Personagens que Marcaram Época: Chico Xavier (2006)

Eis a edição especial da revista Época sobre Chico Xavier lançada em 2006. Para baixar, clique aqui.

275 respostas a “Personagens que Marcaram Época: Chico Xavier (2006)”

  1. Maruzio Diz:

    Gostcho

  2. Orlando Diz:

    Pobre esforçado Chico, que Deus o ampare sempre. Até mesmo espíritas tem dito que Chico está ainda numa especie de umbral intermediário, “purgando” alguns deslizes. Mas força Chico
    Vitor, vou ler a revista, obrigado

  3. Orlando Diz:

    Vitor, tem explicação para aquele fato dele ter morrido no final da copa de 2002 , bem no jogo do Brasil ?
    Dizem que Chico previu tal data para desencarnar!

  4. Vitor Diz:

    Essa previsão só foi noticiada depois, Orlando… não há registro dela antes. Muito suspeita. De qualquer modo, acho que é mais propício idosos morrerem em datas comemorativas devido à emoção…

  5. Orlando Diz:

    Sim, inclusive Chico pode ter se emocionado com o resultado da Copa e partido para a pátria espiritual. Sim, é possível!
    O conteúdo emocional interfere bastante no físico.

  6. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Vitor, tem explicação para aquele fato dele ter morrido no final da copa de 2002 , bem no jogo do Brasil ?
    Dizem que Chico previu tal data para desencarnar!

    ===============================================================
    Dizem, mas parece que só disseram DEPOIS do desencarne.
    DEPOIS que as torres gêmeas caíram, também aparecerem “previsões” no código da bíblia, nos escritos de nostradamus, etc. e etc.
     
    Quero deixar registrado que, AINDA que a “previsão” tenha sido antes da morte do adivinho (o que presumo que não seja o caso), poderia ter sido um tiro no escuro que acerta o alvo, além de ser estranho que os fatos estivessem interligados pelos manda-chuvas do além (morte de um cisco e jogo de futebol).
    Essa espiritualidade superior é muito estranha.
     
    Nota:
    Tem resposta no tópico sobre ASD, que eu pensei que tratasse de outro assunto. Para o caso de Gorducho aparecer por aqui, achando que o assunto lá encerrou-se.

  7. Contra o chiquismo Diz:

    “O Sr Orlando, é um participante ativo aqui , porém com outro nick. … um personagem se passando por outro ou de qualquer outro participante. Lamentável. O mesmo participante com 2 nicks, é do interior do RJ. Só revelarei a primeira letra do nome composto da cidade que mora. S.
    .
    .
    http://obraspsicografadas.org/2018/soldado-dowding-a-historia-pessoal-de-um-soldado-morto-em-batalha-por-wellesley-tudor-pole-19191966/#comment-82868
    .
    .
    *********”é do interior do RJ. Só revelarei a primeira letra do nome composto da cidade que mora. S.**** ”
    .
    .
    Ah não! Tá de sacanagem! Po, o Orlando é o Montalva? Po Montalva, tu não podia inventar um personagem menos asqueroso? Agora que li isso. Tava vendo as postagens atrasadas e me deparo com isso. Po, sacana vc hein véio? Nome composto de cidade do interior do RJ só Silva Jardim.
    .
    .
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_munic%C3%ADpios_do_Rio_de_Janeiro#S
    .
    .
    Os outros com a letra S são nomes de santo e não um nome composto.
    .
    .
    Vc me paga Montalva! Aguarde 300 posts do negão da picona!

  8. Contra o chiquismo Diz:

    Gorducho, nosso Grande Líder deu pra trás?

  9. Maruzio Diz:

    “O Sr Orlando, é um participante ativo aqui , porém com outro nick. … um personagem se passando por outro ou de qualquer outro participante. Lamentável. O mesmo participante com 2 nicks, é do interior do RJ. Só revelarei a primeira letra do nome composto da cidade que mora. S
    .
    Como assim??

  10. Contra o chiquismo Diz:

    Maruzio, o Orlando quando surgiu aqui, veio com essa palhaçada de defender o chiquismo e dá uma de joão sem braço fanático. Pensávamos que era o Scur, outro fanático chiquista que frequentava aqui. Mas pensávamos que o Scur tava adotando tática nova, dando uma de joão sem braço sem espraguejar ninguém. Mas, eis que o Pastor não sei como descobriu. E faz sentido. :mrgreen: po, sacanagem do Montalva, já mandei um negão da picona pra ele, falta mais 299.

  11. Maruzio Diz:

    Que perda de tempo a desse montalvan…

  12. Vitor Diz:

    Pelo IP acho que vcs estão errados em acusar o Montalvão…

  13. Marciano Diz:

    Eu não sei, mas o Scur entrava aqui com outro IP.
    Acho que se fosse o Montalvão ele teria me falado.
    Não se pode nem confiar no Presidente da Bancada?!
    Prefiro não acreditar.

  14. Gorducho Diz:

    Ao contrário Companheiro CoC: se consagrou :!:

  15. Gorducho Diz:

    Mas o Analista Scur viaja muito; uma época morava na America se bem me lembro…
    Como o Presidente operaria um IP de SP frequentemente :?:
     
     

    By the way… Dr. Bezerra nos conta que a 1ª aparição (canalização…) entre os vivos do espírito do denodado êmulo de Plínio deu-se no centro deles.

    SJ achava que “Deus” não podia ser senão um mito, pois, em todas religiões que dividem a Humanidade, a ideia que dele se dá é inadmissível, quando não é ridícula ou repugnante.

    Aí eles explicaram pro espírito dele os postulados do espiritismo. E ele (o espírito do…), num dos seus costumados arroubos, exclamou que, assim, sim, reconhecia a Deus e O adorava.

    Além disso, como se fora subitamente iluminado, desenvolveu, magistralmente, e com indizível entusiasmo, os princípios fundamentais do Espiritismo!
    [Espiritismo, Estudos Filosóficos, vol. III pp. 94 - 95]

  16. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Mas o Analista Scur viaja muito; uma época morava na America se bem me lembro…
    Como o Presidente operaria um IP de SP frequentemente
    :?:
    ===============================================================
     
    Também acho que não é o presidente, mas ele já se fez passar por paulistano. Tem histórico.
     
    Quanto ao Orlando, se bem que o tenha em alta conta, sendo o Presidente disfarçado ou não, que não é quem diz ser, não é mesmo.
     
    E não é médico. Tenho certeza. Já disse coisas aqui incompatíveis com a profissão que alega seguir.
     
    Marciano Diz:
    OUTUBRO 29TH, 2016 ÀS 11:48 PM
    Toda vez que eu passar no Túnel do Pasmado, vou me lembrar do ORLANDO e do MONTALVÃO.
    Que crueldade!
     

    Causa-me pasmo que alguém fique pasmado com a confusão que pessoas fazem entre substantivos e adjetivos, advérbios e adjetivos.
     

    Teve um promotor que trabalhou comigo, ao tempo em que era juiz, que dizia, dentre outras coisas, que a mulher dele estava “meia” cansada.
    Até hoje tenho dúvidas se a mulher dele ficava cansada pela metade, se sentia-se como uma meia velha ou se ficava “uma pouca” cansada, como se fora uma locução adverbial.
    Nunca tive coragem de perguntar.
     

    Tem gente que se esquece de quando era estudanto ou estudanta de português, o que é lamentável.
    Em outras línguas, estaria certo.
    Por exemplo: alemão (student – studentin).
    Em francês, italiano e outras línguas (até o português de Portugal), tem coisas que são mais grandes.
     

    Amanhã, ao meio dia e “meio”, eu volto.
     

    Antes que me esqueça, devo advertir o astuto MONTALVÃO para o fato de que um médico confundir substantivos e adjetivos não é incomum.
    O pior é confundir insetos com vírus, pois biologia é matéria propedêutica no estudo da medicina.
    Por exemplo:

    espirita sp orlando Diz:
    JANEIRO 31ST, 2016 ÀS 7:11 PM
    Sim Gorducho nesses trechos ou ele era racista ou maria vai com as outras. Isto é, ir a favor do assunto do momento que era a tal frenologia.
    É que particularmente acho que ele explica bem a parte de motivos das desgraças no planeta Terra e nas pessoas. Como explicar, por exemplo, uma desgraça de um mosquito chamado zika virus? Um motivo “justo” (não para nós mas para Deus e a espiritualidade).
    Eu defendo a lei de causa e efeito mas repudio aqueles que julgam as desgraças ocorridas. Se Deus colocou a lei do esquecimento é para esquecer tudo e não ficar falando que fulano foi reencarnação de beltrano ou que ciclano foi picado por zikaporque na vida passada decapitou alguém…

    http://obraspsicografadas.org/2016/tres-casos-poltergeist-em-sao-paulo-brasil/
     

    Note-se que a confusão entre “sicrano”, indivíduo intederminado, e “ciclano” (não siclano), hidrocarboneto saturado cíclico, é perdoável em médicos quando se trata de erro de gramática, mas desconhecimento de química orgânica fundamental já não o é.
    Isto sim, causa pasmo e deixa qualquer um pasmado.
    E com medo. Qualquer um pode sofrer um acidente e ser levado a um pronto-socorro desacordado.
     

    Nada mais assustador do que recuperar os sentidos num hospital público e deparar-se com um asinus ad tegulas.
     

    – Você foi picado por um zika, meu filho?
    Não se preocupe. o vírus Aedes aegipti não é tão perigoso. O tratamento que eu lhe proporcionarei, sim!
     
    Um médico de verdade confundiria um mosquito com um vírus.
    Tem outras coisas também.
    Se quiserem, eu escavo.
    Pior foi que, depois do comentário, ele tomou um chá de sumiço, voltou e ignorou o que foi dito.
     
     
    Orlando, boa praça que só ele, é um de nós disfarçado, sem dúvida.
    A hipótese de que seja o Presidente é plausível.

  17. Marciano Diz:

    O comentário inserido no anterior está nesta rubrica:
    http://obraspsicografadas.org/2016/as-pesquisas-de-targ-e-puthoff-parte-10-1986/
    Tirem suas conclusões.

  18. Marciano Diz:

    O fato de o presidente criticar a gramática de “Orlando” pode ser apenas um disfarce, para dar cunho de veracidade ao alter ego.
    O que não consigo acreditar é que um médico confunda insetos e vírus, hidrocarbonetos saturados cíclicos com pessoas indeterminadas.
    Só falta o Orlando falar que o LDL é uma “gordura” que causa ateromas e que faz mal ao organismo.

  19. Marciano Diz:

    O Presidente é muito ladino, mas comete seus equívocos.
    Com certeza, um deles, seria passar-se por médico.

  20. Marciano Diz:

    Médico que não conhece o básico de química orgânica, o básico de biologia, o básico de fisiologia…

  21. Marciano Diz:

    Espirita Sp Orlando Diz:
    OUTUBRO 28TH, 2016 ÀS 7:21 PM
    Gostei do exemplo do MC Donald. Nossa fiquei pasmo com o experimento da telepatia onde o telepata enxerga olhos quando na verdade tratar de aros de bicicleta. Por isso não concordo que mediuns ou telepata atuem em cirurgias espirituais. Cada um no seu quadrado.
    X
    montalvão Diz:
    OUTUBRO 29TH, 2016 ÀS 3:13 PM
    /
    Fico pasmado quando alguém fica “pasmo”…
     
    O Presidente, que tem uma gramática pra lá de razoável, nada sabe de medicina, de inglês, de física, química, matemática.
    Se quisesse se passar por outro e escolhesse um personagem médico, erraria feio e nada mais engenhoso do que criticar a si próprio, para que ninguém desconfie.

  22. Orlando Diz:

    Prezados, neste renomado sítio minha intenção é falar sobre o Chico Xavier, Allan Kardec, Dr.Bezerra e paranormais.
    E mais: não sou Montalvão,sou mais bonito que ele.
    E não tenho cachorros.

  23. Orlando Diz:

    1pasmo (sXV cf. FichIVPM)
    princ. etim.

    substantivo masculino
    1 sentimento de espanto, surpresa diante de algo que não se espera; admiração, assombro
    2 perda dos sentidos; desmaio
    sinônimos
    ver sinonímia de êxtase
    homônimos
    pasmo(fl.pasmar)
    2pasmo (1587 cf. Prestes)
    princ. etim.

    adjetivo
    tomado de pasmo; admirado, assombrado, espantado ‹ficaram p. diante da descoberta›

    pasmado (sXV cf. FichIVPM)
    princ. etim.

    adjetivo
    1 muito admirado, espantado
    2 sem expressão; apalermado
    3 B; infrm. que sofreu espasmo (no sentido de ‘contração’)
    substantivo masculino B
    4 (1911) pau ou mourão fincado que resta depois do desaparecimento de uma porteira
    sinônimos
    ver sinonímia de perplexo e tolo
    antônimos
    ver antonímia de irresoluto e tolo
    pasmar (sXV cf. FichIVPM)
    princ. conj. etim.

    verbo
    1 t.d.,t.i.int. e pron. (prep.: com, de) fazer ficar ou ficar pasmo, admirado; assombrar(-se) ‹o entrevistado pasmou o público› ‹pasmaram de emoção› ‹a sua inteligência pasma› ‹pasmou-se com o espetáculo›
    2 bit. (prep.: em) fixar (o olhar); mirar detidamente ‹pasmaram a vista numa cena inesquecível›
    sinônimos
    ver sinonímia de fascinar
    homônimos
    pasmo(1ªp.s.)/ pasmo(s.m. e adj.); pasma(3ªp.s.), pasmar(2ªp.s.)/ pasma(s.m.) e pl.

  24. Orlando Diz:

    “Contra o chiquismo Diz:
    JUNHO 13TH, 2018 ÀS 3:02 PM
    Gorducho, nosso Grande Líder deu pra trás?”
    Intrometendo-me no assunto: é um dos sinais de que o planeta se elevará ao grau de regeneração. Ao invés de bombas nucleares, paz e amor.

  25. Phelippe Diz:

    CX voltou! Já não era sem tempo.
    Sobre Santos Dumont, lendo os comentários das postagens anteriores, tenho a dizer que sim, ele deve ser considerado o pai da aviação. E digo isso por ter ciência de uma conversa que ele teve, em Paris, no início do século XX, com um dos irmãos Wright, tendo sido testemunha o Pacheco e Silva. Mas isso é cá comigo.
    Orlando é o Montalvão? Sério?

  26. Orlando Diz:

    Já disseram que fui tanta gente. Sou apenas um pobre cisco!

  27. Marciano Diz:

    Que cisco, que nada! Você é um de nós disfarçado. Pode até ser o Presidente da Bancada Quase   Cética.
    Falou, falou, sobre o como fica pasmado com o mal emprego da palavra “pasmo”, ainda que o erro, assim como “presidenta” seja consagrado pelo uso e conste de dicionários, mas convenientemente silenciou (mais uma vez) sobre a confusão que faz entre vírus e insetos, o desconhecimento de ciclanos (química orgânica básica, matéria propedêutica nos cursos de medicina).
    Diga quais os procedimentos que adota numa consulta médica de rotina, quais as mudanças de abordagem que faz de acordo com os achados e com a anamnese do paciente.
    Diga em que área fez sua residência. Diga se ainda trabalha em emergência, depois de tantos anos de profissão.
    Claro que não tem o direito de permanecer calado, mas seu silêncio pode ser e será usado em seu desfavor.
    Fique sabendo que gosto de você, mesmo sendo um personagem. Se for o Presidente, gosto duplamente.
    Só não engulo os vários erros que vem cometendo aqui com seu personagem fictício.

  28. Marciano Diz:

    O “não” saiu sem querer. Tem o direito de permanecer calado, mas seu silêncio será interpretado como confissão.
    Qui tacet consentit.
    Não leve seis meses para responder, pois poderá conseguir respostas com algum amigo.
    Responda em tempo breve, como daqui a alguns minutos.
    Qualquer médico tira essas perguntas de letra.
    Não vá dizer que está ocupado, pois estava comentando aqui há minutos.
    Eu volto.

  29. Marciano Diz:

    Para os que não sabem e para os que se esqueceram, o Scur sempre revelava que era ele mesmo. O prazer dele consistia nisso. Só queria pilhar o Vitor.
    Agora andou tirando onda de terraplanista (em outras plagas), só para pilhar o Vitor e o Biasetto. Quando eu entrei na conversa e disse que sabia que estava brincando, sumiu!
    Não estou dizendo que Orlando seja Scur, pois sei que não é. Não acho, sei mesmo!

  30. Gorducho Diz:

    Mui interessante e, evidentemente, não se trata de transpor pra cá a esgotante polêmica de lá, mas evento factual…

    Até onde eu pensava, eles nunca teriam se encontrado!

    Isso está n’algum livro?

    Tem acesso?

    Onde e quando foi?

  31. Phelippe Diz:

    Gorducho, esse encontro é mencionado por Paulo Duarte em um dos volumes de suas “memórias”. (são 10 volumes, editora Hucitec)
    Vou procurar em qual volume está. Li faz tempo.

  32. Phelippe Diz:

    Foi em Paris, num restaurante. Estava Santos Dumont almoçando com Pacheco e Silva quando um dos irmãos Wright se aproximou e puxou assunto sobre aviação, motores, etc.

  33. Contra o chiquismo Diz:

    Phelippe, Gorducho e Vinícius, já leram um livro chiquista que fala que Santos Dumont reencarnou em Campos dos Goytacazes no estado do RJ como deficiente e morreu aos 14 anos de idade? Não lembro o nome do livro mas deve ser fácil de achar essa história no google.

  34. Contra o chiquismo Diz:

    Achei!
    .
    .
    http://www.correiofraterno.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1817:-a-reencarnacao-de-santos-dumont-no-rio-de-janeiro&catid=16:vocesabia&Itemid=2
    .
    .
    E publicado em site ‘sério’ do chiquismo.
    .
    .
    Mas S Dumont não inventou o avião, foram os irmãos americanos. Só o brasileiro que acha.

  35. Vinicius Diz:

    “Mas S Dumont não inventou o avião, foram os irmãos americanos. Só o brasileiro que acha”
     
    o livro “mediúnico” O Voo da esperança tem a participação do espirito de Santos Dumont e ele mesmo se diz inventor do avião! (leia a página do livro 131 do pdf anexo :!: )
    http://www.alemdoarcoiris.com/DOWNLOADS/O%20Vo-Esper-CA.pdf

     
    Não CC não conhecia esse livro.

  36. Vinicius Diz:

    Observe CC, Gorducho, Phelippe etc.
     
    “O aeroporto, da noite trágica, ficou em silêncio. Lá fora, um monte de escombros e ferros retorcidos. Aqui dentro do meu coração, um mundo de tristeza e uma certeza: meu país não merece o que alguns dos seus maus filhos fazem à pátria, quando se esquecem da gratidão a Deus, por termos nascido no Brasil.
     
    Cansado e comovido, termino aqui minha difícil tarefa de repórter da desgraça, elevando a Deus uma prece de amor ao meu país e às vítimas – brasileiros como eu.
     
    ALBERTO SANTOS DUMONT
    Inventor do Avião
    São Paulo, seis horas da manhã”
    do dia 18 de julho de 2007 ”
     
    Trecho do livro mencionado no link :mrgreen:

  37. Contra o chiquismo Diz:

    Nem como comédia serve, é tétrico.

  38. Chico amor e luz Diz:

    Chico é daquelas personalidades que marcam época. Hoje somente Divaldo é um nome lembrado na mídia leiga.

  39. Phelippe Diz:

    Chico amor e luz? É novo por aqui irmão?

  40. Vinicius Diz:

    “embora aos nove meses de idade tivesse levado um tombo do carrinho de bebê, deslocando a vértebra cervical e ficando tetraplégico. Segundo Chico, a marca já estava em seu períspirito, em função da lesão adquirida pelas experiências do suicídio no passado”
     
    Aos 9 meses levou um tombo do carrinho e assim “resgatou” seu débito como suicida?
     
    Por Nossa Senhora de Loreto!!!
     
    Qual seria a interpretação chiquista de eu ter sido atropelado por um moto em um ponto de ônibus e não ter quebrado nada ? E quando o motorista de um ônibus deu uma freada brusca e eu bati com tudo nos ferros, sangrando ?
     

  41. Marciano Diz:

    Como eu esperava, Orlando-Montalvão-seja-lá-quem-for não se manifestou.
    Depois de consultar algum médico a respeito, provavelmente responderá, mas agora que previ, provavelmente não.
     
    Quanto à psicografia de ASD, vejam que ufanismo ridículo:
     
    “O aeroporto, da noite trágica, ficou em silêncio. Lá fora, um monte de escombros e ferros retorcidos. Aqui dentro do meu coração, um mundo de tristeza e uma certeza: meu país não merece o que alguns dos seus maus filhos fazem à pátria, quando se esquecem da gratidão a Deus, por termos nascido no Brasil.”
     
    Nascer no Brasil é uma desgraça!

  42. Chico amor e luz Diz:

    Sim em. Comentar e não em ler.
    E sou uma garota que cresceu em lar espírita kardecista e candomblecista, pentecostais e um ateu.
    Chico ganhou de Santos Dumont no programa Maior Brasileiro de Todos os Tempos sabiam?!

  43. Vinicius Diz:

    Marciano, este livro teve a venda proibida por ordem judicial! Uma familia se sentiu ofendida quando os “sábios do além” disseram que seus parentes estavam resgatando débitos nesse acidente.
     
    Gostaria muito saber se houve desdobramentos no processo. Não se falou mais sobre isso,
     
    https://www.diariodaregiao.com.br/_conteudo/2011/03/cidades/1016430-livro-rende-indenizacao-a-familia-caballero.html

  44. Marciano Diz:

    Os irmãos Wright, atualmente, são os incontestáveis inventores do avião, mas a situação
    não era clara no início dos anos de 1900. Quando Santos-Dumont cumpriu por fim a promessa
    feita a Samuel Langley de fazer experiências com aparelhos mais pesados que o ar e pilotou
    um biplano em 1906, três anos depois de Kitty Hawk, ele foi aclamado na França e na Europa
    como o inventor do aeroplano. A atuação furtiva dos irmãos Wright e a falta de testemunhas
    oficiais explicam, em parte, o pouco interesse pelo trabalho deles. Além disso, havia a
    tendência da imprensa americana de depreciar as reivindicações de proezas aeronáuticas,
    porque com muita frequência eram espúrias.

  45. Marciano Diz:

    Em 1906, os Wrights passaram vários meses na Europa tentando vender seu aeroplano, mas não fizeram demonstrações aéreas. As poucas notícias publicadas na imprensa europeia eram, em geral, desdenhosas em razão da falta de provas concretas. Além disso, os repórteres confundiam o biplano Flyer com o Aeródromo de Langley. As histórias relativas ao Flyer diziam que ele fora impulsionado por uma catapulta, em vez de ter feito um voo mecânico.
    Essa informação errônea levou os aeronautas franceses e, mais tarde, o governo brasileiro, a afirmar que apesar de o aeroplano dos Wrights ter decolado em 1903, Santos-Dumont era quem merecia o verdadeiro crédito por ter sido o primeiro a realizar um voo autopropulsado
    em 1906. Mas, na realidade, os Wrights não usaram uma catapulta em Kitty Hawk; o Flyer correu ao longo de um trilho de 18 metros para evitar que caísse na praia, mas o trilho não o impulsionou. No primeiro voo de 37 metros realizado em 14 de dezembro, o trilho inclinava-se numa duna de areia, para que a gravidade aumentasse a velocidade do Flyer. Mas os Wrights colocaram deliberadamente os trilhos numa posição plana nas quatro tentativas realizadas em 17 de dezembro, a fim de reivindicarem seu lugar na história como os primeiros
    a realizar um voo autopropulsado.

  46. Marciano Diz:

    A imprensa francesa ainda considerava os irmãos Wright uns blefes, descrevendo Wilbur como um caipira inculto. Ele detestava hotéis, diziam, e preferia dormir numa manta embaixo da asa de seu aeroplano. Banhava-se com uma mangueira próxima ao aparelho. Comia enlatados. Suas roupas tinham manchas de gordura. Ele arrotava em público e detestava vinho tinto. Não possuía nada de “élégance et l’esprit” de SantosDumont, e era um homem ainda mais lacônico. Quando perguntado por que era tão pouco loquaz, Wilbur respondia que “as únicas aves que falam muito são os papagaios, e estes voam a baixas altitudes”. Nancy Winters, autora de um livro sobre Santos-Dumont, mencionou com sarcasmo que o brasileiro deveria ter corrigido Wilbur, dizendo que em seu país natal os papagaios voavam a grandes altitudes. Porém Santos-Dumont nunca encontrou os Wrights.
    VINICIUS, não sei, mas vou procurar saber sobre a proibição do livro e indenizações.

  47. Marciano Diz:

    Os jornais franceses, que haviam ridicularizado Wilbur há pouco tempo, agora elogiavam aspectos de sua personalidade. “Mesmo os ínfimos detalhes de suas vidas eram fascinantes”, escreveu Crouch. “Noticiou-se que a frigideira em que Will cozinhara sua comida no hangar no Camp d’Auvours seria exibida no Louvre. Wilbur fizera a maior parte de seus voos usando um boné de tecido que Orville comprara na França no ano anterior. Os bonés ‘Veelbur Reet’ passaram a ser moda em toda a França.
     
    Santos-Dumont não reagiu bem a esse fato. Era amável em público, declarando que o céu era grande o suficiente para todos. Mas no íntimo sentia-se muito triste. “Foi, agora posso dizer”, escreveu mais tarde, “uma experiência penosa para mim ver — depois de todo meu trabalho com dirigíveis e máquinas mais pesadas que o ar — a ingratidão daqueles que há pouco tempo me cobriam de glória.”
     
    Além de os Wrights terem usurpado sua posição de pioneiro do ar, os recentes fracassos com as aeronaves Nº 15, Nº 16, Nº 17, Nº 18 e o Nº 19 agravaram seu ressentimento. Ele ainda acreditava no projeto do Nº 19 — um avião com um peso mínimo e de uma simplicidade
    elegante —, e durante algumas semanas não jantou no Maxim’s para trabalhar até tarde no aperfeiçoamento de uma nova versão, o Nº 20. Mudou a posição do motor para debaixo do assento. Isso aliviava o peso no topo da aeronave, o que já causara problemas no Nº 19, porém essa nova posição do motor ainda não era segura. Ficava “quase em seu colo, as pernas ao lado dos canos quentes e os pés a poucos milímetros da correia do propulsor”. Em março de 1909, ele mostrou o Nº 20 num campo em Saint-Cyr, a meio caminho entre Paris e Versalhes. O avião era tão pequeno quanto o Nº 19, porém mais gracioso. As asas cobertas de seda davam-lhe a elegância de uma libélula, o que inspirou o apelido de Demoiselle (“libélula” ou “senhorita”).

  48. Contra o chiquismo Diz:

    São várias piadas de mal gosto do chiquismo ‘revelando’ ‘encarnações’ . Elias da Bíblia=kardec, Judas da Biblia=Joanna D’arc, Esse garoto de Campos=SDumont, São Vicente de Paula=eurípedes barsanulfo, et caterva.

  49. Marciano Diz:

    VINICIUS, numa busca rápida nada achei sobre indenização em razão da publicação do livro.
    Tem processo da família, mas esse não achei.
    Ajudaria se você soubesse em que Comarca foi julgado o processo, se houve recurso, etc.

  50. Contra o chiquismo Diz:

    Orlando agora é ‘chico amor e luz’. Ha ha ha ha…qualé Montalvaaaaaaa kkkkkkk!

  51. Marciano Diz:

    Processo 0040734-70.2007.8.26.0576 (576.01.2007.040734) – Inventário – Inventário e Partilha – Alexandre Caballero Y Garcia Barba – - Carmen Elizabete Silva Caballero – Maria Elizabete Silva Caballero.
    Processo 0802259-42.2012.8.12.0021 – Alvará Judicial – Inventário e Partilha.
     
     
    Reqte: José Luiz Lorenz Silva – Carmen Elizabete Silva Caballero – Francisco Alexandre Talocchi Caballero
     
    Adv: ODIVAN CESAR AROSSI (OAB 9558/MS)
     
    Adv: THAYS ROCHA DE CARVALHO (OAB 9030/MS) Intimação: Da sentença de pág. 84, cuja parte dispositiva a seguir transcrevo:
     
    “… ORDENO a expedição de alvará em nome dos requerentes para que promovam ao levantamento dos resíduos de aposentadoria, conforme requerido.”
     
    Sobre o processo de indenização, nos arquivos judiciários, nada.

  52. Marciano Diz:

    Nada obstante a infrutífera busca, não há razão para questionar a reportagem.
    O texto realmente ofende as famílias das vítimas.
    Esse pessoal exagera na exploração da credulidade dos espíritas.

  53. Vinicius Diz:

    Achei algo Marciano
     
    990.10.256752-4/50000
     
    – Agravo Regimental – São José do Rio Preto – Relator: Des.: Beretta da Silveira – Agravante: Woyne Figner Sacchetin – Agravado: Carmen Elizabete Silva Cabalero – Interessado: Editora E DISTRIBUIDORA UNIVERSO DA SLETRAS LTDA – Não Conheceram do recurso. V. U. – Advogada: MARIA ODETE DUQUE BERTASI (OAB: 70504/SP) (Fls: 92) – Advogado: MARCO AURELIO CHARAF BDINE (OAB: 143145/SP) (Fls: 30) – Advogado: Alexandro Marmo Cardoso (OAB: 213114/SP) – Advogada: LUCIANA BEEK DA SILVA (OAB: 196497/SP) (Fls: 70)

  54. Marciano Diz:

    Fico pasmado com a facilidade com que crentes acreditam nas coisas mais estapafúrdias, somente porque algum suposto médium afirma que inexistentes espíritos disseram-lhe, em particular, isto ou aquilo.

  55. Marciano Diz:

    Então a sentença foi confirmada em grau de recurso.
    Parabéns, VINICIUS.
    A Justiça, neste caso, também está de parabéns, por ter tomado a atitude correta.

  56. Phelippe Diz:

    Olha, acho que Chico amor e luz é o Orlando sob nova roupagem. O modo de escrever é igual. Contra o chiquismo está certo.

  57. Marciano Diz:

    Parece que o Presidente desistiu de discutir a sério aqui e partiu para a brincadeira.
    Deve ser o cansaço. Ele já teve um esgotamento nervoso antes.

  58. Maruzio Diz:

    Chico ganhou de Santos Dumont no programa Maior Brasileiro de Todos os Tempos sabiam?!
    .
    Pois é…vejam que maluquice.

  59. Marciano Diz:

    É mais fácil se passar por uma garota ingênua do que por um médico.

  60. Contra o chiquismo Diz:

    É.. esse assunto de ‘encarnações’ de alguém sempre me chamou a atenção. Hoje não tem mais revelações. ‘Resgates’ coletivos tb eram revelações, fossem batidas de trem, incêndios ou acidente aéreo. Sempre era um povo da idade média que fez barbárie…onde eu frequentei, era a galera da ‘Noite de São Bartolomeu’ que estava reencarnada ali pra reparar as atrocidades do passado fazendo caridade. (Emoji vomitando)

  61. Marciano Diz:

    Por falar nisso, o médium que “psicografou” ASD e culpou as vítimas pelo acidente é médico (oftalmologista) de verdade e já
    ‘psicografou” Kubitschek também.

  62. Maruzio Diz:

    Nascer no Brasil é uma desgraça!
    .
    É a pátria mais eclética e mística do mundo. Isso sim é desenvolvimento!

  63. Contra o chiquismo Diz:

    Tanto chico quanto Dumont eram fraudadores. Um não podia ‘incorporar’ o que não existe, outro não inventou o avião.

  64. Maruzio Diz:

    É mais fácil se passar por uma garota ingênua do que por um médico.
    .
    Pode estar com crise de identidade…vai saber.

  65. Maruzio Diz:

    Por falar nisso, o médium que “psicografou” ASD e culpou as vítimas pelo acidente é médico (oftalmologista) de verdade e já‘psicografou” Kubitschek também.
    .
    Na opinião de vocês, seria muito antiético de minha parte ir a um centro e pedir para psicografarem minha avózinha? Assim, como um teste…dando informações erradas sobre a boa velhinha.

  66. Contra o chiquismo Diz:

    É bem mais legal quando ele escreve uns 12 parágrafos rebatendo a crença chiquista e a chata psi.

  67. Marciano Diz:

    Aí, pra você, Phellipe:
    🤮
    Quer dizer, o emoji que você pediu.

  68. Marciano Diz:

    Maruzio, eu já fiz testes práticos com alegados médiuns antes.
    Encorajo você a fazer o mesmo, seja com a avó ou quem quer que seja.
    Prevejo o resultado: os “médiuns” vão quebrar os cornos.
    Só tome cuidado, porque a maioria deles é boa de leitura fria.

  69. Contra o chiquismo Diz:

    Maruzio, isso o o repórter José Hamilton Ribeiro (do Globo Rural de hoje em dia) fez na Revista Realidade em 1971. Ganhou uma resposta genérica, Farão o mesmo contigo, mas antes lhe convidarão a uma lavagem cerebral, ops a uma sessão de estudos do que é o ‘espiritismo’, livros dos mérdiuns, etc…não ‘psicografam’ assim não. Antes tem que passar na lavagem cerebral e depois sim, vão analisar o caso. É cheio de burocracia. Pior que Detran.

  70. Contra o chiquismo Diz:

    Foi eu que pedi Marciano.

  71. Marciano Diz:

    Cara do Phelippe, após ler uma “psicografia” relatando as atrocidades cometidas em “vidas passadas” por vítimas de tragédias.

  72. Contra o chiquismo Diz:

    Maruzio, leia aqui:
    .
    .
    http://www.imagick.org.br/pagmag/turma2/xavier5.html

  73. Marciano Diz:

    Foi mal, CoC!
    Estou pegando a doença do Vitor, de creditar a um comentários de outro.
    Clique na cara do Phelippe, aí acima, e verá uma reação mais intensa à leitura das baboseiras.

  74. Contra o chiquismo Diz:

    Sim, eu vi. Mas como se coloca o mr green aqui, se coloca esse emoji?

  75. Marciano Diz:

    AFK
    BBS

  76. Contra o chiquismo Diz:

    teste: :AFKBBS:

  77. Contra o chiquismo Diz:

    Nada (emoji de decepão).

  78. Maruzio Diz:

    Só tome cuidado, porque a maioria deles é boa de leitura fria.
    .
    E eu sou bom de poker-face. Conterei o resultado de meu experimento.

  79. Gorducho Diz:

    🤮
    CoC
     
    x vai porque é em hexadecimal no caso.
     
     
    Viu o Trump batendo continência pro general ❓

  80. Gorducho Diz:

    🤮 = 🤮

  81. Marciano Diz:

    CoC, eu não tinha visto sua pergunta. AFK e BBS não tem nada a ver com hexadecimal. Away From Keyboard e Be Back Soon :mrgreen:
    De qualquer forma, Grassouillet já respondeu sua pergunta.
     
    Maruzio, não deixe de nos relatar o resultado de sua experiência. Não vejo nada de antiético. É pelo bem da ciência (de verdade).

  82. Marciano Diz:

    AFK e BBS significa que vou me ausentar por um tempo, mas voltarei logo.

  83. Marciano Diz:

    Cara do Presidente da Bancada (hipótese), sem a máscara:
    😞

  84. Gorducho Diz:

    Um centro espírita padrão FEB não vai aceitar. Não é assim que funciona.
    Tem que frequentar, começar tomando passes.
    Só depois de expressivo período e cumpridas certas etapas, poderá ter um upgrade pra participar das sessões mediúnicas.
    Aí, nelas, PODE SER que S/vovó se manifeste.
    No espiritismo brasileiro atual inclusive as evocações são desencorajadas.

  85. Marciano Diz:

    Nas missas, pela manhã, vê figuras brilhantes transformarem hóstias em focos de luz e pessoas já mortas trazendo rosas nas mãos. Ele relata o que vê e ouve a Cidália e a seu pai. Assustado, João Cândido o leva para fazer a primeira comunhão com o vigário de Pedro Leopoldo, Padre Sebastião Scarzello. Como isso não fora suficiente, o padre sugere ao pai colocar o menino para trabalhar na Companhia de Fiação e Tecelagem Cachoeira Grande, indústria em torno da qual a cidade havia nascido, no final do século 19.

    Acredito que a história tenha sido inventada depois que cx ficou conhecido como médium, como parte da farsa, mas suponhamos que seja verdadeira (a parte em que o padre sugere trabalho, porque a dos espíritos e luzes é necessariamente mentirosa); deveria ter aconselhado um hospício, em vez de uma fábrica exploradora de trabalho infantil.

  86. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Um centro espírita padrão FEB não vai aceitar. Não é assim que funciona.
    Tem que frequentar, começar tomando passes.
    Só depois de expressivo período e cumpridas certas etapas, poderá ter um upgrade pra participar das sessões mediúnicas.
    Aí, nelas, PODE SER que S/vovó se manifeste.

    ===============================================================
    Assim, fica fácil para qualquer um mandar falsos recados provenientes de sua imaginação e atribuídos ao além.

  87. Marciano Diz:

    Nem é necessária leitura fria, é quente mesmo.
    Se conseguirem informações, mandam mensagem, “de lá para cá”, sempre com a mesma xaropada, com as mensagens piegas, etc.
    Quero ver é no tête-à-tête.
    Vou me ausentar, CoC.
    Ficar Away From the Keyboard.

  88. Gorducho Diz:

    Mas aí que é ela vai ficar evidente com ela relatando sucessos de quando Sr. Maruzio era pimpolho, que só quem tava junto dentro do lar poderia saber.
     
    Meu netinho: e aquela noite que tinha sal no açucareiro, e você pos um bocado no seu café-com-leite?

     

    Done :!:

    QUEM vai negar que é mesmo a vovó… ou um demônio ❓

  89. Contra o chiquismo Diz:

    “Viu o Trump batendo continência pro general ”
    .
    .
    Ess ni dá.
    .
    .
    Ele que não o fizesse!?

  90. Contra o chiquismo Diz:

    “Gorducho Diz:
    JUNHO 14TH, 2018 ÀS 6:20 PM
    Um centro espírita padrão FEB não vai aceitar. Não é assim que funciona.”
    .
    .
    Eu disse:
    “antes lhe convidarão a uma lavagem cerebral, ops a uma sessão de estudos do que é o ‘espiritismo’, livros dos mérdiuns, etc…não ‘psicografam’ assim não. Antes tem que passar na lavagem cerebral e depois sim, vão analisar o caso. É cheio de burocracia. Pior que Detran.”
    .
    .
    Aí tem gente que pula fora na mesma da hora. Outros até assistem um tempo, observam que não tem nada de ‘espiritos’ e pulam fora.

  91. Contra o chiquismo Diz:

    “Vou me ausentar, CoC.
    Ficar Away From the Keyboard.”

    Vá lá.

  92. Contra o chiquismo Diz:

    Amigos Gorducho e Marciano, vcs que são poliglotas, já descobriram o que é o ‘ess ni dá’ em coreano? Ainda não desvendei. Mas sempre é falado ao fim de uma frase.

  93. Gorducho Diz:

    니다
    ni da

    é uma finalização respeitosa (e lembre-se que em coreano o verbo vai no fim…); akin a usted vs vos/tú no espanhol;

    você/o Sr.(a) vs tu no nosso vernáculo…
     
     
    Obrigado [implícito: a ti ou a você/ao Sr.].
    Obrigado ao Sr. vai o 니다 na terminação da frase.
    No avião (nunca fui lá, só tou dizendo):
    &$150; Ponham [Sr(ª)s. passageiro(a)s] os encostos na posição vertical, passem [Sr(ª)s. passageiro(a)s] os cintos e permaneçam [Sr(ª)s. passageiro(a)s] sentados até o completo estacionamento da aeronave.

    Bem vindos [Sr(ª)s. passageiro(a)s] a Seoul Incheon
    sempre vai terminar c/니다 que representa o tratamento implícito Sr(ª)s.
    Ou seja: não vão tutear os pax.
     
    Faça [você/o Sr.] vai 니다 no fim;
    em oposição a faz [tu] que a gente diz informalmente.
     
     
    É O QUE TENHO A RELATAR

  94. Gorducho Diz:

    Fvr. escrever o ordinal feminino ponto o semicolon no lugar do período, Sr. Administrador.
    Desculpe :oops:
    Cumpri m/autopunição lá, certo ❓

  95. Gorducho Diz:

    E o travessão :mrgreen:

  96. Marciano Diz:

    O fato de sermos poliglotas não significa que saibamos todas as línguas do mundo. Sabemos algumas, da mesma família, extremamente parecidas.
    Mas é como o Gorducho disse. Nada tenho a acrescentar, a não ser que, se for parecido com o japonês (que não falo), deve ser ainda mais respeitoso do que Sr. Deve ser algo como “sua honrada pessoa”.
    Na minha desonrada opinião, acho um exagero. Por isso que parece eco. Toda hora o mesmo som.
    Excesso de formalidade.
    안녕히 계세요

  97. Marciano Diz:

    Vitor, o Gorducho deixou-o em paz no tópico anterior, mas eu não.
    Dê uma olhada, 부디

  98. Marciano Diz:

    반대 , 나중에 돌아올거야

  99. Marciano Diz:

    Presente de despedida para o CoC:
    https://www.branah.com/korean

  100. Marciano Diz:

    Aí, CoC, para você começar bem o dia:
    https://www.youtube.com/watch?v=wZIGMAPIy1A

  101. Marciano Diz:

    Que vergonha! Uma criança bem pequena e já fala coreano, enquanto eu, Gorducho e CoC juntos não falamos uma palavra em coreano…

  102. Marciano Diz:

    Se tiver problemas com o coreano falado, veja que o vídeo é legendado.

  103. Marciano Diz:

    Estou me lembrando de que já tive um gato que falava coreano. Eu não entendia nada do que ele dizia, achava que estava miando, chamando gatas, qualquer coisa assim, mas ouvindo a conversa das duas, agora, tenho certeza de que ele falava coreano.
    Igualzinho!

  104. Marciano Diz:

    Apesar de o cachorro do Presidente estar falando mais alto, dá para notar que os gatos falam coreano.

  105. Marciano Diz:

    CoC, só faz sentido em inglês ( e tem de conhecer baseball):
    A guy has a talking dog. He brings it to a talent scout. “This dog can speak English,” he claims to the unimpressed agent.
    “Okay, Sport,” the guys says to the dog, “what’s on the top of a house?”
    “Roof!” the dog replies.
    “Oh, come on…” the talent agent responds. “All dogs go ‘roof’.”
    “No, wait,” the guy says. He asks the dog “what does sandpaper feel like?” “Rough!” the dog answers.
    The talent agent gives a condescending blank stare. He is losing his patience.
    “No, hang on,” the guy says. “This one will amaze you. ” He turns and asks the dog: “Who, in your opinion, was the greatest baseball player of all time?”
    “Ruth!” goes the dog. And the talent scout, having seen enough, boots them out of his office onto the street. And the dog turns to the guy and says
    “Maybe I shoulda said DiMaggio?”

  106. Marciano Diz:

    Quem não conheceu Babe Ruth e Joe DiMaggio não vai entender.

  107. Marciano Diz:

    Where have you gone, Joe DiMaggio?
    Our nation turns its lonely eyes to you.

  108. Marciano Diz:

    cx walks into a bar and sees, standing next to the bartender, this giant gorilla. So cx sits at the bar, orders a soft drink, and says, “What’s with the gorilla?”
    The bartender says, “Watch.” Then he begins to start, like, hitting the gorilla hard with his fists. Then the gorilla bends over and gives the bartender a blow job!
    When they’re finished the bartender turns to cx and says, “Wanna try?”
    “Sure!” says cx, “Just don’t hit me so hard!”.

  109. Marciano Diz:

    Bem que eu tentei comentar o tópico!
    Marciano Diz:
    JUNHO 14TH, 2018 ÀS 6:29 PM
    Ninguém deu a menor bola. Todos querem outros assuntos.
    Depois reclamam que não tem mais cx.
    Será que se fosse DPF seria diferente? Só tentando, para ver.

  110. Marciano Diz:

    Esqueci-me do vídeo do gato coreano:
    https://www.youtube.com/watch?v=xf6vZSnDKXs

  111. Marciano Diz:

    E o Presidente Orlando, até agora, nada!
    Como eu previ.

  112. Gorducho Diz:

    Entendido!
    Certo!
    👌
    em estilo formal (implícito: Certo! boss/M. Grassouillet…)
     
    ?????

    algetsumida

  113. Gorducho Diz:

    알겠습니다

  114. Contra o chiquismo Diz:

    Obrigado pelas explicações do coreano. Uma vez, tinha uma alemã amiga de uma tia minha que fala um português perfeito, ela disse que ultra difícil mesmo é o finlandês. Posso imaginar.
    .
    .
    Esses vídeos de gato são curiosos, eles emitem cada som sinistro.
    .
    Como escreve em coreano aqui?

  115. Gorducho Diz:

    “Chinês” (mandarim, cantonês…) é MUITO difícil. o significado das palavras mudam só pelas entonação dada a elas. Acho que pra nós ocidentais falarmos razoavelmente no mínimo uns 10 anos morando lá :(

    Ontem mesmo aconteceu um fenômeno PARANORMAL lá na outra rubrica comigo. Fui desenhar ❓ na resposta pra Administração e acabei psicografando “espírito” em mandarim – o espírito do ASD irritado comigo de certo não foi porque certamente ele não sabia o idioma ❗

    Aí logo pedi pro Sr. Administrador apagar (o que ele fez de pronto) preocupado que pudesse ter outras conotações indesejadas no contexto do Sítio cá :(

  116. Gorducho Diz:

    Eu fiz uma rotina em JavaScript (baseado em fóruns/dicas da INTERNET, claro!) que tem se mostrado perfeita.

    Colo o texto como visualizado, com quebras de linha &c., numa área numa página e a rotina transforma nas num ficheiro texto comum.
    Mas tem páginas online onde se seleciona vogal-consoante-vogal e gera tb.

    Cá tem que usar as entidades

  117. Gorducho Diz:

    E.g.: pra escrever 알겠습니다
    tem que dedilhar (colar, claro :mrgreen: )

    알겠습니다

  118. Gorducho Diz:

    Só que a quebra-de-linha não me lembro se (testanto…) funciona cá

  119. Gorducho Diz:

    Tb. NÃO funciona 😠

  120. Contra o chiquismo Diz:

    Desisto.

  121. Gorducho Diz:

    Pode copiar e colar as entidades, e vai obter “ok” em coreano.

  122. Contra o chiquismo Diz:

    Sabia que as Testemunhas de Jeová ensinam Mandarim em alguns salões do reino aqui no Brasil?

  123. Gorducho Diz:

    Hangul, claro :oops:
    알겠습니다
     
    Ctrl C
    Ctrl V

    👌

  124. Phelippe Diz:

    Para aprender mandarim façam o curso da Assimil, em dois volumes. Há um terceiro, onde se ensina a escrever/desenhar os caracteres/ideogramas da língua. É muito bom.

  125. Contra o chiquismo Diz:

    Não dá Gorducho, sou mto burro.

  126. Contra o chiquismo Diz:

    Tem muita diferença do espanhol falado na Espanha pro da Argentina, Ecuador, México, Costa Rica, Chile etc?

  127. Phelippe Diz:

    Contra o chiquismo, é mentira! Finlandês não é tão difícil assim. Faça o curso de finlandês da coleção Teach Yourself e verá. Este curso levará você até o nível intermediário básico, B1, de acordo com o padrão europeu, mas a partir daí poderá caminhar com sua próprias pernas. Eu conheço esse curso e aprovo.

  128. Gorducho Diz:

    Não consegue selecionar, copiar e colar ❓
    Ou digitar as entidades (as 5 sílabas) ❓
     
     
    Tem… se bem em termo de pronúncia eu entendo melhor o castellano español que o português português.

    Claro: quanto a vocabulário muda. Diria que % equivalentemente às diferenças entre cá e .pt

    Mas é puro chute meu, bien entendu :!:

    México, Ecuador e CR nunca fui.

    Mas já conversei muito com mexicanos e vê-se filmes…

    Em termos de pronúncia, acho mais fácil que certas províncias argentinas, pro nosso ouvido.

  129. Gorducho Diz:

    A pronúncia española com aquela língua que acho que põe no céu-da-boca adoro.
    By the way… ao menos em Barcelona – claro que não falam castellano lá…– tem aerobús, sabia :?:
    Só que é aerobús; não são os aeróbus :!:

  130. Gorducho Diz:

    Aliás uma diferença é essa: na Argentina ônibus é micro.
    Nos outros lugares é bús.

  131. Marciano Diz:

    Pare com isso, Phelippe!
    Com três livros alguém vai aprender a falar mandarim?
    Estou com o Gorducho. É preciso morar uns dez anos com os chinas.
     
    Claro que deve dar para ter o mesmo nível que o Presidente tem em inglês, mas falar mesmo, que é bom, nada!
     
    ===============================================================
    Contra o chiquismo Diz:
    JUNHO 15TH, 2018 ÀS 3:27 PM
    Não dá Gorducho, sou mto burro.

    ===============================================================
     
    Deixe de falsa modéstia! Aprendeu isto em centros espíritas?
    Daqui a pouco vai dizer que é um cisco, etc.
    Ninguém aqui é mais burro do que eu.
    Quando o Vitor tentou me ensinar a negritar, achei difícil. Depois, o Gorducho tentou me ensinar algumas coisas, que não entravam na minha cabeça nem com malho. Agora já dou meus pulinhos em HTML.
    Ensinamos algumas coisas ao Presidente, que consegue fazer umas gracinhas também.
     
    ===============================================================
    Phelippe Diz:
    JUNHO 15TH, 2018 ÀS 4:20 PM
    Contra o chiquismo, é mentira! Finlandês não é tão difícil assim. Faça o curso de finlandês da coleção Teach Yourself e verá. Este curso levará você até o nível intermediário básico, B1, de acordo com o padrão europeu, mas a partir daí poderá caminhar com sua próprias pernas. Eu conheço esse curso e aprovo.

    ===============================================================
     
    Se eu não te conhecesse melhor, diria que és sócio do curso.
     
    Estou me lembrando que a única coisa que eu e o Gorducho não conseguimos ensinar ao Presidente foi inglês. Ficamos irritados e desistimos. O Vitor tem uma hipótese de que após uma certa idade não se consegue mais.
    Se eu tivesse tempo iria tentar aprender sueco, só pra testar.
     
    Como são as coisas… Eu não falo espanhol. Acho um desperdício de tempo estudar uma língua praticamente idêntica ao português.
    Por outro lado, acho o espanhol (falado) de Madrid fácil de entender. Já o espanhol de Buenos Ayres…
     
    Eu tive uma amiga argentina, de Santiago Del’Estero. Nós conversávamos, cada qual na sua língua, e nos entendíamos muito bem. Quando um dizia algo que o outro não entendia, perguntava, ouvia a explicação na outra língua e entendia tudo.
     
    Exemplo (hipotético – não tenho um gravador na cabeça):
     
    – ¿ Qué es eso en tu ojal?
    – O que é ojal?
    – Es una pequeña abertura reforzada en sus bordes que tienen algunas prendas y que sirve para abrochar un botón.
     
    Ah! Agora entendi!
     
    E em Portugal é autocarro.
    Na Alemanha, e o Phelippe está aí para comprovar, falam de forma tão diferente que fica difícil para um alemão do norte falar com um alemão do sul.
     
    ===============================================================
    Nos outros lugares é bús.
    ===============================================================
     
    E até o bus inglês vem do latim, omnibus (para todos).
    Viram como inglês também tem um enorme vocabulário (30 a 40%) oriundo do latim?
     
    Amicus omnibus, amicus nemini.
    Literalmente: amigo todos, amigo ninguém.
     
    Adaptando ao latim moderno (a fração que virou o português): Amigo de todos, amigo de ninguém.
     
    Aliquis in omnibus, nullus in singulis.
     
    Alguém em tudo, ninguém em cada coisa.
     
    Quem sabe tudo, não sabe nada.
    Oops! Juro que não pretendia dizer isto.
    Estou dando opiniões demais. Acabo de passar um atestado de burro para mim mesmo.
    SCNR
    CoC, não é HTML, é Sorry, Could Not Resist (desculpem, não resisti).

  132. Marciano Diz:

    Sem problemas!
    Segundo Platão, Sócrates também sabia que era um ignorante metido a besta. Se é que existiu mesmo. O Sócrates, não o Platão.

  133. Marciano Diz:

    En usko, että suomalainen on helppo oppia, niille, jotka puhuvat portugaliksi.
    Kirjoitettu hieman Google-kääntäjän avustuksella.
    https://www.amazon.com/Teach-Yourself-Finnish-Complete-Course/dp/0071420088

  134. Phelippe Diz:

    Então, Marciano, o povo não gosta muito desse curso em particular, mas na falta de outro eu comprei e gostei. Muito útil. Dessa mesma série tenho o de holandês (ótimo), polonês (não gostei, profundo para iniciantes), grego antigo (ótimo, minha edição é antiga, de 1968) e sânscrito (bom também). Para as demais línguas uso o Assimil.

  135. Gorducho Diz:

    Mandarin e suponho cantones (HK), varia completamente osenso do vocabulo CONFORME a entonaçao. Impossível aprender a balbuciar sem morar lá > 10 e ser casado c/1 nativa!

  136. Marciano Diz:

    Caraca, Phelippe! Eu pensava que gostava de idiomas estrangeiros, mas você me dá um banho.
    Eu acho que você tem dificuldades com o polonês pela dessemelhança com outras línguas mais fáceis para nós, como o inglês, alemão (no qual você é muito melhor do que eu), etc.
    Quem fala inglês e alemão tem (penso eu) facilidade para aprender sueco, dinamarquês, holandês.
    O livro não deve ser profundo. Creio que um tcheco, um croata, etc., achem polonês fácil.
    Quem fala português já fala 95% de espanhol, muito de italiano e francês (até o inglês).
    Tentei explicar isto para o Presidente Montalvão, mas parece que o Vitor tem razão nesse particular.
    Por outro lado, se você acha grego antigo e sânscrito mais fáceis, fico bolado.
    Acho que você iria gostar de aprender latim. Eu não tenho tempo, mas bem que gostaria. Difícil é encontrar alguém para praticar. Nem padres falam mais. Literatura, entretanto, não falta.
    Claro que o latim moderno dos livros não era falado pelo populus, populi, populo, populum, populo, popule, respectivamente, nominativo, genitivo, dativo, acusativo, ablativo e vocativo.
    Nem o alemão tem esse luxo.
    Acusativo, genitivo e dativo já bastam.
    Uma pena que o latim tenha se ramificado e se transformado em várias línguas. Era uma língua culta, até onde posso ver.
    O inglês atual é uma língua vagabunda, praticamente sem gramática, apesar de um vocabulário gigantesco, talvez pour cause.
    A Assimil eu não conhecia. Procurei na web.
    QU’EST-CE QUE LA MÉTHODE ASSIMIL ?
    Créée en 1929, l’entreprise Assimil est présente dans près de 100 pays et a vendu des millions de méthodes d’apprentissage dans 13 langues sources différentes.
     
    En quoi consiste exactement cette méthode ? À qui s’adresse-t-elle ? À quel résultat s’attendre ? Assimil vous dit tout.
    La méthode Assimil permet d’ apprendre les langues étrangères de manière intuitive , à la manière des enfants apprenant leur langue maternelle.
     
    O Pierre Capretz tinha um curso de francês semelhante. Durante todo o curso (audiovisual), não se falava nada além do francês. Ele sustentava que o estrangeiro deve aprender como as crianças.
    Eu tenho o curso (dois CDs), com cinquenta e poucas lições de meia hora.
    Não sei se funcionaria com quem não sabe nada de francês.
    Ele apontava para si próprio e dizia:
    – Moi, je suis le professeur.
    Depois, apontava para um grupo de atores que faziam papel de estudantes e dizia:
    – Et vous, vous êtes les étudiants. Nous allons apprendre le français … Moi, je parle français …
    As palavras “professeur” (que a maioria dos franceses diz prof, mas isto é dito mais adiante no curso) e “étudiants” apareciam escritas na tela (coisa que criança não faz, aprender a falar e escrever simultaneamente).
    E ia por aí.
    Conhece?

  137. Marciano Diz:

    Gorducho, pelo que sei, coreano também é língua tonal
    Até as línguas normais, como o português, inglês, etc., podem ter variação de sentido, conforme a entonação.
    Não tenho como mostrar aqui, mas pense no seguinte:
    – Você sabe disso.
    – Você sabe disso? (mudei o tom de voz e agora estou perguntando, em vez de afirmar).
    – VOCÊ sabe disso. Você sabe; outros, não se se sabem.
    – Você SABE disso. Claro que você sabe disso.
    – Você sabe DISSO. Outras coisas, não sei se você sabe.
    Tente falar com todas as entonações possíveis e veja como muda o sentido.

  138. Vitor Diz:

    CONTRA DISSE: “Mas S Dumont não inventou o avião, foram os irmãos americanos. Só o brasileiro que acha.”
    .
    Não, argentinos também acham. E foi o Santos Dumont quem inventou o avião sim. Resolvi trazer meu debate com o GORDUCHO do outro tópico para este, porque ele resolveu “me deixar em paz” lá. Bem, o desafio dele era o seguinte:
    .
    Então temos 2 possibilidades pro caso:
    ou (i) se aplicamos a definição de “avião” vigente dentro da America – es decir: definida por órgão internacional reconhecido pelo governo americano – em dezembro de 1903

    .
    Que dentro da América já se tinha a ideia que o avião tinha que ser autopropulsado, antes de dezembro de 1903, a prova está aqui, no final da página 657 e no primeiro parágrafo da página 658:
    .
    https://app.box.com/s/misje8a7m9rx4x5m3vy860wazshydy2p
    .
    É dito: “Mr. Langley last November announced to Mr. Chanute that he at last had the definitive machine; that he had entirely solved the very difficult question of equilibrium, and that he was counting on showing the universe, in the course of 1903, the first self-propelled, man-carrying aeroplane!”
    .
    E ainda é dito que o trabalho de Langley era financiado pelo governo americano. Ou seja, o governo dos EUA já entendiam (antes de dezembro de 1903) que avião de verdade tinha que ser autopropulsado. E o dos Wright não era. Por isso não se interessaram nem investiram nos irmãos.
    .
    Fica assim PROVADO que na América, pelo GOVERNO AMERICANO, tudo era buscado para se ter uma máquina autopropulsada, bem antes de dezembro de 1903. Mais que isso, fica PROVADO que Santos Dumont foi o inventor do avião.
    .
    Pronto, Gorducho, condições satisfeitas. AGORA CONSIDERO ENCERRADO ESTE ASSUNTO.

  139. Marciano Diz:

    Evidentemente que nas línguas tonais, como mandarim, cantonês, manchu, coreano (japonês, não), etc., PREDOMINA a entonação (olha a entonação aí, gente), o que não quer dizer que isto seja estranho a outras línguas.
    Só muito menos usado.
    Essas línguas são primitivas e monossilábicas, então o jeito é mudar o sentido de acordo com a entonação.
    Pelo que sei, a escrita é a mesma, com em 23 (vinte e três, twenty three, vingt trois, ventitré, dreiundswanzig).
    Todo mundo lê a mesma coisa, mas pronuncia diferentemente.
    Quer dizer, isto é hipótese minha. Não sei se tenho razão.

  140. Marciano Diz:

    Bem, os alemães e os italianos emendam tudo e os alemães pensa em três E vinte, em vez de vinte e três. Franceses também pensam em quatro vinte, em vez de oitenta, quatro vinte dez, em vez de noventa, etc.
    Mas os algarismos arábicos são os mesmos.
     
    Legal que o Vitor tenha trazido ASD para cá.
    Gorducho resolveu deixá-lo em paz, mas eu não.
    Deixei até uma provocação para o Gorducho e uma resposta para o Vitor lá no outro tópico.
    Vamos que vamos!

  141. Marciano Diz:

    O que o Vitor disse acima não é verdade.
    No outro tópico, eu mostrei como os Wright eram mais cautelosos e menos espetaculosos do que o afrancesado ASD, daí não terem sido creditados A PRINCÍPIO, mas depois até ASD viu que eles eram os precursores.
    Se quiser, eu transcrevo os comentários para cá.
    Vou parar por hoje, mas amanhã e depois (e até a morte, se o Vitor quiser) eu continuo o debate.
    Last word my ass!

  142. Marciano Diz:

    Vitor Diz:
    JUNHO 15TH, 2018 ÀS 6:00 PM
    Marciano, está documentado nas próprias cartas deles que eles nunca voaram em tempo calmo. Escreviam coisas como “o vento não ajudou”. A catapulta foi feita para não dependerem tanto das condições climáticas.
     
    Melhorou, você já admite que o primeiro voo do Flyer não foi catapultado.
    Veja que antes você falava que uma das razões era a catapulta.

  143. Vitor Diz:

    Oi, Marciano
    eu não pretendo mais voltar a este cansativo assunto. ASD viu a primazia no voo, não um voo num avião. É o mesmo caso das palavras do Henrique Lins de Barros. O próprio Santos Dumont se queixou dessa tentativa dos Wright, lembra? Você até comentou que ele era mal informado… e eu sempre disse que o avião deles ou dependia de ventos fortes, ou de catapulta, ou da gravidade (e nesse ultimo caso pode-se entender que a gravidade agiu como uma catapulta… eles foram catapultados pela gravidade, descendo um terreno inclinado para ganhar velocidade).
    .
    Só gostaria agora de ver o Gorducho admitir que sim, foi ASD o inventor do avião. Se ele continuar a negá-lo, paciência. Satisfiz as condições dele.

  144. Vitor Diz:

    Parto agora. E NÃO quero mais voltar a este assunto. Se eu voltar, será apenas para parabenizar o Gorducho pela mudança de pensamento (em admitir que foi ASD o inventor do avião, e não os Wright ou qq um antes dele), ou simplesmente demonstrar meu desprezo pela desonestidade intelectual dele por alguma desculpa esfarrapada que ele venha a dar. Fora isso, NÃO QUERO MAIS TRATAR DESTE ASSUNTO.

  145. Marciano Diz:

    Para evitar possíveis competidores, os irmãos Wright trabalharam em segredo, e escolheram Kill Devil pelos ventos favoráveis e por ser um local afastado. Eles estavam determinados não só a serem os primeiros a fazer um voo mecânico, como também a construir um avião para vender a uma potência militar. O segredo
    funcionou. Alguns homens que trabalhavam como “guarda-vidas” em Kitty Hawk — que procuravam destroços de um navio para a Guarda Costeira presenciaram os voos, mas não houve, no início, comentários com a imprensa. Os primeiros voos históricos dos Wrights, e os outros em Ohio nos dois anos seguintes, receberam pouca publicidade. Na verdade, o
    primeiro jornalista a vê-los a pilotar o biplano Flyer relatou a experiência em uma revista de apicultores, Gleanings in Bee Culture, e a matéria só apareceu mais de dois anos após Kitty Hawk. Nenhuma invenção dessa magnitude foi revelada ao mundo com tanta discrição. Mesmo a fabricação secreta da bomba atômica em Los Alamos foi mais noticiada.
    Os irmãos Wright, atualmente, são os incontestáveis inventores do avião, mas a situação não era clara no início dos anos de 1900. Quando Santos-Dumont cumpriu por fim a promessa feita a Samuel Langley de fazer experiências com aparelhos mais pesados que o ar e pilotou um biplano em 1906, três anos depois de Kitty Hawk, ele foi aclamado na França e na Europa
    como o inventor do aeroplano. A atuação furtiva dos irmãos Wright e a falta de testemunhas oficiais explicam, em parte, o pouco interesse pelo trabalho deles. Além disso, havia a tendência da imprensa americana de depreciar as reivindicações de proezas aeronáuticas, porque com muita frequência eram espúrias.

  146. Marciano Diz:

    Dita a razão da escassa divulgação à época dos fatos, também me calo.
    Mas, se Vitor ou Gorducho mudarem de ideia, contem comigo.
    Libertates et privilegia nostra usque ad mortem defendemus.

  147. Marciano Diz:

    Não vou transcrever os comentários do outro tópico para cá, porque o Vitor já desistiu do assunto.
    Quem tiver interesse em saber a razão de a princípio os Wright não terem chamado a atenção, podem ler aqui e nos quatro comentários subsequentes.

  148. Gorducho Diz:

    “Não quer voltar” mas fica fazendo provocações, sendo que eu já tinha parado.
    Pois considero anulada pela Casa a minha autopunição, e na 1ª oportunidade que der vou introduzir o assunto nos tópicos em tela a menos que me bana
    👍

    👍
    👍

  149. Gorducho Diz:

    👎
    👎
    👎

  150. Gorducho Diz:

    ============================================================
    porque o Vitor já desistiu
    ============================================================
    Não, ele NÃO desistiu.
    Essa é a técnica dele: tentar ficar c/a última palavra.
    Aconteceu um evento Sobrenatural comigo lá e eu pedi pra ele que apagasse, o que ele fez de pronto.
    Daí eu me autopuní prometendo deixar ele em paz com a crença dele. Aí ele vem cá e me provoca reabrindo o assunto :!:

  151. Gorducho Diz:

    Uma das coisas que comentam é que os Wright acabaram prejudicando o invento pela excessiva preocupação com a questão da(s) Patente(s) – não sei se só 1 ou várias ( :?: )
    Esse segredo todo foi por isso, e aparentemente também acabou levando a que embestassem NAQUELE desenho básico.
    O ASD teve o mérito enorme de não embestar c/o design 14-bis e partiu pra outro completamente diferente no Demoiselle.
    Agora, se a Fédération Aéronautique Internationale foi FUNDADA em 12 October 1905, como eles poderiam ditar regras pros Wright em December 17, 1903 :?:

  152. Gorducho Diz:

    Então nem na época pois que a FAI não existia;
    nem hoje onde citei INÚMERAS vezes as definições americana, brasileira, francesa, russa, e da ICAO que engloba todos porque todos são afiliados (é da ONU inclusive), tem esse requisito.

  153. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Essa é a técnica dele: tentar ficar c/a última palavra.
    ===============================================================
     
    Como eu disse mais acima, last word my ass!
    Libertates et privilegia nostra usque ad mortem defendemus.
     
    ===============================================================
    Uma das coisas que comentam é que os Wright acabaram prejudicando o invento pela excessiva preocupação com a questão da(s) Patente(s) – não sei se só 1 ou várias ( :?: )
    ===============================================================
     
    ASD não acreditava em patentes e divulgou amplamente os projetos de seus dirigíveis.
    Aconselharam-no a patentear o Demoiselle. Ele recusou. Era seu presente para a humanidade, disse, e preferia terminar seus dias em um asilo de pobres do que cobrar aos outros o privilégio de copiar sua invenção e de fazer experimentos aéreos.
     
    Inventou também um estilingue capaz de lançar um colete salva-vidas para uma pessoa que estivesse se afogando, e patenteou (aparentemente sua única patente registrada) o que mais tarde poderia ser um tipo de mecanismo bizarro como o utilizado em corrida de galgos para arrastar um petisco diante dos cães, fazendo com que corressem em volta da pista. Não se tem notícia de que algum desses inventos tenha sido aproveitado.
     
    Já os Wright disputaram patentes em processos judiciais.
     
    Segundo a Wikipédia, pelo menos mais uma patente, além do avião, foi requerida pelos Wright. Eles só patentearam o avião em 1908. ASD não patenteou nunca.
     
    Circula entre brasileiros ufanistas o mito de que ASD teria inventado o relógio de pulso, mas a rainha Vitória já tinha sido presenteada com um relógio de pulso.
    ASD apenas pediu a Cartier que fizesse um relógio de pulso (que já existia há décadas) para ele.

  154. Marciano Diz:

    O que têm em comum Louis XVI, Marie Antoinette, Napoleão e Josefina Bonaparte, Selim III (Sultão do Império Otomano), o Czar Alexandre I, a Rainha Vitória de Inglaterra e Winston Churchill?
     
    A resposta é que todos eles, por entre muitas outras personalidades históricas, foram clientes leais dos relógios Breguet.
     
    Breguet foi, ele próprio, responsável pela descoberta de várias tecnologias e mecanismos que hoje são sinônimos de excelência, como por exemplo o turbilhão, utilizado por qualquer marca de luxo. Criou também o primeiro cronógrafo, o relógio automático, o sistema pare-chute (que inspirou os relógios anti-choque), e mesmo o primeiro relógio especialmente concebido para ser usado no pulso, entre muitas outras inovações.

  155. Marciano Diz:

    Como ninguém comentou nada hoje, para o dia não passar em branco, aqui vai um sketch de dois escoceses de Glasgow tentando dar comandos de voz a um elevador de americanos.
    Se alguém entender o glaswegian, é engraçado.
    https://www.youtube.com/watch?v=BOUTfUmI8vs

  156. Vitor Diz:

    Bom, eu SABIA que o Gorducho partiria para a segunda opção: desculpas esfarrapadas. Vamos detoná-las por completo:
    .
    GORDUCHO DISSE: “Agora, se a Fédération Aéronautique Internationale foi FUNDADA em 12 October 1905, como eles poderiam ditar regras pros Wright em December 17, 1903 :?:
    .
    Primeiro que o Aeroclube da França já existia desde 1898 e oferecia prêmios para os aeronautas do mundo inteiro e o Chanute se correspondia frequentemente com os irmãos desde 1900 pelo menos, mantendo-os informados. Além disso, como vimos, já existia a ideia que o avião tinha que ser autopropulsado. Era nessa ideia que o próprio governo americano estava pondo seu dinheiro. Aliás, os próprios Wright MENTIRAM sobre seu invento. O escritor AMERICANO David Cox Cooke escreveu:
    .
    Eles escreveram [em 1908] que seu voo foi “o primeiro na história do mundo em que uma máquina carregando um homem se elevou do solo por sua própria energia, num voo livre, voou sem redução de velocidade e, finalmente, aterrissou sem sofrer estragos.”
    .
    O Cook percebeu a mentira e escreveu:
    .
    Entretanto, aqueles que duvidam dessas alegações dos Wright em favor de Santos-Dumont observam que a máquina dos dois irmãos NÃO se ergueu do solo sozinha, enquanto que a do brasileiro voou, depois de correr pelo solo sobre rodas
    .
    Ou seja, os próprios Wright ACEITARAM a ideia que o avião tinha que ser autopropulsado, e MENTIRAM dizendo que o deles era. E para que não reste dúvidas, o David Cooke – AMERICANO, É BOM LEMBRAR – diz:
    .
    Um folheto publicado em 1942 pelo Instituto Smithsoniano, em Washington, inicia com um parágrafo que diz: “Concorda-se, de um modo geral, que os irmãos Wright foram os primeiro a realizar voos contínuos numa máquina mais-pesada-do-que-o-ar, em Kitty Hawk, na Carolina do Norte, a 17 de dezembro de 1903.” Esta declaração está longe de ser correta. Embora seja verdade que os irmãos Wright são geralmente considerados os primeiros a realizar voos bem sucedidos em aeroplanos, há muitos que discordam, insistindo que, embora Wilbur e Orville Wright sejam verdadeiros pioneiros científicos, não podem ser, com justiça, chamados os Pais do Voo.”
    .
    GORDUCHO DISSE: “citei INÚMERAS vezes as definições americana, brasileira, francesa, russa, e da ICAO que engloba todos porque todos são afiliados (é da ONU inclusive), tem esse requisito.”
    .
    Pelos critérios do Gorducho, então ele tem que aceitar a definição de tempo de voo também. E lá é dito:
    .
    Tempo de voo significa: (1) tempo de pilotagem que começa quando uma aeronave se move sob sua própria força para fins de voo e termina quando a aeronave para após aterrissar;
    .
    Pilot time that commences when an aircraft moves under its own power for the purpose of flight and ends when the aircraft comes to rest after landing;
    .
    Como a aeronave dos Wright NUNCA se moveu por sua própria força até fins de 1908 pelo menos, então o GORDUCHO precisa chegar à seguinte conclusão: Os Wright inventaram o avião, mas JAMAIS voaram em um até 1908, pois não possuem tempo de voo até então. Santos Dumont foi o primeiro homem a voar em um avião.
    .
    Agora vejamos as inconsistências dessas definições.
    .
    Avião: aeronave, mais pesada que o ar, equipada com motor de propulsão, cuja sustentação em voo se deve principalmente a partir de reações aerodinâmicas em superfícies que permanecem fixas em determinadas condições de voo;
    .
    Pela definição acima, então motoplanador é avião também:
    .
    Motoplanador: classe específica de planador motorizado que tem um motor integrado e não retráctil e uma hélice não retráctil; deve ser capaz de descolar e ganhar altitude com a sua própria potência em conformidade com o seu manual de voo;
    .
    http://www.inac.pt/SiteCollectionDocuments/Publicacoes/estudos/glossario_da_aviacao_civil.pdf
    .
    Veja que a definição diz que motoplanador é uma classe específica de planador motorizado que precisa decolar por meios próprios! Não de avião! Mas pela definição de avião, motoplanador tinha que ser chamado de avião pois atende PLENAMENTE os requisitos! As definições são contraditórias!
    .
    Vamos ver a definição de planador motorizado:
    .
    Planador motorizado: aeronave equipada com um ou mais motores e que, com os motores desligados, possui as características de um planador;
    .
    Mais uma vez não é dito que é avião! Mas se encaixa plenamente na definição dada de avião! Como não pode ser considerada avião?! Note que a ANAC separa os conceitos:
    .
    Tempo de voo para aviões, motoplanadores e aeronaves de descolagem vertical: o tempo total, contabilizado, desde o momento em que a aeronave começa a movimentar-se pelos seus próprios meios, com o propósito de descolar, até ao momento em que se imobiliza definitivamente no fim do voo;
    .
    Fica claro que para a ANAC avião é uma coisa e motoplanador é outra, pois ela separa as duas coisas! Mas como vimos, a definição de motoplanador se encaixa plenamente na de avião!
    .
    E motoplanador precisa decolar por meios próprios! Então avião não precisa? Que coisa confusa! Como alguém em são consciência pode usar critérios tão contraditórios para definir alguma coisa? Só a enorme vontade do Gorducho de pagar mico para explicar isso :D

  157. Vitor Diz:

    MARCIANO DISSE: “Circula entre brasileiros ufanistas o mito de que ASD teria inventado o relógio de pulso, mas a rainha Vitória já tinha sido presenteada com um relógio de pulso. ASD apenas pediu a Cartier que fizesse um relógio de pulso (que já existia há décadas) para ele.
    .
    Se não foi o criador do objeto, Dumont certamente merece registro por tê-lo difundido como item quase obrigatório no dia a dia. No início de século XX, a ideia de usar relógio no pulso apenas começava a se desenvolver. Em 1896 a suíça Longines fez relógios para damas. A também suíça Omega, em 1902, lançou modelos femininos e só em 1905 passou a fazer modelos masculinos. Mas havia forte reação contrária do mercado: no geral, as peças não tinham boa aceitação. Até que, em 1904, a Cartier fez um modelo seguindo a concepção de Santos Dumont. Já bastante famoso à época, o inventor precisava de um relógio prático que lhe possibilitasse cronometrar os voos. Era um modelo que trazia inovações no desenho e abriu o mercado alguns anos depois, em 1911.
    .
    O modelo Santos trazia inovações no desenho e transformava uma joia num instrumento de medida do tempo prático e funcional. Transforma um relógio no pulso num relógio de pulso – enfatiza o biofísico Henrique Lins de Barros, um dos maiores pesquisadores sobre Santos Dumont no Brasil e consultor científico da exposição temporária do Museu do Amanhã “O poeta voador, Santos Dumont”.

  158. Gorducho Diz:

    Fédération Aéronautique Internationale
    IGC
    Chapter 1: General Rules and Definitions
    1.0 General
    1.0.5 MOTOR GLIDER A fixed wing aerodyne equipped with a means of propulsion (MoP), capable of sustained soaring flight without thrust from the means of propulsion.

  159. Vitor Diz:

    E? Vai dizer que a definição de “motor glider” não se encaixa na definição de avião? Afinal, “A fixed wing aerodyne equipped with a means of propulsion (MoP), capable of sustained soaring flight without thrust from the means of propulsion” TAMBÉM É “an engine-driven fixed-wing aircraft heavier than air, that is supported in flight by the dynamic reaction of the air against its wings.” E a FAI claramente SEPARA os motoplanadores dos aviões, numa incongruência terrível!
    .
    Class A Free Balloons
    Class B Airships
    Class C Aeroplanes
    Class CS Solar-Powered Aeroplanes
    Class D Gliders & Motorgliders

    .
    Outra coisa, vc está vendo que a definição de motoplanador da ANAC de Portugal não é a mesma da FAI, tendo mais detalhes e requisitos? Pois é…

  160. Gorducho Diz:

    Não, não se encaixa porque o planador – “moto” ou não moto :mrgreen: – tem que voar SEM motor em condições normais.
    Já TENTEI lhe explicar que o motor dos planadores é mais ou menos exatamente como o dos veleiros.
    Ninguém vai ter um veleiro pra navegar a motor. É só pra facilitar operações em marinas; portos congestos; entradas de rios; calmarias; emergências médicas a bordo…

  161. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Não, não se encaixa porque o planador – “moto” ou não moto :mrgreen: – tem que voar SEM motor em condições normais.”
    .
    Isso só faria do motoplanador um tipo de avião. Afinal, o motoplanador CONTINUA SENDO “­uma aeronave de asa fixa, mais pesada que o ar, propelida a motor e que é sustentada no ar pela reação dinâmica do ar contra suas superfícies  de sustentação que permanecem fixas sob determinadas condições de vôo.”
    .
    Pare de desculpas esfarrapadas. Isso cansa :(

  162. Gorducho Diz:

    Motoplanador significa uma aeronave equipada com um ou mais motores e que, com o(s) motor(es) parado(s) em voo, possui as mesmas características de um planador.
     

     

    Resolução ANAC nº 184, de 1º de março de 2011, publicada no Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, página 6, de 2 de março de 2011.

  163. Vitor Diz:

    “Motoplanador significa uma aeronave equipada com um ou mais motores e que, com o(s) motor(es) parado(s) em voo, possui as mesmas características de um planador”
    .
    Exato. E isso é incongruente. Afinal, o motoplanador também é “uma aeronave de asa fixa, mais pesada que o ar, propelida a motor e que é sustentada no ar pela reação dinâmica do ar contra suas superfícies de sustentação que permanecem fixas sob determinadas condições de vôo”.
    .
    Deveria ser um tipo de avião por essa definição. Mas não é… daí a incongruência.

  164. Vitor Diz:

    Precisa desenhar para você? :D

  165. Vitor Diz:

    Ou vai ficar só dizendo MUUUUU sem usar o tico e o teco? :D

  166. Vitor Diz:

    Se resolver ficar dizendo MUUUUUU, tem que aceitar que Santos Dumont foi o primeiro homem a voar em um avião, sendo os Wright os inventores sem jamais terem voado antes de Dumont.

  167. Gorducho Diz:

    NÃO porque o avião não se mantém em voo sem motor. Ao ratear o motor IMEDIATAMENTE procura-se um lugar pra tentar o pouso e inicia-se os procedimentos de emergência.
    No “moto”-planador o motor É desligado pra fazer o võo “de cruzeiro” (so to say).
     
     
    Sim, “cansa”. Eu já tinha parado em gratidão pelo Sr. ter apagado a palavra que psicografei Sobrenaturalmente.
    S/Pessoa não se conteve e voltou a provocar.

    Se quer parar paramos mas com lealdade recíproca.

  168. Gorducho Diz:

    Não, não é normalmente propelida a motor.
    Como veleiros não são.
    O “cruzeiro” não é com motopropulsão.

  169. Gorducho Diz:

    Enquanto num avião NUNCA se apaga todos motores (exceto em testes c/piloto-de-provas em áreas reservadas, &c.), em motoplanadores SEMPRE em voos dentro da finalidade pra qual essas máquinas se destinam, será apagado o motor.
    Claro que facilita ferry e viagens. Mas aí já é uma distorção “prática” (so to say) da finalidade construtiva do aparelho. NESTAS situações específicas, sim, o “moto”-planador estará sendo usado como AVIÃO.

  170. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “NÃO porque o avião não se mantém em voo sem motor. Ao ratear o motor IMEDIATAMENTE procura-se um lugar pra tentar o pouso e inicia-se os procedimentos de emergência. No “moto”-planador o motor É desligado pra fazer o võo “de cruzeiro” (so to say).”
    .
    Vou desenhar :D
    .
    1 – SE um avião não se mantém em voo sem motor, isso mostraria que um avião não é um motoplanador.
    .
    2- Pela definição dada, um motoplanador é um avião.
    .
    O que aprendemos? Que todo motoplanador é um avião, mas nem todo avião é um motoplanador.
    .
    Mas vamos prosseguir. Gorducho disse:
    .
    “NÃO porque o avião não se mantém em voo sem motor. Ao ratear o motor IMEDIATAMENTE procura-se um lugar pra tentar o pouso e inicia-se os procedimentos de emergência.”
    .
    SERÁ QUE O QUE O GORDUCHO DISSE É VERDADE?
    .
    http://www.avioesemusicas.com/aviao-precisa-de-motor.html
    .
    O que acontece se os dois motores pararem?

    Bem… melhor começar a rezar.. hehehe. Brincadeira, sem entrar em detalhes técnicos sobre os sistemas de segurança, o avião vai continuar voando enquanto tiver a tal velocidade em relação ao ar. Mas ele vai descer aos poucos, porque para manter a velocidade sem alguma coisa empurrando ou puxando, será necessário abaixar o nariz do avião concorda? Aqui entra um conceito que se chama “razão de planeio” e todo avião possui um índice de planeio baseado no projeto de sua asa (high aspect ratio). O 737-800 por exemplo, possui uma razão de planeio de aproximadamente 18:1, ou seja, para cada 1 metro de altitude perdida, ele se desloca 18 metros para frente. Se você levar em conta que a altitude de cruzeiro chega a 12KM, se um 737 perder seus dois motores em cruzeiro ainda permanecerá voando por 216KM se nenhuma ação for tomada. Como há também técnicas de pilotagem, essa distância será muito maior.
    .
    Algumas pessoas acham que um Cessna por ser mais leve, planaria mais do que um Jumbo 747, mas é exatamente o inverso disso: Um Cessna tem uma RP de 10:1, o Jumbo de 19:1 e um planador desses que se vê nos céus de Jundiái por volta de 30:1
    .
    Voltando a sua pergunta, um avião não despenca se perder todos os motores, e se perder um só ainda pode voar tranquilo por um bom tempo :)

    .
    Argumentos devidamente detonados :D

  171. Vitor Diz:

    Parto agora. Amanhã vejo se ainda tem mais alguma desculpa esfarrapada para detonar e se vc vai aceitar que segundos os seus critérios os Wright inventaram o avião mas Dumont foi quem voou primeiro ou se vc vai continuar sem dizer uma única palavra sobre isso :D

  172. Gorducho Diz:

    Está sendo difícil reconhece-lo pois não era de seu feitio apatifar discussões :(
    Claro que me refiro a monomotor.
    E não, não despenca, mas deve-se IMEDIATAMENTE prosseguir pro pouso-de-emergência porque ele afunda MUITO mais rápido que planadores (“motos” ou não).
    Olha-se em torno elegendo-se alguma área onde o pouso se afigura mais viável e seja possível atingí-la com maior altitude possível.
    Crava-se a VA de melhor razão de planeio e prossegue-se pra essa área. Se o motor parou de vez (obvio que vai se tentar reanimá-lo :P ):
    ► seletoras fechadas;

    ► mistura cortada;

    ► magnetos e master OFF;

    ► objetos pontiagudos removidos;

    ► portas destravadas.

    Garantida a chegada na área escolhida com máxima altura possível, usa os flaps (e nesse caso se elétricos claro que não vai cortar a master) ou glissa pra completar o pouso (de emergência, claro).

  173. Gorducho Diz:

    Além do mais o planador pela leveza e design das asas ganha altura usando térmicas, coisa que não se consegue nem em teco-tecos.
    No máximo, nestes, “quase” se mantém a altitude ao sobrevoar lavouras ou grandes áreas concretadas (e.g. parking lots) no verão.
    Sente-se a térmica na [NÃO MESMO COM TODAS PROVOCAÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO NÃO TENHO CORAGEM PRA FALAR ISSO CÁ] mas não se chega a GANHAR altura.

  174. Gorducho Diz:

    216km não é nada prum 737-800. Sendo que qq. curva diminuirá a RP.
    Por isso mesmo a perca dos 2 motores é uma EMERGÊNCIA, completamente ao contrário do “moto”-planador que FOI FEITO PRA voas sem o motor.

  175. Gorducho Diz:

    de fato sim a RD dessses aeroplanos por incrível que possa parecer em geral é menor (e melhor portanto) que das aeronaves leves. Mas tem a VA requerida pro pouso (pra não estolar).
    Claro, não vai influir na DISTÂNCIA do planeio, mas nas condições da área requerida pro pouso.

  176. Marciano Diz:

    Nunca pensei que viveria para ver um ávido leitor de curiosidades tentar ensinar um PP com sei lá quantas horas de voo como se pilota um avião.
    O tempora, o mores.

  177. Gorducho Diz:

    Em termos práticos essa (de fato) maior razão de planeio das aeronaves de grande porte não é de maior utilidade que a menor razão (say 9:1) dum Cessna ou Piper.
    Porque ele terá que escolher 1 aeródromo pra tentar o pouso, ou água.
    E alijar milhares de libras do combustível dependendo de que fase se encontra o voo.
    Pouso dum aparelho desses num brete ou lavoura é catástrofe quasi certa :(
    Outra coisa: pelo tipo de aerofólio – supercríticos ao menos n’algumas estações, acho – DESCONFIO que nas curvas o aumento na razão-de-descida seja ↑ que nos NACAs puros das avionetas.

    Mas isso é só DESCONFIANÇA

  178. Gorducho Diz:

    Essa vai principalmente pro Companheiro CoC
    olhe só como “espírito” que eu Sobrenaturalmente psicografei ao tentar desenhar ❓ lá na outra rubrica, se fala liin
    i longo…
    Já falando lín vira algo relacionado a montanhas, escarpas, cumes…
    Por isso não dá pra pensar em aprender minimamente sem morar pelo menos uns 10 anos lá!

    Melhor a gente se concentrar em aprender o coreano mesmo!

  179. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Por isso mesmo a perca dos 2 motores é uma EMERGÊNCIA, completamente ao contrário do “moto”-planador que FOI FEITO PRA voas sem o motor.”
    .
    Mas onde está na definição de avião a parte que diz que se desligar os motores e for uma emergência é um avião, se desligar os motores e não for uma emergência é um motoplanador? Não vi. Sem isso, motoplanador fica sendo avião.
    .
    Aproveitando, responda:
    .
    a) Seguindo seus critérios (ou os da FAA), admite que os Wright inventaram o avião mas Dumont foi o primeiro a voar em um avião?
    .
    b) Admite que os próprios Wright aceitaram o critério de decolar por meios próprios?

  180. Gorducho Diz:

    Como “avião” NECESSITA de moto-propulsão, ao parar O MOTOR (não venha de novo apatifando ponto 2 motores, certo :?: ) ele começa a perder altura. Não se consegue manter voo nivelado com térmicas.
     
    &nbsp:
    a)
     
    b)Se aceitaram, aceitaram 👍
    – não vamos podar o direito das pessoas dizerem o que acham, certo ❓

    Mas comecemos por ver a entrevista deles…

  181. Gorducho Diz:

    Note que planadores sempre voam dentro duma área planejada, permanecendo ao alcance do local adequado pra pouso.
    Nos cross country há o planejamento pra pegar uma jetstream, bem como são relacionados os locais adequados pra pouso dentro da rota.

    E, ainda, lá nas pradarias da America não será quase nunca difícil pousar um planador. Sempre levam rádio e kit de sobrevivência pra aguardar um eventual socorro, claro.

  182. Gorducho Diz:

    DOIS motores serve na grande maioria dos casos justo pra isso: PODER se perder 1.
    Quanto menos motores melhor pro operador. Por isso antes se ia pro exterior c/ 3 ou 4 motores e hoje se vai só c/2.
    A extraordinária confiabilidade e ADEQUAÇÃO DO CAMINHO permitem i$$o.
    Claro: há casos de modelos de aeronaves onde 2 motores serve pra dar maior potência por razões quaisquer. + a finalidade precípua, “padrão”, pra se por 2 no projeto, é a SEGURANÇA.

  183. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Como “avião” NECESSITA de moto-propulsão, ao parar O MOTOR (não venha de novo apatifando ponto 2 motores, certo :?: ) ele começa a perder altura. Não se consegue manter voo nivelado com térmicas.”
    .
    Mas cadê isso na definição? O motoplanador obedece a todos os requisitos na definição de avião.
    .
    a) Não se faça de desentendido. Relembrando:
    .
    Flight time means:
    .
    (1) Pilot time that commences when an aircraft moves under its own power for the purpose of flight and ends when the aircraft comes to rest after landing;
    .
    (2) For a glider without self-launch capability, pilot time that commences when the glider is towed for the purpose of flight and ends when the glider comes to rest after landing.

    .
    Como a máquina voadora dos Wright era incapaz de auto-lançamento, ou não possuem tempo de voo (já que nunca decolou por meios próprios) ou então era um planador motorizado o que eles tinham (e se o motor fosse desligado, imagino que era capaz de eles continuarem voando perfeitamente, já que a primeira patente era de um planador… e de planador eles entendiam… mas é claro que isso é para ser testado).
    .
    b) “Mas comecemos por ver a entrevista deles…”
    .
    Sem problema!
    .

    “It was…the first time in the history of the world in which a machine carrying a man had raised itself by its own power into the air in full flight, had sailed forward without reduction of speed, and had finally landed at a point as high as that from which it had started,” Wilbur said later.
    .
    https://news.nationalgeographic.com/news/2003/12/1217_031217_firstflight_2.html
    .
    O peixe morre pela boca…

  184. Gorducho Diz:

    ============================================================
    se desligar os motores e não for uma emergência é um motoplanador? Não vi.

    ============================================================

    e que, com o(s) motor(es) parado(s) em voo, possui as mesmas características de um planador.

  185. Vitor Diz:

    Gorducho, isso aí acima está na definição de motoplanador. Não está na definição de avião. Pode-se perfeitamente entender que motoplanador é um avião que continua funcionando com os motores desligados, com características de um planador.

  186. Gorducho Diz:

    :o
    Não foi a definição de “motoplanador” que S/Pessoa pediu :?:

  187. Vitor Diz:

    Não, eu perguntei claramente “Mas onde está na definição de avião a parte que diz que se desligar os motores e for uma emergência é um avião, se desligar os motores e não for uma emergência é um motoplanador? Não vi. Sem isso, motoplanador fica sendo avião.”
    .
    Bom, mas se vc reconhece que os Wright aceitaram o critério de decolar por meios próprios como embutido na definição de avião, logo eles não inventaram o avião e podemos dar essa cansativa discussão por encerrada.

  188. Gorducho Diz:

    Apague faz favor e ponha “?”
     
    É obvio! “Motoplanador” É 1 avião que desligado o grupo motopropulsor continua voando como um planador :lol:
    Qual a dificuldade nisso :?:
    Só que estritamente ele não é um “avião” avião porque não REQUER que a propulsão esteja sempre acionada.

  189. Gorducho Diz:

    Eles entendem que decolaram por meios próprios.
    E eu já tinha dado por encerrada quando S/pessoa me provocou sexta.
    Los gustos relalan la vida ouvia sempre dizer quando infante…
    Se se sente bem alimentando essa crença 👍
     
    Não tem por onde uma definição de avião mencionar planadores.
     
     
    Agague a palavra em mandarim :!:

  190. Gorducho Diz:

    E mesmo que eles achassem que tava embutida, vemos que não tá.
    Tanto que a nível mundial não existe contestação quanto à prioridade dos Wright.

  191. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Só que estritamente ele não é um “avião” avião porque não REQUER que a propulsão esteja sempre acionada”
    .
    Mas onde está na definição de avião a parte que diz que o avião REQUER que a propulsão esteja SEMPRE acionada?
    .
    an engine-driven fixed-wing aircraft heavier than air, that is supported in flight by the dynamic reaction of the air against its wings
    .
    Não achei. Inclusive é dito que ele é suportado em voo pela reação dinâmica do ar contra as asas. Não atribui ao motor qualquer papel durante o voo. Tal qual um planador. Que também é movido a motor, mais pesado que o ar, de asas fixas… tudo igual.

  192. Gorducho Diz:

    an engine driven
     
     
    Ainda sobre o acima: claro que eu sei que apelo a n° de adeptos de determinada crença é falácia :!:
    Por isso mesmo: tem todo direito de alimentar as suas (crenças) 👍

  193. Phelippe Diz:

    O avião dos Wright precisou de uma catapulta. O de Santos Dumont subiu sozinho. Santos Dumont fez sua experiência em público, os Wright praticamente em segredo. A cópia do avião dos Wright, feita pelos americanos faz pouco, não decolou, um fiasco, e a réplica do 14 bis voou perfeitamente. Somando-se a isso a conversa que um dos Wright teve com Dumont em Paris, então, só posso admitir que Dumont foi o pioneiro e a ele se deve creditar a invenção do avião.

  194. Gorducho Diz:

    Como falei: seria o cúmulo que não se admitisse que cada um de nós tenha sua visão sobre as cousas :(
     
    Poderia dar precisões sobre esse encontro :?:
     
    Quanto ao segredo: era pela preocupação quanto às patentes. Atitude que acabou prejudicando eles aparentemente.

  195. Gorducho Diz:

    E, não: não precisava de catapulta.

  196. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Tanto que a nível mundial não existe contestação quanto à prioridade dos Wright.”
    .
    Publicação na revista MetaScience, da Springer, em 2006:
    .
    much of Santos-Dumont’s subsequent life was devoted to arguing against the Wright Brothers’ later recognition for building the first aeroplane. So it is a bit disappointing that Hoffman does not go deeper into this controversy. After all, disputes over priority in the history of science and technology can make compelling reading. And there are at least some doubts whether the Wright Brothers deserve the credit for inventing the aeroplane.
    .
    The first problem concerns how one ought to present the results of a scientific discovery. It is well known that the Wright Brothers did not present their inventions to the scientific community until as late 1908. Their previous flights were witnessed primarily by residents of the neighbourhood where they conducted their experiments. Here one might argue that the question of priority could have been obscured by the lack of qualified and impartial witnesses. The point in dispute is not whether the Wright Brothers actually flew in a heavier-than-air device—in fact, man-carrying gliders were around since 1853—but whether their plane was sustained by its own power and did not rely on particular weather conditions or external devices to take off.
    .
    And this last issue is much more difficult to settle. In contrast, Santos-Dumont’s efforts had approval from an expert community, which had outlined a set of rules to assess a powered flight. For instance, the scientific commission of The Aero Club de France demanded that the committee be notified twenty-four hours in advance, and required the plane to take off and land by its own means on flat ground.
    .
    Another problem with crediting the first flight to the Wright Brothers concerns the reproduction of a scientific experiment. In many domains of science results are expected to be duplicated under similar circumstances.
    .
    Here the reader might recall the cold-fusion debate, in which failure to reproduce the results of an experiment under rigorous conditions played an important role in the rejection of the relevant theory. In a similar vein, it has been very difficult to reproduce the Wright Brothers’ earlier flights—the last famous attempts being made at the “centennial” celebration of flight in December 2003, in which a replica of the Wright Brothers’ Flyer I could not be made to leave the ground. This suggests that the Wright Brothers depended on some very particular conditions for take off—such as the presence of steady and strong headwinds—casting some doubt on the claim that they realised the first unassisted flight
    .

    .
    https://link.springer.com/article/10.1007/s11016-006-0010-5

  197. Gorducho Diz:

    👍 Cada um com suas crenças.
    Vamos seguir até ∞ nesse ping-pong ❓

  198. Gorducho Diz:

    De novo, apague :oops:
    TESTE

  199. Vitor Diz:

    De minha parte, discussão encerrada. Mas se quiser discutir com o Phelippe aí, fique à vontade.

  200. Gorducho Diz:

    &#x1F44D: É como eu disse: cada um de todos nós tem direito de achar o que bem entender.

     

     

    Do Analista Phelippe gostaria que ele tentasse aportar maiores precisões sobre esse encontro. Nos relatos biográficos canônicos que eu saiba consta como eles nunca tendo se encontrado tête-à-tête…
    Note que não se trata da polemica ora encerrada entre nós 2.

  201. Gorducho Diz:

    👍

  202. Contra o chiquismo Diz:

    Tá ótimo! Avião e coreano. Gorducho o nosso KJU do saber!

  203. Marciano Diz:

    Crença propriamente dita, do tipo que algumas pessoas têm em ETs, divindades, espíritos, etc., é uma coisa. Fatos, são outras.
    De um fato, podemos ter conhecimento ou não. Podemos ter um falso conhecimento de um fato, mas isto não é propriamente uma crença.
    O voo dos Wright foi um fato. Fatos existem por si próprios, não dependem de interpretação.
    O que se espera em qualquer debate é que não se fique voltando ao ponto de partida ou a qualquer outro ponto do debate, sistematicamente, como se o assunto particular de que se fala não já tivesse ficado estabelecido.
    Como tudo o que eu já disse aqui e no outro tópico está sendo ignorado (assim como o que Gorducho disse), e a conversa está girando em círculos, voltando-se sempre aos mesmos pontos, dou por encerrada minha participação neste tópico.
    Não vou ficar me repetindo nem remetendo a comentários que já fiz, dos quais ou não se tomou conhecimento ou se esqueceu.
    Podem até xingar minha mãe, que não digo mais nada.
    Paciência ≓ ∞ , mas não é igual.

  204. Phelippe Diz:

    Gorducho, isso está em Memórias, Paulo Duarte, 1975, editora Hucitec, páginas 210 e 211.
    “Eu conheci pessoalmente Santos Dumont. Repórter oficial do ‘Estado’ fui designado para acompanhá-lo em São Paulo, em 1922, durante as comemorações do centenário da Independência do Brasil… Curioso que sempre fui , falei no caso dos irmãos Wright. Ele então contou-me que, no dia em que realizou aquele vôo de 220 metros, dentre os que assistiam, achava-se um norte-americano alto, magro, que se aproximou dele e passaram a conversar sobre aviação. Ele será a Santos Dumont -palavras deste- a impressão de que conhecia a técnica do vôo com o mais pesado do que o ar. Era um dos Wright, não me lembro qual, mas ele apenas afirmara, segundo reafirmou Santos Dumont, que estava fazendo experiências de voar, impelido por catapultas. Mas a verdade é que se os irmãos Wright tivessem voado mesmo não deixariam evidentemente de tê-lo feito em público para garantir a prioridade tanto mais sendo norte-americano, que não perderia a oportunidade…”
    De resto é ler as memórias por completo.

  205. Phelippe Diz:

    Ele dera a Santos Dumont. Corretor maluco.

  206. Marciano Diz:

    Este blog está morto. As tentativas de CPR não estão dando certo.
    Só falta tratar do enterro.

  207. Marciano Diz:


  208. Phelippe Diz:

    Ah, está no volume II. Tinha esquecido.

  209. Gorducho Diz:

    Depois vejo as biografias dos Wright que são mui + amplas que as do ASD, claro…
     
    no dia em que realizou aquele vôo de 220 metros, dentre os que assistiam

    La Bagatelle, le 12 novembre 1906, certo :?:
     
    Em dezembro os Wright estão em NYC pra atender à mostra do ACofA onde o Charles Flint se reúne c/eles pra iniciar as tratativas pra tentar vender o aparelho na Europa, certo :?:

     

    Então conclui-se que os Wright chegaram a NYC retornando da Europa.

  210. Marciano Diz:

    ⚰️😢
    Saiu errado.
    Só para corrigir.

  211. Phelippe Diz:

    Paulo Duarte não oferece datas, mas sendo o voo em novembro perfeitamente factível acreditar que pudessem estar em NY em dezembro, eis que a viagem por mar levava em média 7 dias, no Olimpic, ou 4 dias, no Mauritânia. O France levava em média 5.

  212. Gorducho Diz:

    Thanksgiving U. S. Eddy antigo parceiro do Flint numa linha marítima chega a Dayton e se reúne c/eles no outro dia.
    Os Wright saem de Dayton Dezembro 5 pra atender à mostra em NYC e iniciarem as tratativas junto à Charles R. Flint & Co.

  213. Gorducho Diz:

    Lá Eddy leva eles pruma reunião c/F. R. Cordley, visto que o Flint tava na Europa. Mas volta a tempo de se reunir c/eles também…

  214. Gorducho Diz:

    May 15, ’07 a firma Flint passa telegrama cobrando a partida imediata dum deles pra Europa.

    Wilbur põe umas coisa numa maleta, e segue dia 16 pra NYC a fim de pegar o Campania pra Liverpool. Chega num sábado (é fácil ver quando foi então…).
    Hart O. Berg, um americano residente na Europa (aparentemente já não mais em Paris…) que tinha negócios c/a firma Flint vai esperar ele na estação de Londres.

    Daí a caminho do hotel passam numa alfaiataria na (rua) Strand.

    O P. R. Cordley está em férias em Londres e então seguem os 3 pra Paris. Checam no Meurice (rue de Rivoli, 228), e como ainda era dia, o Berg (que morava ou morara muito tempo lá…) sai c/o Wilbur pros jardins, caminham até la Concorde e mostra pra ele a vista da Champs Elysees até o arco.

    Depois d’algum tempo, Wilbur passa 1 cabograma chamando o Orville.
    Orville chega a Paris lá por 1°de agosto…

  215. Gorducho Diz:

    Chegada em Paris: 27 maio.
    Quarto 329.
    O Berg era Cavaleiro da Legião de honra (1901)

  216. Phelippe Diz:

    Gorducho, achei mais. Memórias, Paulo Duarte, volume VIII, páginas 317 a 318.
    “Outro que permanecia também na companhia de Santos Dumont era Domicio Pacheco e Silva, companheiro do Aero Clube Paulista, engenheiro especializado em comunicações, homem também fino e educado. E foi numa tarde dessas nossas reuniões informais, que ficamos mais tempo conversando com Alberto Santos Dumont… Casualmente, perguntei-lhe sobre a sua impressão do primeiro vôo com o mais pesado do que o ar, pelo menos oficialmente e em público, foi ali em Bagatelle, em 1906.
    Santos Dumont, além de tudo era modesto e comentou imediatamente: quase não foi vôo, foi um engatinhamento de vôo. Um planar curto como o de um pássaro com a asa machucada, mas satisfez todas as exigências então exigidas para ser considerado um vôo. E lembrou então um pormenor. Havia um grupo grande de observadores, fora a comissão do Aero Clube de França e, depois do vôo, ele estava ansioso por se livrar daquela quase multidão que o aclamava, o abraçava até o caceteava. Nisto aproxima-se um homem moço, alto e magro, tipo esportivo, discretamente extrovertido, com uma roupa um pouco berrante, de boné na cabeça que o vinha abraçar. E o foi acompanhando em direção à borda do gramado. Era norte-americano e dizia que já há algum tempo, ele e mais um irmão, estavam fazendo treino de vôo nos Estados Unidos. Santos Dumont interessou-se pela conversa e então verificou que aquele homem, pelos conhecimentos que mostrava, conhecia bem a técnica de aviação e podia até ter voado já. Chamava-se Wilbur Wright. Entretanto, só em 1908, dois anos depois de haver sido ele como o primeiro a voar em Bagatelle, é que o mesmo Wilbur efetuava um pequeno vôo ali mesmo em Paris. De qualquer maneira, disse Santos Dumont, eu também fiz muitos treinos antes de voar em público e os irmãos Wright, nos seus treinos e até em vôos, lançavam mão da catapulta, ao passo que o seu vôo em Bagatelle foi decolando normalmente sobre rodas…”

  217. Phelippe Diz:

    Lembrando que alguns ancestrais meus, de São Paulo, conheceram pessoalmente o Dumont. Tem mais, porém acho que isso basta. Nosso país tem história sim, embora detratores digam o contrário.

  218. Vitor Diz:

    Oi, Phelippe
    riquíssimos insumos que você trouxe, e coloca em séria dúvida a história que Dumont e os Wright jamais se conheceram! Muito obrigado! Se os seus ancestrais ainda estiverem vivos e possuírem alguma foto ou documento do Dumont, ou algum relato interessante, poderia conseguir para mim?

  219. Phelippe Diz:

    Foram meus bisavós, Vitor, que conheceram e conversaram com o Dumont, tanto em Paris como aqui. Meus avós me contaram muitas coisas. Vou procurar com uns parentes nonagenários se ainda há algum registro familiar. As gerações mais novas não ligam para mais nada.

  220. Vitor Diz:

    Obrigado, Phelippe!

  221. Gorducho Diz:

    👍 então a questão se resume na gente checar – por definição independentemente dessa fonte, claro! – saber se 1 deles tava em França dia 12/11.
    Se tava certamente teria ido ver a prova!

  222. Gorducho Diz:

    Pelo que consta na historiografia canônica, o Wilbur, sozinho (i.e.: sem o Orville), chegou pela 1ª vez na Cidade Luz na tarde de 27/5/07.
    Thanksgiving ambos os 2 estariam em Dayton…
    Mas, claro: essa é a controvérsia.
    Que não fere os termos do armistício pois nada tem a ver com “prioridades” e sim com um fato factual: esteve ao menos 1 deles em Paris em novembro ❓

  223. Gorducho Diz:

    Ah! está dito explicitamente que teria sido o Wilbur…
    Então caímos nisso: teria o Wilbur estado secretamente em Paris e voltado lá dia 27 maio próximo alegando nunca ter lá estado.
    E o Eddy se encontrado SÓ c/o Orville em Dayton.

  224. Phelippe Diz:

    Oi, Gorducho.
    Então, Wilbur jamais confessaria ter tido essa conversa. Americanos não dividem nada com ninguém. Aceitar as biografias tendenciosas americanas é um risco. Vc admitiria ter conversado com seu oponente com o intuito de obter informações úteis para seus próprios projetos? Ou trataria de levar a fama sozinho? A 2a opção é a mais aceitável.

  225. Gorducho Diz:

    Sabe o que eu especulo…?
    Lembra que o Flint tava na Europa?
    E ele tava over-entusiastic, nas palavras do biógrafo Fred Charters Kelly (Dover reprint…).
    Então quiçá o Flint não assistiu a prova e foi ele quem abordou ASD falando sobre os voos na América?
    Passado tempo, confusão de nomes…
    Me parece muita teoria de conspiração uma viagem secreta do Wilbur;
    volta correndo pra Dayton ou chega direto em NYC fingindo ter saído dia 5 de Dayton junto c/o Orville…
    :(
    Vou ver se acho as cartas do Wilbur pra Katharine ref. à 1ª viagem “registrada” (dentro dessa tese da prévia viagem secreta, bien sûr).

  226. Gorducho Diz:

    Dado que nos dias da mostra do ACofA o Flint tava “na Europa”;
    “super entusiasmado” pelo assunto com vistas a fins empresariais (não mera curiosidade desinteressada, conclui-se…);
    seria até espantoso se ele não fizesse todo possível pra assistir à prova que era amplamente divulgada.
    E com o ASD consagrado naquela noitinha, mui natural que ele procurasse aborda-lo…
    Tanto pra sondar ele quanto aos planos futuros;
    quanto até se ele saberia algo sobre os Wright…

  227. Marciano Diz:

    Espiões não admitem que são espiões;
    Gorducho nega que seja espião;
    Logo, Gorducho Éespião.
    Quebrei meu voto de silêncio só para denunciar o Gorducho, com minha impecável lógica.
    Se for provado que Gorducho não é um espião de verdade, pois não come mingau de aveia, ou no caso de a vaca tossir, ou ainda no caso de h’ criar dentes, pode ser que eu reapareça.
    Volto ao silêncio sepulcral.

  228. Vitor Diz:

    Oi, Phelippe,
    há uma carta dos próprios Wright que desmente o encontro de Wilbur com Dumont. Essa carta Wilbur Wright encaminhou ao capitão francês Ferdinand Ferber (1862-1909) logo após o voo de 220 m de Santos Dumont, ocorrido em 12 de novembro de 1906:
    .
    Caro capitão Ferber:
    Meu irmão Orville e eu tomamos conhecimento, por uma correspondência de Paris publicada no New York Herald, que o público francês apreciou grandemente um voo de 220 m em linha reta de Santos Dumont, num aeroplano de sua construção. Ficaríamos muito satisfeitos de conhecer notícias exatas sobre as experiências de Bagatelle, e estamos certos de que o senhor fará para nós um relatório fiel dos ensaios e uma descrição da máquina voadora, acompanhada de um esquema. Já tivemos a oportunidade de ver, numa gravura do New York Herald, que o aeroplano repousa na terra sobre três rodas, e nós deduzimos que é então necessário a Santos Dumont correr num campo extenso e uniforme para conseguir decolar.
    .
    Com o pilão de lançamento que empregamos, Orville e eu saltamos diretamente no ar, com a velocidade adequada, de uma forma mais prática. Desde que os franceses julgam desempenho sensacional um voo em linha reta de apenas 220 m, estamos certos de encontrar excelente ambiente se chegarmos a fazer exibições na França. Entretanto, a viagem e o transporte da máquina e do pilão obrigarão dois pobres mecânicos de Dayton a gastar muito dinheiro. Por isso, caro capitão Ferber, se técnicos franceses, escolhidos pelo senhor, desejarem vir a Dayton, faríamos para eles a exibição da máquina no campo vizinho, com um voo de cinco minutos, em circuito completamente fechado, cedendo-lhes opção para o desempenho e venda da máquina, mediante o pagamento de 50.000 dólares.
    Sinceramente,
    Wilbur Wright

    .
    Ou seja, se o Wilbur tivesse se encontrado com Santos Dumont no dia do voo de 220 metros, ele não ia pedir detalhes da máquina de Dumont.
    .
    Que ano teria se dado essa suposta conversa do Paulo Duarte com o Dumont? Acho que houve uma falha de memória da parte dele. É certo, pela carta, que esse encontro de Wilbur com Dumont não ocorreu em 1906 no dia do voo.

  229. Phelippe Diz:

    Oi, Vitor, ele não dá a data exata, mas afirma ter sido no ano de 1922.

  230. Phelippe Diz:

    A menos que Dumont não tenha querido passar informações, nesse caso Wilbur pode ter se valido do capitão Ferber, francês, para tentar sondar Dumont e obter maiores detalhes. Mas tudo não passa de suposição de minha parte. O certo, que já relatei, consta nas referidas “Memórias” de Duarte.

  231. Vitor Diz:

    Oi, Phelippe
    uma explicação é que o Paulo Duarte conversou com Dumont quando ele já estava com graves problemas de memória devido à esclerose múltipla, diagnosticada em 1908.

  232. Vitor Diz:

    Ou seja, é capaz de o Dumont ter dito mesmo que se encontrou com o Wilbur, mas o disse devido à doença que o acometia. Então o Paulo não mentiu nem se equivocou em sua narrativa, mas o dizer de Dumont foi invenção da doença.

  233. Phelippe Diz:

    Pode ser, Vitor. Dei uma olhada nos demais volumes das “Memórias”, porém não encontrei outras referências ao episódio.

  234. Vitor Diz:

    Oi, Phelippe
    só uma coisa, você disse: “A menos que Dumont não tenha querido passar informações”. Dumont não iria negar passar informações. Ele nunca patenteou seus aeroplanos. Permitiu que outros inventores copiassem livremente publicando todo o desenho de suas máquinas em revistas.

  235. Phelippe Diz:

    Então, é uma suposição, considerando válida a afirmação contida nas “Memórias”.

  236. Gorducho Diz:

    Claro :!:
    Se o ASD tivesse sido abordado pelo WW por que não dizer ❓
    Jantamos juntos blah blah bla…

  237. Marciano Diz:

    😶 🤫 🔇 🔕 🙊 📳

  238. Marciano Diz:

    UMMMFF!

  239. Marciano Diz:

    shh!

  240. Marciano Diz:

    https://thumb1.shutterstock.com/display_pic_with_logo/1523243/291631130/stock-vector-vector-icon-set-of-keep-silence-symbols-291631130.jpg

  241. Marciano Diz:

    SCNR (sorry, could not resist ).
    the interesting thing is that santos-dumont and the wright brothers never met, even though they had heard of each other’s work.
    https://www.aiaa.org/SecondaryTwoColumn.aspx?id=15163

  242. Marciano Diz:

    https://www.nasa.gov/audience/foreducators/k-4/features/F_Wright_Brothers_Story.html

  243. Marciano Diz:

    https://thumb1.shutterstock.com/display_pic_with_logo/1364314/177167636/stock-photo-no-airplane-sign-plane-symbol-travel-icon-flight-flat-label-red-prohibition-sign-stop-symbol-177167636.jpg

  244. Marciano Diz:

    Falar de espiritismo, eu falo:

    Mensagem enviada particularmente a Clóvis Tavares na noite de 20 de julho de 1948, em Pedro Leopoldo, captada pela antena mediúnica sensibilíssima de Chico Xavier:

    “Amigos, Deus vos recompense.

    A lembrança da prece me comove as fibras mais íntimas.

    O Espírito liberto esquece o homem prisioneiro.

    A alvorada não entende a sombra.

    Tenho hoje dificuldades para compreender a luta que passou e, não fosse a responsabilidade que me enlaça ainda o campo humano, em vista das aflições que me povoaram as últimas vigílias na carne, preferia que as vossas recordações, ainda mesmo carinhosas e doces, não me envolvessem o nome de lutador insignificante.

    Descobrir caminhos sempre foi a obsessão do meu pensamento. Reconheço hoje, porém, que outra deve ser a vocação da altura.

    Dominar continentes e subjugar povos através do ares, será, talvez, extensão de domínio da inteligência perversa que se distancia de Deus. Facilitar com8nicação entre as criaturas que ainda não se entendem, possivelmente será acentuar os processos de ataque e morte, de surpresa, nas aventuras da guerra. Dolorosa é a situação do missionário da ciência que se vê confundido no ideais superiores. Atormentada vive a cultura que anão alcançou ainda o cerne sublime da vida.

    Terei errado, buscado rotas diferentes? Certo, não.

    O mundo e os homens aprenderão sempre. A evolução é fatal.

    Todavia, recolhido presentemente à humildade de mim mesmo, procuro caminhos mais altos e estradas desconhecidas, no aprendizado do roteiro para o Cristo, Senhor do nossas vidas.

    Não há vôo mais divino que o da alma.

    Não existe mundo mais nobre a conquistar, além do que se localiza na própria consciência, quando deliberamos converter-nos ao bem supremo.

    Sejamos descobridores de nós mesmos.

    Alcemos corações e pensamentos ao Cristo.

    Aprimoremo-nos para refletir a vontade soberana e divina do Alto por onde passarmos.

    Crescimento sem Deus é curso preparatório da queda espetacular.

    Humilharmo-nos para servir em nome Dêle é o caminho da verdadeira glória.

    De qualquer modo agradeço-vos.

    O trabalhador que prepara as possibilidades para ser útil jamais se esquecerá de endereçar reconhecimento às flores que lhe desabrocham na senda.

    Crede! Não passo de servidor pequenino.

    Que o Senhor nos enriqueça com Sua divina bênção.”

    Alberto Santos Dumont

    Fonte: http://www.correioespirita.org.br/categoria-de-materias/artigos-diversos/9-mensagem-psicografada-de-santos-dumont

  245. Marciano Diz:

    ASD era tão especial que já voava em encarnação anterior:
    O médico homeopatia Flávio Mussa Tavares informou que seu pai, o professor Clóvis Tavares, manteve em sigilo as revelações feitas por Chico Xavier sobre as reencarnações anteriores de Santos Dumont. Chico revelou a seu pai que Santos Dumont vivera duas reencarnações em inesgotável pesquisa sobre a aviação: como Bartolomeu Lourenço de Gusmão (1685-1724), padre brasileiro, e como Joseph Montgolfier (1740-1810), balonista francês.

    Bem antes disso ele também se dedicara à navegação marítima nas personalidades dos navegadores italianos Marco Polo (1254-1324) e Cristóvão Colombo (1451-1506), sempre com a ânsia de descobrir novos caminhos. Todavia, em suas biografias encontramos semelhanças de suas trajetórias evolutivas, sempre na busca de encurtar distâncias entre os povos. Era, portanto, o mesmo espírito tomando diferentes personalidades a cada reencarnação (Marco Polo, Colombo, Bartolomeu de Gusmão, Montgolfier, Santos Dumont).
    Fonte: http://www.vinhadeluz.com.br/site/noticia.php?id=1419
    Trecho do sítio, para os preguiçosos:
    Era, portanto, o mesmo espírito tomando diferentes personalidades a cada reencarnação (Marco Polo, Colombo, Bartolomeu de Gusmão, Montgolfier, Santos Dumont).

  246. Marciano Diz:

    Esta foi a maneira que encontrei de falar de espiritismo, sem infringir a nova regra da Casa, que é falar de aviação.

  247. Marciano Diz:

    Aliás, e a propósito, se ASD foi Marco Polo em outra vida, será que se curou da mitomania?
    Isto é coisa do espírito ou da carne?
    Marco Polo (que agora sabemos que é o mesmo ASD) era um mentiroso de mão cheia.

  248. Marciano Diz:

    ATENÇÃO!
    Vejam que não estou desviando do tópico, como vocês.
    Estou falando de cx (foi ele quem revelou as encarnações passadas de ASD). cx é o assunto do tópico.

  249. Marciano Diz:

    Leitura recomendada: https://www.candeia.com/icaro-redimido–a-vida-de-santos-dumont-no-plano-espiritual/p
    Narra a vida, digo, a morte de ASD, sua passagem pelo Vale dos Suicidas.
    Quem sabe a Administração não o disponibiliza gratuitamente em um próximo tópico?

  250. Marciano Diz:

    Orlando Diz:
    JUNHO 12TH, 2018 ÀS 5:16 PM
    Vitor, tem explicação para aquele fato dele ter morrido no final da copa de 2002 , bem no jogo do Brasil ?
    Dizem que Chico previu tal data para desencarnar!
     
    Vitor já respondeu, e eu também.
    Vai mais esta resposta:
     
    Brasileiros felizes. Ora, ora, ora. Se um suposto médium foi incapaz de erradicar a pobreza e nunca cobrou qualidade de vida das autoridades que lhe davam pomposos prêmios, o que seria “felicidade” na opinião de um beato que só queria rezar?
     
    Reparemos que Xavier morreu no dia em que a Seleção Brasileira de Futebol conquistou seu pentacampeonato mundial. Uma conquista claramente roubada, cheia de irregularidades desde as eliminatórias, pagando adversários para perder.
     
    Uma vitória conquistada na trapaça e que foi completada com a vitória das esquerdas nas eleições, completando o surrealismo da abstrata felicidade tupiniquim. Vão achar que o Brasil cresceu por causa da seleção (maior símbolo cívico de uma nação nada cívica) e do médium (semi-deus dono da humanidade brasileira) e não pela gestão – de fato competente – de Lula e de sua excelente equipe.
     
    Mas o que passava na cabeça de Chico Xavier, cujos trejeitos e aparência lembram a de um doente mental? Felicidade é futebol? Brasileiros felizes são aqueles mergulhados na ilusão de ver uma bolinha batendo contra uma rede?
     
    Esta é do Ateu Espírita.

  251. Marciano Diz:

    Tirando a parte da “competente” equipe do luladrão, transformar jogo de futebol em felicidade é demais mesmo.

  252. MONTALVÃO Diz:

    /
    UNIVERSAL DISSE:
    “ Só revelarei a primeira letra do nome composto da cidade que mora. S. Acho que não pretendo mais voltar aqui. Estou muito chateado com o Sr Maruzio e Orlando/outro.”
    /
    CONTRA DISSE:
    “Ah não! Tá de sacanagem! Po, o Orlando é o Montalva? Po Montalva, tu não podia inventar um personagem menos asqueroso? Agora que li isso. Tava vendo as postagens atrasadas e me deparo com isso. Po, sacana vc hein véio? Nome composto de cidade do interior do RJ só Silva Jardim.”
    .
    .
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_munic%C3%ADpios_do_Rio_de_Janeiro#S
    .
    .
    OS OUTROS COM A LETRA S SÃO NOMES DE SANTO E NÃO UM NOME COMPOSTO.”
    /
    CONSIDERAÇÃO: começando pelo fim: por que um nome de santo não é composto? Tem vários que sim, confira:
    .
    - S.Francisco de Itabapoana;
    - Santa Maria Madalena;
    - Santo Antonio de Pádua;
    - São João da Barra;
    - São Sebastião do Alto;
    - São Pedro da Aldeia;
    - São José de Ubá;
    - São José do Vale do Rio Preto
    .
    A alegada identidade secreta do Orlando, que já foi Samporlando, pode estar num desses, além do de Silva Jardim, que não é nome composto mas sobrenome: Antonio da SILVA JARDIM, filho de Gabriel da Silva Jardim.
    .
    Pode alegar que epíteto como “Antonio de Pádua” não seria propriamente nome composto, pois denota lugar de onde o Antonio proviria. Que seja, mesmo assim, sobra da lista a Maria Madalena. Seu faro detetivesco deveria lhe indicar pelo menos dois suspeitos, um conhecido (de Silva Jardim), outro que lhe caberia achar.
    .
    Mas, a questão crucial não tá aqui. Como sabe que o Universal sabe o que é nome composto? E como ele “saberia” que Silva Jardim o é, embora não seja? E nem vou questionar como foi que ele descobriu o crime…
    .
    Como, ao que tudo indica, o dito deu a ferroada e se escafedeu quem teria que explicar era ele, não eu…
    .
    Entretanto, ao que parece o próprio Universal deu a pista ao findar com a declaração: “Estou muito chateado com o Sr Maruzio e Orlando/outro.”
    .
    A não ser que ele tenha tido pendenga com o Maruzio a frase parece indicar a quem se refere. Como não estou acompanhando amiúde as conversas não posso tecer parecer mais amplo. Sim, sei que a barra (/) está no Orlando e não entre o Maruzio e o segundo, mas vai saber se o sujeito não tem pontaria ruim?
    .
    Dito o que dito foi, recolho-me ao velho e bom silêncio.

  253. MONTALVÃO Diz:

    *AINDA A RESPEITO DAS DÚVIDAS DAS IDENTIDADES SECRETAS*
    /
    Pelo menos diante de um dos detetives que labora no espaço minha situação de defesa se complicou. Explico.
    .
    Num particular que tive com amigo de outro orbe, este avisou-me que minha outra pseudoidentidade fora descoberta e estava sendo anunciada em alto e bom som!
    .
    MInha resposta foi que não poderia ser o outro “pois sou que ele mais bonito”!
    .
    Eis que na leitura do caso notei que o “outro” disse o mesmo dele em relação a mim, acrescentando que não é dado a ter caninos.
    .
    Certamente, um detetive apontaria a coincidência de pronunciamentos como indício de culpa…
    .
    Preciso de um advogado…(?)
    /
    “Orlando Diz:
    JUNHO 14TH, 2018 ÀS 10:36 AM
    E mais: não sou Montalvão,sou mais bonito que ele. E não tenho cachorros.”
    /
    EU no ZAP: “Não posso ser o Orlando, pois sou mais bonito que ele! Comprovado cientificamente!”

  254. Marciano Diz:

    Preciso de um advogado…(?)
    Resposta: Por enquanto, não.
    Só não fique negando, pois como eu disse alhures, se quem cala consente, quem nega comprova a acusação.
    Acompanhe o raciocínio metalógigo e paracrítico:
    Se alguém perguntar a um espião se ele é espião, ele negará;
    Perguntaram a alguém se ele é espião e alguém negou;
    Logo, só pode ser espião, pois um espião não admitiria que é.
    Você sabe que este tipo de lógica é constante no sítio.

  255. Marciano Diz:

    A melhor resposta que um espião pode dar é admitir que é espião, pois um espião jamais admitiria.
    Sendo assim, confesse que é o Orlando, pois se o fosse, jamais confessaria.
    O Orlando é um espião de verdade, por isso ele não se entrega. O fato é que ele brinca com todos aqui, mas não é quem diz ser.

  256. Gorducho Diz:

    HIPOTETICAMENTE… COMO o Presidente MANIPULARIA um IP paulista :?:
    Pelo que percebo, me PARECE que não costuma viajar muito, ter filhos em SP onde vá frequentemente, &c…

  257. Marciano Diz:

    Espiões não trabalham sozinhos. Eles têm contatos. Hipoteticamente falando, claro.
    O Presidente já foi espionado, mas jamais foi espião.
    O espião é o Orlando. Mas não foi o Orlando que espionou o Presidente.

  258. Marciano Diz:

    Hipoteticamente, o Presidente poderia enviar um texto para um colaborador, em São Paulo, para que este publicasse seus comentários de lá. Em seguida, ele publica outro comentário de sua localização.
    Obviamente não é o que ocorre. O Pastor está paranoico e CoC deixou-se levar por uma ilação errônea do Pastor.
    Claro que o Presidente não precisaria de contatos para enviar comentários de São Paulo, pois ele sabe o bastante de informática para virar-se sozinho. Já programava no tempo do Cobol, lembra-se?
    Se a carcomida memória não está a me sabotar, o Scur também tem uma empresa de informática, a qual estava expandindo para as Colônias.
    Pra esse pessoal, isto é mole.
    Só que o Presidente afirmou que não é Orlando e o Presidente não costuma mentir. É um homem de palavra.

  259. Marciano Diz:

    Claro que Orlando também não é o Scur, pois seus perfis psicológicos diferem em muito. Além do mais, o Scur, agora, está fingindo (muito bem) ter enlouquecido e virado terraplanista. Está assombrando em outras plagas.

  260. Marciano Diz:

    Gorducho também é bom de informática. Acho que se ele quisesse, poderia ir parar em São Paulo em segundos.

  261. Gorducho Diz:

    Mas essa de IPs não entendo não.

    Como a partir dum IP RJ gerar uma msg via IP paulista não entendo nada não disso.

  262. Marciano Diz:

    Vamos perguntar ao Vitor, então.
    Oi, Vitor. Suponhamos que eu tenha um amigo em Haarlem, na Holanda, e peça a ele para comentar em meu nome?
    Você veria que o comentário foi feito na Holanda? Creio que sim.
    Digamos que eu tenha comentado há pouco tempo atrás, do Rio. Não há como viajar do Rio para Haarlem, Holanda, em apenas uma hora.
    Se sua resposta for positiva, é porque PODE ser o Presidente.
    Esclareça essa dúvida para nós, por favor.

  263. Marciano Diz:

    Eu acho que se alguém tiver amigos pelo mundo afora, tipo Amsterdã, Holanda, Singapura, etc.
    Nada impede que eles publiquem com outro nome um comentário enviado a eles por mim.
    Nesse caso, poderia muito bem o Presidente se utilizar dos serviços de algum amigo paulistano.
    Claro que digo isto hipoteticamente, só para ver se é possível alguém comentar com um nome de São Paulo e com outro de Silva Jardim.
    Não estou acusando o Presidente de fazer isto. É apenas uma suposição.

  264. Marciano Diz:

    A frase ficou estranha. Eu disse Amsterdã, na Holanda e depois Singapura, sem especificar o local.

  265. Marciano Diz:

    Evidentemente que se eu tivesse um amigo em Atlanta, Georgia, USA, por exemplo, eu pediria a esse hipotético amigo que comentasse com meu nome e e-mail, só para provar a hipótes; mas se quisesse me passar por outra pessoa, pediria ao tal amigo que comentasse com outro nome, por mim indicado, com outro e-mail, meu ou dele, e voilà: viraria paulistano no hora.
    Não há necessidade de grandes conhecimentos de informática.
    Cui sunt amici, esse sibi thesauros putet.

  266. Marciano Diz:

    Evidentemente que estou dizendo tudo isto ad argumentandum tantum.
    Não creio que o Presidente seja o Orlando.
    Só estou mostrando que ele poderia se valer de um amigo em Los Angeles, California, USA, ou São Paulo, SP, Brazil, digo, Brasil, se quisesse não se entregar pelo IP.

  267. Marciano Diz:

    Vejam que curiosidade: estávamos falando do Flyer e do 14-Bis; agora veio-me à cabeça Singapura.
    Pois não é que em Singapura existe uma gigantesca roda gigante que atende pelo nome de “Flyer”?
    http://www.singaporeflyer.com/about-us/about-singapore-flyer/

  268. Marciano Diz:

    Em Singapore fala-se malaio, mandarim, tâmil e INGLÊS.
    Singapore Ferris wheel.

  269. Marciano Diz:

    Republic of Singapore.
    Republik Singapura.
    新加坡共和国
    சிங்கப்பூர் குடியரசு
    Respectively, English, Malay, Mandarin and Tamil.

  270. Marciano Diz:

    Existe uma outra hipótese, menos plausível, a qual engonho-me de mencionar. O Presidente poderia ser um espírito. Espíritos viajam de Silva Jardim a São Paulo instantaneamente.
    Não é inteiramente descartável.

  271. Vitor Diz:

    MARCIANO PERGUNTA: ” Suponhamos que eu tenha um amigo em Haarlem, na Holanda, e peça a ele para comentar em meu nome? Você veria que o comentário foi feito na Holanda? Creio que sim.”
    .
    Eu veria o IP. Aí seria rastrear o IP pelo google, fazendo isso acho que daria para ver sim.
    .
    Mas o Orlando não é o Montalvão. O IP dele bate com o de outra pessoa…

  272. Espirita SP Orlando Diz:

    “ter enlouquecido e virado terraplanista. Está assombrando em outras plagas”
    Onde há debates sobre isso?
    Não sou o Montalvão, já disse. Sou Orlando e acabou ora.
    E estou em São Paulo Capital, além do IP tem outros comentários meus do passado.
    Qual o problema em se ter pseudônimos?
    Irmão Jacob adotou um: e não revelou quem era. Outros é que disseram que ele era o Fred Figner.

  273. Espirita SP Orlando Diz:

    Eis a opinião do Dr.Juan , que eu concordo:
    “Os Espíritos veem, e diretamente informam que o caminho é o do Evangelho, reafirmando, relembrando o que Jesus já o tinha dito, que era, e Ele é o caminho, a verdade e a vida. O cativante palestrante expôs com
    muita propriedade a sua vivência mediúnica, apresentando diversos exemplos que são, a mais das vezes, dúvidas que todos possuem, esclarecendo, de uma forma simples e objetiva, não deixando margens a interpretações equivocadas.”
    http://www.mansaodocaminho.com.br/divaldo-franco-na-europa-roma-italia-17-05-18/

  274. Marciano Diz:

    Obrigado, Vitor.
    Orlando, esse debate já acabou e era privado.
    Participamos só eu, Vitor, Scur e Biasetto.

  275. Marciano Diz:

    Ah! Esqueci-me. Tinha o Gusmão, também. Desse, nem me lembro direito. Já participou aqui, no tempo de João VI.

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)