A MENSAGEM DO MENINO JOÃO HÉLIO: ANALISANDO A PARTE HISTÓRICA

Alguns internautas que leram o artigo que escrevi sobre a mensagem supostamente psicografada do menino João Hélio reclamaram que erros em mensagens, principalmente em datas, são muito comuns, e que eu não deveria descartar a autenticidade da mensagem por isso. No entanto, muitos erros históricos foram encontrados na mensagem que permitem descartar sua autenticidade por completo.

Relembro aos leitores a mensagem: 

Mensagem psicografada – João Hélio  

Nasci na Gália no ano de 22 e desencarnei na Líbia no ano 20 da Era Cristã.  

Fui Oficial da Legião dos Leões que estava na Líbia, Núbia. Como Governador de Al Katrim, me comprazia atrelar na minha biga puxada por dois cavalos velozes, crianças; homens; mulheres; novos; velhos e eram puxados através da estrada seca e pedregosa daquela região da África. Os corpos se despedaçavam e eu era exaltado pelos meus pares… 

Morri em combate com tropas Egípcias e me deparei em uma região de treva profunda, talvez uma caverna. Muitos gritos e rostos aterradores me esperavam. Fui levado a um estado de total animalidade por mil e quinhentos anos, quando os servos de Maria me resgataram. 

Sendo levado a outro plano, fui aos poucos tendo o meu periespírito reajustado, minha mente normalizada e meus pensamentos corrigidos. E compreendi os horrores que cometi. Que tristeza Deus. Por 300 anos permaneci em preparo para reencarnação e pedia a graça de receber para desencarne o mesmo destino dado por mim a outros. No ano do Senhor de 2001, após busca incessante por quem me recebesse por filho, um casal, tiranizado por mim, aceitou. 

Reencarnei. 

Agora em comoção generalizada, como o irmão Joãozinho, desencarnei e agradeço ao Pai ter me atendido dando destino, nem igual ao que dei as minhas vítimas. Estou em paz, estou na luz. Resgatei um pouco do meu passado, outros momentos virão. Confio em Deus. 

Titus Aelius

O erro observado era o seguinte:

“No ano do Senhor de 2001, após busca incessante por quem me recebesse por filho, um casal, tiranizado por mim, aceitou.”  

Só que João Hélio nasceu em 18-03-2000. Alguns leitores, como já dito, acharam tal erro insuficiente para descartar a mensagem. 

Pois bem, a mensagem foi analisada pelo senhor José Carlos Ferreira Fernandes, que revelou erros ainda mais grosseiros. Segue portanto o excelente estudo feito por ele: 

Após ter derrotado as forças de Antônio e Cleópatra na batalha travada no promontório de Ácio, no Épiro (31 aC) e de ter obtido a rendição das forças de Antônio em Alexandria, no Egito (30 aC), seguindo-se imediatamente o suicídio de seu rival e de sua esposa Cleópatra, Otaviano anexou o Egito ao Império Romano.  Inicialmente, foram estacionadas três legiões no país, além de alguns corpos auxiliares; disso temos certeza a partir do testemunho do geógrafo Estrabão (64 ou 63 aC a 21 dC), natural de Amásia do Ponto, que escreveu sua Geografia por volta do ano 7 aC, republicando-a com alguns acréscimos (mas sem revisar as situações já obsoletas) por volta do ano 18 ou 19 dC, sob o império de Tibério: 

“O Egito é agora uma província, pagando um tributo considerável e sendo governado por homens prudentes, denominados prefeitos, que são enviados de tempos em tempos. Esses prefeitos, no país, têm em tudo a autoridade dos antigos reis; a eles é subordinado tanto um encarregado jurídico, que tem sob sua responsabilidade os assuntos legais, quanto o Idiólogo, que registra todas as propriedades que, não havendo herdeiros, são anexadas aos bens de César.  Todos eles são auxiliados por libertos do Imperador, bem como por inúmeros amanuenses, aos quais são delegadas as tarefas mais corriqueiras.  Há igualmente na província três legiões, uma das quais estacionada na Cidade [i.e., Alexandria] e as outras duas no interior do país.  Além dessas legiões, há também nove coortes, três na Cidade, três na fronteira com a Etiópia, em Siena, para guardá-la, e três no restante do país.  Há também três corpos de cavalaria, estacionados em pontos considerados importantes.” (Estrabão, Geografia, livro 17, capítulo 1, parágrafo 12, parte) 

 

Os dois pontos “no interior” onde estavam aquarteladas as legiões eram, quase certamente, a fortaleza de Babilônia do Egito (o atual Velho Cairo) e a Alta Tebas.  Babilônia do Egito, além de se constituir num ponto estratégico importante, entre o Alto e o Baixo Egito, pelo fato de haver aí, nessa época, uma fortaleza (como citado pelo próprio Estrabão, Geografia, livro 17, capítulo 1, parágrafo 30); Tebas pelo fato de ser uma região potencialmente hostil aos estrangeiros, desde a época dos Ptolomeus, e próxima à fronteira sul do país.  Essa, assim, é a situação por volta do ano 7 aC; a Arqueologia e a Epigrafia nos permitem saber os nomes das legiões e de algumas das unidades auxiliares.  Comecemos pelas legiões. 

Duas delas eram antigas legiões de Marco Antônio: a III Cyrenaica (com certeza) e a XII Fulminata (quase certamente), às quais se juntou uma terceira, de origem gálata, a XXII Deiotariana. 

  • A III Cyrenaica (emblema: desconhecido), do antigo exército de Marco Antônio, havia sido por este estacionada na Cirenaica (a atual parte oriental do litoral da Líbia, com centro na cidade de Cirene, e que na época era parte do reino do Egito), talvez nas próprias cercanias de Cirene, mas foi transferida para o Egito após 30 aC, estacionando provavelmente na alta Tebas (hoje o complexo de Carnac e Lúxor); uma inscrição de 35 dC, contudo, mostra que, já nessa época, havia sido transferida para Nicópolis, próxima a Alexandria.

 

  • A XII Fulminata (emblema: raios), de origem quase certamente cesariana (formada em 58 aC, por ocasião da campanha contra os helvécios da atual Suíça?), desmobilizada em 46 ou 45 aC, reconvocada em 44 ou 43 aC por Lépido e depois anexada ao exército de Marco Antônio, permaneceu com este no Oriente, quase certamente na Grécia, até ser mandada por Otaviano ao Egito após a batalha de Ácio.  É possível que tenha sido estacionada na Babilônia do Egito (velho Cairo), mas permaneceu no país por pouco tempo, sendo, ainda no sob o império de Augusto (Otaviano), ou seja, antes de 14 dC, transferida para a Síria.

 

  • A XXII Deiotariana (emblema: desconhecido) tem sua origem nas tropas que o rei da Galácia (na Ásia Menor), Dejótaro (morreu 40 ou 39 aC), equipou e treinou à maneira romana.  Após a morte de seu sucessor Amintas (reinou 39 aC a 25 aC), que levou à transformação do reino na província da Galácia, foi transformada em legião romana e imediatamente enviada ao Egito, estacionando na cidade de Nicópolis, nas cercanias de Alexandria.  Nicópolis (“cidade da vitória”) era o local do acampamento de Otaviano em 30 aC, onde ele, em território egípcio, pela última vez, enfrentou Marco Antônio em 30 aC.

Assim, a guarnição do Egito compreendeu três legiões (em Alexandria, Babilônia do Egito e Tebas) de c. 30/25 aC até, provavelmente, os inícios da era cristã; a partir de então (com certeza desde 14 dC), com a transferência da XII Fulminata para a Síria, compreendeu duas legiões a XII Deiotariana (estacionada em Nicópolis, nas cercanias de Alexandria) e a III Cyrenaica (estacionada quase certamente na alta Tebas); desde a época de Tibério (reinou 14-37 dC), ambas as legiões estacionaram em Nicópolis.  É quase certo que, por ocasião das campanhas de Vespasiano contra os judeus (ou seja, a partir de 66 dC), uma terceira legião, a XV Apollinaris, anteriormente estacionada na Panônia (na região danubiana da atual Hungria) e desde 58 (ou talvez desde 62) dC na Síria, tenha sido transferida para o Egito logo depois das campanhas de Domício Corbulão (63 ou 64 dC); o fato é que Tito a levou à Judéia, e quando retornou ao Egito, com ela e com mais duas legiões, após a conquista de Jerusalém, despachou-as as três a seus locais de origem, sendo que a XV Apollinaris retornou à Panônia (71 dC). 

Isso para as legiões.  Para as tropas auxiliares (“alas”, alae, ou unidades de cavalaria, e “coortes”, cohortes, unidades de infantaria), deve-se confiar quase inteiramente na epigrafia e (mais especificamente no caso egípcio) na papirologia.  A reconstituição é, sem dúvida, conjectural; por dados epigráficos (grafitos, dedicatórias) e papirológicos (diplomas de baixa, demandas judiciais, cartas, recibos, empréstimos, etc.), pode-se ter uma visão bastante razoável da relação das unidades auxiliares nos finais do séc. I dC (sob esse aspecto, o mais importante documento é o diploma de baixa honrosa, honesta missio, que lista todas as unidades auxiliares presentes na província, dado na cidade de Coptos, no ano 83 dC, CIL XVI, 29).  Para a época augustana, contudo, a situação é um tanto mais difícil, mas não impossível de uma reconstituição plausível.  Seguindo assim Estrabão e os dados epigráficos e papirológicos: 

  • As três unidades de cavalaria (alae): Ala Paullini, em Alexandria; Ala Apriana (estacionada em local desconhecido); Ala Xoitana (idem). 

A Ala Apriana é primeiramente atestada num documento de 48 dC; sua denominação não étnica aponta para uma época mais primitiva, razão pela qual aqui se a considera como presente desde os princípios do reinado de Augusto.  A Ala Paullini (“ala de Paulino”) também tem uma denominação não étnica, e mais, ligada a uma pessoa, talvez o seu 1º comandante, o que também aponta sua origem para uma época mais primitiva; com efeito, ela é atestada pela 1ª vez num papiro datado de 27 dC, de Alexandria, referente a um empréstimo; esse mesmo documento (SB XVI 12609) testemunha também a existência da coorte de Élio Habeto (ver mais abaixo).  Enfim, a Ala Xoitana (i.e., “de Xóis”, cidade e região situada ao sul do lago Mareótide e a leste de Alexandria – a denominação talvez venha do lugar onde estacionava, ou onde foi recrutada), aparece pela 1ª vez num documento datável da época de Cláudio ou de Nero (41-68 dC), Pap. Michigan III, 159, referente a uma disputa de herança envolvendo soldados das alas Apriana e Vocontionum; o juiz era um ex-membro da Ala Xoitana.

 

  • As três unidades de infantaria (cohortes) estacionadas em Alexandria: Cohors Aelii Habeti, Cohors Augusta (?), Cohors Vocontionum (?)

 

A Cohors Aelii Habeti é atestada no mesmo documento, SB XVI 12609, de 27 dC, de Alexandria, já mencionado para a Ala Paullini.  Os casos para a Cohors Augusta e para a Cohors Vocontionum são hipotéticos: ambas as unidades são atestadas posteriormente como unidades de cavalaria (alae), que talvez tenham sido promovidas a partir de unidades de infantaria mais antigas, a julgar pelos nomes; a Augusta num contrato anterior ao ano 50 dC, de Oxirrinco, no Médio Egito, e a Vocontionum no já citado Pap. Michigan III, 159, de 41-68 dC.

 

  • As três unidades de infantaria (cohortes) estacionadas em vários pontos do país: Cohors Nigri Camerensiana, Cohors M(arci) Flori, Cohors I Ituraeorum.

 

A Cohors Nigri Camarensiana é citada numa dedicatória de 19 dC do uade Hammamat, e num recibo datável da época de Tibério, de Hidreuma Apolínea.  A Cohors M(arci) Flori (“coorte de Marco Floro”), outra denominação primitiva, é citada uma única vez, numa dedicatória, também do uade Hammamat, datável da 1ª metade do séc. I dC; seu nome arcaico autoriza sua inclusão na lista.  O caso da Cohors I Ituraeorum (“primeira coorte dos Itureus”) é um tanto problemático; ela não é atestada diretamente, mas a presença da II e III dos Itureus no Egito pode significar a presença aí, também, da I Ituraeorum.  Com a incorporação da Ituréia no reino de Herodes o Grande (20 aC), por desejo de Augusto, ou, no mais tardar, a partir da cessão da região a Herodes Filipe, após a morte de Herodes o Grande (4 a.C), boa parte das antigas tropas locais podem ter sido incorporadas ao sistema auxiliar romano, e transferidas para outras províncias; uma região plausível seria o Egito, com clima (e condições para combate) semelhante ao da Ituréia.

 

  • As três unidades de infantaria (cohortes) estacionadas na fronteira sul, com a Etiópia: Cohors Facundi, Cohors II Ituraeorum Equitata, Cohors III Ituraeorum.

 

A Cohors Facundi (“coorte de Facundo”, mais uma nomenclatura primitiva) é atestada numa dedicação ao deus Hermes em Psélquis, na Núbia, datável de 28 dC.  As duas coortes ituréias (a II equitata, i.e., equipada com cavalaria, e a III) estão estacionadas no Egito desde pelo menos o ano 18 dC (data da visita de Germânico ao país, (cf. AE 1896, 39 = AE 1896, 46; CIL III, 14147,2).

 

Assim, tem-se, da melhor forma possível, a situação das forças romanas estacionadas na província do Egito na época de Augusto e dos Júlio-Cláudios.  Podemos, agora, analisar a comunicação mediúnica pretensamente do menino João Hélio Fernandes. 

Ele diz ter nascido em 20 aC, na Gália, e ter falecido em 22 dC, no Egito, como oficial da “legião dos leões”.  Essas denominações são bastante incongruentes.  Embora não saibamos os emblemas das legiões que permaneceram no Egito (III Cyrenaica e XXII Deiotariana), uma legião era conhecida sempre pelo seu número (III, XXII), muitas vezes pelo seu número seguido de seu epíteto, ou epítetos, se os tivesse (III Cyrenaica, XXII Deiotariana), mas nunca pelo seu “símbolo” (um touro, um capricórnio, raios, um leão, ou o que fosse).  A legião XIII Gemina (que nunca pisou no Egito) tinha, efetivamente, como emblema, um leão (símbolo de Júpiter); mas um soldado romano, ainda mais um oficial, não diria que era “oficial da legião dos leões”; ele diria algo como “oficial da III legião, Cyrenaica”.  Aliás, não apenas isso – não seria tão pouco específico a ponto de utilizar a palavra “oficial”; diria que era “centurião primipilário”, ou “centurião”, ou “tribuno angusticlavo” (que era o máximo que alguém como o “Titus Aelius” poderia ser – não sendo de origem senatorial, não poderia ser um tribuno laticlavo, e, aliás, não havia tribunos laticlavos nas legiões egípcias), por exemplo.  “Titus Aelius” se denomina de uma forma muito estranha e vaga, para se dizer o mínimo, e nomeia sua “legião” de um modo bastante estranho e vago também. 

Se ele era um “oficial” de uma das legiões romanas estacionadas no Egito, não era, obviamente, membro de uma das unidades auxiliares.  É interessante verificar que uma das unidades auxiliares tem o nome de um Élio Habeto, provavelmente o seu 1º comandante.  Se se quiser sonhar um pouco, poder-se-ia ver aí um “Titus Aelius Habetus”, 1º comandante (“praefectus”) da Cohors Aelii Habeti, “Coorte de Élio Habeto”, com certeza estacionada em Alexandria no ano 27 dC, mas há alguns problemas, já que as evidências apontam para o fato de que essa unidade de cavalaria, como citado, tinha seu quartel nas cercanias de Alexandria, e não na fronteira núbia; além do mais, o comandante de uma unidade auxiliar era usualmente um romano, e “Titus Aelius” era gaulês de nascimento.  Contudo, a situação pode ainda ser salva: ele tinha um nome romano plausível (prenome Tito, gentílico Élio), o que indicaria que era um romano nascido na Gália (como um filho de portugueses nascido no Brasil, que tem o direito à cidadania portuguesa plena) – um oficial romano, de uma legião, posto para comandar uma unidade de auxiliares, que levou o seu nome. 

Se Élio Habeto, contudo, abre algumas esperanças para “Titus Aelius”, o restante não se sustenta.  Os oficiais romanos não eram “governadores de cidades”; suas funções eram eminentemente militares, a administração civil ficava a cargo das elites locais.  Aliás, nem esse cargo, ainda que vago, “governador” de cidade, inexistia.  Cada cidade (no caso egípcio, cada capital de nomo) tinha os seus magistrados próprios (incluindo os magistrados epônimos) e o seu conselho (boulê).  O que é aí dito é totalmente errado.  O “praefectus”, bem como seus comandados (e os legionários, se fosse o caso) tinham seus próprios acampamentos; apenas excepcionalmente (no caso de missões especiais) eram alojados nas cidades, e, mesmo assim, não interferiam na administração local. 

Outro detalhe é o da tal biga; isso se parece muito mais com um estereótipo hollywoodiano do que com a realidade histórica.  Os romanos não utilizavam carros de guerra; mesmo sua cavalaria era incipiente.  O legionário romano era um infante, e seus oficiais, mesmo centuriões, usualmente combatiam a pé (cavalos apenas para os tribunos militares e para o legado da legião).  Se era um “oficial” de uma legião, “Titus Aelius” certamente não possuía uma biga; certamente um cavalo, que nem sempre usaria em batalha (a não ser que fosse um tribuno); se era o comandante de um corpo auxiliar de infantaria (uma coorte), idem. 

Agora, enfim, à geografia.  Sua “legião dos leões” estava estacionada na “Líbia, Núbia”, ele lutou contra os “egípcios” e ele era “governador de al-Katrim”.  Eis aí uma grande salada… 

A palavra “Líbia” em grego, significava o que é hoje a África.  Especificamente, na época dos romanos, “Líbia” ia do Oceano (ou seja, do mar aberto, a ocidente – o Oceano Atlântico) até ao rio Nilo; do Nilo até ao mar Vermelho já se utilizava o nome “Arábia” (ver Estrabão, Geografia, livro XVII, capítulo 1, parágrafo 30).  E o nome “Núbia”, como relativo à região ao sul do Egito, é medieval.  Na época romana, a região ao sul da Primeira Catarata era denominada pelo nome grego “Etiópia” (“a terra dos que têm o rosto queimado” – isto é, dos negros).  A expressão “na Líbia, Núbia”, como utilizada por “Titus Aelius”, é, no mínimo, estranha.  Para dizer que estava estacionado no sul do Egito, na fronteira com a Etiópia, poderia utilizar uma expressão como “na Tebaida e na região dos etíopes”, p.ex.; se quisesse usar uma expressão mais moderna, era melhor dizer “no Sudão” – que é a Núbia atual, aproximadamente.  “Na Líbia, Núbia”, como localizador geográfico, não faz nenhum sentido. 

Lutou ele contra os “egípcios”.  Houve, sem dúvida, lutas na Tebaida, bem como contra os “etíopes” (diríamos: os “meroítas” do reino de Meroé), mas isso se deu nos anos 20 antes de Cristo, e não nos anos 20 depois de Cristo, já sob o império de Tibério.  Nessa época, tanto quanto sabemos, a região já se encontrava pacificada, e a fronteira romana estava firmemente estabelecida até além da Primeira Catarata, até ao posto avançado fronteiriço de Hiera Sicaminos, no extremo da Dodecasquena (atual Maharraqah, no Sudão), ao sul da Primeira Catarata – a região de 12 “esquenos” de extensão além de Siena (atual Assuã)[1]. 

Afinal, onde fica essa tal al-Katrim? Não pode ser Khartoum, a atual capital do Sudão, a qual se situa ao sul da Sexta Catarata, na junção dos Nilos Azul (que vem dos altiplanos etíopes) e Branco (que vem dos Grandes Lagos africanos, via Uganda): muito a sul, muitíssimo distante do máximo ponto de avanço a que chegaram os romanos.  Não encontrei nada, pesquisando no “Google”, sob o nome Katrim e as variantes Katrin, Khatrim, Khatrin, Qatrim ou Qatrin, como nomes geográficos sudaneses, ou egípcios.  Talvez se trate da pequena aldeia de Khartum, 30 milhas ao sul da famosa ilha de Filasn a Primeira Catarata, e citada explicitamente por E. R. Bevan, “The House of Ptolemy”, Methuen Publishing, Londres, 1927, pág. 293-94, onde uma inscrição hieroglífica da época ptolemaica foi descoberta.  De qualquer modo, não é a homônima capital do Sudão. 

Enfim, deve-se dizer, acerca de um dos comentários à citada mensagem mediúnica, que não há registro de uma legião XXIII Gemina, cujo emblema seja um leão.  As legiões conhecidas com o epíteto Gemina (“desdobrada”) são as de números VII (símbolo desconhecido), X (símbolo: touro), XIII (símbolo: leão, como visto) e XIV (símbolo: capricórnio).  Houve assim uma confusão com a XIII Gemina, que nunca pisou no Egito (permaneceu na Ilíria até ao ano 9 dC, depois transferindo-se para a Germânia Superior, aí permanecendo até c. 45 dC, quando foi acantonada na Panônia; tomou parte nas campanhas dácicas de Trajano, e permaneceu na nova província até ao seu abandono em 274-75 dC, sendo a partir de então estacionada no baixo Danúbio). 

Assim sendo, pode-se notar claramente que a mensagem do pretenso “Titus Aelius” apresenta uma série de problemas que, cumulativamente, a inviabilizam quer como fonte de informação, quer como prova de comunicação extra-sensorial.  O próprio nome da personagem, “Titus Aelius”, pode ter sido inspirado pelo nome do menino, João Hélio Fernandes. 

JCFF. 

Bibliografia

Alston, R., “Soldier and Society in Roman Egypt – a Social History”, Routledge, Londres, 1998 

Cheesman, G. L., “The Auxilia of the Roman Imperial Army”, Ares Publishers, Inc., Oxford, 1914 (reprint) 

Hornblower, S., e Spawforth, A., “The Oxford Classical Dictionary”, Third Edition, Oxford University Press, Oxford-New York, 1996, s.v. “Legion”, pp. 839-842 

Keppie, L., “The Making of the Roman Army – from Republic to Empire”, Routledge, Londres, 1998




[1] A Dodecasquena (Dodekaschoinos) era, assim, a região de 12 “schoinoi” de extensão.  O esqueno, segundo Heródoto (Histórias, livro II, cap. 6) era uma unidade de comprimento especificament egípcia, e que valia 60 estádios (algo como 7 milhas). 

85 respostas a “A MENSAGEM DO MENINO JOÃO HÉLIO: ANALISANDO A PARTE HISTÓRICA”

  1. Carlos Magno Diz:

    Vitor:

    Está meio paradinho esse seu blog, não? Acho que você precisa avançar mais em suas pesquisas de “pega-na-mentira”. Dessa mesma maneira repetida está sonolento, chato pacas.

    Mas vamos lá assim mesmo.

    Fico impressionado com a erudição de seu amigo José Carlos F.F.!

    Talvez haja mesmo falhas na mensagem acerca do João Hélio quanto às datas. Talvez o médium não tenha conseguido captar corretamente alguns detalhes. Talvez o comunicante não atentasse para a história terrena com tanta acuidade que V.Sas. necessitariam para reconfirmar as provas cabais, diplomar o missivista e efetivamente arquivar.

    E talvez a mensagem possa não ser autêntica!

    Mas colocar na história o ônus testemunhal único, verdadeiro e inalienável, ah! É dar armas e inusitada satisfação aos eruditos em buscar erros! Os céticos do espiritismo!

    A história universal está coalhada de erros, mentiras e documentos forjados. Quantos senhores de guerras passaram de covardes a heróis pelas declarações de seus principais escribas ou relatores dos episódios de lutas? E as omissões, as tergiversações?

    E os documentos que foram perdidos, destruídos e depois, mais tarde, substituídos por relatos apócrifos, consoantes a suposições?

    Creio mesmo que jamais os eruditos técnicos ou pesquisadores céticos se convencerão de que o espiritismo não veio para contar mentiras. E que não precisam se passar por desbravadores quixotescos das falcatruas espíritas, bastiões da verdade. E nem pensar que o mundo jamais será igual após seus gloriosos, ateístas e céticos trabalhos!

    Mas há tanta coisa melhor e mais proveitosa a se fazer!

    Abraços.

  2. tania Diz:

    Parabéns por desmascarar pessoas que usam o nome do Espiritismo como meio de confundir pessoas que não conhecem a verdade sobre o mesmo.
    Os que conhecem o Espiritismo e o praticam de forma respeitosa e compromissados com a verdade; não se deixam levar por falsas mensagem, até porque sabemos que para se ter um cunho de verdade no que se pode chamar de MENSAGEM MEDIÚNICA deve conter nela fatos que só amigos intimos ou familiares o sabem desta pessoa a que supoe-se ser a mensagem; do contrário não corresponde a verdade.

  3. Vitor Diz:

    Tania,

    Muito grato! Gostaria apenas de salientar que não penso que o médium do caso agiu por maldade, simplesmente fantasiou toda a mensagem, devido talvez a armadilhas do inconsciente.

  4. Carlos Magno Diz:

    Eu acho que a Tânia se enganou na apreciação.

    O blog aqui não tem a proposta de desmascarar quem usa o espiritismo como meio de confundir pessoas.

    Mas bem ao contrário, é de mostrar que o espiritismo é todo ele uma farsa e as pessoas profundamente envolvidas é que estão enganando o povo.

    Se Alan Kardec, Chico Xavier, Divaldo Franco e outros expoentes do espiritismo não são poupados, porém, ironicamente colocados no cadafalso e acusados de farsas, que sobraria do espiritismo?

    Não tem essa de bater e soprar. Se aqui são levantadas suspeitas de fraudes, mentiras, plágios, manipulações, etc., uma única vez a cada um dos conceituados artífices do espiritismo, todo o edifício ruirá. Isso está bem claro. A intenção é essa, a campanha é muito bem urdida. Bem, pelo menos no pensamento de quem acha que pode fazer isso.

    Você entraria num restaurante sobre o qual tivessem falado de que existem ratos por lá?

    Pois é. O ditado que diz “quem faz um cesto faz um cento” dá a exata medida da intenção do blog. A desmoralização do espiritismo através de médiuns precários, mentirosos e farsantes. Esses famosos que pregam mensagens de fé e que roubam essa mesma fé dos crentes.

    Médium que ficou sábio lendo uma só enciclopédia, ou vários livros às escondidas, mensagens que são copiadas de autores vivos, exaltações ao Sai Baba, hoje acusado de homossexualismo, falsas ilações científicas, mentira sobre analfabetismo, etc. São pseudo provas que além de não serem de fato testadas, já em si mesmas são totalmente suspeitosas, pois partem de pessoas ambiciosas, atéias, materialistas, e, principalmente, de falsos espíritas, Judas que traem seus mestres. Todo esse montante é intencional para trabalhar a mente e a opinião dos leitores a fim de que se sintam enganados e enraivecidos por terem acreditado no espiritismo, e passem a odiá-lo.

    Traição do inconsciente, interferência do subconsciente, desconhecimento das ciências, etc., são também mensagens subterfugias, colocações subliminares para mostrar que há tão somente animismo ou falsos psíquicos no espiritismo.

    Senão acreditam, façam um retrospecto em todos os textos desse blog e vejam que avalanche de argumentos falaciosos derramou-se sobre o espiritismo. É muita munição pesada. É muito mais do que tentar provar que há pessoas falsas no meio espírita, aliás esforço inútil, pois falsidade existe em todas as áreas das atividades humanas. Mas a verdadeira intenção é implodir o movimento espírita.

    Por quê? Talvez Freud explicasse!

    PS – Ah, sim, suspeitem também daqueles que elogiam os textos.

  5. Marcelo Diz:

    Penso que esse tópico deveria ser removido, em respeito à família do menino

  6. Vitor Diz:

    Marcelo,

    fiz esse tópico justamente em respeito à família do menino, esclarecendo toda a situação.

    Um abraço.

  7. Carlos Magno Diz:

    Vitor:

    Pare de brincar com coisas sérias! Oportunismo não é respeito.

    Além do mais, quem disse que você e seu amigo teórico esclareceram toda a situação?

    Arrogância muito peculiar de sua pessoa.

    Em respeito à dor da família seria muito mais benéfico você não remexer esse assunto. O que você fez foi expô-los às críticas e comentários para provar suas teorias demolitórias ao espiritismo. E não particularmente ao fato da mensagem sobre João Hélio.

    Quem não se sentiu revoltado com o acontecido ao menino e entristecido pela família?

    Ah, não amola!!!

  8. Vitor Diz:

    Carlos Magno,

    foi justamente em respeito à dor da família que resolvi colocar uma pá de cal sobre o assunto expondo um estudo detalhadíssimo sobre a veracidade ou não da mensagem. Assim, evita-se de propagar essa mensagem e espero, jamais chegue aos ouvidos da família.

  9. Carlos Magno Diz:

    Ótimo seu pensamento, pois não é estimulando comentários e dúvidas que se respeita a dor alheia.

    Portanto, a prática exige que você apague o texto e os comentários.

    Será uma pá-de-cal legítima.

  10. Delefrate Diz:

    Sr, Carlos Magno, com respeito ao post do blog sobre ´´Médium que ficou sábio lendo uma só enciclopédia, ou vários livros às escondidas´´ foi uma das que mais ri, o Blog também nos diverti amigo, e além disso, o espiritismo ja conta com mais de 150 anos, enquanto as idéias do Sr. Vitor devem morrer com ele e mais alguns poucos simpatizantes, nada mais.Como disse Kardec, toda verdade prevalece com o tempo, o que é falso rui com o tempo,veja só a idéia de Jesus, que existe ja ha mais de 2000 anos e não da sinal de enfraquecimento, pelo contrario, na Africa tem crescido muito as idéias cristãs por la, a tendencia são os ateus ficarem cada vez mais ridicularizados com o passar das gerações, e então se verão forçados a pensar como a maioria, sob pena de cairem no ridiculo.O ateismo ja foi bem mais forte no mundo, principalmente quando a ciencia começou a aflorar novamente depois da idade média, mas logo depois de uns ´´séculos´´ a religiosidade floresceu novamente, paises como os Eua por exemplo são altamente cristãos hj.
    Quano à mensagem, pode ser falsa, existem inumeros espiritos das trevas com intenções maléficas ao espiritismo, com o claro própósito de prejudicar sua credibilidade, pois assim, com mais pessoas sem esclarecimentos das verdades espirituais, podem exercer melhores suas influencias e obsessões.E estes espiritos, infelizmente encontram muitos médiuns despreparados, com alto teor de orgulho, vaidade, etc…requisitos fundamentais pra que possam exercer esta influencia.Inclusive muitos ateus tem destino certo no desencarne, geralmente se juntam a estas hordas do mal incumbidas de semear o materialismo no mundo, pois que se comprometem desde essa vida com tais objetivos.
    Pra um espirito exercer uma influencia negativa, é bem mais facil quando ele encontra uma familia sem fé, sem religião, onde o pai não ensina aos filhos o valor da oração, da fé na existencia de Deus, de Jesus, mostrando consequentemente a maxima amai uns aos outros, filhos estes que aprendem que o melhor é ser mais esperto, melhor levar vantagem, passar o outro pra traz se caso for necessario pra se dar melhor, ja que não exitem freios morais, só pra citar um exemplo dentre tantos que a falta destes “freios´´ podem acarretar.Isto pra um espirito com más intenções é um prato cheio, eles odiariam ver suas influencias em vão em pessoas que oram, que pensam em fazer o bem a exemplo do Cristo, que não aceitariam sugestões tipo “pega ela mesmo sendo casada amigo, melhor ainda´´,pois um espirita cristão ou cristão simplesmente, diante de ensinamentos morais, refutarim tais sugestões que podem trazer inumeras desgraças a uma ou mais familias, ja um ateu não teria muito a perder.

  11. Carlos Magno Diz:

    É isso, amigo Delafrate.

    Pena que essas pessoas descrentes somente se dão conta de suas lastimáveis condições mentais e morais depois do desenlace físico.

    Muitos, no entanto, permanecem céticos, ainda que desencarnados; sobem e descem da Terra para o espaço e vice-versa nas mesmas situações de almas, e são os instrumentos preferidos dessa grande energia e organização maligna milenar que se opõem ao progresso espiritual da humanidade.

    Se eles pudessem perceber por um instante que após suas vidas terrenas continuarão submissos às mentes malignas, enquanto os “pobres de espírito” subirão os planos de luz e verdadeira vida, certamente buscariam se redimir.

    Mas o tempo esgota-se. Dentro em pouco não haverá mais na Terra espaço para materialistas e nem para a ciência unicamente ateísta.

    Quem acredita, vive e trabalha à luz do conhecimento faz muito bem; quem não acredita e é refratário fez a outra escolha. Até Deus aceita essa escolha, só não se comove.

  12. Marcio Rodrigues Horta Diz:

    Olá Vitor, mais uma vez eu gostaria de parabenizá-lo pela enorme coragem e responsabilidade ao publicar um estudo crítico de excelente qualidade em face a um caso de pseudo-consolacionismo.

    Acredito no entusiasmo e na sinceridade de propósitos do médium que a produziu, assim como no seu desconhecimento da verdade histórica, tão bem esmiuçada pelo autor do extraordinário estudo acima.

    Este estudo dá-nos um parâmetro claro para classificar a mensagem como produto da soma de crenças espíritas populares com manifestação anímica – sincera mas frágil.

    Também gostaria de apoiá-lo contra o espírito inquisitorial que detrata primeiro e, em seguida, repete os chavões espíritas correntes sobre o destino futuro que imagina inevitável para quem pensa de modo distinto do dele.

    Acredito, como você, que um trabalho crítico é condição fundamental para qualquer reforma, e o espiritismo está precisando de uma, assim como alguns de seus fraternais e ferozes adeptos.

    Um abraço,
    Marcio

  13. Carlos Magno Diz:

    A gente precisa saber quem é o cara. Apoiarei sua denúncia se desejar fazê-la.

    Se o Vitor é o seu herói, tudo bem, amigo. Mas fica bem claro que você está na contramão ao dizer que o detrator repete chavões contra o Vitor.

    O pensamento do detrator não é contrário, caro amigo equivocado, mas o é justamente o do Vitor que se imagina opondo-se a uma corrente inteira de milhões de espíritas e espiritualistas. E vem repetindo chavões idênticos desde a fundação do blog. Não muda nada.

    Agora, se você necessita desses parâmetros para estudos claros do espiritismo, está mal compadre. Opinião minha, não se julgue ofendido, por favor. Ou não está nem um pouco interessado em aprender a doutrina, que é excelente e merecedora somente de uns poucos retoques por parte dos estudiosos sinceros que enxergam as coisas muito mais na frente.

    Há vasta fonte literária confiável de estudiosos e cultos para se aprender os vários ângulos da doutrina e debatê-los. Sua cabeça seu mestre.

  14. Carlos Barreto Diz:

    Está de parabéns o autor do blog. Devemos ter compromisso com a verdade, doa a quem doer. Continue com o excelente trabalho e não dê ouvidos ao apaixonado discurso dos religiosos acima.

    Respeito para com a família é mostrar a verdade e não dizer “o menino morreu porque ele era mau em sua vida passada e pagou pelo que fez no passado”.

    Um abraço.

  15. Carlos Magno Diz:

    “Devemos ter compromisso com a verdade, doa a quem doer”.

    Frase muito original. Perguntinhas básicas para quem se proclama paladino:

    1. O que é mesmo a verdade?
    2. O que é mesmo ser religioso?
    3. O que é mesmo respeitar a família alheia?
    4. O que é mesmo a doutrina espirita?
    5. O que é mesmo ser ateu?

  16. Antonio Diz:

    Carlos Magno, você não se apóia em nada que seja firme o suficiente para ter crédito. Essas pessoas que escrevem essas cartas é que deveriam ter mais respeito com as pessoas.
    Eu não consigo enxergar conforto em saber que o filho tão querido, que morreu de forma tão violenta, foi uma pessoa muito má! Em que parte está o conforto?
    De onde vocês tiram essa idéia de vingança de Deus? Deus se vinga da maldade de alguém impingindo a esse alguém o mesmo mal? E a família, que teria sofrido nas mão do garoto em outra vida, agora sofre denovo. Não dá pra entender esse seu Deus!!

  17. angus Diz:

    Parabéns Carlos Magno, a doutrina espírita precisa de pessoas como você, honesta, sensata, e preocupada com a verdade. Venho lendo todos os tópicos desse site, e o que vejo são as mesmas asneiras de sempre, repetitivos comentários sem embasamento nenhum, até parece que somos todos tolos, e com isso acreditamos piamente que os relatos históricos estejam acima de erros, fiquei muito decepcionada com Vitor Moura (caso seja ele o mesmo do site existem espiritos, e do forum RV) admirava-o por suas colocações e seus conhecimentos, agora esse que vejo aqui é decepcionante, será que estou falando do mesmo? incoerente, se diz espírita ateu, inacreditável essa colocação, como espírita, tenta a todo custo desmoralizar a doutrina e seus mais altos expoentes, e antes que diga que você não está tentendo desmoralizar nada, sugiro que reveja essa colocação, porque do lado de cá, e isto que está parecendo.

  18. Carlos Magno Diz:

    Antônio,

    Gostaria que você lesse com mais atenção o que eu escrevi a respeito desse caso.

    Sou absolutamente contrário ao que aqui foi colocado pelo sr. Vitor Moura. E nem estou analisando as informações e a veracidade ou não da mensagem dita mediúnica.

    Acho, sinceramente, que não se deveria nem tocar mais nesse assunto, pois os pais do menino podem, além de não aceitar a doutrina espírita, ficar mais ainda magoado ou confusos.

    Quanto ao meu Deus e a condição de ser vingativo, é questão de visão pessoal. O Deus que admito existir e que entendo ser o Criador de todas as maravilhas do universo, que se manifesta no sistema solar por uma Trindade, encarna, entre tantos outros atributos, vontade, sabedoria e amor.

    Em absoluto é vingativo. As ocorrências trágicas em todo o mundo são conseqüências de um arbítrio mal utilizado. A humanidade é ainda uma criança com maus hábitos. Prefere aprender pela dor. Fez a própria escolha.

  19. Carlos Magno Diz:

    Angus:

    Obrigado pelas gentís palavras.
    Abraços.

  20. Gilberto Diz:

    1. O que é mesmo a verdade?
    R. É algo que a superstição não consegue ver, pois a superstição se alimenta dela mesma para dar explicações ao que não cabe ter explicações.
    2. O que é mesmo ser religioso?
    R. É doar-se a Deus e às pessoas acima de suas próprias necessidades, levando-as a Ele, e não criando doutrinas e dogmas calcados na superstição afastando as pessoas da Sua palavra, criando um novo cânone, ou seja, um “Evangelho Segundo a Minha Superstição”, que deve ser lido, afastando as pessoas da iluminação pessoal que é a leitura do único e verdadeiro Evangelho de Cristo.
    3. O que é mesmo respeitar a família alheia?
    R. É não reduzir uma dor tão grande à uma bobagem infantil na tábula rasa da mitologia Espírita (se sofre, é porque merece).
    4. O que é mesmo a doutrina espirita?
    É a doutrina da mentira, criada para afastar as pessoas do Deus único, transformando-o num burocrata que segue um regimentalismo vingativo e superficial, que administra uma eterna “evolução” de forma mecânica e tão previsível que qualquer médium diz facilmente a Sua vontade através de ignóbeis “contatos” com espíritos de mortos.
    5. O que é mesmo ser ateu?
    R. É uma escolha, como a de ser crente, ou a de ser ponderado, ou a de ser fanático, só não é a ofensa que o senhor apregoa. Ateu, cético, etc. não são ofensas, o senhor apenas acredita que são. É uma questão de fé.

  21. Carlos Magno Diz:

    Quando perguntado: Que é a verdade?
    Jesus calou-se!!

  22. Delefrate Diz:

    “Quando perguntado: Que é a verdade?
    Jesus calou-se!!´´[2]

    “A opinião comum de que sou ateu repousa sobre grave erro. Quem a pretende deduzir de minhas teorias científicas não as entendeu.
    Creio em um Deus pessoal e posso dizer que, nunca, em minha vida, cedi a uma ideologia atéia.´´
    ALBERT EINSTEIN (1879-1955)
    Entre considerar Jesus e Einstein ou um tal de Gilberto, não ha duvidas amigos…Jesus sobrevive ha 2000 anos, espiritismo ha + de 150 anos, Gilberto, suas idéias morrerão com voce, idéias que segundo Einstein, datam de 1880, veja:
    “Não há oposição entre a ciência e a religião. Apenas há cientistas atrasados, que professam idéias que datam de 1880.´´
    ALBERT EINSTEIN (1879-1955)

  23. Carlos Magno Diz:

    Os pseudo pesquisadores, que se dizem crentes em qualquer coisa, odeiam o Espiritismo sob qualquer versão com que se apresente, porque sabem que a lei da reencarnação é o mais perfeito e justo cânon da verdade.

    E ao menor estímulo, quando ódio o ruminante vem furibundo à tona, tornam-se prolixos nas suas aversões, desavergonhados nas substantivações, animalescos na ira, por que sabem, sentem, se dão conta de que foram eles os fariseus que conspiraram para a crucificação de Jesus há 2000 anos.

    Hoje, como outrora, vestem-se de defensores de religiões: falsos, mentirosos, pérfidos, chafurdados na ortodoxia aprisionante e pegajosa. E querem, os sofismadores e inquisidores dos séculos XX e XXI, novamente crucificar o mesmo Cristo, devido às Suas mensagens mais ainda originais, atuais, renovadoras: desmistificadoras de milenares cânones. Eis o principal motivo de suas fúrias!

    Tudo muda, tudo gira, tudo se renova, exceto o empedernido e antigo ódio em que os infelizes se enredaram ao enveredar na teia de suas próprias criações.

    Almas prisioneiras, jamais verão uma nova aurora, um novo dia, enquanto o jugo do carma os mantiver sob guarda.

  24. Carlos Magno Diz:

    correção: quando o ódio ruminante vem furibundo….

  25. Gilberto Diz:

    Engraçado, só vejo ódio em suas palavras. Ninguém nunca crucificou um espírita sequer em toda a história. E a resposta pra isso é simples: nunca se deu muita importância ao que os espíritas dizem. É por isso que dos 7 milhões de espíritas em 1970 (8% da população da época), só restaram 1,5 milhão (0,8% da população brasileira atual). E a culpa não é de perseguições. A culpa é de vocês mesmos, que criaram uma religião tão mirabolante, tão inverossímil, tão cheia de explicações simplistas e verdades científicas facilmente detratáveis, que pouca gente consegue engolir tais asneiras. Cabe a vocês cairem na real e reconstruirem a religião de vocês com menos arrogância de tudo saberem, aceitarem que muitos fenômenos ditos espíritas são coisas comuns e não sobrenaturais, aceitarem que a psicografia é uma farsa, e que Deus não escolheu Kardec pra revelar “A Verdade”, deixando os outros bilhões de habitantes no mundo no escuro.

  26. Carlos Magno Diz:

    Esa estatística, caro farsante, é mentirosa.

    Cite inequivocamente a fonte e informe como acessá-la.

  27. Carlos Magno Diz:

    Somente como subsídios, tomados rapidamente na internet:
    (Se isso não bastar, e havendo disponibilidade de tempo, farei pesquisa mais acurada. Não por você, mas para que outros não se permitam enganar por seus insidiosos e desonestos argumentos)

    “Atualmente, a Federação Espírita Brasileira estima que há cerca de 8 milhões de adeptos do espiritismo, 30 milhões de simpatizantes, e quase 55 mil centros espalhados por todo o território nacional. O Brasil é hoje o líder mundial do Espiritismo. Fonte: asreligioes.com.br”

    “Há mais de 15 milhões de espíritas no mundo e o número de simpatizantes desta religião é quase 4 vezes maior. O espiritismo é uma das religiões que mais tem crescido no Brasil. Em 2000, o Brasil concentrava 2,3 milhões de espíritas. Em 2005, estimava-se a existência de 10 milhões de espíritas no mundo inteiro (Encyclopaedia Britannica). Desse total, aproximadamente 3 milhões vivem no Brasil, fazendo dessa a maior nação espírita do planeta. Estima-se, porém, que o número de simpatizantes do espiritismo no Brasil gire em torno de 20 milhões. (Wikipédia – Religiões no Brasil)”

  28. barreto bh Diz:

    Informação sem fonte é o fim da picada.

  29. Gilberto Diz:

    Ora, procure, ou aceite a “fonte” espírita da revista Época que, na edição 424 diz que são 20 milhões o número de espíritas e, na edição 434, diz que 30 milhões de brasileiros seriam simpatizantes (peraí, 50 milhões???)

  30. Benetton Diz:

    Vitor,

    Não estou certo de que Você tenha conhecimentos de que o CELD – Centro Espírita Leon Denis ( http://www.celd.org.br ) repudiou que suposta mensagem psicografada de João Hélio tenha qualquer vínculo com aquela Entidade. O CELD fica no Bairro de Bento Ribeiro – Rio de Janeiro, próximo ao local da tragédia com o menino.

    Há algum tempo atrás, havia um aviso naquele site que dizia :

    À Comunidade de Internautas

    A Direção do Centro Espírita Léon Denis, diante dos fatos que apontam para uma relação do menino João Hélio e seus familiares com a Instituição aqui referida, vem esclarecer o que se segue:

    1) O menino e seus familiares foram efetivamente atendidos pelo CELD, dentro do processo dos passes de cura a ele prescritos, objetivando atender à criança em seu quadro emocional por, aproximadamente dois anos;

    2) Após o infausto desenlace do mesmo, seus pais vêm mantendo distância física de nossa Casa buscando naturalmente seu equilíbrio emocional, até que possam dedicar-se a uma prática religiosa, em qualquer templo, segundo suas convicções;

    3) Em momento algum, nenhum membro do corpo mediúnico, do CELD, recebeu e fez veicular qualquer mensagem que fale sobre o espírito João Hélio ou a ele mesmo atribuída a autoria, direcionando a seus familiares ou a quem quer que seja.

    A disciplina mediúnica existente em nossa Casa Espírita e o respeito que temos pelos ensinamentos da Doutrina Espírita impedem que se tenha atitudes levianas explorando a dor de uma família e a emoção ferida de uma sociedade.

    Assim solicitamos:

    • SEJAM CONSIDERADAS INVERÍDICAS as mensagens veiculadas pela Internet, no que tange ao acontecimento “João Hélio” e atribuída a origem das mesmas ao C.E. Léon Denis.

    • Outrossim, caso isso venha algum dia a acontecer, SOMENTE COM A AUTORIZAÇÃO DE SEUS FAMILIARES SERÁ TRAZIDA A PÚBLICO QUALQUER NOTÍCIA SOBRE ESSE ESPÍRITO, para quem rogamos a todos envolver em preces de apoio e paz.

    Buscando ter trazido à sociedade os esclarecimentos precisos, solicitamos a todos de bom coração envolverem os sofredores em suas orações, trazendo às almas o clima de paz de que tanto necessitamos.

    Pela Direção do CELD,

    Iara Cordeiro

  31. Vitor Diz:

    Benetton,

    já tinha conhecimento. Veja em http://obraspsicografadas.haaan.com/2007/a-mensagem-do-menino-joo-hlio/

    Abraço.

  32. angus Diz:

    Benetton
    Bem vindo, espero que emita suas opiniões também nos outros textos, teremos o prazer em ler o que você pensa, e o que sabe.
    Tenho certeza, que sua opinião irá somar a tudo que aprendemos durante nossa jornada em busca da verdade.
    um abraço

  33. jovi C. Vieira Diz:

    Bem, sei de casos de várias fraudes, é bem possível que essa seja mais uma. Além do mais nesse processo de psicografia há muito do processo anímico por parte de certos médiuns que não estão ainda bem preparados para a tarefa, logo poder ocorrer erros grosseiros. Essa mensagem deveria ser submetida a pessoas autorizadas dentro da área do espiritismo

  34. Wagner Luiz Diz:

    Os psicógrafos passariam menos vexame caso se restringissem à composição de mensagens consoladoras de cunho sentimental, poesias e romancetes baratos. Quando, no intuito de dar maior veracidade a tais mensagens, resolvem “enriquecê-las” com dados históricos ou científicos, criam essas aberrações, encharcadas de erros e inconsistências.

  35. Wagner Luiz Diz:

    Gostaria de ver uma mensagem de um espírito que tenha vívido na cidade de Mohenjo-daro, um dos principais centros da Civilização Harapense, há 4 mil anos atrás. De preferência, uma mensagem no idioma falado por este povo (ou pelo menos no idioma mais falado, haja vista que é possível que tenha havido mais de um – não se sabe ao certo) e que ofereça a solução para o mistério da escrita ideográfica dessa civilização, até o presente momento não decifrada.

    Médiuns, habilitem-se!

  36. Francisco Chagas Diz:

    Eu tenho certeza que todos nós estamos em um mundo de expiação e reparação das fautas que cometemos. A esse episódio devemos lembrar que veio não pra machucar alguém ou ferir alguma religião e sim a nos mostrar o quanto devemos ser bons e caridosos pra com o próximo. Não devemos criticar mas sim pensar antes de agir. Um abraço a todos que agem de forma caridosa.

  37. PEREZ SANTOS Diz:

    Com todo o respeito,O QUE SAO essas suas palavras venenosas contradizendo o espiritismo?.Quem vc pensa que è para citar certas frases baixas e doentes.Vc diz que se tirar Chico,Edvaldo entre outros o espiritismo perderia a base,isto è uma coisa lògica,mais se isso acontece,o espiritismo tardaria mas nao falharia,nao se esqueça nunca que nossa base è JESUS CRISTO,e que a religiao do espirita è DEUS,O ESPIRITISMO È APENAS O ESTUDO DA OUTRA VIDA.Ha de vez de ficar bolando texto que nao soma nada na vida de ninguem procure algo para fazer de melhor.evite sujar a mente de outras pessoas senhor veneno ambulante,respeito a sua ideia mais se nao traz beneficio pra niguem guardia com vc e pra vc.,nao julgue para nao ser julgado,nao critique para nao ser criticado.que todos estejam em paz.

  38. PEREZ SANTOS Diz:

    AH ESSA FOI PRO SENHOR MAGNO!!!!

  39. PEREZ SANTOS Diz:

    NAO TEM O POR QUE UMA PESSOA INVENTAR UMA HISTORIA DESSAS,O QUE GANHARIA COM ISSO,UMA QUE O MEDIUM NEM FEZ QUESTAO DE SE IDENTIFICAR.

  40. Marcos Diz:

    E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.
    Jesus em João, VIII – 32

    Prezados Irmãos, muita paz a todos.

    Ao trazer os meus comentários, longe estou de tentar fazer proselitismo, mas tão somente trazer novos subsídios às nossas reflexões.

    Dentro deste propósito, o dividirei em tópicos.

    Primeiro tópico: Analisando a parte histórica.

    “Caríssimos, não deis fé a qualquer espírito, mas examinai se os espíritos são de Deus, porque muitos profetas se levantaram no mundo.”

    I João IV – 1

    A análise história feita pelo Sr. José Carlos F.F., não deve ser vista como se estivéssemos fornecendo armas e inusitada satisfação aos céticos do Espiritismo.

    Antes de qualquer outra coisa, reafirma o propósito do Espiritismo em ser uma Doutrina de raciocínio lógico, conforme palavras de Kardec em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”:

    “Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.”

    A propósito destas análises, lembro a todos que a Federação Espírita Brasileira já retardou a edição de algumas obras, por décadas, para que o seu Departamento Editorial efetuasse o levantamento de alguns dados para a necessária confirmação.

    Armas estariam sendo fornecidas aos céticos, se fossem publicadas sem que a submetêssemos ao crivo da razão.

    Como nos orienta Emmanuel: “A título de bondade não podemos ser coniventes com os erros de ninguém.”

    Com o devido respeito àqueles que assim pensam, a Doutrina dos Espíritos não veio para desmascarar ninguém. Veio para orientar e esclarecer àqueles que têm dúvidas. Mas não através do proselitismo.

    Segundo tópico: As observações dos Sr. Carlos Magno registradas em 14.02.2008,

    “A vós é concedido conhecer os mistérios do reino de Deus, mas aos outros se lhes fala por parábolas; de forma que vendo não vejam, e ouvindo não entendem”.

    Jesus em Lucas VIII, 9 e 10

    Outras, enfim, caíram em terra boa: deram frutos, cem por um, sessenta por um e trinta por um. Aquele que tem ouvidos ouça.

    Jesus em Mateus XIII, 8 e 9

    As farsas e as manipulações com o intuito de atender a interesses pessoais ou de pequenos grupos estão em todo lugar.

    Allan Kardec, Chico Xavier e outros, apenas foram; Divaldo Franco e outros continuam sendo porta voz da Espiritualidade Superior.

    Se a Doutrina Espírita fosse de concepção puramente humana, não ofereceria por penhor senão as luzes daquele que a houvesse concebido. Aí sim, ela poderia, e eu reafirmou PODERIA, vir a sucumbir junto com o seu idealizador.

    Ainda, continuando a nossa análise, se os Espíritos que a revelaram se houvessem manifestado a um só homem, nada lhe garantiria a origem, porquanto fora mister acreditar, sob palavra, naquele que dissesse ter recebido deles o ensino.

    Sabe-se que os Espíritos, em virtude da diferença entre as suas capacidades, longe se acham de estar, individualmente, considerados na posse de toda a verdade; que nem a todos é dado penetrar certos mistérios; que o saber de cada um deles é proporcional à sua depuração; que os Espíritos vulgares mais não sabem do que muitos homens.

    Portanto, as análises são necessárias, por que os homens passarão, mas a verdade prevalecerá.

    Terceiro tópico: As observações do Sr. Antonio registradas em 29/02/2008

    “Se me amais, guardareis os meus mandamentos. E Eu rogarei ao Pai e Ele vos dará um outro PARÁCLITO, para que fique eternamente convosco. É o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece: mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós.”

    Jesus em Mateus XIV, 15 a 17

    Ao se despedir dos discípulos, o Mestre deixa claro que não havia dado a última palavra e que Ele, em nome do Pai, promete a vinda de um outro Paráclito (Consolador em Grego).

    A Doutrina Espírita se compõe de um conjunto de conhecimentos filosóficos, científicos e morais, além de uma estrutura metodológica.

    Enganam-se aqueles que pensam que Kardec deu a última palavra.

    Como qualquer outra ciência, a Doutrina dos Espíritos tem a sua evolução constante, gradual e lenta, sempre de acordo com a nossa capacidade de entendimento, decorrente do nosso estado evolutivo.

    Tendo por proposta reviver o Cristianismo dos primeiros séculos, a Terceira Revelação apresenta-se na qualidade de Consoladora, a partir das explicações de nossas dores, nossas dificuldades, enfim, nossas vicissitudes.

    Sabendo Deus, como a inteligência suprema e causa primária de todas as coisas, pois Ele tudo criou, reconhecemos-Lhe todos os atributos divinos: onisciência, onipresença, etc.

    Sabemos Deus, também, infinitamente bom e severamente justo.

    Quem dentro vós dará uma pedra a seu filho, se este lhe pedir pão? E, se lhe pedir um peixe, dar-lhe-á uma serpente? Se, vós, pois que sois maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celeste dará boas coisas aos que lhe pedirem.

    Jesus em Mateus VII, 9 a 11.

    Deus estabeleceu leis, chamadas de naturais ou divinas. Elas englobam todas as ações do homem: para consigo mesmo, para com o próximo e para com o meio ambiente.

    Daqueles indivíduos que estão expostos a toda sorte de vicissitudes, sem uma causa aparente, na presente encarnação, não podemos tirar daí a idéia de uma vingança Divina, até porque este é um sentimento que não pertence à Deus.

    Então Deus é injusto?

    A injustiça também não é um atributo Divino.

    Então onde reside a sua justiça?

    Na Lei de Causa e Efeito.

    A Doutrina dos Espíritos nos mostra que a Lei de Causa e Efeito é irreversível, porém não fatalista. Isso quer dizer que, através de nosso livre arbítrio, podemos resgatar nossos compromissos pretéritos pelo amor ou pela dor. O arbítrio é uma decisão de foro íntimo.

    Se plantamos amor colhemos amor; em contra partida se plantamos ódio colhemos ódio, tendo sempre presente que o plantio é opcional, por sua vez a colheita e compulsória.

    Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Por ventura pode tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer? Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito. Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo. O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito. Nicodemos respondeu, e disse-lhe: Como pode ser isso? Jesus respondeu, e disse-lhe: Tu és mestre de Israel, e não sabes isto? Na verdade, na verdade te digo que nós dizemos o que sabemos e testificamos o que vimos: e não aceitais o nosso testemunho. Se vos falei de coisas terrestres, e não crestes, como crereis, se vos falar das celestiais?”
    Jesus em João III, 3-12

    “E converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição”

    Malaquias IV, 5-6

    A reencarnação fazia parte dos dogmas dos judeus, sob o nome de ressurreição. As idéias dos judeus sobre esse ponto, como sobre muitos outros, não eram claramente definidos, porque apenas tinham vagas e incompletas noções acerca da alma e da sua ligação com o corpo.

    Com efeito, a ressurreição dá idéia de voltar à vida o corpo que já está morto, o que a Ciência demonstra ser materialmente impossível, sobretudo quando os elementos deste corpo já se acham desde muito tempo dispersos e absorvidos.

    Isto é derrogar as Leis de Deus.

    A reencarnação é a volta da alma ou Espírito à vida corpórea, mas em outro corpo, especialmente formado para ele e que nada tem de comum com o antigo.

    Deus permite que, nas famílias, ocorram essas encarnações de Espíritos antipáticos ou estranhos, com o duplo objetivo de servir de prova para uns e, para outros, de meio de progresso. Assim, os maus se melhoram pouco a pouco, ao contato com os dos bons e por efeito dos cuidados que se lhes dispensam. O caráter deles se abranda, seus costumes se apuram, as antipatias se esvaem. É desse modo que se opera a fusão das diferentes categorias de Espíritos, como se dá na Terra com as raças e os povos.

    A reencarnação apresenta-se, então, como uma Divina oportunidade de reparação de nossos erros, uns para com os outros.

    Quarto tópico: As observações do Senhor Gilberto registrada em 04/03/2008 e as do Senhor Carlos Magno registradas em 05/03/2008

    Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem. Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons. Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.
    Jesus em Mateus VII, 13 a 20

    A Doutrina dos Espíritos não está interessada em dados estatísticos. Na condição de Terceira Revelação tem como objetivo a ascensão moral e ética dos homens através da auto-evangelização. Neste momento é importante abrirmos aspas para recordar que ascensão lembra elevação requisitando os esforços da subida.

    Nesse sentido o Mestre não nos prometeu facilidades:

    Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada.
    Jesus em Mateus X, 34

    A auto-evangelização traduz-se na exteriorização dos postulados cristãos através de ações efetivas.

    A espada, citada no versículo acima, representa os ensinamentos de Jesus.

    É o homem velho morrendo guerreando com o homem novo que nasce. Alegoricamente é a transformação moral do homem. Aí reside o objetivo da Doutrina.

    Quinto tópico: As gentilezas trocadas pelos Srs. Gilberto e Carlos Magno

    E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim?
    Jesus em Mateus, VII – 47

    Respeitar o ponto-de-vista de terceiros, nem sempre representa concordância. A semente frutificará de acordo com as qualidades do solo.

    Sexto tópico: A mensagem

    Levando-se em consideração as observações do Sr. Benetton, registradas em 05.04.2008, aproveito a oportunidade para direcionar minha análise de forma generalizada.

    Anímico (do latim animu): é um adjetivo que quer dizer: que se refere à alma, ou seja, aquilo que procede da alma.

    Dessa forma, animismo está sempre presente no fenômeno mediúnico.

    Neste momento importa esclarecer:

    • manifestação anímica decorre dos próprios sentimentos do médium, arrojados ao pretérito, de onde recolhe as impressões deprimentes que se vê possuído, externando-as no meio em que se encontra, supondo encarnar uma personalidade diferente, quando apenas exterioriza o mundo de si mesma… Este processo faz parte da educação mediúnica, pois é necessária a assepsia da vasilha para que o seu conteúdo não saia alterado.

    • fenômeno anímico na esfera das atividades espíritas significa a intervenção da própria personalidade do médium nas comunicações dos espíritos desencarnados, quando ele impõe nelas algo de si mesmo à conta de mensagens transmitidas do Além-túmulo.

    Quando impõe nelas algo de si, envolvem dois aspectos:

    1) Quando não alteram o sentido da mensagem transmitida, o que é absolutamente normal, pois estará utilizando-se de seu vocabulário compatível com sua cultura; e

    2) Quando há alteração do sentido da mensagem transmitida, podendo ser resultante de uma mediunidade má educada, ausência de uma vida reta, entre outros fatores.

    Srs. Francisco Chagas e Perez Santos. Infelizmente, ainda somos erroneamente confundidos com outras religiões espiritualistas, que, quando não fazem da mediunidade um consultório sentimental como se fosse a caixa de Pandora, transformam-na num meio de vida.

    Encerro minha modesta participação lembrando, mais uma vez, o ensinamento de nosso Mestre:

    Por que o Filho do homem há de vir na glória de seu Pai com os seus anjos: e então recompensará a cada um segundo as suas obras.

    Jesus em Mateus, Cap. XVI – 27

    Que o Pai misericordioso continue abençoando nosso trabalho com Jesus e Kardec.

    Fraternal abraço em todos.

    Marcos José Ferreira da Cruz Machado
    Belo Horizonte (MG)

  41. Carlos Magno Diz:

    Perez Santos:

    Você deve ser mais um espírito brincalhão que baixa por aqui.

    Não dá para aproveitar nada de seu fabulosos texto. Que coisa!

    Vade rectum e sê bento!

  42. Carlos Magno Diz:

    Marcos:

    Explique, afinal, meu papel na história desse seu gigantesco e modesto texto!

    Até agora não entendi quem é quem!

  43. james Diz:

    Cabe aqui mencionar que essas discussões não irão resultar em nada. No próprio livro “O Que é o Espiritismo”, Kardec deixa bem claro que não é papel do espírita arrebanhar adéptos, queiram conhecer a Doutrina é simples é só estudar, daí poderemos analisar se tais mensangens são ou não verdadeiras!

    muita paz a todos, especificamente ao espírito de “João Hélio”

  44. Marcos Diz:

    Carlos Magno,
    Jesus, em outras palavras, nos ensina: aquele que tiver olhos de ver, veja; aquele que tiver ouvidos de ouvir, ouça.
    Por favor, releia os seus comentários acima e o meu.
    Fraternal abraço

  45. Dorival Diz:

    Ao contrario do que vc escreveu e procurou ser o dono da verdade em tal situação e querendo por todos os meios dizer que o Espiritismo é uma farsa, não perca seu tempo com isso faça como disse Jesus, toma a tua cruz e me segue, se vc não entende isso! Então faça como nos, supostos farsantes Espiritas e vá servir sopa e alimentos aos seus semelhantes, amai-vos uns aos outros assim como eu vos amei, ou será que a Biblia tb é uma farsa e Jesus nunca disse isso?

    Ps: Realmente tudo oque esta escrito na história do mundo é pura verdade, até Lee Oswald matou o Kennedy não foi?

  46. Monica Diz:

    Estava fazendo uma busca com o nome de meu pai e me deparei com esta página … sim, sou filha do médium que psicografou esta mensagem e já estou farta de ler comentários maldosos e o nome dele assim divulgado sem que ele sequer saiba disto. Querem saber a história do ponto de vista de quem assistiu a tudo de perto? então lá vai: o meu pai psicografou esta mensagem e NUNCA disse que era realmente do espírito do menino João Hélio, ele levou esta mensagem ao centro que freqüenta e em uma reunião apresentou esta mensagem para que ela fosse ALI discutida. Nesta mesma sessão uma médium disse que havia recebido uma mensagem semelhante. Lá pelo final da sessão, uma mulher que lá se encontrava pediu que meu pai cedesse uma cópia desta mensagem para que ela mostrasse à um médium de um grande centro do RJ, apenas para que ele pudesse opinar sobre o conteúdo da mesma. Ele, que jamais quis status através de algo que sempre tratou com tanta seriedade como o espiritismo, desta vez foi ingênuo, a mulher levou a mensagem dizendo que ele ficasse tranquilo que nunca seria divulgada. Foi assim que começou isto tudo! Ela agiu de má fé, e a mensagem foi publicada no jornal do outro centro … dali ganhou as páginas da internet, e durante todo este tempo só vejo pessoas julgando meu pai e buscando a “verdade’ dos fatos históricos. Lhes digo que estudei pouco do espiritismo, muito pouco comparado aos que participam deste blog e perto dos muito que julgaram meu pai sem ao menos saber a pessoa simples,íntegra, bondosa e de caráter que ele é, mas não é preciso conhecer à fundo todos os livros espíritas para saber que NINGUÉM é dono da verdade senão Deus que tudo sabe e a todos enxergam… tentem buscar na história – escrita pelos homens, e não por Deus ou Jesus – explicações para o que vocês não viveram e que por isto mesmo, NUNCA saberão se existiu ou não. Que espíritas são estes que julgam as pessoas? Talvez a mentira viva em quem acha que é espírita e se considera o dono da verdade, se acha digno de julgar outro ser humano como ele… Acho que este blog talvez seja útil para que as pessoas saibam o lado do médium nesta história e percebam que antes de julgarem os outros deveriam olhar para si mesmas e verem se realmente são tão honestas e boazinhas quanto pensam ser. Quem é espírita não precisa ficar levantando bandeira, defendendo a verdade ou a mentira, acredita quem quer, estuda quem quer, evolui quem quer … é o tal do livre-arbítrio, certo? Ainda assim acho que este tópico não respeita a família do menino – não deixa a história morrer e com ela toda a dor – e ainda não respeita o nome de meu pai que não pediu que o nome dele fosse divulgado em lugar algum e nem tem conhecimento do quanto se espalhou esta história, se querem saber, ele leu horrores à seu respeito devido esta mensagem que divulgaram sem o seu conhecimento, e não se manifestou nunca, permaneceu em seu silêncio, sem se revoltar, sem retrucar; assim como um bom espírita, um bom cristão, que aprendeu e cresceu com os ensinamentos de Jesus, que foi julgado, apedrejado e crucificado injustamente e mesmo assim disse: “Pai, perdoe-os eles não sabem o que fazem!”. E não sabem mesmo!!!

    Reflitam …

    Por favor, em respeito à meu pai, se não quer excluir o tópico, que pelo menos apague o nome dele.

    Obrigada pela atenção, e saibam que por não desejar que esta história continue, não voltarei a me manifestar.

  47. Monica Diz:

    Estava fazendo uma busca com o nome de meu pai e me deparei com esta página … sim, sou filha do médium que psicografou esta mensagem e já estou farta de ler comentários maldosos e o nome dele assim divulgado sem que ele sequer saiba disto. Querem saber a história do ponto de vista de quem assistiu a tudo de perto? então lá vai: o meu pai psicografou esta mensagem e NUNCA disse que era realmente do espírito do menino João Hélio, ele levou esta mensagem ao centro que freqüenta e em uma reunião apresentou esta mensagem para que ela fosse ALI discutida. Nesta mesma sessão uma médium disse que havia recebido uma mensagem semelhante. Lá pelo final da sessão, uma mulher que lá se encontrava pediu que meu pai cedesse uma cópia desta mensagem para que ela mostrasse à um médium de um grande centro do RJ, apenas para que ele pudesse opinar sobre o conteúdo da mesma. Ele, que jamais quis status através de algo que sempre tratou com tanta seriedade como o espiritismo, desta vez foi ingênuo, a mulher levou a mensagem dizendo que ele ficasse tranquilo que nunca seria divulgada. Foi assim que começou isto tudo! Ela agiu de má fé, e a mensagem foi publicada no jornal do outro centro … dali ganhou as páginas da internet, e durante todo este tempo só vejo pessoas julgando meu pai e buscando a “verdade’ dos fatos históricos. Lhes digo que estudei pouco do espiritismo, muito pouco comparado aos que participam deste blog e perto dos muito que julgaram meu pai sem ao menos saber a pessoa simples,íntegra, bondosa e de caráter que ele é, mas não é preciso conhecer à fundo todos os livros espíritas para saber que NINGUÉM é dono da verdade senão Deus que tudo sabe e a todos enxerga… Para que continuar mexendo nisto e ficar indo buscar na história – que por acaso é escrita por homens, e não por Deus ou Jesus, daí o fato de nunca poderem ser comprovadas com exatidão e serem passíveis de erros – explicações para o que vocês não viveram e que por isto mesmo, NUNCA saberão com absoluta certeza se existiu ou não. Ao ler tudo que li em milhares de sites, orkut, … um pensamento não me abandonou: Que espíritas são estes que JULGAM as pessoas? Que acham que possuem respaldo para dizer que alguém está mentindo, ou que quer fama em cima de uma história triste, sendo que este médium – que por acaso nunca sequer mostrou o rosto para buscar este tipo de fama, além do mais não sabemos como descobriram o nome dele … Talvez a mentira viva nestas pessoas prepotentes que por serem espíritas e lerem alguns livros acreditam que são os dono da verdade, e pior: se acham dignos de julgar outro ser humano … Acho que este blog talvez seja útil para que as pessoas saibam o lado do médium nesta história e percebam que antes de julgarem os outros deveriam olhar para si mesmas e verem se realmente são tão honestas e boazinhas quanto pensam ser e se realmente estão praticando o espiritismo que “aprendem ou apreendem” nas suas ações do dia-a-dia para com os seus irmãos encarnados, pois é isto que lá no mundo espiritual irá contar e definir uma série de oportunidades que possam ocorrer com o espírito destas pessoas quando desencarnados. Quem é espírita não precisa ficar levantando bandeira, defendendo a verdade ou a mentira, acredita quem quer, estuda quem quer, evolui quem quer … é o tal do livre-arbítrio, certo? Todos sabemos o que é isto, é um conhecimento bem primário, mas ainda assim acho que as pessoas se esquecem que além do livre-arbítrio terão que vivenciar a lei do retorno. Apesar de ter encontrado uma utilidade neste blog, ainda assim acho que o mesmo não respeita a família do menino – não deixa a história morrer e com ela toda a dor – e ainda não respeita o nome de meu pai que não pediu que o nome dele fosse divulgado em lugar algum e nem tem conhecimento do quanto se espalhou esta história! Para terem uma idéia do tipo de homem que ele é, é só imaginar você abrindo uma página da internet e se deparando com algo que tinha ficado apenas entre a família e as pessoas frequentadoras da reunião em um pequeno centro, ali escancarada na internet, com direito ao nome dele e uma série de ofensas e julgamentos maliciosos … se coloquem no lugar, vocês não ficariam revoltados e com vontade de se defender? Pois é, mas ele não se manifestou nunca, permaneceu em seu silêncio, sem se revoltar, sem retrucar; assim como um bom espírita, um bom cristão, que aprendeu e cresceu com os ensinamentos de Jesus, Jesus este que foi julgado, apedrejado e crucificado injustamente e mesmo assim disse: “Pai, perdoe-os eles não sabem o que fazem!”. E não sabem mesmo!!!

    Reflitam …

    Por favor, em respeito à meu pai, se não quer excluir o tópico, que pelo menos apague o nome dele.

    Obrigada pela atenção, e saibam que por não desejar que esta história continue, não voltarei a me manifestar.

  48. Vitor Diz:

    Mônica,

    em nenhum momento seu pai foi desrespeitado por mim, pelo contrário, fiz questão de frisar que não encontrei qualquer sinal de desonestidade da parte de sua família. Embora vc me diga que seu pai jamais tenha dito que a mensagem era do João Hélio, ainda assim a mensagem possui muitos erros históricos, independente de ser atribuída a João Hélio ou não, e como é uma obra psicografada, cabe a análise aqui. As pessoas tem o direito de conhecer um pouco sobre a qualidade mediúnica dele. Assim, o nome dele não será retirado.

    Um abraço.

  49. Carlos Magno Diz:

    Marcos:

    Não será unicamente através de citações bíblicas ipsi litteris que demontraremos conhecimento de verdades ou da sabedoria da doutrina espírita. Quando fazemos isso, e você fez cansativamente, é uma tentativa de enquadrar e condicionar a livre expressão alheia a pensamentos dogmáticos, e seus em particular.

    É a tentativa de sempre dos religiosos retilíneos de colocar a liberdade de pensar e agir sob a custódia da religião e sob a estreitíssima e antojada interpretação de quem pensa doutrinar. É a escravidão ao espírito da letra!

    Não precisava o trabalho de copiar excertos das parábolas do mestre; já as li muitas e muitas vezes e a cada leitura meditativa que eu próprio dirijo, obtenho delas um adicional conhecimento antes não percebido. Ninguém precisa me dizer o que devo entender de uma parábola, muito menos você que sequer conheço.

    A mera citação de frases pouco ou nada resolve religiosa ou filosoficamente. No máximo, serve ao próximo como um indicativo e se ele estiver disposto a buscar. Mas o interessado, ele mesmo, repito, se desejar e não se sentir agredido, irá ler e meditar segundo os seus próprios valores, não segundo os seus, Marcos.

    Cada vez que se age citando parábolas às dúzias, buscando impressionar com o conhecimento religioso, mais se parecerá com os fariseus que tanto Jesus combateu. Aqueles, você sabe, conhecedores ao extremo das leis mosaicas que somente faziam conhecer.

    Estou cansado de ouvir sábios do pau ôco dizer de cór e salteado muitas das parábolas de Jesus, mas com cinco minutos de conversa verifico que o tal dicionarista bíblico não ensina coisa alguma, somente repete e repete.

    Não sei de sua cultura e nem quero saber, mas pelo seu gigantesco, redundante e ao mesmo tempo limitadíssimo texto não dá mesmo para conversarmos. Ah, sim, idem pela sua interpretação de meus comentários.

    Pense bem, a riqueza das parábolas está justamente na sua elasticidade e infinita visão que elas despertam, não na simples e horizontal citação ocasional. Conhecer a verdade e exercitá-la é uma investida pessoal, e para essa investida cada um escolhe seu caminho segundo suas inclinações e ao uso inalienável de seu livre arbítrio!

  50. Vicente Santos Diz:

    E aí galera, estou vendo que a mensagem deu oque falar, hahahah.
    Sabem, acho que é por isso que a humanidade já se matou tanto por religião. Por que pessoas que se consideram “as donas da verdade” tentam destruir oque é contrário a sua idéia, mesmo que essa coisa SIRVA PARA O BEM. É só lançar uma mensagem bonita como essa que os “doutores” da verdade ja atacam, hahahah.
    Em primeiro lugar, oque a nossa história pode realmente comprovar com tanta precisão como o nome de uma legião da Líbia perto de 20 antes de cristo… Afirmam com certeza, “Não pode ter havido uma legião dos Leões”, hahahah.
    Vamos lá pessoal!!!
    Se respeitamos um carpinteiro que nunca deixou nada escrito, não ha uma prova material apenas relatos, por que não acreditar em uma mensagem tão bela?
    Vamos nos colocar em nossos lugares e aceitar oque faz bem para os outros, sem que precisamos provar com nossas toscas evidências, por favor…

  51. ORLY GUERRA Diz:

    Li as explicações de JCFF, muito bem detalhadas no espaço e no tempo. Entretanto, ele age como um delegado, não poderia ser diferente, já que ele só acredita no que está escrito. Como é o caso dos cientistas que só aceitam o que é comprovado. Alguém já disse que “há mais coisas entre o céu e a terra que a nossa vã filosofia imagina”, como por exemplo, quando Chico Xavier tirou do bolso a foto de um rapaz, cuja família foi procurá-lo para obter informações sobre o espírito do filho. E aí, como se explica? Os incrédulos e os combatentes ao espiritismo não só não aceitam como perseguem e “jogam pedras”. E ainda dizem e repetem, ‘mesmo que visse com meus olhos não acreditaria’. Isso se enquadra no que Jesus disse: “são cegos condutores de cegos…”. Alguém ainda falou que Deus não é vingativo. Está certíssimo. Mas, os “pecadores”, ainda vivos ou em espírito, quando têm consciência dos próprios erros, pedem para se redimir. Isto é, sofrerem a mesma experiência que obrigaram a alguém sofrer. Então se enquadram nas palavras do Mestre: “quem com o ferro fere com o ferro será ferido”. Outro caso que a Bíblia relata é o do Elias. Ele mandou cortar a cabeça de 450 sacerdotes de Baal. Depois veio como João Batista e lhe foi cortado a cabeça. Mas os tais, que se dizem religiosos fanáticos, combatem extenuadamente essa explicação. Eles têm horror ao espiritismo, porque o espiritismo explica tudo. E eles, com as explicações, como ficariam, já que vivem da exploração “dos pequeninos dos meus irmãos”? Voltando ao JCFF, as mensagens psicografadas podem ter tido cunho pessoal do médium, ou mal entendida. (muitas vezes o médium está passando por problemas pessoais, financeiros e outros, e ainda não adquiriu a serenidade de um Chico). É muito difícil para um espírito a comunicação com os humanos. Só mesmo um médium como foi o Chico Xavier, e os ainda vivos, como Divaldo P. Franco e outros, podem traduzir bem aproximadamente o que o espírito quer passar para nós. Cada um entende como quer. A maioria dos combatentes ao espiritismo nem se dão ao trabalho da investigação, como alguns cientistas, que na busca da verdade sobre os fenômenos físicos, vão fundo na pesquisa.
    Orly Guerra

  52. Carlos Magno Diz:

    Concordo com a Orly Guerra.

    Ser copista é muito fácil, difícil é pensar corretamente e escutar à consciência.

    Estou cansado desses pesquisadores. São retilíneos e uniformes, são robotizados pelas crônicas e pelo formalismo acadêmico.

    Não digo rejeitar a história, mas no mínimo precisam desconfiar de inúmeras manipulações políticas e composições imaginosas de documentos.

    Aceitam integralmente o formalismo dos homens, – pobres e limitados homens, – e desprezam às mensagens espirituais como se fossem todas virulências contaminadoras e epidêmicas. Mas há também interesses nessas posições oficiais.

  53. Alencastro Diz:

    Nessa semana recebemos uma missiva dirigida a esse órgão oficioso do Vaticano, onde o subscritor – “Servos de Maria”, pedem a retratação pela infundada mensagem atribuída a Titus Aelius, no triste episódio ocorrido no Brasil com o menino João Hélio.
    Especialistas de nossa redação analisaram a mensagem e chegaram a seguinte conclusão:

    No contexto pudemos observar que a linguagem é subliminar. O lema: É necessário recorrer aos santos anjos para debelar a ação diabólica. Sobretudo ao nosso anjo da guarda, para que nos guie nas sendas do autêntico espírito católico.
    A igreja não aceita e prega os idos anos de 1206, quando no sul da França, àquele que para angariar adeptos, foi ordenado a matança dos hereges albigenses, cátaros, e pátaros valdenses — propugnadores de uma falsa virtude da pobreza – tornando-se ademais grande difusor da devoção mariana mediante a recitação do rosário.
    O contexto histórico da época era outro. Mesmo não comungando com certas premissas de outras religiões. Dessa forma, reprovamos sua integra.
    Finalmente, a tocha na boca para incendiar o mundo não mais nos pertence. Pedimos nossas sinceras desculpas em nome desses seguidores e já encaminhamos a censura.

    ( Trecho extraído do Observatório Romano)

  54. diana gonzaga Diz:

    Gente!!! O que é isso? quanto tempo ainda vamos perder em discussões que não vai levar a lugar nenhum? Eu particularmente acho que todos nós somos passivos de erros, não estou falando do caso João Hélio específicamente,mas,as vezes somos levados pelo coração na esperança de consolar,erramos e erraremos muito ainda mas faz parte de nós ainda!A doutrina espírita é consolar mas nós humanos ainda confundimos um tanto as coisas não é verdade?Verdade? Estamos longe ainda disso.JESUS,DEUS SÃO A UNICA VERDADE,e ponto final.

  55. amor Diz:

    AMOR

  56. Pais do João Helio Diz:

    Como pais do menino João Helio, não poderíamos deixar de nos pronunciar, pois temos acompanhado os comentários deste blog e a todo momento as pessoas de diversas opiniões e crenças religiosas , esquecem do sofrimento que como família passamos e continuamos passando, e ao invés de buscar atenuar o mesmo, somos acometidos de uma psicografia inverídica que se alastrou pela internet , nos causando mais pesar. Esta psicografia já comprovadamente de origem, fatos históricos e datas que não correspondem as reais, nos dão a total certeza que não partiu de nosso filho. Portanto, temos que salientar que embora, temos lido que a filha do medium em referência tenha tentado resguardar seu pai , argumentando ingenuidade do mesmo, porém ele na qualidade de autor desta psicografia foi quem propagou esta inverdade, ainda mais quando sugere que seja retirado o nome do pai, esquece que aqui está a família que verdadeiramente sofre pela forma que foi divulgada esta mensagem inverídica.
    Sugerimos que todos aqueles que participativamente, colaboram através de seus comentários nesse blog, acessem o blog abaixo onde esclarecemos alguns fatos e ao mesmo tempo informamos a nossa postura diante do mesmo, e após esta verificação, pedimos que não mais tocassem neste assunto, pois como familia do João Helio , esta propagação tem nos feito sofrer ainda mais.
    O blog é o seguinte: anjospelapaz.zip.net

    Antecipadamente contamos com a compreensão de todos e contamos com a divulgação de nosso “comunicado importante” que está no blog indicado acima.
    Muito Obrigado
    Pais do João Helio

  57. Nelson Nunes Diz:

    Tanta coisa se diz, e eu não sei se o texto psicografado é verdadeiro ou não. Mas alguém disse que o nome Titus Aelius era impossível de existir, pois bem, abaixo um artigo histórico tirado da net, por acaso, mostra que o nome é perfeitamente real. Pelo menos UM Titus Aelius existiu!

    Titus Aurelius Antoninus and Titus Aelius Aurelius (149): Roman prince, son of Marcus Aurelius.

    Titus Aurelius Antoninus (“Antoninus”) and his twin brother Titus Aelius Aurelius (“Aelius”) were the second and third child of Marcus Aurelius, the heir apparent of the emperor Antoninus Pius, and Faustina, who already had a daughter Domitia Faustina.

    The birth of the two boys was commemorated on coins with the legend temporum felicitas (“happiness of these times”): it meant that dynastic continuity was guaranteed. However, Aelius died within a year, and Antoninus appears to have died soon after. The evidence is, again, coinage: there is a coin that shows Domitia and Antoninus; the next coin shows Domitia alone. There is nothing exceptional to this: infant mortality was high in pre-industrial societies. Aelius and Antoninus were buried in the Mausoleum of Hadrian.

    Antoninus must have been the elder of the two, because Marcus Aurelius gave this name to the son who he believed would be his successor. His next son was called Titus Aelius Antoninus (born and died in 152); of the twins born in 162, the elder was called Titus Aurelius Fulvius Antoninus, the younger Lucius Aurelius Commodus; they were still alive when Marcus Annius Verus was born, so he did not get the name Antoninus.
    According to the Greek author Herodian, who wrote a History of the Roman Empire, 1.2.1, Marcus’ first intended successor was surnamed Verissimus (“most true one”). This may refer to Titus Aurelius Antoninus, but -more plausibly- to Commodus’ elder brother.

    In the end, Commodus succeeded his father, and immediately accepted the name Antoninus. Several later rulers used the name as well.

  58. Vitor Diz:

    Nelson Nunes,

    o texto é inverídico, os próprios pais do menino o confirmam. Quanto a Titus Aelius, o texto em nenhum momento nega o nome:

    Se se quiser sonhar um pouco, poder-se-ia ver aí um “Titus Aelius Habetus”, 1º comandante (“praefectus”) da Cohors Aelii Habeti, “Coorte de Élio Habeto”, com certeza estacionada em Alexandria no ano 27 dC, mas há alguns problemas, já que as evidências apontam para o fato de que essa unidade de cavalaria, como citado, tinha seu quartel nas cercanias de Alexandria, e não na fronteira núbia; além do mais, o comandante de uma unidade auxiliar era usualmente um romano, e “Titus Aelius” era gaulês de nascimento. Contudo, a situação pode ainda ser salva: ele tinha um nome romano plausível (prenome Tito, gentílico Élio), o que indicaria que era um romano nascido na Gália (como um filho de portugueses nascido no Brasil, que tem o direito à cidadania portuguesa plena) – um oficial romano, de uma legião, posto para comandar uma unidade de auxiliares, que levou o seu nome.

    Se Élio Habeto, contudo, abre algumas esperanças para “Titus Aelius”, o restante não se sustenta.

  59. Vallerie Diz:

    As pessoas colocam opiniões, muitas vezes, sem um dado conhecimento a cerca dos temas. Assim como adeptos de algumas religiões absorvem uma errônea interpretação da bíblia, algumas pessoas que não conhecem ou compreendem sobre o Mundo Espiritual a fundo, vêem as coisas de um ponto de vista muito simplista e matemático. Uma é achar que o fato de você já ter sofrido em outra vida com determinados flagelos te eleve imediatamente a um nível onde você não tenha mais que passar por momentos difíceis. Afinal, infelizmente, nos adquirimos muitas dívidas espirituais através de nossas subseqüentes reencarnações e não somente uma ou duas, assim como adquirimos muitos méritos e aprimoramos também..

    Outra coisa é dizer que Deus é amor e jamais nos submeteria a ‘flagelos terríveis’. Sim, Deus é amor, é claro, e só quer o nosso bem. Não é Ele que nos impõe sofrimentos e sim nós mesmos, que temos a oportunidade de resgatar nossos erros em lugar de cair direto no inferno. Ele nos dá é uma segunda chance, de retornarmos para fazer o bem ou para sofrer.. Uma nova chance para subir de nível nas camadas do Mundo Espiritual e encontrar a verdadeira felicidade, uma oportunidade de aprimorar. Afinal, nós crescemos mesmo é com as dificuldades e obstáculos a superar. Quando nos vemos diante de uma determinada dor passamos a entender melhor a dor do outro, e nos tornamos mais humanos, quando não fomos outrora, onde fizemos o outro sofrer.

    Sou membro da Igreja Messiânica Mundial do Brasil, também espiritualista..

  60. Roberto Passos Diz:

    Conheci o blog a pouco tempo e pelo que li não é detrator,é apenas observador, aguçando o raciocínio em torno dos temas abordados. Como coloquei em outro comentário, acho que não existem seres intocáveis, seja quem for, ou que nome ilustre tenha tido. Todos nós estamos sujeitos a erros, ninguém é dono da verdade, não existe verdade absoluta. A paixão tolhe o raciocínio, impede o crescimento e anula qualquer possibilidade de debate.
    Abraços

  61. almir carvalho Diz:

    vítor, descobri este blog a pouco tempo. muito bom. análises bem feitas e cOM MUITA estrutura. continue amigo, precisamos de análises que fujam da carolice de tanta gente sonhadora que existe por ai…

  62. Ronaldo Leite Diz:

    Quem se deu ao trabalho de ler todos os livros codificados por Allan Kardec entende que os fatos narrados, e supostamente psicografados, são perfeitamente possíveis de acontecer. A pedido mesmo do próprio espírito interessado em se redimir. Erros, históricos ou não, todos nós encarnados e desencarnados somos passíveis de cometer. Ainda mais em se tratando de espíritos ainda pouco evoluídos. A nossa ciência histórica também ainda não é capaz de nos trazer com precisão e certeza absoluta todos os fatos, históricos ou não, acontecidos há dois mil anos atrás. Menos ainda as peculiaridades de nomes e situações cotidianas destas épocas perdidas nas brumas do tempo, e quase sem nenhuma referência escrita. E ainda que existam referências escritas, como consagrá-las como infalíveis? Entretanto o informado desmentido categórico do Centro Espírita Leon Denis conflita flagrantemente com o depoimento da filha do médium em questão. Penso que a primeira conclusão a ser tirada seria esta. Afinal aconteceu ou não a mensagem psicografada no Centro Espírita Leon Denis? E se de fato aconteceu porque a negativa do Centro Espírita? Conflitante também a aceitação, que entendo como uma expiação, para a reencarnação do centurião no menino João Hélio por intermédio do casal, que teria sido, em outras vidas, tiranizado por ele. Penso que tal decisão só poderia acontecer quando os três personagens ainda se encontravam desencarnados. E não já em pleno ano de 2000 ou 2001. Se acontecesse este desejo do espírito do centurião (através de um médium) em acordo com os pais do João Hélio, já em pleno século XXI, o casal certamente saberia o que lhes esperava, e não desmentiria esta versão psicografada. Estória complicada, e parece feita sob medida para infundir a descrença no lógico e racional espiritismo kardecista.

  63. Marcelo Siqueira Diz:

    psicografia? pelamor… A questão principal é o fato de que alguns adoram fantasiar. Deviam se limitar a escrever livros de auto ajuda, poesias bregas e fazer fotos falsas como aquela famosa do Chico Chavier com o espírito de lençol, muito mal feita por sinal. Se até alguém a cima de todas suspeitas como esse homem foi capaz de farsas, por que questionar relatos históricos oficiais enquanto se acredita em mensagens de pessoas que já morreram? Como o tal espírito forneceria informações erradas sobre a própria vida passada, tipo a história das bigas, que tem um quê hollywoodiano demais pra ser considerado fidedigno?

    Enquanto isso, os pais da criança não podem nem descansar e viver a vida normalmente(como se isso fosse possível após tal tragédia) sem alguém dizer que o filho deles merecia ter a cabeça arrastada pelo asfalto.

  64. Daniel - Deus é meu Juiz Diz:

    Não sei quantos de vocês acreditam em Deus, ou em uma forma superior de Vida, força essa que fez surgir o mundo, que fez surgir do nada, o tudo que conhecemos!
    Li exatamente tudo o que foi postado acima, e a conclusão que chego é uma só: “Donos da Verdade”.
    É o que todos vocês são, donos das verdades de vocês mesmos,…., donos do egoísmo, donos do seus próprios mundos.
    Sejam vocês Espíritas, Teóricos, Céticos, Evangélicos,…., infelizmente é triste e pobre o argumento de todos vocês, porque discutem algo tão pequeno, “Religião”, e nem ao certo sabem para que serve a mesma!
    A Religião na concepção do homem se tornou uma arma, e não um refúgio, e jamais vocês saberão o sentido que Cristo quis dar a ela, uma vez que todos os valores dele se perdeu, a mais de 2000 anos.
    Parabéns a todos vocês, sejam quais forem suas crenças. Ao invéns de tentarem entender o significado de AMAI-VOS UNS AOS OUTROS COMO EU VOS AMEI, ficam aí preocupados em ver quem é mais DONO DA SUA VERDADE.
    Lamentável; ………..e só mais uma observação, é óbvio que a vida não termina nesta existencia, isso seria uma incoerência absurda para aqueles que acreditam em Deus ou em uma força maior, mas nem vou discutir isso, mas independente de qualquer coisa, uma pessoa que perde um filho, independente de receber uma mensagem, verdadeira ou não de seu filho, jamais terá consolo verdadeiro, pois a dor que fica é a de não estar com apresença física, e isso é a coisa mais natural possível, afinal, ninguém quer que seja afastado de nós quem amamos. Parem de julgar o que não sabem, Bíblia, Evangelho do Espiritismo, Torá, etc, etc, etc,…., nada tem de Sagrado, são Livros, e estes passaram na mãos dos homens,…….., aqueles que se dizem Donos da Verdade,……….., quando algo sagrado tiver que aparecer, deixe que os responsáveis darão os sinais.
    Abraços fraternos.

  65. DÉBORA Diz:

    Com certeza há dúvidas sobre a “psicografia” apresentada, assim como há dúvidas acerca de todas estas circunstâncias históricas e geográficas relatadas para “desmoralizar” esta “psicografia”. Uma coisa é certo: não somos donos da verdade, não nos lembramos de ter vivido nesta época antiga para conferirmos certeza ou não acerca de fatos históricos ou geográficos da época, Deus nos deu o dom do esquecimento para a nosso saúde mental e emocional. Lembremos que até a bíblia foi deturpada pelos homens, então, quem somos nós para coferirmos certeza ou não acerca de fatos antigos, antes da era cristã, mesmo que se diga estar baseado em estudos científicos da época. Deus sabe o que faz e nos enviou seu filho predileto, o nosso Mestre Jesus, como exemplo maior de sacrifício humano. Diante dos desígnios de Deus para com seu filho predileto, quem somos nós para tentarmos explicar ou desmoralizar uma explicação acerca do sacrifício deste menino. É muito desagradável emitir opinião ou julgamento acerca de circunstâncias as quais não temos certeza. Lembremos do nosso Senhor Jesus Cristo que se sacrificou por nós, e clamamos ao Mestre para que este menino seja bem amparado e restabelecido no plano espiritual, com todo o calor do amor e a paz divina em seu coração.

  66. Antonio Elieser de Freitas Diz:

    O que é o inconsciente, ou subconsciente? Não é um arquivo onde estão registrados todos os fatos ocorridos com o individuo: uma sinples topada, tudo que falou e tudo o que houviu, até os mais secretos pensamentos, desde que ingressou na humanidade nos primatas. Com todos os atributos na estaca zero, mas em potencial para desenvouve-los. Partindo-se deste principio, se a pscografia foi produzida pelo o inconsciente do médium, como foi alegado por varias pessoas, a mensagem não pode deixar de ser autêntica, porque ele não teria meios de inventar sevelhante historia, se a produziu é porque se encontra no seu arquivo. Alguém pode perguntar como ele iria saber dos 1500 etc. lembro que a vida espiritual é uma só e além disso existe a possibilida de Titus Aelius e o nosso medium serem intimos de muitos séculos.
    Acredito prematuro, para que o pequeno João Helio se achasse em condições de se manifestar através da mensagem em foco, todavia não podemos negar a possibilidade de algum espírito conhecedor do passado de João Helio, resolver esclarecer as causas, pensando em contribuir ate para o bem da humanidade que vem vivendo uma grande mentira ha muitos séculos.
    Um fato que estranhei foi os 1500 anos, mas lembrei que há mais ou menos vinte anos li em num livro, uma mensagem psicografada, sobre um mecânico de vou no Rio de Janeiro, que de um momento para outro passou a ter medo de tudo, não saia de casa sozinho foi procurado soluções na medicina e não tiveram êxito.
    Alguém sugeriu busca ajuda num hospital espírita no R G do Sul, o mecânico tinha um espírito obsessor, que depois de doutrinado revelou ter ele e o mec. sido sarcedotes egípcio ha 2200 anos. O mec. era superior, porém inseguro temendo ser superado jogou o outro num poço e o selou, segundo o espírito ao cair no poço quebrou as duas pernas e só depois de 2200 é que lembrou-se apelar para Deus e de uma maneira instantânea se viu de frente ao mec e o reconheceu…
    Amigos aqui temos no que meditar, para um sarcedotes ficar esquecido dentro de um buraco por 2200 anos, devia ser escravos da idolatria e Deus não existia…
    Existem no planeta uma quantidade imensa de religiões profissionais que mantém a humanidade desenformada e existe a maior parte da humanidade acomodada, e não consegue enxergar os “lobos disfarçados de ovelha”
    Bem aventurado o que tem fé será salvo num resgate de espíritos, mas não terão promoções, a estes o Senhor dirá que não os conhece. A fé sem obras é morta.
    Ben aventurados que tem fé e obras, serão salvos e promovidos a estes serão reconhecidos pelo Senhor.
    Desventurados aqueles que não tem fé nem obras, ficarão, no pó por algum tempo. Pensem nisso. Paz em Cristo

  67. marcelo Diz:

    Concordo com o depoimento acima descrito de Carlos
    Magno, mostrou ter boa visão dos fatos e se mostra uma pessoa muito inteligente pela forma que escreve. Acredito que a mensagem seja verdadeira pois meu orientador espiritual ao meu lado confirma.
    Os escritos e as minuncias da história passada, bem como todos os nomes de todos os lugares ainda não foram, nem vão ser totalmente descritos nos documentos historicos.
    PODEMOS NOS BASEAR EM VARIAS REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS E SERMOS TENDENCIOSOS SE FORMOS CÉTICOS. ATÉ O DIA QUE UM CÉTICO SE TORNAR ADEPTO PELA NECESSIDADE.

  68. Diogo Rocha Diz:

    Para mim o que o autor esta fazendo é aproveitar esse caso e relatar seu ceticismo pelo Espiritismo.
    Acho um desrespeito a família de João.
    Creio que essa mensagem é verdadeira. Boas palavras foram do Carlos Magno, concordo plenamente com ele.

  69. José Carlos Ferreira Fernandes Diz:

    Interessante… um menino sofre, nas mãos de marginais, uma morte estúpida, terrível, sofrida e (quero crer) injusta; logo depois, “surge” uma “psicografia”, que “informa”, categoricamente, que o referido menino tinha sido, numa outra encarnação, um cruel oficial romano no Egito, e que sua morte nos dias de hoje era, por assim dizer, uma “justa punição”, ou “purgação”, ou coisa que o valha, de sua pretensa “crueldade passada”… A tal “psicografia” é ANALISADA à luz daquilo que ELA PRÓPRIA informa (sem se entrar no mérito de existir ou não mediunidade, ou de uma psicografia ser ou não possível) e então são EVIDENCIADAS inúmeras incoerências e vários erros históricos elementares, que desacreditam especificamente ESSA psicografia… E sou eu que sou aproveitador? E sou eu que não respeito a família do menino, ou, mesmo, o próprio menino? Quer dizer então que basta um “orientador espiritual” dizer que algo é verdade, que então é verdade, e pronto, sem investigação, sem nada? É essa a tal da “fé raciocinada” dos kardecistas? E (de novo!) o aproveitador sou eu? O desrespeitador sou eu?

    De fato, há lacunas na evidência histórica; algumas um dia serão sanadas, outras não. Mas o que JÁ EXISTE (e aqui foi mostrado, e mostrado em detalhye) é suficiente para, no mínimo, lançar seriíssimas dúvidas acerca DESSA psicografia (independente do que diga o tal “orientador espiritual”). Mas tudo pode ser consertado: é só solicitar, creio, ao tal “orientador espiritual” que informe onde pesquisar, ou onde cavar, de modo a serem obtidas as evidências que corroborem ESSA psicografia. Afinal, ele deve saber mais do que os historiadores, arqueólogos e especialistas sabem do Egito romano. Sds,

    JCFF.

  70. PAULO ÉSIO Diz:

    Apenas quero informar que os pais do menino tiveram outras psicografias de fatos apenas por ele sabidos. O convencimento foi tão grande que na casa do casal atualmente funciona um Centro Espírita que desenvolve o projeto “amor além da vida” onde acolhem e, esclarecem pais vitimados pela violência. Fiquem todos em paz….

  71. lindemar Diz:

    Saberemos da verdade qdo voltarmos a patria espiritual….

    Muita luz a todos!

  72. GUSTAVO MIRANDA Diz:

    Gostei de seu trabalho, na preocupação de lembrar que no processo mediúnico vários fatores podem influenciar na mensagem. Não se trata de má vontade do médium. Também devemos lembrar que até Chico Xavier foi motivo de chacotas no início de seus trabalhos mediúnicos. Sou médium de psicografia, pictografia, audiente, vidente e de psicofonia. Não é fácil… Já recebi mensagens que veio até com o endereço da pessoa para onde enviar, e bateu tudo. No entanto, já recebi uma “receita médica” que dizia para eu fazer um chá de espirradeira (nem sabia o que era esta planta), que aliás, cresce em frente ao ap onde moramos. Tenho sempre em mente que uma psicografia tem uma finalidade, nem que seja “baixar a bola do médium” e que jamais fugirá da tríade da doutrina espírita de ser: CIÊNCIA, FILOSOFIS E FÉ. vejam só; Fé por último. Diante disso, toda vez que recebo uma “receita mediúnica dou uma pesquisada na net e em livros de medicina. Para minha surpresa a planta era altamente tóxica e poderia, caso consumisse-se qualquer, repito: QUALQUER parte dela, uma parada cardio-vascular…
    Pois é, o “médico quis me induzir a erro de tal forma que eu acabasse por matar minha mãezinha. Por isso meu amigo, CONCORDO COM VC, UMA PSICOGRAFIA SÉRIA NÃO ADMITE ERROS DE NATUREZA NENHUMA!!! Chico Xavier era semi-alfabetizado e mesmo assim suas psicografias eran de uma gramática e exatidão de fatos inegáveis. parabéns.

  73. Bruno Rocha Diz:

    Acho absurdo uma pessoa contestar uma mensagem com tamanha exatidão em sua descrição … contestar uma mensagem deste tipo é o mesmo que dizer que o médium premeditou uma falsa psicografia ou que o mesmo tem uma mente tão fértil ao ponto de inventar todas essas informações no exato momento da psicografia.

  74. Osvaldo Diz:

    Tenho 64 anos e sempre gostei de ler artigos sobre vários assuntos, A historia quase sempre foi escrita pelos vencedores. Vou dar alguns exemplos= Tiradentes foi considerado bandido durante os reinados de dona Maria ( rainha de Portugal, mãe de Dom João Vl,chamada de rainha louca)de Dom João Vl,Dom Pedro l e Dom Pedro ll .Sòmente durante o periodo republicano, Tiradentes passou a ser herói. Outro fato=Certa vez eu vi uma reportagem sobre uma escola primaria em Pernambuco, chamada de Domingos Fernandes Calabar.Ora , Calabar sempre foi chamado de traidor, pois lutou ao lado dos holandeses.Para mim Calabar foi um herói, pois os interesses portugueses no Brasil eram apenas o extrativismo, só interessava a eles sugar toda a riqueza brasileira e levar para portugal e o Brasil que se danasse. Os holandeses fizeram investimentos no Brasil, basta ir à Pernambuco e conversar com historiadores de lá.Mauricio de Nassau foi um grande incentivador das artes e do progresso na região. Outro fato= na guerra do paraguai, o Brasil sofreu uma derrota extrondosa em laguna, mas a maioria dos brasileiros acham que o Brasil venceu todas as batalhas. Outro fato=Getúlio Vargas era simpatizante do nazismo, tanto que o seu chefe de policia era Felinto Muller, descendente de alemães e ele expatriou Olga Benário, mulher de Luis Carlos Prestes, para morrer nos campos de concentração nazistas.A aderencia de Getúlio ao EUA, foi uma troca para a instalação da CSN no Brasil. Olha, não dá para confiar nos livros de História, senão eu teria de acreditar em papai noel,branca de neve, rapunzel, alice no país das maravilhas , no gato de botas, no pequeno principe, em joáozinho e maria , no saci pererê, na mula sem cabeça que põe fogo pelo nariz(se não tem cabeça, também não tem nariz) nos deuses gregos, romanos, vikings e milhares de outras bobagens. EU CREIO NO ESPIRITISMO E PARA MIM É A ÚNICA DOUTRINA VERDADEIRA, POIS MOSTRA O AMOR INCONDICIONAL DE DEUS

  75. Reni Barboza Diz:

    João Helio naceu em 2001, mais foi progetado no ano de 2000! ou ele não levo 9 meses para gestação???

    quem não acredita, tem todo meu Respeito!

    Mais um dia vai sentir e saber que tanto duvidas no dia de hoje!!!!

  76. A todos Diz:

    Li tds os comentarios aqui feitos pelos caros internautas, e
    quero apenas lembrar aos descrentes de plantão, que na minha humilde e pessoal opinião de quem já transitou por
    outra religião, estudou outras filosofias, nascida em berço espirita, e estudiosa da mesma, compreendi como tal, e muito mais como ser humano que com mais de meio século vivido, ser principalmente uma grande observadora, e admiradora da vida que recebi de presente, de um Ser que nos inspira a ser crentes de Sua existência.
    O Espiritismo, como qualquer religião que conheço, eleva o ser humano, para que trilhe o caminho do bem, seguindo assim a doutrina de Deus.
    Aqueles que renegam Sua obra e existência, negam a sí proprios. Mas estaremos aqui a discutir algo que está dentro de nós, pelos tempos incutido, aprendido, vivenciado, por muitas e muitas vidas, experenciando,
    semeando e colhendo, como nos foi ensinado por Ele.
    Só tenho a dizer que temos que nos apressar, não só em evoluir intelectualmente, que não deixa de ter suma importancias, mas como seres que nos dias de hoje estão deixando de serem humanos, e isso é o que devemos nos atentar. Não estou aqui para julgar ninguém, pois isso também não é de minha alçada, mas digo a todos voces que discutem pela autenticidade ou não dessa mensagem, que não se degladeiem, mas sim unam-se em trnasmitir harmonia, de que esse planeta precisa demais.
    Pensemos em nos respeitar, sejamos respeitosos e fraternos, nos tratemos com o mesmo respeito que gostariamos de sermos tratados, pois não foi isso que nos foi ensinado?
    Amigos somos todos filhos do amor Divino, portanto aprendamos que a lucidez vem com a expereiência, e que aprende quem quer, é o nosso livre arbitrio, assim como o direito de cada um de nós acreditarmos ou não, mas jamais fazermos criticas ácidas a respeito daquilo que não conhecemos profundamente. pois talves ainda por mais letrado na Terra, ainda sejamos analfabetos no plano espiritual.
    Peço a todos que possam refletir, e tentar compreender aquilo que conhecem verdadeiramente, pois a maioria de quem critica desconhece o verdadeiro sentido daquilo a que se critica.
    Sou uma estudiosa de seitas e religiões, embora seja uma crente da espiritualidade Cristã, aquela que eleva o homem ao nível do Divino. Nos apressemos em sermos melhores, pois Deus não tem pressa, e seguindo essa máxima, crescendo nos meus conhecimentos, melhorei muito como ser humano, entendo muito mais, sendo menos arrogante, sentindo que todos somos irmãos.
    Não acreditem apenas no que os olhos vêem, mas o que está além de uma viagem efemera, visto a eternidade do espirito. Só quando dilatamos nosso coração, nossa visão se dilata, para então vermos além dessa vida, ou para que estamos aqui? Alguém pode me responder?
    Abraço a todos.

  77. Cleonice Soares Bernardes Diz:

    Debates, são bons para esclarecimentos; porém a Verdade, só nos será revelada, além túmulo!!!!

  78. Carlos Oliveira Diz:

    Debates acalorados não?

    Mas me pergunto que seria a ferramenta com base tão exata a ponto de afirmar a aureola do tempo em época aonde a civilização mau compreendia o sentido da palavras. Aos cépticos não basta sua descrença, tem que apontar o dedo, assim como foi feito com o Mestre Jesus antes de sua crucificação. Se foi o próprio meste que nos ensinou a lei do amor, quem somos para nos batermos em palavras, em descrença. Não é na própria bíblia que se encontramos a celebre frase: – Ai daquele que segregar seu irmão por conta de sua crença? Ou os colegas tem outro pensamento a respeito das escritas sagradas? Sim falo aos religiosos que aqui banalizam esta cresça de muitos, o Cristianismo também foi perseguido em seu primórdios.
    Senhores, não pretendo aqui criticar as vossas idéias, não censuro ninguém por não compartilhar das nossas, mas aconselho aos amigos a estudarem o “Livro dos Espíritos”, para melhor compreender a “lei do amor”, o “Livros dos Médiuns” para melhor compreender o intercambio com os espíritos, antes de se jogarem ao infortúnio de falarem sobre o que não conhecem, mesmo porque “a consciência impõe um dever a todo critico serio de não dizer ao contrario do que é; ora, por isso, a primeira condição é de não falar daquilo que não sabe.” (A.K.)

    O que é uma década para um espirito que ficou mais de mil anos na erraticidade tão perturbado? Engano com uns dias a mais ou a menos? Você se lembra com exatidão de seus dias quando era mais jovem?

    Eu sou ESPIRITA e respeito sua crença, tente respeitar a minha.

    Fiquem todos com Deus, sob o amparo dos bons espíritos.

  79. janaina Diz:

    Gostaria de lembrar de Publiu lentulus, conhecido hoje como Emmanuel,também não foram achado nada sobre ele na época como senador,ou presidente da Judeia.
    E sobre Tito existem algumas relevâncias…

  80. Marcos Maués Diz:

    O grande segredo é a palavra “RESPEITO”.
    A pessoa que tem aversão ao Espiritismo, guarde para si sua opinião.
    Acho perda de tempo discutir crenças.
    Deus nos deu a opção de escolha.
    Se alguém não gosta de uma pessoa, o correto é nos afastarmos dela, de preferência, nem tocar o nome dela. Assim, também, se dá com a religião. Pra quê atacar o Espiritismo?!
    Pra quê se sentir incomodado?!
    Não vos esqueceis que existem Pastores charlatões, Bispos, Padres, etc…
    Respeite a crença e a opinião de cada um….

  81. Luiz Pessoa Guimarães Diz:

    “Espíritas! Amai-vos, eis o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo” (O Evangelho segundo o Espiritismo – 6, 5). Publiquei a história inicial e posteriormente as críticas, quando surgiram. Meu trabalho é este o de apresentar aos leitores os fatos. O site permite exatamente que através dos estudos, possamos estabelecer a “Generalidade e Concordância dos Espíritos”

  82. Luiz Pessoa Guimarães Diz:

    http://www.vademecumespirita.com.br/goto/store/texto/1110/joao-helio–desencarne-preso-ao-cinto-de-seguranca

  83. PAULO GOMES Diz:

    Farsa do espiritismo foi muito divertido, pequenas crianças que duvidam do que realmente são de verdade, é preciso perder o corpo para para tirar as vendas, enquanto o tempo passa vamos vendo algumas informações deste tipo.

  84. Jose Carlos Diz:

    Eu respeito

  85. Jose Carlos Diz:

    Uma sábia frase do medium Fernando Ben é : Qualquer acerto vem do comunicante e posterior erro vem de mim.
    Acredito que até para nós fica dificil recordar de toda nossa trajetória de nossa vida na terra.
    Você se lembra de todos os professores que teve?
    Todos os alunos de classe?
    Todos os colegas do clube do trabalho do condomínio etc. etc.. etc…
    Acho muito dificil, mas os principais ensinamentos as principais aflições, os amores, amizades, as aventuras, as tristezas e alegrias as incertezas as dúvidas, arrependimentos , erros e acertos em nossas vidas. Isto sim recordaremos para sempre.
    Todas estas conjecturas formam nosso ser.
    Dai quando for interpelado por um ser superior que nos perguntará você fez isto? (certo ou errado, bem ou mal) e sabes que diante dele não se pode mentir porque se faltar com a verdade se tornará um escravo da escuridão porque seu orgulho te levará lá.
    Você é quem sabe que caminho deve seguir mas te antecipo que todos eles te levarão a Jesus.
    A verdade vai te libertar o arrependimento te dará crédito para pagar suas dividas.
    Suas atitudes resgatará seus erros a aflições da vida te purificará e no seu íntimo uma voz lhe dirá pronto, está liberto para um novo recomeço

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)