O Relatório G, parte 3 (1975)

Mais sobre o Relatório G, aqui.

207 respostas a “O Relatório G, parte 3 (1975)”

  1. Gorducho Diz:


    É a isso que tava me referindo… temos a ata de 4/2/71 e esses fatos estão sendo debatidos 4½ anos depois :!:
    So… ¿que se terá sucedido nesse limbo temporal?

  2. Gorducho Diz:

    os fatos de 4 de fevereiro de 1971 estão sendo debatidos em Outubro/Novembro de… 1975

  3. Phelippe Diz:

    Pois é. Relatório secreto. Gerou mais dúvidas que respostas.

  4. Vitor Diz:

    (Retirado)

  5. Gorducho Diz:

    E sobre o prosseguimento do Projeto G na nova instituição Centro de Estudos Psicológicos Projeto G, tem outras infos?
    Que se sucedeu entre fevereiro de 1971 e fins de 1975?

  6. Vitor Diz:

    Aí tem que ver com o Maximo Otto Cerri, né? Ele que passou a comandar. Parece que ainda está vivo.
    .
    (Retirado)

  7. Gorducho Diz:

    A ata só prova o que eu sempre martelo sobre “certos” ouvidos moucos:
    OS FENÔMENOS SOBRENATURAIS NÃO TÊM CARÁTER ESTATÍSTICO ❗
     
    Basta ver o “PG” – que a meu ver foi MATERIALIZAÇÃO, mas tudo bem: chamaram assim…– e agora esses fatos.

  8. Gorducho Diz:

    Parar… mas não era justo pra prosseguir estudando ❓
    :o

  9. Marciano Diz:

    Se conseguiram parar os fenômenos é porque não queriam pesquisar nada, queriam obstaculizar sua ocorrência.
    Bem, depois de todos os anos que se sucedera até julho de 2018, quais foram os resultados impressionantes que se obteve disso tudo?
    E o Orlando zika, não vai responder à minha pergunta?

  10. Vitor Diz:

    MARCIANO DISSE: “Se conseguiram parar os fenômenos é porque não queriam pesquisar nada, queriam obstaculizar sua ocorrência.”
    .
    Maldade sua dizer isso. O médium queria que os fenômenos parassem. É justo manter uma pessoa sofrendo em nome da Ciência?

  11. Marciano Diz:

    Acho que estou pegando a incompetência do Montalvão.
    Procurei pelo P. H. Berfort Rolim, para ver quem era, e o cara parece NSFG. Não encontrei nada.
    Será que é porque ele era um pesquisador secreto?

  12. Marciano Diz:

    Reconheço que houve maldade de minha parte, mas o problema é que “médiuns”, assim como mágicos, não gostam de ficar repetindo os truques. Eles têm medo de que seja descoberto como fazem.
    Não há sofrimento algum, é cautela.
    Aliás, a diferença entre um mágico medíocre e um grande médium é que o primeiro admite que faz truques e o segundo atribui tudo ao sobrenatural.

  13. Marciano Diz:

    A propósito, você, Vitor, sabe de mais alguma coisa sobre esse tal Rolim?
    Ajudara, para avaliarmos melhor as alegações.

  14. Vitor Diz:

    Tem foto do Rolim ao lado do Chico na página 4:
    .
    https://app.box.com/s/5e66nyq9ewpracw5v7ad3x99l0qmakpl

  15. Marciano Diz:

    Valeu, Vitor.
    O jornal é de um ano antes do tal surgimento do relatório.
    Parece que ele sumiu logo depois. Pode ter sido abduzido.
    Vou almoçar. Vejo-os mais tarde.

  16. Gorducho Diz:

    ============================================================
    O médium queria que os fenômenos parassem. É justo manter uma pessoa sofrendo em nome da Ciência?
    ============================================================
    Tomadas as providências que o caso requeria, o “Relatório G” transformou-se em “Processo G” –
    com excelentes resultados experimentais – e evoluiu para “Projeto G”, sendo hoje o “Centro de Estudos Psicológicos Projeto G”

     

     

    :o

    Note que estamos falando de 4½ anos DEPOIS…

    Afinal: o objetivo era obter resultados experimentais – e com sucesso,tidos conclui-se 👍 – OU estancar, bloquear os fenômenos
    – e de novo e contraditoriamente com sucesso, informa-nos…

     

     

    ¿Que charset usa nesses .cocx que ficam 2 brancos pra cada brando, e cheio de novas-linhas?

  17. Phelippe Diz:

    (Retirado pelo administrador)

  18. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Afinal: o objetivo era obter resultados experimentais – e com sucesso,tidos conclui-se ???? – OU estancar, bloquear os fenômenos – e de novo e contraditoriamente com sucesso, informa-nos…”
    .
    O Sr. G procurou a Sociedade por um motivo [...]. Queria que os psicólogos fechassem a sua mediunidade, pois estava noivo e temia casar-se naquelas circunstâncias, de vez que, à noite, enquanto dormia, apareciam fantasmas em seu quarto, e isso de tal maneira que não podia dormir acompanhado. Sua preocupação era o casamento. Alegava jamais haver procurado o Espiritismo com receio de que os espíritas quisessem desenvolver a sua mediunidade ao invés de livrá-lo dela. [...]. Apesar disso, os fenômenos ocorreram em grande quantidade e excelente qualidade.
    .
    Após a experiência relatada o Sr. G. se rebelou. Não queria saber de outra tentativa. Conseguiram convencê-lo a realizar uma em 21 de Janeiro de 1971, que não deu resultados. O Prof. João Viana Rodrigues, que dirigia as pesquisas, aconselhou o sr. Irio Quaglio Junior a convidar o médium para passar uma noite em sua casa. Irio preparou o quarto do filho para ali se acomodarem ele o médium. Levou consigo a máquina fotográfica. Na noite de 24 de Janeiro de 71, doze minutos após a meia noite, com o médium ainda acordado, começaram ruídos estranhos no quarto.
    .
    O relatório do Sr. Quaglio se encerra com o relato da conversação final que teve com o médium, espicaçando-o, segundo sua própria expressão. O pesquisador mostra-se ressentido com atitudes do Sr. G. que considerou descorteses. Tentou fazer o médium confessar que os fenômenos eram provocados por ele mesmo, o que não conseguiu. Os atritos verbais entre ambos revelam que o Sr. Quaglio mostrou-se despreparado para a experiência, interpretando-as à priori e, ao invés de estabelecer uma ligação simpática com o médium — condição indispensável em tais casos para a obtenção de bons resultados, — criou uma situação negativa entre ambos. Os fenômenos verificados nesse ambiente de animosidade revelam que o Sr. G possui qualidades mediúnicas excepcionais.
    .
    Quando recorreu à SPPP, o Sr. G buscava socorro numa situação difícil da sua vida. A Sociedade o submeteu a inquirições e interpretações de tipo psicanalista [...]. Suas excessivas precauções revelam bem isso. Era mesmo de esperar-se que as experiências fossem inteiramente negativas, o que só foi superado pelo seu desejo angustioso de encontrar urna solução para o problema que o atormentava.

    .
    Dá a entender que o médium ficou sem saída, tendo que se submeter aos pesquisadores e estes tentando curá-lo através da psicanálise, cujos resultados podem levar anos, mas enquanto isso realizando sessões. (Retirado).

  19. Gorducho Diz:

    Daonde que o Sr. sabe isso?
    Spoiler de matéria A SER veiculada cá?

  20. Vitor Diz:

    Estou me baseando no que está escrito na primeira matéria.

  21. Espirita SP Orlando Diz:

    “E o Orlando zika, não vai responder à minha pergunta?”
    Respondi em tópico anterior.

  22. Gorducho Diz:

    (Retirado pelo administrador)

  23. Gorducho Diz:

    Então temos que aparentemente Sr. G procurou a SPPP com o intuito de BLOQUEAR a para-normalidade (pra ficarmos num termo ideologicamente neutro) dele; mas eles resolveram é ESTUDAR ela?

    Concluímos que foi isso então ❓

    Mas é dado claramente a entender que durante os 4½ anos decorrentes entre os fatos iniciais e a querela em tela foram obtidos resultados experimentais +; NÃO que tenham sido BLOQUEADAS as faculdades dele

    ❓ ❓ ❓

  24. Gorducho Diz:

    (Retirado pelo administrador)

  25. Vitor Diz:

    (Retirado)

  26. Gorducho Diz:

    E sabe onde estão esses arquivos (do Projeto G) com as fotos?

  27. Vitor Diz:

    (Retirado)

  28. Gorducho Diz:

    Claro está que é especulação sua respondendo à minha insistência e segundo o que lhe é dado perceber 👍
    (Retirado pelo administrador)

  29. Marciano Diz:

    Não vi sua resposta, Orlando. Poderia indicar qual foi o tópico, por favor?

  30. Marciano Diz:

    Já achei, Orlando. Achei que aquele tópico tivesse desencarnado.
    Boa desculpa. Vou acreditar. Diante dos assuntos que aqui são discutidos, a confusão é desculpável.

  31. MONTALVÃO Diz:

    /
    Tô precisando de uns descarregos para parar minha mediunidade: já tô confundindo Dona Zica com vírus da zika…abrolhos com zarolhos… colírio Moura Brasil com vá comprar meu Bombril…
    .
    E tô pra ficar noivo da Chiquinha Zureta e não quero que ela me veja neste estado…
    .
    Por isso, planejo-me mudar para Sampa: ficarei hospedado com o Samporlando. Almoço, janta, café da manhã e roupa lavada…
    .
    De qualquer modo, muitas revelações secretas obtive: CADA COISA!
    .
    Falei: SECRETAS!

  32. MONTALVÃO Diz:

    /
    Gorducho Diz:
    julho 3rd, 2018 às 3:18 PM

    (Retirado pelo administrador)
    Vitor Diz:
    julho 3rd, 2018 às 3:21 PM

    (Retirado)
    Gorducho Diz:
    julho 3rd, 2018 às 3:27 PM

    E sabe onde estão esses arquivos (do Projeto G) com as fotos?
    Vitor Diz:
    julho 3rd, 2018 às 3:31 PM

    (Retirado)
    /.
    CONSIDERAÇÃO: censura no site?

  33. Vitor Diz:

    Eu censurei a mim mesmo, notou? Foi apenas um cuidado maior para evitar qq complicação.

  34. MONTALVÃO Diz:

    /
    Marciano Diz:
    .
    Não vi sua resposta, Orlando. Poderia indicar qual foi o tópico, por favor?
    /.
    CONSIDERAÇÃO: apenas resposta que nada responde, ou, o suprassumo da quintessência do maximum da resumice! Ante tantas inquirições dirigidas, muitas e muitas, de mais de um confrade, finalmente um respostitititititinha evasiva…
    .
    Entendo o contra do Contra…
    .
    Isso dá um livro legal, tenho até o título: “O Homem que não Respondia”, pode ser também: “O Homem que não se Explica”…

  35. MONTALVÃO Diz:

    /
    A cada postagem fica patente que o Relatório G é uma GENUINA patuscada! Só que em vez de festiva triste!
    .
    Os autores se sentiram melindrados pela avaliação crítica da outra parte e a refutaram, até de mentirosos chamaram os opositores.
    .
    No final, o caso ficou na briga de comadres e nada de resultado evidencial em favor da ectoplasmia…
    .
    Os refutadores não deixaram barato. Afirmaram que os do Centro eram amadores, bisonhos…que sequer atinavam a categoria do fenômeno presenciado!
    .
    Tão ingênuos seriam os do Centro que não tinham conhecimento de que materializações e quejandos estavam firmemente provadas por pesquisas outras! Vale ver o que dizem:
    .
    ========================,
    “Não foi, pois, a qualidade científica do CPPP, ou as condições científicas das pesquisas improvisadas, que nos levaram a publicar a reportagem. Foi apenas a espontaneidade dos fenômenos, cuja descrição no relatório não deixa dúvidas quanto à sua legitimidade, para todos os que conhecem o problema.
    .
    O Sr. Írio pode enganar aos leitores desprevenidos, que desconheçam o assunto, mas não aos que tenham estudos e experiências a respeito. Para estes, o CPPP aparece, neste episódio, graças à carta insolente do Sr. Írio, como mais uma aventura de criaturas inexperientes no campo da fenomenologia mediúnica, com resultados muito mais felizes do que podiam esperar.
    .

    RIGOR CIENTÍFICO
    .
    Insistiu o Sr. Írio, em sua carta-relatório, no rigor científico das pesquisas do CPPP. Alegou a necessidade de chegarem as investigações à prova científica da realidade dos fenômenos. Mas acontece que os fenômenos paranormais já estão hoje cientificamente provados e não seria o CPPP o órgão mais indicado para confirmar essa prova, obtida nos centros de pesquisa universitária do mundo.
    .
    As hipóteses de trabalho são necessárias e válidas, mas devem ser adequadas às condições já atingidas pela pesquisa científica qualificada. A hipótese de ideoplastia, num caso como o do Sr. G, constitui simples fuga para Pasárgada, pois os limites do fenômeno ideoplástico já estão seguramente precisados por pesquisadores especializados em fisiologia, como Richet (Prêmio Nobel) Notzing, Ochorovicz, Imoda, Fontenay, Geley, Osty e outros muitos.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: briga de doudos! Nada mais!

  36. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “No final, o caso ficou na briga de comadres e nada de resultado evidencial em favor da ectoplasmia…”
    .
    Pelo que foi postado o resultado foi bastante evidencial.

  37. Marciano Diz:

    Mas antes de virmos e analisarmos esses resultados, não podemos dar crédito algum.
    E do jeito que a cautela está imperando (efeito retardado daquele caso da médium do algodão), parece que o assunto é tão secreto que nem deveria ter sido divulgado.
    Tem até auto-censura…

  38. Marciano Diz:

    Eu também tenho um relatório sobre um estudo feito com lobisomens, mas é tão secreto que não vou disponibilizar nada aqui.
    Aliás, vou retirar esse comentário, pois não deveria tê-lo feito.
    Cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém. Já lobisomens, todo mundo sabem o mal que podem fazer.

  39. Marciano Diz:

    Esqueci-me de retirar o “antes de virmos”. Vermos.

  40. Gorducho Diz:

    Gorducho diz
    [...] procurou a SPPP [...]
     
     
    Na reportagem aparentemente é feita uma confusão quanto ao nome da entidade, e na qual me baseei, por exemplo [pg. 11 do jornal de agosto]:
     
    “A Sociedade Paulista de Pesquisas Psicológicas acertou ao submetê-lo a experiências, mas errou ao tomar uma posição apriorística, interpretando o caso antecipadamente como de ideoplastia.

     
    “informações que nos chegaram através de médicos pertencentes à SPPP”

     

    Mas o nome era “Centro” e não “Sociedade”; portanto CPPP – certo Sr. Administrador :?:

  41. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Mas o nome era “Centro” e não “Sociedade”; portanto CPPP – certo Sr. Administrador :?:
    .
    Isso está bem explicado na parte 2.
    .
    o “repórter”Rolim —que não só desconhece nosso trabalho, nossas intenções, nossas diretrizes de base, como —muito desatento ou muito manhoso —desconhece a nomenclatura de nossa personalidade jurídica que é Centro Paulista de Pesquisas Psicológicas (Registro n.° 41.367) e passa a tratar esta entidade como Sociedade Paulista de Pesquisas Psicológicas
    .
    Sim, é Centro.

  42. Marciano Diz:

    Esse tal de Rolim não deixou rastros. Parece NSFG.
    Tirando a foto em que ele aparece ao lado de cx, desencavada pelo Vitor, nada mais achei sobre ele.
    É tudo muito nebuloso. Assim, não consigo ficar impressionado com o impressionante relatório.

  43. Marciano Diz:

    O máximo que consegui descobrir sobre o repórter é que ele trabalhou na Diretoria Regional dos Correios e Telégrafos, em São Paulo e que tem um filho homônimo, com o acréscimo de “Filho” ao final, naturalmente.

  44. Marciano Diz:

    O filho mora em Nictheroy, digo, Niterói.

  45. Marciano Diz:

    O texto a seguir consta do próprio documento disponibilizado pelo sítio:

    O ESTRANHO FIM

    Sustenta o Sr. Írio que as pesquisas não foram encerradas após o susto dos investigadores com a levitação violenta de uma jovem na sala de sessões experimentais. Acontece que o discurso do então presidente, Prof. João Viana Rodrigues, não deixa nenhuma possibilidade de dúvidas a respeito. Publicamos a versão do discurso que consta do relatório, em fotolito, para evitar qualquer acusação de deformação do texto. Trata-se, aliás, de uma peça sensata, em que o ex-presidente confessa a incapacidade do CPPP para realizar pesquisas dessa natureza. Não poderia haver mais plena confirmação do que divulgamos a respeito. O CPPP recuou e com razão. Se mais tarde resolveu prosseguir em pesquisas semelhantes, para isso tratou de fundar outra entidade de objetivos específicos, entregando a um médico a sua direção. Desejamos que o Dr. Maximo Otto Cerri consiga organizar um centro de pesquisas realmente dotado de orientação científica e da aparelhagem de controle necessária para a verificação e registro das ocorrências. As acusações do Sr. Írio à MENSAGEM e suas referências ofensivas ao nosso pessoal e ao Departamento de Doutrina que analisou o seu relatório, revelam a sua falta de condições para pesquisas dessa natureza. Queremos deixar claro que não foram as ameaças de recorrer à Justiça, formuladas pelo Sr. Írio em sua carta, em flagrante contradição coma afirmação inicial de que deixaria o caso ao nosso arbítrio, que nos levaram a divulgar em MENSAGEM a sua carta-relatório. Não havia em nossa reportagem nada que pudesse dar margem a medidas dessa natureza. O repórter agiu amparado pelos direitos profissionais e cumprindo o dever de informar. O que seria da imprensa se a divulgação de fatos que se tornam conhecidos dependesse da autorização de pessoas ou entidades interessadas em ocultá-los? Não houve também nenhuma injúria, nenhuma agressão à honra, à dignidade ou ao bom nome dos pesquisadores e do CPPP. O Sr. Írio, que se diz jornalista aposentado, devia saber disso e saber também que as suas agressões e injúrias escritas são o que poderia sujeitá-lo a um processo judicial, caso não considerássemos as sucessivas contradições da sua carta, que ora nos agride e ora nos agrada.

  46. Marciano Diz:

    A resposta de Rolim também deixa a impressão de que tudo não passou de “Much Ado About Nothing”, como diria o bardo.

  47. Marciano Diz:

    Pelo tempo decorrido, presumo que Rolim, Quaglio e outros envolvidos, inclusive G, estejam residindo em alguma colônia espiritual.
    Sugiro que algum médium do blog tente psicografá-los, para melhor esclarecermos os fatos.
    Podemos, inclusive, fazer uma acareação espiritual.

  48. Marciano Diz:

    Como disse Borges, “O horror visível tem menos poder sobre a alma do que o horror imaginado”.
    Por isso é que gostamos de imaginar coisas que não vemos.

  49. Marciano Diz:

    Estou em dúvida se foi Borges ou Einstein quem disse a frase acima.
    Acho que foi o Borges.

  50. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Esse tal de Rolim não deixou rastros. Parece NSFG.
    Tirando a foto em que ele aparece ao lado de cx, desencavada pelo Vitor, nada mais achei sobre ele.”
    /
    /
    CONSIDERAÇÃO:
    ==============================.
    224.399 SAO PAULO
    PAULO HENRIQUE BELFORT ROLIM CONTRA EDITORA TEJO LIDA
    FI-ADVS LTDZ KOTEK E GILBERTT TEJO DE GUEIREDO DECRETO-LEI 203 VERIF LIVROS
    N.O … VINDO DO TI. SOB O N.O 251.087.
    https://www.jusbrasil.com.br/diarios/6084104/pg-11-poder-judiciario-parte-1-diario-oficial-do-estado-de-sao-paulo-dosp-de-22-06-1976
    /
    O Presidente da Cámara dos Deputados, no Exercício do cargo de Presidente da República
    resolve:
    NOMEAR
    De acôrdo com o artigo
    12, item IV, alínea C, da Lei n o 1.711, de 28 de outubro de 1952,
    Para exercer, em caráter interino,
    o cargo de Estafeta, nível 7, do Quadro III —
    Parte Permanente, do Ministério da Viação e
    Obras Públicas —
    Paulo Henrique Belfort Rolim,
    Lotado na Diretoria Regional dcs Correios e
    Telégrafos em São Paulo, em vaga decorrente da aplicação da Lei 3.780, de 12-7-1960.
    ========================.
    /
    Há de haver mais, mas como ainda estou a aprender como se faz pesquisa decente…

  51. MONTALVÃO Diz:

    /
    Tá bom, agora que vi:
    .
    ====================.
    ” Marciano Diz:
    julho 4th, 2018 às 5:49 PM

    “O máximo que consegui descobrir sobre o repórter é que ele trabalhou na Diretoria Regional dos Correios e Telégrafos, em São Paulo e que tem um filho homônimo, com o acréscimo de “Filho” ao final, naturalmente.”
    .
    ======================.
    Ao menos, acho que posso ser considerado decente pesquisador, ou ainda não?

  52. Marciano Diz:

    Presumo que se trate de pedido de revisão de prova, endereçado ao Vitor.
    Para mim, Montalvão está aprovado, com louvor. Ou, para ficar mais elegante, cum laude.
    Melhor ainda, Summa cum laude.
    Mas sou suspeito para avaliar o Presidente, pois como cisco de terceiro secretário, interessado em manter o cargo, não poderia dar outra nota.

  53. Marciano Diz:

    Eu acho que esse Henrique do processo é outro, não o Paulo Henrique.

  54. Marciano Diz:

    Já está curado da gripe, Presidente?
    Veja se descobre mais alguma coisa sobre o jornalista e sobre os membros do tal Centro de Pesquisas, no que deu o relatório, etc.
    Eu não consegui nada.

  55. Marciano Diz:

    A propósito, Senhor Presidente (com vistas ao Administrador, Vitor), sabe o que o Marden andou falando de sua honrada pessoa?
     
    Analisando alguns comentários do post “Os Maus Espíritos na Bíblia” do blog Católico Obraspsicografadas
    Publicado em 17/06/2014 por Marden
     
    Já temos dito aqui, e desmascarado também, sobre a farsa do blog Obraspsicografadas, que se revelou ser um blog católico, administrado por Vitor Moura, com o intuito de atacar o Espiritismo e fazer difamações sobre seus seguidores, estudiosos ou praticantes.

    Continuaremos demonstrando as farsas daquele blog.
     
    No dia 02 de Junho eles disponibilizaram para download o livro Os Maus Espíritos na Bíblia, de autoria de Crawford Howell Toy e traduzido por Márcio Rodrigues Horta.
     
    Qualquer leitor da bíblia deve estar acostumado com as passagens dos espíritos contidos neste livro, que relatam a existência tanto de bons quanto de maus espíritos. Até aqui nenhuma novidade ou controvérsia.
     
    As controvérsias parecem querer começar quando os comentaristas do blog católico, que se dizem “conhecedores do Espiritismo”, dão suas opiniões. Vamos então analisar o seguinte comentário do senhor Moisés Montalvão.
     
    “Numa sociedade teocrática (Deus responsável por tudo: ativo e atuante em meio à nação) não é de surpreender que Ele surja falando com seus escolhidos, passando-lhe instruções diretas e tudo o mais que só Deus pode fazer.”
     
    Não sabemos ao certo o que o senhor Montalvão quis dizer com o “tudo o mais”, mas quanto ao fato de “passar instruções diretas” ele afirma que “só Deus pode fazer.” Parece que o senhor Montalvão ao querer dizer isso, queria tentar inviabilizar um dos postulados do Espiritismo que é a comunicação dos espíritos com os seres encarnados.
    BLAH BLAH BLAH

  56. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Mas sou suspeito para avaliar o Presidente, pois como cisco de terceiro secretário, interessado em manter o cargo, não poderia dar outra nota.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: garoto ajuizado…

  57. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Já está curado da gripe, Presidente?”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: curado, curado não, mas já estou bem melhor: tossindo muito mais e produzindo ectoplasma de montão!
    /
    /
    “Veja se descobre mais alguma coisa sobre o jornalista e sobre os membros do tal Centro de Pesquisas, no que deu o relatório, etc.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: creio que sobre o jornalista seria mais curiosidade, pois ele nada, ou pouco, de útil acrescentou ao assunto (claro, trouxe o secreto à luz, e isso foi tudo). Creio que a respeito do Centro sim, cabe incursão mais aprofundada. Até agora, ao que parece, essa organização teve vida curta e medíocre. E por fazer trabalho de pesquisa espírita que desagradou aos espíritas certamente desmereceu qualquer apoio de quem mais precisava. Quero ver se descubro quando morreu…
    /
    /
    “Eu não consegui nada.”
    /
    CONSIDERAÇÃO: por enquanto, nem eu, amanhã tento mais…

  58. MONTALVÃO Diz:

    /
    Marciano Diz:
    .
    A propósito, Senhor Presidente (com vistas ao Administrador, Vitor), sabe o que o Marden andou falando de sua honrada pessoa?
    /.
    CONSIDERAÇÃO: e sabe o que ele disse de sua honradíssima persona? Mira:
    .
    ===========================.
    “Marciano é ateu e duvida de tudo que possa extrapolar a matéria. Ele duvida das capacidades de Nicola Tesla e também duvida da hipnose de Tesser, que ele erroneamente chama de Tessler. Este ateu materialista (o pleonasmo aqui foi intencional), chegou a dizer sobre a hipnose, que ela era “ineficiente para várias coisas, inclusive analgesia.” Ora, será que este crente ateu disse isso só para ir pelo lado contrário dos espiritualistas? Só para ir na contramão do que temos afirmado? Parece que sim, como já temos demonstrado várias vezes aqui. Pois bem, então compete a nós espiritualistas informarmos ao materialista marciano que existem vários casos de hipnose que estão ajudado nas cirurgias, principalmente com pacientes que tem alergia a anestesia. O que pode inclusive causar um choque anafilático.”
    ———————————————.
    .
    A respeito dessa manifestação eu postara no site uma resposta, como segue:
    /
    ========================.
    COMENTÁRIO: Se alguém duvida da eficácia da hipnose isso nada tem a ver com materialismo ou espiritualismo. Pode ser falta de informação do duvidante, ou outras razões que cabe a quem assim pensa esclarecer.
    .
    A hipnose tem aplicações práticas e eficazes em várias campos, entretanto o hipnotismo não tem a ver com “milagres” ou espiritualidade, é apenas uma técnica que foca a atenção do hipnotizado em torno de uma sugestão.
    .
    Igualmente com Nicola Tesla: os feitos desse inventor estavam no âmbito da capacidade criativa humana, o trabalho de Tesla não “extrapolou a matéria”.
    .
    O teor do comentário dá a entender que o Sr. Marden considera tanto a hipnose quanto os feitos de Tesla fatos “espirituais”. Se for isso então está equivocado…
    ======================.
    /.
    A respeito do que ele disse d’euzinho, creio que retruquei lá: estou tentando ver se guardei o que foi dito, se achar mostro.

  59. MONTALVÃO Diz:

    /
    O Marden é fraquinho, o era aqui e continuou a sê-lo no site que criou. Lá travei uma boa discussão sobre materialização.
    .
    O texto dele assim começava:
    .
    =======================.
    Outro detratador do espiritismo que se apresenta no blog católico Obras Psicografadas com o nome de Moizés Montalvão, fez as seguintes perguntas direcionadas ao senhor Marcos Arduin, que é um profundo conhecedor e defensor do espiritismo (doutrina Allan Kardec). Vejamos as perguntas e algumas das colocações feita por Montalvão:
    [...]
    ===============================.
    /
    Quem se interessar em conhecer a “briga” poderá vê-la em: https://espiritismoracional.wordpress.com/2013/07/17/existe-algum-experimento-recente-que-comprove-a-existencia-dos-espiritos-e-que-nao-seja-de-seculos-passados/

  60. Marciano Diz:

    Eu já tinha visto.
    O Biasetto foi quem me disse que o Marden tinha criado um blog para falar mal deste aqui e de todos os participantes de quem ele não gosta (que são muitos, mas não são legião, pois não há nenhum espírito de porco).
    Na época, eu não quis nem conferir.
    Depois descobri por acaso o sítio dele e vi algumas coisas, dando a importância devida ao que ele diz ( 0 ).
    Parece que o sítio dele já morreu. Ou está moribundo.

  61. Marciano Diz:

    Enquanto não se descobre mais nada sobre o tal relatório, o centro de pesquisas e seus integrantes, para não deixar o blog sem fôlego, transcrevo aqui uma resposta de entrevista concedida por Vereza:
     
    Tem outros interesses?
     
    CV: Filosofia e, sempre, a história. Há cinco anos, sou coordenador de um curso que dou no prédio onde moro sobre doutrina espírita, filosofia e física quântica.>/i> Comecei com cinco pessoas e hoje são 60 alunos. Utilizo um método que os essênios (seita judaica que existiu entre os séculos 2 a.C. e 1 d.C.) usavam, que é pegar cada livro e ler todo mundo junto em voz alta. Levamos um ano e dois meses lendo O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, e as aulas também têm projeção audiovisual.
    http://www.reportermt.com.br/variedades/carlos-vereza-tenho-vontade-de-ser-abduzido-por-extraterrestres/60058
     
    Como o método dele é o mesmo dos essênios, está explicado porque a FQM não tem matemática.
     
    A julgar pelos dead see scrolls, fico imaginando como era a leitura dos “livros”entre os essênios.
    Também fico imaginando quanta FQM tem nos livros de Rivail.

  62. Marciano Diz:

    Vítor, por obséquio, feche o itálico após “quântica”.
    Obrigado!
    :oops:

  63. Marciano Diz:

    Não sei como funcionaria o editor a que o Gorducho se refere aqui no blog.
    Desde que cada um só possa editar seus próprios comentários, e não os dos outros, apoio totalmente, mas acho que não vai dar para implementar.

  64. Marciano Diz:

    Em vez de projeção visual, as aulas deveriam ter projeção astral.

  65. Marciano Diz:

    Aula sobre como levitar:
    https://youtu.be/ZwvYkRzpq4g
    Não estou dizendo que foi assim que a menina levitou, pois nada se sabe dos fatos. O relatório não relata nada.

  66. Marciano Diz:

    Aulas gratuitas de mediunidade:
    https://www.youtube.com/watch?v=LOBMjyse1qA

  67. Marciano Diz:

    Vejo com tristeza que as aulas de levitação e mediunidade não ensejaram qualquer comentário.
    Está mais difícil acender o blog do que uma churrasqueira.
    O assunto em pauta não desperta interesse nem outros assuntos relacionados a espiritismo.
    Vou continuar tentando.

  68. Gorducho Diz:

    ============================================================
    Não sei como funcionaria o editor a que o Gorducho se refere aqui no blog.
    ============================================================
    Um editor integra praticamente por padrão os softwares p/foruns (e.g. o Vanilla que se não me engano é o do RéV).
    Só cá é que não tem

  69. Marciano Diz:

    Não adianta muito um editor, se não temos o que comentar.
    Aquilo que prometia ser sensacional, assombroso, revelou-se apenas um jornal velho desconhecido, no qual se fala sobre supostas experiências que teriam sido negadas pelos participantes e nada se sabe sobre o que se sucedeu, após 47 anos.
    Nada se sabe sobre os nomes divulgados, o tal centro, NADA!
    Melhor do que um editor, por enquanto, seria alguma matéria REALMENTE impressionante.

  70. Marciano Diz:

    Acho que se o blog estivesse postando obras “psicografadas” para serem discutidas, seria bem diferente.
    Crentes reapareceriam, céticos voltariam a comentar, teríamos o que debater, voltaríamos aos tempos de glória.
     
    Veja-se, por exemplo, o prefácio de um livro que li recentemente (e que me divertiu muito, pelas piadas involuntárias).
     
    Trata-se de “Getúlio Vargas em Dois Mundos”, ditado nada mais nada menos do que pelo “espírito” de Eça de Queiroz (grafado Queirós no livro).
     
    No prefácio, se encontra a seguinte pérola:

    É uma obra que percorre importantes e polêmicos fatos da História, da época em que Vargas foi presidente do Brasil. Mas vai além. Descreve seu retorno ao plano espiritual pelas portas do suicídio; o demorado restabelecimento das forças e da consciência, até ser capaz de analisar o encadeamento dos fatos de sua última trajetória terrena, intimamente relacionados com amigos e desafetos de tempos imemoriais.
    Ditado pelo espírito Eça de Queirós, a obra surpreenderá o leitor mais familiarizado com a extensa obra deixada pelo grande Eça há quase um século. Palavras do autor espiritual: “Sem querer ser imodesto, muitos apreciarão nosso livro, basta que não queiram encontrar nele o outro Eça de Queirós, que nunca encontrarão. Já pensaste se, após muito ter sofrido, aprendido e me esforçado fizesse uma repetição do que já fiz apenas para agradar àqueles que ficam procurando detalhes para comparar, se nada daquela obra, agora, está de acordo com meus novos objetivos? Por que novamente repetir o que aqui ficou? Por que querer imitar o Eça de então, se o Eça de agora é outro?”
    Leia o livro, confira os argumentos do autor e julgue você mesmo.

     
    A “médium” já começa se livrando do trabalho de ter de imitar o estilo de Eça, como cx faria, para não ser alvo de críticas, justificando que “o Eça de agora é outro”.
     
    Seguem-se várias atrocidades, com as revelações de sempre, de que fulano foi sicrano (ou ciclano, como prefere o químico Orlando?) em outras vidas, de como o espírito talhado para dar um jeito no Brasil acabou se atrapalhando todo, justamente por ter se esquecido do plano que fizera na espiritualidade.
     
    Esse véu do esquecimento deveria ser revogado.
     
     
    Enfim, material para debates não falta.
    Tenho certeza de que um livro desses (e é o que mais existe) despertaria debates acirrados entre crentes e céticos, contribuiria para mostrar como o espiritismo de Rivail está cada vez mais ridículo com sua modernização, etc.
     
    E o blog faria jus ao nome Obras Psicografadas.

  71. Marciano Diz:

    No Mundo Espiritual há muitos recantos, muitas colônias, onde Espíritos necessitados de refazimento, de atendimento espiritual, se abrigam, para desfazerem enganos, erros cometidos, e restabelecerem o equilíbrio, ou prepararem-se para novas oportunidades redentoras, no plano terrestre.
    Assim, numa pequena Colônia, afastada deste orbe, muitos irmãos aguardavam a oportunidade de retornarem, para cumprirem as promessas feitas, e colocarem em prática o que planificaram, tendo em mente os mais sublimes desejos de colaborarem, para minorar um pouco mais o sofrimento dos seus habitantes.
    A Terra é um lugar de muito sofrimento! E nela que os resgates são efetuados, e os acertos, diante de propósitos realizados, levados a efeito.
    Muitos desejam conviver com aqueles que lhes foram inimigos em encarnações anteriores, visando a uma reconciliação, visando a amparar suas necessidades, reerguendo os que se encontram em situação difícil e em estágios evolutivos diferentes.
    Há, porém, aqueles que desejam trabalhos maiores, objetivando não apenas um Espírito inimigo, ou o reerguimento de um ente querido decaído. Há Espíritos que têm em mente, não só um círculo pequeno e acanhado que se reúne dentro do lar, mas pretendem muito mais!… Visam a ajudar, a fazer progredir toda uma cidade, um estado, ou mesmo uma nação.
    São os idealistas, amantes da Pátria, e desejam fazê-la crescer, equiparando-a às grandes nações do Universo. Desejam ajudar a reerguer todo um povo sofrido e sacrificado, proporcionando-lhe oportunidades para uma vida mais feliz, dentro de condições de trabalho digno e construtivo, atendendo às suas necessidades particulares, pois que, do trabalho de todos, a nação cresce, progride, enriquece!

    Esse é o objetivo de alguns que partem do Mundo Espiritual, para levarem à Terra a sua colaboração, em um país que amam e desejam vê-lo evoluído.
    Se voltarmos nossos olhos àquela pequena Colônia, localizada num dos espaços siderais, vamos encontrar uma entidade feliz, idealista, planejando, organizando empreitada, submetendo seu plano à aprovação de Mentores maiores. Um trabalho muito bem concatenado, para que, ao retornar, pudesse executar o que desejava.
    E o desejo daquela entidade era ser o mandatário supremo de uma nação! Desta Nação amada, desta Nação tão carente, tão sofrida, e com tanta urgência de ser bem organizada, de progredir, de saciar tanta fome, de cobrir tantos corpos desnudos.
    Como seus objetivos eram nobres! Como sua planificação era sublime! A dedicação, a renúncia com que se aplicaria nessa tarefa, era a mais abnegada possível, a mais nobre, a mais bela. Era um idealista! Mas a Nação precisava desse idealista, precisava de vontade firme, para que essa planificação fosse executada, e este País, organizado adequadamente!
    As promessas eram efetuadas, os planos arquitetados e, diante de tanta convicção, a aprovação foi conseguida.
    Tudo fariam a fim de que aquela entidade, no momento certo, reencarnando, tivesse as facilidades para colocar em prática plano tão elevado, tão direcionado às urgências desta Nação!
    Quando tudo estava já delineado, a preparação para a reencarnação se iniciou.
     
    Estas são as palavras de “Eça”, o escritor português ainda na espiritualidade, e ainda escrevendo, mas com outro estilo e sem a graça que tinha quando vivo.
     
    Acho isto melhor do que fantasmas que levantam meninas no ar, assustam pesquisadores, fazem o diabo, mas ninguém fala sobre o assunto que teria ocorrido há quase meio século.

  72. Gorducho Diz:

    Sim, só respondi à sua pergunta… editor é quase que um padrão nos softwares. Já vem um pacote onde só basta fazer algumas configurações, habilitar extensões, &c.

     

     

    Referente á pauta, claro, a Administração buscou um fato bastante curioso, cujo me faz lembrar o título daquela excelente coluna que tinha na Revista dos 2 Mundos: un épisode contemporain de l’histoire du merveilleux (não sei se era só o Edgar Saveney que redigia, ou se tinha outros colaboradores :?: ).

    Mas já de cara se tem que a divulgação e posterior debate via imprensa se dá já 4½ anos DEPOIS dos fatos – o que no mundo científico contemporâneo é uma eternidade – nada se sabendo sobre o que terá ocorrido durante esse intervalo :(

  73. Marciano Diz:

    E vejam que se não fossem as trapalhadas dos incompetentes espíritos superiores, Getúlio teria transformado o Brasil numa grande nação. Não teríamos de aturar o STF soltando bandidos condenados em segunda instância a mais de 30 anos de prisão, concedendo benesses de ofício (sem pedido da defesa), como o direito de não entregar passaporte, de não usar tornozeleira, etc.
     
    Será que existe corrupção também na espiritualidade superior?
    Vamos fazer uma Lava Jato nessas colônias espirituais?
     
    Pensando bem, acho melhor não. Teríamos de morrer primeiro, para podermos investigar os espíritos superiores.
    Acho melhor lidar com os encarnados superiores daqui da crista, como os encarnados superiores do SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, do SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, etc.

  74. Marciano Diz:

    Da crista, não, da crosta.

  75. Marciano Diz:

    Em tempo:
    Todos esses desmandos dos poderes do Estado (os três) recebem a ajuda da população alienada, que só se preocupa com jogos de futebol, ficando alucinados com um joguinho de bola, enchendo a cara de cerveja vagabunda e comendo churrasco.
    Pensando bem, acho que morrer não seria má ideia. Só não me mato porque TENHO MEDO de me ver em situação ainda pior quando for parar numa dessas colônias.

  76. Marciano Diz:

    E nada se sabendo sobre o que aconteceu APÓS os fatos.
    Não se sabendo sequer se os alegados fatos não apenas produto da imaginação fértil de alguém.
    Como distinguir esse relatório assombroso de um livro psicografado qualquer?

  77. Marciano Diz:

    Esse relatório foi (mais um) fiasco.
    Tem tantas obras psicografadas esperando para serem detonadas.

  78. Marciano Diz:

    O panfletarismo religioso do Espiritolicismo tornou-se uma indústria em que nomes ilustres são utilizados para divulgar as mesmas “palavras de amor”, apoiadas no mesmo dramalhão que envolve sofrimento espiritual, assistência dos amigos do além e redescoberta da religiosidade.

    A impressão que se tem é que o mundo espiritual é uma grande igreja e não podemos sequer ter outros prazeres na vida, ou, quando muito, eles estão em segundo plano. Simbolicamente falando, os espíritos do além se reduziram a meros propagandistas da religião “espírita”, dentro dos clichês aqui há muito conhecidos.

    Há 60 anos o então presidente da República, o gaúcho Getúlio Vargas, de 71 anos, havia se matado com um tiro no coração, enquanto parecia se preparar para dormir no Palácio do Catete. Era uma reação à violenta campanha contra ele, agravada quando seu segurança, Gregório Fortunato, foi acusado de mandar matar o maior opositor, o jornalista Carlos Lacerda.

    Carlos Lacerda não morreu no atentado ocorrido 18 dias antes, mas seu segurança, o major da Aeronáutica Rubens Florentino Vaz, foi morto com um tiro ao tentar conter um pistoleiro que iria matar o jornalista e político udenista.

    A morte de Vaz só fez as Forças Armadas se revoltarem contra Vargas, criando até mesmo uma comissão paralela para investigar o crime, chamada de “República do Galeão”, já que os oficiais se reuniam no famoso aeroporto, o atual Aeroporto Internacional Tom Jobim.

    Aí, conhece-se a história toda. Mas o Espiritolicismo tentou criar uma “nova história”, trazendo a suposta vida espiritual do político nacionalista, com direito até a uma adaptação, meio “engraçadinha” da frase “Saio da vida para entrar na História”, contida no testamento de Vargas. O “espírito” de Getúlio passou então a dizer “Volto da História para ensinar a vida”.

    GETÚLIO E EÇA NUMA MESMA CILADA

    É conhecido nos meios ditos “espíritas” o livro Getúlio Vargas: Em Dois Mundos, de 1998, que a médium espiritólica Wanda A. Canutti (1932-2004) lançou sob a autoria atribuída ao escritor português Eça de Queiroz, que teria aparecido por “psicofonia”, embora não se tenha conhecimento de uma gravação sonora da voz do escritor, em tecnologia então recente e em quase todo indisponível.

    O livro tem uma escrita correta, mas não parece ter o diferencial necessário para ser uma obra do mesmo autor de O Primo Basílio. Muito pelo contrário. Só pela parte que relata toda a trajetória conhecida de Getúlio Vargas, até o momento do tiro fatal, mais parece um daqueles textos de História que aparecem em apostilas para o ENEM. Correto, mas nada surpreendente.

    O que pesa, porém, é quando se entra na fase “espiritual”. É aí que a coisa pega. A influência de Nosso Lar, que Chico Xavier lançou sob autoria do misterioso André Luiz (que, tudo indica, é alter ego de Waldo Vieira), é notória nessa fase em que a narrativa mais parece um novelão de segunda categoria do que mais um clássico literário do autor português.

    O dramalhão começa com o suposto Getúlio entrando numa colônia espiritual, acolhido primeiro por “irmão” Fulgêncio e depois por “irmã” Darcy. Depois vem “irmã” Cíntia e “irmão” José. Herança católica esse título de “irmão” ou “irmã”. A narrativa é maçante logo na primeira vista, sem a movimentação de ações e personagens da obra de Eça.

    A linguagem também não tem diferencial, por ser apenas um agrupamento de palavras corretas. Mas nota-se o tédio da narrativa pachorrenta, que perde muito tempo na pregação religiosa dos diálogos frios e entediantes, nos “problemas morais” do Espírito, nas angústias, na “necessidade” do resgate espiritual e outras baboseiras.

    Há a citação, de cunho materialista, de vários aspectos da Colônia. Há a paisagem da Natureza, há a Biblioteca, há todos aqueles clichês de serviço assistencial, de evocação à fraternidade, à caridade etc etc etc. Mas não existem os tipos psicológicos caraterísticos da distinta obra que Eça de Queiroz produziu em vida.

    A narrativa também não apresenta uma linguagem diferenciada como dos grandes escritores do século XIX. Mais parece uma narrativa superficial, em que apenas há a pregação religiosa, em que um “atormentado” Getúlio é socorrido por pessoas de um temperamento friamente bondoso, mais parecendo a bondade como técnica do que como uma generosidade espontaneamente dada.

    A obra praticamente não tem ação. A autora perde tempo colocando no papel diálogos que mais parecem pregações religiosas, algo que ela já fazia em suas palestras e depoimentos. Uma narrativa monótona que, logo de cara, não tem o estilo de Eça, não há tipos psicológicos caraterísticos da literatura de seu tempo e os diálogos se limitam a um panfletarismo religioso.

    A obra não passa de um grande oportunismo literário, usando os nomes de Getúlio Vargas e Eça de Queiroz para promover sensacionalismo dentro de uma história que mais parece ficção, e que nem de longe condiz ao estilo pessoal de Eça, um dos maiores escritores da língua portuguesa de todos os tempos.

    Getúlio Vargas: Em Dois Mundos, portanto, nada tem de grande obra literária. O livro é extremamente ruim para ser realmente de Eça de Queiroz. Bastante cansativo, piegas, monótono. Não por acaso, o livro só repercutiu nos meios espiritólicos, porque soa duvidoso demais para repercutir positivamente além de seus limites. Os fãs de Eça iriam estranhar esse livro logo de cara.

    Extraído do dossier espírita.

  79. Marciano Diz:

    Estamos nos virando muito bem sem o editor.
    O que está faltando é o que escrever, pois os assuntos postados são sempre vagos, sombrios, sem qualquer informação objetiva, que se possa comprovar ou infirmar.

  80. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Utilizo um método que os essênios (seita judaica que existiu entre os séculos 2 a.C. e 1 d.C.) usavam, que é pegar cada livro e ler todo mundo junto em voz alta. Levamos um ano e dois meses lendo O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, e as aulas também têm projeção audiovisual.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: 🙈

  81. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Enquanto não se descobre mais nada sobre o tal relatório, o centro de pesquisas e seus integrantes, para não deixar o blog sem fôlego”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: de minha parte encerro as buscas. Ainda tinha alguns cartuchos para queimar, mas não acho que valha gastar boa munição com caça vagabunda. Esse tal Centro, ao que tudo indica, funcionou esotericamente e, pelo visto, muito pouco produziu e desse pouco provavelmente nada se salva!
    .
    Parece que alguém acha que se achar as fotos que dizem existir nelas ver-se-ão coisas IMPRESSIONANTES!
    .
    Impressionante é a ingenuidade de terráqueos!
    .
    A própria denominação da entidade é inadequada: CENTRO PAULISTA DE PESQUISAS PSICOLÓGICAS. Se o trabalho que realizavam for na linha desse publicado, não há nada de psicologia envolvida. Deveria ser “Centro Paulista de Pesquisas Parapsicológicas”, que ficaria mais próximo. Porém, o melhor título seria: “Centro Paulista de Pesquisas Espiritualistas”…

  82. Gorducho Diz:

    Mas se erra ao ter que usar as entidades e sem poder visualizar antes de publicar;
    e depois sendo impossível corrigir o erro :(
    ===========================================================
    de como o espírito talhado para dar um jeito no Brasil acabou se atrapalhando todo, justamente por ter se esquecido do plano que fizera na espiritualidade.
     
    Esse véu do esquecimento deveria ser revogado
    .

    ===========================================================

    👍

    Naquele genial e definitivo artigo O Espiritismo e os Espíritas nessa coluna/sessão da Revue, o Edgar Saveney já em SEPTEMBRE – OCTOBRE 1863 definia perfeitamente essa crença:

    Leur principale affaire d’ailleurs, hors de leurs entretiens avec les humains, paraît être de réfléchir sur leur vie antérieure, d’en tirer les enseignemens qu’elle comporte et de former, en vue de leur prochaine incarnation, des résolutions dont ils perdront le souvenir en entrant dans leur nouveau corps.

    :lol:

  83. MONTALVÃO Diz:

    /
    Marciano Diz:
    .
    Não sei como funcionaria o editor a que o Gorducho se refere aqui no blog.
    Desde que cada um só possa editar seus próprios comentários, e não os dos outros, apoio totalmente, mas acho que não vai dar para implementar.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: não sei se nesse blog seria possível implementar, mas se fosse a utilidade é inegável. Claro que cada um só poderia bulir com o que é seu…

  84. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Vejo com tristeza que as aulas de levitação e mediunidade não ensejaram qualquer comentário.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: a aula de mediunidade não entendi, tirar coelho de cartola e serrar mulher em várias partes é mediunidade?
    .
    Quanto à levitação, eu que levito-me desde os três de idade rio-me desses amadores, que só conseguem soerguer-se metrinhos acima do solo!

  85. Gorducho Diz:

    Psíquicas… a terminologia anglo pra Metapsíquica “continental” é psíquica.
    (Set up in London in 1882) SPR - Society for Psychical Research.

  86. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Acho que se o blog estivesse postando obras “psicografadas” para serem discutidas, seria bem diferente.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: vou dar um HC pro Vitor. É fato que nem sempre ele acerta na seleção de material; é fato que se empolga muito diante de pouco mais que nada; mas é fato também que ele deve realizar esforço hercúleo para garimpar textos que possam provocar manifestações de interessados.
    .
    Sempre achei e, se não estou enganado, já falei aqui, que ele deveria se abrir para a cooperação. Em vez de monopolizar o que é veiculado: aceitar contribuição de outros, e ele ficaria na coordenação e filtragem desse material.
    .
    Do jeito que o site caminha temos somente a cabeça visoniana a selecionar o que oferecer aos participantes. Esse poder hegemônico do qual não abre mão certamente rouba-lhe energias e mantém o blog unicórdico.
    .
    Pronto, falei!

  87. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “já falei aqui, que ele deveria se abrir para a cooperação. Em vez de monopolizar o que é veiculado: aceitar contribuição de outros, e ele ficaria na coordenação e filtragem desse material.”
    .
    Uai, me diz que são esses outros aí que querem cooperar.

  88. MONTALVÃO Diz:

    /
    Marciano Diz:
    .
    Em tempo:
    Todos esses desmandos dos poderes do Estado (os três) recebem a ajuda da população alienada, que só se preocupa com jogos de futebol, ficando alucinados com um joguinho de bola, enchendo a cara de cerveja vagabunda e comendo churrasco.
    Pensando bem, acho que morrer não seria má ideia. Só não me mato porque TENHO MEDO de me ver em situação ainda pior quando for parar numa dessas colônias.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: concordo com o que diz e sugiro que quem tem um tantinho de juízo tente introduzí-lo na cabeça dos eleitores mercenários de voto. As mídias sociais e conversas pessoais são o caminho.
    .
    Os maus políticos querem que eleitorado seja manipulado qual se toca gado.
    .
    Se você se suicidar irá para o Vale dos Suicidas e o negócio lá é do piru! Não recomendo…

  89. Marciano Diz:

    Ciente dos comentários do Presidente e do Vice.
    Aguardemos, pois.
     
    Enquanto não temos nada melhor para conversar, aqui vão alguns conselhos colhidos por aí:
     
    Never argue with stupid people, they will drag you down to their level and then beat you with experience.
     
    Está perdendo a discussão? – Grite: Racista, homofóbico, fascista, nazista, filhinho de papai, moralista, xenófobo, islamofóbico, machista e reacionário. Você silenciará a oposição, permitindo que você comemore a vitória na discussão.
     
    Le gauchisme c’est penser qu’une personne qui possède un pénis peut être une femme mais qu’un terroriste ne peut pas être musulman.
     
    No Brasil, a burrice tem um passado glorioso e um futuro promissor.
     
    Por cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber. O governo não pode dar para alguém aquilo que tira de outro alguém. Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação. É impossível multiplicar riqueza dividindo-a..!
     
    La Gauche se fout du mariage homo, du droit de vote des étrangers, ELLE VEUT JUSTE DES VOIX! Sa démarche: draguer toutes les minorité.
     
    A única diferença entre a Educação no Brasil e o Crime Organizado é que o crime é organizado.
     
    Preto apanha= Racismo.
    Bixa Louca apanha = Homofobia.
    Mulher apanha = Machismo.
    Maconheiro apanha = Preconceito.
    Macumbeiro apanha = Intolerância.
    Mulçumano apanha = Xenofobia.
    Ladrão apanha – Violação dos Direitos Humanos.
    Branco apanha – Justiça contra opressor.
     
    L’Arabie saoudite est somptueusement équipée pour recevoir les migrants musulmans,mais elle n’en veut pas, pourquoi?
     
    To arms, to arms! The British are coming, the British are coming!

  90. MONTALVÃO Diz:

    /
    Vitor Diz:
    .
    MONTALVÃO DISSE: “já falei aqui, que ele deveria se abrir para a cooperação. Em vez de monopolizar o que é veiculado: aceitar contribuição de outros, e ele ficaria na coordenação e filtragem desse material.”
    .
    VITOR: Uai, me diz que são esses outros aí que querem cooperar.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: UAI, eu mesmo cooperaria com satisfação. O Marciano, agora há pouco, sugeriu um livro psicografado que bem poderia ser cá discutido. O Gorducho deve ter bastante material. E outros.

  91. MONTALVÃO Diz:

    /
    O cooperador apresentaria seu texto e um preâmbulo em que opina a respeito do conteúdo; e você na abertura poria algo assim: “o texto que segue é sugestão do ciclano (brincadeirinha, de Marte) e os comentários são de sua responsabilidade”…

  92. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “UAI, eu mesmo cooperaria com satisfação. ”
    .
    Estou até hoje esperando o escaneamento do livro do fenômeno magenta (brincadeira, lembro que vc disse que não achou o livro…)
    .
    Quem quiser fazer revisões de livros psicografados ou escanear livros não disponíveis ou fazer traduções eu aceito sem problema algum, a depender apenas da qualidade do conteúdo ofertado.

  93. MONTALVÃO Diz:

    /
    Um exemplo: o chamado “Experimento Scole”: vários participantes, em outras rubricas, fizeram menção a ele. Visto que você, provavelmente, não se interessou em conhecer o assunto nunca postou nada para ser discutido. Então, claramente, tem gente que quereria dizer algo sobre aquele evento e não tem espaço cá no Obras.

  94. MONTALVÃO Diz:

    /
    Vitor Diz:
    .
    MONTALVÃO DISSE: “UAI, eu mesmo cooperaria com satisfação. ”
    .
    VITOR: Estou até hoje esperando o escaneamento do livro do fenômeno magenta (brincadeira, lembro que vc disse que não achou o livro…)
    .
    Quem quiser fazer revisões de livros psicografados ou escanear livros não disponíveis ou fazer traduções eu aceito sem problema algum, a depender apenas da qualidade do conteúdo ofertado.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: a respeito do fenômeno Magenta, ainda não entendi como não consegue despender R$15,00 na aquisição da obra e se propõe pagar quase 2.000,00 no escaneamento de um texto! Prefere ficar o resto da sua vida a esperar que eu me anime escaneá-lo?
    .
    Em 2015 recebi meu diploma de Mestre Maçom. Minha mulher ficou empolgada com a honraria: mandou emoldurá-la e arrumou um cantinho especial onde eu deveria fazer um furo para pôr o quadro.
    .
    Como o furo não vinha, ela ajeitou do jeito alternativo: pegou uns livros na estante (sem me avisar) e os utilizou como apoio para o quadro.
    .
    Há uns quinze dias resolvi atualizar os furos e o quadro foi dependurado. Ao devolver os livros à estante, o que encontro entre eles? Preciso dizer?
    .
    Vou ver o que posso fazer, mas o livro tem várias anotações que fiz à mão e não sei o quanto isso prejudicará o escaneamento.

  95. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “a respeito do fenômeno Magenta, ainda não entendi como não consegue despender R$15,00 na aquisição da obra e se propõe pagar quase 2.000,00 no escaneamento de um texto! Prefere ficar o resto da sua vida a esperar que eu me anime escaneá-lo?”
    .
    Eu não me propus a pagar quase 2000 reais no escaneamento. Pelo contrário, eu disse explicitamente que eu não ia pagar devido ao alto preço das traduções que virão. Já tenho gastos demais para me preocupar. Quer só um exemplo? Eis os gastos de uma única tradução vindoura:
    .
    Capítulo 01 (8.044 palavras) – R$1.120,00
    Capítulo 02 (57.054 palavras) – R$7.980,00
    Capítulo 03 (17.307 palavras) – R$2.420,00
    Capítulo 04 (43.240 palavras) – R$6.050,00
    Capítulo 05 (23.659 palavras) – R$3.310,00
    Capítulo 06 (3.668 palavras) – R$510,00
    .
    Apêndices
    .
    Nota Prelim. (2.507 palavras) – R$350,00
    Apêndice 01 (35.940 palavras) – R$5.030,00
    Apêndice 02 (28.550 palavras) – R$3.990,00
    Apêndice 03 (69.861 palavras) – R$9.780,00
    Apêndice 04 (44.429 palavras) – R$6.220,00
    Apêndice 05 (4.367 palavras) – R$610,00
    Apêndice 06 (4.596 palavras) – R$640,00
    Apêndice 07 (3.426 palavras) – R$470,00
    .
    Nem me atrevo a somar tudo…

  96. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Ao devolver os livros à estante, o que encontro entre eles? Preciso dizer?”
    .
    :D
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Vou ver o que posso fazer, mas o livro tem várias anotações que fiz à mão e não sei o quanto isso prejudicará o escaneamento.”
    .
    Dica: escaneie com o brilho máximo (ou o menor sombreamento possível), em 600 dpi (se não demorar muito). Se for demorar muito, 300 dpi já serve.
    .
    Não precisa passar o OCR, eu faço isso. Depois me mande por email usando o wetransfer ou o mailbigfile se o arquivo ficar muito grande.

  97. Gorducho Diz:

    48480 BRL
    :o
    Claro que não é da m/conta, mas gastar tudo isso pra traduzir uma obra ❓
    É isso mesmo, sairam certas a cifras ❓

  98. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Claro que não é da m/conta, mas gastar tudo isso pra traduzir uma obra ?”
    .
    É um artigo bem grande… de 650 páginas.
    .
    GORDUCHO DISSE: “É isso mesmo, saíram certas a cifras ?”
    .
    Sim. E ainda está abaixo do que o mercado geralmente cobra.

  99. Gorducho Diz:

    Certo… mas vale a pena pro Sr. ❓
    Claro: sinta-se à vontade pra responder…

  100. Gorducho Diz:

    IMAGINO que é um valor que editoras paguem com fins de publicarem comercialmente a obra no mercado lusófono…

  101. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Certo… mas vale a pena pro Sr. ?”
    .
    Financeiramente claro que não. Mas em termos de satisfação pessoal em contribuir para ofertar material psi de qualidade em português, sim.

  102. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “IMAGINO que é um valor que editoras paguem com fins de publicarem comercialmente a obra no mercado lusófono…”
    .
    A editora paga entre 8 e 11 reais por 2100 palavras traduzidas.

  103. MONTALVÃO Diz:

    /
    ” Quer só um exemplo? Eis os gastos de uma única tradução vindoura:”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: 🙅

  104. MONTALVÃO Diz:

    /
    Não precisa passar o OCR, eu faço isso. Depois me mande por email usando o wetransfer ou o mailbigfile se o arquivo ficar muito grande.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: vou escanear em pdf, aí sai tudo direitinho. Depois você converte para .DOC e tira as anotações. Seu mail ainda é aquele do yahoo?

  105. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Seu mail ainda é aquele do yahoo?”
    .
    Não, aquele abandonei. Manda pro hotmail ou pro gmail, por favor.

  106. MONTALVÃO Diz:

    /
    Fiz um teste preliminar. No PDF ficou jóia. Se quiser nem precisa tirar as anotações, elas podem até servir de orientação para quem se interessar na leitura. Fica a seu critério. Vou mandar essa primeira forma para que examine e veja se está a contento.

  107. Gorducho Diz:

    ============================================================
    A editora paga entre 8 e 11 reais por 2100 palavras traduzidas.
    ============================================================
    346648 ÷ 2100 * 8 = 1320,5638

  108. Vitor Diz:

    Desculpa, entre 8 e 11 a cada 2100 CARACTERES. mas continua não valendo a pena.

  109. Gorducho Diz:

    Peguei 1 texto sobre espiritismo (em inglês, suponho que seja seu caso…) com
    459132 caracteres não brancos ou new line – suponho que não cobrem por brancos, certo :?: ;
    84886 palavras.

    Seu teria então ~893 blocos de 2100
    certo:?:

  110. Vitor Diz:

    caracteres sem espaço dá 1.550.870
    com espaço é 1.865.583
    .
    pegando 1.550.870/2100 = 738
    .
    738 x 8 = 5904
    .
    se considerar o valor máximo dá 738 x 11 = 8118
    .
    Não vale mesmo a pena…

  111. Gorducho Diz:

    👍
    Então… eu estimara seu texto em
    1.875.000 caracteres – sem brancos nem ‘\n’…

     

    O Sr. falou que vai pagar 48mil BRL ❗

  112. Gorducho Diz:

    8044 palavras –  R$ 1.120,00
    57054 palavras –  R$ 7.980,00
    17307 palavras –  R$ 2.420,00
    43240 palavras –  R$ 6.050,00
    23659 palavras –  R$ 3.310,00
    3668 palavras –  R$ 510,00
    2507 palavras –  R$ 350,00
    35940 palavras –  R$ 5.030,00
    28550 palavras –  R$ 3.990,00
    69861 palavras –  R$ 9.780,00
    44429 palavras –  R$ 6.220,00
    4367 palavras –  R$ 610,00
    4596 palavras –  R$ 640,00
    3426 palavras –  R$ 470,00
    Σ
    346648 palavras –  R$ 48.480,00

  113. Vitor Diz:

    Pois é, eu pago bem mais que uma Editora se dispõe a pagar.

  114. Marciano Diz:

    É uma fenomenal vontade de divulgar paranormalidade‼️
    😮
    I’m flabbergasted!
    👀
    ──────────────────────────────────
    ─────────▄▄───────────────────▄▄──
    ──────────▀█───────────────────▀█─
    ──────────▄█───────────────────▄█─
    ──█████████▀───────────█████████▀─
    ───▄██████▄─────────────▄██████▄──
    ─▄██▀────▀██▄─────────▄██▀────▀██▄
    ─██────────██─────────██────────██
    ─██───██───██─────────██───██───██
    ─██────────██─────────██────────██
    ──██▄────▄██───────────██▄────▄██─
    ───▀██████▀─────────────▀██████▀──
    ──────────────────────────────────
    ──────────────────────────────────
    ──────────────────────────────────
    ───────────█████████████──────────
    ──────────────────────────────────
    ──────────────────────────────────

  115. Marciano Diz:

    Montalvão, tá me devendo 10 centavos.
    Estou pasmado!

  116. Marciano Diz:

    Os 10 centavos foram pela tradução de “I’m flabbergasted”. Sei que você não sabia traduzir (sou paranormal, não se esqueça).
    Vou dar uma olhada no novo post, digo, artigo.

  117. Gorducho Diz:

    A decência me obriga confessar que eu não conhecia esse vocábulo tb. ❗
    :oops:

  118. Marciano Diz:

    Pois então, Gorducho, pasmado, perplexo, atônito. Escolha uma. Mas a palavra é comum no dia a dia.
    Agora que chamei sua atenção para ela, preste atenção quando for ler um romance, ver um filme, e verá que ela surge de vez em quando.
    Mais ou menos com a mesma frequência que seus correspondentes em português. Não é dessas palavras que espíritas gostam de exibir em suas “psicografias”. É de uso comum. Pode acreditar.
    Sinônimo de bewildered, overly astonished.
    Procurei um exemplo para ilustrar e encontrei um bem popular:
    “Ginny!” said Mr. Weasley, flabbergasted. “Haven’t I taught you anything? What have I always told you? Never trust anything that can think for itself if you can’t see where it keeps its brain?”

    ? J.K. Rowling, Harry Potter and the Chamber of Secrets.
    Mas a picardia era com o Presidente. Juro que não pensei que sabia a seu respeito. Quanto ao Presidente, aposto minh’alma.

  119. Marciano Diz:

    Exemplos, à guisa de fixação:
    – Tod was flabbergasted. Never had she said those words to him. It was totally unlike her.
    Another one:
    –James was somewhat flabbergasted at the little wink Lucy had given him when she’d said ‘upstairs’ and even more surprised by the reaction his sister sitting on his lap had caused in his (censored).
    – Cecil was flabbergasted at the confident and straight
    forward manner his bride replied.
    – Mandy had guessed from the start that Bobby and Cathy were a little more friendly than mother and son ought to be, but Kevin and Debby were absolutely flabbergasted to hear such blatant revelations.
    Estes outros autores foram só para bolir com sua pudicícia.

  120. MONTALVÃO Diz:

    /
    Marciano Diz:
    .
    Montalvão, tá me devendo 10 centavos.
    Estou pasmado!
    /.
    CONSIDERAÇÃO: UÉ, essa mostra não era “digrátis”? Fui enganado?

  121. Marciano Diz:

    São psicografias que tenho em meus arquivos paranormais. Só posto aqui quando estão em alemão, italiano ou francês, justamente para não deixar os leitores ou comentaristas pudibundos.
    Êpa! Eu não inventei esta palavra. Pudibundo tem em dicionários. Não faz parte do meu vocabulário. São esses espíritos fanfarrões.

  122. Marciano Diz:

    Antes que censurem o “pudibundo”, vejam no Houaiss:
    Derivação: por metonímia.
    da cor de faces coradas; rubicundo
    Datação: 1572.
    Só espíritos desencarnados há muito tempo usam o vocábulo.

  123. MONTALVÃO Diz:

    /
    I’m deveras flabbergasted!

  124. Marciano Diz:

    Estão aí as vitualhas de cx, que não me deixam mentir.
    Recorde este exemplo de um antigo comentário meu.
    Pode ler sem susto. Não tem sujeira.
    Termina assim:
    Esse texto foi livremente plagiado de Arnaldo Jabor, enquanto este dormia e viajava por aí, em desdobramento físico.
    O PLÁGIO FOI PARA AGRADAR COC, que gosta de Ivo, uva, vovô e de ver coisas.
    Ivo viu a uva que vovô plasmou para a vovó, enquanto esta volitava junto de uns descasdados, falando cumé quié, ao lado do generoso irmão DPF, sopitado de tanto comer vitualhas.

  125. MONTALVÃO Diz:

    /
    “justamente para não deixar os leitores ou comentaristas pudibundos.”
    /
    CONSIDERAÇÃO: minha pudicícia deixa-me pudibundo ao ouvir impudicícias!

  126. Marciano Diz:

    cx:
    “. . . a humanidade de Marte evoluiu mais rapidamente que a da Terra e que desde os pródromos da formação dos seus núcleos sociais, nunca precisou destruir para viver, longe das concepções dos homens terrenos cuja vida não prossegue sem a morte e cujos estômagos estão sempre cheios de vísceras e de “vitualhas” de outros seres da criação.
    Cartas de uma Morta.
     
    Do mesmo modo como essa nutrição canibalesca vos causa espanto e horror, também a vossa mórbida alimentação de vísceras e vitualhas sangrentas, ao molho picante, causa terrível impressão de asco às humanidades dos mundos superiores. Essas coletividades se arrepiam em face das descrições dos vossos matadouros, charqueadas, açougues e frigoríficos enodoados com o sangue dos animais e a visão patética de seus cadáveres esquartejados. Entretanto, a antropofagia dos selvagens ainda é bastante inocente, em face do seu apoucado entendimento espiritual; eles devoram o seu prisioneiro de guerra, na cândida ilusão de herdar-­lhe as qualidades intrépidas e o seu vigor sanguinário. Mas os civilizados, para atenderem às mesas lautas e fervilhantes de órgãos animais, especializam­-se nos caldos epicurísticos e nos requintes culinários, fazendo da necessidade do sustento uma arte enfermiça de prazer. O silvícola oferece o tacape ao seu prisioneiro, para que ele se defenda antes de ser moído por pancadas; depois, rompe­-lhe as entranhas e o devora, famélico, exclusivamente sob o imperativo natural de saciar a fome; a vítima é ingerida às pressas, cruamente, mas isso se faz distante de qualquer cálculo de prazer mórbido.
     
     
    Interessante essa visão vegetariana dos espíritos superiores.
    NSFG multiplicava sanduíches de pão e peixe, Pedro era pescador, comiam cordeiro, bebiam vinho, e esse pessoal que diz que segue o Mestre fica com essas frescuras.

  127. Marciano Diz:

    E esse papo de vitualhas sangrentas é pura ignorância dos espíritos superiores.
    Já expliquei aqui antes que o sangue fica todo no matadouro. O que parece sangue na carne é apenas mioglobina, que não tem nada a ver com hemoglobina.
    Qualquer químico ou biólogo de botequem sabe disto.
    Quando fica marrom, pela oxidação, transforma-se em metamioglobina e quando se corta de novo, surge, também por oxidação, a oximioglobina, ainda mais vermelha.

  128. Marciano Diz:

    Fica pudibundo ou “ouvir”, mas ao ler, não, né, seu cara de pau?!

  129. Marciano Diz:

    Montalvão, aprenda comigo a dar um refresh (F5), para ver se algum comentário inseriu-se em meio aos outros.
    Leia acima o que eu disse sobre o vegetarianismo de religiosos farisaicos e depois leia Mateus, 11:19, para ver como NSFG era comilão e beberrão.
    Que o diga o casamento em Canaã.

  130. Marciano Diz:

    Eu tenho uma psicografia (em português BR) do pós-festa desse casamento em Canaã, mas não publico aqui para não deixar os demais pudibundos.
    Depois que tava todo mundo bêbado por causa das seis talhas de vinho, rolou muita coisa na festa, mas não vou contar. Quem quiser que faça sua própria psicografia.

  131. Marciano Diz:

    Na realidade, não vejo razão para pundonor, pois a festa foi HDMA, já morreu todo mundo mesmo…
    Mas não vou contar nada!

  132. Marciano Diz:

    Sou capaz de apostar como as primeiras cópias das escrituras gregas descreviam o pós-festa, mas os copistas censuraram o conteúdo.

  133. Gorducho Diz:

    É… mas fingir seria desleal: não sabia não.
    Eu diria que tou dumbfounded…
    Convertendo R$ 48.500 em EUR quiçá a gente poderia aproveitar melhor indo passear em Paris fazer uma pesquisa científica sobre aquela encarnação do Divaldo nas cercanias de Paris.

    Ou ele ir sozinho fazer o trabalho-de-campo científico (pois dificilmente ele iria querer usufruir da minha “agradável” companhia, claro) ❗

  134. Marciano Diz:

    Por 48.500 euros (não reais) eu viro fantasma e faço levitação, ou melhor, volitação.

  135. Marciano Diz:

    Psicografias pelo médium 𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔 🔞
    Vitor deveria fazer ele mesmo as traduções e eu e Gorducho ajudamos nas eventuais dúvidas, como já fizemos no passado.

  136. Gorducho Diz:

    👍
    Eu ajudo desde que não seja espiritismo estatístico.
    Como reiteradamente martelo, e de novo se viu tanto no “PG” en passant comentado quanto nos fenômenos em tela, o merveilleux NÃO TEM caráter estatístico :(

  137. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “o merveilleux NÃO TEM caráter estatístico”
    .
    É o mesmo que dizer: “A física de verdade não caráter estatístico. Que droga é essa de que não é possível determinar simultaneamente com a mesma precisão a velocidade e a posição de um elétron de determinado átomo? Ora, uma bola de futebol podemos precisar com perfeição sua posição e velocidade em campo. Essa física quântica não é física de verdade!” :D

  138. Gorducho Diz:

    Porque as alegações referentes ao merveilleux NÃO TEM estatísticas embutidas.
    Quando o monstro aquele rasgava os estofados… precisa escrever um programa estatístico em R, Python, ou na linguagem que seja pra constatar ele (o fenômeno) ❓
    Ou a moça que foi praticamente jogada pra cima pelo que se depreende, e caiu até com risco físico pra ela.
    Onde que entram médias; medianas; desvio padrão; variâncias; níveis de confiança; blah blah blah!!!
    nisso ❓

  139. Gorducho Diz:

    Quando o espírito do pai do DT diz pra Feda que viu uma pera murcha na parte de trás do guarda comidas; ou a mancha de umidade; e a Feda repassa a info pra Ms Osborne Leonard (eram elas a guia espiritual + médium no caso, certo?) onde tem cálculos estatísticos aí ❓

  140. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Porque as alegações referentes ao merveilleux NÃO TEM estatísticas embutidas.”
    .
    As alegações ocorrem em situações espontâneas, não reprodutíveis (ao menos não eticamente reprodutíveis). Sob situações controladas, a magnitude do fenômeno será muito menor, pois os fatores que aumentam a magnitude do fenômeno (risco de morte, estresse, alguma forma de sofrimento, por exemplo) não estarão presentes.
    .
    Mesmo assim o caráter estatístico é muitas vezes apenas um acessório. Por exemplo, em ganzfeld há descrições dos alvos inacreditavelmente precisas, em que fica bastante clara a ocorrência de um fenômeno paranormal. Mas a qualidade da descrição não entra nos cálculos estatísticos, apenas se acertou ou errou na escolha do alvo.

  141. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: ” uma pera murcha na parte de trás do guarda comidas; ou a mancha de umidade; e a Feda repassa a info pra Ms Osborne Leonard (eram elas a guia espiritual + médium no caso, certo?) onde tem cálculos estatísticos aí ?”
    .
    Essas descrições altamente precisas também ocorrem em ganzfeld, é isso que estou dizendo.

  142. Gorducho Diz:

    ============================================================
    Essas descrições altamente precisas também ocorrem em ganzfeld, é isso que estou dizendo.

    ============================================================

    É isso: quando o fenômeno é real, ou seja: o “paranormal” É paranormal, não tem estatística.

    Desde que não tenha estatística, posso lhe ajudar.

  143. MONTALVÃO Diz:

    /
    GORDUCHO DISSE: “Porque as alegações referentes ao merveilleux NÃO TEM estatísticas embutidas.”
    .
    VITOR: As alegações ocorrem em situações espontâneas, não reprodutíveis (ao menos não eticamente reprodutíveis). Sob situações controladas, a magnitude do fenômeno será muito menor, pois os fatores que aumentam a magnitude do fenômeno (risco de morte, estresse, alguma forma de sofrimento, por exemplo) não estarão presentes.
    ./
    CONSIDERAÇÃO: sem discutir a discutível alegação de que psi ocorre em circunstâncias especiais e estas estariam bem definidas, a alegada impossibilidade de criar artificialmente ambiente propício à produção de psi é verdadeira se tomada em sentido relativo. É fato que não seria ético pôr testandos sob risco de morte para conferir se telepatizam intensamente. Porém, poder-se-iam criar situações ilusórias, e tecnicamente controladas, que levassem o experimentando ao estresse sem pô-lo de verdade sob risco. O crente se escuda nessas desculpinhas para preservar a fé, mas é óbvio que se psi existisse as manifestações espontâneas ocorreriam com frequência e seriam facilmente detectáveis, pois praticamente todas as pessoas teriam vivências do tipo.
    /
    /

    VITOR: Mesmo assim o caráter estatístico é muitas vezes apenas um acessório. Por exemplo, em ganzfeld há descrições dos alvos inacreditavelmente precisas, em que fica bastante clara a ocorrência de um fenômeno paranormal. Mas a qualidade da descrição não entra nos cálculos estatísticos, apenas se acertou ou errou na escolha do alvo.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: achar psi sem estatística é como procurar um papel preto numa noite escura, sem lanterna disponível. As declaradas “inacreditáveis” descrições precisas, são inacreditáveis nada além. Psi é como cabeça de bacalhau: todos “sabem” que existe, mas ninguém nunca viu!
    .
    Nada obstante, algo foi dito carregado de sabedoria: “a qualidade da descrição não entra no cálculo estatístico”: isso tanto para o bom quanto para o ruim, sendo que o ruim é o mais comum. Assim se um sensitivo informa ter percebido algo “quadrático” quando o alvo é um portão, e é tomado como acerto, a qualidade dessa descrição não pesa na avaliação estatística!
    /
    /
    GORDUCHO DISSE: ” uma pera murcha na parte de trás do guarda comidas; ou a mancha de umidade; e a Feda repassa a info pra Ms Osborne Leonard (eram elas a guia espiritual + médium no caso, certo?) onde tem cálculos estatísticos aí ?”
    .
    VITOR: Essas descrições altamente precisas também ocorrem em ganzfeld, é isso que estou dizendo.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: ainda que, com muita generosidade, se admitisse que Osborne canalizava espíritos, o que fere a regra consumada de que mortos não comunicam, e teria que ser muita generosidade mesmo, visto que o estudo das apresentações de Osborne deixa claro que a mulher era hábil simuladora, as descrições precisas que fazia não eliminam o uso de truques e complicidade de capangas. O principal testador de Gladys criava facilitadores para que a mediunidade fluísse rica e abundantemente. Se o fazia por não perceber a falha, ou por querer provar a qualquer custo a tese que defendia fica difícil afirmar com segurança.

    /
    /

    ==================================
    VITOR: Essas descrições altamente precisas também ocorrem em ganzfeld, é isso que estou dizendo.
    =====================================
    ?
    GORDUCHO DISSE: É isso: quando o fenômeno é real, ou seja: o “paranormal” É paranormal, não tem estatística. Desde que não tenha estatística, posso lhe ajudar.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: creio que “real” deveria vir entre aspas. A não ser que admita que psi possa ser realidade em alguns casos, o que não me parece ser seu caso. Psi continua a mesma desde que nasceu: hipótese a espera de comprovação!
    .

  144. Gorducho Diz:

    Se o(a) [candidato(a) a] “paranormal” for paranormal, não precisa de estatísticas.
    Simples assim.

  145. Gorducho Diz:

    Não teve um(a) “paranormal” que era uma igreja e enxergou 1 cata-vento daqueles pra poço artesiano – ou vice-versa… Sr. Administrador

  146. MONTALVÃO Diz:

    /
    Gorducho Diz:
    Se o(a) [candidato(a) a] “paranormal” for paranormal, não precisa de estatísticas. Simples assim.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: 🙆

  147. Marciano Diz:

    As manifestações extra-sensoriais ou de paranormalidade estão intimamente associadas ao espiritismo. A referência mais antiga encontra-se no Velho Testamento, com o relato da visita de Saul à pitonisa ou médium de Endor, que materializou a presença do profeta Samuel (I Sam 28:7-19).
     
    O termo ocultismo, criado no século XIX pelo francês Eliphas Lévi (Alphonse Louis Constant), designa a série de teorias, práticas e rituais que têm por base conhecimentos secretos e a possibilidade de invocar forças desconhecidas, sejam da mente ou da natureza. A alquimia, a astrologia, a cabala e a bruxaria estão entre as mais antigas formas de ocultismo.
     
    O aparecimento de doutrinas ocultas ou esotéricas, que permanecem restritas a um pequeno grupo de iniciados, é uma característica comum a todas as antigas culturas. Com métodos próprios destinados a curar enfermidades, obter determinados bens ou adivinhar o futuro, essas doutrinas pressupõem a existência de espíritos e de forças ocultas que governam o universo. Muitas das formas de ocultismo tiveram origem em religiões secretas, tais como a bruxaria, que reproduzia, na Idade Média, rituais de cultos pré-cristãos. Outras se baseavam em conhecimentos de caráter filosófico, como a astrologia e a alquimia, que se propunham uma síntese de todo o saber.
     
    Nos últimos anos do século XX, preservavam-se resquícios de pensamento mágico, como o do mau-olhado e o da eficácia dos amuletos. Em campos como a parapsicologia e o espiritismo, as ciências ocultas se propõem estudar fenômenos de difícil interpretação com o auxílio de métodos científicos ou não.
     
    De acordo com a Wikipédia, Paranormal events are phenomena described in popular culture, folk, and other non-scientific bodies of knowledge, whose existence within these contexts is described to lie beyond normal experience or scientific explanation.
    A paranormal phenomenon is different from hypothetical concepts such as dark matter and dark energy. Unlike paranormal phenomena, these hypothetical concepts are based on empirical observations and experimental data gained through the scientific method.
    The most notable paranormal beliefs include those that pertain to ghosts, extraterrestrial life, unidentified flying objects, psychic abilitiesor extrasensory perception, and cryptids.
     
    Eventually (eventually signigica “com o passar do tempo, por fim, não “eventualmente”), more mainstream scientists became critical of parapsychology as an endeavor, and statements by the National Academies of Science and the National Science Foundation cast a pall on the claims of evidence for parapsychology. Today, many cite parapsychology as an example of a pseudoscience.
     
    Parapsychology has been criticized for continuing investigation despite being unable to provide convincing evidence for the existence of any psychic phenomena after more than a century of research. ✳️
     
    By the 2000s, the status of paranormal research in the United States had greatly declined from its height in the 1970s, with the majority of work being privately funded and only a small amount of research being carried out in university laboratories. In 2007, Britain had a number of privately funded laboratories in university psychology departments.* Publication remained limited to a small number of niche journals,* and to date there have been no experimental results that have gained wide acceptance in the scientific community as valid evidence of the paranormal.✸

     
     
    ✳️ Hines, Terence. (2003). Pseudoscience and the Paranormal. Prometheus Books. p. 144. ISBN 1-57392-979-4 “It is important to realize that, in one hundred years of parapsychological investigations, there has never been a single adequate demonstration of the reality of any psi phenomenon.”

     
    Cordón, Luis A. (2005). Popular Psychology: An Encyclopedia. Greenwood Press. p. 182. ISBN 0-313-32457-3. “The essential problem is that a large portion of the scientific community, including most research psychologists, regards parapsychology as a pseudoscience, due largely to its failure to move beyond null results in the way science usually does. Ordinarily, when experimental evidence fails repeatedly to support a hypothesis, that hypothesis is abandoned. Within parapsychology, however, more than a century of experimentation has failed even to conclusively demonstrate the mere existence of paranormal phenomenon, yet parapsychologists continue to pursue that elusive goal.”
     
    ✸ Oling-Smee, L (2007-03-01). “The lab that asked the wrong questions”. Nature. 446 (7131): 10–1. doi:10.1038/446010a. PMID 17330012.

  148. Gorducho Diz:

    ============================================================
    🙆
    ============================================================
    :o
    Não concorda ❓
    SE o (suposto) “unicórnio” for um unicórnio, ENTÃO…

  149. Marciano Diz:

    Eu concordo. Quem não entendeu foi o Presidente.
    Eu até sustento que se JC for o Nosso Senhor, ENTÃO…
    Se a comunicação espiritual provém dos espíritos, ENTÃO…
    Se os discos voadores forem pilotados por ETs, ENTÃO…

  150. Marciano Diz:

    Aliás, se o Monstro do Espaguete Voador voa, ENTÃO…

  151. Marciano Diz:

    Eu até vou mais longe. Acho que se o unicórnio cor de rosa invisível não for um unicórnio, mas for invisível (apesar de cor de rosa, entendeu, Presiente?), ENTÃO…

  152. Marciano Diz:

    Desculpe, Sr. Presidente. PRESIDENTE. É que Vossa Excelência é presciente.
    BTW: The dream is over. Or the nightmare.
    Voltamos à realidade, ao menos no que diz respeito à pátria de chuteiras.

  153. MONTALVÃO Diz:

    /
    “As manifestações extra-sensoriais ou de paranormalidade estão intimamente associadas ao espiritismo. A referência mais antiga encontra-se no Velho Testamento, com o relato da visita de Saul à pitonisa ou médium de Endor, que materializou a presença do profeta Samuel (I Sam 28:7-19).”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: o relato não faculta tal interpretação (de que houve materialização). Nenhum dos presentes viu a Samuel, apenas ouviram o que a necromante dizia. Do mesmo modo que, modernamente, fazem os médiuns…

  154. MONTALVÃO Diz:

    /
    Não concorda ?
    SE o (suposto) “unicórnio” for um unicórnio, ENTÃO…
    /.
    CONSIDERAÇÃO: concordei, o bonequinho está fazendo com os dedos o sinal americano de “ok”, é que quase não dá para ver: preciso arrumar bonequinhos mais visualizáveis!

  155. MONTALVÃO Diz:

    /
    Marciano Diz:
    .
    Aliás, se o Monstro do Espaguete Voador voa, ENTÃO…
    /.
    CONSIDERAÇÃO: quem voa é o espaguete, por isso é “avoador” (o espaguete)…

  156. MONTALVÃO Diz:

    /
    Fala-se que na rede circula pouca coisa que preste, mas alguma coisa que presta circula o negócio é do baralho!
    .
    Vejam a coleção de verdade que segue:
    /
    =====================.
    DAVID HAWKINS E A CIÊNCIA DO AMOR!
    .
    Nos Estados Unidos descobriram surpreendentemente que, o que as células cancerígenas mais têm medo é de “amor”!
    .
    O estudo descobriu que muitas pessoas estão doentes por falta de “amor!” O Dr. David Hawkins é um médico muito conhecido nos Estados Unidos e já tratou muitos pacientes em todo o mundo.
    .
    Ele disse que ao ver o paciente já sabe a causa da doença. Ele disse que seus pacientes não falam de amor, só falam de dor, de ressentimento, de frustração, o pacote inteiro está preso ao corpo do paciente.
    .
    Dr. Hawkins disse: “Muitas pessoas ficam doentes porque não tem amor, só tem dor e frustração. Pessoas com freqüências de vibração abaixo de 200, são fáceis de ficar doente.” Freqüência vibracional é comumente conhecida como o campo magnético.
    .
    David Hawkins descobriu que as pessoas que estão doentes geralmente têm pensamentos negativos. Com frequência de vibração acima de 200, as pessoas não ficam doentes. Geralmente, seus pacientes têm frequência de vibração abaixo de 200. Quais são os pensamentos que têm freqüências de vibração abaixo de 200? Pessoas que gostam de reclamar, culpar e ter ódio dos outros, a frequência é apenas cerca de trinta ou quarenta, quem constantemente acusa os outros, diminui uma grande quantidade de energia, de modo que a freqüência de vibração fica abaixo de 200.
    .
    Essas pessoas facilmente adquirem muitas doenças diferentes. O índice de vibração mais alto é 1000 e o índice mais baixo é 1. Ele disse que neste mundo, a maior freqüência de vibração que ele viu foi de 700, a sua energia é particularmente suficiente, quando essas pessoas aparecem, podem afetar o campo magnético local.
    .
    No Prêmio Nobel da Paz, Madre Teresa apareceu na premiação. Na época, toda a atmosfera foi muito boa, com alta frequência de vibração, de modo que a audiência sentiu a energia do campo magnético, que estava cheio de beleza e comoveu à todos. Quando uma pessoa de alta energia aparece, a sua energia faz com que o campo magnético de todas as coisas se torne belo e pacífico, mas quando uma pessoa tem um monte de pensamentos negativos, ela não somente fere a si mesmo, mas o campo magnético que a circunda se torna ruim.
    .
    Dr. Hawkins disse que ele testou milhões de casos e pesquisou diferentes raças ao redor do mundo. A resposta é a mesma. Enquanto a frequência de vibração for inferior a 200, a pessoa está doente. Se for acima de 200, não terão doenças. Quais são os pensamentos acima de 200? Gostar de cuidar dos outros, compaixão, amor, boas ações, tolerância, etc. Estas são freqüências de alta vibração, atingindo de 400 a 500.
    .
    Em vez disso, como ódio, raiva, culpar, ressentimento, ciúme, ser exigente com os outros, as coisas egoístas, só consideram a si próprios, com pouca consideração pelos sentimentos dos outros, a frequência de vibração dessas pessoas é baixa. Estas vibrações de baixa frequência também levam ao câncer, causam doenças de coração e outras doenças. Ele nos disse que o pensamento, do ponto de vista médico, é realmente incrível, o pensando tem uma grande influência na saúde das pessoas.
    .
    O poder do amor.
    .
    Depois que o violoncelista japonês Sean sofreu de câncer, ele tentou combater a doença, mas se sentiu cada vez pior. Ele ajustou sua mente e decidiu amar todas as células cancerosas de seu corpo. Ele considerou a intensa dor do câncer como um “serviço de despertar”, com bênçãos e gratidão. Ele achou isso bom. Então ele decidiu amar toda a vida, incluindo todos, tudo. Depois de um tempo, foi inesperado que todas as células cancerígenas tivessem desaparecido. Mais tarde, ele se tornou um conhecido terapeuta no Japão. Essa é a essência da vida – “amor”.
    =========================.

  157. MONTALVÃO Diz:

    /
    Que falta faz um editor!
    /
    =================.
    Fala-se que na rede circula pouca coisa que preste, mas QUANDO alguma coisa que presta circula o negócio é do baralho!
    .
    Vejam a coleção de verdadeS que segue:
    =====================.
    / Pronto. Editado!

  158. Marciano Diz:

    Como existem charlatães se passando por médicos, cientistas, etc.
    Esse tal de Dr. Hawkins deveria ser preso e contaminado com as mais terríveis doenças. Depois, ele que se virasse com tanto “amor”.

  159. Marciano Diz:

    https://www.amazon.com/Love-Way-Being-David-Hawkins/dp/1938033949
    Um lixo humano desses é psiquiatra e performer midiático.

  160. Marciano Diz:

    Aliás, o “Dr.” Hawkins é mais um charlatão que faz uso da FQM, aquela do Vereza.
    Escreve livros de auto-ajuda e faz palestras para tontos.
    Tem gente tão retardada que dorme com seus livros sob o travesseiro. Para absorver as altas “vibrações”.
    Sua equipe de apoiadores TAMBÉM costuma ameaçar com processos quem se atreve a criticar suas falcatruas.

  161. Marciano Diz:

    Tem gente se aproveitando para pegar carona na charlatanice de Hawkins:
    Aprenda a vibrar na frequência dos seus sonhos; Como se conectar com a fonte, ou seja, como colapsar a função de onda e materializar todos os teus sonhos através da Reprogramação Vibracional e práticas de alinhamento energético.
     
    Dediquei os últimos 3 anos da minha vida em estudos sobre frequência vibracional e da consciência, baseados na tabela de emoções do Dr. David Hawkins. Me sinto completamente segura em ensinar algo tão fantástico, pois esse foi o estudo que transformou minha vida!!

  162. Marciano Diz:

    Escala Hawkins da Consciência
     

    A mente não distingue o que é real do que não é real. Uma lembrança e um acontecimento no presente para a mente é a mesma coisa.
     
    Toda vez que imaginamos uma situação, estamos colapsando a realidade, justamente porque o cérebro não consegue distinguir o real do imaginário.
     
    Quando desejamos algo, estamos colapsando, porém, nem sempre os desejos são materializados, pois colocamos, ansiedade, medo, vibrações muito baixas que impedem que o desejo se realize, também chamado de Efeito Zenão.
     
    “Todo apego cria um Efeito Zenão, que paralisa o processo de manifestação do que se deseja”. Quanto mais apego menos resultados temos, essa é a base do que ensinamos no Treinamento Holo Cocriação de Sonhos e Metas

  163. Marciano Diz:

    Se não existissem os desonestos que compram produtos roubados ou furtados, não existiriam ladrões;
    Se não existissem os drogados que compram maconha, cocaína, crack, etc., dos traficantes, não existiriam traficantes;
    Se não existissem os otários que acreditam em charlatanices, não existiriam charlatães.

  164. MONTALVÃO Diz:

    /
    Testes:
    😢
    😢
    /
    😤
    😤
    /
    😳
    😳
    /
    🙅
    🙅
    /
    🙆
    🙆

  165. Marciano Diz:

    Aqui não são aceitos, Montalvão.
    Deveria se assim: style=”width:500px;height:600px;”>, acho.

  166. Marciano Diz:

    O tamanho das fontes também não dá para aumentar.
    Tem de apelar para a criatividade para escrever
    ───────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────
    ─██████████████─████████████████───██████████████─██████──────────██████─████████████───██████████████─
    ─██░░░░░░░░░░██─██░░░░░░░░░░░░██───██░░░░░░░░░░██─██░░██████████──██░░██─██░░░░░░░░████─██░░░░░░░░░░██─
    ─██░░██████████─██░░████████░░██───██░░██████░░██─██░░░░░░░░░░██──██░░██─██░░████░░░░██─██░░██████████─
    ─██░░██─────────██░░██────██░░██───██░░██──██░░██─██░░██████░░██──██░░██─██░░██──██░░██─██░░██─────────
    ─██░░██─────────██░░████████░░██───██░░██████░░██─██░░██──██░░██──██░░██─██░░██──██░░██─██░░██████████─
    ─██░░██──██████─██░░░░░░░░░░░░██───██░░░░░░░░░░██─██░░██──██░░██──██░░██─██░░██──██░░██─██░░░░░░░░░░██─
    ─██░░██──██░░██─██░░██████░░████───██░░██████░░██─██░░██──██░░██──██░░██─██░░██──██░░██─██░░██████████─
    ─██░░██──██░░██─██░░██──██░░██─────██░░██──██░░██─██░░██──██░░██████░░██─██░░██──██░░██─██░░██─────────
    ─██░░██████░░██─██░░██──██░░██████─██░░██──██░░██─██░░██──██░░░░░░░░░░██─██░░████░░░░██─██░░██████████─
    ─██░░░░░░░░░░██─██░░██──██░░░░░░██─██░░██──██░░██─██░░██──██████████░░██─██░░░░░░░░████─██░░░░░░░░░░██─
    ─██████████████─██████──██████████─██████──██████─██████──────────██████─████████████───██████████████─
    ───────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────

  167. Marciano Diz:

    Uma coisa que já desisti de tentar fazer aqui é ͟s͟͟u͟͟b͟͟l͟͟i͟͟n͟͟h͟͟a͟r textos.

  168. Marciano Diz:

    A linha sai fininha. O melhor é sublinhar várias vezes a ͇p͇͇a͇͇l͇͇a͇͇v͇͇r͇͇a͇.

  169. Marciano Diz:

    Não consigo fazer ̲͟d̲̲͟͟i̲̲͟͟r̲̲͟͟e̲̲͟͟i̲̲͟͟t̲̲͟͟o̲͟.
    Melhor do que nada.

  170. Marciano Diz:

    As letras grandes podem ser em vários
    ─────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────
    ─██████████████─██████████████─██████████████─██████████─██████─────────██████████████─██████████████────────
    ─██░░░░░░░░░░██─██░░░░░░░░░░██─██░░░░░░░░░░██─██░░░░░░██─██░░██─────────██░░░░░░░░░░██─██░░░░░░░░░░██────────
    ─██░░██████████─██░░██████████─██████░░██████─████░░████─██░░██─────────██░░██████░░██─██░░██████████────────
    ─██░░██─────────██░░██─────────────██░░██───────██░░██───██░░██─────────██░░██──██░░██─██░░██────────────────
    ─██░░██████████─██░░██████████─────██░░██───────██░░██───██░░██─────────██░░██──██░░██─██░░██████████────────
    ─██░░░░░░░░░░██─██░░░░░░░░░░██─────██░░██───────██░░██───██░░██─────────██░░██──██░░██─██░░░░░░░░░░██────────
    ─██░░██████████─██████████░░██─────██░░██───────██░░██───██░░██─────────██░░██──██░░██─██████████░░██────────
    ─██░░██─────────────────██░░██─────██░░██───────██░░██───██░░██─────────██░░██──██░░██─────────██░░██────────
    ─██░░██████████─██████████░░██─────██░░██─────████░░████─██░░██████████─██░░██████░░██─██████████░░██─██████─
    ─██░░░░░░░░░░██─██░░░░░░░░░░██─────██░░██─────██░░░░░░██─██░░░░░░░░░░██─██░░░░░░░░░░██─██░░░░░░░░░░██─██░░██─
    ─██████████████─██████████████─────██████─────██████████─██████████████─██████████████─██████████████─██████─
    ─────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────

  171. Marciano Diz:

    Acabou saindo igual, mas este estilo aqui é
    █▀▀█ █░░█ ▀▀█▀▀ █▀▀█ █▀▀█
    █░░█ █░░█ ░░█░░ █▄▄▀ █░░█
    ▀▀▀▀ ░▀▀▀ ░░▀░░ ▀░▀▀ ▀▀▀▀ .
    Prefiro o anterior, mas prometo usá-lo com moderação. Só quando for estritamente necessário.
    Agora, foi só pra mostrar ao Presidente.

  172. MONTALVÃO Diz:

    /
    ?

  173. MONTALVÃO Diz:

    /
    💔

  174. Marciano Diz:

    Montalvão, eu já disse que não tem jeito. Se tivesse, o Gorducho ou eu já teríamos feito.
    E eu TAMBÉM percebi a alfinetada no Vice:
    “Que falta faz um editor”.
    Essa falta de lealdade entre correligionários é que faz a Bancada ser quase cética.

  175. Gorducho Diz:

    Teste de underline

  176. Gorducho Diz:

    Como o Sr. fez pra sublinhar, Analista Marciano?
     
    <u>underline</u> (sim, eu sei que no 4 foi deprecado 👍 mas cá nos meus navegadores funciona) não adianta.
     

     

    sublinhado

    👎

  177. Marciano Diz:

    O jeito é aumentar a tela.

    Eu também gostaria que eles aparecessem um pouquinho maiores.
    🏆

  178. Marciano Diz:

    https://www.youtube.com/watch?v=K0DSeUPpl48

  179. Marciano Diz:

    Gorducho, é só escrever normalmente, mas colocar antes e depois de cada letra o 320.
    O problema é que, como você viu, não sai direito.
    O <u não funciona aqui.
    Foi a primeira coisa que tentei. Como vi que não funciona, apelei para a criatividade.
    ̠

  180. Marciano Diz:

    Eu montei uma tabela com o alfabeto, maiúsculas e minúsculas, e me sirvo dela, mas dá um pouco de trabalho.

  181. Marciano Diz:

    Estou trabalhando num projeto de aumento das imagens que o Presidente adora, mas não tenho tido sucesso nem nas w3.
    Como você sabe, nem tudo o que funciona lá funciona aqui.
    Agora estou de saída.
    Volto amanhã.

  182. Gorducho Diz:

    Brilhante :!:
    T̲e̲s̲t̲a̲n̲d̲o̲ ̲o̲ ̲s̲u̲b̲l̲i̲n̲h̲a̲d̲o̲ ̲c̲o̲m̲ ̲o̲ ̲d̲e̲c̲i̲m̲a̲l̲ ̲8̲1̲8̲
     
     
    Notepad++
    Localizar (regex) (.)
    Substituir por \1&#818;
     
    Ref. pra regex: stackoverflow
    Regex

  183. Gorducho Diz:

    T̠e̠s̠t̠a̠n̠d̠o̠ ̠o̠ ̠s̠u̠b̠l̠i̠n̠h̠a̠d̠o̠ ̠c̠o̠m̠ ̠x̠3̠2̠0̠ ̠a̠n̠t̠e̠s̠ ̠e̠ ̠d̠e̠p̠o̠i̠s̠ ̠d̠e̠ ̠c̠a̠d̠a̠ ̠c̠a̠r̠a̠c̠t̠e̠r̠e̠

     

     

    Não ficaram bem como seu s??u??b??l??i??n??h??a?r

  184. Gorducho Diz:

    T̲e̲s̲t̲a̲n̲d̲o̲_o̲_s̲u̲b̲l̲i̲n̲h̲a̲d̲o̲_c̲o̲m̲_d̲e̲c̲i̲m̲a̲l̲_8̲1̲8̲

  185. Gorducho Diz:

    e underscore como branco…
     
    Cá “Testando” e “sublinhado” renderizam 👍 sem falhas nos navegadores. O resto tb. não fica bem :(

  186. Marciano Diz:

    É como eu disse. Não fica perfeito, mas é melhor do que nada.
    Curioso é que eu usei 320 e você 818.
    Estou trabalhando no problema do Presidente, mas tudo o que tentei até agora restou infrutífero.
    Ainda não desisti.

  187. Marciano Diz:

    Se tiver alguma ideia sobre a questão smileys em tamanho maior, discuta comigo.
    O que tentei (mais acima) não deu certo, obviamente, por causa das restrições do mecanismo cá.
    Tenho tentado ser criativo, com outras abordagens, como fiz com o sublinhado, mas sem sucesso, até o momento.
    Sabe como é, duas cabeças pensam melhor do que uma. Ainda mais se as duas cabeças forem as nossas. Ops! Esqueci-me da modéstia.
    Desconsidere a falta de humildade.
    Como disse o Presidente, sou um pândego. Perco a linha, mas não perco a piada.

  188. Gorducho Diz:

    É que não se tem acesso à formatação. A estilização CSS inline
     
     
    <p style="font-size: 48px;">
    fonte...<br>
    &#x1F480;
    </p>
     
     
    funciona 👍 mas cá o parser não permite o acesso nosso.

  189. Gorducho Diz:

    É que pra mim (hexa)320 sai pontilhado. Não sai bem, como o Sr. conseguiu fazer ( :?: )
     
    s&#x320;u&#x320;b&#x320;l&#x320;i&#x320;n&#x320;h&#x320;a&#x320;d&#x320;o&#x320;
     
    renderiza assim:
     
    s̠u̠b̠l̠i̠n̠h̠a̠d̠o̠

  190. Marciano Diz:

    Eu tive o mesmo problema, mas aí me ocorreu escrever #x73; , #x75; em vez de u, etc.
    Como dá muito trabalho, fiz a tal tabela.

  191. Marciano Diz:

    Mesmo com a tabela, dá bastante trabalho.
    Se eu soubesse programar em Python…

  192. Marciano Diz:

    Em vez de s, u, etc.

  193. Marciano Diz:

    Ainda não desisti do problema do Presidente.
    Estou tentando várias ideias com abordagens não ortodoxas, como fiz com o <u, mas não tenho conseguido.
    Não funciona nem nos TryItYourself.

  194. Gorducho Diz:


    Não entendi…
    Usando as entidades (“escapes” so to say) dá no mesmo. Fica descontínuo o sublinhado igual.
     
     
    É + fácil fazer em JavaScript, pois já usa os recursos do HTML sendo só 1 script na própria página onde se põe a área de texto pra colar e o botão.
    É o que eu uso cá.
    Claro que baseado nas muitas dicas que circulam pela web!
    Basicamente aplicação do método charCodeAt da classe string.
     

    function() {
    return this.replace(/./gm, function(s)
    {
    if (s.charAt(0) == ” “) return “ ”;
    else return “&#” + s.charCodeAt(0) + “;”;
    });
     
    Note que s é o string c/o texto a ser convertido pra entidades. Antes faz a substituição das novas linhas
    ‘\n’ pelo “” do HTML…
    Até agora funcionou perfeitamente, inclusive pro mandarim
    👍

  195. Gorducho Diz:

    No return pra espaço em branco saiu… espaço em branco :mrgreen: porque eu esqueci de escapar.
    Claro que vai o escape pro espaço: “& n b s p;”

  196. Gorducho Diz:

    … pelo “” do HTML, claro.

  197. Gorducho Diz:

    desisto… :(

  198. Gorducho Diz:

    Perdão :oops:
    s é string mas contendo só o caractere da vez que o robozinho da regex tá percorrendo.

  199. Marciano Diz:

    Agora quem não entendeu fui eu.
    Quando você escrever T̲e̲s̲t̲a̲n̲d̲o̲_o̲_s̲u̲b̲l̲i̲n̲h̲a̲d̲o̲_c̲o̲m̲_d̲e̲c̲i̲m̲a̲l̲_8̲1̲8̲, ficou melhor do que o meu, apesar de algumas descontinuidades.
    Eu fiz o mesmo, usando 320 em vez de 818.
    Experimentei agora o 818, para ver como fica.
    Estou sem tempo hoje, mas podemos voltar ao assunto amanhã.

  200. Marciano Diz:

    Quando escreveu.

  201. Marciano Diz:

    Fazendo um novo teste.

  202. Marciano Diz:

    Não deu certo.

  203. Marciano Diz:

    Foi a pressa. Novo t̲e̲s̲t̲e̲.

  204. Marciano Diz:

    Hoje estou absolutamente sem tempo.
    Amanhã eu coloco tudo desescapado aqui.
    diminuiu a fonte, mas saiu uma linha contínua.
    Vou só experimentar a frase inteira e ver como fica.
    T̲e̲s̲t̲a̲n̲d̲o̲ ̲o̲ ̲s̲u̲b̲l̲i̲n̲h̲a̲d̲o̲.̲.
    Desta vez, usei o 332. Acho que ficou melhor.

  205. Marciano Diz:

    Experimente com o 332. Amanhã eu volto.
    Estou sem tempo, pois hoje a agenda está apertada.
    Estou indo para a Barra, de lá vou ao Centro (da cidade :mrgreen: ), horários a cumprir.
    À noite viajo, mas amanha, lá pela hora do almoço ou ao fim do dia eu volto.
    Mas experimente o 332 e diga sua opinião.

  206. Gorducho Diz:

    That’s it
    👍
     
     
    t̲e̲s̲t̲a̲n̲d̲o̲ ̲o̲ ̲s̲u̲b̲l̲i̲n̲h̲a̲d̲o̲ ̲c̲o̲m̲ ̲(̲h̲e̲x̲a̲)̲3̲3̲2̲

  207. MONTALVÃO Diz:

    uai uai

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)