A CRITICAL ANALYSIS OF THE BOOK LIBERATION AND LOCATION OF THE ORIGINAL “OUR HOME” (2011) – por Marcio Rodrigues Horta e Eduardo José Biasetto

Este artigo é a versão em inglês de um trabalho já publicado no blog sobre a ocorrência de plágio no livro “Libertação” de Chico Xavier. Para ler o artigo em inglês, clique aqui. Para lê-lo em português, clique aqui.

96 respostas a “A CRITICAL ANALYSIS OF THE BOOK LIBERATION AND LOCATION OF THE ORIGINAL “OUR HOME” (2011) – por Marcio Rodrigues Horta e Eduardo José Biasetto”

  1. mrh Diz:

    eeee…

  2. Gorducho Diz:

    he said it was a task he could not handle by himself, but he had accepted our help.
     
    afirmou que nos admitira, num trabalho que ele poderia desenvolver sozinho, não só pela confiança que em nós depositava, mas também pela necessidade da formação de novos cooperadores, especializados no ministério de socorro às trevas.

  3. Vinicius Diz:

    Congratulations VITOR, expert em Xavier !
     
    “I also thank Vitor Moura Visoni (parapsychologist and an expert on Xavier’s life and work) “

  4. Gorducho Diz:

    We went right in.
    Entramos sem detença.
     
    Claro que pras finalidades sérias do artigo não atrapalha. Mas é o que eu digo: qualquer tradução tira a comicidade, a cereja do bolo…
    É impossível, não tem como.
    No caso cá não atrapalha a finalidade.

  5. Gorducho Diz:

    and after them came seven oddly-dressed judges sitting on seven :?: sedan-chairs :?: carried by various dignitaries.

  6. Gorducho Diz:

    Pensava que cadeira-sedan era necessariamente fechada :(
    Por isso digo: se aprende tentado traduzir ou ver traduções.

  7. Marciano Diz:

    GORDUCHO está certo, como sempre. É impossível traduzir cx.
    A comicidade de seu linguajar peculiaríssimo, no estilo bem definido por TOFFO como flamboyant, o estilo melífluo, grandiloquente, superadjetivado, afetado,piegas, pernóstico, empolado,pretensioso, beletrista, é intraduzível.
    Quem lê cx em outra língua pode até levá-lo a sério, inadvertidamente.
    Anote-se que DPF copia o estilo chiquista de prentender erudição com malabarismos loquazes.
    Volto de madrugada, se conseguir.

  8. Gorducho Diz:

    Que tem a dizer acerca do meu 1° comentário, Sr. Administrador :?:

  9. vinicius Diz:

    fora os nomes bizarros. Esse tal de Flacus.
    No vasto salão do educandário que nos reunia, o Ministro Flácus, fixando em nós o olhar saturado de doce magnetismo, convidava-nos a preciosas meditações. Congregamo-nos, ali, somente algumas dezenas de companheiros, de modo a registrar-lhe as instruções edificantes. E, sem dúvida, a preleção revestia-se de profundo interesse. Podíamos perguntar à vontade, dentro do assunto, e guardar todas as informações compatíveis com o novo trabalho que nos cumpria desempenhar

  10. Espirita sp Orlando Diz:

    Atônito, ergui os olhos para o Assistente, em muda interrogação, mas, renteando-nos a fronte, levitava-se pesado grupo de seres monstruosos, fazendo ensurdecedor ruído, e logo esqueci o uxoricida que me prendera a atenção. Calderaro, percebendo-me a perplexidade, explicou:
     
    – Este bando de Espíritos miseráveis, que se movimentam como lhes é possível, é constituído de antigos negociantes terrenos, cujo exclusivo anseio foi amontoar dinheiro para satisfazer a própria cupidez, sem beneficiar a ninguém.

  11. Marciano Diz:

    É por isso que eu disse, alhures:
    “É por isto que as comunicações têm, todas, o mesmo estilo corny, beletrista, kitsch, brega, piegas, melífluo, superadjetivado, religioso, ridículo, extravagante, chato, insuportável, maçante, entediante, asqueroso, revoltante, zombeteiro, sardônico, no qual só as mãezinhas desesperadas pela perda do filhinho o mais das vezes maconheiro podem crer, além, claro, dos aproveitadores de plantão e dos ingênuos, que almejam continuar a viver depois que voltarem à inexistência, em vez de acostumarem-se à lama que os espera, tomarem um fósforo, acenderem um cigarro e escarrarem nessa boca que os beija, como acaba de me induzir a escrever o querido Augusto, que agora mora com os Anjos.”

  12. Borges Diz:

    DPF no Jô hoje.
    Um abraço

  13. Gorducho Diz:

    [{Grassouillet pensando} vou apelar pro método do falecido Catão...]
     
     
    Que tem a dizer acerca do meu 1° comentário, Sr. Administrador :?:

  14. Gorducho Diz:

    Muito bom Dr. :!:
    Esse é um exemplo perfeito. Não tem como traduzir: é impossível.
    Então, como com felicidade exprimiu AMa, que lê na outra língua não capta a realidade subjacente dos textos!

  15. Vinicius Diz:

    Por curiosidade, alguém sabe se os livros de Xavier são de fato vendidos em outros países? Uma coisa é traduzí-los, outra é vendê-los :mrgreen:
     
    Provavelmente a editora manda para centros espíritas de brasileiros nestas localidades certo?
     
    GORDUCHO e outros, houve uma querela entre o próprio CX e A FEB por causa dessas traduções não houve?

  16. Borges Diz:

    Achei a entrevista “chinfrim”; acho que, independente de concordarmos ou não com seu trabalho, o expoente máximo do espiritismo brasileiro hoje, mereceria coisa melhor, duração maior da entrevista e uma arguição mais apropriada.
    Um abraço

  17. Vinicius Diz:

    Percebi que Astral City teve trechos suprimidos na parte do chiquês
     
    “One day I was advised to speak with Minister Veneranda. She agreed (aqui não incluíram “benfeitora da regeneração).
     
    Também não localizei o trecho em que Veneranda é a “mãe espiritual dos sofredores”:
     
    “I had no right to keep that devoted sister from her duties just to satisfy my curiosity.
     
    Não me cabia reter, por mera curiosidade pessoal, aquela irmã dedicada, TRANSFORMADA EM MÃE ESPIRITUAL DOS SOFREDORES.

  18. Vinicius Diz:

    BORGES, ele falou algo sobre o espírito do Dr.Bezerra?
    Eu vou assistir em casa depois, não posso acessar youtube aqui.

  19. Espirita sp Orlando Diz:

    Bom dia Borges. Não pude assistir Divaldo. Ele vai estar em São Paulo, em um grande parque aqui, em Sp, ibirapuera
    http://usesp.org.br/voce-e-a-paz-com-divaldo-franco-volta-a-sao-paulo-em-outubro/
    Vai haver novo livro do Dr Miranda?

  20. Gorducho Diz:

    Vivia perturbada, aflita. Aconselharam-me, porém, recorrer à Ministra Veneranda, e nossa benfeitora da Regeneração prometeu que endossaria meus propósitos no Ministério do Auxílio, mas exigiu dez anos consecutivos de trabalho aqui, para que eu possa corrigir certos desequilíbrios do sentimento.
     
    I was living in an anxious and perturbed condition. One day I was advised to speak with Minister Veneranda. She agreed to endorse my plans, on the condition that I work here for ten years to correct certais inbalanced emotional attitudes.
     
     
    Quanto à querela quem sabe bem da história é o Analista Toffo que anda sumido.
    Pelo que me lembro, depois disso ele deixou de publicar pela FEB. Mas às vezes fico pensando se eles não teriam medo justo por essa notória impossibilidade de traduzir ele…

  21. mrh Diz:

    O texto original, do Owen, segue o mesmíssimo estilo do CX, EM INGLÊS

  22. mrh Diz:

    Sua tradução em português reflete o estilo bem. O CX deve ter exultado.

  23. Borges Diz:

    “BORGES, ele falou algo sobre o espírito do Dr.Bezerra?
    Eu vou assistir em casa depois, não posso acessar youtube aqui.”
    .
    Oi Vinicius; ele não falou sobre o espírito do Dr. Bezerra. A entrevista está na internet.
    .
    “Vai haver novo livro do Dr Miranda?”
    .
    Oi Orlando; tudo indica que se tratava da divulgação da biografia de DPF, feita por uma jornalista chamada Ana Landi.
    Um abraço

  24. Gorducho Diz:

    Ah! não acho. O Owen faz aquele estilo que parece ser uma obrigação dentro do espiritualismo p/claro, dar um ar de ultra-mundanidade sobrenatural.
    Mas não tem o bizarrismo criativo do CX. CX surpreende: ele fuça, fuça nos dicionários de sinônimos até achar um termo inusual. E os adjetivos – que aliás se institucionalizaram na literatura “espírita” de cá. A falta de solidez é compensada pelos adjetivos e louvações.
    Isso Owen não não faz, pelo menos nem de perto.

  25. Marciano Diz:

    Que tal dar uma olhadinha o artigo original?
    http://obraspsicografadas.org/2011/evidncias-da-influncia-de-a-vida-alm-do-vu-g-vale-owen-na-elaborao-da-obra-libertao-chico-xavierandreacu/

    QUADRO III

    “A VIDA ALÉM DO VÉU” – Página 252 – “Nós temos uma missão junto aos trabalhadores das minas, os quais seu mestre escraviza”. “Um fim muito atraente para sua jornada”, disse ele com um tom agradável, procurando nos enganar. “Estas pobres almas trabalham muito para estarem prontos para qualquer bom amigo que aja por eles, sua existência e seus problemas”. “E alguns”, eu disse, “estão também prontos para partir em direção à liberdade do jugo de seu senhor, o qual, cada um em seu degrau, está interligado a vocês todos”.

    Num átimo sua FACE mudou de risonha para fechada e carrancuda, e seus dentes mostraram-se parecidos com os de um LOBO faminto. Mais ainda, com a mudança de humor, ali pareceu descer uma névoa mais escura e assentar-se sobre ele.”

    “LIBERTAÇÃO” – CAPÍTULO V – De repente, parecendo sofrer a interferência de lembranças menos dignas, clamou:

    — Quero vinho! vinho! prazer!…

    Em vigorosa demonstração de poder, afirmou, triunfante, o magistrado:

    — Como libertar semelhante fera humana ao preço de rogativas e lágrimas?

    Em seguida, fixando sobre ela as irradiações que lhe emanavam do temível olhar, asseverou, peremptório:

    — A sentença foi lavrada por si mesma! não passa de uma LOBA, de uma LOBA …

    A medida que repetia a afirmação, qual se procurasse persuadi-la a sentir-se na condição do irracional mencionado, notei que a mulher, pro­fundamente influenciável, modificava a expressão fisionômica. Entortou-se-lhe a boca, a cerviz cur­vou-se, espontânea, para a frente, os olhos alteraram-se, dentro das órbitas. Simiesca expressão revestiu-lhe o ROSTO.

    ? Obs.: A questão envolve nas duas obras, a narrativa de que o espírito mudou sua fisionomia, parecendo-se com um lobo/loba. Além da semelhança nas duas histórias, observem as narrativas: “sua face mudou de risonha para fechada e carrancuda, e seus dentes mostraram-se parecidos com os de um lobo faminto”; e, “não passa de uma loba (…) Entortou-lhe a boca, a cerviz curvou-se, espontânea, para a frente, os olhos alteraram-se, dentro das órbitas. Simiesca expressão revestiu-lhe o rosto.

  26. Gorducho Diz:

    Não tinha me flagrado que são 2 artigos!
    Acho que seria mais interessante eles fundirem o que de melhor haja nos 2.
    E.g., essa parte acho muito mais significativa que o conto dos peixinhos visto que este já era admitido ser baseado &c.
    O Administrador acho que já deve ter saído pro feriadão pois siquer respondeu meus alertas…
    Mas Dr. mrh: se estiver na escuta :!:

  27. mrh Diz:

    Çãun dois mermo, uma córpia perfassianoutra córpia. Imprescionante como alguém asçim ainda pode manterafamma…

    Koizadedoiduobrazililil.

  28. Vinicius Diz:

    .”Os outros, vorazes e gordalhudos”
    No conto peixinho vermelho adaptado por xavier tem esse trecho. O que seria gordalhudo??!

  29. Gorducho Diz:

    Éramos os peixes do aquário natural de Faraó naquela época, e em conformidade com a loi du progrès agora já vivo sob forma hominal no 4° reino da Ciência kardeciano-chiquista: o hominal.
     
    Veja que CX – e Divaldo segue essa mesma escola…- surpreende. Eles fuçam, fuçam nos dicionários de sinônimos até encontrar o termo mais estranho possível.
    Segundo “alguns” que às vezes aparecem por cá, isso seria mostra de erudição…

  30. Gorducho Diz:

    CX não diz que Dr. André ditou pra ele o conto.Diz que aproveitará antes pra recordar a antiga lenda egípcia.
    E que é de lá sim, porque são memórias da Srª Joan de quando lá viveu.
     
    Por isso acho que desde o ponto-de-vista da unicidade lógica do artigo, seria melhor fundir todas partes mais significativas dos 2, sacrificando a história do peixinho por causa das limitações de espaço. Visto que a ideia é fazer um artigo apto a ser publicado, claro.

  31. Vinicius Diz:

    “CX não diz que Dr. André ditou pra ele o conto.”…
     
    Uai, não eram espíritos que ditavam ao CX os escritos :?:
     
    CX quando aparecia na Globo falava: “esses livros não me pertencem, pertencem aos espíritos que o ditaram”…
     
    CX avisou a “Irmã Vanda” que “Emmanuel” queria o texto traduzido emprestado???

  32. Vinicius Diz:

    “Esta bela lenda se encontra no prefácio do livro Libertação, de André Luiz, psicografado por Chico Xavier. A história do peixinho vermelho, como revela o livro Deus conosco, em mensagem de Emmanuel do dia 26/1/1949, foi contada a Chico por Wanda Joviano, filha de Rômulo, que foi patrão de Chico. Ela conta que essa antiga lenda consta de um dos livros da médium inglesa Joan Grant, sobre o Egito Antigo. Wanda ficou emocionada quando soube que Emmanuel aproveitara a história para o prefácio do livro de André Luiz, pois tinha estreita relação com o objetivo da obra”
     
    http://somosespiritos.blogspot.com.br/2009/10/lenda-egipcia-o-peixinho-vermelhoa.html
     
    Segundo o texto do site chiquista citado “Irmã Wanda” ficou emocionada do aproveitamento do Emmanuel do conto? Então ela foi “pega de surpresa” ?

  33. Gorducho Diz:

    Sim, mas é um prefácio e não diz que Dr. André ditou…
    CX mostrou o texto pro Emmâ – que enxerga porque os únicos espíritos que não enxergam são os da Administração :( – e ele gostou e achou conveniente iniciar a obra com essa fábula.
    Meu único ponto e´que acho mais relevante e mantenedor da unicidade lógica o causo lupino.
    Considerando que artigos p/publicação têm severas limitações, claro.

  34. Vinicius Diz:

    Imagino a cena em que Emmanuel adentra o quartinho de CX para fiscalizar o que o médium estava fazendo:
     
    Em altas horas da madrugada, o caroável Chico, nosso estimado mineiro do século, estava fazendo suas leituras habituais, para treinar o seu português e inglês. Chico havia cursado só até o primário mas por orientação de Emmanuel precisava ao menos se aperfeiçoar em línguas.
     
    A professora espiritual, Sra.Veneranda (aquela do Nosso Lar) vinha todas as noitinhas e ajudava o lutador Chico a se melhorar e nesta noite, Chico mostrou a Dona Venerada um texto muito bonito que ganhou de nossa querida irmã Wanda. Dona Veneranda ficou extasiada, lembrou-se de um lago em Nosso Lar com vários e vários peixinhos vermelhos, amarelos, dourados, de todos os tamanhos , diminutos, grandões… Ficaram alegres e risonhos…
     
    Mas CX riu alto em certo momento, o que chamou a atenção do Espirito Emmanuel, e volitou velozmente em direção ao CX querendo saber o que estava acontecendo de tão engraçado.
     
    Antes disso Veneranda avisou que precisaria ir pois passava do horário de regressar ao abençoado Educandário …E que Emmanuel se acalmasse pois a impaciência derrete o fígado.
     
    Emmanuel falou: agora estamos a só, Chico, diga-me o que houve?
    Este texto, traduzido pela irmã Wanda, é uma taça de luz, são águas de amor trazidas por esses belos peixinhos gordulachos.
     
    Emmanuel já refeito de sua ansiedade inicial disse que queria ver o texto, gostou muito também:
    Ei, Chico, vamos aproveitá-lo no novo lançamento de André Luiz. Tenho certeza que André Luiz vai amar esta lenda no prefácio!
     
    Sim, Emmanuel! Vou colocar lá.
     
    Ah Chico, não precisa dizer que esse texto foi entregue pela Irmã Wanda ou que você consultou algum livro, isso não importa, o primordial e cristão é passar a mensagem evangélica.
     
    Chico, lembre-se: precisa cumprir seu mandato mediúnico: 50 livros nunca, 100 livros jamais, queremos mais de 400, dá seus pulos!!!

  35. Gorducho Diz:

    Isso… em linhas gerais foi isso que aconteceu. É uma fábula egípcia e como não se tratava de nenhuma tese acadêmica mas sim duma obra com finalidades evangélicas, era completamente secundário mencionar que fora contada à Skhet-a-ra pelo Neyah (irmão dela).
     
    Só que como não foi alegado ser psicografia, parece-me ser secundário ao kernel do trabalho.

  36. Vinicius Diz:

    Não consegui entender quando Irmã Wanda se deu conta da utilização do texto pelo CX , se foi bem depois ou logo na publicação do livro.
     
    Nossa, fico espantado com tanta “esperteza”.
     
    Ah Gorducho, eu tenho whatsapp da feesp , enviei o link desse material a eles e também perguntei porque não tem mais psicografias de entes queridos, responderam que “são cautelosos” e “obrigado”. E mais nada…

  37. Gorducho Diz:

    Mas critiquemos quando errado e elogiemos quando certo…
    Não produzir mensagens de falecidos que ridos é uma postura certa, certo :?:
     
    Essa nova postura do “espiritismo” brasileiro de se basear em Fé e nos livros tradicionais cristãos – VT + NT – me parece mais correta e adequada aos novos tempos.
    Ou seja: o mediunismo fracassou, os alegados fenômenos não se verificaram, mas isso não impede quem quiser de crer em reencarnação romântica (i.e., sem metempsicose e com karma) + o deus dos escolásticos com as perfeições listadas pelo Kardec + Jesus “Cristo”.
    Perceba que até aí é um neo-cristianismo clássico perfeitamente válido.
    Os livros do CX sejam – como estão sendo agora – tratados como revelações equivalentes às ditadas pelo Moroni, e tudo certo, sem incoerências.
    O problema começa quando tentam introduzir “médiuns” e ditados de “espíritos” na mitologia de apoio.

  38. Gorducho Diz:

    Perceba e.g. que a crença em reencarnação é muito difundida pela humanidade. Então nesse ponto nada tem de absurdo numa religião cristã reencarnacionista.
    Tanto que no judaísmo moderno é bem difundida e aceita, ainda que não seja dogma.
    O absurdo é tentar introduzir ditados de “espíritos” na história; cestas-de-bico que escrevem sozinhas, &c.

  39. Vinicius Diz:

    Estou lendo uma entrevista do Padre Quevedo e ele fala de uma bolsa de borracha. Conhecem esse episódio :?:
     
    “10 – Chico Xavier é uma fraude?
     
    “Pode ter fraudado alguma vez. A revista Manchete descobriu que ele escondia embaixo da mesa em que trabalhava uma bolsa de borracha que, quando apertava, soltava, pela sua manga, um cheiro de santidade. ”
     
    E sabem quem é o Espírita que toda vez que fazia uma TCI dizia “Ramatis Presente” ?
     
    “Esse senhor se preparou para o debate por muito tempo. As palavras que ele esperava, “Ramatis Presente”, SÃO AS MESMAS QUE ELE JÁ TINHA APRESENTADO EM VÁRIOS OUTROS CONGRESSOS, assim como as imagens, de modo que no programa, ele pretendeu enganar”
     
    http://www.divinoespiritosanto.org/psc_entrevista.htm

  40. Gorducho Diz:

    [4:15]
     
    Imagino que seja…

  41. Eu Sou a Universal Diz:

    Sr vinicius, que bolsa de borracha é essa do Sr Chico Xavier? Existe on line essa edição ou o artigo da Revista Manchete?

  42. VINICIUS Diz:

    ainda nao encontrei a revista, foi o padre quevedo quem falou.. também preciso encontrar algo sobre um aparelho que ele usava embaixo da boina.

  43. Vinicius Diz:

    Também havia eletrodos de eletrocardiogramas conectado a um mini aparelho para sentirem um choquinho vibratório quando ele tocava nas pessoas. Mas são só especulações, pode ser brincadeira das pessoas…
     
    Agora, com relação ao caminhão de mantimentos desviado por Dr.Bezerra sabem se isso se repetiu mais vezes?

  44. Gorducho Diz:

    Sobre o Pe. Quevedo tem o célebre artigo do Professor, AVi com o qual concordo em grande parte.
    Quanto então a essa elaboração da “bolsa de borracha” está me cheirando – com o perdão da figuração rasteira… :( – a uma elaboração do causo Veado d’Ouro…
    A “bolsa” seria a perilha que acionava aqueles espraiadores de perfume antigos, acho.
     
     
    Quanto ao caminhão não tem nada d+ no fato. Uma pessoa de posses de SAO ou SP doou-o a uma obra assistencial. Mandou carregar o caminhão e remeteu-o, só que naquela época claro que não tinha os GPSs + CEPs de hoje. O motorista se perdeu e Dr. Bezerra só se materializou pra mostrar o caminho. Não tem nada mais que essa simples indicação que Dr. Bezerra fez pro motora.

  45. Vinicius Diz:

    Sim, foi essa impressão que tive (Veado D ouro).
    Do perfume temos o depoimento do WV. É um forte indicio de veracidade, mesmo assim, somente CX poderia vir protestar em seu favor. Pena que os médiuns estão sempre ocupados e em viagens…

  46. Vinicius Diz:

    o espiritismo tem lances “curiosos”, “engraçados” até! O ator estava caminhando pela rua e encontrou uma cópia do texto de CX na lata de lixo. A partir daí passou a fazer teatro.
     
    “O espetáculo “E a Vida Continua…” ganhou forma há 15 anos, quando o ator Renato Prieto encontrou uma cópia do texto jogada em uma lata, na rua. Fascinado pelo enredo, ele levou a história para os palcos sob a direção de Augusto César Vanucci. Era o primeiro espetáculo com temática espírita do mundo.”
     
    http://g1.globo.com/bahia/noticia/2016/09/peca-baseada-em-texto-psicografado-de-chico-xavier-chega-salvador.html

  47. Marciano Diz:

    Como tenho tido pouco tempo, só agora vi o episódio da entrevista de DPF no moribundo programado do Jô.
    O cara tá com 89 anos e bem melhor do que cx, quando tinha a mesma idade.
    Parece que ainda vai demorar para encontrar-se com Dr. Miranda.
    De espiritismo mesmo, não falou nada, só contou alguns causos.
    Impressionante é como seus cabelos não demonstram a idade, permanecendo pretos.
    Será tinta, ou uma peruca mais moderna, melhor do que a de cx?
    Tirando a cor preta, tem aparência natural.
    Fenômeno paranormal?

  48. Vitor Diz:

    É tinta.

  49. Gorducho Diz:

    Achei que estivesse de feriadão…
    Ignorou meu comentário acerca da tradução!

  50. Vitor Diz:

    É que para mim quem tinha que falar sobre a tradução era o MRH, já que foi ele que pagou para a tradutora…
    .
    Parece-me que a tradução em inglês tem um erro no trecho que você selecionou, deveria ser tirado o “not”.

  51. Gorducho Diz:

    :(
    Será que é Soberba dele :?:
     
     
    Besides taking care of our main endeavor, we would also attend to a few secondary assistance activities. As a specialist on missions of such nature, he [Gúbio] said it was a task he could not handle by himself, but he had accepted our help.
     
    Além dos serviços referentes ao encargo particular que nos mobilizava, entraríamos em algumas atividades secundárias de auxílio. Técnico em missões dessa natureza, afirmou que nos admitira, num trabalho que ele poderia desenvolver sozinho, não só pela confiança que em nós depositava, mas também pela necessidade da formação de novos cooperadores, especializados no ministério de socorro às trevas.

  52. Vinicius Diz:

    Marciano, viu quando Jo Soares menciona “picaretas” e DPF fala das mais de 3000 palestras que fez?
     
    E quando Jo pergunta quantos livros e ele mal fala dos espíritos sequer lembra dos famosos Miranda e Joanna?

  53. Gorducho Diz:

    Sabia que foi durante a Operação Gomorra que a Sheila desencarnou, Analista Vinícius :?:
    Ela era 28.

  54. Phelippe Diz:

    Gostando dos comentários. CX de volta.

  55. Gorducho Diz:

    In the tiny sitters group there was a Swiss scientist, materialistic, that there came under relatives demanding. Scheilla, in German accent, proclaimed: – To our brother there – pointed the Swiss -, ‘ll give the perfume his mammy wore while on crust. That awakened him a moved sob, after memory emerged to mind remembering the image of absent mammy.

  56. mrh Diz:

    Obrigado pela correção, Fat & cia. Erro anotado e corrigido. Aliás, o objetivo desta publicação antecipada era esse mesmo. Aperfeiçoamentos.

  57. Gorducho Diz:

    allegedly psychographics dictated by the supposed spirit André Luiz, and The Life Beyond
    :shock:

  58. Gorducho Diz:

    Eu não formataria datas num artigo pra público internacional no formato paroquial (quase que) interno americano…
    Sempre fica ambíguo desnecessariamente.

  59. Marciano Diz:

    Percebi sim, VINICIUS. Achei até que ele ficaria embaraçado quando o gordo perguntou pelos picaretas, mas ele nem acusou (acknowledged).
    Também, nunca vi alguém mais ignorante em matéria de religião do que o Jô. Não sabe nada do básico de cristianismo, que dirá de bezerro chiquismo.

  60. Marciano Diz:

    A entrevista foi apenas uma propaganda atrasada e mal-feita do livro da mulher que fala de DPF.

  61. Marciano Diz:

    Mal-feita porque nem mostraram a capa do livro, nada falaram sobre ele, o que era o assunto principal (encher a bola de DPF).
    O livro parece ser uma biografia autorizada de gente ainda miraculosamente viva.
    VITOR, o cara pinta o cabelo com 89 anos, já deve pintar há décadas, deve pintar toda semana, e não ficou careca.
    Foi por isso que achei que pudesse ser uma peruca sofisticada.

  62. Gorducho Diz:

    segundo assentamentos da Federação Espírita Brasileira

  63. Vinicius Diz:

    fiz uma pesquisa naquele acervo da FEB, Gorducho, e encontrei alguns escritos assinados por “F.Xavier” em 1930.
    Será o CX? pelo que entendi as mensagens não são “mediúnicas”.
     
    http://www.sistemas.febnet.org.br/acervo/index.php/reformador/pesquisa_submit/100?titulo=&ano=1930-1940&autor=XAVIER&coluna=0&

  64. Gorducho Diz:

    Aparentemente é dele dele.
    Eu tenho o livro da Magali Oliveira Fernandes cujo ponto alto é o (um dos?) caderno de colagens dele. Aí se vê a formação literária dele com os sonetos, poesias &c. que na época era muito popular essa forma de literatura.
     
    Obtusidade da Igreja Católica, como aquelas categorias de base que dispensam o menino que é torcedor daquele clube. O cara vai pro juvenil do rival, obrigado, sem querer porque o coração dele pertence àquele que o dispensou, e vira craque!
    Imagine a ajuda que CX teria dado à ICAR.br assumindo um papel de visionário e proselitizando, claro, a teologia católica!

  65. Vitor Diz:

    Não quer escanear o livro da Magali pra gente não, Gorducho? Eu tb tenho, mas tô digitalizando outro no momento.

  66. Vinicius Diz:

    Então, mas parece-me que inicialmente CX não atribuía (ou pelo menos era menos frequente) tais mensagens a “espíritos” não é?

  67. Gorducho Diz:

    Claro que não.
    Mas segundo consta – vide e.g. o famoso Espiritismo à Brasileira por Sandra Jacqueline Stoll – ele se converte em ’27 e treina psicografia até ’31.
    Ou seja: ele treina psicografia durante 4 anos, mais ou menos como vocês aí na FEESP :P
    Então a partir de ’31 ele passa a considerar os trabalhos como sendo ditados por espíritos.
    Estou falando isso de memória, bien entendu…

  68. Gorducho Diz:

    Por incrível que possa parecer estou sem scanner privado!
    Vai ignorar meus comentários de novo :?:

  69. Gorducho Diz:

    Mas na realidade do livro dela surpreende mesmo só a parte do caderno (que imagino haveriam mais).
    No demais é um livro mais voltado pra análise de editoração mediática na área de comunicação. I.e., em síntese, como um personagem é construído por meios de comunicação.
    Então é um tanto árido fora dessa parte do caderno.

  70. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Vai ignorar meus comentários de novo :?:
    .
    Uai, qual está faltando?

  71. Gorducho Diz:

    Só estou trazendo à consideração de VVSS (incluindo aí especialmente o Analista Marciano, claro), bien sûr. Mas acho que mereceriam ao menos um registro, ¿não?
     
     
    allegedly psychographics dictated by the supposed spirit André Luiz, and The Life Beyond
     
    segundo assentamentos da Federação Espírita Brasileira

  72. Vitor Diz:

    Merecem registro sim, mas como eu te disse, eu não estou cuidando disso, estou deixando tudo ao cargo do MRH.

  73. mrh Diz:

    não entendi, mas explica de novo e em detalhes q eu mudo

  74. Vinicius Diz:

    MRH e outro, depois de libertação há uma continuação da “saga Dr.André Luiz”. Será que há mais plágios ou cópias inspiradas neles?

  75. Vinicius Diz:

    Eu me enganei: o segundo da série é Os Mensageiros.
    Libertação seria o sexto…
    Nosso Lar (1944)
    Os Mensageiros (1944)
    Missionários da Luz (1945)
    Obreiros da Vida Eterna (1946)
    No Mundo Maior (1947)
    Libertação (1949)
    Entre a Terra e o Céu (1954)
    Nos Domínios da Mediunidade (1955)
    Ação e Reação (1957)
    Evolução em Dois Mundos (1959, em colaboração com Waldo Vieira)
    Mecanismos da Mediunidade (1960, em colaboração com Waldo Vieira)
    Sexo e Destino (1963, em colaboração com Waldo Vieira)
    E a Vida Continua… (1968)

  76. Gorducho Diz:

    Minhas dúvidas são
     
     
    ► quanto ao uso de psychographics dentro do contexto espiritualista, i.e., p/designar os ditados escritos;
     
    ► e according to the Brazilian Spiritist Federation (FEB) settlements.

  77. mrh Diz:

    sim, o espiritualismo psicografava, e é o que Owen alega. A frase em inglês parece correta.

    Aguardo as críticas.
    .
    Segundo o Bia, Nosso Lar e outro da série tão bichados.

  78. mrh Diz:

    Não me lembro qual era a outra maçazinha problema, mas era um que o plot era idêntico ao Libertação. O Bia fez um texto para os dois, Nosso Lar e esse que não lembro.

  79. Marciano Diz:

    GORDUCHO, transcreva os textos que quer que eu comente, stp.
    Ponha-os lado a lado, para que eu possa opinar.
    Aparentemente, trata-se de supostos erros de tradução, I presume, pelo que vi acima:
     
    ===============================================================
    ► quanto ao uso de psychographics dentro do contexto espiritualista, i.e., p/designar os ditados escritos;
    ===============================================================
     
    Se é isto, posso adiantar que:
     
    Psychographics
    1. (used with a sing. verb) Demographic research that studies population groups with respect to psychological attributes, such as values or attitudes, as for marketing purposes.
    2. (used with a pl. verb) The data obtained from such research.
    (American Heritage® Dictionary of the English Language, Fifth Edition. Copyright © 2011 by Houghton Mifflin Harcourt Publishing Company. Published by Houghton Mifflin Harcourt Publishing Company. )
     
    1. (Sociology) (functioning as singular) the study and grouping of people according to their attitudes and tastes, esp. for market research
    2. (Marketing) (functioning as singular) the study and grouping of people according to their attitudes and tastes, esp. for market research
    (Collins English Dictionary – Complete and Unabridged, 12th Edition 2014)
     
    Psychography
     
    1. (Alternative Belief Systems) spiritualism the supposed writing of a spirit or medium
    2. (Psychology) the history or description of a person’s psyche
    3. (Psychology) the examination of one’s psyche
    (Collins English Dictionary – Complete and Unabridged, 12th Edition 2014)
     
    1. the reception of written spirit messages through a medium; spirit writing.
    2. the production of images of spirits on film without the use of a camera, believed to be caused by spiritualistic activity.
    (Ologies & -Isms. Copyright 2008 The Gale Group, Inc. )
     
    settlement
    1. The act or process of settling: the settlement of sediment.
    2.
    a. The settling or establishment of a person or a group of people, as in a new region or in a business.
    b. A newly colonized region.
    3. A small community.
    4.
    a. An arrangement or agreement reached, as in business proceedings or negotiating a dispute: a wagesettlement; a peace settlement.
    b. The resolution of a lawsuit or dispute by settling.
    c. The process of reaching such an arrangement, agreement, or resolution.
    5. Law
    a. The legal determination of title to property.
    b. The process of making the determinations and distributions associated with a trust.
    6. A center providing community services in an underprivileged area. Also called settlement house.
    (chega de citações, são as mesmas)
     
    1. the act or state of settling or being settled
    2. the establishment of a new region; colonization
    3. (Human Geography) a place newly settled; colony
    4. (Human Geography) a collection of dwellings forming a community, esp on a frontier
    5. a community formed by members of a group, esp of a religious sect
    6. (Social Welfare) a public building used to provide educational and general welfare facilities for persons living indeprived areas
    7. (Building) a subsidence of all or part of a structure
    8. (Banking & Finance)
    a. the payment of an outstanding account, invoice, charge, etc
    b. (as modifier): settlement day.
    9. (Banking & Finance) an adjustment or agreement reached in matters of finance, business, etc
    10. (Law) law
    a. a conveyance, usually to trustees, of property to be enjoyed by several persons in succession
    b. the deed or other instrument conveying such property
    c. the determination of a dispute, etc, by mutual agreement without resorting to legal proceedings
     
    Regulations
    Rules specifying the appropriate behavior of agencies, organizations or individuals.
     
    É o que me parece, salvo melhor juízo.
     
     
    Volto amanhã, com a graça de Ísis.

  80. Gorducho Diz:

    Foi o que se me pareceu…
    Não me lembro de ter visto psychographics referindo-se a escritos espiritualistas.
     
    E assentamentos em livros pra mim seria statements ou records.
     
     
    Mas só levantei, repito…

  81. mrh Diz:

    blz, vou consultar a tradutora ( e seu assessor americano) para decidir. Claro q as contribuições serão avaliadas e, eventualmente, consideradas.
    grato

  82. mrh Diz:

    arquivo enviado.

  83. Vinicius Diz:

    MRH, este artigo já foi lá para os “states”, para que nossos irmãos espíritas americanos saibam o que foi levantado aqui na patria amada coração do mundo palpitante e saltitante???

  84. Vinicius Diz:

    Em quem confiar :?: :mrgreen:
     
    http://www.semprequestione.com/2015/06/agente-aposentado-da-cia-afirma-em.html#.V9LyL00kqJA
     
    “Marilyn Monroe morreu em 5 de agosto de 1962, há 52 anos. O sr. Hodges afirma que ele entrou em seu quarto enquanto ela dormia e lhe injetou uma dose maciça de hidrato de cloral (um poderoso sedativo), misturado com Nembutal (a curta ação barbitúrico), causando sua morte.”
     
    WIKIPEDIA:
     
    “Monroe foi encontrada morta no quarto de sua casa em Los Angeles pelo seu psiquiatra Ralph Greenson, nas primeiras horas da manhã de 5 de agosto de 1962.[233] Greenson havia sido chamado pela empregada Eunice Murray, que estava dormindo no emprego e acordou às 03:00 “sentindo que algo estava errado”.[234] Murray tinha visto a luz debaixo da porta do quarto de Monroe, mas ela não obteve resposta quando a chamou e encontrou a porta trancada.[233] A morte foi confirmada oficialmente pelo médico Hyman Engelberg, que chegou na casa por volta das 03:50, notificando somente às 04:25 o Departamente de Polícia de Los Angeles.[233][234]
     
    O Departamento de Examinação Médica acompanhou a investigação da sua morte por peritos da Prevenção de Suicídio de Los Angeles.[235] Foi estimado que Monroe havia morrido entre as 20:30 e 22:30,[236] sendo que a análise toxicológica concluiu que a causa da sua morte foi intoxicação por barbitúricos, já que ela tinha 8mg de hidrato de cloral e 4,5mg de pentobarbital no sangue, com outros 13mg de pentobarbital no fígado.[237][235][238] Frascos vazios contendo estes medicamentos foram encontrados ao lado da cama.[238] A possibilidade de Monroe ter tido uma overdose acidental foi descartada, pois as dosagens encontradas no seu corpo estavam várias vezes acima do limite letal.[239] Os médicos e psiquiatras que conviveram com ela afirmam que a atriz era propensa a “medos graves e depressões frequentes” com mudanças de humor “abruptas e imprevisíveis”, além de ter sofrido overdose diversas vezes no passado, possivelmente intencionalmente.[239] Devido a esses fatos e à falta de qualquer indício de crime, a sua morte foi classificada como um provável suicídio.[240]
    CHICO XAVIER, via X Brother:
     
    “- A tese do suicídio não é verdadeira como foi comentada – acentuou ela sorrindo. – Os
    vivos falam acerca dos mortos o que lhes vem à cabeça, sem que os mortos lhes possam
    dar a resposta devida, ignorando que eles mesmo, os vivos, se encontrarão, mais tarde,
    diante desse mesmo problema… A desencarnação me alcançou através de tremendo
    processo obsessivo. Em verdade, na época, me achava sob profunda depressão. Desde
    menina, sofri altos e baixos, em matéria de sentimento, por não saber governar a minha
    liberdade… Depois de noites horríveis, nas quais me sentia desvairar, por falta de
    orientação e de fé, ingeri, quase semi-inconsciente, os elementos mortíferos que me
    expulsaram do corpo, na suposição de que tomava uma simples dose de pílulas
    mensageiras do sono…”

  85. mrh Diz:

    olha, a tradutora, a Unyá, disse que tem um amigo americano que auxiliou na tradução. Ou seja, alguém já tem isso lá, mas se não for do ramo, ou seja, se não tiver interesse em espiritualismo, provavelmente vai enterrar em seu computador e deixar para a eternidade.
    .
    Para alguém “do ramo” ainda não foi enviado.

  86. mrh Diz:

    Tem um filme muito interessante, o título é algo como O diário de Chuck Barry, ou algo assim, com a Júlia Roberts, cuja história é muito parecida com essa que o agente conta. Parece que a do diário é real. Essa tb pode ser, e a do cx, como sempre, uma lástima e com uma fieira de gente, umas crédulas e outras raivosas, a acreditar.

  87. Gorducho Diz:

    Será que o Administrador não tem o mail do Braude?
    Administrador & eu temos bastante familiaridade com literatura espiritualista e acho que ele concorda – se não já teria obtemperado a menos que já esteja de novo em feriadão…- que não se vê.
    Mas como tudo evolui, quiçá hoje o termo esteja sendo usado nos domínios literários anglos :?:

  88. Gorducho Diz:

    Recordando então um pouco o genial Humberto de Campos acerca da literatura chiquista. Aliás, CX se vingou e bem quando ele morreu…
     
    Quem fez sonetos ou redondilhas neste planeta, está condenado a fazel-as em todos os pontos do espaço e da eternidade a que o leve o dedo divino. E sem mudar de estylo. E sem variar de themas. E sem modificação de rythmos, de rimas ou de inspiração.
    Admittindo essa verdade, a vida literaria do outro mundo deve ser mais variada, embora mais fatigante do que neste. Lá estarão ainda Anchieta, a celebrar a Virgem Maria em lingua tupy; Botelho de Oliveira a cantar no estylo da “Ilha da Maré” e da “Musica do Parnaso”; Claudio Manoel da Costa, escrevendo sonetos classicos; Gonçalves Dias, com a sua lyra romantica; e os parnasianos; e os symbolistas; e os futuristas, que morreram antes do futurismo morrer
    .
    [...]
    O Inferno catholico é, nesse particular, mais bem organizado do que os mundos em que o espiritismo colloca os mortos. Quando Dante nelle penetrou, lá encontrou Virgilio, e outros mestres latinos e medievais. Travou com elles palestras, sobre a existencia que levavam; e nenhum lhe recitou versos novos, – facto que prova, e sobejamente, que os Demonios lhes tomaram a lyra a bem da ordem interna do estabelecimento no momento da entrada.

  89. mrh Diz:

    muitubão

  90. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Vinicius Diz:
    SETEMBRO 9TH, 2016 ÀS 2:35 PM
    Em quem confiar :?: :mrgreen:
    ===============================================================
     
    RESPOSTA: em nenhum deles. Estão todos mentindo.
    O americano quer aparecer e cx era mentiroso contumaz, gostava de inventar historietas acerca de “espíritos”.
     
    Unyá :?:
    Woher kommt Sie?
     
    Chuck Berry (não Barry) é um cantor/guitarrista/compositor genial, de quase 90 anos, um dos fundadores do rock.
    É este?
    Se for, dentre outras, ele escreveu, cantou e tocou Johnnie B. Good.
     
    Way down Louisiana, close to New Orleans
    Way back up in the woods among the evergreens
    There stood a log cabin made of earth and wood
    Where lived a country boy named Johnny B. Good
    Who never ever learned to read or write so well
    But he could play the guitar just like ringing the bell
    Go, go, go Johnny, go
    Johnny B. Good
    He used to carry his guitar in a gunny sack
    Or sit beneath the trees by the railroad track
    Oh, the engineers would see him sitting in the shade
    Strumming with the rhythm that the drivers made
    People passing by they would stop and say
    Oh my, that little country boy could play
    His mother told him someday he would be a man
    And he would be the leader of a big old band
    Many people coming from miles around
    To hear you play his music till the sun go down
    Maybe someday your name would be in lights
    Saying Johnny B. Good tonight
     
     
    John Lennon era fã dele. Eu também sou.
    Marty McFly também.
    Cjegou até a tocar a música num baile de formatura com uma guitarra que não existia na época, usando pedais que não existiam, deixando o dono da guitarra preocupado.

  91. Marciano Diz:

    Aliás, e a propósito, Lennon também andou dando entrevistas póstumas, via psicografia.
    Cada coisa!
    Volto amanhã, com a graça de Ártemis e de Ishtar.

  92. Vinicius Diz:

    “Aliás, e a propósito, Lennon também andou dando entrevistas póstumas, via psicografia.”
     
    Sim! Tenho esse livro, mas ainda não o li. O título é “Paz, Afinal” . Não sei se há outros…

  93. mrh Diz:

    Respondendupovo:

    Unyá says:

    “li os comentários com calma e, de fato, apesar de em um dos textos pra pesquisa que eu usei ter aparecido o Psychographics, eu pesquisei o uso, conforme o comentário, e, realmente, o uso de
    Psychography me parece o mais apropriado mesmo para o contexto. Quanto ao uso do Settlement, em muitos textos que eu li, ele sempre me apareceu no contexto de Resoluções (The process of reaching such an arrangement, agreement, or resolution), por isso ele me pareceu bastante apropriado. O uso de Regulations também parece bastante apropriado e talvez até caiba melhor, já que ele se refere exclusivamente às resoluções de organizações e agências (o caso da
    FEB). Mas acho que esse segundo caso pode ficar mais a seu critério, querer ou não fazer a alteração”.

    Marcio Horta 17:26 (Há 21 horas)
    mas como faz o plural de psychography?
    Unyá Dias .
    17:38 (Há 21 horas)

    “fiquei na dúvida e estava justamente procurando e achei isso: usually uncountable, plural: psychographies.
    (http://www.yourdictionary.com/psychography)
    Eu estou sem o texto aqui, então não lembro se dá pra alterar para que a gente use como incontável, mas caso não dê, o plural pode ser o psychographies”.

    Então, alterações a caminho. Obrigado internautas.

  94. Gorducho Diz:

    Quanto ao uso do Settlement, em muitos textos que eu li, ele sempre me apareceu no contexto de Resoluções,isso… isso…- por isso ele me pareceu bastante apropriado. O uso de Regulations também parece bastante apropriado e talvez até caiba melhor, já que ele se refere exclusivamente às resoluções de organizações e agências (o caso da FEB). :o
     
    Não se tratam de resoluções ou dogmas emitidos pela Casa de Ismael, mas sim de registros, anotações de fatos, por ela guardados :!:

  95. Gorducho Diz:

    Segundo os ficheiros da Casa de Ismael, já no ano ’21 Carlos Imbassahy verteu e publicou a obra do reverendo cá no Brasil.

  96. Marcos Arduin Diz:

    Depois de topar com essas velharias, venho responder a quem perguntou pelo meu romance. Está publicado pela Editora Scortecci, com o título A Pequena Órfã. Apresentei-o como romance espiritualista e na orelha expliquei que o motivo é porque não é psicografado e assim evitaria a confusão como romance espírita.
    Se alguém se interessar em adquiri-lo é só ir no site:
    http://www.scortecci.com.br/home.php
    e ver a livraria Asabeça. Foi publicado em 2016.
    Quem quiser saber dele:
    http://www.scortecci.com.br/lermais_materias.php?cd_materias=10837&friurl=_-A-PEQUENA-ORFA–Marcos-Arduin-_

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)