Arquivo fevereiro, 2016

O DEBATE GANZFELD – O LEGADO PARAPSICOLÓGICO DE CHARLES HONORTON, de Susan Blackmore (1993) [PARTE 4]

sexta-feira, fevereiro 26th, 2016

Em minha opinião, este é o mais honesto e mais lúcido artigo já escrito por Susan Blackmore. Se houve um momento na vida dela que ela foi uma cientista de primeira linha, foi esse. Interessante ver que em 1997 ela concedeu uma entrevista em que ainda mostrava muita sabedoria sobre o panorama ganzfeld, inclusive criticando os céticos (!!!):

Susan Blackmore, uma psicóloga da University of Western England, diz que se ela tivesse que colocar seu dinheiro em cima da mesa, ela ainda apostaria que psi não existe. No entanto, ela sente que enquanto os parapsicólogos se adaptaram aos tempos e melhoraram seus métodos, o mesmo não pode ser dito sobre os céticos. “Eu cheguei à conclusão que Honorton fez o que os céticos pediram, ou seja, ele produziu resultados que não se devem a qualquer falha experimental muito óbvia. Eu acho que ele tem levado os céticos como eu a dizer que ou é alguma falha extraordinária que ninguém pensou, ou é algum tipo de fraude. Ou é PES genuína. Muitos céticos têm sido condescendentes em sua atitude. Os argumentos são ad hoc e mal referenciados. Acho que um verdadeiro desafio foi apresentado”, diz Blackmore. (link)
.
Para ler o artigo em que Blackmore não só admite que existe evidência para psi, como também que tal evidência é forte, clique aqui.

O Debate Ganzfeld – Um Desempenho Psi em Ganzfeld Dentro de uma População com Dotes Artísticos (1992), por Marilyn Jean Schlitz e Charles Honorton [PARTE 3]

terça-feira, fevereiro 23rd, 2016

Neste 3º artigo da série Ganzfeld, resultados muito acima do esperado pelo acaso foram obtidos com uma população com dotes artísticos. Replicações com tal população continuaram a obter resultados muito elevados (como veremos em futuras postagens). Para ler o artigo de 1992, clique aqui. Algo digno de nota é que a ideia de que artistas possuem capacidade de PES ampliada também recebeu confirmação fora do Ganzfeld em um experimento realizado por Rupert Sheldrake em 2004 com uma banda que foi famosa no Reino Unido nos anos de 1980, as Nolan Sisters. O artigo de Sheldrake está disponível aqui (ainda sem tradução).

O Debate Ganzfeld – Replicação e Meta-Análise na Parapsicologia (1991), por Jessica Utts e comentaristas (Parte 2)

terça-feira, fevereiro 16th, 2016

Dando prosseguimento à série de artigos sobre Ganzfeld (na medida do possível, em ordem cronológica), temos aqui uma discussão de altíssimo nível (publicada em uma revista do mainstream) entre a estatística Jessica Utts e seus comentaristas, entre eles o cético Ray Hyman. Utts ainda traça um histórico do uso da estatística na Parapsicologia, mostrando que ela já era usada desde os seus primórdios. Eu fiz uma versão resumida, retirando dois comentaristas, devido ao alto número de equações estatísticas e símbolos matemáticos que atrasavam enormemente a tradução já que eu tinha que ficar montando as equações. Além disso, essa dupla de comentaristas aborda questões estatísticas que a meu ver apenas fatigam o leitor não interessado neste aspecto do artigo. Aqueles que ainda assim quiserem conferir, o artigo completo em inglês é facilmente encontrado na internet. Para ler e baixar a versão resumida em português, clique aqui.

O DEBATE GANZFELD – o autoganzfeld (1990) por Charles Honorton et al. (PARTE 1)

quarta-feira, fevereiro 10th, 2016

Inicio aqui uma série de artigos sobre os experimentos ganzfeld, tidos como comprovadores de telepatia. Tentarei apresentar os artigos mais importantes na ordem cronológica, mostrando o intenso debate com os céticos, até chegar aos dias atuais, em que a própria Parapsychological Association já declarou a telepatia comprovada por tais testes em seu FAQ, aqui e aqui. Falando brevemente deste artigo, após um “Comunicado em Conjunto” entre Charles Hornorton (parapsicólogo) e Ray Hyman (cético de psi) em 1986, que estabelecia as diretrizes para evitar ao máximo possível as explicações normais para os resultados dos testes ganzfeld, Honorton apresentou em 1990 os resultados dos experimentos autoganzfeld, um sistema muito mais moderno e que seguia as diretrizes estabelecidas em conjunto em 1986. Para ler e baixar o artigo, clique aqui.

Entradas (RSS)