Resgate Histórico: Estudo de Mensagens Copiadas

Reproduzo aqui o folheto Estudo de Mensagens Copiadas, feito por um grupo de espíritas na década de 60. Esse resgate foi conseguido graças a integrantes da lista de discussão CEPA, do Google. Espero que outros internautas entrem em contato comigo disponibilizando mais dessas verdadeiras raridades. A História agradece.

ESTUDO DE MENSAGENS COPIADAS


Breve estudo comparativo, com grifo e destaques de expressões copiadas, entre páginas apresentadas por Divaldo Pereira Franco, de Salvador, Bahia, e mensagens recebidas pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, de Uberaba, Minas. 

 

ÍNDICE

 

Considerando ………………………………………………………………………………….  2

Original: – “Carta a Meu Filho” (1ª Parte) …………………………………………..  5

Cópia: – “Carta do Além” (1ª Parte) ……………………………………………………  6

Original: – “Carta a Meu Filho” (Final) ……………………………………………….. 7

Cópia: – “Carta do Além” (Final) ………………………………………………………… 8

Expressões Copiadas …………………………………………………………………………. 9

Outras Mensagens Copiadas ………………………………………………………………. 11

Originais: – “O Santuário Sublime” e “Sexo e Amor” ……………………………. 12

Cópias: – “Tesouro” e “Ante o Sexo e o Amor” …………………………………….. 13

Original: – “Trabalha Servindo” ……………………………………………………………14

Cópia: – “Alma Ajudando” …………………………………………………………………. 15

Expressões Copiadas …………………………………………………………………………. 17

30.000 Exemplares

Distribuição Gratuita

Grupo Espírita EMMANUEL 

ANO III – Nº 25

JUNHO DE 1962

COMEMORAÇÃO DO II ANIVERSÁRIO

RUA GABRIELA, 178 – FONE, 4-6-5 – CAIXA POSTAL, 317

GARÇAESTADO DE SÃO PAULO 

CONSIDERANDO 

Nós, os companheiros do Grupo Espírita “Emmanuel”, sediado na cidade de Garça, Estado de S. Paulo, há precisamente dois anos, temos nossas atenções centralizadas na divulgação gratuita de páginas dos nossos Benfeitores Espirituais, psicografadas pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, residentes em Uberaba, Minas, em razão de considerá-las vigas e tijolos dos instrutores desencarnados para a edificação e consolidação da Doutrina Espírita, em sua feição de Cristianismo Redivivo no Brasil.

Invocamos esta qualidade, a fim de expor aos nossos leitores um assunto grave e de solicitar-lhes a precisa reflexão na pauta dos “considerandos” seguintes:

1.                Em abril passado, recebemos o folheto intitulado “Para Onde Vamos, Espíritas?”, relacionando um cotejo entre páginas apresentadas pelo Sr. Divaldo Pereira Franco e mensagens psicografadas pelos médiuns Sr. Francisco Cândido Xavier e Sr. Waldo Vieira, no qual se evidencia a cópia exata, praticada em Salvador, Bahia, sobre os trabalhos mediúnicos psicografados em Uberaba, Minas Gerais.

2.                Tendo sido convidados por vários amigos, conforme cartas de nosso arquivo, a publicar páginas atribuídas às faculdades de Divaldo Pereira Franco juntamente das que vimos entregando gratuitamente ao público, chanceladas pelas mediunidade psicográfica de Chico Xavier e Waldo Vieira, esclarecemos que muito antes do folheto “Para Onde Vamos, Espíritas?”, já estávamos examinando as cópias a que se reporta a referida publicação, que nos mereceu, por isso, natural interesse.

3.                Compreendendo que o folheto “Para Onde Vamos, Espíritas?” envolve questão demasiado importante, alicerçada em pungente realismo, começamos por analisar-lhe as observações tão somente em companhia de irmãos amadurecidos no conhecimento espírita, prudentemente afastando comentários desairosos e contundentes, ao mesmo tempo que éramos informados por numerosas instituições espíritas da decisão de abafar o folheto referido, de maneira a impedir-se notas escandalosas e deprimentes à margem de nossas atividades.

4.                Não discutimos o procedimento dos que se alheiaram da proclamação ou que a subestimaram sorrindo, para, em seguida alegarem não pretender participar de um empreendimento que classificaram por rixa de médiuns ou conflito de líderes e devemos salientar que não assumimos a responsabilidade deste folheto elucidativo para deprimir ou elogiar pessoas e sim apenas em defesa dos princípios espíritas, no presente e no futuro.

5.                Não era nossa intenção vir a público, martelando um problema, evidentemente, desagradável, entretanto, à frente do apelo inequívoco do folheto “Para Onde Vamos, Espíritas?”, esperávamos, de nossa parte, que a publicação das mensagens copiadas em Salvador fosse naturalmente sustada pelos órgãos mais representativos da Doutrina Espírita, no Brasil, o que não aconteceu, bastando lembrar que “Reformador”, o mensário mais alto de nossa organização, por definir o pensamento da Federação Espírita Brasileira, estampou em seu último número de maio corrente, a página atribuída às faculdades mediúnicas de Divaldo Pereira Franco, intitulada “Carta do Além”, que é uma cópia integral da “Carta a Meu Filho”, recebida psicofônicamente pelo médium Francisco Cândido Xavier, em Uberaba, e publicada em “A Flama Espírita”, de Uberaba, de 2 de maio de 1959, mensagem essa posteriormente inserida em o livro “O Espírito da Verdade”, lançado pela própria Federação Espírita Brasileira, neste ano de 1962.

6.                Relativamente à mensagem “Carta a Meu Filho”, copiada em Salvador, sob o título de “Carta do Além”, – objeto de estudo particularizado, neste folheto, – cabe-nos ainda informar que sendo o texto original, através de Francisco Cândido Xavier, publicado pelo semanário espírita de Uberaba, em 2 de maio de 1959, e, mais tarde, incluído em “O Espírito da Verdade”, à página 63, cujo prefácio está datado de 9 de outubro de 1961, fica parecendo que o médium Francisco Cândido Xavier deve ser acusado como sendo plagiador em vista do “Reformador”, de maio corrente, apresentar a “Carta do Além”, como tendo sido recolhida por Divaldo Pereira Franco, em 19 de junho de 1961.     

7.                Reconhecendo-nos, diante de um assalto à verdade, assalto esse que vai crescendo com a despreocupação dos companheiros chamados a comandar a opinião espírita, na imprensa, meditamos e oramos, rogando a inspiração e a assistência dos nossos Maiores da Espiritualidade, em nome do Cristo, nosso Mestre e Senhor, e, embora pequeninos, mas sinceros em nossa intenção de agir retamente, deliberamos lançar a presente publicação com o intuito de alertar o campo espírita, de maneira a não horizontalizarmos a própria razão, sob a hipnose de emoções e comoções, lacrimosas e destrutivas, para acordar amanhã torturados e obcecados por mais ampla invasão de sombras.

8.                Para clareza do assunto, alinhamos neste folheto pequena relação informativa de algumas das mensagens psicografadas sob a responsabilidade dos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Viera, em Uberaba, e copiadas sob a responsabilidade de Divaldo Pereira Franco, em Salvador, com o estudo pormenorizado da cópia total praticada sobre as mensagens “Carta ao Meu Filho” e Trabalha Servindo”, psicografadas por Francisco Cândido Xavier, e copiadas sob o título de “Carta do Além” e “Alma Ajudando”, cópias essas para as quais os leitores não encontrarão, em sã consciência, outra explicação que não seja cópia mesmo, porquanto, no estudo aqui apontado, não cabem quaisquer alegações sobre a universalidade do ensino dos espíritos, memória inconsciente, aproximação literária, coincidência de instrução, afinidade temática e nem tampouco esse ou aquele recurso à tese de animismo, porque as cópias de ambas as mensagens a que nos referimos, quais foram feitas, somente poderiam ter sidos efetuadas com os originais à frente dos olhos.

9.                Há quem diga que o escabroso assunto não deve ser acalentado em nossas fileiras e que devemos cobrir a brecha com imperturbável e profundo silencio, afirmação que respeitamos quando partidas de corações sinceramente interessados em acautelar-nos a confraternização e a harmonia. Mas se os irmãos responsáveis pela marcha do Espiritismo Cristão no Brasil, principalmente os que militam na imprensa, fazem ouvidos moucos, endossando a perturbação ao invés de cerceá-la, devemos nós, os espíritas, anular o raciocínio e não pensar, à maneira do avestruz que esconde a cabeça diante do temporal, acreditando, desse modo, escapar do perigo?

10.            Todos cremos na obrigação de preservar a palavra de Allan Kardec, na Codificação, e ninguém pode quebar-nos o união nesse sentido, entretanto, como deixar correr à revelia a intromissão sobre os livros dos Instrutores Espirituais que estão consolidando os princípios da Doutrina Espírita, como sendo o Cristianismo Redivivo, no Brasil, há quase um século?

11.            Todos sabemos que os livros mediúnicos estão regidos por mecanismos legais, com direitos e responsabilidades definidos para os médiuns que os chancelam e para as editoras que os lançam, perante as autoridades constituídas no País, e não aparecerá ninguém, no Espiritismo, que os defenda contra a investida de aventureiros encarnados ou desencarnados, a pretexto de que os médiuns devem dar da graça o que de graça recebem?

12.            Compreendemos que o preceito evangélico “dar de graça o que de graça recebestes” nos garante a idoneidade contra o simonismo em nossas fileiras, mas estamos diante de um abuso moral que precisamos coibir, com vistas ao futuro da Doutrina Espírita, diante de todos aqueles que virão depois de nós.

13.            Se nós, os espíritas, não aprovamos o estelionato que , pelo dicionário comum, significa “obtenção para si ou para outrem de vantagem patrimonial ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento”, não podemos endossar ou estimular o estelionato nos patrimônios sagrados do espírito, praticado abertamente.

14.            Será justo sobrepor afetos pessoais aos interesses da Doutrina Espírita que pertencem à Humanidade, obscurecendo o campo de nossas realizações para favorecer o erro consciente, visto, analisado e reconhecido?

15.            Longe de nós a idéia de exigir santidade ou heroísmo incessante nas pessoas humanas, todas elas falíveis quanto nós mesmos e, de modo algum, nos ergueríamos em ataque pessoal a quem quer que seja, mas o problema em foco é estritamente de preservação e defesa da honestidade, no serviço espírita-cristão, que é nosso dever resguardar, a fim de que nós, de concessão em concessão, no exercício da falsa tolerância, não venhamos a cair, em politicagem pessoal com o profissionalismo religioso dentro de casa.

16.            Reconhecemos em Divaldo Pereira Franco o tarefeiro da tribuna espírita, com a missão da palavra esclarecedora, e encontramos em Francisco Cândido Xavier e em Waldo Vieira, os tarefeiros da mensagem psicografada ou da palavra escrita e perguntamos a nós mesmos porque não se contentará o nosso irmão Divaldo Pereira Franco no dom sublime da palavra que o Senhor lhe atribuiu, na Seara do Seu Infinito Amor entre os homens, se, mesmo entre os homens, nas atividades do cotidiano, cada um trabalha no lugar próprio, sem que o advogado exerça as funções do médico e sem que o latoeiro faça o papel do pintor?

17.            Observamos, ainda, que se os livros e mensagens dos Instrutores Espirituais, por intermédio de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, estão sendo copiados agora com a presença de ambos os médiuns reencarnados, diante de nossos olhos, o que será da obra dos nossos Mentores da Vida Maior, quando os referidos instrumentos estiverem desencarnados?

18.            Não será lícito assegurar a limpeza da obra espírita-cristã de hoje para que venhamos a entregá-la correta aos nossos descendentes, tal qual a recebemos indene de toda eiva, do exemplo claro e admirável de um Bezerra de Menezes, de um Batuíra e de um Caibar Schutel que nos antecederam?

19.             Fala-se em golpe moral que nos cabe evitar aos companheiros de tarefa, de maneira a que não desfaleçam no desempenho dos deveres que lhes foram assinalados, entretanto, somos de parecer que a Doutrina Espírita está situada muito acima de nossas pessoas e que é a ela que nos compete preservar acima de nós.

20.            Não desejamos e nem temos tempo para desperdiçar em contendas inúteis, mas trazemos o nome de “Emmanuel” em nossa legenda e considerando que os livros dos nossos Benfeitores Espirituais não são meros volumes de recreio literário e sim documentos da Espiritualidade que interferem sobre a nossa vida e sobre o nosso modo de ser, representando manuais de renovação, orientação, responsabilidade e atitude, convidamos todos os companheiros espíritas, a estudarem conosco o problema das mensagens copiadas, porquanto, há outras páginas da mesma origem, retiradas de outras fontes, além das que se localizam em Uberaba, a fim de que estejamos no estado de vigilância construtiva, agindo sem ironia e sem qualquer desrespeito, para colocar a verdade em seu justo lugar com a dissipação da mentira.

21.            Terminando, solicitamos a todos os nossos irmãos de ideal e de luta, preces em conjunto, rogando ao Senhor nos ilumine e nos sustente, no desejo sincero de acertar, com espírito de compreensão e fraternidade, esclarecimento e auxilio mútuo, alimentando a firme disposição de prosseguir, sem pretensão e sem bazofia de nossa parte, a velar pela limpeza do nosso patrimônio doutrinário, afim de que nós, os espíritas, de hoje, não venhamos a confundir os espíritas de amanhã, na pessoa de nossos próprios filhos.

Que Jesus nos esclareça e nos abençoe.

Garça, 31 de maio de 1962.

Rolando Mário Ramacciotti

Palmyra Guimarães de Araújo

Itagy de Carvalho

Valderêz Avelino de Souza

Lígio de Souza

 

ORIGINAL

 

“O Espírito da Verdade”, Pág. 63, do espírito de J., recebido pelo médium Francisco Cândido Xavier e publicado primeiramente em “A Flama Espírita”, em 2 de Maio de 1959. Não nos esqueçamos da feição original desta mensagem, realmente inédita na literatura espírita: o espírito de um pai escrevendo uma carta ao filho que o envenenara por motivos de dinheiro.

 

CARTA A MEU FILHO

Meu filho, dito esta carta para que você saiba que estou vivo.

Quando você me estendeu a taça envenenada que me liquidou a existência, não pensávamos nisso.

Nem você, nem eu.

A idéia da morte vagueava longe de mim, porque esperava de suas mãos apenas o remédio anestesiante para minha enxaqueca.

Entendi tudo, porém, quando você, transtornado, cerrou subitamente a porta e exclamou com frieza:

-                   Morre, velho!

As convulsões que me tomavam de improviso, traumatizavam-me a cabeça

Era como se afiada navalha me cortasse as vísceras num braseiro de dor.

Pude ainda, no entanto, reunir minhas forças em suprema ansiedade e contemplar você, diante de meus olhos.

Suas palavras ressoavam-me aos ouvidos: – “morre velho!”

Era tudo que o que você, alterado e irreconhecível, tinha agora a dizer.

Entretanto, o amor em minhalma era o mesmo.

Tornei à noite recuada quando afaguei pela primeira vez.

Sua mãezinha dormia, extenuada…

Pequenino e tenro de encontro ao meu peito, senti em você meu próprio coração a vagir nos braços

E as recordações desfilaram, sucessivas.

Você, qual passarinho contente a abrigar-se em meu colo, o álbum de fotografias em que sua imagem apresentava desenvolvimento gradativo em todas as posições, as festas de aniversário e os bolos coloridos enfeitados de velas que seus lábios miúdos apagavam sempre numa explosão de alegria… Rememorei nossa velha casa, a princípio humilde e pobre, que o meu suor convertera em larga habitação, rica e farta… Agoniado, recordei incidentes, desde muito esquecidos, nos quais me observava expulsando crianças ternas e maltrapilhas do grande jardim de inverno para que o nosso lar fosse apenas seu… Reencontrei-me, trabalhando, qual suarento animal, para que as facilidades do mundo nos atendessem as ilusões e os caprichos…

Em todos os quadros a se me reavivarem na lembrança, era você o grande soberano de nosso pequeno mundo…

 

CÓPIA

     “Reformador”, Pág. 111, Maio de 1962. Está página tem as mesmas características do original, único na literatura espírita: o tema (todo o enredo), um pai, um filho, a genitora, a recordação da infância, o veneno, o dinheiro, a concessão de perdão, o título de carta, o autor se apresentando anonimamente, além de ser recebida psicofônicamente. Muito embora o tratamento entre o comunicante e a pessoa encarnada ter sido mudado da terceira para segunda pessoa; alguns termos e retalhos de frases transpostos para outros parágrafos; grande número de expressões sofrerem substituição por outras equivalentes e terem sido enxertados alguns tópicos na mensagem, reconhece-se, com absoluta facilidade, que o original está presente nesta cópia em todo o texto. Leiamos cotejando com a página ao lado.

 

CARTA DO ALÉM 

Meu filho,

Perdoa-me voltar à tua consciência.

Continuo vivo e sei que na tua memória estão impressos, a golpe de remorso implacável, os últimos dias do nosso encontro, e, como tu, também eu não me olvido da nossa despedida.

Lembro-me bem: a dispnéia ultrajava-me o corpo vencido, quando te pedi a medicação calmante. Teu olhar, porém, meu filho, quando me trazia o copo, disse me tudo. Quis recuar; não pude. A tua ansiedade parecia pedir-me que sorvesse o conteúdo do vasilhame em que tuas mãos nervosas pingaram a dose fatal de arsênico. Essa ansiedade, que não tenho conseguido esquecer, imprimiu na minha alma emoções desordenadas e, no momento em que o veneno escorria pelo meu tubo digestivo e o suor vertia em bagas pelo teu rosto, eu me revi moço, como se a aproximação da morte tivesse vencido o tempo e eu recuasse aos primeiros dias do lar. Via-me a reter-te nos meus braços vigorosos, após a partida da tua mãe para o mundo espiritual, procurando ninar-te o sono leve. Lembrei-me das noites que passei debruçado sobre o teu leito de criança, procurando acarinhar-te, esquecido de mim mesmo. Via-te crescer, enquanto eu desenvolvia uma grande atividade para reunir as moedas que iriam fazer a nossa felicidade no futuro, quando estivesse estuante de mocidade e eu envelhecido. Recordei a educação primorosa que te dava, enquanto as minhas mãos se calejavam no trabalho! Freqüentavas a Faculdade de medicina e, nesse justo momento das lembranças, minha mente turbilhonou-se sob a força incoercível da morte. Ainda pude concluir, antes do delíquio, que o filho que eu ninara com as minhas mãos assassinava-me para se apossar do cofre forte da nossa casa, onde eu guardava as moedas e as cédulas que sempre foram tuas.

Não morri, meu filho. Não me conseguiste matar. Rompeste somente as roupas velhas e cansadas que me pesavam, que me vergastavam, porque, verdadeiramente, eu morrera muito antes, quando tua mãe partiu e não mais pude ser feliz… Já naquele tempo procurei transfundir a minha vida na tua vida; o amor que a morte me roubara, transferi-o para ti, em forma de confiança e alegria, de esperança e júbilo.

Porque te precipitaste, meu filho?

 

ORIGINAL 

“CARTA A MEU FILHO”(Final).

O passado continuou a desdobrar-se, dentro de mim. Revisei nossa luta para que os livros lhe modificassem a mente, o baldado esforço para que a mocidade se lhe erigisse em alicerce nobre ao futuro… De volta às antigas preocupações que me assaltavam, anotei-lhe, de novo, as extravagâncias continuas, os aperitivos, os bailes, os prazeres, as companhias desaconselháveis, a rebeldia constante e o carro de luxo com que o presenteei num momento infeliz…

Filho de meu coração, tudo isso revi…

Dera-lhe todo o dinheiro que conseguira ajuntar, mas você desejava o resto.

Nas vascas da morte, vi-o, ainda, mãos ansiosas, arrebatando-me o chaveiro para surripiar as últimas jóias de sua mãe… Vi perfeitamente quando você empalmou o dinheiro, que se mantinha fora de nossa conta bancária, e, porque não podia odiá-lo, orei – talvez com fervor e sinceridade pela primeira vez – rogando a Deus nos abençoasse e compreendendo, tardiamente, que a verdadeira felicidade de nossos filhos reside, antes de tudo, no trabalho e na educação com que lhes venhamos a honrar a vida.

Não dito esta carta para acusá-lo.

Nem de leve me passou pelo pensamento o propósito de anunciar-lhe o nome.

Você continua sangue do meu sangue, coração de meu coração.

Muitas vezes, ouvi dizer que há filhos criminosos, mas entendo hoje que, na maioria das circunstâncias, há, junto deles, pais delinqüentes por acreditarem muito mais na força do cofre que na riqueza do espírito, afogando-os, desde de cedo, na sombra da preguiça e no vício da ingratidão.

Não venho falar, assim, unicamente a você, porque o seu erro é o meu erro igualmente. Falo também a outros pais, companheiros meus de esperança, para que se precatem contra o demônio do ouro desnecessário, porque todo ouro desnecessário, quando não busca o conselho da caridade, é tentação à loucura.

Há quem diga que somente as mães sabem amar e, realmente, o regaço materno é uma benção do paraíso. Entretanto, meu filho, os pais também amam e, por amar intensamente a você, dirijo-lhe a presente mensagem, afirmando-lhe estar em prece para que a nossa falta encontre socorro e tolerância nos tribunais da Divina Justiça, aos quais rogo me concedam, algum dia, a felicidade de tê-lo novamente ao meu lado, por retrato vivo de meu carinho… Então nós dois juntos, de passo acertado no trabalho e no bem, aprenderemos, enfim, como servir ao mundo, servindo a Deus.

J.

(Mensagem recebida psicofônicamente pelo médium Francisco Cândido Xavier, em reunião da noite de 22-4-59, no Centro Espírita “Casa do Cinza”, em Uberaba, Minas.) 

 

CÓPIA 

“CARTA DO ALÉM”(Final).

Depois que os tecidos se desfizeram e me descobri vivo, pus-me a examinar a própria situação e lembrei-me da história da serpente que picara o peito que a amamentava. Fizeste o mesmo. Assassinaste-me…

Acompanhei-te, a princípio, tomado por um ódio que me requeimava mais do que o arsênico no estômago. Ódio que me fazia enlouquecer, enquanto tuas mãos mergulhavam no dinheiro do meu suor, vendendo as propriedades para gastares no lupanar, seduzido por infeliz mulher que, por sua vez, era escrava de outra mulher desencarnada que te odiava e te odeia ainda, e a quem, em vida pregressa, destruíste o lar como agora me destruíste o corpo.

Oh! Meu filho! Não suporto continuar com esta lembrança, revendo-me nas tuas mãos, impotente para reagir e ouvindo a tua voz nervosa a repetir: “beba meu pai, você vai dormir”.

Não, meu filho. Não dormi, pois o pesadelo continua…

Vejo-te agora, sucumbindo lentamente, dominado pela adversária do passado e utilizo-me deste Correio, por falta de outro, para que minha voz chegue aos ouvidos do teu coração.

Desperta, meu filho, antes que seja tarde demais.

te perdoei a mão com que me puniste em nome da Justiça Indefectível… Também eu carregava crimes atrozes de que, num estado de loucura, apressaste o resgate, ignorando que a Lei Divina, oportunamente, se encarregaria de me justiçar.

Libertei-me, mas te enrodilhaste numa trama e não podemos prever quando o futuro te libertará.

Desperta, meu filho! Desperte e vive!

De que vale a cultura numa consciência culposa? Ainda não se passaram duas dezenas de anos, em que a Humanidade presenciou o soçobro das suas mais nobres aquisições, na guerra das civilizações super-alfabetizadas, dirigidas pela ambição que se fez monstro de guerra, transformando homens em abutres, anulando o patrimônio do saber, dizimando cidades, incendiando vilas, assassinado mulheres, crianças e velhinhos indefesos dos povoados humildes, na ânsia sanguinária da anarquia.

A cultura não representa tudo. Não adianta o saber num caráter ultrajado. Abre os braços à Fé, volta a Jesus, enquanto é tempo.

Eu sei que minha voz chegará aos teus ouvidos.

Pelo amor de Deus, arrepende-te. Mas não te arrependas na aparência, e, sim rompendo esse silencio que te levará à loucura, recuperando o tempo perdido e empregando os últimos dias da vida na retificação da tua invigilância.

Filho do meu coração, revejo-te nas minhas mãos, ainda pequenino, quando eu chorava a tua mãe ausente e, diante das minhas lagrimas a caírem no teu rosto de anjo, indagava, infantil: “estás chorando, papai?”. Sim meu filho, continuo chorando. Estou chorando por ti. Volta, pois. Volta, volta ao bem que eu quase não te soube ensinar. Volta a Jesus, e começa tudo de novo, outra vez, para a nossa felicidade.

O teu

ANTERO

(Página recebida psicofônicamente pelo médium Divaldo P. Franco, na sessão da noite de 19-6-1961, em Salvador, Bahia.)  

EXPRESSÕES COPIADAS

ORIGINAL

CÓPIA

“Carta a Meu Filho” – Espírito de J. – Francisco Cândido Xavier – “A Flama Espírita” – 2-5-59.

“Carta do Além” – Divaldo Pereira Franco – “Reformador” – Maio 62.

1. Carta

1. Carta

2. Meu Filho

2. Meu filho

3. … estou vivo

3. … continuo vivo

4. Taça

4. Copo

5. … de suas mãos

5. … que tuas mãos

6. Envenenada

6. Veneno

7. Recuada

7. Recuasse

8. Primeira vez

8. Primeiros dias

9. Nos braços

9. Nos meus braços

10. Sua mãezinha

10. Tua mãe

11. Recordei

11. Recontei

12. Lembrança

12. Lembranças

13. Crianças

13. Criança

14. Rememorei

14. Lembrei-me

15. Lar

15. Lar

16. Ansiedade

16. Ansiedade

17. Suor

17. Suor

18. Trabalhando

18. Trabalho

19. Mente

19. Mente

20. Filho de meu coração

20. Filho do meu coração

21. Nas vascas da morte

21. A força incoercível da morte

22. Quando você empalmou o dinheiro

22. Enquanto tuas mãos mergulhavam no dinheiro

23. Mãos

23. Mãos

24. Nossa velha casa

24. Nossa Casa

25. Cofre

25. Cofre

26. Odiá-la

26. Ódio (odiava, odeia…)

27.Esperança

27. Esperança

28. Divina Justiça

28. Lei Divina

29. Deus

29. Deus

30. … à loucura

30. … à loucura

31. Novamente

31. De novo

32. Felicidade

32. Felicidade

33. Recebida psicofônicamente

33. Recebida psicofônicamente

Obs: Além dessas, ainda existem 19 expressões equivalentes, facilmente destacáveis dentre as palavra grifadas nas páginas 6 e 8.

 

OUTRAS MENSAGENS COPIADAS

 

1.                “Um Dia” – Isabel de Castro – “Falando a Terra” – Pág. 106 – 1951.

“Um Dia” – Divaldo Pereira Franco – “Reformador” – Março 1962.

 

2.                “Questão de Escolha” – André Luiz – “Agenda Cristã” – 1947.

“Problema de Sintonia” – D. P. Franco – “Verdade” – Julho – Agosto de 1961.

 

3.                “A Prece de Cerinto” – Cerinto – “Vozes do Grande Além” – 1957.

“Por Eles” – D. P. Franco – “A Flama Espírita” – 17 de Março 1962.

       

4.                “Respostas Indiretas” – Emmanuel – “Reformador” – Dezembro 1959.

“Respostas Indiretas” – D. P. Franco – “Orientador” – Fevereiro 1962.

      

5.                “Por Amor à Criança” – Emmanuel – “Reformador” – Outubro 1961.

“Súplica de Natal” – D. P. Franco – Avulso de Ponta Grossa – Natal de 1961.

 

6.                “O Santuário Sublime” – Emmanuel – “Roteiro” – Pág. 17 – 1952.

“Tesouro” – D. P. Franco – “Reformador” – Junho de 1961.

 

7.                “Na Seara do Bem” – Emmanuel – Avulso de S. Paulo – 1957.

“Na Seara do Amor” – D. P. Franco – “A Flama Espírita” – 4 de Novembro 1961.

 

8.                “Sexo e Amor” – Emmanuel – “Religião dos Espíritos” – 1960.

“Ante o Sexo e o Amor” – D. P. Franco – “Reformador” – Dezembro 1961.

 

9.                “Lei do Mérito” – Emmanuel – “Reformador” – Dezembro 1961.

“Sofrimentos” – D. P. Franco – “A Flama Espírita” – 24 de Março 1962.

 

10.            “No Retoque da Palavra” – André Luiz – “Reformador” – 1959.

“Cultive a Prudência” – D. P. Franco – “O Médium” – Abril 1962.

 

11.            “Sinais de Alarme” – Scheilla – “Reformador” – Abril 1961.

“Sinal de Perigo” – D. P. Franco – “A Flama Espírita” – 26 de Maio 1962.

 

12.            “Trabalha Servindo” – Emmanuel – “A Flama Espírita” – 18 Julho 1959.

“Ama Ajudando” – D. P. Franco – Avulso de Ponta Grossa – 1961.

 

Observação – Leitor irmão, muitas outras cópias existem. Estude o problema com espírito de calma e justiça, e, se você tiver paciência e animo, faça também a sua relação das mensagens copiadas, inclusive daquelas que se encontram formadas pela transposição farta de trechos, nas quais notamos a presença de quatro e cinco mensagens originais em uma só das páginas copiadas e chegará à conclusões tão séria quanto as nossas. 

ORIGINAIS

Alguns trechos da mensagem “O Santuário Sublime”, do livro “Roteiro”, de Emmanuel, capítulo 3º, pág. 17, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.

1ª Edição – 1952.

1.                … “O aparelho elétrico do sistema nervoso, com os gânglios à maneira de interruptores e células sensíveis por receptores em circuito especializado, com os neurônios sensitivos, motores e intermediários, que ajudam a graduar as impressões necessária ao progresso da mente encarnada…”

2.                “Da cabeça aos pés, sentimos a glória do Supremo Idealizador que, pouco a pouco, no curso incessantes dos milênios, organizou para o espírito em crescimento o domicilio de carne em que a alma se manifesta”.

3.                “A benção de um corpo, ainda mutilado ou disforme, na terra, é como preciosa oportunidade de aperfeiçoamento espiritual, o maior de todos os dons que o nosso Planeta pode oferecer”.

 

Alguns trechos de mensagem “Sexo e Amor”, publicada no capítulo 53, pág. 119, do livro “Religião dos Espíritos”, de Emmanuel, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier. – 1ª Edição – 1960.

1.                “Se a simpatia sexual prenuncia a dissolução de obras morais respeitáveis, é imprescindível que o amor lhe norteie os recursos para manifestações mais alta…”

2.                “Quase sempre, os que chegam ao além-túmulo, sexualmente depravados, depois de longas perturbações renascem no mundo, tolerando moléstias insidiosas, quando não se corporificam em desesperadora condição inversiva, amargando pesadas provas como conseqüência dos excessos delituosos a que se renderam”.

“A maneira de doentes difíceis, no leito de contenção, padecem inibições obscuras ou envergam sinais morfológicos em desacordo com as tendências masculinas ou femininas em que ainda estagiam, no elevado tentame de obstar a própria queda em novos desmandos sentimentais”.

 

3.                “Ama, pois, e ama sempre, porque o amor é a essência da própria vida, mas não cogites de ser amado”.

“Ama por filhos do coração aqueles de quem, por enquanto, não podes partilhar a convivência mais íntima, aprendendo o puro amor fraterno que Jesus nos legou”.

 

4.                “Antes de tudo, procura Deus, na oração, segundo a fé que cultivas, e Deus que criou o sexo em nós, para engrandecimento da criação, na carne e no espírito, ensinar-nos-á como dirigi-lo”. 

 

CÓPIAS

(Estudemos cotejando com a página ao lado)

Alguns trechos da página”Tesouro” (Marco Prisco), apresentada por Divaldo Pereira Franco, em 2-1-60, constante da página 122, de “Reformador”, de junho de 1961.

1.                “Delicado aparelho elétrico vibra em teu sistema nervosos, num circuito especializado para que o cérebro atenda às exigências da vida organizada”.

2.                “No teu corpo, tudo manifesta a sabedoria divina que elaborou uma forma perfeita para a residência temporária do espírito no processo evolutivo”.

3.                “Um corpo, mesmo limitado, enfermiço ou anormalizado, é o maior tesouro que Deus oferece a um Espírito devedor”.

 

Alguns trechos da página “Ante o Sexo e o Amor” (Joana de Angelis), apresentada por Divaldo P. Franco, em 1-8 –61, inserta à página 265, de “Reformador” de dezembro de 1961.

1.                “Se te encontras em tormentos íntimos, açoitado pelo látego dos desejos infrenes, recorda o amor no seu roteiro disciplinante e corrige o desequilíbrio, imolando-o ao dever”.

2.                “Os que atravessaram os portais do além-túmulo, vencidos pela lascívia e pelos desvios de função genésica, permanecem doentes em longas e desvairadas perturbações, para renascerem fustigados pela emoção atormentada, transformados em parias sociais. Encontrá-los-ás no caminho das criaturas, envergando roupagens masculinas ou femininas, retidos em invólucros teratogênicos, quais presidiários em cárceres estreitos e disciplinantes, em longos processos de reeducação”.

3.                “Ama, portanto, embora não recebas a retribuição”.

“Desenvolve a fraternidade no coração, deixando-a espraiar-se como bênção lenificadora, consoante nos amou Jesus-Cristo, corrigindo a inclinação da mente em relação àqueles com quem não podes privar da intimidade, libertando o espírito e enriquecendo os sentimentos”.

  

4.                “Procura, antes de novos débitos, o amantíssimo coração de nosso Pai, através da oração confiante, entregando-te a Ele, para que a sua inefável bondade, que nos criou e dirige, nos de o indispensável vigor de conduzir o nosso sexo em direção do sublime que nos proporcionará a legítima felicidade”. 

 

ORIGINAL

“Religião dos Espíritos”, página 104, de Emmanuel, recebido pelo médium Francisco Cândido Xavier e publicado primeiramente em “A Flama Espírita”, de 18 de Junho de 1959.

TRABALHA SERVINDO

Reunião pública de 26-6-59.

Questão nº 676.

A cada momento, o Criador concede a todas as criaturas a bênção do trabalho, como serviço edificante, para que aprendam a criar o bem que lhes cria luminoso caminho para a glória na Criação.

Não permitas, portanto, que o repouso excessivo te anule a divina oportunidade.

Assim como o relaxamento é ferrugem na enxada, a beneficio do joio que te prejudica a seara, o tempo vazio é flagelo na alma, em favor das energias perniciosas que devastam a vida.

Não há corrosivo da ociosidade que possa resistir aos antídotos da ação.

Não acredites, desse modo, no poder absoluto das circunstâncias adversas, a se mostrarem, constantes, nos eventos da marcha.

Se a injúria te persegue, trabalha servindo, e o sarcasmo far-se-á reconhecimento.

Se a calúnia te apedreja, trabalha servindo, e a ofensa converter-se-á em louvor.

Se a mágoa te alanceia, trabalha servindo, e a dor erguer-se-á por utilidade.

Se o obstáculo te aborrece, trabalha servindo, e o embaraço servirá por lição.

No trabalho em que possas fazer o melhor para os outros, encontrarás a quitação do passado, as realizações do presente e os créditos do futuro. E é ainda por ele que conquistarás o respeito dos que te cercam, a riqueza da experiência, a láurea da cultura, o tesouro da simpatia, a solução para o tédio e o socorro a toda dificuldade.

Importa anotar, porém, que há trabalho nas faixas superiores e inferiores do mundo.

Movimento que aprisiona e atividade que liberta, atração para o abismo e impulso para o Céu…

O egoísmo trabalha para si mesmo

A vaidade trabalha para a ilusão.

A usura trabalha para o azinhavre.

O vício trabalha para o lodo.

A indisciplina trabalha para a desordem.

O pessimismo trabalha para o desanimo.

A rebeldia trabalha para a violência.

A cólera trabalha para a loucura.

A crueldade trabalha para a queda.

O crime trabalha para a morte.

Todas essas monstruosidades do campo moral representam fruto amargo e venenoso de audiências da alma com a inteligência das trevas, no palácio deserto das horas perdidas.

Todavia, o trabalho dos que trabalham servindo chama-se humildade e benevolência, esperança e otimismo, perdão e desinteresse, bondade e tolerância, caridade e amor, e, somente através dele, o espírito caminha, na senda de ascensão, em harmonia com as leis de Deus. 

CÓPIA

Página avulsa distribuída por organizações espíritas de Ponta Grossa, Paraná, em 1961. Reparemos que os dois verbos do título-tema da mensagem original “Trabalha Servindo”, foram substituído desde o título até a conclusão por “Ama Ajudando”. Parágrafos, frases, palavras, virgula tudo copiado literalmente do inicio ao fim. Estudemos cotejando com a página ao lado.

AMA AJUDANDO

A todo instante, o Celeste Pai favorece os homens com as abençoadas dádivas da oportunidade de amar, como o melhor meio de criar o clima de auxilio entre todos, para a glória de fraternidade legitima na terra.

Não deixes, assim, que a indiferença pelos problemas alheios te cerceie a misericordiosa concessão.

Na mesma razão que a negligência é enfermidade da alma a beneficio da preguiça que aniquila a atividade espiritual, a indiferença é flagelo cruel a favor da inutilidade perniciosa que destrói a vida.

Não há veneno de ingratidão que resista aos anseios do perdão.

Desse modo, não acredites nas vozes que se erguem revoltadas, batidas pela tormenta do desespero, preconizando vindítas e ódios.

Se a má vontade te sitia, ama ajudando e converterás a frieza dos corações em sementeira de esperança.

Se a ofensa te perturba, ama ajudando e transformarás o caluniador em amigo na retaguarda.

Se a cólera te segue, ama ajudando e modificarás o clima de ódio em primavera de alegria.

Se o desejo de posse te atormenta, ama ajudando e retificarás as inclinações inferiores, libertando-te da angustia.

Se o remorso caminha contigo, ama ajudando e repara o erro cometido, enquanto é tempo, acendendo luz na consciência.

Se a maldade te injuria, ama ajudando e a suspeita morrerá sem comprovação.

Se o ultraje te ofende, ama ajudando e a dor se vestirá de luz no teu coração.

Oferece as tuas horas ao amor infatigável e embora seja necessário rechaçar as víboras da animalidade nos seus redutos, permanece imperturbável sem desfalecimento e prosseguindo sem receio. Pelo amor desculparás a ignorância e pelo auxílio que movimentares em favor de todos, far-te-ás respeitado pelos que te cercam, porquanto, através do serviço constante aumentarás o patrimônio do saber e a experiência dilatar-te-á a visão, oferecendo soluções para os problemas que atormentam as almas.

Convém registrar, porém, que o amor está igualmente nas Esferas Superiores do mundo, organizando a vida. Força dinâmica poderosa é movimento que liberta, atração que felicita e vibração que vitaliza. No entanto, nem todos o recebem na mesma intensidade…

O avaro ama o dinheiro aumentando a própria tortura.

O ególatra ama a si mesmo caminhando em solidão.

O vândalo ama a anarquia cavando abismo sob os pés.

O rebelde ama o crime vitalizando a desdita em volta de si.

O dissoluto ama os prazeres aumentando o rio da lama no qual se afoga lentamente.

O colérico ama a desforra que lhe avinagra a existência.

O viciado ama o gozo desequilibrante bebendo a cicuta que o vitimará.

O medroso ama a treva onde se esconde aguardando a loucura.

Todos esses desventurados das aflições da alma refletem a sintonia com as inteligências vingadoras do Além-Túmulo, perdidos na concha sinistra do personalismo destruidor.

Apesar disso, o amor daqueles que te ajudam amando pode ser denominado de compaixão e misericórdia, esquecimento do mal e perdão, piedade e socorro, fazendo-se senda luminosa de Caridade e caminho do Senhor que venceu o mundo servindo e continua amoroso aguardando por nós.

Joana de Angelis

(Página recebida pelo médium Divaldo P. Franco, no dia 5-3-60, em Salvador, Bahia.)

EXPRESSÕES COPIADAS

ORIGINAL

CÓPIA

“Trabalha Servindo” – Espírito de Emmanuel – Francisco Cândido Xavier – “A Flama Espírita”, 18-7-59.

“Ama Ajudando” – Divaldo Pereira Franco – Avulso de Ponta Grossa.

1. A cada momento

1. A todo instante

2. O Criador

2. O Celeste Pai

3. Bênção

3. Abençoadas

4. Oportunidade

4. Oportunidade

5. Serviço

5. Serviço

6. Criar o

6. Criar o

7. Para a glória

7. Para a glória

8. Luminoso caminho

8. Senda luminosa

9. Perniciosas

9. Perniciosa

10. Não há corrosivo

10. Não há veneno

11. Que possa resistir aos

11. Que resista aos

12. Não acredites, desse modo

12. Desse modo, não acredites

13. … Te persegue

13. … te segue

14. Far-se-á

14. Far-te-ás

15. Converter-se-á

15. Converterás

16 E a dor

16. E a dor

17. Erguer-se-á

17. Que te erguem

18. Dos que te cercam

18. Pelos que te cercam

19. Solução Para

19. Soluções para

20. Faixas Superiores

20. Esferas Superiores

21. Do Mundo

21. Do Mundo

22. Movimento

22. Movimento

23. Que liberta, atração

23. Que liberta, atração

24. Para si mesmo

24. A si mesmo

25. O vício

25. O viciado

26. A rebeldia

26. O rebelde

27 A cólera

27. O colérico

28. A loucura

28. A loucura.

29. O crime

29. O crime

30. Todas essas

30. Todos esses

31. Esperança

31. Esperança

32. Perdão

32. Perdão

33. Caridade

33. Caridade

34. Amor

34. Amor

Obs.: Além dessas, ainda existem 23 expressões equivalentes, facilmente destacáveis dentre as palavras grifadas na página 15.

15 respostas a “Resgate Histórico: Estudo de Mensagens Copiadas”

  1. Gustavo Gomes Narciso Diz:

    Ferraram você, hein Vitor ?

  2. Gustavo Gomes Narciso Diz:

    quanto ao servidor …

  3. Vitor Diz:

    Oi, Gustavo

    o problema ocorreu com todos os sítios da rede HAAAN, não apenas comigo.

    Um abraço.

  4. Liana Diz:

    Quanto as mensagens Carta a Meu Filho e Carta do Além:Uma passa mensagem de que é importante a educação dos pais , no sentido moral e não material!
    .
    É a outra passa a mensagem de que ele tem que acreditar em Jesus e trabalhar no sentido de se melhorar.
    .
    Mas a história é a mesma . Não tem dúvida de que é uma cópia! Particularmente prefiro a original é muito mais bonita!

  5. Wendel Diz:

    Realmente, tudo leva a crer que se trata de uma cópia. Isso é bom, porque estimula a gente a pensar de forma mais crítica. Muita gente não levanta sequer a possibilidade de um acontecimento desses ocorrer simplesmente porque envolve grandes personalidades do meio espírita brasileiro. Contudo, pouca gente enxerga que antes de serem médiuns renomados, eles são humanos. Tão falhos quanto qualquer um de nós, é razoável admitir que o plágio aconteceu.

  6. Adeílde Diz:

    Vitor, parabéns. Um êxito de resgate histórico de um tema relevante assim como outro êxito, o de divulgação na era da net. Fico contente de este blog existir. Mantenha sempre os seus backups bem guardadinhos, na dúvida…

  7. Wendel Diz:

    Agora, se o plágio aconteceu, como parece, é hora para se questionar também a qualidade de outras obras vindas pelo mesmo médium. Apesar da fraude (me permitam usar essa expressão) num dado momento não significar que houve fraude sempre, de certa forma isso fica implícito. Mesmo assim, a constante análise crítica de outros textos é muito recomendável. Só teríamos o que ganhar com isso.

  8. Gilberto Diz:

    Bom, se eu já entendi como funciona a retórica espírita, a minha “explicação” das cópias é muito simples:
    Os espíritos, em sua missão de caridade no plano espiritual, com o divino propósito de ajudar a humanidade a evoluir, utilizam de diferentes médiums (que significa “meios”) para passar suas lições e ensinamentos, tão importantes para que as pessoas recebam a iluminação do plano espiritual. Qual seria o problema, então, de diferentes médiums receberem mensagens semelhantes, ou mesmo as mesmas mensagens? Pensar de outra forma é refutar as verdades da doutrina e querer perversamente deturpar o próprio cerne do Espiritismo. Uma missão impossível, pois a dita ciência materialista e cética irá, sem qualquer dúvida, provar que o conhecimento do místico é verdadeiro e puro, e todos os detratores da doutrina espírita erram amargamente em sua intransigência. Só espero que esses irmãos céticos se retifiquem de seus erros, antes de terem que enfrentar a divina justiça, que é implacável em sua inabalável lei de Causa e Efeito. Tenho piedade deles e rogo para que deixem de ser ovelhas desgarradas e voltem às verdades espíritas.

  9. Gustavo Gomes Narciso Diz:

    Divina Justiça ? aff Causa e Efeito ?
    É evangélico ou espírita as ameaças continuam … pena.

  10. Liana Diz:

    Gilberto : Eu não vejo nenhum problema , que uma mensagem seja recebida por vários mediuns, o problema é que a mensagem não é a mesma e sim a história. Eu não concordo, que pensar de outra forma é querer perversamente deturpar o próprio cerne do Espiritismo. Se você tem outras idéias,quer dizer que você pensa por você mesmo e não aceita tudo que os outros falam seja a verdade.E se outra pessoa vê algo que você não vê, acho que você deveria aproveitar esta oportunidade e aprender algo com isso! Eu não acho que Deus quer que nós aceitemos tudo e sim que pensemos por nós mesmo para nos evoluímos e crescemos como indivíduo e espírito! A verdade não esta nos extremos e nem no fanatismo religioso , aliás uma das coisas belas de ser espírita é que nós respeitamos a religião do próximo. E não é por pensarmos diferente é que Deus vai nos punir, aliás isso não existe. Se o que é mostrado aqui é verdade ,então não é perverso e sim uma coisa boa , pois abre os olhos de muita gente. Isso não quer dizer também que o espiritismo seja ruim porque tem pessoas que fazem este tipo de coisas . E por isso mesmo acho que o que é mostrado aqui é muito importante , exatamente para o espiritismo não ficar descredibilizado. E se você não concorda esta no seu direito.
    .
    Muita paz e luz a todos!

  11. Gilberto Diz:

    Beleza, Liana!! Paz pra você também!!!!!

  12. Alex Diz:

    Vitor, sorte que vc não se tornou mais um escravo mental do espiritismo. Se sua habilidade para desfraudar impostores fosse aplicada à favor deles estaríamos diante de um novo e reformado Chixo Xavier….. com direito a evolução genética!

    Parabéns e continue fazendo esse trabalho maravilhoso de “destosquear” esses charlatões.

    Alex

  13. domingos branco raimundo Diz:

    Procurava «simonismo» lembrando os actos dos apóstolos.
    Cheguei aqui, li e gostei.
    Felizes as mãos que digitam no bem.

  14. Edilberto T Pires Diz:

    Alguém dos que estão aconpanhando suposta cópias, JÁ ESTUDOU O LIVRO A ANTI-HISTÓRIA DAS MENSAGENS CO-PIADAS DO LUCIANO DOS ANJOS EDITORA LEYMAIRE LANÇADO EM JANEIRO DE 2006. vai claramente obter informações importantes e com certeza, desmistificar tal farça, criadas de pessoas odientas e ao contrário num grande deserviço ao ESPIRITISMO, E CONSTRAGIMENTOS AOS GRANTE MÉDIUNS CHICO E DIVALDO, SUGERIMO A LEITURA BIOGRÁFICA – A JORNADA NUMINOSA DE DIVALDO FRANCO – SÉRGIO SINOTTI – 2009, PREFÁCIO PROF. RAUL TEIXEIRA.ESPERAMOS QUE SÓ O GRUPO IDENTIFICADO DE AMIGOS DO CHICO E UNS POUCOS AINDA COSERVAM TAMANHA INCOMPREENSÃO ESPERO NEM TUDO É PERFEITO E NEM JESUS AGRADOU A TODOS. GARÇA, ESPERO EM DEUS ENCONTRAR HUMANOS ESPÍRITAS E ESPÍRITAS HUMANOS, NÃO DEVE ESTAR CONTAGIADA. COM GRIPE INFECCIOSA. COMO TAL. CHICO FOI E DEIXOU UM GRADE AMIGO QUE DECLARA SER DIVALDO FRANCO “O TRATOR DE DEUS”. HUMANISTA -TÍTULO INÚMEROS E MAIS DE: EMBAIXADOR DA PAZ E O QUE ELE FEZ NINGUÉM FAZ! CLAUDIA BONMARTIN (DEPOIMENTOS) NO LIVRO A JORNADA NUMINOSA DE DIVALDO FRANCO PAG 283. A CONCLUSÃO DAS MENSAGENS, SÓ PODE SER COMPREENDIDA PELA UNIVERSALIZAÇÃO CONFORME ALLAN KARDEC. POR FIM, TRATA-SE DE UM MESMO ESPÍRITO. J. ANTERO BASTA RECORRER AO OPÚSCULO A ANTI-HIST´RIA DAS MENSAGENS CO-PIADAS – L DOS ANJOS. E AROVEITA PARA LER O ATALHOI DO MESMO AUTOR. QUANDO RESUME, QUE ANTIGAMENTE AS FORÇAS DESTRUIDORA E PERSEGUIDORAS DA INQUISIÇÃO, ERAM EXTERNA HOJE, QUEREM IMPLUDIR O ESPIRITISMO, OS DE DETRO DA CASA ESPÍRITAS, COM A CAPA NUPCIAL DE eSPÍRITAS. JESUS É MAIS, PERSEGUIÇÕES E ATITUDES DE DESAFETOS SERMPRE INSURGIRÃO NÃO SOMOS PERFEITOS – PACIÊNCIA. POIS TAÍ AS DECLARAÇOES DE QUE ALLAN KARDEC É CHICO REENCARNADO. E O PIOR, FEZ DE CHICO PIORADO E DE ALLAN KARDEC, MAIS AINDA, QUEM TIVER CORÁGEM E ESTÓMAGO DE AGUENTAR QUE LEIAM DO OUTRO LADO DO ESPELHO A FALA DE DR. INÁCIO PIORADO FORA DO CORPO, E COITADO DO CHICO, AS LIVRARIAS ESPÍRITAS ABARROTADOS DE PSEUDAS COMUNICAÇÃO DE CHICO/KARDEC E DR. INÁCIO, UM OUTRO, A LEGIA, OS TAMBORES DE ÂNGOLA, QUEM AFRICANIZAR O ESPIRITISMO, PODE???? E RAMATIS, É SÓ ITERNETA EM CRÍTICA LITERÁRIA DE JOSE PASSINI, E VEJAM O ESTRAGO ME AJUDA AI PESSOAL, EVIEM-ME NO MEU ENDEREÇO – [email protected] – e VAMOS ESPIRITISAR – HUMANIZA – QUALIFICAR. OS QUE DESTE GRUPO QUE PASSARAM PARA O LADO DE LÁ, SE TEM COMUNICADO, ESPERO RECEBER A MENSAGEM, QUE CERTAMENTE, ARREPENDIDOS E MELHORA DAS PAIXÕES QUE LHES ENVADIRAM OS CORAÇÕES QUANDO ENCARNADOS. DEUS ÉJUSTO E BOM PERDOEMOS TAMBÉM.PAZ E LUZ.
    BELO HORIZONTE – MG,
    09 10 2009
    SAUDAÇÕES
    EDILBERTO

  15. VICENTE FILGUEIRA E OSMAR TAVEIRA Diz:

    NESTA MENSAGEM, O PAI AINDA CONSEGUE DAR AMOR AO FILHO, SEU PRÓPRIO ASSASSINO, NA MESMA PROPORÇÃO DADA EM CRIANÇA, LEMBRANDO-O AINDA NO COLO PELA AUSÊNCIA PREMATURA DA MÃE, QUE JÁ HAVIA MORRIDO EM SUA MATÉRIA FÍSICA. A FORMA COMO ESSE PAI SE EXPRESSA, CONTANDO OS DETALHES DAS DORES SENTIDAS EM SEU ÍNTIMO, EM SEU ESÔFAGO, CAMINHO PERCORRIDO PELO ARSÊNICO, NOS MOSTRA O QUANTO UM PAI AMA UM FILHO. VICENTE FILGUEIRA E OSMAR TAVEIRA (06 DE AGOSTO DE 2010) (DESCULPEM A CAIXA ALTA).

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)