Não Conformidade de Gênero na Infância e Memórias de Vidas Passadas de Crianças (2018), de Marieta Pehlivanova, Monica J. Janke, Jack Lee e Jim B. Tucker

O artigo examina a não-conformidade de gênero na infância (NCG) em conjunto ao fenômeno em que jovens crianças descrevem memórias de uma suposta vida passada. As crianças que se lembravam de uma vida envolvendo um sexo de nascimento diferente tinham muito mais probabilidade de exibir NCG do que as crianças que se lembravam de uma vida do mesmo sexo. Os autores submetem a hipótese de reencarnação a diversas análises, mostrando que a reencarnação é uma hipótese perfeitamente científica, testável, e mais que isso: que ela passa nos testes. Para ler o artigo traduzido, clique aqui. O artigo foi publicado em um periódico do mainstream, o International Journal of Sexual Health, que em 2010 possuía um fator de impacto de 0.610, mas de lá para cá aumentou bastante. Em 2014 já era de 0.708; em 2015 de 0.729; em 2016 de 0.852 e em 2017 de 1.014.

28 respostas a “Não Conformidade de Gênero na Infância e Memórias de Vidas Passadas de Crianças (2018), de Marieta Pehlivanova, Monica J. Janke, Jack Lee e Jim B. Tucker”

  1. Marciano Diz:

    Eu só me lembro de encarnações passadas como macho, desde os primeiros estágios do princípio inteligente.

  2. Marciano Diz:

    O espiritismo é uma ciência tão avançada que já não precisa mais provar a existência de espíritos ou reencarnação. Estes são fatos provados, irrefutáveis, portanto, está na hora de implementar a agenda esquerda/gay, para mostrar estatisticamente como marcas de uma encarnação passada, como órgão genitais masculinos ou femininos podem influenciar o comportamento de uma parcela da população.
    O que eu ainda não entendi é por que razão alguém que foi macho ou fêmea em encarnação passada reencarna com o sexo trocado. Dever ter uma explicação.

  3. Marciano Diz:

    A realidade que se dane. Espíritos existem e são a causa do homossexualismo.
    Se alguém nasceu em outra encarnação com sexo diferente e sente vontade de voltar ao corpo do qual desencarnou, é problema desse alguém. Já querer que a gente finja que acredita nessa besteira é bem diverso.
     
    Nas três últimas encarnações eu morri com mais de 100 anos. Desde bebezinho que eu me sinto velho e alquebrado. Deve ser por isso. Marcas de velhice.
    Vou ver se consigo direito a estacionar em vagas de idosos, pois me sentia como se tivesse 102 anos ao nascer. Agora sinto-me como se tivesse 147 anos.

  4. Marciano Diz:

    Vou requerer aposentadoria, baseado nesse artigo. A revista é muito conceituada no meio científico.
    Falando em aposentadoria, homens gays podem se aposentar cinco anos antes dos demais homens? Mulheres gays precisam trabalhar cinco anos mais do que as outras mulheres? Desde que consigam provar que na última encarnação tinham o sexo oposto, claro, o que é muito fácil, agora que a reencarnação tornou-se um fato científico.

  5. Gorducho Diz:

    Entre as crianças que relatam memórias de uma vida anterior, a não-conformidade de gênero está fortemente associada a suposta uma vida como um membro de um sexo diferente.

     

    A uma suposta vida deve ser não?
    Me PARECE que a EXPLICAÇÃO NATURAL será de causalidade reversa: desconforto c/o “gênero” teórico é que induzirá a criação inconsciente de “lembrança” (fantasia inconsciente, claro) de vida sob outro “gênero”.

    Não lhe PARECE, Sr. Administrador :?:

  6. Vitor Diz:

    Corrigi, já fiz o upload, grato, Gorducho!
    .
    Quanto à sua explicação natural, os autores dizem:
    .
    Uma NCG preexistente pode levar uma criança a relatar memórias de vidas passadas especificamente como membro de um sexo diferente, como se representasse tendências de não-conformidade de gênero na fantasia? Vários pontos argumentam contra essa possibilidade. Primeiro, embora seja impossível descartar que, em alguns desses casos, as declarações e comportamentos da criança podem estar enraizados na fantasia, em mais da metade dos nossos casos os detalhes idiossincráticos da vida passada foram encontrados coincidir com a vida de uma pessoa real falecida. Ao limitar nossa análise apenas a esses casos, encontramos uma associação igualmente forte entre a NCG e as memórias de uma vida como membro de um sexo diferente. Além disso, como documentado anteriormente (Tucker, 2008), um alto percentual de mortes relatadas em nossos CORTs se deve a causas violentas, como acidentes, homicídios, suicídios e afogamentos (70% na amostra total e 63% em crianças exibindo NCG). Como os detalhes dessas mortes são muitas vezes lembrados e revividos pelas crianças, às vezes levando a traumatização (Haraldsson, 2003), parece improvável que uma criança invoque uma fantasia de uma vida que termine violentamente.
    Também é verdade que algumas evidências sugerem que indivíduos que relatam memórias de vidas passadas podem ser mais propensos a falsas memórias em comparação com sujeitos controle de idade e educação semelhantes, como medido por falsas recordações e reconhecimentos em uma tarefa experimental (Meyersburg, Bogdan, Gallo, & McNally, 2009). No entanto, as amostras e os tipos de memórias de vidas passadas relatadas diferem consideravelmente entre o estudo de Meyersburg e colegas e o fenômeno CORT discutido neste artigo. Os CORTs caracterizam-se tipicamente por lembranças espontaneamente relatadas e muitas vezes verificáveis em crianças pequenas, e essas memórias são ocasionalmente acompanhadas por marcas de nascença, defeitos congênitos e fobias relacionadas à suposta vida anterior. Por outro lado, a amostra em Meyersburg et al. (2009) consistia inteiramente de adultos, com memórias não verificadas de vidas passadas de origem heterogênea, incluindo memórias “recuperadas” por meio de regressão hipnótica, que podem ser inerentemente influenciadas pela sugestionabilidade. De fato, ao examinar especificamente casos de memórias espontâneas de vidas passadas na infância, em duas culturas, Haraldsson (1995, 1997, 2003) descobriu que essas crianças não eram mais sugestionáveis do que controles pareados por idade e sexo. Além disso, em pelo menos uma das amostras, as crianças cujas memórias foram verificadas foram menos sugestionáveis do que tanto o grupo controle quanto as crianças com memórias não verificadas, ou seja, “não-resolvidas” (Haraldsson, 1997). Em conjunto, essas considerações nos levam a duvidar de que falsas memórias sozinhas, ou predominantemente, possam explicar completamente os relatos de vidas passadas em crianças com não-conformidade de gênero.

  7. Gorducho Diz:

    Sim: esse blah blah blah das “lembranças” já conhecemos.
    Assim como sabemos que se birthmarks reencarnatórias existirem, quem morre em decorrência de lesões gravíssimas nunca + encarna (fica vagando eternamente pelo limbo, ME PARECE…).
    👍

  8. Marciano Diz:

    Marieta Pehlivanova
    Research Interests:

    – Near-death experiences

    – Biostatistics

    – Experimental psychology
     
    Jim B. Tucker
    His main research interests are children who claim to remember previous lives, and natal and prenatal memories.[2] He is the author of Life Before Life: A Scientific Investigation of Children’s Memories of Previous Lives, which presents an overview of over four decades of reincarnation research at the Division of Perceptual Studies.[3] Tucker worked for several years on this research with Ian Stevenson before taking over upon Stevenson’s retirement in 2002.[4][5][6]
    Wikipedia
    Discípulo do Stevenson.
     
    Ele também tem uma explicação “quântica” para essas anomalias, digo, fenômenos anômalos:
    Although critics have argued there is no material explanation for the survival of self, Tucker suggests that quantum mechanics may offer a mechanism by which memories and emotions could carry over from one life to another.[8][9] He argues that since the act of observation collapses wave equations, the self may not be merely a by-product of the brain, but rather a separate entity that impinges on matter. Tucker argues that viewing the self as a fundamental, nonmaterial part of the universe makes it possible to conceive of it continuing to exist after the death of the brain.[25] He provides the analogy of a television and the television transmission; the television is required to decode the signal, but it does not create the signal. In a similar way, the brain may be required for awareness to express itself, but may not be the source of awareness.

  9. Marciano Diz:

    Coitadas das crianças.

  10. Vinicius Diz:

    16. Como explicar os homossexuais?
     
    “Devemos considerar que o espírito reencarna, em regime de inversão sexual, como pode renascer em condições transitórias de mutilação ou cegueira. Isto não quer dizer que homossexuais ou intersexos estejam nessa posição, endereçados ao escândalo e à viciação, como aleijados e cegos não se
     
    encontram na inibição ou na sombra para serem delinquentes. Compete-nos entender que cada personalidade humana permanece em determinada
    experiência, merecendo o respeito geral no trabalho ou na provação em que estagia, importando anotar, ainda, que o conceito de normalidade e anormalidade são relativos.
     
    Lembremo-nos de que, se a cegueira fosse a condição da maioria dos espíritos reencarnados na Terra, o homem que pudesse enxergar seria positivamente considerado minoria e exceção.”
     
    https://chico-xavier.com/2012/04/24/andre-luiz-responde/

  11. Marciano Diz:

    Eu tenho uma explicação melhor, mais científica: homossexuais são pessoas que, por erro do ministério das reencarnações, nasceram com o sexo diferente daquele da última encarnação.

  12. Marciano Diz:

    O Ministério da Saúde (do Brasil, não do NL) tem uma teoria sobre a biololagem o homossexualismo.
    É o Manual do Multiplicador.
    http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd10_09.pdf

  13. Marciano Diz:

    Biololagem é um neologismo para explicar a natureza biológica do homossexualismo.

  14. Marciano Diz:

    A não conformidade de gênero pode ocorrer com relaçao a qualquer um dos gêneros abaixo:
    Agender
    Androgyne
    Androgynous
    Bigender
    Cis
    Cisgender
    Cis Female
    Cis Male
    Cis Man
    Cis Woman
    Cisgender Female
    Cisgender Male
    Cisgender Man
    Cisgender Woman
    Female to Male
    FTM
    Gender Fluid
    Gender Nonconforming
    Gender Questioning
    Gender Variant
    Genderqueer
    Intersex
    Male to Female
    MTF
    Neither
    Neutrois
    Non-binary
    Other
    Pangender
    Trans
    Trans*
    Trans Female
    Trans* Female
    Trans Male
    Trans* Male
    Trans Man
    Trans* Man
    Trans Person
    Trans* Person
    Trans Woman
    Trans* Woman
    Transfeminine
    Transgender
    Transgender Female
    Transgender Male
    Transgender Man
    Transgender Person
    Transgender Woman
    Transmasculine
    Transsexual
    Transsexual Female
    Transsexual Male
    Transsexual Man
    Transsexual Person
    Transsexual Woman
    Two-Spirit

  15. Marciano Diz:

    https://hornet.com/stories/pt-pt/descoberta-arqueologica-mais-importante-mostra-que-jesus-era-um-homem-gay-assumido/

  16. mrh Diz:

    Crianças pequenas é melhor que crianças jovens

  17. Marciano Diz:

    Do sítio acima:

    Porque soubemos de tão pouco sobre isso antes? Uma epístola recém-descoberta, apropriadamente aos atenienses, sugere uma importante influência platônica, particularmente da república. Paulo, que teve uma educação clássica, e que era gay, viu que as atividades entre o mesmo sexo eram prejudiciais ao sucesso do cristianismo, nas sociedades altamente homofóbicas em que ele morou. Assim, carinhos e atividades entre o mesmo sexo eram escondidos, a ser conhecido e praticado apenas pelos líderes, em segredo – os guardiões do cristianismo, as pessoas diriam. Obviamente, essa é uma tradição que prosperou e durou.

    Grande revelação. Paulo também era gay.

  18. Marciano Diz:

    No original está escrito “young children” ou “little children”?
    Toda criança é jovem, umas mais, outras menos.
    Todas as crianças são pequenas, umas mais, outras menos.
    Uma criança que nasceu antes de outra criança sempre é menos jovem do que essa outra, mas nem sempre é maior.

  19. Vinicius Diz:

    Só faltam dizer que Adão era gay também.
     
    Viagem é que não falta:
     
    “No sétimo dia da Criação, Deus criou o homem à sua imagem: “à imagem de Deus o criou: macho e fêmea os criou.” (Gênesis, 1,27). Tal afirmação categórica é uma negação da versão mais difundida: a de que o homem foi criado antes da mulher.
     
    Neste ponto, existem interpretações diferentes. A primeira é a de que Adão seria um ser andrógino (macho e fêmea) e que a separação de Eva representaria a cisão da criatura original andrógina em duas (Unterman, 1992:25).
     
    A androginia de Adão é explicada em alguns textos rabínicos, como no Sepher Ha-Zohar, que contêm a afirmação de rabi Abba: “O primeiro homem era macho e fêmea ao mesmo tempo pois a escritura diz: E Elohim disse: façamos o homem à nossa imagem e semelhança (Gênesis, 1,26). É precisamente para que o homem se assemelhasse a Deus que foi criado macho e fêmea ao mesmo tempo”2.
     
    Existe, contudo, uma outra interpretação, que nos parece mais fascinante, a de que, a exemplo do que foi feito com os animais, Deus teria criado um casal: Adão e uma mulher que antecedeu a Eva. Esta mulher primordial teria sido Lilith3, ”
     
    http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77011997000100005

  20. Marciano Diz:

    Nursery Rhymes for Young Children
    https://www.songsforteaching.com/nurseryrhymes.htm
    Prayer For Little Children
    https://www.youtube.com/watch?v=lb5E_jC5gLs

  21. Marciano Diz:

    Se Adão era gay e foi criado à imagem e semelhança de deus, deus deve ser gay.

  22. Marciano Diz:

    Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti. Isaías, 49, 14.
    Como alguém a quem sua mãe consola, assim eu vos consolarei, diz o Senhor. Isaías, 66, 13.
    Como ursa roubada dos seus filhos, os encontrarei, e lhes romperei as teias do seu coração, e como leão ali os devorarei; as feras do campo os despedaçarão.

    Oséias 13:8

  23. Marciano Diz:

    A Bíblia nos ensina que Jesus Cristo é “O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA” e “NINGUÉM VAI AO PAI SE NÃO POR ELE”. Falar isso é, lamentavelmente, considerado como uma ofensa e “politicamente incorreto”. Falar que não há salvação fora de Jesus Cristo é pior ainda. É considerado um insulto. Falar sobre conversão é ultrage, pois a idéia de conversão é você deixar uma direção considerada e reconhecida como errada e mudar para outra que seja verdadeira. O termo bíblico para isso é metanóia, ou seja, mudança de mente e ele exige realmente uma mudança em termo tão concretos e práticos que por vezes é chamado de novo nascimento. Então, neste sentido temos de escolher: ou seremos “politicamente corretos” ou crentes.
     
    Outro ponto de atrito entre estas duas realidades é o fato de que não há espaço para crítica moral no pensamento “politicamente correto”. Você não pode tecer juízo de valor e criticar as condutas morais das pessoas. Assim, não posso criticar a separação matrimonial imoral que muitos já a tem como normal. Não posso criticar o homossexualismo, que já está sendo aceito naturalmente e muitas outras coisas. Ora, que tipo de crente serei eu se não puder criticar a moral corrompida e podre da humanidade (com base na santidade de Deus)? Não foi para isso que o Senhor nos chamou? Tal condição é uma verdadeira mordaça para o crente. Quantos não têm até medo de falar, hoje em dia, e serem criticados e taxados de mal educados, intolerantes, preconceituosos, etc…
     
    Senti isso na pele quando fiz um comentário a uma mensagem de um amigo no facebook. Ele, no dia 12 de outubro, fez uma devoção à senhora Aparecida. Meu comentário foi que as preces dele estavam sendo direcionadas à pessoa errada, pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, citando um versículo do livro de Timóteo. Pronto. O barraco foi armado. Vi um bombardeio de críticas sobre minha mensagem dizendo que eu era intolerante, mal educado, … Bem, é esse o espírito da filosofia. Então, ou você é “politicamente correto” ou é crente.
     
    Por estas e outras devemos estar atentos. Particularmente prefiro manter a posição de Pedro e dos outros apóstolos que afirmavam: “É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens!” Atos 5.29.
     
    Que Deus nos abençoe.
    https://www.ultimato.com.br/comunidade-conteudo/voce-quer-ser-cristao-ou-politicamente-correto/2

  24. Marcos Arduin Diz:

    Bem, lá no Livro dos Espíritos é dito que o sexo é orgânico e que os espíritos compreendem-se por outros meios que não o sexo como pensamos. O sexo no qual vai encarnar-se, dependerá da natureza das provas ou missões. E essa situação se faz necessária. Se um espírito encarnasse apenas em corpos masculinos, só saberia o que sabem os homens.
    Só isso é um baita chute no saco do machismo e da misoginia. Não admira que o pensamento reencarnacionista não fizesse muito sucesso.
    .
    No caso aí da revista, eu não li. Mas traçando o raciocínio por este meio, fez lembrar-me a situação ocorrida na Segunda Guerra Mundial. Hitler derrotou a França e a turma que queria continuar a luta perdeu para a posição pacifista do Petáin, que queria salvar o que sobrou do país como pátria e cultura. Assim foi assinado um tratado onde os chucrutes ocupariam a metade norte da França para se guarnecerem contra a Inglaterra e a parte sul ficaria sob governo francês “livre”. Aí o Petáin conseguiu poderes ditatoriais e com sua trupe formou um governo autoritário, servil a Hitler.
    Os franceses ficaram putos da vida quando a Inglaterra afundou navios seus e o clima azedou entre os françuás. Mas com o tempo, o prestígio do Petáin foi azedando também.
    .
    O bom para o Hitler foi que com essa jogada, ele podia manter a França neutralizada e assim as tropas de ocupação podiam ser reduzidas. Com isso, sobrou soldados para invadir a União Soviética e aí deu no que deu: os nazistas arrancaram muito mais sangue russo do que que estes arrancaram dos nazistas, mas 2 milhões de soldados mortos e outro tanto aprisionado era coisa que a Alemanha não tinha como suportar. E o resto todo mundo sabe.
    Podemos concluir disso que Deus escreveu certo por meio de franceses tortos…
    .
    E com tal artigo, parece que reencarnação, pelo menos, está sendo “provada” por ideólogos de gênero tortos…

  25. Gorducho Diz:

    Ideologia de gênero no espiritismo é DOSE :mrgreen:

  26. Vinicius Diz:

    O espirito do Sr. Sanson também responde ao Kardec que não há motivo.
     
    “ — R. Não temos motivo para ser de natureza masculina ou feminina: os Espíritos não se reproduzem. Deus criou-os como quis, e tendo segundo seus maravilhosos desígnios de dar-lhes a encarnação, sobre a Terra, subordinou-os aí às leis de reprodução das espécies, caracterizada pela junção dos sexos. Mas vós deveis senti-lo, sem mais explicação, que os Espíritos não podem ter sexo.”

  27. Vinicius Diz:

    Já em NOSSO LAR tem-se a MULHER que está lá há mais de mil anos , SEM REENCARNAR e que já VIU JESUS em PESSOA.
     
    “Extraordinária mulher! – disse eu – por que não se encaminharia a esferas mais altas?
    Narcisa baixou o tom de voz e declarou:
    – Intimamente, ela vive em zonas muito superiores à nossa e permanece em “Nosso Lar” por espírito de amor e sacrifício. Soube que essa benfeitora sublime vem trabalhando, há mais de mil anos, pelo grupo de corações bem-amados que demoram na Terra, e espera com paciência.”

  28. Espirita sp Orlando Diz:

    Os espíritos não têm sexo mas se identificam nas mensagens como se tivessem para mera referência.

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)