Semelhanças entre “De Mário a Tiradentes” (1986), de Marilusa Moreira Vasconcellos e “Vidas Paralelas”, de Plutarco

O artigo mostra semelhanças entre o livro psicografado “De Mário a Tiradentes” (1986), da médium Marilusa Moreira Vasconcellos, e “Vidas Paralelas” (século I), de Plutarco. O dito espírito comunicador é Tomás Antônio Gonzaga, que narra sua vida passada como Sextílio. Para ler o artigo e julgar as similaridades da psicografia com a obra do historiador grego, clique aqui.

18 respostas a “Semelhanças entre “De Mário a Tiradentes” (1986), de Marilusa Moreira Vasconcellos e “Vidas Paralelas”, de Plutarco”

  1. mrh Diz:

    Bem desenvolvido, parabéns.

  2. Marciano Diz:

    Os espíritas não têm mesmo qualquer criatividade.
    Espiritismo = forma arcaica de copy/paste.

  3. Marciano Diz:

    Gonzaga deve ser como EmmÂnuel. Incapaz de se comunicar na língua que falava na vida anterior. Do resto, ele se lembra em detalhes.

  4. Marciano Diz:

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Marilusa_Moreira_Vasconcelos
    https://www.ebiografia.com/tomas_antonio_gonzaga/

  5. Gorducho Diz:

    Eis o OP fazendo o que foi feito pra fazer. Cumprindo o Estatuto de Propósitos – e com brilhantismo!
    Parabéns Dr. mrh pela perspicácia!
     
    O espírito do Tomás Antônio Gonzaga alega ter participado dos eventos encarnado como esse Sextílio?
    É isso?
    Porque se ele vivenciou os fatos, não tem porque se basear no Πλοuταρχος pra contar o que se sucedeu na vida dele.
     
    Pela SUA própria “tese” – cegueira, surdez e mutismo quase totais do link espírito ↔ médium, Sr. Administrador, NÃO TINHA COMO o espírito conseguir ditar Pamphylia e ser perfeitamente entendido :mrgreen:
    Claro que pra brasileiros é muito mais natural captar “Patagônia” à qual estamos acostumados pela (relativa) vizinhança :(

  6. Gorducho Diz:

    :oops: Pamphylia
    Παφλαγονια
    mais parecido ainda :!:
    Segundo as “teses” da Administração NÃO TEM COMO o espírito ditar isso com suficiente resolução.
     
    É tudo ali pela Anatólia, não é :?:

  7. Vitor Diz:

    É sim. No norte da Anatólia central.

  8. Vitor Diz:

    Preciso da ajuda de vocês para localizar a fonte original que contém as últimas palavras de Leonardo da Vinci. Achei duas versões delas:
    .
    a) “Ofendi a Deus e aos homens porque meu trabalho não atingiu a qualidade que deveria ter tido”
    .
    b) “Eu ofendi a Deus e à humanidade porque meu trabalho não atingiu a qualidade que deveria”
    .
    Achei essas frases reproduzidas em vários sites e livros, mas nenhum cita a fonte original.

  9. mrh Diz:

    “The original source of the quotation is a landmark text in art history: Giorgio Vasari’s 1568 collection of biographies, The Lives of the Most Excellent Painters, Sculptors and Architects (In Italian Le Vite de’ Più Eccellenti Pittori, Scultori ed Architettori).

    In it, Vasari gives an account of Leonardo spending his final moments in the company of King Francis I of France, one of his primary patrons. Notably, Vasari does not actually attribute the words to Leonardo as a direct quotation. Here’s what he says, according to an 1879 edition of the book in the original Italian:

    …Mostrava tuttavia quanto avea offeso Dio e gli uomini del mondo, non avendo operato nell’arte come si conveniva.
    And here’s the entire scene as translated into English by art historian Herbert Horne in 1903 (page 44):

    At length, having become old, he remained ill many months, and finding himself near to death, he wished to be diligently informed of the matters of the Catholic faith, of the good way and holy Christian religion, and then with many sighs, confessed and was penitent; and although he was not able to raise himself well on his feet, supporting himself on the arms of his friends and servants, he wished to receive devoutly the most Holy Sacrament, out of his bed.

    The King [Francis I], who often and lovingly was used to visit him, came to see him: whereupon he, out of reverence, having raised himself to sit upon the bed, giving an account of his illness, and the circumstances of it, showed withal how he had offended God and mankind in not having laboured at his art, as he ought to have done.

    Whereupon he was seized with a paroxysm, the messenger of death, by reason of which the King having risen, and having taken his head, in order to aid him and show him favour, in the hope of alleviating his sufferings, his divine spirit, knowing that it could have no greater honour, expired in the arms of the King, in the 75th year of his age.
    So instead of a direct quotation from Leonardo, we have a description of a conversation between Leonardo and Francis I by Giorgio Vasari, who was not present in the room.

    Vasari’s dramatic account of the humanist Leonardo humbling himself before God before dying in the arms of a king inspired paintings by the French artists François-Guillaume Ménageot and Jean-August-Dominique Ingres (below).

    The Death of Leonardo Da Vinci, by Jean-Auguste-Dominique Ingres. 1818. (Wikimedia Commons)

    However, its accuracy has been disputed by historians.

    In his notes, Herbert Horne writes “The story that Leonardo expired in the arms of Francis I has long been called into question.” In particular, Horne points to the fact that Leonardo died around Easter 1519 at Clos Lucé (“the chateau of Cloux”) near the central French city of Amboise. At the time Francis I’s court was in the royal palace at Saint-Germain-en-Laye, around 140 miles north.

    Furthermore, Horne writes that Francesco Melzi — a painter and pupil of Leonardo, who became a confidant and the executor of his will — wrote to Leonardo’s family to inform them of his death and bequests, but conspicuously said nothing about the purported presence of King Francis I at the time of his passing.

    According to Gaetano Milanesi, the art historian who edited the 1879 Italian edition of Vasari’s “Lives,” Francis I’s diary does not mention any visit to Clos Lucé at the time of Leonardo’s death. Milanesi also notes that Vasari incorrectly stated da Vinci’s age as 75 at the time of his death. In fact, he was 67 years old. This error does not enhance the credibility of Vasari’s other claims.

    A day before Leonardo’s death on 2 May 1519, King Francis I I issued a decree from Saint-Germain-en-Laye, according to Herbert Horne.

    However, the science writer Michael White points to research by the 19th century historian Aimé Champollion, who stated that the decree was, in fact, signed by a chancellor in the absence of the King, leaving open the possibility that Francis I had visited Leonardo 140 miles away.

    Whether or not Leonardo died in the king’s arms, there is further reason to dispute Vasari’s description of their conversation. In Leonardo: The First Scientist, Michael White points to Vasari’s bias towards religiosity, which would undermine the objectivity of his account (page 260):

    We should not take this account too seriously. Vasari, who was himself a deeply religious man, was fond of placing too much emphasis upon the religiosity of those about whom he wrote. Leonardo may have found some form of solace in conventional religion as he lay dying, but we have no proof of this.
    In his 1888 translation of Leonardo’s notebooks (page 1112), the German art historian Jean Paul Richter described Vasari’s account of Leonardo’s death in the arms of Francis I as an “incredible and demonstrably fictitious legend.”

    He added that the description of Leonardo regretting his lack of hard work was “evidence of the superficial character of the information which Vasari was in a position to give about Leonardo.”

    Ultimately, we don’t know what Leonardo da Vinci’s last words were. But we do know that the quotation commonly attributed to him is a modified version of the description of a conversation written 50 years after his death by an unreliable historian.

  10. Vitor Diz:

    Valeu, Márcio!

  11. mrh Diz:

    A fonte original da citação é um texto histórico na história da arte: a coleção de biografias de 1568 de Giorgio Vasari, As Vidas dos mais excelentes pintores, escultores e arquitetos (no italiano Le Vite de ‘Più Eccellenti Pittori, Scultori ed Architettori).

    Nele, Vasari dá uma conta de Leonardo passando seus últimos momentos na companhia do rei Francisco I da França, um dos seus principais clientes. Notavelmente, Vasari não atribui as palavras a Leonardo como uma citação direta. Aqui está o que ele diz, de acordo com uma edição de 1879 do livro no italiano original:

    … Mostrava tuttavia quanto avea offeso Dio e gli uomini del mondo, não avendo operato nell’arte vêm se convenvel.
    E aqui está toda a cena traduzida para o inglês pelo historiador de arte Herbert Horne em 1903 (página 44):

    Por fim, tendo envelhecido, ficou doente muitos meses e, encontrando-se perto da morte, desejou ser informado diligentemente sobre os assuntos da fé católica, do bom caminho e da santa religião cristã, e depois com muitos suspiros, confessou e foi penitente; e, apesar de não poder se levantar bem, apoiando-se nos braços de seus amigos e servos, desejava receber devidamente o mais sagrado sacramento da cama.

    O rei [Francis I], que freqüentemente e amorosamente acostumava a visitá-lo, veio vê-lo: com isso, ele, por reverência, levantando-se para sentar-se sobre a cama, dando conta de sua doença e as circunstâncias disso , mostrou como ele ofendeu Deus e a humanidade ao não ter trabalhado em sua arte, como deveria ter feito.

  12. mrh Diz:

    Por isso, ele foi aproveitado com um paroxismo, o mensageiro da morte, pelo qual o Rei levantou-se, e tendo tomado a cabeça, para ajudá-lo e mostrar-lhe favor, com a esperança de aliviar seus sofrimentos, seu espírito divino, Sabendo que não poderia ter maior honra, expirou nos braços do Rei, no 75º ano de sua idade.
    Então, em vez de uma citação direta de Leonardo, temos uma descrição de uma conversa entre Leonardo e Francis I por Giorgio Vasari, que não estava presente na sala.
    O relato dramático de Vasari sobre o humanista Leonardo se humilhar diante de Deus antes de morrer nos braços de um rei pinturas inspiradas pelos artistas franceses François-Guillaume Ménageot e Jean-August-Dominique Ingres (abaixo).
    A morte de Leonardo Da Vinci, de Jean-Auguste-Dominique Ingres. 1818. (Wikimedia Commons)
    No entanto, a exatidão foi disputada pelos historiadores.
    Em suas anotações, Herbert Horne escreve: “A história que Leonardo expirou nos braços de Francisco I foi perguntada.” Em particular, Horne aponta para o fato de Leonardo ter morrido em torno de Páscoa 1519 no Clos Lucé (“o castelo de Cloux “) Perto da cidade francesa central de Amboise. Na época, o tribunal de Francis I estava no palácio real de Saint-Germain-en-Laye, a cerca de 140 milhas a norte.
    Além disso, Horne escreve que Francesco Melzi – um pintor e aluno de Leonardo, que se tornou um confidente e o executor de sua vontade – escreveu à família de Leonardo para informá-los de sua morte e legados, mas não disse nada sobre a suposta presença do rei Francisco Eu no momento da sua morte.

  13. mrh Diz:

    De acordo com Gaetano Milanesi, historiador de arte que editou a edição italiana de 1879 de Vasari “Lives”, o diário de Francis I não menciona nenhuma visita ao Clos Lucé no momento da morte de Leonardo. Milanesi também observa que Vasari incorretamente declarou a idade de da Vinci como 75 no momento da sua morte. Na verdade, ele tinha 67 anos. Este erro não aumenta a credibilidade das outras reivindicações de Vasari.
    Um dia antes da morte de Leonardo em 2 de maio de 1519, o rei Francisco I I emitiu um decreto de Saint-Germain-en-Laye, segundo Herbert Horne.
    No entanto, o escritor de ciência Michael White aponta para a pesquisa do historiador do século 19, Aimé Champollion, que afirmou que o decreto foi, de fato, assinado por um chanceler na ausência do rei, deixando aberta a possibilidade de que Francis eu visitei Leonardo 140 a milhas de distância.
    Seja ou não Leonardo morreu nos braços do rei, há mais motivos para contestar a descrição de Vasari de sua conversa. Em Leonardo: The First Scientist, Michael White aponta para a tendência de Vasari em relação à religiosidade, o que prejudicaria a objetividade de sua conta (página 260):
    Não devemos levar essa conta muito a sério. Vasari, que era ele mesmo um homem profundamente religioso, gostava de colocar muita ênfase na religiosidade daqueles sobre quem escreveu. Leonardo pode ter encontrado alguma forma de consolo na religião convencional enquanto ele morreu, mas não temos provas disso.
    Em sua tradução de 1888 sobre os cadernos de Leonardo (página 1112), o historiador alemão de arte, Jean Paul Richter, descreveu o relato de Vasari sobre a morte de Leonardo nos braços de Francis I como uma “lenda incrível e comprovadamente fictícia”.
    Ele acrescentou que a descrição de Leonardo que lamentava sua falta de trabalho duro era “evidência do caráter superficial da informação que Vasari estava em posição de dar sobre Leonardo”.
    Em última análise, não sabemos quais foram as últimas palavras de Leonardo da Vinci. Mas sabemos que a citação comumente atribuída a ele é uma versão modificada da descrição de uma conversa escrita 50 anos após sua morte por um historiador não confiável.

  14. Gorducho Diz:

    A propósito de que isso agora :?:
    Apareceu algum espírito se dizente ex- L. da V. ditando psicograficamente essa frase :?:

  15. Vitor Diz:

    Você saberá. Aguarde. Seja paciente.

  16. Gorducho Diz:

    Pra mim o melhor argumento é que a presença do rei não foi mencionada na carta.
    Se ele tivesse tado seria a grande honraria o assunto principal da missiva.
    Vou tentar ver essa carta…

  17. Gorducho Diz:

    SER GIULIANO e fratelli suoi honorandi. Credo che siate certificati della morte di Maestro Lionardo fratello vostro, e mio quanto optimo Padre, per la cui morte sarebbe impossibile che io potesse esprimere il dolore che io ho preso, e in mentre che queste mie membra si sosteranno insieme, io possederò una perpetua infelicità, e meritamente perchè sviscerato et ardentissimo amore mi portava giornalmente. El dolo ad ognuno la perdita di tal uomo, quale non è più in podestà della natura. Adesso Iddio onnipotente gli conceda eterna quete. Esso passò dalla presente vita alli 2 di Maggio con tutti li ordini della Santa Madre Chiesa e ben disposto. E perchè esso aveva lettera del Christianissimo Re, che potesse testare e lasciare il suo a chi li paresse, senza la quale non potea testare che volesse, che ogni cosa sarebbe stato perso, essendo così quà costume, detto Maestro Lionardo fece testamento
    [o resto da carta se refere à parte dos irmãos no testamento]
    Dato im Ambriosa die primo Junii 1519.
    Datemene risposta per i Pondi – tamquam fratri vestro
    .
     
     
    Se o rei tivesse acompanhado pessoalmente o passamento não é razoável supor que o cara siquer mencionasse.
    Teria sido uma enorme honra e até desconsideração p/com o rei uma não-menção desse sucesso.

  18. Marciano Diz:

    ===============================================================
    We should not take this account too seriously. Vasari, who was himself a deeply religious man, was fond of placing too much emphasis upon the religiosity of those about whom he wrote. Leonardo may have found some form of solace in conventional religion as he lay dying, but we have no proof of this.
    ===============================================================
     
    Este é o problema com religiosos. Se realmente acreditassem, por que mentiriam a respeito? Para quê mudar as palavras de outras pessoas mentirosamente, ou até mesmo inventá-las?
    Interpolar coisas no texto de Josefo?

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)