EVIDÊNCIAS PARA UM PÓS-VIDA? A CORRESPONDÊNCIA-CRUZADA DE KAULBACK- GARRETT (1971)

Ao longo da história da mediunidade, algumas das evidências mais convincentes para a sobrevivência após a morte vieram através de correspondências cruzadas entre vários médiuns. Um dos casos mais convincentes, embora pouco conhecido, de correspondências cruzadas é entre a Sra. A.M. Kaulback, que escrevia automaticamente, e a Sra. Eileen Garrett, médium de transe e presidente da Parapsychology Foundation. As personalidades de transe da Sra. Garrett, “Uvani” e “Abdul Latif” aparentemente adotaram a Sra. Kaulback como uma segunda médium para provar sua existência como personalidades separadas independentes da Sra. Garrett. “Uvani” afirmou ter sido um soldado na Índia séculos atrás e “Abdul Latif” um médico na corte persa de Saladino no século XII. Para ler o artigo, clique aqui. Para quem quiser ver o original em inglês e sugerir melhorias na tradução, clique aqui.

41 respostas a “EVIDÊNCIAS PARA UM PÓS-VIDA? A CORRESPONDÊNCIA-CRUZADA DE KAULBACK- GARRETT (1971)”

  1. Gorducho Diz:

    + 1 prova que todo kardecismo é pura fantasia:
     
    ► REENCARNAÇÃO NÃO EXISTE (como aliás sempre ensinou o espiritismo anglo original): o Abdul Latif morreu em 1231 e não + reencarnou pelo jeito.

    ► Nem as encarnações nos outros globos: ele ficou todo esse tempo rondando é cá a Terra 👍

  2. Vitor Diz:

    Olha… acho um pouco difícil que a Garrett não acreditasse em reencarnação, uma vez que ela patrocinou as pesquisas de Ian Stevenson. Aliás, o primeiro caso que Stevenson investigou foi graças a ela. Ou então ela era uma pessoa que pagou ele para mostrar que aquilo era uma fraude e o tiro saiu pela culatra… mas não acho que tenha sido isso.

  3. Gorducho Diz:

    No que ela “acreditava” ou não é irrelevante. Temos o FATO constatado por elas de que o Abdul Latif não reencarnou – pelo menos é o que aparenta visto que ele se apresenta com a mesma identidade do século (cristão) XIII – cá na Terra e nem noutro planeta + adiantado (say Vênus, Júpiter…) como prega o cânone kardecista.

  4. Gorducho Diz:

    estavam perto da água, trazidos à costa num bote com remadores indianos
     
    Conte a Rony que o vi aterrissando em Port Said
    😲
    Será que ele foi pela Imperial Airways :?:
     
    Penso que seria esvoaçando em flamulas…

  5. Gorducho Diz:

    Uvani” afirmou ter sido um soldado na Índia séculos atrás

     
    Uvani, em vida, você já conversou realmente com mulheres?” Ele respondeu: “Nenhuma, madame, eu lhes dizia doces palavras que não significavam nada. Que árabe falaria com mulheres como com homens?

    [...]

     

     

    Decerto ele servia em alguma das tropas muçulmanas que invadiram territórios da atual Índia diversas vezes entre os séculos (cristãos) XII a XVI então 🤔

  6. Vitor Diz:

    Admito que aterrissar em vez de desembarcar foi bizarro… :P

    Artigo atualizado. Grato! Vou pesquisar pra ver se o Abdul Latif não falou de outras vidas… esse pelo menos sabemos que existiu de fato:

    https://en.wikipedia.org/wiki/Abd_al-Latif_al-Baghdadi

  7. Gorducho Diz:

    A travessia Gênova → Alexandria era num hidroavião S.8
    Claro, até aí não teria problema o espírito ditar “aterrissou” 👍 pois nem eu sei como se diz se o pouso for em água doce…
    O problema é que pelo menos em tese era em Alexandria a chegada. Mas quiçá operasse sometimes ou por algum tempo em Port Said 🤔
    :?:
    (depois comboio até o Cairo → DH.66)
     
     

    indo para a costa de remo por trabalhadores

  8. Gorducho Diz:

    Claro: no caso “land” (que foi o que o espírito ditou, óbvio…) depende de contexto…

  9. Vitor Diz:

    Vou deixar “trazidos à costa num bote com remadores indianos” mesmo, na versão “indo para a costa de remo por trabalhadores” o bote some.
    .
    A parte
    .
    “O menino mais velho (Ronald) está calculando com um instrumento, cercado por plantas em um vale que lembra um copo.” (Ronald disse mais tarde disse: “Este é Chutong, um acampamento cheio de rododendros, e notei em meu diário que me sentia como se estivesse preso na beira de um grande copo. A data deve ser 26 de junho, quando medi o nível com um teodolito.”)
    .
    vc não viu nenhum problema?

  10. Gorducho Diz:

    Não, não some o bote – o Sr. pos “barco” no fim 👍
    É que fica maus o texto, certo :?:
    Agora o Sr. pos outro livro no enlace de sorte que não dá pra ver sua tradução…
     
    na beira duma grande tigela/bacia… é isso :?:
    ângulos (medições melhor acho) –
    ele não fala em níveis.
    + não tinha reparado…
    O espírito fala “calculando” pq. no tempo dele não tinha teodolito ainda (no máximo teria astrolábio + provavelmente ele não conhecesse). Então ele não tinha como saber pra que servia…

  11. Gorducho Diz:

    Fiz medições c/1 teodolito acho melhor…
     
    O Sr. pos o livro Muitas Vozes no lugar da S/tradução 👎

  12. Vitor Diz:

    Eu sabia que eu tinha feito alguma besteira… consertei! vê lá…

  13. Vitor Diz:

    É… o Abdul não acreditava em reencarnação:
    .
    You remember when Abduhl first came to you he told you he had no belief in the Reincarnation of the soul, that there could be no process in the Divine scheme’ of things that would allow man to come this way again in the flesh.

  14. Gorducho Diz:

    Desde 1231 ele por aí andando pela crosta e se manifestando livremente – portanto não é nenhum espírito atrasado…– e não viu nesse tempo todo reencarnação.
    Por que?
    Porque reencarnação não existe 👍

  15. Gorducho Diz:

    700 anos é tempo + que suficiente pra ele ter ficado sabendo do FATO SE fato fosse.

  16. Gorducho Diz:

    Uvani” afirmou ter sido um soldado na Índia séculos atrás

    ❓❓❓

  17. Vitor Diz:

    A vida do Uvani não há registro oficial, diferentemente da do Abdul. Era essa sua dúvida? Não entendi…

  18. Phelippe Diz:

    Gorducho, então, se for um espírito evoluído não precisa mais reencarnar, é uma hipótese. Outra é que reencarnação não existe, como diz a bíblia, quando usa as expressões “adormeceu com seus pais” ou “quem te louvará no sepulcro, ó Senhor?” como está num dos salmos. Por essas passagens do antigo Testamento talvez nem vida haja após a morte. Mais provável, penso, considerando que há alguma coisa, é que essas médiuns captaram as memórias desses mortos, por que se considerarmos verdadeira a teoria de que pensamentos emitem energia, não é de todo maluco pensar que as informações dos pensamentos dessas pessoas ainda estão por aí e que podem ser captadas. Elas pegaram as memórias e seus próprios cérebros formaram uma estória racional.

  19. Vinicius Diz:

    “Desde 1231 ele por aí andando pela crosta e se manifestando livremente – portanto não é nenhum espírito atrasado…– e não viu nesse tempo todo reencarnação.”
     
    E eu achando que só Dr.Bezerra e Veneranda que não reencarnavam mais
    &bsp;
    Sempre estudar! Eis o lema.

  20. Gorducho Diz:

    ============================================================
    então, se for um espírito evoluído não precisa mais reencarnar
    ============================================================

    SE ele for espírito dele for de 1ª ordem – classe única. E pra atingir essa fase ele teria que ter encarnado em outros globos + evoluídos que cá tais como Vênus [...] Júpiter…– NESSA ordem.
    O que se sabe dele é que foi 1 “intelectual” (so to say). + não que tenha sido particularmente pio ou com outras características que o tenham qualificado pra semelhante salto.
    Tanto que nem ele alega isso nem acredita em reencarnação, certo :?:

  21. Gorducho Diz:

    Fvr. fechar o bold no fim do quote, Sr. Administrador.
    A dúvida é o que ele afinal dizia se si mesmo ( :?: )
    Se era de etnia árabe que fazia lutando na Índia; quando; & tals…
    :?: :?: :?:

  22. Gorducho Diz:

    ============================================================
    Mais provável, penso, considerando que há alguma coisa, é que essas médiuns captaram as memórias desses mortos,
    ============================================================

    É que não se trata de falecidos senão que de lobrigar as atividades de VIVOS – indo rumo à costa num barco a remo; fazendo medições c/teodolito naquele lugar estranho; a falta de camisas lavadas…
    Por isso sempre digo: consideradas as alegações é a hipótese espírita a que me parece a menos bizarra. Um “espírito” olhar, relatar &c.; do que alguma mágica “clarividência” sem nenhuma tentativa de explicação por detrás do mecanismo.

  23. Vitor Diz:

    Abdul responde as perguntas abaixo.
    Pergunta: Como podemos averiguar aquilo que o cérebro espiritual conhece sem precisarmos esperar até à passagem?
    Resposta: Não até passarmos, pois embora tenhamos consentido em vir desta forma não podemos conhecer aquele corpo em que deveremos entrar, tal como não é possível compreendermos as condições que nos esperam num país estrangeiro.
    Pergunta: Concordamos em voltar assim por acreditarmos que fazê-lo, seja o meio de aperfeiçoamento de que fala?
    Resposta: Só se pode percorrê-lo compreendendo primeiro a imperfeição.
    Pergunta: Então, embora a alma possa não saber que corpo ela virá a habitar, sabe que a dor e a miséria podem resultar?
    Resposta: Toda a experiência deverá beneficiá-los de uma forma ou de outra. Mesmo que aparentemente lhes seja prejudicial, ela beneficia-os.
    Pergunta: Isso não sugere a questão da reencarnação?
    Resposta: É realmente sobre o tema da Reencarnação que lhes devo falar, porque, a menos que eu lhes possa dizer que esta é a razão do homem ser burro, e do homem ser cego, de que poderá valer a minha vinda aqui junto de vós se eu não puder mostrar-lhes alguma razão por que essas coisas não deveriam suceder? E assim, se você pegarem neste grande cosmos consciente, e falo de cosmos consciente por, no próprio início, esta terra dever ter sido criada e deve ter sido um rebento do Grande Deus, e assim como nós crescemos em conhecimento, certamente também Deus deverá crescer em conhecimento. Mas, ao mesmo tempo, é assim que devemos olhar a vida e continuaremos mesmo que não tenhamos conhecimento destas coisas no momento. Eu quero dizer-lhes que, ao falarmos de Deus, Deus para um homem assume uma forma e para outro, outra. Fala-se de termos sido criados à imagem de Deus; o que, de certo modo, é verídico. Cada homem cria Deus à sua imagem, e assim nós criamo-Lo pelo melhor de que somos capazes de entender, mas eu quero dizer-lhes que não tenho qualquer crença na Reencarnação, conforme ela lhes é por esses Orientais. Mas tenho algo a dizer-lhes sobre todas aquelas coisas pelas quais vocês passam, e isso poderá ser chave para uma ideia que os ajudará a compreender melhor.
    Nós falamos da ascensão do homem e falamos da descendência do homem. Por isso precisam entender que, desde o instante em que o primeiro desejo da alma por entender é esboçado, até aquele grande momento a eras de distância, em que perfeitos, vocês voltam para se tornar um Deus em construção.
    Muitos dos vossos lhes hão de falar da destruição da alma. Eles falam-lhes dos infernos do mundo espiritual. Eu não os negarei, mas dir-lhes-ei que não importa a que profundidade de iniquidade um homem tenha passado desta vida, ele pode seguramente ascender. E digo-lhes que não faz parte do grande esquema que, tendo vivido uma vez, uma vida devesse ser destruída para sempre. Não importa quão vil homem possa tornar-se na sua própria estimativa, ou na dos seus semelhantes, há sempre um momento de tempo na eternidade em que ele se vira e toma posse da sua felicidade final, e assim sou um universalista e um individualista também.
    Se fosse de fato possível que a qualquer instante a alma pudesse ser destruída, isso haveria de desmentir Deus. Por que deveria Ele permitir que uma alma alcançasse algum senso de realidade apenas para destruir essa alma, e se uma alma puder ser destruída, por que não todas? Não, essa não é a forma de trabalho do Grande Infinito.
    Eu vou falar-lhes sobre um momento na eternidade em que podemos decidir se vamos empreender uma grande jornada, e eu garanto-lhes que é uma jornada muito, muito grande. Agora, vocês vão-me dizer, se pudermos começar inconscientes, como é que um homem nasce um gênio e um outro nasce um tolo? Não achamos que possamos dizer eu vou ter o corpo de um rei, ou vou habitar o corpo de um pobre, e que ele vá seguir aquele caminho, que vou seguir este. Ao consentirmos vir é pelo caminho que percorremos e pela experiência que adquirimos, que somos capazes de nascer e isso marca igualmente a maneira como iremos nascer. Tal como existem muitos estágios do ser, do vosso conhecimento e desconhecido de vós, através do qual o homem pode passar quando ele deixa este corpo mortal, também existem muitas estágios através dos quais a alma, nas suas fases iniciais deve passar antes que alcançar a forma mais baixa do esquema de Deus, e eu gostaria que vocês entendessem que em nenhum período da existência do homem pode ele alcançar algo de nível tão baixo, tão grosseiro, como a condição desta Terra.
    Pergunta: Deveremos entender que a existência prévia da alma determina a posição que vai ocupar no futuro?
    Resposta: A alma nasce de acordo com a experiência que ela tomou para si própria na jornada que empreende em direção à Terra.
    Pergunta: Onde habita o corpo, digamos de um rei, será isso uma recompensa, e caso seja o de, digamos, um pobre, será um castigo?
    Resposta: Não sei se os espíritos o acatam como uma recompensa ou uma punição a alma habitar o corpo de um camponês ou de um rei, porque os grandes espíritos, os verdadeiramente grandiosos, frequentemente habitam o corpo daqueles que são ignorados. Eu quero dizer-lhes que quando a alma inicia esta busca da perfeição consciente ela já passou por nações e territórios de grande beleza, não uma beleza apropriada, mas uma grande tranquilidade, mas também, na busca que empreende pelo conhecimento, pode ficar aqui ou ficar acolá. Essa alma irá obter conhecimento espiritualmente ao viajar para esta forma crua que nós chamamos de ser humano. Uma outra alma apressar-se-á e erguerá esse desejo de encarnar na Terra, e dirá: “Eu não vou passar por nenhuma dessas coisas, eu vou voltar,” com o desejo de chegar o mais baixo pelos meios mais rápidos.
    Certas almas apressam-se e não procuram obter conhecimento; alguns vão querer parar em toda a parte e obter conhecimento, para conseguir uma individualidade que resplandeça. E assim, aquelas almas que tiverem permanecido e descansado por um tempo crescerão em conhecimento e ao ser lançados para esta vida, para aquele grande ponto de chegada neste estrutura humana, alguns obtiveram conhecimento, outros obtiveram prazer, outros realizaram a beleza, outros realizaram a grandeza, e outros ainda não realizaram nada. Não consigo que faça qualquer sentido para mim, depois que passou por esta forma um homem voltar a trilhar este caminho de novo. A experiência, os métodos individualização que formamos, e os apegos que estabelecemos, para que não temos nome, foram formados antes de virmos aqui. E não estaremos nós a expressar ao longo de toda a nossa vida o que inconscientemente adotamos na nossa jornada para a Terra? Eu explicar-lhes-ia mais minuciosamente, mas eu teria que lhes apresentar a única base com que o posso explicar, da reencarnação do homem para o homem, na qual ele nasce de novo, por ter passado por tudo isso no espírito antes de pôr os pés na Terra. Como é que uma alma desponta entre nós com um grande conhecimento e compreensão, e outra alma não possui tal conhecimento? Uma alma será aleijada e fraca, por essa alma ter, por consentimento próprio, ter evitado a responsabilidade por toda a doença que possa ter conhecido na sua jornada para a terra.
    Pergunta: Então, não é tanto uma punição como o desejo do espírito de se aperfeiçoar enfrentando a miséria e a dor?
    Resposta: O desejo precisa achar-se presente. Não é um castigo. Assim como no vosso íntimo vocês têm a ambição de fazer isto ou aquilo, mesmo no caso do desejo de acumular shekels (dinheiro).
    Pergunta: Nesse caso, será louvável a ambição de querer ganhar dinheiro?
    Resposta: A que é que está a chamar ambição? O que é que nos leva a querer mudar de hoje para o passado, e porque é que não temos desejo pelas coisas de ontem? Não será o anseio inconsciente da alma por crescimento? Quando chamamos a isso a ambição do homem, não estará a alma por esse meio a tentar crescer através da substância que reuniu em torno de si, e assim podemos dizer que um homem pode estar a conseguir um enorme progresso e que é o caminho pelo qual a alma está a crescer.
    Pergunta: Então, deveremos modificar as perspectivas que temos, se, por exemplo, a criação de dinheiro for o impulso de uma energia que tenha a sua raiz num desejo de crescimento.
    Resposta: Se ao menos conseguirmos encarar isso dessa maneira, estaremos no caminho de nos tornarmos mais humanos; mais gentis, mais atenciosos, mais justos. Já refletiram no que o vosso grande Messias disse: “Amem-se uns aos outros”? Posso garantir-lhes que a vossa Igreja Cristã tem isso em toda essa doutrina, mas por o Instrutor se ter afastado, a igreja perdeu esse conhecimento, meu amigo, e assim, quando repetimos alguma coisa, e a dizemos levianamente, pensando que seja uma bela máxima, porém não a cumprimos enquanto o homem é homem, pois, vocês compreenderão que somos todos semelhantes, visto que todos somos filhos potenciais da Centelha do grande Universo.
    Como esse grande universo se exercita por diversas maneiras a fim de se manifestar também cada um de nós, no nosso próprio crescimento individual, apelamos ao melhor da existência da nossa alma, e assim permitindo que o material que a cerca se apresente, também vocês entenderão a nossa semelhança e dessemelhança, pois ser o anseio da alma. Assim, meus amigos, somo juntos pelas convenções e formas desta comunidade a que pertencemos, mas quem foi que disse que essas leis são corretas? Se obedecermos às leis dos nossos corações, não poderemos obedecer a Deus. Não se pode obedecer a Deus e aos homens, de modo que violamos aquelas leis que estabelecemos a fim de proteger a propriedade do homem mas, com tudo isso não dizemos que nos desviamos do nosso caminho, e por isso não podemos viver de forma pura, e não podemos viver sem a inveja nos nossos corações; e montamos todos os tipos de sinalizadores, que tratamos por todos os nomes, falamos de coisas que não faremos, e desse jeito mais parecemos papagaios.
    Um homem lança a sua semente em terra fértil e assim a sua semente torna-se robusta; outro lança-a em terreno fraco e assim a sua semente torna-se débil. Deveremos culpar o solo? Há apenas uma lei que eu lhes daria, que é, pensem pelo melhor que souberem, falem pelo melhor que souberem, e façam da melhor forma possível; e aquelas ditas leis que temos, elas não são atalhos para Deus. Vocês dizem: “Eu tenho o direito de ter minhas próprias opiniões” e se vocês quiserem saber o que é certo e o que é errado por si próprios, meus amigos, têm o Examinador assente na vossa alma, a dizer-lhes o que é certo e o que é errado.
    Pergunta: Essa, para nós, é uma perspectiva da Reencarnação.
    Resposta: Este é um tema em que vou entrar convosco no final da minha pequena conversa convosco sobre a saúde, e é um assunto que não me proponho a fazer à moda oriental.

  24. Gorducho Diz:

    That’s to say: said zilch :mrgreen:

  25. Gorducho Diz:

    Essas coisas + o fiasco da “Parapsicologia” tentando-se refugiar em malabarismos matemáticos mostram o óbvio: NADA SABEMOS.
    Então por economicidade a navalha: nada há .

  26. Gorducho Diz:


    Já refletiram no que o vosso grande Messias disse: “Amem-se uns aos outros”? Posso garantir-lhes que a vossa Igreja Cristã tem isso em toda essa doutrina, mas por o Instrutor se ter afastado, a igreja perdeu esse conhecimento

     
    O “espírito” do muçulmano que faleceu em 1231 sabe teoria cristã…
    Game over: reconheça Sr. Administrador
    Suprassumo do pot hole :!:

  27. Gorducho Diz:

    Plot, claro…

  28. Vinicius Diz:

    Gorducho,
     
    Se puder, comente a seção de FAQ de um centro aqui em SP
     
    http://www.gruponoel.org.br/perguntas-e-respostas-sobre-psicografia/

  29. Gorducho Diz:

    Sur sur l’exigence de l’acte de décès ?

  30. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “O “espírito” do muçulmano que faleceu em 1231 sabe teoria cristã…”
    .
    Abdul: Saladino, gostaria que vocês soubessem, da Casa de Youssef Ben Ali, não teria sofrido tantos daqueles reveses, se o conhecimento da vossa fé Cristã não tivesse sido levada por meio das estradas e dos caminhos por todas as partes e a todas as casas e não tivesse minado os ensinamentos do nosso Islão. Naquela época, da era Cristã, o Cristianismo, como vocês o chamam, ardia com um brilho intenso e forte sobre todo o Oriente. E não queimava em lume brando, nem com uma luz constante, mas queimava nas casas dos poderosos, e eu senti que ali estava aquele povo cansado da contínua guerra, cansado dos contínuos reparos e das coisas que lhes haviam prometido em nome de todas as divindades, e em nome deste e daquele profeta, que estavam muito, muito satisfeitos por abraçar a raça, de forma muito reservada e despercebida, aquela grande ideia espiritual de Alguém que tinha surgido tão de baixo e terminado como Ele havia terminado.

  31. Vinicius Diz:

    isso, e sobre o idioma e a identidade do espírito.
    acho que estão seguindo fielmente a “a vida é maior que a verdade ” certo? não me recordo a frase certa!
     
    por acaso se lembra e tem o site daquele centro que tem mensagens de animais? lembro-me de um mural virtual contendo avisos de pessoas que ainda não pegaram a psicografia de seus bichinhos desencarnados (era uma lista com o tipo de bicho e nome dele…)

  32. Gorducho Diz:

    Que reveses o Saladino sofreu?

  33. Vitor Diz:

    Não li ainda. mas pode baixar o livro aqui:
    .
    https://app.box.com/s/31eqbx71ztpd1qjcjqlquydwaiu6f3hu (17,5 mega)

  34. Gorducho Diz:

    Não vou ler nada: lhe perguntei que revezes ele teve. Negociou a paz c/os cristãos e viveu feliz morrendo no auge do poder de causas naturais 👍

  35. Vitor Diz:

    a história do mundo não teria sido escrita como foi se os sinais do Cristianismo não se tivessem espalhado na própria Corte de Saladino. Aquela batalha que ele travava ele sabia que era uma batalha perdida, e ele estava bem ciente disso por aquilo que ele tentou destruir e liquidar era mais predominante, mais forte do que ele acreditara que fosse.
    .
    ACHO que é isso…

  36. Gorducho Diz:

    Por que “batalha perdida” :?: se toda aquela zona segue sendo muçulmana à exceção do judaísmo em Israel e dos ~41% no Líbano.

    Aliás no tempo do Saladino até tinha ainda os bizantinos que hoje são muçulmanos (Turquia).

    :o

  37. Vitor Diz:

    Bem, ali diz “destruir e liquidar”, e isso não conseguiu de fato.

  38. Gorducho Diz:

    Liquidar o que :?:

  39. Vitor Diz:

    O cristianismo.

  40. Gorducho Diz:

    Se ele queria “liquidar c/o cristianismo” por que ele concordou c/o casamento do Al-Adil c/a Joan (que aparentemente só não se consumou pela ameaça de excomungarem o Richard). Claro, presumivelmente ela teria que se converter + a influência cristã seguiria havendo c/o governo conjunto de Jerusalém, certo :?:

  41. Vitor Diz:

    Concordou porque viu que era uma batalha perdida?!

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)