Divaldo Pereira Franco Psicografou Léon Denis no 4º Congresso Internacional de Espiritismo?

Este artigo visa mostrar a possibilidade de uma mensagem “psicografada” de Divaldo Pereira Franco no 4º Congresso Internacional de Espiritismo em 2004 ser fruto de um fenômeno de criptomnésia – amnésia da fonte – de outra de Chico Xavier, e revela diferenças nas assinaturas dos alegados espíritos quando encarnados e quando desencarnados.

 

Introdução 

No 4º Congresso Internacional de Espiritismo, em 02/10/2004, o alegado médium Divaldo Pereira Franco “psicografou” uma mensagem atribuída a Leon Denis, um dos expoentes do Espiritismo francês. No entanto, certa correspondência foi observada pelo espírita Iso Jorge Teixeira com relação a outra mensagem atribuída a Humberto de Campos, através de Chico Xavier. Vejamos as duas mensagens, destacando os trechos semelhantes: 

Mensagem Através de Divaldo Franco

Mensagem Através de Chico Xavier

Reconhecimento a Allan Kardec  

No mesmo ano em que Napoleão Bonaparte foi consagrado Imperador dos franceses, Hippolyte Léon Denizard Rivail nasceu em Lyon em 3 de outubro de 1804 

Transferido da fogueira de Constance em 6 de julho de 1415, para os dias gloriosos da intelectualidade de Paris, Kardec dedicou-se ao apostulado da Doutrina ensinada e pregada por Jesus.  

Sua vida e obra testemunham sua grandeza – Missionário da Verdade!  

Nós, os beneficiários da sua sabedoria, agradecemos, emocionados, e pedimos humildemente: ore por nós, tu que já estás no reino dos céus!!!  

Léon Denis

Em 3 de outubro de 1804, o mensageiro da renovação renascia num abençoado lar de Lião, mas o Primeiro-Cônsul da República Francesa, assim que se viu desembaraçado da influência benéfica e protetora do espírito de Allan Kardec e de seus cooperadores, que retomavam, pouco a pouco, a integração com a carne, confiantes e otimistas, engalanou-se com a púrpura do mando e, embriagado de poder, proclamou-se Imperador, em 18 de maio de 1804, ordenando a Pio VII viesse coroá-lo em Paris

 

 

(CARTAS E CRÔNICAS. Pelo Espírito IRMÃO X, psicografia de FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER. Edit. FEB, 7 ed., 1988, p. 126-127).

Analisemos agora a assinatura de Leon Denis quando encarnado e pela psicografia de Divaldo Franco: 

Assinatura Quando Encarnado

Assinatura Através de Divaldo Franco

leondenisassinatura

mediunidade_chico_divaldo4

 

Discussão 

Ambas as mensagens referem-se a Kardec, ao fato de Napoleão Bonaparte tornar-se Imperador, à data e local de nascimento de Leon Denis, a Paris. É fato que divergem em outros aspectos. A semelhança nesse caso não me pareceu tão óbvia, embora exista. Porém a diferença das assinaturas é bem clara. O risco abaixo do nome na assinatura de Léon Denis quando encarnado sobe na direção do “s” e não cruza o “L”, enquanto que na assinatura “psicografada” de Divaldo Franco o traço desce na direção do “s” e cruza o “L”.  

Conclusão 

A mensagem possui indícios – não muito fortes – de cópia (consciente ou inconsciente), e as diferenças grafoscópicas a meu ver descartam tratar-se de um fenômeno genuíno de psicografia. 

Referências 

http://www.radioboanova.com.br/eventos.php?eveid=1 (acessado dia 21/10/2007) 

Jorge, Isso. “Nova análise da mediunidade de Chico e Divaldo sem “forma velada” e sem vela” (disponível em

 http://www.terraespiritual.locaweb.com.br/espiritismo/artigo1562.html e  acessado dia 21/10/2007) 

http://www.meakrp.hpg.com.br/downloads/textos/kardecenapoleao.doc (acessado dia 21/10/2007)

32 respostas a “Divaldo Pereira Franco Psicografou Léon Denis no 4º Congresso Internacional de Espiritismo?”

  1. Gilberto Diz:

    Quer psicografia da boa? Leia o novo livro de Dom Helder Câmara. É claro que ele já morreu, mas qual é o problema? Ao morrer, Dom Helder converteu-se ao espiritismo (como todos) e agora escreve best-sellers psicografados que estão revelando ao mundo as verdades espíritas. Para alguns pode parecer um amontoado de obviedades espíritas (tipo: “a caridade eleva a alma humana à altura santificada dos ascencionados…”) ou trabalhos que meramente parecem ser obra de Câmara (como aqueles que supostamente ele escreveu em vida), mas eles não possuem a empolação de Chico Xavier ( “Descerrou-se, finalmente, o derradeiro véu, que obumbrava o meu ser pensante…”), pois Câmara era bem direto, e nesse trabalho escrito no plano espiritual, ele está mais Câmara do que nunca. Leia, e prove não ser verdadeiro se for capaz.

  2. Vitor Diz:

    Se vc me enviar o livro, impresso ou digital, terei prazer em ler e tentar fazer um estudo em cima dele.
    Abraço.

  3. CeticismoAberto notícias » arquivo » Divaldo Franco e psicografias em análise Diz:

    [...] Divaldo Pereira Franco Psicografou Léon Denis no 4º Congresso Internacional de Espiritis… Confira as assinaturas de Denis vivo e então, supostamente psicografado por Divaldo [...]

  4. MARIA HELENA DE CASTRO FERREIRA Diz:

    A CREDITO QUE O PAPEL DO ESPIRITA É DIVULGAR A MENSAGEM DE MANEIRA CLARA E OBJETIVA.
    AFINAL NÃO É UMA PROFISSAÃO QUE O INDIVIDUO EXIBE SEUS ARTIGOS E TESE NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO.
    NA MINHA OPINIÃO A MENSAGEM FOI DADA CABE A NÓS ESPIRITAS LER ,REFLETIR E EXERCITAR.
    CARINHOSAMENTE,
    HELENA

  5. Euler Diz:

    DEVEMOS NOS “ESPÍRITAS’ PREOCUPARMOS COM A REALIDADE DE NOSSO SER E NÃO COM PICUNHINHAS.
    SE É OU NÃO É ERRO DE DIVALDO O QUE TEMOS A VER, VAMOS TRABALHAR E RENOVAR QUE É NOSSO DEVER E NOSSA OBRIGAÇÃO ,

  6. Rafael Diz:

    Caro Vítor;

    Uma dúvida: todo fenômeno de psicografia, para ser considerado verdadeiro, precisa ser aprovado na análise grafoscópica? Pergunto isso pois, a meu ver, poderiam haver casos em que, por diversos fatores, um fenômeno mediúnico autêntico não apresentaria plena correspondência entre a letra do espírito enquanto encarnado e desencarnado. Por exemplo:

    1 – falta de habilidade mecânica do médium;
    2 – a letra do espírito mudou;
    3 – falta de sintonia entre médium e espírito;
    4 – falta de habilidade do espírito para assumir o controle das vias extra-piramidais do médium.

    Estes são só alguns fatores que me ocorreram agora, talvez se estudássemos mais a fundo a questão encontrássemos mais possibilidades.

    Outra questão que tenho observado ao ler alguns dos seus escritos nesse e em outros sites é que, não sei se é uma observação superficial minha, sua postura quanto aos fenômenos mediúnicos é quase sempre 8 ou 80, sim ou não, animismo ou mediunismo. Você não acha que possa haver formas intermediárias nesses processos? O que quero dizer é que um fenômeno mediúnico pode ser autêntico e no entanto apresentar 20%, 30%, talvez 40% de animismo. É claro que estou teorizando aqui, às vezes me pergunto se conseguiríamos montar experimentos que pudessem averiguar quanto de mediunismo e quanto de animismo há numa comunicação, mas metodologicamente ainda não consigo imaginar isso se viabilizando. De qualquer maneira, gostaria de saber sua opinião. Tenho lido alguns de seus textos e, apesar de não concordar com as suas opiniões em muitos e muitos aspectos, eles têm sido muito úteis em outros. Espero que possamos iniciar um produtivo intercâmbio de idéias com o tempo.

    Abraço.
    Rafael.

  7. Vitor Diz:

    Caro Rafael,

    eu diria que a prova grafoscópia seria uma das mais fortes, desde que soubéssemos que o médium não tinha visto a letra do falecido antes, o que é quase impossível de ser feito. Uma prova irrefutável não existe.

    Formas intermediárias podem existir, mas aí ficamos com um fenômeno “capenga”, fraco, em que não dá para concluir muita coisa.

  8. Rafael Diz:

    Caro Vítor;

    Sem dúvida, a força da análise grafoscópica é incontestável. Mas é interessante pensar que o fato de o médium ter visto a letra de uma pessoa não faz com que, automaticamente, ele possa copiá-la. Eu mesmo já vi muitas e muitas letras, e duvido que mesmo sob hipnose pudesse reproduzir fielmente alguma. Você provavelmente já ouviu esse argumento diversas vezes, mas pessoalmente o considero bastante válido, pois é comprovado pela experiência, afinal prestidigitação não é uma habilidade que se apresente assim tão comumente na população e nem que se adquira do dia para a noite, a não ser que se admita que o médium o adquiriu em outra vida, mas aí é outra história.

    Na questão de os fenômenos intermediários serem “capengas” e não servirem para muita coisa sou obrigado a discordar. Eles podem não servir para provar a veracidade da existência dos espíritos ou dos fenômenos mediúnicos (acho que foi nesse sentido que você se expressou), mas sem dúvida são muito úteis para:

    1- estudar os mecanismos que envolvem tais fenômenos;
    2- comparar os diversos médiuns e responder a perguntas como: pq um médium apresenta um fenômeno com mais porcentagem anímica que o outro? se uma comunicação dada através de um médium for considerada um fenômeno 100% mediúnico, todas as demais serão?
    3- receber informações de cunho moral que sejam úteis para nosso aprimoramento pessoal.

    Enfim, essas comunicações podem ser “capengas” como critérios de prova, porém não deixam de ser úteis em muitos outros campos que eu nem conseguiria imaginar.

    Permanece, contudo, a questão da metodologia para avaliar o grau de mediunismo e animismo nesses fenômenos.

    Abraço.
    Rafael.

  9. sandra maria vieira Diz:

    Meu nome é sandra maria vieira tenho 28 anos .
    Gostei muito deste site: mais gostaria de ajuda para saber mais …
    como eu poderia saber do meu pai,ele faleceu faz+/- 10 anos e gostaria de saber dele …
    penso muito nele…
    gostaria de saber sobre cartas psicografadas! aguardo noticias ,o meu e-mail é [email protected]

  10. Marcia Gonçalves Diz:

    Gostaria também de saber sobre meu pai que faleceu há 2 anos. Se teria como eu falar com ele e pedir que ele interceda por mim ai no mundo esperitual! ? Aguardo respaostas!

  11. Vitor Diz:

    Sandra e Marcia,
    esse blog não oferece esse tipo de serviço.
    Um abraço.

  12. Thales Diz:

    Concordo inteiramente com o Rafael. Essas análises em busca de rígidos processos são muito semellhantes a daqueles primeiros magnetizadores que queriam por tudo a prova como se a ciência tivesse todos os meios necessários para avaliar um fenômeno mediúnico.
    Quanto a semelhança, que nem é essa semelhança toda, vale lembra que o conhecimento ou a idéia não é patente de indivíduo nenhum, encarnado ou não, e que, sendo verdade, pode ser dito por qualquer outro.
    Há que avaliarmos os fenômenos, claro, compreendo os limites e particularidades da mediunidade, mas não nos engessemos como se a doutrina fosse mera filosofia e doutrina metapsiquista, quando o valor moral é acima de tudo o importante.

  13. Emerson Diz:

    Apesar do livro “Novas Utopias” do Helder Camara não estar disponível na net, em links como esse aqui http://espiritualidadevidapazeluz.blogspot.com/2009/02/psicografia-de-dom-helder-camara.html
    pode-se ler o que o dito espírito de Helder Camara falou em uma entrevista sobre o livro e assim ter alguma idéia sobre o livro psicografado. Lá pelas tantas D. Helder é perguntado sobre se ainda se sentia como padre na vida espiritual. Após dizer que sim, ele afirma que sua “convicção à Igreja católica” permanece a mesma e ao mesmo tempo que foi ampliada devido aos ensinamentos que recebeu no além túmulo, o que é contraditório em si mesmo. Se pela dita teologia católica há o julgamento particular logo depois da morte indo a dita alma para inferno (para sempre), purgatório (temporariamente) ou o céu (para sempre) e nada disso é verdade, como pode o dito bispo ter dito que continua com a mesma convicção à (na?) Igreja católica mesmo ele tendo dito que esperava estar no “seio do Senhor” antes de morrer? Não dá… parece mais uma apropriação indébita para justificar a causa espírita…

  14. Isolda Diz:

    Oi Vitor.

    Parabéns pelo seu trabalho. Achei muito interessante, a muito tempo tempo procurava um sítio como este.
    É muito bom alguém mostrar de forma fundamentada uma outra opinião sobre o espiritismo. Parece que infelizmente todos “viraram” espíritas. É difícil encontrar alguém que saiba mostrar argumentos contrários e na minha opinião verdadeiros sobre esta seita.

    Continue com o seu belo trabalho.

  15. Vini Diz:

    Quem chama o espiritismo de “Seita” , provavelmente nunca leu sobre ele ou comumente nunca o entendeu.
    O que é mais do que natural. Existem diversas ramificações
    dentro das religiões e dentro estudo epiritual.A kardekiana é só umas delas.

  16. Alex Diz:

    Vini, concordo contigo, mas, em partes. A doutrina espírita é algo confortador, porém, fantasiosa e irreal.
    As pessoas procuram o espiritismo para receber mensagens reveladoras sobre moribundos ou informações privilegiadas vindas do além referentes a ele próprio.
    A doutrina já começou mal nas mãos das irmãs Fox. Não sei como resistiu entre tantas mentiras. Apesar de que sabemos que as pessoas gostam de espetáculo. Repare quando vc vê um motoboy acidentando, ou, quando assiste ao noticiário … coisas fortes prendem nossa atenção devido ao maior impácto. Veja como nascem as crenças, procure no youtube por “John Frum” – ou no google.

  17. Fábio Cezar Diz:

    A propósito do comentário de Isolda, exclarecemos que o Espiritismo não é uma seita, mas uma bem estruturada Doutrina religiosa, filosófica e científica, que vem fortalecer a fé religiosa e fornecer argumentos sólidos contra o materialismo e a favor do espiritualismo, que é base de qualquer religião. Não acreditamos que a colega tenha julgado o Espiritismo como seita por má-fé, mas por desconhecer o significado do termo. Convém, pois, explicar: seita, é qualquer ideologia ou grupo, não necessariamente religioso, que divirja das idéias defendidas por aqueles outros grupos considerados dominantes ou oficiais. Portanto, “seita” não é a religião dos outros. Quanto a julgar a Doutrina Espírita pelos fenômenos da psicografia é grande ignorância, pois que não se deve confundir Espiritismo com mediunidade. A mediunidade não é exclusividade do Espiritismo. Daí a confusão de médium com espiritismo. Assim, os fenômenos de ordem mediúnica podem ocorrer em quaisquer meios, seja espírita, católico, umbandista ou protestante. Que Jesus nos abençoe a todos. argumentoespirita.blogspot.com

  18. jar.io Diz:

    O divã do diabo…

    O diabo a que me refiro aqui é a entidade psicológica resuldado do animismo síntetizado a partir do atavismo herdado das etapas anteriores da humanidade
    ……

  19. Ricardo RJ Diz:

    QUANTA POLÊMICA SOBRE UMA PSICOGRAFIA,ALGO CORRIQUEIRO PARA UM MÉDIUM COMO DIVALDO,O MAIS IMPORTANTE É A ESSÊNCIA DA MENSAGEM,SE ÉSEMELHANTE Á PSICOGRAFIA DE CHICO XAVIER,TANTO MELHOR,POIS É MAIS UM EXEMPLO DO CONTROLE UNIVERSAL DO ENSINO DOS ESPÍRITOS(A MESMA MENSAGEM OBTIDA A PARTIR DE MÉDIUNS DIFERENTES,FOI ASSIM QUE SE CODIFICOU A DOUTRINA ESPÍRITA).AS INVESTIDAS DO VÍTOR CONTRA A OBRA MEDIÚNICA DO DIVALDO,TÊM SEU LADO POSITIVO,POIS OBRIGAM OS ESPÍRITAS E SIMPATIZANTES A ESTUDAR MAIS PARA REFUTÁ-LO.PAZ AO VÍTOR E A TODOS DO BLOG!

  20. Germana Lucia Diz:

    Psicografia do espírito Dom Helder
    Sugiro a leitura do site http://www.levarte para a melhor compreensão da questão psicografia de D. Helder Câmara, aceita pele seu secretário, monge beneditino e teólogo, Marcelo Barros, transcrevo, abaixo, uma parte da página:

    “Recentemente foi lançado no mercado cultural um livro mediúnico trazendo as reflexões de um padre depois da morte, atribuído, justamente, ao Espírito Dom Helder Câmara, bispo católico, arcebispo emérito de Olinda e Recife, desencarnado no dia 28 de agosto de 1999 em Recife, Pernambuco.

    O livro psicografado pelo médium Carlos Pereira, da Sociedade Espírita Ermance Dufaux, de Belo Horizonte, causou muita surpresa no meio espírita e grande polêmica entre os católicos. O que causou mais espanto entre todos foi a participação de Marcelo Barros, monge beneditino e teólogo, que durante nove anos foi secretário de Dom Helder Câmara, para a relação ecumênica com as igrejas cristãs e as outras religiões. Marcelo Barros secretariou Dom Helder Câmara no período de 1966 a 1975 e tem 30 livros publicados.

    Ao prefaciar o livro Novas Utopias, do Espírito Dom Helder, reconhecendo a autenticidade do comunicante, pela originalidade de suas idéias e, também, pela linguagem, é como se a Igreja Católica viesse a público reconhecer o erro no qual incorreu muitas vezes, ao negar a veracidade do fenômeno da comunicação entre vivos e mortos, e desse ao livro de Carlos Pereira, toda a fé necessária como o Imprimatur do Vaticano. É importante destacar, ainda, que os direitos autorais do livro foram divididos em partes iguais, na doação feita pelo médium, à Sociedade Espírita Ermance Dufaux e ao Instituto Dom Helder Câmara, de Recife, o que, aliás, foi aceito pela instituição católica, sem nenhum constrangimento.

    No prefácio do livro aparece também o aval do filósofo e teólogo Inácio Strieder e a opinião favorável da historiadora e pesquisadora Jordana Gonçalves Leão, ambos ligados a Igreja Católica. Conforme eles mesmos disseram, essa obra talvez não seja uma produção direcionada aos espíritas, que já convivem com o fenômeno da comunicação, desde a codificação do Espiritismo; mas, para uma grandiosa parcela da população dentro da militância católica, que é chamada a conhecer a verdade espiritual, porque “os tempos são chegados”; estes ensinamentos pertencem à natureza e, conseqüentemente, a todos os filhos de Deus.

    A verdade espiritual não é propriedade dos espíritas ou de outros que professam estes ensinamentos e, talvez, porque, tenha chegado o momento da Igreja Católica admitir, publicamente, a existência espiritual, a vida depois da morte e a comunicação entre os dois mundos.”

  21. Ricardo RJ Diz:

    Germana;Muito interessante sua informação sobre o reconhecimento da mensagem psicográfica de Dom Helder por seu secretário particular.O que a igreja vai dizer agora?

  22. GILBERTO GOMES JÚNIOR Diz:

    Vitor!

    Acredito que a reflexão sobre temas que envolvem os homens é sempre muito importante, e, principalmente, quando diz respeito ao mistério de sua existência. Houve épocas em que fanáticos e irresponsáveis praticavam charlatanismo e abusavam da crença popular, como o prórprio pentateuco elucida, e na atualidade ainda os existe, utilizando-se dos mais variados métodos de sedução e ludibriação.

    No entanto, quando falamos de religiosidade a análise transcende a concepção meramente material, por se tratar do divino.

    A criticidade de suas palavras demonstram uma busca por esclarecimento, mas percebo que não se mostra atento a determinados fatores que se entrelinham aos estudos que vem realizando, posto que, dentro da religião cristã tudo o que nos foi legado pela bíblia, que é onde se encontra o evangelho, nasce da exposição de homens que presenciaram as ações de jesus e de outros que deram continuidade ao seu ministério, mas, efetivamente, não existe maneira de se provar serem estes os verdadeiros autores dos textos, e muito menos se estes reproduziram a realidade dos fatos ocorridos.

    Na verdade o que existe é a razão que carregamos em nosso íntimo que nos alerta para a veracidade da existência divina, posto que, nossos corações palpitam quando evidenciamos a existência de nosso pai celestial.

    A atividade mediúnica de psicigrafia é a manifestação divina tendo como interlocutar os espíritos de assistência, os quais atorizados pelo deus unico, permitem ao médium transmitir mensagens de conforto, alento e esclarecimento.

    Na obra denominada “livro dos médiuns” de autoria de ALAN KARDEC, você encontrará vários esclareceimentos a cerca do tema, inclusive, no princípio da referida obra, como também em outra do mesmo autor, qual seja, “O livro dos espíritos”, você poderá constatar que as narrativas delas constantes nasceram de constatações materiais, formuladas a partir de manifestações físicas, cujas evidenciações podem ser esclarecidas com o estudo dos casos registrado no museu dedicado a tal autor na França e por varios outros lugares do mundo, e entre os esclarecimentos que se encontra nessa obra é que a psicografia pode se desenvolver de vários modos, dentre os quais se destacam os médiuns conscientes e os inconsientes, cuja diferença principal é que nos inconsientes a caligrafia pode ser semelhante à do espírito que se comunica, enquanto a do consciente, em sua maioria, o médium é apenas interlocutar dos irmãos desencarnados, ouvindo e transcrevendo com sua letra.

    Outros livros esclarecedores do fenômeno mediuníco pode ser evidenciado pelo leitura dos livros “missionários da luz” e”Nos domínios da mediunidade”.

    Assim, a análise prematura do texto psicografado por DIVALDO pode acarretar pré-julgamento, com ocorreu com outros médiuns no passado, e consequentemente, acarretar prejuízos à imagem do Médium.

    Necessário se faz, por conseguuinte um estudo mais depurado, não se apegando apenas ao material, mas, outrossim, na veracidade e riqueza de detalhes trazidas pelo texto, cuja comporvação necessitaria de profundo estudo de documentos, ou mesmo de conhecimento pessoal do falecido, que por vezes o médium não tem acesso.

    Finalizo saudando-o fraternalmente, desejando a você muita paz e ficando a sua disposição, sempre, para dentro de meu pouco conhecimento, debatermos a cerca do tema.

    Seja feliz e que deus o abençoe.

    Cordialmente.

  23. André Diz:

    Primeiro a correção: Léon dennis é um e Allan Kardec (Hippolyte Léon Denizard Rivail ) é outro. A data de nascimento é de Kardec e Léon Dennis faz um comentário sobre isso…
    Segundo: Não espere assinaturas iguais (ou caligrafia igual) em psicografia. O gesto gráfico é produto do hábito gráfico, está no conjunto neuromuscular do escrevente (o médium) que se utilisa (ou se utilisaria, se considerarmos como hipótese) desse instrumento através do subconsciente (e não diretamente) do medium. A escrita mediúnica está (sempre) sujeita à influência do medium, que é sempre co-autor.

  24. Soarez Diz:

    Andre diz: “Primeiro a correção: Léon dennis é um e Allan Kardec …” . E dai Andre? É justamente essa contradição que o Vitor quer mostrar. Divaldo apresenta um texto atribuido a LEON semelhante ao texto apresentado por Chico que atribuiu a Humberto. Não há correção nenhuma a fazer meu nobre.

  25. Motta Diz:

    Não enxerguei indício algum de plágio, porque, a não ser a menção a Napoleão Bonaparte e à data de nascimento de Hypolite León Denizard Rivail, os fatos abordados são totalmente diferentes: A missão deste e a derrocada daquele. Um assunto tão sério deveria ser tratado com a devida seriedade, que faltou no artigo sob crítica, em que o próprio autor admitiu a existência de “indícios – não muito fortes – de cópia”, os quais não atestam a imaginada falta de legitimidade do fenômeno da psicografia.

  26. PauloPOArs Diz:

    Qual o problema de dois médiuns (Divaldo e Chico) terem citado o mesmo fato? O de KARDEC (Hippolyte) ter nascido no mesmo ano que Napoleão Bonaparte tornou-se imperador da França? Quer dizer que o que é dito UMA VEZ nunca mais possa ser (re)lembrado? E o fato do Divaldo ter psicografado DE TRÁS PARA FRENTE (como num espelho) e com letra emendada, da esquerda pra direita ?? Isso não importa? Alguém aqui JÁ TENTOU este “feito”? É PRATICAMENTE IMPOSSÍVEL!!! TENTE! Você precisará de muitas encarnações” para conseguir escrever um parágrafo (com lógica assustadora) e sem rasuras! É ÓBVIO que nem toda psicografia mediúnica tem EXATAMENTE a mesma letra da última encarnação do autor desencarnado! Isso NÃO É uma regra pra provar a sua autenticidade (a Codificação explica). É curioso como nem provas físicas concretas convencem às pessoas. Bem, a julgar que até CRISTO foi crucificado… Até dá pra entender o preconceito intrínseco que o ser “humano” tem com a Verdade. Luz, saúde e paz a todos!

  27. Vitor Diz:

    PauloPOA,
    neste mesmo blog já mostrei que é possível reproduzir sim escrever de trás pra frente, basta um pouco de treinamento. Escrever espelhado não é exclusivo de médiuns, mágicos e mentalistas também o fazem.

  28. PauloPOA Diz:

    Prezado Sr Vitor,
    Sugiro que o senhor dedique alguns MINUTOS apenas do seu tempo para ler e meditar profundamente sobre apenas UMA questão do Livro dos Médiuns. Refiro-me à questão de nº 225. É claro que, se o sr tivesse interesse de ler toda a Codificação seria infinitamente mais simples para o senhor entender essa questão tão simples e que o sr desconfiou de… (hmmm)…”farsa”.
    Mas pense no assunto!
    Compreendo seu questionamento, sua intranquilidade, sua inquietação, sua …”desconfiança”! Mas a resposta está muito clara e objetiva no Livro dos Médiuns! Lembre-se também que muitos não acreditaram NEM nos milagres que JESUS realizou!!! Pessoas que O viram curar acusaram-No. Bem, tanto é que o final da História Dele… todo mundo sabe bem…
    Ah! Tem versão digital (GRATUITA) do Livro dos Médiuns! Quem bom!!! Não se precisa gastar nenhum centavo! Sobra mais pra comprar OUTROS LIVROS que ainda não estão disponíveis para download!

    Vou até lhe facilitar o trabalho:

    http://www.espirito.org.br/portal/download/pdf/lm/25_p2_cap19.pdf

    BOA LEITURA e fique SEMPRE com Deus!

  29. Simone Diz:

    Gostei muito do seu blog,sou espírita convicta,e pessoalmente,acho muito importante o estudo de questões como psicografia,por exemplo.Acho que uma fé cega é muitas vezes prejudicial e nos faz cair em inúmeros erros,sendo assim ,acho realmente válido usarmos a razão e o bom senso também para não corrermos o risco de cairmos no fanatismo sem percebermos.Não vivemos mais na Idade Média,temos o direito de refletir,analisar, comparar para TENTARMOS chegar mais próximos da verdade,porque perto do Conhecimento somos apenas um grão de areia,todo nós temos muito o que aprender ainda,e as críticas muitas vezes nos aproximam um pouco mais da verdade,pois somos obrigados a rever nossas convicções,e o que parecia certo e verdadeiro pode não ser bem assim,como até mesmo a Ciência já nos provou em diversos campos(lembra a história que achavam que a Terra era quadrada,rsrs).Abraços fraternais.

  30. PauloPOA Diz:

    Importante: se você quisesse, você poderia, inclusive SUGERIR que o Espírito Irmão X plageou o Espírito Emmanuel, já que no Livro “A Caminho da Luz”, Emmanuel diz que “…e, dois meses antes de Napoleão Bonaparte sagrar-se imperador, obrigando o papa Pio VII a coroá-lo na igreja de Notre Dame, em Paris, nascia Allan Kardec, aos 3 de outubro de 1804, com a sagrada missão de abrir caminho ao Espiritismo…” Ou seja, é apenas uma CITAÇÃO de um fato HISTÓRICO. Normal de ser lembrado, comentado e interpretado de diferentes maneiras por Espíritos (ENCARNADOS E DESENCARNADOS). Hoje e sempre. Ou será que depois q alguém comentou que (por exemplo) a “abolição da escravatura ocorreu no Brasil em 1888″, nunca mais NINGUÉM poderá citar, lembrar, escrever, falar? É proibido? Simples. Simples assim… O que interessa é a forma absolutamente INUSITADA E PERFEITA que a citação ocorreu (espelhada, de trás pra frente, em língua desconhecida do médium) e na presença de centenas de pessoas). Preocupe-mo-nos nos assuntos mais SAUDÁVEIS E EDIFICANTES…

  31. Ariston Teles Diz:

    Considero importante essa iniciativa no momento atual, marcado por tanta bobagem. Ultimamente muita gente decidiu ser médium. Não tenho dúvida – o Apocalípse chegou. Salve-se quem puder. O rei da mistificação continua vivo sob os auspícios de organizações influentes. Kardec tinha razão ao dizer que os inimigos do Espiritismo estariam atuando dentro do próprio movimento.
    Repito: Salve-se quem puder!

  32. Ivan Diz:

    amiguinhos, estão sendo crianças. o teor das palavras, o seu conteúdo nos fala mais à alma do transcrições de assinaturas, impostas e alteradas pelo peso do corpo, da matéria e imperfeição . não existe nada cem por cento no mundo. puxa…. sei que é importante atentar e observar assinaturas comprobatórias; mas é imprescindível observar também que são comunicadores imperfeitos como já disse o chico. o espírito sutil e leve muitas vezes não consegue imprimir toda a sua impressão… bom senso é amor!!! analisar com bom senso é um dever nosso de espírita !! beijos a todos os colegas da web…

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)