações sobre este caso, mostrando algumas explicações possíveis, a raridade dos achados, semelhanças e diferenças em relação a casos anteriores, e potenciais armadilhas nesta área.

Raridade dos Achados 

Em primeiro lugar, podemos considerar que ter uma obstrução isolada da artéria coronária direita não é usual, particularmente para um homem de 38 anos anteriormente saudável sem fatores de risco cardiovasculares identificáveis??. Por exemplo, em um estudo sobre a dor no peito em jovens adultos, os autores descobriram que apenas 0,4% dos indivíduos preencheram os critérios para angina típica.12 Da mesma forma, a presença de doença arterial coronariana (DAC) em pacientes com menos de 40 anos representa apenas 3% de todos os pacientes com CHD.13 Finalmente, apenas 2,0% das pessoas com menos de 40 anos de idade que se apresentam ao departamento de emergência com infarto agudo do miocárdio não possuem nenhum dos fatores de risco convencionais para aterosclerose e apenas 0,5% têm achados angiográficos.14

Em segundo lugar, infarto omental é uma condição rara. Segundo alguns autores, a sua prevalência é difícil de calcular com precisão por causa do pequeno número de casos relatados na literatura.15 Até o momento, menos de 400 casos foram publicados na literatura inglesa desde a primeira descrição por Bush em 1896.16

Em terceiro lugar, a conclusão de um arco aórtico à direita com isolamento da artéria subclávia esquerda é uma anomalia congênita rara, na qual a artéria subclávia esquerda já não se comunica com a aorta. De acordo com uma recente revisão, apenas 43 pacientes foram relatados.17, 18

Todas estas condições médicas raras, em conjunto com as supostas memórias de vidas passadas, tornam o caso ainda mais misterioso e não facilmente explicável.

A posição da entrada do crucifixo e sua associação com a obstrução da artéria coronária direita e o infarto omental são um tanto surpreendentes, e a relação entre a arma medieval e o arco aórtico à direita com isolamento da artéria subclávia esquerda é notável.

Explicações Possíveis 

Muitas explicações podem justificar estes resultados.

Reencarnação: Alguns autores poderiam justificar estes resultados como a continuidade da “vida após a morte” e “reencarnação”. De fato, vários casos foram publicados na literatura científica e a maioria deles desafia o senso comum. Um exemplo claro desta afirmação é o trabalho do Dr. Stevenson e do Dr. Haraldsson. Mais de 2.500 casos foram investigados em todo o mundo, geralmente em culturas com uma crença na reencarnação.1 Stevenson também publicou um trabalho de documentação de mais de 200 casos de marcas ou defeitos de nascença,1, 19 como o de uma menina que nasceu com os dedos deformados e que se lembrou de ser um homem cujos dedos foram cortados.1 De acordo com o Dr. Ian Stevenson, “a reencarnação é a melhor embora não a única explicação para os casos mais fortes que investigamos”.5 No entanto, devemos mencionar que os casos de Haraldsson e de Stevenson foram baseados em crianças que relataram espontaneamente memórias sugestivas de vidas passadas. Na verdade, há menos evidência ao lidar com regressão hipnótica a vidas passadas. Como relatado anteriormente, Tarazi10 encontrou informações precisas a partir de memórias de vidas passadas relatadas durante uma regressão hipnótica de um único caso, e Weiss9 em seu livro “Through Time Into Healing”, trouxe muitos relatos de casos e possíveis benefícios desta terapia.

Falsas memórias: As pessoas às vezes fantasiam cenários complexos inteiros e depois definem essas experiências como lembranças de acontecimentos reais e não como imaginários.20 Os indivíduos que relatam memórias de vidas passadas em regressões hipnóticas apresentaram maior recordação falsa e taxas de reconhecimento falsas em comparação com os indivíduos que relatam ter vivido apenas uma vida.4

Fantasia e dissociação: Muitas tentativas foram feitas para investigar as explicações psicológicas. Spanos et al7 investigaram indivíduos que receberam sugestões hipnóticas para regredir além do nascimento até uma vida anterior. Ele descobriu que a hipnotizabilidade previu a intensidade subjetiva das experiências de vidas passadas, mas não a credibilidade atribuída a essas experiências. Segundo os autores, os sujeitos construíam essas fantasias para atender às exigências da situação de regressão hipnótica. Haraldsson21 realizou um estudo em crianças que afirmavam lembrar fragmentos de uma vida passada. Ele descobriu que as crianças com memórias de vidas passadas obtiveram escores mais elevados para sonhar acordado, busca de atenção e dissociação, mas não para isolamento social e sugestionabilidade. Ele concluiu que “as explicações psicológicas anteriormente imaginadas podem ser satisfatórias para os casos não resolvidos e para os casos em que há uma correspondência menor entre as declarações de vidas passadas da criança e os fatos na vida de uma pessoa identificada que morreu. Mas o que dizer sobre aqueles casos em que um alto grau de correspondência foi encontrado, e nenhuma conexão pôde ser estabelecida entre a família da criança e a personalidade anterior que pudesse explicar a correspondência?”

Diferenças e Similaridades dos Casos Anteriores 

Muitos casos publicados de memórias sugestivas de vidas passadas são de crianças que relataram espontaneamente sem o uso de regressão hipnótica (a idade média quando os sujeitos começam a relatar uma vida passada é de 35 meses, e os sujeitos geralmente param de fazer suas declarações de vidas passadas pela idade de 6-7 anos).1 Isso difere do presente e de outros relatórios em que o paciente era um adulto e teve experiências intensas durante uma regressão hipnótica.9,10

No entanto, o caso presente possui algumas semelhanças com os relatórios anteriores. De acordo com Tucker,1 quase três quartos dos casos de vidas passadas fornecem detalhes sobre a morte, especialmente se a morte foi violenta. Além disso, é comum que a relação entre as marcas ou defeitos de nascença pareça corresponder a feridas, o que está em linha com nosso relatório.19 

LIMITAÇÕES 

Os achados deste caso devem ser interpretados com cautela.

Em primeiro lugar, poderiam essas “memórias” não ser mais do que fantasias/imagens vagas produzidas pela mente do paciente para explicar sua condição médica? Foram estas alegadas memórias talvez evocadas pela psicoterapia que o paciente estava recebendo? Estes pressupostos devem ser considerados no primeiro episódio, uma vez que a psicoterapia foi realizada após a lesão da artéria coronária direita.

Em segundo lugar, duas das três condições médicas do paciente não eram congênitas. Poderiam eventos de vidas passadas ter causado duas oclusões arteriais ocorridas quando o paciente tinha 38 anos? Deve-se observar que o paciente teve um exame minucioso após o infarto omental, que não revelou anormalidades.

Em terceiro lugar, é difícil imaginar como um crucifixo poderia ser inserido no peito, a menos que uma das extremidades fosse pontiaguda como em uma faca. Pesquisando pela Internet, descobrimos que (1) alguns “rituais” usaram cruzes/crucifixos invertidos (menor parte do tronco da cruz afiada em um ponto) como punhais invertidos e (2) existe uma “Cruz da Paixão”, que possui pontos afiados no final de um ou mais dos elementos transversais. Assim, a explicação mais provável para este caso é a utilização de um crucifixo afiado.

Em quarto lugar, alguns autores acreditam que “imagens de vidas passadas” seria um termo melhor para usar do que “memórias de vidas passadas”, uma vez que estas imagens surgiram durante uma sessão. No entanto, a definição de memórias de vidas passadas envolve uma variedade de experiências, como memórias recuperadas através da hipnose ou meditação. Por isso, decidimos manter este termo.

Potenciais Armadilhas nesta Área 

Várias perguntas permanecem sem resposta e devem ser consideradas.

Grandes desafios ainda são enfrentados pelos estudos de reencarnação/memórias de vidas passadas, particularmente a metodologia utilizada. Na medicina baseada em evidências,22 estes relatórios possuem baixo grau de evidência, o que torna difícil confirmar ou descartar qualquer hipótese.

Nosso relato de caso, apesar de não responder a perguntas sem solução, abre a discussão sobre a relação entre condições médicas (agudas e crônicas) e as sugestivas memórias de vidas passadas.

No entanto, as seguintes questões ainda permanecem: É possível trabalhar com estas memórias, a fim de prevenir ou até mesmo diagnosticar doenças? Poderiam estas memórias de vidas passadas ser avaliadas pela psicoterapia ou regressão hipnótica? Ou isso é uma fantasia ou uma recordação falsa? É possível estudar a reencarnação com a metodologia atual? Qual é o papel da “cura espiritual” na medicina moderna? 

CONCLUSÃO 

Em conclusão, nós relatamos um caso que mostra uma relação intrigante entre as memórias sugestivas de vidas passadas e condições médicas raras. Neste momento, muitas explicações podem justificar estes resultados, como a reencarnação, o pensamento fantasia, e falsas memórias. Há uma necessidade de novas e robustas metodologias para investigar esses casos.

Todos nós morremos de algum tipo de sofrimento.  O que determina a natureza desse sofrimento? Eu acredito que a busca da resposta pode nos levar a pensar que a natureza de nossas doenças pode derivar, pelo menos em parte, de vidas passadas (…). Não deixem ninguém pensar que eu sei a resposta. Eu ainda a estou buscando.

— Dr. Ian Stevenson

REFERÊNCIAS 

1.    Tucker JB. Children’s reports of past-life memories: a review. Explore (NY). 2008;4(4):244-248.

2.    Stevenson I. American children who claim to remember previous lives. J Nerv Ment Dis. 1983;171(12):742-748.

3.    Stevenson I. A case of the psychotherapist’s fallacy: hypnotic regression to previous lives. Am J Clin Hypn. 1994;36(3):188-193.

4.    Meyersburg CA, Bogdan R, Gallo DA, McNally RJ. False memory propensity in people reporting recovered memories of past lives. J Abnorm Psychol. 2009;118(2):399-404.

5.    Stevenson I. Children who Remember Previous Lives: A Question of Reincarnation. Jefferson, North Carolina: McFarland & Co Inc Pub; 2001.

6.    Stevenson I. Half a Career with the paranormal. J Sci Explor. 2006;20(1):13-21.

7.    Spanos NP, Menary E, Gabora NJ, DuBreuil SC, Dewhirst B. Secondary identity enactments during hypnotic past-life regression: a sociocognitive perspective. J Pers Soc Psychol. 1991;61(2):308-320.

8.    King L. Cases of the reincarnation type, vol 1: ten cases in India. J Am Med Assoc. 1975;234(9):978.

9.    Weiss BL. Through Time into Healing. New York, New York: Touchstone; 1993.

10.  Tarazi L. An unusual case of hypnotic regression with some unexplained   contents.  J Am   Soc  Psychical  Res.   1990;84(4):309-344.

11.  Assagioli R. Psychosynthesis: A Manual of Principles and Techniques. Harmondsworth: Penguin; 1976.

12.  Hotopf M, Mayou R, Wadsworth M, Wessely S. Psychosocial and developmental antecedents of chest pain in young adults. Psychosom Med. 1999;61(6):861-867.

13.  Egred M, Viswanathan G, Davis GK. Myocardial infarction in young adults. Postgrad Med J. 2005;81(962):741-745.

14.  Kanitz MG, Giovannucci SJ, Jones JS, Mott M. Myocardial infarction in young adults: risk factors and clinical features. J Emerg Med. 1996;14(2):139-145.

15.  Baldisserotto M, Maffazzoni DR, Dora MD. Omental infarction in children: color Doppler sonography correlated with surgery and pathology findings. Am J Roentgenol. 2005;184(1):156-162.

16.  Safioleas M, Stamatakos M, Giaslakiotis K, Smirnis A, Safioleas P. Acute abdomen due to primary omentitis: a case report. Int Semin Surg Oncol. 2007;4:19.

17.  Gdynia HJ, Palm C, Kastrup A, Riecker A. Vertebrobasilar insufficiency due to right aortic arch with isolation of the left subclavian artery. J Clin Neurosci. 2009;1(89):168.

18.  Guinn GA, Weathers S. Congenital isolation of the subclavian artery in adults. Tex Heart Inst J. 1997;24(1):58-61 [discussion 3].

19.  Stevenson I. Reincarnation and Biology: A Contribution to the Etiology of Birthmarks and Birth Defects. Vol. 1: Birthmarks. Vol. 2: Birth Defects and Other Anomalies. Westport, CT: Praeger; 1997.

20.  Spanos NP, Burgess CA, Burgess MF. Past-life identities, UFO abductions, and satanic ritual abuse: the social construction of memories. Int J Clin Exp Hypn. 1994;42(4):433-446.

21.  Haraldsson E. Children who speak of past-life experiences: is there a psychological explanation? Psychol Psychother. 2003;76(Pt 1):55-67.

22.  Phillips B, Ball C, Sackett D. Oxford Centre for evidence based medicine levels of evidence (March 2009). Oxford: Centre for evidence based medicine. Available at: http://www.cebm.net/levels_of_evidence.asp. Accessed 10.08.10. 

Referência original: Rare medical conditions and suggestive past-life memories: a case report and literature review. Lucchetti G, dos Santos Camargo L, Lucchetti AL, Schwartz GE, Nasri F. Explore (NY). 2013 Nov-Dec;9(6):372-6. doi: 10.1016/j.explore.2013.08.003.

Este artigo foi traduzido por Vitor Moura Visoni



* Na medicina, um stent é uma endoprótese expansível, caracterizada como um tubo (geralmente de metal, principalmente nitinol, aço e ligas de cromo e cobalto) perfurado que é inserido em um conduto do corpo para prevenir ou impedir a constrição do fluxo no local causada por entupimento das artérias. (N. T.)

17 respostas a “CONDIÇÕES MÉDICAS RARAS E MEMÓRIAS SUGESTIVAS DE VIDAS PASSADAS: UM RELATO DE CASO E REVISÃO Da LITERATURA (2013)”

  1. Sanchez Diz:

    Vitor
    .
    Parabéns pelo trabalho. Você é incansável. Será dá tempo de beber água entre um post e outro?

  2. Francisco Mozart Diz:

    O caso é assaz intrigante, mas vejo como problema essa linha de evidência, uma vez que o paciente pode fazer confabulações e criptomnésia nesses casos. Outro ponto delicado é considerar o trabalho de Brian Weiss como evidencial. Procurei um dia desses e não achei um artigo sequer, em revista científica peer-reviewed, de autoria dele. Pode até haver algum, mas eu não encontrei.
    Por fim, mesmo que possa produzir alguns casos intrigantes, não acho que seja um terreno prolífico de pesquisa. As pesquisas de CORTs e de mediunidade creio serem mais férteis, emão bora não sejam necessariamente indicativas de imortalidade.
    Sugeriria aos pesquisadores do tema realizar pesquisas em sujeitos de baixo nível intelectual e cultural, pois penso que poderia reduzir a possibilidade de confabulação dos indivíduos.

  3. Gorducho Diz:

    Como é que reencarna o cara que morreu numa explosão?

  4. Marciano Diz:

    Reencarna num formigueiro, em várias formiguinhas de uma vez.

  5. Phelippe Diz:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkk, boa, Marciano, boa essa. E devo dizer que vc está certo. Lembra-se da leitura das cartas? as que fiz em centros de Umbanda? pois bem, o prazo terminou e nada do que foi profetizado se realizou. Não conheci a boa moça, não recebi o bom dinheiro que o universo havia reservado para mim etc. Nada com nada, td picaretagem. Pelo menos tirei a prova. De qualquer forma a experiência foi interessante.

  6. Marciano Diz:

    PHELIPPE,
    é por isso que eu, GORDUCHO, MONTALVÃO e outros mais preconizamos as experiências. É muito melhor do que ficar teorizando, filosofando, lendo livros encantados ou lendo sobre experiências de cientistas suspeitos.
    Eu também já fiz algumas experiências, todas sugestivas de que só há enganação, em qualquer crença.

  7. MONTALVÃO Diz:

    .
    Francisco Mozart Diz: O caso é assaz intrigante, mas vejo como problema essa linha de evidência, uma vez que o paciente pode fazer confabulações e criptomnésia nesses casos. Outro ponto delicado é considerar o trabalho de Brian Weiss como evidencial. Procurei um dia desses e não achei um artigo sequer, em revista científica peer-reviewed, de autoria dele. Pode até haver algum, mas eu não encontrei.
    .
    COMENTÁRIO: Mozart, o trabalho de Brian Weiss só é evidenciativo para quem navega no mundo de fantasias das regressões a vidas passadas. Nem psicólogos regressionistas o levam muito a sério, nem Tom Shroder, investigador da reencarnação, autor de “Almas Antigas” o leva a sério. Enfim, Brian Weiss não é mesmo para ser levado a sério…

  8. Sanchez Diz:

    Li o artigo. Acho intrigante não somente casos sugestivos de memória de vidas passadas, mas marcas físicas associada. Interessante q

  9. Sanchez Diz:

    Esbarrei nas teclado e acabou saindo incompleto
    .
    Continuando
    .
    Interessante que o método utilizado para a obtenção das memórias de vidas passadas foi através de hipnose de regressão a vidas passadas, mas no mesmo artigo diz que esse tipo de método está sujeito a erro e não é muito confiável.
    .
    “…Os indivíduos que relatam memórias de vidas passadas em regressões hipnóticas apresentaram maior recordação falsa e taxas de reconhecimento falsas em comparação com os indivíduos que relatam ter vivido apenas uma vida.”

  10. Biasetto Diz:

    Passando aqui só dar um “olá!”
    Fugindo do tema, mas eu pergunto pro DeMarte, com toda sua experiência marciana, o que ocorreu aqui?

    https://www.youtube.com/watch?v=8ndcx2wyKRo

  11. Marciano Diz:

    Não posso afirmar, Biasetto, mas pode ser algo assim:
    .
    Estação Espacial
    O brilho do Sol refletido na Estação Espacial poderá ser visto às 19h32 do dia 3. Dirija o olhar a 30º de elevação em direção ao azimute de 51º. A ISS estará a 769 km da cidade rumando em sentido Leste.

    Telescópio Hubble
    O Telescópio Espacial Hubble poderá ser visto cruzando o céu da cidade às 5h5 do dia 1. Para ver o telescópio, olhe a 26º de elevação sobre o azimute de 26º

  12. Larissa Diz:

    Biasa: É montagem. Este vídeo é velho e eu pesquisei. Vou ver se eu acho a matéria que entrega a fraude…

  13. Larissa Diz:

    http://www.e-farsas.com/ovni-filmado-em-agudos-sao-paulo.html

  14. Biasetto Diz:

    Olá Larissa, sinceramente, pensei sobre isto.
    Valeu!

  15. Larissa Diz:

    Venhamos e convenhamos, é uma montagem muito boa :)

  16. Marciano Diz:

    Não tem nada a ver com este tópico também, mas o Scur me falou que jcff amarelou, que não teve argumentos para refutar a nova ” comprovação” da existência de Lentulus.
    Eu disse a ele que jcff é muito mais confiável do que o autor mencionado, mas ele não acredita.
    Acho que tava na hora do jcff refutar mais uma vez o Lentulus.

  17. Franciscomozart Diz:

    Montalvão, foi exatamente isso o que quis dizer. Apenas concedi ao Brian Weiss a possibilidade do contraditório.

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)