A VERDADEIRA IDENTIDADE DE ANDRÉ LUIZ FINALMENTE REVELADA

O blog Obras Psicografadas traz com exclusividade a verdadeira identidade do espírito André Luiz, que escreveu diversas obras por meio de Chico Xavier. Não, André Luiz não é Oswaldo Cruz, nem Carlos Chagas, muito menos Faustino Esposel. No texto a seguir, uma republicação que sofreu acréscimos e modificações consideráveis de Eduardo José Biasetto, não só serão oferecidas provas cabais que impossibilitam a identidade do espírito com tais personagens, como demonstrar-se-á que nem brasileiro o espírito é. Aliás, sequer masculino. Essa é uma das análises mais importantes e sérias de todo o blog, tanto que estou disponibilizando o texto em pdf para ser distribuído ao movimento espírita brasileiro.

UMA ANÁLISE CRÍTICA DO LIVRO NOSSO LAR E

CONTESTAÇÃO DA EXISTÊNCIA DO

ESPÍRITO ANDRÉ LUIZ[1] 

Eduardo José Biasetto[2] 

INTRODUÇÃO[3]

Como simpatizante da doutrina espírita há mais de vinte anos, sempre cultivei grande admiração pela obra literária e pelas ações beneficentes de Chico Xavier. De minha parte, nunca houve a intenção de desmerecer o espiritismo e, em particular, a história e as atividades do carismático personagem de Pedro Leopoldo. Todavia, em face das inúmeras evidências apresentadas no blog de Vitor Moura Visoni[4], intitulado Obras psicografadas, apontando plágios em diversos livros creditados a espíritos-guias do famoso médium espírita mineiro, fiquei profundamente perplexo: seria possível que Xavier tivesse simplesmente inventado todas as histórias que alegou ter obtido através de sua mediunidade?

Antes de tudo, desejando responder minha própria indagação, analisei as obras A vida além do véu (suposta psicografia de George Vale Owen) e o Nosso lar (suposta psicografia de Xavier), alcançando a seguinte conclusão: há indícios muito fortes de que Xavier leu A vida além do véu, deixando-se influenciar tão profundamente por esta obra que a utilizou na elaboração, dentre outros livros atribuídos ao espírito André Luiz, de o Nosso lar[5].

Sendo assim, passei a considerar bastante questionável a alegada mediunidade de Xavier, para não dizer que talvez tenha sido “totalmente falsa”. Tal constatação (somada a outras informações, algumas obtidas no blog citado) levou-me a formar as seguintes convicções: creio que Xavier possuía muita facilidade para aprender, grande gosto pela leitura, disciplina e amor ao próximo (além de conflitos emocionais decorrentes do trauma causado pela morte de sua mãe quando criança); descobriu o espiritismo, participou de algumas sessões, talvez possuísse algum tipo de “paranormalidade”; no Centro Espírita, foi incentivado a “psicografar”, gostou da idéia e não parou mais de escrever. Se não tivesse caminhado no sentido da “psicografia”, talvez pudesse ter oferecido alguma contribuição real ao espiritismo, escrevendo como pesquisador e admirador do tema. Talvez tivesse escrito apenas um terço dos mais de quatrocentos livros que afirmou ter psicografado, que seriam respeitados, pois autênticos. Contudo, na condição de “médium psicógrafo”, ainda que tenha produzido grandes trabalhos, também cometeu as falhas que estão vindo à tona através de pesquisas e análises sérias, tais como as desenvolvidas por Visoni.

Com o fito de demonstrar o que digo, apresento aqui alguns trechos da minha pesquisa, deixando ao leitor a liberdade de tirar suas próprias conclusões.

NOTÍCIAS HISTÓRICAS 

O reverendo Owen nasceu em 1869, em Birmingham, na Inglaterra, e desencarnou em 09/03/1931. Foi inicialmente um religioso protestante e, em seguida, um médium espiritualista[6]. Owen ordenou-se sacerdote anglicano em Liverpool, aos vinte e quatro anos, passando a trabalhar como religioso profissional; em 1909, após o desencarne de sua mãe, suas alegadas capacidades mediúnicas despertaram, começando a receber comunicações da genitora falecida em 1913; destacou-se como médium na Inglaterra até os primeiros anos da década de 20.

Algumas das mensagens que Owen recebeu constituíram quatro livros, reunidos sob o título de A vida além do véu. No início, recebia mensagens de sua mãe que, como novata no além, descrevia-o ao seu filho; em seguida, começou a receber mensagens mais filosóficas, de um espírito ou anjo que se identificava como Astriel, reunidas no livro Os baixos campos do céu, ao qual seguiu-se o livro Os altos campos do céu. Na sequência, veio à luz o livro Os mistérios do céu, inspirado por um espírito ou anjo que se identificava como Leader, que assumiu o monopólio de suas comunicações posteriores (mudando de nome para Ariel). Essas mensagens formaram o quarto e último livro, Os batalhões do céu. O volume resultante foi prefaciado por Arthur Conan Doyle, famoso espiritualista inglês, célebre pela autoria da série Sherlock Holmes.

Possivelmente, a opção do Ministro Owen pela condição de médium tenha resultado na perda de sua paróquia anglicana e, por conseguinte, de sua fonte de recursos primeira; aos cinqüenta e três anos de idade, iniciou a tarefa de divulgar o espiritualismo nos EUA, onde fez palestras e, regressando posteriormente à Inglaterra, proferiu mais de cento e cinqüenta conferências[7].

Xavier nasceu em Pedro Leopoldo/MG, em 02/04/1910, e desencarnou em Uberaba, em 30/06/2002. Foi o “médium” espírita mais conhecido e influente do Brasil; nasceu numa família humilde e, segundo biógrafos, sua alegada mediunidade teria se manifestado pela primeira vez aos quatro anos de idade, quando respondeu ao pai sobre ciências durante conversa com uma senhora. Dizia ver, ouvir e conversar com espíritos. Afirmou ter psicografado mais de quatrocentos livros – nunca admitiu ser o autor de nenhuma dessas obras, dizendo reproduzir apenas o que espíritos lhe ditavam. Assim, diz-se, não aceitava o dinheiro arrecadado com a venda de seus livros, mais de cinqüenta milhões de exemplares em português, com traduções em inglês, espanhol, japonês, esperanto, italiano, russo, romeno etc. Afirmava ter psicografado as cerca de dez mil cartas que produziu, nas quais pessoas mortas davam notícia às famílias. Desde o primeiro livro, diz-se, cedeu os direitos autorais para organizações espíritas e instituições de caridade; sua obra mais reconhecida é o Nosso lar, publicado inicialmente em 1944[8].

O livro Nosso lar é um imenso sucesso comercial e tornou-se um clássico da literatura espírita brasileira; conta a história dos primeiros anos do médico André Luiz no além, numa “cidade espiritual” onde espíritos se reúnem para aprender e trabalhar entre uma encarnação e outra. Nessa obra, a novelista Ivani Ribeiro baseou parcialmente sua novela A viagem; esse livro de Xavier obteve o primeiro lugar entre os dez melhores livros espíritas publicados no séc. XX, segundo pesquisa realizada em 1999 pela Candeia Organização Espírita de Difusão e Cultura; desenhos minuciosos e detalhados do mapa da pretensa “cidade espiritual”, assim como a arquitetura de suas “edificações”, “Ministérios” e “casas” foram feitos pela “médium” Heigorina Cunha, através de observações realizadas durante supostos desdobramentos (saídas do corpo) em março de 1979, conduzidas e orientadas pelo espírito Lucius. Tais desenhos serviram de inspiração para criar o visual arquitetônico da cidade que se vê na adaptação cinematográfica da obra, o filme Nosso lar. Os desenhos foram confirmados como autênticos por Xavier, dizendo tratar-se realmente do Nosso lar. A obra de Xavier também ganhou versão para o teatro, com direção de Gabriel Veiga Catellani[9].

Como dito acima, André Luiz é o nome atribuído por Xavier a um dos personagens mais frequentes de seus livros, supostamente um espírito. Acerca de sua verdadeira identidade em vida, e sem esquecer que alguns pormenores de sua suposta existência foram preventivamente alterados, existem várias opiniões correntes no movimento espírita brasileiro sobre que pessoa ele teria animado quando encarnado[10]. Esse é outro tema polêmico na obra de Xavier. Vários espíritas chegaram a afirmar que André Luiz, em sua última encarnação, teria sido o médico Oswaldo Cruz. Depois, surgiram “evidências”, de que teria sido Carlos Chagas. Por fim, o espírita, jornalista e escritor Luciano dos Anjos passou a afirmar que André Luiz foi o médico Faustino Esposel – Anjos, inclusive, há mais de uma década, promete lançar um livro para provar sua teoria.

Há problemas referentes à comprovação de quem foi o suposto espírito André Luiz: 1º) originariamente, o nome André Luiz era apenas o nome de um dos irmãos de Xavier, quando o suposto espírito teria se manifestado ao médium mineiro; 2º) o próprio “espírito”, na obra Nosso lar, afirmou que escolhia manter o anonimato sobre sua verdadeira identidade, na condição de médico terreno, vivendo na cidade do Rio de Janeiro nas primeiras décadas do século XX; 3º) entretanto, André Luiz afirma em Nosso lar e noutros livros de Xavier que as informações por ele mencionadas, referentes à sua última encarnação na condição de médico, são autobiográficas; 4º) então, de acordo com as informações contidas na “Série André Luiz”, o médico paulista teria desencarnado por volta de 1930. Isto porque, no livro Nosso lar, ele afirma ter passado oito anos no umbral depois do desencarne; pouco tempo depois de ter sido resgatado do umbral e socorrido na colônia Nosso Lar, a 2ª Guerra Mundial (que teve início, como sabemos, em 1939) foi deflagrada.

Tais informações eliminam a possibilidade de André Luiz ter sido Oswaldo Cruz, que morreu em 1917 – mas Carlos Chagas morreu em 1934 e Faustino Esposel morreu em 1931. Contudo, existem outros problemas para que algum desses dois personagens seja André Luiz: este afirma ter tido três filhos, dado inconsistente com os nomes citados. Esposel sequer teve filhos. André Luiz afirma que morreu de câncer no estômago, e também há inconsistências nesta informação, no que se refere aos médicos citados. André Luiz afirma ter sido um médico que atendia em sua própria clínica, enquanto, por exemplo, Carlos Chagas era um sanitarista. Enfim, se não se pode provar quem foi André Luiz, torna-se difícil acreditar que este personagem é efetivamente um espírito, uma vez que Waldo Vieira, “ex-médium”, companheiro de Xavier na elaboração de alguns livros ditos psicografados, como por exemplo Evolução em dois mundos, afirma categoricamente que André Luiz foi Carlos Chagas, lançando mais dúvidas do que certeza na questão. Para saber mais, há posts no blog de Visoni analisando o tema[11].

Uma das críticas que recebi ao postar artigos no blog de Visoni, sobre as relações entre A vida além do véu e livros psicografados por Xavier, envolve a questão de quando o livro de Owen teria sido traduzido pela primeira vez para o português. Após muito pesquisar, consegui encontrar a resposta: por volta de 1920, Owen já havia concluído sua obra e, no Brasil, Carlos Imbassahy (1883-1969, advogado, jornalista e escritor espírita) foi quem primeiramente verteu o livro do reverendo inglês para o português, publicando sua tradução em 1921, segundo assentamentos da FEB[12].

Outra notícia histórica, oral, não confirmada inteiramente ainda documentalmente, pois carece de pesquisa mais profunda nos jornais espíritas da época e fia-se mais na memória de adeptos mais antigos, afirma que as semelhanças entre A vida além do véu e o Nosso lar foram de pronto percebidas por vários espíritas, anatematizados como “ortodoxos”[13], gerando um discreto rumor de plágio nos meios espíritas nos primeiros anos que se seguiram à publicação do influente livro de Xavier, em 1944.

Outra hipótese aos futuros historiadores do tema: alguns membros da elite dirigente espírita, por todos esses anos e até hoje, sempre souberam da origem duvidosa (não psicográfica) do livro mais famoso do médium mineiro, coonestando a situação em virtude do grande sucesso alcançado e pelas vendas, que até hoje prosseguem, indiferentes às críticas (relevando o verdadeiro interesse, não exatamente doutrinário, de algumas instituições espíritas influentes) fundamentadas cientificamente. Se assim for, pressente-se que, como num novo Vaticano, teria sido forjada uma cisão entre uma cúpula dirigente com vários e influentes membros maquiavélicos e a numerosa base do movimento, ingênua, mantida desinformada, pois sua multiplicação tornou-se um fim em si e para que continue comprando livros, ainda que tal prática resulte numa inevitável perda de qualidade do adepto espírita médio, tornado um religioso raivoso e assim conservado por uma fonte de informação falsa.

EVIDÊNCIAS DE SIMILARIDADES 

1ª) Efetivamente, o livro de Owen inicia-se com uma mensagem recebida em 23/09/1913, alegadamente de sua mãe desencarnada; logo no início, há um trecho que me chamou a atenção, pois a personagem diz textualmente: 

“Sobre nosso lar. É muito brilhante e lindo, e nossos companheiros das esferas mais altas têm sempre vindo a nós para nos animarem a seguirmos em nosso caminho para frente” (p. 16). 

Na mensagem de 10/10/1913, o tema de o nosso lar retorna: 

“Eles vão lhes mostrar mais de nosso lar e seus arredores e, se quiserem, ficarão felizes em acompanhá-los pelos campos afora, já que por lá há muito de seu interesse para ser mostrado” (p. 48). 

Comentário: nas duas passagens, a suposta mãe de Owen refere-se à sua “cidade espiritual”, sua nova morada, com a expressão literal nosso lar, tanto no sentido afetivo de “nossa morada”, “nossa casa” quanto de modo denotativo, ou seja, para nominar sua “colônia espiritual”. A presença deste nome é extraordinariamente significativa, afinal, é o exato título da obra de Xavier, segundo este, o nome de uma “colônia espiritual” localizada acima da cidade do Rio de Janeiro. A diferença entre um e outro está apenas na letra maiúscula. 

2ª) Na mensagem de 23/09/1913, o “espírito” da mãe de Owen oferece a seguinte descrição, referindo-se à “colônia espiritual” na qual se encontra: 

“A Terra aperfeiçoada. (…) Temos colinas, rios, lindas florestas e casas também, e todo o trabalho daqueles que vieram para cá antes de nós, para deixarem tudo pronto. Estamos agora a trabalho, na nossa vez, construindo e arrumando para aqueles que ainda devem continuar a sua batalha na Terra, e quando vierem para cá, encontrarão todas as coisas prontas” (p. 16). 

Na mensagem de 20/10/1913, o tema da Terra aperfeiçoada retorna: 

“Eu era lenta para aprender tudo que a frase que eu já lhe transmiti implicava, “Terra aperfeiçoada.” Temo que muitos de vocês, quando vierem para cá, ficarão muito chocados ao verem quão naturais são todas as coisas, mesmo que mais bonitas que as da Terra” (p. 62). 

Por sua vez, em Nosso lar, André Luiz descreve do mesmo modo a natureza que encontra no além, assim como as características de sua nova morada: 

Deleitava-me, agora, contemplando os horizontes vastos, debruçado às janelas espaçosas. Impressionavam-me, sobretudo, os aspectos da Natureza. Quase tudo, melhorada cópia da Terra. Cores mais harmônicas, substâncias mais delicadas. Forrava-se o solo de vegetação. Grandes árvores, pomares fartos e jardins deliciosos. Desenhavam-se montes coroados de luz, em continuidade à planície onde a colônia repousava. (…) destacando-se algumas casinhas encantadoras, cercadas por muros de hera, onde rosas diferentes desabrochavam” (pp. 45-46). 

Comentário: a suposta mãe de Owen, na condição de espírito, ou seja, desencarnada, afirma que a “colônia espiritual” na qual vive é a Terra aperfeiçoada (natural e mais bela do que a Terra material), que possui colinas, rios, lindas florestas e casas. Por sua vez, André Luiz afirma que “colônia espiritual” na qual vive é melhorada cópia da Terra (a natureza é mais harmônica e delicada do que a Terra material), que possui montes, vegetação, grandes árvores e casinhastudo no mesmo momento narrativo, ou seja, ao tema da Terra mais perfeita seguem descrições semelhantes nos dois textos, conduzidas com surpresa por dois personagens igualmente recém-chegados ao além. Embutidos na obra do segundo autor estão os mesmos pressupostos filosóficos da obra do primeiro: as crenças neoplatônicas (culturais e bem terrenas) de que o mundo no além (o mundo das idéias platônico) é semelhante e superior ao mundo material. A suposta mãe de Owen faz uma descrição das belezas do lugar, terminando seus apontamentos com a afirmação de que há, por exemplo, casas numa cidade espiritual. André Luiz também faz descrição das belezas de uma cidade espiritual, citando a existência de casinhas, situação que denuncia a verdadeira e idêntica natureza materialista dessas idéias, em discursos pretensamente espiritualistas. 

3ª) Em A vida além do véu, o tema material da água é recorrente; em mensagem recebida em 08/11/1917, o “médium espiritualista” inglês “psicografa” uma curiosa tese sobre a natureza da água que existiria no além: 

“Você já leu sobre a Água da Vida. Esta frase literalmente incorpora uma verdade, porque as águas das esferas têm propriedades que não são encontradas nas águas da Terra, e propriedades diferentes são encontradas em diferentes águas. As águas de um rio, fonte ou lago são sempre tratadas por Espíritos elevados e dotadas com virtudes de fortalecimento ou iluminação do espírito. Algumas vezes, as pessoas banham-se nelas e adquirem força corporal pelas vibrações vitais que foram colocadas na água pelo exercício de algum grupo de anjos-ministros (p. 183). 

Anteriormente, em mensagem de 20/10/1913, a principal propriedade da água “das esferas”, do além (pensado aqui como esferas aristotélico-tomistas concêntricas, que se comunicam através de “pontes” que conduzem das “regiões inferiores” às superiores, com habitantes assim igualmente hierarquizados) já havia sido adiantada – nutrir: 

“As águas que caíam (…) eram coletadas numa corrente maior que partia de um lado da Cidade e caía na planície abaixo, uma cascata brilhante de muitas colorações e de um brilho cintilante. Ela continua atravessando a planície, uma correnteza bem larga suavemente fluindo sobre as areias, e vimos, aqui e ali, algumas crianças banhando-se nelas, jogando água em seus corpos lindos com imensa alegria. Não pensei muito nisto até que minha guia fez com que notássemos que estas crianças eram encorajadas a banharem-se nestas águas, pois são carregadas eletricamente e dão força a elas, pois muitas delas vêm para cá bem fraquinhas, requerendo este tipo de nutrição” (pp. 62-63). 

Como lemos no texto acima, a “cidade espiritual” na planície é tema recorrente do texto de Owen. Assim também no texto de Xavier, o Nosso lar fica numa planície (aplanície onde a colônia repousava”, p. 46). De modo similar, igualmente em maiúsculas (Água da Vida/Bosque das Águas), enredo similar e idêntico momento da narração, o tema da água espiritual (que se torna nutritiva e curativa ao corpo e alma quando tratada por ministros angélicos) surge em Nosso lar: 

Estamos no Bosque das Águas. (…) As águas que servem a todas as atividades da colônia partem daqui. Em seguida, reúnem-se novamente, abaixo dos serviços da Regeneração, e voltam a constituir o rio, que prossegue o curso normal. (…) Aqui, ela é empregada sobretudo como alimento e remédio. Há repartições no Ministério do Auxílio absolutamente consagradas à manipulação de água pura, com certos princípios suscetíveis de serem captados na luz do Sol e no magnetismo espiritual. Na maioria das regiões da extensa colônia, o sistema de alimentação tem aí suas bases. Acontece, porém, que só os Ministros da União Divina são detentores do maior padrão de Espiritualidade Superior, entre nós, cabendo-lhes a magnetização geral das águas do Rio Azul, a fim de que sirvam a todos os habitantes de “Nosso Lar”, com a pureza imprescindível. Fazem eles o serviço inicial de limpeza e os institutos realizam trabalhos específicos, no suprimento de substâncias alimentares e curativas” (pp. 60-62). 

A essa altura, serviram-me (…) água muito fresca, que me pareceu portadora de fluidos divinos. Aquela reduzida porção de líquido reanimava-me inesperadamente. Não saberia dizer que espécie de sopa era aquela; se alimentação sedativa, se remédio salutar. Novas energias amparavam-me a alma, profundas comoções vibravam-me no espírito” (pp. 27-28). 

“Por mais de seis meses, os serviços de alimentação, em “Nosso Lar”, foram reduzidos à inalação de princípios vitais da atmosfera, através da respiração, e água misturada a elementos solares, elétricos e magnéticos” (p. 57). 

Comentário: ao ler as duas obras, percebe-se que o tema da água é extremamente recorrente. A água “espiritual”, tratada por anjos/ministros/espíritos superiores, torna-se nutritiva e curativa, numa “cidade espiritual” construída sobre uma “planície” e atravessada por um “rio” etc. Não penso que estas sejam apenas “coincidências” das duas narrativas, das supostas “cidades espirituais” ou da vida do além…

4ª) Há várias palavras que se repetem com freqüência nos dois livros; por exemplo, torre (no sentido de torre de edificações), governador, ministros, ministérios etc. Mas a palavra recorrente que mais chama a atenção é tutelado. Em A vida além do véu, o médium que recebe a história é um tutelado de espíritos: 

“E agora, meu amigo e tutelado, gostaria de poder capacitá-lo…” (p. 107). “Meu querido amigo e tutelado, estas coisas deveriam ser de outra forma…” (p. 109). “E agora, meu tutelado e companheiro servil no Exército de Deus…” (p. 112). “Querido amigo e tutelado, esta noite falarei…” (p. 133). “Olhe adiante, amigo e tutelado, pois…” (p. 139). 

Em Nosso lar, o personagem André Luiz também é citado como alguém tutelado: 

“Guardem nosso tutelado no pavilhão da direita. Esperam agora por mim. Amanhã cedo voltarei a vê-lo” (p. 27). “É você o tutelado de Clarêncio? A pergunta vinha de um jovem de singular e doce expressão.” (p. 36). 

Comentário: no livro de Owen, o espírito comunicante informa que a condição do médium é a de alguém tutelado, e segue explicando coisas a este, oferecendo informações da “esfera espiritual” etc. No livro de Xavier, Clarêncio e Lísias, veteranos, referem-se a André Luiz, recém-chegado, como alguém tutelado, e também seguem explicando coisas a ele, oferecendo informações da “esfera espiritual” etc. 

5ª) Nos dois livros, várias passagens mencionam a presença da música. Em A vida além do véu, lemos a seguinte passagem, em mensagem de 23/09/1913: 

“Então, começamos a cantar e, apesar de que não podíamos ver instrumentos, mesmo assim, a música instrumental misturou-se com nosso canto e uniu-se” (p. 17).  

Em Nosso lar, dentre outras passagens, a seguinte tem como tema a música: 

“Em plena via pública, ouviam-se (…) belas melodias atravessando o ar. Notando-me a expressão indagadora, Lísias explicou fraternalmente: – Essas músicas procedem das oficinas onde trabalham os habitantes de “Nosso Lar” (p. 67). 

Comentário: em várias passagens dos dois livros, há destaque para a presença, importância e beleza da música. Os neófitos nas duas “colônias” são surpreendidos com músicas que surgem quase que do nada. Sabe-se que os sons existem propagando-se no ar e, portanto, parece legítimo pressupor que, para o primeiro autor, existiria “ar espiritual”, sendo que o segundo autor também persegue o primeiro neste ponto de seu materialismo “espiritualista”. 

6ª) Nos dois livros, várias passagens mencionam aves. Em A vida além do véu, Owen escreveu na mensagem de 02/10/1913: 

“Outra coisa que notaríamos seriam bandos de aves vindos de longa distância, e indo, com precisão perfeita, a algum lugar particular. Há pássaros mensageiros treinados na Terra, mas não como esses são treinados. Em primeiro lugar, eles jamais são mortos (???) ou atacados, eles não têm medo de nós. Estes pássaros são um dos meios que usamos para enviarmos mensagens de uma colônia à outra. (…) Estes pássaros estão sempre voando, e são criaturas queridas e amáveis. Parecem saber qual é a sua obrigação, e amam fazer isso” (p. 37). 

Em Nosso lar, no mesmo instante da narração, aves também surgem: 

“Aquelas aves – acrescentou, indicando-as no espaço -, que denominamos íbis viajores, são excelentes auxiliares dos Samaritanos, por devorarem as formas mentais odiosas e perversas, entrando em luta franca com as trevas umbralinas” (p. 184). 

Comentário: as passagens apresentam semelhanças no texto, no contexto e na idéia. As aves não só exercem uma função especial em ambos os livros (embora as funções sejam diferentes) como a informação deste fato é transmitida em situações semelhantes: em Owen, um personagem explica ao neófito que as aves viajantes espirituais são treinadas e realizam suas obrigações para com os espíritos humanos, desempenhando a função de mensageiras. Em Nosso lar, a enfermeira Narcisa explica a André Luiz que os íbis viajores espirituais auxiliam os samaritanos em funções belicosas, devorando “formas mentais” malignas e lutando contra as “trevas umbralinas”[14]. 

7ª) Outro tema presente nos dois livros é o da guerra. Em A vida além do véu, a 1ª Guerra Mundial é citada numerosas vezes, como na mensagem de 08/09/1917: 

“Esta Grande Guerra é, nos eternos conselhos, nada mais que um ronco na respiração de um gigante adormecido, sem descanso, porque sobre seu cérebro entorpecido estão sendo impingidos raios de luz que seus olhos não podem ver, e uma música que não pode ouvir está sendo enviada sobre ele…” (p. 181). 

Em Nosso lar, em variadas oportunidades, o tema da 2ª Guerra Mundial comparece; aqui, o ano seria 1939: 

“Negras falanges da ignorância, depois de espalharem os fachos incendiários da guerra na Ásia, cercam as nações européias, impulsionando-as a novos crimes” (p. 131).

Comentário: a princípio, não haveria problema algum, porque o livro de Owen começou a ser “recebido” quando se desenrolava a 1ª Guerra Mundial (1914-1918), enquanto a história de o Nosso lar se desenrola durante a 2ª Guerra Mundial (1939-1945). Não obstante, pergunto: não é mais uma “coincidência” aparecer nos dois livros, de modo tão recorrente, o tema da guerra, todas as desgraças envolvidas nas batalhas, as lamentações e tudo mais? 

8ª) Em A vida além do véu, quando as esferas inferiores são mencionadas, lemos na mensagem obtida na noite de ano novo de 1917: 

“Conforme descíamos, nossos olhos acostumavam-se à escuridão, e podíamos ver sobre nós, como numa noite alguém pode ver a região fora da cidade pelas chamas avermelhadas nas torres de observação. (…) Havia árvores também, algumas muito grandes, e estas com folhas nada graciosas. (…) Aqui e ali, atravessávamos cursos d’água com pouca água e cheios de pedregulho e pedras afiadas, e a água era pegajosa e fedida pelo lodo” (p. 243). 

Por sua vez, o umbral é assim descrito por André Luiz, em Nosso lar: 

“A paisagem, quando não totalmente escura, parecia banhada de luz alvacenta, como que amortalhada em neblina espessa, que os raios de Sol aquecem de muito longe. (…) De quando em quando, deparavam-se-me verduras que me pareciam agrestes, em torno de humildes filetes d’água a que me atirava sequioso” (pp.17 e 23). 

Comentário: André Luiz afirma que, no “umbral”, há humildes filetes d’água; o autor do livro A vida além do véu diz que, nas “esferas inferiores”, há cursos d’água com pouca água (até o apóstrofe, em “d’água”, foi igualmente utilizado). Há outras semelhanças, no momento da narrativa e nos termos ligeiramente modificados: “luz alvacenta/neblina espessa” correspondem a “escuridão/numa noite”; “verduras que me pareciam agrestes” correspondem a “folhas nada graciosas”. 

9ª) Sobre as regiões das trevas e seu papel salvífico, Owen escreveu o seguinte em A vida além do véu, em mensagem de 04/01/1918: 

“Daquela colônia, fomos adiante às regiões das trevas. Fizemos o que nos foi possível, indo de grupo em grupo onde havia conjuntos de casas ou onde fogueiras ardiam, e ministramos conforto e advertências àqueles que nos recebiam. Mas a maioria não estava com muita prontidão para isto. Uns poucos seriam capazes de conduzir seus passos para acima daquele lugar, mas a maior parte desceria mais, para a miséria dos lugares abaixo, antes que sua dureza desse lugar ao desespero, e o desespero fizesse com que clamassem, e uma cintilação de luz acendesse nestas pobres almas perdidas” (p. 246). 

Igualmente, as trevas das regiões mais inferiores cumprem um papel regenerador em Nosso lar: 

“Chamamos trevas às regiões mais inferiores que conhecemos. (…) Outros, preferindo caminhar às escuras, pela preocupação egoísta que os absorve, costumam cair em precipícios, estacionando no fundo do abismo por tempo indeterminado” (p. 244). 

Segundo o personagem André Luiz, seu resgate só ocorreu quando, levado ao extremo desalento pela pressão do infernal purgatório espírita, reconsiderou sua atitude em face da religião: 

“Era imprescindível ocultar-me das enormes manadas de seres animalescos, que passavam em bando, quais feras insaciáveis. Eram quadros de estarrecer! acentuava-se o desalento. Foi quando comecei a recordar que deveria existir um Autor da Vida, fosse onde fosse. Essa idéia confortou-me. Eu, que detestara as religiões no mundo, experimentava agora a necessidade de conforto místico. (…) E, quando as energias me faltaram de todo, quando me senti absolutamente colado ao lodo da Terra, sem forças para reerguer-me, pedi ao Supremo Autor da Natureza me estendesse mãos paternais, em tão amargurosa emergência. Quanto tempo durou a rogativa? Quantas horas consagrei à súplica, de mãos-postas, imitando a criança aflita? Apenas sei que a chuva das lágrimas me lavou o rosto; que todos os meus sentimentos se concentraram na prece dolorosa. (…) Foi nesse instante que as neblinas espessas se dissiparam e alguém surgiu, emissário dos Céus. Um velhinho simpático me sorriu paternalmente. Inclinou-se, fixou nos meus os grandes olhos lúcidos, e falou: (…) – Prestemos ao nosso amigo os socorros de emergência. Alvo lençol foi estendido ali mesmo, à guisa de maca improvisada, aprestando-se ambos os cooperadores a transportarem-me, generosamente. Quando me alçavam, cuidadosos, Clarêncio meditou um instante e esclareceu, como quem recorda inadiável obrigação: – Vamos sem demora. Preciso atingir Nosso Lar com a presteza possível” (pp. 24/25). 

Comentário: nas duas obras, as narrativas sobre as regiões inferiores, o umbral e as trevas são muito semelhantes. No espiritualismo de Owen, protestante anglicano e crente num céu elevado e num purgatório “infernal”, não surpreende que se imagine uma descida a um lugar “infernal”, dantesco. Contudo, o espiritismo kardecista (até a influente inflexão de Xavier) negava a existência de algo como um lugar purgatorial “infernal” (pois, com razão ou não, para Kardec, a eventual infelicidade após a morte seria um estado íntimo); menos ainda que exista um “em cima” e um “em baixo” no cosmos. Ao seguir Owen nesse ponto, Xavier reintroduziu um tema cristão antigo no espiritismo, conduzindo-o a um “chiquismo” e à Idade Média aristotélico-tomista (a estrutura do mundo do além – longe de “complementar o pensamento de Kardec”, como os simpatizantes descrevem o trabalho de Xavier, este o modificou num sentido retrocessivo) e dantesca (a introdução de um purgatório no espiritismo – como lemos acima, o “inferno” purgatorial do umbral, no enredo de o Nosso lar, exerceu seu papel regenerador e reconduziu André Luiz a Deus).

10ª) Distintamente de Xavier, que comprou de Owen as esferas aristotélico-tomistas, Allan Kardec era um newtoniano e, portanto, advogava outra visão de mundo, na qual não existem lugares fixos no cosmos, tais como o céu e o inferno. Acerca das esferas espirituais que circundariam a Terra, Owen escreveu na mensagem de 24/10/1913: 

“Podemos, para ilustrar e entender, colocar desta forma: a Terra é o centro sobre o qual muitas esferas estão, e está incluída nestas esferas todas. E os residentes da vida terrestre estão potencialmente em contato com todas as esferas, e realmente estão, na proporção de sua altitude considerada espiritualmente – espiritualmente, porque estas esferas são espirituais, e não materiais” (pp. 88-89). 

Sem dúvida, há aqui uma variante do modelo do cosmos de Aristóteles e Ptolomeu, com Aquino e a Igreja Católica tornado “espiritual”.

clip_image002

Fig. 1 – Modelo de Ptolomeu do Universo.

Existem várias passagens tanto em Owen quanto em Xavier sobre o tema das “esferas”; por exemplo, segundo Xavier: 

“Lembro-lhe que em todas as nossas esferas, desde o planeta até os núcleos mais elevados das zonas superiores, em nos referindo à Terra…” (p. 138). 

clip_image004

Fig. 2 – A “cidade” Nosso Lar, assinalada com uma estrela, estaria localizada na 3ª esfera acima da Terra, sobre uma extensa região do Estado do RJ (entre as cidades do RJ & Campos & Itaperuna), numa faixa que poderia ser definida como a “periferia do umbral”. Fonte: “Cidade no Além”, de Francisco Cândido Xavier e Heigorina Cunha.

Não sustento que Owen e Xavier acreditavam que a Terra é o centro do universo – não é a esse ponto da concepção de mundo antiga e medieval que me refiro; mas eles aceitaram a estrutura do mundo espiritual tal como Aristóteles e Ptolomeu conceberam o mundo material (e Aquino e a Igreja Católica transformaram em espiritual; um dos modelos desta visão de mundo figura no altar da Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto, obra de Aleijadinho), círculos concêntricos a partir da Terra.

clip_image006

Fig. 3 – Altar-mor da nave de entrada da Igreja de São Francisco de Assis, Ouro Preto, obra de Aleijadinho. A Lua divide o mundo aristotélico-tomista em sub e supra lunar; no sublunar, há a geração e corrupção das coisas físicas, o santo segurando a caveira e, mais embaixo, o caixão – estes representam a morte, a mortalidade; no supralunar estão os salvos, os anjos e Deus (a parte de cima é o habitaculum Dei – o imutável e eterno, a quintessência). Visão de mundo tomista[15]. 

11ª) Nos dois textos, a “colônia espiritual” é fundamentalmente um lugar de trabalho, sendo que os que mais trabalham são os governantes, seres angélicos ultra-virtuosos. Segundo Owen, em mensagens datadas de 26/09/1913 e 17/10/1913: 

“Nosso trabalho na casa, ou colônia, à qual agora pertenço, é também direcionado a estes espíritos que progrediram até aqui, tanto quanto aos da Terra” (p. 24). 

“Ele nos conduziu por uma avenida perpendicular à praça e, então, saímos numa outra praça; mas logo percebemos que esta era particular, e aquele grande palácio, que ficava no meio do parque e em torno dele, era a residência de algum grande Senhor. [...] Esta casa onde agora estão é o Palácio de Castrel, como, sem dúvida, já sabem. Ele é o governador deste amplo distrito, onde têm lugar muitas ocupações, e muitos estudos podem estar em curso. Ouvi dizer que vocês já foram até a colônia da Música, e mais ainda, para outros departamentos, onde são estudados outros ramos da ciência. Nós estamos em contato com todos eles, e recebemos constantemente seus relatórios quanto ao progresso neste ou naquele ramo da ciência. Estes relatórios são estudados por Castrel e seus auxiliares” (pp. 58-59). 

Também em Nosso lar, os trabalhadores estão junto com políticos muito honestos, virtuosos e religiosos, numa estrutura teocrática: 

“Em todos os núcleos desta colônia de trabalho, consagrada ao Cristo, há ligação direta com as preces da Governadoria” (p. 28). 

“A essa altura, atingíramos uma praça de maravilhosos contornos, ostentando extensos jardins. No centro da praça, erguia-se um palácio de magnificente beleza, encabeçado de torres soberanas, que se perdiam no céu. – Os fundadores da colônia começaram o esforço, partindo daqui, onde se localiza a Governadoria – disse o visitador. Apontando o palácio, continuou: – Temos, nesta praça, o ponto de convergência dos seis ministérios a que me referi. Todos começam da Governadoria, estendendo-se em forma triangular. E, respeitoso, comentou: – Ali vive o nosso abnegado orientador. Nos trabalhos administrativos, utiliza ele a colaboração de três mil funcionários; entretanto, é ele o trabalhador mais infatigável e mais fiel que todos nós reunidos. Os Ministros costumam excursionar noutras esferas, renovando energias e valorizando conhecimentos; nós outros gozamos entretenimentos habituais, mas o Governador nunca dispõe de tempo para isso” (pp. 52-53). 

Comentário: essas passagens têm narrações quase idênticas: os neófitos são conduzidos por alguém da praça à sede do governo, um centro administrativo comum, com muitos Ministérios e um governador com seu palácio, amparado por auxiliares/funcionários. Em ambos os livros, avaliações alienadas são feitas relativamente à política, descrevendo os políticos governantes como seres virtuosos e infatigáveis; também difundem ideais reacionários, pois o quadro geral é teocrático. 

12ª) Quanto ao transporte existente nas “colônias espirituais”, assim consta nos livros – primeiro, a mensagem de Owen, obtida em 23/09/1913: 

“Fomos para lá, conforme o convite, e encontramos multidões chegando de todos os lados. Alguns vieram em… por que hesita? Estamos descrevendo literalmente o que vimos – carruagens; chame-as de outra forma, se quiser. Elas eram puxadas por cavalos, e seus condutores pareciam saber exatamente o que dizer a eles, já que não eram guiados com arreios como são na Terra, mas pareciam ir para onde os condutores desejavam. Alguns chegaram a pé e alguns através do espaço por vôo aéreo. Não, sem asas, que não são necessárias” (p. 17). 

Agora, o transporte coletivo no texto de Xavier: 

“Dado o meu interesse crescente pelos processos de alimentação, Lísias convidou: (…) – Esperemos o aeróbus (nota 1: carro aéreo, que seria na Terra um grande funicular). Mal me refazia da surpresa, quando surgiu grande carro, suspenso do solo a uma altura de cinco metros mais ou menos e repleto de passageiros. Ao descer até nós, à maneira de um elevador terrestre, examinei-o com atenção. Não era máquina conhecida na Terra. Constituída de material muito flexível, tinha enorme comprimento, parecendo ligada a fios invisíveis, em virtude do grande número de antenas na tolda” (p. 59). 

Comentário: as passagens são quase idênticas – a única diferença é que o “médium” mineiro modernizou o transporte coletivo de sua “cidade”: ao invés da carruagem (meio de transporte do início do séc. XX) voadora de Owen, um ônibus funicular voador (veículos funiculares foram muito comuns na modernização do Brasil dos anos 40. Por exemplo, o trem que partia de São Paulo para Santos era funicular, ou seja, subia a Serra do Mar puxado por um cabo. Recentemente, o Estado de São Paulo disponibilizou o antigo trem para a baixada, agora como passeio turístico e histórico). Vejamos: a) ambos os personagens são convidados a visitar determinado local; b) se deparam com veículos de transporte para multidões/muitos passageiros; c) observam que, nos veículos, distintamente dos veículos na Terra, arreios ou fios são desnecessários; e) num texto, o Ministro/médium Owen hesita em face da narrativa; noutro, André Luiz fica surpreso com o que vê. 

13ª) A modernização da narrativa original, no texto brasileiro, surge também noutro pequeno detalhe. Primeiro, uma mensagem de Owen, datada de 24/09/1913: 

Logo percebi que estávamos num jardim que cercava um amplo edifício, com degraus em toda sua frente, até ele que estava no topo de uma espécie de terraço. O prédio parecia todo de uma só peça de um material de vários matizes – rosa, azul, vermelho e amarelo – que brilhava como ouro, mas suavemente. Subimos, e na enorme portaria, sem nenhuma porta nela, encontramos uma linda senhora, elegante, porém não orgulhosa” (p.19). 

Em Nosso lar, existe uma passagem praticamente idêntica: 

Passados minutos, eis-nos à porta de graciosa construção, cercada de colorido jardim. – É aqui – exclamou o delicado companheiro. E, com expressão carinhosa, acrescentou: – O nosso lar, dentro de "Nosso Lar". Ao tinido brando da campainha no interior, surgiu à porta simpática matrona” (p. 96). 

Comentário: nas duas narrativas, muito semelhantes, amigos dirigem-se até edifício/graciosa construção por jardins cercados e são recebidos por uma mulher “mais velha” (uma linda senhora/simpática matrona). A diferença é que, no relato de Owen, há um portal sem porta, enquanto no de Xavier, há uma campainha – o texto original foi adaptado aos costumes e recursos de um público mais moderno, de cerca de um quarto de século mais tarde. 

FINAL 

Na opinião de alguns espíritas consultados, as semelhanças apontadas são naturais e explicáveis[16], pois, assim como na Terra há semelhanças entre as cidades, o mesmo se daria nas “colônias espirituais”. Porém, creio que as semelhanças ultrapassam tal lógica, mostrando claras evidências de plágio, tanto no texto quanto no contexto.

Por fim, creio ter resolvido o controverso tema da identidade do alegado espírito André Luiz. Trata-se, desde o início, da mãe de Owen travestida de médico brasileiro – uma constatação um tanto freudiana, para um autor que, como Xavier, era tão ligado à mãe, perdida na infância terrena e reencontrada “mediunicamente” no planeta Marte.[17]

De qualquer modo, sou receptivo às críticas, questionamentos e complementos.




[1]Texto terminado em 11/08/2011, produzido inicialmente para ser apresentado ao Centro de Pesquisa e Documentação Espírita – CPDOC, publicado em seu site e também no blog Obras Psicografadas.

[2]Professor de história com licenciatura plena e habilitação em geografia, formado pela Faculdade de Ciências e Letras de Bragança Paulista – hoje FESB. Professor efetivo de história do Brasil e história geral numa escola estadual e noutra municipal. Trabalhou também como professor de história do Brasil, geral e da arte, geografia do Brasil e geral em escolas particulares e cursos pré-vestibulares. Nascido em 1966, foi bastante influenciado pelo catolicismo, ao qual, por iniciativa própria, abandonou; simpatiza com a doutrina espírita – contudo, ultimamente, caminha no sentido da crítica e do ceticismo.

[3]Agradeço a colaboração de Marcio Rodrigues Horta (doutor em filosofia pela USP e funcionário de carreira do TRE/SP) pelo auxílio na pesquisa, redação e argumentos. Agradeço também a Vitor Moura Visoni (parapsicólogo e profundo conhecedor da vida e obra de Xavier) pelos acréscimos de similaridades e por me despertar do sono dogmático.

[4]Visoni é o criador do blog Obras Psicografadas, especializado na análise de livros e textos alegadamente psicografados, além de pesquisas no campo da “espiritualidade”: a existência do espírito, fenômenos paranormais e evidências de reencarnação. Vide http://www.obraspsicografadas.haaan.com.

[5]O próprio Xavier informou conhecer o livro de Owen, pois em seu livro Voltei, de 1949, há esta afirmação do suposto espírito Irmão Jacob: “recordando a leitura das narrativas de André Luiz e Vale Owen, perguntei ao Irmão Andrade quanto às características do novo ambiente, informando-me, então, que nos achávamos numa colônia espiritual de emergência, situada em planos menos elevados”. Note-se que, por num ato falho, André Luiz e Owen aparecem juntos e associados nesta passagem. Meus estudos indicam também a influência de A vida além do véu noutras obras da “Série André Luiz”, tal como em Libertação. Acesse esse link.

[6]A saber, distintamente do espiritismo kardecista, os adeptos do novo espiritualismo inglês e, em seguida, americano, não acreditam na reencarnação, sendo sua matriz religiosa original o protestantismo.

[9]Adaptado de Wikipédia, http://www.pt.wikipedia.org/wiki/Nosso_Lar. Link para baixar Nosso Lar http://www.sej.org.br/livros/lar_br.pdf.

[11]Visoni informa a existência da seguinte passagem: “o médium Chico Xavier solicitou à Sra. Suzana Maia Mousinho que providenciasse, junto a um artista plástico seu colega no Ministério da Educação, e frequentador da Escola de belas Artes, um retrato do espírito de André Luiz e que, para tal, se baseasse na estátua do cientista Dr. Carlos Chagas, localizada na praia de Botafogo, na cidade do Rio de Janeiro. Após a feitura do quadro, o médium Chico Xavier escreveu em seu verso que aquele era o Espírito de André Luiz, e o dedicou à Sra. Suzana”; livro Sementeiras de Luz, Introdução, nota 2 do editor Geraldo Lemos Neto. Assim, como vemos, a crença de que André Luiz foi Carlos Chagas pode ter sua origem no próprio Xavier. Para Vieira, acessar http://www.pt.wikipedia.org/wiki/Waldo_Vieira.

[12]Agradeço a colaboração de Alberto Alonso Muñoz (doutor em filosofia pela USP e Juiz do Tribunal de Justiça/SP) pela pesquisa suplementar e descoberta (em ficha catalográfica da biblioteca da FEB) do ano da primeira publicação em português da obra de Owen. Horta também constatou que a edição em inglês disponível na internet foi publicada em Nova Yorque em 1921; o internauta Caio afirmou, no blog Obras Psicografadas, que, em pesquisa virtual, descobriu que na biblioteca do Congresso dos EUA existe uma cópia do livro de Owen datada de 1921.

[13]Em seu blog, Visoni publicou a seguinte informação de Manuel Luques: no 1º capítulo do livro A marca da besta, do “médium” Robson Pinheiro, foi dito: “quando o reverendo Vale Owen escreveu seu livro mediúnico relatando a vida numa colônia espiritual, A vida além do véu, muita gente pensou que estava delirando. Décadas mais tarde, quando Chico Xavier publicou Nosso lar, muitos espíritas ortodoxos imaginaram que ele estava copiando ou plagiando a ideia de Vale Owen”. Porém, a semelhança entre os dois textos foi reconhecida também por espíritas “heterodoxos”. A obra A vida além do véu foi apresentada deste modo num site espírita: “Descrição minuciosa da vida espiritual, sobre moradas de Espíritos chamadas “colônias”; relatos de missões de guias e mentores, na Terra e em outros mundos… Parece o Nosso lar, não? Pois esta obra fantástica é datada de antes do clássico de Chico Xavier, com quem tem impressionante similaridade” (itálicos meus).

[14]Um internauta, crítico deste estudo, afirmou que “queriam até dizer que é a mesma coisa o pombo-correio do livro inglês e as aves de batalha do Nosso lar”. Porém, nessa passagem, o texto inglês não fala em pombos-correio, e sim em “flying birds”, ou seja, aves voadoras, no papel de “messagers”, mensageiras. Há uma citação de pombos no livro de Owen, mas num contexto distinto.

[15]A visão de mundo católica a partir de Aristóteles e Ptolomeu, retraduzidos por São Tomaz de Aquino. Lastreado em Copérnico, Galileu & Kepler & Newton sustentaram a homogeneidade, demonstrando que a incorruptibilidade do mundo supralunar é ilusória, pois este também sofre alterações – assim, os anjos não podiam mais morar “em cima”, nem os perdidos “embaixo”.

[16]Embora este trabalho não tenha sido exaustivo. Aparentemente, boa parte da “Série André Luiz” tem sua origem no livro de Owen, enorme, de 472 páginas.

[17] Ver livro Cartas de uma Morta, de Chico Xavier.

240 respostas a “A VERDADEIRA IDENTIDADE DE ANDRÉ LUIZ FINALMENTE REVELADA”

  1. Leonardo Diz:

    Parabéns pelo artigo, Biasetto. Só agora pude ler e gostei muito. Tenho algumas observações a fazer:
    .
    a) Achei desnecessário quando você falou, sobre a função dos pássaros em Nosso Lar: “bicando os opositores?”; isto porque o seu texto é feito de forma séria e ficou um pouco deslocado esse comentário;
    .
    b) Também achei um tanto sem sentido você utilizar a interrogação quando se referia a André Luiz no meio do texto, embora dê para perceber, com poucas linhas, a conclusão que você irá apontar no final. Você colocou essas interrogações no meio do texto, mas não no começo ou no final.
    .
    c) Pode-se afirmar, com certeza, que Chico sabia, pelo menos, da existência de um livro com relatos semelhantes aos de Nosso Lar, pois, em 1949, no livro psicografado por ele, chamado: Voltei, há pelo menos duas referências, como esta:
    .
    “Recordando a leitura das narrativas de André Luiz, e Vale Owen perguntei ao Irmão Andrade quanto às características do novo ambiente, informando-me, então, que nos achávamos numa colônia espiritual de emergência, situada em planos menos elevados”.
    .
    Parabéns e continue!

  2. Vitor Diz:

    Oi Leonardo,
    .
    excelente contribuição a sua letra c! Quando o texto for enviado ao CPDOC, vou sugerir ao Biasetto fazer uma nota se referindo a essa sua descoberta, e te citando, obviamente.

  3. Biasetto Diz:

    Ola Leo!
    E todos os demais.
    O que tenho a dizer é o seguinte:
    1 – são indiscutíveis as semelhanças (além do aceitável) entre as duas obras: A Vida Além do Véu e Nosso Lar.
    Só não vê isto quem não quer.
    Assunto encerrado pra mim!
    2 – se as obras apresentam estas semelhanças, sinto muito dizer aos espíritas-xavierianos: o Chico plagiou!
    Assunto encerrado pra mim, também!
    3 – Olha, o texto aqui apresentado, foi praticamente “reescrito” e ampliado, pelo Márcio Rodrigues Horta. Agradeço a ele pelas novas pesquisas e evidências, porque só vieram confirmar o que eu já tinha percebido, e o Vítor, anteriormente. Estas “falhinhas” aí, que você mencionou, podem ser “consertadas”, valeu!
    O próprio Márcio foi quem “descobriu” que a mãe do Owen, é o André Luiz! Eu concordei. Lembrei-me agora, de um comentário que o Juliano fez, uma vez aqui, onde ele mencionava que, ao ler Nosso Lar, percebia uma relação de amor excessivo, na relação filho e mãe. Seria legal, se o Juliano aparecesse pra comentar.
    Belê!!!

  4. Carlos Diz:

    Biasetto,
    .
    Mais uma vez parabéns. Algumas pequenas correções:
    .
    Notícias Históricas (7* parágrafo), em “4°) então,…, o médico paulista…” Não seria “médico carioca”? Note que como não conhecemos a real identidade de André Luiz, tanto “médico paulista” como “médico carioca” seria uma impropriedade.
    .
    Notícias Históricas (11* parágrafo) após “famoso médium mineiro, coonestando…” Não seria “contestando”?
    .
    Se o objetivo for circular o texto, acho o termo “maquiavélico” desnecessário como, talvez, “raivoso”, no final de “Notícias Históricas”. Para um leitor comum, fica a impressão de um pré-julgamento (severo) para os que publicam a obra. O seu texto está bem fundamentado, claro, e a conclusão óbvia e divertida.

  5. Biasetto Diz:

    Olá Carlos!
    Prazer em reencontrá-lo.
    Vou esperar o Márcio se manifestar aqui. Ele deve, inclusive, estar a caminho de Bragança. Provavelmente, vamos comer uma pizza juntos, neste fim de semana. Você também está convidado!
    Eu estou bastante envolvido com outro artigo, que espero ter a aprovação do Vítor, e postá-lo aqui, brevemente! Inclusive, preciso falar com ele, porque “travei” em uma parte do artigo, e quero que ele me ajude.
    O Márcio foi cavalheiro, mas as pesquisas complementares e a reedição desse texto é obra dele. Ele me passava emails, à medida que as pesquisas avançavam, e eu sempre concordei com tudo que ele escreveu.
    Estou, mais do que nunca, convencido que o Chico plagiou o Owen. Quanto a isto, não tenho mais dúvida alguma. Assim que puder, ainda vou fazer uma nova análise dos “livros do André Luiz”, na busca de outras correlações com A Vida Além do Véu.
    Sabe, Carlos, penso o quanto isto é complicado, porque “Nosso Lar” é o livro mais vendido do Chico e uma espécia de “bíblia” espírita. Então, se é possível provar que este livro é plágio, o que sobra???
    Abraços!

  6. Biasetto Diz:

    Vítor,
    O Márcio me disse que já enviou o texto pro cpdoc. Ele disse que, provavelmente, eu serei convidado a me manifestar à turma lá. Se isto acontecer, vou me lembrar da informação do Leo.
    Um abraço!

  7. Marcos Arduin Diz:

    Seria bom saber o que o Luciano dos Anjos diria disso, ainda mais que ele foi um dos grandões da FEB, embora em época posterior ao Nosso Lar…

  8. Biasetto Diz:

    Olá Arduin,
    Esta turma de “figurões” aí, não dizem nada. Eles não querem participar de um blog como este também. Uma vez convidei o Luciano dos Anjos a palpitar aqui, porque ele costumava me enviar emails – ainda envia, esporadicamente, mas ele disse que não valeria à pena, que isto aqui era uma “brigaiada” – quer dizer: os espíritas-xavierianos fogem do blog do Vítor, por uma simples razão: não têm argumentos pra rebater as revelações que são feitas aqui. Esta é a verdade!

  9. Carlos Diz:

    Olá Biasetto,
    .
    Agradeço o convite, mas no momento não dá… Qualquer feriado desses apanho a patroa e as crianças e vamos conhecer Bragança. Sei que por perto tem uns hotéis-fazenda que certamente devem fazer a alegria dos pequenos.
    .
    Sobre seu último comentário, na verdade os “figurões” até que tem argumentos porém sem consistência, no meu modo de ver. Eles diriam que o Chico e o Owen psicografaram cidades espirituais semelhantes, como duas pessoa que indo a Bragança a descrevessem visitando os mesmos locais. No entanto, o que você mostra é que um conhecia muito bem a obra do outro! Ainda assim os Xaverianos diriam que a mãe do Owen e o André Luiz descreveram algo comum aos dois do lado de lá, e não que o Chico Xavier plagiou o Owen.

  10. mrh Diz:

    Caro Bia, o CPDOC quer vc dia 27. Favor confirmar disponibilidade, superstar… provavelmente em Santos, no Instituto Cultural Espírita. 1 gracinha d instituição, vc provavelmente verá…

  11. mrh Diz:

    ô, Carlos, 1 indicação do Xico disse, numa das obras, q André Luiz tinha “nascido” no interior d sp. Ptto, paulista; e coonestar está certo, dar aparência d honestidade, pq ñ é psicografada a origem do texto.
    .
    Em tese, pois se trata d hipótese, maquiavélico parece bom. O adjetivo é adequado p/ estruturas d poder. E historicamente é tido tb sob muitos aspectos como elogio, ñ ofensa (q ñ era a intenção mesmo, ofender ninguém; apenas descrever 1 possibilidade histórica dentro dos conceitos gerais da ciência política).

  12. mrh Diz:

    Qto, aos méritos, o Bia quer empurrar algo p/ mim. Inverdade, nego e renego. Recebi o estudo praticamente pronto, c/ as citações feitas. Só ajustei p/ o formato acadêmico c/ umas pitadinhas aqui e ali. Ele tem, inclusive, mais pesquisas dessas… apresente, Bia!!!

  13. Biasetto Diz:

    ESCALA – Como se processa o fenômeno da psicografia?
    .
    CHICO XAVIER – Tecnicamente, não sei definir. Sei apenas que os espíritos amigos tomam o meu braço e escrevem o que desejam. (…)
    .
    ESCALA – Mas o que acontece com você, durante o momento em que os espíritos estão usando o seu braço?
    .
    CHICO XAVIER – Observo que minhas faculdades se acentuam em todos os seus aspectos. E realmente me sinto na companhia dos amigos desencarnados, quando eles permitem, com tanta espontaneidade, como se fossem pessoas deste mundo, que nós vemos e ouvimos naturalmente.
    .
    ESCALA – Você tem consciência do que está sendo escrito?
    .
    CHICO XAVIER – Normalmente, não tenho conhecimento do assunto. O teor da mensagem, só o conheço depois de recebida. Mas depende muito da reunião. Quando está harmoniosamente constituído por criaturas que só desejam o bem e a paz, eu me ausento da mensagem. O espírito escreve com toda a independência de qualquer impulso meu. Agora, quando a reunião está conturbada, os espíritos fazem força para que eu fique consciente e então vou escrevendo o que eles vão ditando, sabendo mais ou menos o sentido. (…)
    .
    ESCALA – Mas você nunca pensou em escrever um livro? Não seria capaz, se quisesse?
    .
    CHICO XAVIER – Creio que, se tentasse escrever, conseguiria produzir alguma coisa, mesmo porque, depois de mais de 40 anos de livros mediúnicos, seria impossível que eu não pudesses traçar algumas páginas. Mas, renuncio a isto, porque considero a imensa significação dos trabalhos dos bons espíritos por meu intermédio. Não vejo nenhum proveito na minha intromissão na obra deles. (…)
    .
    Adaptado de: QUAL É O ASSUNTO? Chico Xavier, uma vida de fé, amor e caridade – EDITORA ESCALA, ed. 03 (não encontrei o mês e o ano da edição)
    .
    .
    MYTHOS – (José Sola) Em Nosso Lar, André Luiz nos revela a existência do Umbral, que equivale ao purgatório das religiões ortodoxas, a região em que se encontram os espíritos que, ao passarem pela Terra, transgrediram a Lei Divina, mas não são perversos ou maus; foram espíritos ignorantes, egoístas, preconceituosos, avaros, ambiciosos, ateístas, etc. ANTES DESSA REVELAÇÃO, NÓS ESPÍRITAS, IGNORÁVAMOS A EXISTÊNCIA DESSE DOMÍNIO DAS SOMBRAS.
    .
    MYTHOS – (José Sola) – Em Libertação, nosso amigo da espiritualidade nos revela a existência das TREVAS. A região das trevas narradas por André Luiz é análoga ao inferno que nos é apresentado pelas religiões católica, protestante, etc. É uma região na qual permanecem os espíritos que vivem a perversidade, que praticaram crimes premeditados, calculados, frios, metódicos, e não conhecem o remorso…
    .
    Adaptado de: Espiritismo & Ciência – Mythos Editora, nº 80, set/2010.
    .
    MEUS COMENTÁRIOS:
    - Primeiramente, Chico Xavier confirma que PSICOGRAFOU T. U. D. O !
    - Depois, os comentários de José Sola, indicam que André Luiz em Nosso Lar e Libertação, trouxe informações que não eram conhecidas no meio espírita brasileiro – exatamente as duas obras que apresentam total influência de A Vida Além do Véu.

  14. Biasetto Diz:

    Márcio, me liga – meu telefone está no email que te passei.
    Perdi o número do teu telefone.
    Um abraço!

  15. Paulo Cesar Diz:

    Olá Eduardo (que eu ainda não conheço pessoalmente):
    .
    Li algumas vezes o seu texto sobre o livro nosso lar e o André Luiz e resolvi escrever meus comentários sobre o mesmo , expondo alguns pontos que acredito ficaram de fora dessa análise e que podem ser relevantes para um aprofundamento dessa questão.
    .
    Meu objetivo é ter esse debate aberto, honesto e esclarecedor sobre essas questões que nos tocam a todos nesse grupo, ou seja, a existência pós morte e a possibilidade de comunicação entre os que estão aqui no mundo material – encarnados – e os que não mais estão aqui – os desencarnados -.
    .
    1. A AFIRMAÇÃO DE PLÁGIO
    Acredito que o julgamento de plágio pelo “personagem carismático de Pedro Leopoldo” foi sumário e deixou de contemplar outras questões, inclusive quando se aceita a hipótese de plágio. Vejam abaixo minhas observações. Primeiro:
    1. As passagens escolhidas e colocadas no texto são muito convincentes. Os elementos similares nas duas narrativas são claros. No entanto, vejo que há similaridade no cenário e não no enredo. Além dessa questão de recortar partes de textos fora de seus contextos. Teria dúvidas metodológicas quanto a construir uma tese sobre essa base. Mas enfim, vamos adiante…
    2. Não me parece que no livro Nosso Lar tenham sido feitas apenas algumas alterações do livro de Owen. Por exemplo: capítulos inteiros foram copiados; a ordem do enredo é a mesma ou similar; os personagens da estória; etc. Primeiro porque a Morada de Owen (Our Home) não parece ter relações com a erraticidade citada por Kardec, um local de parada temporária até que o espírito volte a Terra para continuar sua jornada evolutiva; um lugar de reflexão e planejamento para a próxima vida. Ademais, o Reverendo Owen pertence ao Espiritualismo Inglês, que não considera a possibilidade de Reencarnação como instrumento de depuração ou evolução do espírito.
    3. Nos dois livros, essas moradas não estão isoladas em si mesmas e se relacionam com a Terra – com os seres encarnados – , as Esferas Inferiores ( que parecem ficar entre a Terra e a Morada, não só no sentido geográfico, mas no sentido teológico, religioso) e também com as esferas superiores, onde temos os Anjos Mestres (Angel Masters) que executam a vontade de Deus em Owen e os espíritos que estão em posições superiores na Escala Espírita (novamente de acordo com Kardec) em Nosso Lar.
    4. Além disso, me pergunto se poderíamos esperar muita coisa diferente de uma descrição feita dentro de uma moldura cristã- ocidental. Se tivéssemos descrições de Moradas/ Cidades Espirituais numa moldura Islâmica, Judia, Asiática, que elementos de cenário nós teríamos? Haveriam bosques, montanhas, rios , água, edifícios, sedes de governo, e tudo o mais que temos nas duas descrições?
    .
    2. A INFLUÊNCIA DO MÉDIUM NA MEDIUNIDADE
    1. Outro aspecto percebido no texto é o tratamento diferenciado dado aos dois livros – um verdadeiro e o outro falso – . Em nenhum momento, cogitou-se a hipótese de que o livro de Owen também pudesse ser o “plágio” de alguma outra obra anterior a dele. Ou seja, esse tema de moradas espirituais só aparece com Owen? E se ele for recorrente , seriam essas moradas uma espécie de atualização da idéia católica de paraíso, purgatório e inferno? Ou cristianizações das moradas dos deuses ou do Hades? Portanto, que elementos teríamos para comprovar a originalidade da idéia de morada espiritual em Owen e consequentemente sua veracidade? Se não for original, em que medida ela é recorrente na cultura cristã-ocidental?
    2. As similaridades entre as duas obras, antes de ser um “plágio” (no sentido criminoso do termo), não teria ai indícios de como a mediunidade deva funcionar? É possível ocorrer um fenômeno mediúnico sem a participação do médium ativa ou passivamente? Qual é o grau dessa influência? Teríamos que ter ai uma escala de originalidade inversamente proporcional a influência do médium? Em outras palavras, o verdadeiro, o bom médium seria aquele que refletiria as mensagens do espírito desencarnado sem qualquer mácula ou interferência da sua personalidade, conhecimento e experiência? Ele seria algo mais que um espelho, porque nem a inversão das imagens seria lhe permitida?
    3. Partindo do pressuposto que todos nesse grupo acreditam ser possível a comunicação entre encarnados e desencarnados, como faríamos para melhor conhecer o mecanismo desse fenômeno? Quanto da influencia do médium temos nas manifestações? É possível nos desvencilharmos dessa influência totalmente ou parcialmente?
    4. E por último, confirmando-se as evidências de “plágio”, teria ele sido doloso ou culposo?
    .
    Sem prejuízo do erro cometido, acho que nessa parte do artigo, negou-se um princípio básico de Justiça, onde todos somos inocentes até que se prove o contrário. Nosso “personagem carismático de Pedro Leopoldo”, já foi condenado antes mesmo de suficientes provas terem sido apresentadas.
    .
    3. A IDENTIDADE DE ANDRE LUIZ
    De todo o texto, essa é a parte onde verifiquei haver menos elementos para uma análise, porque foi toda baseada em comentários, “um quase disse que me disse”. Quanto a isso, precisaríamos de mais fontes, onde o próprio Chico ou André Luiz tenham feito essa afirmação de identidade, como o Chico fez sobre Emanuel.
    Quem é espírita há um bom tempo, sabe como essas estórias fazem parte do imaginário da comunidade. Isso tudo é reforçado por uma vasta literatura que trata sobre períodos históricos e personagens conhecidos. Nesse caso, a afirmação de que André Luiz não existe, carece de qualquer base e comprovação no texto.
    Eu concordo que a comprovação da identidade é um elemento fortíssimo para a comprovação da existência pós morte e, dessa forma, aqui talvez pudéssemos estudar ou debater como poderíamos comprovar a identidade de um espírito através desse instrumento – mediunidade.
    .
    4. TEORIA DA CONSPIRAÇÃO
    Outro assunto tratado no texto insinua que teria havido nos anos 40–50 uma conspiração da elite dirigente espírita – um novo Vaticano – no sentido de ocultar as evidências desse crime cometido pelo médium Chico Xavier, com o objetivo de 1) manter na ignorância a grande massa de pessoas ingênuas; 2) atender a estratégica comercial de venda do livro, dado ao seu sucesso financeiro. Esse ocultamento teria facilitado o aprofundamento do fundamentalismo religioso no meio espírita.
    Não descarto essa possibilidade, dado nossa própria experiência histórica com religiões – em particular quando elas se aproximam do poder político, social, econômico. No entanto, também aqui, não foi apresentado nenhum documento, nenhuma fonte, nenhum indício de que isso tenha ocorrido. Não subscreveria tais acusações, por mais possíveis que elas possam parecer, sem ter qualquer prova sobre isso.
    Talvez pudéssemos encontrar evidências ou não , disso tudo, nas correspondências trocadas entre o Chico Xavier e outros membros da comunidade; as correspondências da FEB; enfim, alguma evidência material de que houve esse crime de fato.
    Acho que por hora é o que tinha a compartilhar com todos.
    Abraços
    Paulo Cesar.

  16. Biasetto Diz:

    Olá Paulo,
    Estou de saída, vou a um aniversário de uma sobrinha querida. Quando retornar vou ler com calma tuas ponderações.
    .
    Márcio,
    Encontrei outras “semelhanças” entre Libertação e A Vida Além do Véu – aliás, uma cópia descarada. Vamos ver a possibilidade de reeditar o tema, se o Vítor topar.
    .
    Vou ver com calma o que você escreveu aí, a família tá me chamando aqui, estou quase apanhando.
    Dia 27 tá legal, tudo bem….
    Vou apanhar aqui, tchau!

  17. Vitor Diz:

    Leonardo,

    qual é a outra referência no livro Voltei? Você só citou uma…

  18. Vitor Diz:

    Biasetto,

    aqui a gente reedita tudo! :D

  19. Rui Diz:

    A tradução mais antiga do livro “A Vida Além do Véu” que pude verificar rapidamente, de forma preliminar, parece ter sido após o lançamento do livro “Nosso Lar”.

    Se houver fonte segura de a tal obra ter sido traduzida para o português anteriormente ao livro do Chico, favor informar.

  20. Biasetto Diz:

    Paulo Cesar,
    1º) Olha Paulo, eu não sei a quanto tempo você acesse este blog, nem as matérias que já leu aqui. Como é difícil mostrar que os livros do Chico são plágios. Sempre tem algum “porém”. Mas pra mim, já não há mais “porém” algum.
    Eu convido você a procurar aqui no blog, os artigos indicando plágio em Há Dois Mil Anos, plágio em Nosso Lar, Libertação, Cairbar Schutel e tantos outros.
    .
    2º) A questão da similaridade das cidades… este tema também já foi discutido, bastante aqui. É óbvio, que se existem cidades espirituais, haverá muitas semelhanças entre elas. E, se estas cidades forem mais belas que as da Terra, também é óbvio, que o ser desencarnado se encante com tais belezas, e as mencione… Porém, o que se verifica nos livros do Chico – Nosso Lar e Libertação – que indicam plágios referentes à A Vida Além do Véu, não são apenas semelhanças neste sentido, mas semelhanças de histórias, sequência de fatos, narrações, eventos. No livro do Owen, por exemplo, o espírito comunicante diz a ele, (em outras palavras, só para ilustrar) – “e aí, meu amigo fique tranquilo, vou contar tudo pra você, tenha calma, meu TUTELADO”) – então, em Nosso Lar, Lísias e os espíritos lá, que estão cuidando dele, dizem algo nesta mesma linha: “e aí, meu amigo fique tranquilo, vamos contar tudo pra você, vamos te esclarecer, tenha calma, tudo no seu tempo, TUTELADO de Clarêncio”). E assim, as narrativas vão acontecendo, a história vai se construindo…
    É lógico que há diferenças também. No livro de Owen, não tem nenhum médico contando história…
    O Chico ADAPTOU A Vida Além do Véu – ele fez uso de ideias do livro, passagens, para criar a história de Nosso Lar e Lebertação. Há mais em outros livros da “série André Luiz” ou “série Nosso Lar”, como alguns preferem.
    O Chico misturou várias obras que leu. Uma delas foi “A Divina de Comédia” de Dante Alighieri. Esta obra também teve grande influência sobre a criação da “série André Luiz”.
    .
    3º) Sobre a questão de André Luiz não existir, este tema também já foi matéria do blog e muito debatido aqui. Simplesmente, NÃO EXISTE UM ÚNICO MÉDICO CARIOCA, desencarnado entre 1925 e 1935, na cidade do Rio de Janeiro, que apresente biografia que se encaixe às informações fornecidas nos livros do Chico. Eu não fiz esta pesquisa, mas Luciano do Anjos fez. O melhor que ele encontrou: FAUSTINO ESPOSEL – então, leia a biografia de Esposel, depois você me diz o que acha.
    .
    4º) Quanto à autenticidade do livro de Owen (se é psicografia), não posso afirmar. Há uns dias atrás, conversando com o Vítor, passei um nome pra ele, de um espiritualista – indicando obras dele, onde há uma em que eu perguntei ao Vítor, se ele conhecia. O Vítor me disse que não, mas achou interessante. Olha, são tantas coisas que a gente vê, nem me lembro agora, o nome do cara e o nome do livro, que me parece, não teve tradução aqui. Ocorre que este autor é anterior ao Owen e a obra dele, que eu sei que fala de cidades espirituais, é da década de 1870, algo assim. Portanto, Owen também pode ter plagiado, quem sabe?
    .
    Eu tenho mais “desconfianças” sobre vários livros. O problema, meu amigo são dois:
    .
    1º) Não tenho tempo pra me dedicar a estas pesquisas.
    2º) Não tenho recursos pra disponibilizar material adequado. Até pra imprimir uma obra de 400 páginas, fico pensando, porque recarregar cartucho não é barato, e ganho a vida como professor. Então…
    .
    Um abraço!

  21. Carlos Diz:

    Biasetto,.
    .
    Não sei se você conhece mas no link abaixo o Luciano dos Anjos reafirma que Andre Luiz foi Faustino Esposel.
    .
    http://www.grupodosoito.com.br/subpaginas/faustino.htm

  22. Juliano Diz:

    Grande Biasetto!

    Parabéns pelo texto! Irretocável! Pra mim é mais do que claro que Emmanuel e Andre Luiz são dois personagens de ficção, e tal constatação não é de hoje, você sabe. Assim, tuas importantes informações só vem corroborar a minha visão, que entendo já razoavelmente consolidada, sobre Chico Xavier e sua suposta mediunidade. Que em verdade nada mais era que um processo dissociativo. É isto, um grande abraço e ótima festa da sobrinha.

  23. mrh Diz:

    “Está porque ao Rev. George Vale Owen, Vigário de Oxford, Lancashire, na Inglaterra, “fez-se mister um quarto de século para que se convencesse: – dez anos de que a comunicação dos Espíritos era um fato, e quinze de que esse fato era verdadeiro e bom. (Rev. Vale Owen. A vida além do véu. edição de 1921. tradução de Carlos Imbassahy)”.

  24. mrh Diz:

    http://www.comunidadeespirita.com.br/fenomesp/fenespeanim/capitulo%20I%20fenomeno%20espirita.htm

  25. mrh Diz:

    Localização : E40P6L5.8
    Autor(es) : Owen, George Vale, 1859-1913
    Título : A vida alem do veo: livro I as regiões inferiores do ceo.
    Paginação : 223p.
    Notas Gerais : Tradutor: Carlos Imbassahy.
    Descritores : Espiritismo ; Além túmulo . ;
    Resumo :
    Difunde mensagens sobre a vida espiritual. Objetiva estabelecer as condições da outra vida, provando a imortalidade da alma e a comunicabilidade dos Espíritos. Divide-se em quatro seções: a primeira, “As regiões inferiores do Céu”, reúne comunicações da mãe do Rev. Owen e do instrutor Astriel, tratando de assuntos de fé religiosa, filosófica e científica; a segunda, “As altas regiões do Céu”, mostra a evolução do Espírito na erraticidade; a terceira, “O ministério do Céu”, transmitida por Leader e seu grupo, traz notícias da assistência aos que vivem nas trevas, e na quarta, “Os batalhões do Céu”, Arnel narra mensagens mais profundas que as precedentes. Ratifica os conceitos espíritas, atestando que a luz divina brilha para todos.
    Publicação : Rio de Janeiro : FEB , 1921.

  26. Juliano Diz:

    Carlos

    Sobre Faustino Espossel deixo apenas uma questão que já coloquei aqui várias vezes. Faustino Espossel é um dos ícones da história do Flamengo, inclusive tendo sido presidente do clube da Gávea por mais de uma vez. Em síntese, era um flamenguista apaixonado pelo clube. Tanto que há um quadro dele na Gávea. Então, é no mínimo estranho que alguém que evidentemente gostava de futebol, quanto mais do Flamengo, até onde eu sei, nunca falou de futebol em suas pretensas mensagens psicografadas, até para questionar o passado de torcedor que fosse! Quanto mais para elogiar o seu amado Flamengo. Em síntese, como quase tudo no espiritismo, tal afirmação de Luciano do Anjos não merece qualquer consideração mais elaborada, pois ignora situações concretas históricas, como o fato inegável do espírito rubro-negro de Faustino Espossel. É isto.

  27. mrh Diz:

    Ruy. esta última é a ficha da biblioteca da feb.

  28. mrh Diz:

    http://www.febnet.org.br/site/biblioteca/versaoimpressao.php?id=5685&palavra=&ano=&tipo=titulo

  29. mrh Diz:

    Vitor, c/ relação a afirmação d terceiro, q o texto original, na passagem citada, falaria em pombos-correio ou pombos-mensageiros, e ñ aves, ñ procede:
    .
    “Another thing he would notice would be flights of birds coming from out the distance and going, with perfect precision, to some particular spot. Now there are messenger birds trained on earth, but not as these are trained. In the first place, as they are never killed or ill-used, they have no fear of us. These birds are one of the means we use to send messages from one colony to another. They are not really necessary, as we have other
    quicker and more business-like ways of communication. We use themm ore as pretty fancies, just as we use colours and ornaments for beauty’ssak e sometimes. These birds are always making flights, and are dear loving
    creatures. They seem to know what their business is, and love to do it”.
    .
    Efetivamente, há uma passagem sobre “pigeons” no livro, mas sem relação com o apontado. E os pombos não eram, no passado, os únicos pássaros treinados, inclusive para o serviço de correio.

  30. Carlos Diz:

    Olá Juliano,
    .
    A tese do Luciano dos Anjos é que o Chico e o próprio André Luiz misturaram mentiras e algumas verdades para impedir que a identidade do André Luiz fosse conhecida. Assim LA diz que o fato do Esposel não ter tido filhos e, provavelment, a falta de comentários sobre o futebol (e o flamengo em particular) não passaria de uma estratégia calculada.

  31. Biasetto Diz:

    Márcio, não consigo te ligar, perdi o número do teu telefone. Não vou poder comer a pizza aí!!!
    Você me deixou o recado no email, mas … adeus pizza! Se bem que já me enchi de comes e bebes hoje!

  32. Biasetto Diz:

    Carlos,
    Valeu pela informação. O problema do Luciano dos Anjos, é que ele diz que vai lançar o livro provando que Esposel e André Luiz são os mesmos, mas esta promessa, ele já faz há mais de 20 anos.
    Um dia ele me passou um email mostrando uma parte do livro dele, onde ele usa como argumento o seguinte:
    - André Luiz afirma que era machista no livro Nosso Lar e outros, ou seja, ele tinha conceitos machistas.
    - Então, o Esposel também era machista – Luciano pesquisou isto… hahaha! Que argumento???!!!
    Outra coisa, o Luciano diz que em Nosso Lar o André Luiz ficou constrangido, porque se encontrou com um espírito lá, que tinha uma dívida com o pai dele aqui na Terra, algo assim. O Luciano descobriu isto também… é piada né???
    Estou falando estas coisas, porque já sei que o Luciano disse que minhas descobertas são pífias. Então, resolvi contar um pouco das coisas que sei sobre o livro dele. Ele também já disse, que o Esposel não teve filhos, mas teve sobrinhos… Outra coisa, ele também disse que André Luiz misturou duas reencarnações…
    Acredite quem quiser!!!
    Olha, eu respeito o Luciano, ele escreveu um livro muito bom (pelo menos achei com qualidade) – A Anti-História das Mensagens Co-Piadas, mas ele está exagerando em defender a psicografia do Chico.
    O próprio Luciano admitiu que Mecanismos da Mediunidade (Chico Xavier/André Luiz) é uma “cópia” de O Átmo (Fritz Kahn), mas ele disse que foi o André Luiz que copiou, não o Chico. Então, quem copiou foi a “mãe do Owen”.

  33. Biasetto Diz:

    Juliano,
    O André Luiz não iria falar do Flamengo. Isto é paixão mundana, também contribuiu pra ele ficar 8 anos no umbral.
    * flamenguistas, não estou falando que o time é paixão mundana, estou falando do meio futebolístico! hehê!
    Não deixariam ele falar destas coisas aí…
    Abraços!

  34. Biasetto Diz:

    Vítor,
    Estou tentando baixar A Vida Além do Véu, mas está dando problemas com o link. Você sabe alguma coisa.
    Preciso confirmar mais umas coisas na obra do Owen.

  35. Vitor Diz:

    Oi, Biasetto

    vc pode baixar aqui: http://www.4shared.com/get/1AFKhpkN/a_vida_alem_do_veu.html

  36. Rafael Aguiar Diz:

    Biasseto, toda análise deve ser isenta de tendenciosismo. Você não pode dizer: Assunto encerrado pra mim! Nada deve ser esgotado. Esse é o procedimento do pesquisador que está aberto à novas idéias.

    A sua análise é baseada em uma hipótese. Pela estrutura de sua análise e forma de elaboração da defesa de sua argumentação, ela fica suscetível a um falseamento popperiano. Se ela se sustentar frente a novos testes ela ficará corroborada. Mesmo assim, nada indica que seja realmente verdadeira.Por isso que você não pode transmitir uma certeza aos leitores. Seja mais prudente. O certo seria afirmar que é preciso mais estudos para ampliar sua visão.

    Falando um pouco de sua análise, o fato de haver semelhanças não é evidência conclusiva de plágio. É preciso mais do que comparações de trechos.

    Outra coisa que vale salientar é a problemática do seu texto. Fica confuso ao leitor: O que você realmente quer ? Demonstrar que houve plágio ? Demonstrar que André Luis não é quem pensamos ser ou demonstrar que espíritos não existem ? Está tudo sendo misturado ao mesmo tempo.

    Até mais.

  37. Rafael Aguiar Diz:

    Esqueci de comentar também. Os amigos esquecem-se do conteúdo do Livro e de sua mensagem que preza por nos advertir de nossos atos enquanto em vida.

    A obra tem seu valor principal esquecido…

    O que se presta sempre atenção são as coisas secundárias.

    Realmente… a matéria sempre consegue entorpecer os nossos valores espirituais…

  38. Biasetto Diz:

    Beleza, Vítor.
    Consegui. Novas revelações, estão a caminho. Aguardem.

  39. Biasetto Diz:

    Bom dia a todos!
    11:35 nesta manhã de domingo, dia 14 de agosto, parabéns a todos o pais.
    .
    Caros colegas,
    Eu estava escrevendo um artigo, não exatamente sobre plágios em “obras psicografadas”, mas me vejo obrigado a interrompê-lo. Fica pra depois!
    Retornei minhas pesquisas sobre a obra A Vida Além do Véu, do reverendo Owen e os plágios de Chico Xavier, na elaboração de Nosso Lar e Libertação. Analisando com mais cuidado, os livros citados, me convenci em definitivo o quanto Chico Xavier mentiu a respeito de sua mediunidade. Para aqueles que ainda não se convenceram disto, e os críticos às minhas conclusões e às do Vítor, do Márcio, JCFF, Montalvão e outros participantes do blog, vou adiantar que em meu próximo artigo, apresentarei:
    1º) Uma passagem do livro do Owen que explica os oitos anos de umbral de André Luiz, incluindo o resgate do mesmo, obviamente, na cabeça de Chico Xavier;
    2º) Provas INCONTESTÁVEIS e INDISCUTÍVEIS de que “Libertação” É UMA CÓPIA DO COMEÇO AO FIM, do livro do Owen. Quase uma “xerox”.
    3º) Não só vou colocar uma pá de cal na mediunidade de Chico Xavier, como na de uma “penca” de médiuns brasileiros, incluindo o senhor Waldo Vieira.
    4º) Lanço desafio a qualquer figurão do meio espírita brasileiro, incluindo o senhor Luciano dos Anjos, a debaterem comigo.
    .
    Aos espíritas que desconhecem os estudos realizados neste blog, e que estejam se inteirando deles, não se culpem: eu também fui enganado, e como fui. Inclusive, por várias vezes discuti aqui com o Vítor e outros participantes. Cheguei a “declinar” a pessoa de Vítor Moura. Hoje, parabenizo-o (apesar de não ser pai, até onde sei…), por tido a coragem, a ousadia e a capacidade intelectual de se aventurar nas pesquisas que vem realizando.
    .
    Caminharemos…
    Abraços a todos!

  40. Rui Diz:

    mrh, Grato, mas existe um erro lógico nessa informação da FEB.

    Northcleef publicou, em seu jornal, os artigos de Owen entre 1920 e 1921, porém, consta que a obra ( 4 depois 5 volumes) foi publicada em Londres, no ano de 1926.

    Portanto, não pode haver tradução alguma para o português no ano de 1921 como informa erroneamente a Feb e onde se baseou o sr. Biasetto para argumentar plágio.

    A terceira edição é a mais antiga que pude observar e refere-se ao ano de 1962.

    Obra de Owen – Fonte Wikipédia:
    ? OWEN, George Vale. Facts and the Future Life. London: Hutchinson & Co., 1922.
    ? ——. How Spirits Communicate. N.p., n.d.
    ? ——. Jesus the Christ. N.p., 1929.
    ? ——. The Life Beyond the Veil. 5 vols. London: Greater World Association, 1926.
    ? ——. What Happens After Death. London: Hutchinson & Co., 1924.
    ? OWEN, George Vale, and H. A. Dallas. The Nurseries of Heaven. (1920).

  41. Biasetto Diz:

    Caro Rui,
    Duas questões:
    1º) Como bem lembrou meu amigo Caio, em post anterior, nada impede que alguém, o próprio Carlos Imbassahy já tivesse traduzido o livro, sem que o mesmo viesse a ser publicado no Brasil, logo “em seguida” à tradução.
    2º) Como você justifica as “semelhanças” entre as duas obras, que não indique o plágio?
    .
    Rafael,
    VOCÊ DISSE: Biasseto [Biasetto], toda análise deve ser isenta de tendenciosismo. Você não pode dizer: Assunto encerrado pra mim! Nada deve ser esgotado. Esse é o procedimento do pesquisador que está aberto à novas idéias.
    EU DIGO: Sobre a mediunidade psicográfica de Chico Xavier, o assunto está encerrado pra mim: NUNCA EXISTIU! (em meu próximo artigo vou demonstrar isto, com mais clareza, se o que já foi mostrado ainda não te convenceu).
    .
    VOCÊ DISSE: Falando um pouco de sua análise, o fato de haver semelhanças não é evidência conclusiva de plágio. É preciso mais do que comparações de trechos.
    EU DIGO: Se não é plágio, é o quê? Leia com bastante atenção, a sequência dos fatos, as palavras utilizadas.
    .
    VOCÊ DISSE: O que você realmente quer ? Demonstrar que houve plágio ? Demonstrar que André Luis não é quem pensamos ser ou demonstrar que espíritos não existem ? Está tudo sendo misturado ao mesmo tempo.
    EU DIGO:
    1º) Demonstrar que houve plágio, sim! Está claro isto. Só não vê quem não quer.
    2º) André Luiz nunca existiu como ser real. É uma criação do Chico Xavier, um personagem criado por ele. A não ser que aqueles que criticam esta conclusão minha (e de outros, inclusive do Vítor, já faz tempo), tenham uma explicação do porquê um espírito para contar sobre sua vida no plano espiritual, numa colônia (Nosso Lar), precisa ficar plagiando obras. Se alguém me explicar isto, então, eu até aceito rever algumas conclusões. Você pode explicar?
    3º) Quanto a existência dos espíritos, não tenho opinião formada. Acho que existam, desejo isto também. O Vítor tem bons artigos aqui, ele pode responder sobre esta possibilidade, do ponto de vista da pesquisa, melhor do que eu. Porém, o fato de existirem espíritos (se existirem!) não significa dizer que eles se comunicavam com o Chico Xavier e outros “médiuns” espalhados por aí.
    .
    VOCÊ DIZ: Esqueci de comentar também. Os amigos esquecem-se do conteúdo do Livro e de sua mensagem que preza por nos advertir de nossos atos enquanto em vida.
    A obra tem seu valor principal esquecido…
    O que se presta sempre atenção são as coisas secundárias.
    Realmente… a matéria sempre consegue entorpecer os nossos valores espirituais…
    EU DIGO:
    1º) A obra fala de um “moralismo-cristão”, exageradamente influenciado pelo catolicismo romano. Sinceramente, não me agrada. Muito pelo contrário, me desagrada e muito.
    2º) Valores espirituais ou espiritualistas vêm sendo apresentado, discutido e incentivado por inúmeros autores, desde muito. Tais autores não fazem uso de uma mentira, a psicografia, pra afirmarem o que pensam. Sugiro a você as seguintes leituras:
    - O Pequeno Príncipe, de Saint-Exupéry;
    - Ilusões, de Richard Bach;
    - Fernão Capelo Gaivota, de Richard Bach;
    - Sidarta, de Hermann Hesse;
    - O Profeta, de Gibran Kalil Gibran;
    * Você está querendo dizer, que se a mensagem é boa (nem sei se é), não importa sua procedência. Pois eu penso diferente, pois quem mente, engana, erra e erra feio!
    Além disso, não estamos discutindo a “qualidade” da mensagem, mas a afirmação do senhor Chico Xavier, que diz tê-la recebido de espíritos desencarnados.
    .
    Abraços!

  42. mrh Diz:

    Karo Ruy, assim sua posição como debatedor fica complicada. Te mostrei 1 documento da feb, mostrando a existência d 1 cópia da tradução do Imbassahy na instituição, datado d 1921. Documentos são a base do trabalho do historiador, do método histórico universal.
    .
    Ademais, a versão em inglês, publicada na net, desse livro do Owen, é d cópia d 1921 tb. Todos podem ver e baixar (google: owen the life beyond the veil). Ou seja, vc alega impossibilidade falsa em suas alegações, o q ñ me parece o melhor caminho p/ manter a lisura do debate e sua credibilidade como debatedor.
    .
    O livro tb foi construído em pedaços. É 1 conjunto d 4 livros, na verdade; e a publicação d obras assim pode ter respondido outra lógica, c/ partes sendo adiantadas em jornais, panfletos, correspondência (meio muito comum na Inglaterra) etc., desde 1913.

  43. mrh Diz:

    THE LIFE
    BEYOND THE VEIL
    SPIRIT MESSAGES RECEIVED
    AND WRITTEN DOWN BY THE
    REV. G{eorge}. VALE OWEN
    {1860-1931}
    VICAR OF ORFORD, LANCASHIRE
    WITH AN APPRECIATION BY
    LORD NORTHCLIFFE
    AND AN INTRODUCTION BY
    SIR ARTHUR CONAN DOYLE, M.D., LL.D.
    EDITED BY
    H. W. ENGHOLM
    BOOK IV:
    THE BATTALIONS OF HEAVEN
    NEW YORK
    1921

    acabei d extrair da net a página de rosto

  44. mrh Diz:

    Ruy: “não pode haver tradução alguma para o português no ano de 1921 como informa erroneamente a Feb e onde se baseou o sr. Biasetto para argumentar plágio”.
    .
    Vc mantém essa alegação?

  45. mrh Diz:

    E olha q o fac-símile é d NYorque. Será q ñ há edição ainda + antiga na Grã-Bretanha?

  46. mrh Diz:

    Agressividade desnecessária q responde a 1 dos ítens do questionamento do Carlos, e q ñ é a 1ª vez, nem do primeiro opositor/adepto.

  47. mrh Diz:

    O pior é q agente é q acaba virando alvo da raiva das vítimas do CX, dos pontapés na canela, e ñ o próprio.
    .
    Eles ñ mostram c/ agente 1 milésimo da quase infinita condescendência q apresentam c/ seu líder… Ai se houver a suspeita d 1 errinho… começa a ladaínha, q tive d ouvir p/ horas d 1 colega d trabalho na sexta, qdo apresentei o texto a ela, dizendo q eu ia p/ o umbral p/ anos, ia voltar na próxima arrependido e trabalhando entusiasticamente pela memória do CX por tê-lo caluniado etc.
    .
    Tive q sair + cedo… 1 choradeira, dizendo-se vítima das trevas, do mal; gente, devia ter gravado e posto no youtube.
    .
    Parece q foram produzidos em série.

  48. mrh Diz:

    Ruy, desculpe se exagerei nas lamentações, + é q essa semana foi dose…

  49. Biasetto Diz:

    É Márcio,
    Depois da conversa que tivemos, pessoalmente, poucos instantes atrás, e lendo os comentários, fica claro que:
    1º) Pra muitos, Chico Xavier é um santo intocável.
    2º) Quem questiona esta “santidade”, é gente do mal.
    Será, que o ser humano não vai se libertar das amarras da ignorância (no sentido de desconhecimento, não uso o termo de forma ofensiva)… é entendível, o choque que estas descobertas causam. Da mesma forma, se aquieta aquele, que recebeu o ensinamento de que Deus criou o mundo em 7 dias, fez Adão, depois Eva, e eles pecaram … se aquieta, se revolta, quando mostram-lhe que isto é uma historinha absurda e ridícula.
    Gente, Chico Xavier plagiou, mentiu, a FEB deveria saber disso, há outros inúmeros simpatizantes do espiritismo, seguidores, sei lá, fazendo o mesmo. Inventando espíritos-guias, escrevendo mensagens falsas, inventando cidades/colônias, inventando histórias doidas, malucas, impossíveis… Vamos parar de brincar.
    Vamos parar de brincar também, que as mensagens são boas, porque não são. Ensinam que o umbral está esperando a todos… ensinam que uma mãe que queria muito ter um filho e sofreu um aborto natural, que esta mulher está pagando por um aborto que fez lá na Grécia antiga, lá no Egito dos faraós, lá na puta que o pariu!
    Chega, chega desta merda! Abram os olhos…
    O espiritismo que quer explicar o Tsunami do Japão, da Indonésia, os deslizamentos de terras no Rio de Janeiro ou casa dos cambaus!!!
    E vêm com o papo de que se trata de resgastes, que se trata da justiça divina… pelo amor de Deus!!! caso ele exista, parem com estas bobagens… chega de Malafaias e um monte de pastores retardados falando que Deus odeia os gays, como tem acontecido nos Estados Unidos…
    Chega deste papo de querer dizer que o que vem sendo apresentado aqui não é plágio, é PLÁGIO, escancarado, sacaneado, pensado, analisado… tim-tim por tim-tim…
    Chico Xavier foi um dos maiores embusteiros da história do Brasil e, pior ainda, fez escola… pra pior: Robson Pinheiro, Wágner Paixão, Ranieri…
    Até meu amigo de Caxias do Sul me chama de mentiroso, porque ele diz que o Chico nunca mentiu – então, o mentiroso sou eu, é o Vítor, o JCFF, o mrh, o Montalvão…
    Desculpem-me a “baixaria”, mas eu precisa deste desabafo!
    Ainda tem muito a apresentar aqui, tem gente que vai cair da cadeira…

  50. Biasetto Diz:

    Por que o Chico Xavier, o homem que falava com espíritos 24 horas por dia, o homem que via espíritos desencarnados da mesma forma como os encarnados, a ponto que (assim dizia ele), não sabia quem era quem, o homem que teve o privilégio de assistir, como se tivesse em um cinema, a cenas de Roma antiga, o homem que teve o privilégio, de conhecer partes da cidade de Nosso Lar, na companhia de Emmanuel e André Luiz, o homem que recebia os carinhos da mãe desencarnada, que falava maravilhas pra ele, de como é o mundo no lado delá… por que este homem, quando estava num avião, que começou a balançar, com risco de queda, entrou em pânico, teve um “chiliquito”, se desesperou feito uma criança perdida na multidão. Por quê? Será que ele não acreditava que a “vida continua?” será que ele não acreditava que os espíritos iriam recebê-los no colo, como ele narrou em Há Dois Mil Anos, depois que os cristãos morriam heroicamente, devorados pelas feras na Roma antiga. Por que este homem não disse pra todos os presentes naquele vôo: “calma moçada, o máximo que pode nos acontecer é desencarnar, e se isto acontecer, estaremos bem, muito bem, porque eu posso garantir isto pra vocês!”.

  51. Biasetto Diz:

    Pobre Chico, pobre menino, que nunca cresceu!
    Perdeu a mãe em meio àquela pobreza, miséria. Entendo a dor dele. Ele nasceu “especial” mesmo, tinha um amor ao próximo, não suportava ver a dor dos outros, era muito disciplinado, tinha paixão pelo conhecimento. Cada pessoa que perdia um ente querido, era como se ele tivesse perdendo a mãe que tanto amava… Então, ele queria ajudar, consolar, resolver os próprios conflitos… a própria dor… a dor dos outros…
    Ele era esperto, era danado… A história do avião, ele resolveu da seguinte forma:
    - depois do ocorrido, percebeu que pegava muito mal a ele, ter feito todo aquele “escarcel’, todas aquelas “firulas” (o que seria normal pra todo mundo, dentro das circunstâncias em que vivemos), mas então, ele se mancou, percebeu que tinha dado um péssimo exemplo – aí, ele veio com a história de que Emmanuel escutou o desespero dele, entrou no avião e mandou ele calar a boca, porque se fosse morrer, que morresse com educação.
    Tem um lado neste mineirinho que eu adoro, ele era esperto pra daná!
    .
    Vítor, se exagerei nos comentários anteriores, por favor, exclua-os.
    .

  52. Rui Diz:

    Todas as pesquisas informam que o livro foi escrito em 1926, não em 1921.
    Todos podem checar essa informação com muita facilidade. O que não pode é se basear em dados incorretos para formar um pensamento, não havendo necessidade de julgar minha postura. Mesmo porque indiquei que caso não se soubesse o ano da tradução com segurança, qualquer embasamento seria leviano; fosse a pró ou contra a acusação de plágio.
    Aliás pra mim já chega, quem deseja fazer da informação da Feb a única e verdadeira, não pode ser um pesquisador, muito menos historiador, antes especulador.

    Abraços.

  53. mrh Diz:

    Puxa Bia, quisera eu acreditar, como vc, q o CX tinha algo d bom… nem isso consigo. A imagem q possuo dele é deveras muito + negativa.
    .
    Todavia, independente das convicções pessoais, o importante aqui é q fique evidenciado para todos q ‘o Nosso lar ñ é 1 texto psicografado’.
    .
    Essa é a tese.

  54. mrh Diz:

    Puxa vida, nem com o fac-símile da folha de rosto da edição americana. Inacreditável…

  55. Biasetto Diz:

    Rui,
    Você está fazendo igualzinho a outros espíritas que passaram por aqui. Pegam um “detalhezinho”, e usam este para descalssificar todo um trabalho. E, sem maiores argumentos, fogem.
    Eu não tenho motivo algum, pra querer diminuir, sacanear Chico Xavier. Acreditei nele, como médium, por 20 anos. Muito me emocionei, lendo os livros do “André Luiz”, do “Emmanuel”, mas está claro, o plágio está evidente, o que posso fazer?
    A verdade, é uma só: o Owen concluiu a obra dele, até 1920. Nosso Lar é de 1944 e Libertação, é de 1949. Então, houve mais do que tempo para que este livro tivesse chego às mãos do Chico, traduzido. É óbvio, isto!

  56. Carlos Diz:

    A Library of Congress Online possui pelo menos um volume do livro “The Life Beyond the Veil” de 1921. Para conferir é só ir no site “catalog.loc.gov” e colocar o título do livro.
    .
    Não há dúvida que o livro estava disponível em 1921.

  57. Caio Diz:

    Parabéns, Biasetto. Tá com a bola toda, hein? Hehe, convidar quem quer que seja pro debate não é pra qualquer um, rs. É isso aí, cara. Ficou mto bacana sua pesquisa.

  58. Biasetto Diz:

    Carlos,
    Obrigado pela informação. O Márcio já tinha me informado que sabia o que estava falando.
    Eu fui um tanto indelicado aqui hoje, usei de um vocabulário baixo, até me desculpem por isso. É que também recebo emails, e fiquei um tanto irritado, além da conta.
    .
    Eu respeito os espíritas, não tenho nada contra eles não. Acho que eles têm mais que continuar buscando o refúgio espiritual deles, pra mim tá tudo bem. Muitos e muitos nem vão ficar sabendo disto aqui, então, vão continuar reverenciando o Chico como o médium dos médiuns. Agora, quem vê o que está sendo mostrado aqui, deveria, no mínimo, parar pra pensar e ver que as evidências são fortes.
    Por exemplo, quando eu vi aqui, foi a 1ª vez que tomei conhecimento dos possíveis plágios, aquelas páginas de Há Dois Mil Anos e Vida de Jesus, praticamente idênticas, na hora fiquei atordoado, e pensei: “putz! como pode isso?”
    Então, a minha dificuldade em negar a mediunidade do Chico, me levou a buscar explicações do tipo: foi o espírito que “plagiou”, sei lá, ele deve ter gostado das informações, então achou legal colocar aquilo no livro, passou pro Chico. Mas eu não fiquei negando a extrema semelhança dos textos. Isto ficou muito claro pra mim.
    Eu tentei rebater as informações do JCFF, querendo afirmar que as pesquisas dele eram falhas e tudo mais. Mas hoje, vejo que ele fez pesquisas muito sérias, muito concretas. Até peço desculpas, mais um vez, por tê-lo criticado e até feito comentários levianos. Inclusive, se ele me permite, acho que ele só deve “melhorar” a apresentação das pesquisas dele, dos textos, no sentido de torná-los mais fácil de serem lidos, porque ele apresenta os textos de forma “erudita”, muito “verborrágica”, como diz o Scur, o que torna a leitura um tanto difícil ou “cansativa”.
    .
    Caio,
    Eu não me sinto o bonzão em nada, longe de mim. Mas que aceito debater com qualquer um, pra mostrar os plágios, isto eu aceito.
    Sabe Caio, se a pessoa juntar todas as peças do quebra-cabeça que se forma neste blog, nem é preciso todas, porque quando você está montando um quebra-cabeças, a figura vai se mostrando… então, é impossível a pessoa não concluir que o Chico nunca foi o médium que dizem. Mas, cada um tem o direito de acreditar no que quiser.
    Um abraço a todos!

  59. gazozzo Diz:

    Eu acompanho esse blog há mais de 2 anos, posso dizer que esse é um dos posts mais interessantes já escritos nele e que, pra mim, não deixa qualquer margem a dúvidas: tudo se trata de um grande embuste.

    Estou aqui antes, inclusive, do Biasetto; Acompanhei todos os passos dele, apesar de nunca termos conversado. Sou um stalker desse blog. Mas quero dar os parabéns pela pesquisa objetiva, fácil de assimilar, sem tecnicismos ou termos muito acadêmicos (que me afastam de alguns bons outros posts de outros personagens desse blog). Ficarei no aguardo de novas revelações!

    Abraço fraternal.

  60. Mário Jorge de Amorim Diz:

    Permitam-me, senhores, uma visão espírita humilde de minha parte. No epicentro dessa avalanche de estudos e pesquisa há a figura de Chico Xavier. Como entendê-lo? Chico era um homem. Como tal, apesar de viver em harmonia com valores e atitudes que poderiam aproximá-lo da santidade, na interpretação de muitos, permanecia homem. Com suas imperfeições, com suas paixões, com suas limitações. Até mesmo o maior dos santos, o próprio Cristo, demonstrou sua humanidade ao temer o sofrimento ao qual Ele seria entregue antes do seu martírio e posterior desencarne. Ele sabia quem era, e mesmo assim desesperou-se. Não poderia Ele pensar: “Se sou Deus, por que me desesparar?” Essa lição de humildade com certeza foi aprendida pelo velho Chico. Não, ele não era usado totalmente pelos espíritos. Este é um equívoco recorrente dos psicógrafos. A sensação é de total entrega, mas bem sabe o estudioso que o animismo permeia o trabalho do médium. O médium é um homem como outro qualquer, e seus sentidos, emoções, estados de espírito, e até mesmo suas opiniões interferem em sua comunicação com o além. É claro como cristal, mas entende-se porque os médiums não percebem isso. Eles vivem entre dois mundos, e eles se fundem num só, onde vivem, parte real, parte espiritual. Os próprios espíritos, por sua vez, são falíveis, pois são nada mais que homens também. Desencarnados, mas ainda ligados às suas vidas terrenas, aos seus defeitos e confusões. Julgam ter a força de desacreditar o espiritismo e a sua figura-mor, o humildíssimo Chico Xavier. Tentam criar pensamentos que não estão nos corações dos verdadeiros espíritas. Não desejamos que ninguém vá pros umbrais, mesmo porque cabe somente a Deus fazer tal julgamento. Acredito até ser possível que os senhores tenham uma evolução espiritual ainda mais feliz e produtiva que a da maioria dos espíritas, a época de seu desencarne. Inclusive desejo isso, pois lhes traria esclarecimento e a volta dos senhores a este mundo traria também espíritos mais fortes, mais conhecedores da verdade. Verdade essa temida por tantos, mas acolhida pelos homens de boa vontade. Nosso Lar é um relato da verdade. A verdade não pertence a esse ou àquele médium. Ela pertence à Humanidade. A revelação da verdade pode vir de inúmeras formas, através de inúmeros mensageiros. Fico feliz de ver que O Reverendo Owen se juntou ao Chico nesta jornada. Acredito que o resgate desses textos feitos pelos senhores só fará bem a todos. Quem relatou essa verdade primeiro é um preciosismo desnecessário. O mundo precisava de tais revelações, e ela vieram. A prova disso é a transformação radical vivenciada por milhões de pessoas neste Brasil amado proporcionada pela seminal obra “Nosso Lar”. Nem perto chegam outros escritos religiosos ou de “auto-ajuda”, como alguns dos senhores preferem interpretar os livros de Chico. Tentam dar importância ao que não é importante. Nenhum documento histórico, ou a ausência dele, pode explicar a mudança no coração de quem lê Emmanuel. Se foi senador ou escravo é irrelevante. Se detalhes dos escritos de Chico estavam contaminados pela sua leitura pessoal, isso também é irrelevante. Não digam apenas, acusatoriamente: “Se Chico inventou este ou aquele detalhe, então de nada valia a sua obra inteira.” Entendam o corpo de sua obra. O objetivo espiritual de transformar, de resgatar. Não um resgate mágico de um Tsunami, claramente uma ideia baseada em Kardec, mas levada ao pé da letra, como o mito de Adão e Eva da Bíblia é levado por alguns cristãos. Mas um resgate real, gradativo, transformador. A transformação não ocorre magicamente com uma simples oração de libertação. Não. Ela é conquistada, dia após dia, com muita dificuldade. Um desafio que, na maioria das vezes, se prolonga por várias vidas. Os fanáticos pelo Chico inventam mil coisas, como ele ter sido reencarnação de Allan Kardec, ou que ele passou a um estágio evolutivo de grande superioridade após seu desencarne. Tudo fanatismo. Quem sabe ele reencarnará em um ser ainda mais humilde, ainda mais desbravador, ainda mais odiado? Ninguém pode saber isso por enquanto. Não tomem aventureiros que dizem saber tudo como mensageiros da verdade. Ninguém sabe de nada, e Chico nos mostrou isso em suas mensagens. Não conseguem ver? Ele apenas amenizava o sofrimento dos outros, enquanto, ao mesmo tempo, nos dava pequenos relances da verdade. A revelação da verdade é muito gradual. Começou com Cristo, há dois mil anos, e quem sabe não levará mais dois mil, ou dois milhões, para ser totalmente entendida pelos homens? A obra de Chico nos proporciona vislumbres do que o nosso destino pode vir a ser. Não do que ele já é. O processo evolutivo é lentíssimo, e não poderia ser de outra forma, pois o mundo não está preparado para o que seria o estágio final da evolução. Nem de perto compreendemos tamanha façanha. Com pequenos vislumbres temos que nos contentar. Chico nos proporcionou um pouquinho disso. Uma quantidade infinitesimal disso. Só com humildade real podemos acatar isso e começar a compreender o que foi a pontinha do Iceberg que Kardec codificou. Deus é o mistério que une a todos. E Ele é uma grande incógnita também. O Seu silêncio em face à catástrofes é aterrador. Mas a Sua misericórdia em face aos pequenos e grandes erros que fazem do Homem o que ele é é gigante, mesmo que incompreensível. Só quem é pai pode, neste dia dos Pais, ter também um pequeno vislumbre dessa sensibilidade. Um mistério. Como o amor de um pai para seu filho. Imenso. Ilógico. Insano. Chico foi também insano, ao se aventurar a servir aos espíritos e ao imenso, ilógico e insano amor de Deus.

  61. Biasetto Diz:

    Mário Jorge,
    Gostei de muitas coisas que você disse.
    Não concordo com tudo!
    Neste exato momento, está mais do que na hora de eu ir dormir. E é o que vou fazer. Assim que puder, terei imenso prazer em comentar os teus apontamentos.
    Um abraço!
    .
    Gazozzo, obrigado por teus apontamentos. Também, terei prazer comentá-los.
    Até…

  62. Rafael Aguiar Diz:

    Biasetto, infelizmente não posso me dedicar à refutação de sua análise. Levaria tempo e atualmente estou trabalhando na minha tese de mestrado em Ecologia. Contudo, fico admirado em saber que você é simpatizante do Espiritismo, mas sempre está se convencendo cada vez mais que espíritos não existem (conforme você mesmo afirmou em resposta aos meus argumentos).

    Pelo que noto, falta senão um passo para que você torne-se não mais simpatizante com o Espiritismo.

    Desejo tudo de bom na filosofia que irás seguir em frente.

    Eu continuarei sendo espírita acreditando em sua filosofia e moral.

    Abraços e boa sorte.

  63. Carlos Diz:

    Biasetto,
    .
    Os espíritas mais atentos sabem que não há mediunidade 100% confiável e que em todos os casos o médium de alguma forma participa da mensagem. Com o Chico Xavier não foi diferente, e o estudo que você fez do Nosso Lar mostrou bem como ele foi influenciado pelo Vale Owen. Como comentou o Leonardo, logo no início dos “Comentários”, o próprio Chico reconheceu a semelhança dos seus textos com o do Owen. Inevitavelmente alguns (no caso do Chico provavelmente muitos) não vão estar de acordo com você por razões diversas. Paciência e siga em frente! Um abraço.

  64. Biasetto Diz:

    Rafael,
    Eu não disse que espíritos não existem. Até acredito que existam, e também desejo muito isto. O que eu disse, é que não existem provas e evidências suficientes, para se acreditar que os espíritos existem, se comunicam com os habitantes da Terra, passam livros e mensagens contando da vida no além. Pelo menos, os “médiuns” brasileiros não têm estas provas. E se o Chico Xavier é considerado o maior médium do espiritismo brasileiro, pra mim só me resta concluir, que não há médiuns no espiritismo brasileiro, só enganadores. Obs.: Não tenho condições (no momento) de avaliar o Divaldo Franco, então o excluo desta minha afirmação.
    .
    É Carlos, nós já conversamos bastante sobre esta questão de que o médium não consegue escrever algo 100% vindo dos espíritos. Que ele influi no resultado da psicografia. Tudo bem, eu até aceito isto, como algo lógico, não vejo problemas! Porém, no caso do Chico e, especialmente no que se refere a Nosso Lar, a questão é outra. Ele (Chico Xavier) foi totalmente influenciado pela obra do Owen, pra escrever este livro aí. A história envolve um médico desencarnado na cidade do Rio de Janeiro, mas os acontecimentos que são mencionados no livro, são cópias de uma outra história, lá da Inglaterra, mais de 50 anos anteriores. Então, não vamos misturar as coisas: André Luiz plagiou o Owen, pra contar sobre sua vida??? É forçar demais a barra!!!
    .
    Ainda vou responder ao Mário Jorge, mas agora estou só de passagem aqui. Fica pra depois!

  65. Juliano Diz:

    Grande Biasetto

    Daqui a pouco vão ser dois caras a irem no Jô. Agora tem o programa do Gentili. Numa dessas? Parabéns pela coragem.
    Outra coisa, só pra lembrar. Nenhum dito médium no Brasil se dispôs a participar de um experimento controlado. NENHUM! O Waldo poderia ser o cara a revolucionar o processo, se fosse de fato médium. Como ele alega que sai do corpo quando bem entende, um mês de experimentos no Instituto do Sono em São Paulo, e certamente muitas de nossas dúvidas seriam dirimidas, caso ele saísse do corpo como alega sair. Mas o que temos? Nada. Por fim, o “post” do medo de avião do Chico Xaiver foi ótimo, parabéns. Grande Biasa! Um abraço.

  66. Biasetto Diz:

    Olá Juliano! Satisfação em “revê-lo”.
    Quanto a esta questão de alguém aqui do blog aparecer na TV, acho pouco provável, especialmente na Rede Globo, pois esta emissora faz o papel de enaltecer e reverenciar a mediunidade de Chico Xavier, inclusive produzindo filmes e minisséries avalizando a mediunidade dele. Veja que quando o Kentaro Mori foi no programa do Jô, o assunto só girou em torno de ufologia. O Jô que não tem nada de tonto, e pesquisa muito bem sobre os entrevistados do programa, com certeza, sabia que o Mori também questionava vários médiuns e inclusive o Chico. Mas ele não tocou no assunto em nenhum momento. Talvez, ele até gostaria de assim fazer, mas por decisão da cúpula da emissora, evitou o tema.
    Quanto aos outros canais de TV, acho que poderia haver espaço na Record, por exemplo, mas aí, eu jamais me sujeitaria.
    A respeito da questão envolvendo “experimento controlado”, nem se faz preciso comentar… já sabemos o que os “médiuns” pensam e muitos seguidores da doutrina também.
    Sobre o medo do avião, quando o Chico teve um ataque parecido a uma gazela que foge do leão feroz, ontem mesmo, trocando figurinhas com um conhecido nosso, ele deu a explicação: o Chico estava encarnado, ficou com medo de morrer, quem não ficaria? Até entendo, a colocação dele, porém, pra um sujeito que dizia estar na companhia de espíritos 24 horas por dia, que escrevia livros e mais livros dizendo que há colônias espirituais belíssimas, maravilhosas… que a vida continua… e tudo mais, acho bem estranho a reação que ele manifestou, mas …
    Retorno o abraço!

  67. Biasetto Diz:

    Olá Mário Jorge,
    Eu pensei em “pontuar” o teu comentário, mas vou fazer uma análise bem geral.
    A experiência vai nos ensinando muitas coisas. Trabalho com jovens (crianças e adolescentes) – e vejo como o passar dos anos vai mudando nossa maneira de ver a vida. Somos uma pessoa, na condição de filho e na condição da plenitude da adolescência. Somos outra pessoa, na condição de pai e já na casa dos quarentão! Posso prever o que somos na condição de avós e vendo a vida se extinguir aos poucos. As dores que sentimos com as perdas que o “destino” vai nos impondo, são muito cruéis, muito difícil de “engolirmos” – vemos entes queridos e amigos, deixarem este mundo, vemos tantas tragédias acontecendo. Temos lembranças de tempos que pareciam infinitos, mas já foram e não voltam mais.
    Em meio a tudo isto, a busca espiritual surge como uma via de conforto, de esperança. Então, aparece um sujeito como Chico Xavier, dizendo que psicografa espíritos, escrevendo belos livros – penso isto sobre os romances históricos, por exemplo – e aí, a gente se vê maravilhado com tudo isto. Se não for no espiritismo, pode-se encontrar esta “paz” nas religiões, sei lá!
    Porém, NINGUÉM tem o direito de mentir, neste campo, esta é a minha opinião. E eu estou bastante convencido de que o Chico não escreveu os livros porque os espíritos passaram a ele – então, o que devo fazer? Calar-me! Calar-me porque o homem foi e ainda é um ícone do espiritismo brasileiro, um santo pra muitos.
    Eu não quero, não espero dos espíritas, que eles deixem de ser espíritas, porque estão visitando este blog, e analisando o que o Vítor Moura tem mostrado. Que continuem com a fé na espiritualidade, na existência do plano espiritual – eu ainda tenho esta fé, só que a reformulei. Então, que eles também parem pra pensar, pra ver com “outros olhos”.
    - Os livros do Chico e outros que se declaram médiuns passaram muitas mensagens positivas e esperançosas, mas
    - Os livros do Chico e outros que se declaram médiuns também passaram muitas mensagens negativas e informações não só duvidosas como também absurdas.
    Veja o que caso do André Luiz no umbral, por oito anos.
    É algo absurdo, inaceitável. Meu amigo do sul, diz que penso assim, porque como outros aqui do blog, estou querendo fugir à responsabilidade das leis de Deus. Mas eu pergunto: que leis são estas?
    Uma lei que diz que uma pessoa que teve “paixões” nesta vida, tem que ficar anos e anos sofrendo torturas, depois da morte, pra aprender e se purificar?
    Uma lei que não leva em conta que somos seres humanos, temos genética, temos sangue correndo nas veias, temos desejos?
    Uma lei que não considera que somos influenciados pelos valores culturais, pela mídia, pela sedução da sociedade de consumo?
    Não estou afirmando que devemos ser hedonistas autênticos, que temos o direito de fazermos o que bem quisermos. É claro que é razoável pensar, que devemos respeitar limites, que devemos procurar melhorar sempre nossos atos, nossas escolhas, mas nós não somos perfeitos, não somos “santos”. O que será que Deus quer de fato de nós? Se é que ele existe, se é que ele quer algo de nós.
    O que estes caras aí, na condição de “médiuns”, semelhante a muitos outros religiosos, pregadores, estão falando, foge a qualquer lógica psicanalítica, existencialista, sociológica, antropológica…
    Estão falando muita besteira no meio espírita, e os próprios espíritas deveriam ser mais críticos com relação a isto. Nem que se faça necessário derrubar a ideia da “infalibilidade da mediunidade de Chico Xavier”.
    .
    Olha, estou cansado agora, depois de dez aulas, nem consegui organizar direito as ideias.
    .
    Gilberto, apareça e complemente minhas palavras, porque estou tendo dificuldades para pensar.
    .
    Vou tomar um banho, pra relaxar e recuperar as energias.
    Um abraço a todos.

  68. Rui Diz:

    Detalhezinho, Biasetto?
    Olha, se você apontar plágio de uma obra sobre a outra, necessário é que a primeira seja de conhecimento do autor da segunda, senão não é plágio. Se não há fonte segura de que a obra anterior foi traduzida para o português antes do lançamento de Nosso Lar, qualquer teoria será especulação, não estudo, pesquisa, dados, nem fatos. A única fonte segura aponta para a terceira edição publicada em 1962. O resto é especulação.

    Ademais, porque Chico necessitaria de plagiar algo que sua mediunidade poderia fazer melhor que o Reverendo Britânico?

    Veja que não é um detalhezinho que visa “destruir todo um trabalho”, mesmo porque sou um fanático pela verdade e jamais anularia qualquer trabalho que se apóie na verdade, nua e crua. Foi escrito tal ano, tal pessoa leu, pois já existia a tradução para o português e fez toda essa tramóia sobre Nosso Lar, eis o diagnóstico que não me confundiria.

    É preciso ter cuidado ao afirmar tal ou qual, para não ser confundido com os apressados que nem prova exigem de suas pesquisas, pois estão com a mente viciada na leviandade ou fragilidade dos fatos, do dedo em riste, das provas e contraprovas que constroem e se apóiam, e que lhes bastam com certeza.
    Mas pode não bastar aos demais.

  69. Rui Diz:

    Como Espíritas sabemos que Espíritos da mesma ordem guardam as mesmas impressões do mundo invisível.

    Não é raro que um Espírito descreva o mundo espiritual da mesma forma que outro, em outro local, por outro médium. Seja no Brasil, Nepal ou Mediterrâneo.

    Aliás Cartas de Uma Morta, ditado pelo Espírito da mãe do Chico, pode ser mais plágio das mensagens do Espírito Georges nas Revistas Espíritas do que Nosso Lar. Porque ninguém fala disso?

    Aliás parece-me que muitos encarnados estão loucos para patentear o ensino dos Espíritos que, quando muitos dizem as mesmas coisas, em locais diferentes, por médiuns diferentes, em tempos diferentes, isso se consagra na única certeza que temos da verdade dos Espíritos. Isso é a concordância universal no ensino dos Espíritos, o CUEE.

    Mesmo assim o Conhecimento Espírita nos aponta que quanto mais ligado a matéria, mais o Espírito dela fala e necessita.
    De forma que a descrição de Aspriel ou André em nada condiz com a verdade do mundo espiritual sobre colônias.

    São as verdades deles, segundo a ligação que tem com a matéria.

    Não estou desencorajando trabalhos de pesquisas como o seu, amigo Biasetto; mas é preciso muito mais.
    É preciso ser preciso em todos os pontos que envolvam uma tese.
    Caso contrário será acusação sem efeito, onde a vergonha futura turvará nossos Espíritos.

    Quase certeza é pouco, como 99% é pouco para quem quer construir verdades. O silêncio pode valer mais.

    Beijo no seu coração.

    RR

  70. Biasetto Diz:

    Rui,
    Eu ia tomar banho, mas você não deixou kkk.
    Bem, primeiramente, eu não estou aqui, defendendo tese de mestrado ou doutorado pra banca examinadora da Unicamp ou da Usp…
    .
    Eu não vivo “para”, muito menos “de” pesquisar plágios em obras espíritas.
    .
    Quanto a data da publicação de A Vida Além do Véu no Brasil, o Márcio e o Carlos já mostraram aqui, que é muito anterior ao tal 1962, que você indica aí. Agora, eu disse “detalhezinho” porque está tudo exposto aí, meu amigo. Veja, leia, compare, plágio, indiscutível plágio.
    Outra coisa, você disse:
    .
    “Não é raro que um Espírito descreva o mundo espiritual da mesma forma que outro, em outro local, por outro médium. Seja no Brasil, Nepal ou Mediterrâneo.”
    .
    Tá tudo bem! Eu só quero que você me diga o seguinte:
    Quem passou Nosso Lar pro Chico, foi André Luiz, o médico desencarnado na cidade do Rio de Janeiro? Foi ou não foi?
    Então, não tem esta aí não!!! Você está misturando as coisas. Os espíritos que supostamente ditaram as obras lá na Inglaterra pro Owen, NÃO TÊM NADA A VER COM ANDRÉ LUIZ não. Ou então, aí eu te coloco em contradição: se o mesmo espírito que ditou pro Owen, A Vida Além do Véu, também ditou Nosso Lar pro Chico, André Luiz não existe e a história contada é ficção.
    Não tem como sai amigo! É FARSA!!!
    .
    Você disse:
    .
    “Aliás Cartas de Uma Morta, ditado pelo Espírito da mãe do Chico, pode ser mais plágio das mensagens do Espírito Georges nas Revistas Espíritas do que Nosso Lar. Porque ninguém fala disso?”
    .
    Você conhece este post aqui:
    http://obraspsicografadas.haaan.com/2009/chico-xavier-e-os-seres-interplanetrios-evidncias-de-plgio/
    .
    Você disse:
    .
    “Ademais, porque Chico necessitaria de plagiar algo que sua mediunidade poderia fazer melhor que o Reverendo Britânico?”
    .
    Que mediunidade, se o que homem fez foi só copiar, copiar e copiar. Você sabia que ele tinha um caderno onde ele colecionava poemas, biografias de escritores, até assinatura dos mesmos?
    .

  71. Biasetto Diz:

    Rui, você conhece isto aqui também?
    .
    http://obraspsicografadas.haaan.com/2007/livro-cartas-de-uma-morta-1935-de-chico-xavier/
    .

  72. Juliano Diz:

    Rui

    Saindo em defesa do meu amigo Biasetto. Infelizmente, nós aqui não temos condições de tempo e financeiras para fazermos pesquisas com o grau de precisão que você coloca e que gostaríamos. Porém, não é possível se esconder das evidências, digo mais, das muitas e claras evidências, que a história real de Chico Xavier, Waldo Vieira e Cia., distam e muito da história oficial narrada destes personagens no universo espírita. E isto não é fanatismo, ou tentativa de macular a imagem destas pessoas e da religião espírita, repito, são fatos e muitas e muitas evidências. Aqui no blog há extenso material de já alguns anos, que em conjunto dão uma visão da ausência de mediunidade de CX, WV e cia. Na verdade o que há e houve, foi e é uma briga de egos infantis querendo ser mais paranormal que o vizinho. Basta pesquisar. Outro ponto a salientar é falar em precisão de pesquisa de um movimento que tem como maior característica não apresentar precisão alguma nas suas pretensas pesquisas. No espiritismo é um diz que diz sem tamanho. Repito, conheço “on line” já a algum tempo o Biasetto. Se tem pessoa bem intencionada está ali. E a pesquisa dele tem sim fortes evidências, que cabem ao movimento espírita contrapor, o que eu acho difícil. O que sempre vem são apenas críticas virulentas e pontuais, muitas questionando a personalidade do pesquisador, e só.

  73. Rafael Maia Diz:

    Isso aqui esta uma verdadeira terceira guerra mundial.
    Sugestao, nao adianta ficarem brigando.

    Biasetto vc nao vai ouvir dos espiritas nunca o que vc deseja, que é: vc esta certo biasetto, o espiritismo esta errado é tudo mentira. Nao adianta, por mais que esse seja seu desejo.

    Espiritas: nao adianta, vcs não vão comprovar o contrario, que na historia de chico esta cheio de “furos” e “erros” que nao são dignos de um santo como o “santo” chico chavier que todos pensam ser.

    Apesar de tudo, ainda acho que chico possa ser um medium

  74. Rafael Maia Diz:

    Gilberto, respondido denovo

  75. Biasetto Diz:

    Juliano,
    Agradeço tuas considerações.
    Retorno a você o mesmo apreço!
    Também faço das tuas minhas palavras: pudesse eu ter tempo e recursos financeiros, faria uma pesquisa muito mais detalhada. Mas não é o caso. E não faria isto pra destruir o espiritismo ou as pessoas, mas apenas em busca da verdade, que pode até ser uma ilusão, mas é uma busca, da qual eu não abra mão.
    Não vou sair por aí, com cartazes na mão, dizendo que Chico Xavier e cia. não passam de uma farsa. Eu escrevo aqui, um blog que se propõe a este tipo de análise, de debate. Tenho espíritas em minha família. Não falei pra nenhum deles, sobre o que tenho pesquisado e descoberto. Se um deles me der abertura, posso até fazer algum comentário, mas não vou querer descaracterizar a crença desta pessoa.
    Se me convidarem a expor minhas ideias, como o convite que recebi do Márcio, lá no grupo que eles criaram, exatamente pra discutir o espiritismo, eu vou, porque o propósito deles é este mesmo. Fora isto, predtendo ficar na minha. É isto!

  76. Biasetto Diz:

    Olá Rafael Maia,
    Amigo de grupo, apesar de ter declarado abandonar o barco! Haha!
    Ninguém está brigando aqui. Estamos apenas expondo nossas ideias e conhecimentos.
    Você disse que ainda acredita na mediunidade do Chico. Pode explicar isto?
    Um abraço!

  77. Juliano Diz:

    Fala Biasetto

    Segue uma reportagem interessante, falta uma parte, no youtube vocês irão assistir a reportagem toda, vale a pena, para quem não conhece. Rafael, é bom que se deixe claro que o Vitor, o Biasa e eu acreditamos na continuidade do espírito após a morte. E vou mais longe, se tem um blog com um bom material reunido de evidências concretas da manutenção do espírito após a morte do corpo físico, tal material está aqui. Então, não divergimos tando assim, pelo contrário. Agora que o CX e cia. espírita, são carecedores de evidências suas pseudo-psicografias, não tenho dúvidas, mas posso estar errado. Cabe apenas a nós pesquisar e pesquisar. É isto.

    http://www.youtube.com/watch?v=peb5JSbjTts
    http://www.youtube.com/watch?v=PNIbvItdjws

  78. Biasetto Diz:

    Juliano,
    Entrei aqui, agora, 24:20 hrs, só pra dar uma olhadinha, costumeira. Acessei os vídeos que você sugeriu e me interessei muito, mas como são um tanto longos, vou deixar pra vê-los “amanhã”…
    .
    Quero fazer uma retificação: quando afirmei que os médiuns brasileiros não merecem crédito, generalizei. Afirmei que não tenho como avaliar o Divaldo, porque não conheço a obra dele, até já li uns dois ou três livros, mas nem me lembro quais. Também quero dizer, que o Celso Almeida, não posso afirmar nada a respeito, no sentido de criticá-lo, até porque o Leo tem uma ótima impressão dele. Há outros, também, com certeza. Os médiuns que falei que não são confiáveis, vou citá-los no meu artigo, e indicar os motivos.
    Agora, vou dormir… boa-noite a todos!

  79. Mário Jorge de Amorim Diz:

    Meus caros, ninguém precisa estar convencido da mediunidade de Chico Xavier. A palavra “médium” não significa nada, uma vez que todos somos médiums também, como bem diz a doutrina espírita. Mencionar a mediunidade é como mencionar “neurônios”. Não é necessário, é reduntante e óbvio. Dizer que Chico era médium é como mencionar que ele possuia uma perna. Não precisamos debater a existência ou não da perna de Chico Xavier. Ele caminhava, logo possuia pernas. Ele vivia, logo ele era um médium. Todos nós, em maior ou menor escala, somos detentores do “dom” da mediunidade. Como somos detentores do “dom” de possuirmos neurônios. Um capricho de Deus à Sua maior criação. Podemos sim debater se a mediunidade de Chico era perfeita ou não. Acredito que era imperfeita. Ele sempre se disse humildemente imperfeito, logo ele não mentiu para ninguém. Nunca em sua longa e caridosa vida Chico se disse perfeito e imune a erros. Pelo contrário, ele sempre, em quase todas as ocasiões, se dizia desmerecedor das graças de Deus por razão de suas inúmeras imperfeições. Imperfeições físicas, comportamentais, emocionais, e até mesmo mediúnicas, acredito eu. Isso pelo simples fato de ser a mediunidade uma característica humana normal, por isso, passível de imperfeições. Sua habilidade rara a nós era a psicografia. Um tipo de mediunidade difícil, muito ruidosa, muito propensa ao erro. O médium de psicografia, muitas vezes, escreve 99% de opiniões próprias e 1% de comunicação com espíritos. Não é tão fácil assim se comunicar com o “lado de lá”, como alguns pensam. Mesmo muitos espíritas acreditam nisso. É uma coisa raríssima de acontecer, e quando acontece nem certeza podemos ter. Acredito que nem Chico sabia o quanto de contato com espíritos ele tinha e o quanto muito do que ele psicografava estava por ali mesmo: em seu pensamento e na miscelânea emocional dos pensamentos das pessoas à sua volta. Difícil para qualquer um passar por uma sessão como as dele sem sair desgastado com toda a tensão, medo, ansiedade, saudade, amor e aflição das pessoas presentes. Imagino então como seria para o próprio Chico. Mas a prova de que alguma qualidade deve ser dada às suas psicografias está no resultado das sessões. Mensagens de amor, fé e esperança. Revelações não bombásticas, mas simples, direcionadas apenas aos parentes que se encontravam ali para serem acalentados. Nada de tirar o fôlego para o mundo. Mas coisinhas importantes para aliviar almas atormentadas. Libertação de medos e de anos de choro silencioso durante longas noites de solidão. Saudades aplacadas e almas salvas com frases simples e delicadas: “Mãezinha, estou bem,” “Papai, te amo,” “Estarei sempre com vocês. Sempre”
    …………
    O início da carreira de Chico aconteceu num turbilhão de mensagens, que se confundiam certamente com problemas mentais, pois o preço para a sua mente viver entre dois mundos foi alto. Chico se livrou de ser internado para sempre num sanatório. Um caso raro. Chico usava de todas as suas forças para não enlouquecer, mas as próprias escrituras dizem que o que é loucura para os homens é sanidade para Deus. Seus primeiros trabalhos foram tão confusos que ele mesmo os destruiu. Se os lêssemos acho que veríamos o trabalho de um cérebro anormal. Ele levou anos para se controlar e se descobrir. Seus primeiros trabalhos são os mais criticados neste blog. Fala-se muito dos primeiros livros de Xavier. Acredito que esses livros estavam altamente contaminados pela mente “sã” de Chico. Pelos livros que ele leu, pelas impressões e informações pessoais dele. Há momentos de genialidade e de revelação, e por isso esses livros mexeram tanto com o povo brasileiro. Mas há momentos tolos e cheios de pretensões científicas. Acho que Chico gostaria de ser historiador ou cientista se tivesse tido mais oportunidades. Ele lia tais livros, bem como livros da doutrina espírita. Além de Owen, muitos outros serão “descobertos” pelos senhores, se derem ao trabalho de pesquisarem com a já demonstrada diligência que possuem. Emmanuel, ou qualquer que tenha sido o nome, ou nomes, do espírito, ou espíritos, que se comunicavam com Chico, estava lá. Revelações foram feitas. Outras foram reforçadas. Por vezes Chico até contrariava algumas coisas da doutrina. Contrariava ou aperfeiçoava? Depende do ponto de vista. Com os anos o próprio Emannuel pediu que Chico se dedicasse às psicografias com o intuito de fazer a caridade. Ele nasceu pra isso. Emmanuel sabia disso. O Brasil sabe disso. Por isso nada que contestem do Chico fará muita diferença. Mas não se trata de fanatismo, apenas do que realmente importava e importa àqueles que frequentam centros espíritas: acharem um sentido maior às suas vidas. Terem certeza de que não estamos aqui por acidente. De que não morremos em vão. De que há mais que uma esperança, mas uma certeza de que a vida continua. De que o amor continua. De que o homem “é”, e não “foi”. De que, apesar de todas as imperfeições, ainda somos capazes da superação, da evolução, e da imortalidade do AMOR, por falta de um termo mais correto e científico.

  80. Leonardo Diz:

    Vitor,
    .
    Pensei que havia outra referência, mas, na verdade, é apenas a nota da editora, ao final:
    .
    “Vale OWEN, Ver. G. – Vigário de Oxford, Lancashire, Inglaterra, médium que recebeu uma série de livros semelhantes aos de André Luiz”.
    .
    Com isto, já não tenho a menor dúvida de que este material era conhecido no meio espírita e que já se estabelecia o comparativo.
    .

  81. MATUSALÉM Diz:

    Senhores deste blob. Quero apenas dizer que, na caso de mediunidade, o que há semelhanças em mensagens de locais, aspectos etc não significa que seja plágios! Portanto este não é um bom argumento dos contraditores do Chico.

  82. Biasetto Diz:

    Parabéns aos defensores de Chico Xavier, da “mediunidade” dele, vocês estão sendo bastante criativos, autênticos fanáticos! Aguardem o próximo artigo, estejam sentados, para que o tombo não seja tão grave.
    Caro Mário Jorge, chega a ser “comovente” a tua tentativa em explicar “as falhas” da “mediunidade” de Chico Xavier.
    - o peixe morre pela boca!
    .
    FOI ELE, O PRÓPRIO CHICO XAVIER QUEM DISSE, QUE T.U.D.O QUE ELE ESCREVEU VEIO DO PLANO ESPIRITUAL, T.U.D.O.!!!
    FOI ELE, O PRÓPRIO CHICO XAVIER QUEM DISSE, QUE ANDRÉ LUIZ DITOU OS LIVROS PRA ELE.
    .
    Matusalém:
    “O plágio é o ato de assinar ou apresentar uma obra intelectual de qualquer natureza (texto, música, obra pictórica, fotografia, obra audiovisual, etc) contendo partes de uma obra que pertença a outra pessoa sem colocar os créditos para o autor original. No ato de plágio, o plagiador apropria-se indevidamente da obra intelectual de outra pessoa, assumindo a autoria da mesma.
    Plágio não é a mesma coisa que paródia. Na paródia, há uma intenção clara de homenagem, crítica ou de sátira, não existe a intenção de enganar o leitor ou o espectador quanto à identidade do autor da obra.
    Para evitar acusação de plágio quando se utilizar parte de uma obra intelectual na criação de uma nova obra, recomenda-se colocar sempre créditos completos para o autor, seguindo as normas da ABNT, especialmente no caso de trabalhos acadêmicos onde normalmente se utiliza a citação bibliográfica.”
    Adaptado de:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Pl%C3%A1gio

  83. Carlos Diz:

    Mário Jorge,
    .
    Parabéns pelo toque “poético” que podemos encontrar nos seus comentários. Contudo, em que pese as frases de efeito e exortações ao amor (sempre bem vindas, diga-se de passagem), creio que seu modo de entender a mediunidade, em particular a do Chico, ficaram claras para todos. Releve, portanto, o meu estilo mais “rude” e direto.
    .
    Suas palavras:
    .
    “Seus primeiros trabalhos são os mais criticados neste blog. Fala-se muito dos primeiros livros de Xavier. Acredito que esses livros estavam altamente contaminados pela mente “sã” de Chico”.
    .
    O Sr. poderia ser mais preciso? Quais seriam esses livros? No seu modo de entender, Nosso Lar, ainda seria da fase “contaminada”?

  84. Juliano Diz:

    Biasetto, Vitor e Cia.

    Para quem não viu ainda segue um vídeo imperdível. O Caso Pam. O depoimento do neurologista é algo a ser levado em consideração.

    http://www.youtube.com/watch?v=VVfcP41sjfw

  85. MATUSALÉM Diz:

    Parece que você não me entendeu Biasetto, eu realmente falei que na mediunidade, fica difícil para você afirmar que é plágio. Pois mensagens de pontos diferentes e diferentes médiuns, podem apresentar fatos e situações semelhantes!

  86. Eduardo José Biasetto Diz:

    Juliano, muito interessante o vídeo. Fatos como estes, que nos fazem pensar que realmente possa existir “algo mais”.
    Um abraço!
    .
    Matusalém, fatos e situações semelhantes, são bem diferentes, do que histórias com roteiros e detalhes, praticamente idênticos, inclusive sequências de frases, palavras…
    .
    Como professor, por exemplo, eu sei muito bem quando um aluno “colou” algo de outro. Apesar de que hoje em dia, a “tradicional prova”, praticamente já existe mais nas escolas.
    .
    Plágio é plágio, dá pra identificar, facilmente!
    Um abraço!

  87. Eduardo José Biasetto Diz:

    * já NÃO existe mais…

  88. Eduardo José Biasetto Diz:

    Ah! só uma curiosidade, quando eu digito no computador de meus filhos, sai o “Eduardo José Biasetto”, esqueço-me de que tenho usado o “Biasetto”, apenas. Também, isto é de uma importância…
    Tchau, vou dormir.
    Boa-noite a todos.

  89. C. L. Barcellos Diz:

    “Sócrates é meu amigo, mas, sou mais amigo da Verdade”, Aristótels.
    ……………………
    Minha preocupação, como gaúcho, é se tem, alem da “sopinha”, chimarrão, na Colonia que, dizem, está estacionada sobre meu Estado, RS.
    Quanto a se tem churrasco, não me preocupo, pois, há cinco anos, passei para a dieta Ovo-lacto-Vegetarianana.
    Quanto ao tal de “Umbral”: Vade Retro !!!
    Tais obras, como o “Nosso Lar”, as coloco em quarentena.
    Vale conferir: Questões 246 e 247 de “O Livro dos Mediuns”, de Allan Kardec.
    Fraternalmente,
    C. L. Barcellos
    ********************************

  90. Rafael Maia Diz:

    Bisasetto acho que o chico e verdadeiro por causa do capitalismo norte americano que tenta esconder a verdade sobre ele. Eles querem que chico pareca mentiroso para o povao nao descobrir que realmente existe vida apos a morte.
    A sociologia tb influencia nisso, porque talvez seja reflexo dos movimentos sociais que querem sair do dominio capitalista.

    :) Brincadeiras a parte(nao sei como alguem pode acreditar nisso!) digo o seguinte,

    No mundo juridico, existente dentro dos tribunais, a ideia de que a pessoa e considerada inocente ate a sentenca criminal transitada em julgada.
    Caso essa pessoa seja considerada culpada por qualquer crime, ela pagara por esse crime atraves de uma pena fixada pelo juiz.

    Mas em nenhum pais democratico, a pena fixada nesse caso ira alem da que o juiz fixou.

    Por exemplo, o juiz fixa uma pena de 2 anos de prisao para um furto praticado por uma pessoa que roubou uma loja.
    E um direito do condenado SOMENTE E SOMENTE MESMO cumprir essa pena por esse crime. Nao poderia, por exemplo, todos os seus contratos feitos em toda sua vida serem considerados invalidos por causa desse crime.
    Nao pode, por causa desse crime de furto, ele perder o direito de dirigir seu automovel.

    Tambem nao podera esse condenado perder a guarda dos seus filhos por causa desse crime.

    Tambem nao podera, devido a esse delito, ser estuprado ou torturado ate a morte.

    Isso tudo porque a pena fixada pelo juiz foi unicamente 2 anos de prisao, qualquer pena alem dessa sera uma pena ilegal.

    Esse e um principio no mundo juridico que se aplica com estrita obediencia nos tribunais.

    Quando passamos para a vida real, tal principio nao se aplica dessa forma.

    Se uma frase no seu livro e igual ao de outro livro, automaticamente todos pensam que tudo que voce escreveu em sua vida e plagio.

    Se vc for pego numa mentira, automaticamente as pessoas passam a considerar que tudo que vc fala e uma mentira. Por mais que vc SOMENTE TENHA MENTIDO sobre um determinado fato, as pessoas fazem um “esticamento” de sua conduta e comecam a considerar que tudo seu deve ser falso, mesmoo nao tendo nenhuma prova quanto a esses outros fatos que nao o fato mentiroso, no qual vc realmente mentiu.

    Essa ideia na minha opiniao se aplica ao chico. Tudo que o chico que fez sua vida nao pode ser considerado falso, somente porque ha suspeitas de que alguns eventos relacionados a ele sejam falsos.

    Chico arrebatou milhoes atras dele, nao acho que enganar milhoes de pessoas possa ser algo facil.

    Fora isso, temos dois possiveis mediuns que atestam seus poderes, celso almeida e joao de deus, diga-se de passagem que joao de deus ja e um medium de renome internacional, apesar deu ter ainda muitas duvidas em relacao aos dois.

    Fora isso, tenho o depoimento de um de um ex cetico a favor de chico, o que escreveu o livro sobre ele.

    E por fim, como ja mencionado aqui por nosso colega, e normal esperar alguns detalhes iguais entre os livros de chico e de owen devido aos dois serem mediuns descrevendo o mesmo mundo espiritual, se nos fomos considrar owen como medium

    Sobre o grupo biasetto, to tirando ferias de la. Nao adianta ficar num local que vc nao se sente bem

  91. Rafael Maia Diz:

    Alem disso, com base no que vc colocou nesse texto aqui, nao achei uma similitude ou igualdade enorme entre os textos de chico e de owen, ainda mais considerando que ambos descrevem o mesmo mundo espiritual

  92. Rafael Maia Diz:

    Um detalhe: nao sou espiritas e nao acredito em nada do allan kardec.

    Ha muitas evidencias a favor de chico, mas nao ha nenhuma evidencia a favor de allan kardec

  93. Biasetto Diz:

    Rafael, você anda estudando mesmo pra concurso hein?
    .
    “somente porque ha suspeitas de que alguns eventos relacionados a ele sejam falsos”
    .
    Parnaso de Além Túmulo é pastiche!
    Há Dois Mil Anos tem partes de outros dois livros.
    O número da besta, plagiou Cairbar Shutel.
    Nosso Lar e Libertação, plagiou A Vida Além do Véu.
    Materialização lá de Uberaba, é falsa.
    André Luiz e Emmanuel não existem.
    Cartas de Uma Morta é plágio de Urânia.
    Inúmeras (a maioria) das mensagens que psicografou não foram aceitas pelos parentes dos mortos, como autênticas, e Montalvão mostrou aqui, que havia um “modelo” nas cartas, indicando falta de autenticidade.
    Isto é o que eu lembrei, no momento.
    A conclusão, é com você!

  94. Rafael Maia Diz:

    vc disse: “Rafael, você anda estudando mesmo pra concurso hein?”

    O que tem haver isso com nossa discussao ?

    Biasetto, eu nao achei plagio nas citacoes que vc mencionou aqui.olhe um exemplo do que vc colocou

    Conforme descíamos, nossos olhos acostumavam-se à escuridão, e podíamos ver sobre nós, como numa noite alguém pode ver a região fora da cidade pelas chamas avermelhadas nas torres de observação. (…) Havia árvores também, algumas muito grandes, e estas com folhas nada graciosas. (…) Aqui e ali, atravessávamos cursos d’água com pouca água e cheios de pedregulho e pedras afiadas, e a água era pegajosa e fedida pelo lodo” (p. 243).

    Por sua vez, o umbral é assim descrito por André Luiz (?), em o Nosso lar:

    “A paisagem, quando não totalmente escura, parecia banhada de luz alvacenta, como que amortalhada em neblina espessa, que os raios de Sol aquecem de muito longe. (…) De quando em quando, deparavam-se-me verduras que me pareciam agrestes, em torno de humildes filetes d’água a que me atirava sequioso” (pp.17 e 23).

    Se os plagios que vc alega em todas as citacoes sao desse nivel, de similitude, NA MINHA OPINIAO, nao ha plagio aqui.

    Como mencionei antes, ainda que seja comprovado falsidade em alguns textos, isso nao significa que seja falso todas as leituras feita pelo chico em toda sua vida a milhares de pessoas.

    Para comprovar a falsidade das leituras, alguem precisaria entrevistar boa parte dessas pessoas que sofreram leitura com chico e analisar se realmente houve acerto ou nao.

    Biaseto alguns erros sao explicados pela dificuldade na comunicacao, conforme o vitor ja indicou textos a vc sobre isso e vc nao leu. Todos os mediuns erram

  95. Rafael Maia Diz:

    Se vc ler o texto que eu mencionei a vc, sobre os tribunais, percebera que um erro ou falsidade nao pode automaticamente significar quee tudo e falso ou errado porque em ciencia deve-se analisar cada fato isoladamente, ainda mais se vc tiver fazendo uma pesquisa imparcial.

  96. Rafael Maia Diz:

    Nao estou dizendo que o chico e tudo aquilo que os espiritas dizem, apenas estou dizendo que chico provavelmente e um mediun como muitos outros, mas nem de perto e um santo como muitos pensam.
    Alias chico ter indicado waldo Vieira como mae espiritual ja mostra o quanto ele nao tem nada de sento

  97. Rafael Maia Diz:

    onde se le:ele nao tem nada de sento
    leia-se:ele nao tem nada de santo

  98. Rafael Maia Diz:

    Se alguem mais quiser saber soobre minha vida, eu jogo video games nos finais de semana. E tomo cafe com leite e tapioca todos os dias as 3 horas vendoo as gostosas da area de odonto que ficam aqui na universidade :) rs

  99. Eduardo José Biasetto Diz:

    Rafael Maia,
    Eu não quis expor tua vida aqui não. Uma das vantagens de se estudar pra concursos, bons empregos púbicos, é que o sujeito é cobrado a conhecer os fundamentos do Direito, no mínimo, Direito Constitucional e Direito Administrativo, fundamentos estes, que penso que todo cidadão deveria conhecer. Foi só neste sentido que brinquei contigo, numa boa!
    Quanto a tomar leite com tapioca, não posso dizer se é bom ou ruim, porque nunca tomei, mas deve ser bom! Agora, quanto a ficar vendo as gostosas aí, que você mencionou, acho que é algo bem interessante, apesar que tenho um amigo, que me disse que este tipo de ação pode levar o cara pro umbral. Sabe onde ele aprendeu isto? Lendo os livros maravilhosos de Chico Xavier e mais uma turma de médiuns brasileiros.
    Fazer o quê? Deus é tão legal, que ele fez a mulher bonita, algumas extraordinariamente belas, mas Deus é egoísta, porque só ele quer poder olhar pra estas obras-primas. Nós não podemos, porque vamos queimar no fogo do inferno, talvez nem tanto, mas oito anos de umbral, já devem ser bem penoso hein?
    .
    Você não vê plágio, porque não quer ver. O Chico não copiava livro, como aluno cola na escola, alguns que escrevem até a palavra errada que o colega escreveu. O Chico lia obras, como A Divina Comédia, A Vida Além do Véu, os livros de Kardec, os livros de Flamarion, Gabriel Dellane, Shakespeare, Tesouros da Juventude… inúmeros autores literários, a Bíblia. Aí, ele criava histórias, a partir das leituras que fazia. Então, não é muito fácil mesmo, ver os plágios, porque alguns estão implícitos nos textos, nas histórias, nas obras.
    Mas, se você for mais atento, você vai perceber, que os “roteiros” que ele seguia, eram os mesmos das obras que ele havia lido.
    Estou preparando o artigo sobre Libertação x A Vida Além do Véu, um exemplo perfeito do que estou falando aqui.
    .
    Em A Vida Além do Véu, os espíritos que se comunicam com o Owen, supostamente espíritos, informam a ele:
    - A colônia é muito bonita;
    - O local da águas é o mais bonito;
    - As águas são usadas como remédios;
    - Há animais que prestam serviços de grande importância;
    - Há músicas, belas músicas que surgem como que do nada;

    Então, o roteiro de Nosso Lar, é exatamente o mesmo, com alguns acréscimos ou ausência de algumas informações.
    .
    Tem muitas obras do Chico que ainda não foram acusadas de plágios, simplesmente, porque ainda não foram estudadas ou ninguém encontrou o livro correlato. Mas, outros estudos virão. Provavelmente, não de minha parte, porque já pesquisei, analisei e conclui sobre o que precisava.
    .
    Sabe Rafael, criaram-se muitos mitos a respeito de Chico Xavier:
    1-) Que ele psicografava informações que ninguém nunca havia dito. MITO! Tudo que o Chico falou, menos umas besteiras que ele inventou, como “espíritos ovóides”, por exemplo, mas tudo já havia sido dito.
    2-) Que todo mundo ficava abismado com as coisas que ele escrevia. MITO! Várias pessoas questionaram a qualidade das poesias, por exemplo, especialista indicaram plágios, de 2ª linha.
    Mesmo Nosso Lar, teve pessoas que perceberam as inúmeras “semelhanças” com a Vida Além do Véu, desconfiando da psicografia dele.
    Então, o que aconteceu?
    1-) Não havia internet, os meios de comunicação eram muito mais precários. Um cara como eu, por exemplo, há 40 ou 50 anos atrás, morando numa cidade do interior, se achasse os tais plágios, não teria com quem discutir o assunto, expor isto, como é feito aqui. Provavelmente, desistiria e acharia que era só suspeita, algo assim.
    2-) O mito Chico Xavier foi crescendo, os livros foram vendendo, cada vez mais, então, era melhor deixar a coisa rolar, havia, como ainda há, muitos interesses nisto, meu amigo. O que você acha de um escritor que já vendeu mais de 40 milhões de livros? O que você acha de uma obra ( Nosso Lar) que já vendeu 3,5 milhões de exemplares, já virou filme, novela, deve virar seriado. O que você acha disso?
    Vá nas livrarias, as grandes livrarias, e veja a enorme quantidade de livros espiritas ou espiritualistas (muitos extremamente sensacionalistas), que existem nas prateleiras. Pergunte ao vendedor quantos livros de ciências, as pessoas compram por dia naquela loja, e quantos espíritas/esotéricos/espiritualistas/ufologia. Pergunte?
    Oras, meu amigo Rafael, pare pra pensar.
    O plágio está estampado, SÓ NÃO VÊ QUEM NÃO QUER!!!
    .
    Lembrando de mais um aspecto: Eu pensava, na minha ingenuidade, que os livros que o Chico escrevia (vindos do além!) – ele chegava lá na editora e dizia: está aqui, publiquem. Mas, o Marcos Arduin, me mostrou que a coisa não era assim não! A FEB mexia nas obras, às vezes, engavetava-as, pra lançá-las no momento mais propício.
    A coisa é bem mais séria do que pensamos.

  100. Eduardo José Biasetto Diz:

    Você disse:
    .
    “Se vc ler o texto que eu mencionei a vc, sobre os tribunais, perceberá que um erro ou falsidade não pode automaticamente significar que tudo é falso ou errado porque em ciência deve-se analisar cada fato isoladamente, ainda mais se vc tiver fazendo uma pesquisa imparcial.”
    .
    Eu te digo, que minha pesquisa é imparcial, porque eu já disse aqui, que de todas as religiões que tive alguma forma de contato, ou vim a saber de seus fundamentos, nenhuma delas, me atraiu mais do que o espiritismo. Além disso, acreditei, de 1992 a 2010, na mediunidade e psicografia do Chico. Veja os meus comentários iniciais aqui no blog (que vergonha, quanta besteira falei!!!, Vítor: apaga, por favor rsrs…) defendendo o Chico, a mediunidade dele, achando explicações aqui e ali, pra contrariar as indicações de plágios.
    Agora, Rafael, não vamos misturar Código Civil, Código Penal, Direito Constitucional com o que estamos discutindo aqui. A lei é seletiva, porque todos os seres humanos são passíveis de erro; a lei é relativista, porque os erros podem ser cometidos em circunstâncias de agravante ou atenuante. A lei também é interpretativa, porque, as motivações e circunstâncias do crime podem variar em gênero, número e grau.
    A questão aqui é outra. Vou lembrar, mais uma vez: CHICO XAVIER AFIRMOU, CATEGORICAMENTE, QUE RECEBEU TODOS OS LIVROS DO PLANO ESPIRITUAL. ELE NUNCA ADMITIU QUE LIA, ESTUDAVA E INFLUÍA NA ELABORAÇÃO DAS OBRAS (isto também responde ao Mario Jorge).
    Então, Rafael, baseando-se no que o PRÓPRIO CHICO XAVIER PASSOU A VIDA AFIRMANDO, se nós temos motivos (eu tenho) mais do que reais, pra afirmar que diversos livros dele são plágios, incluindo “Há Dois Mil Anos” e “Nosso Lar” (os dois mais significativos), nesta lista, por uma questão de RACIOCÍNIO LÓGICO, só nós resta pensar (pelo menos, a mim) que os demais livros devem ter a mesma origem.

  101. Vitor Diz:

    Não resisti. A Susan Boyle brasileira:

    http://www.youtube.com/watch?v=ERd9IUwqj2w

  102. Juliano Diz:

    Vitor

    rsrsrsrsrsrs Como diz um narrador de futebol do Sportv, Meuuuuuuuuu Deus!!! Muito bom o vídeo. rsrsrs

  103. Biasetto Diz:

    Sensacional! Vou pôr no face, vou enviar pra um monte de amigos.
    Valeu!!!

  104. Vitor Diz:

    Biasetto,
    quem tem amigos como vc, não precisa de inimigos :)

  105. Biasetto Diz:

    Tem mais vídeos dela, lá… Que show!

  106. Gilberto Diz:

    100.000 PESSOAS JÁ VIRAM OS CLIPES DELA? DISCO DE OURO, GENTE!!!!

  107. Carlos Diz:

    Melô da bala perdida!!!

  108. Carlos Diz:

    Biasetto,
    .
    Minha opinião sobre se Chico plagiava ou não tem sido semelhante ao do Rafael. Porém não há como deixar de refletir sobre sua análise… muito boa, por sinal.

  109. Rafael Maia Diz:

    Nao é leite com tapioca é café com leite e tapioca.

    Quanto a vida pessoal, bom fiquei traumatizado porque em outro forum que participei um membro começou sem qualquer razão a tecer criticas a minha vida pessoal, sem eu ter feito a ele ou qualquer um ter perguntado, sobre qualquer coisa que dizia respeito a minha vida. Depois dessa, sempre que alguem fizer referencia a vida pessoal de outro, eu deixo de responder, pois acredito que a vida de cada um aqui diz respeito somente a ele e mais a ninguem.

    Biasetto ele disse que recebia do mundo espiritual sim as informações, mas ele tb afirmou que sua mediunidade nao era 100% perfeita. Ele tb disse que nao era o melhor medium do mundo. Muito pelo contrario eu vi ele dizendo que nunca foi um grande medium, que havia outros melhores que ele.

    Se vc ler as pesquisas sobre mediunidade vera que o pensamento do medium e de pessoas envolta dele influencia no que ele fala e no que ele escreve. Isso nao significa que exista plagio, mas sim falha de conexação com os espiritos. Chico fazia seu trabalho ao lado de 20 ou 30 pessoas ao mesmo tempo. Fazia o trabalho o dia inteiro, cansado, o que sem sombra de duvida tinha boas chances de influenciar nas suas psicografias. Se ele, por causa de alguns dos seus livros que lia, aparece nos seus livros que ele psicografou textos iguais ou semelhantes é muito normal pensar que isso era influencia externa que inicidia na sua mediunidade, talvez o titio waldo viera tivesse passando no momento que ele escrevia e o chico captou o pensamento dele. :)

    Há muitas provas a favor a chico, como ja mencionei.
    Me recordo do vitor ter feito uma pesquisa de assinatura das psicografia do chico, me lembro dele ter encontrado 10% ou 20 % de igualdade, entao como vc explica alguem fazer copia identica de 10% ou 20% de assinaturas ? Vc acha que isso é sorte ? Claro que nao.

    Nao ha provas de que chico sabia o que ocorria em uberaba.

    O que vc chama de plagio, na minha visão nao são plagios, vi muitos textos que eventualmente uma palavra ou outra são iguais, mas a idéia em si muitas vezes nao sao ou quando são é porque estamos diante de 2 mediuns fazendo a mesma descrição de um “suposto mundo espiritual”.

    Enfim, o que se tem de provas contrarias a chico são apenas: vida em marte que nao existe, mas pode existir. Depoimento de waldo contra, mas que é duvidoso. Depoimento do sobrinho contra, que foi internado e era um alcoolotra. Eventualmente algumas frases ou palavras iguais em um texto ou outro.

    Se for pôr na balança, vence a mediunidade de chico que há mais provas a favor do que contra, na minha opiniao.

    Pense da seguinte forma: se eu esolvesse me passar por um medium, eu no começo conseguiria enganar pessoas proximas de mim porque faria leituras de pessoas que tenho chances de obter informações, logo uns 3 ou 4 acreditariam em mim. Com a ajuda de tecnologia, poderia obter informações e enganar mais umas 7 ou 9 pessoas vendo obtuarios e outras coisas mais.

    Mas logo chegaria pessoas que eu jamais conheceria, entao minhas leituras iriam ser errradas, algumas muitas vezes grotescas

    Quando passamos para tentar enganar 1000 pessoas de diferentes regiões do pais e até do estrangeiro, logo as leituras iriam se mostrar mais erradas ainda.

    Como consequencia todos iriam dizer assim: o rafael nao é medium, ele só acertou a leitura de 13 pessoas, as outras 700 e tantas ele errou e errou feio. A fama de enganador charlatão iria se espalhar e minha carreira de falso medium iria pelo cano, eu estaria ferrado.

    Agora vamos para chico, mesmo com a dificuldade de se ter uma comunicação com espiritos como se tem visto aqui nas pesquisas, milhoes de pessoas acreditaram nele, inlcusive ceticos e pessoas ricas e poderosas, artistas famosos e outros mais. Essas pessoas nao acreditaram nele por 1 mes ou uma semana nao. Elas acreditaram para além de 1 ano. Talvez uma decada inteira. Nao, talvez mais de uma decada

    Amigo, isso é mediunidade, na minha opiniao

  110. Vitor Diz:

    Rafael,
    .
    Me recordo do vitor ter feito uma pesquisa de assinatura das psicografia do chico, me lembro dele ter encontrado 10% ou 20 % de igualdade, entao como vc explica alguem fazer copia identica de 10% ou 20% de assinaturas ? Vc acha que isso é sorte ? Claro que nao.
    .
    Não fui eu quem fez isso, foi a AME no livro “A Vida Triunfa”, e não, não é sorte, é validação subjetiva. As pessoas acham que a assinatura é semelhante quando não é. Veja o caso Wilsom de Oliveira: http://obraspsicografadas.haaan.com/2011/o-caso-wilsom-de-oliveira-psicografia-de-chico-xavier/

  111. Rafael Maia Diz:

    Outra prova contra: o guia dele nao é o que diz no livro há 2.000 anos, conforme o extenso trabalho feito pelo vitor aqui e seus historiadores

  112. Biasetto Diz:

    Vítor,
    Estou tendo um pouco de dificuldade pra concluir o próximo artigo, não dificuldade de mostrar o que eu disse, mas total falta de tempo. Porém, está caminhando. Até, no máximo domingo, estará pronto, acredito!
    .
    Eu não consigo entender, como as pessoas não vêm o PLÁGIO DESCARADO, ESCANCARADO…
    .
    Meus amigos não é “plágio textual” (apesar que tem isto também, de monte) – ELE COPIOU A HISTÓRIA, a sequência dos acontecimentos. Pelo amor de Deus, vocês não vêm isto? Os capítulos dos livros, os tópicos… abram os olhos.
    .
    Outro exemplo:
    - o André Luiz está narrando Nosso Lar, explicando como a vida é numa colônia espiritual. Muitas explicações, ele também está recebendo, porque ele também está aprendendo. Então, ele vai falando das belezas do lugar, da existência de animais, de águas, de belas paisagens…
    Até que ele, depois, começa a explicar, que existe o umbral… e, ele vai mais além, agora em Libertação (o livro que estou analisando), mostrando que existem lugares piores do que o umbral – as Trevas!
    - bem, vou dizer, mais uma vez: ESTE ROTEIRO, ESTA SEQUÊNCIA DOS FATOS/ACONTECIMENTOS/INFORMAÇÕES, está presente no livro do Owen.
    Será que não conseguem ver isto como plágio, cópia ou influência, inspiração?
    Aí, agora tem quem venha com a seguinte ideia: é, o Chico, nem tudo que ele escreveu veio do plano espiritual, algumas coisas ele se deixou influenciar.
    CARACAS! o André Luiz está contando a VIDA DELE, dele, dele… deeele!!! Ele não está contando a vida dos espíritos que se comunicaram com o Owen – VEJAM BEM, A VIDA DELE (por favor).
    OS FATOS QUE APARECEM EM NOSSO LAR E LIBERTAÇÃO SÃO DOS ESPÍRITOS (?) QUE NARRARAM A VIDA ALÉM DO VÉU. Será que não conseguem ver isto???
    .
    Vítor, vou terminar este artigo e vou cair fora. Não fora totalmente de teu blog, porque vou visitá-lo e comentar o que achar conveniente, especialmente, depois que o artigo sair aqui. Mas, pra mim, chega! Não vou mais molestar o santo homem de Pedro Leopoldo, até tenho recebido emails dizendo que vou pro inferno, que sou um “bonequinho” nas tuas mãos, que “entrei nesta de gaiato”.
    Você já mostrou neste blog “TROCENTOS” exemplos de plágios, estou mostrando que os livros não são originais, são cópias… Mas NÃO ADIANTA! Pra tudo tem uma desculpa. Semelhanças de lugares, façam-me um favor, o caro copiou, modificou, se influenciou. Por que ele não disse: “EU ESCREVO SOB INSPIRAÇÃO DO PLANO ESPIRITUAL, MAS TAMBÉM LEIO E, AS MINHAS LEITURAS INFLUEM NOS LIVROS QUE ESCREVO”
    Vou trabalhar que ganho mais.
    Até…

  113. Rafael Maia Diz:

    Vitor, a analise subjetiva favorece o chico. Ha 20 ou 10 % de acerto. O beneficio da duvida deve ser usado para ambos os lados. Do mesmo jeito que os 20% de acerto podem estar errado, os 80% de erros contra tambem pode estar errados de igual forma.

    A unica analise objetiva que vi foi feita por centro espiritas e,salvo me engano, deu acerto maior que 50%.

    Moral da historia, de um jeito ou de outro qualquer possibilidade favorece o chico

    Ta certo que e um centro espirita que fez a analise objetiva. Porem, quem garante que os profissionais que fizeram foram ou nao parciais. Melhor, se o centro ou FEB tiver pago para peritos especialistas fazerem a analise e elas comprovarem a autenticidade das assinaturas, entao sera pura sorte esses +50% das assinaturas derem certo.

    Por fim, encerro com o seguinte.

    O dado mais objetivo em favor de chico que eu tenho, esse me impressionou muito, nao seii se vai impressionar vcs e o seguinte: chico chavier, lider religioso genuinamente brasileiro, morreu 10 minutos apos o brasil vencer a copa do mundo, conforme relatado no livro e filme sobre sua vida.

    Vcs sabem qual a chance de um lider religioso nacional morrer PRATICAMENTE NO MESMO MOMENTO que o pais esta num momento de extase !

    Vamos fazer uma analise superficial:

    digamos que o brasil tenha 200.000 milhoes de pessoas.
    a chance de um pais ter 1 lider religioso nacional e 1:200.000.000.

    A chance desse lider religioso morrer exatamente 10 minutos apos praticamente TODA A NACAO estar em momento de extase e: 365dias= 1 ano. chances de morte reais(levando em conta uma probabilidade contraria a chico, ja que as pessoas podem morrer com idades inferiores a 60 anos) comecam a partir dos 60 anos. ele morreu com 92 anos.

    diferenca entre 60 e 92= 32 anos.

    32 anos em dias= 11.680.

    Ou seja, no periodo de risco de morte da vida de chico, o dia de sua morte deveria EXATAMMENTE coencidir com a data que o brasil foi campeao da copa do mundo.
    A chance disso e: 1: 11.680

    Fora isso, teria que, naquela epoca que ninguem sabia se o brasil seria campeao, o brasil teria que ganhar a copa.
    eliminatorias: 1:4 chances do brasil se classfiicar.
    copa do mundo: 1: 32(32 paises participam e apenas 1 e campeao)
    A chances disso ocorre em 1:4 x1:32= 1:128

    juntando tudo, ficaria assim: chances de nascer um lider religioso politico nacional 1:200.000.000 Xchances desse lider religioso politico nacional morrer exatamente no mesmo dia que o brasil e campeao 1: 11.680 X chances do brasil cconseguir ser campeao da copa 1:128

    1:128 X 1:200.000.000 X 1:11.680= 299008000000000

    Amigo, as chances do acaso disso tudo acontecer e: 299.008.000.000.000

    1 chance em 299 trilhoes

    Para vc ganhar na mega sena acumulada e uma chance em 50 milhoes e eu conheco gente que jogou A VIDA INTEIRA E NUNCA GANHOU.

    Por outro lado, lideres religiosos so tem uma chaance em milenios de acerta o dia no qual seu pais estava tendo grande alegria.

    Raras sao as nacoes que possuem mais do que 2 lideres religiosos em toda sua historia.

    Bom esta ai um dado objetivo que me chocou e me convenceu da mediunidade de chico.

  114. Rafael Maia Diz:

    onde se le: Por outro lado, lideres religiosos so tem uma chaance em milenios de acerta o dia no qual seu pais estava tendo grande alegria.
    leia-se:Por outro lado, lideres religiosos so tem uma chaance em milenios de acerta o dia em que vai morrer ser EXATAAMENTE IGUAL no qual seu pais estava tendo grande alegria, algum evento que comova TODA uma nacao.

  115. Rafael Maia Diz:

    Vale mencionar: na historia da humanidade, nunca um lider religioso morreu exatamente no mesmo dia em que TODA a nacao vivia num momento de extase

  116. Biasetto Diz:

    Pelo amor de Deus, Rafael!
    Você está querendo ensinar matemática pra nós, pra provar que Chico Xavier foi médium!
    Esta história, de que o Chico disse que morreria quando os brasileiros estivessem muito alegres, também não tem informações seguras, de que tenha sido verdade. Agora, eu te pergunto, será que o Plano Espiritual considera que ganhar uma copa do mundo, em meio a esta vergonha em que se transformou o esporte, especialmente o futebol, envolvido por todo tipo de interesses, será que o Plano Espiritual daria valor a isto?
    Será que todos os brasileiros estavam contentes naquele dia? Tem muita gente que não está nem aí pra seleção de futebol, pra copa do mundo.
    Como disse o Juliano, citando o Milton Leite: Meuuuuuuuuu Deus!!!

  117. Rafael Maia Diz:

    Claro deve ter gente que pensa que isso acontece o tempo todo. Ou entao deve ser simples coencidencia.

    Engracado essas coencidencias nao acontecem comigo, deveria na hora que eu mais precisasse de dinheiro eu ganhar na mega sena

  118. Rafael Maia Diz:

    O wikki confirma a morte do chico no dia que o brasil ganhou a copa e nao faz referencia ao livro ou biografia.Ou seja, e um dado que ele autentica como certo.
    Vc nao vai achar uma critica sequer ao fato de chico ter morrido no dia que o brasil ganhou a copa. nao vai achar nada em toda a web. O que aumenta as chances de ser verdadeiro. Ate mesmo a imprensa deu a noticia no dia, vc pode conferir na internet
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Chico_Xavier
    Biasetto, na epoca da copa o brasil tava parado, mas e claro que eu nunca quiz dizer que todos sem excecao estavam vendo a copa. Acho que vc entendeu o que eu disse.Em nenhuma nacao vc vai achar unanimidade, nem em opinioes, muito menos em gosto por esportes

    Minha namorada nnao gosta de copas, mas ela ficou satisfeita e feliz com o brasil campeao. E me lembro que as ruas estavam vazias e muita gente que nao gostava de futebol acompanhava o brasil na copa.

    Me parece que vc quer desqualificar um dado objetivo, no entanto, sem argumentos solidos para tanto.

    O brasil para quando tem copa e se emociona, isso e fato. Mas e claro que quando digo isso, nao quero dizer que criancas de 3 meses de vida assistem ou turistas que nunca teve gosto por futebol tb gosta disso.

    Bom acho que esse assunto chico chavier ja deu o que tinha que dar.

    Vou me encerrar por aqui, se aparece outras coisas interessantes eu dou uma aparecida :)

  119. Biasetto Diz:

    De acordo com o Rafael, o Plano Espiritual se organizou para que o Chico Xavier morresse no dia em que o Brasil ganharia a copa do mundo – tudo a ver, porque haveria festa por todo o país, com milhões de brasileiros às ruas, enchendo o caneco de cerveja e cachaça, fazendo arruaças, provocando acidentes, agressões – muitos não iriam trabalhar no dia seguinte. Que bonito! Belo plano do “Plano Espiritual”. Além disso, ganhar uma copa do mundo é algo muito importante mesmo, porque diminui a miséria, a pobreza do povo, a corrupção dos governantes, melhora a qualidade de ensino, diminui as diferenças socioeconômicas.
    E aí, que Chico Xavier era líder religioso? Silas Malafaia também, Edir Macedo… o papa Bento…
    Rafael, acho melhor você dar uma “desaparecida” mesmo.

  120. Biasetto Diz:

    Vítor, o Carlos e, especialmente o Rafael, ressuscitaram a UNIVERSALIZAÇÃO DAS IDEIAS – liberou geral, podem plagiar à vontade.

  121. gazozzo Diz:

    Biasetto, parabéns pela paciência e pela clareza nos argumentos. Mais uma vez, show de lógica e sensatez, meu caro.

  122. Biasetto Diz:

    Gazozzo, obrigado pelas considerações! Eu tenho tentado, ser coerente e racional.
    Eu tinha admiração por caras como Galileu, Copérnico, da Vinci, Miguel de Servet (este morreu na fogueira da inquisição), Kepler… Agora, eu AMO ESTES CARAS. Imagino o que eles passaram, por questionarem dogmas e crenças tolas, quando começaram a mostrar que os “ensinamentos” eram equivocados.
    Na minha modesta condição de aprendiz de pesqusiador, em pleno século XXI, estou sendo criticado por alguns, de forma leviana e tosca. Como se eu tivesse o propósito de avacalhar com as crenças dos outros, simplesmente porque quisesse ridicularizar com elas.
    Eu não tenho nada contra quem acredita nisso ou aquilo, só não vou ficar aceitando pseudo-ciências e fraudes fajutas, em nome de “mensagens bonitinhas” ou de “lideranças religiosas”. Pra mim, religiões institucionalizadas, hierarquizadas e dogmáticas, só trouxeram prejuízos à humanidade. Se, por um lado, às vezes, fizeram algumas coisas boas; por outro, causaram um grande mal. O pior, é que nesta balança, o lado das bobagens, dos prejuízos, pesa muito mais!!!
    Um abraço!

  123. Carlos Diz:

    Biasetto,
    .
    Não é bem assim… Algumas mensagens do Chico são de fato plágio, como a do “Cavaleiro D’Arsonval” publicada no blog e discutida aqui. O Chico, quando questionado sobre tal mensagem saiu com uma desculpa esfarrapada do tipo “é a universalização do ensino dos espíritos”. Essa mensagem foi suficiente para mostrar que, pelo menos para mim, ele não foi um médium confiável (se é que existe algum) que os espíritas dizem ter sido.
    .
    No caso específico de Nosso Lar, o seu estudo mostra de forma inquestionável a influência de um (Vale Owen) sobre o outro (Chico). Por outro lado, não posso deixar de reconhecer que o espiritismo sempre disse que o fenômeno mediúnico terá sempre uma maior ou menor contribuição intelectual do médium. No caso específico de Nosso Lar me parece evidente que o Chico conhecia Vida Além do Véu e tirou desse livro elementos para elaborar Nosso Lar. Não considero, no entanto, que Nosso Lar seja rigorosamente um plágio visto que, diferentemente da mensagem do “Cavaleiro D’Arsonval”, há elementos lá que são originais podendo corresponder, em tese, a uma contribuição espiritual genuína.
    .
    Biasetto, trabalho na área acadêmica e frequentemente sou convidado para avaliar trabalhos técnicos. É muito frequente e comum encontrar várias semelhanças entre trabalhos de autores diferentes que abordam problemas parecidos e usam a mesma metodologia. Porém, mesmo nesse caso, é possível enxergar a contribuição original do autor e avaliar se o trabalho merece ser publicado ou não. Outras vezes plágios são efetivamente detectados e, acredite, quando comprovados eles tem sido punidos severamente (mesmo no Brasil!). No caso de Nosso Lar posso não considerá-lo propriamente um plágio, mas se me fosse dado o poder de decidir se ele seria publicado ou não, eu provavelmente diria “não sem antes incluir no texto as referências devidas ao trabalho original de Owen”. Talvez assim o leitor pudesse julgar melhor o conteúdo da obra.

  124. Biasetto Diz:

    Olá Carlos!
    Veja a diferença que existe entre você avaliar trabalhos técnicos “terrenos” e um livro ou vários livros ditos psicografados.
    Se houve influência, que seja uma influência qualquer, do livro de Owen sobre Nosso Lar – está tudo perdido, comprometido. Vou explicar:
    - não está tudo comprometido, no sentido de que possam existir cidades ou colônias espirituais, de que possa existir o umbral e outras informações constantes no livro, sobre como é a vida lá.
    - mas está tudo comprometido, no sentido de que André Luiz não seja real (o médico carioca, desencarnado da forma que é citado…) – Então, teríamos que admitir, que Chico passou uma história, com ajuda do plano espiritual (pode ser, já falei muito isto aqui), mas criando coisas, então a mediunidade não é autêntica (no sentido que sempre foi dito), e as coisas que ele escreveu, ainda que tenha muitas verdades, é ficção.
    .
    Olha Carlos, eu falei isto aí, pra ser legal sabe?
    Porque pra mim, o Chico nunca foi médium, e o que ele fez, inúmeros outros escritores já fizeram, sem nada de mediunidade. A obra do Chico é boa? Talvez, em termos gerais, até seja, razoável.
    E o que você me diz de William Shakespeare?
    E o que você me diz de Alexandre Dumas?
    E o que você me diz de Júlio Verne?
    E o que você me diz de José de Alencar?
    E o que você me diz de Machado de Assis?
    E o que você me diz de Isaac Azimov?
    E o que você me diz de Carl Sagan?
    E o que você me diz de Jean Jacques Rousseau?
    E o que você me diz de Max Weber?
    E o que você me diz de Immanuel Kant?

    Não há nada de tão extraordinário nos livros de Xavier. Ele era um cara com talento pra escrever, que se disciplinou a estudar obras e autores, só isto!
    Esta é a verdade, paremos de brincar e achar explicações, que não se sustentam.

  125. Carlos Diz:

    Você disse: “Veja a diferença que existe entre você avaliar trabalhos técnicos “terrenos” e um livro ou vários livros ditos psicografados.”
    .
    Há uma diferença enorme. Uma obra psicografada é antes de mais nada um trabalho de intuição. Não há como saber se uma colónia espiritual, umbral, etc, é uma realidade ou não. O que resta aqui são as experiências pessoais do leitor que pode aceitar ou rejeitar essas “revelações”.
    .
    Você disse: “… então a mediunidade não é autêntica (no sentido que sempre foi dito), e as coisas que ele escreveu, ainda que tenha muitas verdades, é ficção”.
    .
    Você tem toda razão. Ainda mais quando, como você demostrou no seu estudo, ficamos sabendo que a estrutura redacional de Nosso Lar é baseada em Vida Além do Véu. O que é indesculpável no caso é a publicação de Nosso Lar sem dar os devidos créditos a Vale Owen, deixando ao leitor a impressão que Nosso Lar é uma obra original (quando não é). Aqui reside talvez a pior punição que se pode dar um médium: o descrédito.
    .
    É isso Biasetto. Um abraço.

  126. Edson F. Diz:

    Faz tempo que leio este blog. Resolvi comentar hoje, mas sabe, não tenho palavras a altura dos debatedores aqui. Há muito procuro uma resposta sobre as possibilidades do espiritismo-chiquismo serem uma farsa. Estou muito atento ao que se diz aqui. A busca pela verdade é o que interessa. Sem mais para o momento e estou assombrado pelas verdades aqui ditas. Um verdadeiro CHUTE NA CANELA.

  127. gazozzo Diz:

    Biasetto, vou ter que dar o braço a torcer pro Rafael: achei a prova concreta da relação entre a copa do mundo e Chico Xavier: http://www.sobrenatural.org/upload/conteudo/12674/logo_da_copa_2014_e_chico_xavier.jpg

  128. MATUSALÉM Diz:

    TODOS SABEM PARTE DA VERDADE E QUE NINGUÉM SABE TUDO. PORTANTO ALGUÉM SABE ALGO E ESTE ALGO ALGUÉM SABE

  129. Edson F. Diz:

    Alguém aqui conhece Sérgio F. Aleixo? É um defensor da reencarnação da bíblia. Alguém já leu ou tem opinião?

    https://sites.google.com/site/sergiofaleixo/

  130. Biasetto Diz:

    Olá a todos!
    Gazozzo e Edson F., vou ver com calma o que vocês enviaram aí. Valeu!
    .
    VÍTOR:
    O artigo está pronto. Estou enviando pro teu email e pro do Márcio. Agora, é com vocês.
    Um abraço!

  131. MATUSALÉM Diz:

    Apesar de todas as afirmações neste blog, não tenho a certeza de que a obra mediúnica do Chico – Nosso Lar – é uma imitação do livro Vida além do véu. Acho que se fosse para plagiar, seria mais fácil inventar, bem mais fácil…

  132. MATUSALÉM Diz:

    Desculpe Vitor, parabéns pelas pesquisas, pensando bem, realmente fica difícil negar tais plágios citados na obra do Chico!

  133. MATUSALÉM Diz:

    Ah, parabenizo o Biasetto também, como a todos os pesquisadores que buscam a verdade!
    Abração.

  134. Rafael Maia Diz:

    O artigo é bom biaseto, mas nao convence. De qualquer forma, foi um bom trabalho.

    A opinião de praticamente ninguem mudou, nao convenceu praticamente ninguem, quem acreditava em chico continua acreditando, quem nao acreditava tb continua com a mesma opinião.

    Quem acredita em chico já desistiu de postar aqui, só continou postando os mesmos que sempre acreditaram, isso nao é uma critica ao blog, o blog é otimo, e dou parabens ao vitor, mas as vezes a agressividade dos participantes faz com que os que tem opiniao contraria desista de postar.

    Minhas criticas continuam…nao há plagio, especialmente se considerar os argumentos de dificuldades na comunicação e se considerar owen tb como medium. Os fenomenos sobrenaturais objetivos tb continuam a favor de chico, a copa do mundo e as assinaturas.

    Existem outros fatores a favor como ja mencionei, mas nao vale a pena continuar a argumentar, estou fazendo igual a maioria das pessoas, que são os que acreditam em chico, é melhor deixar pra lá, nao convence de qualquer jeito

  135. Rafael Maia Diz:

    onde se lê: só continou postando os mesmos que sempre acreditaram
    leia-se: só continou postando os mesmos que sempre acreditaram que chico é uma farsa

  136. Rafael Maia Diz:

    O unico que mudou, foi vc biaseto que deixou de ser espirita, o resto, todos continuam iguais os que acreditam continuam acreditando e os que nao acreditam continuam nao acreditando

  137. Biasetto Diz:

    Rafael diz:
    “Minhas criticas continuam…nao há plagio, especialmente se considerar os argumentos de dificuldades na comunicação e se considerar owen tb como medium. Os fenomenos sobrenaturais objetivos tb continuam a favor de chico, a copa do mundo e as assinaturas.”
    .
    O que eu posso dizer pra tu, meu amigo!
    Acho que você precisa melhorar tua interpretação de textos. HÁ PLÁGIO EM TUDO. Fiz uma nova descoberta: sei de onde Chico criou a falsa colônia Nosso Lar. Tudo inventado, tudo copiado.
    .
    Fenômenos sobrenaturais hahaha! De onde você tirou isto? Chico Xavier nunca realizou um único fenômeno sobrenatural:
    - participou de uma fraudulenta e mal sucedida materialização de espíritos, onde o “espírito” tinha seios!
    - fez uso de perfumes de 2ª linha, pra enganar pessoas, com “aromas vindos do além”.
    - escreveu mensagens com um modelo ridículo, de “papai” e “mamãe”, mais pra jardim de infância e historinhas de ninar!
    - inventou oito anos de umbral pra um médico que nunca existiu, só porque o cara era boêmio e paquerador.
    - agiu num avião, como qualquer um dos mortais que teme a morte, com medo do desconhecido – “desconhecido” que ele afirmava conhecer, mas era só o que ele achava.
    - criou “espíritos ovóides”, inventou o aeróbus.
    - contou aquelas historinhas toscas de os espíritos estarem excurcionando pela Terra, entrando em carros, pra irem pro litoral – será que os espíritos sentavam no colo dos passageiros? Ou, será que eles iam no teto dos automóveis, imitando os “surfistas” dos trens?
    .
    Você diz:
    “O artigo é bom biaseto, mas nao convence.”
    .
    E o que é que te convence? (engraçado, o Vítor fazia esta pergunta pra mim! Hehê!)
    O que é que você queria? Que o Chico copiasse o livro da primeira à última palavra?
    .
    “Copa do Mundo”, Rafael! Faça me um favor: você acha que o plano espiritual (caso exista!) vai estar preocupado com esta merda de copa do mundo, mais uma forma de poucas pessoas ficarem milionárias e muitas pessoas ficarem iludidas.
    .
    Você diz:
    “O unico que mudou, foi vc biaseto que deixou de ser espirita, o resto, todos continuam iguais os que acreditam continuam acreditando e os que nao acreditam continuam nao acreditando”
    .
    Bem, aí é com cada um! Não tenho a menor pretensão de mudar ninguém. Cada um acredita e segue o que lhe convém. Agora, acreditar em algo falso por não saber que é falso, é algo perfeitamente normal. Porém, querer manter a crenças em algo que se mostra falso, incoerente e, até mesmo, ridículo! é uma escolha que procuro não fazer.
    Como você pode dizer que o único que mudou foi eu? Você sabe quantas pessoas acessam este blog? Você sabe o que eles pensam, pensaram, estou pensando?
    .
    Até…

  138. Biasetto Diz:

    A VIDA ALÉM DO VÉU:
    “A Terra aperfeiçoada. (…) Temos colinas, rios, lindas florestas e casas também, e todo o trabalho daqueles que vieram para cá antes de nós, para deixarem tudo pronto. Estamos agora a trabalho, na nossa vez, construindo e arrumando para aqueles que ainda devem continuar a sua batalha na Terra, e quando vierem para cá, encontrarão todas as coisas prontas” (p. 16).
    .
    NOSSO LAR:
    “Quase tudo, melhorada cópia da Terra. Cores mais harmônicas, substâncias mais delicadas. Forrava-se o solo de vegetação. Grandes árvores, pomares fartos e jardins deliciosos. Desenhavam-se montes coroados de luz, em continuidade à planície onde a colônia repousava. (…) destacando-se algumas casinhas encantadoras, cercadas por muros de hera, onde rosas diferentes desabrochavam” (pp. 45-46).
    .
    A VIDA ALÉM DO VÉU:
    “E agora, meu amigo e tutelado, gostaria de poder capacitá-lo…” (p. 107). “Meu querido amigo e tutelado, estas coisas deveriam ser de outra forma…” (p. 109). “E agora, meu tutelado e companheiro servil no Exército de Deus…” (p. 112). “Querido amigo e tutelado, esta noite falarei…” (p. 133). “Olhe adiante, amigo e tutelado, pois…” (p. 139).
    .
    NOSSO LAR:
    “Guardem nosso tutelado no pavilhão da direita. Esperam agora por mim. Amanhã cedo voltarei a vê-lo” (p. 27). “É você o tutelado de Clarêncio? A pergunta vinha de um jovem de singular e doce expressão.” (p. 36).
    .
    Rafael:
    Universalização de ideias!!!

  139. Rafael Maia Diz:

    Conheço quatro outros espiritas que mostrei do meu centro, eles nao mudaram. Continuam espiritas do mesmo jeito. Disseram que(palavras deles) muitas coisas que sao ditas como plágio “nao tem nada haver”, disseram que o vitor tem muitos dados tecnicos a seu favor é verdade, mas se ele quiser “confrontar” o espiritismo precisa aceitar os dados tecnicos contra também. Depois que mostrei o site, eles pararam de visitar porque acharam o ambiente “hostil”.

    Entenda que pessoas que tem opiniao contraria nao participam de debates que nao se sentem a vontade. Se o ambiente nao for confortavel, isto é, gerar desconforto as pessoas se distanciam.

    Fora esses tem a sonia e o scur continua espiritas.

    Nao acho que alguem que segue a religião por muitos anos ou acredita piamente em algo, CASO TENHA MUDADO DE OPINIAO, tenha deixado de se manifestar nesse blog, desde que a CAUSA da mudança de opiniao seja o conteudo desse blog.

    É algo como alguem ter lido uma materia na internet que mudou a vida dela, de cabeça para baixo, já que alterar opiniões de religiosos, normalmente, vira de cabeça para baixo a sua vida, e sequer ter se manifestado, acho extremamente improvavel

    Eu continuo acreditando no chico, ainda tem eu.

    Só continua postando nos temas contrarios ao espiritismo os que já antes tinham duvidas sobre o chico, antes de entrarem ou já nao acreditavam antes.

    Na verdade, o site em sí atrai mais atenção de nao espiritas brasileiros do que espiritas propiamente ditos, tanto é verdade que sites populares espiritas sao movimentados, como o site da feb.

    Biaseto já disse o que mudaria minha opiniao.

    Mostre que é conencidencia chico morrer quando o brasil ganhou a copa.

    Mostre que os acertos nas assinaturas tanto na analise subjetiva quanto objetiva são falsos.

    Mostre uma pesquisa de umas 50 ou 80 pessoas que receberam a leitura dele e nao acreditaram(estou sendo bonsinho, chico teve muito mais do que 80 seguidores)

    Mostre que as EVENTUAIS igualdades entre owen e chico, nao se deve ao fato de ambos serem mediuns. Como vc sabe que owen nao era medium, nao se esqueça o propio owen dizia ser um medium.

    Mostre que a historia contada pelo homem que fez a bigrafia de chico chavier, um ex-cetico jornalista autentico, que recebeu informações de seu tia avó falecido a muitos anos, atraves de um medium que nunca teve um sessão mediunica dizendo: o sua tia avó mandou dizer que vc deve continuar suas pesquisas para mostrar a todos sobre chico chavier… conforme fora dito pelo medium, ele fez a biografia que logo depois virou filme e os filmes espiritas alcançou um sucesso avassalador.

    Explique porque vc acha que trechos como esses aqui são plagios, eu realmente nao vejo plagios como vc diz ser:

    “Esta Grande Guerra é, nos eternos conselhos, nada mais que um ronco na respiração de um gigante adormecido, sem descanso, porque sobre seu cérebro entorpecido estão sendo impingidos raios de luz que seus olhos não podem ver, e uma música que não pode ouvir está sendo enviada sobre ele…” (p. 181).

    Em o Nosso lar, em variadas oportunidades, o tema da 2ª Guerra Mundial comparece; aqui, o ano seria 1939:

    “Negras falanges da ignorância, depois de espalharem os fachos incendiários da guerra na Ásia, cercam as nações européias, impulsionando-as a novos crimes” (p. 131).

    Cara vc leu isso ? Só a palavra guerra é igual. O texto em sí nao tem absolutamente NADA HAVER um com outro

    Veja esse trecho:

    “Fomos para lá, conforme o convite, e encontramos multidões chegando de todos os lados. Alguns vieram em… por que hesita? Estamos descrevendo literalmente o que vimos – carruagens; chame-as de outra forma, se quiser. Elas eram puxadas por cavalos, e seus condutores pareciam saber exatamente o que dizer a eles, já que não eram guiados com arreios como são na Terra, mas pareciam ir para onde os condutores desejavam. Alguns chegaram a pé e alguns através do espaço por vôo aéreo. Não, sem asas, que não são necessárias” (p. 17).

    Agora, o transporte coletivo no texto de Xavier:

    “Dado o meu interesse crescente pelos processos de alimentação, Lísias convidou: (…) – Esperemos o aeróbus (nota 1: carro aéreo, que seria na Terra um grande funicular). Mal me refazia da surpresa, quando surgiu grande carro, suspenso do solo a uma altura de cinco metros mais ou menos e repleto de passageiros. Ao descer até nós, à maneira de um elevador terrestre, examinei-o com atenção. Não era máquina conhecida na Terra. Constituída de material muito flexível, tinha enorme comprimento, parecendo ligada a fios invisíveis, em virtude do grande número de antenas na tolda” (p. 59).

    Um texto nao tem nada haver um com o outro. Um é a cavalo outro é carro. Um tem elevador outro nao. Um tem fios outro nao.

    É claro que os dois falam de transporte, PORQUE OWEN E CHICO SAO MEDIUNS DESCREVENDO O MESMO AMBIENTE(apesar deu achar que boas chances deles serem mediun, nao estou dando absoluta certeza disso)

    AMBOS DIZEM SEREM MEDIUNS, voçe queria o que ? que eles descrevessem o mesmo mundo de forma diferente ? Se ambos veêm o mesmo mundo e lá tem transporte é logico que eles irão falar de transportes

    Realmente nao vi plagio.

  140. Rafael Maia Diz:

    Biasetto cara nao é universalização de idéias por um motivo muito simples, nao são idéias, são visões de um mesmo local

  141. Rafael Maia Diz:

    Ambos afirmam serem mediuns. Ambos tiveram prestigio em sua epoca.

  142. Rafael Maia Diz:

    Nao precisamos discutir muito sobre isso, já coloquei as evidências que fazem acreditar em chico.

    Entao, se alguem quiser, basta trazer provas contrarias.
    Se nao quiser trazer provas, tambem nao precisamos ficar nervosos é só uma opiniao.

    Eu continuarei achando que nao há plagio e vcs continuam achando que é comum lideres religiosos morrerem no mesmo dia que seus paises estão todos em extase, uma mera coencidência

  143. Rafael Maia Diz:

    Um abraço biasetto

  144. Juliano Diz:

    Rafael

    São muitos, mas muitos mesmo, os argumentos contra o Sr. Chico Xavier e sua pretensa mediunidade, e dos espíritas de modo geral. E o que os espíritas tem como contraponto? Que o CX morreu no dia que o Brasil ganhou a copa, para justificar sua pretensa santidade; da materialização de Uberaba que a revista Cruzeiro era sensasionalista; e blábláblá (…) mas evidências concretas (…) nada. O Biasetto é o “único” a ter mudado de lado, como você diz. E isto deveria ser um motivo pra você ficar com “a pulga atrás da orelha”. Pois alguém mudou de lado. Agora, desconheço alguém que tenha passado por aqui e não era espírita e passou a ser, repito, desconheço. E muitos espíritas saíram daqui pois não possuem argumentos mínimos para contrapor as evidências de fraude e plágio. Ao contrário, se você pesquisar os comentários, vai ver quem sempre atacou por falta de argumentos com ares de ódio. Este é o ponto. Por fim, reintero, eu, o Vítor, o Biasetto, o Moisés, e outros aqui só queremos a verdade, e nesta busca, ainda somos, principalmente o Vítor, quem apresenta as melhores evidências em prol de uma possível continuidade do espírito após a morte do corpo físico. Pois se dependêssemos de Chico Xavier, Waldo Vieira e Cia (…), certamente já poderíamos jogar a toalha na morte do corpo físico com o fim de festa total. Só não vê quem não quer ver. Paciência. É isto.

  145. Juliano Diz:

    Rafael

    Pra te mostrar que sou isento. Até hoje, e conversei isto bastante com o Biasetto, a única questão envolvendo Chico Xavier que realmente me intriga ainda, já me intrigou mais, mas é algo sem uma resposta concreta e deixa margem a uma interpretação onde o paranormal pode estar envolvido, diz respeito ao facho de luz que parece ter entrado no quarto do Chico quando ele estava convalescente. Porém, se você já assistiu o vídeo, o mais impressionante para mim foi o facho de luz que não tem nada a ver com o Chico no final do vídeo no youtube. No mais, repito, as provas de fraude e manipulação são consistentes, só não vê quem não quer ver. Um abraço e boa noite.

  146. Biasetto Diz:

    Rafael,
    As pessoas que seguem uma determinada religião, uma determinada crença, principalmente, há muito tempo, não vão se abalar, facilmente! Porém, duvido que estas pessoas aí, que você citou, se começarem a ver tudo que há neste blog, elas não vão ficar com a pulga atrás da orelha. Mas, de repente, elas estão bem com o que seguem, com o que acreditam então, deixa elas… tudo bem, tudo certo!
    .
    Só por curiosidade: mantenho contato com o Scur e a Sônia – não tem problema não!
    .
    RAFAEL DIZ: Na verdade, o site em sí atrai mais atenção de nao espiritas brasileiros do que espiritas propiamente ditos, tanto é verdade que sites populares espiritas sao movimentados, como o site da feb.
    .
    Você tem toda razão: sites e blogs espíritas, esotéricos e ufológicos atraem muito mais gente. Com certeza! Por quê? Leia o livro “O mundo assombrado pelos demônios”, de Carl Sagan, e você vai saber o porquê! Já vou te adiantar um pouco: porque nenhum destes sites e blogs, nenhum deles, faz ciências, fazem pseudo-ciências e, ironia do destino, da vida, sei lá, o povo gosta muito mais de pseudo-ciência, do que ciência. Este blog do Vítor, procura fazer ciências.
    .
    RAFAEL DIZ: Cara vc leu isso ? Só a palavra guerra é igual. O texto em sí nao tem absolutamente NADA HAVER um com outro.
    .
    Eu até disse, que neste trecho, não há, de fato, “plágio” – textualmente, falando. Mas Rafael, o que você não entende é o seguinte: os temas, Rafael, os temas, as histórias – o Chico achou um jeito de colocar os temas de A Vida Além do Véu, em Nosso Lar – é isto que você não entende! Já te disse: ele não plagiou o livro integralmente, ele não ficava copiando palavra por palavra. Ele plagiava a história, a história Rafael!
    .
    O Owen fala da guerra, então, o Chico fala da guerra.
    O Owen fala da importância da água, então, o Chico fala da importância da água.
    O Owen fala da existência de animais que prestam serviços relevantes, então, o Chico fala de animais que prestam serviços relevantes.
    O Owen fala que é tratado como tutelado pelos espíritos, então, o Chico fala que André Luiz é o tutelado de Clarêncio.
    Oras, Rafael, se você não consegue ver a cópia nisso, o plágio contextual, sinto muito…
    .
    Sobre esta história da copa mundo, quantas vezes vou te dizer: o que há de importante, do ponto de vista espiritual, ganhar uma copa do mundo? Qual a importância de milhões de pessoas andando pelas ruas, sujando, bebendo, quebrando, brigando… que felicidade é esta?
    Outra coisa: desafio você a me provar que esta história de que o Chico disse que os espírito avisaram-no que ele morreria num dia em que os brasileiros estivessem feliz – desafio você a me provar a verdade desta história. Vai pesquisar Rafael, me traga a prova disto aí. Mas não me venha com o papo de que fulano de tal falou, sicrano disse. Traga-me a prova, traga-me onde isto foi registrado, antes dele morrer.
    .
    Eles podem descrever semelhanças sim, lógico. Se um espírito da Inglaterra ou do Brasil, está dando informações do plano espiritual, se o plano espiritual existe, deve haver inúmeras semelhanças. Mas não é este o caso. O caso é que, vou repetir, mais uma vez: os livros são demais semelhantes, no contexto, nas histórias, em detalhes – isto prova, que Chico Xavier leu A Vida Além do Véu e adaptou a obra – entende, ele adaptou. Só que deixou rastros. E, não haveria nada demais se ele tivesse mencionado isto. Mas ele disse, que Nosso Lar é uma obra de André Luiz, a história de André Luiz. E não é, é uma cópia.
    .
    Quanto eles afirmarem terem sido médiuns, eles afirmaram, cada um afirma, o que quiser. Agora, entre afirmar e provar, a distância é grande.
    .
    Nem sei se o Owen foi médium. Só que, no momento, se é para dar credibilidade, o Owen escreveu os livros antes do Chico, então, quem copiou foi o Chico, concorda?
    .
    Este cara aqui:
    Andrew Jackson Davis, autor de The Principles of Nature, Her Divine Revelations, and a Voice to Mankind
    já falava sobre “cidades espirituais” bem antes do Owen. Não sei, exatamente, o que ele falava. Esta obra não tem em lingua portuguesa (até onde sei) – nem sei como achar o livro em inglês – além disso, sou praticamente um analfabeto em inglês.
    Uma abraço!

  147. Biasetto Diz:

    O Brasil acabou de ganhar uma copinha aí, no sub-20, é isto? Sério, porque não perdi meu tempo com isto, mas está no face aqui, tem uma colega achando lindo.
    Rafael, será que não morreu nenhum político, governante, alguém de bom coração, de destaque hoje? Será, Rafael?
    Então, o plano espíritual preparou isto. Certo?
    .
    Prove-me a história do Chico.
    Valeu!?!?

  148. Rafael Maia Diz:

    Eu entendo e respeito. Acho que há provas contra chico sim. Mas tambem acho que a favor. Se colocar numa balança, eu vejo que as provas a favor pesam mais.

    Juliano, como disse antes, acho quase impossivel um religioso olhar um texto que faz ele mudar de opiniao sobre sua religião e NAO FAZER QUALQUER COMENTARIO

    Como ja disse, sonia e scur participaram aqui e nao mudaram. Concordo que muitos casos se faltam argumentos por parte dos religiosos, mas sei que muitos casos simplesmente nao convencem os argumentos ceticos. Sei tambem que as vezes os religiosos podem estar certos de nao se convencerem com os dados ceticos, pois as vezes cada pessoa individualisada tem sua prova objetivas nao compartilhada(as vezes alguem pode ter visto um espirio, ou ter sofrido uma experiencia quase morte) QUE MUITAS VEZES É MELHOR DO QUE AS PROVAS SUBJETIVAS como meros testemunhos.

    Por exemplo, sei que o scur teve uma experiencia sobrenatural, entao isso, pra mim, é um bom dado objetivo para nao se convencer das coisas aqui e sim acreditar na sua propia experiencia de vida.
    o que eu quero dizer é que, religiosos nao mudam de opiniao nao necessariamente por causa de uma visao religiosa preconceituosa, até porque em muitos casos religiosos tem experiencias que são muito mais valiosos do que meros dados estatisticos, e isso precisa ser levado em conta antes de afirmar:- ah ele nao mudou porque é um religioso sem argumento.

    Mas perai, vc sabe AS EXPERIENCIAS DE VIDA DELE ? Vc ACEITOU OS ARGUMENTOS OBJETIVOS QUE ELE MOSTROU A VC ?

    Como o monitor do meu centro falou: tem muitos dados contra o espirtismo aqui, mas precisa ver os dados a favor antes de dizer que esta certo.

    Eu conheço o evento que vc menciona. Um fisico parece ter dito que foi um erro na camera.

    Juliano, as coisas que eu falei que são provas, na minha opiniao, vc nao considera como provas. Entao nao adianta tentarmos falar disso. Esse é um dos motivos pelos quais nao discordo em tudo no que os religiosos falam, algumas vezes ceticos só são ceticos para criticar, mas para explicar as contra-provas, eles se tornam religiosos e nao aceitam mencionar qualquer coisa.

    Eu até fico ironizando, dizendo repetidas vezes: como vcs podem achar que coencidentemente um lider de uma nação morre no exato dia que um pais estava em estado de euforia. Porque me impressiona um evento desses ser descartado como se nao existisse. Pra mim, opiniao particular minha, isso é quase um absurdo.

    Mas sei que isso se deve a um preconceito que existe, em descartar qualquer chance do chico ser medium, entao, nesse caso, só me resta respeitar. Nao adiante forçar.

    Tambem devo respeitar porque ” o que é prova” passa por uma analise subjetiva de cada pessoa. O que é prova para um pode nao ser para o outro. Acho que vcs descartam essas coisas como provas por puro preconceito. É normal o ser humano tem tendencia a questionar e alterar o status quo de qualquer coisa. O status quo aqui é chico chavier é medium é normal todos desejarem alterar isso.

    Uma vez que já mostrei matematicamente que nao tem como ser uma coisa do acaso, a questão da copa, já foi mostrado que tanto a analise subjetiva quanto a objetiva são favoraveis ao chico, quanto a questao da assinatura, nao tem como forçar as pessoas a verem as evidencias se elas nao quiserem.

    Se vc for em qualquer estatistico sério e perguntar se as chances de um evento ocorrer ser de 1 em 299 trilhões e esse evento ocorrer, desde a criação do brasil, talvez até do mundo, num periodo de 510 anos(idade do brasil), sendo que as chances só acontecem de 100 em 100 anos ou 200 em 200 anos, imagino que ele diria que para ocorrer dentro do acaso, o brasil teria que ter uma idade aproximada de 10.000.000.000 dez milhões de anos, mas o evento ocorreu com o brasil tendo meros 514 anos
    O certo é, como eu disse no ultimo comentario, é cada um continuar no seu quadrado. A evidencia esta ai, mostrei, perceba que a MINHA EVIDENCIA nao tem analise subjetiva necessaria, praticamente impossivel um evento acontecer de 1 em 299 trilhoes de anos acontecer na hsitoria do brasil em meros 514 anos.

    A ocorrencia de plagio depende de uma analise subjetiva, nao é um dado objetivo, ou seja, uma evidencia de pior qualidade, que muita gente nao se convenceu.

    Enfim, só dei uma opiniao… vamos continuar eu e alguns achando que nao há plagio e vcs continuando achando que lideres religiosos morrem sempre quando todos os seus paises estao em estado de euforia. Coisa absolutamente comum na historia da humanidade, tão comum que NUNCA ACONTECEU NADA IGUAL.

    Se a alemanha ganhar a copa, o papa vai morrer!

    Brincadeiras, nao precisam ficar furioso, repito o que eu disse: as provas estao ai, se quiserem mudar minha opinião tragam contra provas. Se nao, vamos seguir nossas vidas que é melhor.

  149. Rafael Maia Diz:

    Biasetto, vc sabe que nao é assim.
    Mas é ultima vez que vou falar: os requisitos sao os seguintes

    1- lider religioso nacional(adorado do amazonas ao rio grande do sul)
    2-euforia nacional-(algo que mova praticamente TODO O PAIS,vc entende o que eu quero dizer com “todos” nao preciso denovo repetir e dizer que nao me refiro a criancas de 3 meses de vida ou algum moleque que nao gosta de futebol, nao é a copa sub-20)
    3-morrer EXATAMENTE NO MESMO DIA
    Precisa encaixar nesses tres requisitos, por gentilesa, nao me traga exemplos fora disso, como todos os mostrados por vc até agora.

    Ser que provar que isso acontece sempre, traga exemplos REAIS nao copa sub 20 ou edir macedo

  150. Biasetto Diz:

    Rafael,
    Você não está entendo nada! nadica!!!
    Quem disse que as experiências que os religiosos contam não têm importância? Lógico que têm. Todos os dias, pela manhã, leciono em uma escola municipal, numa cidadezinha perto aqui de Bragança. Então, estou com o meu carro na estrada, é perto, mas viajo, e quantas e quantas vezes, que vejo o sol nascer, e passo por uns lugares lindos, onde vejo as vaquinhas, os cavalinhos, aquele verde maravilhoso, o sol aparecendo e as nuvens refletindo seus raios… então, eu olho pra tudo isto, e é tudo muito belo, emociona! E eu penso, será puro acaso da natureza, da vida?
    Quantas vezes, ouvindo uma música, assistindo a um belo filme, não me emociono? Quantas vezes, me emociono no contato aqui com os filhos, com a esposa, com os familiares, vendo fotos antigas, sentindo algo que é difícil de explicar? Quantas vezes, já falei muito aqui, tenho sonhos que estou em uma “colônia” espiritual, e a beleza do lugar, é extremamente contagiante… Claro que o Scur, a Sônia, o Carlos Magno, o Juliano, eu, você, acredito que o Vítor também, quando está lá capoeira dele, numa noite de luar, no Leblon, com as ondas arrebentando ali, e o céu todo estrelado, será que ele também não sente algo sublime?
    E tem muito mais coisas, histórias envolvendo pais e filhos, irmãos, “coincidências” incríveis.
    Mas não é isto, Rafael! O que estamos querendo dizer aqui, é que Chico XAvier e muitos outros que se declaram médiuns, também escreveram muitas bobagens, ensinaram muitas bobagens e apresentam textos que são plágios. Não é que podem ser plágios! São plágios! É claro isto, é provado, está aí. Então, o que nós estamos colocando aqui, eu particularmente estou, é que estes supostos médiuns, apresentam muitas “falhas” em suas capacidades mediúnicas, motivos mais do que suficiente pra concluirmos, que, tudo indica, eles não foram ou não são médiuns, são apenas “seres comuns” como todos nós, querendo passar credibilidade em algo que acreditam, fazendo uso de estratégias que merecem ser reprovadas, criticadas, porque são farsas.
    Concordo, plenamente, com o que o Juliano falou: o facho de luz, é algo que também me intriga, mas não vejo isto como prova incontestável da mediunidade do Chico, até porque aquele facho de luz, também aparece no final do vídeo, em um jornal lá da Inglaterra, acho eu.
    Quanto a história que você insiste em dizer sobre a copa do mundo, meus argumentos já foram mostrados aqui, mas eu te digo o seguinte, mais uma vez:
    Onde é que está a prova, de que ANTES do Chico morrer, havia sido dito que ele morreria num dia em que os brasileiros estavam felizes. Onde há está prova, documentada, materializada?
    A questão é o seguinte: a morte do Chico naquele dia, foi só uma coincidência, apenas isto! Aí, vieram com esta história, DEPOIS que ele morreu.
    Como “NUNCA ACONTECEU NADA IGUAL” – você está fazendo uso de um fato tolo, de uma história que não se prova.
    Se é pra você querer defender a mediunidade do Chico, tem coisas, argumentos, muito, mas muiiiito melhores do que este aí, meu amigo! Esta história da copa, é de uma fragilidade total!
    Bom domingo!

  151. Biasetto Diz:

    Momentos “mágicos” (divinos!)
    .
    http://www.youtube.com/watch?v=dBHhSVJ_S6A&feature=player_embedded#!

  152. Rafael Maia Diz:

    Biaseto nao acredito nessas coisas de: -coisa bonita a natureza, só deus pode ter criado isso.

    É uma coencidencia mesmo, chico deu uma grande contribuição humana para todos os brasileiros e morreu no dia que todos estavam passando por um momento de enorme felicidade. Tao coencidencia, que foi citado no filme o evento, bem como no wikki.

    A luz que aparece no video pode ser um evento sobrenatural, nao fui analisar isso ainda, entao nao posso dar certeza de nada, a unica coisa que sei é que realmente nunca tinha visto uma filmagem com aquela imagem de algo descendo dos céus isso é um ponto a favor, mas o ponto contra é que um especialista dos varios entrevistado disse que aquilo era uma especie de reflexo da luz.

    Entao, no final, esse é mais um caso que permanecerá na eterna duvida

  153. Juliano Diz:

    Rafael
    Bom dia

    O argumento da ligação entre a vitória do Brasil na Copa de 94 e a morte do CX é fraquíssimo, com todo respeito. Querer dar a isto um aspecto transcendental é forçar a barra. Mas tudo bem. Também concordo com o Biasetto sobre a descrição dele do transcendental. Porém, se existe algum ser superior, garanto que ele não vai ficar preocupado se eu acredito nele ou não para ter uma “salvação”, a própria idéia de salvação, que os espíritas também falam, numa salada russa que não se entende, pois se tem reencarnação vai se salvar do quê? Estes tempos eu estava pensando, este povo religioso na verdade diminui, e muito, uma possível figura divina. Humanizam deus de forma a fazerem da idéia de deus uma piada para alguém com um pingo de racionalidade. Colocam deus como um gerentão de escritório, extremamente egoísta e narcisista que só aceita “puxa saco” por perto. NÃO DÁ NÉ! É isto e bom domingo.

  154. Rafael Maia Diz:

    O que vc nao considera como prova, eu considero, entao nao temos mais o que discutir.

    Pra vc é uma coencidencia, pra mim nao há nada de coencidencia, e já provei que as chances de um evento desses acontecer é quase zero.

    Muito pelo contrario, essa seria a segunda vez que “uma medidada vinda dos céus” aparece em favor do chico, a segunda foi a mensagem recebida pelo ex cetico jornalista que estava desistindo de escrever o livro sobre a vida de chico quando um medium conhecido liga para ele avisando para ele continuar a escrever o livro e nao desistir, porque todos deveriam saber da historia de chico chavier. Dito e feito, pouco tempo depois, sai o livro de chico, sucesso total, logo depois veio o filme, e uma serie de filmes espiritas que fazem sucesso, mais sucesso até do que as religiões predominantes no pais como catolicismo e evangelicos

  155. Rafael Maia Diz:

    Nao estou sozinho, nao sou o unico que acha o argumento da copa forte, a questão é que nesse topico especifico só temos nao defensores de chico. Os que defendem já nao aparecem aqui. Agora experimentem mencionar isso a um espirita tecnico que nao se utilize de argumentos religiosos unicamente e perguntem a ele se um evento de 1 chance em 299 trilhoes a favor de chico que tenha ocorrido é algo meramente coencidente.

  156. Rafael Maia Diz:

    Juliano, acho muito hipocrita o que os religiosos falam de deus, inclsuive os espiritas. Concordo nesse ponto especifico com vc.

    As religiões sao muito falhas nesses pontos.
    Na verdade, tenho quase certeza que quae ninguem acredita em deus ou jesus, inclusive os religiosos.

    As pessoas vao para as religiões para se sentirem melhores, a procura da felicidade. O que todos querem é rezar e ganhar dinheiro, saude e escutar que vc vai pro céu.

    Tanto é verdade que todos sabem que, de acordo com as religiões, a caridade é a lei “divina”, contudo, até mesmo os mais religiosos praticamente nao exercem qualquer tipo de caridade, na verdade, estao precupados se vao ganhar um salario bem gordo e viajar para a europa final de ano para passar o reveion na frança enquanto milhões de pessoas passam necessidades nos paises pobres como a africa e a asia

  157. Rafael Maia Diz:

    Já disse vamos avisar ao papa que, se a alaemanha ganhar a copa, ele irá morrer, porque esse tipo de coisas são coencidências nomrais.
    Eventos que somente devem ocorrer uma vez a cada 100 anos numa chance de 1 em 299 trilhões nao é mera coencidência, lamento por dizer isso, mas é a verdade

  158. gazozzo Diz:

    Rafael, eu faço coro ao Biasetto: “Onde é que está a prova, de que ANTES do Chico morrer, havia sido dito que ele morreria num dia em que os brasileiros estavam felizes. Onde há está prova, documentada, materializada?”

    Concordo também que a copa do mundo nada mais é do que um mecanismo de controle e alienação, assim como o próprio futebol. Ganhar uma copa não é alegria de um povo, é a tristeza, na verdade! Alegria mesmo seria quando acabasse a fome, a miséria, a roubalheira, no mundo. Ou quando Luan Santana se aposentasse (risos). Copa do Mundo? Fala sério!

  159. gazozzo Diz:

    Mãe Dinah e Pai Galo no embate dos médiuns brasileiros mais famosos da TV

    http://www.youtube.com/watch?v=6HxMh3uJRao&feature=player_embedded

  160. Rafael Maia Diz:

    “risos” alguem tem o telefone do papá para eu poder avisar a ele que um evento em 299 trilhões de possibilidades, com uma chance a cada 100 anos, acontece normalmente e que portanto se a alemanha ganhar a copa ele irá morrer.

    Isso acontece o tempo todo, ontem eu vi que quando buda morreu a india estava em estado de euforia, poxa vida coisa mais comum de acontecer do que isso.

    rs

  161. gazozzo Diz:

    Desisto… Que saudades do Scur…

  162. Rafael Maia Diz:

    Nao é o tom nada amistoso.Engraçado ele desistiu de postar aqui. Porque sera ?
    Abraços a todos, outra oportunidade ou quando tiver argumentos objetivos eu terei prazer de ler, enquanto isso cada um segue sua vida

  163. Rafael Maia Diz:

    As discussões nao estao ficando boas. Entao, eu melhor eu nao perder tempo, quando tiver um clima melhor eu apareço denovo

  164. gazozzo Diz:

    Eu desisto, Rafael, é porque não está rolando comunicação entre nós. Estamos falando português, mas não estamos nos comunicando. Melhor desistir! Não me leve a mal: o argumento da copa do mundo me tira do sério, porque me coloca frente a frente com a cabeça do crente, que só consegue enxergar o que deseja, que distorce completamente os argumentos e transforma o debate, tão rico potencialmente, num caldo insosso. Fico meio perturbado com isso – mas, por favor, não veja em minha desistência sinal de animosidade.

  165. Biasetto Diz:

    Gazozzo,
    Também estou començando a ter saudades do Scur.
    Rafael, pelo amor de Deus! Entenda:
    - esta história do Chico e copa do mundo, foi inventada, depois que ele morreu.
    - se você me mostrar um documento, comprovadamente autêntico, com uns 15 anos de existência, onde esteja registrado que Chico Xavier iria morrer quando os brasileiros estivessem muito feliz (kkk!!!), aí vou dar atenção ao que você está dizendo.
    Você diz:
    .
    — Nao é o tom nada amistoso.
    .
    O que não é amistoso, Rafael? Você quer que concordemos com esta bobagem que você está falando aí: “Chico foi médium, porque morreu no dia em que o Brasil ganhou a copa!”
    Não me faça rir Rafael, por favor, pare com isto!
    .
    Você diz:
    .
    — Agora experimentem mencionar isso a um espirita tecnico que nao se utilize de argumentos religiosos unicamente e perguntem a ele se um evento de 1 chance em 299 trilhoes a favor de chico que tenha ocorrido é algo meramente coencidente.
    .
    Não vou perder meu tempo, com esta bobagem, mas aposto que até esta conta tua aí, está errada.
    .
    Você poderia me explicar o que seria um “espírita técnico”???
    .
    Resumindo:
    1-) Você está partindo de uma informação falsa;
    2-) Inventando uma conta aí, sem fundamento…
    Pra provar que Chico Xavier foi médium.
    .
    Ah! Scur, volta, por favor…

  166. Biasetto Diz:

    Gazozzo, parabéns pelo comentário:
    .
    Ganhar uma copa não é alegria de um povo, é a tristeza, na verdade! Alegria mesmo seria quando acabasse a fome, a miséria, a roubalheira, no mundo. Ou quando Luan Santana se aposentasse (risos). Copa do Mundo? Fala sério!

  167. Flávio Josefo Diz:

    Meeeeuuuu Deeeeuuuussss!!!!

  168. Rafael Maia Diz:

    Ta certo gazozzo. Como eu disse sempre estou aqui comentando, mas agora as coisas estão começando a ficar quentes. Entao, nao quero isso pra mim, é perca de tempo, nao ganho nada com isso só perco meu tempo. Eu tenho meu entendimento que nao condiz com muitos aqui. São 4 pessoas ironizando contra apenas um. Se fosse 1 contra 1 ou 10 contra 10 eu dava conta. Logico que nem de perto as pessoas desse blog representa a maioria da população, se esse canal contasse com a presença de mais gente, certamente nao estaria sozinho. Por causa dessas coisas, nao ter a representação de todos que acreditam em chico, bem como o site esta cheio de gente contra-chico, o desgaste sai maior para mim. Nao quero me desgastar.

    Quando aparecer outra coisa interessante eu volto a postar.
    Minhas criticas ja foram feitas, nao estamos mais falando das criticas, estamos começando a tornar a ambiente ruim. Qualquer coisa estamos por ai. A gente se fala.

  169. Biasetto Diz:

    Rafael,
    Aqui ninguém é contra o Chico, nem contra os espíritas.
    Alguns aqui, como eu, estão apenas questionando as ditas psciografias, a mediunidade. Isto não é uma questão pessoal. Entendeu?
    É isto!

  170. Rafael Maia Diz:

    Blz. Contra eu quero dizer contra a mediunidade de chico. Achar que chico nao é medium.
    Sei que nada aqui é pessoal, sempre soube. Esta ok. Abraços

  171. Juliano Diz:

    Rafael

    Dei uma procurada sobre a tua alegação que havia uma previsão/desejo de CX de morrer num dia que os brasileiros estariam felizes, mas não achei nada de conclusivo, pelo contrário. Creio que tenha sido mais uma jogada dos espíritas que viram a coincidência, nada assim tão impossível de ocorrer, e sem nenhuma ética, o que é comum, resolveram faturar em cima do fato ocorrido. Repito, se tiver alguma prova que CX disse que gostaria de morrer num dia de muita felicidade dos brasileiros, eu agradeço. Na biografia do Chico escrita pelo Marcel Telles não há nada sobre isto. E tem muito espírita que diz, segundo sites espíritas, que quem falou isto foi o Emmanuel, aí a coisa complica mais ainda. Mas espero alguma informação nova realmente digna de nota. É isto.

  172. Biasetto Diz:

    É isto aí, Juliano: histórias, só histórias… que ninguém prova, mas que se reproduzem e se transformam em “verdades”.
    .
    VÍTOR e MÁRCIO:
    Enviei mais umas informações. Vejam o email. Agora, acredito que esteja tudo completo.
    Vocês saberão o que fazer.
    Missão cumprida! Vou dormir, que já estou bem cansado.
    Boa semana a todos.
    E a vida continua… e o trabalho me espera… e a vida não é fácil, mas vale à pena tentar, com os pés no chão e a verdade no coração…

  173. Rafael Maia Diz:

    Juliano olha essa reportagem do fantastico e perceba as informações dita na reportagem.

    1- a familia jamais tinha visitado uberaba
    2- a mãe jamais havia falado com chico chavier
    3-chico deu detalhes do assidente e sabia o nome dos filhos sem conhecer

    O segundo caso, do “fraudador” chico chavier é mais impressionante ainda:

    1-chico deu informações de pessoas mortas a decadas
    2-os propios parentes que foram atras de chico chavier NAO CONHECIAM AS PESSOAS QUE MORRIAM, ou seja, tal evento elimina por completo qualquer chances do suposto “fraudador” chico chavier ter conseguido as informações com a pessoa que sofreu a leitura ou até mesmo ter conhecido essa informações por meio de telepatia “invadindo a mente do sujeito”, como é um caso de telepatas.

    Isso que eu to mostrando são apenas alguns exemplos de eventos que favorecem a mediunidade de chico juliano. São meros exemplo, se eu resolver fazer uma pesquisa extensa sobre ele, posso achar muitos outros.

    Alguem ja fez isso, ex jornalista cetico, que acabou acreditando na mediunidade de chico. No começo nao acreditava, mas diante de tantas evidências mudou de lado.

    Quanto a copa e chico, nao é invenção nao, confira vc mesmo:

    morte de chico chavier, segundo informações oficiais do wikki:

    Francisco de Paula Cândido Xavier[1], conhecido como Chico Xavier, (Pedro Leopoldo, 2 de abril de 1910 — Uberaba, 30 de junho de 2002) foi um médium[2][3] e um dos mais importantes divulgadores do Espiritismo no Brasil.[4]

    fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Chico_Xavier

    Final da copa do mundo, fonte oficial wikki:

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_do_Mundo_FIFA_de_2002

    Ambas são exatamente no mesmo dia.

    Nem todo espirita sabe o que diz, se algum espirita disse ser invenção ou coisas criadas pelos espiritas nao dê atenção, vc precisa procurar pessoas esclarecidas.

    Quanto ao fato de “precisar de algo escrito” para comprovar que foi previsto a data da morte de chico no mesmo dia da copa e consequentemente a sua mediunidade, acho isso totalmente desnecessario.

    O que prova a mediunidade de chico nao é ele ter previsto sua morte sendo no mesmo dia da final da copa, mas sim o evento em sí. O brasil estava parado ,em momentos unicos na historia do pais, onde praticamente grande parte da população se junta para acompanhar e festejar a copa, um momento em que todos estavam em euforia, justamente no momento que “um espirito altamente evoluido” deixa a terra.

    Conforme ja demonstrei atraves dos cauculos para vc, a chance disso acontecer são praticamente zero. Impossivel ser do acaso. Nao é uma questao de gostar ou nao, nao é uma questão de “achar” ou “nao achar”, chico morreu exatamente no momento em que toda a nação vivia um momento de extrema euforia, conforme ja mencionei, um momento rarissimo na historia do brasil e de todos os paises, haja vista que, é dificil haver momentos em paises democraticos onde praticamente toda a população vive uma alegria intensa. Isso é fato, objetivo, nao depende de opinião, aconteceu.

    Entenda nao é tão incomum pessoas morrerem no momento que todos festejam, apesar de ser difcil.

    Quando eu digo todos, nao é o carnaval do rio de janeiro, nem a festa junina da paraiba, tb nao estou falando do dia dos motoqueiros, ou dos dias das mães, estou falando do dia em que o pais ESTAVA PRATICAMENTE TODO PARADO. Nao estou falando quando um lider religioso de são paulo morre, nem quando o brasil ganha o campeonato mundial de voley, estou falando de um dia em que, desde o interior do amazonas fronteira com a bolivia até o rio grande do sul fonrteira com o uruguai estava parado, praticamente todos estavam contetes, todos, ainda que em graus diferentes.

    É dificil pessoas morrerem nesses eventos alegres, como no dia que o brasil ganha a copa do mundo de voley.

    É razoavelmente dificil pessoas morrerem no dia que o brasil todo esta contente.

    É extremamente dificil uma pessoa de fama REGIONAL, qualquer que seja sua especialidade, musica, engenharia, artista de cinema, morrer em eventos regionais.

    É muuuuuuuuito dificil pessoas de fama regional morrer em eventos regionais.

    É quase impossivel pessoas de fama nacional morrerem em eventos regionais.

    É impossivel, quer dizer beira ao impossivel, uma pessoa de fama nacional morrer em eventos nacionais.

    É ,nao sei nem o que dizer agora, vc ja sabe, ….ssivel alguem de fama nacional RELIGIOSO morrer num evento nacional de estado de alegria e contentamento.

    Em termos tecnicos juliano, esta ai, a probabilidade é de, numa analise superficial, 299 trilhoes numa chance de 100 em 100 anos.

    Nao quero dar continuidade a ironias e discussões, entao me limitarei a responder apenas perguntas sem vicios como esses que mecionei, e por isso estou respondendo vc juliano

  174. Rafael Maia Diz:

    site da reportagem:
    http://www.youtube.com/results?search_query=30+de+Junho+de+2002+chico+chavier&aq=f

  175. Rafael Maia Diz:

    A reportagem é do final da copa, pode perceber.
    O texto maior precisa da autrorização do vitor para ser mostrado

  176. Rafael Maia Diz:

    onde se lê: assidente
    leia-se: acidente

    Sinistro esse erro! “rs”

  177. Rafael Maia Diz:

    Juliano perceba que, um dado pode ser objetivo ou subjetivo. Este depende da analise particular do sujeito. Aquele nao depende do sujeito.

    No dado objetivo, nao importa o que o sujeito acha. Nao importa se vc gosta ou nao gosta; esta contente ou nao esta contente; prefere ou nao prefere; isto é, a opinião do sujeito nao interessa.

    Um evento que em tese somente ocorre em 100 em 100 anos ou 200 ou 200 anos coma chance de 1 em 299 trilhões, é um evento praticamente impossivel de acontecer em meros 504 anos de historia do brasil.

    Isso é um dado objetivo.Os plagiois alegados pelo biasetto passa pela opiniao de muitos para ver se concordam. Isso é um exemplo de um dado subjetivo.

    Entende o que eu quero dizer ? Nao faz qualquer diferença se alguns nao querem aceitar ou acreditar, o dado objetivo se impõe queira ou nao queira.

    E o nosso dado objetivo é: Era praticamente impossivel um lider religioso nacional morrer no exato dia em que seu pais estava vivendo um intenso estado de euforia.

    Tal dado é tão importante, claro que nao estou falando de participantes isolados de qualquer blog, que é citado no filme no wikki e na biografia

  178. Juliano Diz:

    Rafael

    Respeito a tua opinião, mas (…) sinceramente, a tua colocação não tem fundamento. Não há objetividade nisto, sequer há uma prova concreta desta vinculação direta morte chico/festa. E é algo que contraria todo o discurso espírita que prega que bebedeira, bagunça, sacanagem são coisas proibidas. E Brasil campeão de copa é bebedeira, bagunça, sacanagem (pra não falar outro termo), algo que contraria tudo o que o espiritismo e o chico, através do tal do Andre Luiz pregavam. Não dá. O que houve foi sim uma coincidência, como tantas coincidências na vida, e os espíritas aproveitaram a coincidência pra faturar, que é o que mais sabem fazer, e só. Agora, se você quer acreditar que há uma jogada do além no processo de morte do CX, é um direito teu. Mas aqui este teu argumento não vai convercer ninguém, sinceramente. E repito, analise o conjunto todo do que já foi colocado aqui sobre o CX, que você vai ver que não tem mediunidade alguma no processo dele, ou se tem algo, é coisa mínima. O que fica do CX é um ser caridoso e até onde se sabe de coração bom que tinha o desejo de ajudar o próximo, o que já é algo louvável e digno de menção, e fica por aí. No mais ele era uma pessoa com problemas sérios de personalidade, um homossexual que não teve coragem de assumir a sua preferência sexual, recalcando-a, e sublimando a coisa toda num ex-centurião romano boa pinta, um reacionário de direita e por aí vai. Pra não falar de outras coisas que eu apenas intuo, mas como não tenho como provar, fica para mim o que imagino ter ocorrido em muitas passagens da vida real do CX. É isto.

  179. Rafael Maia Diz:

    Espere o texto ser autorizado pelo vitor, dai vc vai ver a resposta.

    Juliano e as milhares de leituras feita por ele, o que vc acha ?

    E as assinaturas o que vc acha ?

  180. Rafael Maia Diz:

    Vc viu a reportagem que eu coloquei, qual sua explicação para aqueles eventos citados por aquelas pessoas ?

  181. Rafael Maia Diz:

    Peço que deixe para responder depois que o vitor autorizar a resposta, assim vc tera uma visão maior do que estou falando

  182. Elaine Diz:

    Diversos trabalhos para vossa análise sobre vários temas abordados por este blog
    O Ónus da prova é de quem coloca tudo em causa e até agora não conseguiu desmentir cientificamente nenhum postulado espírita
    Vejamos quem se dá ao trabalho de estudar…
    Artigos e Estudos
    Artigos Refutados
    Assuntos Bíblicos
    Debates
    Palestras – Slides
    Textos de Colaboradores
    Textos Traduzidos
    http://www.paulosnetos.net/index.php?option=com_content&view=article&id=52&Itemid=77

  183. Elaine Diz:

    Artigos Refutados
    Anexos: Allan Kardec, um racista brutal e grosseiro?
    As diferenças entre Espiritismo e Cristianismo
    Aura – Contra argumento
    A Bíblia está falando a verdade?
    A ciência desmente o Espiritismo?
    A prática da invocação dos mortos
    A reencarnação é confirmada na Bíblia – contra argumento
    A reencarnação é uma impossibilidade total
    A reencarnação é um dogma dos espíritas?
    A transfiguração de Jesus
    Chico psicografou livros de verdade?
    Comunicação com os mortos
    Condenação bíblica do Espiritismo
    Contestação ao texto A carta comprometedora de Elias
    Contestação ao comunicação com os mortos na Bíblia II – Católico refuta
    Contestação ao texto A carta comprometedora de Elias
    Contestação do texto Arrebatamento de Elias
    Contra-resposta a um adventista
    Contra os desafios sobre provas da vida após a morte
    Deus, o verdadeiro
    Então, o que e a palavra de Deus na Bíblia?
    Espíritas incoerentes
    Espiritismo e má-fé
    Espiritismo: fácil refutar. Espírita: difícil convencer
    O Espiritismo num balaio-de-gatos
    Espiritismo x Cristianismo
    Espírito agindo na matéria – incógnita da Parapsicologia
    Espírito ou demônio: quem se manifesta?
    Estudos Bíblicos – Filho de Davi – Refutação
    Kardec suicidou-se, renegou a reencarnação e arrependeu-se do Espiritismo?
    Mas não é possível…
    Merece crédito o Evangelho Segundo o Espiritismo?
    Me engana que eu gosto
    Morrem os homens uma só vez?
    Os 20 erros da Doutrina Espírita apontados por um adventista fanático
    O Espiritismo é Cristão?
    O Evangelho Condena o Espiritismo?
    O Evangelho Segundo o Espiritismo é um outro evangelho como apregoam?
    O impossível se torna possível
    Pintor cego desqualifica pintura mediúnica?
    Presbiterianismo e a Reencarnação – réplica à revista Ultimato
    Qual Deus é mesmo cruel?
    Reencarnação, argumentos católicos contrários
    Reencarnação, contra-argumentos a um pastor
    Reencarnação: Kardec um mentiroso?
    Reencarnação, uma praga.
    Reencarnação confirmando a misericórdia e a justiça divinas
    Reencarnação em conflito somente com fundamentalista
    Reencarnação e a resposta do pastor
    Refutação das críticas contra o Espiritismo – Allan Kardec
    Refutação Doutrinária Resposta ao Pastor Jomes Barreto
    Resposta ao “parapsicatólico” – para entender o Espiritismo
    Resposta a internauta: hipocrisia kardecista
    Resposta à questão: o espiritismo é cristão?
    Saul não consultou feiticeira nem bruxa coisa alguma!
    Será que Deus perdoa com acreditam?
    Será que Saul conversou com Samuel-espírito?
    Se Jesus fosse espírita!
    Sobre as 11 perguntas feitas ao diabo

  184. Rafael Maia Diz:

    Jornal da band confirma que chico previu sua morte no dia de muita alegria.

    http://www.band.com.br/jornaldaband/conteudo.asp?ID=323032

    Vc pode achar isso em varios outros sites da internet tb.

  185. Rafael Maia Diz:

    Superinteressante confirma sua previsão do dia do seu falecimento, nada melhor do que uma revista “contra chico” para usar como prametro a seu favor

    “Chico morreu em 2002, aos 92 anos, cumprindo uma profecia sua. “Só vou morrer no dia em que o Brasil todo estiver feliz”, dizia Chico. E morreu mesmo. O médium teve uma parada cardíaca no dia 30 de junho, horas antes de o Brasil ganhar a Copa do Mundo de Futebol. Cerca de 120 mil pessoas foram a seu enterro, formando uma fila de 4 quilômetros e 3 horas de espera. O então presidente Fernando Henrique Cardoso emitiu uma nota lamentando a ida daquele que era “um grande líder espiritual e uma figura querida e admirada pelo Brasil inteiro”.

    fonte: http://super.abril.com.br/religiao/investigacao-chico-xavier-561667.shtml

  186. Rafael Maia Diz:

    Claro, eu postei isso para satisfazer vc juliano, mas nao precisava pois os dados objetivos falam por sí só.
    Eventos virtualmente impossiveis nao tem como serem uma mera coêncidencia

  187. Gilberto Diz:

    Ah, peraí. Essa história é mais um dos milhares de hoaxes sobre Xavier. Depois que ele morreu é que inventaram essa de dizer que ele “sempre dizia” que iria morrer num dia de muita felicidade. É mais uma mentirada para exaltar o cara. Isso nunca foi dito ou publicado, mas mesmo se ele morresse hoje, diriam que ele morreu num dia feliz, pois o país tirou muita gente da miséria, a mortalidade infantil tá menor que a dos EUA, e a Sandy tá liberando a carrapeta!!

  188. Biasetto Diz:

    Gilberto,
    Ainda bem que tu aparecestes, porque já estava me preocupando.
    MINHA PACIÊNCIA ESGOTOU:
    1º) Esta história da copa, é absolutamente ridícula! Sem o menor fundamento. Onde está a prova de que o Chico tinha, de fato, dito isto? NÃO TEM PROVA??? Então, NÃO É VERDADE. Outra coisa, copa do mundo, futebol profissional é algo lamentável: desvio de dinheiro, roubalheira… e nem se precisa falar mais. Basta ter um pouquinho de discernimento e bom senso, pra ver isto. Que porcaria!!! Que lixo!!! Os militares também usaram a copa de 1970, a vitória do Brasil, pra fazer propaganda do regime, da ditadura. Agora, estão usando isto aí, pra dizer que Chico Xavier era santo, que o plano espiritual preparou isto pra que ele morresse em um “dia especial”. Ah! se manca! Cai na real, coisa estúpida!
    2º) Chico Xavier NUNCA FOI MÉDIUM – o nome dele deveria ser Bob Esponja, porque ele absorvia tudo que lia. Ou, então, “o homem que copiava”. TODA A SÉRIE “ANDRÉ LUIZ” ou “NOSSO LAR”, como preferem alguns foi COPIADA DE A VIDA ALÉM DO VÉU. TUUUUDO!!! Eu provo isto. No próximo artigo vocês vão ver que o livro Libertação é a CÓPIA DESCARADA, EXPLÍCITA, INDISCUTÍVEL, dos “livros III e IV” de A Vida Além do Véu. TUDO, TUDO, TUDO… a história, a sequência dos fatos, os acontecimentos, um a um… uma vergonha!
    Mais ainda, ele copiou, ele idealizou a Colônia Nosso Lar, de uma informação deste livro também. Vocês verão.
    Antes, eu ainda tinha dúvidas, quando escrevia aqui, ficava meio com receio, se não estava cometendo uma injustiça. Mas, agora, NÃO TENHO A MENOR DÚVIDA: CHICO XAVIER FOI UM EMBUSTE, UM FARSANTE, UM MENTIROSO. Ele inventou Emmanuel, ele inventou André Luiz, ele inventou a colônia Nosso Lar (isto nunca existiu)…
    Aqueles que vêm com este papo de que ele era santo, de que ele ajudava as pessoas.
    Tudo bem, ele era dedicado sim, mas de forma equivocada. Vejam esta palhaçada que está aí, novamente: Criança Esperança! Outra merda. Canais de televisão sonegam impostos, têm dívidas homéricas, emprestam dinheiro (bilhões) dos “bndes” da vida, a juros baxíssimos, quando pagam né!!! fazem programas medíocres, que só ajudam a manter a ignorância do povo, e aí vêm com estas palhaçadas de criança esperança, vamos ajudar as criancinhas do Brasil, fazendo doações…
    Criança esperança, seria uma campanha pela moralização política, pela ética, por uma educação de qualidade, pela ciência, pelo saber, pela cidadania…
    Criança esperança, seria dizer não a esta “putaria” que serão (já está sendo) as Olimpíadas e a Copa do Mundo no Brasil, que vão custar mais de 30 bilhões de reais, e aí, dizem que não tem dinheiro pra construir uns predinhos aí, pra ajudar as crianças – aqui em minha cidade estão construindo um prédio pra atender crianças com câncer, precisam as pessoas ficarem comprando sacos de cimento, areia, pá, enxada… colher de pedreiro.
    Então, o Chico foi nesta linha, da caridade que ajuda ali, mas não resolve nada. Foi na linha do homem serviçal, porque ele queria ser lembrado como santo. O homem subserviente, que diz amém a tudo, que fica lá no seu cantinho com suas dores, tentando não reclamar de nada, porque assim vai pro céu.
    Chico Xavier, foi uma pessoa que nunca cresceu, criou um mundo de fantasias e viveu nele. Criou personagens, criou histórias, criou cidades – tudo copiado, adaptado, inventado.
    Se ele tivesse tido a decisão de ser um simples pesquisador e simpatizante da doutrina espírita, se ele tivesse tido a honestidade de admitir que escrevia livros de ficção, com influência das coisas que lia e acreditava saber, se ele tivesse tido a coragem de admitir que nem tudo que ele escrevia era verdade, então, o Chico Xavier seria uma pessoa a ser reverenciada e elogiada e admirada. Mas, como ele não agiu assim e, se muitos livros dele trouxeram belas palavras e belos exemplos, ele também ensinou bobagens, contou histórias inverídicas, se deixou levar pelas influências católicas, enfim, foi uma desastre! Esta é a verdade.
    .
    Copa do Mundo… blá, blá, blá… Oh My God!!!

  189. Biasetto Diz:

    VEJAM ISTO:
    .
    http://bulevoador.haaan.com/2011/08/25954/#more-25954

  190. Juliano Diz:

    Rafael

    Perdi hoje de madrugada uns quarenta minutos de sono assistindo os vídeos que você disse que teria a resposta da questão do CX. E só posso achar que você está de brincadeira comigo. Os vídeos não dissem absolutamente nada sobre a questão da copa, repito, como já disseram o Biasetto e o Gilberto, é mais uma malandragem/esperteza/oportunismo dos espíritas.
    Agora, os vídeos não foram de todo mal, pois me levaram ainda mais a convicção que o CX agia de forma dolosa nos embustes pseudo-mediúnicos dele. Por quê? 1º A questão das cartas e do julgamento do rapaz. O ocorrido foi em Goiás, e com certeza saiu na mídia. Um julgamento não ocorre em uma semana. E o que ocorreu então? Um simples olhar da situação fática já atestava a situação de um acidente, não se necessitava ser “expert” para ver isto. Então, o Chico tomou conhecimento do ocorrido via mídia, ou através de informação de alguém. Aí algum olheiro espírita, talvez até mandado, foi no Fórum e pegou algumas informações no processo, inclusive uma fotocópia da identidade do falecido para deixar parecido a assinatura, ou conseguiu tal documento através de alguma outra forma e passou tais informações ao CX, e ele, dolosamente, fez a tal carta. TUDO COM INTUITO DE APARECER!!! UMA VERGONHA! E tal constatação cai como uma luva no embuste todo de Uberaba 64, que eles acharam que enganavam a imprensa sensasionalista do Cruzeiro, e “tomaram uma bola nas costas”. E quando notaram que materialização o “furo era mais embaixo”, engavetaram o tema, e só ficaram faturando em cima da ignorância alheia da fraude ocorrida. Pra mim isto é cristalino. Só não vê quem não quer ver. 2º Uma última coisa, não duvido que CX na intimidade dava vasão ao seu lado homossexual, e aí também não duvido que ele apanhava do filho adotivo. Por quê? Melhor deixar pra lá. Acorda Rafael, as coisas são mais sérias do que você pensa.

  191. Rafael Maia Diz:

    Juliano o video nao era para mostrar sobre a copa. O vitor nao autorizou ainda meu texto. O video era sobre outras coisas que estao no meu texto que o vitor ainda nao autorizou mostrar.

    O texto que escrevi vc nao viu infelismente.

    Acho que nao vamos mudar de opiniao nem eu nem vc.

    Olhe, perceba qual a grande alegação dos “contra-chico” ?

    A frágil alegação é a de que a morte de chico no dia da copa é uma mera coencidencia, por uma simples questão de opiniao pessoal. As pessoas que são “contra-chico”, na minha opiniao particular delas, que nao é a opiniao de todos, acreditam que houve uma mera coencidencia entre a data da copa e a morte de chico, que os espiritas usam para se vangloriar.

    Isso de forma alguma vai mais além do que uma opiniao pessoal, tanto é verdade que se fomos para outro forum, eu só minoria aqui, mas lá serei maioria.

    Ouseja, tudo é uma opiniao pessoal, varia de acordo com cada um.

    AGORA, presta bem atenção no que eu vou te dizer, estatisticamente falando, isso nao é uma opiniao, nao depende de gosto ou preferencia, nao depende do local onde nos estamos conversando ou se qualquer um aceita ou nao, isto é, estatisticamente falando, É FATO comprovado que tal coencidencia defendida pelos “contra-chico” era impossivel de se ter acontecido. Só teria acontecido em virtude de algo sobrenatural.

    Mais uma vez eu digo, matematicamente falando, e isso nao depende de aceitar ou nao aceitar, é impossivel a morte de chico xavier ter coencidido na data que o pais estava vivendo em um estado de euforia. Nunca houve nenhum fato igual em toda hisotoria do brasil nem em todo planeta.

    Bom era só isso.
    Abraços.

  192. Rafael Maia Diz:

    Juliano eu jamais disse que o video era a resposta para a copa.
    Ia me esquecendo, se vc queria um vinculo entre o chico saber que sua morte era no dia da copa, ja tem a superinteressante e o jornal da band.

    Mas como sei que a maioria aqui nao são imparciais, vao dizer que tais reportagens nao “contam”.

    Como ja venho dizendo, tanto faz chico saber ou nao, o evento por sí só é suficiente

  193. Rafael Maia Diz:

    Acho que era só isso, entao acho que o assunto esta encerrado, no final, continua tudo igual, quem acredita em chico continua acreditando e quem nao acredita continua nao acreditando. Ninguem se convenceu de nada, exceto o biasetto que deixou de ser espirita.

    Abraços

  194. Biasetto Diz:

    Juliano,
    Vamos analisar a reportagem da Superinteressante, racionalmente, quem sabe cai a ficha pro Rafael.
    Antes, Rafael, veja bem, mais uma vez: O CHICO DE FATO MORREU NO DIA QUE O BRASIL GANHOU A COPA (se você acha importante isto, porque eu não acho), MAS A HISTÓRIA DE QUE ELE DISSE QUE MORRERIA NUM DIA EM QUE OS BRASILEIROS ESTIVESSEM FELIZES, ESTA HISTÓRIA É FALSA – NÃO HÁ PROVAS CONCRETAS. Preste atenção:
    DIZ A REPORTAGEM:
    As cartas – Em 35% das cartas, a assinatura era muito parecida com a do morto, diz um estudo feito com familiares.
    .
    COMENTÁRIO: a assinatura era muito parecida em 35% das cartas. bem, você já tentou fazer um teste dot tipo: você pega 100 pessoas, pergunta a elas o nome completo e imagina como deve ser a assinatura delas, colocando no papel. Eu nunca fiz este teste e nem vou fazer – mas, pode ser, pode ser eu estou dizendo, que uns 30% das assinaturas que você fez, sejam semelhantes, pode ser.
    Agora, pense de forma mais racional, ainda: e se o Chico tinha visto, se ele via (e ele via, muitas vezes) um documento desta pessoa, com a assinatura dela? Então, ele poderia memorizar o “estilo” e copiar. Acertando, algo em torne de 35% não é lá tão grande coisa.
    .
    DIZ A REPORTAGEM:
    É um padrão nas cartas de Chico. Nomes de parentes aparecem em 93% das mensagens analisadas em um estudo da Associação Médico-Espírita de São Paulo, de 1990. Baseada em entrevistas com 45 famílias para quem Chico psicografou, a pesquisa também mostrou que a assinatura da carta era tida como muito parecida com a de seu suposto autor em 35% dos casos.
    .
    COMENTÁRIO: a princípío, a informação é bastante interessante. Acontece, porém, que há informações, inclusive dadas pelo próprio Waldo Vieira, de que havia entrevistas com as pessoas que o procuravam. Portanto, ele poderia pesquisar os nomes dos parentes.
    COMENTÁRIO: a revista diz: “Chico recebeu até mães famosas, como a atriz Nair Bello. Ela foi 3 vezes a Uberaba antes de receber, em 1977, uma mensagem do filho Manoel, morto dois anos antes em um acidente de carro.” – veja que ela foi TRÊS VEZES a Uberaba ANTES DE RECEBER a mensagem, com detalhes. Oras, Rafael, o que impediria que nestes intervalos, entre as visitas de Nair Bello, o Chico ter colhido informações sobre os detalhes da morte do filho dela´?
    Obs.: É um assunto muito delicado este, porque envolve a dor das pessoas, e eu fico com muita ressalva de falar o que estou falando aqui, porque posso imaginar, o sofrimento destes pais, irmãos, filhos e amigos que buscavam mensagens lá. Porém…
    .
    DIZ A REPORTAGEM:
    Mas há quem diga que Chico tinha um jeito de conseguir os dados. “Funcionários do centro espírita iam à fila pegar detalhes dos mortos. Ou aproveitavam as histórias relatadas por parentes nas cartas em que pediam uma audiência. As mensagens de Chico continham essas informações”, diz o médico Waldo Vieira, com quem Chico dividiu o trabalho no centro entre 1955 e 1969. A dupla psicografava junto: quando um terminava de escrever as frases no papel, o outro assumia o lápis. “Os dois produziam textos complementares assinados pelo mesmo autor”, diz o jornalista Marcel Souto Maior em As Vidas de Chico Xavier. A parceria acabou nos anos 60, quando Vieira continuou seus estudos de medicina no exterior. Hoje ele vive em Foz do Iguaçu, onde fundou um centro de estudos religiosos.
    .
    COMENTÁRIO: sem comentários!
    .
    DIZ A REPORTAGEM
    .
    Show de materialização de espíritos e truques para incrementar as sessões de psicografia. O lado pirotécnico de Chico Xavier provocou desconfiança. E atraiu de vez a atenção da mídia.
    .
    O debate em torno dos romances colocou Chico na mídia. “Foi aí que ele ficou conhecido”, diz Nestor João Masotti, presidente da Federação Espírita Brasileira. Pesquisadores começaram a bater à porta do médium. Em 1939, até cientistas russos tentaram estudar seus poderes. “Mas Chico recusou, dizendo que seu guia espiritual Emmanuel não autorizava”, diz Souto Maior em seu livro.
    .
    Chico poderia ter plagiado obras. É o que investiga o espírita Vitor Moura, criador do site Obras Psicografadas. A tese é baseada na comparação entre textos. Como esta:

    • “Ao norte, os barrancos cobertos de neve do Hermon se recortam em linhas brancas no céu; a oeste, os planaltos ondulados da Gaulonítida e da Pereia.” Vida de Jesus, do filósofo Ernest Renan.

    • “Ao norte, as eminências nevosas do Hermon figuravam-se em linhas alegres e brancas, divisando-se ao ocidente as alevantadas planícies da Gaulanítida e da Pereia.” Há Dois Mil Anos, de Chico Xavier.
    .
    COMENTÁRIO: frente a tudo que temos estudado aqui, as informações acima, falam por si:
    1º) Chico não quis participar de testes controlados e nenhum médium brasileiro quer. POR QUÊ?
    2º) Você viu aí, Rafael, que o Vítor Moura foi parte desta reportagem. Eu até critiquei ele aqui, por isto. Vítor, me desculpe, mais uma vez!
    E leia com atenção, os trechos que ele indicou, mostrando plágio em Há Dois Mil Anos, de A Vida de Jesus. Tem um post aqui, mostrando isto aí, de forma completa.
    .
    Você decide, Rafael. A escolha é tua.

  195. Biasetto Diz:

    O método científico (1) – Para explicar um fenômeno da natureza, o cientista, a partir de um conhecimento prévio, faz observações, percebe um problema e arrisca um palpite, isto é, ele pensa em uma possível solução para resolver o problema. Em outras palavras, ele formula hipóteses. As atividades desenvolvidas por uma equipe de pesquisadores dependem da criatividade dos cientistas que a integram. No entanto, há certos procedimentos que aparecem frequentemente na investigação científica. Ele fazem parte do que costuma ser chamado método científico. Esses procedimentos, porém, variam de acordo com o tipo de pesquisa realizada e não podem ser tratados como uma “receita de bolo”, que seria aplicada mecanicamente a qualquer tipo de pesquisa.
    A partir da hipótese, o cientista pode fazer previsões e testá-las por meio de observações ou experimentos. Por fim, ele analisa os resultados do teste e conclui se sua hipótese é verdadeira ou falsa.
    Em termos simplificados, podemos dizer que, nas ciências naturais, o cientista muitas vezes se vale dos seguintes procedimentos:
    - observação de um fato e formulção de um problema;
    - elaboração de hipóteses que resolvam o problema e de previsões que possam ser testadas;
    - realização de observações ou experimentos para testar a hipótese;
    - análise dos resultados das observações ou dos experimentos, seguida de conclusão: se a previsão for confirmada, a hipótese é aceita como verdadeira (pelo menos até prova em contrário); se a previsão não for confirmada, é preciso checar as hipóteses envolvidas no experimento ou formular uma nova hipótese.
    .
    MEU COMENTÁRIO:
    O método científico pode ser empregado, sem maiores exigências. Uma colega espírita afirmou que ficou feliz com a revelação feita pelo filho adotivo de Chico Xavier, de que ele (o Chico) foi a reencarnação de Alan Kardec. Como o filho do Chico sabe disso? Afirmou ter recebido esta revelação, do próprio Chico.
    Por que a colega espírita ficou feliz? Porque ela disse, que já tinha esta “desconfiança”, e Kardec foi o grande revelador da “doutrina espírita”.
    Olha, a colega espírita e muitos outros seguidores do espiritismo poderão ficar feliz com a “revelação”, mas dá pra acreditar nesta história?
    - dogmaticamente, sim!
    - cientificamente, não!
    Vejamos:
    1-) Observação de um fato e formulção de um problema: Chico Xavier, foi a reencarnação de Alan Kardec – Isto é possível?
    2-) Elaboração de hipóteses que resolvam o problema e de previsões que possam ser testadas: Chico Xavier pode ter sido a reencarnação de Alan Kardec, porque Kardec e Chico têm em comum a forte relação com o espiritismo e o contato com os espíritos. Isto poderá ser testado, através de revelações dos espíritos.
    3-) Realização de observações ou experimentos para testar a hipótese: não é possível realizar observações ou experimentos envolvendo a questão, a hipótese, porque não há como confirmar: I – a existência do plano espiritual; II – a existência do espírito; III – a existência da reencarnação; IV – as variáveis, satisfatoriamente aceitáveis, caso exista o espírito e a reencarnação, para admitir que Chico Xavier foi a reencarnação de Alan Kardec;
    4-) Análise dos resultados das observações ou dos experimentos, seguida de conclusão: esta fase do método científico (neste caso) não se faz necessária (nem é possível), em razão da eliminação da fase anterior.
    Conclusão: a prova de que Chico Xavier foi a reencarnação de Alan Kardec é NULA, ZERO, NÃO EXISTE!
    Mas há espíritas, como a colega, que vão afirmar que existem provas (até livros, vão escrever):
    - prova I: o Chico disse pro filho;
    - prova II: o filho do Chico disse pra “todo mundo”…
    O que é discutível e muito duvidoso:
    a-) E se o Chico nunca disse isto, e o filho dele está mentindo, só para chamar a atenção e aparecer na mídia?
    b-) E se o Chico disse, mas o Chico mentiu, porque nunca foi médium e acrescentou mais está mentira à sua história, só pra “jogar mais lenha na fogueira”?
    .
    (1) – Adaptado de “Biologia Hoje” – Sérgio linhares e Fernando Gewandsznajder – volume 1, Editora Ática, 1ª edição, 2011.

  196. Biasetto Diz:

    Respondi um email, a um amigo, com estas palavras aqui, que julgo interessante, expô-las no blog:
    .
    Eu respeito e muito tuas colocações. No meu próximo artigo lá, e pretendo parar por aí, porque tenho mais o que fazer, vou mostrar mais ainda, o quanto Chico Xavier plagiou o Owen.
    Isto pra mim, me basta, para considerá-lo uma fraude.
    O que você pensaria, se descobrisse que um aluno tirou 10 em uma prova, tirou proveito disto e aí, fica claro que ele colou a prova? Você aprova este tipo de atitude?
    E, pior ainda, o que você me diria, se um sujeito passa num concurso, deixa gente que estudou e gastou dinheiro e empreendeu sonhos neste projeto, e o tal sujeito, passou no concurso, porque comprou o gabarito da prova. O que você acha disto?
    Não importa se este sujeito distribui sopa para os famintos, porque há vários políticos fazendo isto, mas, em contrapartida, lesando o país e ferrando o povo.
    Então, não se trata de que eu estou do lado dos céticos, eu estou do lado da verdade, e a verdade que se apresenta a mim, é a de que Chico Xavier, passou a vida mentindo. Portanto, foi um sacana. As motivações, podemos discutir, mas o fato é o fato.
    Meu artigo tem falhas, porque não sou e nem pretendo ser especialista no assunto, tenho pouco tempo e recursos para pesquisas e muitos afazares.
    Quanto à questão de acontecimentos transcendentes em nossa vida, também tenho vários, o que me permite acreditar na existência de “algo mais”, mas não concordo com aqueles que levam isto na base da brincadeira ou do faz-de-conta.

  197. MATUSALÉM Diz:

    Senhores deste blog.
    Para encerrar minha participação nesta discussão, gostaria de dizer-lhes o seguinte:
    Para aqueles que não conhecem o Espiritismo, acham que desmascarando um médium como Chico Xavier, macula a Doutrina Espírita. Mas para quem tem conhecimento do Espiritismo, isso não chega a atingi-lo, pois, sabemos que sempre existiu “médiuns” trapaceiros, combatidos, etc. Como tudo na vida, há os bons, como também, infelizmente falando, os maus são maioria.
    Pelo que eu pude perceber neste blog, fica realmente difícil de não acreditar que o Chico não tenha plagiado muitas de suas obras. mas isso não que dizer que não tenha sido médium! Nós companheiros, muitas vezes, temos que ser flexíveis e aproveitarmos das pessoas o que elas têm de bom!
    Pelo que observo e estudo, vejo que a mediunidade não é tão fácil de exercitá-la com exclusão do animismo. Parece haver fraudes , plágios nas obras do Chico, mas há também fortes evidências de sua realidade (não tenho tempo agora de mostrar-lhes estas evidências, mas se buscares irás encontrar).
    Há referências de centenas de milhares de pessoas convencidas das autenticidades da prática mediunica do Chico e isto não vem em vão! Para um indivíduo enganar centenas de milhares de pessoas por aproximadamente 80 anos de suposta mediunidade, realmente este senhor seria ainda mais extraordinário.
    Abaixo, mando-lhes um exemplo minucioso, somente um pequeno trecho, que resume parte de nossa discussão,que como esta pessoa – entrevistada-, centenas de milhares de pessoas passaram por essa mesma situação, observe;
    JC – Quando recebeu a primeira, de quem era? Chegou a duvidar que fosse mesmo de seu (sua) filho(a)? Teve certeza da autoria de que maneira?
    Célia – Eu conhecia a excelência da capacidade mediúnica do Chico e não duvidaria de nada. Mesmo assim as mensagens eram permeadas de tantas evidências, que não deixavam margem para incertezas. Traziam apelidos, nome de familiares, de amigos, da ajudante do lar, de parentes desencarnados dos quais nem nos lembrávamos ou sabíamos que existiam; situações do cotidiano familiar, tais como sentimentos mais íntimos, diálogos. Traziam ainda detalhes dos momentos finais do filhinho. Desnecessário dizer que o médium desconhecia tudo isto.
    FONTES
    Texto: JCNet, Bauru (SP), 02/05/2011
    Foto: ISTOÉ, 25/03/2011.
    Bem sei que há céticos sérios, no entanto, grande parte dos céticos são tendenciosos e até mesmo fanáticos. Nosso amigo Vitor e de seu colega Júlio Siqueira sabem muito bem o que eu estou dizendo.
    Vejam no link do Júlio Siqueira, as falhas e fraudes céticas:
    http://www.criticandokardec.com.br/falha_cetica.htm

    Importante se saber que os conceitos básicos espíritas, como a reencarnação, a comunicabilidade com o mundo extra físico, a vida fora da matéria, EQM’s etc, , estão sendo paulatinamente estudados e chegando-se a conclusões positivas (e isto não é fanatismo de minha parte não, as pesquisas é que estão indicando..), creio que os senhores tenham conhecimento disso!
    Segue um link, Mundo Paranormal – da revista Superinteressante, para maiores conhecimentos:

    http://super.abril.com.br/ciencia/mundo-paranormal-620367.shtml

    Abração

  198. Juliano Diz:

    Grande Biasetto

    Realmente são tantas as evidências que CX era uma grande fraude que para mim tal questão não comporta nenhuma dúvida mais de minha parte. A grande dúvida que me veio, e sei que não vou poder responder, pois o CX morreu, é quem seria o real CX. Acho hoje que foi alguém provavelmente com um ego nas alturas, que se achava uma espécie de Cristo moderno. Veja que o personagem criado por ele, o mentor espiritual Emmanuel, segundo o CX foi a reencarnação de uma pessoa que teve nas mãos o destino do líder espiritual maior do pessoal cristão, Jesus Cristo. O mentor dele, CX, esteve diretamente vinculado a vida de Jesus quando da dita crucificação, isto é psicanálise, mas é visível o tamanho do ego do cidadão. O espírito maior dos maiores, na visão cristã, esteve nas mãos de Emmanuel! O CX, apesar da aparência de humilde, não se achava pouca coisa não, isto é claro pra mim.
    Outra coisa que jamais saberemos. Mas que vale o questionamento. O que conversavam ele e o Waldo nas noites em claro que passavam “psicografando”? Será que um achava que o outro psicografava de fato e então vingia psicografar? Não acredito. Acho que sabiam que não psicografavam porcaria nenhuma. Agiam em conluio de má-fé mesmo na busca do estrelato. Suposições, suposições e suposições (…). Aceito sugestões sobre o que os dois conversavam nas longas madrugadas de “psicografia”. rsrsrs Um abraço.

  199. Biasetto Diz:

    Juliano,
    Eu já pensei sobre várias possibilidades. Ele disse que gostava muito de literatura, que adoraria ser um escritor.
    Ele era simples, nasceu num lar bem pobre. Ele, com certeza, tinha um “coração muito bom”, coisas que a gente não sabe nem como explicar. Você que é estudante de psicologia, sabe que, numa mesma família, entre os filhos, cada um “sai de um jeito” né? O Chico era o “bonzinho” da turma. Então, penso eu, a perda da mãe, deve ter sido um choque muito grande pra ele, até porque, depois veio aquela madastra lá, que judiava dele e tudo mais. Que sonhos poderiam ter uma criança, depois já adolescente, nestas circunstância, num Brasil do início do século XX, morando no interior de Minas Gerais? Bem, Pedro Leopoldo nem é tão interior, porque fica a 46 km de Belo Horizonte, mas era uma cidadezinha, simples também.
    Então, ele deve ter se interessado por coisas ligadas à leitura, o que é uma bela virtude, e ficava bastante indignado com as injustiças que via. Por outro lado, ficava muito envolvido com o universo que se abria a ele, naquelas leituras que fazia e tudo mais.
    Aí, ele começou a fazer colagens, das coisas que achava em jornais, revistas… ganhava algumas coisas das pessoas que passavam na venda onde trabalhava… começou a montar uma biblioteca, e foi lendo, e viajando naquelas leituras. Então, não penso que ele já agisse de forma premeditada, ele começou a imitar os autores literários… Até que alguém, começou a ver toda a bondade dele, ele começou a mostrar alguma coisa que escrevia e tudo mais. Então, ele foi convidado a participar de sessões espíritas e aquele casal começou a incentivar ele, falou que ele tinha dons mediúnicos. Neste contexto, tinha o padre lá, que exercia um papel de destaque – naquele tempo, as cidades respiravam o catolicismo, viviam intensamente as coisas da igreja católica. Aí, penso que foi tudo misturando na cabeça dele, e ele ficou meio que sem saber o que fazer, mas, então tentou unir as duas crença e aí deu neste espiritismo-católico-apostólico-romano-cristão-moralista- ao-extremos, com algumas inovações.
    Quando ele escreveu o Parnaso, talvez, com certeza, ele não tivesse a dimensão do que aquilo representava ou viria a representar. Então, quando começaram a dar os tapinhas nas costas dele, lá no centro, e ele começou a virar “celebridade”, com certeza, ele sentiu o gosto de se sentir alguém (Freud explica muito bem isto). Só que aí, depois da publicação de Parnaso, ele já foi lançado à condição de médium. Ali, era o divisor de águas:
    - ele poderia ter dito: “não, eu não sou médium, apenas me vejo inspirado pra escrever estas coisas aí.”
    E então, o negócio parava por aí, e ele poderia ser um grande pesquisador espírita, poderia ter feito toda a obra caridosa que ele quis fazer, poderia ter consolado as pessoas, da mesma forma, porque está cheio de religiosos com este dom, há pessoas boas nesta linha, inclusive aqueles que nem são religiosos. Aqui em Bragança tem um padre jovem, com pensamento moderno, um cara muito legal. Ele até já veio jantar aqui em casa, a convite de minha esposa, que é bastante católica, e eu bati um papão com ele, foi muito legal. Ele tem uma facilidade pra animar as pessoas, é um dom, um talento dele. E o Chico ainda, poderia ter escrito os livros dele, numa boa. Era só ele falar, que ele se sentia inspirado pelo espiritual e pelas pesquisas que ele fazia, as leituras. Então, ele poderia dizer que os livros dele eram uma mistura de realidade e ficção, onde procurava contar um pouco sobre o que o espiritismo havia lhe ensinado e sobre aquilo que ele acreditava que poderia existir no lado de lá. Pena que isto não aconteceu, porque o Chico teria sido um escritor formidável e aplaudido por todos, tenho certeza.
    - entretanto, ele foi incentivado a “psicografar” e a coisa complicou, porque foram vindo um livro atrás do outro, e foram surgindo todo tipo de interesses, e o ego dele foi inflando, e a coisa foi indo assim. Uma pena né? Por que se a gente conta uma mentira, e esta mentira começa a ser reproduzida, porque é significativa, aí, a gente tem que ir construindo mais mentiras e mentiras e mentiras…
    Sabe Juliano,
    Também penso que ele poderia até achar, que era médium. Mas isto não exime ele do erro, porque ele, com certeza, sabia que as coisas não eram como ele dizia.
    Veja bem, a gente quando vai escrever algo, vai estudar, vai prestar um concurso, a gente realiza muito melhor estas tarefas, se a gente conseguir se desligar das coisas do dia-a-dia, se a gente conseguir estar bem tranquilo, sereno, com a mente bem limpinha.
    Então, o Chico sentava no cantinho dele lá, fazia as orações dele, e a tranquilidade, a noite com aquele belo luar, a calma, o céu todo estrelado, as imagens dos santos que ele cultuava ali. Aí, ele se punha a escrever e, logicamente, vinham muitas ideias na cabeça dele. Às vezes, acontece isto com nós – às vezes, surgem umas inspirações, que a gente nem sabe de onde vieram!
    Então, ele poderia achar, que havia, realmente espíritos inspirando ele – vinha a ideia de contar a história de um médico, talvez ele acreditasse que este médico (desencarnado) estava ajudando ele a escrever os livros. Só que aí, ele precisava dar nome ao médico, criar uma vida terrena pro médico. Ele poderia acreditar que as coisas que vieram à mente dele sobre o médico, eram informações do plano espiritual.
    .
    Aproveitanto estas colocações aí, agora, tenho recebido emails e lido coisas aqui, que remetem a uma época em que eu defendia a ideia aqui, e que a mediunidade precisava ser reavaliada, caso exista. Então, eu falava, que a mediunidade pode ser algo, que se manifesta de várias formas. Por exemplo, os escritores, os grandes escritores, eles podem (poderiam) estar sendo inspirados por lembranças de vidas passadas, por inspirações do plano espiritual. Então, eles seriam, de fato, médiuns, mas não saberiam disto. Ou não parariam pra pensar sobre isto.
    Só que quando falei estas coisas aqui, agora vou citar o nome, o Scur, foi logo dizendo: “não, isto não é verdade, porque o Chico XAvier foi médium, médium mesmo! tudo que ele escreveu foi previamente analisado, preparado e aprovado pelo plano espiritual.”
    Ele me disse isto, inclusive, pessoalmente, quando conversávamos aqui em um bosque em Bragança. Lembro-me dele, sentado no sofá de minha casa, também, falando pra mim de toda a importância das revelações feitas pelos espíritos-guias do Chico… e tudo mais. A sorte que o gaúcho é bom de papo, muito simpático e carismático, além de ser bem humorado também. Porque ele já estava me deixando puto! (Scurzito, não leva a mal não, porque estamos esperando você aqui, novamente – não vou mais fazer você se engasgar com aquela linguiça de pimenta, aquela linguiça de Bragança, que de te deixou vermelho! hehê!)
    .
    Então, se é pra rediscutir mediunidade, posso até aceitar isto. Agora, dizer que não há plágios e mais plágios nos livros do Chico Xavier, sinceramente: ou a pessoa é fanática demais, ou a pessoa é “burra” mesmo! Desculpem-me…

  200. Rafael Maia Diz:

    Pega leve biasetto, ninguem chamou vc de burro

  201. Rafael Maia Diz:

    Matuzalen nao adianta póstar a favor de chico aqui, senao vão humilhar vc com ironias. Sugiro, se quer sobreviver, ser contra chico

  202. Rafael Maia Diz:

    Ou deixar eles pensarem que estão certos

  203. Rafael Maia Diz:

    Matusalen de fato se vc for verificar, são milhares de seguidores que chico teve e que atestam a sua mediunidade

    Vc pode conferir essas duas historias que mostro a vc como exemplo do que estou falando
    1- a familia jamais tinha visitado uberaba
    2- a mãe jamais havia falado com chico chavier
    3-chico deu detalhes do assidente e sabia o nome dos filhos sem conhecer

    O segundo caso, chico chavier é mais impressionante ainda:

    1-chico deu informações de pessoas mortas a decadas
    2-os propios parentes que foram atras de chico chavier NAO CONHECIAM AS PESSOAS QUE MORRIAM, ou seja, tal evento elimina por completo qualquer chances do chico chavier ter conseguido as informações com a pessoa que sofreu a leitura ou até mesmo ter conhecido essa informações por meio de telepatia “invadindo a mente do sujeito”, como é um caso de telepatas.

    reportagem: http://www.youtube.com/results?search_query=30+de+Junho+de+2002+chico+chavier&aq=f

    Fora isso outra coisa que me faz pensar que chico seja medium são as quetões das assinaturas, se vc for ver, a analise subjetiva feita por uma pessoa aqui no site do vitor diz ter uma percentagem de acerto que, nao me lembro bem, chega a 10 ou 20 %.

    A analise objetiva, me parece que mostra assinaturas muito parecidas em 30% dos casos, assinaturas de pessoas que ele jamais havia conhecido.

  204. Rafael Maia Diz:

    Acredito ,como ja deve ter percebido, que o evento da copa também consiste numa boa prova a seu favor. Matematicamente falando era impossivel chico ter morrido naquele dia.

    A superinteressante afirma que ele havia desejado isso e foi exatamente o que aconteceu.

    Porem, há algumas coisas que me leva a a crer que chico nao era uma boa pessoa ou talvez queria conduzir o espiritismo de acordo com sua vontade manipulando a religião, pois há provas contra ele que atestam isso:
    Veja algumas delas
    1-waldo viera disse publicamente que chico fraudava “consultas”
    2-o seu sobrinho disse que chico era uma mentira
    3-há algumas passagens em alguns livros que sugerem haver plagios
    3-chico entrevistava as pessoas, em alguns momentos de sua vida, antes de consulta-las

  205. Rafael Maia Diz:

    4-nao ha vida em marte como ele havia previsto

    5-o seu guia emmanuel nao existe, na forma como ele havia dito existir.

    6- ele possuia uma cardeneta com amostras de livros lidos por eles, inclusive muitos livros estrangeiros

    7- parece ter evidencias de que ele seja auto-didata

    Porem, apesar de tudo isso, perceba, se vc tiver conhecimento do estudo relacionado aos espiritos, que:

    1-a mediunidade, conforme muitos estudos realizados com mediuns, inclusive mostrado aqui no site do vitor, mostram que nao é um exercicio é fácil, o que, em tese, pode explicar os erros de assinatura, afinal, o braço que estava fisicamente era de chico, embora o espirito nao

    2- waldo nao é uma pessoa muito confiavel, pois lhe falta prestigio cientifico. Ele tb nao disse que tudo em chico era falso

    3-o sobrinho de chico sofria de muitos problemas, chegou a ser internado.

    4-as passgens em alguns livros que parecem ser plagio poderia ser justificada ao fato de que, o autor plagiado, tambem era medium

    Por causas desses fatores, se vc perceber, é possivel notar que há um “aliviamento” das acusações contra chico

  206. Rafael Maia Diz:

    o ponto 5 de chico

    5-a questão da vida em marte passa por uma questão de desconhecimento da ciência, uma vez que essa ainda se encontra estudando as possibilidades de multiplas dimensões

  207. Rafael Maia Diz:

    Até mais

  208. Eduardo José Biasetto Diz:

    Rafael diz:
    .
    – Pega leve biasetto, ninguem chamou vc de burro
    .
    O “burro” que eu quis dizer, é no sentido de “teimosia”, até o animal burro, é de grande valia ao ser humano, inclusive o Emmanuel disse isto ao chico, você sabia??? Hehê!
    .
    O Chico tinha grande amor pelos animais, e isto eu admiro nele. Também amo os animais e a natureza como um todo.
    .
    Rafael,
    Sobre o evento “copa do mundo”, me recuso a falar mais, especialmente com você.
    .
    Rafael,
    Sobre os eventos “cartas psicografadas” não houve, controle de testes, e o Chico se recusou a isto. Então, a pergunta é: por quê?
    Você tira a conclusão.
    .
    Você diz:
    .
    – Por causas desses fatores, se vc perceber, é possivel notar que há um “aliviamento” das acusações contra chico.
    .
    Entendi em partes, o que você disse, mas me pareceu confuso.
    Eu gostaria, RAfael, que um espírita-xavieiriano comentasse aqui, algo como:
    .
    “Olha Vítor e cia, eu continuo achando que Chico Xavier teve capacidades mediúnicas. Porém, frente às evidências que vocês têm colocado aqui, realmente reconheço, que possa ter havido os tais “plágios”, as tais influências… Mas como penso que ele fez muitas coisas boas e os seus livros falam de muitas coisas que me agradam, vou continuar admirando o trabalho dele.”
    .
    Eu diria: — ótimo, continue assim. Só acho que Xavier exagerou no moralismo, nas ideias éticas e fantasiou muitos aspectos do próprio kardecismo. Feito estas observações, mantenha-se na tua fé.
    .
    Mas, ao invés disso, os comentários são acusatórios, como se pessoas como o Vítor, estivessem apenas eculhambar a fé dos outros ou ridicularizar com elas.
    .
    É por aí, Rafael.

  209. Eduardo José Biasetto Diz:

    * estivessem apenas querendo esculhambar …

  210. mrh Diz:

    Ficaram boas, as figurinhas. Sempre ajudam os olhos a ver o q a alma ñ quer… Parabéns superstar Bia e tb Vitor, o batalhador da verdade! My heroes…

  211. Edson F. Diz:

    Seria legal uma análise do livro “Lindos casos de Chico Xavier” –

    Nesse livro ele falou com as formigas:

    “Registrou a ocorrência de enorme formigueiro que começou a devastar as roseiras de Chico que, então, resolve conversar com elas, as formigas:

    - Minhas irmãs, vocês são tão eficientes, tão unidas no trabalho! Mas, olha, vocês precisam ir embora …

    Várias vezes Chico conversou com elas e elas acabaram indo embora”

    até com uma cobra ele falou. Isso mesmo CX disse a cobra que estava em seu caminho – “deixe eu passar que preciso trabalhar a cobra não saía. Então CX disse deixe passar coragem não tenho de te matar e a cobra saiu do caminho dele.

    Surreal, né?

    O amigo Juliano diz:
    “No mais ele era uma pessoa com problemas sérios de personalidade, um homossexual que não teve coragem de assumir a sua preferência sexual, recalcando-a, e sublimando a coisa toda num ex-centurião romano boa pinta, um reacionário de direita e por aí vai. ”

    Sempre desconfiei disso. Diziam que ele era virgem, que não precisava de sexo, pois sua alma estava focada num objetivo muito maior e no grau evolutivo que se encontrava , sexo já não era mais necessidade. Parece um celibato dos padres, né? Mas não, era a homossexualidade enrustida que ele não podia dar vazão e então criou-se a figura do virgem imaculado – do celibatário mesmo.

    Outro que eu acho que queima a rosca é o Divaldo Franco. Minha irmã – que não é espírita – vendo comigo uma palestra do Divaldo em vídeo – queria convencê-la do espiritismo – disse-me: esse Divaldo não é gay não? E eu disse nãooo, que isso, é o jeito dele mesmo. Hoje vejo que minha irmã tinha razão. Só quando se está cegado por essa doutrina é que não se percebe essas coisas. Divaldo não casou, não tem filho nem adotivo e tem uma freira como guia que também não sei se existiu. Assim como Emmanuel não existe, que tal uma pesquisa pra saber se Joana de Angelis existe ou existiu? Abraços!

  212. Rui Diz:

    O que poucos se dão conta, é que se esse pessoal estivesse certo, Chico tinha que estar na cadeia com certeza.

    No Umbral de André Luiz ou Faustino, quicá a mãe de Owen, no vale de Léon Denis ou Yvonne do Amaral Pereira, mas em suma, um falsário de primeira não pode desejar

  213. Rui Diz:

    ser o mais importante médium brasileiro.

    Será que existem outros melhores, ou só na Franca?????

    Umbral pro Chico?

    Ora, dizem que ele plagiou O Á

  214. Rui Diz:

    Será que posso postar um comentário, Vitor?????

  215. Rui Diz:

    Ou só posso por “X” no quadradinho de cima?

  216. Vitor Diz:

    Rui,
    que quadradinho de cima? Nem sei do que você está falando, mas seus comentários não estão sendo moderados, está tudo liberado.

  217. Biasetto Diz:

    Hoje, voltei a este artigo. Vi que surgiram novos comentários.
    Belê!
    Agora, eu também adoro os bichos.
    Com as formiguinhas, até dá pra conversar, mas com a cobra, estou fora!

  218. Sílvia Borda Diz:

    quá, quá, quá, agora posam de vítimas da censura… bem eles que tiveram todas as oportunidades de publicar toda e qualquer alucinação!

  219. Matilde Diz:

    Realmente devo admitir aqui que estou tocada pelo tema. Cresci em centro espírita, desde a mocidade, achando esse cidadão o máximo, como ele era apresentado. Tinha até um quadro no meio da sala onde ele aparecia, velhinho, e a imagem do Emanuel se projetava. Agora percebo como fui usada. Devo dizer que ESTOU PUTA!!! da vida. Sou do interior de SP, quase no Mato Grosso, mas mesmo aqui, nesse fundão, a turma transformou esse cidadão num santo indiscutível. Sempre li este blog e nunca quis me manifestar, pelas dúvidas; minha família tem muitos católicos também, e por isso o tema não me é estranho, quando vejo as tais esferas. Minha tia já falava do céu em cima e do inferno nos fundão. Agora está tudo confuso, e não sei falar de verdade o que sinto. Mas gente, saiba que estou lendo e aprendendo tudo. Abraços, Mat.

  220. Juliano Diz:

    Edson F.

    Assim como Chico Xavier, o Sr. Divaldo Franco de humilde não tem nada. Vejamos.
    1º Ele é uma pessoa de difícil acesso, ao contrário do Chico que era mais acessível. Tempos atrás li que um jornalista não ligado ao movimento espírita tentou marcar uma entrevista com o cidadão, e os “trâmites” para tal intento são tão rigorosos que o jornalista chegou a conclusão que seria mais fácil entrevistar um presidente americano, o Obama, por exemplo, do que entrevistar o Sr. Divaldo Franco.
    2º Ele não poderia ficar para trás do Chico Xavier no quesito mentor pessoal/ligação direta em vida de alguma forma com Jesus Cristo, segundo o espiritismo, o governador do nosso sistema solar que governa tudo do Sol. Segundo o Divaldo Franco, a mentora espiritual dele, Joanna de Angelis, com o nome de Joana também na reencarnação em que conheceu Jesus, foi uma das mulheres que acompanhou Jesus na sua crucificação. O mentor do Chico, Emmanuel, quando supostamente estava encarnado como Públio Lentulus poderia ter salvado Jesus da crucificação, mas não o fez. Já a mentora de Divaldo Franco teve a vantagem de estar junto de Jesus e acompanhar abnegadamente o seu sofrimento. Olha o “ego” do Sr.Divaldo!
    Falando um pouco de Jesus, senão já vão achar que sou um cristão de carteirinha, e não é o caso. Pessoalmente creio que existiu uma figura histórica Jesus, “Yeshua”, ao contrário de muitos que defendem que sequer um líder carismático com o nome de “Yeshua” existiu. Acho que ele existiu e foi um Antonio Conselheiro da época, que contingências históricas transformaram no salvador cristão. Agora, a crucificação ter ocorrido nos moldes narrados na bíblia é algo bem questionável, o que derruba de pronto toda a conversa do Divaldo Franco. Voltando ao CX e Divaldo Franco, evidentemente que tal situação merece maiores estudos, mas para mim resta claro que tudo nada mais é que uma guerra silenciosa de “egos”, com um fundo em Freud, sempre ele, rsrsrsr. Digo, vejo que há nisto tudo um fundo de desejos sexuais reprimidos. E na repressão pessoal o desejo de aparecer e se tornar conhecido no oposto do que se é em essência brota reforçado. Mas a sua essência não morre, e a um olhar atento das circunstâncias da vida ela aparece.

  221. Edson F. Diz:

    Ou seja Juliano, os dois queimam! Sempre achei muiito estranho o comportamento delicado do CX e os trejeitos do Divaldo F. , mas cegado pela doutrina espírita, vc NÃO QUER acreditar que os seus exemplos de moral sejam na verdade homens(?) pervertidos.

    E o Raul Teixeira? Conhecem? Ele imita direitinho o Divaldo falando.

    Falando de dificil acesso a Divaldo, digo que fui impedido de entrar só pra conhecer o famoso centro Frei Luiz (que recebe artistas- políticos- como Carlos Vereza que interpretou o Bezerra de Menezes no cinema). Tem sim uma coisa de estrelismo no espiritismo.

  222. Fausto Diz:

    Caros Leitores

    1- Se colorcarmos todos os livros da série André Luiz juntos, teríamos um grande tratado de mais de 3000 páginas descrevendo o plano espiritual. Assim, é muito natural que tenhamos descrições parecidas ou até idênticas em outros livros. Além do mais, diz a lógica, que existem centenas de outras cidades como a Nosso Lar espalhadas pelo mundo. Desta forma, citações de praças, árvores, pássaros, águas e flores não poderiam traduzir qualquer plágio, e o umbral também não poderia ser descrito de maneira muito diferente em outro livros. O argumento de descrições parecidas perde a força.

    2- Agora vamos para o enrredo. Ora, é de duvidar que a história de André Luiz tenha acontecido apenas com ele.Diz a lógica outra vez, que o suceder dos fatos aconteça com muitos outros espíritos, eu diria até com milhões deles. A história de um espírito que desencarna em maus lençois, depois é resgatado, e descreve onde está, visita a terra etc, deve ser a mais comum de todas. Por isto, encontrar outras histórias com a mesma espinha dorsal histórica é pra lá de obvia. Outra vez o plágio perde a sua força.

    3- Qualquer trabalho sério deve ser analisado se possível com imparcialidade, o que parece não acontecer aqui. É só verificarmos o “haaan” no endereço deste site, que indica uma risada, o que torna todo o trabalho suspeito, pois o autor já desacreditando antecipadamente, certamente puxará a sardinha para o seu lado,forçando aqui e ali a interpretação dos fatos, tentando induzir o leitor a erro.

    4- A hipótese de plágio tem fundamentação materialista, ou seja, não podendo mesmo existir de verdade cidades espirituais ou mesmo espíritos, Chico Xavier teria que ter inventado tudo ou copiado de algum lugar, não é mesmo? Assim, o autor deste site, querendo provar a todo custo sua tese, vê o que existe apenas na sua imaginação. Por exemplo, o uso da palavra tutelado. Ora, se for costume no plano espiritual o uso desta palavra para descrever alguma espécie de relação entre os espíritos? Devemos levar em conta as tradições espirituais linguisticas que podem ser as mesmas em duas obras mediúnicas diferentes. Viu? As coisas não são tão simples como parecem. Mas para quem quer na verdade difamar as obras mediúnicas e o próprio espiritismo, uma explicação mais aprofundada não convém, não é mesmo?

  223. angus Diz:

    “Mas na sua atuação encarnada, viu-se que tal não foi preciso: o dedo já era o bastante.”
    Eu posso ate, com muito esforço, tentar enxergar pela sua ótica, mas qualquer avaliação um pouco mais sóbria pode perceber o absurdo.
    Eu não conheço ninguém que aceitaria perder um membro do corpo para aliviar a consciência, muito mais sensato seria pedir para passar uma vida fazendo caridade, ou ate nascer em um país privado das condições mínimas de sobrevivência, mas vai ver que quando se esta fora do corpo físico a pessoa apresenta esses rompantes de atos mutilantes.

    “Em lugar nenhum. Veja se te manca que os animais sofrem, seja na mão do homem, seja na mão da Natureza. Isso é fato. Se é justo ou injusto, não nos cabe aqui discutir.”
    Nessas horas a conveniência nos faz descartar ate um dos pilares do espiritismo. Ora, se causa e efeito tem explicações divinas, porque na hora de colocar o dono da arte na parede releva suas responsabilidades?

    “Há religiões com argumentos ainda mais frágeis e estão aí a milhares de anos.”
    O espiritismo se gaba de angariar para seu meio pessoas intelectualmente mais bem formadas, se assim for, seus dias me parecem mesmo contados.

  224. Paulo Diz:

    O que se observa nestes comentários é que a mente de vcs é mais fértil, do que a possível mente fétil de Chico… Vá deduzir tanta besteira assim lonje! E mais, a Doutrina Espírita não se gaba de nada, se alguém se gaba são pessoas mal informadas. Uma questão surge; Por que pessoas tão importantes como vcs estão gastando seus valiosos tempos em comentários esdrúxulos e sem fundamento empirico, acredito que se vcs podem utilizar esse potencial e tempo de vcs para coisa mais útil.

  225. Gazozzo Diz:

    Vou compartilhar um trecho de um debate no Bule Voador, que acabei de ler, com a participação dessa mente brilhante que é o Homero:
    .
    (primeiro a parte espírita) “Camila, em 21 setembro 2011 às 16:39
    .
    As pessoas acreditam no que quiser,Deus nos deu o livre-arbítrio para fazermos nossas próprias escolhas na vida.Eu sou espirita e acredito em cirurgias espirituais e que elas podem ajudar em curas de doenças,vou contar um caso que aconteceu com a minha mãe,ela sofria de dores cronicas na coluna,ela fez vários exames,passou por vários tratamentos convencionais,fez fisioterapia,tomava remédios,até que um dia ela teve uma crise terrível em que ela ficou de cama por mais de uma semana sem conseguir se levantar por causa das dores,então ela decidiu se submeter a cirurgia espiritual,sendo que ela já havia parado com os outros tratamentos pois não surtiam efeito e desde então ela não teve mais problemas na coluna, alguém tem alguma explicação pra isso?Outro caso aconteceu com o meu tio que tem problemas no coração,ele passou por uma cirurgia espiritual e apos isso recomendaram a ele que procurasse um medico,ele se consultou com um medico,fez todos os exames e bla bla blas,e então o medico,que não sabia que ele era espirita,nem que ele passou por uma cirurgia espiritual,diagnosticou que ele tinha um problema no coração e que o mais estranho é que ele tinha uma ponte de safena,sendo que ele nunca tinha passado por nenhuma cirurgia, alguém pode me explicar isso por favor?
    Existe muita picaretagem nesse meio? Sim,assim como existe muita picaretagem na medicina e na ciência ,e nem por isso eu vou dizer que elas não existem.
    .
    P.S. Espiritismo não é brincadeira do copo,parem de pensar que a gente chega lá e fica batendo papo com espirito,eu mesma sou espirita a muito tempo e nunca participei de uma reunião mediúnica.”
    .
    Agora a resposta do Homero: “Homero, em 21 setembro 2011 às 18:18
    .
    Camila: ” alguém pode me explicar isso por favor?”
    .
    Sim, todos tem o direito de crer no que desejar, e todos tem o direito de analisar, criticar, e refutar qualquer crença ou alegação apresentada.
    .
    Dito isso, não, não podemos explicar. Calma, isso não significa que a “sua” explicação, espírita, seja correta. Nem mesmo que seja a única possível, se tomamos como válida qualquer explicação que nossa imaginação puder criar.
    .
    Primeira coisa a entender sobre pensamento racional, e sobre lógica, é que a falta de uma explicação científica, com evidências e base, NÃO significa que qualquer outra explicação igualmente sem evidências possa ser tomada como certa.
    .
    Por exemplo, eu afirmo que a “cura” de seu tio não se deveu a “espíritos”, mas a alienígenas do bem que, comovidos com a dor dele, o abduziu, fez a operação, e apagou sua memória disso tudo.
    .
    Pode “provar” que não foi assim? Ou pode “provar” que a sua explicação, espíritos de cura, tem mais evidências do que a minha, aliens do bem?
    .
    Ou que em vez de “espíritos”, que os católicos dizem não existir, na verdade foi a Virgem Maria, que os mesmos católicos dizem fazer esse tipo de milagre? Pode demonstrar qual das duas possibilidades tem mais chances?
    .
    Sabemos que não. Você sabe que não.
    .
    Agora, vem a parte interessante. Seus relatos, pessoais, são relatos anedóticos. Ou seja, não estatísticos. E sem controle, sem evidências, sem dados de validação, etc. Não estou “duvidando” de você, ou dizendo que está mentindo (embora, tem de entender isso sem ser pelo lado pessoal, possa estar), mas que o relato que nos passou é insuficiente para permitir uma explicação embasada, científica.
    .
    Mas posso dar “pistas”. Seu tio tem uma “ponte de safena” embora nunca tenha sido operado. Primeiro, exames médicos podem se enganar. Se seu tio dissesse ao médico que nunca havia sido operado, ele ficaria curioso o suficiente para fazer mais exames, mais profundos, talvez uma tomografia profunda.
    .
    E poderia descobrir diversas coisas. Por exemplo, que seu tio tem um crescimento anômalo das veias e artérias do coração (bastante comum), que pode ser confundida com uma safena. Ou que o exame anterior confundiu uma estrutura corporal com uma artéria ou veia.
    .
    Ou, o que seria mais interessante ainda, descobriria uma “prova” fantástica de que uma operação sobrenatural foi feita em seu tio!!!!
    .
    Mas, que pena, nem seu tio, nem mais ninguém, se interessou pela maior prova de algo sobrenatural jamais encontrada, e deixou por isso mesmo..:-(
    .
    Toda doença ou condição, quase toda, tem um índice de regressão espontâneo (nenhum médium fez um braço amputado crescer de novo, me parece..:-). Ou seja, alguns se curam sem nenhum tratamento. De 100 pessoas com crises horríveis na coluna, algumas se curam com o tempo. Todas, ou quase, todas, tentam diversas coisas para se tratar.
    .
    Deve entender que de vez em quando alguém que se trata com algo totalmente ineficaz, se cura, porque já iria se curar de toda forma. E fica tentado a relacionar a cura com o tratamento. Não é algo razoável.
    .
    Um tratamento deve curar estatisticamente mais que o “não tratamento”. Milhares de pessoas tem dores de colunas. Muitas sofrem cirurgia espiritual. A maioria continua com dores na coluna. Algumas se sentem curadas.
    .
    Pode entender isso, não?
    .
    Veja este relato anedótico, da Mara Mazan, atriz com cancer:
    .
    “- Antes de eu tirar o tumor de meu pulmão, eu já havia sido operada espiritualmente pelo Doutor Fritz (incorporado por Edson Queiroz), indicado pela minha amiga e cantora Alcione. Os tumores que existiam em meu pulmão diminuíram consideravelmente e, quando a equipe do médico Riad Yunis fez a retirada do tumor maligno, não houve nenhum tipo de complicação. (…) Foi uma coisa surreal, mas muito bacana. O meu tratamento foi inteiramente realizado na base da oração. Fiquei sentada em uma cadeira e começaram a rezar. Logo eu comecei a sentir meu corpo dormente, como se tivesse sido anestesiada. Entrei em alfa e depois vomitei um líquido verde, parecendo a personagem Sarah, de O Exorcista.”
    .
    Impressionante, não? Pois é, ela morreu pouco depois.
    .
    Antes que grite “mas pessoas que se tratam com medicina real também morrem!!!”, sim, morrem, mas quantas, em cada 100? É disso que se trata, quantas em cada 100?
    .
    Se tiver cancer de mama, e for tratada, tem 90% de chance de se curar. Isso significa que 10 mulheres não vão se curar, mesmo se tratadas. Vão morrer. Isso significa que o tratamento é ineficaz? Não.
    .
    Mas se não se tratar, ou se se tratar com operações mediúnicas, quantas, em cada 100, vão se curar? Bem, há poucos estudos (médiuns não gostam desse tipo de ceticismo brutal) , mas em geral, vão se curar o mesmo número de mulheres que não recebe tratamento. Isso significa que o tratamento espiritual é eficaz? Não também.
    .
    Já parou para pensar porque orações, espíritos, médiuns, quase não tinham efeito, antes da medicina moderna, do antibiótico, das drogas? Já pensou nisso?
    .
    E se reconhece que existe “muita picaretagem”, como faz para separar o “picareta” do real, se não vai usar as ferramentas do ceticismo, da razão e da ciência? E se usar, como faz quando estas mesmas ferramentas, não veem diferença entre o picareta, e aquele que honestamente, mas equivocadamente, acredita nos seus poderes?
    .
    Se existe muita picaretagem, é porque é um ambiente que permite que essa picaretagem prosperem, pois falta ceticismo, razão, e há muita esperança, devido a dor e ao desespero. E nenhuma preocupação com validação ou confiabilidade das alegações.
    .
    Homero

  226. Gazozzo Diz:

    Faltou o link pra postagem: http://bulevoador.haaan.com/2011/09/27284/#comments

  227. Paulo Diz:

    1. Quando vc questiona sobre pensamento racional, lógica e explicação cientifica, vc mesmo de ver saber que esse pensamento racional e lógico está “proporcionalmente” inserido num contexto cultural, ético e temporal, assim também como a nossa fragmentada ciência que a cada dia derruba, quando não fulmina, verdades e certezas que ela própria criou ao longo da sua existencia. Nós espirítas, acreditamos que todo esse panorama de acontecimentos filósoficos, cientificos e religiosos está inserido num processo infinitamente maior, absolutamente muito maior, que é nosso processo de evolução intelecto-moral, que não começou nesta vida e que ainda há de se prolongar pela eternidade. Este mesmo processo de evolução do seres, a nossa ciencia e filosofia já percebem, apesar do ponto de vista ainda tacanho por onde observam, mas a maioria de nossas religiões estão longe de enteder.
    2. Muito bem meu caro Homero, vc acaba de confirmar o que havia dito no parágrafo acima, até mesmo a ciência, no caso a médica pode se enganar e se confundir, como não? Pois o corpo humano não é um clone do outro, as formas físicas variam. Positivo! Porém para nós espíritas a “prova fantástica” ou sobrenatural não existe. Nos também não acreditamos em milagres. Se realmente houve uma cirurgia espiritual pode ser explicada, pelo menos para nós que acreditamos que existem espiritos, através de manipulação magnética e outras formas de aplicação de energias..
    Cuidado ao afirmar que “quase toda doença” tem um processo de regressão espontâneo. Isso que vc chama de reação espôntanea o próprio Darwin ( cientista ) já derrrubou há muito tempo. Sabemos através da ciência que o corpo reage através do sistema imunulógico para corrigir as deficiências do mesmo, sem contar o efeito placebo, que nada mais é que a certeza ( fé ) que determinados paciêntes tem de que foram curados..:-(
    ”Um tratamento deve curar estatisticamente mais que o “não tratamento”. Milhares de pessoas tem dores de colunas. Muitas sofrem cirurgia espiritual. A maioria continua com dores na coluna”. Cadê seus números estátisticos? De onde foi que vc tirou esta informação? ..:-(..
    O processo de curas espirituias, em alguns casos, e infelismente, são muito parecidos com os procedimentos médicos e nem todo mundo sai 100%.
    Meu caro Homero, se a medicina espiritual fosse curar tudo… iriamos começar pela AIDIS e o câncer. E nosso processo de evolução ficaria onde? E nossas responsabilidades como seres humanos. Não é tão simples como gostáriamos que fosse!
    ”Já parou para pensar porque orações, espíritos, médiuns, quase não tinham efeito, antes da medicina moderna, do antibiótico, das drogas? Já pensou nisso?” Se vc der uma olhadinha em nossa história vc vai observar que a cura espiritual é cem vezes ou até mais velha que a poderosa medicina, que vc chama de moderna, e também que a mesma deve muito a este processo, já que esta é apenas uma dissidência da outra.
    Chartões, picaretas, embusteiros, seja lá o que for.. o mundo está impregnado, não só nas religiões como na ciência, politica, medicina, senado e até no STF. E isso a doutrina Espírita também combate.

  228. Paulo Diz:

    . Quando vc questiona sobre pensamento racional, lógica e explicação cientifica, vc mesmo de ver saber que esse pensamento racional e lógico está “proporcionalmente” inserido num contexto cultural, ético e temporal, assim também como a nossa fragmentada ciência que a cada dia derruba, quando não fulmina, verdades e certezas que ela própria criou ao longo da sua existencia. Nós espirítas, acreditamos que todo esse panorama de acontecimentos filósoficos, cientificos e religiosos está inserido num processo infinitamente maior, absolutamente muito maior, que é nosso processo de evolução intelecto-moral, que não começou nesta vida e que ainda há de se prolongar pela eternidade. Este mesmo processo de evolução do seres, a nossa ciencia e filosofia já percebem, apesar do ponto de vista ainda tacanho por onde observam, mas a maioria de nossas religiões estão longe de enteder.
    2. Muito bem meu caro Homero, vc acaba de confirmar o que havia dito no parágrafo acima, até mesmo a ciência, no caso a médica pode se enganar e se confundir, como não? Pois o corpo humano não é um clone do outro, as formas físicas variam. Positivo! Porém para nós espíritas a “prova fantástica” ou sobrenatural não existe. Nos também não acreditamos em milagres. Se realmente houve uma cirurgia espiritual pode ser explicada, pelo menos para nós que acreditamos que existem espiritos, através de manipulação magnética e outras formas de aplicação de energias..
    Cuidado ao afirmar que “quase toda doença” tem um processo de regressão espontâneo. Isso que vc chama de reação espôntanea o próprio Darwin ( cientista ) já derrrubou há muito tempo. Sabemos através da ciência que o corpo reage através do sistema imunulógico para corrigir as deficiências do mesmo, sem contar o efeito placebo, que nada mais é que a certeza ( fé ) que determinados paciêntes tem de que foram curados..:-(
    ”Um tratamento deve curar estatisticamente mais que o “não tratamento”. Milhares de pessoas tem dores de colunas. Muitas sofrem cirurgia espiritual. A maioria continua com dores na coluna”. Cadê seus números estátisticos? De onde foi que vc tirou esta informação? ..:-(..
    O processo de curas espirituias, em alguns casos, e infelismente, são muito parecidos com os procedimentos médicos e nem todo mundo sai 100%.
    Meu caro Homero, se a medicina espiritual fosse curar tudo… iriamos começar pela AIDIS e o câncer. E nosso processo de evolução ficaria onde? E nossas responsabilidades como seres humanos. Não é tão simples como gostáriamos que fosse!
    ”Já parou para pensar porque orações, espíritos, médiuns, quase não tinham efeito, antes da medicina moderna, do antibiótico, das drogas? Já pensou nisso?” Se vc der uma olhadinha em nossa história vc vai observar que a cura espiritual é cem vezes ou até mais velha que a poderosa medicina, que vc chama de moderna, e também que a mesma deve muito a este processo, já que esta é apenas uma dissidência da outra.
    Chartões, picaretas, embusteiros, seja lá o que for.. o mundo está impregnado, não só nas religiões como na ciência, politica, medicina, senado e até no STF. E isso a Doutrina Espírita também combate.

  229. Francisco Diz:

    Luz a todos. De antemão peço compreensão se minha intromissão gerar desconforto. Interessa-me esclarecer que o que chamais plágio ou cópia renuncia a autoria, no momento em que esta interessa-se em desmerecer verdadeiro autor. Dizer-se-ia que a fama é o interesse inerente a propósito de tais labores. É necessário que, de alguma sorte, todos recebam estímulo doutrinário e acréscimo de ordem superior, repetidos tal-vez.

    Many people there’ve been in Rome at least once and probably wrote about their experience as well as that city architeture. Many books have been published about this hipothetical example. Details are the same, words may not. People really interested in turism wouldn’t criticize the theme. The interest must come from inside.

    Paz.

  230. Dárcio. Diz:

    “Olá Arduin, esta turma de “figurões” aí, não dizem nada. Eles não querem participar de um blog como este também. Uma vez convidei o Luciano dos Anjos a palpitar aqui, porque ele costumava me enviar emails – ainda envia, esporadicamente, mas ele disse que não valeria à pena, que isto aqui era uma “brigaiada” – quer dizer: os espíritas-xavierianos fogem do blog do Vítor, por uma simples razão: não têm argumentos pra rebater as revelações que são feitas aqui. Esta é a verdade!”

    Sobre este comentário, é o que sempre digo. O Vitor também não tem coragem de publicar um livro com estas conclusões. Se já o fez (ou o está fazendo), parabéns. Mas, se esconde-se neste blog, então, é o mesmo que os figurões, que não querem aparecer por aqui.

    Os relatos semelhantes só provam que a vida espiritual existe. Antes de ser plágio, é evidente que dois espíritos estão dizendo a mesma coisa, através de médius diferentes. Então, pode ser plágio? Pode. Mas pode também ser verídico. A questão é: como provar que Chico Xavier leu “A Vida de Jesus”, de Ernest Renan e agora, “A Vida Além do Véu”. Estes dois livros, então, estavam em sua biblioteca de 400 livros, em Pedro Leopoldo? Ou na Biblioteca de Waldo Vieira? Enfim, ao acusador, cabe o ônus da prova.

  231. paulo cesar fernandes padilha Diz:

    Você deve estar mal informado, sobre a trajetória de vida e obras do médium Chico Xavier.
    Quem sabe, acrescentaria algo mais na sua vida, de positivo se você tomasse conhecimento destas obras e ocupasse o seu tempo em lê-las, pois assim, o mundo seria bem melhor.
    sou espírita a mais de 30 anos, admiro você, que se diz espirita a mais de 20 anos e falar do grande médium Chico Xavier, um espirito de bondade.

  232. Emília Diz:

    Até agora não entendi bem o propósito deste blog; Teria ele o simples propósito de difamar Chico Xavier?
    Difícil é conseguir, um homem que passou pela vida apenas fazendo o bem e exaltando a fé em Jesus Cristo, não será detonano simplesmente por alguém que não o conheceu em sua essência!!!!

  233. Marcos Arduin Diz:

    Eu explico cara Emília.
    Aqueles que não conseguem ver os gigantes na sua estatura normal, compensam essa falha transformando-os em anões.
    Há um SÉRIO problema entre os espíritas desde o início: seus supostos líderes quiseram fazer com que uma doutrina de CONSEQUÊNCIAS morais se tornasse religião de vez (religião se diz DONA da moral e, por ser vinculada a Deus, necessariamente só pode ser verdadeira em tudo o que diz). Assim então veio esse problema de se endeusar pessoas, líderes, obras espúrias, etc e tal.
    E Chico Xavier foi vítima desse processo nos dois sentidos: embevecido pelo espiritocatolicismo da FEB (já que o próprio Chico era egresso do Catolicismo), Chico navegou na dela, aceitando as tolices de Roustaing, autor muito adorado pela FEB e pelos espiritólicos por ter salvado a eterna virgindade de Nossa Senhora.
    Daí então em obras de Emmanuel aparecem coisas típicas do pensamento rustenista, sejam essa coisas incluídas pela FEB ou pelo próprio Chico-Emmanuel.
    No outro sentido, o próprio Chico virou o mito que hoje conhecemos e isso fez de seus puxassacos adoradores inveterados, não admitindo ver nele qualquer erro ou mácula, ainda que o próprio Chico desmentisse sua suposta santidade.
    Com isso então aqueles que veem erros nas obras do Chico viram alvos fáceis de pedradas.
    .
    O chato é que esses críticos do Chico acabam se perdendo por conta própria.
    .
    Veja por exemplo o caso da Otília Diogo-Josefa. Aqui e em sítios alhures, Chico é apresentado como O GRANDE FARSANTE que endossou essa médium fajuta (em termos). Já o Waldo Vieira é discretamente varrido para baixo do tapete, como se ele nada tivesse a ver com o caso. Por que? Porque agora ele é usado para PROVAR que Chico era uma fraude. Waldo fala que Chico obtinha dados dos consulentes e assim fraudava as mensagens vindas dos parentes falecidos. Ah! E também comprava frasquinhos de perfume na Botica ao Veado d’Ouro e fazia fraudes com a presença de espíritos perfumados.
    Por tudo isso, Waldo virou uma VALIOSA testemunha contra o Chico e o pessoal aqui até o defende: O testemunho do Waldo é válido porque ele conviveu anos e foi íntimo do Chico…
    Que piada! Se Waldo ficou onze anos vendo o Chico fraudando e calou-se, então ele foi um canalha igual, um cúmplice voluntário. E é um covarde, pois enquanto o Chico vivia, ele ficou de boca calada e agora que está morto, fala à vontade, seguro de que o Chico não virá desmenti-lo. Ah! E no caso lá da Josefa, QUEM ARMOU A FARSA TODA foi o Waldo: foi ele que contatou a médium, que reuniu a equipe, que montou o seu consultório para a “pesquisa”. O Chico era só um figurante que ficava rezando e vibrando. Mas olhem só que gozado: deixam o Waldo de lado e só acusam o Chico.
    .
    Se esses críticos do Chico tivessem se achado, dariam a César o que é de César. Chico no máximo escreveu livros. Juridicamente falando, ELE É O AUTOR. Não há reconhecimento legal para autores espirituais. Querem aqui acusá-lo de plágio (que tecnicamente não há nenhum), no máximo talvez para negar-lhe credenciais mediúnicas (como se o médium fosse apenas uma máquina de escrever e só). Se Chico escreveu romances ou outras obras nas quais hoje se reconhecem erros, então que ele figure ao lado de Sartre, Foucault, Freyre, Silva Mello, Marx, Galton, etc e tal, que também escreveram boas obras, mas igualmente cheias de erros, enganos, tolices, etc e tal.
    Afinal são todos HUMANOS (espíritos ou encarnados…).

  234. Dalva Marisi Diz:

    Boa noite!

    Deparei com seus comentários ao fazer uma pesquisa.
    É surpreendente que você se intitule simpatizante da Doutrina Espírita.
    São pessoas como você que deturpam tudo que há de bom, honesto e sincero no querido planeta Terra.
    Chico Xavier foi e é um verdadeiro cristão, ajudou inúmeras pessoas, seja pela psicografia, seja pela ação comunitária, realizou um trabalho de fé e esperança, de caridade e de humildade.
    Os relatos nos livros são verdadeiros e por esse motivo encontramos similaridade em obras de diversos locais, épocas diferentes e religiões orientais.
    Você está parecendo um inimigo do espiritismo se dizendo conhecê-lo para mentir e difamá-lo.
    Quais são suas obras? A quantos você faz o bem?
    Procure uma assistência espiritual, siga o conselho do Divino Mestre Jesus: ORAI E VIGIAI!

  235. Manoel Medeiros Diz:

    Ahhh a inveja…

    Quantas insanidades são cometidas em nome dela!
    O mais antigo tipo de auto Obsessão, conforme consta nos escritos sagrados… A Inveja foi a causa do primeiro Fratricídio nos primórdios da nossa civilização!
    Que tal ao invés de somente invejar, seguir o exemplo de
    Chico Xavier???

    Abraços Fraternos!!

  236. Phelippe Diz:

    Isso, Biasetto, detona essa gente de uma vez. Adorei o texto. Mais um mito detonado. E como tem gente q acredita em sandice…

  237. Clair Diz:

    Olá Vitor,
    Caí de paraqueda aqui e vou deixar a minha opinião baseada em fatos que presenciei na minha peregrinação religiosa. ..rs, uma coisa eu vou te dizer, eu como você já fui católica e simpatizante do espiritismo também, e a decepção nos faz ficarmos céticos e não é fácil ser cético. Cheguei a conclusão que todas tem suas meias verdades e falhas tb e que aqui ninguém sabe de nada e tudo funciona conforme a nossa fé. Eu sou atendida em tudo que peço, seja em qualquer religião pois acredito em Deus e na lei da atração tb, tudo funciona. No espiritismo comecei a ver flamas e aconteceram fatos os quais percebi que eu estava sendo usada e por vezes protegida tb, fiz uma aula dos estudos e discordei de algumas coisas pois a psicóloga tinha uma explicação melhor que aquilo, não gostaram, cheguei a conclusão que nao me dou bem em religião nenhuma pois nenhuma gosta de pessoas com opinião própria, hoje peço e sou atendida só.
    Em todo o lugar tem o bom é o mal, conheci 2 padres, um tentou se aproveitar de mim, fato o qual me fez pegar ódio de padres e da Igreja católica e passei a ler só artigos que expõe as sujeiras da igreja, porém depois de uns 4 anos conheci um outro em um hospital o qual a bondade era tão grande que me tirou a má impressão e cheguei a conclusão que tudo depende da boa vontade de cada um dentro das suas crenças.
    Referente ao texto, acredito na boa fé de Chico visto que recebi msgs de meu sobrinho com senha as quais me conformaram muito na dor, pois não tem como duvidar da verassidade das mesmas pois sou desconfiada. Já me fiz várias perguntas a respeito disto tb, acredito que Chico tb foi usado por este espírito e até escravizado o qual deva ser o mesmo que ditava a Owen, mas aí é que tá pq não comprova a sua identidade?
    Bem, se eu ficar questionando tudo em busca da verdade acabarei louca, chego a conclusão que verdade é aquela que vem até nós e não acreditar em nada também não é bom.
    Um Abraço Amigo!

  238. Herivelto Martins Filho Diz:

    Eduardo José Biasetto, por favor faça algo de útil na sua vida. Imite o nosso querido Chico Xavier que nunca se preocupou e muito menos criticou qualquer semelhante seu. Viva para produzir algo de bom. Perder seu precioso tempo para falar mal do espiritismo e principalmente de Chico Xavier só demonstra sua total desorientação psíquica e espiritual, nada mais sendo necessário para diagnosticar sua patologia personal. Paz e equilíbrio.

  239. Decio Diz:

    Excelente artigo; conteúdo bastante interessante. Entretanto, fico com a impressão de que essas observações são relativamente superficiais. Emmanuel, o mentor de Chico Xavier e “patrono” de André Luiz, assina todos os prefácios da coleção “A Vida no Mundo Espiritual” da qual “Nosso Lar” é o primeiro volume. É, em minha avaliação, pouco provável que entidade séria e conceituada como Emmanuel aceitaria tornar-se cúmplice de plágios de, como diz o artigo, poderiam constituir pelo menos 1/3 da obra psicografada por Chico Xavier.
    Se eu convidar um escritor inglês para descrever a cidade do Rio de Janeiro e, dois, três ou cinco anos depois convidar um outro escritor – dessa vez um brasileiro – para descrever uma outra cidade ou o mesmo Rio de Janeiro, tenho certeza de que, ao confrontar as duas descrições, encontrarei muitas semelhanças.
    Acho que o material estudado no artigo não prova que André Luiz é um coletivo de espíritos, não prova que foi ou não foi Carlos Chagas ou outra personalidade citada, não prova que sua obra ou a de outros autores foi plagiada por Chico Xavier e apenas lança descrença na honestidade de um médium da envergadura de Chico Xavier, considerado por avassaladora maioria da comunidade espírita mundial, como o maior médium que viveu entre nós no século XX.
    Com um cordial abraço,
    Decio Elias

  240. luis Menezes Diz:

    Querido Amigo,

    Louvável e dispendioso trabalho de pesquisa, mas faltou uma coisa ainda, ler melhor a codificação e ver que a terceira revelação, ou o tomar de assalto pelos Espíritos elevados, não é um previlégio do Brasil, mas sim do Planeta, dentro da cultura e capacidade de assimilação de cada povo. acredito que o Espírito que para nós adotou o pseudônimo de André Luiz ou mesmo nosso amado Emmanuel e todos demais também comunicaram a todos povos da Terra
    Então Amigo, como não haver similaridades?,
    Se me permite acho de grande leviandade acusar um Espírito amoroso como o Chico Xavier, eleito o Mineiro do século, nção pelos Espíritas pois não temos número suficiente para isso, mas por todos homens de bem que aprenderam a amá-lo por seu exemplo de conduta e fraternidade.
    Quando a capacidade mediúnica, o Irmão terá de perguntar aos destinatários das mais de 20.000 cartas familiares psicografadas com datas, nomes, lugares, que muitas vezes os próprios familiares desconheciam.

    Acredito que ao criticar Você está dando uma contribuição muito grande a construção da fé raciocinada que resiste até aos detratores desta Doutrina de amor; mas me pergunto; que bem você esá fazendo a você?
    Sincero abraço e peço desculpas se minhas palavras não agradarem, mas é que de erros e equívocos eu entendo porque também os pratiquei, mas as coisas que engrandecem a humanidade e minha Alma é o que busco neste momento da consciência.

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)