Livro Gratuito! “Ciência sem Dogmas”, de Rupert Sheldrake (2012)

O livro foi lançado em 2014 no Brasil pela Cultrix. É bastante interessante, com Sheldrake narrando seus encontros com os céticos, bem como oferecendo um panorama de suas próprias pesquisas. Para lê-lo, clique aqui. Na nota de rodapé 21 do Capítulo 9, porém, há um erro de tradução. Onde se lê “Wiseman agora admite que seus resultados não reproduziram os meus”, deveria ser “Wiseman agora admite que seus resultados reproduziram os meus”. Conferi o original e lá está “Wiseman now concedes that his results did in fact replicate my own”.

188 respostas a “Livro Gratuito! “Ciência sem Dogmas”, de Rupert Sheldrake (2012)”

  1. Marciano Diz:

    E onde é que Wiseman admite isso?
    Sheldrake mostra ou só alega?
    O que achei, foi isto:
    http://www.richardwiseman.com/resources/Jaytee.pdf
    Será que Wiseman mentiu naquela ocasião e agora fala a verdade?
    Será que mente agora?
    Será que Shelldrake é que está mentindo?
    Cadê a fonte?

  2. Marciano Diz:

    O próprio Sheldrake se contradiz, pois após a publicação do livro, publicou isto:
    http://www.sheldrake.org/reactions/richard-wiseman-s-claim-to-have-debunked-the-psychic-pet-phenomenon
    Richard Wiseman’s claim to have debunked “the … – Rupert Sheldrake
    http://www.sheldrake.org › reactions
     
    14 de jun de 2015 – by Rupert Sheldrake. Richard Wiseman started his career as a conjurer, and is a skilled illusionist. He has a Ph.D. in psychology and is an …
     
    Someone’s a liar here. Who would be lying?

  3. Gorducho Diz:

    Ele não admite isso.
    Já debati com ele na rubrica passada.
    Wiseman o que diz basicamente é que o método seria por aí mesmo mas que se deveria fazer mais experimentos e em conjunto combinando previamente os critérios.
    E o filme da ORF não pode ser visto porque eles tinham deletado ou não quiseram procurar no arquivo ou não filmaram tudo. Aí não foi por culpa do Sheldrake não ter sido divulgado.
     
     
    O Sítio é propriedade dele e ele coloca a linha editorial que ele quer.
    Provavelmente vai pro mesmo caminho do old Rév.

  4. Marciano Diz:

    GORDUCHO, que bom que está aí.
    Veja esta:

    Estas são as dez principais crenças da maioria dos cientistas.
    1. Tudo é essencialmente mecânico. Os cães, por exemplo, são meca-nismos complexos, e não organismos vivos com metas próprias. Atémesmo as pessoas são máquinas, “robôs desajeitados”, nas palavras deRichard Dawkins, cujo cérebro é um computador programado gene-
    ticamente. (extraído do livro de Sheldrake)

    Parece-me que VITOR já defendeu essa “crença” aqui, muitas vezes, quando afirma que não temos livre-arbítrio.
    Quem está certo, VITOR ou SHELDRAKE?

  5. Marciano Diz:

    http://obraspsicografadas.org/2011/derrubado-um-dos-pilares-do-espiritismo-o-livre-arbtrio-parte-1/
     
    Agora vai dizer que isso é um dogma da ciência, uma crença?

  6. Marciano Diz:

    Vitor Diz:
    MAIO 18TH, 2011 ÀS 3:44 AM
    Carlos,
    .
    não basta só dizer que livre-arbítrio é a capacidade de fazer escolhas. Se essa escolha foi predeterminada por fatores genéticos e ambientais, nõ há livre-arbítrio. Na definição do livro, é dito: “O livre-arbítrio supõe um terceiro elemento além da hereditariedade e do ambiente, supõe algo dentro do indivíduo. Afirma que, apesar da herança e dos impactos ambientais, uma pessoa que se comporta de dada forma poderia ter escolhido comportar-se de outra maneira. ”
    .
    Caso conhecêssemos toda a influência genética e ambiental na formiga, poderíamos prever com 100% de exatidão qual caminho ela vai tomar.
     
     
    Sheldrake não concorda com VITOR.
    Ele diz que isso é uma dogma, uma crença da ciência.
    Tá logo no início do livro.

  7. Marciano Diz:

    E aí, VITOR, vai ficar com o livro do Baum ou o do Sheldrake?
    Aproveite para fazer um exercício de retórica e prove que não há incoerência entre uma afirmação e sua negação.
    Sua retórica é excelente!
    Tiro meu chapéu.

  8. Marciano Diz:

    Sirvo-me da oportunidade para enviar ondas telepáticas para os cães do Presidente da Bancada, já totalmente recuperado de seu nervous breakdown.
    Aí, cachorrada, comuniquem a seu “dono” que a presença dele faz-se necessária aqui.
    Religion is poison has gone down the drain and this blog is following suit.

  9. Vitor Diz:

    MARCIANO DISSE: “E onde é que Wiseman admite isso?
    Sheldrake mostra ou só alega?”
    .
    Ele mostra. Só que a edição em português cortou a fonte, em parte porque “A Editora Cultrix não se responsabiliza por eventuais mudanças ocorridas nos endereços convencionais ou eletrônicos citados neste livro.”, e em parte porque o link com a fonte do Sheldrake em inglês tem um erro de transcrição, e não havia porque citar um link errado. No original em inglês o link era:
    .
    http://www.skeptiko.com/11-
    dr-richard-wiseman-on-rupertsheldrakes-
    dogsthatknow/
    .
    O certo seria:
    .
    http://skeptiko.com/11-dr-richard-wiseman-on-rupert-sheldrakes-dogsthatknow/
    .
    Em suma, faltou um hífen entre o “rupert” e o “sheldrakes” para aparecer a página correta. A fonte é, então, a entrevista que Wiseman deu ao Skeptiko em 2007.
    .
    MARCIANO AINDA DISSE: “O que achei, foi isto:
    http://www.richardwiseman.com/resources/Jaytee.pdf
    .
    Esse artigo foi posto em 2011, portanto, após a admissão de Wiseman de ter replicado os dados de Sheldrake. Do que trata esse artigo então? Não é Wiseman dizendo que não replicou os dados de Sheldrake, porque além de ele próprio ter admitido que replicou em 2007, basta colocar os gráficos dos dois lado a lado para ver que são virtualmente idênticos. O artigo é Wiseman tentando empurrar duas hipóteses normais para explicar o comportamento do cão. A primeira hipótese o próprio Wiseman admite que não serve como explicação. Ele diz: “This would not, however, provide a normal explanation for the significant differences in Jaytee’s behaviour during the ‘return period’ and ‘pre-return period’.”
    .
    Já a segunda hipótese – que ele chama de ‘ansiedade’ – é a que ele acha mais cabível. Mas os próprios dados de Wiseman refutam tal hipótese, e Sheldrake mostrou isso em:
    .
    http://www.sheldrake.org/reactions/a-response-to-richard-wiseman-s-article-how-much-is-that-doggie-in-the-window

  10. Vitor Diz:

    MARCIANO DISSE: “O próprio Sheldrake se contradiz, pois após a publicação do livro, publicou isto:
    http://www.sheldrake.org/reactions/richard-wiseman-s-claim-to-have-debunked-the-psychic-pet-phenomenon
    Richard Wiseman’s claim to have debunked “the … – Rupert Sheldrake
    http://www.sheldrake.org › reactions”
    .
    Sem contradições. O título é “A alegação de Richard Wiseman te der desmascarado o fenômeno do animal doméstico [ou de estimação] psíquico”. Quando se lê o conteúdo, Sheldrake está justamente dizendo que Wiseman voltou atrás na alegação:
    .
    Although Wiseman claimed for many years that his tests refuted the “psychic pet phenomenon”, in an interview with Alex Tsakiris on April 17, 2007, he finally admitted, “I don’t think there’s any debate that the patterning in my studies is the same as the patterning in Rupert’s studies…It’s how they are interpreted.” (From 4-17-07 “Interview on Skeptiko.com” )
    .
    Wiseman, assim, admite plenamente que replicou a pesquisa de Sheldrake (após uns dez anos negando…). Só que diverge sobre como interpretar os dados. E como vimos, as hipóteses normais que ele tenta oferecer não convencem, sendo refutadas pelos próprios dados (uma delas o próprio Wiseman admite que não é cabível em seu artigo).

  11. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Ele não admite isso.
    Já debati com ele na rubrica passada.”
    .
    Como mostrado, admite sim.
    .
    GORDUCHO: “Wiseman o que diz basicamente é que o método seria por aí mesmo mas que se deveria fazer mais experimentos e em conjunto combinando previamente os critérios.”
    .
    A culpa de não ter combinado o critério antes foi do próprio Wiseman. Ele não procurou o Sheldrake antes para saber qual critério ele tinha sido usado. Ele se basou no que era divulgado pela imprensa para criar um critério próprio, arbitrário. Mas independente do critério, ele obteve virtualmente os mesmíssimos dados.
    .
    Quanto a mais experimentos, ele pede por isso, mas ele ignora os que já existem:
    .
    Wiseman also ignores a series of control tests in which Jaytee was filmed on occasions when Pam was not coming home. These data, shown in Fig 5 of Sheldrake and Smart (2000) provide absolutely no evidence for increasingly frequent visits to the window as time went on. Wiseman ignores this evidence because it does not fit his hypothesis.
    .
    Enfim, resumo da ópera:
    .
    a) Wiseman após dez anos negando ter replicado os dados de Sheldrake, admitiu que replicou em 17/04/2007.
    .
    b) Para não dar o braço a torcer, Wiseman tenta empurrar duas hipóteses normais para o comportamento do cão, mas na verdade as duas acabam se resumindo a uma só, já que a primeira o próprio Wiseman admite que é refutada pelos dados.
    .
    c) Para empurrar a segunda hipótese, Wiseman não cita os dados de Sheldrake que refuta essa hipótese e ignora os próprios dados da pesquisa dele que fazem isso.
    .
    d) Todos aqueles que estudaram o caso a fundo deram ganho de causa a Sheldrake. Entre eles Will Storr, que pegou Wiseman mentindo. Veja só:
    .
    Sheldrake requested Wiseman’s data. When he analysed it, he found that they actually confirmed his claim. According to Wiseman’s own figures, Jaytee was at the window 4 per cent of the time when Pam wasn’t coming home and 78 per cent when she was. While Wiseman admits this is true, he attacks both this and the best of Sheldrake’s evidence on the basis that Jaytee might have just been going to the window more frequently as time went on because he was missing his owner.
    .
    He explains that he tested his different claim because he had seen it on The Paul McKenna Show, because it was what Pam had told him and because his work took place at the beginning, before Sheldrake’s claim existed.
    .
    ‘Our work was very, very early on,’ he tells me.
    .
    ‘But I thought you came in after Sheldrake’s work?’ I say, slightly confused.
    .
    ‘No, at the same time as Rupert is doing his work,’ he says.

    .
    ‘I thought he invited you in?’
    .
    ‘No. Rupert was doing it concurrently. So I don’t know at what point he came up with this notion of plotting how long the dog is at the window for. It was not around when we were doing our work. It emerged after we had done it. And certainly our paper was published way before his.’
    .
    All of this is rather confusing. But it is important, because Sheldrake tells the story as if Wiseman was engaged in a kind of cynical, sceptical drive-by shooting. He says that he invited Wiseman to test Jaytee, only for Wiseman to come along and test a different claim, which was then used to slate him and his work – even though the data actually confirmed it. So I called Sheldrake and told him what Wiseman had said.
    .
    ‘I can’t believe it,’ he said. ‘That is such a distortion.’
    .
    Sheldrake insists that his claim was there from the start, but Wiseman never asked him about it, instead seeking information from Pam (who, incidentally, wouldn’t know how her dog was behaving because – obviously – she was out when he was doing it). He says that he began his work a year before The Paul McKenna Show reported on it. ‘I arranged Wiseman’s test and invited him to do it,’ Sheldrake says. ‘I even lent him my video camera.’.
    .
    ‘He also said that his paper was published before yours,’ I told him.
    .
    ‘Well, that’s a simple fact,’ says Sheldrake.‘And it’s an outrage that it was. When he told me he was going to publish it, I said, “Well, look, Richard, it means you’re cutting in ahead of me. I’m not publishing my data because I haven’t finished the studies yet. I’m doing a whole series of controls, I’m doing repeated tests.” But he cut in. I’d done more than a hundred observations on this dog. He’d done four. Then I said to him, “Why haven’t you referred to all the experiments I did in your paper?” He said, “I couldn’t refer to them because they’re unpublished.” But I’d already shown him all the data. I mean, this is rather shocking. Very shocking. But the point is, in his own eyes, he’s probably completely guiltless. It’s a level of self-deception that I’m astonished by.’
    .
    Later I come across a paper that Wiseman had sent me following our meeting co-written by him in reply to some of Sheldrake’s criticisms. It confirms that Sheldrake ‘kindly invited [Wiseman] to conduct his own investigations of Jaytee,’ and that they took a month after Sheldrake started his video tests and more than a year after his studies of Jaytee’s purported psychic abilities actually began.

    .
    Esse é o Wiseman. Um dogmático mentiroso. Ao menos, os dados dele não mentem.

  12. Gorducho Diz:

    “Admitiu” só porque o Sr. quer.
    Já expliquei que se trata de reconhecer que o caminho é por aí.
    Mas deixa bem claro que os experimentos não foram convincentes.
    E o filme foi apagado pela ORF, certo :?:
     
    Não pense que vai “ganhar” por última palavra nesse assunto maçante.
    Vou ficar lhe respondendo mesmo sem vontade só pra não deixar isso acontecer. Vamos ver quem desiste 1°se é essa sua intenção.

  13. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: ““Admitiu” só porque o Sr. quer.
    Já expliquei que se trata de reconhecer que o caminho é por aí.”
    .
    Mas ele não fez só isso. Ele TAMBÉM reconheceu que replicou os dados.
    .
    GORDUCHO DISSE: “Mas deixa bem claro que os experimentos não foram convincentes.”
    .
    Sim, ignorando os experimentos do Sheldrake e os próprios dados dele. Mas ainda que não ache convincentes, ele não nega mais que tenha replicado a pesquisa de Sheldrake. Se ele acha que a pesquisa dos dois juntos é insuficiente, tudo bem, mas que ele replicou, replicou.
    .
    GORDUCHO DISSE: “E o filme foi apagado pela ORF, certo :?:
    .
    E daí? O filme da ORF não foi o único filme feito de Jaytee. Sem falar de Kane.

  14. Vitor Diz:

    MARCIANO DISSE: “Parece-me que VITOR já defendeu essa “crença” aqui, muitas vezes, quando afirma que não temos livre-arbítrio. Quem está certo, VITOR ou SHELDRAKE? [...] Agora vai dizer que isso é um dogma da ciência, uma crença?”
    .
    Aí o Sheldrake está fazendo um convite a se questionar tal ideia (de que somos meros programas, que o livre-arbítrio é uma ilusão). Ele faz uma discussão gigantesca e honesta sobre tal questão, citando as pesquisas de ponta (pró e contra a existência do livre-arbítrio). Note que ele coloca diversas perguntas ao fim de cada capítulo. A meu ver, o âmago está aqui:
    .
    Para alguns neurocientistas e filósofos, a descoberta de Libet parecia ser a prova experimental definitiva de que o livre-arbítrio é uma ilusão. Primeiro o cérebro apresentava alterações e, cerca de um terço de segundo depois, a percepção consciente seguia-se à decisão, em vez de iniciá-la. Portanto, a “decisão” era causada por processos físicos inconscientes, e não por livre-arbítrio.
    .
    O próprio Libet tinha uma visão diferente. Para ele, no tempo transcorrido entre a percepção consciente do desejo de agir e a execução do movimento – um intervalo de 200 milissegundos – a mente consciente tinha oportunidade de vetar a decisão. Em vez de livre-arbítrio, temos “livre-veto”. Essa decisão consciente
    dependia do que Libet chamava de “campo mental consciente” (CMC), que emergia das atividades cerebrais, mas não era determinado fisicamente por estas. O campo mental consciente atuava sobre as atividades cerebrais, talvez influenciando eventos neuronais que, de outro modo, seriam aleatórios ou indeterminados.
    .
    Esse campo também ajudava a integrar as atividades de diferentes partes do cérebro e tinham a propriedade de “recorrer” a experiências subjetivas passadas e, assim, atuava recuando no tempo.
    .
    O campo mental consciente unifica a experiência gerada pelas diversas unidades neurais. Além disso, é capaz de influenciar algumas atividades neurais e formar a base para a vontade consciente. O campo mental consciente
    é um novo campo “natural”. Não é um campo físico, pois não pode ser observado nem medido diretamente por nenhum meio físico externo.
    .
    Esse atributo é, obviamente, a conhecida característica da experiência subjetiva consciente, que só é acessível ao indivíduo que está passando pela experiência.
    .
    Para ir um passo além de Libet, se o campo mental atuasse sobre a atividade nervosa recuando no tempo, então o campo mental consciente poderia desencadear o potencial de prontidão que o precedeu. A causação mental se daria do futuro para o passado, enquanto a causação física se daria do passado para o futuro.
    A interpretação materialista da descoberta de Libet pressupõe que a causação seja unidirecional, do passado para o futuro. Mas se a causação mental atua em sentido oposto, então a escolha consciente poderia desencadear o potencial de prontidão. No Capítulo 9, analisarei mais detalhadamente as evidências experimentais de um fluxo retrógrado de influências de estados mentais futuros.

    .
    Note assim que Sheldrake oferece evidências pró e contra a ideia de escolhas conscientes. Ele reconhece o caráter experimental da ideia de que o livre-arbítrio é uma ilusão, não é apenas uma crença sem fundamento algum. Ele não dá respostas, deixa o leitor fazer sua própria reflexão quanto a isso.

  15. Gorducho Diz:

    Me mostre onde ele reconhece nas palavras dele, sem tentar me enrolar com citações de terceiros, tá :?:
     
     
    ===============================================================
    E daí? O filme da ORF não foi o único filme feito de Jaytee.
    ===============================================================
    Mas foi o que se viu; então era fundamental vê-lo todo.
    Mas está assente que não foi culpa do Sheldrake.
    Provavelmente apagaram pra aproveitar a fita de teipe.

  16. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Me mostre onde ele reconhece nas palavras dele, sem tentar me enrolar com citações de terceiros, tá :?:
    .
    Alex Tsakiris: You know, I wonder if there’s any way to go back and re-analyze some of the work that you and Rupert did with the J.T. experiments? I mean, there’s still the videos, there’s still the data. He’s still out there suggesting that when you take your data and you plot it with his criteria, it’s a replication of his work. Is there some way to take that data and take a fresh look at it and see if it really is robust in that way?
    .
    Dr. Richard Wiseman: Well, yeah, I mean, I suspect it’s quite problematic because it depends how the data is collected, so I don’t think there’s any debate, but the patterning in my studies are the same as the patterning in Rupert’s studies. That’s not up for grabs. That’s fine. It’s how it’s interpreted.
    .
    Note que ele não diverge que replicou os estudos de Sheldrake. Ele deixou bem claro por 3 vezes que sim, replicou. Só diverge da interpretação.

  17. Gorducho Diz:

    Perfeito: dos testes não se conclui que o cão + a dona fossem telepatas.
    Assim como da luzinha da vela refletida no espelho do galvanômetro ter se mexido tantos graus britânicos marcados sobre a régua não se conclui que um espírito se materializou.

  18. Vitor Diz:

    Mais uma vez: não se conclui apenas se o Wiseman ignorar os experimentos do Sheldrake e os dele próprio. Fora isso, se conclui sim. Mas essa não é a questão. A questão é se o Wiseman replicou os dados ou não. E como é visível a qualquer um, replicou sim.

  19. Gorducho Diz:

    Mas a questão não era de replicar ou não, e sim de se disso se poderia inferir telepatia hominal ↔ animal.

  20. Vitor Diz:

    Pode inferir sim. A revista Anthrozoos (revisada por pares, com fator de impacto) publicou o artigo de Sheldrake com o cachorro Kane em que ele diz textualmente:
    .
    In the present case, the hypothesis that best fits the facts is that Kane himself responded telepathically to his owner’s thoughts and intentions when she was on the way home. The problem with this suggestion is that some people reject the very possibility of telepathy on theoretical grounds (e.g. Humphrey 1995). And even among those who regard the existence of telepathy as a question to be answered empirically rather than theoretically, no one knows how it might work. Nevertheless, there is already much empirical evidence for person-to-person telepathy (for a review and meta-analysis of experimental research, see Radin 1997) and also for person-to-animal telepathy (reviewed by Sheldrake 1999a).
    .
    http://www.sheldrake.org/articles/pdf/55.pdf

  21. Gorducho Diz:

    Sim, o Sheldrake diz.
    O Crookes também diz textualmente que ovos fosforescentes de peru podem voar.
    Tem gente que diz textualmente que é possível extrair tumores por levitação.
     
    É isso: S/Pessoa está sempre pondo conclusões de Crédulos na boca do Wiseman.

  22. Vitor Diz:

    Não estou pondo na boca do Wiseman. Estou dizendo que OS DADOS permitem SIM inferir que existe telepatia hominal ↔ animal. E que revistas científicas fora da parapsicologia acharam a pesquisa digna de publicação. O Wiseman levou 10 anos só para admitir que havia replicado os dados do Sheldrake, para admitir que ficou provada a telepatia hominal ↔ animal ele precisa de uns 100 ainda.

  23. Vitor Diz:

    Diferenças entre Crookes e Sheldrake:
    .
    1) Sheldrake filmou os experimentos. Crookes não.
    .
    2) Jaytee ou Kane nunca foram pegos em fraude. Florence Cook sim.
    .
    3) Já replicaram os experimentos com o galvanômetro e viu-se que a fraude era possível. O mesmo não se deu com os cães telepatas.

  24. Gorducho Diz:

    Cansei…
    Leve as fichas.
    :P

  25. Espirita Sp Orlando Diz:

    Este caso me lembrou do cão Lorde…
    Lindos Casos de Chico Xavier – Ramiro Gama – “José e Chico Xavier possuíam um lindo cão. Chamava-se Lorde. Era diferente de outros cães. Possuía até dons mediúnicos. Conhecia, nas pessoas que visitavam seus donos, quais os bem intencionados, quais os curiosos e aproveitadores. Dava logo sinal, latindo insistentemente ou mudamente balançando a cauda, à chegada de alguém, dizendo nesse sinal se a visita vinha para o bem ou para o mal…”

  26. Espirita Sp Orlando Diz:

    http://www.ippb.org.br/textos/especiais/editora-vivencia/os-animais-no-plano-espiritual

    nosso prezado confrade Divaldo Pereira Franco contou-me, certa feita, que há alguns anos, esteve em determinada cidade brasileira, para uma conferência e, ao ser recebido na casa que iria hospedá-lo, assustou-se com um cachorro grande, que lhe pulou no peito. A anfitriã percebeu-lhe a reação:

    - O que foi, Divaldo?

    Foi o cachorro, mas está tudo bem!

    Que cachorro, Divaldo, aqui não tem cachorro nenhum!

    - Tem sim, esse pastor aí!

    - Divaldo, eu tive um cão da raça pastor alemão, mas ele morreu há um ano e meio!

    E Divaldo concluiu: – era um cão espiritual!

    Segundo o meu entendimento, é possível e até muito provável que esse cão desencarnado ainda estivesse por ali, no ambiente doméstico que o acolheu por muitos anos, tendo sua presença sido detectada pela mediunidade de Divaldo Franco.

  27. Gorducho Diz:

    Isso sim é e-telepatia comprovada!
    Semana passada recebi um envelope grande, de início fiquei pensando daonde seria…
    Era um catálogo + 1 exemplar de espiritismo Kids
    A historinha de Lorde o cachorrinho de Chico Xavier
    Conheça o amor do médium pelos animais e brinque com um lindo Quebra-cabeça

    :!:
    Veio daonde eu encomendei o livro do (vero) Dr. Bezerra.
    E o mimo surtirá efeito pois pretendo encomendar os 2 primeiros volumes.
    Especulo que recuando no tempo terá uma taxa maior de bizarrismos 7 causos engraçados (o vol. 3 começa com a pimenteira que subiu o morro…).

  28. montalvão Diz:

    /
    /
    MARCIANO said: “Sirvo-me da oportunidade para enviar ondas telepáticas para os cães do Presidente da Bancada, já totalmente recuperado de seu nervous breakdown.
    - Aí, cachorrada, comuniquem a seu “dono” que a presença dele faz-se necessária aqui.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: (transmissão recebida com sucesso, à qual respondo…)
    .
    1 – Minha presencial presença não se faz necessária: cês dão conta do recado melhorqueu.
    /
    2 – Apenas chamo-lhe a atenção para as ilustrações vitorianas: no afã de comprovar as crenças que apanigua vem dessas ilustrações dando interpretações falaciosas e perigosas. Confira e sempre requeira mais texto, porque ele costuma parar quando acha que está ganhando e não considera importante mostrar a história por inteiro.
    /
    .
    De qualquer modo, já que cá estou, proveito para dar resumo desse imbróglio e depois apresento ilustrações conversativas dos descaminhos raciocinativos do Visoni. Desconfio que ele sabe que se pronuncia falaciosamente, entretanto a torcer não dá o braço, visto que fazê-lo significaria abrir mão de seus tesouros de crendice. Essa abridura de mão terá que ocorrer paulatinamente: se for súbita há o risco de crise depressiva aguda.
    .
    O resumo é o seguinte: em momento algum o Visoni mostrou o Wiseman admitindo ter achado igual resultado que o Sheldrake. O que o entrevistado disse é que seguiu o mesmo modelo do abestado e… NÃO ACHOU TELEPATIA CANINA ALGUMA!
    .
    Essa parte – do Wiseman negando ter deparado telepatia no dog experimental – o Visoni sesquece de mostrar ou de enxergar…
    .
    Mas foi o que ocorreu: o pesquisador repudiou a telepatia canina, daí adveio a queixa de Sheldrake: o advogado da telepatia de cães alega que Wiseman viu o fenômeno mas o negou… confira:
    /
    ———————————————.
    “COM O AUXÍLIO DE SEU ASSISTENTE, MATTHEW SMITH, ELE [WISEMANN] FEZ QUATRO EXPERIÊNCIAS COM JAYTEE, duas em junho e duas em dezembro de 1995, e em todas Jaytee foi à janela esperar por Pam quando esta realmente estava a caminho de casa.
    .
    Conforme em minhas próprias experiências, ele às vezes ia à janela em outros momentos, por exemplo para latir ao passarem gatos, mas ele ficava na janela muito mais tempo quando Pam estava de volta a casa do que quando ela não estava.
    .
    Wiseman fez as três experiências no apartamento dos pais de Pam, Jaytee ficava na janela em média 4% do tempo durante o período principal da ausência de Pam, e 78% do tempo quando ela estava a caminho de casa. Esta diferença foi estatisticamente significativa. Quando os dados de Wiseman foram esboçados em gráficos, eles mostraram essencialmente o mesmo padrão que os meus dados.
    .
    EM OUTRAS PALAVRAS, WISEMAN REPRODUZIU MEUS PRÓPRIOS RESULTADOS.
    .
    EU FIQUEI SURPRESO AO OUVIR QUE NO VERÃO DE 1996 WISEMAN FOI A UMA SÉRIE DE CONFERÊNCIAS, INCLUSIVE AO CONGRESSO WORLD SKEPTICS, ANUNCIANDO QUE REFUTOU O FENÔMENO DO ‘CACHORRO PSÍQUICO’.
    .
    Ele disse que Jaytee falhou em seus testes porque este foi para a janela antes de Pam começar a voltar a casa.
    .
    EM SETEMBRO DE 1996 EU ENCONTREI WISEMAN E ASSINALEI QUE SEUS DADOS MOSTRAVAM O MESMO PADRÃO QUE OS MEUS, E QUE, LONGE DE REFUTAR O EFEITO QUE OBSERVEI, SEUS RESULTADOS CONFIRMAVAM-NO. Eu dei a ele cópias dos meus próprios gráficos e os dados das experiências que ele e Smith conduziram com Jaytee.
    .
    MAS ELE IGNOROU TAIS FATOS.
    .
    ELE REITEROU SUAS CONCLUSÕES NEGATIVAS NUM ARTIGO QUE ENVIOU AO BRITISH JOURNAL OF PSYCHOLOGY JUNTO COM SMITH E JULIE MILTON. ESTE ARTIGO APARECEU EM AGOSTO DE 1998, a som de trombetas pela publicidade cética na mídia britânica; apresentado por uma manchete que acompanhava a divulgação do artigo. (Wiseman, R., Smith, M and Milton, J. Can animals detect when their owners are returning home? An experimental test of the ‘psychic pet’ phenomenon. British Journal of Psychology 89, 453-462).”
    (Tratando os céticos com ceticismo: Sheldrake Vs. Wiseman. Os experimentos com Jaytee – por Rupert Sheldrake)

    ———————————————.
    .
    CONSIDERAÇÃO atual: então veja, quem tenha olhos de ver: Sheldrake reclamava que Wiseman não quis aceitar seus cães telepatas!
    .
    Ora, se Wiseman, em várias ocasiões, contradisse enfaticamente a telepatia canina, por que iria admiti-la a Tsarikis? O que ocorrera de novidade para que essa suposta mudança opinativa sucedesse?
    .
    E quando Wiseman (talvez por deferência) afirmara que a hipótese demandava mais pesquisas, o Visoni entendeu que o pesquisador procurasse saída a fim de não reconhecer explicitamente que cães telepatizam! Nada dilso wilso! Mais pesquisas sim: para que essa tola suposição seja de vez sepultada. Com poucas experimentações, por poucos experimentadores, sobra margem de conforto para que Sheldrake alegue que estejam de má vontade ante suas “robustas” demonstrações…
    /
    /
    PEQUENO RETROSPECTO DO JÁ CONVERSADO, acrescido de considerações atuais.
    /
    VISONI: já as suas críticas é sempre o que temos visto aqui… uma sucessão de erros (como dizer que Wiseman não replicou, quando ele mesmo admitiu que encontrou o mesmo padrão…).
    /
    MOI: cadê o restante da declaração de Wisemann?
    /
    VISONI: MAIS IMPORTANTE que o restante da declaração, é a pergunta que ele respondeu:
    .————————————————.
    ALEX TSAKIRIS: You know, I wonder if there’s any way to go back and re-analyze some of the work that you and Rupert did with the J.T. experiments? I mean, there’s still the videos, there’s still the data. He’s still out there suggesting that when you take your data and you plot it with his criteria, it’s a replication of his work. Is there some way to take that data and take a fresh look at it and see if it really is robust in that way? And it really can be – and it’s one experiment, I mean, let’s get that clear, too…
    /
    “ALEX TSAKIRIS: Você sabe, eu me pergunto se há maneira de voltar e re-analisar alguns dos trabalhos experimentais que você e Rupert fizeram com o J.T.? Quero dizer, ainda há os vídeos, ainda há os dados. Ele ainda está sugerindo que quando você pega seus dados e os reproduz com seus critérios, é uma replicação de seu trabalho. Existe alguma maneira de tomar esses dados e ter um novo olhar para ele e ver se ele é realmente robusto de algum modo? E isso realmente pode ser – e é um experimento, quero dizer, vamos deixar isso claro, também …”
    . .————————————————.
    .
    VISONI: Veja que O ENTREVISTADOR PERGUNTA AO WISEMAN SE É POSSÍVEL DIZER QUE ELE REPLICOU O TRABALHO de Sheldrake. E a resposta:
    .
    .————————————————.
    DR. RICHARD WISEMAN: Well, yeah, I mean, I suspect it’s quite problematic because it depends how the data is collected, so I don’t think there’s any debate, but the patterning in my studies are the same as the patterning in Rupert’s studies. That’s not up for grabs. That’s fine.
    ./
    “WISEMAN: Bem, sim, quero dizer, eu suspeito que isso é bastante problemático, porque depende de como os dados são coletados, então eu não acho que haja qualquer debate, mas o padrão em meus estudos são os mesmos que os padrões de Rupert. Isso não é para ganhar. Isso é bom.”
    .————————————————.
    /
    CONSIDERAÇÃO atual: observe, Visoni, que o entrevistador pergunta – diferentemente do que você “viu” – se é possível a Wiseman dar uma nova olhadela no material… Na sequência, Tsarikis chama a atenção para a alegação de Sheldrake de que seu contraditor chegara à telepatia embora negasse… Então, o entrevistador conclama Wiseman a que esclareça esse ponto…
    ./
    /
    VISONI: Admitiu que replicou. O próprio Sheldrake publicou que Wiseman replicou sua pesquisa e os revisores não viram qualquer problema:
    .
    .————————————————.
    In other words Wiseman replicated my own results. Em http://www.sheldrake.org/reactions/richard-wiseman-s-claim-to-have-debunked-the-psychic-pet-phenomenon
    .
    SHELDRAKE: “Em outras palavras Wiseman replicou meus próprios resultados. Em [...]”
    .————————————————.
    /
    .
    VISONI [falando pro Moi]: Agora se vc quiser discutir com os revisores e com o próprio Wiseman aí é problema seu.
    /.
    .
    CONSIDERAÇÃO atual: percebam: Tsakiris perguntava a Wiseman se havia jeito dele rever o material de Sheldrake para [quem sabe?] ter dele outra visão e encontrar o que antes não achara.
    .
    A afirmação de que o experimento fora replicado é de Sheldrake, não de Wiseman…
    /
    .
    VISONI: E dez anos depois Wiseman teve que admitir ter achado igual retorno, como mostrado na entrevista de 2007.
    ./
    CONSIDERAÇÃO atual: creio que agora está devidamente municiado para entender que wiseman “não teve que admitir” e não admitiu nada do que o mal leitor entendeu. Visoni sofre alucinações validativas: pondo em bocas alheias declarações que essas bocas não proferiram…
    /
    Para piorar, o Visoni “reforça” seu argumento enfatizando que – pasmem! – Sheldrake pensa que nem ele! Quer dizer, Rupert e Visoni irmanados na mesma doidivana pretensão de transformar Wiseman em arauto da canipatia telenina, digo, telepatia canina!
    .
    Só que ao seguir por esse caminho os dois se complicam. Confira o devir do acontecimento:
    .
    1 – Wiseman declarou, em diversas ocasiões, durante palestras e por escrito, que refutara a telepatia canina. Sheldrake ficou puto e denunciava ter disponibilizado material para que o pesquisador enxergasse melhor os fatos, em vão.
    .
    2 – passados alguns anos, Wiseman, respondendo a uma inquirição de Tsakiris, informou que não via motivos para reexaminar o trabalho do apologista da telepatia canina.
    .
    3 – Sheldrake aproveitou esse pronunciamento e malabarizou a palavra de Wiseman, metamorfoseando-o de negador em reconhecedor da interação telepática entre o cão e sua dona. E o Vitor, coitado, embarcou nesse arrombado Titanic. Parece não saber que Sheldrake é especializado em piruetas retóricas.
    .
    4 – Então, passado mais algum tempo, Wiseman voltou ao assunto, mantendo sua coerente posição contrária ao canino telepata, e dando interpretação para a movimentação do cachorro durante as experiências.
    /.
    Essa sequência de fatos deveria deixar o Visoni esperto para a falácia de seu guru em telepatia canina. É óbvio que, se Wiseman em 1996, em 1998, e em 2000 negou o cão telepata, e ainda em 2011 manteve o mesmo ponto de vista, por que em 2007 daria retrocederia?
    /
    Porém, o Visoni não desiste, e insiste:
    ————————————————.
    “Sem contradições. O título é “A alegação de Richard Wiseman te der desmascarado o fenômeno do animal doméstico [ou de estimação] psíquico”. Quando se lê o conteúdo, SHELDRAKE ESTÁ JUSTAMENTE DIZENDO QUE WISEMAN VOLTOU ATRÁS NA ALEGAÇÃO”
    ———————————————-.
    /

    Ora, ora, carambola: o Visoni percebe e reconhece que é o Sheldrake quem diz que o Wiseman voltou atrás! Visoni faz das palavras do Sheldrake palavras do Wiseman!
    /
    Portanto, quando o sábio G-Poa disse: “nunca é bem assim”, estava sendo, além de clarividente, profético!
    /
    Se o Visoni atentasse para a advertência contida em “Impostura Científica, em 10 Lições”, que ele conhece, não teria se deixado engabelar por Sheldrake…
    .
    ———————————.
    “Sheldrake possui um senso agudo da imprecisão, que lhe permite amalgamar sem temor noções heterogêneas como as de estrutura e de forma”
    [...]
    “Quando ele quer fechar a morfologia dos cristais e a dos organismos vivos dentro de um mesmo esquema explicativo, Sheldrake passa por cima de uma noção crucial da ciência experimental: a ordem de grandeza. Em física, uma teoria, um tipo de descrição que se aplica a uma certa escala em geral não é transferível para uma escala muito maior ou muito menor. Os efeitos que se observam na escala dos elétrons são totalmente diferentes dos que se manifestam na escala de uma bola de futebol.
    [...]
    Entre o átomo e a célula [...] há saltos de escala bem mais consideráveis[...] O número de nossas células, por sua vez, conta-se em centenas de bilhões. O número de átomos contidos na totalidade de nossas células é da ordem de bilhões de bilhões de bilhões. Ou seja, em média, dez milhões de bilhões de átomos por célula.
    .
    Sheldrake transpõe essas gigantescas diferenças de escala como se fossem saltos de pulga.
    .
    Um animal é um conjunto de células feitas de moléculas, elas próprias feitas de átomos formados, por sua vez, de partículas quânticas. Para Sheldrake, tudo isso se encaixa como bonecas russas. Um campo morfogenético está associado a cada grau da hierarquia. Mas de que modo os efeitos de todos esses campos se harmonizam com todas as escalas em que agem? É impossível se eles obedecerem às leis conhecidas da física. Porque seria necessário, no mínimo, que os “campo M” de Sheldrake obedecessem ao mesmo tempo à física clássica e à teoria quântica, o que é contraditório.
    .
    A ciência ortodoxa resolve o problema graças à noção de ordem de grandeza: abaixo de uma certa dimensão, é necessário servir-se de equações quânticas para descrever os fenômenos; acima, pode-se utilizar uma descrição clássica.
    .
    Sheldrake não leva em conta as ordens de grandeza, mas isso não o incomoda muito, porque, segundo ele, os “campos M” não correspondem a nada conhecido [...]”
    ./
    O declarado acima é confirmado pelo próprio Sheldrake: no livro que inspira o presente tópico, na pág. 27, lemos: [...]“NINGUÉM SABE como os fenômenos da morfogênese se relacionam com a física, seja ela convencional ou não convencional.”

    /
    /
    ♩ ♩ACORDA, ACORDA, ACORDA… ACORDA VISONI! ♬ ♬

  29. Gorducho Diz:

    Claro, foi o que eu disse pra ele.
     
    =================================================
    20:55 211°
    20:58 208°
    20:59 215°
    21:00 209°
    21:02 214°
    21:04 213° resistência = 6500 unidades britânicas
    =================================================
     
    Ok, ninguém discorda do registro de leituras.
    Conclui-se que um espírito se materializou :?:
     
     
    Mas não adianta: ele ganha pelo cansaço num tema xarope que não produz interesse e portanto não motiva xecar e contestar.
    Matou o próprio fórum dele que fez tão excelente trabalho.
    Fazer o que :(

  30. Gorducho Diz:

    Uma dúvida e por que talvez possa causar confusão em leitores outros também…
    campo morfogenético proper foi uma hipótese válida dentro da Biologia de verdade no início do século passado, que depois se viu deprecada, e o Sheldrake repaginou o conceito adaptando-o aos delírios dele.
    Não foi assim?

  31. Gorducho Diz:

    Não lhe parece, Analista Montalvão, análogo à memória d’água que constitui o princípio de funcionamento da homeopatia?

  32. montalvão Diz:

    /
    ==================.
    Gorducho Diz:
    Claro, foi o que eu disse pra ele.
    [...]
    Ok, ninguém discorda do registro de leituras.
    Conclui-se que um espírito se materializou?
    /
    Mas não adianta: ele ganha pelo cansaço num tema xarope que não produz interesse e portanto não motiva xecar e contestar.
    Matou o próprio fórum dele que fez tão excelente trabalho.
    Fazer o que?
    ==================.
    .
    CONSIDERAÇÃO: Fazer o quê?… Boa pergunta…
    .
    Pelo Visoni podemos fazer vários procedimentos, dentre os quais rezar para que seu espírito atinja nível de esclarecimento compatível com a elevada capacidade mental que possui.
    .
    E, como o caso em pauta é o da fantasia da telepatia canina, nada como estimular e acompanhar o paulatino desvelamento de sua visão embaçada pelos devaneios em que mergulhou. (Entendeu essa Marciano: telepatia canina ☛ paulatino esclarecimento? ☺)
    .
    Então no dia em que lhe caírem as escamas dos olhos ele lembrará gratificado que você muito contribuiu para o, ainda que tarde, seu (dele) despertar.
    .
    Continue, pois.

  33. Gorducho Diz:

    Não, desisti. Ele que “ganhe” por insistência.
    Só me manifestei porque de fato houve e-telepatia c/o Dr. no causo do Lorde!
     
    Essa temática é muito chata, desmotiva a gente de pesquisar pra rebater.

  34. Marciano Diz:

    MONTALVÃO, eu já afirmei aqui anteriormente, inúmeras vezes, que VITOR está indo no caminho certo.
    Quanto mais ele perder tempo com essa droga, quanto mais estudar os “fenômenos” anomalucos da Ψ, mais perto chegará do descamamento dos olhos.
     
    É questão de tempo.
    Ele defendia o espiritismo com o mesmo afinco.
     
    Seria um processo mais rápido se fizesse como o VINICIUS, e deixasse de lado o método coach potato (também conhecido como armchair research).
     
     
    No mais, concordo com GORDUCHO, cujo saco é bem maior do que o meu.
     
    Enough is enough and this subject is very, very boring.

  35. montalvão Diz:

    /
    Gorducho Diz:
    Uma dúvida e por que talvez possa causar confusão em leitores outros também…
    campo morfogenético proper foi uma hipótese válida dentro da Biologia de verdade no início do século passado, que depois se viu deprecada, e o Sheldrake repaginou o conceito adaptando-o aos delírios dele.
    Não foi assim?
    /
    CONSIDERAÇÃO: na biologia o conceito de campo morfogenético está ligado à embriologia. Não sei dizer se a hipótese foi abandonada, mas há artigos recentes falando do assunto e dando a impressão de que a ideia continua ativa. Mais ou menos entendo que esse campo morfogenético diz respeito a certas áreas (ou conglomerados) de células fetais que não estariam ligadas a uma programação genética.
    .
    Já Sheldrake vai muito além dos campos morfogenéticos da biologia. À semelhança do ectoplasma místico, que extrapola em muito o biológico, Sheldrake leva sua morfogenia a êxtases viso-vitorianos.
    .
    Para Sheldrake, o conceito maior, abrangente é o de “campo mórfico”, que se subdivide em vários segmentos: campo morfogenético, campo social, campo comportamental e sabe-se mais lá o quê… vai ver até o campo do Vasco deve estar inserido na douda visão sheldrakeana. Eu, numa primeira olhadela, diria que os mórficos de Sheldrake assemelham-se ao fluido universal.
    .
    O campo morfogenético explica tudo: por que telepatizamos, a psicocinese, os aviões que caem, os que continuam no ar, a flacidez pintular, os latidos caninos, as crenças do Visoni… todo o universo sheldrakeano ecoa em ressonância mórfica…
    .
    O fundamento maior desse arroubo imaginativo está na visão panteísta do cosmo, ou seja: tudo está no todo. As coisas emanam desse todo, tomam temporariamente formas específicas e a ele retornam, ad aeternum. Esse modo de pensar é fértil e permite ilações das mais variadas procedências, incluindo os campos mórficos de Sheldrake. Pode-se, por exemplo, postular que o “todo”, em sua essência, é constituído dos elementos dispersos pelo universo (as partículas atômicas). Essas partículas podem assumir inumeráveis formas, as quais refulgem por um tempo até tornarem ao estado primitivo…
    .
    Pode até não ter fundamento algum, mas é gostoso deixar a mente esvoaçar nas mais extasiantes suposições… Por isso muitos e não poucos se encantam com tais devaneios…

  36. montalvão Diz:

    /
    Gorducho Diz:Não lhe parece, Analista Montalvão, análogo à memória d’água que constitui o princípio de funcionamento da homeopatia?
    /.
    CONSIDERAÇÃO: Eu acho que Sheldrake daria para a homeopatia explicação, digamos, mais sheldrakeana, substituindo a memória paid’égua pela ressonância mórfica. Assim, os elementos ausentes nas formulações homeopáticas, devido às “dinamizações”, em vez de deixarem registros memorativos-terapêuticos de suas presenças, ressoariam mórficamente em nível quântico, produzindo os benéficos efeitos almejados…

  37. montalvão Diz:

    /
    Quando falei: “Pode até não ter fundamento algum” não me referia ao fato de as coisas serem, em última (ou primeira) instância constituídas de partículas atômicas e depois que se desagregam retornam a esse estado primevo, por que é isso o que sucede.
    /
    A falta de fundamento está nas variadas proposições de feição panteísta (qual os campos de Sheldrake; o fluido universal de Kardec – não que kardec advogasse o panteísmo mas seu fluido era dessa índole; o prana; a “reencarnação” budista; a quântica mística…)

  38. Espirita Sp Orlando Diz:

    Como assim Gorducho? Houve telepatia sim. Involuntária. É assim que as coisas acontecem, sem forçar. Você recebeu um encarte do cachorrinho do Chico bem na semana que falei dele aqui?

  39. Vinicius Diz:

    Segundo o deslumbrado biografo Ramiro Gama:
     
    “Possuía até dons mediúnicos. Conhecia, nas pessoas que visitavam seus donos, quais os bem intencionados, quais os curiosos e aproveitadores.”
     
    Segundo outros esse cão foi envenenado pelas irmãs do Chico. Nesse caso não usou o dom pro seu proveito pessoal, deve ser essa a explicação :!: (assim como João de Deus não evocou o médico alemão para lhe ajudar com o cancer)…
    http://www.animaistambemtemalma.com.br/2011/08/importancia-de-lorde-para-chico-xavier.html
     
    GORDUCHO, se você comprar mais livros ganha um quebra cabeças é isso? quantas peças tem o QC? só faltam fazer albuns de figurinhas e bonecos!

  40. Gorducho Diz:

    1 semana antes, mais ou menos.
    Não é encarte, é um exemplar da revista Espiritismo kids cujo destaque de capa é uma comics sobre o Lorde!
    E Quebra-Cabeças relativos a ele + CX.
    Tem outra sobre a vida do Mozart em Júpiter.
     
    Todo esse esforço chato e inútil da Casa pra provar estatisticamente a telepatia, e nós provamos direto.
    Por isso digo: Sobrenatural não tem caráter estatístico!
     
     
    Boa Nova editora e distribuidora de livros
    http://www.boanova.net

  41. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “O resumo é o seguinte: em momento algum o Visoni mostrou o Wiseman admitindo ter achado igual resultado que o Sheldrake. O que o entrevistado disse é que seguiu o mesmo modelo do abestado e… NÃO ACHOU TELEPATIA CANINA ALGUMA!”
    .
    Não, meu caro, você mais uma vez mostra problemas de interpretação. Deixe-me repostar o diálogo (com leves alterações na tradução, e acréscimos) em que mostra-se que Wiseman admitiu francamente ter replicado a pesquisa de Sheladrake.
    .
    “ALEX TSAKIRIS: Você sabe, eu me pergunto se há maneira de voltar e reanalisar alguns dos trabalhos experimentais que você e Rupert fizeram com o J.T.? Quero dizer, ainda há os vídeos, ainda há os dados. Ele ainda sugere que quando você pega seus dados e os reproduz com seus critérios, é uma replicação do trabalho dele. Existe alguma maneira de tomar esses dados e ter um novo olhar para eles e ver se são realmente robustos assim?”
    .
    “WISEMAN: Bem, sim, quero dizer, eu suspeito que isso é bastante problemático, porque depende de como os dados são coletados, mas eu não acho que haja qualquer debate, o padrão [DOS DADOS] em meus estudos é o mesmo que o de Rupert. Isso não está em disputa. Isso está OK. [A questão] é como eles são interpretados”.
    .
    Assim fica bem claro que Wiseman NÃO nega mais a REPLICAÇÃO dos resultados. Ele só questiona a INTERPRETAÇÃO deles. Essa é a verdadeira questão.
    .
    MONTALVÃO DISSE: ” É óbvio que, se Wiseman em 1996, em 1998, e em 2000 negou o cão telepata, e ainda em 2011 manteve o mesmo ponto de vista, por que em 2007 daria retrocederia?”
    .
    Em 2011 ele NÃO manteve o mesmo ponto de vista, meu caro. Em NENHUM momento do artigo dele ele diz que fracassou em replicar os resultados de Sheldrake. Ele simplesmente quis tentar empurrar duas explicações normais para os dados, uma delas ele mesmo refuta, só sobrando uma, que já havia sido refutada por Sheldrake e pelos próprios dados de Wiseman. O artigo de 2011 pode inclusive ser visto como uma admissão implícita de que ele replicou dos dados (já que ele não nega, e ele deveria ter negado, já que foi avisado em 2007 por Alex Tsarikis que Sheldrake propagava aos 4 cantos do mundo que ele, Wiseman, na verdade, replicou os dados dele). Já a entrevista de 2007 é uma admissão explícita. E já reveladora da tática que Wiseman usaria em 2011 (ele não negaria mais a replicação, apenas ofereceria uma interpretação normal caduca).

  42. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Ok, ninguém discorda do registro de leituras.
    Conclui-se que um espírito se materializou :?:
    .
    Não, porque foi demonstrado que a fraude era possível da parte de Florence Cook. O mesmo não se pode dizer sobre o cãozinho Jaytee. Tente melhorar seus argumentos da próxima vez.

  43. Vinicius Diz:

    “Tem outra sobre a vida do Mozart em Júpiter.”
     
    E essa vida do Mozart também para crianças? :mrgreen:
     

  44. Gorducho Diz:

    Não, o Quebra-Cabeças vem depois da história: recorta-se e cola-se nas posições adequadas pra formar a imagem do cão.
    CX olha sobre a página.
     
    Eu é que vou comprar os volumes I + II pra completar a série do Dr. “Max” Bezerra.
     
     
    Tem outra comics sobre um fato verídico dum indivíduo que tentaram enforcar 3x em Londres, fevereiro de 1905.
    Acusado de matar a patroa de longa data – claro que injustamente.
    Testavam a alavanca do alçapão da forca e ela funcionava; mas quando punham ele ela trancava.
    O juiz e o promotor ficaram impressionados; o promotor resolveu estudar melhor e decerto viu que as evidências eram fracas. Soltaram ele.
    É que ele fora um nobre mas falsário que falsificando documentos se apropriava de bens.
    Um servo de confiança dele sabia de tudo e ele ficou com medo que o servo abrisse a boca.
    daí armou uma acusação de roubo contra o servo. E que o servo era um assaltante e tinha matado um funcionário público.
    Mas quando iam degola-lo bateu o remorso e ele correu e disse que o vero ladrão tinha devolvido o roubo (pro nobre falsário que armara a acusação).
    E encontraram o verdadeiro assassino que também confessou o crime.
    Ele levou o servo de volta pra casa e cuidou muito bem dele. O servo nunca ficou sabendo que a prisão e quase-degola tinha sido armação do amo.
    Mas daí desencarnado ele juntou outros espíritos pra ajudar e seguraram a alavanca porque seria injusto morrer injustamente quem se arrependera sinceramente.
     
     
    Obvio que estou c/a revista em mãos…

  45. Gorducho Diz:

    Sim, claro. A revista é pra nós crianças.
    Depois explica quem foi ele e que ele num mundo (Júpiter) mais belo e adiantado que a Terra.
    Também tem uma foto de Júpiter, dados físicos, e explica – claro que deixa “sutilmente” uma certa ambiguidade :mrgreen: – que os “espíritos” (não diz habitantes como deveria, percebe?) de lá são moralmente mais “evoluídos”.

  46. Gorducho Diz:

    Ah! não. Antes fala que a vida dos habitantes de lá deve ser numa matéria mais sutil que a da Terra.
     
    Deve ter a sutileza do hidrogênio metálico, acho.

  47. Gorducho Diz:

    ===============================================================
    Tente melhorar seus argumentos da próxima vez.
    ===============================================================
    Tente citar o Wiseman da próxima vez; pare de ficar colocando conclusões de 3°s na boca dele :P

  48. Gorducho Diz:

    ===============================================================
    [A questão] é como eles são interpretados.
    ===============================================================
    Exatamente! A questão é como a luzinha da vela é interpretada.

  49. Gorducho Diz:

    Obviamente não fala como o Lorde teria morrido…
    Só CX aparece dizendo que sentiu muito sua morte e fez-lhe grande falta.
    Conta ainda que quando CX orava ele botava as patas sobre a cama (provavelmente as 2 dianteiras simulando uma genuflexão, não?) e ficava em atitude de recolhimento.
    Às vezes durante preces muito sentidas os olhos dele ficavam cheios de lágrimas.
     
    By the way… Analista Montalvão: já observou cachorro chorar?
    Uma que ria tivemos…

  50. Larissa Diz:

    - O que foi, Divaldo?
    Foi o cachorro, mas está tudo bem!
    Que cachorro, Divaldo, aqui não tem cachorro nenhum!
    - Tem sim, esse pastor aí!
    - Divaldo, eu tive um cão da raça pastor alemão, mas ele morreu há um ano e meio!
    E Divaldo concluiu: – era um cão espiritual!
    .
    Minha resposta: CID 10

  51. Larissa Diz:

    Qual seria cabe debate: http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/WebHelp/cap05_3d.htm

  52. Larissa Diz:

    F 16???
    :D

  53. montalvão Diz:

    ==================.
    Como assim Gorducho? Houve telepatia sim. Involuntária. É assim que as coisas acontecem, sem forçar. Você recebeu um encarte do cachorrinho do Chico bem na semana que falei dele aqui?
    ===================.
    /
    CONSIDERAÇÃO: isso não é telepatia, isso se chama “sincronicidade”, junguianamente falando, naturalmente…

  54. montalvão Diz:

    /
    ======================.
    Em 2011 ele NÃO manteve o mesmo ponto de vista, meu caro. Em NENHUM momento do artigo dele ele diz que fracassou em replicar os resultados de Sheldrake. Ele SIMPLESMENTE QUIS TENTAR EMPURRAR duas explicações normais para os dados, uma delas ele mesmo refuta, só sobrando uma, que já havia sido refutada por Sheldrake e pelos próprios dados de Wiseman. O artigo de 2011 pode inclusive ser visto como uma admissão implícita de que ele replicou dos dados (já que ele não nega, e ele deveria ter negado, já que foi avisado em 2007 por Alex Tsarikis que Sheldrake propagava aos 4 cantos do mundo que ele, Wiseman, na verdade, replicou os dados dele). Já a entrevista de 2007 é uma admissão explícita. E já reveladora da tática que Wiseman usaria em 2011 (ele não negaria mais a replicação, apenas ofereceria uma interpretação normal caduca).
    =====================.
    /
    CONSIDERAÇÃO: ruim não é quando o sujeito desiste e queda-se em mutismo silente, como parecia ser, ruim é quando insiste na cabeçadurice, conforme o Gorducho sabiamente denunciou.
    .
    Continua jogando com as palabras, e jogando mal: isso é mau…
    .
    REPLICAR tanto pode ser questionar, quando reproduzir… Em experimentos científicos quando se diz que tal resultado foi replicado, significa que o experimentador chegou a igual termo que outro que o antecedeu.
    .
    Então, compare o que aconteceu e o que você (seguindo Sheldrake) quis que acontecesse.
    .
    Rupert experimentou cães, pra ver se telepatizavam (já que com humanos ele tinha certeza de que sim) e concluiu positivamente. Publicou seus dados firmando que telepatia canina é pura realidade.
    .
    Wiseman foi lá e experimentou do mesmo modo que Sheldrake, E NÃO ACHOU TELEPATIA ALGUMA, inclusive proporcionou explicação para a enganosa e espantosa alegação do psicólogo. Quer dizer, onde um cientista encontrou prova de telepatia outro nada encontrou.
    .
    Aí, veio Sheldrake e bufou: “NÃO, se ele fez conforme eu fiz ele tem que achar a telepatia!”. E Wiseman cariciosamente replica: “nada disso, meu jovem, não há telepatia canina, você apenas superexaltou a movimentação do cão e a direcionou para o lado que pretendia”. E deve ter acrescentado: “lembre-se: alegações extraordinárias, exigem provas extraordinárias, portanto, se queres provar que existem caninopatas, mais experimentos serão necessários”.
    .
    Mas, Sheldrakesoni não desiste e insiste: “meus dados estão ai, minhas tabelas, minhas panelas, aquarelas, e as concluselas: todas apontam para a telepatia”.
    .
    Wiseman, ainda calmo, obtempera: “Só se for no mundo que criou para divertir-se com suas ideias divertidas. No mundo real, se quer provar tepatizagem canina, no mínimo, precisa pesquisar mais, porque, até aqui, o que pensou ser telepatia tem explicação natural.”
    .
    Desde esse dia, então, Sheldrake, após chamar Wiseman de “feio” partiu mundo à fora, afirmando que seu opositor encontrou a telepatia mas não quer reconhecer.
    .
    E o mundo, desde então, pôde dormir sossegado, com mais um problema científico resolvido… Afinal, todos sabem que a conclusão de Wiseman é complicada e errônea, ELE SIMPLESMENTE QUIS TENTAR EMPURRAR DUAS EXPLICLAÇÕES MUITO CONFUSAS, ANTE A SIMPLICIDADE DAS PROVAS SHELDRAKEANAS DA TELEPATIA ENTRE CÃES E GENTEMM…
    /
    Em suma, o que Wiseman afirma não merece crédito, o que Sheldrake diz é a verdade e ponto visoniano.
    .
    Bem que o Gorducho falou…

  55. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Wiseman foi lá e experimentou do mesmo modo que Sheldrake, E NÃO ACHOU TELEPATIA ALGUMA, inclusive proporcionou explicação para a enganosa e espantosa alegação do psicólogo. Quer dizer, onde um cientista encontrou prova de telepatia outro nada encontrou.”
    .
    Você só se esquece de dizer por que o Wiseman não achou telepatia alguma, né, Montalvão? Porque ele usou critérios diferentes. Se o Wiseman considera um equívoco toda vez que o cão vai pra janela e a dona não está no caminho de casa, e o Sheldrake diz que o cão simplesmente passa mais tempo na janela assim que ela decide voltar pra casa, os mesmos dados, avaliados por critérios completamente diferentes, levarão a conclusões OPOSTAS.
    .
    Uma vez adotado o mesmo critério, os dados de Wiseman REPLICAM os resultados encontrados por Sheldrake.
    .
    Simples. Agora melhor que isso só plotando. Mas isso o Sheldrake já fez. Se nem assim você entendeu, paciência.

  56. montalvão Diz:

    /
    “Como assim Gorducho? Houve telepatia sim. Involuntária.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: como assim “telepatia Involuntária”? Quer dizer que há telepatia voluntária, tipo “vou mandar msg telepática pro Zé”, e o Zé a recebe?
    .
    Ah, então manda uma pra mim, manda…

  57. montalvão Diz:

    /
    “já observou cachorro chorar?
    Uma que ria tivemos…”
    /
    CHORAR, a toda hora, e em dias que não os levo para o passeio diário aí é que a choradeira é geral. Mas, verter lágrimas enquanto choram nunca vi…
    .
    Que riem tenho alguns, uma se chama Risadinha justamente pelo belo sorriso com que me brinda…

  58. montalvão Diz:

    /
    =================.
    “Uma vez adotado o mesmo critério, os dados de Wiseman REPLICAM os resultados encontrados por Sheldrake.”
    ==================.
    /.
    ACHO ESTOU começando a entender: é tudo questão de critério, e, na cabeça visoniana, o critério do Sheldrake em favor da telepatia é muito mais robusto que o de Wiseman para uma explicação natural. É isso o que ambos (mestre e gafanhoto) querem que aceitemos.
    .
    Wiseman diz: testei o cão, é um animal ativo, agitado, mas a movimentação dele é normal, típica de animal com tal personalidade.
    .
    Sheldrake diz: testei o cão, esse tipo de movimentação é eminentemente telepática…
    /.
    Consultei, telepaticamente, meu cães e eles responderam; nããããããõoooo…

  59. montalvão Diz:

    /
    E a Risadinha até riu… telepaticamente, claro…

  60. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “ACHO ESTOU começando a entender: é tudo questão de critério, e, na cabeça visoniana, o critério do Sheldrake em favor da telepatia é muito mais robusto que o de Wiseman para uma explicação natural.”
    .
    Claro que é. Enquanto o critério de Sheldrake é fruto de observação, o critério de Wiseman é fruto do que ele ouviu dizer, do que saiu na imprensa, etc.

  61. Gorducho Diz:

    Sim, quis dizer verter lágrimas como vertia Lorde quando a prece de CX era muito sentida.
    Chorar sem lágrimas claro que choram.

  62. montalvão Diz:

    /
    “Uma vez adotado o mesmo critério, os dados de Wiseman REPLICAM os resultados encontrados por Sheldrake.”
    /.
    /
    ACHO ENTÃO estamos perto de fechar acordo: os resultados dos experimentos de Wiseman replicam os de Sheldrake. A conclusão de Sheldrake em favor da telepatia é que está ERRADA! Ou seja, é inaceitável diante da insatisfatoriedade dos resultados…

    Agora sim: desculpe-me por não ter percebido antes onde pretendia chegar…

  63. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “A conclusão de Sheldrake em favor da telepatia é que está ERRADA!”
    .
    Nem mesmo o Wiseman diz isso mais. Ele disse:
    .
    “So I say by looking at his data, that yeah there may well be something going on. They don’t look to me quite as methodology rigorous as you would need in order to be able to make that decision firmly in one direction or another. I would sort of tick the “more experiments needed” box, under slightly more rigorous conditions.“[Então eu digo olhando para os dados dele que sim, pode haver algo acontecendo.Eles não me parecem como a metodologia rigorosa que você precisaria para ser capaz de tomar essa decisão firmemente em uma direção ou outra. Gostaria de colocá-los na caixa de "mais experimentos são necessários", em condições ligeiramente mais rigorosas.]
    .
    Note que ele não diz que a conclusão de Sheldrake está errada. Pelo contrário, ele parou de dizer que havia demonstrado a falsidade do “psychic pet” e agora diz que não é capaz de se decidir por uma explicação ou outra. E mais: diz que olhando os dados parece que sim, que algo [DE GENUÍNO] está ocorrendo.
    .
    Que mudança, não?

  64. montalvão Diz:

    /
    “Nem mesmo o Wiseman diz isso mais. Ele disse:”
    /
    QUANDO E A quem ele disse tal? E quais as evidências de que dispõe para garantir que “Nem mesmo o Wiseman diz isso mais”.
    .
    Quando responder, lembre-se da existência de um detalhizinho chamado “contexto”, não esqueça…

  65. montalvão Diz:

    DETALHEZINHO…

  66. Vitor Diz:

    Tá na mesma entrevista de 2007, Montalvão. Vê se lê…

  67. montalvão Diz:

    /
    “Tá na mesma entrevista de 2007, Montalvão. Vê se lê…”
    /.
    ENTONCE, my dear, mais um motivo para eu lembrá-lo: contexto, my friend, contexto…

  68. Vitor Diz:

    Depois converse com qualquer professor de português (ou de inglês) e pergunte se tirei algo do contexto, tá?

  69. Marciano Diz:

    O Vice-Presidente já teve canino que ria (qual o homem do Vitor Hugo) e o Presidente tem cães que choram lágrimas secas (coisa muito comum: eles ficam ganindo, uivando, mas tudo a seco).
     
    Quero saber se algum dos dois já teve ou tem cão telepata.
     
     
    Eu tenho um brontossauro que chora lágrimas líquidas quando o deixo muito tempo preso na garagem, junto do dragão de Sagan. Vou ver se convenço um dos dois, ou ambos, a enviarem por via telepática um estudo de ganzfeld que eles fizeram (por puro tédio: ficar trancado na garagem o dia inteiro é fogo!).
     
     
    Do contexto descritivo, pode não ter tirado, mas as conclusões que faz dos textos nem o maior rábula do mundo seria capaz de fazê-lo.
     
     
    Tem advogados que, dentro do contexto linguístico de um artigo de lei são capazes das maiores proezas interpretativas.
    E muitas vezes cola…
     
     
    Por falar nisto, só para argumentar, digamos que o Wiseman tivesse mesmo dito o que não disse. Isto provaria o quê? Que existem cães telepatas?
    Santa Maria Madalena!

  70. montalvão Diz:

    /
    O que de melhor se pode dizer em favor do experimento de Sheldrake com cães é que os resultados são controversos. ´
    /
    É fato que Sheldrake convence aos crentes, por que é isso que eles querem ouvir: que a telepatia é força provada, comum, rotineira, utilitária, e até cães e outros animais a manifestam (a primeira conclusão daí advinda é que ela não é apanágio de cérebros com neocórtex, portanto, é de origem primitiva e como tal se manifesta, o que vai gerar um problema a ser esclarecido quando esse fato for melhor esmiuçado).
    /
    Então, caberia a Sheldrake preparar outros protocolos experimentativos cujos resultados não gerassem controvérsia. Qual nada, prefere envidar maratona de acusação contra seu contraditor, firmando-se na alegação de que o outro não viu, porque não quis ver, o que ele “provou”.
    /
    Esperto como é, Sheldrake sabe que sempre vai haver quem milite em sua defesa, como aqui, no Obras, vemos exemplo.
    /
    Primeira conclusão (generosa): falta em Sheldrake experimentação cujo retorno não acarrete controvérsia. Convenhamos: essa de ficar tentando ver se o cão sente quando o dono resolve voltar pra casa enseja toda sorte de subjetivismo e, sendo bem manipulado, pode render grandes (e falsos) demonstrativos da telepatia.
    /
    Segundo: em decorrência, faltaram e faltam experimentações que possam produzir as evidências buscadas.
    /
    Terceiro: ficam os parapsicólotras diatribando contra Wiseman (“tem má vontade”, “na verdade, não quer saber da verdade, o negócio dele é constestar”, “teima em não reconhecer os bons resultados de Sheldrake”) em vez de proporem verificações elucidativas. Talqualmente os médicos espíritas que defendiam Otília, assacando contra repórteres da Revista O Cruzeiro, chamando-os de um tudo, em vez de realizarem o mais simples: experimentações taxativas; talqualmente mediunistas que ficam a afirmar a ação de espíritos entre os vivos, mas recusam testes que provem a presença dos mortos.
    /
    Enfim, a discussão, após ter sido demonstrado o nonsense das demonstrações sheldrakeanas, se torna viciosa, improdutiva: passa a ser defesa de seu time, sempre melhor que o do adversário…
    /
    Por fim, conforme sabiamente clamou o Gorducho: se quer mostrar que Wiseman titubeia traga declarações (não frases soltas, textos completos) do próprio, que confirmem o acusativo. De nada adianta usar como prova as alegações de Sheldrake, essas conhecemos e delas discordamos, por serem pobres, insuficientes para arrimar a crença do autor (e de seu gafanhoto).
    /
    Falou Moi.

  71. Marciano Diz:

    Quod enim mavult homo verum esse, id potius credit. [Bacon, Novum Organum 1.49]. O homem acredita mais naquilo que ele prefere que seja verdade.
     
     
    Acabo de receber a seguinte mensagem telepática de Sir Bacon:

    Intellectus humanus luminis sicci non est; sed recipit infusionem a voluntate et affectibus, id quod generat ad quod vult scientias: quod enim mavult homo verum esse, id potius credit. Rejicit itaque difficilia, ob inquirendi impatientiam; sobria, quia coarctant spem; altiora naturae, propter superstitionem; lumen experientiae, propter arrogantiam et fastum, ne videatur mens versari in vilibus et fluxis; paradoxa, propter opinionem vulgi; denique innumeris modis, iisque interdum imperceptibilibus, affectus intellectum imbuit et inficit.

    O intelecto humano não é luz pura, pois recebe influência da vontade e dos
    afetos, donde se poder gerar a ciência que se quer. Pois o homem se inclina a ter por verdade o que prefere. Em vista disso, rejeita as dificuldades, levado pela impaciência da investigação; a sobriedade, porque sofreia a esperança; os
    princípios supremos da natureza, em favor da superstição; a luz da experiência, em favor da arrogância e do orgulho, evitando parecer se ocupar de coisas vis e efêmeras; paradoxos, por respeito à opinião do vulgo. Enfim, inúmeras são as fórmulas pelas quais o sentimento, quase sempre imperceptivelmente, se insinua e afeta o intelecto.

  72. Marciano Diz:

    Tem um comentário logo acima do comentário do Presidente, no qual dirijo pergunta a ele próprio e ao Vice-Presidente.
    Saíram juntos.

  73. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Primeira conclusão (generosa): falta em Sheldrake experimentação cujo retorno não acarrete controvérsia. Segundo: em decorrência, faltaram e faltam experimentações que possam produzir as evidências buscadas.”
    .
    SHELDRAKE RESPONDE:
    .
    Wiseman then tries another hypothesis, the “anxiety” hypothesis, according to which Jaytee might visit the window more frequently over time as he became more anxious about Pam’s return. However, as Wiseman concedes, there was no evidence from the data that this was the case. Wiseman also ignores a series of control tests in which Jaytee was filmed on occasions when Pam was not coming home. These data, shown in Fig 5 of Sheldrake and Smart (2000) provide absolutely no evidence for increasingly frequent visits to the window as time went on. Wiseman ignores this evidence because it does not fit his hypothesis.
    .
    In this discussion, Wiseman does not mention the data from the three experiments he himself conducted with Jaytee in Pam’s parents’ flat. In those tests, Jaytee was at the window an average of 4% of the main period of Pam’s absence, when she was not coming home, and 78% of the time during her return period, a statistically significant effect.
    .
    The data from the experiments conducted by Pam and myself, as well as those conducted by Wiseman and Smith, strongly suggest that Jaytee was in fact picking up when Pam was coming home in a way that cannot be explained by so-called “normal” explanations. As a committed sceptic, Wiseman will always attempt to explain away by other hypotheses, but this tells us more about Wiseman’s sceptical beliefs than about Jaytee’s behaviour.
    .
    Pam and I conducted an entirely separate series of experiments with a different dog, Kane, which also showed that he seemed to know when his owner was coming home in a way that could not be explained in terms of normal sensory information.

    .
    Está aí, mais experimentos cujo retorno não acarreta controvérsia, com as evidências buscadas. A controvérsia é gerada apenas por pessoas que veem sua visão de mundo desmoronar.

  74. Marciano Diz:

    Paul Simon enviou-me um comentário por via telepática, solicitando meu bondoso auxílio para postá-lo aqui:
    A man hears what he wants to hear and disregards the rest.

  75. Marciano Diz:

    Quando foi que minha weltanschauung desmoronou?
    Por que ninguém me avisou?

  76. Marciano Diz:

    A telepatia restou provada, a homeopatia também, e eu nem fiquei sabendo.
    Preciso me manter mais atualizado.
    Tenho conversado demais com o ARDUIN.

  77. montalvão Diz:

    “pergunte se tirei algo do contexto, tá?”
    /
    NÃO SE TRATA de ter tirado algo do contexto, mas de não levá-lo em conta…
    .
    Há abismal diferença entre o que o pesquisador profere numa palestra e a resposta que dá a pergunta feita com determinada intenção… quem mistura os contextos age ou de má fé ou por ignorância.
    .
    Sheldrake desconfiamos que, neste quesito, seja mal intencionado, pois quer ver seu contraditor desmoralizado. Pretende nos convencer que Wiseman balançou diante de Tsakiris, o que demonstraria não estar o pesquisador muito convicto do que vinha alegando (que refutara a telepatia no cachorro).
    .
    Enfim, o pronunciamento feito durante uma entrevista não deve ser misturado com o realizado num discurso adredemente preparado. Muito menos é válido pinçar frases do todo para com elas erigir uma distorcida demonstração de que o autor falou o que não disse, se é que me entende…

  78. montalvão Diz:

    /
    “Eu tenho um brontossauro que chora lágrimas líquidas quando o deixo muito tempo preso na garagem, junto do dragão de Sagan. Vou ver se convenço um dos dois, ou ambos, a enviarem por via telepática um estudo de ganzfeld que eles fizeram (por puro tédio: ficar trancado na garagem o dia inteiro é fogo!).”
    /.
    EU TENHO MEU ACONSELHADOR PARTICULAR: o anãozinho gigante. Se quiser posso pedir-lhe que se articule com seus hóspedes garagianos e, conjuntamente, elaborem protocolo investigativo do que lhe apetecer. Recentemente, o anãozinho preparou estudo a respeito da telepatia retrocognitiva na produção de memórias de vidas passadas. Muito esclarecedor, adianto…

  79. Marciano Diz:

    Faça-me esse favor, MONTALVÃO.
    Estamos ambos precisando de reciclagem em nossos conhecimentos científicos.
     
     
    Telepathy is the process by which someone can read the thoughts of other persons. For example, you are thinking of Charlie Brown. Well, you are now. This is another thing telepathy can do, it can transmit thoughts into the minds of others. According to X-Men comics, the use of telepathy causes a sort of wobbly purple halo to form around the head, though this has been disputed.
    The term telepathy was first coined by psychic researcher Praho Fywiner in 1999, but pre-coined in the Nineteenth century by researchers using precognition. The phenomenon has been in existence for longer than that, however, since the times of Eragon. But prior to being named in 1999, telepathy was referred to as “thought transference”, “mental radio” or “bullshit”.
     
    There are two ways to test for psychic powers. Firstly, has the subject’s mental abilities been the focus of a TV special? If so, then the subject is indeed psychic.
    The second way uses zener cards. The tester makes a huge pile of these cards, shuffles them and looks through them one by one, while the testee tries to read the tester’s mind. The testee traditionally sits behind the tester and promises not to peek.
     
    A telepath could be the world’s greatest salesman, diplomat, poker player, politician, psychologist, cult leader, con man, supervillain, superhero or detective the world has ever known. Instead, they make their money from psychic hotlines and appearance fees on talk shows. The reason for this has to do with the World Telepath Association’s ethical guidelines:
    ? Do not use your psychic powers for evil, unless your name begins with a z, or you are named after a mental illness (Dr. Psycho, Count Phobia, Professor Depression, Senator Schizophrenia,
    etc).
    ? Do make espouse an ill-defined, vaguely hippy-flavoured lovey dovey worldview, unless the Pentagon is hiring you, in which case talk up the possibility of assassinating Osama bin Ladenwith a dowsing rod.
    ? Do not read the mind of Burt Reynolds. He deserves better.
    ? Do not work for a living. What are you, stupid? Oh yeah, you ARE!

    Mistic Meg predicts that you, , will meet a tall, dark stranger and will then get raped.
     
     
    Note: This article was dictated by the spirits through a ouija board.

  80. montalvão Diz:

    /
    “Por falar nisto, só para argumentar, digamos que o Wiseman tivesse mesmo dito o que não disse. Isto provaria o quê? Que existem cães telepatas?
    Santa Maria Madalena!”
    /.
    POIS É, matou…
    .
    Eu, enquanto o maior investigador vivo na rua em que resido da telepatia canina, conto com 15 voluntários em regime integral, mas seis em cooperação esporádica. Té agora tá difícil sequer um latido telepático quanto mais evidência sheldrakeana. As investigações prosseguem…

  81. Gorducho Diz:

    Cachorro nunca, mas agora tem um gato telepata.
    Quando a gente se prepara pra – e portanto pensa em…- comer ele que andava pelos telhados & muros, invariavelmente aparece.

  82. montalvão Diz:

    =============.
    A controvérsia é gerada apenas por pessoas que veem sua visão de mundo desmoronar
    ==============.
    /
    DEVERAS, quando eu descobrir que posso me comunicar telepaticamente com meus cães minha visão do mundo desmoronará… talvez nem sobreviva… talvez eu nem veja a utilidade da telepatia quando alguns deles cismam de latir de madrugada e sou obrigado a interromper o melhor de meu sono para apaziguá-los… pra mim o importante será insistir que telepatia não existe e não tem utilidade, em vez de aproveitar as vantagens que o
    “poder” me proporcionaria… afinal sou esperto pra mais de metro…

  83. Marciano Diz:

    GORDUCHO, eu já tive gatos assim.
    Infelizmente, não é telepatia, é olfato mesmo.
     
     
    Telepatia não é difícil de aprender, o principal bloqueio está na crença, a pessoa deve crer que pode conseguir a transmissão telepática e a recepção.  
    Há outro preliminar importante, você precisa ter uma mente limpa para enviar e receber. Normalmente seu ambiente externo é um reflexo do seu ambiente interno, se você vive em um lugar bagunçado e se você é desorganizado a chance é que isso reflita uma perda de energia dentro de você.
    Essa é a primeira coisa que você deve fazer; livrar-se da bagunça; fazer um vazio na sua vida. Transmutar a energia do seu lugar para uma mais positiva mantendo seu lugar o mais limpo possível.
    Há muita discussão sobre isso no campo do Feng-shui, eu encorajo que a pessoa interessada leia mais sobre isso, há muito a dizer sobre a energia no lugar onde vivemos.
     

    É igualmente bom ter o hábito de ter alguma disciplina mental na forma de algum exercício de concentração. Quanto melhor sua habilidade para se concentrar, melhor você será para enviar e receber uma transmissão telepática.
    O exercício de concentração mais simples que você pode fazer é melhorar sua consciência dizendo a você mesmo palavras positivas que elevam suas vibrações e fazem de você uma pessoa mais consciente, exemplos de afirmações positivas são “Eu sou abundante”, “Eu sou generoso e cheio de recursos”, “Eu tenho paz mental”, é fácil fazer suas próprias afirmações, diga a você mesmo as qualidades que você quer adquirir, de certo modo você está mentindo a si mesmo, mas é uma boa mentira e tudo começa com a crença de que isso é possível. Você pode também melhorar sua autoconsciência e elevar suas vibrações mudando sua postura e padrão respiratório, quando você caminha, caminhe com uma postura mais confiante, também o stress e a pressão que temos que lidar em nossas vidas não nos ajuda a termos uma respiração natural. Qi gong e Yoga têm práticas que ajudam a obter um hábito respiratório correto que usa a capacidade total dos pulmões.
     
    Aprendendo a recepção telepática
     
    Por 10 a 15 minutos sente-se confortavelmente ou deite-se. Comece observando seus pensamentos, fique familiarizado com seu próprio fluxo de pensamentos, não julgue, nem faça comentários ou siga uma certa seqüência de pensamentos, é aqui que alguma experiência em concentração ajuda mesmo.
    Quando você pode distinguir bem seu próprio fluxo de pensamentos, você descobrirá uma camada de pensamentos desconectados, de imagens e até sons.
    É difícil dizer o que você conseguirá com esse exercício, imagens podem envolver pessoas que você conheça ou não, vozes podem ser familiares ou não, imagens podem surgir.
    Escreva uma descrição de tudo que você percebeu, se envolve alguém que você conhece você terá que verificar com aquela pessoa se o que você recebeu foi uma legítima recepção.
    Nem tudo que você receber será telepático, para ficar melhor nisso, você tem que conhecer melhor sua própria energia; dessa maneira você será capaz de separar telepatia de sua energia e de sua imaginação.
    Aprendendo a transmissão telepática
    Esse é um exercício de iniciante, o mais fácil que você pode fazer, que consiste de enviar amor para alguém.
    Deite ou sente-se confortavelmente, feche seus olhos e imagine uma esfera violeta brilhante de luz violeta encima de sua cabeça, essa simboliza o seu chakra coronário que guarda a energia da sabedoria, agora se concentre no centro do seu peito e imagine uma luz rosa brilhante que guarda a energia do amor.
    Imagine uma corrente de luz violeta vindo de seu chakra coronário para o chakra cardíaco, isso faz sua energia do coração mais sábia porque sem sabedoria seu coração é sentimental e irracional; faça a luz do coração chegar até seu chakra coronário porque sem a energia do coração seu chakra coronário é frio e distante, brinque com isso até você ter uma boa sensação, para terminar imagine um fluxo de luz vindo de seu chakra cardíaco para o chakra cardíaco de alguém que você escolher. Faça isso por alguns minutos, você sabe quando a outra pessoa recebeu sua transmissão telepática pelo modo como você se sente, se você está se sentindo melhor e mais feliz é um excelente sinal que sua mensagem foi recebida, em alguns casos raros, você pode se sentir exaurido e frustrado, isso acontece quando você envia amor a alguém que fechou coração dela para você.
    Não procure por respostas na outra pessoa porque você pode não recebê-la, a única medida do sucesso é a maneira que você se sente ao fazer isso, normalmente se você faz esse exercício muitas vezes com a mesma pessoa, seu relacionamento vai começar a melhorar de um novo modo, mais amável eu diria.
    Divirta-se aprendendo telepatia!

     

    Telepatia Para Iniciantes
    Essa técnica é para pessoas que querem fazer telepatia, mas nunca fizeram isso antes. Essa técnica presume que você é um completo novato quase sem habilidades. Você pode usar essa técnica para contatar alguém que conheceu no passado para encontrar com a pessoa de novo e é claro que você pode usar para contatar qualquer um.
    Se você tem uma vida desordenada, assiste muita TV, joga muito videogame e ouve música alta, tire uma hora para digerir tudo isso, vá caminhar num parque e então volte para a técnica.
    Trabalho de preparação:
    Pela manhã, preste atenção em como se sente. Tome nota disso. Este é seu nível base de sentimento.
    Técnica:
    1. Faça cinco minutos de alongamento, estique todos os grupos de músculos.
    2. Faça dez minutos de respiração nasal.
    3. Deite ou sente-se ereto, relaxe, feche seus olhos e conte de 100 a 1. Imagine cada número em seu olho mental, respirando-os. Agora, você deve ter o estado mental apropriado para fazer a comunicação. Preste atenção em como se sente. Como você se sente? Isso é muito importante.
    4. Imagine-se num lugar calmo, pode ser uma praia, uma montanha, perto de um lago, uma floresta, um parque, um deserto, qualquer lugar que você ache que seja pacifico e calmo. Caminhe no local, não force a imagem, deixe aparecer por si só.
    5. Imagine a pessoa que você quer contatar na sua frente. Tente conseguir o máximo de detalhes. Preste atenção em seus sentimentos, você pode já estar recebendo impressões. Iniciantes normalmente registram a impressão na forma de sentimentos no plexo solar.
    6. Aqui há três possibilidades:
    A. Conversar com essa pessoa longamente. Como se sente? Se se sente exaurido, e é difícil de manter a conversa, sente que não é adequado então significa que ou a pessoa não está disponível para você ou você está recebendo impressões negativas dessa pessoa. Se parece confortável e você consegue conversar interminavelmente significa que as coisas estão indo bem. Um sinal do sucesso é a conversa muito fácil de manter que você até se perde no papo.
    B. Construa um enredo, o enredo pode ser tão longo quanto meia hora. Por exemplo, imagine você e essa pessoa caminhando ou visitando algum lugar. Se você pode fazer isso sem esforço isso é um bom sinal. Se você se sente exaurido ou desconfortável então há um problema.
    C. Vá até essa pessoa, preste atenção aos seus sentimentos e então comece a conversar com essa pessoa. Preste uma atenção especial aos seus sentimentos, compare-os com seu sentimento base da manhã. Você pode estar recebendo uma transmissão. Você não tem que se concentrar num comando, como “vem aqui” ou acolá. Apenas tenha a vontade de enviar impressões positivas. Continue a transmitir até se cansar.
    D. Termine a sessão e deixe-a completamente, esqueça. Esse é o passo mais importante.
    Teoria:
    Quando você se conecta dessa maneira você está enviando energia e impressões positivas. Se você fizer corretamente a pessoa irá gostar de sua energia e impressão. Quando você deixa isso de lado e esquece, a pessoa não irá mais sentir a energia e irá querer conectar-se. Isso causa a atração e faz a pessoa querer encontrar com você.
    Troubleshooting(Localização de Defeitos):
    Alguns problemas podem aparecer, se você não consegue relaxar e se concentrar. Nesse caso, é melhor você aprender isso primeiro.
    Você se conecta, mas se sente muito mal e triste. Isso não é nada bom. Mande para essa pessoa seu amor e termine a transmissão. Nesse ponto, você não é hábil o suficiente para entender o que está acontecendo. É melhor não bagunçar as coisas.

  84. montalvão Diz:

    /
    “Marciano Diz:
    A telepatia restou provada, a homeopatia também, e eu nem fiquei sabendo.
    Preciso me manter mais atualizado.”
    /.
    SEU MUNDO CAIU E CÊ NÃO VIU…
    .
    Tás por demais desatualizado: a MEDIUNIDADE foi cá comprovada (Osborne, Palladino, Xavier, Piper); a VISÃO REMOTA, demonstradíssima! Confira múltiplas delegacias digladiando-se pela contratação de detetives psíquicos, veja os numerosos achados de corpos sumidos (vivos ou mortos: Samúdio, Madeleine, irmã de Belfort, o treponema pallidum, aviões…).
    .
    PRECOGNIÇÃO, PSICOCINESE, LEVITAÇÃO…
    .
    Tás mais desatualizado que umbigo de vedete…

  85. Marciano Diz:

    É verdade. Reconheço.
    Estou mais atrasado do que o ARDUIN.
    Agora diga-me, do fundo do coração:
    Você sabia que um dos poderes do Superman é a telepatia?
    http://www.universohq.com/wp-content/uploads/2015/02/superman_telepatia.jpg

  86. Gorducho Diz:

    Será que AVi obteve algum resultado c/os peixes :?:

  87. Marciano Diz:

    Os telepatas são discriminados.
    Veja a prova:
    http://4.bp.blogspot.com/-wzubXqYXp1I/TWGXqHFY6rI/AAAAAAAABQM/fn4w8a0tWnk/s1600/telepatia%2B1.jpg

  88. Marciano Diz:

    Adaptação da nova grade curricular à ciência moderna:
    http://vidadesuporte.com.br/wp-content/uploads/2012/06/Suporte_468.jpg

  89. Marciano Diz:

    Esperemos que VINICIUS nos relate.
    Quanto ao cães de MONTALVÃO, aqui vão uns exercícios para que eles aprendam a desenvolver a telepatia:
    http://2.bp.blogspot.com/-DiHetHEOOyM/T8ErTtbLwPI/AAAAAAAAADg/4rdtL1Rm1SU/s1600/8488.jpg

  90. Marciano Diz:

    Vou dar um tempo, mas antes, quero fazer um pedido de ajuda:
    Estou precisando de um telepata (pode ser cão, peixe, gente).
    Favor entrar em contato pelo número, digo, telepaticamente, afinal, telepatas sabem onde encontrar qualquer um.

  91. Marciano Diz:

    Como se comunicar com os animais passo a passo | – Sheila Waligora
    https://sheilawal.wordpress.com/…/como-se-comunicar-com-os-animais-passo-a-passo…
    30 de jan de 2009 – … para entrar em contato com a habilidade inata de comunicação telepática. … Depois de ter feito os 7 passos o meu cão comunicou comigo e …
     
    Infelizmente, os autores deletaram o site, sei lá por que.
    https://sheilawal.wordpress.com/2009/01/30/como-se-comunicar-com-os-animais-passo-a-passo/
    sheilawal.wordpress.com is no longer available.

    The authors have deleted this site.

  92. Marciano Diz:

    Telepatia com os animais
     
    Mensagem canalizada por Owen K Waters
    Owen K Waters transforma os mistérios da metafísica espirituais em claridades. Como um professor espiritual internacional, ele tem ajudado milhões de buscadores espirituais para compreender melhor a natureza do seu potencial espiritual.
     
     

    Mensagem de 29 de Novembro de 2015

    O biólogo Rupert Sheldrake fez muitas pesquisas sobre os poderes intuitivos dos animais de estimação, o suficiente para encher um livro inteiro. Ele foi chamado de “Cães que sabem quando os seus donos estão chegando em casa: E outros poderes inexplicáveis dos Animais.”

    Nele, Sheldrake documenta casos de comunicação telepática de animais, a percepção de eventos distantes e a precognição do perigo. Seu livro foi escrito antes do tsunami de Dezembro de 2004 que atingiu a costa do Sudeste da Ásia. Neste desastre, mais de 300.000 seres humanos perderam as suas vidas, no entanto, todos os animais selvagens souberam e se dirigiram para um lugar mais alto antes que aparecesse o maremoto. Na limpeza costeira nenhum animal selvagem foi encontrado afogado.

    Os animais de estimação leem as mentes de seus donos e eles também transmitem imagens mentais, mas poucos donos de animais domésticos estão cientes disto. Muitas vezes, a ideia é simplesmente muito estranha para eles entreterem. Um ex-vizinho meu era um médico aposentado. Ele ficava perplexo pelo fato de que o seu cão sempre insistia em passear de um lado particular deste lado tranquilo da rua e se recusando a atravessar para o outro lado quando o dono queria. Um dia, ele estava falando a minha esposa sobre este mistério e dizia: “Por que você não pergunta ao cão por que ele faz isto? Use a telepatia.”

    O médico olhou para ela como se ela tivesse acabado de desembarcar de Marte. Então, ele se recompôs e murmurou algo sobre não acreditar neste tipo de coisa. É uma pena, realmente. Imagine como poderia ser útil para um médico se comunicar mentalmente com o espírito de um paciente que está paralisado ou em coma. Por um lado, ele saberia quando ele sairia do coma.

    Os animais domésticos se comunicam uns com os outros usando imagens mentais. Estas imagens mentais agem como pacotes de pensamento que também detêm um significado. Quando você absorve mentalmente a imagem, o significado ou intenção por trás da mensagem é desvendado. O pensamento é também plenamente holográfico no sentido de que, quando você desvenda um pacote de pensamento, você adquire uma experiência completa da imagem que está sendo transmitida – as visões, os sonhos, os sabores, os cheiros e, também, os sentimentos, tanto ao nível físico, quanto emocional. Se o pacote de pensamento se refere a uma experiência que o emissor teve, você será capaz de partilhar e de reviver toda a experiência.

    A telepatia é um meio natural de comunicação. Os animais a usam. Golfinhos e baleias a usam. Os seres humanos a usam à noite, quando eles estão fora do corpo e viajando no mundo espiritual. O discurso foi desenvolvido como um meio de comunicação no mundo físico, porque a mente consciente humana está fortemente focada no mundo exterior, enfatizando o uso dos cinco sentidos físicos para a sua informação.

    Embora a mente humana consciente ignore geralmente a informação telepática, a mente subconsciente é totalmente telepática. Sua mente subconsciente percebe cada pensamento que a mente subconsciente da outra pessoa – ou a mente consciente de um animal de estimação – dirige para você.

    Sua mente subconsciente está totalmente conectada com a mente global, a qual Jung se referiu como o “inconsciente coletivo”, e Teilhard de Chardin, como a “noosfera”, o que significa “atmosfera da mente”. Você recebe continuamente pensamentos desta atmosfera da mente global em sintonia com a frequência de sua consciência no momento. Então, você processa estes pensamentos através de sua própria consciência e, automaticamente, retransmite-os de volta para a mente global.

    Portanto, por causa deste processo automático de partilha de pensamentos, cada momento que você passa com pensamentos edificantes é um momento gasto para elevar os pensamentos do mundo.

    Sensitivos profissionais de animais domésticos perceberam que os animais de estimação aprendem até mesmo algumas palavras do vocabulário humano. Os animais de estimação conhecem o som de seus próprios nomes, mas eles também assimilam outras palavras. Uma vez, um médium de animais de estimação estava perguntando a um cavalo qual era o seu alimento favorito e o cavalo passou telepaticamente a palavra: “feijão”. Pensando que o feijão seria um item estranho na dieta de um cavalo, o médium contou ao dono do cavalo sobre isto. Ele respondeu: “Oh, quando eu o alimento com a ração para cavalos, eu sempre acho que ela se parece com feijões. É de onde eu devo ter captado a palavra.”

    Você pode usar a comunicação telepática com os seus animais de estimação com uma pequena prática. Seus animais de estimação leem os seus pensamentos, especialmente se eles são expressos com imagens mentais. Você pode praticar uma conversa mental com os seus animais de estimação, fazendo-lhes perguntas e esperando que as suas respostas entrem em sua consciência.

    Owen K. Waters

    Fonte: http://www.spiritualdynamics.net – Tradução: Regina Drumond – [email protected]

  93. Marciano Diz:

    A assunto é sério!
     
    Pleiadianos – o despertar da telepatia
     
    Mensagem canalizada/artigo publicado por Trabalhadores da Luz
     
    Podemos ser um ou mais, não importa quem somos ou sou. Olhe para o espelho e nos verá, somos fragmentos do Todo, e você é uma parte de nós. NOTA:Quando o autor for intitulado como Trabalhadores da Luz, se entende os próprios administradores do site » Quando se tratar de mensagens canalizadas, elas serão canalizadas por Luciana Attorresi.
     

    Mensagem canalizada em 4 de julho de 2016 – Pleiadianos

    Saudações irmãos estelares, nós somos os pleiadianos.

    Queremos hoje falara sobre essa onda de despertar que está acontecendo. Todos os dias as pessoas reencontram em canalizações e livros, pedaços de suas verdades que estavam sepultas em baixo de suas crenças.

    A mensagem de hoje vai para aqueles que estão despertando para algo que vai além da intenção, é a telepatia.

    Essa forma de comunicação que não ha necessidade de aprender o idioma da outra pessoa, pois as palavras são criadas através de frequências, então quando um Ser lhes fala, na verdade ele está usando as frequências das palavras e você escolherá as palavras do teu idioma para decodificar a frequência recebida.

    Essa é a comunicação que todos nós da confederação galática e além, usamos.

    Ela está despertando também na humanidade.

    Não se espantem se ao se preparar para dormir ou ao despertar, vocês sentirem como se “pensamentos prontos” aparecessem nas vossas “cabeças”.

    Normalmente vocês sentem que existe algo de estranho naqueles pensamentos, “parece que não vos pertencem” – Risos.

    Não tenham medo do desconhecido, pois essa técnica de comunicação é a porta de entrada para um contato mais intenso e não sò com os Seres Estelares, mas também com os Angélicos e Mestres Ascensionados.

    Nossa mensagem foi breve, mas muito necessária, porque muitos estão se sentindo como se estivessem enlouquecendo, e nós queremos vos garantir que vocês nunca estiveram melhor.

    Nos chamem se precisarem.

    Nós vos abençoamos, amados irmãos estelares

    Nós somos os Peiadianos

  94. Marciano Diz:

    “Peiadianos” não foi obra minha ou do poltergeist, tá lá no blog.
    Confiram:
    http://trabalhadoresdaluz.altervista.org/pleiadianos-o-despertar-da-telepatia/

  95. montalvão Diz:

    /
    “sabia que um dos poderes do Superman é a telepatia?”
    /.
    ISSO PROVA CIENTÍFICAMENTE duas coisas ou três coisas: 1) o superman andou lendo Sheldrake; 2) Sheldrake é persuasivo; 3) Kal-El não se conhece a si mesmo.
    /.
    Todos sabemos que o homem de aço possui hiperaudição. Quando os telefones de dial estavam prestes a tocar ele captava os pequenos estalidos do aparelho e os traduzia em números com o poder de superconcatenação. Considerando que, com a supermemória, o homem de aço memorizara todos os da lista telefônica de Metrópolis, Pequenópolis e adjacências ele tinha de saber quem estava ligando. A essa capacidade ele atribuia, erroneamente, o classificativo de telepatia…

  96. montalvão Diz:

    /
    “Quanto ao cães de MONTALVÃO, aqui vão uns exercícios para que eles aprendam a desenvolver a telepatia”
    /.
    BOA PARTE DESSES eles já fazem, e muito bem, mas telepatia que é bom, até aqui, nada. Vou recomendar-lhes que intensifiquem o treino…

  97. montalvão Diz:

    /
    “Mensagem canalizada por Owen K Waters
    Owen K Waters transforma os mistérios da metafísica espirituais em claridades. Como um professor espiritual internacional, ele tem ajudado milhões de buscadores espirituais para compreender melhor a natureza do seu potencial espiritual.”
    /.
    SERERÁ QUE o Visoni, além de Sheldrake, também se abebera nesse?

  98. montalvão Diz:

    /
    “Nossa mensagem foi breve, mas muito necessária, porque muitos estão se sentindo como se estivessem enlouquecendo, e nós queremos vos garantir que vocês nunca estiveram melhor.”
    /.
    TAMBÉM RECEBI mensagem, obviamente telepática, de Asthar Sheran, por meio do anãozinho gigante:
    /
    ——————————-.
    “alguns dizem que sim, outros que não, o que importa é que tamos dentro”
    ——————————–.
    /
    DIZ POUCO mas diz muito…

  99. montalvão Diz:

    /
    Depois e após muitos estúdios descobri que a telepatia é um vírus que, qual o herpes, fica inativo até que um mole orgânico permita-lhe aflorar. Dada a similaridade entre essas formas de quase-vida, os vírus telepáticos são hoje assim classificados pelos melhores parapsicólogos: a) telepates simplex; b) telepates genital e, c) telepates zooster.
    /
    O primeiro se manifesta quando a mensagem é leve, branda, quase cosmética; o segundo quando for recado freudiano; e o terceiro surge quando o emissor está em perigo e lança sinal viral de socorro: como esse sinal não diz onde o desinfeliz se encontra nem o que está acontecendo, o recebedor só vai saber que foi telepatizado depois que souber o que aconteceu, logicamento por outros meios que não por transmissão pensativa…
    /
    Depois dizem que essa ciência não pogrede…

  100. montalvão Diz:

    /
    “A ciência já provou através da física quântica que somos energia e que estamos todos conectados através de nossa vibração.
    .
    O Plenum Cósmico/ Deus é puro amor, é energia e por ser energia, não morre, não desaparece, é imortal e está em todos os lugares. E como somos a imagem e semelhança Dele, sabemos que somos energia e hoje podemos provar isso.
    .
    Somos seres espirituais eternos e não apenas seres perenes. Durante muito tempo achava-se que a menor partícula de uma célula, o átomo, era feito de matéria. Depois descobriram que na verdade a maior parte de um átomo é vácuo, então achava-se que o núcleo, que é muito pequeno, seria material.
    .
    Esta idéia caiu por terra quando através do uso de microscópios eletrônicos muito potentes, verificou-se que o núcleo de um átomo é apenas uma energia condensada, não é matéria.”
    - Gregg Braden -

  101. montalvão Diz:

    /
    SERÁ QUE ESTAMOS CONECTADOS? REALMENTE CONECTADOS?
    .
    A ciência moderna está a ponto de resolver um dos maiores mistérios de todos os tempos. Provávelmente não vamos ter notícias sobre isso pelos “telejornais no horário nobre da televisão”, nem vamos ver manchetes noticiando o fato nos principais jornais.
    .
    Mas, apesar de tudo, aproximadamente setenta anos de pesquisas na área da ciência conhecida como a “nova física” está apontando para conclusões irrefutáveis.
    .
    Todas as coisas do mundo estão ligadas á todas as outras coisas. Quer dizer: realmente ligadas. Essa é a novidade que altera tudo e que abala, sem dúvida alguma, os alicerces da ciência como hoje a conhecemos.
    .
    “Muito bem”, podemos dizer, “já ouvimos isso antes. O que torna essa conclusão tão diferente? O que realmente significa estar conectado?” Essas são ótimas perguntas e as respostas poderão surpreendê-los.
    .
    [...]
    O fato das descobertas mostrarem que podemos usar nossa conexão conscientemente, abre as portas para nada menos do que a oportunidade de tirar partido do mesmo poder que movimenta todo o universo.
    .
    Por meio da unidade que está no interior do seu corpo, do meu e do corpo de todos os seres humanos do planeta, temos uma comunicação direta com a mesma força que cria tudo, dos átomos às estrelas e ao DNA da vida.
    .
    Gregg Braden

  102. montalvão Diz:

    /
    Como um grande segredo do qual todos suspeitam ,mas raramente é alvo de conversas, pela Matriz Divina estamos todos conectados do modo mais íntimo que possamos imaginar.
    .
    Mas o que significa essa conexão?
    .
    Qual o significado de compartilharmos o espaço quântico puro onde vive a imaginação e onde a realidade nasce e de nos envolvermos tão profundamente com nosso mundo e com a vida de outras pessoas?
    .
    [...]Os experimentos anteriores demonstraram que dentro de nós existe um poder diferente de qualquer um já criado por máquinas de laboratório.
    .
    É uma força que não é limitada pelas leis da física — pelo menos não pelas leis que compreendemos hoje. E não precisamos de um experimento de laboratório para que essa conexão exista.
    .
    Quantas vezes telefonamos para alguém só para descobrir que essa pessoa já estava na linha quando tiramos o fone do gancho …
    .
    ou quantas vezes discamos um número e depois descobrimos que a linha estava ocupada porque a mesma pessoa com quem queríamos falar estava ligando para falar conosco?
    .
    Gregg Braden…

  103. montalvão Diz:

    /
    Bem, por hoje chega: comi um troço que quemetamidando uma telepatia intestinal…

  104. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Quantas vezes telefonamos para alguém só para descobrir que essa pessoa já estava na linha quando tiramos o fone do gancho …
    ===============================================================
     
    Aí, dá chamada em espera. Ou passa direto para a caixa postal.
     
    Será que na comunicação tem linha cruzada?
    Interceptação de comunicação telepática?
     
    Esse pessoal da Lava Jato poderia sacanear a PF e o Sérgio Moro. Era só combinarem as falcatruas telepaticamente.
     
     
    “Eu tô mandando o Bessias aí…”.
     
     
    O STF precisa deliberar sobre a constitucionalidade da interceptação telepática.
     
     
    ===============================================================
    montalvão Diz:
    NOVEMBRO 16TH, 2016 ÀS 10:56 PM
    /
    Bem, por hoje chega: comi um troço que quemetamidando uma telepatia intestinal…
    ===============================================================
     
    Aposto como não foi prana, (em sânscrito: प्राण , sopro de vida).
    Prana entra no corpo através da respiração e é enviado para todos as células através do sistema circulatório. É garantido não dar diarréia.
     
     
    Você fica igual ao Coló, comendo qualquer coisa, por aí, depois passa mal e fica todo mundo querendo saber onde Coló comeu.
    Coló comeu onde tiver dando sopa.

  105. Marciano Diz:

    Ouvi dizer que Coló comeu pinto, que dizem que é melhor do que galeto al primo canto.
    Só não sei onde Coló comeu pinto.

  106. Marciano Diz:

    MONTALVÃO, aprenda a fazer experiências parapsicológicas.
    https://s3.amazonaws.com/lowres.cartoonstock.com/medical-hospital-near_death_experience-hospitals-practical_jokes-tunnel-mban1523_low.jpg

  107. Marciano Diz:

    Prova de telepatia para o ORLANDO:
    https://s3.amazonaws.com/lowres.cartoonstock.com/myths-legends-fortune_teller-fortune_telling-clairvoyants-crystal-crystal_ball-mfln5823_low.jpg

  108. Marciano Diz:

    Detetive psíquico lendo os direitos de um preso:
    https://s3.amazonaws.com/lowres.cartoonstock.com/tv-mind_readers-vulans-mind_readers-rights-policemen-mban1429_low.jpg

  109. Marciano Diz:

    That’s enough for tonight.
    https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/236x/95/2d/c1/952dc1f0a39bbd5d3962e7ae578e10e3.jpg

  110. montalvão Diz:

    /
    DE MARTE, no tangente ao PRANA noticio que sorvo-o regularmente em haustos comedidos, normalmente posicionado em viparita-karani.
    .
    Seu Coló tá meio largado, quiçá um tanto destrambelhado. Peça ao da Fronteira para examinar o bicho.
    https://www.youtube.com/watch?v=qatNK0ENgHc
    .
    Seguindo as instrutivas instruções que garimpou sobre telepatia e similares, comunico que hoje em diante meus postes serão feitos telepaticamente. Para quem não domina a técnica receptiva, pode examinar o que falo, se se interessar, por visão remota. Aceito respostas clarividentes, ou por bilocação e EFC, notadamente se provir da bela Larissa…

  111. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “NÃO SE TRATA de ter tirado algo do contexto, mas de não levá-lo em conta…”
    .
    É a mesma coisa. Se você não leva o contexto em conta, você tirou o contexto. E, mais uma vez, eu não fiz isso. Ao contrário de você, eu li a entrevista toda.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Há abismal diferença entre o que o pesquisador profere numa palestra e a resposta que dá a pergunta feita com determinada intenção… quem mistura os contextos age ou de má fé ou por ignorância.”
    .
    O que Wiseman fala numa entrevista não deve ser levado em consideração então? Tanto a pergunta quanto a resposta foram bem claras para mim. Não foram perguntas capciosas.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Sheldrake desconfiamos que, neste quesito, seja mal intencionado, pois quer ver seu contraditor desmoralizado. Pretende nos convencer que Wiseman balançou diante de Tsakiris, o que demonstraria não estar o pesquisador muito convicto do que vinha alegando (que refutara a telepatia no cachorro).”
    .
    E de fato, após ele ter dado a entrevista, ele nunca mais negou que tivesse replicado os dados de Sheldrake, ou que refutou o fenômeno do ‘psychic pet’. O que claramente mostra que ele se julga incapaz de alegar tais coisas novamente, ainda que Sheldrake tivesse dito em uma revista indexada por pares com fator de impacto que Wiseman replicou seus resultados. O Wiseman poderia facilmente ter enviado uma carta à revista dizendo que não replicou, ou que desmascarou o fenômeno. Mas não o fez.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Enfim, o pronunciamento feito durante uma entrevista não deve ser misturado com o realizado num discurso adredemente preparado. ”
    .
    Esse seu critério é beeem nonsense. Não dá para acreditar num sujeito que diz uma coisa numa entrevista e outra coisa num “discurso adredemente preparado”.
    .
    Will Storr investigou a fundo a questão Sheldrake x Wiseman. Ele entrevistou a ambos várias e várias vezes. Além de ter pego Wiseman na mentira, sabe qual foi a conclusão dele?
    .
    Sheldrake defended himself easily against many of Wiseman’s attacks. It was the opposite experience from that which I had been led to expect.
    .
    Traduzindo:
    .
    “Sheldrake se defendeu facilmente contra muitos dos ataques de Wiseman. Isso foi o contrário do que eu esperava”.
    .
    Fica claro que Storr tinha uma visão favorável a Wiseman antes de sua pesquisa. Mas a pesquisa levou-o a uma conclusão bem diferente da que ele imaginava.

  112. montalvão Diz:

    /
    “agora tem um gato telepata.
    Quando a gente se prepara pra – e portanto pensa em…- comer ele que andava pelos telhados & muros, invariavelmente aparece.”
    /
    “GORDUCHO, eu já tive gatos assim.
    Infelizmente, não é telepatia, é olfato mesmo.”
    /
    .
    DE MARTE, recebi telepatização, dita vinda de Sheldrake: disse-me ter tentado contatá-lo mesma via em vão, então, sabendo melhor receptivo buscou-me e o em vão se preencheu.
    .
    O emissor assim falou: “Ó Marciano, sua descrença é abismal, que que tem o faro do gato com a percepção que ostenta de que o amigo que o alimenta decidiu comer?
    Você precisa perceber, talvez passar a pressentir, que antes de o olfato entrar em action, o felino capta o impulso alimentar que, sabemos, brota no cérebro e explode no estômago (também chamado barriga). Esta é, portanto, prova científica de que animais se movem telepaticamente.”
    .
    FIM DE MENSAGEM TELESPÁTICA

  113. Gorducho Diz:

    Tanto que às vezes ele tá nos telhados do outro lado da rua ode inclusive tem uma lancheria e certamente tem mais cheiro de comida que em casa.
     
    E quanto ao Lorde… ¿como que não vai ter sido telepatia?

  114. Gorducho Diz:

    Claro, no caso do Lorde foi entre hominais :mrgreen:

  115. Vitor Diz:

    Antes que o Montalvão pergunte quais foram as mentiras que o Wiseman contou e que o Storr desmascarou:
    .
    [Storr] discovers a paper trail that serves to discredit at least some of Wiseman’s and Randi’s claims. In Wiseman’s case, he had insisted to Storr that he began his experiments with the so-called “psychic terrier” Jaytee (a dog who knew when his owner would be coming home) at the same time as Sheldrake himself. Sheldrake, on the other hand, said he began the experiment’s months before Wiseman got involved, and that, indeed, Wiseman actually borrowed some of Sheldrake’s equipment. Storr writes:
    .
    Later I find a paper co-written by Wiseman in “reply” to some of Sheldrake’s criticisms. It confirms that Sheldrake “kindly invited [Wiseman] to conduct his own investigations of Jaytee”, and that they took place thirteen months after Sheldrake’s experiments began.
    .
    I decide to look up the Schmidt meta-analysis that Wiseman talked about, which he said excluded Sheldrake’s work because “it’s just not good enough quality”. I am surprised to find it concludes that there is a “small but significant effect” of the sense of being stared at. But I am more surprised yet when Sheldrake tells me that he was excluded from it, not because his work was deemed sloppy, but because it is an analysis of experiments that separated starer from staree using CCTV – something that Sheldrake has never done. [p. 324]

    .

  116. Larissa Diz:

    Ninguém aqui nunca teve nem uma experienciazinha, mixuruca que seja, que sugira telepatia ou precognição? Não é preciso me espinafrar nas respostas.

  117. Borges Diz:

    Sim, inúmeras vezes; você disse bem, experiência que sugere telepatia, isto porque não posso descartar outras possibilidades.
    Um abraço

  118. Gorducho Diz:

    M/experiência Sobrenatural foi assim:
    Tavamos eu + 2 ou 3 (tinha um total de 4 mesas) no nosso escritório da época about 1 quartel ago.
    Verão de tarde fechados no ar condicionado sem grande coisa p/fazer eu falei num primo meu que era também conhecido dos outros.
    Essa pessoa era relativamente conhecida mas eu não tinha nenhum motivo p/mencioná-la exceto a falta-de-assunto e não sei porque me ocorreu.
    Fazia uns 5+ anos que não o (é homem) víamos e ele tinha base ~500km do nosso local e tava morando ~2000km.
    O escritório tinha um janelão e porta de vidro como esses de fábricas onde ficam os supervisores.
    Mal termino de faltar e os caras me responderam algo e ele passa da direita pra esquerda e entra (claro) pela porta.
    Tinha vindo de carro e estacionara-o (claro) no estacionamento interno.
    Época pré-INTERNET no tempo do TELEX e do DDD. Ninguém falara com ele nem avisara ninguém.

  119. montalvão Diz:

    /
    ——————————.
    “[...]sem grande coisa p/fazer eu falei num primo meu que era também conhecido dos outros.
    [...]
    mas eu não tinha nenhum motivo p/mencioná-la exceto a falta-de-assunto e não sei porque me ocorreu.
    .
    Fazia uns 5+ anos que não o (é homem) víamos e ele tinha base ~500km do nosso local e tava morando ~2000km.
    [...]
    Mal termino de faltar e os caras me responderam algo e ele passa da direita pra esquerda e entra (claro) pela porta.”
    ———————————.
    /
    PUTA COINCIDÊNCIA, OU, prova científica da telepatia? Os adeptos alegarão que coincidências assim não soi de suceder… os céticos… o que dirão?
    /
    Eu só desdigo: quantas vezes comentamos de fulano, beltrano ou sicrano e o bruto não aparece? (Diariamente eu mesmo, que não sou de muito falar, faço referência a uns dez e raramente algum aparece). Então, quando dá de o citado aparecer fica a inquirição a ser respondida: “telepatia ou puta coincidência”?
    .
    O que Sheldrakesoni diria?

  120. Larissa Diz:

    Quem mais?
    Montalva? De Marte? Vitor? Pastor-bispo?

  121. Vitor Diz:

    De minha parte lembro de um episódio que dois grupos de amigos meus tinham saído de uma festa, cada grupo em seu carro. Eu senti pouco depois que um deles havia se acidentado, mas não sabia qual. Não falei nada, meio receoso de estar imaginando coisas. Pouco depois um dos grupos ligou avisando que tinham batido, mas nada grave. Fiquei com raiva por não ter falado antes :D

  122. Vinicius Diz:

    Eu estava dentro de um coletivo, pensando na minha namorada(atual esposa) e pensando mentalmente para ela me ligar: passado 1 minuto ela me liga :mrgreen:
     
    o que as vezes fico “indignado” é que “espíritas” pegam essas experiências e dizem: “tá vendo”, ” olha só, é o mentor”, ” são espíritos se comunicando” como se Kardec fosse o inventor das experiências místicas.

  123. Vinicius Diz:

    Uma outra para mim bastante significativa: o dia que meu avô paterno morreu, ele havia visitado minha casa, quando subiu no ônibus me veio uma sensação de que ele “não voltaria mais”. Eu tinha 8 anos .Na madrugada toca o telefone , um hospital avisando meu pai de seu óbito.

  124. Larissa Diz:

    “PUTA COINCIDÊNCIA, OU, prova científica da telepatia? Os adeptos alegarão que coincidências assim não soi de suceder… os céticos… o que dirão?”
    .
    Pode ser uma PUTA COINCIDÊNCIA, assim como é uma PUTA COINCIDÊNCIA que nesta quase infinita vastidão de espaço-tempo estejamos aqui conversando. Estatisticamente ambos casos são improváveis. Um cético aguardaria mais evidências antes de ventilar conclusões.
    /
    Eu só desdigo: quantas vezes comentamos de fulano, beltrano ou sicrano e o bruto não aparece? (Diariamente eu mesmo, que não sou de muito falar, faço referência a uns dez e raramente algum aparece). Então, quando dá de o citado aparecer fica a inquirição a ser respondida: “telepatia ou puta coincidência”?
    .
    Eu que falo pelos cotovelos sei bem o que você está falando. Mas há casos e acasos. Esse que o gorducho citou pode ser um improvável acaso. Mas e quanto aos sonhos premonitórios?

  125. Gorducho Diz:

    ===============================================================
    PUTA COINCIDÊNCIA, OU, prova científica da telepatia?
    ===============================================================
    A proposta dela foi só cada um contar seu(s) causo(s) se tiver.
    Pelo menos pra mim é menos chato que ficar falando sobre escritores estrangeiros que nada têm a ver com nosso espiritismo ou ficar calculando escores z e níveis de significância.
    Conte algo Sobrenatural que se tenha passado com seus cães…

  126. Larissa Diz:

    Minha cachorrinha amada foi dormir fora uma noite – ela é querida por todos. Sonhei a noite toda que a estava abraçando em baixo da cama de minha irmã porque a Jolie estava tremendo de dor (ela esta lá). Logo de manhã cedo o telefone tocou. Eu levantei correndo e sabia que era minha irmã e fui logo perguntando pela cachorrinha. Ela me informou que a Jolie não estava bem, que dormiu a noite toda em baixo da cama e que tremia de dor. Levei ao veterinário e descobrimos que ela estava com uma crise renal. Nunca antes tinha tido NADA.
    Se isso não for um sonho premonitório, não sei o que seja.

  127. Larissa Diz:

    A física clássica é capaz de explicar estes fenômenos?
    .
    Montalvão, se se sentir confortável para contar algo, por favor, fale de uma experiência pessoal com humanos.

  128. Gorducho Diz:

    ===============================================================
    A física clássica é capaz de explicar estes fenômenos?
    ===============================================================
    Nem a quântica… Por favor não entre nessa da flat’s QM sem matemática do espiritismo…
    By the way… ¿já saíram os experimentos aqueles da dupla fenda?

  129. Larissa Diz:

    “Nem a quântica… Por favor não entre nessa da flat’s QM sem matemática do espiritismo…”
    .
    Nem cogito a QM – deixo para o especialista Carlos Vereza. .
    “By the way… ¿já saíram os experimentos aqueles da dupla fenda?”
    .
    Você está falando da experiência do Gabriel Guerrer?

  130. montalvão Diz:

    /
    Larissa,
    .
    Não sou descrente de nascença no paranormal, ou no místico. Quer dizer, nasci acrente, mas com o viver tornei-me adepto ferrenho de significações ocultas. Procurava-as avidamente em minhas experiências diárias, e sempre achava alguma confirmação, qual no dia em que perdi um ônibus, apesar de desabalar em perseguição, e depois soube que trombara no caminho…
    .
    Com o tempo fui zerando essa fé e apaguei de meu HD quântico os registros dessas experiências.
    .
    Mas uma ficou-me registrada e dela dou relatório.
    .
    Voltava eu para casa, após o expediente, num dia de chuva e estava no ponto aguardando o ônibus, que não vinha.
    .
    As notícias davam conta de que a Av. Brasil (RIO – RJ) estava inundada e nada passava. Vi que uma condução alternativa, que não seguia por essa via, saia e chegava. Resolvi pegá-la, seria pouca diferença a vencer pelas pernas.
    .
    Só que a dita foi por caminho que inimaginei, levando-me para distante de onde pensava. Desci e esperei outro que corrigisse o destino. Veio e embarquei. Po´rem, em dado momento, ele se desviou para outra direção e, novamente, levou-me para longe.
    .
    Meio confuso, afinal conhecia bem aqueles locais e não era para me embaraçar tanto, esperei novo transporte, que veio e embarquei. Só que este, em vez de ir estava voltando e, mais uma vez, me vi sendo levado para onde não queria.
    .
    Foi aí que a revelação caiu-me como uma marreta: alguma força desconhecida me impedia de chegar ao lar!
    .
    Como a paranormalidade é assim como bem sabemos: nunca se desvela por inteiro, fiquei a matutar se o afastamento seria para o bem, ou se influência “maligrina” não estaria a me afastar de para onde deveria ir…
    .
    Não tendo como seguramente decidir decidi ir ver. Desci do coletivo e resolvi vencer a pé a distância (uns 4km). E fui. Todo bom caminheiro, habituado a ir caminho a dentro, sabe que com disposição rapidinho se chega.
    .
    E cheguei. Examinei o ambiente: nenhum vestígio de tragédia. Poderia ser dentro de casa: um acidente, invasão criminosa, alma penada em ação… Célere mas silencioso adentrei ao lar: apurei os ouvidos, ativei o olfato e peguei a barrinha de ferro que sempre deixava encostada num canto.
    .
    Minha mulher estava deitada. Acendi a luz a indaguei se algo incomum ocorrera: tiroteio, briga de vizinhos, trombada, enchente… coisas típicas daquela área.
    .
    - Nada, tudo tranquilo, a única coisa foi que faltou luz por uns dez minutos, só… por quê está perguntando? – perguntou-me…
    .
    - Nada, por nada, só perguntei por perguntar…
    .
    Foi então que tive a prova científica da conjetura de Moi…

  131. Marciano Diz:

    MONTALVÃO, não é que eu não tenha recebido as ondas telepáticas de Sheldrake, é que não as interpretei dentro do contexto.
    Não sou bom em interpretação de ondas telepáticas.
     
    Agora que você explicou, tudo ficou claro.
     
    Sheldrake não é o primeiro que fica abismado com a abissal diferença interpretativa de nossos processadores de ondas telepáticas.
     
     
    GORDUCHO, isso da lancheria PROVA que até gatos têm nojo dessa porcaria que por lá servem.
    A comida da sua casa deve ser bem melhor.
     
    Sem contar que lá ele não é bem tratado, como aí.
     
     
    Vitor Diz:
    NOVEMBRO 17TH, 2016 ÀS 9:20 AM
    Antes que o Montalvão pergunte quais foram as mentiras que o Wiseman contou e que o Storr desmascarou:
    .
     
    Isto PROVA que o VITOR sabe mesmo telepatia. ANTES que o MONTALVÃO pergunte, ele já responde.
    Se isso não prova telepatia, o que mais provará :?:
     
     
    A única experiência sobrenatural telepática de que me recordo é que eu imaginei que a LARISSA faria uma pergunta desse tipo e ele não decepcionou.
    Fora isto, nada que seja digno de registro.
     
     
    LARISSA, a maior prova do sobrenatural é você, que me conhece tão bem, perguntar-me se já tive experiências telepáticas.
    Sou desprovido desse sentido.
    Estou até pensando em formar uma ONG para que os atelepáticos sejam ajudados, como mencionei acima, pois somos vítimas de preconceito por parte dos que são normais.
    Veja a PROVA:
     
    http://i24.photobucket.com/albums/c7/gui_cemin/blog/072.jpg

  132. Larissa Diz:

    Moi, nunca te ocorreu alguma intuição, pressentimento, sonho, etc., com confirmação posterior?

  133. Larissa Diz:

    Marciano, eu tinha certeza que você responderia com ironia. E isso não foi precognição. Beijinho no ombro (com o carinho de sempre) pra você ;)
    .
    O meu ponto com este diálogo, que já o iniciei uma vez em outro tópico, é chegar ao denominador comum que, ainda que não compreendamos bem, ao menos esporadicamente a maioria de nós experimenta ou já experimentou o conhecimento antecipado de eventos futuros.

  134. Larissa Diz:

    É um fenômeno empiricamente observável, ainda que cientificamente não escrutinável até o momento. Não entendo, sinceramente, por que ridicularizar o tema.

  135. Gorducho Diz:

    Não pense que por contar algum causo nossa bancada concorda com essa afirmação, certo?
     
    Certo Presidente :?:
     
     
    Agora, pra mim pessoalmente fica mais interessante do que ficar discutindo estatística anglo-nórdica.

  136. Larissa Diz:

    Em momento algum eu afirmei que há precognição. O que eu afirmo é que “ao menos esporadicamente a maioria de nós experimenta ou já experimentou o conhecimento antecipado de eventos futuros.”
    O mecanismo que opera este fato ainda precisa ser mais bem estudado. Só isso.

  137. Marciano Diz:

    LARISSA, obrigado pelo carinho, o qual é recíproco.
    Quanto ao beijinho no ombro, segundo o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, quinta edição, 2009, é expressão usada pela funkeira Valesca Popozuda, que significa a auto-afirmação de alguém em relação às pessoas invejosas.
    Neste caso, o recalque é utilizado por Valesca Popozuda para falar da inveja que as suas inimigas sentem por ela, por um desejo reprimido de ser ou imitá-la sem ter sucesso, o que foi tomado como modelo em diversas situações diante das críticas dos outros.
    Et tu, Brute!
    Não quer trocar por um selinho :?:
     
    Você mesma diz que tinha certeza que eu responderia com ironia.
    Aproveitou-se da pré-cognição para mandar um beijinho no ombro pra mim?
    Pois eu te devolvo um beijo francês, bem mais chic (e mais gostoso).

  138. Marciano Diz:

    💏

  139. Marciano Diz:

    Se não consegue visualizar, veja pelo Chrome.

  140. Marciano Diz:

    Excelentíssimos Senhores Presidente e Vice-Presidente da Bancada
    Este humílimo e servil, bajulador e aspirante a cisco que vos fala quer deixar bem claro que, cioso de suas obrigações como Secretário da Presidência, cargo digno da mais alta honraria, para o qual sou totalmente desqualificado, mas aceitei-o porque não fujo ao dever quando chamado a cumpri-lo, concorda totalmente que, para evitar que o blog afunde qual o Titanic, passemos a narrar causos comprovadores da telepatia, humana ou canina, mas com o único propósito de evitar a evasão em massa de leitores e de comentaristas, jamais como admissão de devaneios e quimeras psicodélicas astrais.

  141. Marciano Diz:

    Para mostrar que estou falando sério, vou relatar um episódio ocorreu comigo há poucos anos.
    Estava eu dirigindo pela Avenida Brasil, em pleno mês de janeiro, ao final da tarde, quando o céu enegreceu-se e foi tomado de cumulus nimbus.
    Logo depois a pista inundou-se, impossibilitando que eu continuasse a me deslocar.
    Mais adiante, para sorte minha e azar de outros, uma turba de saqueadores praticou um arrastão com outros motoristas que tiveram o azar de sair um pouco mais cedo.
     
    Até aí, morreu o Neves, mas o pior é que eu tinha acordado, neste exato dia, durante um pesadelo, que consistiu exatamente na situação que vivenciava naquele instante.
     
    O episódio que acabo de narrar é inteiramente imaginário, mas serve como prova de minha boa vontade de colaborar com os demais e contar uma história estranha, mesmo que NUNCA tenha vivenciado alguma.
     
    Although the Heisenberg uncertainty principle asserts that it is impossible to look at a sub-atomic particle and know both where it is and where it’s going at the same time with exactly 100 percent accuracy, a precog’s subconscious still calculates probabilities to a 99.999 percent level of likelihood. The 0.001 probability is only actualized by something that prevents the 99.999 probability as a result of the precog’s interference because of their prediction. This means that unless a precog tries to prevent one of their predictions or makes others aware of it, the chances become 100 percent the prediction will happen.
     
    Aqui há sabedoria e quem tiver inteligência que calcule a probabilidade, pois é a probabilidade de uma besta e seu número é 0.000000000000000000000000000000000000%.

  142. Borges Diz:

    Tem Presidente, Vice Presidente, Secretário, etc.; só tem “toridade” nesta “bagaça”; onde estão os súditos?
    Brincadeirinha ehin!!!
    Um abraço

  143. Marciano Diz:

    Não há nenhum fato extraordinário em alguém predizer o futuro.
    Como não temos livre-arbítrio, sendo o universo determinista, quando alguém prevê algo, só o faz porque não tinha escolha, estava no roteiro divino.
    Como o precog poderia deixar de fazer a predição, se não teve escolha?
    Extraordinário seria, num mundo cheio de incertezas, onde predomina o acaso, alguém fazer uma predição clara e precisa do que ainda não aconteceu.
    Mas não é o caso do nosso universo. Talvez seja o de algum outro, paralelo ou transversal.
    Aqui tudo está escrito.
     
    مكتوب , (maktub)= estava escrito, fórmula fatalista com que o crente do الإسلام‎‎ se resigna à vontade de الله .

  144. Marciano Diz:

    Caro Borges, se tens interesse em ingressar na nossa bancada, eu te apadrinho.
    Tenho prestígio com os manda-chuva.
    Só precisará fazer uma faxina em suas crenças.
    O resto, deixa comigo.
    Os demais integrantes da bancada, sem cargos na administração, são muitos, como Contra, Antonio, etc.
    Como correligionários sem cargos administrativos, eles apenas votam em nossas deliberações, não palpitam na administração.

  145. Marciano Diz:

    ANTONIO é autor de uma de nossas landmarks, aquela que diz que nunca é beeeeeeeem assim.

  146. Gorducho Diz:

    Está faltando o Sr. contar o um seu Analista Borges.
     
    O Administrador também, estudioso de longa data e adepto do assunto: ¿nunca lhe aconteceu um fato Sobrenatural mais impactante :?:

  147. Gorducho Diz:

    Eu diria é que AAG.-POA formulou é uma regra heurística fundamental pra se estudar com proveito nossa área de interesse…

  148. Marciano Diz:

    Vamos lá, BORGES, conte-nos sua experiência sobrenatural mais marcante.
    Vou redigir uma clerico admittendo para você e submetê-la ao plenário.

  149. Larissa Diz:

    Sobre o beijo francês, só tenho a declarar q é duro ser a única mulher do debate…

  150. Larissa Diz:

    Fui….para sempre.

  151. Marciano Diz:

    É mais duro do que você pensa, mas foi um elogio à sua beleza (que conheço) e um devaneio já que este é o assunto em voga no momento.
    Já que é para sonhar acordado, eu prefiro sonhar com coisas agradáveis.
    Esqueceu-se de quando nós brigamos por questiúnculas, eu a ofendi num papo privado com o retardado do SCUR, que tem empresa de informática, com o comunista BIASETTO?
    Você revelou-se uma gata, para minha agradável surpresa, nós fizemos as pazes.
    Agora você usa o dom da premonição (quando adivinhou que eu seria irônico) só para me provocar e dar beijinho no ombro?
    💝

  152. Marciano Diz:

    LARISSA me provocando , só para depois usar seu dom premonitório para me dar beijinho de Valeska Popozuda.
    Perguntou. Já sabia o que eu responderia. Só queria dar o beijo no ombro.

  153. Borges Diz:

    O caso mais significativo que ocorreu comigo não foi de telepatia e sim de possessão quase diabólica; felizmente foi uma única vez.
    Aprecio a força dos argumentos e nunca a força bruta. Detesto luta de boxe ou qualquer esporte violento. Sou adepto da frase que diz que em uma mulher não se bate nem com uma flor.
    Alguns meses após meu casamento; tive um pequeno desentendimento verbal com minha jovem esposa e, para fazer pirracinha, fui dormir no sofá da sala. Naquela época eu estava num período de “descatolização”.
    Voltando ao assunto; estava deitado fitando o teto, quando ideias sobre fantasmas, povoaram minha mente; foi neste clima que caí nos braços da “Morfeia” (noto que o word não reclamou; acho que entendeu que se trata de um nome próprio e não da Deusa do sonho que acabei de inventar. Acabo de descobrir que morfeia é uma “esclerodermia localizada”). Enfim peguei no sono.
    Minha esposa; não sei “porque cargas d’água”; resolveu juntar-se a mim (ela disse que eu estava externando uma situação de pesadelo; é provável que tenha razão, pois até hoje eles me perseguem). Ao acordar, abri os olhos e notei o rosto dela bem próximo ao meu; parece que neste instante eu tive um apagão, só recuperando a consciência ao ouvir gritos desesperados. Ato contínuo; saltei do sofá-cama e alcancei um interruptor situado à cerca de um metro e meio de onde eu estava; acendi a luz e a interpelei sobre aquela gritaria.
    Muito assustada e com dificuldade para falar, disse-me que eu estava, até aquele momento, transfigurado, com expressão facial e voz alteradas, e que eu tentava sufocá-la com as mãos.
    Até hoje fico arrepiado ao lembrar-me desta passagem.
    Um abraço a todos.

  154. Marciano Diz:

    Acho que quem tem pesadelos é sua esposa, BORGES, ou pelo menos ela TAMBÉM.
    Vocês brigaram, ela foi dormir contigo no sofá, sonhou com sua transfiguração, acordou assustada e, como vocês dois são propensos, o prato está feito.
    Mas valeu!
    Adoro causos.
    Comigo, espíritos e demônios não arrumam nada, nem em sonhos (os meus, não sei os deles).
    Não tenho pesadelos.
     
    Vou me aproveitar da ocasião para mandar um recado para esse covarde de apossou-se do seu corpo.
    Tente se apossar do meu, seu covardao!
    Tá com medo? Peça ajuda ao diabo que o carregue!
     
    Se sofrer algum arranhão ou sonhar com um bicho feio, eu conto amanhã.
    Um abraço pra você e dedos gráficos para o espirito/diabo que o possuiu.

  155. Marciano Diz:

    É possível que espíritos malignos e demônios tenham pesadelos comigo.
    Eles morrem de medo de descrentes, pois são os únicos que podem acabar com sua vida eterna de um momento para o outro. Deixam de existir no momento em que se lhes depara um descrente.
    É por isso que eles só atormentam os crentes.

  156. Larissa Diz:

    Eu não me ofendo com brigas, como você sabe, mas a brincadeira com viés de gênero nunca é inofensiva…nunca.

  157. montalvão Diz:

    /
    SUPERVISONI,
    /
    ——————————-.
    VISONI: É a mesma coisa. Se você não leva o contexto em conta, você tirou o contexto. E, mais uma vez, eu não fiz isso. Ao contrário de você, eu li a entrevista toda.
    —————————————-.
    /
    MOI: jovem, tasjá mui grandinho para que precise de orientações sobre contextos e, como sei, sua catilogência é suficiente para entender, deduzo quemintentas enrolar…
    .
    MASSSS, como pode ter quem ache que enrolaste-me, por deferêcia, explico-lho:
    - não pode, não deve, levar o dito pelo entrevistado numa entrevista e aplicá-lo noutra situação, sem levar em conta as nuances dessa entrevista. Se o entrevistador pretende conduzir o assunto para determinada direção este direcionamento pode estar bem distanciado das manifestações refletidas do entrevistado.
    .
    - então, a não ser que ele (o entrevistado) desdiga ostensivamente alegações que até então defendia, tipo declarar:
    .
    “até aqui eu pensava e denunciava a fragilidade da ideia de telepatia entre animais e humanos, mas ao examinar melhor o assunto penso que há base para a hipótese”
    .
    Sabemos que Wiseman não disse isso. Então, não perca seu tempo tentando enfurnar na goela do sujeito o que não provém da mente dele, apenas para satisfazer anseio seu pró-paranormal. Chega de fazer firula discursiva e criar espantalhos.
    /
    /
    .
    VISONI: “O QUE WISEMAN FALA NUMA ENTREVISTA NÃO DEVE SER LEVADO EM CONSIDERAÇÃO ENTÃO? Tanto a pergunta quanto a resposta foram bem claras para mim. Não foram perguntas capciosas.”
    /
    MOI: CLARO QUE DEVE, não falei que não…
    /
    /

    VISONI: E de fato, após ele ter dado a entrevista, ele NUNCA mais negou que tivesse replicado os dados de Sheldrake, ou que refutou o fenômeno do ‘psychic pet’. O que claramente mostra que ele se julga incapaz de alegar tais coisas novamente, ainda que Sheldrake tivesse dito em uma revista indexada por pares com fator de impacto que Wiseman replicou seus resultados. O Wiseman poderia facilmente ter enviado uma carta à revista dizendo que não replicou, ou que desmascarou o fenômeno. Mas não o fez.
    /
    MOI: TIVE UM PREFESSOR AQUI NO OBRAS que me dizia: “NUNCA e SEMPRE são palavras que você nunca deve usar”…
    .
    A alegação de que Wiseman “replicou dados” está pra lá de ridícula! Sequer merece comentários…
    ./
    /.
    VISONI: “Esse seu critério é beeem nonsense. Não dá para acreditar num sujeito que diz uma coisa numa entrevista e outra coisa num “discurso adredemente preparado”.”
    /
    MOI: Numa entrevista, dependendo do ambiente, o entrevistado não tem tempo para refletir sobre o que vai dizer e acabar utilizando expressões que, caindo em mãos, digo, ouvidos malévolos podem ser severamente distorcidas. Isso acontece com frequência. Tem que apreciar o conjunto da obra.

    /
    .
    VISONI: Will Storr investigou a fundo a questão Sheldrake x Wiseman. Ele entrevistou a ambos várias e várias vezes. Além de ter pego Wiseman na mentira, sabe qual foi a conclusão dele?
    ..
    “Sheldrake se defendeu facilmente contra muitos dos ataques de Wiseman. Isso foi o contrário do que eu esperava”.
    .
    VISONI: Fica claro que Storr tinha uma visão favorável a Wiseman antes de sua pesquisa. Mas a pesquisa levou-o a uma conclusão bem diferente da que ele imaginava.
    /
    MOI: Pra mim fica claro que Storr é sheldrakeano, nada além, se convertido recentemente ou de longa data não vem ao caso na presente conversa.
    /
    Por fim, recordo-lho o que perspicazmente pontuou o homem de Marte: “e mesmo que Wiseman passasse a acreditar na telepatia canina (ele que nem na telepatia “normal” parece crer), tal garantiria a realidade da coisa?”

  158. Marciano Diz:

    Eu não faço brincadeiras com gênero, número ou grau.
    Deixe disso, LARISSA.
    Se for pra você não levar a mal, eu conto um causo verdadeiro.
    Eu havia saído apenas para comprar algumas coisas, em uma dessas lojas que vendem quase tudo. Eu fiquei o dia inteiro em casa, assistindo filmes e no computador; quando ficou tarde eu fui dormir, fiquei pensando muito nos amigos que havia perdido ao me mudar.
     

    Sonhei que estava com meus melhores amigos, no terraço de um apartamento que nunca tinha visto. Eles tinham uma vizinha, que por sinal não foi com a minha cara. Mesmo assim meus amigos resolver provocá-la e tudo que eles falavam para essa tal vizinha, ela vinha tirar satisfações comigo.
     

    Meus amigos me disseram que iam a sua casa, não sei bem o que foram fazer. Eu estava querendo ir junto, mas eles não queriam muito que eu fosse. Eu insisti, mas logo pensei que se aquela vizinha fosse me fazer algum mal, eu correria pra casa deles. Então fiquei naquele terraço, sozinho, segurando uma caneta.
    Foi quando senti alguém me amarrar uma corda no pescoço e me arrastar. Eu estava com muito medo.
    Ela dizia:
    - Quem mandou mexer comigo? Agora sofrerá!
     

    Quando fui abrir os olhos, ainda estava no terraço, mas em um lugar onde não havia muro e quando olhei pra frente, havia um “bicho”, as it were.
    Era meio avermelhado, tinha olhos pretos, andava sobre duas pernas e tinha alguma coisa na cabeça à qual não prestei muita atenção. A mulher dizia para esse ser me castigar, fazer algum mal comigo. Eu pensei que ele iria me matar, mas ele disse a ela que não poderia fazer nada comigo, que era melhor ela deixar eu ir embora. E de repente apareceu um anjo (tenho certeza de que era um anjo) e me olhava com pena, então a mulher me mandou correr e eu, sem pensar, fui. E o anjo foi atrás. Continuei no terraço esperando meus amigos, que infelizmente estavam demorando demais.
     

    Eu, então, resolvi ir lá ver o porquê de tanta demora, mas no caminho encontrei aquela velha, que não tinha desistido de me atormentar e me fazer mal.Ela me puxou pelo braço e me levou de novo àquele “bicho”. Desta vez eu resolvi me defender e disse a ele que ele nunca iria me matar e nem conseguiria me fazer mal.
    Nisso, ele fechou as duas mãos, como se fosse abraçar alguém, e colocou-as sobre mim.
    Com isso eu fui caindo pouco a pouco, até ir completamente ao chão.
    Eu acordei na mesma hora e senti o meu corpo todo doendo e meio que mole, como se tivesse desmaiado. Mas fui dormir de novo e tive o mesmo sonho, só que a casa desta vez, era minha. Minha mãe estava na cozinha, tínhamos acabado de nos mudar para lá e, como minha mãe estava em casa, eu contei a ela que a vizinha era diabólica e que não podia fazer nenhum barulho. Então minha mãe bateu em uma mesinha que havia ali e a vizinha subiu correndo. Ela ficou olhando e eu disse:
    - Olha, mãe, aquela mulher nojenta. Eu xinguei a vizinha. Ela chegou bem perto, com uma faca, e queria me matar. Eu comecei a gritar para minha mãe, só que ela estava com os olhos rodando, como se alguém à tivesse hipnotizado.
     

    Mas o que mas me deixou curiosoa foi que minha mãe queria mudar, mas pra onde não tivesse vizinhos, porque eles reclamam demais e ela encontrou uma casa onde haviam vizinhos e estava indecisa sobre mudar ou não para este lugar.
    Poderia ser um aviso? Ou apenas um pesadelo?
     
     
    Nem uma coisa, nem outra. Só uma história estranha, pra mó de ver se a LARISSA deixa de se ofender comigo sem razão.
     
    MONTALVÃO, na lógica visoniana faz diferença, ou melhor, faria, pois não ficou comprovada a observação de Wiseman (o que ele teria dito, segundo Sheldrake).
     
    Proponho a você uma forma irrefutável de provarmos de uma vez por todas a cientificidade da telepatia canina.
    Você faz uma pesquisa, prova a telepatia canina.
    Eu replico sua pesquisa e não comprovo coisa alguma.
    Meto o cacete em você e na sua pesquisa.
    Você revida, me xinga, diz que sou feio, etc.
    Depois, você diz (sem comprovar) que eu admiti ter replicado sua pesquisa, só tendo chegado a conclusão oposta por questões de ponto de vista, assunto do qual BORGES entende bastante.
    PRONTO! Está provada sua pesquisa.
    Logo eu, ex-parapsicólogo, agora com juízo (para fazer jus ao nome – Wiseman) e pseudo-cético teria dito que repliquei sua pesquisa.
    Quer prova mais contundente do que esta?

  159. montalvão Diz:

    /
    Larissa: Pode ser uma PUTA COINCIDÊNCIA, assim como é uma PUTA COINCIDÊNCIA que nesta quase infinita vastidão de espaço-tempo estejamos aqui conversando. ESTATISTICAMENTE AMBOS CASOS SÃO IMPROVÁVEIS. Um cético aguardaria mais evidências antes de ventilar conclusões.
    /
    CONSIDERAÇÃO: não, não é P. coincidência estarmos cá conversando: os astros comungaram para que sua graciosa pessoa aqui aportasse, a fim de espargir o perfurme caricioso de seu charme…
    (hoje estou xaveriano da gota)…
    .
    Mas, já que traz a questão à baila, digo-lhe: as experiências humanas são feitas de coincidências e a essas coincidências damos o valor que nos apetecer, ou seja, valorizamos certos eventos em detrimento de outros. Duas pessoas se encontrarem em qualquer situação imaginável é algo tão comum quanto o sol nascer, a abelha sair em busca de nectar, as cobras comerem ratos, ou alguém em seu aniversário de cinco anos furar o pé com cinco pregos.
    .
    Quantas “coincidências” acontecem em nossas vidas e não nos damos conta? E por delas não termos percepção deixam de ter significado.
    .
    Por exemplo, aqui no Obras vim a saber que Marciano e eu caminhamos pelas mesmas calçadas. Talvez tenhamos nos visto em algumas ocasiões, porém o encontro passou sem registro memorativo. Foi aqui, nesse sítio, a discutir assuntos de interesse comum, que descobrimos que tivemos caminhos comuns: isso, no máximo, é uma curiosidade. Agora, suponhamos que tivéssemos conversado nalguma ocasião e do encontro ficasse a lembrança. Passados muitos anos nos reencontramos no Obras, se fôssemos dados a encontrar significados ocultos nos acontecimentos diríamos que nossos destinos estavam programados para esse desfecho.
    .
    Não quer dizer que valorizar certas ocorrências sejam repudiável, não é isso, mas supor que por detrás dos eventos haja força misteriosa os conduzindo para que aconteçam exatamente como aconteceram, e que “nada ocorre sem um motivo místico”, embora seja ideia cativante, carece de comprovação.
    .
    Temos forte tendência a dar importância especial a certos números, datas, palavras, ocorrências… e daí extrair as suposições mais imaginativas. Sem problema, é até gostoso pensar assim, só que não há evidência satisfatória de que qualquer fato, seja trivial, seja excepcional, tenha significado especial.
    /
    Por outro lado, tanto o primo do Gorducho aparecer tão logo seu nome foi citado, ou estarmos a conversar quando poderíamos nunca termos nos conhecido não são eventos “estatisticamente improváveis”. Não entendo como chegou a tal conclusão. Em sistemas abertos as possibilidades são praticamente infinitas.
    /
    Nossas vidas são repletas de ocorrências, podemos, se quisermos, dar-lhes os sentidos que bem entendermos e acharmos que estamos lidando com os grandes segredos do universo,mas, a verdade é que as coisas simplesmente acontecem…
    /
    Quando o universo congelar viveremos uma mesmice eterna, não haverá coincidências, excepcionalidades, forças ocultas… nada…

  160. Marciano Diz:

    CLIQUEM AQUI para ler a matéria jornalística.
     
     
    https://http2.mlstatic.com/camiseta-beijinho-no-ombro-pro-recalque-passar-longe-flam-D_NQ_NP_12866-MLB20067160566_032014-F.jpg
     
     
    💓
     
    http://amora2010cachorro.pbworks.com/f/pensando.jpg

  161. montalvão Diz:

    /
    /
    “Mas e quanto aos sonhos premonitórios?”
    /
    Bela, somos premonitórios por natureza. A todo momento estamos premonizando acontecimentos. Os sonhos premonitórios são consequência do processamento subconsciente dos dados armazenados na mente. Quando dão certo, podem ser considerados intuições férteis. Quando não funcionam é porque ou processamento foi falhado ou os dados disponíveis eram insuficientes para prover vaticínio produtivo. E esteja certa: a maioria das premonições é fracassada, erramos mais que acertamos. O caso é que temos forte inclinação a supervalorizar os acertos e esquecer as falhas.
    /
    Verdade seja dita, os “sonhos premonitórios” são profecias pós-fato. Depois do acontecimento alguém vem a garantir que sonhou com a coisa. Quer dizer, só se sabe que teve premonição quando o acontecimento confirmar. Aí, como se faz para conferir se realmente o evento foi preconizado ou não está havendo adaptação do sonhado à realidade?
    .
    Conhece tragédia evitada graças a sonho premonitório? O máximo que se tem é ouvir quem diga que escapou do acidente porque sonhou…

  162. Marciano Diz:

    MONTALVÃO DISSE:
    Por exemplo, aqui no Obras vim a saber que Marciano e eu caminhamos pelas mesmas calçadas. Talvez tenhamos nos visto em algumas ocasiões, porém o encontro passou sem registro memorativo. Foi aqui, nesse sítio, a discutir assuntos de interesse comum, que descobrimos que tivemos caminhos comuns: isso, no máximo, é uma curiosidade. Agora, suponhamos que tivéssemos conversado nalguma ocasião e do encontro ficasse a lembrança. Passados muitos anos nos reencontramos no Obras, se fôssemos dados a encontrar significados ocultos nos acontecimentos diríamos que nossos destinos estavam programados para esse desfecho.
     
    É mais do que isso, MONTALVÃO. Frequentamos os mesmos lugares (Casa do Marinheiro, LESPAN, Parque Xangai, etc.).
    É quase certo que tenhamos passado um pelo outro, feito contato visual.
    Pena que eu não sabia que estava diante do futuro Presidente da Bancada.
    Se telepatia existisse, eu perceberia imediatamente que estava diante de um ser extremamente inteligente e teria logo procurado amizade, não importa a diferença de idade.
    A maioria dos meus amigos era desprovida de pensamento crítico (se bem que na época você talvez fosse crente, ainda, e não iria gostar muito dos meus pensamentos).
     
     
    O que seria realmente sobrenatural é se nunca ocorressem coincidências.
    É o que eu acho, s.m.j.

  163. Marciano Diz:

    Sobre premonição, além do fato de que elas são sempre explicadas a posteriori e que as coisas vistas em retrocesso NUNCA são exatamente como nos lembramos, tanto que NUNCA VI alguém predizer ou sonhar com algo ANTES do fato, é SEMPRE DEPOIS, temos, também, a mania de profetizar sobre tudo.
    Depois deixamos na gaveta as profecias erradas (e são legião) e nos lembramos e adaptamos, lapidamos, só aquelas que com pequenas imperfeições de memória e alguma imaginação podemos dizer que se comprovaram.
    Até Guy de Maupassant já sabia disso.
    Andei lendro uns livros de psicologia cognitiva que demonstram cabalmente esses defeitos de nossas reconstruções de memória e a seletividade dela.

  164. montalvão Diz:

    /
    “Não pense que por contar algum causo nossa bancada concorda com essa afirmação, certo?

    Certo Presidente?”
    /
    SEI-O não afeito à crença, comentei o caso porque vai ter quem defenda que o cosmo confabulou para que o evento assim sucedesse…

  165. Marciano Diz:

    Vou fazer uma profecia real (feita antes de o fato acontecer e com precisão, sem coisas vagas, obscuras) :
    Roberto Carlos, o pirata da perna de pau, aquele que plagia todo mundo (não o grande cantor), terá sua prisão decretada amanhã, por envolvimento no propinoduto da Petrobrás e ficará na mesma cela de Sua Excelência, o ex-governador Molequinho Álvares Cabral.
    Ao meio-dia o STF concederá HC, por maioria, sendo vencido o Gilmar Mendes.
    Ao declarar seu voto divergente, Gilmar será interrompido por Levando o Ovsky, que fará graves insinuações contra o ministro, o que será resolvido no braço, fato inédito na história da suprema corte.
     
    Há outros que serão presos no decorrer do período, mas não posso declinar seus nomes, para não vazar informações privilegiadas, provindas da minha capacidade premonitória, adquirida ao longo de várias encarnações em que cursei todos os cinco mil anos da faculdade de telepatia intergaláctica.
     
    Quero ver o que vai dizer quando vir minha profecia concretizada (quer dizer, quero ver, não, já vi – eu vejo tudo antecipadamente).

  166. Marciano Diz:

    MONTALVÃO e GORDUCHO, não sei se viram, mas eu contei dois causos acontecidos comigo, genuinamente produto da paranormalidade cósmica universal, fatos que só podem ser explicados à luz da energia provinda Amanita muscaria.
    Está tudo aí pra cima.
    Fatos verdadeiramente falsos, mas foi só pra ficar bem na fita.
    Eu já morei numa casa bem assombrada (não era mal assombrada, os espíritos assombravam muito bem a casa), onde aconteciam fatos que não tenho coragem de contar aqui, não porque tenha medo de que voltem a acontecer, mas porque com minha fama de pseudo-cético, ninguém acreditaria.
    When I was a child I saw dead people. All the time.
    And I still see them, with a little help from my friends, who provide me with generous doses of lysergic acid diethylamide.
    My friends are John, Paul, George and Richard, nicknamed Ringo.
    John and George are dead, but I see them anyway.
    Paul is also dead, but he was substituted by a doppelgänger.
    The doppelgänger, whose name is coincidentally Paul, plays the bass better than him, but is not so good at the piano, the drums, guitar, electric guitar, organ, composition and the like.
    I taught the first chords to my friends. A major, C minor.
    For example, there are about a zillion songs that use this chord progression: G – D – Em – C (also called the I – V – vi – IV progression). I taught them to play those chords and several chord progressions.
    Except for Richard. He liked the drums, and stuck to them.
    They are very talented and John and George continue to compose and play on the other side. Not of the Mersey River, the other side of the world.
    Enough with mixing alcohol and lysergic acid diethylamide.
    I’m gonna try to have some wet dreams and learn to play the sitar, with my friend George.
    They use 17 notes, instead of our chromatic scale, with 12, and it is very hard to play the sitar.
    Maybe I’ll stick with the blues and the pentatonic, wich pleases everyone and is easy like hell.
    Bye.

  167. Marciano Diz:

    stick TO the blues.
    The poltergeist always mixes with my commentaries.

  168. Marciano Diz:

    comments. Did I say that?
    We’re not supposed to play with the spirit of the dead.

  169. Marciano Diz:

    In a 2005, Gallup poll, 37 percent of Americans, 28 percent of Canadians, and 40 percent of Britons expressed the belief that houses could be “haunted” (Moore, David W. (16 June 2005). “Three in Four Americans Believe in Paranormal”. Gallup Poll. Gallup. Retrieved 14 February 2010).
    Alguém aqui já morou em casa assombrada?
    Não estou me referindo a casas com árvores frondosas que obstruem a luz solar, mas a casas habitadas por espíritos desencarnados, que não gostam de partilhar a residência com espíritos encarnados.

  170. Marciano Diz:

    Tem um tópico novo sobre uma casa assombrada.
    Foi nos idos de 1970, lá na casa do Carvalho, em Suzano, SP.
    Na Rua Pe. Eustachio, uma casinha pobre, sem o charme daqueles casarões assombrados americanos ou dos castelos europeus cheios de fantasmas.
    O caso foi estudado pelo INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISAS PSICOBIOFÍSICAS (eles explicam o que é isso) e documentado por HERNANI GUIMARÃES ANDRADE.
    Por enquanto, só eu e o VITOR nos manifestamos lá (no tópico, não na casa).
    Quando eu voltar amanhã, provavelmente no final da tarde, espero encontrar vários depoimentos mentirosos de todos aqui.
    Deem asas à imaginação.
    Comentem e contem seus causos.
    Ou não reclamem que não se valorizam os fantasmas pátrios.

  171. Marciano Diz:

    Não consigo dormir.
    Já tomei todas as providências, de várias marcas, mas nada de sono.
    Daqui a pouco preciso acordar e terei manhã e tarde cheias de compromissos.
    Acho que estou é com medo do Freddy Krueger.

  172. Marciano Diz:

    Socorro!

  173. Marciano Diz:

    Dessa vez me dei mal.

  174. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “- então, a não ser que ele (o entrevistado) desdiga ostensivamente alegações que até então defendia, tipo declarar:“até aqui eu pensava e denunciava a fragilidade da ideia de telepatia entre animais e humanos, mas ao examinar melhor o assunto penso que há base para a hipótese”. Sabemos que Wiseman não disse isso. ”
    .
    Pombas, Montalvão, qual é o seu problema? Ele disse EXATAMENTE isso. Que outra interpretação você dá para: “Então eu digo olhando para os dados dele que sim, pode haver algo acontecendo .Eles não me parecem como a metodologia rigorosa que você precisaria para ser capaz de tomar essa decisão firmemente em uma direção ou outra. Gostaria de colocá-los na caixa de “mais experimentos são necessários”, em condições ligeiramente mais rigorosas.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “TIVE UM PREFESSOR AQUI NO OBRAS que me dizia: “NUNCA e SEMPRE são palavras que você nunca deve usar”…”
    .
    Só que este NUNCA que usei não está sendo usado num tempo infinito, e sim num tempo finito. Desde 2007 até hoje [tempo delimitado, portanto], ele nunca mais negou que tivesse replicado os dados de Sheldrake. Procure qualquer publicação dele de 2007 para cá e veja se acha qualquer negação.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “A alegação de que Wiseman “replicou dados” está pra lá de ridícula! Sequer merece comentários…
    .
    Até revisores fora da parapsicologia acharam tal declaração perfeitamente aceitável. Até mesmo quem era a favor de Wiseman achou tal declaração correta, como Will Storr. Ridícula é a sua insistência em negar de ver o óbvio. Até os gráficos são virtualmente idênticos. Nem desenhando você consegue ver. Freud explica…
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Numa entrevista, dependendo do ambiente, o entrevistado não tem tempo para refletir sobre o que vai dizer e acabar utilizando expressões que, caindo em mãos, digo, ouvidos malévolos podem ser severamente distorcidas. Isso acontece com frequência. Tem que apreciar o conjunto da obra.”
    .
    Foi o que fiz. E desde a entrevista, ele nunca mais negou que tivesse replicado os dados. Não enviou uma carta à Anthrozoos negando que tivesse replicado. Lá Sheldrake diz (ano 2000):
    .
    The same dog was tested independently in four separate trials by skeptics, who claimed that the dog had failed to signal his owner’s return (Wiseman et al. 1998). But their claim depended on an arbitrary criterion based on two minutes of the dog’s behavior, rather than taking into account all the data. When their published data were plotted on graphs, they showed the same pattern as has been reported previously (Sheldrake 1999b).
    .
    Em 2007 Wiseman disse EXATAMENTE a mesma coisa.
    .
    O pior cego é o que não quer ver, Montalvão.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Pra mim fica claro que Storr é sheldrakeano, nada além, se convertido recentemente ou de longa data não vem ao caso na presente conversa.”
    .
    Lógico que vem ao caso. Mostra alguém que foi fundo na pesquisa (ele entrevistou e reentrevistou Sheldrake e Wiseman várias e várias vezes, ele foi extremamente minucioso, eu diria até chato nisso) e decidiu a favor de Sheldrake, pegando Wiseman na mentira. E ele não virou um convertido. (Leia o livro antes de criticar Storr, sim?) Ele disse que não acredita que a telepatia exista, mas que agora (após sua pesquisa entrevistando Sheldrake e Wiseman) ele está bem menos certo disso. Ele diz que onde antes só via preto e branco sobre essa questão, a pesquisa dele deu origem a uma área cinzenta, e que é maravilhoso agora ter dúvidas sobre isso (a existência da telepatia). Isso parece um convertido para você?
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Por fim, recordo-lho o que perspicazmente pontuou o homem de Marte: “e mesmo que Wiseman passasse a acreditar na telepatia canina (ele que nem na telepatia “normal” parece crer), tal garantiria a realidade da coisa?”
    .
    No mínimo mostraria que os dados não dependem do viés do pesquisador, o que é muito bom para garantir a realidade da coisa.

  175. montalvão Diz:

    /
    “MONTALVÃO e GORDUCHO, não sei se viram, mas eu contei dois causos acontecidos comigo, genuinamente produto da paranormalidade cósmica universal, fatos que só podem ser explicados à luz da energia provinda Amanita muscaria.”
    /.
    VI-OS: arrepiantes! Não creio que possa alguém não crer depois de lê-los…

  176. montalvão Diz:

    /
    “É mais do que isso, MONTALVÃO. Frequentamos os mesmos lugares (Casa do Marinheiro, LESPAN, Parque Xangai, etc.).”
    /.
    NO ETC. deve estar o Parque Ary Barroso, em frente ao Getúlio Vargas. Foi lá que por pouco não estou aqui para contar a história. Havia um laguinho no local (menos lago, mais um tanque metido a besta), onde a molecada mergulhava. Eu não nadava nada, mas achei que seria fácil entrar nas águas porque todos entravam e saiam bem.
    .
    Mergulhei e afundei. Voltei à tona me debatendo doidamente. Então descobri quão difícil nadar sem saber. Estava a menos de dois metros da margem, porém parecia quilômetros. Meus amigos morriam de rir, achando que eu estivesse de graça.
    .
    Minha sorte foi que o fundo não era tão fundo, salvei-me apoiando os pés no piso e me impulsionando para cima, até conseguir me agarrar na borda.
    .
    Depois dilso não mais quis saber dilso de ir nadar lá, té hoje…

  177. montalvão Diz:

    /
    VISONI: “Pombas, Montalvão, qual é o seu problema? ELE DISSE EXATAMENTE ISSO.
    .
    Que outra interpretação você dá para: “Então eu digo olhando para os dados dele que sim, PODE HAVER algo acontecendo .Eles NÃO ME PARECEM A METODOLOGIA RIGOROSA que você precisaria para ser capaz de tomar essa decisão firmemente em uma direção ou outra. Gostaria de colocá-los na caixa de “MAIS EXPERIMENTOS SÃO NECESSÁRIOS”, em condições ligeiramente mais rigorosas.”
    /
    /
    MOI: UAI, MINHA NOSSA SENHORA DO CÉU E DA TERRA. Mas mais melhor ouvir isso que ser surdo…
    .
    Vá, meu nobre, siga seu caminho, uma hora acordará e verá…
    .
    Você está certo, errado está quem lhe dá razão…
    /
    Que as pombas nos protejam…
    /
    /
    VISONI: “Isso parece um convertido para você?”
    /.
    MOI: MUITO… assim me parece…
    /
    /
    VISONI: “O pior cego é o que não quer ver, Montalvão.”
    /.
    MOI: AO MENOS concordamos num ponto…
    .
    SEJA COMO FOR, perguntinhas cruciais continuam: Por que Sheldrake e outros parapsicoslumbrados não continuaram a investigar, buscando produzir resultados insofismáveis e replicáveis, em vez de ficar a acusar o detrator de ter visto o que diz não ter visto? Porque Storr não fez coro com esse reclamo, em vez de ficar apontando quem venceu num embate sem vencedores? Por que achar que a tola ideia de que bicho telepatize seja “mais melhor” que as explicações banais (as quais existem e têm toda coerência)? Por quê?
    /
    Sou autoridade no assunto, se quiser conversar objetivamente sobre telepatia canina e animal geral, fale-me: tenho 15 dogs fixos, mais 6 agregados e uma gatinha de quatro patas. Nenhum deles, em seis anos de convívio expressou nada que me induzisse pensar em telepatia, ou telecinese, visão remota, clarividência, sonhos precognitivos, levitação, detetivação psíquica, mediunidade…
    /
    /
    VISONI: “Will Storr, que PEGOU Wiseman mentindo”
    /.
    MOI: :-) :-) :-) :-) ;-) ;-) ;-)
    /
    Enfim e por fim, noticio-lhe que conheço um Storr bem mais pé no chão que o seu: Anthony Storr. Dele recomendo fortemente, dentre outros:”A Agressão Humana”, “As Ideias de Jung”, “Desvios Sexuais”. Boa sorte.

  178. montalvão Diz:

    /
    “Marciano Diz:
    ÀS 3:22 AM
    Dessa vez me dei mal.
    /.
    QUANDO ESTOU INSONE recosto-me no sofazinho reclinável e ponho-me a assistir um filme: é batata, durmo antes de chegar à metade…
    /
    Semana passada fiquei desperto até próximo das 4 da matina: acompanhando o UFC. Na última luta, a que realmente queria ver, apaguei sem piedade…

  179. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “MUITO… assim me parece…”
    .
    MESMO? Veja o passado de Storr, então:
    .
    When I was in my teenage years I was a classic angry skeptical kind of guy. [I was] angry at my parents for being catholic. I was angry at Christians in general for being so stupid and for causing all of the wars.
    .
    MONTALVÃO DISSE: ” Por que Sheldrake e outros parapsicoslumbrados não continuaram a investigar, buscando produzir resultados insofismáveis e replicáveis, em vez de ficar a acusar o detrator de ter visto o que diz não ter visto?”
    .
    Montalvão, o Sheldrake além de Jaytee (em 1998), replicou sua pesquisa com o cachorro Kane (em 2000), e com uma metodologia bem diferente, investigou a telepatia no papagaio N’kisi (em 2003). Já não está de bom tamanho não?
    .
    Outros buscaram replicar as pesquisas de Sheldrake que evidenciavam telepatia antes de atender o telefone. E foram bem sucedidos, mas apenas com participantes selecionados:
    .
    a) http://www.sheldrake.org/files/pdfs/papers/DoYouKnowWhoIsCalling.pdf
    .
    b) http://www.sheldrake.org/files/pdfs/papers/WhoIsCallingAtThisHour.pdf
    .
    São dois grupos de pesquisadores que foram bem sucedidos em replicar as pesquisas de Sheldrake de telepatia no telefone, portanto.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Por que achar que a tola ideia de que bicho telepatize seja “mais melhor” que as explicações banais (as quais existem e têm toda coerência)? Por quê?”
    .
    Porque as explicações banais foram refutadas nos experimentos. Bem simples, não?
    .
    MONTALVÃO DISSE: ” tenho 15 dogs fixos, mais 6 agregados e uma gatinha de quatro patas. Nenhum deles, em seis anos de convívio expressou nada que me induzisse pensar em telepatia, ou telecinese, visão remota, clarividência, sonhos precognitivos, levitação, detetivação psíquica, mediunidade…”
    .
    Primeiro, quando as pessoas vivem sozinhas, não há ninguém que possa observar as reações do cachorro, assim estas passariam despercebidas.
    .
    Segundo, alguns cachorros demonstravam reações no passado mas seus donos não as notaram ou não as encorajaram. Nos lares onde as pessoas notam esse tipo de comportamento, o simples fato de prestarem atenção pode servir de encorajamento para o cachorro. Mas há muitas casas onde não há incentivo para que o cachorro demonstre o que sabe fazer. Se mais donos prestassem atenção neste tipo de comportamento, a porcentagem de cachorros que o exibem talvez aumentasse.
    .
    Terceiro, a ligação entre cachorro e dono talvez não seja tão forte assim para evocar tal comportamento. Pode ser que o cachorro não esteja tão interessado assim no retorno da pessoa.
    .
    Em quarto lugar, alguns cachorros podem ser menos sensíveis do que outros. Há uma ampla variação de sensibilidade em todos os outros aspectos, incluindo faro, audição e visão, até mesmo entre cães de parentesco muito próximo. Assim sendo, por que não nesse particular?
    .
    Em quinto, algumas raças podem ser relativamente insensíveis.
    .
    Essas possibilidades são compatíveis entre si e poderiam funcionar juntas.

  180. Vitor Diz:

    Montalvão, tenho certeza que a terceira explicação NÃO se aplica ao seu caso, ok?

  181. montalvão Diz:

    /
    “Montalvão, tenho certeza que a terceira explicação NÃO se aplica ao seu caso, ok?”
    /
    OK, mas tenha certeza de que nenhuma das explicações propostas se aplica a mim. Depois falo melhor, agora tenho que ir conversar com eles que hoje não vai ter passeio porque chove…

  182. Marciano Diz:

    ===============================================================
    NO ETC. deve estar o Parque Ary Barroso, em frente ao Getúlio Vargas. Foi lá que por pouco não estou aqui para contar a história. Havia um laguinho no local (menos lago, mais um tanque metido a besta), onde a molecada mergulhava. Eu não nadava nada, mas achei que seria fácil entrar nas águas porque todos entravam e saiam bem.
    ===============================================================
     
    Certamente que o Ary Barroso está no etc.
    O que me espanta mais do que a telepatia canina do Sheldrake é como alguém pode quase se afogar naquela poça d’água.
    E logo o MONTALVÃO…
     
    ===============================================================
    Semana passada fiquei desperto até próximo das 4 da matina: acompanhando o UFC. Na última luta, a que realmente queria ver, apaguei sem piedade…
    ===============================================================
     
    Melhor apagar no sofá do que no octógono.
    Da próxima vez, convide o BORGES para assistir. Ele adora MMA. A única coisa de que gostava mais era o antigo vale-tudo.
     
    VITOR
    ===============================================================
    Terceiro, a ligação entre cachorro e dono talvez não seja tão forte assim para evocar tal comportamento. Pode ser que o cachorro não esteja tão interessado assim no retorno da pessoa.
    ===============================================================
     
    ===============================================================
    Montalvão, tenho certeza que a terceira explicação NÃO se aplica ao seu caso, ok?
    ===============================================================
     
    Como VITOR pode saber disso?
    Ele nunca teve contato com os cães de MONTALVÃO.
    Só pode ter sido comunicação telepática.
    Os cães de MONTALVÃO gostam mais de VITOR do que do próprio.

  183. MONTALVÃO Diz:

    /
    Vitorioso,
    .
    Quantos cachorros você tem? Qual seu nível de intimidade com eles, caso os tenha?
    .
    /
    /
    VISONI: Veja o passado de Storr, então:
    .
    “Quando eu estava na adolescência, eu era um tipo céptico. [Eu estava] com raiva de meus pais por ser católico. Eu estava com raiva de cristãos em geral por serem tão estúpidos e por causarem todas as guerras.”
    /.
    MOI: um belo passado, deveras. Vai ver foi essa revolta toda que fê-lo tornar-se acreditador em cães telepatas: cães que telepatizam não são estúpidos nem causam guerras, tampouco comunicam telepaticamente…
    /
    ./
    VISONI: O Sheldrake além de Jaytee (em 1998), replicou sua pesquisa com o cachorro Kane (em 2000), e com uma metodologia bem diferente, investigou a telepatia no papagaio N’kisi (em 2003). Já não ESTÁ DE BOM TAMANHO NÃO?
    ./
    MOI: Oh sim: está de xexelento tamanho! Todos sabem, exceto os que não sabem, que os experimentos de Sheldrake são mais que suficientes para confirmar coisa alguma…
    /
    /
    VISONI: Outros buscaram replicar as pesquisas de Sheldrake que evidenciavam telepatia antes de atender o telefone. E foram bem sucedidos, mas apenas com participantes selecionados:
    ./
    MOI: Mas é claro, my friend: para quem provou bem provadinho que há telepatia entre cães, gatos, papagaios, pintassilgos, golfinhos, frangos… é pinto provar que há telepatia telefônica… essa é a verdadeira ciência, o resto não sei…
    ./
    /
    VISONI: São dois grupos de pesquisadores que foram bem sucedidos em replicar as pesquisas de Sheldrake de telepatia no telefone, portanto.
    ./
    MOI: e ainda há quem não acredite… nem eu acredito!
    /
    /
    “Por que achar que a tola ideia de que bicho telepatize seja “mais melhor” que as explicações banais (as quais existem e têm toda coerência)? Por quê?”
    .
    VISONI: Porque as explicações banais foram refutadas nos experimentos. Bem simples, não?
    ../
    MOI: As fact: profundamente as explicações sensatas foram refutadas! No mundo paranormal-sheldrakeano sensatez cede lugar ao disparate, e a torcida aplaude. Sheldrake vem sendo, dia a dia, replicado. E não só por parapsicólogos, também por cientólogos, astrólogos, tarólogos, nutrólogos e grupos de pagode. Atualmente nenhum cientista que mereça esse nome contesta a telepatia animal, já a hominal nunca se sabe… só falta avisar aos cientistas que a prova foi dada para que não passem vergonha quando souberem…
    /
    /
    ——————————–.
    RAZÕES VISONIANAS PARA EXPLICAR PORQUE A TELEPATIA CANINA NÃO APARECE TRIVIALMENTE ☟
    -com comentários de Moi -
    ————————————.
    /
    VISONI: quando as pessoas vivem sozinhas, não há ninguém que possa observar as reações do cachorro, assim estas passariam despercebidas.
    ./
    MOI: se pensou nimim quando deu tal desculpa: não vivo só…
    /
    /
    VISONI: alguns cachorros demonstravam reações no passado mas seus donos não as notaram ou não as encorajaram. Nos lares onde as pessoas notam esse tipo de comportamento, o simples fato de prestarem atenção pode servir de encorajamento para o cachorro.
    /
    MOI: não apenas “tenho” cachorros, crio-os com carinho e muita dedicação, ou seja, interajo com eles continuamente. Presto-lhes total atenção, mesmo porque, se não ficar a eles atento aprontam todas.
    .
    Agora, deve ser bem interessante um dono ficar a encorajar seu canino a expressar telepatia…
    /
    /
    VISONI: Mas há muitas casas onde não há incentivo para que o cachorro demonstre o que sabe fazer. Se mais donos prestassem atenção neste tipo de comportamento, a porcentagem de cachorros que o exibem talvez aumentasse.
    ./
    MOI: REALMENTE… talvez… agora, me dá licença que tô segurando o riso desde o começo:
    ☃ ☃ ☃ ↪ ☺ ☺ ☺ ☺ ☺
    .
    Agora, desopilado, instruo-o: meus cachorros são estimulados a fazerem tudo o que lhes der na telha, desde que não incomode vizinhos, nem se mordam mutuamente…
    /
    /
    VISONI: a ligação entre cachorro e dono talvez não seja tão forte assim para evocar tal comportamento. Pode ser que o cachorro não esteja tão interessado assim no retorno da pessoa.
    ./
    MOI: realmente, isso pode ser, mas com os meus tal não sucede… eles ficam ansiosos por minha volta, principalmente por saberem que sempre lhes trago petiscos.
    /
    /
    VISONI: alguns cachorros podem ser menos sensíveis do que outros. Há uma ampla variação de sensibilidade em todos os outros aspectos, incluindo faro, audição e visão, até mesmo entre cães de parentesco muito próximo. Assim sendo, por que não nesse particular?
    ./
    MOI: Aí entra sua teoria de “personalidades psi”, aplicada aos cachorros. Diga quais as raças mais propensas?
    .
    Eu tenho chiuaua, poodle, gold-retriever, e muitos mistos. Além do meus, recebo outros de rua, que vêm filar a boia, e ajudo um amigo a cuidar de onze abandonados. Parece-me contingente satisfatório para se notar manifestação incomum, se houvesse.
    .
    Faz o seguinte: manda o Sheldrake vir conversar comigo que rapidinho o esclareço…
    /
    /
    VISONI: algumas raças podem ser relativamente insensíveis.
    ./
    MOI: e alguns humanos excessivamente sensíveis: ficam a ver coisas que nem Deus enxerga…

  184. Marciano Diz:

    Essa cachorrada já foi longe demais.
    Vou ater-me à casa assombrada de Suzano.

  185. MONTALVÃO Diz:

    /
    algo curioso conteceu na rubrica do Sheldrake.
    /
    ——————————.
    GORDUCHO: já saíram os experimentos aqueles da dupla fenda?”
    .
    LARISSA: Você está falando da experiência do Gabriel Guerrer?
    [e fim de conversa]
    —————————-.
    /.
    UM BELO DIÁLOGO inquiritivo-responditivo natimorto…
    .
    Acredito que Larissa deva ter coisas a nos contar do Guerrer: ela contribuiu pecuniariamente para a investigação. Eu sei que não sei como essas coisas funcionam, mas acho que o financiado deveria dar satisfações em primeira mão aos seus financiadores.
    .
    De minha parte particular tenho grande interesse em saber em que abismo o experimento descambará. Como não tenho acesso privilegiado ao Guerrer valho-me de métodos antigos para conseguir as respostas buscadas: utilizo a velha e eficiente paranormalidade que, segundo a conjetura de Visoni, é força ativa, intensa, controlada por seu possuidor e altamente utilitária.
    .
    Então, minha precognição diz que: ou a experimentação não vai dar em nada, como já deve não ter dado, ou confirmará a conjetura de Moi, o que primeiro suceder…
    .
    Pronto, mais uma lacuna dialogativa preenchida.
    .
    Envio a conta pelo próximo pony express…

  186. Gorducho Diz:

    O que me preocupou é que pelo que entendi o experimento não seria feito sob o Dept° de Física…
    Mas vamos ver, claro.
    Alguma coisa já deve ter se sucedido nesse tempo todo.

  187. Vitor Diz:

    Montalvão, nunca tive cachorro apenas gatos. Hoje não tenho nenhum. As raças de cachorro que apareceram com mais frequência na pesquisa de Sheldrake foram: labradores (20 exemplos), os pastores alemães (14), collies (12) e poodles (12). Agora, se seus cães ficam ansiosos por sua volta, como você sabe? Você os vê aguardando por você?

  188. Vinicius Diz:

    “Você os vê aguardando por você?”
     
    essa foi boa, kkk, o mesmo vale para mim , você havia me recomendado filmar os peixinhos mas ainda não consegui!

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)