O PRIMEIRO LIVRO DE CLAUDE (1919), de L. KELWAY-BAMBER

A tradução é minha, a revisão é do Márcio Rodrigues Horta, a quem muito agradeço! O livro é uma série de comunicações de Claude, um rapaz morto na 1ª Guerra em 11/1915, para sua mãe. Algo interessante neste livro é que o suposto espírito do rapaz valida a reencarnação através de Gladys Osborne Leonard, médium britânica, cuja terra natal via de regra rejeitava a reencarnação. Para ler o livro, clique aqui.
.
Quem gostar da tradução e quiser nos ajudar financeiramente para futuras traduções em que teremos que pagar serviços profissionais, pode depositar qualquer valor nas seguintes contas:
.
BANCO DO BRASIL:
Agência: 0597-5
Conta: 31283-5
.
SANTANDER:
Agência: 3939
Conta: 01001497-4
.
ITAÚ:
Agência: 0576
Conta: 09879-2
.
Peço avisar nos comentários quem se dispor a ajudar para facilitar o controle das doações e receber os créditos quanto novas traduções forem postadas.

Uma resposta a “O PRIMEIRO LIVRO DE CLAUDE (1919), de L. KELWAY-BAMBER”

  1. Gorducho Diz:

    ============================================================
    Algo interessante neste livro é que o suposto espírito do rapaz valida a reencarnação
    ============================================================
    🙄
    though at times it goes beyond actual experience and trespasses on the fanciful with too much of what is presumably hearsay and secondhand information – about reincarnation, for instance – all which for my part I discount 👍

     
     

    I am told by friends here, that souls are sometimes reborn, reincarnated, in order to gain further experience, learn more lifelessons, or work out past sins and failings. Each earth life leaves its mark on character, and its lessons are for ever imprinted on the subconscious mind, which registers everything that has ever happened to the soul from the beginning. This, they say, explains much of the pain and trouble you see on Earth.

    [...]

    ! If reincarnation is a fact, as I believe it is, then of course there would be no overcrowding [...]
     
    Crença… crença que circulava lá na esfera onde eles tavam. Sem verificação real, vê-se 👎

    Como o Kardec disse + sem ulterior sucesso comprobatório como sabemos: OU reencarnação existe

    OU não.

     
     

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)