Arquivo novembro, 2023

O racismo plagiado e indesculpável do livro Roteiro (1952), de Chico Xavier

segunda-feira, novembro 27th, 2023

O objetivo deste artigo é mostrar um exemplo de como o racismo plagiado e presente nas obras de Chico Xavier não tem desculpa de existir, uma vez que na própria época de quando o livro foi publicado, e de fato bem antes, já existia uma produção acadêmica mostrando o erro dessas ideias racistas. Para ler o artigo, clique aqui.

A médium Carmem Pena Perácio

domingo, novembro 26th, 2023

Claudio Bersot, do canal “Caminhos do Imaginário”, resgata a importância da médium Carmem Pena Perácio na vida de Chico Xavier. Foi ela quem de fato deu o primeiro passo para a criação de Emmanuel, guia fictício do Chico. Abaixo segue o ótimo vídeo do Claudio:

Para uma matéria entrevistando a Carmem, clique aqui. Aproveitem e se inscrevam no canal do Claudio!

“Vida e Valores, vol. 3” (2020), de José Raul Teixeira x “Jesus no Lar” (1949), de Chico Xavier

terça-feira, novembro 21st, 2023

Raul Teixeira é um médium nascido em Niterói que lembrava bastante Divaldo Pereira Franco em sua oratória, também fazendo palestras ao redor do mundo. Porém em 15/11/2011 sofreu um AVC que lhe deixou impossibilitado de falar por muito tempo, e o braço direito incapaz de movimento, e até hoje está em tratamento, embora tenha tido uma melhora fantástica. A obra que vou analisar é o 3º volume da coleção “Vida e Valores”, livros que são transcrições dos episódios de um programa de mesmo nome disponível no youtube, no qual Raul era o apresentador. No capítulo 19 achei semelhanças muito grandes com um conto no livro “Jesus no Lar”, de Chico Xavier. Para ver as semelhanças, clique aqui.

Abaixo um vídeo recente do Raul contando detalhes de como foi seu AVC:

Como é ter uma Experiência de Quase Morte?

quarta-feira, novembro 15th, 2023

Pedro Loos, do canal “Ciência Todo Dia”, fez um vídeo surpreendentemente bom sobre EQMs. Citou os melhores casos já registrados e os principais investigadores. Coloco o vídeo abaixo para conferência:

Experimentos Controlados Envolvendo Recepção Anômala de Informações com Médiuns: Uma Análise dos Métodos Aplicados em Estudos Recentes (2022), por Alexander Moreira-Almeida e Julio Silva

terça-feira, novembro 14th, 2023

O estudo da Recepção Anômala de Informações (RAI) com médiuns, onde um indivíduo supostamente tem acesso a dados sem o uso dos sentidos básicos, alegando ter recebido informações de personalidades falecidas, tem o potencial de introduzir novas informações sobre a relação entre a mente e o cérebro. Estudos recentes que investigaram se a RAI ocorre em processos mediúnicos produziram resultados conflitantes. Este artigo compara oito estudos com maior rigor no controle do vazamento de informações no que diz respeito a métodos e resultados, com o objetivo de identificar a causa da disparidade nos resultados. Descobriu-se que parece haver maior probabilidade de resultados significativos para a RAI quando os protocolos do estudo selecionam médiuns com evidências prévias consistentes de RAI; selecionam consulentes que estejam fortemente motivados para o estudo; fornecem ao médium algumas informações sobre o falecido; permitem que ele fale livremente, mas também façam perguntas objetivas; fornecem pontuações para leituras completas e itens individuais; e evitem um grande número de leituras e informações para avaliação. Essa diligência aparentemente proporciona maior equilíbrio entre a validade ecológica e o controle do vazamento de informações, favorecendo a ocorrência e detecção da RAI. Para ler o artigo, clique aqui.

Nosso Lar (1943), de Chico Xavier x Além da Morte (1967), de Divaldo Pereira Franco

sexta-feira, novembro 10th, 2023

Tomei conhecimento das semelhanças entre os livros Nosso Lar (1943), de Chico Xavier, e Além da Morte (1967), de Divaldo Pereira Franco, por uma passagem do livro O Processo Mediúnico (2023), de Elias Moares, que diz:

A questão dos plágios começa com o primeiro livro psicografado por Divaldo. Chico conta que quando Divaldo apresentou à FEB o texto de Além da Morte (1959) para publicação, o seu então presidente Wantuil de Freitas lhe teria sugerido “aguardasse um pouco até que a mediunidade se tornasse mais sensível ao registro do pensamento dos espíritos.” A FEB achou melhor aguardar uma produção “mais original”, de vez que o livro se parecia, sob todos os aspectos, com a obra de André Luiz.

Para ver as semelhanças, clique aqui.

Resenha Crítica do livro “Ciência da Vida Após a Morte” (2023) por Daniel e Natacha Gontijo

quarta-feira, novembro 8th, 2023

Segue a resenha crítica do livro escrito por Alexander Moreira-Almeida et al., “Ciência da Vida Após a Morte”, publicada na revista Interações. Para lê-la, clique aqui.

Comentários ao artigo “Mortos não são testemunha”, de Juliana Melo Dias

terça-feira, novembro 7th, 2023

Juliana Melo Dias é servidora do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), e se mostra bastante conhecedora e crítica das evidências mais recentes para a mediunidade, em especial a psicografia. No entanto, seu artigo “Mortos não são testemunha” peca por uma generalização indevida. Irei comentar algumas das passagens principais de seu escrito. Para ler minha análise, clique aqui.

Mortos não são testemunha: a inadmissibilidade da prova psicografada devido à ausência de fiabilidade (2023), por Juliana Melo Dias

segunda-feira, novembro 6th, 2023

Juliana Melo Dias é Mestra em Teorias Jurídicas Contemporâneas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pesquisadora do Grupo de Pesquisa sobre Epistemologia Aplicada aos Tribunais (GREAT), liderado pelas Dras. Rachel Herdy e Janaina Roland Matida. Atualmente é servidora do Ministério Público do Rio de Janeiro. Ela escreveu um artigo contestando o uso de cartas psicografadas em processos criminais. Eu discordo de algumas coisas mas recomendo bastante a leitura do artigo, disponível aqui. Minha próxima postagem trará justamente minha análise deste seu artigo, que a meu ver possui pontos altos e baixos.

Livro Gratuito! “Monteiro Lobato e o Espiritismo” (1971), de Maria José Sette Ribas

sexta-feira, novembro 3rd, 2023

MONTEIRO LOBATO não era um simpatizante do espiritismo. Era espírita praticante. Realizou uma série de experiências com as chamadas sessões de copinho e conseguiu comunicar-se com os filhos, parentes e amigos falecidos, inclusive a famosa tia Anastácia das histórias infantis de Emília e Pedrinho, que realmente existiu. Este livro é constituído pelas atas das sessões de Monteiro Lobato, por ele mesmo escritas.

Lobato se convenceu da imortalidade espiritual do homem e da possibilidade de comunicação com os mortos depois de uma sessão em que se manifestaram seis de seus grandes amigos desaparecidos: Adalgiso Pereira, Maneco Lopes, Amadeu Amaral, Arthur Neiva, Martins Fontes e outro cujo nome se perdeu. Maneco Lopes – o vovô dos jornalistas paulistanos quando faleceu – voltou do Além carregado dos mesmos palavrões que usava nas redações e nas esquinas, o que muito agradou a Lobato. A partir dessa primeira reunião, cuja ata se perdeu, Lobato realizou sessões num período que vai de 21 de dezembro de 1943 a 17 de março de 1945, no Brasil, e em 1946 -1947, na Argentina.

Maria José Sette Ribas (desencarnou em 24 de agosto de 1981), afilhada do poeta Júlio César da Silva, foi apresentada por seu padrinho a Lobato quando menina e se tornou grande amiga do escritor. Logo mais tornou-se a sua colaboradora permanente e a revisora exclusiva dos seus livros. Ele a chamava de “rainha da revisão”. Foi ela quem conservou as atas de Lobato para reuni-las no livro que ele pretendia publicar.

Para baixar o livro, clique aqui.

Entradas (RSS)