Vendo Pessoas Mortas que Não se Sabia Terem Morrido: Experiências “Pico em Darien” (2010)

Este artigo foi gentilmente autorizado para publicação aqui no blog por seu autor, Bruce Greyson, tendo sido originalmente publicado na revista científica Anthropology and Humanism em dezembro de 2010. Trata especificamente de casos de EQM que fornecem algumas das mais persuasivas evidências da sobrevivência da consciência após a morte do corpo, as chamadas experiências “Pico em Darien”.

Vendo Pessoas Mortas que Não se Sabia Terem Morrido:

Experiências “Pico em Darien”

BRUCE GREYSON

Divisão de Estudos da Percepção

Departamento de Psiquiatria e Ciências Neurocomportamentais

Universidade do Sistema de Saúde da Virgínia

210 10th Street NE, Suite 100

Charlottesville, VA 22902–5328

RESUMO: A crença generalizada de que, após a morte, a nossa consciência pode persistir em alguma forma desencarnada é alimentada em parte por fenômenos como as experiências de quase-morte (EQMs) e visões no leito de morte, experiências místicas relatadas no limiar da morte. Algumas EQMs, chamadas de experiências “Pico em Darien”, incluem visões de pessoas mortas, que não se sabia terem morrido. Casos deste tipo fornecem algumas das mais persuasivas evidências da sobrevivência da consciência após a morte do corpo. [Palavras chaves: experiências de quase morte, visões no leito de morte, comunicação após a morte, sobrevivência da morte, espírito]

Já por impérios de ouro eu muito viajara,

Diversos reinos vira – e quanto belo Estado!

Já muitas ilhas, a ocidente, eu circundara,

As quais em feudo Apolo aos bardos tinha doado.

Mas muitas vezes uma vasta terra me foi narrada

Em que impera Homero, de fronte profunda;

Porém sua serenidade pura eu nunca encontrara

Até ouvir a voz de Chapman alta e ousada .

Senti-me então como alguém que observa os céus

Quando um novo planeta voa ao seu conhecimento;

Ou como o bravo Cortez quando com os seus olhos de águia

Viu o Pacífico, e por um momento

Todos os seus homens miraram uns aos outros espantados –

Num pico em Darien, silenciados.

—John Keats, On First Looking into Chapman’s Homer, 1817

A crença de que após a morte do nosso corpo físico a nossa consciência possa continuar existindo em alguma forma desencarnada tem sido amplamente difundida em quase todas as culturas. Apesar de os céticos atribuírem esta crença ao medo da aniquilação, ela não é alimentada apenas pelos nossos medos e desejos, mas de maneira mais convincente pelas nossas experiências. De fato, uma grande variedade de experiências humanas nos sugere que a nossa consciência pode não chegar ao fim quando o nosso corpo morre.

Entre as experiências que sugerem a sobrevivência pós-morte constam as visões espontâneas de falecidos, particularmente aquelas envolvendo aparições interativas com comunicações e conversas que freqüentemente ocorrem próximas à hora da morte. Freqüentemente o espírito falecido aparece para transmitir alguma mensagem significativa ao sujeito experienciador. Evidências adicionais de sobrevivência após a morte são fornecidas por “médiuns”, pessoas que alegam serem capazes de se comunicar com espíritos de falecidos em nome de clientes em luto (Stenvenson 1968, 1977). Apesar de algumas comunicações mediúnicas abrangerem mensagens vagas que podem se aplicar a qualquer um ou parecerem originar-se da imaginação de clientes e médiuns, existem estudos duplo-cego controlados nos quais alguns médiuns produziram mensagens específicas e detalhadas (Beischel 2007; Roy e Robertson 2001). Evidências particularmente intrigantes vêm de “comunicadores inesperados”, supostamente espíritos de falecidos que aparecem espontaneamente durante uma sessão mediúnica, desconhecidos dos participantes e do médium, mas que acabam trazendo mensagens que contêm informações precisas (Stevenson 1970; Ravaldini et al. 1990).

Evidências adicionais de sobrevivência da consciência após a morte corpórea resultam das experiências de quase morte, ou EQMs, as experiências místicas ou transcendentais que algumas pessoas relataram quando estiveram próximas de morrer; e de visões no leito de morte, fenômeno semelhante que ocorre nos últimos momentos de vida. EQMs têm sido amplamente investigadas nas últimas três décadas, principalmente no que diz respeito a sua epidemiologia, seus correlatos psicofisiológicos e efeitos na vida dos que as vivenciaram (Holden et al. 2009). Apesar desse foco nos aspectos mundanos das EQMs, a principal razão dessas experiências gerarem interesse entre o público é que elas parecem fornecer evidências de que a consciência pode funcionar independente do corpo humano e, portanto, ser capaz de sobreviver à morte corpórea (Serdahely 1989).

As EQMs geralmente incluem uma série de características fenomenológicas que sugerem que a consciência esteja separada do corpo físico, o que por sua vez sugere que ela continue a existir após a morte do corpo (Kelly et al. 2000). A grande maioria dos que vivenciaram a experiência de quase morte dizem que durante o tempo em que seus cérebros estiveram comprovadamente debilitados, seu pensamento, ao contrário, ficou mais claro e mais rápido do que nunca, como se a mente tivesse sido liberta das distrações e limitações do cérebro físico. Tal aumento da capacidade mental é de fato significativamente mais comum durante as EQMs, nas quais a proximidade da morte foi bem documentada nos registros médicos do que durante as EQMs que não foram documentadas (Owens et al. 1990), e incluem o aumento da velocidade, lógica e clareza do pensamento; clareza visual e auditiva em geral; vivacidade das cores e controle da cognição.

Entre uma grande amostra de indivíduos que vivenciaram experiências de quase morte, 80 por cento descreveram seu pensamento durante a EQM como “mais claro do que o habitual” (45 por cento) ou “claro como o habitual” (35 por cento); 74 por cento descreveram seu pensamento como “mais rápido do que o habitual” (37 por cento) ou “na velocidade habitual” (37 por cento); 65 por cento descreveram seu pensamento como “mais lógico do que o habitual” (29 por cento) ou “tão lógico como o habitual” (36 por cento); e 55 por cento descreveram seu controle sobre seus pensamentos como “maior do que o habitual” (36 por cento) ou “tanto quanto o habitual” (36 por cento) (Kelly et al. 2007:386). Por exemplo, um homem de 33 anos que tentou se suicidar através de overdose, em seu delírio induzido por drogas começou a ter alucinações com pequenas figuras humanóides cercando o corpo dele. Quando a condição da saúde dele piorou, ele sentiu como se tivesse deixado o corpo físico, e pairasse sobre ele. Desse ponto de vista ele observou o próprio corpo, olhando perplexo as pequenas figuras humanóides ao redor. Ele próprio, em sua condição fora do corpo, não podia ver estas alucinações – estava observando e raciocinando com muita clareza – mas ele podia ver que o corpo dele continuava alucinando. De acordo com ele, a sua mente funcionava com muito mais clareza e não estava sujeita às alucinações induzidas por drogas, uma vez que estava livre do cérebro.

Além disso, alguns indivíduos que passaram pela experiência de quase morte fazem relatos precisos de observações fora do corpo que não poderiam saber através de meios normais. Por exemplo, um motorista de caminhão de 53 anos teve uma EQM durante uma cirurgia de ponte de safena, e apesar de completamente anestesiado, disse ter deixado o corpo durante a operação e do alto observava surpreso o cirurgião “balançando os cotovelos como se fosse voar”. Depois, quando ele perguntou ao cirurgião o porquê daquele estranho comportamento, o cirurgião explicou que havia permitido aos seus assistentes começarem a cirurgia e que depois ele entrou na sala para supervisioná-los. Já esterilizado, com as luvas e vestido, não querendo arriscar tocar em nada que não estivesse na área esterilizada da cirurgia até estar preparado para fazer a cirurgia, ele colocou firmemente as mãos no peito fazendo gestos para enfatizar as instruções a serem seguidas pelos assistentes (Cook et al. 1998).

Além de experiências fora do corpo, as EQMs e visões no leito de morte muitas vezes incluem aparentes encontros com pessoas mortas, mas raramente com pessoas vivas. Na nossa coleção de 665 EQMs, 138 (21 por cento) incluem supostos encontros com pessoas falecidas, enquanto apenas 25 (4 por cento) incluem supostos encontros com pessoas vivas. Esta discrepância é algumas vezes citada como evidência da sobrevivência pós-morte das pessoas vistas, apesar de também poder ser concebivelmente atribuída à expectativa de morte iminente da pessoa que está morrendo. A psicóloga Emily Kelly (2001) contrastou a hipótese da expectativa com a hipótese de que essas visões refletem a sobrevivência da pessoa falecida. Ela notou que alguns aspectos desses casos parecem igualmente compatíveis com ambas as hipóteses. Outros aspectos, entretanto, pareciam mais consistentes com a hipótese da sobrevivência do que com a hipótese da expectativa, tais como visões de falecidos diferentes do que o sujeito experienciador desejava ver e visões de pessoas falecidas desconhecidas. Isto é, a hipótese da expectativa prediria que pessoas lutando contra a morte seriam mais propensas a terem alucinações com figuras identificáveis como entes queridos já falecidos.

Há um tipo de visão de falecidos que não pode ser atribuído de maneira plausível às expectativas, e que desafia mais diretamente a hipótese de que as EQMs são alucinações subjetivas, sustentando mais diretamente a questão da sobrevivência da consciência após a morte. Algumas pessoas em seu leito de morte vêem, muitas vezes com surpresa, uma pessoa recentemente falecida, a qual nem ela nem outras pessoas próximas a ela sabiam estar morta, excluindo desse modo a possibilidade de que esta visão seja uma alucinação relacionada às suas expectativas.

Estas EQMs passaram a ser chamadas de casos “Pico em Darien”, depois de um livro com este nome ter sido publicado em 1882 por Frances Power Cobbe (Murphy 1945:8). Cobbe usou o título de um poema de John Keats (1994), reproduzido no começo deste artigo. O poema descreve a surpresa dos espanhóis, que ao escalarem um pico em Darien (que hoje faz parte do território do Panamá), esperavam ver um continente diante deles, mas deram de cara com outro oceano. Cobbe apropriou-se da metáfora de Keats sobre a inesperada visão no pico em Darien para descrever as surpreendentes visões dos que estão em seu leito de morte, ocultas dos demais.

Nós temos andado na companhia dos nossos irmãos… através da imensidão deste mundo… e então começamos a subir o terrível Andes que sempre apareceu diante de nós no fim da jornada… e além dele – a Terra Desconhecida. Nós vemos o nosso companheiro vagarosamente se aproximando do alto da montanha, enquanto nossos passos lentos ainda permanecem nas encostas abaixo. Lá sua visão repousa no que possa haver do mundo desconhecido que vai além… Será que o nosso precursor no topo da colina… contempla, do seu “Pico em Darien”, um oceano ainda oculto de nossas vistas? [1877:374-375]

Há três tipos de experiências “Pico em Darien” que podem variar em seu valor evidencial. O primeiro tipo abrange casos em que a pessoa morta vista havia morrido algum tempo antes da visão, entretanto este fato era desconhecido pelo sujeito experienciador até onde pôde ser verificado. O segundo tipo inclui casos nos quais a pessoa morta vista havia morrido na hora ou um pouco antes da visão, não sendo possível assim que o sujeito experienciador tivesse conhecimento desta morte. Finalmente o terceiro tipo consiste de casos nos quais a pessoa morta vista era alguém que o sujeito experienciador nunca conheceu. Relatos de casos “Pico em Darien” estão espalhados por toda a literatura e são normalmente mal documentados; mas há um número suficiente para despertar a nossa atenção e interesse. O que se segue é uma amostra representativa de alguns dos casos mais ilustrativos desses três tipos já publicados na literatura.

Casos em que a Pessoa Falecida Vista Era Considerada Estar Viva pelo Sujeito Experienciador

Um caso de EQM do século XVII em que o sujeito experienciador viu um falecido que se acreditava estar vivo foi descrito em um panfleto pelo Dr. Henry Atherton em 1680. A irmã de 14 anos de Artheton, que tinha estado doente por um longo período, foi considerada morta. De fato, as mulheres que cuidavam dela não notaram nenhum sinal de respiração quando colocaram um espelho em sua boca e nenhuma reação quando colocaram brasas em seus pés. No entanto, a moça recuperou-se e relatou uma visão de ter visitado o céu, o que seus parentes descartaram e interpretaram como sendo “sonhos ou fantasias” (Atherton 1680:2). A garota então insistiu que tinha visto diversas pessoas que tinham morrido depois que ela tinha perdido sua consciência. Uma das pessoas que ela citou ainda era considerada como estando viva, entretanto, subseqüentemente sua família verificou os fatos e confirmou que a garota estava certa.

Como a estudiosa religiosa Carol Zaleski (1987) demonstrou em sua comparação das histórias medievais de retorno da morte com as EQMs contemporâneas, o propósito do narrador no registro de uma experiência freqüentemente influencia a gama de fenômenos descritos, bem como a interpretação da experiência. Atherton parece ter publicado a EQM de sua irmã como um conto moral de advertência, se julgarmos pelo titulo completo do panfleto dele: A Ressurreição Demonstrada: Ou, A Vida Futura Demonstrada. Sendo um Estranho, contudo Real Relato do que aconteceu com a Srta. Anna Atherton: Que esteve Inconsciente por 7 Dias, com seu Discurso ao retornar à vida, Tal como veio de seu irmão, Dr. Artherton, Médico em Caertmarthen. Publicado, oportunamente, nesta geração Adúltera, Ateísta e Papista, em que nem Deus, Cristo, Alma, Céu ou Inferno são lembrados, mas sim Promiscuidade, Palavrões, Mentiras. E pode servir como um Freio ao Vício, e um Estímulo à Virtude. (Atherton 1680). Notavelmente, o foco principal de nosso interesse, a identificação feita pela garota de uma pessoa falecida que não se sabia previamente estar morta, foi um detalhe periférico não essencial para a mensagem moralista da autora. É, portanto, improvável que este detalhe tenha sido fabricado apenas para gerar um impacto alegórico.

Na publicação em que ela cunhou o termo “Pico em Darien” (1882), Cobbe descreveu uma mulher que, enquanto estava morrendo, de repente mostrou-se alegremente surpresa e disse estar vendo três de seus irmãos que haviam morrido há muito tempo. Ela então aparentemente reconheceu um quarto irmão, que todos acreditavam estar vivendo na Índia. Uma das pessoas presentes ficou tão chocada pela visão do quarto irmão que “saiu desnorteada do quarto” (Cobbe 1877:378). Algum tempo depois chegaram cartas anunciando a morte do irmão na Índia, ocorrida antes de sua irmã moribunda tê-lo reconhecido.

Em outro exemplo do século XIX, o psicólogo Edmund Gurney e o erudito F.W.H. Myers relataram o caso de dois irmãos, de 3 e 4 anos, que morreram de escarlatina agonizando por vários dias. Harry, o irmão mais novo, morreu em 02 de novembro e David, o mais velho, morreu a 14 milhas de distância do irmão em 03 de novembro. A família cercou-se de cuidados para que David não soubesse da morte de Harry, e eles tinham certeza de que ele nada sabia. Entretanto, por volta de uma hora antes de morrer, David sentou-se na cama e apontando disse: “Ali está o Harry me chamando” (Gurney e Myers 1889:459).

Gurney e Myers também descreveram o caso de John Alkin Ogle que, uma hora antes de morrer, viu seu irmão, que havia morrido 16 anos antes, chamando-o pelo nome. Ogle então gritou surpreso “George Hanley!” – o nome de um conhecido de um povoado a 40 milhas dali – antes de falecer. Sua mãe, que visitava ao povoado de Hanley, confirmou depois que Hanley falecera 10 dias antes, um fato que ninguém presente no quarto conhecia. (Gurney e Myers 1889:459-460).

No começo do século XX, o especialista em lógica e eticista James Hyslop relatou o caso de duas colegas de escola muito amigas que contraíram difteria. Jennie, 8 anos, morreu em uma quarta-feira, fato que foi intencionalmente escondido de sua amiga Edith. Ao meio dia de sábado, Edith selecionou duas fotografias suas para enviar para Jennie, fornecendo evidências de que ela acreditava que Jennie ainda estava viva. Logo depois ela ficou inconsciente, mas naquela noite ela acordou e disse ter visto amigos já falecidos. Logo em seguida, muito surpresa, ela disse ao pai: “Papai, por que eu vou levar a Jennie comigo?” Ela então estendeu os braços, dizendo “Oh Jennie, eu estou tão feliz por você estar aqui”, ficou novamente inconsciente e morreu (Barrett 1926:2-13).

Houve um grande número de casos adicionais publicados no século XX, embora muitos desses relatórios tenham sido bastante breves. O filósofo William Barrett relatou o caso de uma mulher que no leito de morte viu seu falecido pai acenando para ela e disse, com uma expressão confusa: “Ele está acompanhado da Vida.” A mulher estava se referindo a sua irmã, cuja doença e morte, três semanas antes, ela desconhecia (Barrett 1926:12-13).

Mais recentemente, a pioneira em Tecnicolor Natalie Kalmus escreveu um caso em uma revista popular, subseqüentemente reimpresso em diversos livros, sobre os últimos momentos de sua irmã Eleanor, nos quais ela começou a chamar pelo nome de pessoas amadas já falecidas que ela estava vendo. Um pouco antes de morrer, ela também viu uma prima chamada Ruth e perguntou “O que ela está fazendo aqui?”. Ruth tinha morrido inesperadamente uma semana antes e Eleanor, devido à sua condição, não foi avisada (Kalmus 1949).

O psiquiatra Ian Stevenson descreveu a visão de uma idosa em seu leito de morte nos Estados Unidos. Quando os médicos disseram que ela não teria muito mais tempo de vida, seus netos ficaram ao seu lado na cama. De repente ela parecia muito mais alerta e a expressão no seu rosto mudou para grande prazer e alegria. Ela se levantou um pouco e disse: “Oh Will, você está aí?” e caiu para trás morta. Ninguém chamado Will estava presente e o único Will que sua família poderia lembrar era um tio-avô que morava na Inglaterra. Não muito depois, a família dela recebeu a notícia de parentes da Inglaterra de que o seu irmão Will havia morrido dois dias antes da morte dela. (Stevenson 1959:22).

Robert Crookall reportou o caso de Horace Wheatley que, durante um coma, sentiu-se “flutuando em uma atmosfera de paz e serenidade”, onde ele foi abordado por um funcionário público que ele conhecia bem. Seu amigo disse: “Bem vindo, Wheatley; terei de vê-lo mais tarde”, e depois sumiu de vista. Apenas após retornar do coma Wheatley soube de sua esposa que o amigo havia falecido. (Crookall 1960:21-22).

Os psicólogos Karlis Osis e Erlendur Haraldsson escreveram sobre um homem que morreu em um hospital em Connecticut, um dia após a morte de sua irmã em Ohio. Antes de morrer ele mencionou ter visto a irmã no quarto do hospital, no entanto ele não sabia que ela estava morta (Osis e Haraldsson 1977:164)

O psicólogo Kenneth Ring relatou o caso de um homem que quando quase morreu teve uma visão de dois de seus irmãos, um estava morto há anos, enquanto o outro tinha morrido há apenas dois dias – fato desconhecido pelo homem. Apenas após se recuperar do seu estado de quase morte foi que ele soube do recente falecimento do irmão (Ring 1980:208).

Pollster George Gallup menciona o caso de uma mulher que disse para uma testemunha ao lado de sua cama: “O Bill está ali”, logo antes de morrer. Bill era o irmão dela, que ela não sabia que havia morrido uma semana antes (Gallup e Proctor 1982:14).

As enfermeiras de um asilo Maggie Callanan e Patricia Kelley escreveram sobre uma mulher chinesa de 93 anos que estava morrendo de câncer e tinha visões recorrentes do marido morto, chamando-a para se juntar a ele. Um dia, perplexa, ela viu que o marido estava acompanhado da irmã dela, ambos chamando-a para se juntar a eles. Ela disse às enfermeiras que a irmã estava viva na China e que ela não a via há muitos anos. Quando as enfermeiras relataram esta conversa à filha da mulher, a filha afirmou que de fato a irmã morrera dois dias antes, vítima do mesmo tipo de câncer, mas que a família decidiu não contar à paciente para evitar entristecê-la ou assustá-la. Quando a filha contou à paciente sobre a doença e morte de sua irmã, ela relaxou, o quebra-cabeça havia sido resolvido, e morreu em paz logo depois (Callanan e Kelley 1999:93-94).

Callanan e Kelley também relataram o caso de dois amigos de infância que morreram mais ou menos no mesmo horário, separados por centenas de milhas. Steve, que vivia em Boston, costumava passar todos os verões na casa de praia da família em Cape Cod, vizinha à casa do amigo Ralph, cuja família vinha todos os verões de Ohio. Após a faculdade, os verões que passavam juntos em Cape Cod e a amizade próxima acabaram e eles raramente se viam e, a não ser por cartões de natal, não se correspondiam. Aos 27 anos um acidente automobilístico deixou Steve paralisado do pescoço para baixo. Incapaz de cuidar dele em casa, sua família o colocou em uma casa de saúde, onde eventualmente ele sucumbiu a uma pneumonia. Semanas mais tarde chegou uma carta da viúva de Ralph dizendo que ele tinha morrido recentemente de câncer. Ralph não sabia da paralisia ou morte de Steve, mas nas últimas semanas antes de morrer, Ralph começou a ter visões. Logo antes de morrer, e logo após Steve ter morrido, Ralph disse entusiasmado: “Oh, veja! Lá vem o Steve! Ele veio para me levar para nadar” (Callanan e Kelley).

Mais recentemente, a enfermeira de cuidados intensivos Penny Sartori relatou a visão de um de seus pacientes hospitalizados, cuja condição era tão grave que a família foi chamada ao hospital às 3h da manhã para dizer adeus. Em algum momento ele sorriu e aparentava conversar com alguém que ninguém podia ver. Ele então disse a sua família que a mãe, avó e irmã, já falecidas, o tinham visitado. Sua irmã havia morrido na semana anterior, mas a família tinha decidido não contar a ele, por medo de que isso atrapalhasse sua recuperação. Ele morreu alguns dias depois (Sartori 2008:300).

Casos nos quais a Pessoa Vista Morreu um pouco antes da Visão

Por mais sugestivos que os casos acima sejam, o lapso de tempo entre a morte da pessoa vista e a visão do sujeito experienciador permite especulações de que este sabia inconscientemente da morte ocorrida. Esta especulação é menos plausível quando a morte da pessoa vista coincide com ou acontece um pouco antes da visão.

Um dos primeiros casos de um sujeito experienciador de quase morte vendo uma pessoa recém falecida que se acreditava estar viva foi publicado por Plínio, o Velho, no Livro 7 da sua História Natural (1942 [77 A.C.]). O ocorrido envolve dois irmãos romanos ambos chamados Corfidius. Quando o irmão mais velho pareceu ter morrido e parado de respirar, o testamento dele foi lido, nomeando o irmão mais novo como herdeiro. O irmão mais novo contratou um agente funerário para organizar o funeral. O aparentemente morto Corfidius mais velho, entretanto, surpreendeu o agente funerário batendo palmas em um típico sinal de se chamar servos. Ele então acordou e anunciou que tinha acabado de chegar da casa do irmão mais novo. Ele disse que o irmão mais novo pediu que os arranjos que ele tinha feito para o agora revivido irmão fossem usados para ele, confiou o cuidado de sua filha ao irmão mais velho e mostrou onde ele secretamente enterrou o ouro que tinha. Enquanto o Corfidius mais velho estava relatando o ocorrido em sua EQM, os serventes do seu irmão mais novo traziam a notícia de que seu mestre tinha acabado de morrer inesperadamente; e o ouro enterrado, que ninguém mais sabia, foi encontrado no lugar indicado pelo irmão mais velho. (Plínio 1942[77 A.C.]:624-625).

Alguns casos detalhados foram publicados no século XIX nos Proceedings of the Society for Psychical Research. Eleanor Sidgwick escreveu sobre uma fidalga inglesa, que estava procurando alguém para cantar com algumas crianças visitantes. Ela contratou Julia X, a filha de um comerciante local, que estava treinando como cantora para passar uma semana com eles. Quando retornou, Julia X disse ao seu pai que nunca tinha tido uma semana tão feliz. Um pouco depois Julia X casou e se mudou.

Seis ou sete anos mais tarde, a fidalga que havia contratado Julia X estava morrendo e falava sobre algumas questões de negócios, aparentando estar “perfeitamente calma e de posse completa dos seus sentidos”. De repente ela mudou de assunto e disse: “Vocês estão ouvindo estas vozes cantando?”. Ninguém presente ouvia e ela concluiu: “[As vozes são] os anjos saudando-me no céu; mas que estranho, há uma voz entre eles que eu tenho certeza que conheço, mas não consigo me lembrar de quem é”. Então ela parou e, apontando, disse: “Por que ela está no canto da sala; é a Julia X”. Nenhuma das pessoas presentes teve a visão e no dia seguinte, em 13 de fevereiro de 1874, a mulher morreu. No dia 14 de fevereiro a morte de Julia X foi anunciada no jornal Times. O pai dela disse mais tarde que “no dia em que morreu ela começou a cantar pela manhã, e cantou e cantou até morrer”. (Sidgwick 1885:92-93).

Alice Johnson relatou um caso no qual a Sra. Hick, em seu leito de morte na Inglaterra, teve uma visão de seu filho ausente Edie, que estava morrendo na mesma hora na Austrália. Alguns dias antes de morrer, ela olhou seriamente para a porta do quarto e disse para sua enfermeira, marido e filhas: “Tem alguém lá fora, deixe-o entrar”. Sua filha assegurou a ela que não havia ninguém lá fora e abriu bem a porta. Após uma pausa a Sra. Hicks disse: “Pobre Eddie; oh, ele parece estar muito doente; ele sofreu uma queda”. Sua família afirmou a ela que a última notícia que tinham dele é que ele estava muito bem, mas ela continuava dizendo de tempos em tempos: “Pobre Eddie!”. Algum tempo depois de ela morrer, o marido recebeu uma carta da Austrália informando a morte do filho. Ele havia ficado febril repentinamente no dia da visão de sua mãe e foi achado morto, tendo caído do seu cavalo por volta do horário da visão de sua mãe. (Johnson 1899:290).

Diversos casos ricos em detalhes foram publicados em livros do século XX. John Myers relatou um caso de uma mulher que durante uma EQM, percebeu-se deixando o corpo, viu o quarto do hospital e viu o marido perturbado e médicos sacudindo sua cabeça. Ela disse ter ido ao céu e visto um anjo e um jovem conhecido. Ela exclamou: “Por que, Tom, eu não sabia que você estava aqui em cima?”, Tom respondeu dizendo que tinha acabado de chegar. Então o anjo disse à mulher que ela deveria retornar à Terra e ela logo se viu de volta à cama do hospital com os médicos olhando para ela. Mais tarde, naquela noite, o marido dela recebeu um telefonema informando que o seu amigo Tom tinha morrido em um acidente de carro (Myers 1968: 55-56).

Mais recentemente a psiquiatra Elisabeth Kübler-Ross descreveu uma mulher indígena que foi atropelada em uma rodovia por um motorista que fugiu e, antes de morrer, ela foi confortada por um estranho que parou o carro para ajudá-la. Quando ele perguntou a ela se havia alguma coisa que ele pudesse fazer por ela, ela disse: “Se você passar perto da reserva indígena, por favor diga a minha mãe que eu estava bem. Não apenas bem, mas muito feliz porque já estou com o meu pai”. A mulher morreu alguns minutos depois, antes da ambulância chegar. O estranho ficou tão tocado com o ocorrido que dirigiu para bem longe do seu caminho, em direção à reserva indígena, onde a mãe da vítima disse que o marido tinha morrido de infarto a 700 milhas dali, apenas uma hora antes do acidente de carro ter acontecido (Kübler-Ross 1983:208-209)

Kubler-Ross também descreveu o caso de uma mãe e dois filhos pequenos que sofreram um acidente automobilístico. Kübler-Ross estava atendendo um dos filhos e estava ciente de que a mãe dele tinha morrido na cena do acidente. Peter, o irmão dele, não tinha morrido, mas tinha sido levado para uma unidade especializada em queimaduras em outro hospital, porque o carro pegou fogo antes de ele ser retirado dos destroços. O paciente de Kübler-Ross disse a ela: “Agora está tudo bem. Mamãe e Peter já estão esperando por mim”. Depois sorrindo ele entrou em coma e morreu. Kübler-Ross resolveu checar as condições do irmão na unidade de queimados, mas ao passar pelo posto de enfermagem ela recebeu um telefonema do outro hospital informando que Peter havia morrido alguns minutos antes (Kübler-Ross 1983:210).

O psiquiatra Raymond Moody descreveu uma EQM de um homem que estava à beira da morte com problemas cardíacos no mesmo momento em que sua irmã também estava quase morrendo em outra parte do hospital em um coma diabético. O homem relatou ter deixado o seu corpo e observado os médicos trabalharem no canto da sala. De repente, ele disse, encontrou-se conversando com sua irmã, que estava lá com ele. Quando ela começou a se afastar, ele tentou ir com ela, mas ela disse: “Você não pode ir comigo porque não é a sua hora”. Então ela se distanciou, entrando em um túnel, até sumir de vista. Quando ele acordou disse aos médicos que sua irmã havia morrido, mas eles asseguraram que ela não morrera. Devido a sua insistência uma enfermeira checou e, de fato, ela tinha acabado de morrer (Moody e Perry 1988:136).

Callanan e Kelley descrevem o caso de Peggy, uma jovem paciente de um abrigo para doentes terminais, morrendo de linfoma. Um dia, na visita das enfermeiras, ela parecia muito mais animada, radiante e ativa do que o normal. Ela disse que no dia anterior ela dormia e acordava, relembrando o tempo feliz em sua infância quando ela e o irmão foram acolhidos por uma tia querida. Ela acordou assustada quando sentiu o toque afetuoso e cuidadoso de uma mão em seu ombro e olhando em volta viu a tia, que vivia em outro estado, sorrindo e lhe fazendo carinho. Ela sentiu a presença da tia várias vezes ao longo do dia, mais tarde o tio dela ligou dizendo que a tia tinha morrido na mesma hora em que ela sentiu sua presença pela primeira vez (Callanan e Kelley 1993:94-95).

O médico K. M. Dale relatou o caso de Eddie Cuomo, de 9 anos, cuja febre finalmente baixou após quase 36 horas de ansiosa vigília por parte de seus pais e da equipe do hospital. Tão logo ele abriu os olhos, às 3h da manhã, Eddie apressadamente disse aos pais que ele esteve no céu, onde viu o avô Cuomo, a tia Rosa e o tio Lorenzo. Seu pai estava constrangido por saber que o Dr. Dale estava ouvindo a história de Eddie e tentou desmentir a história dizendo que se tratava de um delírio de febre. Depois Eddie disse também ter visto sua irmã de 19 anos, Teresa, que disse que ele tinha de voltar. Seu pai ficou então agitado, porque ele conversara com Teresa, que estava fazendo faculdade em Vermont, duas noites antes; então ele pediu ao Dr. Dale para sedar Eddie. Mais tarde, naquela manhã, quando os pais de Eddie telefonaram para a faculdade, ficaram sabendo que Teresa morrera em um acidente automobilístico, logo após a meia noite, e os funcionários da faculdade tentaram sem sucesso contatá-los em sua casa para informar sobre a tragédia. (Steiger e Steiger 1995:42-46.

Casos nos quais a Pessoa Falecida Vista era conhecida do Sujeito Experienciador

Há poucos casos publicados do terceiro caso de visões “Pico em Darien”, nos quais o sujeito experienciador vê uma pessoa falecida que ele conhece, devido ao fato de que a natureza desconhecida da pessoa falecida geralmente torna difícil a verificação. Em alguns casos o sujeito experienciador da quase morte irá encontrar uma pessoa desconhecida que mais tarde ele reconhecerá quando mostradas fotografias de membros mortos da família. O valor evidencial destes casos é diminuído porque a verificação baseia-se no próprio testemunho do sujeito experienciador de que o visitante falecido desconhecido corresponde a alguém na fotografia. Há, contudo, impressionantes exemplos deste tipo de casos nas últimas décadas.

O cardiologista Maurice Rawlings descreveu o caso de um homem de 48 anos que teve uma parada cardíaca. Durante uma EQM ele viu um desfiladeiro cheio de cores bonitas, vegetação exuberante e luzes, onde ele se encontrou com a madrasta e com a mãe biológica, que morrera quando ele tinha apenas 15 meses de idade. O pai dele havia se casado novamente logo após a morte da mãe e o experenciador nunca tinha visto uma foto dela. Algumas semanas depois deste episódio, seu tio, tendo ouvido falar da visão, o visitou e trouxe fotos da mãe dele posando com várias outras pessoas. O homem não teve dificuldade em indicar a mãe na foto do grupo, para o espanto do pai. (Rawlings 1978:17-22).

Kübler-Ross escreveu sobre uma garota que, após quase morrer durante uma cirurgia no coração, disse ter conhecido o irmão, que lhe parecia familiar, mesmo sabendo que ela nunca tinha tido um irmão. Seu pai, muito comovido pelo testemunho, disse a ela que, de fato, ela tinha um irmão que morrera antes de ela nascer (Kübler-Ross 1983:208)

O pediatra Melvin Morse descreveu o caso de um garoto de sete anos morrendo de leucemia, que disse a sua mãe que ele viajou através de um feixe de luz, visitou um “castelo de cristal” e conversou com Deus. O garoto disse que um homem se aproximou dele e se apresentou como um velho namorado da mãe do garoto, na época do ginásio. O homem disse que ficou aleijado após um acidente automobilístico, mas no castelo de cristal ele voltou a andar. A mãe do garoto nunca tinha falado sobre este antigo namorado com o filho, mas após escutar sobre a visão do filho, ela ligou para alguns amigos e confirmou que o ex-namorado morreu no mesmo dia da visão do filho (Morse e Perry 1990:53).

O cardiologista Pim van Lommel relata a extensiva EQM de um homem holandês que, após uma parada cardíaca, viu a avó falecida e um homem que olhava para ele com ternura, o qual ele não reconhecia. Mais de uma década depois de sua EQM, sua mãe, no leito de morte, confessou que ele tinha nascido de um relacionamento extraconjugal e que o marido dela não era o pai biológico dele. O pai biológico era, de fato, um judeu que tinha sido deportado e assassinado durante a Segunda Guerra Mundial. Ela mostrou ao filho uma fotografia do seu pai biológico, a quem ele reconheceu imediatamente como o homem que ele tinha visto em sua EQM uma década antes (van Lommel 2004:122)

Conclusão

A comum crença humana de que alguma parte de nossa personalidade possa sobreviver à morte do corpo se deve a algo que vai além do desejo e da negação. Está também intimamente ligada a experiências comuns que oferecem evidências da sobrevivência da consciência após a morte. Embora estes fenômenos tenham sido relatados por séculos, eles se tornaram mais correntes quando a tecnologia biomédica nos permitiu salvar pessoas que estavam à beira da morte e, de fato, atenuou o limite entre a vida e a morte.

Os avanços médicos tecnológicos e a aceitação social nas décadas recentes ajudaram a aumentar o número de experiências de quase morte relatadas, que freqüentemente incluem alguns aspectos que sugerem a persistência da consciência após a morte do corpo. Estes aspectos incluem a melhora na função cognitiva durante demonstrável disfunção cerebral, percepções precisas de uma perspectiva fora do corpo físico e aparente encontros com espíritos de falecidos que freqüentemente aparecem para receberem o sujeito experienciador na vida após a morte ou enviá-lo de volta à vida. Embora algumas destas visões possam ser atribuídas a desejos e expectativas, esta explicação não pode ser aplicada aos casos “Pico em Darien”, nos quais não se sabia que a pessoa que foi vista pelo experienciador estava morta.

Ao relatar um caso, Stevenson observou algumas dificuldades em suas investigações. Embora diversas testemunhas ouçam a pessoa moribunda relatar a visão, elas raramente fazem algum registro escrito do ocorrido antes de obter confirmações de que a pessoa vista tenha de fato morrido. Este lapso permite a explicação de que toda a história talvez seja uma falsificação retrospectiva da memória. O próprio Stevenson não acredita que todos os casos “Pico em Darien” sejam plausíveis, mas concorda que a dificuldade em obter testemunhos confiáveis desestimula muitos pesquisadores a investirem extraordinário esforço, tempo e paciência necessários para filtrar cuidadosamente as evidências (Stevenson 1959:22).

Apesar destas dificuldades, Barret conclui que os tipos de visão no leito de morte nos quais os sujeitos experienciadores “parecem ver e reconhecer alguns dos seus parentes, que não sabiam que estavam mortos, oferecem talvez um dos mais fortes argumentos a favor da sobrevivência” (Barret 1926:10). Tais casos não podem ser facilmente explicados como alucinações baseadas em expectativas; na verdade o sujeito experienciador frequentemente se mostra muito surpreso e algumas vezes confuso ao ver alguém que acreditava estar vivo. Em alguns desses casos o aspecto da visão sugere uma forte motivação por parte do indivíduo falecido em passar uma mensagem. Dessa forma, estes casos “Pico em Darien” fornecem algumas das evidências mais persuasivas para a realidade ontológica dos espíritos falecidos. Os recentes avanços médicos e sociais nos cuidados de pacientes que estão no fim da vida oferecem oportunidades favoráveis para mais investigações destes casos.

Notas

Agradecimento. Eu gostaria de agradecer ao Carlos S. Alvarado, Ph.D., e ao Jeno Platthy, Ph.D., por chamarem a minha atenção para os primeiros casos de experiências “Pico em Darien”; e ao Edward F. Kelly, Ph.D., e à Emilly W. Kelly, Ph.D, por seus prestativos comentários sobre este manuscrito.

Referências

Atherton, Henry. 1680 The Resurrection Proved: Or, the Life to Come Demonstrated. London: T.Dawks.

Barrett, William F. 1926 Death-Bed Visions. London: Methuen.

Beischel, Julie. 2007 Contemporary Methods Used in Laboratory-Based Mediumship Research.Journal of Parapsychology 71:37–68.

Callanan, Maggie, & Patricia Kelley. 1993 Final Gifts: Understanding the Special Needs, Awareness, and Communications of the Dying. New York: Poseidon.

Cobbe, Frances Power. 1877 The Peak in Darien: The Riddle of Death. Little’s Living Age (5th series) 19:374–379.

_________________. 1882 The Peak in Darien. Boston: George H. Ellis.

Cook, Emily Williams, Bruce Greyson, & Ian Stevenson. 1998 Do Any Near-Death Experiences Provide Evidence for the Survival of Human Personality after Death? Relevant Features and Illustrative Case Reports. Journal of Scientific Exploration 12(3):377–406.

Crookall, Robert. 1960 The Study and Practice of Astral Projection. New Hyde Park, NY: University Books.

Gallup, George, com William Proctor. 1982 Adventures in Immortality: A Look beyond the Threshold of Death. New York: McGraw-Hill.

Gurney, Edmund, & F. W. H. Myers. 1889 On Apparitions Occurring Soon after Death. Proceedings of the Society for Psychical Research 5:403–485.

Holden, Janice Miner, Bruce Greyson, & Debbie James, eds. 2009 The Handbook of Near-Death Experiences: Thirty Years of Investigation. Santa Barbara, CA: Praeger–ABC-CLIO.

Hyslop, James H. 1908 Psychical Research and the Resurrection. Boston: Small, Maynard.

Johnson, Alice. 1899 Coincidences. Proceedings of the Society for Psychical Research 14:158–330.

Kalmus, Natalie M. 1949 Doorway to Another World. Coronet 25(6):29–31.

Keats, John. 1994[1817] On First Looking into Chapman’s Homer. In The Complete Poems of John Keats. P. 32. New York: Modern Library.

Kelly, Emily Williams. 2001 Near-Death Experiences with Reports of Meeting Deceased People. Death Studies 25(3):229–249.

Kelly, Emily Williams, Bruce Greyson, & Edward F. Kelly. 2007 Unusual Experiences Near Death and Related Phenomena. In Irreducible Mind: Toward a Psychology for the 21st Century. Edward F. Kelly, Emily Williams Kelly, Adam Crabtree, Alan Gauld, Michael Grosso, & Bruce Greyson. Pp. 367–421.

Lanham, MD: Rowman & Littlefield. Kelly, Emily Williams, Bruce Greyson, & Ian Stevenson. 2000 Can Experiences Near Death Furnish Evidence of Life after Death? Omega 40(4):513–519.

Kübler-Ross, Elisabeth. 1983 On Children and Death. New York: Macmillan.

Moody, Raymond A., com Paul Perry. 1988 The Light Beyond. New York: Bantam.

Morse, Melvin, com Paul Perry. 1990 Closer to the Light: Learning from the Near-Death Experiences of Children. New York: Villard.

Murphy, Gardner. 1945 An Outline of Survival Evidence. Journal of the American Society for Psychical Research 39(1):2–34.

Myers, John, ed. 1968 Voices From the Edge of Eternity. Old Tappan, NJ: Revell–Spire.

Osis, Karlis, & Erlendur Haraldsson. 1977 At the Hour of Death. New York: Avon.

Owens, Justine E., Cook, Emily Williams, & Ian Stevenson. 1990 Features of “Near-Death Experience” in Relation to Whether or Not Patients Were Near Death. Lancet 336(8724):1175–1177.

Pliny, the Elder. 1942[A.D. 77] Natural History, vol. 2, books 3–7. Harris Rackham, trans. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Ravaldini, Silvio, Massimo Biondi, & Ian Stevenson. 1990 The Case of Giuseppe Riccardi: An Unusual Drop-In Communicator in Italy. Journal of the Society for psychical Research 56(821):257–265.

Rawlings, Maurice. 1978 Beyond Death’s Door. Nashville, TN: Thomas Nelson.

Ring, Kenneth. 1980 Life at Death: A Scientific Investigation of the Near-Death Experience. New York: Coward, McCann & Geoghegan.

Roy, Archie, & T. J. Robertson. 2001 A Double-Blind Procedure for Assessing the Relevance of a Medium’s Statements to a Recipient. Journal of the Society for Psychical Research 65(864):161–174.

Sartori, Penny. 2008 The Near-Death Experiences of Hospitalized Intensive Care Patients: A Five Year Clinical Study. Lewiston, U.K.: Edwin Mellen.

Serdahely, William J. 1989 Why Near-Death Experiences Intrigue Us. Journal of Near-Death Studies 7(3):149–153.

Sidgwick, Eleanor M. 1885 Notes on the Evidence, Collected by the Society, for Phantasms of the Dead. Proceedings of the Society for Psychical Research 3:69–150.

Steiger, Brad, & Sherry Hansen Steiger. 1995 Children of the Light: The Startling and Inspiring Truth About Children’s Near-Death Experiences and How They Illuminate the Beyond. New York: Signet–Penguin.

Stevenson, Ian. 1959 The Uncomfortable Facts About Extrasensory Perception. Harper’s Magazine 219:19–25.

___________.1968 TheAnalysis of a Mediumistic Session by a New Method. Journal of the American Society for Psychical Research 62(4):334–355.

___________.1970 A Communicator Unknown to Medium and Sitters. Journal of the American Society for Psychical Research 64(1):53–65.

___________.1977 Research into the Evidence of Man’s Survival after Death: A Historical and Critical Survey with a Summary of Recent Developments. Journal of Nervous and Mental Disease 165(3):152–170.

Van Lommel, Pim. 2004 About the Continuity of Our Consciousness. Advances in Experimental Medicine and Biology 550:115–132.

Zaleski, Carol. 1987 Otherworld Journeys: Accounts of Near-Death Experience in Medieval and Modern Times. New York: Oxford University Press.

Referência original: Greyson, B. (2010), Seeing Dead People Not Known to Have Died: “Peak in Darien” Experiences. Anthropology and Humanism, 35: 159–171. doi: 10.1111/j.1548-1409.2010.01064.x

_________________________

Este artigo foi traduzido para o português por João Paulo Reis, e revisado por Vitor Moura Visoni e Inwords.

184 respostas a “Vendo Pessoas Mortas que Não se Sabia Terem Morrido: Experiências “Pico em Darien” (2010)”

  1. Carlos Diz:

    Vitor,
    .
    Experiências de EQM são de fato intrigantes. Os estudos modernos atribuem os efeitos descritos nessas experiências (sair fora do corpo, a visão de uma luz, o desfilar das experiências de vida, a visão de pessoas mortas…) como uma resposta do cérebro a um estado de tensão crítica, no caso o sentimento de aproximação da morte.
    .
    Li relatos de pessoas que passara por uma EQM quando estavam na eminência de um acidente grave: no caso, uma senhora que ao ultrapassar outro veículo em velocidade viu aproximar-se em direção contrária um outro veículo. Ela pensou que era o fim, e no curto espaço de tempo em que o outro veículo conseguiu desviar para o acostamento, ela afirma que sentiu todos os efeitos da EQM descritos acima. O acidente não ocorreu, ela saiu ilesa, porém a experiência ficou claramente marcada em sua mente.
    .
    Há também relatos de pacientes que durante algum tipo de operação no cérebro afirmam sentir alguns efeitos da EQM quando o cirurgião, por exemplo, estimula alguma área cerebral. Ou seja, me parece bem documentado que de fato o nosso cérebro quando sob tensão acentuada pode responder “quimicamente” para aliviar/relaxar a tensão que toma conta do indivíduo nesse momento.
    .
    Contudo, o que intriga na EQM são as saídas fora do corpo, e não apenas isso, o relato minucioso da “consciência externa” relacionados aos procedimentos médicos durante a(s) tentativa(s) de reanimar o “quase morto”. O Pico de Darien acima descreve uma situação dessa. O que sai fora do corpo na EQM? O próprio Pico de Darien é um evento intrigante; teria o paciente nessa hora uma espécie de “clarividência” para perceber o que, em condições normais, estaria fora de seu entendimento?

  2. Biasetto Diz:

    Vítor,
    Parabéns pelo artigo!
    .
    Carlos,
    Interessante suas colocações. Eu acredito que sempre devemos buscar explicações, através da ciência. Mas, às vezes, me “entoja”, o fato, de que certos cientistas querem saber até o que se passou com uma pessoa, mais até do que a própria pessoa. Nós temos debatido aqui, as evidências são escandalosas, de que há fraudes, incoerências e equívocos, quando o assunto é espiritualidade, alma, espíritos, Deus…
    Porém, o que me diferencia de pessoas como o Paulo e o Caio, por exemplo, é que enquanto eles são ateus e céticos com relação a qualquer possibilidade de vida pós-morte, eu penso diferente. Acredito que muitos relatos e experiências que algumas pessoas, na história, afirmam ter vivenciado, mercem atenção.
    Pesquisas séries, como esta que o Vítor postou, não devem ser menosprezadas.
    Infelizmente, penso eu, para cada uma evidência séria, existem nove casos forjados ou tolos. Então, assim, surgem motivos mais do que de sobra, para os céticos se deliciem.
    Não penso que os céticos estejam errados, porque com tantas fajutices e bobagens, que se repoduzem, diariamente, o caminho para o ceticismo, pra quem pesquisa, é bem curto. Porém, fechar a questão, penso ser um exagero.

  3. Mozart Diz:

    Carlos

    Interessantes cometários, mas cabem ressalvas. Em primeiro, alegar que a EQM é resultado apenas de repostas do cérebro frente ao processo de morte me parece um tanto apressado por parte dos céticos. Quase nunca eles refutam um caso realmente sólido de EQM e, na maioria das vezes, constroem seu caso sobre generalidades do fenômeno.

    Segundo, a questão da estimulação cerebral causar a OBE está bem refutada nesse texto:

    http://parapsi.blogspot.com/2008/10/experincia-fora-do-corpo-tdo-no-crebro.html

    Lá há bons questionamentos sobre as pesquisas sobre estimulações cerebrais.

    Abraços

  4. Paulo Diz:

    Opa Biasetto, tudo bem?
    Bom, vou dizer o que penso de tudo isso.
    O Carlos já disse das alucinações quando a mente está sobre tensão. Podemos acrescentar também as alucinações devido a falta de oxigênio, intoxicação por gás carbônico e um mau funcionamento monetaneo da mente quando enfermo. Pois bem, e se um individuo ao invés de alucinar com a visão de um parente morto, começa a “ver” e a se comunicar com um unicórnio ou com um carro? Isso prova o sobrenatural ou vida após a morte? Lógico que não!
    Nunca podemos esquecer o quanto a nossa mente é falha e muita vezes desconexa. Quantas vezes Biasetto nós nos passamos na bebida e temos uma falsa lembrança de fatos que nunca aconteceram e ainda teimamos com as pessoas que estavam junto? A nossa mente tem uma falha séria que é quando não consegue assimilar todo uma situação, ela cria uma fantasia para manter uma certa coerência. Isso me lembra do caso de uma guria aqui de Porto Alegre que depois de encher a cara numa danceteria, caiu da escada e se quebrou toda. Quando se acordou no hospital e viu seus machucados, concluiu que tinha sido agredida pelos seguranças. Registrou queixa na polícia e depois negou com toda a convicção as imagens do circuito de segurança que mostrava o que tinha acontecido , preferiu ficar com a sua “verdade”. Para ela, ter sido agredida era coerente.
    Biasetto, eu já coloquei aqui um link de um cientista que estimulando eletricamente o cérebro de um paciente, provocava sensações que ele descrevia como “sentir uma presença” ora sentia que flutuava ora sentia parte de Deus. Temos também a “estimulação magnética transcraniana” que mesmo sendo uma outra abordagem, apresenta os mesmos resultados.

    Eu já comentei a que não basta crer em espíritos, reencarnação e demais abstrações, tem que se conhecer o processo. Veja que os espiritas nem conseguem provar o tal de “ectoplasma” ( termo cunhado por eles) que seria uma substância sutil mais ainda material ..que estaria no corpo humano no meio das células. Olha quantos milhões de corpos já foram examinados durante toda a história da medicina e nada foi encontrado.
    Observe Biasetto que se o “ectoplasma” pode ser fotografado ele é material…pode ser medido, pesado, examinado. Onde está isso?
    Veja a “materialização” da Otilia, por exemplo. Será que alguém percebeu que para o fantasma segurar o livro que o Chico lhe passou, teria que ter um corpo denso com massa superior ao tal livro? Que o tal ectoplasma doado pelos presentes diminuiria o peso de cada doador?
    Biasetto, o sobrenatural vai de encontro as leis da termodinâmica, leis de newton, de tudo o que presenciamos no nosso dia a dia. O único lugar que o sobrenatural não entra em conflito com as leis da física é dentro de nossas cabeças.
    Forte abraço e bom começo de semana.

  5. Biasetto Diz:

    Paulo,
    Suas colocações são bem vindas. Mas há “mistérios”, Paulo!
    As histórias que o Vítor postou aqui, da Piper, por exemplo, você não vê nada de sobrenatural, caso elas sejam verídicas? Digo isso, porque tudo é duvidoso, mas há casos muito interessantes.
    Você diz:
    .
    “Pois bem, e se um individuo ao invés de alucinar com a visão de um parente morto, começa a “ver” e a se comunicar com um unicórnio ou com um carro?”
    .
    Então, Paulo, a questão é justamente esta: normalmente, as pessoas no EQM não costumam se comunicar com unicórnios ou carros mas, a grande maioria delas, relata exatamente as experiências já conhecidas. Me parece estranho, que o cérebro das pessoas que passam por tal situação, tenham “alucinações” tão parecidas. E não acho que podemos afirmar que elas estão sugestionadas, porque elas nem imaginavam, por exemplo, que iriam sofrer um acidente ou ataque de coração.
    Os cientistas respondem a muitas coisas, e eu acho sempre que eles devem buscar explicações lógicas e fundamentadas mesmo, a respeito do que nos cerca e aparece em nossa vida, mas “ninguém” tem respostas pra tudo, nem mesmo a ciência.
    Uma vez li uma reportagem, a gente lê as coisas e depois nem se lembra da fonte, mas a questão é que esta reportagem falava de poderes extraordinários em animais. Casos em que os animais preveram a morte de alguém, casos em que os animais preveram catástrofes atmosféricas, casos em que animais, especialmente gatos, viajaram milhares de quilômetros para retornar à casa. Isto tudo é fantástico! Você poderá dizer, que a ciência tem respostas pra isto, que não há nada de “sobrenatural”, mas geralmente, o que os cientistas apresentam nestes casos, são explicações hipotéticas, sem comprovação.
    Tem aqui no blog, a história de Dorothy Eady, que deu informações precisas, sobre fatos do Egito antigo, ajudando inclusive arqueológos a descobrirem um jardim soterrado. Qual a explicação pra isto? De onde ela tirou estas “lembranças”?
    Ótima semana!

  6. Carlos Diz:

    Olá Mozart,
    .
    O que afirmo é que que alguns sintomas da EQM podem ser obtidos através de induções elétricas em pontos específicos do cérebro, ou através de drogas que afetam diretamente a bioquímica cerebral, ou mesmo um estado emocional intenso como descrito no “quase” acidente de trânsito. Ou seja, boa parte dos sintomas da EQM podem sim ter uma origem fisiológica conhecida.
    .
    O que é desconcertante na EQM, e nesse ponto concordamos plenamente, são as particularidades do processo muito mais ricas e intensas na EQM do que, por exemplo, nas OBEs induzidas Veja um outro exemplo incrível nesse sentido: como pode um cego de nascença (que não tem a mente treinada para a visão) poder “ver” e detalhar os procedimentos médicos para reanimar o seu corpo em coma? Finalmente um comentário ao Paulo: quem falou para você que a EQM pertence ao domínio do sobrenatural?
    .
    Um abraço e boa semana a todos

  7. Paulo Diz:

    Carlos, eu disse isso?

  8. Gilberto Diz:

    Desculpem minha ausência. Leio todos os posts e comentários. Não tenho mais nada a comentar, infelizmente. Fico me repetindo há quase 4 anos. Sou um mané, eu sei. Mas não consigo acreditar em estudos científicos muito crentes demais pro meu gosto. Nem nos “estudos” crentes. E dizer que a resposta mais óbvia está errada só porque é óbvia é obviamente uma obviedade. A EQM foi estudada por crentes e céticos igualmente, e as conclusões são quase sempre díspares. A resposta que me conforta é a cética, que diz que o cérebro libera quantidades cavalares de seratonina que nos deixam felizes e bem zen, já que nada mais pode ser feito pelo corpo para se salvar. O túnel de luz, a sensação de se estar fora do corpo… Sinceramente, a resposta cética me conforta mais que a espírita, por exemplo. Pois do que adianta eu me sentir bem na hora do desencarne se depois eu vou ficar anos, ou décadas, no Umbral?

  9. Biasetto Diz:

    Então, Gilberto,
    Mas esta história de que morreu vai pro umbral, é uma criação exagerada do espiritismo-católico brasileiro. Aqui não tem jeito: paquerava a vizinha, vai pro umbral; transou com a secretaria, vai pro umbral; bebia e fumava, vai pro umbral…
    Deve até haver casos, em que o sujeito foi um lixo aqui, então ele é atraído pras “regiões das trevas”, muito mais pelo emocional, o pensamento dele mesmo.
    Agora, o exagero que existe nos livros “espíritas” brasileiros, é algo lamentável.
    Estou indo trabalhar, a semana começa pra valer.
    Um abraço a todos.

  10. Mozart Diz:

    Gilberto.

    Tem um detalhe curioso sobre seu comentário. Muitos céticos refutam a possibilidade de uma consciência desencarnada por puro MEDO. Um eminente filósofo britânico envolvido com a pesquisa parapsicológica, C. D. Broad, se recusava a aceitar tal possibilidade receio de não encontrar algo de bom numa “vida depois da morte”.

    “Eu me sentiria ligeiramente mais entediado do que surpreso caso visse meu corpo jazindo no leito no momento da minha morte.”

    Tem um texto do filósofo Michael Grosso em que ele ilustra de forma interessante o preconceito com o tema: “O Medo Da Vida Depois da Morte”. O Vitor deve tê-lo.

    Por fim, não sou espírita nem afirmo que exista ou que não, mas acho( veja bem, acho) que a Ciência não conseguiu eliminar essa possibilidade, caso contrário traria explicações convincentes aos estudos de Stevenson e cols., por exemplo, bem como acho temeroso dizer que a possibilidade de “espíritos” existirem violem as leis físicas ( até porque há muito o que se descobrir na Física ainda).

    Abraços a todos

  11. Juliano Diz:

    Bom dia a todos!

    Antes de mais nada, parabéns pelo texto Vítor. Mais um texto que merece apenas elogios. Creio que até os céticos do prosseguimento de alguma forma do espírito após a morte do corpo físico também só lhes cabe elogios, pois cai num outro patamar de debate. Como é praxe, diga-se, do blog.

    Gilberto
    Acho que houve uma comunicação mental entre nós. Pois, por incrível que pareça, eu também estou com a sensação que o que eu tinha para falar já falei, e começo a ser repetitivo. Por exemplo, sobre a pretensa materialização de Uberaba, já me encheu o saco ficar falando o que me parece óbvio.

    Sobre o texto objetos aqui dos comentários. Entendo que merece maior interesse os casos onde a pessoa vista morreu um pouco antes da visão. E dos casos relatados no texto, o caso Peggy e o caso de Eddie Cuomo são bastante interessantes.

    Para concluir. Um vídeo diz mais que mil palavras. Então, cito novamente o vídeo da participante do primeiro “Big Brother”, Cida, que estava numa tarde tomando sol, e daqui a pouco começou a falar o nome da irmã, como se esta a estivesse chamando. E neste exato momento a sua irmã, que tinha um câncer terminal, e estava a quilômetros dali, havia morrido. Como já havia dito tempos atrás, pode até ter sido uma simples coincidência; pode até ter sido uma armação da Cida com a Globo; pode até ter uma uma outra explicação fisiológica ainda não descrita pela ciência convencional; e, também, pode ser que tenha ocorrido uma comunicação, uma despedida e ida para algum lugar por parte da irmã recém falecida para com a Cida. Sugiro novamente o vídeo, aqui onde eu estou não posso disponibilizá-lo, mas é ir no Youtube e buscar “Cida, irmã, big brother” que ele é facilmente encontrado. É bem interessante.

  12. Juliano Diz:

    Mozart

    Concordo plenamente contigo. Vejo que um debate mais amplo, técnico e sério sobre a possibilidade de prosseguimento do espírito após a morte do corpo físico não se instala, muito por medo de um possível pós-morte de parte de muitos pesquisadores. Bem como, por óbvio, novamente repetindo o que já disse, a religião, aí incluindo o espiritismo, de modo geral também atrapalha, e muito, tal debate.

  13. Juliano Diz:

    As religiões afastam por seu natural moralismo e misticismo intrínseco a ciência de uma pesquisa maior sobre o tema. O que é uma pena. Pois, gostem ou não, talvez a maior pergunta que a humanidade teria que responder, não é até hoje satisfatoriamente respondida. Qual seja: de alguma forma continuamos vivos em espírito/alma/essência do eu, do “self” e etc (…) após a morte do corpo físico. Ou ao contrário, morremos, uma morte do espírito digamos assim, com a morte do corpo físico.

  14. Roberto Scur Diz:

    Grande Jujubório!
    .
    Você que é o futuro bixo da goiaba em estudos psíquicos do espiritismo poderia dar tua opinião para a seguinte matéria encaminhada por uma amigo nosso?
    (a propósito,não respondeste ao meu convite de me encarar face to face aí em Maringá na próxima semana. Não te mixa vivente!).
    .
    MEDICINA RECONHECE A OBSESSÃO ESPIRITUAL!

    Código Internacional de Doenças (OMS) inclui influência dos Espíritos.

    Medicina reconhece obsessão espiritual
    Dr. Sérgio Felipe de Oliveira com a palavra:
    Ouvir vozes e ver espíritos não é motivo para tomar remédio de faixa preta pelo resto da vida… Até que enfim as mentes materialistas estão se abrindo para a Nova Era; para aqueles que queiram acordar, boa viagem, para os que preferem ainda não mudar de opinião, boa viagem também…
    Uma nova postura da medicina frente aos desafios da espiritualidade.
    Vejam que interessante a palestra sobre a glândula pineal do Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, médico psiquiatra que coordena a cadeira de Medicina e Espiritualidade na USP:

    A obsessão espiritual como doença_da_alma, já é reconhecida pela Medicina. Em artigos anteriores, escrevi que a obsessão espiritual, na qualidade de doença da alma, ainda não era catalogada nos compêndios da Medicina, por esta se estruturar numa visão cartesiana, puramente organicista do Ser e, com isso, não levava em consideração a existência da alma, do espírito. No entanto, quero retificar, atualizar os leitores de meus artigos com essa informação, pois desde 1998, a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu o bem-estar espiritual como uma das definições de saúde, ao lado do aspecto físico, mental e social. Antes, a OMS definia saúde como o estado de completo bem-estar biológico, psicológico e social do indivíduo e desconsiderava o bem estar espiritual, isto é, o sofrimento da alma; tinha, portanto, uma visão reducionista, organicista da natureza humana, não a vendo em sua totalidade:
    mente, corpo e espírito.
    Mas, após a data mencionada acima, ela passou a definir saúde como o estado de completo bem-estar do ser humano integral:
    biológico, psicológico e espiritual.

    Desta forma, a obsessão espiritual oficialmente passou a ser conhecida na Medicina como possessão e estado_de_transe, que é um item do CID – Código Internacional de Doenças – que permite o diagnóstico da interferência espiritual Obsessora.
    O CID 10, item F.44.3 – define estado de transe e possessão como a perda transitória da identidade com manutenção de consciência do meio-ambiente, fazendo a distinção entre os normais, ou seja, os que acontecem por incorporação ou atuação dos espíritos, dos que são patológicos, provocados por doença.
    Os casos, por exemplo, em que a pessoa entra em transe durante os cultos religiosos e sessões mediúnicas não são considerados doença.
    Neste aspecto, a alucinação é um sintoma que pode surgir tanto nos transtornos mentais psiquiátricos – nesse caso, seria uma doença, um transtorno dissociativo psicótico ou o que popularmente se chama de loucura bem como na interferência de um ser desencarnado, a Obsessão espiritual..
    Portanto, a Psiquiatria já faz a distinção entre o estado de transe normal e o dos psicóticos que seriam anormais ou doentios.
    O manual de estatística de desordens mentais da Associação Americana de Psiquiatria – DSM IV – alerta que o médico deve tomar cuidado para não diagnosticar de forma equivocada como alucinação ou psicose, casos de pessoas de determinadas comunidades religiosas que dizem ver ou ouvir espíritos de pessoas mortas, porque isso pode não significar uma alucinação ou loucura.
    Na Faculdade de Medicina DA USP, o Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, médico, que coordena a cadeira (hoje obrigatória) de Medicina e Espiritualidade.
    Na Psicologia, Carl Gustav Jung, discípulo de Freud, estudou o caso de uma médium que recebia espíritos por incorporação nas sessões espíritas.

    Na prática, embora o Código Internacional de Doenças (CID) seja conhecido no mundo todo, lamentavelmente o que se percebe ainda é muitos médicos rotularem todas as pessoas que dizem ouvir vozes ou ver espíritos como psicóticas e tratam-nas com medicamentos pesados pelo resto de suas vidas.
    Em minha prática clínica (também praticada por Ian Stevenson), a grande maioria dos pacientes, rotulados pelos psiquiatras de “psicóticos” por ouvirem vozes (clariaudiência) ou verem espíritos (clarividência), na verdade, são médiuns com desequilíbrio mediúnico e não com um desequilíbrio mental, psiquiátrico. (Muitos desses pacientes poderiam se curar a partir do momento que tivermos uma Medicina que leva em consideração o Ser Integral).
    Portanto, a obsessão espiritual como uma enfermidade da alma, merece ser estudada de forma séria e aprofundada para que possamos melhorar a qualidade de vida do enfermo.
    Texto de Osvaldo Shimoda
    Colaboração de CEECAL – Centro de Estudos Espírita Caminho da Luz.
    Sérgio Felipe de Oliveira é um psiquiatra brasileiro, doutor em Neurociências, mestre em Ciências pela USP (Universidade de São Paulo) e destacado pesquisador na área da Psicobiofísica. A sua pesquisa reúne conceitos de Psicologia, de Física, de Biologia e de Espiritismo.
    Desenvolve estudos sobre a glândula pineal, estabelecendo relações com atividades psíquicas e recepção de sinais do mundo espiritual por meio de ondas eletromagnéticas. Realiza um trabalho junto à Associação Médico-Espírita de São Paulo AMESP e possui a clínica Pineal Mind, onde faz seus atendimentos e aplica suas pesquisas.
    Segundo o mesmo, a pineal forma os cristais de apatite que, em indivíduos adultos, facilita a captura do campo magnético que chega e repele outros cristais. Esses cristais são apontados através de exames de tomografia em pacientes com facilidade no fenómeno da incorporação. Já em outros pacientes, em que os exames não apontam tais cristais, foi observado que o desdobramento fora facilmente apontado.
    Segundo a revista Espiritismo & Ciência,[1] “o mistério não é recente. Há mais de dois mil anos, a glândula pineal é tida como a sede da alma. Para os praticantes da ioga, a pineal é o ajna chakra, ou o “terceiro olho”, que leva ao autoconhecimento. O filósofo e matemático francês René Descartes, em Carta a Mersenne, de 1640, afirma que “existiria no cérebro uma glândula que seria o local onde a alma se fixaria mais intensamente”.
    Sérgio Felipe de Oliveira tem feito palestras sobre o tema em várias universidades do Brasil e do exterior, inclusive na Universidade de Londres. Numa apresentação na Universidade de Caxias do Sul, o pesquisador afirmou ter recebido vários estímulos para estudar a glândula pineal quando ainda estava concentrado em pesquisas na área de física e matemática. Um desses estímulos foi uma visão em que lhe apareceu o professor Zerbini, renomado médico cardiologista e pioneiro dos transplantes de coração no Brasil. Zerbini, a quem Sérgio teria substituído em seus dois últimos compromissos acadêmicos, sugeriu a Sérgio insistentemente (durante a visão) que estudasse a glândula pineal, conforme o relato do pesquisador.

  15. Roberto Scur Diz:

    E aqui alguns vídeos com a palestra:
    .
    http://br.youtube.com/watch?v=4walu-hO9fQ&feature=related
    http://br.youtube.com/watch?v=bnLUOfFaEFE&feature=related
    http://br.youtube.com/watch?v=BRY41_pvIxI&feature=related
    http://br.youtube.com/watch?v=3Gl6unmMbz8&feature=related
    http://br.youtube.com/watch?v=HpZoni-LQic
    http://br.youtube.com/watch?v=HTgiJjBumD4&feature=related
    http://br.youtube.com/watch?v=r7HGTdp7tsM&feature=related

    Questões para pesquisas científicas”:

    http://www.guia.heu.nom.br/questoes_para_pesquisa_cientifica.html

    foram adicionadas novas informações e a colaboração de Ademir Xavier
    (físico espírita).
    http://www.guia.heu.nom.br

  16. Roberto Scur Diz:

    Jujuba,
    .
    Complementando, segue o vídeo Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, são 7 ao todo a palestra:
    .
    “http://br.youtube.com/watch?v=4walu-hO9fQ&feature=related”, primeiro vídeo de 7.

    Questões para pesquisas científicas:

    “http://www.guia.heu.nom.br/questoes_para_pesquisa_cientifica.html”

  17. Roberto Scur Diz:

    Este Sérgio é muito bom.
    No vídeo 2 ele diz que o materialismo não teve prova científica e pergunta:
    “Qual foi o trabalho científico que provou o materialismo?”
    “Em qual laboratório foi provado o materialismo?”
    “QUANDO UM CIENTISTA COLOCA UMA VISÃO MATERIALISTA É UMA OPINIÃO PESSOAL DELE E NÃO OPINIÃO DA CIÊNCIA”
    .
    Esta palestra foi aqui na universidade de Caxias do Sul.
    Para ti Vítor, o cara que gosta de falar de pesquisa científica sem ter conhecimento delas, bem que tu poderia responder esta pergunta aí e colocar uma pesquisa científica no teu blog que tenha provado que o materialismo existe.
    .
    Esta foi boa! Chega a ser engraçado.
    Te vira nos 30 Vitorzinho!

  18. Roberto Scur Diz:

    Estou rindo muito! Vou fazer que nem o Paulo, “IAC, IAC, IAC…”.
    O Sérgio diz no vídeo 2:
    “A matéria é INVISÍVEL e a matéria é INTANGÍVEL, então o materialista acredita naquilo que ele não toca, e naquilo que ele não vê – precisa ter MUITA FÉ PARA SE TORNAR UM MATERIALISTA!
    Falar de espiritualidade numa universidade é sobretudo trazer a ciência à lucidez e à honestidade.”

  19. Biasetto Diz:

    Scur,
    Interessante a matéria que tu colocastes aí!
    .
    Você falou que ia me responder a respeito da (falsa) mediunidade do Chico.
    Estou aguardando.
    .
    Um abraço!

  20. Biasetto Diz:

    Scur,
    Eu não acredito que o Juliano não quis te receber. Ele não faria esta deselegância!

  21. Roberto Scur Diz:

    Palestra 6/7,
    “Não acreditar em Deus é anticonstitucional!”.
    Vitor, você é um fora da lei, marginal! Pega! Pega!
    Jujuba, cuida o camburão aí…

  22. Roberto Scur Diz:

    Biasetto, já respondi, na outra postagem.
    Assiste estes vídeos aí, são muito engraçados, aliás, engraçado imaginar o Vitor assistindo, pensando em como refutar a ciência…

  23. Carlos Diz:

    Olá todos,
    .
    Também entendo que misturar o espiritismo, com suas explicações para tudo, com a EQM é travar o debate. Evidentemente que os estudos procuram verificar se há uma consciência livre (ou não) além do corpo, o que interessa ao espiritismo (porém não só a ele), e nesse aspecto existem diferentes hipóteses de trabalho. O importante é que a EQM pode ser abordada pela ciência médica, o que já é um aspecto relevante em se tratando do “paranormal”.
    .
    Gilberto, a EQM não é só zen (EQM positiva). Há relatos de pacientes reanimados que descrevem situações bem desagradáveis (EQM negativa). É provavel que as crenças religiosas/filosofóficas tenham alguma influência nisso. Porém não no sentido com imaginamos, ateus (EQM negativas) e religiosos (EQM positiva); os relatos são diversificados nesse sentido.

  24. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    Acho que o Jujuba não leu quando disse que ia estar lá em Maringá semana que vêm, ou está correndo do pau, ou daqui à pouco responde.
    Vou te pega aí Jujuba, olha o bixo papão!

  25. Roberto Scur Diz:

    Carlos,
    Sem tergiversações, assiste as palestras sobre a glândula pineal que poderás imaginar algo à mais sobre EQM. As porteiras do conhecimento estão abertas, basta querer atravessá-la saíndo do conceito limitado da matéria pela matéria. Esta afundando a nau que transporta àqueles que negam a existência do espírito. Saia deste barco homem e começe a divisar o horizonte novo e desafiador da vida espiritual!

  26. Paulo Diz:

    Scur
    Indique uma publicação cientifica do Dr. Sérgio Felipe de Oliveira. Nem precisa, não existe! Esse médico é piada perante seus colegas.
    A teoria que os cristais de calcita ” captam” ondas magnéticas é simplesmente ridicula.Pesquise o que é calcita e veja por si mesmo que ela não possue propriedades elétricas.
    ““A matéria é INVISÍVEL e a matéria é INTANGÍVEL, então o materialista acredita naquilo que ele não toca, e naquilo que ele não vê – precisa ter MUITA FÉ PARA SE TORNAR UM MATERIALISTA!” frase de alguém que faltou as aulas de física do primário! ( confusão entre substância X efeito)
    Scur, bela tentativa! Se esforce da próxima vez e apresente alguém com credibilidade.

  27. Paulo Diz:

    F44.3 Estados de transe e de possessão

    Transtornos caracterizados por uma perda transitória da consciência de sua própria identidade, associada a uma conservação perfeita da consciência do meio ambiente. Devem aqui ser incluídos somente os estados de transe involuntários e NÃO desejados, excluídos aqueles de situações admitidas no contexto cultural ou religioso do sujeito.”
    fonte http://www.datasus.gov.br/cid10/v2008/cid10.htm
    Observem a frase ” Não desejados”. Transes desejados no contexto cultural, religioso, portanto fantasioso, não é doença…é brincadeira de crianças!

  28. Roberto Scur Diz:

    Paulo,
    Claro, claro, é bom não te contrariar.
    É compreensível esta postura vindo de um materialista.
    .
    Paulo, indique você a pesquisa científica que provou o materialismo pois se para aceitar a vida espiritual têm que ter sempre uma pesquisa que prove isto ou àquilo, deve ser o mesmo para o caso dos adversários do materialismo.
    Dê-me cá a pesquisa para conversarmos melhor já que pesquisa é tudo, é o deus do materialista.
    Tu não assistiu o vídeo, não entendeu a colocação sobre a matéria ser invisível e não poder ser tocada. Devia ter visto antes de falar para entender o que ficou engraçado.
    Se ele é motivo de piada para ti, para mim não é, gostei muito de sua abordagem e coragem de pesquisar sobre este tema.
    Como vemos no livro de André Luiz, Missionários da Luz: “… Segregando energias psíquicas, a glândula pineal conserva ascendência em todo o sistema endócrino. Ligada à mente, através de princípios eletromagnéticos do campo vital, que a ciência comum ainda não pode identificar, comanda as forças subconscientes sob a determinação direta da vontade …”
    Se a ciência comum não conseguia identificar em 1943 e não surgirem pessoas interessadas no tema só porque os materialistas acham “ridículo” isso ou àquilo, então cairíamos nas masmorras do atraso pois toda novidade é ridicularizada no início, combatida em seguida até ser aceita finalmente.
    Você já demonstra fazer parte dos que ridicularizam.

  29. Paulo Diz:

    Scur
    Você gostou da abordagem? Ótimo! Verifique quem é o Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, seus trabalhos publicados, as propiedades da calcita, o que é campo magnético, ressonância e as propriedades da matéria….afinal, você trouxe esse assunto, não é mesmo?
    Ficou feliz que um “cientista” ( não, Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, não é cientista, não tem nada publicado ) está validando a fantasia? Pois bem, verifique suas fontes antes de postar um post tendencioso. Citar livro espírita não vale!

    obs: Se eu me enganei sobre o seu comentário sobre ter visto uma materialização, me desculpe! Pode ter sido do Magno.

  30. Paulo Diz:

    obs: Eu já tinha visto esse video sim! Ele mesmo não sabe o que está dizendo. Uma hora a quantidade de cristais afetam a mediunidade outra hora ele diz que não.
    Grande homem!

  31. Biasetto Diz:

    Scur,
    Meu grande amigo, eu já vi gente teimosa, mas como tu, nunca!
    .
    Você é simplesmente o the best, neste quesito.
    .
    VOCÊ DISSE:
    .
    Sobre ela ter sido pega cometendo fraude.
    Isto aconteceu 6 anos depois e mesmo depois de desmascarada ela confirmava as materializações de Uberaba em meio a demonstrações de profundo arrependimento. Alguém aqui diz que ela fez isso para preservar Chico e eu pergunto: porquê preservá-lo? Ele não tinha ligação com Otília, foi assistente do fenômeno e não faz sentido esta alegada proteção ao médium mineiro – isto é fantasia na mente de quem aventou esta hipótese.
    .
    EU DIGO: Tudo bem, meu caro Scur, a mulher foi pega 6 anos depois. Agora, tratando-se de um tema tão difícil de acreditar, já de início, você não acha muiiiiito estranho, que a tal Otília tenha sido desmascarada, e ela fale: “Oh, hoje eu estou fraudando, mas antes era autêntico, podem acreeeeditar!” (Scur, cachorro mordido por cobra, tem medo de linguiça).
    .
    VOCÊ DISSE:
    .
    O Waldo admitiu que ela fraudava mas não admitiu que fraudou naquela ocasião exatamente. Ele disse que ela era médium autêntica de ectoplasmia (ou algo assim). Porque então a palavra dele têm valor quando aceita que ela fraudava e não têm valor quando atesta a sua mediunidade de efeitos físicos?
    .
    EU DIGO:
    .
    Scur, é a mesma história: NAQUELE DIA NÃO! – E eu nem entendi isto dele, entendi que ele disse que a mulher fraudava mesmo. Portanto, aquilo foi uma fraude. Inclusive, ele veio com a papo que ele concluiu que era fraude, mas daí a Revista O Cruzeiro ia fazer um estardalhaço e tudo mais…
    .
    VOCÊ DISSE:
    .
    Não passa pela minha cabeça a inautenticidade da mediunidade de Chico Xavier, e as comparações que você e o Vitor têm feito me soam, me desculpe, ingênuas, frágeis, sem sentido.
    .
    EU DIGO:
    .
    Scur, é ingenuidade desconfiar da mediunidade do Chico, quando se acha DUAS PÁGINAS DE VIDA DE JESUS, em Há Dois Mil Anos? Quando se acha VÁRIAS PASSAGENS DE A VIDA ALÉM DO VÉU, em Nosso Lar, Libertação e A Caminho da Luz? Quando se acha em A CAMINHO DA LUZ, uma explicação para o NÚMERO DA BESTA, idêntica a que aparece no livro de Cairbar Shutel? Quando se acha várias passagens de HECULANUN, em Há Dois Mil Anos? Quando se acha um poema de AUGUSTO DOS ANJOS que o Chico diz ter psicografado – e este poema é um plágio de um outro poema do próprio AUGUSTO, só que piorado? Quando se lê um livro como MECANISMOS DA MEDIUNIDADE, e se descobre que é muiiiiito parecido como O ÁTOMO?
    Então, Scur, eu gostaria que você explicasse, você a Sônia, que vocês explicassem ESTAS SEMELHANÇAS, de modo a não comprometer a mediunidade do Chico, estou esperando a explicação.
    .
    VOCÊ DISSE:
    .
    E sobre teu terceiro comentário, confirmo que uma pessoa boa como o Chico jamais mentiria pois a mentira é incompatível com pessoas que dedicam suas vidas para servir ao semelhante e que conseguem dar testemunho do que falam e escrevem em seus atos.
    .
    EU DIGO:
    .
    Oras Scur, ele mentiu sobre os perfumes, provavelmente mentiu sobre a materialização, por que ele não mentiria sobre as psicografias? Ou talvez ele até acreditasse que eram reais, ou talvez ele até fosse médium, mas de forma diferente à que ele contava e que conta o espiritismo. Mas NEM ISTO VOCÊ ADMITE!!!
    .
    VOCÊ DISSE:
    .
    E tu Biasetto, abre o olho vivente, te cuida aí com teus artigos senão além de se descrente você vai ter que resgatar cada um dos que se deixarem levar pelas alegações de plágio que tu têns feito aqui. Vou torcer que pouca gente leia teu artigo além dos já céticos mesmo.
    .
    EU DIGO:
    .
    Eu até já preparei outro, fica a critério do Vítor, postar ou não.
    Agora, Scur, se tem alguém que foi enganado foi eu. O Chico me enganou, ele é que deve pra mim. Eu não devo nada pra ele. A vítima sou eu, não ele. Mas eu até o perdôo. Só que já falei aqui “que amava este homem”, mas não amo mais. Porém, pra mim ele está perdoado. Que ele me enganou e engana você, isto ele fez e faz.
    .
    UM GRANDE ABRAÇO THCÊ!!!

  32. Roberto Scur Diz:

    Pablo,
    Tu viu o vídeo e continua repetindo que o mineral é calcita. Não é, ia dizer antes mas achei que era um descuido ao digitar, mas como repetiu o erro eu te corrijo: o mineral é apatita.
    Outra confusão que tu fez: ele não disse que a quantitade de cristais afetam ou não a mediunidade, ele falou que o tamanho da glândula não afeta.
    Sobre campo magnético ele não disse que os cristais de apatita é quem “capta” as ondas magnéticas, mas disse que “a pineal forma os cristais de apatita que, em indivíduos adultos, facilita a captura do campo magnético que chega e repele outros cristais”, então você distorce o sentido do que alega o estudioso.
    .
    Sobre postar algo “tendencioso”: O que tu estás falando Pablo? Sob pode postar algo que siga a tua tendência, senão não vale?
    .
    Manda (indica) aí uma publicação científica que prove que o materialismo exista, senão não têm conversa! Não é assim para ti e para os céticos, sem pesquisa, sem conversa, não vale, não existe? Ou tu achas que as pesquisas dos céticos ou negadores do espirito são de mais valia do que as pesquisas feitas por este mestre, médico e estudioso espírita? Que história é esta Pablo?
    .
    E mais, já te disse no outro post, acho que tu não existe, tu és o Vitor mesmo que não quer se expor. Diz aí o teu endereço, cpf, algo que te distingua do VM. Se tu fores gente e não avatar, aceite minhas desculpas, senão, saia do armário Vitor e explica o teu dom de “ubiquidade”.
    .
    Citar livro espírita não vale, você diz. Bem, então não analisem obras psicografadas pois são todos livros espíritas que estão criticados em pontos isolados, e já que não vale citar, não vale analisar.
    Esta abordagem sobre a pineal de 1943 será confirmada por estudos científicos, espero que não esteja muito longe esta confirmação e já percebemos os movimentos neste sentido. Você pode esperar que isto aconteça, mais adiante para tentar começar a reavaliar sua confortável posição materialista, você quem sabe.

  33. Biasetto Diz:

    Scur,
    Eu estou enganado, ou você está trocando o nome Paulo por Pablo?
    .
    Quanto ao Juliano, tenho certeza que ele não leu o que você disse a ele.

  34. Roberto Scur Diz:

    Grand Biasetto,
    Vamos lá.
    .
    Sobre Otília negar confirmar a autenticidade do fenômeno em Uberaba:
    - Se era um tema tão difícil de acreditar e ela foi pega em fraude, para que tentar salvar a materialização do passado? Não venham me dizer que seria para preservar o médium Chico Xavier e blá-blá-blá pois a mulher estava num mato sem cachorro, desmoralizada, então qual seria o alívio que ela teria em proteger àqueles que vocês acusam de fraudadores, cúmplices, malandros, sem vergonhas máu caráteres que acompanharam as materializações de Uberaba? Qual a moral desta história Biasa?
    Eu acharia mais fácil ela entregar a rapadura e dizer toda a verdade, e foi exatamente isto que ela fez, arrependida, humilhada em sua dignidade: confessou suas fraudes e confirmou o que era verdadeiro.
    Não quer acreditar, ok, claro, não se acredita em nada nem em ninguém pois todas as pessoas que estão nos rodeando são observadas sob as lentes dos nossos próprios olhos – o que faríamos se estivéssemos no lugar de tal pessoa? Ah, eu mentiria, eu isso, eu aquilo, então deixe-me atacar esta salafrária que mente como eu mentiria, salafrario que eu sou também, vou crucificar esta bandida para ver se me alivio das minhas culpas, e por aí vai, a psicologia explica, ou ao menos os livros psicológicos da doutrina espírita explicam.
    .
    Sobre o Waldo: entendo o teu entendimento. O Waldo foi muito infeliz e está sendo muito mais infeliz agora pois já chegou a senectude e não toma juízo, que ser o gás da coca, quer aparecer, jogou sua alvissareira reencarnação fora, nem entendeu todas as possibilidades espirituais que ele possuia e agora está nesta dubiedade claudicante. Ele perdeu o rumo a muito tempo.
    .
    Sobre tua dúvida quanto à mediunidade de Chico: estes comparativos não convencem Biasetto, não convencem. São temas irrelevantes no contexto da obra toda, são comparações forçadas tentando “provar” o plágio, e não um plágio em si. Já disse, contratem profissionais para avaliar isso aí, mas não os costumeiros pseudo-quase-talvez técnicos como o Montalvão, e façam um trabalho comparativo mais qualificado.
    Depois de fazê-lo, o que restar, e se restar alguma coisa, ficará à questão sobre o quanto a semelhança não pode ser aceitável pelo descrever de ambientes idênticos, pela narração que sendo semelhante somente aumenta a credibilidade do relato pois se trata de lugares, de coisas, e não de idéias centrais.
    Penso que não quero convencer à ti ou quem seja de que isto aí não é plágio nem aqui nem na China (que tinha fama de ser mais flexível com conceitos de pirataria). Se para ti tá bom, para mim não têm valor.
    .
    Sobre mentiras de Chico:
    Ora Biasetto, quem te disse que ele mentiu foi o blog-blog do Vitor, o Waldo Viajeira, um motorista de taxi que ninguém sabe quem é, e por aí vai. Alcançaram o objetivo de difamar o chico através de disse-que-disse sem provas. Para isto, para caluniar as palavras sem provas têm valor para os céticos que têm a cara de pau de se denominarem “científicos”. Tenha a santa paciência.
    .
    Sobre Chico ter te enganado:
    Ele não te enganou, tu é quem está te enganando, auxiliado pelo Vitor, e agora tu te colocou num ponto de tentar enganar outras pessoas também.
    Quando eu te ver pessoalmente um dia desses vou te enxer de cascudos tchê, e depois comemos um churrasco de picanha feito por mim.
    -
    Te endireita Biasa!

  35. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    Não, não estou trocando o nome do Paulo. Estou chamando ele de Pablo como poderia chamar de qualquer nome pois para mim ele não existe – o nominho dele é Vitor Moura, e Pablo é o mesmo que Paulo em outra língua.

  36. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    E o Jujubório então? Nem me respondeu! Vamos fazer um churras aí em Maringá Jujuba? Sai de traz do toco guri! Eu pago a picanha e tu paga o carvão. Pode ser?

  37. Paulo Diz:

    Scurzinho, é você que tem que provar as bobagens que escreve, sem a minima crítica…aceita cegamente um doido que acredita que cristais “recebem” energia eletromágnetica. Como eu já te falei: Pesquisa Scurzinho!
    Não te esqueça que moramos perto e aceito de pronto qualquer “prova” que tu ofereça para dar base as sandices que tu diz.
    Tu já está nesse blog faz 3 anos… chega de tanto mimimi….tu tem que provar o que diz.
    Se você é tão seguro no que fala , vamos lá…me mostre uma vidente, alguém que materaliza qualquer coisa sobrenatural….podemos combinar aqui um prêmio para você.

  38. Roberto Scur Diz:

    Pablo,
    3 anos? 1 ano e 4 meses talvez.
    Eu também moro perto de ti então, já que parece que tu não és o Vitor Moura, e também aceito de pronto, de não pronto, qualquer prova que tu ofereça para dar base as sandices que tu diz.
    Aceita cegamente um doido que diz que espírito não existe, ou que menina era boi reencarnou gente na vida seguinte, que diz que espíritos falaram para mediuns holandeses que o espírito morre depois de morrer e têm vontade de contar a história para os “vivos”, que acha que pode provar que Jesus Cristo está na história e Públio Lêntulus não, que acha que achou plágios em palavras ou páginas de livros com centenas de páginas e milhares de palavras, e sei lá mais em que doidiçe você acredita, mas acredita com a mesma fé que qualquer fanático crê nos seus dogmas e seremeleques – “no difference”.
    .
    Prêmio, que prêmio homem? És movido à recompensa, tipo faroeste americano? “Bounty hunted”.
    .
    Eu tenho que te apresentar materializações de qualquer coisa sobrenatura? Velho, não existe nada sobrenatural vivente, nada. Tudo está conforme a natureza, apenas é desconhecido, por enquanto, da maioria. Tudo é perfeitamente normal e dentro das Leis da Criação.
    .
    O que existe mesmo são pessoas com poucas informações, com visão bloqueada, que acredita só no que uma pesquisa conseguir descrever, sem menosprezo às pesquisa em si que são fundamentais para o progresso da humanidade, mas também sem depositar toda a fé em uma ciência que não sabe quase nada X nada elevado na enésima potência.
    .
    Pesquisa pablito, pesquisa, ou permaneça na ignorância dos reais propósitos do viver. Descreia ou desconsidere, zombe até de tudo o que já foi esclarecido através da Doutrina Espírita, se te faz sentir mais fortinho, é contigo, te basta o saber do mundo então tá bom.
    .
    Aliás, quem tu és, qual é o teu pastel, o que faz da vida? Saia do anonimato e apresente-se à platéia! Não me parece que tu possas temer o que dizes.

  39. Eduardo José Biasetto Diz:

    Scur, Scurzinho, amigo querido!
    Estou feliz em te ver animado, com suas tiradas e os apelidos que você cria.
    Quanto ao churrasco, está em pé. É só você vir a São Paulo, novamente, não tem erro!
    Aceito até os teus cascudos.
    Mas que tu és teimoso, homem, isto é!
    Scur,
    A última coisa que eu podia imaginar é que eu estaria debatendo contigo, você falando x e eu falando y. Mas as coisas acontecem.
    Quantas vezes, participei do blog unido a ti falando x também. Porém, gaúcho teimoso, as evidências me fizeram mudar de opinião. Não em tudo, pois continuo acreditando nos fundamentos do espiritismo, na vida no além, até na comunicação entre espíritos desencarnados e encarnados. Mas, a mediunidade do Chico, amigo, é muito falha, cheia de erros, “plágios”. Por que você não quer aceitar isto?
    Tudo o que você respondeu acima, não disse nada!
    Você prestou atenção nas semelhanças que apontei entre Nosso Lar e A Vida Além do Véu; entre Libertação e A Vida Além do Véu? Você prestou atenção???
    O Chico se baseou em A Vida Além do Véu pra escrever Nosso Lar e TODA A SÉRIE ANDRÉ LUIZ.
    Se não foi ele foi o André Luiz, mas aí não dá pra entender também!
    Sou descendente de italiano, conheço muito espanhol teimoso também. Agora, etá gaúcho teimoso. Dá-lhe chimarrão…
    .
    Quanto ao Jujuba, jajá ele aparece. Às vezes, ele dá umas sumidas, você sabe. Espera aí…

  40. Eduardo José Biasetto Diz:

    Scur,
    Só uma coisa pra apimentar a tua conversa com o Paulo/Pablo:
    .
    Ele mesmo colocou aqui no blog, um dias desses, vocês estava hibernando – uma matéria que passou no Fantástico! de uma guria lá, que encarnou o espírito do primo que havia falecido.
    A história é muito boa. A não ser que seja fraude, o que, aparentemente não é, a coisa é séria.
    .
    Paulo, o que você achou daquilo?

  41. Paulo Diz:

    Scurzinho, somos quases vizinhos. Te ofereço hospedagem no centro de Porto Alegre ( pagos por mim) para você e alguém de sua escolha, que apresente qualquer poder sobrenatural ( definimos aqui um protocolo)
    Vamos fazer um teste por video conferência com os participantes do blog. O que acha? Estou disposto a divulgar meu CPF, meu registro profissional e demais dados para verificação.
    Se quiser abrir mão, de alguma recompensa, podemos doar para uma entidade ( de preferência viva!-defina o que achar justo)
    Como mediador, conheço 4 professores da UFRGS e você escolhe um.
    Topas vivente ou vai ficar de mimimi dando ctrl + C nesse blog a vida toda?
    Podemos checar a veracidade dessa sua afirmação
    “Sobre as plantas, mais uma pérola da tua falta de conhecimento. Já é mais do que sabido que as plantas reagem aos sentimentos de seus tratadores, algumas são cultivados em ambientes com música”
    Esse teste é muito fácil, tenho um osciloscópio bom aqui.Mas é apenas uma sugestão. Fica a seu critério qual manifestação queira apresentar.
    Scurzinho, chegou a sua chance de sair da bravata e partir para ação, depois de 3 anos…

  42. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    Claro que prestei atenção. No início bastante atenção, mas na sequência ficou repetitiva a lógica usada para considerar algo um plágio e não convenceu.
    Biasetto, fazer o que homem? Isto não é plágio nem aqui nem na China, mas se para ti é, paciência, não vamos perder a picanha por causa disso.
    Depois, quando nós capotarmos, batermos as botas, nos encontraremos na pátria espiritual e vou puxar as orelhas do teu perispírito. Tu vai ficar cabreiro por ter escorregado no quiabo aqui na Terra, mas como a vida é infinita, tudo passa, e o Chico não vai ficar chateado com tuas diatribes aqui.
    O Chico, tenho certeza, vai ajudar a ti, ao VM, ao JCFF então, nem se fala, vai ajudá-los a programar uma nova reencarnação onde vão ter boas condições de refazer os maus passos desta vida.
    Quem sabe eu não venho na carona para aprender a ser mais dócil, menos encrenqueiro com a ceticaiada toda! Os nego tão querendo meu fígado Biasetto. Daqui à pouco até tu vai querer me rachar ao meio quando eu for aí em São Paulo.
    O Jujuba faz de conta que nem te ligo, nem te conheço, vade reto espírita duzinferno! Não como churrasco contigo nem a pau – é o que ele pode estar pensando. Te cuida Jujuba!

  43. Roberto Scur Diz:

    Pablo,
    .
    De novo esta história de sobrenatural, vivente? E na base de protocolo? Mas que bah tchê! Tu quer fazer um gre-nal e quer que se jogue no teu estádio?
    .
    Por exemplo, neste caso das plantas, já que o citou, porque tu queres ir para o grenal se já jogaram este jogo em outros campeonatos? Não é mais fácil encontrar alguma pesquisa que já tenham feito sobre o tema do que querer que eu reproduza-a no centro de Porto Alegre? Não leva tempo para tal mister? Que tipo de desafio é este, inexequível? Ou tu pensas que eu teria tempo de usufruir da tua magnânima hospitalidade abandonando minha empresa e minha família só para te dar o deleite de seres servido de bandeja com provas que tu precisas muito mais do que admites? Não é de se perguntar porque tu não vais atrás de pesquisar por tua conta para aprender algo de verdade e não ficar na pachorrenta pose de sabichão?
    .
    Saindo da questão das plantas, que demoraria demais para se concretizar, vamos retornar aos espíritos e sua comunicabilidade com os encarnados. Vejamos que obras de vulto, personagens respeitáveis, cientistas famosos, escritores, médicos, físicos, astrônomos, etc. atestaram no passado e na atualidade à sua crença na Doutrina Espírita e até colaboraram para a sua propagação. Se eles não conseguem te tirar do comodismo da não crença, que credenciais teria eu de fazê-lo? Se o Chico Xavier com sua retumbante obra espiritual, notável à qualquer contemporâneo nosso, não te causou nenhuma impressão além da descrença e do descrédito, porque eu iria fazer mover um fio do teu cabelo cético? Alguma vez eu disse aqui que seria um médium? Não, e se tu pesquisar no blog como demonstra estar fazendo tu verá depoimentos meus à respeito de fenômenos físicos que ocorreram na minha casa, involuntariamente, na presença de todos meus 5 filhos mais minha esposa (1 era bebê ainda, não conta), e outro evento onde eu tive a minha mão dominada por uma força exterior à minha vontade e se moveu durante um exercício de psicografia – e o que mais? Nada, então para te provar alguma coisa eu teria que invocar pessoas, mobilizá-las somente com o fim de satisfazer a tua empáfia de pagador por provas. Ora velho, que presunção a tua hein. Honre a tua inteligência e vá procurar, de boa mente, por ti mesmo, sem duelar com ninguém pois o assunto é muito mais sério do que estas demonstrações de petulância sugerem – não estamos num campeonato meu caro, não jogamos um grenal.
    .
    Se satisfazer um cético fosse uma tarefa que valesse à pena o ceticismo não existiria mais na face da Terra, e se existe é por conveniência e preguiça dos mantenedores desta infantil crença na descrença uma vez que já fazem milhares de anos que somos divisados com as realidades do espírito e não é mais aceitável permanecer estacionado. Convenhamos que o objetivo das doutrinas espiritualistas não é ser mandalete de soberbos negadores e o dia em que as dificuldades te visitarem, e visitam inapelavelmente à todos os viventes deste mundo, tu terás então melhores condições de aquilatar o quanto vale uma noção ampla do que vêm depois da tumba, ou do que poderia te auxiliar o conhecimento e a vivência dos conhecimentos espirituais para enfrentar as agruras de uma doença vigorosa ou de outras dificuldades que vêm para curvar a cerviz dos orgulhosos.
    .
    Para ti eu vou copiar e colar, o que não é meu hábito pois costumo dar a minha opinião sobre os fatos, mas sendo neste caso bem à propósito, a questão n.802 do Livro dos Espíritos, que aliás deveria ser uma leitura básica para o deleite dos negadores que dizem quererem provas disto ou daquilo:
    .
    802. Visto que o Espiritismo tem que marcar um progresso da Humanidade, por que não apressam os Espíritos esse progresso, por meio de manifestações tão generalizadas e patentes, que a convicção penetre até nos mais incrédulos?
    “Desejaríeis milagres; mas Deus os espalha a mancheias diante dos vossos passos e, no entanto, ainda há homens que o negam. Conseguiu, porventura, o próprio Cristo convencer os seus contemporâneos, mediante os prodígios que operou? Não conheceis presentemente alguns que negam os fatos mais patentes, ocorridos às suas vistas? Não há os que dizem que não acreditariam, mesmo que vissem? Não; não é por meio de prodígios que Deus quer encaminhar os homens. Em Sua bondade, Ele lhes deixa o mérito de se convencerem pela razão.”
    .
    Portanto, Pablo, peça a Jesus, humilidemente, para que te alcançe alguma oportunidade favorável para acreditares, e quem sabe Ele não te acha merecedor de tal graça, pois de minha parte eu tenho melhores ocupações do que este tolo desafio que lançaste, este sim em tom de bravata, a bravata de um desesperado ou de um debochado.

  44. Biasetto Diz:

    Scur,
    Tua participação enriquece o blog, porque gera o debate.
    Um blog como este, sem debate, não é nada.
    O debate, faz a gente raciocinar e buscar argumentos. Então, você apresenta os teus, os demais apresentam os deles.
    Nesta situação, aparece um vídeo aqui, outro ali, uma matéria aqui, outra ali, e a gente vai caminhando e aprendendo.
    Agora, o teu discurso de que os céticos, os críticos, os ateus estão ferrados, coisas assim, este não cola, mas não cola mesmo.
    Quem tem fé, tem fé, quem não tem, não tem! E daí?
    Ninguém é mais, nem menos, por causa de fé.
    Se for assim, o Bin Laden que, ao que tudo indica, já era, iria pro céu, quem sabe até pra Nosso Lar, porque fé, nunca faltou pra ele.
    É bem capaz, inclusive, que apareça em algum blog ou centro espírita, uma mensagem dizendo que um grupo de espíritos brasileiros embarcou no aerocar (não é mais aerobus) – e foi buscar o espírito dele lá no Paquistão.
    Brasileiro é tão bonzinho!
    .
    Outra coisa, gaúcho teimoso, você vem falar pra mim que não tem plágio. Só pra te recordar:
    .
    A mãe de Owen, ainda na página 16, faz a seguinte descrição, se referindo à “colônia” em que se encontra: “A TERRA APERFEIÇOADA. Mas é claro que existe aqui o que chamam de quarta dimensão, de certa forma, e que nos impede descrevê-la adequadamente. Temos COLINAS, RIOS E LINDAS FLORESTAS, E CASAS também, e todo o trabalho daqueles que vieram para cá antes de nós, para deixarem tudo pronto.”
    .
    Em “NOSSO LAR”, na página 45, André Luiz diz: “Deleitava-me, agora, contemplando os horizontes vastos, debruçado às janelas espaçosas. Impressionavam-se, sobretudo, os aspectos da Natureza. Quase tudo, MELHORADA CÓPIA DA TERRA. Cores mais harmônicas, substâncias mais delicadas. Forrava-se o solo de VEGETAÇÃO. GRANDES ÁRVORES, POMARES FARTOS E JARDINS DELICIOSOS. (…) A pequena distância, alteavam-se graciosos EDIFÍCIOS. [“edifícios”, no lugar de “casas”?]
    .
    Se isto aí não é plágio ou adaptação, então não sei o que é.
    .
    Mas o churrasco está em pé, vem pra cá…

  45. Juliano Diz:

    Boa Noite a todos!

    Fala Gaúcho

    Calma homem. Eu vi hoje que você vem para Maringá na semana que vem. Terça-feira é feriado aqui em Maringá, dia de aniversário do Município. Então, na segunda e na terça eu não vou estar por aqui, vou viajar. Mas na quarta-feira eu volto, ou até na terça a noite. Vou ver. Eu vou te enviar meu celular e o telefone de casa e do trabalho. Aí você me liga na quarta e vamos comer uma carne em alguma churrascaria. É isto.

  46. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    Seja por favor mais específico apontando onde o meu discurso diz que os céticos, críticos ou ateus estão ferrados?
    Será que não estão vestindo uma carapuça por conta própria e consideram que sou eu quem estou assombrando-os? Se for, não sou eu, mas a consciência de cada um.
    Vocês ficam indignados porque o André Luiz precisou passar uma temporada no Umbral e aí ficam fazendo chacota com a “lógica espírita”. Mas tu queria o que Biasetto? Queria que o sujeito tendo sido tão orgulhoso, se achando o tal, o melhor que os outros, o médico fulando de tal, tu queria que ele fosse curtir um docel de delícias?
    Afinal, o que é bom e o que é ruim para um cético?
    Seria “morrer e cést finit (ou zéfini que nem dizia o humorista aquele)”? Se for assim então curtam a vida numa boa, sem responsabilidades, gozem até se esbaldarem pois afinal de contas, para que ser honesto, justo, solidário se tudo é culpa de células que se amontoaram ao longo dos bilênios por acaso? Vai em frente, aproveita enquanto pode, azar do guarda, não é assim? Não fiquem perdendo tempo em ridicularizar os ingênuos dos crentes, ui, ui, ui, preocupados com a tal da bondade, da reforma íntima, de ser caridoso, etc.
    .
    Ou o quê? Qual é a explicação para o sentido da vida? E depois querem que os que buscam explicações é que passem por tolos! Pois é bem para eles a afirmação de que é preciso ser muito fanático para acreditar que o nada gerou o tudo que vivemos, para achar que não existem uns auxiliando os outros que estão na retaguarda, para pensar que os sextilhões de astros estão no zimbório por um capricho deste “acaso” materialista. Ah, tenha paciência Biasetto, não cola é esta cantilena materialista aí – já caducou, já era, assim como eram as seitas dogmáticas, as doutrinas dos homens baseadas no poder,na ganância, na mentira. Pô Biasetto: vamos crescer? Vamos deixar a papinha e chupetas de lado e sair do berço? Já estamos de barba na cara e querendo viver como bebezinhos de colo, mimados e caprichosos. Pelo menos um bebê não têm tendência à preguiça, e os homens, o que querem da vida? Arrumar um cabidão de emprego que nem o do JCFF e amarrar o burro na sombra, ser vadio rico, cheio de mulheres (se homem), de badulaques para afrescalhar a aparência (se mulher), ou de passeios regados à vícios e prazeres fugazes.
    .
    Qual é a proposta? O Nada? Se não for o nada e for a continuidade da vida, que tanto temem pois teriam que prestar contas para si próprios do que fizeram do tempo que dispuseram aqui na Terra, então vamos acreditar nos médiuns holandeses do escambau que o Vitor Moura procura aí, sei lá para quê, talvez para mostrar que pode fundar algo que já não tenha sido inventado e ficar famosinho e riquinho, ou vamos dar atenção para figuras notáveis tanto da ciência quanto do humanismo, ou ambos, como foi o caso de Chico Xavier?
    .
    Bom, mas vou parar por aqui. Valeu!

  47. Juliano Diz:

    Roberto

    A tua visão algumas vezes me assusta. Esta tua fixação para com o JCFF e o Vitor beira a algo anormal. Em dois anos aqui neste blog aprendi muito mais coisas sobre uma possível vida após a morte. Do que com os conselheiros espirituais de plantão. As idéias ficaram muito mais claras, mesmo tendo dúvidas, e muitas, que entendo sadias! Pois,principalmente, cresci como pessoa, parei de acreditar neste mistificadores que de concreto não acrescentam nada para um real avanço da sociedade. Pessoas que mantem muitos vivendo em ilusões. Esta tua crítica as mulheres que usam badulaques para se afrescalhar, ou aos homens que, na tua visão, perdem a vida deles se divertindo tomando umas cervejinha vira e mexe, beira ao ridículo, infelizmente tem mais cara de fanatismo religioso, com todo respeito, do que qualquer outra coisa. Eu não gosto de dar conselhuos, pois sei que não adiantam absolutamente nada. Mas como sou teimoso e burro, não posso me furtar de dizer. Acorda homem! Que o teu comportamento se enquadra mais em terras onde pessoas como um Osama da vida são tidos como salvadores para um mundo posterior de glórias aos mártires e ditos “espíritos no caminho da purificação”.

  48. Paulo Diz:

    Juliano, concordo plenamente com você!
    Papo de ex-coroinha que casou virgem.
    Abraço

  49. Roberto Scur Diz:

    Juliano,
    Esta suscetibilidade não combina contigo. Quantas vezes te vejo aqui esculhambando com o Chico Xavier, Kardec, e os espíritas em geral porque ousam sustentar as realidades que encontraram perante uma plateia que torce contra em meio à apupos e zombaria?
    Quantas vezes te vejo dizer que as materializações de Uberaba, por exemplo, são ridículas, fraude grosseira,e por aí vai, e aí está tudo bem, é um comportamento legal, nota 10, completamente normal?
    Já te vi até corroborar sujeições quanto a Chico ser homossexual e outras considerações desairosas que sairam da mente, que tu deves achar gloriosa, do JCFF?
    A tua percepção da psicologia das pessoas é direcionada apenas para os que não te acompanham nos gracejos e romoques contra outros indivíduos?
    Não, não está combinandinho esta defesa contra o fanatismo ignorante que faz pessoas se auto-destruirem em nome de prêmios num paraíso impossível.
    .
    Na tua linha de raciocínio podemos dizer o mesmo em relação à tua fixação para com o Chico Xavier ou mais ainda, para com o próprio Jesus Cristo.
    .
    Quem está trabalhando ardorosamente para destruição são eles, e se amparam numa moral que não é apanágio de seus caráteres. Qual é? Se Chico Xavier utilizasse seu horário na repartição pública em que trabalhou sem faltar um único dia de sua vida para psicografar mensagens vocês iriam cair de pau acusando a desonestidade do funcionário público, iriam se indignar, mostrar o quando desonesto ele era, criticar a “moral espírita” e por aí vai, mas como foi um parceiro de ideal está tudo certo, vistas grossas, ninguém pede satisfação para o sujeito.
    .
    É justamente pessoas com a índole de Chico Xavier que inspirariam a não violência, a mansuetude, e poderiam deter um movimento de destruição em nome da fé pois ele deu detalhes importantíssimos das consequências que os atos anti-fraternos e egoístas provocam nàqueles que desembarcam na vida espiritual sem terem prestado atenção para a tão criticada moral cristã ou religiosa.
    .
    Onde você vê o erro ter o prêmio do paraíso nas obras de Chico, ou de espíritos espíritas lúcidos (não estes holandeses mistificadores e ignorantes)? Vocês acham injusto que André Luiz tenha passado alguns anos no umbral por conta do seus erros suaves de ser infiel, ausente no lar e presente no bar, arrogante em geral enquanto médico e então, o que se diria de um que mata em nome de um deus ou de uma fé?
    .
    Acompanhei ontem a comemoração americana pelo assassinato de Bin Laden. Qual o motivo para júbilo? É incrível a distorção que as sociedades materialistas ou religiosas na indumentária e nas palavras, mas belicosa nos pensamentos e atos conseguem promover. Pergunte aos espíritos esclarecidos se eles apoiam assassinatos para compensar outros assassinatos, por mais hediondos que sejam? Leia a vasta literatura espírita e não verás jamais a defesa de tais atos primitivos, e esta vertente do conhecimento humano que vocês querem derrocar, combater à todo custo, e não percebem ou percebem mesmo que é esta ignorância dos porquês da vida e da morte que fazem permaneçam estas práticas em meio às sociedades que vocês consideram civilizadas, mais felizes por serem mais atéias.
    .
    Não está combinandinho Jujuba, não está.
    .
    Se você considera minhas intervenções hostis, eu não te tiro a razão, você está completamente certo, sou casca grossa mesmo. Na escola da bondade, da qual Chico Xavier é paraninfo, eu estou lutando para poder me matricular e ele me ajuda com seu exemplo, já teus pobrezinhos VM e JCFF só fazem botar lenha na fogueira da ignorância e do atraso.
    .
    Cada um com seus pares.

  50. Roberto Scur Diz:

    Pablo,
    .
    Você não sabe da minha vida além do que eu escrevi aqui.
    Pelo visto tu consideras inferior ou digno de deboche alguém que tenha sido coroinha e que tenha mantido a castidade antes de se casar, não é?
    Qual é a ocupação ideal, no teu entendimento, para uma criança adolescente e qual a postura ideal para um noivo?
    .
    Pois tenho 5 filhos e se eu fosse católico ficaria feliz se os rapazes fossem coroinhas (4).
    .
    Como não sou católico fico feliz por levá-los todos, desde cedo, às aulas de evangelização todos os sábados e estudarmos semanalmente o Evangelho no Lar.
    Minha educação para eles será direcionada para que se relacionem sexualmente apenas quando movidos por sentimentos nobres, verdadeiros, e não para satisfazer meramente seus instintos. Conseguir isso não é fácil, mas vou tentar.
    Questão de gosto, por enquanto, mas mais adiante será questão de inteligência se valorizar, se presevar.
    Cada um com os costumes que lhe alimentam os ideais.

  51. Roberto Scur Diz:

    Juliano,
    .
    E concluindo a resposta do teu comentário te peço que cite um ansião que esteja de bem com a vida, feliz com tê-la vivido em meio à dissipações no sexo e na bebida.
    Se no meu entendimento deixar-se levar por práticas sociais que sejam perniciosas e que possa enfraquecer a índole das pessoas então é dever defender outras escolhas sem desrespeitar aos que não pensam assim.
    Não vejo nenhum fanatismo nisso. Te desrespeitei ao manifestar minha opinião? Se o fiz, me desculpe, estou errado.

  52. Juliano Diz:

    Roberto

    Antes de mais nada, bom dia! E hoje te envio o e-mail com meus telefones.
    Sinceramente, não tenho fixação pelo Chico e nem por Jesus Cristo. Antes de conhecer este blog não conhecia muito o Chico Xavier, e de Jesus Cristo eu já tinha a visão que ele não é salvador de coisa nenhuma. E já nutria sérias dúvidas se sequer ele de fato existiu, como ainda nutro. Eu acho que ele existiu, e foi um Antonio Conselheiro dos pobres e miseráveis judeus daquela região, naquele período histórico. E que por contingências históricas, tudo em face do mecanismo de dominação de poucos sobre muitos via religião, acabou virando o que virou. Mas não descarto a hipótese que sequer este Antonio Conselheiro antigo tenha existido de fato. Mas, sinceramente, não nutro fixação por ele não, simplesmente é uma curiosidade de alguém que gosta de estudar, e acha que tem algum senso crítico e busca a verdade dos fatos ligando evidências, dentro da medida do possível.
    Mas não nego que tenho as minhas fixações. E uma fixação minha, que já foi muito forte, diga-se, e hoje acho que está desaparecendo, é da figura do Waldo Vieira. Pois eu fui do Instituto. Eu acreditei piamente durante um período no que ele dizia. E noto que é muito duro a frustração de ver o ídolo cair, e com a queda também caem suas idéias e sua idealizada personalidade. A sensação de ter sido enganado não é algo mole não. Inclusive já falei isto aqui uma vez com o Biasetto, se não me engano. Outra fixação é com a Kelly Preston, atriz americana mulher do John Travolta. Apesar deles fazerem parte daquela seita americana chamada “cientologia”, ela é uma mulher lindíssima que a idade parece que a deixa mais linda! De fato sobre ela eu mantenho ainda uma fixação. Outra fixação é a Monica Bellucci. A interpretação dela no filme “Malena”, do Giuseppe Salvatore, é algo primoroso! O ponto negativo na sua carreira foi quando ela quiz inventar de fazer a Maria, mãe de Jesus, no filme do maluco do Mel Gibson. Mas (…) ninguém é perfeito. Deixo ver se eu tenho mais alguma fixação (…) claro, pela minha mãe principalmente, uma mulher ainda muito bonita, mas que quando nova parava o trânsito. E era ótimo ser filho de uma mulher muito bonita! O meu Complexo de Édipo para com o meu pai devia ser altíssimo, sinceramente não lembro, mas devia ser, e talvez ainda seja. E acho que fica por aí. ahhh (…) ia me esquecendo. Por óbvio tenho fixação também em saber se continuamos vivos após a morte do corpo físico. Digo sem medo de errar, se eu chegar a ter convicção que há um pós-vida espiritual. E meros opinionismos não me convencem, não adianta. Prática corriqueira no Brasil. Fala-se sobre tudo, mas prova que é bom, evidências concretas, não se tem é nada. Pelo contrário, só atrapalham os opinionismo e crendices. Mas se eu tiver convicção que há um pós-vida. E tomara que tenha, sinceramente desejo isto, mas já trabalho bem com a possibilidade de não ter. Apesar de intuir que tem, por incrível que pareça tem! Então a quem interessar, podem saber que de alguma forma o espírito continua vivo após a morte do corpo físico. Pois atualmente eu ando cascudo, não é qualquer trólóló que me convence não. É isto Roberto. Um abraço

  53. Roberto Scur Diz:

    Pablo/Vitor,
    Ainda não passaste teu CPF ou uma comprovação de que exista realmente. Porquê? É tão difícil assim?
    Claro que não é, é porque tu não podes continuar inventando coisas para convencer que outras pessoas frequentam e opinam no teu blog. Será sempre a meia-dúzia de sempre.
    Comportamente parecido com o do JCFF. Eis aí a moral dos detratores do espiritismo. Estão bem arrumados os céticos,hein?

  54. Carlos Diz:

    Juliano,
    .
    Gostaria de ver os teus comentários sobre NDEs e OBEs, e em especial sobre o “Pico em Darien”.
    .
    Um abraço,

  55. Vitor Diz:

    Scur,
    eu te passo meu cpf se vc se comprometer a colocar mil reais na minha conta após ver que eu e o Paulo somos pessoas diferentes, topa?

  56. Juliano Diz:

    Outra coisa. Andei lendo ontem a noite sobre o
    Dr. Sérgio Felipe de Oliveira. Com todo respeito ao psiquiatra, mas o cara é uma piada de mau gosto. Um médico que quer provar uma tese, a idéia que os gristais de amatita na pineal são antenas para sinais paranormais. Mais cristais, alta mediunidade e menos cristais, baixa mediunidade. Não pode se dar ao luxo de ficar postando orações no youtube, no nível de pastores da Universal. O cara está de brincadeira!!!! Aí se vê que o fato de alguém ser um médico, um juiz de direito, um advogado de renome, um intelectual não significa porcaria nenhuma, quando o tema é lucidez e busca da verdade dos fatos. Eu já vi num debate um Desembargador defender com convicção que Adão e Eva existiram de fato, e que o pecado original é sim uma verdade; e que Jesus Cristo é o filho de Deus, e nasceu para nos salvar do pecado original. E quando questionado se seriam condenados os que vieram antes de Jesus e que por óbvio não o conheceram, e os que vieram depois, mas nunca ouviram falar de Jesus. O Desembargador não teve dúvidas de dizer que ante as leis de Deus, os que vieram antes de Jesus que praticavam os dez mandamentos seriam salvos. Não foi perguntado na época, mas e os que nasceram antes dos supostos dez mandamentos? Seriam salvos como? E os que nasceram depois da vinda de Jesus, mas não conheceram Jesus, não tomaram conhecimento das suas “palavras”, a estes só o perdão divino ante os fatos concretos quem sabe poderiam lhes dar a “salvação”. Mas ele, “humildemente”, não tinha uma resposta conclusiva sobre isto. Uma brincadeira digna de acompanhamento psiquiátrico. Mas (…) barco que segue. É isto.

  57. Roberto Scur Diz:

    Juliano,
    Pois então está bom teu caminho de descobertas. Se frustar com as pessoas em que um dia acreditamos é uma oportunidade de crescermos, ou motivo de nos revoltarmos e estacionarmos no progresso.
    Nas vezes em que me passaram a perna porque acreditei na bondade e na honestidade das pessoas eu aprendi a ser mais cauteloso e menos crédulo, mas também a não esperar muito dos outros pois nossa capacidade de errar é enorme e poucos conseguem ser verdadeiramente virtuosos, confiáveis, e aqueles que conseguem deixar este exemplo precisariam ser respeitados.
    Esta é a situação de Chico Xavier Juliano, e é uma pena que os poucos que conseguem são tão combatidos, perseguidos, detestados.
    Lamento muito não por ti em relação ao Waldo, mas muito, muito mesmo pelo Waldo Vieira. Que lástima o que ele escolheu para a vida dele e a frustração que tu viveste é bem o retrato do mal que uma pessoa pode provocar em muitas outras – mais um exemplo da importância de valorizarmos quem conseguiu ser exemplar como Chico.
    Ao menos, para ti, que não perdeu mais do que o Waldo está perdendo, por enquanto, será muito útil que agora tu estejas mais convicto de não cair em qualquer trololó por aí.
    Minha opinião sobre tua experiência com o Waldo é a de que você foste de cabeça, acreditaste com todas as forças do teu ser num homem que te decepcionaria logo adiante, te deixando envergonhado até de ter acreditado nele, e à partir daí foi para o lado extremamente oposto, foi beber na água insalubre do blog do Vitor Moura, uma antítese do Waldo na aparência mas que no fundo segue os mesmos métodos ilusionistas e enganadores.
    Preserve a tua vigilância mas não desacredite do amor, da honestidade e das virtudes humanas pois elas existem e valem por uma multidão de equívocos.
    Não lute para apagar as poucas luzes que se acendem nas trevas do mundo. Não conspire contra o bem e seja mais um a cerrar fileira em nome da verdade, mesmo que ela não seja nossa companhia permanente, tanto em nossos como nos atos dos outros, que pelo menos ela não perca o brilho do ideal e se refleita em algum momento em nosso olhar.
    .
    Até semana que vêm Jujuba. Juízo.

  58. Paulo Diz:

    Scur, claro que para você não existe nada errado em impor uma religião a crianças pequenas, não é?
    Sim Scur, a moralidade só pode ser atingida pelos caminhos do evangélico, isso é óbvio!
    Será que você também já escolheu o partido político deles, time de futebol ou estilo musical?
    Faça isso agora antes que eles cresçam e pensem por si próprios. Como anda o Caxias? Acho que o Grêmio pode ser uma escolha mais sábia.
    Scur, mantenha eles distantes do PT e do heavy metal! Não sei não, essa turma possui uma baixa vibração. Jogo de xadrez nem se fala! Melhora o raciocínio matemático e incentiva a lógica. Melhor que nossas crianças fiquem longe da lógica que ofusca a mente e planta a semente da dúvida. Nada mais perigoso que a dúvida nos tempo de hoje!
    Eu ia até indicar um livrinho para você, mas o seu evangélico já é bem claro, em todo o caso…
    http://www.traca.com.br/livro/356365/filosofia-para-jovens-uma-iniciacao-a-filosofia
    .

    Abraços fraterno e muita luz!

  59. Roberto Scur Diz:

    Vitor,
    Por aí se vê bem a tua natureza mercenária.
    Para que tu queres mil reais se já ganha com cada comentário que eu posto aqui na caixa registradora dos acessos ao blog?
    Para que tu queres mil reais para ser transparente?
    Tu já mostrou o teu CPF quando pediu para depositarem dinheiro na tua conta para pagar o trabalho de tradução há um tempo atrás. Tu vives pedindo dinheiro para pagar estas traduções. Qual é? Já está pensando em cobrar dízimo da tua igreja cética?
    Não desconversa, seja franco alguma vez, mostra que o Paulo/Pablo existe e cale as minhas suspeitas, senão, continuem enrolando que é a tua especialidade mesmo.

  60. Vitor Diz:

    Não, Scur
    os mil reais não é para eu ser transparente. Os mil reais é para você aprender a parar de fazer acusações infundadas, sem a mínima base, e quando fizer, pagar por tais acusações. Quem sabe sentindo no bolso você aprende…

  61. Roberto Scur Diz:

    Paulo,
    Mas que impor o quê homem? O que tu estás falando?
    Por acaso um pai não têm o dever de educar seu filho? Por acaso uma criança têm condições de fazer suas próprias escolhas quanto à ser religioso ou ateu? O que que é isso minha gente?
    .
    Meus filhos vão ser o que quiserem quando tiverem maturidade intelectual para isso. Se vão ser do PT (que eu não votaria nem nunca votei), se vão gostar de heavy metal (que nunca gostei também), se vão ser bitolados que sofrem por causa de times de futebol (eu tinha um time quando criança, o Caxias, mas eduquei-os para não serem fans de nenhum time pois não vejo proveito em ser fanático de coisa nenhuma), poderão ser criminosos ou pessoas de bem, ateus ou fanáticos religiosos (lamentarei nos dois casos), enfim, o que for, mas serão sempre amados por mim, agora, vão ter que me aturar educando-os naquilo que eu acredito que fará bem para eles e para a sociedade, e enquanto eu os sustentar vão ter que ir nas aulas de evangelização, fazer Evangelho no Lar nos domingos, fazer preces ao almoço, preces ao dormir, sem negociações pois sou eu o responsável por eles até que cresçam.
    .
    Já falei em outra ocasião aqui neste blog que vou me candidatar a ser pai do Vitor Moura, do JCFF e do Gilberto na próxima vida para dar uma overdose de evangelho na moringa deles, que o Gilberto ia nascer como mulher e eu ia chamar ele de “Otília”, o Vitor Moura iria chamar de Francisco (Chico para os da família), e o JCFF não me lembro que nome eu ia dar, mas poderia ser Hipolite (do Kardec, sabe né?) e iriam todos ser trabalhadores espíritas, o JCFF orador espírita (dificilmente ele teria humildade de imediato, assim, para ficar calado servindo, iria querer falar pelos cotovelos, expor toda a sua erudição verborrágica, só que domada pelos chamamentos espíritas que desautorizam tal comportamento), o JCFF ia ser médium passista para repor as energias das pessoas diminuindo o tanto que ele consumiu da energia delas nesta vida com estas lenga-lengas falaciosas postadas neste blog), e a Otília (Gilberto) ia ser o quê, não sei, talvez pela natureza do seu materialismo arraigado ele iria gastar estas energias sendo médium de efeitos físicos para servir de deboche de outros céticos da hora.
    .
    É por aí Pablo, por aí.
    .

  62. Juliano Diz:

    Roberto Scur

    Você está sendo leviano! Já disse uma vez aqui. Este negócio de ficar acusando por acusar é ausência de um mínimo e bom senso! Mas tá bom.
    Estes dias li uma entrevista do Rafinha Bastos, humorista do CQC, um dos principais representantes da “Stanb up comedy”no Brasil, que como ele faz piada de tudo. Tempos atrás ao final de um espetáculo dele, três espíritas foram tirar satisfação, pois ele havia feito algumas piadas, no entender dos espíritas de mau gosto, do “Chiquinho (a) fala fino e confuso”. E ele quase foi para a porrada com os espíritas. Algo lamentável. Mas volto a perguntar. O Chiquinho era ou não era uma “fruta”? Eu acho que ele foi uma “fruta” recalcada. O que é uma pena, ele devia se assumir gay. Qual o problema? Que preconceito é este em ser gay. E intuo que ele foi “apaixonada”, acho eu que era um amor platônico, pelo Waldo Vieira. Que nunca negou e diz a quem quiser ouvir que era o galã quando jovem em Uberaba. E aí Roberto. Estou fazendo uma acusação, que diga-se tem mais fundamento que as tuas acusações. Pode até não ser verdade, mas tem muito mais fundamento que as tuas acusações. É só comparar as evidências. Como é que fica o Chiquinho. Ele era ou não era “fruta”.

  63. Roberto Scur Diz:

    Vitor,
    É?
    E quanto tu vais ter que pagar por estas abobrinhas que tu posta aqui com pretensões de serem “científicas”?
    Vai ter que ganhar na loteria se não quiser ser caloteiro, mas, não deve ser problema para ti pois de que importa a honorabilidade de uma pessoa, não é? Se a moral cristã rediviva no espiritismo não te interessa, provavel que não te importe com isso.

  64. Vitor Diz:

    Scur, o que você chama de “educar” os filhos, eu chamo de lavagem cerebral.

  65. Vitor Diz:

    Scur,
    todas as acusações que eu faço aqui são embasadas, e qualquer pessoa minimamente racional considera as provas suficientes.

  66. Vitor Diz:

    Juliano,
    o próprio Chico se via como uma mulher presa em um corpo de homem.

  67. Juliano Diz:

    Vitor

    E a outra pergunta que não quer calar. Será que já saiu alguma reportagem em algum Jornal Espírita dizendo que as doze crianças assassinadas em Realengo por aquele provável psicopata, na verdade morreram pois tinham que pagar algum carma com o assassino? Como elas tinham sido más, assassinas em outra vida com o cidadão, elas deviam ao mesmo tal morte. Segundo a doutrina espírita, provavelmente tinham impingido dores ao assassino delas em outras vidas. E tudo então foi uma “acerto” cármico. Tudo conforme a lei da causa e efeito? Roberto: queremos a resposta que já não foi confirmada aqui da outra vez, quando da tragédia na região serrana, e um jornal espírita disse claramente que as mortes coletivas eram um acerto cármico. Realengo foi um acerto cármico também? Ou os doutrinadores espiritas, fãs do chiquinho, agora resolveram ficar quietos?

  68. Roberto Scur Diz:

    Juliano,
    .
    Chico Xavier era uma pessoa sensível, alguém que passou as últimas várias reencarnações repetidamente na polaridade feminina.
    Na minha opinião veio como homem nesta vida para auxiliar na execução de sua tarefa.
    Eu, tu, todos nós passamos por ambas as polaridades.
    Se o psiquismo de Chico era mais suave isto não o torna um homossexual Juliano.
    Você não têm prova nenhuma de que ele tenha sido homossexual e falar algo sem saber é errado. Você “acha” que ele seria porque ele não escondia sua capacidade de amar, homens e mulheres, mas sem a conotação sexual que tanto perturba a mente dos que estão ainda muito apegados às contingências da matéria.
    Quando eu era criança tinha uma percepção homofóbica que era costumeira nos hábitos sociais. Não desgostava dos meninos mais efeminados, que poderiam até virarem gays mais adiante, mas não deixava de rir de piadas e escárnios sendo conivente com este comportamento preconceituoso.
    Cresci e melhorei minha visão, que como disse, era infantil e atrasada, e noto este tipo de preconceito nas entrelinhas dos comentários de vocês quanto à sexualidade de Chico Xavier. Isto é, me desculpe a franqueza, molecagem pois querem diminuí-lo de alguma forma fazendo-o alvo de escárnio velado.
    Preferiria que meus filhos não precisassem passar por esta dificuldade pois acho o homossexualismo uma provação, ou expiação, mas uma pessoa homossexual não deveria ser discriminada e se algum deles for homossexual eu teria dificuldades, certamente, mas venceria-as em nome do amor aos filhos.
    Chico, para mim, não sofria em seu corpo masculino tendo um psiquismo dócil, amável, cândido consoante seu próprio nome. Chico era cândido Jujuba, e isto não quer dizer homossexual. Tenho a intuição que ele não se relacionou sexualmente com alguém, mas não deixou de amar profundamente seus filhos de outras reencarnações como o Waldo Vieira e o Arnaldo (Taciano do romance Ave Cristo), além de todos os confrades que se aproximavam dele. Quem esteve em sua presença sentia algo diferente daquele homem singular.
    Mas deixa estar Jujuba. Conversamos mais aí em Maringá.
    Até lá.

  69. Leonardo Diz:

    Ta virando novela…

  70. Juliano Diz:

    Carlos

    Outro momento te passo a minha atual posição sobre a tua pergunta, que por sinal é bastante pertinente. O debate foi pra outro lado, e não estou focado para te responder. Mas vou responder sim em outro momento. É isto.

  71. Eduardo José Biasetto Diz:

    Scur,

    VOCÊ DISSE:
    Seja por favor mais específico apontando onde o meu discurso diz que os céticos, críticos ou ateus estão ferrados?
    .
    EU DIGO:
    Você vive dizendo que vai orar para que eu e outros críticos e céticos aqui, descubram Jesus, descubram a mediunidade do Chico, e coisas assim…
    Oras Scur, se existir inferno, umbral, sei lá, com certeza, deve estar repleto de crentes, aliás, tenho certeza que deve ter muito mais crente nestes lugares do que ateus, céticos ou críticos.
    .
    VOCÊ DISSE:
    Vocês ficam indignados porque o André Luiz precisou passar uma temporada no Umbral e aí ficam fazendo chacota com a “lógica espírita”. Mas tu queria o que Biasetto? Queria que o sujeito tendo sido tão orgulhoso, se achando o tal, o melhor que os outros, o médico fulando de tal, tu queria que ele fosse curtir um docel de delícias?
    .
    EU DIGO:
    Se você leu Nosso Lar, André Luiz diz que recebeu uma educação com facilidades, privilégios. Ou seja, nasceu em “berço de ouro”. Então, Scur, se ele cresceu metidinho à besta, é porque foi educado pra isto. Assim, Scur, a culpa nem é dele. Por que ele teria que pagar por isso? Outra coisa, se ele era boêmio e mulherengo, nada de se estranhar, num país machista, conservador e ignorante como o Brasil, ainda mais, numa cidade como o Rio de Janeiro dos anos 1920/1930.
    Portanto, Scur, é ABSURDO um sujeito como o André Luiz, morrer de câncer de estômago, ser brutalmente separado da família e ainda ter de ficar OITO ANOS (QUASE TRÊS MIL DIAS), sofrendo frio, solidão, bullying, até isto, com os caras caçoando dele lá, acusando-o de suicida e tudo mais. ABSURDO!!! MIL VEZES, ABSURDO!!!
    .
    VOCÊ DISSE:
    Pô Biasetto: vamos crescer? Vamos deixar a papinha e chupetas de lado e sair do berço? Já estamos de barba na cara e querendo viver como bebezinhos de colo, mimados e caprichosos. Pelo menos um bebê não têm tendência à preguiça, e os homens, o que querem da vida? Arrumar um cabidão de emprego que nem o do JCFF e amarrar o burro na sombra, ser vadio rico, cheio de mulheres (se homem), de badulaques para afrescalhar a aparência (se mulher), ou de passeios regados à vícios e prazeres fugazes.
    .
    EU DIGO:
    Primeiro, quanto ao “cabidão de emprego” do JCFF, eu sei que pra ser analista do Bacen, tem que prestar um concurso super disputado e muito difícil. Portanto, neste ponto, se ele entrou lá por concurso, dou os parabéns a ele.
    Quanto a deixar de criança, deixar da chupeta, concordo contigo. Mas é você e os espíritas xavierianos, dos Wágner Paixões da vida, dos Robson Pinheiro e cia, que precisam largar de ser criança e parar de acreditar em contos de fadas, historinhas de papai noel, branca de neve, …
    Acalma-te! Reflete e cai na real!

  72. Paulo Diz:

    Eduardo José Biasetto , muito bom a tua lógica. Parabéns!
    Concordo em tudo.
    Abraço

  73. Juliano Diz:

    Roberto

    Tuas palavras: “Falar algo sem saber é errado”. Tá bom. Moralismo de uma mão só é complicado.
    E a tua resposta não responde. E o Emmanuel que, segundo o chiquinho, foi um soldado romano, como tal forte, loiro, 1.90 m, se não me engano até de olhos azuis. Como é que fica? O chiquinho era uma “fruta” recalcada ou não era? O povo quer saber?

    Leonardo

    Novela das oito, agora e há muito tempo das nove na verdade. Mas é bom umas novelinhas. E fala a verdade: o público gosta. rsrsrsrsrs

  74. Roberto Scur Diz:

    Ô Jujuba,
    Eu não tenho a resposta do porque as crianças morreram e qual seria o vínculo delas com o agressor, mas sei que ninguém é inocente meu caro.
    Você acha que este agressor, se um dia ele foi o agredido e não perdoou, cometeu esta barbárie, você não acha previsível que ele tenha que passar pela privação da vida ainda jovem, de alguma forma, para resgatar o mal perpetrado por ele nesta vida?
    Você acha que seria normal ele prosseguir sua existência sem se redimir perante a própria consciência devolvendo à vida de alguma forma àqueles que perderam-na por sua insanidade?
    Olha Juliano, os códigos de justiça Divinos não são regidos pela arcaida justiça dos homens. Está claro que o amor cobre uma multidão de pecados, conforme Paulo de Tarso asseverou, e as vidas doadas em benefícios dos necessitados, dos órfãos, de crianças doentes desde o berço, enfim, todas estas existências de abnegação podem guardar uma lógica irretorquível onde o agressor procura reatar laços de amor com o agredido de outras épocas sacrificando-se por ele.
    Aí, os que observam de fora entendem que a pessoa é doente, fanática, homossexual, ou sei lá o quê, mas não conseguem identificar o esforço e a virtude do antigo criminisoso diante dos códigos Divinos à se redimir através do amor.
    Ou então, quando observam uma criança sendo jogada na lata de lixo pela mãe, sofrendo toda a sorte de abandono, doenças e misérias, não consegue identificar o antigo agressor que passa pelos camartelos do sofrimento para se reequilibrar perante a mesma justiça.
    Deus não precisa da ação escandalosa dos homens para fazer se cumpram as suas Leis. São os homens que se arvoram em intrumentos de escândalo por conta própria, e agindo assim acabam servindo à própria justiça permitindo se libere o agredido que, em perdoando o agressor consegue se libertar do mal muito embora aja mais um decaído nas redes do crime para que tal liberdade seja alcançada. Não precisava ser assim, mas a dureza dos nossos corações e nosso livre arbítrio é que fazem estes quadros de horros serem parte de nossa vida social neste mundo de expiação e provas.
    Um dia não haverá mais este tipo de brutalidade, não haverão mais doenças, injustiças, etc., e será quando Jesus for aceito no coração de todos.

  75. Paulo Diz:

    Juliano Diz: ” O chiquinho era uma “fruta” recalcada ou não era? O povo quer saber?”
    Um mariquinhas chorona, copiadora, emperucada e perfumada, na minha opinião. Pode até ter sido uma boa pessoa, mas gostava de uns trambiques bem “intencionados”

  76. Paulo Diz:

    Scur disse : “Por acaso uma criança têm condições de fazer suas próprias escolhas quanto à ser religioso ou ateu? O que que é isso minha gente?”
    Aleluia irmãos!!! Isso mesmo Scur, não escolha por eles. Deixe eles escolherem seus caminhos quando tiverem prontos.
    Tá vendo? As vezes tu consegue ser racional!

  77. Juliano Diz:

    Paulo

    E provavelmente era uma bichona! O Waldo Vieira já disse que ele era gay. Uma pessoa que conviveu com ele bem próximo. E eu não duvido que um dos motivos do Waldo sair de perto do chiquinho foi que a paixão deste por ele já não estava mais controlável. O que não é demérito algum. Os espíritas, dentro do preconceito deles, que não aceitam isto. Qual o problema do líder espiritual maior espírita ser um homossexual? E os indícios são muito fortes que ele era uma “fruta” recalcada sim. Eu já falei aqui que o Emmanuel foi uma criação clara desde recalque. E digo que era recalcada, até onde se sabe da história oficial dele. Vai se saber a história não oficial.

  78. Paulo Diz:

    Tem razão Juliano!

  79. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    .
    você disse – eu disse – 1
    Vivo? Puxa, estou ficando religioso e não notei? Quando eu disse que ia orar por vocês? Que eu me lembro só tenho enchido a paciência da turma cética aqui.
    E nisto você foi um médium Biasetto, pois é exatamente isto que acontece amigo. No umbral a preferência é pelos religiosos, crentes de aparência, de palavras. Para os espíritas então, nem se fala, pois disse Jesus que “Muito será cobrado de quem muito recebeu..”, e os espíritas leem ou até escrevem as suas sentenças condenatórias e acham que o recado é “para os outros” e que eles são os porta-vozes iluminados.
    Existem até hospitais de loucos exclusivamente para espíritas. Tá feia as trovas para o lado dos hipócritas Eduardo, e é melhor te manter no ceticismo do que saber muitas coisas e não praticar o que o conhecimento favoreceria fosse feito.
    .
    Você disse – Eu digo – 2
    Te pára Biasa! Foi educado para ser metido à besta? E ele não têm cabeça própria, é um fantoche do meio? Como que a culpa não é dele? Quer repassar a conta para o Abreu, ele não paga nem eu? Mas que malandragem tua tchê!
    Quantas pessoas que viveram em lares desajustados e buscaram formar um família diferente para si quando tiveram oportunidade? Quanto filhos de pais alcoólatra que não bebem uma gota de álcool por conta do mau exemplo e do sofrimento que a conduta do pai/mãe provocaram em sua vida? Quantos filhos de pais viciados em manter amantes, por toda uma vida, e que quando viraram pais se impermeabilizaram de tal fraqueza graças às dores vividas e assistidas enquanto jovens?
    E quantos que seguiram igualzinho o mau exemplo dos pais?
    Nada à ver Biasetto. Todos temos condições de superar as injunções do meio e fazermos um pouco melhor, portanto não têm absudo nenhum, pelo contrário, a mais perfeita lógica vigorando nossos passos.
    Além do mais ele ficou todo este tempo não porque não tenham ido buscá-lo lá, mas porque ELE QUIZ velho, ele se impôs este sofrimento graças à sua consciência culpada e graças à este mesmo orgulho que não o deixava se ver rebaixado á ponto de pedir auxílio sinceramente, humildemente à alguém.
    Só conseguiu perceber as mãos amigas que o buscavam quando saiu do falso pedestal que se colocava e cansado de ralar, de sofrer, orou do jeito que havia aprendido com sua mãe, e pode sair de lá.
    Lógico, mil vezes lógico e justo amigo, portanto, cautela e bom senso para dominarmos nossas más tendências será muito bom na hora da verdade.
    .
    Ninguém foge às suas responsabilidades Biasetto. Não adianta culpar A ou B pois a ficha está no nosso nome.
    .
    Você disse – eu digo – 3
    Claro que o JCFF têm méritos para entrar no Bacen, mas não sei se mantém méritos como funcionário. Ele deve saber.
    E sobre Robson Pinheiro, não leio seus livros ou o que eu li não cataloguei como de minha preferência. O Wagner Paixão eu simpatizei com ele mas conheço-o muito pouco. Não vi problemas nas mensagens mediúnicas que ele recebeu no III congresso espírita, do JK e do Chico Xavier. Se tu viu, não gostou, tudo bem.
    Acreditar em historinha de papai noel é dar crédito à esta alegação de que Chico Xavier iria passar um código secreto para confirmar que ele era ele; puxa, esta é básica Biasetto. Veja na codificação que isto é totalmente fora de propósito e é se atribuir um valor inexistente acreditar que mereçamos um código secreto, uma baboseira dessas.
    Eu não acredito que Chico tenha feito tal proposta. Se o fez foi um engano incompatível com sua vida, e para mim ele esteve sim naquele evento específico que era em sua memória.
    Aliás, até o próprio Jesus se fez presente por alguns instantes, no momento do encerramento do encontro durante a apresentação da música Paz pela Paz de Nando Cordel.
    .
    Mas aí á é pedir demais para os céticos.

  80. Roberto Scur Diz:

    Paulo e Leonardo e Vitor, tudo a mesma coisa.
    .
    Primeiramente você não entendeu o que eu falei sobre educar os filhos. Serão educados para desenvolverem a fé, e se não quiserem, depois que crescerem, farão o que quiserem, mas não falterei em minha obrigação de orientá-los enquanto crianças ou adolescentes.
    .
    Segundo, todos estes nominhos aí não existem. Nesta hora vou ser igualzinho aos céticos, ou seja, estes nominhos simplesmente são que nem Papai Noel, Branca de Neve, Coelhinho da Páscoa, ou seja, NÃO ECZISTE que nem dizia o Quevedão áquele.
    Quero provas, provas, pesquisas publicadas em revistas científicas, quero provas que vocês eczistam!
    .
    A Vitor, conta outra, deixa de ser criançola também, sai do armário.

  81. Roberto Scur Diz:

    Jujubório!
    .
    Cara, você está com fixação pelo Emmanuel e não contou no teu post sobre fixações?
    Tá à fim do Emmanuel? Com ciúmes do Chico?
    Larga disso vivente, senão vou achar estranho este papo de citar toda hora o porte dele, olhos, altura – o quê, o quê, o quê Jujuba, tá me estranhando?
    .
    Arrume uma prova de que ele era, como você diz, “fruta”, e depois vêm falar sobre isso.
    .
    Até gente, tenho que trabalhar, já falei demais neste semana, vou dar mais um tempo de uns 2 ou 3 meses, à não ser que o Jota apareça no pedaço com o lero-lero do Públio, do Pedro de Campos, e por aí vai.

  82. Paulo Diz:

    Scur, entendi sim! Você vai criar na fé…isso, fé!(é a firme opinião de que algo é verdade, sem qualquer tipo de prova ou critério objetivo de verificação, pela absoluta confiança que depositamos nesta idéia ou fonte de transmissão)
    Uma fantasia cheia de umbrais, espirítos trevosos, resgates cármicos, obsessores…que ótimo para crianças pequenas, não? Justamente nessa idade onde tudo fica registrado para o resto da vida. Parabéns Scur! Livrinho de ciências ou filosofia nem pensar, né? Que pena, não toco mais nesse assunto.
    Quanto a sua paranoia quantos aos nomes…Scur, tu está nessa faz 3 anos! Acha que só existe um cético nesse blog. Já acusou meio mundo de ser a mesma pessoa.
    Já te dei a chance de me conhecer pessoalmente. estamos a uma hora e meia de distância. Porque quer meu CPF? Tu deve estar achando estranho ser ser o único espiríta aqui.

  83. Juliano Diz:

    Roberto

    Se eu tivesse, não teria problema algum em dizer. Mas sexualmente, meu negócio é mulher. Agora, eu como possível futuro psicólogo, até para dar minha pequena contribuição na tentativa de desconstrução de mais um mito mentiroso que se está criando no nosso Brasil varonil. Não posso me furtar em dizer o que penso sobre a criação pelo chiquinho do Emmanuel e suas pretensas características físicas. Aí você pega o que o Waldo diz sobre si próprio quando era um médico recém formado em Uberaba, que era o galã da cidade. Você pega toda a gestualização e fala do chiquinho. O fato dele nunca ter tido relacionamento algum sexual com mulher. O fato de ter tido um elo de ligação muito grande com o Waldo, quando galã da mulherada, dito por ele mesmo em conversas informais, mas galã é galã. Aí você pega um mentor espiritual sonho de toda “fruta”. E é inegável que as evidências são fortíssimas que o chiquinho era uma fruta, um gay que recalcava a sua homossexualidade. Mas que era gay era gay. E repito. Custa dizer aqui Roberto. Sim, talvez ele fosse gay mesmo. Mas não há mal nenhum nisto. O que importa foi o trabalho deixado por ele e blábláblá. Mas vocês jamais admitem isto. É o falso moralismo em ação. Melhor vir com a história de que o chiquinho foi mulher nas últimas vidas, e disto a sua feminilidade explícita. Tá bom. E dá-lhe moralismo de botequim. Amar aos outros como são! Mas filho viado! Jamais!! Outra coisa. O Wagner Paixão e o Robson Pinheiro. Eles são visivelmente afeminados. Eles são gays assumidos ou não? Seria interessante até para mostrar se o espiritismo tem a “abertura” cristã que diz ter. Falando de Jesus. Ele tendo existido também. Há muitos estudos nada confiáveis, mas (…) fica o relato, que dizem que ele era outra “fruta” também, vai se saber.

  84. Juliano Diz:

    Roberto

    Sei que você já não está por aqui. Mas a sua resposta sobre a minha pergunta da tragédia com as crianças de Realengo deixou bem claro a lógica espírita. Justiça seja feita. Pelo menos você não nega a lógica cármica divina religiosa espírita.
    Quando você diz: “Eu não tenho a resposta do porque as crianças morreram e qual seria o vínculo delas com o agressor, mas sei que ninguém é inocente meu caro.” Quer dizer. Muito provavelmente as adolescentes foram assassinadas pois alguma coisa elas deviam e tinham que pagar.
    Aí, mais a frente no comentário você diz: “Quando observam uma criança sendo jogada na lata de lixo pela mãe, sofrendo toda a sorte de abandono, doenças e misérias, não consegue identificar o antigo agressor que passa pelos camartelos do sofrimento para se reequilibrar perante a mesma justiça.” Quer dizer, o sofrimento de uma criança é plenamente justificável em face da justiça divina. A criança está sofrendo sendo jogada ao lixo, pois merece sofrer e ser jogada no lixo. Provavelmente para pagar alguma coisa. Bela justiça divina!
    Mas o teu texto, muito claro no que você pensa, em conformidade com a doutrina espírita, também deixa claro a tua visão preconceituosa, e creio fortemente que da maioria dos espíritas, com relação aos homossexuais. Num paradoxo de visão, já que Chico Xavier (o chiquinho), como já disse aqui, muito provavelmente era um homossexual. Vejamos mais uma parte do teu trecho que deixa claro o enfoque preconceituoso: “Aí, os que observam de fora entendem que a pessoa é doente, fanática, homossexual, ou sei lá o quê, mas não conseguem identificar o esforço e a virtude do antigo crimininoso diante dos códigos Divinos à se redimir através do amor.” Quer dizer, ser doente, fanático ou homossexual é tudo algo danoso ao espírito, a justiça divina. Amor neste enfoque é outra coisa. Tá bom Roberto. Bela justiça divina! E na verdade é uma justiça divina mesmo! Pois o entendimento das religiões é nessa linha mesmo. Só que é uma justiça divina sem o deus real que de fato interessava, felizmente. Um deus que seria fiscalizador, punidor e repressivo de fato aos que não lessem na sua cartilha imposta. E tudo travestido num discurso mentiroso de deus do amor. É isto.

  85. Roberto Scur Diz:

    Jujuba,
    Você se confundiu com meu comentário. Não sei onde eu dei a entender que seria preconceituoso. A intenção era mostrar o contrário. Devo ter me explicado mal.
    .
    Espero que pelo menos na lógica espírita sobre esta mortes eu tenha acertado. Sim, a justiça Divina permite que uns sejam objeto de escândalo, e o alerta de Jesus de que “quem com ferro fere, com ferro será ferido” é de grande sabedoria. Não é Deus que vai lá punir o culpado, são as Leis que Ele estabeleceu que se fazem cumprir através da própria consciência do culpado ou através do desforço do agredido ou ofendido que não soube perdoar e se escravizou à seu algoz se tornando igualmente algoz à seu turno, até o dia em que o bálsamo do perdão o liberta.
    .
    Se você avisa de todas as formas a criança para não brincar com fogo pois ela poderá se queimar e ela insistir na brincadeira – se queimará. A culpa é de quem alertou para o perigo? Somos como crianças aqui na Terra, mesmo que bem adultos. Brincamos com o perigo e depois, quando dá zebra, culpamos os outros, Deus, o governo, etc.
    .
    Deus não fiscaliza, não pune, não repreende. Ele criou apenas as Leis e entregou o livre arbítrio para cada um fazer o que achar melhor. Paulo explicou este contesto das Leis de Deus quando disse que “Tudo lhe é lícito, nem tudo lhe convém”.
    .
    Você precisaria ler um pouco da literatura espírita pois é muito melhor explicado do que a minha capacidade de fazê-lo aqui. Desculpe.

  86. Biasetto Diz:

    SUCR, VOCÊ DISSE:
    .
    Depois, quando nós capotarmos, batermos as botas, nos encontraremos na pátria espiritual e vou puxar as orelhas do teu perispírito. Tu vai ficar cabreiro por ter escorregado no quiabo aqui na Terra, mas como a vida é infinita, tudo passa, e o Chico não vai ficar chateado com tuas diatribes aqui.
    O Chico, tenho certeza, vai ajudar a ti, ao VM, ao JCFF então, nem se fala, vai ajudá-los a programar uma nova reencarnação onde vão ter boas condições de refazer os maus passos desta vida.
    .
    EU DIGO:
    O Chico não tem que ficar chateado comigo, ele tem que me pedir desculpas por ter mentido pra mim e tantos outros.
    Você escapa, escorrega como “bagre ensaboado”, mas não explica as “semelhanças” entre as obras do Chico e seus pseudo-espíritos, e outras obras já conhecidas.
    .
    Você queria que o “André Luiz”, quando era garotão, pensasse assim: “oh meu papai e minha mamãe me dão tudo de bom e do melhor, mas eu tenho que ser humilde, tenho que ser cristão e carregar a cruz. Não quero facilidades, quero levar uma vida simples e dedicada ao próximo…”
    Então, como o “André Luiz” não fez isto, ele tinha mais é que sofrer e sofrer e sofrer no umbral, pra aprender a ser bonzinho! Que lição linda, maravilhosa!!!
    Três mil dias comendo o pão que o diabo amassou, sofrendo todos os tormentos, dores, fome, frio, desencanto, xingamentos, alucinações …
    Ah! ele merecia, traiu a mulher, não fez caridades…
    .
    Scur, você é exatamente a cara do espiritismo brasileiro: o espiritismo-católico, o catolicismo-espírita. No céu só há lugar para os puros, as imaculadas, os crentes, os tementes a Deus…
    Quanta ingenuidade Scur!
    .
    Pra mim o Chico mentiu, e eu, hoje, estou “cagando e andando” pra ele.
    Sabe o que eu descobri Scur?
    Quanto tempo eu perdi, acreditando naquelas historinhas de “causa e efeito”, naquelas historinhas de “missão” e coisas assim.
    Primeiramente, o catolicismo me fez muito mal, quando eu ainda era adolescente e ficava me sentindo culpado por todos os meus desejos.
    Então, descobri o espiritismo brasileiro, e achei que ali havia sabedoria – outra bobagem que fiz na vida. Se eu tivesse sido mais prático, mais lógico, certamente, estaria melhor hoje, materialmente e existencialmente.
    Quantas vezes, fiquei achando que tinha que ser resignado, “engolindo do tipo de sapo”, porque fazia parte da minha cruz, da minha missão. Foi isso que aprendi lendo Kardec, lendo Chico Xavier e seus Andrés e Emmanueis da vida.
    Você acha que Wágner Paixão é bom médium. Ele não é médium coisa nenhuma, não sabe o que fala. Diz que psicografa o JK (kkkkkkrsrsrsrsrsr….)
    Você acha Scur, sinceramente, que o JK iria se pronunciar com aquela ladainha de sempre, “de mamãezinha querida”, “Jesus Cristo” daqui, “Jesus Cristo” dali, e toda aquela carga de sofrimento e blá blá blá blá blá!
    Nenhum médium brasileiro psicografa um físico, um cientista, que vem e dá um show de conhecimento e deixa todos de boca aberta.
    Nenhum médium brasileiro, psicografa um espírito que vem e diz: “Relaxa aí galera, que a coisa aqui é boa! Vão tocando a vida sem medo, porque tudo está nos conformes, e a vida continua, e aqui é tudo muito bonito, e a gente estuda, e a gente se diverte, e a gente aprende, e a gente ama…”
    Não! É sempre o papo da dor, o papo do arrependimento, o papo da frustração – “ah! se eu tivesse feito diferente!” “ah! se eu não tivesse errado tanto!”
    Scur, na vida, as pessoas fazem mais ou menos, o que dá pra fazer. Erramos sim! Uns erram além da conta, cometem crimes bárbaros. Mas, amigo Scur, olhe a tua volta, veja o mundo cão em que vivemos. Não dá pra sermos muito diferente do que somos.
    Aí, depois de um dia estafante, em que o sujeito foi, às vezes, tratado como um burro de carga, mesmo assim, se dedicou, mesmo assim pagou as contas, então chegou em casa, cansado, exausto, e aí deu uma olhadinha nas gatas do Met-Art, pra se divertir e relaxar, e pra apreciar a beleza, que também é divinamente maravilhosa. Então este cara tem que ser punido, porque é pecador.
    Não dá Scur, ISTO QUE NÃO ECZISTE!

  87. Biasetto Diz:

    SCUR,
    .
    O Chico psicografou um poema do Augusto dos Anjos, que é uma cópia descarada! Só que é uma cópia piorada. Como pode isto?
    No plano espiritual, o espírito escreve pior do que quando está na Terra! Você entende uma coisa destas?
    .
    O André Luiz e seus colegas espíritos foram realizar uma missão numa cidade das trevas – então, num determinado momento, foram atingidos por um vento fedido, sujo, podre, poluído, ficaram sem forças!
    Tem uma historinha idêntica a esta, no livro A Vida Além Do Véu.
    Não é estranho isto?
    .
    Clarêncio fez de André Luiz seu TUTELADO.
    Arnel fez de George Vale Owen seu TUTELADO!
    Não é estranho isto?
    .
    Na cidade das trevas, André Luiz presenciou a fúria de um espírito perturbado, que de tão nervosa (era mulher) ficou parecendo uma LOBA.
    Engraçado, no livro do Owen, foi o Arnel que presenciou um espírito perturbado ficar tão nervoso, que parecia ter virado um LOBO!
    Não é estranho isto?
    .
    O lugar mais bonito em Nosso Lar é o bosque das águas! E águas são fantásticas, têm propriedades curativas, magnéticas.
    Engraçado, tem uma história ingualzinho esta no livro do Owen, A Vida Além Do Véu!
    Não é estranho isto?
    .
    Acho que sou eu que estou vendo coisas demais!
    Devo ter sido contagiado pelo espírito crítico do Vítor Moura, só pode ser isto.
    .
    Um abraço, Scur e Ed Gusmão!

  88. Juliano Diz:

    Dois vídeos interessantes sobre EQM (NDE) e Pico de Dariem. Como disse em outro comentário, algumas imagens dizem mais que mil palavras.

    http://www.youtube.com/7UFujJEi0bg

    http://www.youtube.com/NpJHJ7PvAcE

  89. Juliano Diz:

    Nova tentativa de enviar os vídeos.

    http://youtube/7UFujJEi0bg
    http://youtube/NpJHJ7PvAcE

  90. Vitor Diz:

    Biasetto,
    lembro ainda que nós não temos livre-arbítrio. Quer dizer, o André Luiz ficou no umbral por 8 anos sem ter culpa alguma…

  91. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    Vou te responder.
    Chico Xavier não mentiu para ninguém. Você está mentindo para si mesmo, para tua própria inteligência. Eu não escapo de explicar nada sobre as tuas alegações de plágio; já expliquei algumas vezes mas você, e outros daqui, não entenderam assim, ou não aceitaram por alguma razão que estas alegadas “semelhanças” não são mais do que semelhanças, naturais, óbvias, necessárias até quando se fala de locais parecidos, e que ao contrário do que você entende é mais uma comprovação da autenticidade das narrativas sobre a vida espiritual do que uma negação das mesmas.
    .
    Você faz uma acrobacia mental para chamar isto de “plágio”, o que se há de fazer Eduardo: aguardar você despertar desta letargia amigo, ou então fazer o que eu disse algumas vezes: acionem profissionais competentes, mais de um, pessoas do ofício para analisarem se há plágio nestas palavras pinçadas de textos – simples assim, aí deem prosseguimento às suas acusações de plágio. Peguem pessoas de preferência não religiosas, profissionais, e saiam deste amadorismo que vocês estão mergulhados. Análises como a do pseudo-quase-talvez-quemsabe-técnico Montalvão não têm valor, apenas expressam uma opinião, tendenciosa, mas uma opinião, que aliás todos têm direito de ter livremente desde que não difamem ou caluniem sem provas.
    .
    Você não percebe que você está caluniando Chico Xavier sem provas? Não percebe? Ele não mentiu para ti amigo, tu mentes para tua própria consciência, mas não adianta nos alongarmos demais neste debate. Façam a análise com peritos, ou juristas, ou profissionais do ramo e caiam na real pois estamos tratando de assuntos muito sérios que não podem ser alvo de aleivosias deste tipo.
    .
    Sobre como André Luiz deveria pensar você está fazendo confusão de valores. Se ele quisesse dedicar a vida dele ao próximo seria melhor para ele, mas como profissional da medicina, como pai de família, ele poderia fazer o bem, dar exemplo e acompanhar seus filhos, ser fraterno, e tudo isso sem precisar abrir mão da sua condição social, ou até das facilidades que esta condição possibilitava. O caso é que ele foi egoísta, se achou o cara, não teve fortaleza moral para respeitar sua esposa e seus filhos enquanto frequentava bares e bordéis(?), e isto o descompensou à ponto de levá-lo à morte por câncer acompanhada de alguns anos de sofrimento que teriam sido desnecessários se ele não tivesse agido como agiu.
    Você coloca os sofrimentos dele, no Umbral, como se fossem culpa de outras pessoas. Você quer imputar à outrem os deslizes dele, à todo custo, não queria que ele bebesse o cálice das aflições que ele mesmo serviu, mas ele não reclamou, não se achou injustiçado, pelo contrário, depois que ele entendeu ele decidiu escrever um livro para os “vivos” da Terra narrando suas experiências de modo a alertar-nos, esclarecer-nos mesmo que expondo às suas fraquezas num gesto de humildade.
    .
    Biasetto, o Espiritismo, seja no Brasil ou em qualquer lugar é o mesmo, e não é católico como você diz pois no Espiritismo não existe céu, ou inferno. Não sei porque você está falando isso. Não leu nada das obras básicas? Não leu “O Céu e o Inferno” de Kardec? Puxa, está tão claro ali e em tantos outros livros espíritas de que isso não ECZISTE! Quanta ingenuidade você alegar isso Biasetto e querer atribuir este entendimento ao Espiritismo!
    .
    Se o Catolicismo te fez mal, aí o caso não é com Chico Xavier. Deixe-o já com a carga que vocês impõem à ele por causa do Espiritismo, que já não é pouca coisa. O Espiritismo não é Católico, o Espiritismo é o Cristianismo Redivivo. O Catolicismo é Cristianismo também, com seus erros e acertos, e deve ser respeitado pelo bem que já fez pela humanidade embora as defecções de seus profitentes e líderes que deixaram a natureza Divina dos preceitos religiosos ser maculada muitas vezes pelos interesses mundanos dos homens. Para muita gente o Catolicismo faz bem, como você mesmo confirma que é assim para tua esposa.
    .
    Sobre Wagner Paixão, já te disse, não o conheço o suficiente mas gostei do que eu vi e sei, até agora, e sua psicografia me pareceu bastante à propósito em se tratando de JK, de Chico. Você está revoltado contra quem profira o nome de Jesus Cristo, defenda-o. Jesus Cristo não é teu inimigo Biasetto; você está se fazendo inimigo dele e você pode meditar sobre quais as razões disto.
    .
    Para quê psicografar um físico, um cientista que venha dar um “show” de conhecimento? O mundo já não têm pessoas talentosas desempenhando este papel de pesquisar, estudar, promover o progresso da ciência? Para que tirar o mérito dos que se dedicam à esta faina valorosa promovendo espetáculos de soberba? Do nosso esforço depende o nosso progresso, e no que tange aos espíritos seria inaceitável que eles viessem até nós para fazer o nosso trabalho, contar o final do filme; para quê isso Eduardo? O que os espíritos do bem fizeram e fazem é iniciarem um intercâmbio mais intenso, por todos os cantos do planeta, de forma a despertar os encarnados para a sua natureza espiritual, algo que os mesmos não conseguiriam pesquisar sem o auxílio deles. As verdades da vida espiritual são da vida espiritual e nenhuma ciência material conseguiria progredir nesta área sem a participação direta dos mesmo Espíritos que vocês tanto combatem.
    .
    Seria absurdo que os Espíritos viessem nos dizer para tocar a vida, que está tudo “nos conformes”, que tudo lá é muito bonito… Você pirou o cabeção Biasetto? O mundo têm muitos problemas para serem resolvidos, não vou nem enumerar alguns, e se viessem dizer isso eu já cairia fora da audiência pois seriam espíritos mistificadores, zombeteiros, tipo os espíritos que teriam falado com os médiuns holandeses do Vitor Moura. Sim Biasetto, uns erram mais, outros menos, e o Espiritismo veio para auxiliar que erremos menos ainda. Queria que eles ficassem eternamente calados, deixando o mundo degringolar, indiferentes, e se conformar que “não dá para sermos muito diferente do que somos” – poxa Biasetto, que conformismo é este homem? Temos muito à aprender, à melhorar como seres humanos, e aceitar o estado das coisas como imutável é apelo ao atraso, ao caos.
    .
    Olha, sobre olhar as mulheres que o Gilberto te apresentou, neste site, repito Paulo de Tarso amigo: “TUDO LHE É LÍCITO. NEM TUDO LHE CONVÉM”. Quer ver? Veja se não consegue resistir, mas esteja sabendo que os fascínios dos sentidos físicos que este pessoal envolvido na pornografia ou na sensualidade estão aí para explorar nossas inclinações inferiores e nos escravizar à elas de modo a estarmos sempre DEPENDENTES de suas ilusões, só isso, simples, simples Biasetto. Se você não aceitar um sacrifício dos teus desejos, dos teus instintos primitivos, você vai querer se acabar, se consumir em relações múltiplas, em excentricidades e experiências que te levarão à loucura, ao desprezo do ser humano, ao descuido com teus próprios familiares, com a tua própria dignidade – você será levado de roldão para o abismo da ilusão. Vale à pena alimentar este perigoso conúbio? Acho que Paulo têm toda a razão, não convém, apesar de ser perfeitamente possível – eis o livre arbítrio que te deixa escolher o que te apraz, mas não venha culpar este ou àquele que, como você disse, não cola, e como o Quevedão falava, NÃO ECZISTE!
    .
    Não vou comentar mais sobre estas comparações que você faz, ou outros façam. Vocês estão vendo coisas de mais, realmente Biasetto, e não posso me alongar neste tema. Contratem profissionais, saia do fascínio ilusionista e enganador das teses do Vitor Moura, seja mais severo e criterioso com o que te chega à mente e julgue com calma. Se já fez isso, se está consolidada esta postura, ok, que assim seja Biasetto, mas depois não venha acusar o Vitor Moura, o JCFF por terem te iludido com suas falácias e engodos.
    .
    Saudações Biasetto, até mais e me deixe de retorno à abstinência postal aqui para o alívio dos céticos que não aguentam mais meu discurso! Se quiser me dizer algo eu te pediria para que enviasse por email. Obrigado!

  92. Paulo Diz:

    Scur você me convenceu, viu?
    Agora vou tomar meu remédio homeopático que está na hora.
    Saudações de luz!

  93. Juliano Diz:

    Bom dia a todos!

    Disse o escritor Guimarães Rosa: “Eu quase nada sei. Mas desconfio de muita coisa”. Completando esta bela frase. “O duro é quem acha que sabe quase tudo, se não tudo.”

    Parece que os vídeos que indiquei não estão possíveis de serem vistos. Dizem respeito a pergunta do Carlos feita a mim ontem, sobre a minha visão, em termos já traduzidos ao português: de EQM, Projeção Astral e “Pico da Dariem”.

    Resumidamente, vou passar algumas sugestões:
    EQM – Ler o material do Dr. Sam Parnia. Médico inglês que pesquisa este processo. Há inclusive um livro dele traduzido para o português.
    Pessoalmente, vejo que a resposta se os relatos de EQM podem ou não ser uma prova de existência de uma consciência que pode se desvincular do corpo físico está no funcionamento cerebral e sua leitura detalhada dentro de um processo de EQM. Questões como nível de dopamina do Sistema Límbico, movimentos REM dos olhos, ativação no processo dos giros angulares direito e esquerdo do Lobo Parietal, e outras perguntas que especialistas na área devem ter, necessariamente, e possivelmente, com o avanço da tecnologia serão em breve cientificamente respondidas. Só a título de exemplo: Uma pessoa que tem uma sensação de saída e volitação rememorada num processo de EQM, necessariamente, para os padrões científicos que afirmam, em face das pesquisas feitas pelo Dr. Olaf Blanke, que tal fenômeno decorre de uma forte ativação do giro angular direito do Lobo Parietal direito. Então, mediante os instrumentos hoje existentes de leitura e mapeamento cerebral (Eletro, ressonância magnética, tomografia computadorizada e outros), tem que haver na pessoa que experienciou o processo, para fins de uma explicação fisicalista, forte ativação do giro angular direito do Lobo Parietal direito. Havendo, confirma-se a tese materialista/fisicalista. Não havendo, “tem boi na linha”, há algo a mais.
    Sobre a Projeção Astral. O Brasil é um fenômeno de palpiteiros e ditos projetores astrais. Tem até Institutos de Pesquisas da Projeção da Consciência. Que só não fazem o básico. Pesquisar de forma empírica e científica a projeção. O que tem de gente dizendo se projetar e relatando projeções é uma festa. Alguns dizem abertamente que saem do corpo quando assim desejam. Mas prova concreta que é bom. Nada. No nível dos ditos médiuns conhecidos por aqui de plantão. É trólóló pra todo lado. Porém, quando é para se disporem a serem testados em ambientes controlados para se atestar as ditas projeções, não sobre ninguém. E daí é “pau” na ciência, no Método Cartesiano e mais trólóló. Ou quando um e outro se dispõem não acontece nada. E daí colocam a culpa em fatores outros que inviabilizaram a projeção durante o experimento. É uma piada de mau gosto. Dentro de um pseudo discurso inovador, de uma nova ciência. O que eu vejo é uma nova roupagem religiosa. Uma religião moderna, digamos assim.
    Pessoalmente hoje, acho que Projeção Astral é um fenômeno de raro acontecimento. Se existe de fato. Também entra necessariamente no estudo o giro angular direito do Lobo Parietal direito.
    Sobre o “Pico de Dariem”. Os relatos, no meu entender, mais interessantes, dizem respeito aos casos de Pessoas que morreram um pouco antes da visão. Os relatos do texto do Caso Eddie Cuomo e o Caso Peggy são bastante sugestivos. O que se faz necessário é mais pesquisas neste campo. Concluindo. Inclusive este é hoje um dos problemas do Dr. Sam Parnia. Falta de recursos para aprofundar as pesquisas. Algo lamentável. É isto.

  94. Biasetto Diz:

    Olá Paulo!
    Você me deixou um abraço, ontem, mas eu esqueci de retribuir. Fica aqui o registro.
    .
    Scur,
    Vou te responder rápido, agora, porque estou no meu almoço.
    Mas, depois, se não fizer aqui no blog, vou passar o email.
    .
    Eu peguei umas passagens de texto do livro “A Vida Além Do Véu”, chamando de “texto A”.
    Então, peguei umas passagens de “Nosso Lar” e “Libertação”, chamando de “texto B”.
    Dei pra uma colega minha, excelente professora de Português e Literatura. Não informei a ela do que se tratava. Pedi a ela, apenas que opinasse se havia semelhança entre os textos, algo como plágio. Também, falei pra ela que os textos são de épocas distintas, mas não disse qual vinha primeiro.
    .
    Ela me disse que afirmar categoricamente a existência de plágio, no sentido clássico da palavra, seria relativamente complicado. Porém, ela me disse: NÃO TENHO DÚVIDA ALGUMA QUE OS TEXTOS SÃO MUITO SEMELHANTES NAS IDÉIAS E NA CONSTRUÇÃO LITERÁRIA.”
    Ela me disse´, também, “COM CERTEZA ALGUÉM ESCREVEU UM DOS TEXTOS, INFLUENCIADO PELO OUTRO!”
    .
    É isto, Scur, você não aceita, porque não quer.
    O CHICO LEU VÁRIOS LIVROS, E A PARTIR DESTAS LEITURAS, ELE FOI ESCREVENDO OS LIVROS DELE.
    Está na cara, Scur – veja, porém, em Há Dois Mil Anos e Vida de Jesus, a coisa é pior ainda: ali É CÓPIA MESMO!
    Mas você não vê isto!!! Óbvio, quem está entorpecido é você e outros espíritas que aparecem por aqui, mas não querem aceitar a verdade: O CHICO NÃO FOI MÉDIUM!
    No mínimo, ele não foi o médium que afirmava ser. Se ele recebeu alguma “inspiração espirittual”, a conversa é outra, mas nem isto você aceita.
    Agora, penso que isto também não deve ter acontecido, porque ele escreveu MUITAS BOBAGENS, começando por esta de FERRAR O ANDRÉ LUIZ COM OITO ANOS DE UMBRAL, se o cara não fez nada demais!
    Só na tua cabeça, que ser “metidinho à besta” e dar umas “puladinhas de cerca”, é motivo pro sujeito ser castigado assim.
    .
    Vítor, eu ia fazer um comentário sobre o que você escreveu, mas fica pra depois.
    .
    Só pra finalizar Scur: eu não vou contratar profissional algum, não preciso, já conclui por mim mesmo. Além disso, não tenho dinheiro pra isto, nem que tivesse, não gastaria com isso.
    .
    UM ABRAÇO!

  95. Carlos Diz:

    Juliano,
    .
    Eu ia te informar que os links para o youtube não funcionavam, mas você já percebeu o problema. Acompanho outro blog de céticos sobre esse tema inclusive, e as discussões são bem acaloradas, algumas vezes. Os céticos “puros e duros” classificam NDEs com um fenómeno de alucinação, e ponto.
    .
    Vários sintomas da NDE podem (e são) explicados por estados alterados de consciência induzidos pela medicação, tensão traumática, etc. No entanto, o que mais perturba a turma dos puros e duros são as OBEs associadas as NDEs. As centenas (talvez milhares) de relatos fornecendo detalhes dos procedimentos médicos enquanto o corpo está em coma não podem ser explicadas por alucinação; não são relatos de pessoas alucinadas, bem ao contrário. Como você diz, tem boi na linha… uma hipótese plausível é a de que a consciência e corpo (cérebro) possam de alguma forma se dissociar, porém é mais uma hipótese.
    .
    Mudando de assunto. Dentre os vários cópiar-colar do Scur um me chamou a atenção. É sobre a presença de cristais apatita na glândula pineal. O Paulo também comentou algo a respeito. O fosfato de cálcio (apatita) é um biomineral, porém encontrado basicamente nos ossos e nos dentes. Não há registro na literatura especializada da presença de cristais de apatita na pineal. Uma busca no web of science com os termos “apatite biomineral human brain” resulta em … nada. A capacidade da apatita reter campos magnéticos também é outra grande novidade. O texto fala que os cristais foram registrados em exames tomográficos (devem ser cristais relativamente grandes, portanto). O Scur, ou o Dr. Oliveira, poderiam fornecer referências dessas descobertas que, independentemente da interpretação espírita, é de grande interesse na áreas da saúde, física e biomineralogia.
    .
    Abaixo o texto transcrito do Scur:
    .
    “a pineal forma os cristais de apatite que, em indivíduos adultos, facilita a captura do campo magnético que chega e repele outros cristais. Esses cristais são apontados através de exames de tomografia em pacientes com facilidade no fenómeno da incorporação. Já em outros pacientes, em que os exames não apontam tais cristais, foi observado que o desdobramento fora facilmente apontado.”

  96. Carlos Diz:

    correção
    .
    “são de grande interesse…”

  97. Juliano Diz:

    Carlos

    No meu entender, os pontos centrais são: 1º Determinadas atividades fisiológicas do cérebro que desencadeiam processos alucinatórios (alto grau de dopamina do Sistema Límbico) e de volição e oitiva de vozes (estimulação dos giros angulares do Lobo Parietal esquerdo e direito) ocorrem durante um processo de EQM, onde o paciente retorna e faz narrações? E se ocorrem tem que se analisar em que percentual há uma ligação direta entre o relato e a atividade cerebral nas partes do cérebro descritas acima. 2º Tais situações precisam de quantidade de casos devidamente descritos, corroborando ou não o processo em termos estatísticos. Como estamos falando de seres humanos. Tem muita subjetividade e fantasias neste processo. Entendo que sobre EQM este são alguns dos pontos centrais. E isto requer muita pesquisa, alta qualificação técnica, e altas verbas para implementá-la e mantê-la até se terem dados compatíveis para uma conclusão. Positiva ou Negativa.
    Obs: Peço a gentileza de me indicar que blog é este onde se debate o tema. Desde já agradeço.

  98. Juliano Diz:

    Sobre Pineal e a “pesquisa” do Dr. Sérgio Felipe (…). Entendo que um médico que se preze e quer dar um cunho científico e credibilidade a sua “pretensa pesquisa” não pode se dar ao luxo de ficar colocando orações no nível de um pastor neopentecostal no youtube. Não dá né p (…). A coisa vai no nível de outro picareta dito cientista chamado Adauto Lourenço. Que defende o criacionismo, a existência até pouco tempo atrás dos dinossauros, com argumentos ditos científicos.
    Na linha da psicologia cito também outro picareta que é o tal do Médico Psiquiatra Augusto Cury. Que fatura horrores com auto-ajuda de botequim se valendo de ser psiquiatra.
    Também o Waldo Vieira, que se vale da condição de médico para criar uma doutrina que tirando oito ou dez termos com seus conceitos, que entendo inovadores, e disto o valor que ele ainda tem, o resto é literatura inútil. E olhe que a produção é grande. O Waldo é um. Se fez falando de Projeciologia. Diz que sai do corpo lúcido todos os dias e na hora que desejar. Diz que é uma “conscin cobaia”. Mas fica só no trólóló. Ou ele é um cretino, que tem mesmo tais poderes ditos paranormais. Mas se acha orgulhoso o suficiente que não precisa provar nada a ninguém. Daí não se dispor a pesquisas controladas. Ou é um mentiroso de mão cheia e que merece parabéns. Pois na conversa montou uma enorme estrutura, com muitos crentes na sua doutrina “inovadora”, inclusive o bobo aqui. Eu fico, lamentavelmente, com a segunda hipótese.

  99. Carlos Diz:

    Juliano,
    .
    O blog é o “Les sceptiques du Quebec” (www.sceptiques.qb.ca). Há vários tópicos de discussão, inclusive NDEs e OBEs.
    .
    O caso do Waldo com a projeciologia é típico de como as pessoas podem aceitar qualquer coisa desde que com um palavreado bonito e pseudo-científico. Quem sabe é a nossa necessidade primária de segurança emocional; se não a temos, procuramos em alguém que a tenha… sei lá, como diz o Biasetto.

  100. Carlos Diz:

    Desculpe Juliano, o site é http://www.sceptiques.qc.ca (e não “qb” como digitei incorretamente).

  101. Juliano Diz:

    Carlos

    Desde já obrigado. E entendo que é por aí mesmo. Necessidade de sentido, de segurança emocional ante o desconhecido da vida. E por isto, metaforicamente falando, tanto muitos reis como plebeus, doutores e leigos, pobres e ricos, intelectuais e não letrados, se curvam e acreditam, e acreditam, e acreditam. E acreditando ficam sem respostas reais do seu grande medo. Pobre ser humano.
    Gostei do verso, estou inspirado hoje. rsrsrsrs É isto. Um abraço.

  102. Carlos Diz:

    Outro!

  103. Paulo Diz:

    Juliano, eu também lia o Waldo Viera…faz tempo. Também achava que as experiências que eu tinha era algo sobrenatural. Depois vieram os sonhos lúcidos que eu achava muito legal. Foi ai que eu percebi que era a minha própria mente que criava toda aquela situação.
    Sabe em que isso me ajudou? Hoje faço tranquilo uma meditação e combato o stress de uma forma saudável.
    Juliano, você está longe de ser bobo! Bobo é aquele que fica anos agarrado a fantasia inverificável e tentando doutrinar os outros.
    Abraço

  104. Carlos Diz:

    Paulo,
    .
    Só para reforçar o comentário; essa coisa de cristais de apatita na pineal, campos magnéticos que repelem ou atraem cristais, etc, é pura pseudo-ciência (não apenas a projeciologia). Só alguns poucos conhecem, entendem, e divulgam apenas para um público seletivo (no caso os espíritas); os demais que ficam solicitando evidências (pois não as encontram na ciência) uns chatos.

  105. Biasetto Diz:

    Scur e aqueles que me criticam, porque “mudei de lado”!
    .
    Não estou ainda com o tempo que gostaria, mas vou só comentar o seguinte (VOCÊ DISSE):
    .
    “Chico Xavier não mentiu para ninguém. Você está mentindo para si mesmo, para tua própria inteligência.”
    .
    Scur, amigo, grande amigo!
    Queria só que você me respondesse o seguinte:
    - eu tenho culpa, se o Chico disse que Emmanuel foi um senador romano, chamado Publius Lentulus, e NÃO HÁ UM ÚNICO REGISTRO HISTÓRICO QUE COMPROVE ISTO.
    - eu tenho culpa, se o Chico disse que André Luiz foi um médico carioca, que desencarnou no Rio de Janeiro, entre o final dos anos 1920 e início dos anos 1930, e NINGUÉM CONSEGUIU ENCONTRAR UM ÚNICO MÉDICO CARIOCA DESENCARNADO NESTE PERÍODO, COM UMA BIOGRAFIA SEMELHANTE DO ANDRÉ LUIZ.
    - eu tenho culpa, se o Chico psicografou livros com o Waldo Vieira, e ESTE AFIRMOU QUE O CHICO MENTIA SOBRE AS MENSAGENS DOS MORTOS, QUE O CHICO MENTIA SOBRE A EXALAÇÃO DE PERFUMES, e ainda admitiu que a tal materialização lá de Uberaba, foi fraude.
    - eu tenho culpa, se o CHICO ESCREVEU UM LIVRO DIZENDO QUE HÁ VIDA INTELIGENTE EM MARTE, mais evoluída que a nossa, e a CIÊNCIA PROVA QUE NÃO HÁ FORMA ALGUMA DE VIDA EM MARTE.
    - eu tenho culpa, se os LIVROS DO CHICO ESTÃO CHEIO DE CÓPIAS, PLÁGIOS, SEMELHANÇAS A OUTROS LIVROS.
    .
    Então, meu grande amigo Scur, eu gostaria, gostaria muito mesmo que você me respondesse cada uma destas colocações, mas de forma coerente.
    Ah! você falou de especialistas pra analisar as obras do Chico. EXISTEM VÁRIOS ESPECIALISTAS, QUE AFIRMAM QUE AS “POESIAS” DE PARNASO DE ALÉM-TÚMULO SÃO RIDÍCULAS, puro pastiche!
    VOCÊ ACEITA A OPINIÃO DESTES ESPECIALISTAS?
    .
    Outra coisa, para com esta frescura de aparecer aqui por uns dias, ENCHER O BLOG DE COMENTÁRIOS, PROVOCAR TODO MUNDO, NÃO RESPONDER NADA DIREITO E, depois, cheio de graça, aparecer, novamente, com este papinho de “estou me retirando”, “um dia eu volto”…
    .
    Estou falando isto na condição de amigo!
    Entre amigos, não deve haver “cerimônias”.
    .
    Raciocina Scurzinho, Scurzão, cai na real, porque o Chico foi um picaretão! (até rimou).
    .
    Ah! Não te queima não, o churrasco está em pé, minha casa te espera.
    Até…

  106. Paulo Diz:

    É verdade Carlos. Olhe essa frase da wiki inglesa sobre os cristais na pineal:
    ” A análise química mostra que eles são compostos de fosfato de cálcio , carbonato de cálcio , fosfato de magnésio e fosfato de amônio . Em 2002, os depósitos da calcita, forma de carbonato de cálcio foram descritas. cálcio, fósforo e flúor .Depósitos na glândula pineal, têm sido associados com o envelhecimento.”
    Não vai demorar para um paranóico da conspiração começar a dizer que o fluor da àgua que bebemos está impedindo nossa mediunidade natural.
    Observe Carlos que nenhum desses elementos é condutor para funcionar como antena e muito menos um indutor para “receber” ondas eletromagnéticas.
    Abraço

  107. Juliano Diz:

    Carlos e Paulo

    Foi dito num dos comentários acima que a “Medicina reconhece a obsessão espiritual”. Onde foi dado especial destaque para a frase acima. E isto não é verdade.
    Na linha do copia e cola. Deixo uma parte do artigo do Psiquiatra carioca, Dr. Fernando Portela Câmara, que diga-se, tem outros artigos sobre a temática Transtorno Dissociativo, o F-44.

    “Personalidade Múltipla e Crimes Esotéricos

    Uma divisão didática das condições associadas aos crimes esotéricos é a que se segue:

    As alterações psíquicas bastante envolvidas com crimes esotéricos e/ou satânicos são o Transtorno de Personalidade Múltipla (Personalidade Dupla, etc) e o Transtorno de Transe e Possessão, a primeira preconizada pelo CID.10 e a segunda pelo DSM.IV. De qualquer forma, seja o primeiro ou o segundo nome, esse estado patológico está sempre atrelado ao comportamento histérico e dissociativo.

    Pelo CID-10 o Transtorno de Transe e Possessão é caracterizado por uma perda transitória da consciência de sua própria identidade, associada a uma conservação perfeita da consciência do meio ambiente. Devem aqui ser incluídos somente os estados de transe involuntários e não desejados.

    Exclui-se desse diagnóstico os casos decorrentes do contexto cultural ou religioso da pessoa, como por exemplo, o transe que a pessoa experimenta durante uma sessão espírita, de umbanda, etc.

    O Transtorno de Personalidade Múltipla (atualmente melhor designado Transtorno Dissociativo de Identidade, DSM.IV) tem como característica essencial a presença de duas ou mais identidades ou estados de personalidade distintos, que recorrentemente assumem o controle do comportamento da pessoa.

    No Transtorno de Personalidade Múltipla clássico e típico existe uma incapacidade de recordar informações pessoais importantes, cuja extensão é demasiadamente abrangente para ser explicada pelo esquecimento normal. Psicopatologicamente, o Transtorno Dissociativo de Identidade reflete um fracasso em integrar vários aspectos da identidade, memória e consciência. Cada estado de personalidade pode ser vivenciado como se possuísse uma história pessoal distinta, auto-imagem e identidade próprias, inclusive um nome diferente.

    Em geral existe uma identidade primária, portadora do nome correto do indivíduo, a qual é passiva, dependente, culpada e depressiva. As identidades alternativas com freqüência têm nomes e características diferentes, que contrastam com a identidade primária (por ex., são hostis, controladoras e autodestrutivas). Identidades hostis ou agressivas podem, por vezes, interromper atividades ou colocar as outras em situações incômodas.

    Os indivíduos com este transtorno experimentam freqüentes lacunas de memória para a história pessoal tanto remota quanto recente. A amnésia freqüentemente é assimétrica. Pode haver perda de memória não apenas para períodos recorrentes de tempo, mas também uma perda geral da memória biográfica para algum período extenso da infância.

    As transições entre as identidades freqüentemente podem ser ativadas pelo estresse psicossocial, pela ansiedade exagerada, pela tensão pré-menstrual (veja esse transtorno no DSM.IV).

    Em geral, as pessoas que recebem o diagnóstico de Transtorno de Personalidade Múltipla já passaram pelo menos sete anos no sistema de saúde mental. Segundo várias pesquisas sobre estes pacientes, 90% deles são depressivos, 61% fizeram sérias tentativas de suicídio, e 53% têm uma história de abuso significativo (veja artigo completo sobre Personalidade Múltipla).

    A cultura, através da mídia, da literatura e do folclore forneceu modelos de personalidades alternantes para as mais diversas aspirações histéricas, desde Mr. Spock, Tartarugas Ninjas, pomba Gira, até os mais pervertidos demônios, vampiros e lobisomens.”

    Aí se nota a diferença do alho para o bugalho! rsrs

  108. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    .
    Não há registro histórico?
    Há, incrivelmente para mim há, pois eu não considero que fosse necessário haver assim como não há registro histórico satisfatório com relação ao próprio Jesus Cristo.
    O registro histórico sobre a existência de Públio, se formos analisar unicamente o tal rigor que pretendem aplicar, não existiria também para Jesus.
    O fato é que para Públio o gazetão do JCFF faz um auê danado dizendo que não existe, e para Jesus ele aceita numa boa. Dois pesos, duas medidas.
    Mas não vale à pena me alongar neste comentário pois, como eu disse, estou esperando se virá alguma refutação que valha à pena ao livro excelente de Pedro de Campos dando mais de 400 páginas de detalhes e análises sobre a existência histórica de Públio.
    Provavelmente você não leu o livro. O JCFF está demorando para dar as caras aqui, além do normal, talvez porque decidiu não usar o horário de expediente para suas peripécias verborrágicas.
    Aguardemos.
    .
    Sobre achar André Luiz como um médico carioca…
    Pô velhusco! Te para meu! Quem é que foi procurar isso? Estudaram TODOS os médicos existentes no Rio nos anos 30? Não vêm com este lero-lero do Luciano dos Anjos e do Waldo Viera pois a maionese que eles viajam está vencida à tempo.
    Se André Luiz quizesse ser identificado ele mesmo o faria e não ficaria deixando para estes lunáticos aí a tarefa de adivinhá-lo no tempo.
    Ele NÃO QUIZ se identificar Biasa, NÃO PRECISAVA, NÃO TINHA UTILIDADE. Se não houve serventia para ti as narrações que ele trouxe, se não gostou disso ou daquilo, se a MORAL, que é o que deve sobressair-se, não foi do teu agrado, se você ficou indignado que ele teve a petulância de revelar que se deu mal quando bateu as botas porque fez coisas que achava que “não tinham problemas, tranquilo, light, alguns adultérios acompanhados de sífilis, outras indiferenças com os familiares e pacientes, soberbinha prá lá, orgulhinho de nada prá cá, uns birinights, então muito que bem, não o culpe também por não dizer o que tu querias ouvir.
    .
    Sobre o que diz o Waldo…
    Qual é a culpa do Chico pela vigariçe do Waldo velho? Ele é dono da boca do quera? Vianjandanldo Wieira, o lindão, garanhão, dois diplomas, medicão todo de brancão, limpinho que ele é, até de barbinha branquela, panca de importante com uma salada de frutas de palavrinhas do escambau que não servem para grande coisa, e tu queres culpar o Chico pela levindade o Waldo? Já não está mais do que claro que este senhor não é alguém transparente, lúcido?
    Se não tá claro para ti então não mete o Chico no meio e tenta primeiro identificar a insanidade do velhinho branquelinho limpinho de marré-ge-ssi.
    .
    Sobre Marte e a vida inteligente …
    Well, well, fique com a ciência então gaudério, que coloca fotos no site da Nasa com suspeitíssimas análises da superfície do planeta onde se podem identificar indícios de objetos criados por seres inteligentes e não pelo vento, pelo sei lá o quê. Esculturas, cidades, formações variadas que dão uma boa polêmica se formos analisar exclusivamente o plano físico de vida, sem considerar as outras dimensões, tipo as espirituais mas não tanto, onde habitam seres que vibram em outras faixas de matéria.
    Não gostou de ouvir o que a mãe dele narrou, não tiro tua razão pois só têns a ciência do mundo para analisar. Sem prosseguimento nesta questão pois este não pode ser considerado o ponto crucial de toda a sua literatura.
    .
    Sobre cópias…
    Apresente UMA cópia, uma única cópia Biasetto.
    Sobre plágios…
    Tua amiga professora, que não é especialista, achou que não era plágio, mas que tinha semelhanças. Ah Biasetto, te para! Não adianta discutir isso mais, para ti é coerente, para mim não, longe disso.
    .
    Se não respondo nada direito, melhor eu sair mesmo, não acha. Eu sai para voltar mais tarde simplesmente porque não posso ficar dedicando tempo do meu trabalho para este blog, preciso monitorar meus interesses e acho que uma semaninha está prá lá de bom, principalmente quando não aparece novidade interessante.
    .
    Encho o blog de comentários, encho o saco de vocês e saio de cena.
    .
    Não te preocupa Biasetto, está tudo tranquilíssimo, pode reclamar à vontade que o churrasco não corre risco.
    .

  109. Paulo Diz:

    Essa é mais uma PERÓLA DO SCUR:
    “Well, well, fique com a ciência então gaudério, que coloca fotos no site da Nasa com suspeitíssimas análises da superfície do planeta onde se podem identificar indícios de objetos criados por seres inteligentes e não pelo vento, pelo sei lá o quê. Esculturas, cidades, formações variadas que dão uma boa polêmica se formos analisar exclusivamente o plano físico de vida, sem considerar as outras dimensões, tipo as espirituais mas não tanto, onde habitam seres que vibram em outras faixas de matéria.”
    .
    Merecia uma coletânea. Alguém se habilita? São mais de 3 anos de comentários.

  110. Paulo Diz:

    desculpe: pérola!

  111. Biasetto Diz:

    Paulo, quem sabe é “peróla” mesmo! rsrsrsrs…
    .
    Ah! Scur, você é de tirar o chapéu!
    Você é um barato, você é “sui generis”!!!
    Não tem comparação.
    .
    Eu li sim, a obra do Pedro de Campos. Achei um bom livro, e nem vou dizer se tem erros ou não, porque minha formação em História, não me qualifica pra analisar detalhadamente aspectos da Roma Antiga. Então, acredito que ele fez uma boa pesquisa. Além disso, nem li tudo, confesso!
    .
    Agora, Gaúcho Teimoso de uma figa, o Pedro do Campos não tem UM ÚNICA PROVA de que o Publius existiu. Apenas HIPÓTESES, só isto!
    .
    Homem dos pampas,
    Você diz que o André Luiz quis o anonimato. Eu também já afirmei isto aqui. Só que me chamaram a atenção pra certas passagens dos livros dele, E ELE DISSE QUE ESTAVA ESCREVENDO SOBRE A VIDA DELE. Então, se ele mudou coisas importantes, por exemplo, vamos supor que ele foi Carlos Chagas, como afirma o Waldo, o hominho bonitinho de branquinho e barba grande, então se ele foi o Carlos Chagas, e mudou coisas, pra não ser identificado, então, ele deveria ter informado que o livro era auto-biográfico, mas com adaptações.
    .
    Marte até poderia ter vida em dimensão diferente da nossa, “espiritual”, por exemplo. Mas a explicação do Chico e aqueles que acreditam nesta informação, é a de vida encarnada. Então, aonde se escondem?
    Outra coisa, Kardec disse que tinha vida lá, mas em grau inferior ao nosso; Chico disse que mais evoluída! Dá pra entender? Bagunçado hein Scurzinho???
    .
    Você não vê plágios, adaptações, esta é boa!!!
    Não dá pra dizer mais nada!
    .
    VÍTOR,
    Eu ainda não cheguei a uma conclusão, se Deus existe ou não existe.
    Também não cheguei a uma conclusão, se existem espíritos encarnados e desencarnados, se existe a mediunidade…
    Mas cheguei a uma conclusão. FIZ UMA GRANDE DESCOBERTA:
    .
    P L Á G I O S N Ã O E X I S T E M ! ! !
    .
    Liberou geral galera!
    .
    Músicos, cientistas, artistas plásticos, escritores, fiquem tranquilos: criem o que quiserem, mesmo que seja em cima da obra de outro. Se acusarem vocês de plágio, digam que são apenas S E M E L H A N Ç A S ! ! !
    .
    P L Á G I O S N Ã O E C Z I S T E M ! ! !

  112. Paulo Diz:

    Biasetto, Juliano
    Olhem essa francesinha!
    .
    http://www.youtube.com/watch?v=tM2wjYgjIdU
    Para alegrar a nossa noite!
    Abraço

  113. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    Que figura tu também.
    Faz o seguinte, procura na internet mesmo por “exemplos de plágio”. Como de costume vai vir uma infinidade de informações. Leia algumas, principalmente sobre assuntos acadêmicos, e verifique definições, exemplos, tipos, etc., têm até um programa que verifica se há plágio, só que está em outra língua.
    Bem Biasetto, sem chance para ti, para o Vitor. Vocês estão ou fora da casinha ou de má fé. Teu caso é birutice mesmo, o do Vitor é a segunda hipótese.
    .
    Vou copiar aqui um exemplo de plágio que encontrei ali:
    .
    “Incidência tributária e estrutura de mercado
    Resumo
    A incidência de imposto indireto apresenta particularidades e semelhanças quando comparadas às de ações
    oriundas de decisões de agentes operando em mercados imperfeitos. Este estudo tem como base a ideia de que a análise da equivalência de resultados produzidos pela incidência de impostos em um mercado perfeitamente competitivo com fins de maximização da renda tributária, com aqueles promovidos pela busca do lucro máximo em um mercado imperfeito, constituído de um monopsonista-monopolista açambarcando o mercado de competição perfeita. Em sua avaliação final, este estudo procura estabelecer um confronto entre os aspectos teóricos da tributação indireta e a estrutura da arrecadação tributária na economia brasileira na última década.
    Plágio
    Impostos indiretos são similares quando pensamos nos indivíduos agindo em estruturas imperfeitas de mercado. Esta monografia tem como base a ideia de que a análise da equivalência de resultados sob incidência de impostos em um mercado competitivo perfeito, com fins de maximização de renda tributária, vis-a-vis os promovidos pela busca do lucro máximo em um mercado perfeito. Em sua avaliação final, este estudo procura estabelecer um confronto entre os aspectos teóricos da tributação indireta e a estrutura de arrecadação tributária na economia brasileira na última década.
    .
    Trata-se de plágio pois: (i) Algumas frases/palavras foram alteradas (poderia ocorrer inversão de ordem das frases/palavras) e (ii) não se reconhece a fonte original”
    .
    Bem Biasetto, bem, bem. Não conversa com uma professora no corredor da escola, dá uma pesquisada séria sobre o que seja plágio, todos os tipos, com a mesma dedicação que tu procurou estes plágios inexistentes na obra de Chico. Eu acho bem chatinho ver um amigo candidatando-se a passar vergonha com suas próprias idéias, não que não digamos e possamos falar bobagens vez ou outra, mas quando envolve acusação a honradez de alguém, difamação, calúnia, bem, aí perde a graça.
    .
    Mas, “não podemo se entrega pros home, de jeito nenhum, amigo e companheiro. Não tá morto quem luta e quem peleia, pois lutar e a marca do campeiro!” – uma musiquinha aqui dos pampas que não sei o autor, não sei o nome, mas estou citando de memória (plágio, será?)

  114. Roberto Scur Diz:

    Paulo,
    Tu non ECZISTE. No falo com fantasma!

  115. Paulo Diz:

    Scur, como não fala? Tu parou de orar pra Jesus e pro chiquinho? O problema será quando tu ouvir as respostas deles. Já começou a ouvir?

  116. Roberto Scur Diz:

    Paulo,
    Preciso desenvolver minha mediunidade para falar com espíritos, mas certamente me enxergo no espelho e sei que eu não sou merecedor “ouvir” o Mestre Jesus diretamente, mas é para Ele que eu dirijo as minhas preces desde que aprendi a fazer isso.
    Se tu não o respeita, talvez a tua maezinha, que certamente te quer muito bem, o faça, e em nome dela poderias poupar o remoque à quem tanto te faz bem, mesmo sem o saberes.
    Quanto à Chico Xavier foi um admirável ser humano, espírito de subido valor, à quem a humanidade deve respeito e gratidão. Foi voluntariamente para o cadafalso contruídos por pessoas com a índole parecida com a tua, que não conseguiram compreender a beleza da sua missão e o perseguiram revoltosos, inceguecidos pelo brilho da Verdade da qual ele se fez missivista.
    Você não existe, no trocadilho imitando o modo de falar do Quevedo, porque não sei quem tu és e não te apresentas com nome e sobrenome, como eu faço, e estar oculto por trás de um teclado não te dá uma identidade confiável.
    Fantasmas não existem realmente, assim como tua personalidade, por enquanto. O que há são os denominados espíritos. A fase da palavra fantasma ficou um tanto obsoleta depois que surgiu o Espiritismo no planeta.

  117. Roberto Scur Diz:

    digo, enceguecidos

  118. Paulo Diz:

    Sabe Scur, não consigo ver mesmo essa profundidade que tu ve no espiritismo ou em Jesus. A propósito, tu já estudou o Alcorão , Talmud ou o Bhagavad-Gita ? Já se questionou que a tua fé pode ser simplesmente cultural?
    E que se tu nascesse na Africa central, poderia estar louvando o Ju-Ju da montanha, pulando em volta de uma fogueira?
    A moral/ética não é virtude de religião, sabia? Ela é fruto do bom senso em relação ao seu semelhante.
    Realmente sou um raivoso quando a supertição impera na sociedade, e não falo só de religião, falo de tudo. O problema é que quem acredita em Deuses anjos e fantasminha camadara, está apto para acreditar em qualquer bobagem.
    Scur, você quando menino, provavelmente temia tempestades, não é verdade? E o que te libertou desse medo, não foi o conhecimento do que é um raio, sua natureza, funcionamento, probabilidades? O conhecimento liberta Scur, só ele.
    .
    Agora relaxa e ve o video da francesinha. Tu vai se divertir.

  119. Biasetto Diz:

    Paulo,
    Eu vi o víedo da francesinha, um barato! Muito legal!
    É gostoso ver uma criança autêntica, à vontade, dá até saudades na gente!
    .
    Agora, o Scur é caso doido mesmo. Eu disse aqui, não existe plágio. Os espíritas xavierianos acabaram com o plágio.
    .
    Scur, vou te dizer uma coisa:
    Eu comecei a ler o livro do Owen, e comecei a lembrar de várias coisas que eu tinha lido do Chico e os espíritos patetas dele.
    .
    Cada vez que eu lia as histórias lá das trevas, no livro do Owen, eu lembrava que já tinha lido isto. Eu até achei que era em Ação e Reação. Mas aí, fui pesquisar e descobri que era em Libertação.
    .
    Eu lembrei, Scur, lendo a história de A Vida Além do Véu.
    Pra você ver como há muitas semelhanças.
    Scur, se o André Luiz existisse, como você acredita, se ele passasse um livro ou vários pro Chico, por que ia ter tantas semelhanças com o livro do Owen?
    Pensa um pouco, Scur.
    Pode até não ser plágio, mas é adaptação. É plágio das ideias, meu amigo. Será que você não percebe isto?
    .
    No caso de Há dois mil anos e Vida de Jesus, é plágio mesmo! P L Á G I O, indiscutivelmente!
    Pára com este negócio de endeusar o Chico, com o discurso moralista católico dele, coitadinho do Chico, ele era muito bonzinho mesmo, mas, ao mesmo tempo que tinha uma capacidade espetacular pra memorizar e escrever, era “burrinho” de tudo.
    .
    Scur, o espiritismo em essência, não tem nada de religião, ou não deveria ter. O espiritismo seria o seguinte: existem espíritos encarnados e desencarnados. Existem reencarnações. É possível a comunicação entre encarnados e desencarnados. E só.
    Não tem essa de mensagens tolinhas, bobinhas, fraquinhas, inhé inhé inhé!!!
    Pára com isto, homem da bombacha! Tu és gaúcho ou não é?
    Eu demorei pra perceber, o monte de bobagens que existe no espiritismo tupiniquim, estilo “me engana que eu gosto”, mas acho que Deus iluminou a minha mente.
    .
    Agora, se você quer continuar achando o Chico, o máximo dos máximos, problema teu.
    Não sei se o Vítor vai colocar aqui um outro artigo que passei pra ele. Não se trata de plágios, mas uma crítica que estou fazendo a um livreco que o Chico escreveu e disse que psicografou. Uma porcaria de livro, cheio de tonteradas, informações preconceituosas e absurdas.
    Aguarde!
    .
    Scur, você está igualzinho aos crentes fanáticos, quando se mostra a eles, que o pastor é um grande mentiroso, e eles ficam falando que isto é mentira.
    .
    Veja estes vídeos aqui:
    .
    http://www.videolog.tv/video.php?id=531805
    .
    http://www.videolog.tv/video.php?id=531807

  120. Roberto Scur Diz:

    Paulo,
    .
    É compreensível que você não consiga ver esta profundidade. Natural pois o ser humano têm uma centelha íntima que o impele ao progresso sempre. Mesmo que a pessoa não perceba algo à deixa inquieta, insatisfeita, e cedo ou tarde esta força desconhecida faz com que saiamos do marasmo e avancemos.
    .
    À medida que alcançamos degraus mais altos na escala do conhecimento, da intelectualidade material, lutamos contra qualquer tipo de dominação arbitrária, queremos a liberdade de pensar e agir. Infelizmente as religiões que deveriam nos auxiliar a conectarmo-nos ao Criador foram subjugadas pelos interesses mundanos daqueles que as açambarcaram. Poluíram o que era de origem Divina com as impurezas e detritos das ambições e paixões rasteiras que governavam os interesses dos homens.
    .
    Os dogmas castradores e irracionais nos oprimiram por milênios, principalmente depois da vinda de Jesus para a Terra pois os homens se apressaram em acomodar a mensagem libertadora do Messias aos interesses imediatos e à perpetuação do poder material e político. A culpa da vilania humana não é de Jesus. Um sentimento de repúdio à exploração que nos foi impingida revolta as mentes libertas que buscam andar no sentido oposto, às vezes em alarido.
    .
    Você deve fazer parte destes Paulo, um inconformado que se rebelou contra Jesus, mas o teu alvo não deveria ser Jesus amigo, ou o Espiritismo que veio libertar o Cristianismo dos grilhões que à escravizavam e devolvê-la rediviva ao indivíduo mais amadurecido e propenso à aceitá-la novamente depois de tantas lutas e decepções.
    .
    A louvação à estes ou àqueles deuses não macula, em essência, o gérmen da Divindade que está presente em todos nós. Cada um age de acordo com suas capacidades, com seu progresso intelectual e moral. Se algum africano alimenta sua fé no Criador dando-lhe o nome de Ju-Ju esta é uma prova de que a fé é nata no espírito. Você poderá chamar de ignorância e tal, mas o fato é que este impulso é irresistível, esta admiração pelas forças ignaras que criaram o todo, o tudo, é a presença de Deus em nós, mesmo que nos primórdio da nossa entrada na individualidade do espírito, ou seja, de nossa origem espiritual.
    .
    Você não iria encontrar no Espiritismo nenhuma referência como esta, de que a moral e ética seja exclusividade da religião. Isto é bem claro, muito bem claro, bastaria estudar um pouco mais Paulo para perceber que não é esta a mensagem ínsita na Doutrina Espírita.
    .
    Também, quanto à superstição, ao misticismo, à forças “sobrenaturais” o Espiritismo é adversário. Quem acredita e sabe porque acredita em espíritos não está apto para acreditar em bobagens como você fala.
    .
    Paulo, você se engana se me considera um medroso, um covarde que descobriu na religião uma bengala para o apoiar em sua fragilidade. Conheci o espiritismo já com 26 anos de idade, com minha empresa estabelecida e prosperando, com minha formação acadêmica na área de ciências exatas, com independência financeira e psicológica. O conhecimento presente na Doutrina Espírita expandiu deveras o meu entendimento sobre a vida, sobre mim, sobre os outros, sobre o porque de tantas questões que me intrigavam.
    .
    O medo que eu deveria ter era justamente da minha ausência de medo amigo, meu destemor me colocava em situações de perigo e demonstrava muito mais uma autossuficiência invigilante e um orgulho das minhas capacidades do que conhecimento.
    .
    Concordamos plenamente num ponto Paulo: o conhecimento liberta, mas quando este conhecimento é aliado à sabedoria que não prescinde do amor ao próximo, felicita verdadeiramente.

  121. Biasetto Diz:

    Scur,
    Muitas coisas que você fala, são verdadeiras e sábias, mas isto não tem, necessariamente, nada a ver com religião, seja católica, evangélica, islâmica ou espírita…
    São valores sociais, humanos, da dignidade do ser.
    Este é, ao meu ver o seu erro!
    Achar que pro sujeito ter os valores que você menciona, ele precisa ser religioso ou seguir o espiritismo, ou acreditar no Chico.
    O Chico falou muitas coisas belas, se preocupou em levar esperança e consolo ao próximo, tudo bem, até concordo contigo.
    O que nós estamos questionando aqui, é se ele fez isto porque acreditava nisto, tinha uma alma boa, um coração fraterno, ou se ele fez isto, influenciado por espíritos desencarnados. Neste caso, as evidências têm mostrado que as dúvidas são mais do que lógicas, são coerentes.
    Então, Scur, ninguém está falando pra ti deixar de seguir os valores que você acredita, apesar que alguns, na minha opinião, estão um pouco exagerados, na questão conservadorismo, mas tudo bem, é o seu jeito de pensar. Mas, então, Scur, você não precisa vincular o espiritismo com isto, nem declarar que quem não segue o Chico médium, não está pronto pra verdade!
    Tenho certeza, que todos os que aparecem aqui no blog, sejam crentes, céticos, ateus, espíritas, críticos, todos têm seus valores.
    .
    Você diz, por exemplo: “É compreensível que você não consiga ver esta profundidade.”
    .
    Eu pergunto: Qual profundidade?
    A tua, aquela que você acredita!
    .
    Você diz: “Os dogmas castradores e irracionais nos oprimiram por milênios, principalmente depois da vinda de Jesus para a Terra pois os homens se apressaram em acomodar a mensagem libertadora do Messias aos interesses imediatos e à perpetuação do poder material e político.”
    .
    Oras, Scur, quem mais criou DOGMAS CASTRADORES foram as religiões, e o espiritismo brasileiro seguiu a mesma linha, inclusive o que está dito nos livros de Chico Xavier.
    .
    Então, libertar-se não é viver uma experiência hedonista, do tudo pode, mas é saber encarar o eu interior, saber que nós também somos seres biológicos (isto, com certeza), somos seres sociais, influenciados pela cultura, e que em nós existem hormônios, desejos, prazeres… As igrejas, as doutrinas, inclusive o espiritismo-xavieriano-católico-apostólico-romano, parecem querer negar isto.
    É ir contra a natureza…

  122. marcelo Diz:

    Ola a todos,

    Sou de Maringa,e tenho orgulho da minha cidade sediar o encontro da decada(da semana?) entre o Scur e o Juliano.Me disponho desde ja a registrar o evento para a posteridade.

    obs:perdoem a (falta de)acentuacao.laptop “importado”

  123. Paulo Diz:

    Marcelo, isso seria ótimo! Video?

  124. Biasetto Diz:

    Marcelo, estou com inveja!
    Mas não tem problema, porque o Scur já me prometeu que virá à minha casa.
    Há poucos meses, quase que isto aconteceu. Fiquei esperando o gaúcho teimoso, mas ele furou comigo.
    Ontem eu vi uma foto dele com os cinco filhos, muito legal!
    O Scur é gente finíssima!
    Mas é teimoso…

  125. Biasetto Diz:

    Gilberto,
    Como tu andas?
    Minha mediunidade me diz que você está meio deprê!
    O que ocorre contigo?

  126. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    (Biasetto) “Muitas coisas que você fala, são verdadeiras e sábias, mas isto não tem, necessariamente, nada a ver com religião, seja católica, evangélica, islâmica ou espírita…”
    Nenhuma religião ou pessoa detém uma verdade exclusiva. É tanto verdadeira a fé de um selvagem que adora o trovão, do Testemunha de Jeová que dedica-se às práticas salvadoras das almas à perigo nas armadilhas do demônio, do católico que se entrega aos sacramentos deste credo, dos praticantes da umbanda, quanto é a fé do espírita que estuda e desenvolve o contato ostensivo com os espíritos desencarnados. Em cada uma delas existem valores preciosos que ajudam o ser humano à ser melhor caso pratique sinceramente seus fundamentos, mas como tudo em a natureza humana imperfeita haverão os estágios evolutivos à serem galgados.
    A religião dos espíritos espíritas contribui decisivamente para tornar o mundo melhor através do esclarecimento lógico que oferece aos destinos após a morte do corpo, explica algumas das leis naturais que regem o intercâmbio entre os planos da vida, liberta o raciocínio das amarras da fé cega, promove tanto os valores cristão que enobrecem o caráter de pessoas e coletividades quanto fomenta as ciências do mundo à prosseguirem para promover o progresso material e um dia que não vai longe permitir a instrumentação do intercâmbio mediúnico de forma à não deixar dúvidas da vida do espírito.
    .
    (Biasetto) “Achar que pro sujeito ter os valores que você menciona, ele precisa ser religioso ou seguir o espiritismo, ou acreditar no Chico.”
    Nunca disse isso, nem o Chico disse e nem o Espiritismo. Você está dizendo.
    .
    (Biasetto) “O Chico falou muitas coisas belas, se preocupou em levar esperança e consolo ao próximo, tudo bem, até concordo contigo.
    O que nós estamos questionando aqui, é se ele fez isto porque acreditava nisto, tinha uma alma boa, um coração fraterno, ou se ele fez isto, influenciado por espíritos desencarnados. Neste caso, as evidências têm mostrado que as dúvidas são mais do que lógicas, são coerentes.”
    Você deu duas opções: ou ele era uma pessoa boa ou ele era influenciado pelos espíritos para fazer isso. Não acho possível ele ser influenciado pelos espíritos para fazer coisas boas sem ser uma pessoa boa, e não têm cabimento ele ser uma pessoa boa, que faz coisas boas, mas que mente dizendo que está sendo influenciado pelos espíritos também bons. Porque que ele iria fazer só o bem e precisar mentir para fazer o bem? Totalmente ilógico isso.
    As evidência mostram exatamente o contrário que vocês querem fazer acreditar: Chico Xavier viveu o que escreveu, foi um apóstolo da caridade, da abnegação, do sacrifício, do amor e da fé. Dentre as falhas que ele teve, pois era um ser humano, não se catalogam as que vocês estão atribuindo à ele. É um chavascal de acusações infundadas, senão vejamos resumidamente:
    - A existência na história catalogada pelos homens de Públio Lêntulus:
    É preciso ter fé de que ele não existiu pois não se pode concluir positivamente que teu parceirão JCFF conseguiu provar isso. Entre ficar com o achismo longo e cansativo do JCFF, cheio de maneirismos e condução do leitor para chegar a conclusão que ele gostaria, e ficar com os dados históricos apresentados por Pedro de Campos que fazem referência inequívoca de um senador romano à serviço do Imperador na Judéia, eu poderia ficar com nenhum dos dois porque nenhum deles (Campos e JCFF) apresentaram prova definitiva de suas alegações, apenas indícios e não documentos.
    Portanto Biasetto, se uma pessoa só existir na face da Terra porque se encontrou um documento que prove que ela existiu, então a imensa maioria das pessoas que andaram pelo nosso planeta em inúmeras reencarnações também não existiram nunca.
    Sendo assim, Públio Lêntulus não só existiu como era a reencarnação do espírito Emmanuel, guia espiritual de Chico Xavier, quer tu queira, quer não, quer os seus perseguidores e caluniadores queiram, quer não.
    - Os alegados plágios:
    Biasetto, não perca mais o teu tempo fazendo estas pesquisas sem levar à cabo uma análise realmente avalizada, credível, razoável. Agora você está mudando o palavreado dizendo que “se não é plágio é adaptação”. Pô Biasa, não judia né! Tu acusou: é plágio! Plágio é desonestidade, é crime. Adaptação é outra coisa, não é plágio, e mesmo que Emmanuel tivesse feito uma adaptação no caso mais aceitável de que fosse isso, que prejuízo isto traria para a obra toda, o livro todo? Acaso vocês encontraram de quem ele adaptou as outras 500 páginas de Há Dois Mil Anos? Que diferença faz haver uma descrição semelhante de um mesmo local físico, de uma mesma paisagem, sem que tenha havido uma cópia, um plágio realmente do texto de um no de outro autor? Por acaso tu não te deu o trabalho de ler, de pesquisar O QUE É UM PLÁGIO Biasetto? Tu não verificou exemplos e tipos de plágio?
    Você se deixou levar pela emoção de estar fazendo uma grande descoberta, você foi infectado pelo vírus da presunção do Vitor Moura e perdeu o respeito por ti mesmo, pelo menos por enquanto. Te cuida vivente!
    .
    - Perfumes, Waldo diz isso e àquilo, motorista de taxi, código secreto de Chico, leitor compulsivo, cadernos, homossexualismo:
    Festival da difamação e da calúnia. Fofocas de maledicentes, acusações sem provas, aleivosias lamentáveis e irresponsáveis. Triste e melancólico teatro da ignorância de mentes perturbadas. Sem comentários adicionais.
    .
    - Materializações: assunto mais do que debatido e sobre o qual dei minha opinião nesta postagem mesmo. Não preciso repetir.
    - Vida em Marte – o que disse Kardec e o que disse a mãe de Chico:
    Aqui há uma diferença real de abordagens. Kardec disse que não havia, a mãe de Chico disse que sim. Camille Flamarion também disse que havia vida em Marte mais avançada e bela do que há na Terra, possivelmente em uma dimensão menos densa e não física quanto à nossa.
    Alguém está errado neste ponto e eu preferiria que fosse a mãe do Chico.
    .
    (Biasetto) “.. Mas, então, Scur, você não precisa vincular o espiritismo com isto, nem declarar que quem não segue o Chico médium, não está pronto pra verdade!
    Tenho certeza, que todos os que aparecem aqui no blog, sejam crentes, céticos, ateus, espíritas, críticos, todos têm seus valores.”
    Nunca declarei isso, mesmo porque Chico não fundou nenhuma doutrina nova para ser seguido. Ele foi um missionário espírita cristão assim como houveram outros missionários cristãos católicos, islâmicos, budistas, hinduístas, protestantes e de outras religiões, assim como houveram os filósofos da antiguidade, também missionários, os profetas bíblicos, enfim, várias pessoas de ofereceram suas vidas em prol do progresso moral da humanidade.
    Não me recordo agora, me desculpe, de uma grande personalidade que se declarava atéia, e que tenha sido uma pessoa de destaque nas causas humanitárias, que tenha sido caridoso e abnegado, desprendido e honrado. Se você puder citar um eu agradeço ter uma referência ao menos para que eu não cometa injustiças. Cite alguém que tenha valores acima da média ordinária em que eu e você nos enquadramos, alguém parecido com Chico Xavier, Irmã Dulce, Francisco de Assis, Joana D’Arc, Kardec, Buda, Sócrates e Platão, Madre Tereza, Gandhi.
    .
    Concluindo a resposta do teu comentário, nos últimos parágrafos, só digo que: deixe os teus hormônios e apetites biológicos tomarem conta do teu eu interior que tu vai ver onde tu vai parar meu amigo. Despreze as advertências e freios morais que dosam nossa paixões que irás te arrepender mais tarde. Mostre-me um ancião que gozou e viveu liberto, como você diz, e que seja uma pessoa realizada na senectude e siga seus exemplos se o encontrares.
    Juízo hein menino pois a vara é curta e a onça é braba!

  127. Biasetto Diz:

    Scur,
    Eu já quase indo dormir, mas olhei o blog, e você surgiu!!!
    Fui lendo, lendo, concordando, discordando…
    Até que me deparei com o final: FANTÁSTICO!
    Comecei a rir, juro por Deus!
    .
    Só você pra me dizer isto:
    .
    “deixe os teus hormônios e apetites biológicos tomarem conta do teu eu interior que tu vai ver onde tu vai parar meu amigo.”
    .
    Pelo amor de Deus, Scur, não abandone o blog.
    Tive um dia meio chateadão hoje, mas você está me fazendo indo dormir rindo, muito obrigado, meu amigo.
    Pra completar meu dia chato, meu time levou de 6.
    .
    Mas você salvo o meu dia – e o final:
    .
    “Juízo hein menino pois a vara é curta e a onça é braba!”
    .
    Adoro você Scur, juro que adoro!

  128. Biasetto Diz:

    Amanhã (hoje, já são 0:49) – eu comento, se der vontade, porque com você não é fácil.
    Mas, não paro de rir…
    Muito obrigado, boa noite, bom dia!

  129. Roberto Scur Diz:

    Marcelo,
    .
    O Jujuba não passou o telefone de contato ainda, mas se o encontro puder ocorrer será sem surpresas e não mereceria grande expectativa.
    Se você quiser estar presente, de minha parte é bemvindo.
    Encontro que prometeria alta voltagem seria o do JCFF comigo num tribunal pois ele já me chamou de cobras e lagartos aqui e ameçou me arrasar, me liquidar num processo “sem misericórdia”.
    Este sim ia ser um encontro curioso. Quem será este gazetão inteligente e metido a importante?
    .
    Se alguém quiser ver a minha face, veja no facebook.
    http://pt-br.facebook.com/people/Roberto-Scur/100001650631497.
    Não tenho amigos, não dou manutenção, não frequento, não é minha praia. Apenas criei um perfil porque tinha uns sites que obrigavam a ter uma conta para comentar (Terra) e acabei criando, depois minha filharada começou a enviar links e coisas de joguinhos para mim, mas é só o basicão mesmo.
    .
    Saudações.

  130. marcelo Diz:

    ok,existem indícios de plágio em algumas obras do Chico Xavier,a materializaçâo de Uberaba foi fake, mas a pergunta que não quer calar é:existe algo além ou não?
    minha constatação:SIM
    Proponho a análise das obras da Yvonne do Amaral Pereira e do “Cristo espera por ti” do Waldo Vieira.Quem conhece o trabalho do Waldo sabe que ele não teria como inventar aquilo.Álias,o Waldo, que tantas críticas recebe aqui(algumas pertinentes, outras não)trouxe ,apesar das polêmicas e da excentricidade,inegáveis avanços à discussão sobre o parapsiquismo.Ele levou o assunto a outro nível.Uma simples visita ao CEAEC demonstra isso.

  131. Biasetto Diz:

    Marcelo,
    Eu tentei buscar as indicações que foram surgindo aqui no blog, mas não consegui. Comecei a ler vários livros, inclusive alguns que o Vítor disponibilizou aqui, mas acabei interrompendo as leituras.
    .
    Você mencionou o livro do Waldo – “Cristo espera por ti”, até tentei baixar na internet, mas não consegui.
    O que que tem de tão interessante nesta obra, a ponto de você afirmar: “Quem conhece o trabalho do Waldo sabe que ele não teria como inventar aquilo.”
    .
    Um abraço!

  132. marcelo Diz:

    Biasetto,
    A escrita do Waldo é técnica,pragmática,estilo seco,sem floreios e totalmente sem emocionalismos.O “Cristo espera por ti” é de época,prolixo e lacrimoso.
    Na verdade o livro já foi analisado por Osmar Ramos Filho,especialista em Balzac, na obra “O avesso de um Balzac contemporâneo”,em que o autor mostra inúmeras semelhanças de estilo entre o Balzac “encarnado” e o Balzac “espírito”,além da análise dos hábitos da época.
    Vale a pena analisar o livro,para mim é um atestado das faculdades mediúnicas do Waldo.
    .
    Saudaçôes.

  133. Juliano Diz:

    Boa tarde a todos!

    Scur, o convite está de pé. Fica tranquilo que vou te enviar meus dados. Te acalma gaúcho!! Quarta-feira estou em Maringá. A coisa anda meio corrida, então não dá tempo pra falar muito.

    Marcelo
    Não sei o que pensa o Scur, mas já está convidado pro que nós fizermos em Maringá.
    Sobre o Waldo. Muita gente vem com o argumento que a escrita do Waldo é técnica, e blábláblá Não é técnica coisa nenhuma. Pois técnica na escrita não dispensa objetividade e clareza. O que o Waldo escreve, e boa parte da turma do CEAC é “enrolation” com cara de discurso científico. Repito, o Waldo deu a sua contribuição com uns 5 a 10 termos e seus conceitos, realmente interessantes. O resto é literatura ínútil. É a religião do século XXI, “hi-tech”. O CEAC é talvez a única instituição de pesquisa no mundo que eu conheço, que pouco acrescenta a pesquisa do fenômeno vida após a morte. Tem que mudar, o que já desconfio que não vai mudar. Se não a história vai passar por cima dela. Este negócio de ficar criando “verbete” pra tudo já virou piada de mau gosto.

    Biasetto
    Lamento lhe informar meu amigo, mas eu sou COXA BRANCA! Semana que vem tem mais. rsrsrsrs Truco Seis. rsrsrs Um abraço.

  134. Biasetto Diz:

    Juliano,
    Achei interessante sobre o que o Marcelo falou deste livro do Waldo. Vou fazer um esforço pra ler esta obra.
    Sobre futebol, melhor nem comentar. Este blog não é esportivo! (estou chorando…)
    Falei pro Scur, por email, pra ele dar um abraço em você por mim. Então, agora falo pra ti: dê um abraço no Scur, por mim.
    Aproveita e fala pra ele deixar de ser teimoso.
    Neste fim de semana, vou ficar esperto, lembrando o conselho dele – ele falou pra mim tomar cuidado com meus hormônios. rsrsrsrs…

  135. marcelo Diz:

    Juliano,
    Tambem nao gosto do estilo “bula de remedio” dos verbetes e de varias publicacoes do CEAEC, mas nao deixa de ser uma tecnica,antipatica, mas tecnica.
    Tanto que considero o “Nossa Evolucao” o melhor livro do Waldo.Simples, objetivo e claro,o melhor da Conscienciologia esta la.A meu ver,bem mais do que 5 ou 10 termos e seus conceitos.

  136. Biasetto Diz:

    Marcelo,
    Não sei até onde pode se confiar no Waldo.
    Dele, eu só li alguns livros que “psicografou” com o Chico, especialmente “Evolução Em Dois Mundos”, que me lembro bem.
    Uma coisa que se pode considerar no Waldo, é que ele diz que deixou o espiritismo, porque já tinha se transformado em uma religião, e ele queria fazer ciência.
    O Juliano conheceu de perto a tal “conscienciologia”, e diz que gostou, no começo, mas se decepcionou, depois!
    Você disse que o Waldo deve ter sido médium. Pra mim, isto tudo é muito confuso, porque se o Chico não foi médium, e hoje tenho sérias razões pra acreditar nisto, então, o Waldo também nunca foi.
    É óbvio que não dá dizer que o que um fez não teve influência direta sobre o que o outro fez. Se eles escreveram livros juntos, ou os dois psicografavam ou os dois “picaretavam”.
    Como eu não li nenhum livro do Waldo, além, como já disse, daqueles que ele “psicografou” com o Chico, fica difícil pra mim, fazer uma análise mais qualificada, pelo menos na minha visão.
    Vou ver se leio o livro que você citou.
    Aliás, os dois, porque além de “Cristo Espera Por Ti”, você também informou este aí: “Nossa Evolução”.
    O problema do Waldo é que, pelo menos em certas atitudes, quer aparecer demais!
    Ele diz, por exemplo, que André Luiz foi Carlos Chagas, mas não explica porque há diversas divergências na biografia citada pelo próprio André Luiz, em “Nosso Lar”, e a biografia que conhecemos de Carlos Chagas.
    Então, coisas assim, me irritam há tempos no meio espírita, porque cada um diz o que quer, sem provar nada, ou oferecer evidências coerentes.
    O Waldo também diz umas coisas do Chico, que podem até ser verdade, mas que considero bem descartáveis, como o caso da sexualidade dele.
    É mais ou menos por aí, o que penso sobre o Waldo e os estudos dele.
    .
    Scur, você disse:
    .
    “Pô Biasa, não judia né! Tu acusou: é plágio! Plágio é desonestidade, é crime. Adaptação é outra coisa, não é plágio, e mesmo que Emmanuel tivesse feito uma adaptação no caso mais aceitável de que fosse isso, que prejuízo isto traria para a obra toda, o livro todo?”
    .
    Bem Scur, plágio é algo bastante discutível e que também pode ser bem disfarçado.
    Eu entendo que se o espírito está contando uma história que aconteceu com ele, em encarnação anterior, ele não precisa ficar fazendo uso de histórias que aconteceram com outras pessoas (espíritos!), a não ser que o espírito comunicante, neste caso, indique a fonte, forneça a informação de que está usando deste recurso.
    .
    Já falei várias vezes aqui, que o Chico fez adaptações, o que, pra mim, dá no mesmo que o plágio. Adaptar, significa que ele lia obras, pegava algo que interessava nestas obras e criava uma nova história, a partir das informações selecionadas. Se isto é plágio ou não é, o que importa pra mim, é que me leva a pensar que ele não foi médium. Só isso!
    Um abraço a todos.

  137. Biasetto Diz:

    Para refletir (mesmo que o Scur, o Gaúcho dos Pampas, fique bravo comigo):
    .
    http://ceticismo.net/2010/09/12/nosso-lar-e-a-falsa-fraternidade-dos-espiritas/

  138. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    .
    Arrume de onde ele tirou as outras 490 páginas, só neste caso de Há Dois Mil Anos, ou pelos menos, miseráveis 3, 4 páginas de todo este livro, e depois venha com este papo de informações selecionadas, adaptação, credo!
    Você diz que eu sou teimoso? Por mais discutível que seja o tal do plágio, têm que ser muito crente, muito fanático para acreditar que existiu algum destes nas obras que Chico Xavier repassou ao mundo, e não vêm com este papo de ser um plágio “bem disfarçado”, que é isso? Não te mixa Biasetto, enfrenta a onça com a vara que tu arranjou!
    .
    Agora tu, digamos assim, te escravizou nas tuas alegações publicadas aqui. Tuas palavras são tua herança e espero que possas se orgulhar de tê-las dito, mais adiante.
    .
    Isto não se trata de crença, de fé nisso ou naquilo, se trata de algo meramente técnico, objetivo, facilmente apreciável, que é a comparação de textos na busca de plágios. Faça o teste com outras pessoas do metiê e veja se encontra alguém que assine embaixo da tua opinião de que há plágio em um único livro do Chico, um apenas. Pegue o que mais te chamou atenção. Se tiver custo para avaliar pode deixar que eu pago, mas não prossiga sem isso, pelo teu bem Biasetto.
    .
    Deixe o Vitor Moura afundar nesta lenga-lenga de plágio, mas não macula tua história de professor, um verdadeiro herói nacional, um lutador que precisa vencer agruras de uma política perniciosa que despreza a grandeza da missão dos apóstolos do ensino e lhes impõe condições ásperas de salário, de estrutura, de treinamento, etc.
    .
    E volto a repetir Biasetto, descrever um local, uma paisagem, não te parece possível que hajam semelhança na narração? Não te parece que a moral que está nos livros psicografados passa muito longe desta polêmica estéril sobre semelhanças de locais?
    O que vocês tentam criar é uma desautorização, uma difamação do instrumento mediúnico que foi portador de ensinamentos belíssimos, que elevam, que dão esperança, que iluminam as mentes dos leitores com uma narrativa honesta e realista. Papel triste Biasetto, mesmo que tu diga que o faça pois se decepcionou com Chico, pois se sente enganado, etc.
    .
    Não sei que bicho que te mordeu Biasetto que afetou o teu discernimento.
    .
    Veja em universidades onde a questão do plágio é importante e haverá pessoas preocupadas com a pirataria de idéias e mais acostumadas com isso. Vá em alguma e apresente tuas teses e mostre o resultado aqui.
    .
    O Vitor Moura não vai fazer isso pois não é interesse dele a verdade. Quando busca opinião de alguém é de semi-pseudo-quase-técnicos, nem quase-especialistas ele procura, pega um qualquer como eu, como tu por exemplo, e faz um banzé com palpites vazios.
    Você deveria prezar pela tua biografia, ainda há tempo de remendar o erro e se conseguires a aprovação de alguém que tenha voz no assunto.
    .
    Engraçado que todo o enredo do romance histórico Há Dois Mil Anos jamais entrou em cena nas analises daqui. Nada se diz sobre a moral que dali se despreende, talvez porque seja muito mais fácil pinçar uma dúzia de palavrinhas parecidas, pintar de cores diferentes, colocar numa tabelinha e sair vociferando sentenças do que analisar a moral da história, a postura humana dos personagens, suas atitudes boas e más, as consequências de seus atos, o aprendizado que pode-se ter disto tudo, enfim, não é compatível este juízo de poucas palavras com as conclusões que vocês chegam.
    .
    Mas é o seguinte Biasetto, nunca mais falo contigo sobre plágio e sobre materialização de Uberaba, só se for durante uma churrasco pessoalmente, e certamente não vou te levar muito à sério e vamos mudar de assunto.
    Talvez, quem sabe, possamos conversar sobre o que vêm aí para salvar as teorias furados do JCFF sobre Públio, mas está à perigo até este assunto pois para mim está demorando demais para o gazetão fazer seu trabalho de análise do livro do Pedro de Campos.
    .
    Um abraço.

  139. Roberto Scur Diz:

    Não Biasetto, não têm como eu ficar brabo contigo.
    Tu prefere ir pela vertende que leva de roldão pessoas com o pensamento como o deste autor deste blog aí, que diz de si mesmo:
    “(sim, sou um porco capitalista e os pobres coitados africanos não estão no meu pensamento quando encomendo meus Armanis) …”
    Para que discutir, ficar brabo contigo? Nada à ver Biasetto, se tu gosta do pensamento do cara á ponto de citá-lo é porque tu és semelhante à ele.
    Estamos chovendo no molhado. Deixa assim!
    Agora cansei mesmo, me aloguei demais do que planejei. Até.

  140. Biasetto Diz:

    Scur, scurzinho, só não vou te ligar agora, porque nem sei onde coloquei o número de teu telefone. Mas neste fim de semana vou te ligar.
    O que ocorreu com as outras 400 e tantas páginas eu não sei, mas dus, três páginas iguais me bastam.
    IGUAIS, SCUR!
    Você é teimoso e não quer ver.
    Acho lindo o jeito que você educa teus filhos.
    Não ensinei nada de religião pros meus.
    Mas, Scur, fazer o quê?
    O Chico era bom, era preocupado com o sofrimento alheio, mas copiava tudo.
    O que eu posso fazer?
    Descobri isto.

  141. Biasetto Diz:

    Scur, o Chico era danado, isto ele era.
    Estudou tudo sozinho, homem inteligente.
    Admiro ele, às vezes, tenho raiva, mas no fundo, admiro ele.
    Se você está aí, aproveita. Sexta-feira, quando chego em casa, às 11 da noite, me sinto com a missão cumprida: 55 aulas na semana, ninguém merece!
    Estou tomando um cerva aqui, pra esquecer os 6 a 0 que meu time levou do time do Jujuba e pra esquecer que acreditei no Chiquinho “esperto” Xavier.

  142. Biasetto Diz:

    Scur,
    Você fica criticando o Vitinho. Ele é gente boa.
    A gente fica usando o blog dele pra descontrair.
    Quando ele cansar, vai mandar a gente …
    .
    Estou preocupado com o Gil Santos, acho que ele não está bem. É meu lado mediúnico que diz isto.
    .
    Cadê o Caio?
    O Carlos?
    Seu amigo o Paulo, é gaúcho também. A turma da Farroupilha!
    .
    E o JCFF, seu amigão sumiu pra valer.
    Acho que ele está preparando um pra tu!
    .
    Fico chateado no fim de semana, o pessoal some do blog.
    .
    Vão todos passear. Eu, pobre professor, fico em casa, esperando encontar algum amigo pra conversar.
    .
    Neste fim de semana vou ligar pra ti. É tu aí no Rio Grande né?

  143. Paulo Diz:

    Olhe isso Biasetto
    .
    http://www.youtube.com/watch?v=dfOo__Ixd9I&feature=fvwkrel

  144. Biasetto Diz:

    Paulo,
    Excelente sugestão!
    A parte 2, também é muito interessante.
    Um abraço!

  145. Biasetto Diz:

    Agora,
    Vejam esta maluquice aqui:
    .
    http://www.youtube.com/watch?v=H3p5qihKJJk&feature=related

  146. Paulo Diz:

    Bota doideira nisso!

  147. Biasetto Diz:

    Scur,
    Agora com mais calma e uso da razão, porque ontem à noite eu estava no clima de estresse do trabalho e na ansiedade de descontrair. Então, vou comentar uma coisa que você disse:
    .
    “(sim, sou um porco capitalista e os pobres coitados africanos não estão no meu pensamento quando encomendo meus Armanis) …”
    Para que discutir, ficar brabo contigo? Nada à ver Biasetto, se tu gosta do pensamento do cara á ponto de citá-lo é porque tu és semelhante à ele.
    .
    Primeiramente, não sei se o Vítor disse isto, nem em quais circunstâncias.
    Segundo, não entramos neste blog pra julgar o criador dele, porque nem o conhecemos, e as coisas que se dizem na internet nem sempre representam o que a pessoa realmente é.
    Terceiro, a discussão aqui é sobre psicografias. Este é o foco, apesar de que todos nós, em determinados momentos, escolhemos outros caminhos.
    Quarto, eu preocupo sim com os pobres africanos, com os pobres de todos os lugares, com os cachorros sarnentos e com tantas e tantas injustiças e absurdos que acontecem todos os dias, como a morta das crianças no Rio. E, exatamente por fatos como estes, que fico me perguntando aonde está Deus.
    Talvez eu não consiga compreender a “lógica divina”. Fazer o quê? Minha mente e meus sentimentos vão até onde podem ir.
    - Outra coisa, ontem, na empolgação, passei um email pra você o Du e o Magno. Hoje, complementei e “consertei” meus comentários, dando uma satisfação aos amigos, apesar de que vocês nunca me cobraram satisfação alguma. Só fico um tanto surpreso, quando vocês afirmam que eu escolhi ser cético ou crítico ou ateu. Eu não escolhi, mas me deparei com evidências que fizeram rever algumas ou quase todas as minhas crenças. Então, muitas vezes, eu torço mesmo pra que você, meu xará e o Carlos Magno entrem aqui e rebatam as minhas análises críticas, quem sabe assim, vocês me convencem que estou errado. Porém, até o momento, ninguém conseguiu me convencer de que minhas análises são equivocadas.
    A Sônia, por exemplo, fez críticas à matéria que escrevi sobre as correlações entre A VIDA ALÉM DO VÉU, NOSSO LAR e LIBERTAÇÃO. Mas não me apresentou uma resposta, no mínimo, razoável para explicar tais correlações (“semelhanças”). Então, Scur, meu grande amigo, brincadeiras à parte, é isto que eu gostaria de saber daqueles que afirmam acreditar na mediunidade do Chico: uma explicação, realmente satisfatória e lógica sobre as semelhanças do livro que ele diz ter psicografado e os livros que já haviam sido publicados.
    Só isso!

  148. Biasetto Diz:

    Também está longe de mim ser igual ao Vítor, pois tenho um terninho “sem-vergonha”, que uso uma vez no ano, e olhe lá! Deve ter custado uns cem contos. Não estou podendo comprar Armanis não. Mesmo que pudesse, acho que não compraria.

  149. Paulo Diz:

    Biasetto, só esclarecendo…o comentário do Scur é referente ao outro blog, aquele que tu apontou. Ceticismo.net. matéria sobre o “nosso lar”.

  150. Biasetto Diz:

    Legal, Paulo!
    Então ficam as retificações.
    Eu achei que o Scur estava falando do Vítor e não do André, que é o criador do blog lá.
    Eu li o que ele disse sobre o “André Luiz”, mas não me lembrava desta passagem que o Scur mencionou.
    Valeu!

  151. Biasetto Diz:

    Paulo,
    Eu respeito muito os colegas aqui. Tenho uma amizade com o Scur, faz tempo.
    Eu só não concordo que ele e outros espíritas-xavierianos, às vezes, desviam do foco.
    O Scur, por exemplo, vive dizendo que o Chico foi muito bom, falou sobre coisas lindas e tudo mais. Algumas coisas que o Chico falou e não concordo, mas sei que ele era muito preocupado com o próximo e coisas assim. Agora, não é esta a discussão: a discussão é: o Chico psicografou ou não?
    Então, o que o tal André escreveu no blog Ceticismo.net, o que me interessa, são algumas colocações que ele colocou lá. Algumas, na minha opinião, bem coerentes. Se ele, o André do blog, usa Armani, se ele está preocupado com os pobres, isto é outra coisa. Eu tenho que ser igual a ele, só porque aceito muitas colocações que ele fez sobre a história de André Luiz.
    Saudações!

  152. Biasetto Diz:

    TEMAS PARA REFLEXÕES:
    .
    Cultura é algo que não se herda geneticamente, é aprendida, assimilada.
    As religiões, de modo geral, são reflexos da cultura de uma sociedade, em particular. Portanto, não podem se auto-proclamar como a “verdade divina”, porque cada povo tem a sua própria cultura, de modo que não há como haver uma “única verdade divina”.
    .
    A ciência, pra afirmar que algo é verdadeiro, pesquisa e busca provas. Portanto, não há nada de errado e nem incoerente, em uma pessoa buscar provas nas coisas ditas pelas religiões.
    .
    A verdade é sempre soberana. Por mais que seja doloroso uma pessoa se decepcionar na vida, com algo que ela acreditava, mas descobriu falho, esta pessoa pode ganhar e muito, aceitando a realidade.
    .
    As religiões fizeram e fazem uso de dogmas, sem se preocuparem em provar, atestar sua veracidade e lógica. Normalmente, estes dogmas são ensinados às crianças, que não têm senso de crítica, e acabam aceitando estes ensinamentos. Quando crescem, tendem a manter e divulgar estes ensinamentos, fazendo com que o “Establishment” se perpetue. É difícil romper com isto. Mas sem este rompimento, a sociedade não evolui.
    .
    Uma característica marcante da sociedade humana, é a adoção e adoração de “mitos”, que, uma vez assimilados, se manifestam como uma “amálgama”, difícil de ser removida.
    .
    Não há nada de errado ou inferior, em seguir uma religião. O que, penso eu, é ruim nas religiões ou nas crenças, é quando o dogmatismo castrador transforma as pessoas em sujeitos pequenos, enchendo a cabeça delas de medos e culpas injustificáveis.
    .
    Como quase ninguém aparece no fim de semana, neste blog, abusei do direito de usá-lo, colocando alguns pontos de vista, os quais vão de encontro às minhas reflexões.
    .
    Bom fim de semana!

  153. marcelo Diz:

    Biasetto,
    Em minha opiniao,nao ha nada divino,nao ha nada sagrado.Nao tenho religiao,acho-as ,em sua maioria,perniciosas.Nem em Deus eu falo,mas tenho algumas vivencias pessoais que me fazem crer no imaterial,no extrafisico.
    E a minha luta e para entender esse mundo invisivel,essa dimensao paralela que parece nos rodear.
    As suas colocacoes sao muito pertinentes,aprendi muito com o contraditorio desenvolvido aqui no blog,mas,sugiro mais experimentacao pessoal para a compreensao de alguns fenomenos parapsiquicos.
    Nao que eu tenha vivencia e compreensao de varios fenomenos,mas repito,estou lutando para compreende-los.
    Estamos todos tateando no escuro,a estrada e longa e o terreno e pantanoso,mas ,ao que parece,somos todos fascinados pelo assunto.
    .
    um abraco!

  154. Biasetto Diz:

    Marcelo,
    Você tocou num ponto fundamental: APRENDER, aprender sempre. Se Deus existir, o plano espiritual existir, se reencarnação existir, a maior lógica que pode haver, é justamente a lógica do aprendizado.
    Se não existir nada disto, também estaremos sempre construindo uma sociedade melhor. Quem aparecer depois de nós, depois de cada geração, estará colhendo os frutos que foram plantados.
    Mas para aprender, Marcelo, é preciso estar aberto a descobertas, aceitar possibilidades.
    Quem está felicíssimo com a sua crença, ótimo, fique com ela. Quem procura, não pode ter medo do que vai encontrar.
    Cresci acreditando que havia um Deus bondoso, sábio, justo, misericordioso. Que este Deus atendia às orações, que este Deus protegia os necessitados…
    Refleti, observei, li… não encontrei este Deus! Será que Deus não existe? Não sei! Mas, se existe, talvez ele não se manifeste como as religiões afirmam. Talvez ele organize o Universo, a Terra, pra que a vida se manifeste. Então, deixa rolar! Talvez exista o espírito e a reencarnação. Então, Deus haja assim: ele não interfere nas leis da natureza, mas está sempre dando uma oportunidade nova para os espíritos. Pode ser que seja assim.
    Será que existe a lei de causa e efeito (“ação e reação”). Talvez! Mas não como os espíritas ensinam, que tudo, tudinho é assim.
    Talvez, aja algo como: “olha aqui seu ‘bundão’, na sua última encarnação, você só fez porcaria, então, tu vais renascer num ambiente pobre, difícil. Mas te vira lá, vê o que pode fazer.” Então, o outro, o bonzinho: “olha aqui, amigão, você foi bem legal, bem grandioso em tua última encarnação, assim, tu vais renascer num ambiente bem favorável, com muitas vantagens e facilidades. Mas o que vai, de fato, acontecer contigo, sei lá! Te vira e aproveita o que está sendo oferecido a ti.”
    .
    Sabe o porquê disto que estou falando, Marcelo? Porque acho ridículo, quando no meio espírita, se tenta achar justificativa pra tudo! Se tudo estivesse atrelado à tal “lei de causa e efeito”, então não haveria injustiças, porque aquele que mata, mata quem merecia morrer. Este assunto já foi bastante debatido aqui, causando muita polêmica! Mas é mais ou menos por aí…
    .
    Um dia desses, eu estava na escola em que trabalho. Não estávamos em aula. Eu estava sentado num banco, no pátio da escola, conversando com alguns professores. Uma colega de trabalho, estava em pé, a 1 metro de mim. Conversávamos, e eu olhei no chão, havia dois bichinhos, tipo “centopeia”. Num momento, eles praticamente se “beijaram”, então, um foi pra esquerda e outro pra direita. A escola estava sendo fechada e todos íamos embora. Minha colega à minha frente, virou pra direita e pisou na centopeia (sem ver), que havia escolhido este caminho. Foi assim, simples: puff! já era o bichinho. O do caminho da esquerda, continuou “seus passos”, belo e formoso…
    Talvez, sejamos todos “centopeias”.

  155. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    Veja que interessante pesquisa fotográfica que quem sido feita por muitas pessoas à partir das imagens disponibilizadas pelas agências espaciais relativas à superfície do Planeta Marte:
    http://www.youtube.com/watch?v=qcR7VX-FwDY
    Pelo que parece, pegando as dicas deste sujeito (têm vários links mais específicos na explicação do vídeo), fica muito, diminuindo a claridade da foto que alegam ter sido clareada de propósito para esconder as cidades marcianas, os monumentos, etc.
    Pelo que parece a mãe de Chico estaria certa sobre a vida em Marte. Se não tivesse tanta mentira neste mundo poderíamos estar melhor informados. Fazer o quê? Crer no nada, como um cordeirinho, ou desconfiar que algo há.

  156. Roberto Scur Diz:

    Quis dizer “fica muito curioso” e não “fica muito”, e “que têm sido feitas” e não “quem sido feita”.

  157. Biasetto Diz:

    Fala Gaúcho!
    Eu dei uma olhada no vídeo, e em outro lá.
    Confesso, que foi meio complicado pra mim, porque já tenho dificuldades pra ler em inglês, só ouvindo, então…
    .
    Acho isto muito interessante. Não duvido nada, qua a Nasa esconda informações.
    .
    Porém, mesmo que haja a vida em Marte, o que penso que nós não saberemos, de fato, porque se isto está sendo escondido, não acredito que esta atitude será mudada, “tão cedo”. Mas, como disse, mesmo que ficasse provado a existência de vida em Marte, ainda assim, isto não provaria a mediunidade do Chico, porque no livro do Owen, também há uma passagem, sem maiores detalhes, falando que há vida em Marte. Tem também o livro do Camille Flammarion, que o Vítor diz que serviu de inspiração pro Chico.
    .
    Bem, de qualquer forma, admito, que se ficasse provado a existência de vida em Marte, contribuiria para a credibilidade do Chico. Mas, por enquanto…

  158. Biasetto Diz:

    Scur,
    Dê uma olhada neste link:
    .
    http://www.cubbrasil.net/index.php?option=com_content&task=view&id=1956&Itemid=106

  159. Biasetto Diz:

    Scur,
    Este outro:
    .
    http://www.dominiosfantasticos.xpg.com.br/id309.htm
    .
    Só que, amigo Scur, eu não vejo nas fotos, o que dizem ver.
    Aliás, não vejo nada, absolutamente nada, que indique vida, civilização, mas…

  160. Paulo Diz:

    Biasetto, homem de pouca fé!
    Se olhar com atenção, sem piscar os olhos, verá depois do primeiro minuto do video, surgir a figura do do Pé Grande se movimentando entra as rochas, com um olhar desconfiado. É só prestar atenção.
    É claro que a mãe do Chico falou a verdade, Biasetto…vai querer dizer que ela mentiu também? Tu já caluniou o Chico…por favor, poupe a mãe!
    Abraço :)

  161. Biasetto Diz:

    Paulo,
    Com tantas e tantas tramóias que já existiram e existem na história da humanidade, não duvido que, caso exista e já tenha ocorrido alguma constatação disto, vida em outros planetas, então, não duvido nada que muita coisa seja escondida. É óbvio, até porque, já imaginou os fanáticos religiosos, no estilo daquele vídeo do pastor e a mulher, que coloquei aqui, hoje, depois que você me deu aquela sugestão… Assim, estas pessoas que acreditam literalmente na Bíblia, e tem muita gente, ficariam todas malucas e falariam que isto tudo era mentira…
    Bem, por outro lado, apesar de algumas indicações interessantes, nestas fotos, e tudo mais, alguns visualizam umas coisas que eu, sinceramente, não consigo ver.
    .
    Se a gente ficar uma hora, apenas, uma horinha, olhando pro céu, quando tem bastante nuvens, a gente vai várias figuras se formando, lembrando animais, coisas assim.
    Da mesma forma, se a gente for num local, uma montanha que tem muitas pedras, bastante pedras, e se a gente começar a fotografar, muitas fotos, depois a gente dá uma olhada nas fotos, certamente, algumas delas vão lembrar imagens que conhecemos.
    .
    De qualquer forma, eu confesso que até gosto destas notícias, destas suspeitas. Acho isto muito interessante. Mas, pra mim, não há provas, são apenas hipóteses, muito frágil! O problema do Scur é este: ele vê uma coisa como esta aí, e ele já diz: “Tá vendo, a mãe do Chico falou a verdade!” – eh gaúcho otimista!
    Mas valeu Scurzão. Gostei da informação. Vou ficar de olho.
    .
    Pra finalizar, que agora vou dormir:
    Paulo, o Pé Grande eu não vi, mas perto aqui de Bragança Paulista, tem uma cidade chamada Joanópolis, que é conhecida como “cidade do Lobisomem”, até no Fantástico já passou reportagem.
    .
    http://www.joanopolis.com.br/o-lobisomem.html

  162. Biasetto Diz:

    Só por curiosidade, se alguém não tiver o que fazer neste domingo, aqui tem mais de 800 fotos de minha cidade:
    .
    http://www.mundi.com.br/Fotos-Braganca-Paulista-2709164.html
    .
    Bom domingo a todos!

  163. Gilberto Diz:

    Olá, amigos. Realmente, tenho trabalhado muito e tentado catar os cacos de problemas familiares. E pra piorar travei as minhas costas e peguei uma gripe forte. Biasetto, você é mais que médium; você é grandem! Mas tá tudo bem. Estou vendo TV, navegando na Internet, brincando com o meu tablet novo, assistindo a “Plano 9 do Espaço Sideral” com a trilha sonora de sacanagem do grupo humorístico “Rifftrax”. (Uma das vantagens de se falar inglês). Minha mulher tá fora, então estou me entupindo de cookies de chocolate e de Coca-Cola Light! Um paraíso Nerd e Geek. Um superabraço a todos.

  164. Biasetto Diz:

    Gilberto,
    Acho que você não é daqueles que gosta de ficar “trocando figurinhas”, mas se tiver a fim de um papo “fora do ar”:
    .
    [email protected]
    .
    Fora isto, melhoras a ti.
    Manera na Coca-Cola hein!

  165. Biasetto Diz:

    Em tempo: PARABÉNS A TODAS AS MÃES, inclusive a MÃE DO CHICO, mesmo porque, se o Chico não psicografou, ela não mentiu mesmo.
    Além do mais, ela devia ser uma mulher muito boa, porque a morte dela, fez o Chico sofrer muito.
    Com certeza, não deve ser nada bom, perder a mãe!
    PARABÉNS E FELICIDADES A TODAS ELAS.

  166. Roberto Scur Diz:

    Biasetto,
    .
    Eu falei: “pelo que parece”, de parecer ser, ou seja, não dei certeza nenhuma. Falei antes que eu preferia que a mãe de Chico estivesse errada em relação à vida em Marte, mas que parece que “poderia” não estar.
    O problema de quem não acredita em nada é cultivar uma mente cristalizada, estacionária, e que no final das contas limita seu auto desenvolvimento e esconde suas fraquezas em um manto imaginário de autossuficiência e inteligência.
    .
    ” O TEMPO É CURTO. É imprescindível estarmos prontos e disponíveis para fazer o trabalho que se apresenta diante de nós. Não percamos momentos preciosos correndo atrás de ilusões efêmeras, que não nos levarão a nada.
    Acordemos do longo e pesado sono que nos entorpece os sentidos e, principalmente, a percepção espiritual, dificultando nossa compreensão do que é verdadeiro e perene.
    Façamos uso da prece e não nos permitamos adormecer de novo. Abandonemos definitivamente a atitude que nos afasta de Deus e traz sobre nós profundo sofrimento.
    É hora de despertar!
    Que Jesus, da luminosa morada onde nos aguarda há quase 2 mil anos, nos ajude a trilhar o caminho do bem, da renúncia e do amor, libertando nossas consciências e nossas vidas para iniciarmos a jornada da iluminação interior, rumo à perfeição, ao Criador.
    Amigo leitor, que a paz do Mestre envolva o seu coração, bem como nossa morada terrestre, em fulgurantes esperanças de renovação.”
    Prefácio do espírito Lucius no livro – A história se constrói diante de nossos olhos – Jornada dos Anjos, pela médium Sandra Carneiro.
    .
    Ou, na sinopse, “… Deus é puro amor, é a luz para a qual tudo converge. O planeta Terra está no limiar de uma nova era de renovação. A atuação desenfreada do mal perderá forças em nosso orbe.
    O tempo está se esgotando, bem como a oportunidade de novas encarnações na Terra para milhões e milhões de almas.”
    .
    Entonces, meu caro Biasa, ou embarcamos na sincera e honesta pesquisa pela verdade, sem descartar àquilo que por tantos milênios desprezamos em atitude acomodada e desta forma acordamos do letargio que as paixões humanas nos impõem, ou pegamos o bonde do tigrão e vamos passar uma temporada milenar num planetaço muito do atrasado. Lá iremos consumir todo este nosso “fogo” interior nas refregas e dificuldades extremas que o novo ambiente oferece. Vou adivinhar os pensamentos de alguns céticos:
    .
    “Ah, mas cadê Deus, cadê o tal do amor de Deus que deixa que morram as pessoas deste jeito tão cruel, que exila elas, snif, snif, que injustiça, que Deus malvado! Para que colocar os meninos levados de castigo no milho? Deixa eles bagunçarem, debocharem, desorganizarem a sociedade em que vivem sem temer as consequências, pô, qualé, não dá nem para ser malcriado, preguiçoso, egoistinha, materialista e indiferente? Não dá nem para admirar os argumentos de pessoas que não estão nem aí com os sofredores como os africanos que não podem comprar terninhos de almofadinhas afetados?
    .
    Não, não dá para aceitar este Deus aí, Jesus então nem se fala. Eles não estão nem aí para nós. Queremos é festa, curtir a vida, gozar, estar cheios de dinheiro para poder usufruir sem limites até se acabar. Vícios, prazeres, encher a cara, se pestear nos desregramentos de todo o tipo e depois botar a culpa neste Deus aí, neste Jesus que veio pobre e morreu pobre, que devia ser que nem o Chico, bonzinho demais. Pô, para que este Deus me dá este tal de livre arbítrio se eu não puder destruir minha vida, minhas energias, minhas capacidade do jeitinho que eu quiser, mesmo que também acabe prejudicando outras pessoas? Ah, assim eu não brinco mais!”
    .
    Aí Biasetto, o sujeito malvadinho, preguiçoso, indiferente e cabeça-dura vai se ver obrigado à servir de professor, líder, orientador instado a colocar ordem na bagunça que está lá no planetaço que está esperando por ele. Vai ficar com saudades do paraíso que ele vivia na Terra e vai escrever livros contando histórias de como ele “comeu a maça do pecado” e perdeu o “paraíso” tendo que trabalhar e não sei mais o quê.
    .
    Ah, mas eu não sei de nada sobre este planet, eu não vi nada, ninguém me “provou” nada, o Vitor não disse nada disso, não apareceu no noticiário, o Chico me “enganou” e isto eu provei, já a ciência só diz a verdade, é muito competente e não me enganaria que nem o Chico (tão competente que não consegue explicar coisas minúsculas do nosso cotidiano).
    Se toda esta turma legal, parceirões meus que eu admiro não acreditam em nada, porque razão eu iria acreditar? Nãããão, eu sou inteligente, eu não acredito nestes bonzinhos aí, que fazem caridade, que se preocupam com os outros, com os africanos pobres, com os miseráveis, com os leprosos que nem àquela freirinha que o Vitor disse que um dia vai detonar, a de Calcutá que gostava de cuidar de leproso. Nãããão. Não existe nada, tudo mentira, tudo farsa, papo-furado, tudo fanático. Hum! Pensam que me enganam?
    .
    Qualquer coisa, vai que dê alguma zebra aí, eu vou me garantir dizendo que o Vitor Moura me enganou, que o JCFF me aplicou uma com um texto verborrágico, e aí um me safo. Que nem eu estou fazendo agora dizendo que o Chico me enganou pois assim eu me safo de precisar “acordar” e agir diferente, coisa que não quero fazer mesmo.
    Preciso muito que este danado do Chico esteja mentindo, senão, senão tô frito pois ao invés de prestar atenção e criar juízo eu quis detonar justamente quem quis me ajudar.
    .
    Bom Biasetto, este texto aí é um tipo de diálogo que eu imagino que exista na tua moringueta e na de muitos outros “céticos”. Mas não vamos botar em risco nosso churrasco hein? Eu nunca disse que ia aceitar a tua conversão para a igreja do Vitor sem te dar uns cascudos.

  167. Paulo Diz:

    As vezes eu me pergunto se o Scur, acredita mesmo no que diz ou copia.
    Será que ele quer convencer alguém ou a si mesmo? Bom, isso eu deixo para o nosso psicólogo do blog que é bem mais qualificado do que eu.
    Primeiro- Já não está na hora Scur de tu deixar de ser preconceituoso e entender o que é ateísmo, ceticismo, moralidade, existencialismo ou humanismo? Você que prega a humildade, está sendo verdadeiro na parte referente a sua busca pelo conhecimento? Não acha mais sábio, beber em outras fontes ao invés de ficar diariamente se auto-programando na doutrina espírita?
    Olha a sua visão sobre os ateus:
    1)“mente cristalizada, estacionária”- Não será os crentes que merecem esses adjetivos, já que possuem a mesma visão dos pastores de ovelhas de 2.000 anos atrás? Uma visão de que todos os fenômenos naturais eram de uma vontade divina e vingadora.
    2)“manto imaginário de autossuficiência e inteligência”- Será que isso é ofensa? Acredito que não. Em um post você mesmo dizia que com pouca idade já estava formado, com uma empresa e começado a sua família. Parabéns! Você é auto-suficiente, inteligente e independente. Mérito seu!
    3)“Deixa eles bagunçarem, debocharem, desorganizarem a sociedade em que vivem sem temer as consequências…não dá nem para ser malcriado, preguiçoso, egoistinha, materialista e indiferente?”- As consequências será um castigo divino ou será nessa vida mesmo? Veja, isso é o que você pensa sobre os ateus…gente imoral, sem nada a perder, perturbadores da ordem. Isso eu nem vou comentar! A moralidade não é da religião.
    4)“Queremos é festa, curtir a vida, gozar, estar cheios de dinheiro para poder usufruir sem limites até se acabar. Vícios, prazeres, encher a cara, se pestear nos desregramentos de todo o tipo “ – Scur. Tu não gosta de festa, curtir a vida, dinheiro e gozar? Defina os seus limites e viva conforme eles. É simples!
    5)“este Deus me dá este tal de livre arbítrio se eu não puder destruir minha vida, minhas energias, minhas capacidade do jeitinho que eu quiser, mesmo que também acabe prejudicando outras pessoas?” – Outra vez, um moralismo cristão, repressor, uma visão manite ista e acreditando que quem não viver em sua cartilha é ruim e prejudica os demais.
    6)“Se toda esta turma legal, parceirões meus que eu admiro não acreditam em nada, porque razão eu iria acreditar?”- hehehehe ( sei que tu não gosta de minhas rizadas) . Scur, hoje para tu ser melhor aceito na sociedade, tu é praticamente obrigado a ser crente. A humanidade é um imenso rebanho ( o senhor é o meu pastor!) . Para ser ateu, tu tem que ir contra tudo isso e ter pensamento próprio. Ser preguiçoso é aceitar o que a maioria aceita. (religião)
    7)“eu não acredito nestes bonzinhos aí, que fazem caridade, que se preocupam com os outros”-
    Olha o seu pensamento:” A verdade está com quem pratica a caridade! Deve ser por isso que tu não coloca em dúvida a honestidade do Chico: “ Ele era bom, logo era honesto…ele era bom, logo os fantasminhas existem!” Platão deve estar com inveja dessa conclusão!
    Scur, terei imenso prazer em enviar para o seu e-mail ( caso aceite) alguns e-books sobre esses temas para que assim, tu tenha uma visão mais ampla e com isso, uma melhor liberdade de escolha. Pode continuar a ter essa sua visão…sem problemas, mas dê uma chance a si mesmo, sem olhar resumos, vídeos do you-tube. Estude pelo menos para entender o que leva outros a não ver lógica nenhuma em suas crenças.

  168. Vitor Diz:

    No ponto 5, o Scur continua insistindo erroneamente na existência do livre-arbítrio. Scur, o livre-arbítrio não existe. Isso é FATO! Leia:
    .
    http://calmariatempestade.wordpress.com/2010/06/26/religiao-espiritualismo-e-ciencia-uma-relacao-complicada/
    .

  169. Paulo Diz:

    Vitor, essa foi uma grande contribuição do seu blog. Eu desconhecia esse tema. Gracias!

  170. Biasetto Diz:

    Vítor,
    Muito interessante este link que você sugeriu.
    Não cheguei a lê-lo na íntegra, mas pude verificar que há várias informações muito coerentes.
    Gostei desta passagem:
    .
    Minha experiência pessoal com os espíritas é, no geral, positiva. São pessoas facilmente engajáveis em conversas e discussões civilizadas e educadas, além de serem muito sensíveis e, muitos deles, bastante cultos. No entanto, críticas a esta doutrina nem sempre são muito bem recebidas, muitas vezes sendo levadas para o lado pessoal. Tanto pior se as críticas forem dirigidas a sua figura maior no Brasil, Chico Xavier. Estas são ainda mais mal recebidas, sendo geralmente rebatidas com referências ao seu imenso trabalho de caridade, como se isso tivesse algo haver com a questão sobre sua suposta mediunidade.
    Meu maior problema com o espiritismo está no fato de que esta doutrina parece induzir, em seus seguidores, uma síndrome “do acreditar em tudo”.
    .
    As palavras acima, um fragmento do texto lá (não identifiquei o nome do autor), tem tudo, exatamente tudo a ver com o que penso.
    .
    Repetindo o link, para dar crédito ao trecho que colei:
    .
    http://calmariatempestade.wordpress.com/2010/06/26/religiao-espiritualismo-e-ciencia-uma-relacao-complicada/

  171. Carlos Diz:

    Paulo,
    .
    Legal seu comentário direcionado ao Scur. Não gostaria de personalizar o comentário que segue, mas sei que é difícil… Gostaria muito mais de comentar sobre o modo como pessoas como o Scur pensam e enxergam as pessoas que não pensam como ele.
    .
    O pensamento Scuriano é bem simples: eu possuo a verdade, logo os que não pensam como eu estão no caminho errado e portanto precisam ser reconduzidos ao bom caminho. Qualquer semelhança com a parábola da “ovelha desgarrada” (no caso a figura emblemática do Vitor) não é mera coincidência. Pessoas assim no fundo escondem uma profunda insegurança (criticam sistematicamente os outros que tomam decisões diferentes das dele) e/ou um enorme orgulho (afinal eles detém a verdade). Não há o que fazer, porque não há como dialogar com alguém que só tem certezas…
    .
    Nos longos anos que frequentei centros espíritas aprendi algumas coisas boas. Uma delas é a estória do cara que retorna ao plano espiritual e diz: estou com a consciência tranquila, combati as trevas de ignorância, não dei trégua ao pecado, apontei erros, fiz todo o bem que podia… aguardo, portanto, o meu merecido lugar entre os eleitos… e estou pronto para olhar a face de deus. Ao que lhe é respondido: o deus que você procura não está aqui… mas você pode vê-lo… ele está em você mesmo… você é o seu próprio deus!
    .
    O pensamento Scuriano também pode ser encontrado em Jorge, o “venerável” ancião do romance “O Nome da Rosa” de Umberto Eco. Ele foi capaz de matar para não revelar o segredo que poderia comprometer a sagrada revelação do evangelho: o riso… Rir do pretenso conhecimento dos livros santos, rir de si mesmo e, enfim, rir do próprio Jorge que dedicou a vida ao “senhor” se privando de tudo de bom e belo que a vida oferece.
    .
    Desculpe-me o longo comentário. Hoje a patroa estava um doce, fez um belo dia de sol em Sampa e minha fiha de 5 anos me disse que eu estava lindo depois de cortar o cabelo com máquina 3! Já viu né…

  172. Biasetto Diz:

    Olá Carlos,
    Não se desculpe pelo longo comentário (nem é tão longo!), porque suas colocações são sempre bem vindas.
    Você citou O Nome da Rosa. Por tua indicação, eu estava lendo o livro, mas interrompi. Ainda vou concluí-lo. Tem sido uma loucura minha vida, muito trabalho, tudo que é colocado, sugerido aqui no blog. Andei fazendo umas pesquisas também…
    Mas a gente chega lá!
    Quanto ao Scur, me interesso por muitas coisas que ele diz, que ele pensa. Só que ele é muito centrado na “idéia dele” – já falei isto pro Gaúcho teimoso e, aliás, isto ele é de monte: TEIMOSO!!!
    Este tema que ele colocou ontem aqui, sobre Marte, por exemplo, é algo que me atrai – na adolescência li “Eram os Deuses Astronautas?”, do Daniken, fiquei muito influenciado por esta obra. Sempre tive simpatia pelo fenômeno ufo, vida extra-terrestre…
    Só que eu, com o passar, dos anos, também me tornei muito seletivo com relação às estes temas. Sou mais descrente do que crente, sobre tudo que falam sobre o assunto. Porém, num universo com 100 bilhões de galáxias, não me surpreenderia em nada, se um dia ficássemos sabendo que existe vida em milhares de planetas. Contudo, como disse, lido com o tema, com muitas ressalvas.
    De cada dez livros lançados nesta linha, achar um que preste, já é lucro.
    E como as bobagens, no segmento ufo e espírita ou esotérico, se reproduzem como aqueles bichinhos – os gremlins (se lembram deste filme?), então fica fácil para os céticos, críticos e ateus encherem seus blogs e sites com “pérolas do conhecimento humano”.
    Um abraço!
    .
    Vítor, acabei de te passar um email.
    Valeu pelas dicas.

  173. Paulo Diz:

    Legal essa cidade Biasetto! Gostei do
    “TURISMO DO IMAGINÁRIO”

  174. Carlos Diz:

    Olá Biasetto,
    .
    Também fui bastante influenciado pelo “Eram os Deuses Astronautas”. No fundo é bem mais excitante acreditar que a evolução teria sido facilitada por deuses astronautas, não é?
    .
    Outro abraço

  175. Carlos Diz:

    Vitor,
    .
    Muito bom o artigo que você indicou. Sobre o livre-arbítrio me limito ao verso do Chico Buarque que, mesmo sem conhecer neurociência, sabia que “há distância entre intenção e gesto”.

  176. Biasetto Diz:

    Paulo,
    Joanópolis é uma cidadezinha (12 mil habitantes) que fica a 30 km de minha cidade (Bragança Paulista). Se você gostou da história do “turismo imaginário”, dê uma olhada neste vídeo:
    .
    http://www.youtube.com/watch?v=OPhd3dBVvrg
    .
    A região é bonita, tem uma grande represa, algumas opções de trilha, uma bela cachoeira, muito legal.
    .
    Quem mora na cidade de São Paulo, por exemplo, é uma região intressante pra se visitar num fim de semana. Tem umas pousadas…
    .
    Se alguém do blog, se interessar, me avisa que vamos juntos.
    .
    Bem, fiz propaganda da cidade de Joanópolis…

  177. Biasetto Diz:

    Carlos,
    Exatamente! Estas histórias são bem fascinantes, pelo menos pra mim.
    Há uns meses atrás, assisti a uma série de programas, não sei se foi na NatGeo ou no HistoryChanel, sobre os “Astronautas do Além”, algo assim. Muitas coisas interessantes foram mostradas. Algumas bem intrigantes mesmo. Porém, fica sempre aquele problema de uma prova mais concreta.
    Então, é melhor a gente pisar no chão, viver no mundo real.
    Você conhece a série de livros do escritor espanhol J. J. Benitez – como “Operação Cavalo de Tróia” e “Os Astronautas de Iavé”?

  178. Vitor Diz:

    Biasetto,
    Eu conheço os livros do Benitez. O que tem?
    .
    Te mandei um email tem um tempinho.

  179. Biasetto Diz:

    Vítor,
    Os livros do Benitez seguem a linha dos Daniken, só que são bem mais “fantasiosos”. eu acho.
    .
    Sobre o email,
    O contexto brasileiro era bem diferente, não vejo lógica na justificativa apontada lá. Não tem nada a ver.
    Nunca li nada a este respeito, pura bobagem!

  180. Biasetto Diz:

    Vítor,
    Eu vou melhorar o comentário lá.

  181. Carlos Diz:

    Biasetto,
    .
    Pois é… Quando percebi que Daniken queria tornar real o que era apenas ficção me desinteressei pelo assunto. Veja, eu gosto de ficção científica (filmes ou livros); não esqueço os bons momentos que passei lendo a coleção de Julio Verne na adolescência. Porém, aquilo lá é ficção e como tal deve ser lido e admirado.
    .
    Não conheço os livros do Benitez. Li alguma coisa do Carlos Castaneda, mas acho que não era a mesma temática do Benitez. O Castaneda procurava o conhecimento através de estados alterados da consciência. Isso também me lembra Raul Seixas, que na época fazia sucesso com “Metamorfose Ambulante”; o clima na época era bem diferente, não há dúvida!

  182. Biasetto Diz:

    Carlos,
    Até acho que o que a gente chama de ficção, de repente pode ter muitas verdades. Além disso, o que é ficção hoje, pode ser real amanhã, especialmente no que se refere à tecnologia, pois a história tem mostrado isto.
    Só que tem coisas que são demais forçadas.
    O Daniken me pareceu, sempre, uma pessoa séria, com ideias interessantes. Mas, obviamente, assim como acontece com outros escritores, acaba surgindo a questão do interesse comercial, o contrato com a editora e aí, a coisa muda.
    .
    Tem um livro do Daniken, não sei se você leu, acho que seria interessante até o Vítor dar uma olhada, que se chama “Aparições” – me lembro de uma foto deste livro, em que uma pessoa está expelindo ectoplasma! Me marcou bastante esta foto. Quando li este livro, faz bem anos, eu nem tinha lido os livros do Chico ainda.

  183. Biasetto Diz:

    Valeu! Boa noite, boa semana…

  184. Luciana Diz:

    Impressionante, eu pensei que discussões acaloradas como essa só ocorriam entre teólogos cristãos.

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)