MEMÓRIAS DE VIDAS PASSADAS DE CRIANÇAS, por James G. Matlock (1991)

Neste artigo o antropólogo James G. Matlock ajuda a estebelecer diferenças entre PES e Sobrevivência em casos do tipo reencarnação. Achei brilhante como ele faz isso, e de maneira sucinta. Ele também mostra problemas com as hipóteses de fantasia e psicossocial.

MEMÓRIAS DE VIDAS PASSADAS DE CRIANÇAS

James G. Matlock, M.L.S.

Hunter College

New York, NY 

Quando a maioria de nós pensa hoje em lembranças passadas, provavelmente o que vem à mente são as regressões hipnóticas a vidas passadas ou as leituras de vidas passadas feitas por médiuns ou psíquicos. No entanto, muitas pessoas afirmam se lembrar de eventos de outras vidas enquanto estão no seu estado de vigília normal – e destas, a maioria são crianças.

Uma criança que se lembra de coisas de uma vida anterior geralmente começa a falar sobre elas quando é muito jovem, talvez assim que começa a falar, mas mais geralmente entre os 2 e 5 anos. Algumas crianças falam muito sobre a vida que lembram, enquanto outras dizem as mesmas poucas coisas frequentemente.

Depois de alguns anos (geralmente entre os 5 e 8 anos), as crianças começam a falar menos sobre a vida anterior, e as imagens parecem estar desaparecendo da consciência.

As mesmas crianças muitas vezes se comportam de maneiras que parecem estranhas, mas que são consistentes com suas memórias; às vezes, principalmente quando afirmam que morreram de forma violenta, elas podem ter fobias de vários tipos, e mostrar habilidades ou aptidões para fazer coisas que não tiveram a oportunidade de aprender em suas vidas presentes.

As crianças também podem se parecer com as pessoas que estão falando, e exibir marcas ou defeitos de nascença que se assemelham a marcas nos corpos das pessoas passadas. Essas marcas aparecem muitas vezes em casos de morte violenta, e se assemelham às feridas fatais que a pessoa passada sofreu (Matlock, 1990; Stevenson, 1987).

Podemos ter certeza de que as memórias, os comportamentos e as marcas físicas não são fantasias apenas quando podemos mostrar que a pessoa falada realmente existiu. Felizmente, esta é uma das maneiras em que os casos de crianças diferem dos casos de adultos e das regressões hipnóticas e leituras de vidas passadas.

Muitas crianças dão informação suficiente – nomes de pessoas e lugares, juntamente com outros itens – de modo que as pessoas a que se referem possam ser localizadas e identificadas. Em seguida, acontece que muitas, se não a maioria, das coisas que elas disseram estão corretas, e seus estranhos comportamentos e marcas físicas fazem sentido. Além disso, as vidas anteriores normalmente ficam apenas alguns anos no passado, e não muito longe do lugar que as crianças vivem agora, o que lhes permite serem levadas de volta ao lugar que dizem ter vivido – e onde reconhecem algumas pessoas e coisas e perguntam sobre outras.

Casos deste tipo têm sido relatados em todo o mundo, incluindo na Europa e nos Estados Unidos. Atualmente cerca de 2.500 estão arquivados apenas na Divisão de Estudos da Personalidade do Centro de Ciências da Saúde da Universidade da Virgínia. Este é o lugar onde Ian Stevenson, o pioneiro e ainda o reitor de tais estudos, trabalha. Stevenson não apenas registra os casos relatados a ele; ele vai a campo investigá-los, conversando com as crianças e todas as testemunhas às declarações e comportamentos delas que pode encontrar. Stevenson publicou vários volumes de relatos de casos detalhados (Stevenson, 1974, 1975, 1977, 1980, 1983), e os seus métodos têm sido adotados por outros pesquisadores que replicaram suas descobertas básicas (Mills, 1989; Pasricha & Stevenson, 1979; ver também Matlock, 1990).

Além disso, Stevenson e outros relataram estudos estatísticos de grande número de casos. Estes estudos confirmam ainda mais a universalidade do padrão que descrevi acima, e revelam algumas outras características recorrentes.

Os meninos são mais propensos do que as meninas a lembrar vidas passadas por uma margem de 2 para 1 (Stevenson, 1986). A morte da pessoa anterior ocorre de forma violenta com muito mais frequência do que as estatísticas de mortalidade nos levariam a pensar (Stevenson, 1930, 356-357). Nos casos de morte violenta, as crianças são significativamente mais jovens, e há um tempo mais curto entre as vidas do que existe nos casos de mortes naturais (Chadha & Stevenson, 1989). Um estudo recente mostrou também que quanto mais jovem a criança, maior a probabilidade de as memórias ocorrerem de forma espontânea, sem pistas ou estímulos de qualquer tipo (Matlock, 1989).

Embora os casos ocorram em lugares ao redor do mundo, a maioria deles – especialmente a maioria dos casos fortes – é encontrada em culturas onde há uma crença na reencarnação. Além disso, apesar de sua semelhança geral, há variações de uma cultura para outra. Esses fatos levaram alguns críticos a sugerir que os casos são fantasias, fruto de identificações impostas às crianças por seus pais (por exemplo, Brody, 1979).

Existem várias dificuldades com esta hipótese, entre elas a de que as pessoas não familiarizadas com os casos reais muitas vezes não têm uma ideia realista de como os casos são; por exemplo, elas esperam que os sujeitos sejam mais velhos do que são (Pasricha, 1990). Casos com características especialmente dramáticas podem ser amplamente conhecidos, mas os casos mais típicos normalmente não são conhecidos fora da comunidade em que ocorrem (Barker & Pasricha, 1979). Há também casos com registros escritos feitos antes de verificações (Stevenson & Samararatne, 1988), e estes, pelo menos, não pode ser devido a memórias reconstruídas após o fato.

Talvez os elementos (factuais) verídicos dos casos possam ser explicados pela PES do sujeito, mas há problemas com essa ideia também. Por um lado, a PES sozinha não é capaz de explicar facilmente os comportamentos ou as marcas de nascença. Por outro lado, se as crianças estão usando PES para obter informações sobre vidas passadas, é estranho que elas sejam tão raramente relatadas exibirem PES em outros momentos. Apesar da crença na Ásia de que essas crianças possuem uma PES ou habilidades de cura excepcionais, estas coisas não são mais comuns com elas do que com a população em geral (Stevenson, 1987). A idade das crianças também fala contra a hipótese de PES; se existe um limite superior para as crianças exibirem PES mais frequentemente do que os adultos, é a puberdade (Palmer, 1978, l46-148), mas a maioria das crianças que se lembra de vidas anteriores deixa de fazê-lo em uma idade muito mais jovem.

As memórias das crianças tendem a se agrupar em torno dos acontecimentos dos últimos anos, meses e dias da vida que elas falam; as crianças são particularmente propensas a lembrar da morte da pessoa anterior, mas isso é o que elas são mais propensas a cometer erros. Elas muitas vezes são melhores em reconhecer pessoas em fotografias do que em reconhecer as mesmas pessoas vivas, especialmente se algum tempo se passou entre as vidas, e frequentemente são incapazes de reconhecer lugares que mudaram muito no intervalo (Matlock, 1990; Stevenson, 1987). Todas estas coisas correspondem melhor com a memória do que com a PES.

Finalmente, as memórias, por vezes, têm consequências importantes no desenvolvimento das crianças, de uma maneira que seria inesperada se apenas PES estivesse envolvida. Stevenson acompanha seus sujeitos por vários anos, e cada um de seus relatos de casos inclui uma seção sobre o desenvolvimento posterior do sujeito. Geralmente, o desenvolvimento sugere um padrão de memórias verbais e comportamentais pronunciado na infância, diminuindo gradualmente em força, até que na idade adulta média há apenas um resíduo. Em alguns casos, no entanto, uma forte identificação com a pessoa anterior na infância pode interferir com o desenvolvimento da personalidade e, ocasionalmente, ocasionar problemas mais graves. Em um caso (Stevenson, 1974), uma criança que disse se lembrar da vida do tio, que havia matado a esposa, não foi capaz de desenvolver um relacionamento maduro com as mulheres, e vivia em hospitais psiquiátricos (cf. Matlock, 1990, 206-207).

Outras explicações que às vezes são sugeridas incluem a de que os casos de memórias de vidas passadas são exemplos de “memória genética”. Embora seja tão hipotética quanto a reencarnação, algumas dessas ideias podem explicar os casos em que o sujeito está relacionado com a pessoa anterior de forma biológica (como quando ambos são membros da mesma família), mas não pode explicar os muitos casos em que não há qualquer ligação biológica, ou porque as famílias não são relacionadas ou porque a pessoa anterior morreu sem deixar descendência. A possessão também é pouco provável de explicar os casos de memórias de vidas passadas. Apenas em casos muito raros o sujeito sofre alterações completas da personalidade; geralmente, é como se eles estivessem lutando para ajustar as imagens em suas mentes com suas circunstâncias presentes, exatamente o que seria de esperar se as imagens fossem de fato memórias.

Dois casos servirão para ilustrar algumas destas questões. O primeiro caso diz respeito ao meu sobrinho, que tinha quatro anos na época. Eu havia concordado em sentar-me uma noite com ele, e assim que entrou, ele me disse categoricamente: “Não há nenhum fantasma”. Descobri mais tarde que o marido de minha irmã tinha-o sugerido isso. Jack estava falando muito sobre fantasmas, e seu pai disse que eu poderia ser uma pessoa interessante com quem discutir o assunto. Mas eu não sabia disso na época, e eu não tinha certeza de como responder. A criança tinha apenas quatro anos. Eu não queria criar uma confusão em sua mente, dizendo-lhe que havia fantasmas; mas também não queria mexer com ela dizendo-lhe que não havia. Enquanto eu ainda estava tentando decidir o que dizer, Jack disse novamente: “Não há nenhum fantasma”.

Finalmente, expliquei que muitas pessoas afirmaram ter visto fantasmas, e às vezes os fantasmas foram capazes de dizer-lhes coisas que as pessoas não sabiam na época; em casos como estes, é difícil dizer com certeza que fantasmas não existem. Jack ouviu com muita atenção. Quando terminei, ele perguntou se eu já tinha visto um fantasma. Não, admiti, eu nunca vi. Então ele disse: “Eu vi fantasmas. Mas eles estão muito longe, em Illinois”.

Fiquei espantado com esta admissão, porque minha irmã estava me dizendo há meses que Jack estava falando de Illinois e Chicago (lugares que ele nunca tinha ido) e dizendo coisas como: “Quando eu tinha 18 anos eu possuía uma pistola de dardos”, ou “Quando eu tinha 18 anos usava uma camisa assim”. Eu pedi a ela para escrever essas coisas, mas ela sempre resistiu. Ele era apenas uma criança, dizia ela. Ele tinha uma imaginação muito ativa, ainda confundindo os tempos e pronomes, às vezes referindo-se a si mesmo na terceira pessoa.

Para mim, no entanto, a implicação era clara. Os “fantasmas” que ele descreveu eram consistentes com o que se sabia sobre casos desenvolvidos muito melhores, e não havia nenhuma razão aparente para ele ter dito isso ou as outras coisas que disse, a menos que ele tivesse algumas lembranças impressas as quais estava tentando transmitir. Outros americanos falaram-me sobre as aparentes memórias de vidas passadas de seus filhos, ou de si mesmos quando eram crianças, mas tudo isso havia ocorrido em algum momento do passado. Aqui fui confrontado com uma criança que aparentemente estava recordando uma vida passada aqui e ali. No entanto, eu não fiz nada para extrair mais a respeito dos seus fantasmas. Eu estava pensando em um caso que sugeria fortemente que não era uma boa ideia incentivar memórias de vidas passadas (embora suprimi-las tampouco).

Este foi um caso descrito pela psicoterapeuta Helen Wambach (1978, 5-7). Uma criança de cinco anos chamada Peter foi encaminhada a ela por um médico que não conseguia encontrar nenhuma razão física para a hiperatividade e a incapacidade de concentração de Peter. Para a surpresa de Wambach, Peter começou a lhe falar sobre a vida de um policial que ele parecia estar lembrando. Sua mãe disse que ele começou a falar sobre o policial aos três anos, mas ela lhe disse para não contar histórias, e ele vivia falando-lhe sobre elas. A única pessoa que o ouvia era sua irmã mais nova, mas quando ele encontrou em Wambach uma ouvinte disposta, ele falou sobre o policial ao entrar para o tratamento.

Nessas ocasiões Peter se acalmava e se comportava normalmente, mas, infelizmente, ele também ia se tornando mais absorto em suas memórias. Depois de alguns meses, um policial de verdade o trouxe para casa depois que o encontrou de pé no meio da estrada, dirigindo o tráfego. A condição de Peter não mostrara nenhuma melhora, e ele foi retirado da terapia logo depois.

Estes são dois casos americanos, e nós podemos ver imediatamente as semelhanças e as diferenças entre eles e o caso asiático típico que eu descrevi acima. As idades – Jack tinha quatro anos e Peter cinco – se encaixam no modelo padrão. Suas memórias também são consistentes com o que sabemos de outros casos. Mas nenhum dos dois forneceu detalhes suficientes sobre a vida que eles pareciam lembrar de forma que permitisse a verificação. Nesses aspectos eles são característicos de outros casos americanos, que tendem a ser relativamente fracos (Stevenson, 1983a).

Uma pista para a razão de sua fraqueza vem das atitudes dos pais envolvidos. Minha irmã não pôde ser convencida a levar as declarações de Jack a sério o suficiente para escrevê-las, e a mãe de Peter lhe disse para não inventar histórias e proibiu-o de falar sobre suas memórias. É certamente plausível que a ausência de apoio social para aas memórias de vidas passadas no Ocidente signifique que os casos são menos propensos a se desenvolver e menos prováveis que chamem a atenção dos pesquisadores quando se desenvolvem. Sabemos que os sujeitos de casos não resolvidos param de falar sobre suas memórias mais cedo do que os sujeitos dos casos resolvidos (Cook et al., 1933), o que só contribui para a sua fraqueza. Curiosamente, os esforços da mãe de Peter para suprimir suas lembranças não foram bem-sucedidos; nisso, a sua experiência é típica do padrão asiático, onde os esforços de supressão da mesma forma são mal sucedidos (Stevenson & Chadha, 1990).

Assim, embora estes dois casos sejam muito mais fracos do que o caso asiático padrão, na forma eles são suficientemente semelhantes para justificar o nosso agrupamento com o último. E, paradoxalmente, estes casos, fracos como eles são, acabam proporcionando um desafio maior às hipóteses de fantasia e de PES do que os casos mais fortes. Como a PES poderia explicar a afirmação de Jack de ver fantasmas em Illinois ou as suas declarações sobre o que ele possuía aos 18 anos? Como PES nos ajudaria a entender a força das memórias de Peter e o seu aparente comportamento? Se as suas mães estavam inconscientemente influenciando seus comportamentos, porque em um sentido tão estranho às suas crenças? Estava Peter apenas tentando chamar a atenção de sua mãe? Por que, então, ele não escolheu outro caminho, quando ela tentou pela primeira vez suprimir suas memórias? Uma explicação em termos de memória de vidas passadas não encontra tais dificuldades.

No entanto, não importa quão sugestivos os dados são, a reencarnação é uma hipótese improvável, do nosso ponto de vista cultural. Para Brody, o maior problema com os casos de Stevenson é “menos com a qualidade dos dados que Stevenson apresenta para apoiar seu ponto, do que no corpo de conhecimento e teoria que devem ser abandonados ou radicalmente modificados, a fim de aceitá-los” (1979, 770). Enquanto não existir um modelo biológico plausível para a reencarnação, é improvável que este veredicto mude. 

REFERÊNCIAS 

Barker, D. R. & Pasricha, S. (1979). Reincarnation cases in Fatehabad: A systematic survey in north India. Journal of Asian and African Studies, 14, 230-240.

Brody, E. B. (1979). Review of Cases of the reincarnation type. Vol. II: Ten cases in Sri Lanka by Ian Stevenson. Journal of Nervous and Mental Disease, 167, 769-774.

Chadha, N. & Stevenson, I. (1988). The correlates of violent death in cases of the reincarnation type. Journal of the Society for Psychical Research, 55, 71-79.

Cook, E. W., Pasricha, S., Samararatne, G., U Win Maung, & Stevenson, I. (1983). A review and analysis of “solved” and “unsolved” cases of the reincarnation type: II. Comparison of features of solved and unsolved cases. Journal of the American Society for Psychical Research, 77, 115-135.

Matlock, J. G. (1988). The decline of past life memory with the subject’s age in spontaneous reincarnation cases. In M. L. Albert-son, Dan S. Ward, Kenneth P. Freeman (Eds.), Paranormal Research (pp. 388-401). Fort Collins, CO: Rocky Mountain Research Institute.

Matlock, J. G. (1989). Age and stimulus in past life memory cases: A study of published cases. Journal of the American Society for Psychical Research, 83, 303-316.

Matlock, J. G. (1990). Past life memory case studies. In S. Krippner (Ed.), Advances in parapsychological research 6 (pp. 184-267). Jefferson, NC:   McFarland.

Mills, Antonia C. (1989). A replication study: Three cases of chil­dren in northern India who are said to remember a previous life. Journal of Scientific Exploration, 3, 133-184.

Palmer, J. (1978). Extrasensory perception: Research findings. In S. Krippner (Ed.), Advances in parapsychological research 2 (pp. 59-243).   NY: Plenum.

Pasricha, S. (1990). Three conjectured features of reincarnation-type cases in north India. Journal of the American Society for Psychical Research, 84, 227-234.

Pasricha, S. & Stevenson, I. (1979). A partly independent replication of cases of the reincarnation type. European Journal of Parapsychology, 3, 51-65.

Stevenson, I. (1974). Twenty cases suggestive of reincarnation, 2nd ed. Charlottesville, VA:   University Press of Virginia.

Stevenson, I. (1975). Cases of the reincarnation type: Vol. I, Ten cases in India. Charlottesville, VA:   University Press of Virginia.

Stevenson, I. (1977). Cases of the reincarnation type: Vol. II, Ten cases in Sri Lanka. Charlottesville, VA: University Press of Virginia.

Stevenson, I. (1980). Cases of the reincarnation type: Vol. III, Twelve cases in Lebanon and Turkey. Charlottesville, VA: Uni­versity Press of Virginia.

Stevenson, I. (1983a). American children who claim to remember previous lives. Journal of Nervous and Mental Disease, 171, 742-748.

Stevenson, 1. (1983b). Cases of the reincarnation type: Vol. IV, Twelve Cases in Thailand and Burma. Charlottesville, VA: Uni­versity Press of Virginia.

Stevenson, I. (1986). Characteristics of cases of the reincarnation type among the Igbo of Nigeria. Journal of Asian and African Studies, 21, 204-216.

Stevenson, I. (1987). Children who remember previous lives: A question of reincarnation. Charlottesville, VA: University Press of Virginia.

Stevenson, I. & Chadha, N. (1990). Can children be stopped from speaking about previous lives? Journal of the Society for Psychi­cal Research, 56, 82-90.

Stevenson, I. & Samararatne, G. (1988). Three new cases of the reincarnation type in Sri Lanka with written records made before verifications.  Journal of Scientific Exploration, 2, 217-238.

Wambach, H. (1978). Reliving past lives. NY: Barnes and Noble. 

Artigo original: Matlock, James G. Children’s memories of previous lives. (1991) In A. A. Drewes & S. A. Drucker (Eds.), Parapsychological Research with Children: An annotated bibliography (pp. 30-37). Metuchen, NJ: Scarecrow. 

Traduzido por Vitor Moura Visoni

 

 

147 respostas a “MEMÓRIAS DE VIDAS PASSADAS DE CRIANÇAS, por James G. Matlock (1991)”

  1. Marciano Diz:

    Quem é Matlock?
    Deixemos que ele mesmo responda, em seu site http://jamesgmatlock.net/.
    .
    “I received a B. A. in English from Emory University in 1977 and a Ph.D. in Anthropology from the University of Southern Illinois at Carbondale in 2002. I have worked at the American Society for Psychical Research in New York City and at the Rhine Research Center in Durham, North Carolina. I am presently affiliated with the latter. My chief research interests are the history of parapsychology, anthropology of religion, and reincarnation. I teach a 15-week graduate-level seminar course, Signs of Reincarnation, that covers serious research on reincarnation, and am developing a 6-week introductory course on past-life”.
    .
    Bem, o que podemos esperar que ele dissesse?
    .
    .
    “Uma criança que se lembra de coisas de uma vida anterior geralmente começa a falar sobre elas quando é muito jovem, talvez assim que começa a falar, mas mais geralmente entre os 2 e 5 anos. Algumas crianças falam muito sobre a vida que lembram, enquanto outras dizem as mesmas poucas coisas frequentemente.
    Depois de alguns anos (geralmente entre os 5 e 8 anos), as crianças começam a falar menos sobre a vida anterior, e as imagens parecem estar desaparecendo da consciência”.

    .
    COMENTÁRIO: Deve ser por isso que eu não me lembro mais de minhas vidas passadas. Passei dos oito anos.
    .
    As afirmações de Matlock sobre a memória de crianças não têm nenhuma comprovação, a não ser sua palavra de que é assim.
    Curiosamente, a idade em que as crianças se lembram de vidas passadas é a mesma em que acreditam em papai Noel e coelhinho da páscoa. Geralmente, entre os 5 e 8 anos, as crianças começam a falar menos sobre papai Noel e coelhinho da páscoa e essas figuras parecem começar a desaparecer de sua consciência.
    Será mera coincidência?
    .
    .
    “As crianças também podem se parecer com as pessoas que estão falando, e exibir marcas ou defeitos de nascença que se assemelham a marcas nos corpos das pessoas passadas. Essas marcas aparecem muitas vezes em casos de morte violenta, e se assemelham às feridas fatais que a pessoa passada sofreu (Matlock, 1990; Stevenson, 1987)”
    .
    COMENTÁRIO: O pesquisador cita a si mesmo como fonte e Stevenson, que parece ser o papa dos reencarnacionistas parapsicólogos.
    .
    .
    “Podemos ter certeza de que as memórias, os comportamentos e as marcas físicas não são fantasias apenas quando podemos mostrar que a pessoa falada realmente existiu. Felizmente, esta é uma das maneiras em que os casos de crianças diferem dos casos de adultos e das regressões hipnóticas e leituras de vidas passadas”.
    .
    .
    COMENTÁRIO: Como podemos ter essa certeza, se adultos interessados é que pesquisam a vida das pessoas que realmente existiram?
    Por que será que esses adultos levam a sério uma patuscada dessas ditas por crianças, se criança só diz bobagem, como se sabe?
    Como podemos saber se as crianças não são usadas para esse propósito, uma vez que ainda são muito ingênuas, nada sabem do mundo e podem ser facilmente manipuladas por quem quer aparecer com esse tipo de engodo?
    .
    .
    “Casos deste tipo têm sido relatados em todo o mundo, incluindo na Europa e nos Estados Unidos. Atualmente cerca de 2.500 estão arquivados apenas na Divisão de Estudos da Personalidade do Centro de Ciências da Saúde da Universidade da Virgínia. Este é o lugar onde Ian Stevenson, o pioneiro e ainda o reitor de tais estudos, trabalha. Stevenson não apenas registra os casos relatados a ele; ele vai a campo investigá-los, conversando com as crianças e todas as testemunhas às declarações e comportamentos delas que pode encontrar. Stevenson publicou vários volumes de relatos de casos detalhados (Stevenson, 1974, 1975, 1977, 1980, 1983), e os seus métodos têm sido adotados por outros pesquisadores que replicaram suas descobertas básicas (Mills, 1989; Pasricha & Stevenson, 1979; ver também Matlock, 1990)”.
    .
    .
    COMENTÁRIO: Tinha de ter alguma coisa a ver com Stevenson, o papa da reencarnação parapsicológica.
    Curiosamente, de novo, casos de discos voadores, chupa cabras, lobisomens, fantasmas, casas mal assombradas, também são relatados no mundo todo, inclusive na Europa e nos Estados Unidos.
    Existem várias pesquisas sobre estes assuntos, revistas especializadas, livros e tudo o mais.
    .
    .
    “Um estudo recente mostrou também que quanto mais jovem a criança, maior a probabilidade de as memórias ocorrerem de forma espontânea, sem pistas ou estímulos de qualquer tipo (Matlock, 1989)”.
    .
    .
    Incrível! Novamente o cara cita a si próprio como referência.
    .
    Sinceramente, estou ficando desmotivado.
    São sempre as mesmas pessoas, os mesmos assuntos, as mesmas provas.
    Isso é enfadonho.
    Como cientista e pesquisador, estou percebendo um padrão de poucos comentários nos mais recentes artigos aqui postados.
    Quando o tema rende muitos comentários, é porque se intrometem jesus, cx, etc.
    A continuar por essa linha, talvez este seja meu único comentário neste tópico e eu passe somente a acompanhar os comentários nos seguintes, não sei por quanto tempo.

  2. Gorducho Diz:

    Eu não ia dizer nada justamente porque acho que a única maneira efetiva de registrar protesto e deixar sem comentários… :(
    Mas, então: o Sr.esperava que referissem a quem? Os espíritas quando querem provar que espíritos se comunicam, citam o Kardec e o CX…
    Como se trata de crenças gêmeas univitelinas…

  3. Antonio G. - POA Diz:

    Queremos Chico! Queremos Chico!
    Jesus também serve! Jesus também serve!

  4. Antonio G. - POA Diz:

    Mais memórias de vidas passadas de crianças já é revanchismo do Vitor… hehehe

  5. Gorducho Diz:

    Primeiro foram as memórias do futuro, também comprovada cientificamente, visto que por pesquisadores Americanos :mrgreen:

  6. Sanchez Diz:

    Saiu um livro sobre a história do espiritismo:
    .
    Do Outro Lado – A História do Sobrenatural e do Espiritismo
    - Priore Mary Del
    .
    Dei uma olhada no livro na saraiva e o que mais chamou minha atenção foram os recortes de jornais e cartazes que retrata a veiculação do sobrenatural algumas, muito engraçadas. Tá em promoção na saraiva.
    .
    http://www.saraiva.com.br/do-outro-lado-a-historia-do-sobrenatural-e-do-espiritismo-7927791.html

  7. Antonio G. - POA Diz:

    Sanchez, parece interessante. Vou comprar. Gosto de rir.
    .
    Pensando melhor, esculhambar com a farsa do CX, a estas alturas do campeonato, é igual a chutar cachorro morto. Acho que rende mais é discutir a existência do Jesus histórico. Fato que, para muitos, é o mais importante acontecimento da história da humanidade, mas sobre o qual não há evidências.

  8. Antonio G. - POA Diz:

    Já temos até o DNA dos Faraós, que viveram há mais de 4 mil anos! Mas sobre Jesus Cristo, 2 mil anos mais recente, não temos nada. Absolutamente nada. Que intrigante, não é?

  9. Gorducho Diz:

    Saiu um livro sobre a história do espiritismo:
     
    Ela aborda corretamente as origens do espiritismo moderno, i.e., the great awakening + o socialismo utópico no caso do kardecismo?

  10. Gorducho Diz:

    I.e., sendo ela brasileira e pós graduada em França presumo que o foco seja o espiritualismo francês = kardecismo… é isso?

  11. Gorducho Diz:

    Corrigindo: doutora pela USP e pós-doutorada na EHESS.

  12. Marciano Diz:

    Infelizmente, é.
    Da própria editora consta a sinopse do livro:
    .
    “O povo brasileiro sempre acreditou em tudo um pouco ? doutrinas católicas se misturam há tempos a crenças africanas ou europeias. Mas a verdade é que todas elas passam, de algum modo, pela crença no além, no ?outro mundo?, no sobrenatural. E foi pensando nisso que a historiadora Mary del Priore resolveu trazer ao leitor mais um de seus livros que investigam aspectos essenciais ? e peculiares ? de nossa sociedade. Em ?Do Outro Lado – A História do Sobrenatural e do Espiritismo?, a autora trata de que forma nossos antepassados lidavam com esse mundo dos espíritos. Focando sobretudo no desenvolvimento do espiritismo, criado por Allan Kardec e assimilado por muitos intelectuais brasileiros no século XIX, ela também aborda fenômenos bastante populares na época, como o magnetismo, o sonambulismo, as ?mesas volantes? e uma série de outras formas de entrar em contato com o mundo sobrenatural e com aqueles que já partiram. Cartomantes, curandeiros, endemoninhadas e exorcistas também merecem destaque nesta obra, bem como seus muitos inimigos, entre eles a Igreja Católica e alguns veículos da imprensa que buscavam a todo custo desautorizar ? e muitas vezes satirizar ? essa crença em espíritos. Com um caderno de fotos recheado de interessantes imagens do período, ?Do outro lado? é uma narrativa instigante sobre um assunto que chama a atenção tanto daqueles que creem em tudo quanto daqueles que não creem em nada, mas que desejam acima de tudo conhecer cada vez mais um pouco da história de nosso país”.
    .
    Pelos livros anteriores da mesma autora, acho que não vale a pena gastar R$17,70 com isso.
    .
    O Castelo de Papel. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2013.
    A Carne e o Sangue. A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2012.
    Histórias Íntimas. Sexualidade e Erotismo na História do Brasil. São Paulo: Editora Planeta, 2011.
    Matar para não morrer. A morte de Euclides da Cunha e a noite sem fim de Dilermando de Assis. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.
    Condessa de Barral, a paixão do Imperador. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.
    O príncipe maldito. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.
    História do Amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2005.
    História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997.
    Festas e utopias no Brasil colonial. São Paulo: Brasiliense, 1994.
    História da Criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1991.

  13. Sanchez Diz:

    Gorducho
    .
    Pelo pouco que li acho que não faz este tipo de abordagem. As figuras dos recorte de jornais e charges foi que achei mais interessante. Tinha na época um delegado que ficou famoso por combater o charlatões como: cartomantes, curandeiros de toda a espécie que era chamado na época. Vale mais a pena o livro A farsa dos espíritas que já divulgaram aqui neste sítio. Link da resenha abaixo:
    .

    http://toma-mais-uma.blogspot.com.br/2013/12/livro-farsa-dos-espiritas-por-milton.html
    .
    Antonio
    .
    As evidências que você quer creio ser difíceis de encontrar mas, toda a discussão é válida.

  14. NVF Diz:

    Caso alguém ainda não tenha postado o link (interessante):

    http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/consciencia-pode-continuar-apos-cerebro-morrer-diz-estudo

  15. Gorducho Diz:

    Isso é um sofisma concernente à definição técnica de morte que deve ser várias. Quem é ressuscitado não morreu na verdade.
    Uma amiga nossa esteve 20′ sob parada cardíaca com um médico persistente fazendo-lhe aquelas pressões que se vê nos filmes Americanos (sorte que ele tinha bom preparo físico – agora está bem gordo!).
    Ela não viu nada (ou pelo menos não lembra…).
    Interessante ver que os indianos lobrigam o deus da morte (os chiquistas provavelmente veriam Jesus Cristo…).

  16. Antonio G. - POA Diz:

    Pois é, Sanchez… Credo sem evidência é sinônimo de fé. E fé não se discute. Se lamenta.

  17. Antonio G. - POA Diz:

    Sobre o texto da exame: Eu não sabia que alguém já tinha retornado da morte cerebral.

  18. Gorducho Diz:

    Aliás, associando quase morte com Jesus Cristo, lembrei duma pergunta que sempre tive vontade de fazer p/o Sr. JCFF, mas infelizmente agora ele não responderá pois que melindrou-se com a querela sobre a realidade histórica…
    A saber: na cosmologia católica onde vão as almas durante o interregno entre a morte (de verdade) e o Juízo Final?
    ( ) Ficam inconscientes em repouso (“dormindo”);
    ( ) ficam vagando sem poder se comunicar com os terrícolas visto que destituídas do πνεῦμα divino;
    ( ) n.r.a.; especifique
    _____________________________________________________________________
     
    Pode ser que ele responda…
    Não é provocação Sr. JCFF, gosto de teologia apesar de ateu (talvez ainda os resquícios da infância espírita…).

  19. Gorducho Diz:

    Lembro ao Sr. JCFF – sei que olhar olha… – que foi uma das críticas do Jean Reynaud estar essa parte faltante no catolicismo e que caberia à Galia suprir isso, daí advindo os “ensinamentos” dos “espíritos” p/o Kardec, &c.

  20. Gorducho Diz:

    E como é que há santos atuando se eles ainda não foram julgados. Ou então é como alega a Administração, e já se tem o resultado do julgamento futuro?

  21. Sanchez Diz:

    Saiu uma notícia sobre até o momento da maior pesquisa feita sobre NDE liderada pelo Dr. Sam Parnia.
    .
    http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/2014/10/consciencia-pode-continuar-mesmo-apos-cerebro-morrer-revela-maior-estudo-sobre-experiencias-de-quase.shtml?utm_src=fotologhome&utm_fotoposition=2
    .
    Não achei a fonte deste artigo. Assim que eu achar eu coloco o link.

  22. Antonio G. - POA Diz:

    Gorducho, o bom senso me faz crer que este negócio de santos é “viagem na maionese”. Olha a quantidade de santos que a ICAR tem que, pelos serviços prestados, deveriam estar é no inferno. É, acho que esta parte do catolicismo está bem equivocada. Mas só esta parte, é claro.

  23. Sanchez Diz:

    Achei o link do Journal onde foi publicado.
    .
    http://www.resuscitationjournal.com/article/S0300-9572%2814%2900739-4/abstract
    .
    Link do artigo em pdf:
    .
    http://www.resuscitationjournal.com/article/S0300-9572%2814%2900739-4/pdf

  24. Gorducho Diz:

    Os santos são os deuses; os católicos como são romanos nunca conseguiram engulir o monoteísmo.
    Aliás a tese de vocês é que a seita é totalmente greco-romana, certo?
    Mas note que eu gosto de estudar o formalismo, independentemente de “existir” (no Universo físico, no Universo metafisico das ideias existe por definição…).
     
    Pelo menos esses assuntos, incluindo o trazido de novo mas oportunamente pelos Analistas Nestor & Sanchez é mais interessante que a xaropada dos “psiquicos” Americanos.
     
    Alô, alô Analista Montalvão! O Sam Parnia de novo :mrgreen:

  25. MONTALVÃO Diz:

    .
    GORDUCHO: …lembrei duma pergunta que sempre tive vontade de fazer p/o Sr. JCFF, mas infelizmente agora ele não responderá pois que melindrou-se com a querela sobre a realidade histórica…
    A saber: na cosmologia católica onde vão as almas durante o interregno entre a morte (de verdade) e o Juízo Final?
    ( ) Ficam inconscientes em repouso (“dormindo”);
    ( ) ficam vagando sem poder se comunicar com os terrícolas visto que destituídas do ?????? divino;
    ( ) n.r.a.; especifique
    _________________

    COMENTÁRIO: Gorducho, embora seja o José Carlos a persona ideal para a resposta, tentarei elucidar sua dúvida.
    A resposta à sua questão é n.r.a., embora o item 2 se aplique em parte, na parte em que não há comunicação. Católicos concebem que certos mortos possam se manifestar, notadamente os santos e anjos, desde que por especial concessão divina, o que difere da concepção espiritista, na qual espíritos de toda espécie têm acesso aos alegados médiuns.
    .
    Os mortos católicos vão para o céu, inferno ou purgatório. Alguns iam para o limbo, mas este foi desativado. O Juízo Final seria o fecho ao, testemunhadejeovamente falando, “sistema iníquo de coisas”. Quer dizer, o destino é definido na morte: morreu já sabe pra onde vai e vai direto pra lá. Eventual movimentação só do purgatório para o céu, ou, nalgum caso recalcitrante, para o inferno.
    .
    Na teologia protestante o purgatório é eliminado: ou sobe pracima, ou desce prabaixo, sem direito a reclamação.
    .
    Ninguém fica a ressonar depois da morte, a consciência é a realidade do morto: apenas as almas dos Testemunhas de Jeová e dos Aventistas do Sétimo Dia ficam sob sono até o Juízo (se existe outra organização que também durma desconheço).
    .
    Espero que ajude.

  26. MONTALVÃO Diz:

    .
    GORDUCHO: Alô, alô Analista Montalvão! O Sam Parnia de novo
    .
    COMENTÁRIO: Parnia deve estar mordido porque seu projeto Aware deu com os burros n’água. Mesmo assim, ele me parece mais pé-no-chão que seus comentaristas: a reportagem diz o seguinte:
    .
    “Entre os 2 060 casos examinados, 330 pacientes sobreviveram, entre os quais 140 descreveram consciência durante o processo de ressuscitação. Um entre cinco disse ter sentido uma sensação de paz, enquanto outros disseram ter sentido como se estivessem se afogando. Houve também relatos de luzes brilhantes e de mudanças na percepção do tempo.”
    .
    Isso deixa bem claro que a sobrevivência resta provada: se os mortos viram luzes, se afogaram e sentiram-se em paz, o que mais falta para os descrentes se converterem?
    .
    Mas, o próprio Parnia recomenda prudência aos fãs: ‘Parnia lembra, porém, que mais pesquisa é necessária. “Estimativas sugerem que milhões de pessoas tiveram experiências vívidas em relação a morte, mas a evidência científica disso sempre foi ambígua, na melhor das hipóteses. Muitas pessoas assumem que essas experiências são ilusões, mas elas parecem corresponder ao que de fato aconteceu.” ‘

  27. Gorducho Diz:

    i) Sim, que por concessão divina podem se manifestar ás vezes eu sabia – aliás como Deus tudo pode no ambito tanto do universo físico quanto do metafísico, decorre daí trivialmente.
     
    ii) Que o limbo foi desativado para economia de custos face a crise financeira da Europa eu também sabia.
     
    Então o Juízo Final servirá só p/dar destinação aos habitantes do purgatório, encerrando a rubrica?
    Os outros já está definido no julgamento que ocorre dentro do prazo dos 40 dias. É isso?

  28. Antonio G. - POA Diz:

    .
    Montalvão: Mas, o próprio Parnia recomenda prudência aos fãs: ‘Parnia lembra, porém, que mais pesquisa é necessária. “Estimativas sugerem que milhões de pessoas tiveram experiências vívidas em relação a morte, mas a evidência científica disso sempre foi ambígua, na melhor das hipóteses. Muitas pessoas assumem que essas experiências são ilusões, mas elas parecem corresponder ao que de fato aconteceu.” ‘
    .
    Ou seja: Não é beeeeeeeeeeeeeeeem assim… Nunca é.

  29. MONTALVÃO Diz:

    .
    Gorducho Diz: E como é que há santos atuando se eles ainda não foram julgados. Ou então é como alega a Administração, e já se tem o resultado do julgamento futuro?
    .
    COMENTÁRIO: a considerar o contido na Bíblia, o julgamento já está realizado: “quem crer e for batizado será salvo, quem não crer JÁ ESTÁ CONDENADO…” (Marcos 16:16)

  30. Antonio G. - POA Diz:

    Estar condenado por não crer é evidência irretorquível da iniquidade divina. Impiedade, maldade, crueldade. Cheiro de “santa inquisição”…

  31. Antonio G. - POA Diz:

    Como não tenho chance alguma de escapar à ira divina, vou curtir enquanto posso. Mas sem excessos. Vai que eu esteja errado? Melhor não arriscar demais…

  32. MONTALVÃO Diz:

    .
    Marciano foi o primeiro a comentar e, de uma só tacada, matou a bola: o artigo é horrívelmente enviesado para o lado da reencarnação. De qualquer modo, deve ter agradado aos aficionados por múltiplas existências, visto que recebeu o classificativo de “brilhante”…
    .
    MARCIANO: As afirmações de Matlock sobre a memória de crianças não têm nenhuma comprovação, a não ser sua palavra de que é assim.
    Curiosamente, a idade em que as crianças se lembram de vidas passadas é a mesma em que acreditam em papai Noel e coelhinho da páscoa. Geralmente, entre os 5 e 8 anos, as crianças começam a falar menos sobre papai Noel e coelhinho da páscoa e essas figuras parecem começar a desaparecer de sua consciência. Será mera coincidência?
    .
    COMENTÁRIO: não é mera coincidência: papai noel, sabidamente, reencarnou 187 vezes, da última como rena gorda; o coelhinho da quáscoa, todos sabem, é reencarnação do Pernalonga…
    .
    .
    “As crianças também podem se parecer com as pessoas que estão falando, e exibir marcas ou defeitos de nascença que se assemelham a marcas nos corpos das pessoas passadas. Essas marcas aparecem muitas vezes em casos de morte violenta, e se assemelham às feridas fatais que a pessoa passada sofreu (Matlock, 1990; Stevenson, 1987)”
    .
    MARCIANO: O pesquisador cita a si mesmo como fonte e Stevenson, que parece ser o papa dos reencarnacionistas parapsicólogos.
    .
    COMENTÁRIO: essa foi brilhante (mais brilhante que o “brilhantismo” por alguém visto nas fantasias de Matlock). Das marcas de nascença desnecessário comentários complementares: é do saber geral que, realmente, os traumas de outras vidas repercutem na existência atual, tanto que os que morrem esmagados, esmagados renascem; os queimados vêm ao mundo tostadinhos; os decepados nascem sem membros (coitados dos eunucos); os que morreram dilacerados por explosões renascem aos pedaços. Eu, por exemplo, descobri que fora torturado pele inquisição na vida passada e me arrancaram todos os dentes, por isso nasci banguela.
    .
    Quanto às citações, examine-se a bibliografia: só se vê reencarnacionistas pós-graduados e praticantes da famigerada regressão a vidas passadas, muito sugestivo…
    .
    .
    “Podemos ter certeza de que as memórias, os comportamentos e as marcas físicas não são fantasias apenas quando podemos mostrar que a pessoa falada realmente existiu. Felizmente, esta é uma das maneiras em que os casos de crianças diferem dos casos de adultos e das regressões hipnóticas e leituras de vidas passadas”.
    .
    .
    MARCIANO: Como podemos ter essa certeza, se adultos interessados é que pesquisam a vida das pessoas que realmente existiram?
    Por que será que esses adultos levam a sério uma patuscada dessas ditas por crianças, se criança só diz bobagem, como se sabe?
    Como podemos saber se as crianças não são usadas para esse propósito, uma vez que ainda são muito ingênuas, nada sabem do mundo e podem ser facilmente manipuladas por quem quer aparecer com esse tipo de engodo?
    .
    COMENTÁRIO: parece-me que Matlock pretendeu demonstrar quão “seguras e sérias” são as pesquisas da reencarnação: só aceitam que as historietas não sejam fantasias se a encarnação anterior puder ser localizada… pobrezinho…
    .

  33. MONTALVÃO Diz:

    .
    Então o Juízo Final servirá só p/dar destinação aos habitantes do purgatório, encerrando a rubrica?
    Os outros já está definido no julgamento que ocorre dentro do prazo dos 40 dias. É isso?
    .
    COMENTÁRIO: penso que não: o Juízo é para encerrar de vez com a presença do mal no universo. A partir de então vigorará unicamente o perfeito projeto divino. O julgamento do Juízo Final, julgo, é para cumprir a ritualística, embora na prática já fora realizado…

  34. Antonio G. - POA Diz:

    O crente tem uma importante vantagem sobre o ateu:
    Se o ateu, que não acredita em Deus e nada espera do porvir, estiver errado, quando morrer constatará o equívoco e provavelmente irá arrepender-se.
    Melhor dá-se com o crente, que, caso esteja errado, quando morrer nada constatará, e nem irá arrepender-se.

  35. Vitor Diz:

    Montalvão
    01 – “Marciano foi o primeiro a comentar e, de uma só tacada, matou a bola: o artigo é horrívelmente enviesado para o lado da reencarnação. ”
    .
    O artigo é extremamente informativo, mostrando porque as demais hipóteses explicativas que não a reencarnação são problemáticas. Sua crítica é como dizer que o livro “Vinte Casos” é “horrivelmente enviesado” a favor da reencarnação. Cientistas apostam em determina hipótese e mostram porque as julgam superiores em relação ás demais. Isso é procedimento científico padrão. E o próprio artigo mostra os perigos de incentivar memórias de vidas passadas. Isso é enviesado onde? Só na cabeça de críticos ruins…
    .
    02 – De qualquer modo, deve ter agradado aos aficionados por múltiplas existências, visto que recebeu o classificativo de “brilhante”…
    .
    E é brilhante mesmo. As considerações para distinguir de PES foram de altíssimo nível.
    .
    03 – “MARCIANO: As afirmações de Matlock sobre a memória de crianças não têm nenhuma comprovação, a não ser sua palavra de que é assim.
    Curiosamente, a idade em que as crianças se lembram de vidas passadas é a mesma em que acreditam em papai Noel e coelhinho da páscoa. Geralmente, entre os 5 e 8 anos, as crianças começam a falar menos sobre papai Noel e coelhinho da páscoa e essas figuras parecem começar a desaparecer de sua consciência. Será mera coincidência?
    .
    COMENTÁRIO: não é mera coincidência: papai noel, sabidamente, reencarnou 187 vezes, da última como rena gorda; o coelhinho da quáscoa, todos sabem, é reencarnação do Pernalonga…”
    .
    A diferença é que várias memórias de vidas passadas são verídicas, enquanto Papai Noel e Coelhinho da Páscoa até é possível prová-los falsos, veja o caso de Papai Noel:
    .
    http://www.humornaciencia.com.br/miscelanea/ppnoel.htm
    .
    04 – “COMENTÁRIO: essa foi brilhante (mais brilhante que o “brilhantismo” por alguém visto nas fantasias de Matlock). Das marcas de nascença desnecessário comentários complementares: é do saber geral que, realmente, os traumas de outras vidas repercutem na existência atual, tanto que os que morrem esmagados, esmagados renascem; os queimados vêm ao mundo tostadinhos; os decepados nascem sem membros (coitados dos eunucos); os que morreram dilacerados por explosões renascem aos pedaços. Eu, por exemplo, descobri que fora torturado pele inquisição na vida passada e me arrancaram todos os dentes, por isso nasci banguela.”
    .
    Falácia do espalho. Não é isso que diz a teoria. Pessoas dilaceradas por explosões (ou qq outro exemplo que queria dar) podem nascer perfeitamente normais. A ocorrência das marcas dependerá, em parte, do trauma que isso acarretará em seu psiquismo.
    .
    05 – “Quanto às citações, examine-se a bibliografia: só se vê reencarnacionistas pós-graduados e praticantes da famigerada regressão a vidas passadas, muito sugestivo…”
    .
    Erro factual. Cita-se Brody, um crítico (justamente quem defende a hipótese psicossocial).
    .
    06 – “COMENTÁRIO: parece-me que Matlock pretendeu demonstrar quão “seguras e sérias” são as pesquisas da reencarnação: só aceitam que as historietas não sejam fantasias se a encarnação anterior puder ser localizada… pobrezinho…”
    .
    Não é só se puder ser localizada, porque se as informações forem vagas pode-se localizar muitos candidatos a uma vida passada. As pesquisas buscam não apenas localizar um candidato, mas demonstrar que só aquele candidato se encaixa na descrição e nenhum outro.

  36. Gorducho Diz:

    O julgamento do Juízo Final, julgo, é para cumprir a ritualística, embora na prática já fora realizado…
     
    :( mais complicado que a Santíssima Trindade; não me convenceu…
    Mais lógico é aproveitar o que já está comprovado cientificamente – lembra que o Kardec sempre remarcava que p/ser válida a religião tem que estar conforma à Ciência? -, e daí concluirmos que o Juízo Particular (lembrei do nome agora) é a recordação do Juízo Final.
    Mas… e daí como fica os que vão p/o Purgatório?
    Desculpe a franqueza, Analista Montalvão, mas o Sr. não me convenceu… Essa só mesmo o Sr. JCFF p/responder…

  37. Antonio G. - POA Diz:

    Vitor, você disse: “A diferença é que várias memórias de vidas passadas são verídicas, enquanto Papai Noel e Coelhinho da Páscoa…”
    .
    Então, prá você, meu comentário:
    http://www.youtube.com/watch?v=6Hp-e5qaevA
    .
    rsrsrs

  38. Vitor Diz:

    Antonio,
    fanfarrão ou não, isso não me impede de estar certo. E sarcasmo nunca foi um bom substituto para uma discussão argumentada.

  39. Gorducho Diz:

    Estar condenado por não crer é evidência irretorquível da iniquidade divina.
     
    :o
    Como pode alguém que não Crê pretender usufruir da Glória Divina? É o mesmo que alguém querer imigrar para um certo país sem compartilhar os valores básicos que o caracterizam?

  40. Gorducho Diz:

    É que quando se pretende empurrar goela abaixo toda sorte de fantasias, desprezando a cultura, a inteligência, e, principalmente, o senso crítico dos leitores dum Sítio com este perfil, só sobra o sarcasmo ou ficar quieto. o Sr. imagino preferiria que nada se comentasse, não é mesmo?

  41. Vitor Diz:

    Gorducho,
    eu não desprezo a cultura, inteligência ou o senso crítico dos leitores. Pelo contrário, busco estimulá-los. Quase tudo o que divulgo aqui passou pela revisão por pares, ou foi escrito por acadêmicos reconhecidos, será que não seriam os leitores deste Sítio que estariam desprezando a cultura, a inteligência, e, principalmente, o senso crítico dos revisores das revistas científicas e dos autores dos artigos?
    .
    O sarcasmo apenas desanima uma pesquisa ainda muito necessária em uma área que permanece cheia de enigmas científicos genuínos. Entre isso e o silêncio, o silêncio é bem menos nocivo. Mas por outro lado, o sarcasmo mostra que os críticos não possuem argumentos genuínos para rebater as pesquisas.

  42. Antonio G. - POA Diz:

    Vitor, foi só uma brincadeira…
    Você sabe que eu não concordo que estas alegações tenham fundamento. Eu não vejo evidências. E não é porque eu me recuse a vê-las. Simplesmente não as vejo. Talvez seja burrice, ou cegueira. Mas não vejo. Só vejo fantasia. Então, continuo esperando.

  43. Antonio G. - POA Diz:

    Eu não desprezo a cultura, a inteligência, e senso crítico (?) dos revisores das revistas científicas e dos autores dos artigos. Apenas não concordo com eles. Acho que estão errados, porque não evidenciam nada do que afirmam e porque contrariam a lógica e o bom senso. Pelo menos contrariam o que EU entendo por lógica e o que eu penso que seja bom senso. Cultura, inteligência e senso crítico são conceitos muito relativos.
    E com respeito a argumento genuíno, repete-se o de sempre: Não é possível a prova negativa. Não há como provar a inexistência do que não existe.

  44. Vitor Diz:

    Oi, Antônio
    como não é possível provar a inexistência do que não existe? Não foi o que o JCFF fez? Ele não provou a inexistência do publio lentulus?
    .
    Outro exemplo:
    .
    http://www.humornaciencia.com.br/miscelanea/ppnoel.htm

  45. Antonio G. - POA Diz:

    E, Vitor, senti o efeito da chinelada… Não porque eu tenha sentido muita dor, mas porque você perdeu a esportiva… Foi isso o que mais doeu.

  46. Vitor Diz:

    Oi, Antonio
    não gosto de sarcasmo quando estamos falando do trabalho de pessoas que dedicaram suas vidas à pesquisa de fenômenos não compreendidos e que buscaram fazê-lo de forma honesta e rigorosa. Apenas isso. Não sei exatamente o que você quis dizer por “perder a esportiva”, não vi o comentário de que sou um fanfarrão com bom humor, isso é certo, mas também creio que não lhe desrespeitei em minha resposta.

  47. Antonio G. - POA Diz:

    O que o JCFF fez foi um hercúleo trabalho para provar o que nem necessitava ser provado. Não sei se logrou pleno êxito, se suas conclusões são “esposadas” por consenso pelos historiadores não católicos. Pode ser que sim. Mas JCFF não estava interessado em provar que Publius Lentulus Cornelius jamais existiu, mas sim provar que Chico Xavier era um farsante. Só que isto já era óbvio. Tá, CX até poderia ter usado um personagem real na sua farsa, mas os indícios apontados pelo JCFF sinalizam que CX simplesmente o inventou. E daí? Ora, nesta linha, qualquer álibe seria uma prova negativa. Provar que não estava na cena do crime não é exatamente uma prova negativa.

  48. Gorducho Diz:

    Mas por outro lado, o sarcasmo mostra que os críticos não possuem argumentos genuínos para rebater as pesquisas.
     
    Como não se possui argumentos genuínos? Não está sendo mostrado que a estatística não é pesquisa e sim fuga da pesquisa com o propósito de validar crenças?
    Não foi mostrado o patético daquele “telepata” dos quadros; e não está sendo mostrada a maneira correta de pesquisar: ou seja, com imagens simples que não gerem ambiguidades?
    Eu não lhe mostrei aquele caso de Alexandria? Qual foi sua reação? Fingir que não sabia ler mapas!
    E o experimento de telepatia que o Sr. mesmo propôs? Quando concordamos, o que aconteceu?
     
    Agora certas coisas é impossível comentar sem sarcasmo. Quando é apresentada a entrevista com um cachimbo; ou quando alguém alega recordar o futuro.
    Se se ficar silente o que se passará de mensagem para as muitas pessoas que (suponho) leem as matérias sem se manifestar?

  49. Antonio G. - POA Diz:

    Perder a esportiva foi no sentido de que faltou-lhe o habitual bom humor, desta vez.
    Nenhum desrespeito, penso que de parte a parte.
    Eu concordo em muitos pontos com você, Vitor. Mas discordo em outros. Brinco com você porque o considero um cara flexível e democrático, entre outras boas qualidades. No caso em pauta, fiz graça com a sua afirmação de que memórias de vidas passadas são verídicas. Eu não acho que sejam, então brinquei ao chamá-lo de fanfarrão. Mas foi só uma brincadeira, reitero. Desculpe-me se você se ofendeu.
    .
    Viu como inteligência é um conceito relativo? Este episódio demonstrou que eu posso ser às vezes um pouquinho inteligente e outras vezes muito burro, como foi o caso.

  50. Antonio G. - POA Diz:

    Mais acima escrevi álibe, com “e”. Errei, é claro.

  51. Marciano Diz:

    Boas perguntas, GORDUCHO. Engrosso o coro.
    .
    SANCHEZ, já me cansei de falar sobre esse assunto.
    As NDE são sempre de acordo com as crenças das pessoas. Tem gente que vê parentes mortos, outros vêem jesus (FG).
    A neurologia fornece boas explicações, as quais já estou fato de mencionar aqui, mas quem quer fantasiar sempre encontra uma válvula de escape.
    A falta de oxigenação cerebral (anóxia), perturbações visuais por causa do mau funcionamento do cérebro, disparos elétricos cerebrais em razão da situação extrema (mau funcionamento), crenças pessoais, má lembrança, fabulação e relatos anedóticos contribuem para o misticismo, da mesma maneira que o fazem para consolidar lendas urbanas, teorias da conspiração, psi, mediunidade, triângulo das Bermudas e o diabo a quatro.
    Até pilotos em treinamento já viram túneis com luz (sem passar pela NDE), o estado já foi induzido em pessoas sem anóxia, mas tendo como alvo uma área específica do cérebro e um impulso elétrico proposital.
    Se você se sente bem acreditando nisso, siga em frente, não questione. Se tem dúvidas, continue se informando sobre o assunto.
    Sem querer ser indelicado, só não conte comigo. Não me pergunte nada, por favor. Estou fastigiado de dizer sempre as mesmas coisas.
    Desculpe-me.
    .
    .
    ” ii) Que o limbo foi desativado para economia de custos face a crise financeira da Europa eu também sabia”.
    .
    COMENTÁRIO: A crise tá feia. Crise no céu, no LAR DELES, aqui na Terra, em todo lugar a economia está um pandemônio.
    .
    .
    ” a considerar o contido na Bíblia, o julgamento já está realizado: “quem crer e for batizado será salvo, quem não crer JÁ ESTÁ CONDENADO…” (Marcos 16:16)”.
    .
    COMENTÁRIO: Isto não é criação de “marcos”, é o cerne de todas as religiões defuntas, atuais e futuras. Quem criou, não sei, mas foi genial. “Duvidar é pecado”. Não existe melhor maneira de manter os fiéis impedidos de usar o cérebro. Se desconfiar de algo que não encaixa (non sequitur), deve ser tentação de algum mau espírito.
    O problema é que muitas vezes a pessoa nem tem chance de duvidar, pois não conhece a crença. Indianos que não conhecem jesus (FG), brasileiros que não conhecem Vishnu.
    .
    .
    “… é do saber geral que, realmente, os traumas de outras vidas repercutem na existência atual, tanto que os que morrem esmagados, esmagados renascem; os queimados vêm ao mundo tostadinhos; os decepados nascem sem membros (coitados dos eunucos); os que morreram dilacerados por explosões renascem aos pedaços. Eu, por exemplo, descobri que fora torturado pele inquisição na vida passada e me arrancaram todos os dentes, por isso nasci banguela”.
    .
    COMENTÁRIO:
    Eu devo ter sido crente em outra encarnação. Nasci totalmente ignorante, burro, nem sabia falar.
    .
    .
    Vitor ainda não entendeu que o importante é convencer através de argumentação sólida, estruturada; não ficar falando em falácia disso, falácia daquilo, grandes autoridades do assunto, falta de conhecimento da literatura “brilhante”, etc. Isso parece papo de espírita.
    .
    .
    1. Vitor Diz:
    outubro 9th, 2014 às 13:02
    Antonio,
    fanfarrão ou não, isso não me impede de estar certo. E sarcasmo nunca foi um bom substituto para uma discussão argumentada.
    .
    COMENTÁRIO: O próprio VITOR sempre usa o sarcasmo, quando lhe apraz. Vai pedir para eu apontar ONDE ele foi sarcástico (premonição minha, que deve ter estragado a previsão, por ser revelada antes da hora). Não é preciso, é só ler as discussões dele com MONTALVÃO, principalmente quando ele coloca no final (às vezes, no meio) aquele emoticon com a carinha dando gargalhada, dentes de fora.
    Deve ser a falácia do “tu quuoque”.
    .
    .
    1. Gorducho Diz:
    outubro 9th, 2014 às 13:15
    É que quando se pretende empurrar goela abaixo toda sorte de fantasias, desprezando a cultura, a inteligência, e, principalmente, o senso crítico dos leitores dum Sítio com este perfil, só sobra o sarcasmo ou ficar quieto. o Sr. imagino preferiria que nada se comentasse, não é mesmo?
    .
    COMENTÁRIO: É por isso que tenho sido tão comedido neste tópico, como avisei que faria mais acima e estou descumprindo AGORA.

    .
    .
    ANTONIO, não se preocupe com a ortografia. Todos aqui já sabem que você não é um tonto.

  52. Gorducho Diz:

    Lógico, a Casa tem esse ponto extraordinariamente positivo (*) o que torna o Sítio único no sentido de ser aberto ao debate. Que eu saiba é o único Sítio onde é possível debater espiritismo.
    ————————————————————————————-
     
    (*) Ressalvado que discordo de alguns banimentos eternos. O banimento deveria ser temporário, com advertência &c.

  53. Vitor Diz:

    Gorducho,
    .
    Como não se possui argumentos genuínos? Não está sendo mostrado que a estatística não é pesquisa
    .
    Claro que estatística é pesquisa. Sem estatística jamais seria possível se descobrir padrões dos casos e outras características interessantes pertinentes a eles. Até em ganzfeld você precisa de estatística para descobrir as melhores população condutoras de psi. Enfim, não dá para aceitar uma crítica dessas! É surreal demais!
    .
    e sim fuga da pesquisa com o propósito de validar crenças?
    .
    Se for assim as pesquisas dos céticos que usam estatística são feitas para validar descrenças? Já vimos que o próprio Wiseman se intitula parapsicólogo, e suas pesquisas usam estatística.
    .
    Não foi mostrado o patético daquele “telepata” dos quadros; e não está sendo mostrada a maneira correta de pesquisar: ou seja, com imagens simples que não gerem ambiguidades?
    .
    Não, não foi mostrado. Para mostrá-lo, teria que se pegar outros juízes e mostrar que vários deles não foram capazes de parear as figuras corretamente a nível significante.
    .
    Eu não lhe mostrei aquele caso de Alexandria? Qual foi sua reação? Fingir que não sabia ler mapas!
    .
    Eu não consegui localizar um mapa que mostrasse o que se consideraria a exata localização das estuturas hoje, mas enviei um email ao Stephan Schwartz que ficou de responder, mas disse que levaria tempo porque ele tem várias deadlines a cumprir, entre outras coisas. Ainda pretendo comprar o livro no futuro.
    .
    E o experimento de telepatia que o Sr. mesmo propôs? Quando concordamos, o que aconteceu?
    .
    Aconteceu que vocês não quiseram entrar em contato com a autora e com a criança savant… eu não disse que o teste era para ser feito com qq pessoa…
    .
    Agora certas coisas é impossível comentar sem sarcasmo.
    .
    Try harder…
    .
    Quando é apresentada a entrevista com um cachimbo; ou quando alguém alega recordar o futuro.
    .
    Qualquer reivindicação empírica pode (ao menos em princípio) ser estudada cientificamente, seja essa reivindicação a existência de um átomo ou uma atitude, ou mesmo a telepatia ou o “Pé Grande”. Nossa primeira obrigação é não fazer nada que possa bloquear a investigação, e tentar expor ao ridículo tanto as pesquisas como seus autores é uma delas.
    .
    Se se ficar silente o que se passará de mensagem para as muitas pessoas que (suponho) leem as matérias sem se manifestar?
    .
    Eu não digo para se ficar silente, mas se quer expor seu ceticismo, faça-o de forma tal qual um revisor de uma revista científica faria, explicando porque tal artigo seria tão ruim a ponto de que se dependesse de você não seria publicado. Isso seria uma atitude bem melhor…

  54. Antonio G. - POA Diz:

    Eu tenho um defeito incorrigível: Não dou muito crédito à opiniões de especialistas, estudiosos e pesquisadores nestes assuntos, digamos, paranormais. Gosto de pensar com minha própria cabeça, usando meus parcos neurônios. É presunção e autossuficiência, dirão alguns. Pode ser. Mas o que eu posso fazer? Foi Deus quem me fez assim…

  55. Gorducho Diz:

    Gosto de pensar com minha própria cabeça, usando meus parcos neurônios.
     
    Exatamente; e com senso crítico. Foi o que eu tentei fazer quando propus que fizéssemos em conjunto a análise dos mapas vis a vis o proposto pelo Sobrenatural, o que já existia na literatura, e as descobertas. Chegarmos a uma conclusão, com nossos próprios neurônios, se o Sobrenatural ajudou em algo.

  56. Marciano Diz:

    ANTONIO, saí da mesma forma que você. Vou ainda mais além, não dou muito crédito a qualquer especialista que faça afirmações bombásticas e que seja isolado na comunidade científica, como no caso da cura de câncer com bicarbonato de sódio.
    Todos sabem que câncer se cura com uma mistura na proporção certa de açúcar, alho, cebola e pimentão. O mais difícil é o alho, pois ninguém gosta de descascar alho, é pior do que cebola.
    Deve ser por isso que não pega na medicina tradicional (desculpe o pleonasmo – foi para diferenciar da medicina alternativa).
    A culpa só pode ser de deus, que nos criou assim, tão céticos quanto a afirmações não acompanhadas de demonstrações satisfatórias e explicações convincentes.

  57. Gorducho Diz:

    [...] um revisor de uma revista científica faria, explicando porque tal artigo seria tão ruim a ponto de que se dependesse de você não seria publicado.
     
    Será que precisa explicar p/o revisor duma revista cientifica o que deve ser feito com uma entrevista com um cachimbo?
    Quanto àquele experimento estatístico que implica recordação do futuro, deve ser replicado e se for os psicólogos (atenção: psicólogos) estão na obrigação de se pronunciar. Já disse isso quando estava em tela.
    Será tão difícil assim? Precisa tanta verba p/carregar um servidor com os programinhas e fotos + ficheiros texto. Aqui no Brasil ninguém se habilita?

  58. Marciano Diz:

    GORDUCHO, enquanto eu escrevia, seu comentário foi publicado.
    Isso é o que eu tenho proposto, passarmos a pensar com nossas próprias cabeças, deixar de lado as “provas” dos eruditos no assunto, parar de citar autoridades como argumento, só usar CTRL C + CTLR V quando estritamente necessário ou pertinente, parar com a falácia disso, falácia daquilo, “assis son nous derrière, avec le bras croisès”, e passarmos a fazer nossas próprias experiências, abertas a quem quiser participar, depois de aprovado o protocolo, naturalmente.

  59. Marciano Diz:

    “assis sur nôtre derrière”.
    Viu, ANTONIO?

  60. Gorducho Diz:

    eu não disse que o teste era para ser feito com qq pessoa…
     
    Não, claro que não. Mas também não disse que só poderia ser com uma única pessoa na crosta, e “casualmente” na América! Lá sim p/nós envolve pelo menos 2 semanas e dinheiro alugando uma sala (obvio que ninguém será tão bobo de ir no local indicado pelo “telepata” não é?). Além de ter que tirar visto p/negócios/estudo, senão ainda arriscamos ser deportados.
    Se telepatia existe, não há de ser só na América, right? Ou será que hamburger + sucrilhos + panqueca com molho doce + café aguado + frango frito favorece os poderes Sobrenaturais?
    Batata frita não é porque as como cá…

  61. MONTALVÃO Diz:

    .
    “Falácia do espalho. Não é isso que diz a teoria. Pessoas dilaceradas por explosões (ou qq outro exemplo que queria dar) podem nascer perfeitamente normais. A ocorrência das marcas dependerá, em parte, do trauma que isso acarretará em seu psiquismo.”
    .
    COMENTÁRIO (desnecessário por óbvio): então só há marcas de nascença em traumas que podem ser caricaturados? Uma bala marca profuuuuundamente a alma do ferido, uma queimadura não (claro, morrer queimado é uma brasa, mora?); quem dilacerado numa explosão tira o caso de boa, já uma foiçada é trauma para umas dez vidas; ter um membro decepado e morrer de hemorragia, traumatiza quase nada, uma facada nas costas deixas lindas marcas reencarnatórias…
    .
    REalmente, a teoria é muito consistente, preditiva e só nela não acredita quem for cético crônico…

  62. Marciano Diz:

    Sugerir que nós fôssemos aos Estados Unidos procurar “uma pessoa” para fazer testes pareceu-me, na época, ser sarcasmo. Vejo agora que não foi. Pior ainda.

  63. Marciano Diz:

    MONTALVÃO, cuidado com as palavras. Eles já falam em pseudocético, ateu militante, etc. Agora vão passar a chamar de cético crônico quem não concordar com suas ideias extravagantes.

  64. Marciano Diz:

    GORDUCHO, todos sabem que o hemisfério sul é desbalanceado metafisicamente, seja lá o que for que isso signifique, o que explica por quê não podemos reproduzir nenhum dos fenômenos aqui.
    Vou trabalhar agora, porque estou perdendo dinheiro enquanto comento aqui.
    Volto mais tarde, Inch”Allah.

  65. MONTALVÃO Diz:

    .
    A diferença é que várias memórias de vidas passadas são verídicas, enquanto Papai Noel e Coelhinho da Páscoa até é possível prová-los falsos, veja o caso de Papai Noel:
    .
    http://www.humornaciencia.com.br/miscelanea/ppnoel.htm
    .
    COMENTÁRIO: a prova da inexistência do noel comete erro crucial: considera que o velhinho seja uma entidade única a entregar presentes a todos. Até poderia ser, mas para tanto teria de ser onipresente. Como não podemos testar para conferir essa hipótese, recorre-se a outra mais trivial e lógica: os correspondentes. Noel tem a maior franquia secreta de todo o universo: para cada logradouro possui ele um ou mais representantes, com seus trenós prontos para a missão. No Natal, invisivelmente, os transportes são enchidos com presentes e o substituto dá conta do recado sem maiores embaraços. Calcula-se, pela binomial única (P=0,000000001), bicaudal, que haja um noel franqueado para cada 10 famílias.

  66. Vitor Diz:

    COMENTÁRIO (desnecessário por óbvio): então só há marcas de nascença em traumas que podem ser caricaturados? Uma bala marca profuuuuundamente a alma do ferido, uma queimadura não (claro, morrer queimado é uma brasa, mora?);
    .
    Daonde vc tirou isso? Há casos sim de pessoas que morreram queimadas.
    .
    http://www.scientificexploration.org/journal/jse_12_2_pasricha.pdf
    .
    Página 262.
    .
    quem dilacerado numa explosão tira o caso de boa, já uma foiçada é trauma para umas dez vidas; ter um membro decepado e morrer de hemorragia, traumatiza quase nada, uma facada nas costas deixas lindas marcas reencarnatórias…
    .
    Tirando a explosão, há casos para cada um desses tipos que vc mencionou. Não se conhecem casos de pessoas que se dizem explodidas (ainda, pelo menos).
    .
    REalmente, a teoria é muito consistente, preditiva e só nela não acredita quem for cético crônico…
    .
    A predizibilidade não é 100%, mas ainda assim uma marca coincidir representa uma chance de 4%, o que já é estatisticamente significativo. Duas ou mais coincidentes então sugere fortemente uma relação.

  67. MONTALVÃO Diz:

    .
    “Quanto às citações, examine-se a bibliografia: só se vê reencarnacionistas pós-graduados e praticantes da famigerada regressão a vidas passadas, muito sugestivo…”
    .
    VITOR: Erro factual. Cita-se Brody, um crítico (justamente quem defende a hipótese psicossocial).
    .
    COMENTÁRIO: Realmente, um cético em meio à penca de advogados: tão bem documentado é o artigo que a si mesmo Matlock se cita um monte de vezes…
    Mas, está correto: Brody é o fruto bendito a aguar o pagode reencarnacionista, e, pelo visto, a tese desse autor enfrenta bem a equipa multividas, pois levou Matlock reconhecer a insustentabilidade cultural do reencarnacionismo:
    .
    MATLOCK: “No entanto, não importa quão sugestivos os dados são, a reencarnação é uma hipótese improvável, do nosso ponto de vista cultural. Para Brody, o maior problema com os casos de Stevenson é “menos com a qualidade dos dados que Stevenson apresenta para apoiar seu ponto, do que no corpo de conhecimento e teoria que devem ser abandonados ou radicalmente modificados, a fim de aceitá-los” (1979, 770). Enquanto não existir um modelo biológico plausível para a reencarnação, é improvável que este veredicto mude.”
    .
    Agora, pensando melhor, começo a admitir que Matlock teve seus momentos de brilhantismo…

  68. Vitor Diz:

    Mas também não disse que só poderia ser com uma única pessoa na crosta, e “casualmente” na América! Lá sim p/nós envolve pelo menos 2 semanas e dinheiro alugando uma sala (obvio que ninguém será tão bobo de ir no local indicado pelo “telepata” não é?). Além de ter que tirar visto p/negócios/estudo, senão ainda arriscamos ser deportados.
    .
    Stevenson ia até a Índia fazer sua pesquisa. Bom, quem sabe vendo as dificuldades e custos inerentes a fazer uma pesquisa de tal tipo passem a respeitar mais o trabalho dos investigadores, sem sarcasmos…
    .
    Se telepatia existe, não há de ser só na América, right?
    .
    Pode tentar a Índia também…
    .
    http://whofortedblog.com/2013/04/09/telepathic-girl-baffles-researchers-ability-read-minds/
    .

  69. Gorducho Diz:

    Nesse ponto concordo com a Casa – desculpe, Analista Montalvão…-. Se o dano for excessivo – explosão, morte na fogueira…- creio que morre também o periespírito, de sorte que não é mais possível a reencarnação.
    Segundo consta na INTERNET, o André Luiz tentou informar isso (que o periespírito é mortal, nas as marcas de nascença que não as há p/espíritos kardecistas e chiquistas) e teria sido silenciado por ir contra os dogmas da FEB…

  70. Gorducho Diz:

    [...] (que o periespírito é mortal, nas não as marcas de nascença que não as há p/espíritos kardecistas e chiquistas)

  71. Vitor Diz:

    Brody é o fruto bendito a aguar o pagode reencarnacionista, e, pelo visto, a tese desse autor enfrenta bem a equipa multividas,
    .
    Pulou essa parte?
    .
    “Além disso, apesar de sua semelhança geral, há variações de uma cultura para outra. Esses fatos levaram alguns críticos a sugerir que os casos são fantasias, fruto de identificações impostas às crianças por seus pais (por exemplo, Brody, 1979). Existem várias dificuldades com esta hipótese, entre elas a de que as pessoas não familiarizadas com os casos reais muitas vezes não têm uma ideia realista de como os casos são; por exemplo, elas esperam que os sujeitos sejam mais velhos do que são (Pasricha, 1990). Casos com características especialmente dramáticas podem ser amplamente conhecidos, mas os casos mais típicos normalmente não são conhecidos fora da comunidade em que ocorrem (Barker & Pasricha, 1979). Há também casos com registros escritos feitos antes de verificações (Stevenson & Samararatne, 1988), e estes, pelo menos, não podem ser devido a memórias reconstruídas após o fato.”

  72. Gorducho Diz:

    Bom, quem sabe vendo as dificuldades e custos inerentes a fazer uma pesquisa de tal tipo passem a respeitar mais o trabalho dos investigadores, sem sarcasmos…
     
    Qual é o sarcasmo. Foi O SENHOR quem propôs o experimento e depois mijou p/trás (desculpe a franqueza, mas faz-se necessária)!

  73. Gorducho Diz:

    Bom, confirma a sagacidade do Analista Marciano. A India fica no hemisfério norte, então também lá há telepatas.
    Mas é simples, Analista Marciano. A comunicação telepática é transmitida pelo Fluído Universal o qual é mais leve que o ar – quanto a isso ninguém discorda, certo?
    Então como o hemisfério norte fica em cima, o Fluído Universal sendo mais leve que o ar tende a subir p/lá. E a maior concentração deste reforça o sinal telepático.

  74. Vitor Diz:

    Foi O SENHOR quem propôs o experimento e depois mijou p/trás (desculpe a franqueza, mas faz-se necessária)!
    .
    Eu nunca gostei desse lance de transmitir números e textos enciclopédicos, isso foi ideia de vcs, mas buscando satisfazê-los, e como crianças savants parecem ser as únicas capazes disso com alguma facilidade, citei o tipo de experimento que pode provar esse tipo de telepatia em altíssimo grau para vocês. mas nuncsa disse que seria fácil. Não tenho culpa de crianças savants telepáticas são raras e se no momento só conhecemos exemplos longínquos. Mas nada impede que vcs encontrem algum exemplo no brasil… mas eu é que não vou procurar… vcs podem ir em colégios de crianças especiais e ver se alguém relata uma criança assim…

  75. Gorducho Diz:

    Agora numa boa tentando ser sério c/o Sr… Por que já que quer promover a parapsicologia, não se concentra cá no Brasil?
    Por que essa fantasia anglo?
    Não há pesquisa cá?
    Vamos ao caso específico da tal lembrança do futuro, que eu concordo – note que agora não estou usando de sarcasmo…- seria um fenômeno interessante. Qual é a dificuldade de fazer um programinha (em Java, C# ou seja no que for), ligar uns terminais ao servidor e pesquisar?
    Necessita tanto dinheiro (verbas públicas?) isso?

  76. Gorducho Diz:

    Eu nunca gostei desse lance de transmitir números e textos enciclopédicos [...]
     
    A ideia original do Analista Moltalvão foi para testar o kardecismo (e também o chiquismo que neste ponto concorda). Nessas cosmologias, se verdadeiras fossem, o experimento necessariamente deveria ser positivo.
    No caso da telepatia, pode ser com as imagens simples como eu já disse. O que não pode é haver estatística, pois isso nunca foi a alegação.
    O Rhine indiretamente tinha razão. Só não tinha ao supor que todos tenham esses dons – se isso for, vale a Conjectura de Montalvão, e experimentos controlados são inúteis. Mas a noção de imagens simples está correta.

  77. MONTALVÃO Diz:

    .

    “O julgamento do Juízo Final, julgo, é para cumprir a ritualística, embora na prática já fora realizado…”
    .
    GORDUCHO: Mais complicado que a Santíssima Trindade; não me convenceu…
    Mais lógico é aproveitar o que já está comprovado cientificamente – lembra que o Kardec sempre remarcava que p/ser válida a religião tem que estar conforma à Ciência? -, e daí concluirmos que o Juízo Particular (lembrei do nome agora) é a recordação do Juízo Final. Mas… e daí como fica os que vão p/o Purgatório?
    .
    COMENTÁRIO: não o censuro, as concepções sobre esse Juízo são variadas, tentei dar-lhe um resumo. Veja se o texto a seguir esclarece. Se não, desisto.
    .
    “1)
    - O JUÍZO PARTICULAR ocorre imediatamente após a morte, e define se a alma vai para o Céu, inferno ou purgatório. Não há uma ação violenta de Deus, mas simplesmente a alma terá nítida consciência do que foi sua vida terrestre, e assim, se sentirá irresistivelmente impelida para junto de Deus (Céu), ou para longe da presença de Deus (Inferno) ou ainda para um estágio de purificação (Purgatório).
    .
    - O JUÍZO FINAL ou UNIVERSAL é a tomada de consciência, do indivíduo e de todos os homens, das obras boas e más que cada um realizou. Note que é diferente do Juízo Particular. Neste, Deus revela a cada um, em foro
    privado, a pureza de intenção que definiu sua sorte no além. Já o Juízo Universal não se trata de uma segunda instância, pois O JULGAMENTO INDIVIDUAL JÁ OCORREU NO JUÍZO PARTICULAR, mas simplesmente revelará a todos os homens os mistérios da história da humanidade e todos os efeitos positivos ou negativos das atitudes de cada um. Tudo será manifesto a todos.
    .
    Dia de triunfo da Verdade e da Justiça.
    Após o Juízo Final segue-se o Tanque de Enxofre (Inferno) para os ímpios e o Paraíso para os justos.
    .
    Dom Estêvão Bettencourt, OSB; Fonte: Apostila do Mater Ecclesiae –
    Escatologia; http://WWW.AGNUSDEI.CJB.NET
    .
    .
    2)
    Juízo particular e juízo final
    .
    Além do juízo particular, que acontece imediatamente depois da morte, a fé da Igreja diz que no fim do mundo será julgada toda a humanidade. Este segundo juízo será de todos e na presença de todos os homens, ao final dos tempos, e por isto é chamado de juízo final ou juízo universal.
    .
    Sentido do juízo final
    .
    O JUÍZO FINAL NÃO MUDARÁ EM NADA A SENTENÇA ESTABELECIDA NO JUÍZO PARTICULAR, mas servirá para que resplandeça a sabedoria e a justiça divina, para prêmio dos bons e castigo dos maus, também em relação ao corpo. Perante Cristo, que é a Verdade, será revelada definitivamente a verdade em relação a cada homem com Deus. O juízo final revelará até suas ultimas conseqüências o que cada um fez – bom ou mal- ou tenha deixado de fazer durante sua vida terrena.
    .
    O juízo final revelará que a justiça de Deus triunfa sobre todas as injustiças cometidas por suas criaturas e que seu amor é mais forte que a morte.
    .
    Autor: Jayme Pujoll e Jesus Sanches Biela Fonte: Livro “Curso de Catequesis” da Editora Palabra, Espana Tradução: Pe. Antonio Carlos Rossi Keller – http://www.veritatis.com.br/artigo.asp?pubid=1028
    .
    .
    3)
    Diz S. Paulo que após a morte sucede-se o Juízo: trata-se do Juízo Particular e não do Juízo Final, quando ressuscitaremos. No Juízo Particular encontramos o nosso destino até o final dos tempos: a salvação (indo diretamente para o céu ou passando por um purificação preliminar) ou a condenação (indo para o inferno).
    .
    Consideremos, então, que o Senhor viesse hoje: todos os mortos – justos (INCLUSIVE OS QUE ESTAVAM NO PURGATÓRIO) e injustos – ressuscitariam (cf. At 24,15) e seriam julgados – publicamente – juntamente com aqueles que se encontravam vivos; então o que cada um tiver feito será revelado diante de todos e HAVERÁ APENAS 2 DESTINOS FINAIS: A VIDA ETERNA (PARA OS JUSTOS) E O CASTIGO ETERNO (PARA OS INJUSTOS). Se por um lado parece que há vantagem pelo fato de ficar vivo até o Dia do Senhor, para não passar eventualmente pelo purgatório, por outro exige mais responsabilidade da parte do cristão:
    Porque ninguém – senão Deus – sabe o dia e hora do Juízo Final. Porque o resultado do julgamento será fulminante: ou a Vida ou a Morte eterna.

    http://www.veritatis.com.br/agnusdei/pr26.htm

  78. Gorducho Diz:

    É complexo… Então no JF todos ressuscitarão em carne (i.e., em termos espíritas reencarnarão sem terem mães, óbvio…); haverá uma assembléia geral onde serão confirmadas as sentenças já proferidas no JP na presença de todos perante todos; e ao saldo do Purgatório será dada destinação, liquidando-se-o.
    Fica como mistério se o inferno pós-JF será físico ou espiritual (como é agora com as almas que lá se encontram condenadas pelo JP).
    É isso então?

  79. Vitor Diz:

    Gorducho,
    comentando:
    “Por que já que quer promover a parapsicologia, não se concentra cá no Brasil?
    Por que essa fantasia anglo?
    Não há pesquisa cá?
    Vamos ao caso específico da tal lembrança do futuro, que eu concordo – note que agora não estou usando de sarcasmo…- seria um fenômeno interessante. Qual é a dificuldade de fazer um programinha (em Java, C# ou seja no que for), ligar uns terminais ao servidor e pesquisar?
    Necessita tanto dinheiro (verbas públicas?) isso?”
    .
    Bom, geralmente precisa-se de dezenas de voluntários para os testes. Só isso já é um custo, o quanto exatamente, não sei. No Brasil um dos pouquíssimos locais que fazia pesquisa psi fechou há alguns meses, por exemplo:
    .
    http://folhacentrosul.com.br/cidades/3210/faculdades-integradas-espirita-vai-a-falencia-e-deixa-estudantes-na-mao-em-curitiba
    .
    Outro local de estudos psi, Instituto Pernambucano de Pesquisas Psicobiofísicas, parece ter feito um dos últimos experimentos em 2003. A minha impressão é que hoje só oferece cursos, palestras, e a publicação de livros de alguns membros. Não achei nenhum experimento mais recente, pelo menos.
    .
    Penso que só resta o InterPsi a fazer pesquisa. Mas não sei se estão tentando uma replicação desses experimentos de precognição. Parecia-me que o grupo estava mais voltado pesquisando médiuns da umbanda.
    .
    Bem, eis aqui uma lista de replicações recentes positivas dos estudos de Bem até janeiro de 2014:
    .
    http://www.dailygrail.com/Mind-Mysteries/2014/1/Is-Precognition-Real-Positive-Replications-Daryl-Bems-Controversial-Findings

  80. Marciano Diz:

    Gorducho Diz:
    outubro 9th, 2014 às 17:56
    É complexo… Então no JF todos ressuscitarão em carne…”.
    .
    .
    É o que dizem, também, os TJs.
    A sacanagem, como se pode ver nas ilustrações nos livros e revistas deles, é que o vovozinho (aquele que sempre recebe o netinho maconheiro no LAR DELES) será ressuscitado num corpo velho e alquebrado, os leões ficarão fracos e desdentados com a dieta vegetariana, porém impedidos de morrer.
    Em suma, isso é que é inferno.
    .
    Pensando bem, será que vale a pena discutir religião?
    Parece papo de hospício.

  81. Marciano Diz:

    Dei uma olhadinha no livro “A Caminho da Luz”, de cx, atribuído a EmmÂnuel.
    O cara acreditava em Atlântida e Lemúria.
    Trechos:
    .
    .
    Um grande acontecimento se verificara no planeta. É que, com essas entidades, nasceram no orbe os ascendentes das raças brancas. Em sua maioria, estabeleceram-se na Ásia, de onde atravessaram o istmo de Suez para a África, na região do Egito, encaminhando-se igualmente para a longínqua Atlântida, de que várias regiões da América guardam assinalados vestígios.
    .
    Entre as raças negra e amarela, bem como entre os grandes agrupamentos primitivos da Lemúria, da Atlântida15 e de outras regiões que ficaram imprecisas no acervo de conhecimentos dos povos, os exilados da Capela trabalharam proficuamente, adquirindo a provisão de amor para suas consciências ressequidas.
    15 Sabemos por esta obra que as civilizações Lemúria e Atlântida são os povos terrenos do ciclo evolutivo anterior ao ciclo iniciado com a raça adâmica – N. D.
    .
    Os vários povos do mundo traziam de longe as suas concepções e as suas esperanças, sem falarmos das grandes coletividades que floresciam na América do Sul, então quase ligada à China pelas extensões da Lemúria, e da América do Norte, que se ligava à Atlântida. Não é, porém, nosso propósito estudar aqui outras questões que se não refiram à superioridade do Cristo e à ascendência do seu Evangelho, nestes apontamentos despretensiosos.
    .
    .
    .
    Como alguém pode ler uma coisa dessas e permanecer espírita?
    Como alguém pode ler a bíblia e permanecer cristão?

  82. Gorducho Diz:

    Bom, geralmente precisa-se de dezenas de voluntários para os testes. Só isso já é um custo, o quanto exatamente, não sei.
     
    Voluntários estudantes universitários têm custo; exceto a passagem de ônibus + um almocinho em bandejão ou janta num McDonalds d’ahí?
     
    No Brasil um dos pouquíssimos locais que fazia pesquisa psi fechou há alguns meses, por exemplo:
     
    Que bom que o Sr. possa extrair disso o fato que é tudo fantasia. Os brasileiros (espantosamente) têm razão.
    Tenha um lampejo de sensatez: retorne o Sítio às suas origens.

  83. Gorducho Diz:

    Favor ictalizar as a quote a 3ª linha. Desculpe!

  84. Marciano Diz:

    Gorducho Diz:
    outubro 9th, 2014 às 22:59

    Tenha um lampejo de sensatez: retorne o Sítio às suas origens.
    .
    .
    Deus seja louvado! Voto a favor da volta às origens.
    Era bem melhor.

  85. Marciano Diz:

    Essa cruzada psi já deu.
    Tudo bem, de vem em quando, como era, mas essa corrente não tá boa.
    Não se diga que o assunto espiritismo já se esgotou, ainda faltam muitos a serem detonados, como Divaldo, por exemplo.

  86. Marciano Diz:

    Se o próximo tópico a ser postado for sobre detetives médiuns reencarnados eu vou acabar dando três tapinhas (nada a ver com maconha, seus maldosos, eu detesto maconheiros – tô falando do “tap out”).

  87. Antonio G. - POA Diz:

    Marciano disse: “Como alguém pode ler uma coisa dessas e permanecer espírita?”
    Como alguém pode ler a bíblia e permanecer cristão?
    Acontece, Marciano. É o que mais acontece… Aconteceu comigo. Só que eu acordei. Alguns acordam. Outros, nunca acordam.
    .
    Na verdade, uma passagem pela condição de crente é praticamente imperativo para quem nasce e cresce em uma família com algum tipo de crença ou prática religiosa. Isto ocorre na maioria esmagadora das famílias em países como o nosso, por exemplo. Não é a mesma coisa na Noruega, Suécia, Japão, Dinamarca, etc. Mas é assim na América, na África e na maior parte do mundo, infelizmente. Uma criança que nasce numa família cristã será cristã, com 99,999999% de certeza. Eu lamento muito por violência, esta injustiça, este verdadeiro crime contra a formação intelectual dos pequenos. Quem sabe, um dia…

  88. Antonio G. - POA Diz:

    Eu tenho uma filha pequena. Vai fazer 5 anos. É difícil descrever a dificuldade que é viver tentando proteger a criança contra a pregação religiosa com que ela é bombardeada todos os dias na escola, na TV, e mesmo na família. Tudo de forma muito inocente e bem intencionada. Mas que luta para tentar neutralizar os nefastos efeitos…!!!!

  89. Larissa Diz:

    Antonio G. – POA Diz:
    OUTUBRO 10TH, 2014 ÀS 07:46
    Eu tenho uma filha pequena. Vai fazer 5 anos. É difícil descrever a dificuldade que é viver tentando proteger a criança contra a pregação religiosa com que ela é bombardeada todos os dias na escola, na TV, e mesmo na família. Tudo de forma muito inocente e bem intencionada. Mas que luta para tentar neutralizar os nefastos efeitos…!!!!
    .
    Antônio, se me permites um conselho, deixe claro para ela q ela tem opção de crer e de não crer. A exponha a diversas correntes de pensamento.
    Claro q ela tem só cinco anos, mas a verdade é q ela,pode optar por ser religiosa no futuro. E ela tem esse direito.
    Eu penso muito nisso….como vai ser quando eu tiver filhos. Mas acho q tenho de respeitar a escolha deles.

  90. Gorducho Diz:

    Mas é que se é exposto. Eu confesso humildemente que p/mim Jesus Cristo e depois os espíritos cristãos – esse é o ponto dramático: não apenas espíritos! – era natural.
    E as aulas de evangelização aos domingos. Minha mãe era e eu ia com naturalidade. Então de fato não é dada a opção durante a infância!

  91. Gorducho Diz:

    Sr. Administrador: sugiro que veja se consegue o artigo Correcting the past: Failures to replicate psi.
    Galak, Jeff; LeBoeuf, Robyn A.; Nelson, Leif D.; Simmons, Joseph P.
    Journal of Personality and Social Psychology, Vol 103(6), Dec 2012, 933-948.
     
    Não consegui lê-lo por nesta página ser pago. Só o resumo que reza:
    Across 7 experiments (N = 3,289), we replicate the procedure of Experiments 8 and 9 from Bem (2011), which had originally demonstrated retroactive facilitation of recall. We failed to replicate that finding. We further conduct a meta-analysis of all replication attempts of these experiments and find that the average effect size (d = 0.04) is no different from 0. We discuss some reasons for differences between the results in this article and those presented in Bem (2011).
     
    Eu concordo que o fenômeno é curioso, mas quero ver experimentos feitos por psicólogos descomprometidos com a Crença de fato – não os falsos inicialmente céticos que caracterizam o espiritismo.

  92. Gorducho Diz:

    Já consegui o artigo Sr. Administrador!

  93. Larissa Diz:

    Então de fato não é dada a opção durante a infância!
    .
    Gorducho, sua mãe era crente, então ela tentou te transmitir os valores crentes dela. O Antônio é ateu e tem consciência sobre os malefícios da doutrinação precoce. Por isso, creio eu, é melhor explicarmos às crianças sobre as opções q elas têm e deixá-las escolher livremente.
    Minha família é de crentes de diversas religiões. Eu sou moderada, talvez panteísta, espinosista. Mas se um filho quiser ser crente, vou ter de respeitar (vai me matar de desgosto). Isso é muito pessoal….melhor estimular o livre convencimento q a doutrinação teista ou ateísta.

  94. MONTALVÃO Diz:

    .
    “Brody é o fruto bendito a aguar o pagode reencarnacionista, e, pelo visto, a tese desse autor enfrenta bem a equipa multividas,”
    .
    VITOR: Pulou essa parte?
    .
    “Além disso, apesar de sua semelhança geral, há variações de uma cultura para outra. Esses fatos levaram alguns críticos a sugerir que os casos são fantasias, fruto de identificações impostas às crianças por seus pais (por exemplo, Brody, 1979). Existem várias dificuldades com esta hipótese, entre elas a de que as pessoas não familiarizadas com os casos reais muitas vezes não têm uma ideia realista de como os casos são; por exemplo, elas esperam que os sujeitos sejam mais velhos do que são (Pasricha, 1990). Casos com características especialmente dramáticas podem ser amplamente conhecidos, mas os casos mais típicos normalmente não são conhecidos fora da comunidade em que ocorrem (Barker & Pasricha, 1979). Há também casos com registros escritos feitos antes de verificações (Stevenson & Samararatne, 1988), e estes, pelo menos, não podem ser devido a memórias reconstruídas após o fato.”
    .
    COMENTÁRIO: acha que essas alegações são suficientes para desbancar a hipótese psicossocial? Devia, sim, traduzir o trabalho de Brody, a fim de verificarmos o quanto aprofundou o estudo e se as críticas genéricas a ele feitas são satisfatórias.

  95. MONTALVÃO Diz:

    .
    GORDUCHO: É complexo… Então no JF todos ressuscitarão em carne (i.e., em termos espíritas reencarnarão sem terem mães, óbvio…); haverá uma assembléia geral onde serão confirmadas as sentenças já proferidas no JP na presença de todos perante todos; e ao saldo do Purgatório será dada destinação, liquidando-se-o.
    Fica como mistério se o inferno pós-JF será físico ou espiritual (como é agora com as almas que lá se encontram condenadas pelo JP).
    .
    É isso então?
    .
    COMENTÁRIO: bem, reencarnar e ressuscitar são eventos distintos. O ressuscitado retorna no mesmo corpo, o reencarnado vem noutro constructo e com personalidade nova.
    .
    Quanto à ressurreição na carne há um certo mistério nela. A postulação básica noticia que cada qual receberá o mesmo corpo que teve em vida, no entanto, há um dado a acrescentar: será um corpo revestido de incorruptibilidade, ou seja, não estará sujeito à degradação orgânica atual. Fala-se em “corpo espiritual”, conforme a proposta de Paulo (I Coríntios 15):
    .
    35 Mas alguém dirá: Como ressuscitam os mortos? e com que qualidade de corpo vêm?
    .
    36 Insensato! o que tu semeias não é vivificado, se primeiro não morrer.
    .
    37 E, quando semeias, não semeias o corpo que há de nascer, mas o simples grão, como o de trigo, ou o de outra qualquer semente.
    .
    38 Mas Deus lhe dá um corpo como lhe aprouve, e a cada uma das sementes um corpo próprio.
    .
    39 Nem toda carne é uma mesma carne; mas uma é a carne dos homens, outra a carne dos animais, outra a das aves e outra a dos peixes.
    .
    40 TAMBÉM HÁ CORPOS CELESTES E CORPOS TERRESTRES, mas uma é a glória dos celestes e outra a dos terrestres.
    .
    41 Uma é a glória do sol, outra a glória da lua e outra a glória das estrelas; porque uma estrela difere em glória de outra estrela.
    .
    42 Assim também é a ressurreição, É RESSUSCITADO EM INCORRUPÇÃO.
    .
    43 Semeia-se em ignomínia, é ressuscitado em glória. Semeia-se em fraqueza, é ressuscitado em poder.
    .
    44 SEMEIA-SE CORPO ANIMAL, É RESSUSCITADO CORPO ESPIRITUAL. SE HÁ CORPO ANIMAL, HÁ TAMBÉM CORPO ESPIRITUAL.
    ,
    45 Assim também está escrito: O PRIMEIRO HOMEM, ADÃO, TORNOU-SE ALMA VIVENTE; O ÚLTIMO ADÃO, ESPÍRITO VIVIFICANTE.
    .
    46 Mas não é primeiro o espiritual, senão o animal; depois o espiritual.
    .
    47 O primeiro homem, sendo da terra, é terreno; o segundo homem é do céu.
    .
    48 Qual o terreno, tais também os terrenos; e, qual o celestial, tais também os celestiais.
    .
    49 E, assim como trouxemos a imagem do terreno, traremos também a imagem do celestial.
    .
    50 Mas digo isto, irmãos, que carne e sangue não podem herdar o reino de Deus; nem a corrupção herda a incorrupção.
    .
    51 Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos dormiremos mas todos seremos transformados,
    .
    52 num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta; porque a trombeta soará, e OS MORTOS SERÃO RESSUSCITADOS INCORRUPTÍVEIS, E NÓS SEREMOS TRANSFORMADOS.
    .
    53 Porque É NECESSÁRIO QUE ISTO QUE É CORRUPTÍVEL SE REVISTA DA INCORRUPTIBILIDADE E QUE ISTO QUE É MORTAL SE REVISTA DA IMORTALIDADE.
    .
    54 Mas, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, ENTÃO SE CUMPRIRÁ A PALAVRA QUE ESTÁ ESCRITO: TRAGADA FOI A MORTE NA VITÓRIA.

  96. Gorducho Diz:

    Bien sûr… bien sûr…
    Estou é claro criticando retrospectivamente mas entendo que ela e eles (no nosso caso os chiquistas, mas vale p/todos os religiosos sinceros, i.e., que não visem lucro financeiro ou domínio político) tinham boas intenções e transmitiam seus valores.
    Mas hoje vejo, chamada a atenção pela primeira vez cá creio que pelo Analista Antonio o absurdo que é a “evangelização infantil”.
    Justamente a opção de querer ser crente deve ser livremente exercida após o cérebro ter-se naturalmente desenvolvido.

  97. Gorducho Diz:

    Juízo Final
    Sim, é claro. Falei reencarnação simplificadamente no sentido que readquirirá a alma um corpo que, claro, será idêntico ao que tivera.
    Mas então deve ser isso mesmo: ressuscitam todos; é feita uma assembléia onde as sentenças – que já estavam parcialmente em vigência desde o JP – de todos são anunciadas publicamente p/todos, sendo que todos aí se conscientizam do porquê delas; é liquidado o Purgatório com o saldo transferido p/o Paraíso – pois que os condenados ao inferno não passam temporariamente pelo Purgatório…
    Mas… qual é a correlação entre a Salvação Protestante (pela Graça) e o JF?

  98. Gorducho Diz:

    E o Inferno passará doravante a ser material, visto que populado por ressuscitados… acho…

  99. Antonio G. - POA Diz:

    Sim, Larissa e Gorducho. Eu não luto para que minha filha seja atéia. Só quero que seja livre.

  100. Antonio G. - POA Diz:

    Pois é, Gorducho. Os espíritos são sempre cristãos. Não há espíritos muçulmanos, buditas, ateus… São todos, necessariamente, cristãos.

  101. Antonio G. - POA Diz:

    E, se não são cristãos quando encarnados, viram cristãos no mundo espiritual.

  102. Gorducho Diz:

    Tem um espírito que se bem me lembro estava sendo doutrinado no Centro frequentado pelo Professor, o qual lutou junto com o Profeta Muhammad, o qual creio não seja cristão. Mas provavelmente por causa disso se deu mal pois que está há quase 1400 anos no umbral :(
    Nesse ínterim frequentou uma escola de português mantida por espíritos missionários, de formas que se comunica perfeitamente com os médiuns que – também se bem me lembro… – não falam árabe :mrgreen:

  103. Antonio G. - POA Diz:

    Certo. Espíritos não cristãos, se acaso existirem, sofrerão severas represálias.

  104. Marciano Diz:

    “Antônio, se me permites um conselho, deixe claro para ela q ela tem opção de crer e de não crer. A exponha a diversas correntes de pensamento.
    Claro q ela tem só cinco anos, mas a verdade é q ela,pode optar por ser religiosa no futuro. E ela tem esse direito.
    Eu penso muito nisso….como vai ser quando eu tiver filhos. Mas acho q tenho de respeitar a escolha deles.”
    .
    .
    LARISSA, todo mundo tem o direito de se suicidar, no entanto, não acho que isso deva ser ensinado a uma criança como um direito dela.
    Cuidado com o seu conceito de direito.
    .
    .
    “Mas se um filho quiser ser crente, vou ter de respeitar (vai me matar de desgosto)”.
    .
    .
    Se um filho meu quisesse se suicidar, isto me mataria de desgosto, nem por isso eu respeitaria a vontade dele.

  105. Marciano Diz:

    A propósito, suicídio não é crime em nenhuma civilização moderna.
    A tentativa de suicídio é crime militar no Brasil.
    Por motivos lógicos, a tentativa bem sucedida não é incriminada.
    Militares não têm o direito de tentar o suicídio.
    .
    Por outro lado, só entendo a “tentativa” de suicídio no caso do Superhomem ou do Frankenstein.
    Difícil é´permanecer vivo.

  106. Marciano Diz:

    Todo mundo tem o direito de comer fezes, entretanto, se um futuro filho meu quisesse fazê-lo, eu não deixaria, não diria que é um direito dele.
    .
    Nem se diga que comer fezes pode fazer mal. Religião também faz, pois leva a entregar dinheiro para religiosos, a não procurar a medicina e buscar milagres…

  107. MONTALVÃO Diz:

    .
    GORDUCHO: Mas então deve ser isso mesmo: ressuscitam todos; é feita uma assembléia onde as sentenças – que já estavam parcialmente em vigência desde o JP – de todos são anunciadas publicamente p/todos, sendo que todos aí se conscientizam do porquê delas; é liquidado o Purgatório com o saldo transferido p/o Paraíso – pois que os condenados ao inferno não passam temporariamente pelo Purgatório…
    .
    COMENTÁRIO: realmente, o purgatório é destinado a purificação de “resíduos pecaminosos”, portanto, quem nele cai está fadado ao céu. Mas, não se sabe se ali não haverá quem degringole para o outro lado (essa especulação minha).

    /
    /
    GORDUCHO: Mas… qual é a correlação entre a Salvação Protestante (pela Graça) e o JF?
    .
    COMENTÁRIO: há certas sutilezas entre o pensamento protestante e o católico que pediria explanação mais ampla e não estou certo se seria eu o indicado para a empreitada. De qualquer modo, o conceito protestante de “salvação pela graça” garante que toda a dívida do pecado foi paga por Cristo na cruz que, com esse sacrifício, abriu oportunidade a todos para serem recebidos no “seio de Abraão”. A única exigência que se faz, a quem queira ao céu adentrar, é que se aceite a proposta irrestritamente, ou seja, se converta a Jesus. Mas, aí surge um problema: o que será daqueles que nunca ouviram falar de Cristo, ou dele ouviram insuficientemente, o que os impede de ou os limita em uma decisão madura? Já ouvi várias respostas sobre isso, talvez a melhor delas postula que esses serão julgados pela “lei da consciência”, que significa, mais ou menos, que Deus oniscientemente avaliará que decisão o sujeito tomaria caso fosse condizentemente cientificado do plano.
    .
    O JP (Juízo pessoal) também também participa do pensamento protestante, ao menos do dos ortodoxos (batistas, presbiterianos, metodistas, Assembléia de Deus, congregacionais, luteranos): o bloco protestante se pulveriza a cada dia em novas denominações (principalmente entre os pentecostais e neo-pentecostais) e fica difícil conferir se todos os grupos pensam equivalentemente no atinente à salvação e outros pontos.
    .
    O busílis maior entre católicos e protestantes, no referente à salvação, é que os primeiros apregoam que “fora da Igreja não há salvação”, não que quem não seja católico esteja destinado ao hades, mas um período no purgatório seria inevitável. Além disso, a Igreja adiciona ao processo salvacionista a obediência aos sacramentos, que são sete: batismo, crisma, eucaristia, confissão, extrema-unção, matrimônio, ordem.
    .
    E o que significa o termo “sacramento”? O catecismo esclarece: “sacramento é um sinal sensível, instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, para produzir a graça em nossas almas e santificá-las.”
    .
    Os protestantes, em regra, obedecem apenas a dois sacramentos: batismo e santa ceia, porém com significados diferente dos apregoados pelos católicos.
    ./
    /
    GORDUCHO: E o Inferno passará doravante a ser material, visto que populado por ressuscitados… acho…
    .
    COMENTÁRIO: aí vai depender da matéria-prima com a qual serão construídos os corpos incorruptíveis. Se for matéria no sentido comum (formada por átomos) o inferno terá de ser material, imagino…

  108. MONTALVÃO Diz:

    .
    Gorducho,
    .
    Achei texto de D. Estevão Bettencourt, um dos grandes teólogos católicos brasileiros. Tenho dúvidas se ele ainda vive, se sim estará bem velhinho, beirando os cem. Talvez melhor ajude a entender as nuanças da doutrina.
    .
    .

    Que haverá depois da morte?
    .
    A morte consiste na separação entre o corpo e a alma. O corpo, desgastado pelo uso e pelo tempo, já não oferece condições para que a alma ou o princípio vital nele permaneça e exerça as suas funções. Conseqüentemente, o corpo, feito cadáver, é lançado à terra, e a alma, sendo espiritual, sobrevive; ela é imortal por si mesma, pois os seres espirituais não morrem, não se decompõem.
    A alma, uma vez separada do corpo pela morte, não perde a consciência lúcida, não fica adormecida. Falamos do “sono da morte” por metáfora, ou seja, porque os mortos “parecem” dormir. Na verdade, porém, os cadáveres não têm mais vida, ao passo que as almas, separadas de seus corpos, continuam a viver com toda a lucidez.
    .
    Logo após a morte se dá o juízo particular. Este não consiste numa avaliação dos prós e contras da nossa conduta terrestre, pois somos nós quem nos julgamos nesta Terra, ao nos posicionarmos a favor ou contra Deus. Morremos com a nossa sentença lavrada por nós mesmos, com nossa opção feita.
    .
    O juízo particular, portanto, consiste na iluminação de todo o nosso currículo de vida, para que possamos ver, com objetividade e sem preconceitos, os valores e desvalores da nossa conduta terrestre. Assim luminada, a alma humana deseja imediatamente colher os frutos da semeadura realizada na Terra; ela deseja espontaneamente a justa sorte que lhe compete. O fato de não estar unida ao corpo não a impede de utilizar os conhecimentos adquiridos na Terra e de praticar atos de inteligência e de vontade.
    .
    Os conceitos de céu, inferno e purgatório
    .
    Após a morte e o juízo particular, mesmo antes da ressurreição da carne (que se dará no fim dos tempos), o ser humano tem três destinos possíveis:
    .
    1) o céu que é a visão de Deus face a face ou a satisfação plena de todos os nossos anseios, sem aborrecimento nem tédio. Deus será sempre a grande maravilha para os justos no céu. Na pátria celeste, os justos, vendo a Deus, vêem também seus familiares e amigos plenamente identificáveis, embora ainda não ressuscitados corporalmente (a alma humana, como princípio vital, traz em si os traços típicos da personalidade de cada um de nós).
    .
    Os justos podem interceder por nós no céu, pois Deus nos fez solidários uns com os outros (vivemos na “Comunhão dos Santos”), e esta solidariedade ou comunhão não é rompida pela morte. Deus a conserva e faz com que os justos e Santos no céu conheçam as nossas preces e possam orar por nós.
    .
    Especialmente a Virgem Santíssima, na qualidade de Mãe do gênero humano (cf Jo 19,26), é a Grande Orante que leva ao seu Divino Filho as suas preces em favor dos homens na Terra. Ela, que foi a intercessora do primeiro milagre de Jesus em Caná da Galiléia – ao dizer, muito discretamente, com um olhar de mãe atenta: “Eles não têm mais vinho” (Jo 2,3) continua até hoje a dizer ao Senhor Jesus: “Eles não têm pão, …não têm casa, …não têm roupa, …não têm paz, …não têm amor, …não têm harmonia conjugal…”
    .
    2) o purgatório, que é a antecâmara do céu. Com efeito, para ver a Deus face a face, o ser humano precisa de estar isento de qualquer sombra de pecado, pois Ele é três vezes Santo. Assim, se alguém morre com seu amor voltado para Deus, mas ainda está contaminado por traços de amor próprio, egoísmo, preguiça, vaidade, omissão, precisará de se libertar dessas escórias do pecado (impropriamente ditas “os pecadinhos de cada dia”). Isto se faz num estado (e não num lugar) chamado “purgatório”.
    .
    O purgatório não é um lugar onde há fogo e tormentos físicos, mas sim um estágio no qual, voluntariamente, a alma portadora de incoerências, repudia radicalmente o pecado e se desapega totalmente dele, a fim de poder ver a Deus face a face. O purgatório é, portanto, algo de muito lógico: um estado em que nós vivenciamos a experiência de fazer um sincero ato de contrição e de nos livrarmos do pecado.
    .
    Nós somos sempre traídos por nós mesmos, porque dias depois de nos arrependermos voltamos às mesmas faltas, tão arraigado está em nós o princípio do pecado. Ora, essa presença profunda do pecado em nosso íntimo precisa de ter um fim: ou acaba na vida presente (mediante uma ascese muito vigilante) ou na vida futura (no estágio do purgatório).
    .
    A duração do purgatório não se mede em dias e anos, mas pelo tempo psicológico (ou “evo”), cujas unidades são os nossos atos de conhecimento e amor (teremos sucessivos atos de conhecimento e vontade no além).
    .
    3) o inferno, que é o estado (e não o lugar) no qual o pecador que tenha morrido apegado ao pecado e avesso a Deus sente a amargura de ter dito “não” a Ele, o Sumo Bem, o Único Bem que não podia ser perdido, mas que foi trocado por um ídolo (o dinheiro, o prazer, a glória…) ou por uma bolha de sabão (colorida por fora, mas vazia por dentro).
    .
    O inferno é a frustração definitiva. Não sabemos quantas pessoas morrem impenitentes ou voltadas conscientemente para o pecado; até o fim da vida Deus acompanha os seus filhos mais rebeldes, oferencendo-lhes a sua graça. O inferno é tormentoso, porque Deus continua a amar o pecador que dele se afastou e que se condenou voluntariamente (pois, na verdade, não é Deus quem condena, mas é o ser humano que, voluntariamente dizendo “não” a Deus, se projeta na desgraça). O pecador reconhece finalmente que Deus é o Supremo Bem, mas não lhe quer aderir, pois a morte fixa cada um de nós na sua última opção; após a morte não é possível a conversão.
    .
    O modelo do corpo ressuscitado de Jesus
    .
    No fim dos tempos, quando Cristo voltar sobre a Terra como Juiz de todos homens e Consumador da História, os corpos ressuscitarão. Será recomposto o ser humano, que não é um anjo encarnado por acaso, mas sim uma criatura psicossomática. Para ressuscitar os corpos, Deus não precisará de recolher a poeira do solo; bastará que Ele una à alma de cada indivíduo o que a filosofia chama “matéria-prima”; esta assumirá as feições típicas do corpo daquela alma.
    .
    O corpo ressuscitado, portanto, será matéria, e não energia ou luz impessoal. Matéria transfigurada, glorificada, espelho da graça que estiver na alma. Cada corpo ressuscitado poderá ser identificado e reconhecido; não haverá despersonalização. O modelo do corpo ressuscitado é o de Jesus após a sua ressurreição: ainda trazia as chagas (glorificadas) da sua Paixão, mas era isento das vicissitudes que atormentam os nossos corpos mortais (fome, sede, cansaço, pranto, lágrimas…).
    .
    Os Santos todos ainda aguardam a ressurreição dos seus corpos, mas já gozam da visão beatífica. Somente a Virgem Maria já se encontra glorificada em corpo e alma no céu, como celebramos na Festa da Assunção, no dia 15 de agosto.
    .
    Eis, caros leitores, o que em poucas frases podemos dizer sobre a vida após a morte. Não esqueçamos, no entanto, que a respeito de tal assunto, mais podemos balbuciar do que dissertar, pois São Paulo nos diz:
    “O que os olhos não viram,
    O que os ouvidos não ouviram E o coração do homem jamais percebeu,
    Eis o que Deus preparou para aqueles que o amam”.
    (ICor 2,9)
    .
    (“Católicos Perguntam” – Estevão Tavares Bettencourt, O.S.B.)

  109. MONTALVÃO Diz:

    .
    “Todo mundo tem o direito de comer fezes, entretanto, SE UM FUTURO FILHO MEU QUISESSE FAZÊ-LO, eu não deixaria, não diria que é um direito dele.
    .
    COMENTÁRIO: reencarnação revelada em sonho? ;-)

  110. MONTALVÃO Diz:

    .
    “Por motivos lógicos, a tentativa bem sucedida não é incriminada.”
    .
    COMENTÁRIO: e se o suicidante tiver seguro de vida, o beneficiário recebe?

  111. Sanchez Diz:

    Marciano Diz:
    outubro 9th, 2014 às 15:02

    Boas perguntas, GORDUCHO. Engrosso o coro.
    .
    “SANCHEZ, já me cansei de falar sobre esse assunto.
    As NDE são sempre de acordo com as crenças das pessoas… Sem querer ser indelicado, só não conte comigo. Não me pergunte nada, por favor. Estou fastigiado de dizer sempre as mesmas coisas.
    Desculpe-me.”
    .
    Oh Marciano!
    .
    Só coloquei o link do artigo do Sam Paria a título de atualização sobre o tema que tem tudo a ver com a proposta do sítio. Não foi para fazer defesa da sobrevivência da consciência. Não fique tão fatigado. Acho que você não é de marte, não. Tá mais pra vênus.

  112. Gorducho Diz:

    Juízo Final
    É mas ele não se compromete muito definindo o JF e o inferno pós-JF. Vale a crítica que o Jean Reynaud fez no Terra e Céu o qual o Kardec claramente usou como road map p/escrever a Doutrina.
     
    TRIVIA: tenho um primo mestre em teologia na linha luterana (trabalha na área financeira, não é pastor…). Ele acredita de fato mas não faço esse tipo de perguntas a ele pois tomará por sarcasmo. Como tenho dito cá, não falo nesses assuntos no nosso círculo de amizades ou familiar…

  113. Gorducho Diz:

    NDEs
    2ª feira foram publicados os resultados, não é Analista Sanchez?
    Viu-os?
    O que nos pode relatar?

  114. Marciano Diz:

    “Além disso, a Igreja adiciona ao processo salvacionista a obediência aos sacramentos, que são sete: batismo, crisma, eucaristia, confissão, extrema-unção, matrimônio, ordem”.
    .
    .
    Estariam os padres (aí incluídos bispos, etc.) encrencados por não poderem cumprir um dos sacramentos?
    .
    .
    “reencarnação revelada em sonho?”.
    .
    .
    Vielleicht.
    .
    .
    “e se o suicidante tiver seguro de vida, o beneficiário recebe?”.
    .
    .
    Não! Por que pergunta? Está pensando em fraudar seguro? Chegaria a esse ponto para ajudar financeiramente o beneficiário?
    .
    .
    Sanchez, eu quis dizer “fastigiado” mesmo. Foi um galicismo. Eu quis dizer cheio de fastio.
    Quanto ao mais, sou muito mais marciano do que você imagina.

  115. Marciano Diz:

    SANCHEZ, pensando bem, já que o assunto predominante aqui é fantasia, talvez eu seja mais vulcano (como Spock, o oficial de ciências da USS Enterprise) do que marciano. Se bem que ele é mestiço (a biologia que se dane, estamos falando de religião, ops, ficção).
    .
    Melhor explicando o adjetivo inexistente (como divindades e espíritos), eu misturei enfastiado com fastidieux, que é o que o blog se tornou ultimamente.
    Freud deve explicar, vielleicht.

  116. Sanchez Diz:

    Gorducho
    .
    Não tenho uma opinião formada sobre NDE. Acho que isto está na fronteira do conhecido então, muita coisa ainda carece de definição mais definida (perdão a redundância), por exemplo, qual é a definição de morte? Até algum tempo atrás era a parada respiratória, hoje o foco é neurocêntrico. Sem mencionar outras hipóteses.
    2% foi que a pesquisa concluiu que a consciência sobrevive a morte clínica após, investigar 2060 casos que para os padrões do comentaristas deste sítio é o mesmo efeito de uma overdose homeopática.
    .
    Marciano
    .
    Ok. Lado bom que eu aprendo um pouco de línguas.

  117. Contra o chiquismo Diz:

    Poxa… como CX faz falta.

  118. Marciano Diz:

    MONTALVÃO, eu estava com muita pressa quando postei os últimos comentários.
    Vou explicar melhor pra você.
    Se houver intenção de fraudar o seguro, o suicídio não é coberto. Se o suicídio for sem intenção de fraude, se não houver conexão entre a decisão de cometer suicídio e o pagamento da indenização, ela deve ser paga.
    Questão de prova (jurídica, que não é exigente como a prova científica ou a prova matemática).
    Normalmente a seguradora não paga, mas a justiça determina o pagamento quando são coisas independentes.
    No seu caso, a simples pergunta já seria motivo para o não pagamento. Ela deixa antever que a contratação do seguro foi feita visando ao pagamento.

  119. Antonio G. - POA Diz:

    Achei essa muito verdadeira (a propósito do trágico 11.09.2001):
    “A fé não move montanhas, mas derruba edifícios”.

  120. Marciano Diz:

    Estou gostando de ver sua presença constante aqui, ANTONIO.
    A frase é bastante espirituosa. Quem é o autor?

  121. Marciano Diz:

    Aplica-se mais estritamente à fé islâmica.
    Se a Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé. Se não for, ele manda derrubá-la.

  122. MONTALVÃO Diz:

    .
    “e se o suicidante tiver seguro de vida, o beneficiário recebe?”.
    .

    MARCIANO CAUSÍDICO: Não! Por que pergunta? Está pensando em fraudar seguro? Chegaria a esse ponto para ajudar financeiramente o beneficiário?
    .
    COMENTÁRIO: tivesse eu muito o que deixar até pensaria no assunto, mas só seria fraude se houvesse restrição legal ao pagamento (o que agora confirma): a indagação adveio de curiosidade epistemológica a respeito da tipificação de crime em suicídio. Diz que o suicida de sucesso, por óbvio, não pode ser incriminado. Embora eu tenha reservas quanto a essa limitação, admito a dificuldade (na prática, nada impediria que o morto fosse mediunicamente citado e mediunicamente constituísse advogado, se mediunicamente necessário). O caso é que, mesmo sem crime para o falecido sobra para os herdeiros, que não podem desfrutar de eventual indenização securitária. Quer dizer, de certo modo, são incriminados pelo ato do protetor.
    .
    E se o arremetente contra a vida estivesse sob forte depressão, ainda assim o seguro seria brecado?

  123. MONTALVÃO Diz:

    .
    SANCHEZ: Não tenho uma opinião formada sobre NDE. Acho que isto está na fronteira do conhecido então, muita coisa ainda carece de definição mais definida (perdão a redundância), por exemplo, qual é a definição de morte? Até algum tempo atrás era a parada respiratória, hoje o foco é neurocêntrico. Sem mencionar outras hipóteses.
    .
    COMENTÁRIO: as discussões sobre EQM são iguais, ou piores que as de paranormalidade, e estão ao mesmo nível das da mediunidade, ou seja, vão e irão a perder de vista. De meu lado, acredito que a questão se resolve facilmente, basta considerar a Lei Cósmica do Passamento que, em seu artigo primeiro e único, reza: “se morreu não volta, se voltar não morreu”.
    .
    Na inviável hipótese de que alguém morto retornasse, teríamos caso de ressurreição, o que deixaria os reencarnacionistas muito mordidos…

  124. MONTALVÃO Diz:

    .
    De marte,
    Quando postei meu último “poste” a você endereçado, relativamente ao seguro, não tinha visto a esclarecimento complementar que depois dispôs, o que bem alumiou.
    .
    Mas discordo (não da orientação mas do taxativo) que a simples consulta fosse impedimento definitivo ao benefício, a não ser que se ligasse conclusivamente a pesquisa à atitude.

  125. MONTALVÃO Diz:

    .
    Marciano Diz: Aplica-se mais estritamente à fé islâmica.
    Se a Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé. Se não for, ele manda derrubá-la.
    .
    COMENTÁRIO: aplica-se, acredito, mais à fé cristã, de onde brotou inspiração para a lenda maometana de Maomé. Jesus havia dito aos discípulos: “se tiverdes fé do tamanho de um grão de mostarda, diríeis a esse monte: passa daqui pra lá e ele iria”.
    .
    Maomé soube e começou a orar para que a montanha se movesse, porém era daquelas montanhas teimosas, ou surdas, e foi diante do fracasso que ele adaptou o ensinamento à sua realidade…

  126. Marciano Diz:

    Se o arremetente contra a própria vida não tiver intenção de fraudar o contrato, se a depressão não tiver relação de causa e efeito com a contratação do seguro, a seguradora deve pagar a indenização, sendo que, na prática, só paga depois de trânsito em julgado da decisão que a isso a condenar.
    .
    .
    O não pagamento ao(s) beneficiário(s) não significa que eles tenham cometido crime, significa que o contrato está viciado na origem (na contratação).
    Não se trata, sequer, de sanção civil, que dirá criminal.
    .
    .
    Se o contratante, nas tratativas, pergunta se o seguro cobre suicídio, há uma presunção “hominis” de que já está pensando em matar-se para que a indenização seja paga ao(s) beneficiário(s). É um indício de fraude e a prova jurídica difere da prova científica ou matemática.
    A presunção, entretanto, não é legal. Se o fosse, poderia ser “juris tantum” ou “juris et de jure”. Só no último caso não se admite prova em contrário.
    Só a lei pode criar uma presunção “juris et de jure”, por isso é uma presunção legal.
    .
    .
    “… tivesse eu muito o que deixar até pensaria no assunto …”.
    .
    .
    Mais um indício de “consilium fraudis”. Se tivesse muito o que deixar não seria motivado a contratar seguro de vida para suicidar-se em seguida. “Quod plerunque accidit” é justamente o contrário, o contratante procura fraudar o contrato justamente porque não tem muito o que deixar.
    .
    Fique tranquilo se quiser matar-se e deixar um seguro para seus entes queridos. Sou profissional liberal, não trabalho para seguradoras, nem faço advocacia de partido (não tem nada a ver com partido político – é quando você tem contrato de prestação de serviços, mas não é empregado).
    Por outro lado, apesar de advogado e ex-policial, mais incrivelmente do que a paranormalidade e as divindades, jamais advogaria contra a seguradora numa situação dessas. Assim como Seixas era uma metamorfose ambulante, sou um oximoro ambulante (ex-policial honesto, advogado ético).
    .
    .
    Se você quisesse matar-se para depois tentar fazer contato, sacrificando-se pela ciência, eu até o estimularia, mas só para deixar dinheiro para entes queridos eu não aprovo. Mande-os trabalhar. É melhor para eles.
    Saudações saudosas.
    .
    POST SCRIPTUM: Eu tenho a impressão de que as montanhas são completamente surdas, apesar de algumas delas terem o hábito de ficar me remedando quando grito-lhes alguma palavra. Até minha voz elas imitam direitinho.
    .
    Se a fé for do tamanho do Everest dá para mover um grão de mostarda, sem utilizar psi (nem soprar)?

  127. MONTALVÃO Diz:

    .
    DE MARTE: Se a fé for do tamanho do Everest dá para mover um grão de mostarda, sem utilizar psi (nem soprar)?
    .
    COMENTÁRIO: fé do tamanho do Everest, considerando-a na proporção do grão, moverá mais que montanhas: planetas e, quiçá, estrelas.
    .
    O problema é que os mensuradores de fé no mercado não mensuram nada seguramente: gente alguma sabe de fato o quanto de fé real em realidade possui. Vai ver seja por isso que ninguém vê ninguém pela fé montes movendo.
    .
    Quanto ao paranormal, pelo que se aqui aprendeu, um cardume de músicos, em laboratório, atuando conjuntamente, moverá o morro do Alemão até a Tijuca.
    .
    Estudos também mostram que 157.982 espíritos puros, em força unida, levarão o Dendê para o Querosene.
    .
    Eu, com a força mental de minha paranormalidade, movo um méson pesado para as cercanias de uma molécula de pão, desde que com pouco miolo.

  128. MONTALVÃO Diz:

    .
    O CASO JACYSKICY
    .

    Assombroso acontecimento de lembrança infantil de vidas passadas
    .
    .
    Nullenbro Jacyskicy era filho do bessarabiano Kainaccocada e da siberiana Raikfrioska. Quando nasceu trazia uma marca horizontal no pescoço que tomava todo o lado esquerdo da área. Ninguém percebeu essa marca, só a mãe, que dela deu testemunho oito anos mais tarde, ao receber a visita de pesquisadores importantes, o que muito a encheu de orgulho e de um pouco de vaidade.
    .
    Na casa de Kainaccocada conversava-se muito sobre diversos assunto, eles não tinham televisão e o rádio vivia a queimar válvulas, a solução era conversar. Assuntos reencarnacionistas eram constantemente trazidos à baila, tanto nos colóquios entre o casal quanto nos diálogos com as várias visitas que os visitavam.
    .
    Nullembro, desde que aprendeu a chorar esteve imerso nesse clima de falação multividas. A primeira palavra que pronuciou não foi papá ou mamã, mas “reinkarnacontinwa”, que no dialeto kizomba, língua com a qual o casal se comunicava no lar, significa “Nascer, Morrer, Renascer ainda e Progredir sem cessar, tal é a Lei.”
    .
    Assim, não foi surpresa para o casal que o filho, a partir dos seis meses, falasse de outras vidas, proferindo nomes desconhecidos na família e locais dos quais nunca havia ouvido falar. Algumas palavras que conseguiram registrar, após muito prestarem atenção, foi Rolciunha e boloca difumus, recitava, também, nomes estranhos, que pareciam se referir a pessoas, quais Brazora, Falskinha, Vedegal, Buchadibody, e outras. Quando cresceu mais um tantinho Nullembro passou a defender que seu nome real era Millnairinho e exigia ser retornado aos seus “amigos”.
    .
    Ninguém naquelas paradas jamais ouvira os nomes e não faziam a menor ideia de a quem se referia. O caso perigava ficar sem solução se não fosse a intervenção da equipa Caçavidas sob o comando de Jim das Selvas Tuquer e seu assistente Yan Milhones.
    .
    Tuquer iniciou interrogando atentamente os pais de Nullembro que, bem sabemos, se chamam Kainaccocada e Raikfrioska. Dessa inquirição constatou-se que a reencarnação é realidade, pois todos na localidade haviam ou reencarnado ou tinham parente e amigos que passaram por ela, o que era evidência segura de que o vaivém de vidas era o ó do borogodó: quando a reencarnação é testemunhada por cemporcento de uma comunidade não sobra dúbio de sua veridicidade.
    .
    Mas se a reencarnação é real e se todos reencarnam que vida misteriosa era a de que Nullembro dava depoimento? Mesmo com o amplo conhecimento que Tuquer e Milhones tinham das coisas da vida não acharam explicação. Estavam prestes a desistir quando uma sorte mudou o golpe de vento para o lado deles.
    .
    Naquela noite, para espairecer, a dupla foi assistir a uma partida de futebol, que tinha por craque de um dos times um brasileiro. Após o jogo, convidaram o atleta a tomar uma reencarnacola, bebida bastante apreciada na região. Em meio a conversa falaram do trabalho que realizavam e citaram as palavras misteriosas das quais buscavam o significado. Foi aí que o futebolista lhes disse que aqueles nomes se assemelhavam a palavras de sua língua natal.
    .
    Amplamente reencarnacionados (nome que se dá a empolgação de cunho reencarnacionista) Tuquer e Milhones não sossegaram até convencerem o atleta do futebol a visitar a casa de Nullembro. Lá chegado esclareceu o que de estranheza havia na estranha história. Brazora queria dizer: “é uma brasa, mora!”, uma frase muito querido naqueles tempos num lugar longínquo, chamado Brazil;
    - Falskinha: significava “fusquinha”, um eficiente meio de transporte sobre rodas;
    - Vedegal: era “Vidigal” uma localidade na cidade do Rio, no Brazil;
    - Buchadibody: o atleta não sabia o que significava;
    - Millnairinho: era “Mineirinho”, figura ilustre do mundo da bandidagem na década de 1960, morto metralhado debaixo de um ônibus.
    .
    Assim, mais uma vez, ficou demonstrado que a reencarnação é de cunho mundial e reencarnacionados podem aportar em qualquer plaga do mundo cruel e até em outros mundos, conforme a próxima investigação comprovará.
    .
    E inda tem que não acredite, acredita?
    .
    .
    Ah, sim, a marca no pescoço reportava uma facada que o ilustre da bandidagem levara numa briga de foice.

  129. Marciano Diz:

    O texto de MONTALVÃO retrata muito bem o mundo das pesquisas reencarnacionistas.
    A única coisa controversa é a morte de Mineirinho, história nebulosa, da qual pouco se sabe.
    Dizem as más línguas que ele foi atraído para uma emboscada nas proximidades da estação da Mangueira, onde foi baleado muitas vezes, inclusive com submetralhadora INA .45, arma usada na época pela polícia, além de ter sido atingido por projéteis de vários outros calibres.
    Depois seu corpo foi levado para a Estrada Grajaú-Jacarepaguá, tendo a perícia concluído, pelas características do corpo e do local, que aquele não foi o lugar onde foi morto.
    Clarice Lispector ficou com pena do bandido e escreveu algumas palavras em sua homenagem, o que prova, também, que desde tempos de antanho já havia estúpidos de classe média alta que tinha peninha de bandidos perigosos.
    .
    Quanto ao mais, a história acima é genuína (na Índia).
    Da briga de foice, nada sei, sabendo apenas que não era um instrumento muito usado no RJ.
    Mineirinho reencarnou com marcas de varíola, doença extinta na época de sua reencarnação na Índia, o que muito intrigou os pesquisadores, descobrindo-se, mais tarde, que eram marcas de entrada e saída de vários PAFs (projéteis de arma de fogo), vários dos quais foram transfixantes.

  130. Marciano Diz:

    Nullenbro Jacyskicy, na vida anterior, chamava-se José Miranda Rosa, sendo apelidado de Mineirinho porque nasceu em MG, embora tenha adquirido a fama na favela da Mangueira.
    Era devoto de Santo Antonio (tinha uma oração escrita num pedaço de papel que carregava consigo, a qual foi encontrada num dos bolsos do cadáver), acreditava que tinha o “corpo fechado”, o que ficou provado não ser verdade pelos 13 PAFs, embora Nullenbro Jacyskicy não se lembre dessa crença de sua anterior reencarnação.
    Apesar do diminutivo em sua alcunha, era de estatura alta, apenas magrelo.
    Sua desencarnação deu-se nos idos do ano da graça de nosso senhor jesus cristo de 1958, tendo virado filme alguns anos mais tarde.
    No filme, feito por classe média alta, o bandido sanguinário e extremamente perigoso, matador de policiais, é retratado como uma vítima.
    A “licença poética” é usada livremente na narrativa.
    Sem querer revelar minha idade e já revelando, posso dizer que eu era um dos policiais presentes no tiroteio que culminou com sua morte, porém não efetuei um disparo sequer, pois não queria contrariar os comunas da época, pois minha intuição me dizia que no futuro eles tomariam o poder, o que realmente se cumpriu, e poderiam dizer que a troca de tiros foi uma execução, deixar a prescrição de lado e me processarem.
    Não contem para ninguém que revelei isto aqui.
    Não falem, principalmente, para o Mineirinho (agora com o nome de Nullenbro Jacyskicy), pois ele pode querer vingança, não se lembrando de que eu não atirei nele.
    Nullenbro Jacyskicy é muito esquecido e deve continuar muito violento, dado que uma reencarnação não basta para tirar as marcas de tiros e foiçadas, nem o rancor, fato provado cientificamente e amplamente conhecido nos meios paranormais.

  131. Antonio G. - POA Diz:

    Marciano, não sei de quem é a autoria da frase “a fé não move montanhas, mas derruba edifícios”. Já a li escrita em mais de um lugar, mas sem identificação do criador.

    Poderia ser do próprio Bin Laden…

  132. MONTALVÃO Diz:

    .
    De Marte, suas informações enriquecem a pesquisa reencarnatória e contribuem para reforçar a certeza de que Nullembro recordava concreta vida brasileira. Apenas a data da desencarnação é que gera controvérsia: informações dão conta de que a alma do dito se foi em 1962, mais precisamente em 29/4. 1958 foi o ano em que o Brasil conquistou o primeiro título mundial de futebol (esse esporte que a cada dia se torna mais sem graça). E também foi o ano da lambreta. Visto serem eventos com similaridades deve tê-los confundido.
    .
    Já sua idade revelada não bate com a realidade constatada. Fosse policial participante do duelo, e caso este houvesse ocorrido em 1958, estaria na época, no mínimo, com 20 anos. Ora, quem com 20 em 58, hoje contaria 76. Com 76 nenhum combatente de jiu-jitsu deixou de conhecer o sabor da derrota, o que prova que sua idade é menos provecta.
    .
    Pura ciência em ação.

  133. Vitor Diz:

    01 – “Quando nasceu trazia uma marca horizontal no pescoço que tomava todo o lado esquerdo da área. Ninguém percebeu essa marca, só a mãe, que dela deu testemunho oito anos mais tarde, ao receber a visita de pesquisadores importantes, o que muito a encheu de orgulho e de um pouco de vaidade.”
    .
    Muito estranho uma marca que tomava todo o lado esquerdo só ser percebida pela mãe. O pai era cego? Ao contrário do que disse o marciano em tom jocoso – se ele estava falando sério pior ainda – o “caso” não demonstra semelhança alguma com as pesquisas feitas pelos principais investigadores. Não é raro haver fotos das marcas, e se não há fotos, é bem frequente haver múltiplas testemunhas.
    .
    02 – “Assuntos reencarnacionistas eram constantemente trazidos à baila, tanto nos colóquios entre o casal quanto nos diálogos com as várias visitas que os visitavam.”
    .
    Difícil pensar nisso em culturas refratárias à reencarnação, onde tais casos tb acontecem.
    .
    03 – “Assim, não foi surpresa para o casal que o filho, a partir dos seis meses, falasse de outras vidas,”
    .
    A grande maioria começa a falar entre 2 e 5 anos.
    .
    04 – “Tuquer iniciou interrogando atentamente os pais de Nullembro que, bem sabemos, se chamam Kainaccocada e Raikfrioska. Dessa inquirição constatou-se que a reencarnação é realidade, pois todos na localidade haviam ou reencarnado ou tinham parente e amigos que passaram por ela, o que era evidência segura de que o vaivém de vidas era o ó do borogodó: quando a reencarnação é testemunhada por cemporcento de uma comunidade não sobra dúbio de sua veridicidade.”
    .
    O pesquisador considerou a reencarnação uma realidade sem nem conferir a real existência da vida passada da criança? Isso nunca retrataria as pesquisas de CORTs.
    .
    05 – “Amplamente reencarnacionados (nome que se dá a empolgação de cunho reencarnacionista) Tuquer e Milhones não sossegaram até convencerem o atleta do futebol a visitar a casa de Nullembro. Lá chegado esclareceu o que de estranheza havia na estranha história. Brazora queria dizer: “é uma brasa, mora!”, uma frase muito querido naqueles tempos num lugar longínquo, chamado Brazil;
    - Falskinha: significava “fusquinha”, um eficiente meio de transporte sobre rodas;
    - Vedegal: era “Vidigal” uma localidade na cidade do Rio, no Brazil;
    - Buchadibody: o atleta não sabia o que significava;
    - Millnairinho: era “Mineirinho”, figura ilustre do mundo da bandidagem na década de 1960, morto metralhado debaixo de um ônibus. Assim, mais uma vez, ficou demonstrado que a reencarnação é de cunho mundial e reencarnacionados podem aportar em qualquer plaga do mundo cruel e até em outros mundos, conforme a próxima investigação comprovará.”
    .
    Não existe até hoje um único caso resolvido internacional, o que significa que todos os casos resolvidos se situam dentro do próprio país.
    .
    Conclusão: o caso está longe de retratar a qualidade das pesquisas desenvolvidas.

  134. Marciano Diz:

    Você está certo mais uma vez, MONTALVÃO.
    O fato é que era tarde, eu já havia tomado umas e outras e fui traído pela memória senil.
    Foi mesmo em 1962.
    O resto está certo, foram 13 PAFs, embora, na hora, tenham parecido mais. A maioria dos projéteis errou o alvo, principalmente os de submetralhadora, a qual, em modo automático, tem a tendência de descrever uma curva ascendente para o lado direito.
    Mesmo sendo em 1962, Mineirinho já morreu tarde e a Clarice (também morta) que se dane!
    .
    A idade mínima para ingressar na polícia civil do Distrito Federal, dias antes da morte de Mineirinho, Estado da Guanabara, era de 21 anos.
    Não fale o que você falou sobre jiujiteiros para o Rickson. Fale para o pai dele, o qual, além de já ter perdido mais de uma vez para o Waldemar sujeira, também conhecido como Waldemar Santana, já está morando no LAR DELES. Aliás, o Waldemar também.
    Hélio Gracie e seu irmão Carlson engaram um figurão recebendo o caboclo paraguaio, coisa desconhecida de qualquer lutador da atualidade. Só não foi para a cadeia por interveniência do então Presidente da República Getúlio Vargas. Não adianta procurar essa história na internet, pois não vai encontrar.
    Tente nos arquivos do Judiciário ou do MP, não se esquecendo de que na época isto aqui era o Distrito Federal. Só virou Estado da Guanabara em 21 de abril de 1962, se não me falha a memória, fundindo-se (e fodendo-se) com o Estado do Rio de Janeiro em 15 de março de 1975, ocasião em que policiais do Estado da Guanabara, nas mesmas funções, ganhavam 4 vezes mais do que os correspondentes na polícia do Estado do Rio de Janeiro.

    Dois dias depois da transferência da Capital para o meio do mato Jacyskicy, então José Rosa de Miranda, fugiu do manicômio judiciário, onde se encontrava internado, prometendo matar mais alguns policiais.
    No momento de sua morte estava acompanhado de pelo menos dois capangas que conseguiram fugir.
    Qualquer dúvida que ainda tenha, pergunte ao alcaguete Paulo Sérgio, o Gambota, que atraiu o bandido para o local, ou ao Detetive Daniel, valendo-se de algum médium, pois ambos já foram para o umbral há muito tempo.
    Se tiver o endereço atual de Nullenbro, passe-o para mim, para que eu o mande de volta para o lugar de onde nunca deveria ter saído.
    Gracias.
    Se ainda duvidar de meu relato (na verdade tenho 93 anos – tinha 41 quando matei, digo, presenciei a desencarnação de Jacyskicy), pense que pode ter sido uma reencarnação minha anterior e que eu, embora me lembre de quase tudo o que vivi nela, não o admito para não dar razão ao apregoado pela Administração.
    No mais, sua ciência está afinadíssima. Parabéns!
    Saudações pensamentocríticas.

  135. MONTALVÃO Diz:

    .
    MARTINIANO: “Se tiver o endereço atual de Nullenbro, passe-o para mim, para que eu o mande de volta para o lugar de onde nunca deveria ter saído.”
    .
    COMENTÁRIO: não sei se lembro, mas se bem me lembro Nullenbro reside em Yakutsk, Sibéria Oriental, em cima da pizzaria Pravda, a única na cidade com esse nome. Não tem como errar…
    Se for até lá leve um casaquinho e um par de meias extra…

  136. MONTALVÃO Diz:

    .
    “Não existe até hoje um único caso resolvido internacional, o que significa que todos os casos resolvidos se situam dentro do próprio país.”
    .
    COMENTÁRIO: não existia até hoje… este caso também quedaria para a irresolução, não fosse a benfazeja presença de um brasileano naquelas plagas e o destino confabulasse para que o encontro ocorresse. Deve ter sido o resultante de singular conjugação astrorrencarnológica…

  137. Marciano Diz:

    Ainda estou tentando entender o motivo de os espíritos, antes de reencarnarem, prestarem atenção na geopolítica local, que vive mudando, para respeitarem a regra de não reencarnarem no país errado.
    Por exemplo, o espírito que desencarnou durante a segunda guerra precisa prestar atenção ao reencarnar, para não nascer no Paquistão, onde antes era a Índia.
    E se vier a morrer depois de 1947, precisa estar atento para nascer no Paquistão, pois seu local de desencarne pode passar a ser Bangladesh.
    Bizarre…
    Mystère et boule de gomme.

  138. Marciano Diz:

    Extraído da Superinteressante;
    .
    “O professor Jim B. Tucker, da Divisão de Estudos da Personalidade do Departamento de Psiquiatria da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, estuda e atende casos de depressão e outros distúrbios em crianças e adolescentes. Tem especial interesse por casos de crianças que alegam ter lembranças de vidas passadas. Nesta entrevista, concedida por e-mail à SUPER, Tucker fala das características mais freqüentes desses relatos e de fatos que mais o impressionaram.

    Quantos casos de crianças que alegam lembrar de vidas passadas o senhor já observou?
    Temos mais de 2 500 casos registrados em nossos arquivos. Eu, pessoalmente, vi vários.

    Quais são as principais características desses casos?
    Os casos geralmente envolvem crianças pequenas que dizem se lembrar de uma vida passada. Elas podem descrever a vida de um membro falecido da família ou um amigo da família ou podem descrever a vida de um estranho num outro local. Outros fatos incluem marcas de nascença que combinam com os ferimentos no corpo da pessoa falecida e comportamentos que parecem ligados à vida anterior.

    Há uma explicação para o fato de as lembranças ocorrerem principalmente durante a infância?
    As crianças começam a fazer seus relatos numa idade precoce, logo que começam a falar. Isso faz sentido, porque parecem ser memórias que elas carregam consigo desde a vida anterior.

    Quais tipos de evidências mais impressionaram o senhor?
    Ainda acho que a mais forte evidência envolve declarações documentadas que alguma criança tenha feito e que se provaram verdadeiras em relação a uma pessoa que viveu a uma distância significativa. O dr. Jünger Keil (pesquisador da Universidade de Tasmânia, na Austrália) investigou um caso na Turquia no qual um garoto deu muitos detalhes sobre um homem que tinha vivido a 850 quilômetros e morrido 50 anos antes de o menino ter nascido.

    Como médico, o senhor considera possível explicar esses relatos de uma perspectiva científica?
    Nenhum desses casos é “prova” da reencarnação, e um cético pode sempre encontrar um ponto fraco em um caso ou, como objetivo de desacreditá-lo, em qualquer estudo médico. Entretanto, como um todo, os casos mais significativos constituem um forte argumento de que algumas crianças parecem, sim, possuir memórias de vidas anteriores”.
    .
    .
    O texto que se segue foi copiado da Wikipédia:
    .
    .
    Hernani Guimarães Andrade (Araguari, 31 de maio de 1913 – Bauru, 25 de abril de 2003) foi um engenheiro e parapsicólogo espírita brasileiro.
    Ainda criança mudou-se com os pais para a cidade de São Paulo, onde, aos 16 anos de idade, tornou-se espírita.
    Em 1941, graduou-se em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.
    Recém formado, trabalhou na Companhia Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda. Posteriormente, fez carreira no Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo, na capital daquele estado.
    Posteriormente, com a sua aposentadoria, mudou-se para a cidade de Bauru, onde veio a falecer.
    Fundou em 13 de dezembro de 1963 o Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas (IBPP), onde procurou demonstrar cientificamente a existência da reencarnação, defenômenos paranormais como a mediunidade, a obsessão espiritual, e o electronic voice phenomena, e do que denominou Campo Biomagnético (CBM) ou Modelo Organizador Biológico (MOB).
    OBRA
    • Teoria Corpuscular do Espírito (1a. ed., 1958)
    • Novos Rumos à Experimentação Espirítica (1a. ed., 1960)
    • Parapsicologia Experimental (1a. ed., 1967)
    • A Matéria Psi [Tese] (1a. ed., 1970)
    • O Caso Ruytemberg Rocha [Monografia] (1a. ed., 1971)
    • Um Caso que Sugere Reencarnação: Jacira & Ronaldo [Monografia] (1a. ed., 1976)
    • Um Caso que Sugere Reencarnação: Simone & Angelina [Monografia] (1a. ed., 1979)
    • O Poltergeist de Suzano [Monografia] (1a. ed., 1982)
    • Morte, Renascimento, Evolução (1a. ed., 1983)
    • Espírito, Perispírito e Alma (1a. ed., 1984)
    • Psi Quântico (1a. ed., 1986)
    • Reencarnação no Brasil (1a. ed., 1988)
    • Poltergeist – Algumas Ocorrências no Brasil (1a. ed., 1989)
    • Transcomunicação Instrumental (1a. ed., 1992)
    • Renasceu por Amor (1a. ed., 1995)
    • A Transcomunicação Através dos Tempos (1a. ed., 1997)
    • Morte – Uma Luz no Fim do Túnel (1a. ed., 1999)
    • Parapsicologia – Uma Visão Panorâmica (1a. ed., 2002)
    .
    .
    .
    Já que VITOR parece mostrar preconceito com os casos de reencarnação no Brasil, vou postar algo do livro de 1988, “Reencarnação no Brasil”, em seguida.

  139. Vitor Diz:

    “Já que VITOR parece mostrar preconceito com os casos de reencarnação no Brasil, vou postar algo do livro de 1988, “Reencarnação no Brasil”, em seguida.”
    .
    Eu mesmo já divulguei por aqui um de seus livros:
    .
    http://obraspsicografadas.org/2012/renasceu-por-amor-livro-de-hernani-guimares-andrade-1995/

  140. Marciano Diz:

    AVISO

    Esta versão eletrônica não obedece à mesma numeração de páginas do livro de Hernani Guimarães Andrade. Também não constam as seções “Bibliografia”, “Outras Obras Consultadas”, “Índice Remissivo” e “Índice Onomástico”.
    REENCARNAÇÃO NO BRASIL

    (OITO CASOS QUE SUGEREM RENASCIMENTO)

    HERNANI GUIMARÃES ANDRADE

    S U M Á R I O

    PREFÁCIO XII

    Apresentação 1

    CAP. I - A Reencarnação e Sua Pesquisa Científica 15

    CAP. II - O Caso Simone & Angelina 20

    CAP. III - O Caso Jacira & Ronaldo 66

    CAP. IV - O Caso Rodrigo & Fernando 95

    CAP. V - O Caso Rogério & Manoel Jerônimo 125

    CAP. VI - O Caso Dráusio & Maria Aparecida 147

    CAP. VII - O Caso Patrícia & Alexandra 167

    CAP. VIII - O Caso Celso & Herculano 201

    CAP. IX - O Caso Flávia & Sueli 230

    CAP. X - Considerações Finais 247

    Aos queridos tios

    ANNITA

    e

    GABÍNIO

    Com muito carinho e amor

    Obras do mesmo autor:
    LIVROS:
    A teoria Corpuscular do Espírito
    1ª edição, 1958; 2ª. Edição, 1959 (esgotadas)

    Novos rumos à Experimentação Espirítica
    1ª edição, 1960 (esgotada)

    Parapsicologia Experimental
    1ª edição, 1967; 2ª edição, 1976 (esgotadas); 3ª edição, 1983

    A Matéria Psi (A Matéria Psi – tese – 1970)
    1ª edição, 1972 (esgotada); 2ª edição, 1983

    Morte, Renascimento, Evolução: Uma Biologia Transcendental
    1ª edição (esgotada); 2ª edição, 1985

    Psi Quântico: Uma Extensão dos Conceitos Quânticos e Atômicos à Idéia do Espírito
    1ª edição, 1986

    MONOGRAFIAS:

    O Caso Ruytemberg Rocha, 1971

    The Ruytemberg Rocha Case, 1973

    The Psi Matter, 1976

    Um Caso que Sugere Reencarnação: Jacira & Ronaldo, 1976

    Um Caso que Sugere Reencarnação: Simone & Angelina, 1979

    A Case Suggestive of Reincarnation: Jacira & Ronaldo, 1980

    O Poltergeist de Suzano, 1982

    O Poltergeist de Guarulhos, 1984

    AGRADECIMENTOS

    Todas as pessoas a seguir nomeadas, contribuíram, de uma forma ou de outra, para que a presente obra viesse a lume.

    A elas o autor declara-se profundamente grato, reconhecendo que sem a sua preciosa ajuda ter-lhe-ia sido impossível realizar este trabalho. Eis os nomes desses valiosos colaboradores:

    Sr. Afonso Miotto, Dr. Agnelo Morato, Sr. Alcides Hort~encio, Dra. Alcione Rebelo Novelino, Sra. Ana Josepha Vilar de oliveira, Sra. Angélica Ferro Botturi, Srta. Angélica Ribeiro, Sra. Anita Briza de Oliveira, Sr. Antenor Rodrigues de Souza, Sr. Antônio Bonafini, Sr. Antônio Nunes da Silva, Sr. Carlos Borges de Carvalho, Sra. Carmen Sylvia Maciel Marinho, Sr. Célio Silveira Souza, Sra. Clarice Barros Garcia, Engº Cláudio Luiz Miotto, Sra. Clementina Costa carreira, Profa. Dalva Cappelletti, Engº Djalma Caselato, Sra. Domingas de Almeida bastos, Sra. Doris Cappelletti, Sr. Dráusio Miotto, Profa. Eleanora S. caselato, Sra. Elvira Aguiar Borges Furlan, Sra. Fernanda Marinho Leitão da Cunha, Sr. Hélio Tavares Costa, Prof. Dr. Ian Stevenson, Sr. Imo Bendini, Sra. Isaura Leite do canto, Sra. Ivã Bendini Tortorelli, Sra. Izaltina Furlan, Engº. Jerônimo Borges Júrnior, Sr. Joaquim Noberto de Camargo, Dr. Jonny Hermínio de Mello Doin, Sra. Maria Benedita Barbosa Berlanga, Sra. Maria Gimenez Tavares Costa, Sra. Maria José P. A. Batista Simões, Sra. Maria Tereza Schesser Vilar, Sr. Marceliano Fleming de Oliveira, Engº Ney Prieto Peres, Dra. Nice Tortorelli, Sra. Norma Goussain Abad, Sr. Odetto Berlanga Mugnai, Sra. Raquel Vilar Arre, Sr. Raul Vilar Sanchez, Engº Ricardo de Godoy Andrade, Sr. Ruy Egídio, Sra. Tânia Yan Cavalcanti, Sra. Tereza de Oliveira Miotto, Sra. Thereza Fileto Tessari, Srta. Virgínia Maria Bressan, Sr. Vivaldo Silvino e Sra. Zilda Giunchetti Rosin.

    Além dessas pessoas, agradecemos igualmente aos pacientes e respectivas famílias, cujos nomes foram ocultados a seu pedido.

    Agradecemos muito especialmente à Profa. Susuko Hashizume e à Srta. Maria das Graças de Souza pela inestimável colaboração no preparo, datilografia e revisão dos originais deste livro.

    Finalmente, a nossa imensa gratidão ao Dr. José de Freitas Nobre, cujo brilhante prefácio enriqueceu sobremaneira o presente trabalho.

    São Paulo, outono de 1987

    Hernani Guimarães Andrade

    P R E F Á C I O

    UM MARCO NA PESQUISA DA SOBREVIVÊNCIA E DA REENCARNAÇÃO

    Mesmo quando todas as evidências saltam, revelando um quadro real e reforçando hipóteses já estudadas, o pesquisador exigente, o cientista rigoroso, não assume o risco de afirmar: esta é a verdade.

    Nessa hipótese – como ele gostaria de dizer para não afirmar sozinho com suas ricas pesquisas – está o autor deste livro, o engenheiro Hernani Guimarães Andrade.

    Nosso conhecimento já vem de algumas décadas.

    Sua obra que já ultrapassou os limites territoriais do Brasil e da própria América Latina, é fonte permanente de consulta de todos os que estudam fenômenos parapsicológicos, os fenômenos mediúnicos, as origens da vida em relação às encarnações sucessivas e, ainda, os aspectos científicos do material utilizado na pesquisa, a montagem dos instrumentos científicos indispensáveis, a física nuclear ou a engenharia genética.

    Dedicado ao estudo de todos esses ramos da atividade humana comprometidos com o transcendente e o intranscendente, Hernani Guimarães Andrade apresenta e esquadrinha na pesquisa cautelosa, a Reencarnação no Brasil.

    Os exemplos que são objeto desse estudo constituem o subtítulo do livro, como Oito Casos que Sugerem Renascimento.

    A Casa Editora O Clarim, de Matão, Estado de São Paulo, ao lançar o importante volume de autoria do fundador do instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas, abre um importante espaço para essa área de pesquisa no Brasil.

    Não se pode dizer que seja a primeira obra que trate de reencarnação em nosso país, mas pode-se afirmar com segurança que é o primeiro trabalho com método científico que se publica aqui.

    O próprio autor em duas rápidas monografias de 1976 e 1979, distribuídas gratuitamente entre estudiosos e interessados na pesquisa, investiga as evidências de reencarnação como Jacira & Ronaldo e Simone & Angelina.

    Seu acervo de pesquisa é muito rico, com várias dezenas de casos que sugerem reencarnação, mas os que aqui apresenta, embora sem equivalência de elementos probantes, conforme ele próprio reconhece, trazem traços tão acentuados de renovação ou continuidade de vida que as reencarnações defluem naturalmente dos fatos pesquisados, dispensando até os comentários e a própria análise comparativa.

    Às vezes são recordações bem comprovadas, documentos que permitem comparação, depoimento de pessoas capazes de reproduzir determinados acontecimentos ou detalhes, inclusive diários como o de D. Augusta, avó de Simone, xerocado com autorização de sua autora para efeito da pesquisa.

    A própria memória genética, hoje favorecida com os dados científicos trazidos pela engenharia genética, permite ao autor desenvolver sua tese para desaguar no que ele ainda classifica como hipótese, guardando o rigor científico.

    Os trabalhos de pesquisa, estudo ou mera especulação para atender a um grande número de interessados, se multiplicam.

    RENARD, Hélene, em seu livro L’Après-Vie, publicado por Philippe Lebaud Éditeur, Paris, 1985, com o subtítulo Croyances et Recherches Sur la Vie Après la Mort, traz uma riquíssima bibliografia, valendo a pena destacar entre os volumes relacionados, os seguintes: ADDISON, James, La Vie Après la Mort Dans le Croyances de l’Humanité, Paris, 1936; AUROBINDO, Renaissance et Karma, Paris: Lê Rocher, 1983; CHOISY, Marise, La Survie Après la Mort, Coloque de Cerisy, 1967; CONHACHER, Douglas et Eira, There is Life After Death, Londres: Howard Baker, 1978; CROLARD, Jean-François, Renaitre Après la Mort, paris: Robert Laffont, 1979: GUIRDHAM, Dr. Arthur, Lê Cathares et la Réincarnation, paris: Payot, 1972; HEAD, Joseph et Canston S-L, Lê Livre de la Réincarnation, Edições Tchou, 1978: O ‘JACOBSON, Nils, La Vie Après la Mort, Expériencies Parapsychologiques et Mystiques, Paris: Presses de la Cite, 1977; e muitos outros, entre os quais o clássico de STEVENSON, Ian, Vingt Cãs Suggérant lê Phénomène de Réincarnation, Edições Sand, 1985 e, naturalmente, os livros de Allan kardec, Camille Flammarion, Gabriel Delanne, Leon Denis, etc.

    O livro de Hernani Guimarães Andrade, além de marco para a pesquisa entre nós do fenômeno reencarnacionista, deverá despertar o maior interesse não apenas das áreas religiosas e místicas, mas dos cientistas. Estes, já andaram circulando comparações entre a teoria da evolução biológica de Darwin e a teoria da origem da vida de Kardec.

    Gabriel Delanne, no fim do século, em volume que foi traduzido para o português e editado por H. Garnier, Rio, 1901, com o título A Alma é Imortal – Demonstração Experimental da Imortalidade da Alma, cuidava da primeira parte dessa pesquisa que agora se renova para a sua segunda fase. Já agora a pesquisa não é apenas com referência à sobrevivência da alma, mas a da sua reencarnação, ou seja, a de sua volta a um corpo físico para um novo período de transição corpórea, ou como queiram, transição terrena.

    Mas, aspectos da pesquisa para demonstração experimental da imortalidade da alma servem, agora, como base para uma complementação importante relativamente à vida corpórea em um novo estágio para a alma, ou seja, para o espírito.

    Feita a demonstração experimental da sobrevivência do espírito, era importante pesquisar como a todo estado da alma correspondia uma modificação molecular da substância cerebral ou vice-versa, como destacava Delanne. Aí, conforme ele próprio constatava, paravam as observações, porque a ciência era incapaz de explicar a razão pela qual a matéria, que substitui a que é destruída pelo dispêndio vital, conservasse as impressões anteriores do espírito.

    Demonstrou que a experiência espírita preencheu essa lacuna, ao provar que a alma não é uma entidade ideal, mas provida de um corpo sutil no qual se registram os fenômenos da vida mental.

    Mas são essas gravações que significam a memória das vidas anteriores e que podem ficar latentes no espírito, dentro dos limites da permissividade de sua liberação, ou apenas sob o controle da precaução ao liberar os dados desse extraordinário banco de informatização das vidas passadas.

    Quanto à sobrevivência da alma, poucos serão os povos que não a aceitam ou as pessoas que a rejeitem sem uma disposição mesmo que de curiosidade no conhecimento da realidade do binômio vida-morte.

    Resta, mais praticamente, a complementação da pesquisa relativa à reencarnação ou o renascimento, segundo outros.

    O presente trabalho é um passo largo para o encontro dessas demonstrações concretas e não apenas evidências, até porque estas se casam com outros tipos de informação, inclusive manifestações psicográficas que dão conta de amigos e companheiros dos que se manifestam e a respeito dos quais se esclarecem novas formas de vida e locais de renascimento.

    O espírito é um fato e sua sobrevivência uma realidade que comprovou as manifestações mediúnicas mais que suficientemente. Partindo dessa realidade, restaria conhecer o destino que esse espírito tomou após a morte física.

    E a mais lógica conclusão é aquela que a doutrina de Kardec coloca para o exame dos homens de ciência: a reencarnação.

    Loui Figuier, em Depois da Morte ou a Vida Futura, traduzido pelo Dr. Ferreira de Araújo e publicado em 1902 por H. Garnier, Livreiro Editor, Rio-Paris, no capítulo XVI (p. 233), coloca a indagação das crenças vulgares e da filosofia da época: se a nossa existência atual é um fato único que não pode repetir-se, é porque a nossa alma é formada ao mesmo tempo que o nosso corpo e quando uma pessoa nasce, é criada uma nova alma para animar-lhe o corpo. Ora, se essas almas – pergunta Figuier – são todas formadas do mesmo jeito e com o mesmo tipo, como se apresentam tão diversas nas qualidade e faculdades intelectuais e morais?

    Mas foi mais longe ao citar exemplos como os de Pascal que com 12 anos descobriu a maior parte da geometria plana e, sem qualquer idéia de cálculo, tacou no chão do quarto as figuras do 1º livro de geometria de Euclides, ou Mozart aos quatro anos executando uma sonata ao piano, ou Rembrandt que antes de saber ler já sabia desenhar magistralmente?

    E, indagamos nós: e o menino Sibelius, em João Pessoa, Paraíba (Brasil), (jornal A Luz, Maceió, janeiro, 1986), levado ao principal programa de televisão brasileira (O Fantástico, da TV Globo, 1986) para demonstrar a excepcionalidade da execução musical ao piano, aos 11 anos de idade? E o extraordinário do fato é que Sibelius aos 3 anos e 8 meses, não andava, não falava. A mãe, D. Genalda e o pai Josemar, haviam iniciado um tratamento com um neurologista em recife. Três dias antes de uma das viagens até Recife, para a consulta médica, D. Genalda teve um sonho com Frei Damião (espírito) que lhe disse para não ir mais ao médico, pois o menino estaria curado dentro de alguns dias. De fato, em determinado momento, a mãe ouviu sons fortes ao piano. Era o menino que tocava, falava… e andava, conforme verificaram em seguida.

    São os chamados meninos-prodígios e que, segundo Figuier, não se tornam gênios porque não cultivam nem aperfeiçoam essas qualidades que trazem consigo desde o nascimento físico.

    Locke, o filósofo inglês, passou à história da filosofia exatamente porque, entre outras observações, fez uma de extraordinária importância: a das qualidades inatas, ou seja, aquelas que trazemos com o nascimento.

    As vidas sucessivas sustentam uma importante coluna que implica na manutenção também aí da harmonia universal e do equilíbrio e regularidade com que a natureza funciona, revelando sua justiça e retribuindo méritos. As árvores, as plantações que dão sombra e fruto, recebendo a água da chuva, o sol para aquece-las, e as raízes buscando no subsolo não apenas o líquido, mas, também os resíduos alimentícios que a natureza coleta, até mesmo, pela ação das formigas que transportam do solo para o subsolo os elementos orgânicos indispensáveis a essa curiosa gangorra. É a natureza se refazendo constantemente, ela própria renascendo de suas cinzas, o líquen abastecendo-se das folhas secas e dos recursos minerais revolvidos no chão para o milagre da transformação permanente e do aproveitamento do que há de mais simples e mais primário, tão indispensável quanto o mais sofisticado para o roteiro da continuidade da vida.

    Um dos primeiros a levantar o véu das reencarnações sucessivas, no século passado, foi Gabriel Delanne, especialmente ao apresentar em junho de 1898, em Londres, no Congresso Espiritualista ali reunido, um importante relato sobre a matéria.

    Sua intervenção naquele Congresso tinha exatamente o título de As Vidas Sucessivas e veio a ser editado, em 1904, por H. Garnier, que era a editora encarregada pela Federação Espírita de publicar as traduções das obras doutrinárias de repercussão, com impressão ainda na França, mas com a indicação de Paris-Rio.

    Chamando o Espiritismo de “uma ciência religiosa”, Delanne que representava a secção francesa da Federação Espírita Universal, a União Kardecista Italiana e a Federação Espírita Lyonesa, ali foi alimentado pelo caráter científico da pesquisa, lembrando que “o Espiritismo não possuindo culto, nem dogma, nem ortodoxia, permite sempre esta livre discussão que constitui sua força soberana.”

    Uma pergunta que é feita constantemente é por quê não existe naturalmente em cada um de nós a recordações das vidas passadas.

    Nessa intervenção de Gabriel Delanne, em Londres, ele responde: “… é porque não são preenchidas as condições que presidem à renovação da lembrança” e acrescenta : “Do mesmo modo que se tem observado,em certos sensitivos, a conservação da lembrança ao acordar, assim, também pode-se encontrar indivíduos que se recordam de já haver vivido.”

    No volume Entre a Terra e o Céu, do espírito André Luiz, recebido pela psicografia de Francisco Cândido Xavier (FEB, Rio de Janeiro, 5ª edição), encontra-se a constante indagação: por quê não explicar o passado, permitindo que circulem informações deficientes ou por quê não explanar francamente o impositivo da reencarnação?

    A resposta de Clarêncio é elucidativa e lógica:

    “À primeira vista, seria efetivamente esse o caminho a seguir, entretanto, as recordações do pretérito não devem ser totalmente despertadas, para que ansiedades inúteis não nos dilacerem o presente. A verdade para a alma é como o pão para o corpo que não pode exorbitar da quota necessária a cada dia.”

    Cita (p. 515) Pitágoras, que, segundo ele, afrontando a ironia dos seus contemporâneos, tinha o costume de dizer, publicamente, que se recordava de ter sido Hermotinus, ou de Lamartine (p. 516) que em sua Viagem ao Oriente tivera reminiscências muito nítidas, reconhecendo vales e montanhas, lembrando que “quase nunca encontrei na Judéia um lugar ou uma coisa que não fossem para mim como uma recordação.”

    Pela psicografia de Francisco Cândido Xavier (Parnaso de Além Túmulo, Edição FEB, 12ª Edição) são várias as manifestações de entidades que se expressam em seu difícil e característico estilo.

    Assim é com Augusto dos Anjos (p. 215):

    “A alma que é Vibração, Vida e Essência,
    Está nas luzes da sobrevivência,
    No transcendentalismo das eferas.”

    Ou com Raimundo Corrêa (p. 414):

    “Longe, porém, das ilusões desfeitas,
    Mostra-lhe a morte vidas mais perfeitas,
    Depois dos pesadelos das mãos frias…

    E como anjinho débil que renasce,
    Chora, chora e sorri, qual se encontrasse
    A luz primeira dos primeiros dias.”

    Dir-se-á que estas manifestações não provam coisa alguma, pois até mesmo dependem de constatação quanto à legitimidade da manifestação psicográfica.

    Mas, sem dúvida que da forma como são recebidas as mensagens por quem não teve senão o curso primário e que vêm com absoluta fidelidade de estilo e em tal volume que seria impossível admitir como de produção pessoal do médium, valem como mais um reforço à pesquisa que realiza o Dr. Hernani no Brasil e tantos outros em todos os continentes.

    Na correspondência que manteve com a Imperatriz Maria Feodora, da Rússia, que conhecera em Zurich, e 1782, o filósofo alemão Lavater (“Johann-Kaspar lavater’s briefe na die Kaiserin mariaFeodorowa, gemahlin kaiser Paul I von Russland” Cartas de Johann-Kaspar Lavater á Imperatriz Maria Feodorowa, esposa doImperador Paulo I, da Rússia), publicadas em 1858 (Edição da Biblioteca Imperial da Rússia), traduzidas em 1876 do alemão sobre o manuscrito original depositado na Biblioteca Imperial de Petersburg (Paris, Librairie Spirite, 1876), reproduz citação de Pascal, de mais de três séculos e muito atual: “É uma doença natural do homem crer que ele possui a verdade diretamente; e daí vem que ele está sempre disposto a negar que lhe é incompreensível.”

    Salta aos olhos a versão espírita como a mais lógica, a mais natural, a mais sólida.

    Carlos Toledo Rizzini que apresentou um trabalho sobre “A Reencarnação em Face da Biologia” (Desobsessão, Porto Alegre, dezembro de 1981), arrola alguns argumentos favoráveis, como os da variedade de provas, sua racionalidade, sua lógica, sua simplicidade, sua alegada comprovação científica embora admita que não esteja ainda provada cientificamente.

    Bozzano argumentava com a convergência das provas. E como principais elementos dessa convergência, incluía as lembranças da infância, a regressão de memória, a revelação mediúnica, a xenoglossia espontânea, etc.

    Encontramos na Revue Spirite: “Se for um erro e uma ilusão, o tempo fará justiça; se for verdade, é como o vapor que tanto mais oprimido, maior será a sua força de expansão.”

    O absurdo da vida única vai reforçando o terreno, assim como a ignorância em torno do infinitamente pequeno e do infinitamente grande vai quebrando as barreiras da ciência.

    Tom Alexandre em Une Novelle Conception de la Matière, trabalho adaptado do The Shimery New Image of Matter (Hommes et Techniques, Paris, outubro , 1969), demonstrou como os progressos em Física e Cosmologia fizeram recuar os limites da ignorância nos dois domínios do infinitamente pequeno e do infinitamente grande, fazendo com que os conhecimentos adquiridos convergissem para uma nova maneira de colocar o velho problem da estrutura da matéria.

    Na revolução dos supercondutores de corrente elétrica, um fio de 0,15 mm de diâmetro chega a comportar 250.000 filamentos de 150 milionésimos de milímetros de diâmetro, sendo que à temperatura do hélio líquido, pode suportar a passagem de 5.000 ampères e isso somente pela sua secção de cobre. Essa revelação está em artigo de Jean-François Augereau, publicado em La Monde, Paris, 9 de abril de 1987.

    Com a manipulação genética, os cirurgiões dos genes passam a fazer consertos nos deficientes e nos doentes.

    O admirável, porém, é que nenhuma das descobertas científicas e do progresso no campo da astronomia, da física nuclear, da genética, choca-se com as teorias espíritas.

    Mostra o Evangelho que o espírito é independente do corpo e que o nascer de novo (João, III, 1-12) é a nova vida física, ou a ressurreição de que falam os judeus.

    Se fôssemos analisar o livro de Hernani Guimarães Andrade à luz da doutrina espírita, iríamos longe demais para algumas palavras que como prefácio não podem estender-se além destes limites.

    Mas fica aí a sugestão para o estudioso que deseje utilizar-se desse rico manancial de elementos, de evidências, mais do que evidências, de provas que o espírito científico pode depurar, fazendo as restrições que desejar, mas aproveitando o cuidadoso trabalho, a dedicada pesquisa, o rigor com as próprias convicções, a fim de que o quanto antes seja possível à ciência encontrar a explicação que ainda hoje procura, desorientada pela onda de preconceitos e pela preocupação materialista que lhe concede a visão incompleta do fenômeno da vida e da morte e que, por isso mesmo, lhe interrompe o circuito lógico do raciocínio.
    São Paulo, maio de 1987

    FREITAS NOBRE

    FREITAS NOBRE, José (DR.)

    Jornalista, professor de pós-graduação de Direito da Informação na Universidade de São Paulo; doutor em Direito e Economia da Informação pela Universidade de Paris; bacharel pela Faculdade de Direito da USP; autor de vinte e dois livros publicados no país e no estrangeiro; ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas do Estado de são Paulo (3 vezes); ex-presidente da Federação nacional dos Jornalistas (2 vezes).

    Detentor de inúmeras medalhas, diplomas e pr~emios nacionais como escritor e advogado.

    Professor-convidado de varas Universidades norte-americanas durante o mês de fevereiro de 1973, (Howard, Columbia, Springfield, etc).

    Ex-diretor do Diretório Latino-Americano de Jornalistas.

    Na política, Dr. Freias Nobre foi Vereador na Câmara Municipal de São Paulo )1960-1961; 1968-1970), bem como Vice-prefeito de São Paulo, na administração Prestes maia (1961-1965). Deputado federal por São Paulo (1971-1986); foi presidente da Comissão do Serviço Público; Vice-Presidente da Câmara dos Deputados e (5 vezes) líder do partido do movimento Democrático Brasileiro MDB/PMDB (1979-1984).

    A P R E S E N T A Ç Ã O

    Em 1976, publicamos o primeiro trabalho referente aos casos de reencarnação pesquisados no Brasil pela equipe do IBPP. Trata-se da monografia intitulada : Um caso que Sugere reencarnação: Jacira & Ronaldo. Esta monografia, como as demais por nós editadas, destinou-se á distribuição gratuita entre os interessados neste gênero de pesquisa parapsicológica.

    Em 1979, lançamos uma segunda monografia, versando sobre outra ocorrência de reencarnação por nós investigada, cujo título é: Um Caso que Sugere Reencarnação: Simone & Angelina. Esta monografia, como a precedente, destinou-se, também, à distribuição gratuita entre os estudiosos interessados nesses eventos.

    A ampla aceitação desses trabalhos estimulou-no a prosseguir na divulgação de outros fatos análogos. A conselho de diversos amigos, resolvemos mudar o nosso esquema de trabalho. Planejamos, então, preparar um livro que contivesse os dois primeiros casos e outros mais, escolhidos dentre os melhores da nossa coleção, já acumulados durante vários anos de investigação.

    O leitor irá observar que nem todos os relatos possuem o mesmo grau de evidência. Alguns parecerão mais “fortes” do que outros. Isto é natural em uma pesquisa deste tipo. Em fenômenos paranormais espontâneos não há como impor ou preestabelecer condições que satisfaçam plenamente as exigências de estudiosos mais céticos.

    As ocorrências da espécie que iremos expor não são raras. A sua aparente escassez deve-se à reduzida atenção dada às crianças de pouca idade, na época do afloramento das recordações reencarnatórias, o que costuma suceder entre os dois e quatro anos, mais ou menos. Nesta fase, algumas crianças passam a revelar fatos ligados à encarnação anterior, os quais deveriam ser registrados por escrito, com a máxima precisão, especialmente quanto ao nome de pessoas, localidades, datas, etc. Tal expediente facilitaria imenso a posterior investigação dos fatos. Infelizmente, são raros os que se dão a tais cuidados.

    Gostaríamos de apresentar um número maior e mais variado de casos, pois temos catalogados cerca de setenta dessas ocorrências que sugerem reencarnação. Entretanto, duas razões demoveram-nos de faze-lo: 1) O livro tornar-se-ia excessivamente volumoso; 2) Nem todos os casos teriam o mesmo padrão de evidência, obrigando-nos, alguns deles, apresentá-los em forma descritiva apenas. Assim, preferimos sacrificar a quantidade pela qualidade e uniformidade. Talvez, futuramente, procuremos dar a conhecer mais alguns desses outros casos.

    Esperamos que o leitor encontre, nestes relatos, algumas respostas para uma série de indagações que eventualmente ter-lhe-ão surgido, concernentes á natureza do homem e ao seu destino após a morte do corpo físico.

    São Paulo, Verão de 1986

    H. G. A.

    Capítulo I

    A REENCARNAÇÃO E SUA PESQUISA CIENTÍFICA

    CONCEITO

    Reencarnar quer dizer nascer de novo, voltando-se outra vez à vida carnal. Equivale ao termo renascimento, mais usado em certas filosofias religiosas orientais que adotaram a reencarnação como dogma.

    Nossa cultura ocidental contemporânea, fortemente baseada em princípios materialistas ou em religiões em que a idéia da reencarnação é considerada doutrina herética, praticamente desconhece o que seja o novo nascimento após a morte do corpo físico. Uma vez que se negue a realidade da sobrevivência da alma, “ipso facto” do espírito, ou então que se ceia em um céu e um inferno eternos como destino final dos que morrem, a reencarnação torna-se sem sentido e incompreensível.

    Entretanto, ela sempre constituiu a crença básica de quase todos os sistemas religiosos e filosóficos da antiguidade, inclusive do Judaísmo, de onde provieram as religiões judaico-cristãs mais difundidas no Ocidente, e que hoje não aceitam mais o dogma da reencarnação. (1)

    Recentemente, observa-se o despertamento de um grande interesse pelas filosofias religiosas do oriente, especialmente pela Vedanta e pelo Buddhisno. Esta volta ao pensamento oriental parece uma natural reação provocada pela insatisfação e sensação de um vazio produzidas pelas atuais filosofias materialistas. O homem começa a sentir-se insatisfeito pelo imediatismo egoísta, pelo hedonismo, pela insegurança crescente, pela ansiedade permanente e pela luta sem sentido que vêm caracterizando o nosso atual sistema. Falta-lhe uma explicação coerente para a razão de ser de um viver tumultuário e sem paz nem objetivo definido. Todos se sentem saturados, quase exaustos, desta peleja inútil, cujo fim seria o vácuo além-túmulo após uma vida efêmera e intranqüila.

    Os cientistas, particularmente os físicos mais avançados, estão descobrindo que, no tocante ao conhecimento em relação à natureza do universo e à realidade última da matéria, chegaram praticamente ao mesmo ponto alcançado, há séculos, pelos meditadores orientais, mestres das seitas vedantinas e budistas.

    A reencarnação inclui-se entre os ensinamentos das filosofias religiosas do Oriente. Por isso a idéia de renascimento passou a interessar aos ocidentais também. Nos Estados unidos, já há um certo número de pessoas que aceita tranqüilamente a reencarnação. A Teosofia, nascida das doutrinas hinduístas (brahmavidya ou paravidyai = sabedoria suprema) teve muita influência neste particular, não só na América como no demais paíes de língua inglesa.

    Aqui no Brasil, a difusão das idéias reencarnacionistas deve-se sobretudo ao Espiritismo kardecista.

    Mesmo assim, são muitos os ocidentais que ainda não aceitam, ou então ignoram, o que seja a reencarnação. É lógico que tais pessoas estejam também mal-informadas acerca das pesquisas sérias, de natureza rigorosamente científica, que se vêm fazendo acerca do renascimento, em várias partes do mundo.

    REFERÊNCIAS

    São numerosíssimos as obras e os trabalhos publicados no mundo, há vários anos, tratando da reencarnação. Alguns, em número reduzidíssimo, procuram desacreditar a idéia do renascimento, mas normalmente deixam de apresentar evidências sérias, experimentais ou observacionais, que dêem apoio às suas argumentações. Estas em sua quase maioria são baseadas em dogmas de fé, opiniões pessoais ou de “autoridades” escolhidas pela natureza de suas opiniões, obviamente simpáticas à negação da tese reencarnacionista.

    O número de livros e outros trabalhos favoráveis à idéia da reencarnação é grande. Alguns relatam os casos principalmente em forma anedótica, preocupando-se moderadamente com a discussão e demonstração dos mesmos. Outros versam preferencialmente sobre a argumentação de apoio à tese reencarnacionista, apresentando alguns fatos como evidência de sustentação. As obras relatando os casos obtidos por processos de regressão por meio da hipnose, ou de outras técnicas, são também numerosas e variadas. Tais estudos v~em sendo levados a efeito sobretudo por psiquiatras ou psicólogos clínicos. Finalmente, há trabalhos baseados, em sua maioria, na recordação espontânea manifestada na infância. Estas pacientes, tão logo chegam à idade em que aprendem a falar, passam espontaneamente a relatar fatos que ocorreram com eles em uma vida anterior. Essas crianças têm-se mostrado as melhores fontes de evidência a favor da idéia da reencarnação. Há, também, bons casos de recordação aflorando em adultos.

    Entre os melhores trabalhos acerca dos casos de pessoas com recordações de vidas anteriores, colocam-se os do Dr. Ian Stevenson, médico psiquiatra e professor na Universidade de Virgínia, nos Estados Unidos da América. Desde 1961, ele tem viajado por diversos países do oriente (Índia, Burma, Tailândia, Ceilão, Turquia, Líbano, Sri Lanka) e do ocidente (Alaska, Canadá, Estados Unidos, Brasil, etc.) á procura de casos de reencarnação. Aém de inúmeros trabalhos publicados em periódicos especializados e também leigos (The Journal of Nervous and Mental Disease), Dr. Stevenson lançou como parte dos `Proceedings da “American Society for Psychical research”, Vol. XXVI, setembro 1966, o livro que se tornou um clássico no gênero: Twenty Cases Suggestive of Reincarnation, traduzido para o português sob o título Vinte Casos Sugestivos de Reencarnação; São Paulo: Editora Difusora Cultural, 1970. Esta obra e mais quatro outras foram, posteriormente, lançadas pela “University Press of Virginia, Charlottesville, USA”, formando uma coleção de cinco volumes, no formato de 18,5 X 26 cm cada um. Esta série será ampliada com a edição de mais outros futuros trabalhos. (2)

    Não entramos em mais detalhes no concernente às referências, para não fugirmos demais ao principal objetivo desta obra, o qual é relatar os casos de reencarnação pesquisados no Brasil.

    A PESQUISA

    O método de investigação deste tipo de evidência não usa nem a hipnose, nem a regressão de memória. Embora este processos possam produzir resultados válidos na pesquisa da reencarnação, normalmente são evitados quando se trata de recordações espontâneas, especialmente as afloradas na primeira infância.

    A obtenção de dados evidenciais é feita mediante coleta de informações fornecidas pelo próprio paciente e pelas pessoas – parentes ou estranhos – que presenciaram os fatos ou declarações feitas pelo paciente, durante sua meninice. Estes depoimentos são cuidadosamente tomados em separado, registrados e comparados uns com os outros.

    Sempre que possível, a criança é conduzida ao local onde ela afirma ter vivido,a fim de fazer os reconhecimentos de particularidades e pessoas ás quais esteve ligada na encarnação anterior.

    Durante os inquéritos e reconhecimentos, usam-se vários métodos de registro, tais como notas escritas, gravações, fotografias e até filmagens. Formulários previamente preparados são utilizados na coleta das informações, de maneira a não deixar dados importantes escaparem sem registro. Há muitas informações complementares que se tornam utilíssimas para o estudo aprofundado da reencarnação. Entre tais dados, podemos citar os seguintes: local e natureza dos ferimentos recebidos pela personalidade anterior, caso tenha sofrido morte violenta; duração do período de intermissão (tempo decorrido entre o desencarne e o novo nascimento); fatos ocorridos durante a intermissão; se o desencarne do paciente foi precedido de avisos ou sonhos anunciadores; características físicas e psicológicas da personalidade prévia e da atual; sexo da personalidade anterior; a causa mortis é um dado importante, pois pode ter influência na saúde e comportamento da personalidade atual. Todos os dados são relevantes e, por isso, os questionários costumam ser extensos e minuciosos.

    CASOS RESOLVIDOS E NÃO-RESOLVIDOS

    Os casos espontâneos de lembranças reencarnatórias, manifestados por crianças e adultos, não são tão caros como pode pensar-se. Entretanto, apenas cerca de 5% podem ser considerados suficientemente fortes e representando evidências seguras em apoio à tese de reencarnação. O restante assim mesmo tem valor, servindo sobretudo como fonte de conhecimentos acerca de características gerais ou aspectos típicos das culturas, crenças e costumes de cada pais

    Há casos bons em que as afirmações e o comportamento do paciente sugerem fortes indícios de lembranças reencarnatórias. São casos que possuem muita evidência intrínseca. Todavia, as informações da criança ou adulto, quando investigados, não são suficientes para localizar-se a personalidade anterior. Às vezes o paciente chega a declinar o nome da personalidade prévia, bem como a indicar o lugar e as circunstâncias que rodearam a sua vida anterior, mas não de modo suficiente para descobrir-se a família ou conhecidos da personagem anterior. Tais casos ficam, desse modo, incompletos, apesar das fortes evidências intrínsecas. Dr. Stevenson chamou-os de casos “não-resolvidos”. Os que permitem a localização da família ou conhecidos da personalidade anterior são denominados “resolvidos”.

    Em um trabalho conjunto, foram publicadas a revisão e análise de casos “não resolvidos”, e uma comparação entre estes e os casos “resolvidos”. (Cook e outros, 1983). Ao todo, analisaram-se os dados de 856 casos da coleção do Dr. Stevenson, compreendendo os “resolvidos” mais os “não-resolvidos”, originários de seis culturas a saber: Burma , Índia, Líbano, Sri Lanka, Tailândia e Estados Unidos. Algumas particularidades são aproximadamente as mesmas em ambos os tipos de casos; exemplo: a idade em que o paciente começa a falar acerca de sua vida anterior; a freqüência com que é mencionada a maneira como morreu a personalidade prévia; a freqüência com que se manifestam as fobias relacionadas coma causa mortis. Outras características mostram-se diferentes; exemplo: as referências a tipos de morte violenta são mais freqüentes nos casos “não-resolvidos”; a época em que os pacientes dos casos “não-resolvidos” cessam de falar sobre sua vida pregressa ocorre mais cedo do que os dos casos “resolvidos”, s pacientes de casos “resolvidos” mencionam mais freqüentemente o nome da personalidade prévia. Os países onde se assinalaram maiores porcentagens de casos “resolvidos” foram: Tailândia (92%), Burma (80%), Líbano (79%) e Índia (77%). Os lugares onde se registraram as menores porcentagens foram Sri Lanka (32%) e Estados Unidos (20%).

    Dr. Ian Stevenson ocupa, com seu Departamento de parapsicologia, uma dependência na Universidade de Virgínia, em Charlottesville, Virgínia, EE. UU. modernamente equipada. Ele tem a sua disposição um grupo de jovens e eficientes auxiliares, a maioria dos quais trabalha no estudo e análise de seus 2.000 (dois mil) casos de reencarnação colhidos no mundo todo. Eles contam com um bom computador para lidar com a vasta quantidade de dados estatísticos extraídos desses casos todos. Esta é a fase mais importante, em que meticulosamente se apuram os resultados finais dessa imensa soma de informações, colhidas nesses passados 25 anos de investigações do Dr. Stevenson.

    Destes estudos, muita coisa surgirá acerca do renascimento. A reencarnação, há algum tempo considerada uma simples crença e até mesmo uma supertição, está atualmente ganhando outro nível conceitual nos meios mais cultos. O conceito da verdade está, sem dúvida, na evidência dos fatos. Desse modo, podemos esperar serenamente que a reencarnação será, dentro em breve, reconhecida como mais uma lei biológica; talvez a mais importante de todas elas.

    CASOS COMUNICADOS AO INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISAS PSICOBIOFÍSICAS – IBPP

    Durante o período de suas atividades, o IBPP recebeu comunicação de varias dezenas de casos tidos como sendo de reencarnação. Entretanto, a grande maioria não pôde ser aproveitada, por não conter dados precisos, que permitissem preencher um mínimo de condições indispensáveis à sua aceitação como autênticos ou verossímeis. Outros casos foram registrados e processados, as não cabem em um trabalho desta categoria devido á natureza das reminiscências relatadas, pois trata-se de alegações, por parte dos pacientes, de que foram personagens históricas conhecidas no passado. Tais casos, embora com muitos elementos comprobatórios aparentemente válidos, não têm aceitação como evidências indiscutíveis.

    Os casos que, a seguir, iremos apresentar correspondem, portanto, ao produto final dos que pudemos apurar após cuidadoso expurgo.

    Capítulo II

    O CASO SIMONE X ANGELINA

    INTRODUÇÃO

    O caso Simone X Angelina já foi divulgado para público leigo, de maneira anedótica, sob diversas formas de publicação, inclusive em livros editados no exterior, bem como em forma de monografia editada e distribuída gratuitamente pelo Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas – IBPP.

    Neste livro, o autor expõe o caso, dentro do máximo rigor e precisão, oferecendo aos estudiosos da reencarnação detalhes minuciosos e exatos que foram colhidos durante a pesquisa. Seu objetivo é fornecer subsídios para uma melhor compreensão do fenômeno das lembranças reencarnatórias, o qual se apresenta sob várias modalidades. O presente caso exemplifica um modelo com manifestação de xenoglossia.

    No intuito de apresentar ao leitor os elementos informativos, da maneira mais fiel possível, mantivemos, na transcrição dos documentos escritos, a sua forma original, sem quaisquer correções. Assim, o leitor irá observar algumas variações da grafia de certas palavras italianas. Nos diários da avó e da mãe de Simone, alguns vocábulos italianos foram escritos de maneira incorreta. Conservamo-los como estão no original, pelas razões acima mencionadas.

    Nem todos os casos oferecem os mesmos tipos de evidência. Assim, o caso publicado mais adiante no capítulo III, Jacira X Ronaldo, fornece evidências baseadas em recordações bem comprovadas, de episódios vividos pela personalidade anterior que fora conhecida das testemunhas. Do mesmo modo, a paciente manifesta certos reflexos e comportamentos coerentes com as experiências dramáticas experimentadas pela personalidade prévia.

    No presente caso, as modalidades de evidência são outras. A personalidade anterior não pôde ser detectada, nem mesmo as pessoas que eventualmente ainda existam e que a conheceram antes. Mas este particular não elimina a validade do caso. As evidências são-lhe intrínsecas. Elas surgem do fenômeno de xenoglossia, das próprias circunstâncias que envolveram a manifestação das recordações, do comportamento inusitado da paciente e das informações por ela fornecidas a respeito de alguns episódios ocorridos na II Guerra Mundial, absolutamente incompatível com a sua pouca idade.

    A família de Simone preferiu manter-se no anonimato. Por esta razão, o autor esclarece que os nomes que figuram neste capítulo são fictícios. Entretanto, foram mantidos os nomes reais mencionados pela paciente e correspondentes ás pessoas que ela afirma ter conhecido em sua existência prévia. A equipe do IBPP ainda tem esperança de localizar algumas das pessoas mencionadas por Simone e que foram contemporâneas da personalidade anterior.

    O autor teve o cuidado de fornecer todas as informações colhidas, inclusive aquelas cujo valor possa parecer meramente subjetivo. Assim, por exemplo, o suposto nome da personalidade anterior de Simone acredita-se ter sido Angelina. Segundo depoimentos da avó e da mãe de Simone, este nome foi-lhes revelados durante uma “sessão espírita” em que a médium, em transe, manifestou a personalidade de Afonsa Dinari, a mulher que fora mãe-de-criação de Angelina (atualmente Simone). Segundo elas, a médium passou a expressar-se em italiano, idioma por ela ignorado. Este detalhe pode acarretar críticas negativas a propósito da validade deste caso, por parte daqueles que a priori negam a possibilidade da comunicação dos mortos através dos médiuns. O autor não se preocupou com tal perspectiva. Seu objetivo foi apresentar os fatos em sua pureza natural, independentemente dos possíveis e futuros julgamentos de críticos filiados a esta ou aquela escola filosófica ou religiosa. Os investigadores do IBPP não se prendem a tais preconceitos e preferem adaptar suas idéias aos fatos. À medida que as pesquisas forem acrescentando elementos elucidativos ao imenso quebra-cabeças que é o problema da natureza do homem, também irão sendo modificados os conceitos acerca do que seja o fenômeno da vida, em sua enigmática essencialidade.

    Uma das características mais marcantes do presente caso é o fenômeno da xenoglossia manifestado pela paciente. Simone, logo que começou a falar, passou a pronunciar também algumas palavras no idioma italiano. Ela não poderia ter aprendido tal língua, porquanto em sua família ninguém sabe falar o italiano. Entre seus ancestrais, há um único antepassado italiano, seu bisavô materno, nascido na Itália, em 1868, e falecido em Araraquara, Brasil, em 1954. Simone não o conheceu, pois nasceu nove anos depois do seu falecimento.

    Não obstante as circunstâncias acima, houve várias tentativas de elucidar o referido fenômeno de xenoglossia, lançando-se mão da hipótese da “memória genética”. Na parte reservada à análise das hipóteses explicativas para as recordações de Simone, foi apresentada ampla explanação concernente à “memória genética”. O leitor, que acompanhar atentamente os raciocínios ali expostos, seguramente chegará à conclusão de que a hipótese da memória genética é totalmente insuficiente para justificar a xenoglossia manifestada por Simone.

    Passemos, agora, aos fatos.

    * * * * *

    H I S T Ó R I C O

    PRELIMINARES

    Em outubro de 1969, conversando casualmente a respeito de reencarnação com o Eng.º Jerônimo Borges Júnior, este informou-nos que conhecia uma garotinha que manifestava recordações de uma vida anterior. Declarou que ouvira da avó e dos pais da menina a afirmação de que com dois anos de idade, ela se referiu a vários episódios corridos em Roma, por ocasião da II Guerra Mundial. Acrescentou que a garota também pronunciava palavras do idioma italiano, sem que previamente as houvesse aprendido. Notando o nosso interesse, prometeu-nos obter permissão da família da paciente, para as entrevistas e pesquisa do caso.

    Dia 19 de fevereiro de 1970, fizemos o nosso primeiro contato com a família de Simone. Tratando-se de pessoas educadas e compreensivas tivemos ótima receptividade e franca colaboração. Desse modo, nosso trabalho foi grandemente facilitado. Solicitamos de D. Zenaide, mãe da Simone, um relatório escrito de próprio punho, no que fomos prontamente atendidos. Outra valiosa fonte de informação foi um diário escrito por D. Augusta, avó materna da paciente, no qual ela anotou cuidadosamente os eventos mais importantes das manifestações de memória reencarnatória de Simone. Fomos autorizados a tirar cópia “xerox” do referido diário. Em posteriores entrevistas verbais, complementamos as informações a respeito do caso. Dia 6 de maio de 1970, procuramos entrevistar pessoalmente a paciente, então com sete anos de idade. Tivemos êxito limitado em virtude de Simone já estar com grande parte das recordações apagadas de sua memória. O surto maior de lembranças reencarnatórias ocorreu quando ela estava entre dois e quatro anos de idade. Outro empecilho para uma perfeita tomada de dados informativos da própria paciente era a sua aversão ao caso. Simone parecia manifestar certo temor de ter de voltar para o local onde vivera na anterior encarnação. Temor infantil mas justificável, pois sofrera bastante naquela existência. Seu apego à atual família também é muito acentuado e o receio de retornar à situação anterior talvez contribuísse para a sua inibição. Assim mesmo forneceu alguns informes escassos mas preciosos.

    Quando estabelecemos contato com Simone, em 1970, ela contava com 7 (sete) anos. Impressionaram-nos a sua beleza e o seu aspecto sadio. Pareceu-nos uma criança normal, alegre e comunicativa. Entretanto mostrou-se esquiva e desconfiada quando tentamos abordar seu caso de reencarnação. Deu-nos a impressão de que tal assunto causava-lhe aborrecimento e fazia-a sofrer.

    Inquirimo-la acerca de seu nome na anterior existência. Não respondeu. Quando falamos em Angelina, o presumível nome da personalidade prévia, demonstrou não gostar de ouvir este nome! O mesmo ocorreu quando perguntamos a respeito do nome de seus pais, do lugar em que nascera e vivera antes de ir para Roma. Mas quando indagamos onde ela e sua mãe-de-criação Afonsa Dinari haviam morrido, respondeu logo: — “No Capitólio” . Nesta oportunidade a avó e a mãe de Simone declararam que ela havia dito, certa ocasião, que um menino trouxera um objeto semelhante a uma caneta-tinteiro, achado por ele na rua, e o entregara à Afonsa Dinari. Esta ao abrir a caneta detonou a mina, causando a morte dos três. Era um tipo de bomba que fora espalhada nos países aliados e destinada a aterrorizar a população civil.

    Simone revelou a seus parentes que vivera em Roma por ocasião da II Guerra Mundial. Perguntamos a ela como eram os soldados de lá. Respondeu: — “Dos Estados Unidos”. A avó e a mãe de Simone lembraram, então, que ela sempre demonstrava grande preferência por tratores, veículos que fazem lembrar os tanques militares. Gostava de brinquedos semelhantes.

    Mostramos à Simone uma estampa na qual se viam as bandeiras de quase todos os países, e pedimos-lhe que indicasse aquelas que ela conhecia, além da brasileira. Ela apontou a da Itália.

    Como Simone se mostrasse contrariada por abordarmos o assunto de sua anterior existência, não quisemos insistir mais em nossa entrevista com ela e procuramos obter maiores informações através dos parentes e testemunhas. Fomos grandemente auxiliados pela avó e pela mãe da paciente, as quais possuíam registros dos fatos, anotados na ocasião em que Simone manifestou mais freqüentemente suas recordações reencarnatórias.

    O AMBIENTE FAMILIAR DE SIMONE

    A família de Simone pertence à classe média paulistana, a qual se constitui geralmente de pessoas educadas e laboriosas. O paulistano, de um modo geral, segue uma rotina fixa entre o trabalho e o lar. Luta constantemente contra a falta de tempo, pois boa parte de suas horas úteis é consumida pelo transporte e pelas dificuldades criadas por uma cidade que vem crescendo explosivamente em um ritmo assustador. Tal sistema provoca um certo isolamento, de modo que cada lar se constitui em um reduto mais ou menos fechado. Entretanto, uma vez rompida a barreira do isolamento surge, quase sempre, um ambiente cheio de calor humano e rico de valores espirituais. Assim é o lar de Simone. Seus pais são jovens e carinhosos, assim como a vovó Augusta que representa o papel de anjo tutelar daquela família. Mais duas garotas, Solange e Sueli, irmãzinhas de Simone, completam a constelação familiar do casal Sr. Divaldo e D. Zenaide. Simone é a primogênita.

    O pai de Simone é bancário e tinha 32 anos quando esta nasceu. D. Zenaide é formada pela Escola Mackenzie, na carreira de secretária. D. Augusta é enfermeira obstetra e assistente social. Durante algum tempo lecionou essas disciplinas como professora substituta. Chegou a chefiar uma seção de clínica obstétrica de um hospital de São Paulo. Atualmente está aposentada.

    D. Zenaide trabalhou alguns anos como funcionária pública, mas tão logo se casou, abandonou o emprego para dedicar-se exclusivamente ao lar. Desse modo, o lar de Simone sempre foi dirigido pela mãe, costume tradicional brasileiro que infelizmente está sendo modificado.

    Simone nasceu e desenvolveu-se em um ambiente harmonioso, cheio de carinho e atenção. Seu nascimento foi esperado com alegria por parte dos pais e demais parentes.

    O INÍCIO DE UM DIÁRIO

    — “Simone chegou às 9 horas da manhã de 20 de março de 1963, após uma noite de vigília, expectativa e angústia… Zenaide estava grávida, esperando o primeiro filho. Aos oito meses de gravidez, na madrugada de 20 de março, Zenaide começou a passar mal, e, com o o médico e o Beto, levamo-la ao Pronto Socorro do Belém. Todos correram no Hospital para receber Zenaide quando souberam que se tratava de ‘descolamento de placenta’. Não houve um instante de sossego, e enquanto o médico providenciava o S.O., tia Esther e eu orávamos perto de Zenaide para que tudo corresse bem…”

    D. Augusta inicia com estas palavras a estória de sua netinha Simone. Elas fazem parte de um diário cujas páginas foram copiadas a “xerox” e incluídas em minucioso “dossier” pertencente ao Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas – IBPP.

    Prevendo que sua filha iria ter problemas com o parto, D. Augusta preparou o referido diário no qual anotou todos os mínimos detalhes da última fase da gestação de D. Zenaide. Visava, assim, a facilitar o trabalho do médico na eventualidade de surgirem os problemas previstos, o que de fato ocorreu na madrugada do dia 20 de março de 1963. Ao nascer, Simone era uma formosíssima criança, sadia, normal e cheia de vida. Mas sua avó resolvera continuar o diário, pois um fortíssimo laço de amor prendeu-a à neta, desde os primeiros instantes de sua vida. Ao toma-la nos braços pela primeira vez, D. Augusta, não se sabe por quê, foi impulsionada a dizer: — “Amore mio!” Este detalhe é interessante, pois D. Augusta descendente de portugueses e não sabe falar o italiano. Seu marido descendente de pai italiano e mãe brasileira; ambos falecidos, aquele em 1954 e esta em 1968. Nem um nem outro usavam falar o italiano. O único idioma que D. Augusta conhece, além do português, é o francês. A mãe de Simone fala regularmente o inglês. Desse modo, o idioma empregado corretamente no lar de Simone é apenas o português, pois o pai dela também é brasileiro, assim como seus avós paternos, e não falam o italiano.

    O diário de D. Augusta tornou-se muito importante mais tarde, porquanto ao atingir a idade de dois anos, Simone começou a manifestar um comportamento fora do comum. E sua inteligente avó foi anotando tudo naquele cada vez mais precioso diário.

    O MEDO DE AVIÕES E AS PRIMEIRAS PALAVRAS EM ITALIANO

    Vamos prosseguir, transcrevendo diretamente do diário de D. Augusta algumas passagens interessantes.

    Uma das atitudes da garotinha, que mais chamava a atenção de sua avó, era o medo de aviões que ela vinha manifestando desde os primeiros dias de vida. O seu temor era bem evidente e persistiu por muito tempo. Até o presente Simone ainda demonstra muita preocupação com aviões e detesta filmes de bombardeio aéreo. Sua repulsa revela uma espécie de contrariedade intensa: — “Será possível que continuam, até hoje, a fazer isto?” Exclamou ela, revoltada, ao ver na televisão um filme em que aviões militares atiravam bombas sobre um determinado objetivo. E saiu da sala onde estava o televisor, denotando visível irritação!

    D. Augusta relata, na página seis do seu diário, o seguinte: — “Um lindo dia do começo de abril, estava eu com Simone ao colo, sentada numa cadeira de balanço, perto da janela aberta; Simone mamava na mamadeira, quietinha, e eu olhava para Zenaide deitada na cama e que sofria tantas dores…” (inflamação nos seios).

    — “Nisto passou pelo céu azul um grande avião fazendo enorme barulho. Simone muito assustada parou de mamar e olhou para mim, como a pedir socorro.”

    D. Augusta deu ênfase em seus relatos às inúmeras vezes que Simone manifestou medo de aviões, só se acalmando quando se falava carinhosamente com ela. Pode parecer ao leitor muito natural que uma criancinha se assuste com o ruído de avião. Mas no caso de Simone não se tratava do susto seguido de choro, como ocorre comumente com as crianças. Era o terror estampado no rostinho, “como a pedir socorro” , conforme a avó, a mãe, o pai e demais pessoas que conheceram Simone em pequena notavam com espanto. Ela não chorava; mostrava intenso pavor!

    — “Aos dois anos Simone já falava perfeitamente bem e brincava falando sempre. Fala e gesticula muito…” Prossegue D. Augusta em suas anotações acerca da netinha. — “Um dia, de manhã, antes de Zenaide tirar Simone do berço, esta acordada falou: —‘Mamina hoje estou felice!! — com pronúncia de felice, em italiano — Zenaide riu e respondeu: ‘Felitche?’ No mesmo dia, à tarde, eu chegava aqui para ver minhas netas e, ao mesmo tempo, chegava a lavadeira. Zenaide contou-nos, então, o que Simone falara: — ‘Hoje estou felitche!’ A lavadeira, rindo, disse: ‘Mas aqui ninguém fala italiano!’ e Simone, olhando-nos, respondeu: — ‘Io parlo!’” (sic).

    MAIS PALAVRAS EM ITALIANO

    Daí em diante parece ter-se encadeado o mecanismo de rememoração de Simone. Paulatinamente ela foi acrescentando mais palavras em italiano ao seu vocabulário sem que previamente as houvesse aprendido por qualquer meio. Eram como reminiscências fragmentárias de um idioma há muito tempo aprendido e esquecido por falta de uso.

    Em janeiro de 1965, D. Augusta anotava: — “Brincando com a irmãzinha no berço dizia: —‘Mia sorela, mia bambina’” (sic). Observa-se ao ler o diário, que a avó de Simone grafou algumas palavras italianas de maneira incorreta, por exemplo, sorela em vez de sorella (irmã). Veremos isso várias vezes ao transcrever o diário de D. Augusta. Tal fato revela que no lar de Simone se desconhecia o idioma italiano. Em reforço a esta observação, os investigadores do IBPP examinaram e fotografaram o dicionário italiano-português que D. Augusta empregou para traduzir as palavras pronunciadas por sua netinha.

    Vamos transcrever mais algumas passagens registradas no diário:

    — “Certa manhã, ainda no berço, começou a perguntar com voz cantarolante: — ‘Onde está minha bambola’, e repetiu várias vezes a mesma coisa.” (sic).

    — “Estava ela brincando com as bonecas, conversando sozinha. A mãe achava-se perto trabalhando e, por isso não prestou muita atenção ao que ela dizia. De repente, dirigindo-se à mãe, disse: — ‘… lá no Capitólio, não é mamina?’” D. Zenaide, surpresa, pensou logo que Simone se referia ao palácio do governo americano em Washington, e perguntou: — “Capitólio? Simone… que Capitólio? — ‘Ora, é um monte, você não sabe?’”

    D. Zenaide ficou um tanto perplexa pela admiração que lhe causara aquela resposta da garotinha com pouco menos de dois anos e confessou que foi logo consultar um dicionário: “monte, uma das sete colinas da área da antiga Roma (ou também Capitolino”!). D. Zenaide afirmou que, aos dois anos, Simone falava perfeitamente bem. Este fato passou-se em janeiro de 1965, portanto ela não havia completado ainda dois anos! (É possível que Simone haja pronunciado Campidoglio).

    Nesta época ela já justificava seu horror aos aviões: — “Sempre que passava algum avião, pedia chorando que fechássemos a porta para não deixar o avião entrar”. Por quê Simone manifestava tal pavor? Logo mais iremos ficar sabendo.

    Em janeiro de 1966 o diário registra: — “Quando Zenaide estava esperando a terceira filhinha, não estava passando bem. Passei o dia com ela e as crianças, costurando. Num dado momento Simone calçou meus sapatos e começou a andar pela casa, fazendo muito barulho. Pedi que não fizesse ruído, pois sua mãe estava doente. Batendo mais os sapatos disse: —“Não te molesta, vó, eu ando de pestatura, mesmo.’” (sic). A palavra pestatura está grafada como foi entendida por D. Augusta; o certo seria pesta dura , isto é, batendo os pés com força no chão.

    — “Ainda em 1966 — Simone com três anos apenas” — o diário prossegue: — “Antes da segunda irmãzinha nascer, estava eu bordando, e Simone perto; Solange (a primeira irmã) estava no berço. Num dado momento Simone pegou um dos novelos que estava no meu colo e começou a desenrolá-lo; tanto desenrolou que se enrolou nas linhas, nos braços, pernas — e não podendo tirar as linhas, jogou o restante do novelo e me disse: — “Toma, vó, é spancagliata mesmo.’” (sic). A palavra foi grafada incorretamente, por falta de conhecimento do idioma italiano da parte de D. Augusta. O certo seria sparpagliata , do verbo sparpagliare = espalhar, desordenar, embaraçar .

    — “Zenaide estava lavando roupa na máquina e falou que ia colocar água de lavadeira, então Simone disse: — ‘P’ra ficar mais lúcido?’ (pronuncia lútchido). Lúcido quer dize alvo, bem branco.”

    A segunda irmãzinha de Simone nasceu em 20 de janeiro de 1966. Olhando-a no carrinho, naturalmente Simone aproximou-se muito e a garotinha deve ter ficado estrábica ao fixá-la. Ao vê-la assim, ela exclamou: — “Mãe a bambina, a sorela, está lusca, lusqinha…” (sic).

    D. Zenaide perguntou: – “Que é lusca?” E ela respondeu: – “É isto” – e pôs-se estrábica para mostrar à mãe o que significava aquela palavra!

    D. Zenaide alinhou, na contra-capa do dicionário italiano-português, uma lista de 14 (catorze) dentre as diversas palavras italianas pronunciadas por Simone, entre os dois e cinco anos de idade. Os parentes dela estão seguros de que ela não as aprendeu com quem quer que seja. Empregava-as espontaneamente em sua conversação.

    AS AMIGUINHAS DE PERSONALIDADE ANTERIOR DE SIMONE

    Agora vamos ver o relato que a própria mãe de Simone fez, dia 30 de março de 1970, acerca desta passagem: — “Quando a irmãzinha mais nova tinha alguns meses, a avó materna (D. Augusta) costumava passear com as três meninas, no quarteirão, pra tomarem sol. Numa dessas ocasiões, Simone falou: — ‘Vó, quer que eu conte da minha amiga? Dois meninos maiores tentaram tirar o dinheiro da minha amiga e um anel de bola, mas eu bati nos meninos. Eles queriam o dinheiro para comprar pane, paneto! (como foi pronunciado).”

    — “Disse, depois, que essa amiga gostava muito dela e tomava conta de outras crianças que não tinham mãe, e que todas dormiam no chão. Um dia uma das criancinhas dormiu num berço de pau, fechado e não acordou mais.”

    — “Referiu-se a uns meninos bons que vieram do caminhão, (explicou que não era um veículo, mas sim um caminho grande, uma estrada). Falava sempre da amiga mas não se lembrava como ela chamava. Mencionou companheiras pequenas como ela: Regina, Rosana, Cecília (pronunciava tchitchila) e Titã. Dizia: — “A Cecília era muito desobediente e fugia sempre. Eu tinha de ir buscá-la. Um dia a Titã foi ferida na perna, por causa de uma briga ou por estilhaço, e um doutor tratou dela, um médico dos Estados Unidos.’ — (ou como ela falou: — ‘Um médico dos Estados dos Unidos’). Simone ainda disse: — ‘Tita depois foi para um buraco cheio de terra. Jogaram terra e ela nunca mais voltou.”

    UM AVIÃO DESTRÓI A PONTE

    D. Zenaide prossegue em seu relato acerca das recordações de Simone: — “Certa ocasião falou que havia uma ponte. Quando o sol brilhava muito e refletia-se no metal, ela precisava fechar os olhos. Um dia, um avião jogou uma bomba, a ponte se acabou e ficou uma porção de metalzinhos no chão. Sempre que aviões passavam ficavam metalzinhos no chão.” (sic). D. Zenaide salientou que Simone insistia sempre em pronunciar “metalzinhos” .

    No diário de D. Augusta existem anotações a respeito dos aviões que Simone mencionava então: — “Simone brincava com a priminha Jussara, no quintal. Eu estava perto. Passou um avião roncando no céu. Simone, um tanto assustada, disse à priminha: ‘Eu tenho medo de avião!’ Cheguei perto de Simone, segurando-lhe a mão e disse-lhe: —“Simone, esse avião que passou é dos bonzinhos, serve para levar as pessoas a passear; não é igual àquele que você viu no Capitólio, sabe?’ —‘É mesmo, vó, e lá no Capitólio os aviões jogavam bombas deste tamanho (abriu os bracinhos para mostrar o tamanho das bombas) e depois no chão ficava uma porção de metalzinhos que machucavam as pessoas.’ Um dia Simone nos contou que uma moça que brigava muito com ela foi ferida na coxa, com aqueles metalzinhos, e foi levada ao pronto-socorro. — ‘Para que?’ perguntei a ela. — ‘Para curar a perna.’ —‘E quem a curou?’ —‘Ué, os médicos dos Estados dos Unidos’.” (sic)

    A AMIGA AFONSA DINARI E O “SALVATÓRIO” — OS CHICLETES

    O diário de D. Augusta prende cada vez mais a nossa atenção:

    — “Simone estava brincando e de repente começou a falar na amiga dela. — “A minha amiga Afonsa Dinari.’ Perguntamos quem era: — ‘Era a minha amiga que tomava conta de mim lá no Capitólio.’ Perguntamos como era chamada pela amiga: — ‘Bambola, bambina, Amore mio.’” (sic)

    D. Zenaide mais a seguinte passagem: — ”Um dia, almoçando, viu que eu (mãe de Simone) servia macarronada e ela disse: —‘O Genaro sempre levava vinho p’ra gente tomar junto com o maqueroni. (como foi pronunciado). É bom um vinhinho com maqueroni.’ Perguntei: —‘Quem era o Genaro?’ Ela respondeu: —‘O marido da Afonsa.” (sic)

    Simone descrevia o local em que se abrigavam: — “Na casa em que elas moravam a cozinha não tinha telhado, era tudo quebrado, até as paredes. Brincando com uns vidros vazios de penicilina ela disse que pareciam os vidros de leite lá do salvatório (asilo em italiano).” (sic)

    No lar de Simone o uso de mascar chicletes era proibidíssimo. O motivo era justo. Na mesma rua onde residiam, ocorrera um lamentável fato: uma garotinha de três ou quatro anos morreu engasgada com chiclete. Uma ocasião, D. Augusta perguntou-lhe acerca do que comiam lá no abrigo da Afonsa Dinari. Simone respondeu logo: “Chicletes” (!) D. Augusta e D. Zenaide, surpreendidas e apreensivas, perguntaram quem lhe estava dando chicletes e como ela conhecia isto. Então Simone explicou que eram os soldados dos Estados Unidos. Falou também que quase não havia comida lá no “salvatório” e que na maioria das vezes o Gennaro só levava arroz. Mas, ao que parece, não era sempre que passavam fome. Certa vez D. Zenaide estava preparando “cappelletti” para o almoço, quando ela exclamou: — “Oé, mãe. Oba! Hoje tem rocanini!” Esta palavra parece ser um jargão local ou familiar.

    O CALENDÁRIO

    D. Zenaide contou-nos uma passagem muito interessante: — “Era 1.º de janeiro de 1967, estávamos em Santos, um pouco antes do almoço. Havíamos ganho uma folhinha do empório onde os avós paternos de Simone eram fregueses. Peguei a folhinha e estava admirando as gravuras, quando comentei para meu marido: —“Veja que beleza de paisagem!’ Simone imediatamente quis ver também. Eram só três gravuras. Quando Simone viu uma das estampas, abriu desmesuradamente os olhos e disse, tremendo: —‘Foi aqui! Esse é o Capítólio! Esta era a casa em que eu morava e esta era a escola. Nestas pedras eu brincava de pular! ‘Lendo o que estava escrito, em baixo da gravura, vi: ROMA — ITÁLIA!”.

    As ruínas que aparecem na folhinha, estão situadas no local chamado Campidoglio. Esta palavra tem muita semelhança com Capitólio. É possível que, por desconhecerem este particular, a avó e a mãe de Simone tenham entendido e registrado Capitólio.

    A BOMBA EXPLODE…

    Deixemos propositadamente esta passagem para o fim, pela dramaticidade que ela encerra. Transcreveremos na íntegra as anotações do diário de D. Augusta e algumas outra adicionais de D. Zenaide, de modo a dar a informação mais completa possível:

    “Domingo de Páscoa — abril 1966 — 3 anos e 1 mês.

    — Estávamos todos reunidos em casa: Zenaide, Divaldo, Solange, Neusa, Fausto, Beto, Valkyria, namorada do Beto (de quem Simone gosta muito), Simone e eu.

    — Na cozinha eu preparava o almoço, enquanto Simone, sempre muito tagarela, limpava umas tampas, conversando. A porta da cozinha estava aberta e ouvia-se o ronco de um avião que passava…

    — Simone parou um momento

  141. Marciano Diz:

    O mecanismo do blog bloqueou o texto e ainda submeteu o pedaço do primeiro capítulo a revisão para posterior publicação, se aprovado.
    Quem quiser o livro de graça, leia aqui:
    http://minhateca.com.br/margareth.alberico/*23+Espiritismo/Biblioteca/Livros/(+Espiritismo)+-+*23+-+Hernani+G+Andrade+-+Casos+De+Reencarnacao+No+Brasil,290183.doc

  142. Marciano Diz:

    O trecho acima é apenas parte do primeiro capítulo.
    Quer quiser ler o livro inteiro pode baixar do link acima.
    MONTALVÃO, trabalho pra você.

  143. Marciano Diz:

    MONTALVÃO, oito causos pra você analisar, não é necessário que o faça com todos. Escolha um, se lhe aprouver.
    Agora você não pode mais reclamar da falta de pesquisas reencarnatórias do lado de cá do hemisfério.
    Por falar nisso, vocês têm reparado como a Lua está vermelha, mesmo já com mais de vinte graus de elevação?
    Sinal de partículas em suspensão, volume muito grande, pois vi há dois dias, já, no RJ, em Mendes, Vassouras, Valença, Barra do Piraí, Volta Redonda…

  144. MONTALVÃO Diz:

    .
    Marciano Diz: MONTALVÃO, oito causos pra você analisar, não é necessário que o faça com todos. Escolha um, se lhe aprouver.
    Agora você não pode mais reclamar da falta de pesquisas reencarnatórias do lado de cá do hemisfério.
    .
    COMENTÁRIO: tenho o livro do Hernani e já discuti, noutros endereços, alguns casos (estou tentando achar algum para, se for cabível, postar o que se conversou). Mas, antes de atacar Hernani, creio mais produtivo dar uma investida diretamente na fonte principal, ou seja, Ian Stevenson. Sabemos que o grande e maior problema com a maioria das pesquisas desse reside no fato de que seus investigados são de outro mundo: costumes, atitudes e ideias mui diferentes das que conhecemos. Além disso, fica difícil, perante esses casos distantes, aferir o que de importante ficou de fora das apresentações e o que o pesquisador pode não ter visto.
    .
    Mas acredito ter achado caminho que nos permitirá comparações elucidativas: Stevenson tem dois casos brasileiros, por ele próprio estudado, que constam no “Vinte Casos Sugestivos”. Da análise desses pode-se tirar a temperatura, por analogia, dos demais. Estou planejando fazer isso para breve.
    /
    /
    MARCIANO: Por falar nisso, vocês têm reparado como a Lua está vermelha, mesmo já com mais de vinte graus de elevação?
    Sinal de partículas em suspensão, volume muito grande, pois vi há dois dias, já, no RJ, em Mendes, Vassouras, Valença, Barra do Piraí, Volta Redonda…
    .
    COMENTÁRIO: tá viajando bem, hem? Mas não são partículas em suspensão, são espíritos suspensos: ei-los que esvoaçando em torno de nós, conforme postula um dos quesitos pétreos da mediunidade. Só falta fazê-los se manifestarem objetivamente para que a interação mortos-vivos fique estabelecida e confirmada. Esta é a parte difícil, justo a que deveria ser fácil…

  145. Marciano Diz:

    Sendo verdadeira a hipótese montalvânica, deve estar havendo uma invasão de espíritos nos últimos dias.
    E eles filtram a luz, deixando passar com mais facilidade as mais longas, no espectro vermelho.

  146. Marciano Diz:

    MONTALVÃO, pesquisei, pesquisei e não encontrei nada.
    Seria o Copahue, que está em erupção?
    Hoje ainda foi possível observar o mesmo fenômeno.

  147. MONTALVÃO Diz:

    .
    De Marte,
    Nesta época de seca muitos incêndios irrompem em muitos lugares, podem haver partículas suspensas por esses dias devido a isso. Claro, a hipótese de espíritos boiantes no espectro atmosférico continua: visto ainda não foi demonstrada irreal, permanecerá ativa até quando for.

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)