A Reencarnação é Compatível com a Biologia e com a Evolução?

Este texto, do biólogo Julio César Siqueira, trata-se de uma tentativa de compatibilizar a reencarnação – e espíritos – à luz do conhecimento científico atual. Eu penso que o texto também mostra que não precisamos atrelar necessariamente a existência de espíritos com a existência de Deus, ou seja, espíritos poderiam existir sem terem sido criados por Deus algum. Também não precisamos supor que a reencarnação implique em qualquer ‘Justiça Divina’, débitos cármicos ou coisa semelhante.

A reencarnação e a sobrevivência pós morte fazem bastante sentido à luz da biologia e à luz do darwinismo. Afinal de contas, é justamente isso que os organismos vivos fazem o tempo todo: sobreviver e reencarnar. Vírus reencarnam (mudam de hospedeiro para hospedeiro), genes reencarnam, parasitas os mais diversos reencarnam, etc. Ideias também reencarnam. Então a questão não é se tais eventos fazem sentido ou não à luz da biologia e do darwinismo. A questão é, o quê estaria reencarnando, o quê estaria sobrevivendo, e como se daria (qual o mecanismo efetor de) tais reencarnações e sobrevivências. Se utilizarmos a hipótese de que existem espíritos, então tais espíritos seriam módulos capazes de processamento de informação e seriam agentes autônomos. Talvez os espíritos tenham aparecido apenas nos animais mais "superiores" (como antropóides e cetáceos). Ou seja, talvez sejam fruto da evolução e tenham aparecido como um desenvolvimento do cérebro de tais seres vivos. Faz sentido sim que tais entidades (espíritos) tentem a sobrevivência autônoma. Isso acontece com algumas células nossas, as células cancerosas, que buscam, através da quebra das regras, sobreviver no modo freelancer individualmente e eternamente (imortalmente). Uma das hipóteses para a origem dos vírus é também justamente essa, de que tais entidades eram partes de genomais maiores e que desenvolveram autonomia. Uma outra possibilidade é que espíritos sejam parasitas em contato com corpos humanos. Com o passar do tempo, tal parasitismo começa a ficar mais simbiótico. Enfim, sentido à luz da biologia faz. Mas se é verdade ou não, quem sabe?

238 respostas a “A Reencarnação é Compatível com a Biologia e com a Evolução?”

  1. Jose Dias Diz:

    A diferença é que o mecanismo dos processos físicos que você descreveu é conhecido.

    Já a física que regeria o espírito se acoplando ao corpo físico extrapola qualquer conhecimento que a ciência tenha chegado até agora.

    Como pode um espírito, que é imaterial, alterar o cérebro, que é material? Que leis regem este processo? Por que nunca foram observadas por instrumentos?

  2. Vitor Diz:

    Caro Jose Dias,
    sobre como o imaterial poderia interagir com o material, se entendemos imaterialidade como característica dos sistemas com massa de repouso nula, a todo momento estamos vendo interações do imaterial com o material. O caso luz/olhos seria um exemplo. Então, é bem possível que a comunicação espírito/cérebro seja análoga à interação luz/olhos. Mas sugiro para você a leitura do livro de Douglas M. Stokes chamado “Consciouness and the Physical World” , disponível gratuitamente na internet. Vou selecionar aqui os trechos que fazem referência às suas indagações:
    .
    “Levin (2000) argues that dualist interaction would involve a violation of the law of the conservation of energy. However, the noted philosopher Karl Popper has suggested that the mind may have its own source of (presumably physical) energy. Under this view, the mind would be a sort of quasiphysical object that might be capable of greater influence on the brain than that allowed by the Heisenberg uncertainty principle of quantum mechanics. Popper even went so far as to assert that the law of energy is only “statistically valid” (Popper & Eccles, 1977, p.541). Without going to this extreme, it could be argued that mind is capable of exerting some force on some of the material particles in the brain. Also, we are a long way from having measured with precision every minute energy transaction in human brains. In the process of doing so, it is conceivable that some unexpected energy transaction may be observed. If science should progress to the point where the action of spheres of consciousness on energy transactions within the brain can somehow be mathematically (or otherwise) described, this might be a victory for the contention that immaterial minds can exert physical force. If such spheres of consciousness are identified with known material particles and system, the physicalists could claim victory. If not, the dualists could so declare.
    .
    If spheres of consciousness could exert some sort of physical force, it is likely that they would be declared as a new form of physical matter or energy, resulting in a victory for the physicalists. If the present day physicalists opine that all physical particles have already been discovered, this may only be evidence for the psychological tendency toward premature closure, in that they fervently wish to believe that they already possess virtually complete understanding of the universe. But such a declaration could only be the worst form of arrogance in view of the fact, already noted, that physicists have only recently discovered the existence of dark energy, which is now believed to comprise three-quarters of the matter-energy in the universe.
    Many writers (e.g., Beck, 1994; Bohr, 1958; Eddington, 1935; Hameroff, 1994; Hodgson, 1991, 2005a; Leggett, 1987a, 1987b; Margenau, 1984; Penrose, 1994; Squires, 1990; Stapp, 1992, 1996; Walker, 2000) have noted that the classical deterministic theory of Newtonian physics has been replaced with the indeterminism of quantum mechanics, in which many possible futures may arise from a given present state of the universe, and have suggested that the conscious mind or “free will” may act on the brain by selecting a particular quantum state (i.e. forcing the quantum mechanical state vector to “collapse” to a desired outcome). In fact, Eccles (1953, p. 285) noted that the brain is just “the sort of machine a ‘ghost’ could operate,” as its functioning is dependent on minute electrical potentials and the motions of neurotransmitters and calcium ions. Thus, in Eccles’ view, at least as expressed in his later writings (e.g., Eccles, 1989), changes in macroscopic brain activity may be brought about without violating the limits of indeterminacy allowed under the theory of quantum mechanics.
    .
    A similar view has been expressed more recently by physicist Henry Stapp (2005b), who asserts that quantum mechanical laws must be used to describe the process of exocytosis (the emission of neurotransmitters into the synaptic cleft), citing empirical research in support of this assertion (Schwartz, Stapp & Beauregard, 2005). In particular, Stapp notes that the “quantum Zeno effect” (maintaining a quantum state through repeated observation) provides a means whereby conscious minds could act on the physical brain, namely by holding the brain in a particular state. He cites William James’ observation that the role of conscious attention is to preserve brain states in support of this view. He also notes that Pashler (1998) has observed that consciousness may act as an information-processing bottleneck in this regard.
    .
    Contrary views have been expressed by Jaswal (2005) and Clark (2005a), among others, who argue that any such influence on quantum mechanical processes would lead to a violation of the statistical predictions of quantum mechanics and the principle that the outcome of quantum mechanical processes are randomly determined. Such influence would therefore constitute a violation of the laws of physics.
    .
    First of all, it should be noted, as many observers have argued, that description of the universe afforded by the laws of quantum mechanics is incomplete. Also, no one has provided, or likely ever will provide, a complete description of the quantum state of any brain at any time. We may discover new entities or processes that may be identified with the so-called “hidden variables” that determine the outcomes of quantum processes. Also, quantum mechanical outcomes may indeed be random in simple physical systems, but may be less random in certain complex systems, such as human brains, in which the observing consciousnesses may have a more vested interest. It may also be that such consciousnesses enjoy a closer physical proximity to physical brains, on the view that quasi-physical spheres of consciousness may be, at least, temporarily, somehow “stuck” in physical brains.
    .
    Thus, it might turn out that the outcomes of quantum processes inside complex systems such as brains are not randomly determined but are governed by fields of consciousness, whereas those in simpler systems are not so governed. Also, many parapsychological researchers, going back to Schmidt (1969, 1970), have produced evidence that conscious minds may be capable of determining, or at least biasing, the outcomes of quantum processes, as will be discussed in more detail in subsequent chapters.
    .
    Having discussed the general framework, we will now consider specific versions of dualistic interaction that have been proposed in recent times.”

    .
    O neurocientista Benjamin Libet também tem um artigo muito bom chamado “Reflections on the interaction of the mind and brain”, publicado numa revista científica altamente conceituada. Eis o resumo do artigo:
    .
    Problems associated with the topic of the mind–brain interaction are reviewed and analyzed. If there is an interaction, then the ‘‘mind’’ and ‘‘brain’’ are independent variables; the mind represents subjective experience and is therefore a non-physical phenomenon. This fact led to the need for a field theory, termed here the ‘‘cerebral mental field’’ (CMF). By definition, the CMF is a system property produced by the appropriate activities of billions of neurons. An experimental test of this theory is possible and a test design is presented. The most direct experimental evidence has been obtained by use of intracranial stimulating and recording electrodes. Important information has also been developed, however, with extracranial imaging techniques. These can be very fast (in ms), but the cerebral neuronal events that produce changes in physiological properties require a time delay for their processing. A number of surprising time factors affecting the appearance of a subjective somatosensory experience are described, and their wider implications are discussed. Among these is a delay (up to 0.5 s) in the generation of a sensory awareness. Thus, unconscious cerebral processes precede a subjective sensory experience. If this can be generalized to all kinds of subjective experiences, it would mean that all mental events begin unconsciously and not just those that never become conscious. In spite of the delay for a sensory experience, subjectively there appears to be no delay. Evidence was developed to demonstrate that this phenomenon depends on an antedating of the delayed experience. There is a subjective referral backward in time to coincide with the time of the primary cortical response to the earliest arriving sensory signal. The subjective referral in time is analogous to the well-known subjective referral in space. In conclusion, features of the CMF can be correlated with brain events, even though the CMF is non-physical, by study of subjective reports from the human subject.

  3. Marciano Diz:

    Deixamos deuses de lado, já considero isto um progreso.
    A tônica continua, entretanto, o inconformismo com o fim da consciência, da existência.
    Precisamos encontrar um meio de perpetuar nossa consciência/existência, isto é muito confortável.
    Se quisermos chamar o espírito imaterial de mente, faz bastante sentido para mim. Seria como um software instalado num hardware. Só que com a morte do hardware o imaterial software não tem como continuar existindo.
    Podemos instalá-lo em outro hardware, mas só seria o mesmo software se considerarmos que softwares idênticos instalados em hardwares diversos são o mesmo. Não são. A gente vai mudando a interface, personalizando, instalando widgets. Com a mente é a mesma coisa. Quando o cérebro morre, a mente morre junto com ele. Qualquer outra mente que surja (e surgem, a todo momento) não é a mesma.
    Grandes pensadores, grandes cientistas, infelizmente, também são mortais e sentem a mesma insegurança e desconforto que as pessoas comuns ou até muito burrar. Precisam encontrar conforto na perpetuação de sua existência e naquela das pessoas que amam.
    Por isso o Conan Doyle passou a ser espírita depois que o filho morreu. Como ele, muita gente. Brilhante ou não.

  4. Marciano Diz:

    1. O fato de mentes brilhantes serem mortais e buscarem a imortalidade compromete bastante seu raciocínio. É o famoso bias.
    Quem não sente necessidade compulsiva de imortalidade, não procura por ela, então não faz estudos nessa área. Quem procura já está comprometido com o resultado almejado, mesmo não tendo plena consciência disso. Acha que está pesquisando livremente mas na verdade está procurando confirmar suas expectativas.
    2. Talvez existam, mas eu nunca vi um estudo que sobre reencarnação, paranormalidade ou coisa que o valha que tenha concluído pela inexistência do fenômeno pesquisado.
    3. Cientistas já buscaram pelo éter, nada encontraram, chegaram à conclusão de que não existe.
    4. Já procuraram por neutrinos que excedam a velocidade da luz, não encontrar.
    5. Já procuraram por fusão a frio, não encontraram.
    6. Já procuraram vida extraterrestre, até fóssil de bactéria serve, não encontraram.
    7. Quando procuram paranormalidade, reencarnação, sempre encontram alguma coisa.

  5. NVF Diz:

    “Eu penso que o texto também mostra que não precisamos atrelar necessariamente a existência de espíritos com a existência de Deus, ou seja, espíritos poderiam existir sem terem sido criados por Deus algum. Também não precisamos supor que a reencarnação implique em qualquer ‘Justiça Divina’, débitos cármicos ou coisa semelhante. ”
    .
    Legal! Eu sempre pensei assim e não imaginava que tantas pessoas, como aqui, pensassem igualmente.

  6. NVF Diz:

    Existem humanos (encarnados) e, mesmo assim, crê-se na não existência de Deus. Ora, pode haver espíritos e ainda assim sustentar-se a mesma ausência.
    .
    Pra mim, por ora, os espíritos são apenas mais um dos elementos naturais existentes, como os humanos encarnados, os animais e as coisas. Existir espíritos, seria apenas mais um elemento natural, não necessariamente uma prova da existência de Deus.
    .
    Deus pode não existir. Ou, talvez, Deus não é do jeito que todos já imaginaram. Mas isso não exclui a existência dos espíritos, assim como as aparentes fraudes dos médiuns, como CX, não excluem a existência dos espíritos.
    .
    OBS.: Ao que parece, grande parte dos espíritos mantém a fé na existência de Deus, após o desencarne. Daí a confusão.
    .
    Não sou imparcial para afirmar a inexistência dos espíritos, pois tenho vivências pessoais intensas que me induzem fortemente a admitir a existência do espírito.
    .
    O que sou convicto, no momento, é que ninguém descobriu totalmente como funciona a sistemática de atuação da alma após a morte. Na verdade, creio que Allan Kardec fez a melhor tentativa, apesar de seu posterior e rápido deslumbramento.
    .
    Penso que, talvez, 20% de “O Livro dos Espíritos” possa servir de base para a continuidade dos estudos sobre a vida espiritual. E que a prática, o “ver para crer”, é absolutamente imprescindível, juntamente com o auto controle, para se evitar o deslumbramento.

  7. Antonio G. - POA Diz:

    Vitor, boa abordagem. Por este caminho, que torna não obrigatória a existência mágica de um Deus todo poderoso como requisito para a existência de espíritos, eu até consigo ponderar um pouco melhor a hipótese. Mas uma hipótese ainda não testada.
    Como não se trata de um texto científico – a primeira frase parece um prefácio de uma obra doutrinária – a especulação é válida, e a hipótese (a da existência de espíritos) é interessante. Só estão faltando melhores evidências.
    Abraço.

  8. Gorducho Diz:

    Acho que não se deve negar a priori nem ter preconceito em investigar seriamente essas HIPÓTESES.
    Até onde pude perceber, a melhor proposta nesse sentido foi a do Institut Métapsychique (Paris) “original” – ainda existe porém agora aparentemente adotou o paradigma da parapsicologia. Há 2 livros que tratam do assunto, porém não conseguí lê-los na INTERNET…

    Les aventuriers de l’esprit, Gregory Gutierez, 2005.
    (era membro do IMI na época)
    (Profa. da Un. of Guelf) Sofie Lachapelle. Investigating the Supernatural, 2011.
    A meu ver essa temática foi muito prejudicada pela histórica associação com Místicos, esdrúxulas inferências Religiosas, o Conan Doyle e suas fadinhas, &c. Isso fez o tema cair no ridículo, prejudicando possíveis, e a meu ver pertinentes, investigações sérias.

  9. Marden Diz:

    Vitor,
    .
    Penso que o Roberto Scur não deveria ser impedido de opinar aqui no blog. Vou explicar meu ponto de vista. Sempre fui desde o começo, favorável mais à discussões de ideias, do que o bate boca que acontece com alguns dos que aqui opinam. E procurei dar o exemplo e exigir o mesmo de meus interlocutores.
    .
    Portanto, como não tem uma politica de comentários no blog (deveria ter uma política bem explícita no rodapé também), penso que o Roberto Scur esteja sendo prejudicado. E que sua decisão foi um tanto quanto arbitrária. Claro que sei que o comportamento do Scur aqui no blog é de um casca grossa com muitos, mas veja por outro lado, comigo por exemplo ele nunca faltou ou respeito e olha que as vezes sou muito duro nas palavras e sei que elas podem ferir ou magoar alguns, incluindo Kardecistas.
    .
    Acredito que com uma politica de comentários, os que passassem a desrespeitar a partir do dia em que ela for criada, ai sim, caberia as moderações, punições e/ou expulsões. Poderia fazer parte desta politica, não falar das pessoas que aqui comentam e sim de suas ideias ou doutrinas. Se for citar pessoas alheias como referência (de alguma matéria por exemplo), deixar sempre um link que abone, citar a fonte.
    .
    Penso que você já deva ter uma política de comentários em mente, agora só falta deixar isso bem claro para nós ok?

  10. Marden Diz:

    Em 1900 o médico brasileiro Antônio Pinheiro Guedes em sua obra Ciência Espírita (http://goo.gl/qFQ3N) já falava sobre a lei da reencarnação
    .
    “A lei da reencarnação
    .
    Nascer, viver, morrer; tornar a nascer e renascer ainda; progredir sempre.
    .
    Destas considerações resulta clara e evidentemente que a reencarnação é uma necessidade indefectível, é uma lei psíquica à que o espírito humano está sujeito.
    É nela e só por ela, que a alma humana pode, perlustrando a vida da perfectibilidade, realizar o seu progresso, aperfeiçoar-se, depurar-se e elevar-se na escala dos seres à categoria superior de espírito puro.
    O espírito puro não tem mais necessidade, não carece de tomar um corpo carnal para evoluir e trabalhar neste mundo; porque completou o seu tirocínio, tendo atingido o grau de adiantamento intelectual e moral que ele pode proporcionar.
    A reencarnação, além de ser uma necessidade, pois que sem ela o espírito não pode aperfeiçoar-se; é também o meio de que ele pode socorrer-se para reparar as suas falhas, provando assim um arrependimento sincero.
    Uma vida, uma existência corpórea, por mais longa que seja, é insuficiente, incontestavelmente, para a criatura, por mais inteligente que seja, adquirir a totalidade dos conhecimento, que são o cabedal, os tesouros da humanidade.
    Demais, a inteligência desenvolve-se, evolui, como tudo no Universo; não surge completa, perfeita, como Minerva da “cabeça de Júpiter”.
    Se um aluno perde o ano, por desídia, por não haver estudado ou porque sua inteligência não é bastante lúcida; ele não fica inibido, seu pai não o priva de repetir o curso, antes anima-o, compele-o mesmo a fazê-lo.
    Por que, pois, há de o Grande Foco impedir suas partículas, as criaturas, de repetirem o curso desta escola, privando-se assim do único recurso, de que podem dispor, para aprender as lições racionais e Científicas já explanadas por Jesus, e que também ensinou-nos a amar ao próximo como a nós mesmos?
    — Onde está esse, que tenha dado provas positivas de saber a lição, imitando Jesus, em uma única existência?
    — Como, pois, atribuir à Bondade Infinita a crueldade sem nome de tolher a criatura, tirando-lhe a possibilidade única de ser discípulo aproveitado, como todos devem e hão de ser, da Verdade!?
    — Não; tal coisa não é possível. O Grande Foco não comete iniqüidades.
    Se a criatura fosse feitura direta do Grande Foco, seria pura e perfeita; não estaria cheia de iniqüidades; se está cheia de iniqüidades, está impura, é imperfeita; mas, como Essência, como Força, é uma partícula do Grande Foco.
    Para que a criatura venha, como alma, a confundir-se com o Grande Foco e seja luz puríssima semelhante a Ele, tem de aperfeiçoar-se, dia a dia, deve purificar-se.
    Mas o Grande Foco é infinito; a perfeição é infinita; logo a criatura é perfectível; mas não pode atingir o alvo, não pode aproximar-se do modelo, sem perlustrar o caminho da perfeição, que é, não pode deixar de ser infinito.
    Portanto, são necessárias jornadas sucessivas e infinitas para percorrê-lo.
    Essas jornadas da alma são as existências sucessivas — as reencarnações do espírito.
    A reencarnação é, pois, uma lei; a lei do progresso espiritual, que não pode ser frustrada; à qual todos os espíritos devem submeter-se, absoluta e necessariamente; todos, sem exceção de um só, e ab initio in oeternum.”
    .
    Livro Ciência Espírita: http://goo.gl/qFQ3N

  11. Marciano Diz:

    Reencarnação seria uma coisa muito boa, desde que a gente se lembrasse de tudo.
    Reset.
    Do jeito que vocês a entendem, parace mais com formataçao do hd. Formatação incondicional (format/u).

  12. Marden Diz:

    Antônio G.
    .
    “A reencarnação, além de ser uma necessidade, pois que sem ela o espírito não pode aperfeiçoar-se; é também o meio de que ele pode socorrer-se para reparar as suas falhas, provando assim um arrependimento sincero.”
    .
    Essa frase resume um pouco sobre nossa ultima conversa e além do arrependimento sincero, também haveria (no exemplo que citei anteriormente) um perdão sincero. Portanto sendo a reencarnação, além de necessária à evolução do espirito, um mecanismo de justiça.

  13. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    “Reencarnação seria uma coisa muito boa, desde que a gente se lembrasse de tudo. ”
    .
    Pelo, contrário, se lembrássemos de tudo ai que não seria uma boa coisa e não atingiria o seu fim, seu objetivo. Tomemos como exemplo o caso de Antônio G. que havia dito que não perdoaria o assino (intencional ou acidental) de um filho seu. Então sugeri que em alguma outra encarnação, esse que foi o assassino de um de seus filhos, poderia se tornar adiante algum parente dele, podendo inclusive exercer o papel de uma futura mãe.

  14. Marden Diz:

    Jose Dias,
    .
    Sobre suas indagações: “Como pode um espírito, que é imaterial, alterar o cérebro, que é material? Que leis regem este processo? Por que nunca foram observadas por instrumentos? ”
    .
    De acordo com a doutrina racionalista cristã e testificada pelo médico Antônio Pinheiro Guedes, o espirito não age diretamente sobre a matéria, necessitando portanto de um elo de ligação. Esse elo seria o corpo astral, perispírito, carro da alma. As leis são leis espirituais, que fazem parte do conjunto de leis naturais e imutáveis que regem o universo.
    .
    E por último você indaga: Porque nunca foram observados por instrumentos? Quero lembrar-te que o Espiritismo é uma ciência de observação, tal qual a astronomia. Ambas necessitam de um instrumento para a observação dos fenômenos. Na astronomia esse instrumento é o telescópio e no Espiritismo o instrumento é o médium.
    .
    Caso queira aprofundar no assunto, deixo o livro Ciência Espírita para futuras consultas: http://goo.gl/qFQ3N

  15. Marciano Diz:

    Marden,
    Os telescópios são instrumentos confiáveis, não mentem, não fingem, não têm orgulho, vaidade, ambição.
    Já os mediuns…

  16. Guerreiro Diz:

    A mente humana é muita mais complexa do que um HD, tem pouco sentido compará-la com a informática. Alguns até acreditam que no futuro as informações seriam implantadas diretamente no cérebro, como num “download”. As escolas do futuro funcionariam assim.
    .
    Mas essa idéia, para mim, é fantasista: mesmo que você pudesse colocar todas as informações na mente de uma pessoa, ela se lembraria de tudo? Provavelmente não. Se ela odiasse matemática e física esqueceria as informações referentes a essas matérias.
    .
    Fora aquelas situações quando esquecemos certas informações apesar de importantes e de estarmos interessados nelas: como quando queremos achar um objeto e não sabemos onde o colocamos pela última vez…

  17. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    “Os telescópios são instrumentos confiáveis, não mentem, não fingem, não têm orgulho, vaidade, ambição.
    Já os mediuns… ”
    .
    Um telescópio obsoleto, que apresente sujeiras no seu interior, desregulado, com falhas mecânicas e que não esteja em um local adequado para melhores observações, fará leituras imprecisas dos fenômenos a serem estudados.
    .
    O mesmo se dá com o médium. Um médium viciado em religiosidade, viciado na bebida (como ocorre em muitas casas de magias negras, do baixo espiritismo), que não tem uma vida disciplinada e regulada, que não tem horas para tudo, que vive mendigando favores e proteções divinas, com certeza as observações obtidas desses médiuns, não poderia ser outra além de incertezas, inverdades e misticismo.
    .
    Um médico que esquece uma tesoura dentro da barriga de um paciente, comete um erro, certo? Mas isso não quer dizer que todos os demais médicos também irão esquecer tesouras em seus pacientes um dia. O médico atento, disciplinado, preventivo, estudioso e que toma todos os cuidados assépticos, tem menor chance de errar.
    .
    Portanto, de forma análoga, podemos dizer que o mesmo se dá com os médiuns. Se tivesse prestados mais atenção em tudo o que venho falando, demonstrando e comprovando, saberia que o Racionalismo Cristão tem disciplinas e métodos próprios, que são aplicados à todos os que passam a trabalhar nesta nobre causa, que é o esclarecimento da humanidade. E o médium, por ser a base de estudo do Espiritismo, tem uma disciplina mais rígida, mais rigorosa ainda.

  18. Marciano Diz:

    Marden,
    A diferença é que nenhum astrônomo vai usar um telescópio obsoleto, que apresente sujeiras no seu interior, desregulado, com falhas mecânicas e que não esteja em um local adequado para melhores observações.
    Você acha que o cx era um médium viciado em religiosidade? Eu acho, só falava em deus, Jesus. No entanto, é considerado o papa do espiritismo, reverenciado como um santo.
    DPF também é super religioso, basta ver tudo o que escreve e o que fala nas palestras e entrevistas. É considerado o sucessor de cx.
    LHDR não era médium, mas é o pai do espiritismo, o “codificador” da DE, veja qualquer um dos livros dele, é deus e Jesus pra todo lado.
    Todos desregulados, pelo seu critério.
    Você fala em baixo espiritismo. Lembra-me a baixa prostituição, muita gente usa as duas expressões. Se existe uma baixa prostituição, implica que existiria uma alta prostituição. O baixo espiritismo (umbanda, candomblé?) nos leva, a contrario sensu, a um alto espiritismo. Seria o kardecismo? Ou o racionalismo cristão?
    O médico que esquece uma tesoura dentro da barriga de um paciente comete um crime culposo, por negligência.
    “Graças a deus” este tipo de médico é exceção. Compare com a proporção de médiuns que se dedicam ao baixo espiritismo, magia negra, bebidas, favores e proteções divinas e humanas.
    Veja o que qualquer kardecista pensa do racionalismo cristão. Andei perguntando a alguns que conheço, alguns nem conheciam, outros disseram que era obra de espíritos orgulhosos, que se afastaram da DE, teve quem dissesse que foi criado por gente que não aceita a doutrina e quer moldá-la ao seu caráter, em vez de pautar sua vida por ela.
    O que você sustenta sobre o racionalismo cristão é o que qualquer religioso diz sobre sua própria religião. Vejo isso desde quando era criança, cada um defende sua religião, a única correta, a dona da verdade. Por isso mesmo nunca me deixei enganar por nenhuma delas. Impossível todas estarem certas, são mutuamente excludentes, e são milhares. A única conclusão a que chego é que todas estão erradas.

  19. Marciano Diz:

    1. Marden, você já leu a “Carta Online aos Blogueiros Espíritas” do Waldo Vieira? O link é: http://www.tertuliaconscienciologia.org/carta_online_blogueiros_espiritas.pdf
    Aqui vai um trecho:
    “Agora, preparem-se para as realidades novas, se vocês aparecerem aqui
    ou se forem encontrar Cairbar Schutel ou Leopoldo Machado.
    A Conscienciologia já deixou e ultrapassou, há muito tempo, o Espiritismo,
    deixou para trás e oferece a vocês muito mais cabedais, enriquecimento de
    bagagem de conhecimento para encarar essa vida e enfrentar a desencarnação
    próxima. Transcendam a mera teoria. Pesquisem a nossa vivência dia-a-dia na Cognópolis. As portas estão abertas para vocês. Há a equipe de atendimento aqui. Deixemos de lado as conversas moles dos blogues. Pesquisemos, regaçando as mangas da camisa.”

    Como vê, são muitos os donos da verdade, ou sócios.

  20. Toffo Diz:

    Ainda acredito que reencarnação é mito. É o inconformismo do homem diante de sua condição mortal. Assim como delega a um suposto poder superior aquilo que não pode dominar. O homem quer ser imortal, por isso inventou a reencarnação. Para mim a reencarnação é uma ficção, não mais que isso. Ou melhor dizendo, faz parte da simbologia do homem. É um simbolismo. Sinceramente, eu não tenho a menor preocupação com relação a isso. Acho que devemos sim é viver bem a nossa vida aqui, que é a única que conhecemos. E nos preocuparmos em deixar alguma coisa de bom de nossa parte ao mundo. É assim que penso.

  21. Marciano Diz:

    O pensamento mágico quando patológico, é também uma crença patológica. Havendo saúde mental, os estímulos para que se desenvolva o raciocínio devem provir de fontes externas e internas. Mas o pensamento não é guiado apenas por considerações estritamente atreladas à realidade, ele também flui motivado por estímulos interiores, abstratos e afetivos ou até instintivos. A criação humana, por exemplo, ultrapassa muitas vezes a realidade dos fatos, refletindo estados interiores variados e de enorme valor para a construção de nosso patrimônio cultural.
    Voltar-se para o mundo interno significa que o pensamento se manifesta sob a forma de DEVANEIOS – uma espécie de servidão das idéias às nossas necessidades mais íntimas, aos nossos afetos e paixões. Enquanto há saúde mental, entretanto, nossos devaneios são sempre voluntários e reversíveis; eles devem ser nossos servos e não nossos senhores e nós devemos ter a liberdade de desenvolve-los quando queremos e interrompe-los, também, ao nosso gosto.
    Em estados mais doentios, esses devaneios ou fugas da realidade são emancipados da vontade, são impostas ao indivíduo de forma absoluta e tirânica. Parece tratar-se de um indivíduo que despreza a realidade e vive uma realidade nova que lhe foi imposta involuntariamente, da qual não consegue libertar-se.
    A própria concepção da realidade pode sofrer alterações nos transtornos psíquicos. Em determinados estados a concepção da realidade pode sofrer alterações de natureza bioquímica, funcional ou anatômica. Outras vezes ainda, estados de natureza exclusivamente psicopatológica também podem contribuir para que a realidade seja alterada. É assim que fatores afetivos, emocionais ou psíquicos podem deturpar o senso de realidade, proporcionando uma concepção do mundo determinada exclusivamente pelas necessidades interiores e não mais pela lógica comum a todos nós.
    Ao pensamento que se afasta da realidade morbidamente, ou seja, doentiamente, damos o nome de Pensamento Derreísta em oposição ao Pensamento Realista, atrelado à realidade. Falamos “se afasta morbidamente da realidade” porque esse tipo de pensamento não depende mais do arbítrio que as pessoas normais têm em fantasiar e voltar à realidade voluntariamente. O Pensamento Derreísta devaneia obrigatoriamente, negando ao paciente o entendimento dos limites da fantasia e da realidade.
    Nesta questão de pensamentos, como em todas as outras, os extremos são problemáticos, ou seja, não deve prevalecer, com exclusividade, nem o pensamento mágico, nem o lógico. Para aqueles que acreditam ser normal e desejável ter os pensamentos exclusivamente atrelados ao concreto e ao real, lembramos que essa limitação também pode ser patológica. A incapacidade de afastar-se daquilo que é absolutamente concreto, leva o nome de Concretismo, que também é uma alteração da forma do pensamento.
    De forma mais prática e didática, podemos considerar o Pensamento Derreísta como sendo uma espécie de Pensamento Mágico, e o Pensamento Realista como sendo o Pensamento Lógico. É absolutamente normal que a pessoa tenha esses dois tipos de pensamentos, simultânea e harmonicamente, valendo-se deles de acordo com suas necessidades adaptativas.
    Para resolver as necessidades práticas do cotidiano a pessoa se vale do Pensamento Lógico (realista); calcula dinheiro, planeja seu dia, prioriza atividades, dirige de acordo com as normas, comporta-se com sensatez, lógica e discernimento, etc.
    Diante das necessidades interiores os Pensamentos Mágicos são mais lenitivos. Através deles a pessoa faz suas orações, nutre seus desejos e esperanças, aposta na loteria, evita passar debaixo de uma escada, acredita em seus deuses, fala da sorte ou do azar, enfim, devaneia. E normalmente esses devaneios obedecem às normas da cultura em que vivemos, ao menos em boa parte deles.
    De modo geral, quanto maiores as angústias, mais se recorrem aos Pensamentos Mágicos. Isso ocorre fisiologicamente nas pessoas normais, porém, diante de situações psíquicas patológicas, a “opção” para o Pensamento Mágico pode se tornar absolutamente impositiva.
    Essa espécie de predileção pelo Pensamento Mágico pode se dar em vários graus; desde uma simples crença até o delírio franco, passando pela fé, pelas idéias supervalorizadas e pelo fanatismo. Isso significa que a simples crença pode privilegiar a Mágica sobre a Lógica discretamente, sendo possível sair do mágico para o lógico com facilidade, enquanto no delírio, há um grau maior de submissão da lógica ao mágico, tornando basicamente impossível o retorno voluntário ao Pensamento Lógico.
    Então, para saber se a pessoa está totalmente, parcialmente ou ligeiramente submissa aos seus Pensamentos Mágicos, devemos saber se essa pessoa tem ou não delírios. Sabendo, então, serem os delírios os mais graves causadores da soberania do Pensamento Mágico, o problema da psicopatologia será descrever as patologias que originam delírios, conseqüentemente, que causam o domínio absoluto da mágica sobre o lógico.
    Nas Esquizofrenias, por exemplo, a pessoa perde totalmente os limites entre o mágico e o lógico, através de seus delírios. De modo geral, qualquer patologia mental capaz de produzir delírios subjuga a lógica, privilegiando morbidamente a mágica.
    A Psiquiatria Transcultural se preocupa em saber diferenciar a sugestionabilidade determinada por razões culturais do delírio, ou seja, diferenciar a pessoa que se sente possuída por entidade espiritual durante um culto religioso de um delírio. Durante um culto religioso, a pessoa vivencia um entorno místico, podendo ser sugestionada a aderir a algum tipo de Pensamento Mágico, cujo conteúdo não será totalmente estranho à outras pessoas que comungam a mesma crença ou o mesmo espaço cultural.
    Os sentimentos de transe e possessão não podem ser considerados delírios, muito embora possam estar emancipados da realidade lógica. Sabendo que o delírio é monopólio de transtornos emocionais muito sérios, como por exemplo das psicoses, é claro que não podemos atribuir o diagnóstico de delírio a todas pessoas sugestionáveis que se “deixam” possuir em cultos religiosos.
    Mas essas pessoas, as possuídas, não estão livres de preencherem os requisitos para as chamadas Idéias Deliróides. Nas Idéias Deliróides as experiências são assimiladas e a imagem do mundo exterior fornecida pela razão é falsificada, de acordo com as necessidades afetivas e com a fragilidade emocional.
    O raciocínio que caracteriza a Idéia Deliróide é bastante similar ao do Pensamento Mágico, normal e que todos nós utilizamos em grau muito menor. A Idéia Deliróide é como se tratasse de um Pensamento Mágico mais patológico, porém, compreensível à maioria das pessoas normais.
    As Idéias Deliróides aparecem em certas pessoas como tentativas (patológicas) de manipular os problemas e as tensões da vida. Tratam-se de fantasias elaboradas para fornecer aquilo que a vida real nega, entretanto, devido ao seu aspecto patológico, essas fantasias não são compatíveis com uma adaptação social normal.
    Uma pessoa com marcante e desmedida ambição para o poder, por exemplo, dependendo da estrutura de sua personalidade, pode apresentar uma Idéia Deliróide acreditando (e fazendo outros acreditarem) ser uma pessoa ungida por Deus, logo com poderes e ascensão sobre os demais. Outro exemplo seria de uma pessoa sexualmente muito ativa que vivesse em uma sociedade muito proibitiva, daria vazão à sua sexualidade acreditando ser possuída por uma entidade espiritual permissiva.
    Portanto, a direção e os temas das Idéias Deliróides podem ser determinados pelos problemas e necessidades íntimas do paciente, revelando sempre aspectos significativos dos problemas pessoais. As fontes desses problemas podem ser encontradas freqüentemente em inclinações e impulsos contrariados, esperanças frustradas, sentimentos de inferioridade, inadequações biológicas, qualidades rejeitadas, desejos importunantes, sentimentos de culpa e outras situações que exigem uma defesa contra a angústia.
    Uma profunda necessidade de consolo pode ser satisfeita por Idéias Deliróides auto-elogiosas, assim como Idéias Deliróides de grandeza podem refletir uma defesa contra sentimentos de inferioridade.
    Para a formação de Idéias Deliróides são necessários alguns elementos favorecedores. Primeiro, uma personalidade prévia vulnerável e problemática, seja por traços de marcante histeria, de extrema sensibilidade afetiva, de paranóia, ou menos comumente, de uma personalidade prejudicada por problemas funcionais cerebrais.
    Em segundo, há necessidade de uma situação emocional frágil, problemática e vulnerável. Em terceiro, precisa-se de um ambiente cultural que ofereça o tema e script daquilo que pode (e deve) ser fantasiado.
    Dêem uma olhada em http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO%2FLerNoticia&idNoticia=130

  22. Marciano Diz:

    Casos de sugestão e auto-sugestão podem ser representados por pessoas que perdem o sossego porque viram vultos no quarto, que ficam apavoradas com o aparecimento de feitiço na frente da casa, que sentem calafrios e perturbações depois de visitarem um terreiro de umbanda. Outras vezes, são pessoas que se julgam muito doentes e que melhoraram sensivelmente quando o último exame médico apresentou resultado negativo, pessoas que se curam depois de benzimentos e simpatias, e assim por diante.
    Idéias Supervalorizadas, Superestimadas ou Sobrevalentes, todos sinônimos e sinônimos também de Fanatismo ou de Crença Exagerada.
    Essas idéias costumam ser errôneas por supervalorização emocional ou psicológica de algum tema (político, ideológico, sobrenatural, extraterrestre, religioso, etc), e podem ser igualmente observadas até mesmo em indivíduos psiquicamente normais. Portanto, é muitíssimo necessário ressalvar, que nem toda Idéia Supervalorizada é forçosamente errônea, do ponto de vista lógico e racional, mas é sim, supervalorizada.
    Um exemplo de Idéias Supervalorizadas é a consideração eugênica do nazismo, a concepção política do comunismo, a vocação para assuntos esotéricos, o fanatismo religioso, etc.
    Fenômenos como o encosto, a possessão pelo demônio ou por um espírito, muitas vezes são sintomas de transtornos emocionais mas, no contexto religioso do Brasil, a possessão e o transe são comportamentos culturalmente aceitos e raramente vistos como sintomas de distúrbio mental.
    Esoterismo- S. m. 1. Filos. Doutrina ou atitude de espírito que preconiza que o ensinamento da verdade (científica, filosófica ou religiosa) deve reservar-se a número restrito de iniciados escolhidos por sua inteligência ou valor moral. 2. Designação que abrange um complexo conjunto de doutrinas práticas e ensinamentos de teor religioso e espiritualista, em que se confundem influências de religiões orientais e ciências ocultas, associadas a técnicas terapêuticas, e que, supostamente, mobilizam energias não integrantes da ciência e que visam a iniciar o indivíduo nos caminhos do autoconhecimento, da paz espiritual, da sabedoria, da saúde, da imortalidade, etc.
    Exotérico- Adj. Filos. 1. Diz-se de ensinamento que, em escolas da Antiguidade grega, era transmitido ao público sem restrição, dado o interesse generalizado que suscitava e a forma acessível em que podia ser exposto, por se tratar de ensinamento dialético, provável, verossímil.
    Há muitos grupos de tonalidade espiritualista no Brasil, assim como o batuque, xangô, kadercismo, umbanda, candomblé. Alguns preferem ser considerados seitas, outros preferem ser tidos por religiões, o certo é que todos se baseiam na comum teoria da espiritualidade.
    A Umbanda foi, sem dúvida, a primeira religião espiritualista desenvolvida no sul do Brasil, ao longo do processo de industrialização e apresenta um sincretismo de elementos do candomblé afro-brasileiro, da macumba, kardecismo e catolicismo. Na umbanda o consulente tem a oportunidade de entrar em contato com espíritos através da incorporação dos mesmos no médium.

  23. Bruno Diz:

    Marciano,
    Poderia me informar a fonte do texto acima? Achei interessante.

  24. Bruno Diz:

    Agora que vi, o primeiro link leva ao segundo texto tambem. Desculpe.

  25. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Neste mundo tudo passa e tudo evolui. Telescópios vão ficando obsoletos, médiuns vão ficando velhos. Novos telescópios surgem e novos médiuns também. A analogia segue igual.
    .
    Quanto aos médiuns e as práticas religiosas que você citou, acredito que não tenho nada a acrescentar de momento e que estas informações são evidentes ao alcance de todos que queiram realmente enxergar.
    .
    O Espiritismo está associado com as práticas mediúnicas. E já as práticas mediúnicas não precisam estar relacionadas a nenhuma doutrina espírita. Após o desencarne todo espirito deveria retornar para o lugar de onde veio (seus mundos espirituais). Veja que este fato ocorre imediatamente, quando há o desencarne de crianças (surgindo em varias religiões a interpretação de que as crianças são anjos de Deus). Justamente por não ter adquirido vícios e nem a prática de crimes.
    .
    Quando um espirito ao desencarnar, fica preso na atmosfera fluídica da terra é porque ele não teve condições de alçar ao mundo espiritual. Apenas os espíritos ignorantes da vida material e em consequência disso, que foram praticantes de vícios e crimes, vivendo apenas para matéria e negligenciando a vida espiritual, acabam ficando presos nesta atmosfera fluídica. Aqueles que foram ignorantes da vida espiritual, mas que pautaram suas vidas dentro dos princípios da honra, da moral e do bom senso, ao desencarnarem conseguem elevar-se acima dessa atmosfera fluídica densa que é a do nosso planeta, alcançando seus mundos próprios (mundos de estágio na linguagem racionalista).
    .
    Baseando nisso, o baixo espiritismo realiza seus trabalhos apenas com espíritos que estão nessa camada mais densa, a camada mais baixa, mais próxima do nosso planeta. O Espiritismo (ou Alto Espiritismo, como queira), necessita de disciplina, método, uma forte corrente de pensamentos elevados para o bem comum, concentração, domínio de si próprio e uma força de vontade fortemente educada para o bem, afim de poder criar condições fluídicas necessárias para que possa ter condições de fazer a atração das Forças Superiores.
    .
    O que qualquer Kardecista pensa sobre o Racionalismo Cristão, não me interessa muito. porque cada um é livre para pensar o que quiser, certo? Esta doutrina respeita o livre-arbítrio dos seres. Você está no disse me disse. Da próxima vez que quiser usar desses subterfúgios, convide o seu amigo a vir aqui no blog a opinar e demonstrar o quanto sabe. Porque agindo assim, como você está agindo, apenas cria-se fofocas, nada cria de proveitoso, nem para o nosso debate, nem para quem estiver lendo-nos.
    .
    E contrariando o seu comentário, vou mostrar, não por um qualquer kardecista, mas através de um site, que não só não dizem o que você escreveu, mas que inclusive utilizam de algumas das pesquisas realizadas por médicos racionalistas cristãos. O artigo que me refiro é: Mediunidade de incorporação e a glândula pineal, da médica Glaci Ribeiro da Silva. http://www.guia.heu.nom.br/glandula_pineal.htm.
    .
    Quanto as cartas do Waldo Vieira elas foram direcionadas aos Kardecistas e novamente o RC não se imiscui desses assuntos, por não serem de sua pauta.

  26. Marciano Diz:

    Tem muito mais, Bruno. Só transcrevi uma pequena parte.

  27. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Você com seu raciocínio lógico e ceticismo materialista (eu sou cético espiritualista), consegue decifrar os fenômenos que ocorreram com Edvalson Bispo dos Santos, vulgo Galinha Tonta? Ele aprendeu 3 idiomas enquanto dormia através de sonhos, pois tinha a visita de 3 “amiguinhos” de nacionalidades diferentes. (Veja o vídeo: http://goo.gl/PdtsP)
    .
    Será que as suas pesquisas, que são baseadas na matéria, num pedaço de carne gordurosa (cérebro), conseguirá dar respostas plausíveis para esse fenômeno?
    .
    Será que suas pesquisas de Psiquiatria Transcultural, que se diz explicar os pensamentos lógicos e os pensamentos mágicos, consegue explicar porque o cérebro de um Esquizofrênico não apresenta nenhuma anomalia no inicio, quando é identificado a patologia? E por mais que intentam, mutilando o cérebro, não conseguem encontrar nada, tratando-se de um cérebro normal?
    .
    Porque será que Luiz de Mattos (lembra da dissertação que você disse que iria ler?), desafiou na época, o chefe da Psiquiatria no Brasil, ao ponto de curar os 3 piores “loucos” do Brasil, já desenganados pela medicina convencional, tido como casos irrecuperáveis? Luiz de Mattos não só os normalizaram, como fizeram reingressar de volta à sociedade, sendo úteis ao país. E um deles que era analfabeto foi alfabetizado.
    .
    Vamos, apresente suas pesquisas, que eu tenho as minhas. E se acha que sou como qualquer religioso que vem sendo enganado pelas religiões, te provarei que estás completamente enganado. Procurarei demonstrar que não venho pisando em areia movediça. Meus estudos são baseados em ciência, em pesquisas, em fatos que corroborem, com a lógica, com a razão e com o bom senso.
    .
    Apresente suas pesquisas e seus argumentos. É assim que se faz progresso. Quem ganha com isso é o leitor que nos lê, que pouco a pouco vai ponderando sobre o que aqui vai sendo dito. E aposto que os leitores deste blog estão ansiosos para saber as respostas que você irá trazer. Não tenha pressa, pois ela é inimiga da perfeição, como diz o adágio popular.

  28. Marciano Diz:

    bSh4SHJEHYPt
    http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=130

    Marden.
    Vai ser difícil nos entendermos, eu falo mandarin, você fala árabe.
    Vamos tentar.
    Só vejo uma explicação para o caso que você linkou: MENTIRA!!!
    Esse programa, Fantástico, só tem lixo. Já começa pelo nome. Apelação pura.
    O galinha tonta deveria ter arranjado uns amigos que lhe ensinassem português, seria mais útil. O cara não conhece nada de gramática, tem um péssimo vocabulário e nunca ouviu falar em ortoépia.
    Quer uma resposta plausível? Esse programa é uma porcaria. Não foi no mesmo fantástico que mostraram uma cirurgia feita em ETs lá em Roswel? Procure no youtube.
    Esquizofrenia é uma doença MENTAL, não NEUROLÓGICA.
    Sei que achas a analogia estúpida, mas se um programa de computador está corrompido adiante procurarmos defeitos físicos no HD?
    Ta, Luiz de Mattos curou doentes mentais. cx adivinhou que morreria num dia em que o país estaria em festa, revelou a pais de decessos fatos que só estes sabiam, etc.
    Se eu acredito que Luiz de Mattos tinha o poder de curar doentes mentais, só por causa do relato, tenho de acreditar nos milagres do cx.
    Por que Luiz de Mattos não continuou curando doentes mentais?
    Foram só os três.
    Ainda não li, mas vou ler.
    Talvez eu descubra, mas duvido muito.
    O Scur, que foi banido pelo Vitor, tem as mesmas convicções que você tem, só que radicalmente opostas, como ficou claro em discussões entre vocês.
    Andei pesquisando sobre o racionalismo cristão, primeiro em fontes externas. Depois vou olhar de dentro. Mas me recuso a pesquisar matéria vagabunda do ridículo programa FANTÁSTICO.
    Infelizmente, eu vivo com pressa, trabalho muito, sou profissional liberal, quanto mais trabalho, mais ganho, e não sou rico, logo, tenho pouco tempo.
    .
    PARA TODOS.
    Reflitam sobre estas palavras:
    “Um estudante de 18 anos entra numa universidade e é imediatamente esmagado com o poder do mito: teses de professores ilustres, grandes especialistas mundiais, autores de teses de mil páginas, aulas em que esses arcanos sábios percorrem os textos sagrados da filosofia, em latim, grego e alemão, criticando más traduções e exibindo o seu profundo saber. (Todavia, é significativo que sejam tão ligeiros a criticar traduções, mas tão parcos a traduzir.) Isto impressiona, claro. Impressiona sobretudo o jovem romântico, sedento de conhecimento, que na sua imaginação se vê a entrar no templo sagrado do Saber, ciente de que levará anos a atingir o nirvana de uma tese de mil páginas. Está criado o mito. O jovem fica pelo beicinho, apaixonado pelo saber arcano, pelos livros com bolor, pelas línguas mortas, pelos calhamaços de 1000 páginas — e quanto mais desconhecidos, melhor, porque dá a sensação maravilhosa de que estamos a descobrir segredos inacessíveis ao comum dos mortais.
    É um mito pensar que o nosso professor de violino é o maior violinista do mundo se ele nunca atuou em público. Mas é um mito delicioso, porque nos põe em contato com o Inefável Violinista Desconhecido. É um mito pensar que o nosso professor de filosofia é o melhor especialista de Kant do mundo, se ele nunca publicou um só artigo numa revista internacional com submissão anônima ou se nunca publicou um só livro que seja sistematicamente referido na melhor bibliografia filosófica internacional. Mas é um mito delicioso: ali estamos nós, à sombra do Grande Filósofo de Arcana Sabedoria — que ninguém exceto estudantes de 20 anos reconhece como um grande especialista.
    Este é o poder do pensamento mítico: é tão agradável pensar que estamos à mesa do café com o maior maratonista de todos os tempos, que nos esquecemos de lhe perguntar em que maratonas e em que jogos olímpicos é que ele participou. E no dia em que fazemos a pergunta, percebemos que o grande maratonista não passa de um amador que faz umas corridas à volta do quarteirão para impressionar a vizinhança.
    Um pretenso especialista que só publica em revistas que o convidam a publicar, em revistas dos seus próprios colegas, em revistas sem qualquer circulação internacional, em revistas que não têm submissão anônima, é um especialista de nível zero. Pode ser um gênio; mas a improbabilidade de o ser é muito elevada — e nem ele, nem nós temos qualquer razão para pensar que é um gênio. Pode ser apenas um amador, a leste do que se faz pelo mundo fora, que escreve coisas originais só porque estão eivadas de erros e portanto são coisas que ninguém mais escreve.”
    Desidério Murcho
    Algumas pessoas acreditam que há um Deus, e algumas não. Algumas acreditam que a medicina convencional é a melhor maneira de lidar com todas as doenças, e algumas não. Algumas acreditam que existe vida inteligente algures no universo, e algumas não. Quando as pessoas discordam, trocam argumentos e provas e tentam persuadir-se mutuamente. Aplicam com frequência designações injuriosas ou lisonjeadoras às crenças em questão. “Isso é falso”, “Isso é irracional”, “Não tens nenhuma prova”, ou “Isso é verdade”, “Tenho boas razões para acreditar”, “Eu sei”.

  29. Marciano Diz:

    “Foram sós os três?” Era uma pergunta, não uma afirmação. Não teclei o ponto de interrogação.

  30. Marciano Diz:

    Olha o Fantástico aí, gente!!!
    http://www.youtube.com/watch?v=1J6_MrSWD0k
    http://www.youtube.com/watch?v=g9A1QUCEkAQ

  31. Marciano Diz:

    Agora eu acredito em ovnis. Passou no Fantástico. Que outra explicação pode ter?
    Tão verdadeiro quanto o galinha morta.
    Ceticismo espiritualista já existe ou você acabou de inventar?
    Afigura-se-me que o adjetivo nega o substantivo. Feito óleo e água.

  32. Marciano Diz:

    Em tempo:
    Em ovnis eu acredito. Uma coisa é objeto voador não identificado. No momento em que identificam como meio de transporte extra terrestre é que eu não acredito mais. Qualquer um pode ver algo voando ou parecendo que voa e não saber o que é. Aí diz-se que é um objeto voador não identificado, ou seja, não sabemos o que é.

  33. Alexandre Neuwert Diz:

    Mardem, belas explicações.

    Quem busca a verdadeira ciência, e não carrega em si nenhum conceito, dogma, ou idéia pré concebida, chegará, mais cedo ou mais tarde, no caminho que leva a descobertas que ultrapassa a carne.

    Apesar de muitas evidências que estão debaixo do nariz, é natural a busca por mais provas a respeito do ser que comanda a matéria, ou copo físico.

    Afinal de contas, carne não pensa.

    Alexandre Neuwert

  34. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Você com seu raciocínio lógico e ceticismo materialista (eu sou cético espiritualista), consegue decifrar os fenômenos que ocorreram com Edvalson Bispo dos Santos, vulgo Galinha Tonta? Ele aprendeu 3 idiomas enquanto dormia através de sonhos, pois tinha a visita de 3 “amiguinhos” de nacionalidades diferentes. (Veja o vídeo: http://goo.gl/PdtsP)
    .
    Será que as suas pesquisas, que são baseadas na matéria, num pedaço de carne gordurosa (cérebro), conseguirá dar respostas plausíveis para esse fenômeno?
    .
    Será que suas pesquisas de Psiquiatria Transcultural, que se diz explicar os pensamentos lógicos e os pensamentos mágicos, consegue explicar porque o cérebro de um Esquizofrênico não apresenta nenhuma anomalia no inicio, quando é identificado a patologia? E por mais que intentam, mutilando o cérebro, não conseguem encontrar nada, tratando-se de um cérebro normal?
    .
    Porque será que Luiz de Mattos (lembra da dissertação que você disse que iria ler?), desafiou na época, o chefe da Psiquiatria no Brasil, ao ponto de curar os 3 piores “loucos” do Brasil, já desenganados pela medicina convencional, tido como casos irrecuperáveis? Luiz de Mattos não só os normalizaram, como fizeram reingressar de volta à sociedade, sendo úteis ao país. E um deles que era analfabeto foi alfabetizado.
    .
    Vamos, apresente suas pesquisas, que eu tenho as minhas. E se acha que sou como qualquer religioso que vem sendo enganado pelas religiões, te provarei que estás completamente enganado. Procurarei demonstrar que não venho pisando em areia movediça. Meus estudos são baseados em ciência, em pesquisas, em fatos que corroborem, com a lógica, com a razão e com o bom senso.
    .
    Apresente suas pesquisas e seus argumentos. É assim que se faz progresso. Quem ganha com isso é o leitor que nos lê, que pouco a pouco vai ponderando sobre o que aqui vai sendo dito. E aposto que os leitores deste blog estão ansiosos para saber as respostas que você irá trazer. Não tenha pressa, pois ela é inimiga da perfeição, como diz o adágio popular.

    Marciano,
    .
    Eu aceito que você fale mandarim e que eu fale árabe, desde que árabe seja a linguagem da lógica e que o mandarim seja a linguagem de circo, do espetáculo. Se não vejamos:
    .
    Primeiro você desqualifica a reportagem (tubo bem que você pense assim) e depois coloca vídeos para tentar desqualificar o programa como um todo, que para você é muito Fantástico. Você teria argumentos para provar que todas as reportagens exibidas no fantástico são tendenciosas? Nada se aproveita então? Se aproveita algo, o que seria aproveitável para você?
    .
    “Esquizofrenia é uma doença MENTAL, não NEUROLÓGICA. ”
    .
    E eu disse que Esquizofrenia era uma doença neurológica? Tome um cuidado meticuloso para não se confundir e procure esforçar-se para entender minha linguagem arábica, porque ela está sendo provida de lógica. Me referi apenas à sua Psiquiatria Transcultural e ao chefe de psiquiatria na época de Luiz de Mattos.
    .
    “Sei que achas a analogia estúpida, mas se um programa de computador está corrompido adiante procurarmos defeitos físicos no HD? ”
    .
    Eu disse que achava essa analogia estúpida? Ao contrário, ela me favorece! Claro que adianta procurarmos o defeito físico no HD, por acaso você esqueceu que um vírus pode ser instalado no HD e que pode contribuir para um mal funcionamento de um programa, podendo corromper o programa ou até o HD? Como não basta falar, é preciso provar, vai para você as dicas da microsoft, ou sera que a microsoft também faz parte dessa “conspiração” de que que tudo é MENTIRA e que tudo é FANTÁSTICO? http://support.microsoft.com/kb/129972/pt-br
    .
    Pelo que eu me lembre, ou foi o Marcos ou foi o Bruno quem fez algum comentário quando você citou tais comparações. Será que você se confunde tanto assim propositalmente? Ou quem sabe você pensa que falando com um, estaria falando com todos? Sintonize-se marciano, procure colocar os pés no chão (Terra) por enquanto, porque nossa conversa vai ser longa e vai ser para o aproveitamento de todos.
    .
    “Por que Luiz de Mattos não continuou curando doentes mentais? Foram só os três. ”
    .
    Na verdade Luiz de Mattos criou um método, que dá condições para que os doentes mentais (obsedados na linguagem racionalista crista), readquiram a sua força de vontade e curem a si próprios. Sem drogas, sem lobotomias e sem choques elétricos, práticas que foram ou ainda é comum, de médicos materialistas, que pensavam assim como você.
    .
    E não foram só três. Eu disse que ele pegou os 3 piores loucos e os normalizaram. E depois ele apresentou esses seres normalizados para uma conferencia de médicos e profissionais da saúde, que foi realizada no Rio de Janeiro, ainda como capital do Brasil. Em 1913 foram normalizados 432, em 1914 807 e em 1915 841, do hospício nacional e da casa Eiras.
    .
    “Mas me recuso a pesquisar matéria vagabunda do ridículo programa FANTÁSTICO ”
    .
    Até pensei que era uma estratégia sua de querer fugir de um tema tao importante para os leitores desse blog. Mas, então temos aqui 2 blogs independentes, um que conta resumidamente sobre sua vida, mas com varias imagens (http://goo.gl/5qK8i) e outro com mais informações (http://goo.gl/FJwHM). Se ainda assim não entender, poderei fazer um resumo.
    .
    “Infelizmente, eu vivo com pressa, trabalho muito, sou profissional liberal, quanto mais trabalho, mais ganho, e não sou rico, logo, tenho pouco tempo. ”
    .
    Eu não disse que você era rico e nem comentei ou quis saber de sua vida pessoal, que para mim não importa e sim importa as ideias que você defende aqui. Foi você, que em seu momento de euforia (ou de vaidade), quis deixar transparecer isso em seu comentário no artigo da Houdini x bruxa loira. E que para mim não passa de uma falta de respeito com as leis de nosso país.
    .
    “Marciano Diz:
    JUNHO 24TH, 2012 ÀS 03:28
    OBSERVAÇÃO IMPORTANTE!!!
    Tenho dois carros potentes, viajo constantemente a trabalho, percorro centenas de quilômetros em estradas, agora mesmo estou em trânsito, com um carro motor 3.3, de 6 cilindros, 265 cavalos. Onde não tem polícia roboviária (sic) nem pardal, costumo chegar facilmente a 220 por hora.
    Seria uma boa oportunidade para os espíritos frouxos me pegarem.”
    .
    O que eu disse foi: “Não tenha pressa, pois ela é inimiga da perfeição, ” e parece que essa frase assentou como uma luva.

  35. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Saiu junto deste meu ultimo comentário, meu outro comentário anterior. Leia a partir de: “Eu aceito que você fale mandarim…”

  36. Marden Diz:

    Alexandre Neuwert,
    .
    Obrigado por suas palavras e fico feliz de termos um pensamento em comum, a de que carne não pensa. Pena que nem todos pensem assim e se deixem levar pelas sendas do materialismo. Mas compete a nós estudarmos e descortinar o véu da ignorância. E os ignorantes ou somos nós ou são eles. Então deixemos a lógica, o raciocínio apurado, a razão e o bom senso, conduzir nossos pensamentos.
    .
    Fique a vontade para comentar sempre.

  37. Marciano Diz:

    Para mim, nada se aproveita do FANTÁSTICO. Para você, acredito que qualquer coisa que embase suas crenças seja aproveitável, caso contrário, será considerado lixo.
    Pelo que você diz, Mattos curou só três para apresentá-los à conferência de médicos. Poderia ter curado outros, mas parece que não se preocupava com os doentes, só com seu exibicionismo. E sou eu quem fala a linguagem de circo, do espetáculo. Usou os doentes só para exibir sua capacidade.
    Você não se lembra se foi o Marcos ou o Bruno, nem eu, por isso achei que fosse você. Sintonize-se também.
    Falei pra você que tinha pesquisado sobre sua crença e seu fundador, de fora, depois veria de dentro. Assim fiz.
    Veja como seus irmão de fé retratam o fundador de sua religião:
    Seu nome todo era Luiz José de Moraes Mattos Chaves Lavrador, mas assinava, apenas, simplesmente, despretensiosamente, Luiz de Mattos.

    Nascido na Vila de Chaves, Província de Trás-os-Montes, (Portugal), a 3 de janeiro de 1860, era filho de José Lavrador, natural de Orence, província da Galiza – Espanha – descendente, em linha reta, dos fidalgos Lavradores, e de Dona Casemira Julia de Mattos Chaves, que descendia por sua vez, dos grandes lutadores e fidalgos Mattos Chaves – fundadores da linda, hospitaleira e salubérrima Vila de Chaves.

    Aos 13 anos, em 1873, veio para o Brasil, desembarcando no Rio de Janeiro, onde o esperava o seu irmão Victorino de Mattos Lavrador, negociante em Santos, que o internou no Colégio São Luiz, em Botafogo, para seguir os estudos.

    O desejo, porém, de Luiz de Mattos era ir para Santos, no Estado de São Paulo, para ficar em companhia de seus irmãos Victorino e João de Mattos Chaves.

    Partiu, assim, autorizado por seus tios, para essa cidade, tempos depois, onde se empregou em importante casa de estivas – secos e molhados em grosso – e da qual se passou, mais tarde, para o comércio de café, desenvolvendo aí grande atividade.

    Dono de uma inteligência invulgaríssima, tudo assimilou com incrível facilidade, neste novo ramo de comércio, nada havendo que ele não soubesse fazer, com perfeição, inclusive ensacar, empilhar, separar e qualificar o café.

    Seus chefes, que muito o estimavam e admiravam, despacharam-no para o interior de São Paulo e Minas Gerais, com a incumbência de comprar e obter consignações de café.

    Entregue a essa nova atividade fez ele as mais elevadas relações, com políticos, fazendeiros, negociantes, industriais, literatos, etc., chegando a alcançar as maiores simpatias entre compradores e vendedores de café, sendo, em breve, o mais considerado dentre os seus colegas.

    Despedindo-se da casa em que trabalhava, para se estabelecer, iniciou-se aos 23 anos como comissário de café; seu capital era pequeno, mas as suas excelentes relações que tinha no interior, a sua grande simpatia, concorreram para que, ao saberem-no estabelecido, os fazendeiros lhe mandassem a maior parte das suas colheitas, e assim foi ele fazendo uma casa importante, a ponto de tornar-se a maior casa portuguesa em Santos, naquela época, exportadora de café.

    Conhecedor profundo da matéria, prestimoso na prestação de contas aos seus comitentes, alastrou-se a propaganda da sua casa de tal forma, que os fazendeiros, mesmo os que não o conheciam, lhe faziam grandes consignações.

    Sempre ativo e trabalhador, Luiz de Mattos chegou aos 26 anos já possuindo valiosa fortuna. Foi ele fundador de diversas empresas nesta Capital e em Santos e dentre elas, a Companhia Internacional de Santos, o Banco de Santos, a Companhia Industrial, a Companhia Carris de Ferro, etc.

    Convém observar que esta última foi organizada em época de grandes dificuldades financeiras. Só mesmo seu irresistível prestígio poderia conseguir traduzir em realidade uma idéia quer demandava de pronto de avultado capital. Além destas e outras empresas Luiz de Mattos foi igualmente o fundador da Sociedade Humanitária dos Empregados do Comércio, do Real Centro da Colônia Portuguesa, etc.

    Entre outros serviços humanitários, destacam-se os que desveladamente fez à Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos. Achava-se em completa decadência essa instituição benemérita, quando Luiz de Mattos, ainda materialista, mas impulsionado pela grande generosidade de sua alma, – que até então desconhecia como partícula da Inteligência Universal –, pôs ombros à espinhosa e árdua tarefa de a levantar da prostração em que se achava, e que a aniquilaria por completo, se à sua frente não se pusesse esse homem admirável, cujo semblante de mata-mouros, se contradizia com a brandura da alma de que era dotado.

    Foi tanta a sua dedicação, tão desvelado, tão intenso o ardor com que se atirou a esse empenho, que em pouco tempo conseguia ver coroados do melhor êxito os seus nobilíssimos esforços. A Sociedade Beneficente de Santos ficou em ótimas condições, no mesmo pé de igualdade das mais importantes agremiações, suas congêneres, existentes no Brasil.

    O que Luiz de Mattos, como presidente dessa associação, despendeu do seu bolso em auxílio a portugueses enfermos e indigentes, eleva-se a avultada cifra. Nessa sociedade teve ele o título de Benemérito.

    Eleito Diretor da Associação Comercial de Santos, por diversas vezes, a ininterrupta recondução ao cargo era a melhor prova da estima que brasileiros e portugueses lhe tributavam.

    Benemérito, por índole, de tudo que dava não admitia alarde; os beneficiados, porém, não se podiam conter e de boca em boca passavam o bem que ele fazia.

    No Asilo da Infância Desvalida de Santos, desde jovem foi ele incluído no número de seus grandes Benfeitores.

    A todas as instituições humanitárias ele comparecia com prazer, auxiliando-as tanto quanto lhe era possível.

    Grande abolicionista, amigo dedicado de José do Patrocínio, Julio Ribeiro, Chico Glicério, Campos Sales, Bernardino de Campos, Santos Pereira, Luiz Gama e outros, bateu-se sempre pela abolição. Quando promulgada a lei de 13 de maio, ele, o Dr. M. Homem de Bitencourt e outros brasileiros e portugueses realizaram em Santos esplêndida festa em comemoração do grande acontecimento, que fazia entrar definitivamente o Brasil no convívio das nações civilizadas.

    Em 1890 foi incluído seu nome no Boletim Republicano dirigido ao Eleitorado Paulista, por ocasião do golpe de estado de Deodoro. Trata-se, sem dúvida, de um belo documento para provar a alta estima em que o povo paulista e políticos tinham por Luiz de Mattos, que, embora havendo nascido em Portugal, era para eles tão brasileiro, como os aqui nascidos, visto ter, desde criança, acompanhado, com vivo interesse, o progresso e trabalhado pela felicidade do povo brasileiro, com ele e por ele se batendo ao lado dos nacionais honrados daquele tempo, que acima dos interesses do bolso sabiam colocar os da Pátria.

    Esquivou-se, embora descontentando muito os amigos, de aceitar o lugar de representante do povo paulista, como Deputado, por não querer deixar o cargo de Vice-Cônsul de Portugal, que vinha exercendo, nobremente, desde 1887, e mesmo por entender que não devia naturalizar-se, pois um ato desses praticado por ele, naquele tempo, reputava indigno. Dizemos naquele tempo, porque, depois que descobriu a Verdade e passou a explanar a Doutrina de Cristo, compreendeu e se convenceu de que Pátria apenas uma existe – O UNIVERSO – e que a seleção de povos e raças era como continua a ser urna consequência da ignorância em que viviam e vivem, ainda, todos os povos do planeta Terra.

    Tempo chegará em que as guarnições defensoras das fronteiras de cada nação desaparecerão, visto que, à medida que os povos se forem conhecendo como Força e Matéria, irão desaparecendo os egoísmos, as rivalidades e uma só Constituição existirá, dentro da qual tudo se regerá, imperando, nessa altura, leis adequadas, de acordo com as leis sábias, naturais e imutáveis que regem o Universo.

    Como autoridade consular em Santos, deve-se a Luiz de Mattos o fim das cenas desagradáveis, havidas naquela cidade, entre trabalhadores e praças de polícia ali destacadas.

    Com o entendimento havido entre ele e o Dr. Bernardino de Campos, então chefe de polícia, em São Paulo, viram-se serenar os ânimos, restabelecer-se a ordem e voltar à calma e ao trabalho a cidade de Santos, sendo Luiz de Mattos, alvo de grande manifestação popular.

    Na Capital Federal, tinha ele também casa filial à de Santos para negócios de café, cuja direção estava confiada a um seu irmão.

    Em café, por mais de uma vez perdeu e ganhou fortuna.

    Era um empreendedor, um criador, um reformador.

    No comércio de café, criou o hoje desenvolvido sistema denominado café “a termo” que, executado dentro dos seus moldes é um negócio lícito, inteligente, moderno e de grande vantagem para o lavrador, o intermediário e o comprador.

    Entre comerciantes e corretores na praça de Santos, nada era resolvido sem que primeiro fosse ouvido o Luiz, como na intimidade comercial de café o tratavam.

    Qualquer negócio de vulto em café, não era resolvido sem o seu conselho. Era voz geral: “Vai consultar o Luiz, primeiro”.

    Deixou os negócios de café para recolher-se à vida privada, comprando então grandes áreas de terras, em Santos e no Rio de Janeiro. Homem de vistas largas, previdente com relação ao futuro, tinha a certeza do grande valor que iam adquirir os terrenos quer urbanos, quer suburbanos ou rurais.

    Mas, estando ainda cheio de vitalidade, sentia-se mal fora da atividade comercial, e daí o ter deixado Santos, para organizar e criar, na Capital, a Empresa do Lixo e o Monopólio das Carnes Verdes, empresas estas as mais importantes daquela época, que produziam rendas colossais. Tinha, porém, esse grande empreendedor o grave defeito de confiar em demasia nos outros, e daí o ser por vezes furtado nos seus haveres e no seu sossego.

    Luiz de Mattos era escravo dos seus deveres, quer para com os seus negócios, quer para com a sua família, e mesmo para com os amigos.

    Quando fora de seus negócios, vivia exclusivamente para a família. Nessas horas de repouso, entregava-se à leitura de obras de autores recomendáveis e pessoa alguma era capaz de o encontrar sem uma ocupação útil.

    Sua biblioteca era rica; e já quando rapaz, era mais fácil vê-lo agarrado a um livro, a devorar-lhe os ensinamentos, dos que vê-lo a palestrar.

    Amigo da caça e da pesca, foi, por excelência, um admirador da Natureza.

    Fugia da Sociedade, para entregar-se ao campo.

    A educação dos filhos foi esmerada; não consentia que lhes pousasse uma mosca. E não era só aos filhos, mas também aos sobrinhos, que lhe eram entregues para, como homem de princípios, velar pela sua educação e instrução.

    Acompanhando o desenvolvimento de todos, ia fazendo um estudo psíquico de cada um. O seu enlevo, a sua preocupação era um filho varão, a quem ele queria preparar para o substituir nas suas grandes empresas.

    Somente permitia a frequência à sua casa de pessoas portadoras de qualidades e virtudes comprovadas.

    Era austero, mas duma bondade sem limites, metódico e disciplinado. Tinha horas para tudo. Com os filhos brincava, fazia ginástica, ensinava-lhes tudo quanto era preciso saber, quer para estar na sociedade, como para defender-se dela e assim dos perversos, ensinando-lhes a manejar desde a arma branca até as armas de fogo.

    As filhas vestiam todas por igual. Mandava ensinar-lhes tudo quanto quisessem aprender, e esses ensinos eram ministrados em casa por professores ou professoras, na presença de uma pessoa de respeito, da família. Sós, com professores ou professoras, pessoa alguma era capaz de vê-las.

    Tinha a noção exata da moral cristã. Não admitia misturas. Suas filhas ou sobrinhas à rua não saiam sozinhas, nem tão pouco passavam dias em casa de família alguma, por mais íntima que fosse.

    Desde o calçado ao penteado tudo ele observava e quando alguma coisa estava fora dos seus princípios, imediatamente mandava modificar. A uma das filhas cujo casamento estava próximo, mandou modificar o penteado com que certa vez se apresentara por outro mais de acordo com seus princípios austeros, mas artísticos.

    À sua mesa de refeições, todos tinham que se sentar com compostura e ordem.

    Cada filha servia à mesa, uma semana.

    Suas filhas sabiam tudo, desde a cozinha à pintura, à música e aos trabalhos de lavor; sabiam manejar instrumentos, não só na cozinha, como na sala de visita.

    Em sua casa, nunca se podia estar sem uma ocupação: lendo, bordando, pintando, costurando, etc.

    Não tinha religião alguma. Materialista que foi até aos 50 anos, analisou as diversas religiões, através da história, e concluiu que as que não eram filhas da mitologia, eram animalizadas.

    Dentre as oito mil que uma estatística de Barcelona relatava, destacava ele a Católica, tendo como seu Chefe o Papa, residente no pomposo Vaticano, dizendo-se representante de Cristo e apresentando-o como um poltrão, que, havendo apanhado uma bofetada numa face, ofereceu a outra ao ofensor para provar sua humildade. Ora, ele, Mattos sendo um homem de ação, um lutador incondicional, não podia aceitar tamanha monstruosidade, e daí o quedar-se livre pensador, materialista honrado, criando para si a religião da família, para a qual vivia.

    Acometido de um colapso cardíaco, esteve às portas da sepultura alguns dias e noites, não vendo na sua frente mais que sete palmos de terra gélida, onde iria terminar o corpo.

    Teve nojo da vida e do viver, raciocinou e analisou que não era possível, na sepultura, extinguir-se a vida do homem; algo mais importante devia existir, que era a alma; o que ela fosse, porém, não sabia.

    Melhorou ele, mas adoeceram seus filhos; o médico assistente, seu velho amigo Dr. Oliveira Botelho, aconselha-o a não lhes dar remédios e sim uma alimentação escolhida, pois era caso perdido, estavam tuberculosos e, se houvesse cuidado na alimentação, ainda poderiam prolongar a existência, mas por pouco tempo.

    Entristecendo-se com o que o seu velho camarada lhe disse, retrucou-lhe Oliveira Botelho:

    – Luiz, a medicina nada sabe, vive ainda de apalpadelas e suposições; eu, se não fosse diabético e ignorasse que estou para morrer dentro de meses, ia estudar o Espiritismo, pois lá algo de científico existe.

    Luiz de Mattos, que abominava o Espiritismo ao ponto de fazer suas filhas copiar obras contra o mesmo, censurou o médico e disse-lhe que parecia ter perdido o juízo, pretendendo ser espírita. Botelho confirmou o que dissera e aconselhou Luiz a estudar o espiritismo. Este, que já não suportava setaristas e muito menos ainda espíritas, pois nessa gente só observava bêbados, amostrengados, doidos varridos, julgou um absurdo o conselho de Botelho.

    Andam os tempos. Luiz de Mattos estuda medicina para curar os seus, e chega à conclusão de que o Botelho lhe dissera a verdade com respeito à medicina, pois, analisando o corpo humano pelo estudo anatômico, concluiu não passar este de uma série de engrenagens, tão artisticamente ligadas que à mais pequena molécula afetada, todo o organismo tinha de ressentir-se, e, assim sendo, o ser humano era anormal em maior ou menor grau.

    O dentista Fonseca, de quem a família de Luiz de Mattos era cliente, frequentava assiduamente o Espiritismo Racional e Científico, e aconselhou-a a que tirasse lá receitas e que havia de colher resultado satisfatório, pois curas extraordinárias já se tinham constatado.

    Acedendo aos seus conselhos, foram as receitas tiradas, sem que disso soubesse Luiz de Mattos; à medida que os enfermos iam usando os remédios, melhoras sensíveis obtinham.

    Certo dia, o seu amigo M., negociante laborioso, proprietário de uma torrefação de café, o estava esperando para pedir-lhe que fosse com ele ao Espiritismo praticado por certa gente honesta, adiantando que curas importantes estavam sendo feitas. Disse mais que tendo gasto uma fortuna com o tratamento de sua esposa, sem obter melhoras, estava esperançado de lá encontrar o remédio para curar o mal que avassalava a sua companheira.

    Ouvindo-o atentamente, Luiz de Mattos diz-lhe:

    – Mas então tu, M., queres perder toda a tua fortuna? Não sabe que os praticantes do espiritismo são uma corja de patifes? Toma juízo, M., e deixa-te disso; eu não te posso acompanhar a tais antros, onde só se encontram bugigangas, bêbedos, exploradores e patifes da pior espécie. Não te metas com semelhante gente que acabas mal.

    O amigo ficou muito entristecido, mas não perdeu a esperança em conseguir a sua companhia.

    Todos os dias Luiz de Mattos por ali passava e sempre entrava para cumprimentar o amigo M. E assim é que no outro dia volta este a pedir-lhe, com insistência que fosse com ele, não acedendo ainda desta vez Luiz de Mattos, que sustentou o que anteriormente dissera. No terceiro dia, como de costume, entra Luiz de Mattos no estabelecimento do amigo M. ; sentado a ler o jornal encontrava-se Luiz Alves Thomaz, que a esse tempo não mantinha relações íntimas com Luiz de Mattos mas, assistindo à reiteração insistente do pedido que M. fazia a Luiz de Mattos diz-lhe aquele:

    – Se o Comendador Mattos for com o M., eu vou também. Mattos, à vista do exposto e da insistência, disse:

    – Pois bem, eu vou. Às tantas horas passem lá por casa, para seguirmos.

    Felizes pela resposta, despediram-se, e à hora marcada partiram para a casa de Luiz de Mattos; este já preparado, não se tendo esquecido do seu artístico punhal e do seu verdadeiro “Smith and Wesson”, saíram a caminho do Espiritismo ainda desconhecido por eles, movidos mais por curiosidade do que pela vontade de praticá-lo.

    Ao chegar à porta dum “casebrezinlno”, já o estava esperando um homem que lhe diz:

    – Sr. Comendador, o nosso presidente Astral, Padre Antonio Vieira, ordenou-nos que, quando o senhor chegasse, lhe déssemos a presidência dos trabalhos.

    – Estás maluco, homem, eu não entendo disso, eu fico mesmo aqui da porta a presenciar.

    Mas, diante da insistência, quer do homem que o esperava à porta, quer dos seus dois amigos, lá foi ele para a cabeceira da mesa.

    Aberta a sessão, feitas as preces (Irradiações), atúa o Guia Médico no médium sentado à direita, e lidos diversos nomes a cada um eram prescritas instruções. Curioso e investigador, Luiz de Mattos, que, atentamente, presenciara tudo, pede após a terminação dos trabalhos, os originais das receitas, levando-os para sua casa em cujo escritório se fecha e dirigindo-se à sua mesa de trabalho, senta-se, procura concentrar-se, fechando os olhos para fazer o mesmo que havia visto; mal sabia ele que estava correndo um grande risco, podendo até desencarnar nesse momento, avassalado pelo astral inferior. Examinando o que havia escrito verificou que o que o médium havia deixado no papel estava escrito em ordem, os tt traçados, os ii ponteados. Procurou fazer o mesmo e não o conseguiu.

    Principiou aí o inicio do seu raciocínio sobre a Força fora da Matéria. Ele conhecia medicina, era inteligente e nada pudera fazer, ao passo que o médium, quase analfabeto, tinha produzido trabalho admirável.

    No dia seguinte, já não eram os amigos M. e Luiz Thomaz que precisavam pedir o seu comparecimento; era ele que desejoso de estudar, os avisava para, às horas certas, não faltarem. Chegada a hora, de novo partiram para o Espiritismo e, como anteriormente, havia ordem, no Centro, dada pelo presidente Astral, para que assumisse a presidência Luiz de Mattos, logo que chegasse. Assumida por ele a presidência, na hora dos trabalhos, após o receituário e algumas instruções, o presidente Astral pede que se concentrem e é dada, por escrito, uma comunicação em francês, legível, livre de erros, causando sério espanto a Luiz de Mattos, e tanto que este chegou a perguntar, após a sessão, se o médium tinha ilustração, e mandado-o escrever, após os trabalhos, a fim de se certificar se era verdade, ou não. Não fosse estar sendo vítima de alguma mistificação.

    Informado das condições morais, materiais e intelectuais do médium, certo ficou de que fenômeno importante se passava.

    Conversando com Luiz Thomaz e outro amigo, disse-lhes que o que vinha observando causava-lhe grande espanto forçando-o a meditar sobre a causa dos efeitos que observava. Novamente, no dia seguinte, para lá foram.

    Iniciados os trabalhos, pede ele receita para os seus, e, após receitar, o Guia Médico, Dr. Custódio Duarte, diz-lhe: “Já são meus enfermos, estão melhorando e hão de ficar bons”. Admirou-se e só nesse dia ficou sabendo que, de fato, já os seus se estavam tratando lá. Dada também uma comunicação em inglês, ele a analisou e verificou estar claramente legível.

    No fim da quarta sessão que Luiz de Mattos, sem interrupção vinha presidindo, atua um espírito num dos médiuns ao lado dele e insulta-o barbaramente. Desconhecendo esse fenômeno e supondo fosse o médium o insultador, leva a mão ao bolso para sacar o revolver, quando rapidamente fica atuado o outro médium e fala-lhe Padre Antonio Vieira:

    – Acalma-te! Quando para cá vieres deixa lá isso em casa; pois, então, não vês que o médium é um simples porta-voz dos espíritos? Como querias agir por essa forma, se no espírito não podias atirar, nem matar?

    “Tem paciência, estuda, eu te ajudarei; porém, é a ti que compete doutrinar, não só esse, como tantos milhares de outros que te irão aparecer, e assim precisas ajudar-me a limpar a atmosfera da Terra dos jesuítas que nela se tem quedado para a prática, ainda mais desenvolvida, de crimes que também já praticavam quando encarnados. Acordaste tarde; era para aos 26 anos teres iniciado comigo estes trabalhos, mas já que despertaste agora e foi preciso que te sacudisse o ataque cardíaco, para te lembrares que a vida não desce à sepultura e sim ascende ao Espaço, a ligar-se a outras vidas, não podes mais perder tempo Ajuda-me, pois, meu filho, estuda, e outros a ti se juntarão para levar por diante a bela doutrina de Cristo.

    “Esse espírito que acabou de manifestar-se é Ignacio de Lovola, teu e meu companheiro em diversas encarnações. Há 400 anos que ele se queda na atmosfera da Terra, como terrível obsessor e chefe de grandes falanges. Cabe a ti doutriná-lo e mostrar-lhe o erro em que vive”.

    Acalmado tudo e encerrada a Sessão, não mais faltou Luiz de Mattos aos trabalhos nesse Centro, pobre materialmente falando, mas riquíssimo de luz, de inteligência, de saber, enfim.

    Nas sessões seguintes novamente se manifesta Loyola e, prevenido que estava Luiz de Mattos pelo Guia Padre Antonio Vieira, deixou Loyola falar à vontade. De súbito, Luiz de Mattos entra numa longa dissertação da Natureza, referindo-se a Deus, não à semelhança do homem, mas como Inteligência Universal a irradiar por toda parte onde existe vida.

    Loyola espanta-se do que ouve do seu ex-companheiro jesuíta, quando Frei Bernardo ou S. Bernardo, e pergunta-lhe:

    – Mas tu que, como eu, não acreditavas, em Deus, tu que até há pouco eras ateu, eras materialista, como e onde foste aprender coisas tão belas como as que me explicaste?

    – Amigo, o grande Padre Antonio Vieira, de nós muito conhecido, disse-me ser preciso acordar, que no Universo apenas existem Força e Matéria e que na Terra os encarnados são instrumentos simplesmente do bem ou do mal. Portanto, se o que eu te disse te espantou, eu nada mais fui que porta-voz das Forças Superiores, que a seu encargo têm a remodelação do planeta e tu a elas precisas pertencer.

    Grande foi o diálogo havido, porém o resumimos e damos apenas uma idéia de como se iniciou o chefe do Racionalismo Cristão nesta bela doutrina.

    Enquanto Luiz de Mattos dissertava, com sua voz de trovão, de orador, de impulsionador, Loyola, cada vez mais iluminava sua alma e, rompendo do véu de negrura em que estava envolvido, ia vendo, luminoso, radiante, o espírito de Luiz de Mattos, assistido por Antonio Vieira, Camões, S. Pedro, Custódio Duarte e tantas outras almas suas conhecidas. Reconhecendo-se vencido pelas verdades que havia proferido Luiz de Mattos, Loyola pede-lhe que irradie sobre a sua alma, reconhecendo que foi o maior dos desgraçados, que se sentia sem coragem para olhar para o quadro das suas obras, já agora tão nitidamente gravadas na sua aura e que ao rememorar o passado, não via outra coisa senão barbaridades; que o ajudasse, com sua irradiação de valor, pois queria, desejava, precisava, entrar em lutas para o bem geral, onde mais depressa pudesse descontar as suas faltas.

    Retirando-se Loyola, esclarecido, havia dado Luiz de Mattos o primeiro passo para a explanação da Verdade, tão desejada por Cristo. Os companheiros e amigos de Luiz de Mattos, presentes àquela Sessão disseram-lhe que estavam apavorados com o que dele ouviram, ao que ele respondeu não mais se recordar do que dissera e que tudo aquilo lhe viera de momento, não sabendo mesmo explicar como se prestara a definir a Inteligência Universal, quando nem em Cristo ele porém acreditava, visto lho terem apresentado como um poltrão. Agora, porém, analisando a sua obra, concluía que ele fora um homem lutador, valoroso e apto a reagir a todos os insultos no terreno da luta.

    Além destes fenômenos, muitos outros foram precisos para que a alma investigadora de Luiz de Mattos não vacilasse. E assim levou ele ano e meio em consecutivos estudos, até que um dia o Guia, Pinheiro Chagas, lhe disse: “Meu filho, é necessário que te disponhas a iniciar a Obra, pois estás demorando muito.” Nessa altura já o Centro não era mais no casebre, mas sim numa boa casa, de propriedade de Luiz Thomaz.

    Luiz de Mattos, entretanto, ressentia-se ainda da prevenção que tinha com o baixo espiritismo e como via todos que nele se metiam acabar na miséria, pensava na família, pensava no que era preciso dispender com a criação de um Centro à altura de tão bela Doutrina, e receava não poder arcar com tamanha responsabilidade. O Astral Superior, vendo-lhe no aura a preocupação, insiste, por intermédio do Guia Custódio Duarte em que era preciso caminhar; assim assediado, responde Luiz de Mattos:

    – Sim… estou pronto para a luta, contanto que aos meus nada venha a faltar.

    – Satisfaz-nos a tua resposta, disse Custódio Duarte, e certo podes estar que nada te faltará a ti nem aos teus, e tudo há de aumentar e àqueles que junto de ti viverem nada faltará.

    A ti, a parte espiritual, a Luiz Thomaz a parte material. Sois os dois responsáveis por esta Doutrina. Caminhai unidos e por vós velaremos, uma vez que em pensamentos procureis religar-vos a nós.

    Assim foi iniciada a Doutrina da Verdade em 1910, na cidade de Santos, construindo-se um edifício para a sua explanação à Avenida Ana Costa no 67, em 1912, outro no Rio à rua Jorge Rudge no 121, para onde, por ordem Superior passou a Chefia da Doutrina, visto ser a Capital do país.

    Compreendida a Doutrina por Luiz de Mattos, a ela se entregou de corpo e alma como lutador incansável, sem a menor dúvida ou vacilação.

    Iniciou em Santos uma larga campanha de difusão dos Princípios escrevendo uma série de artigos na “Tribuna” em que explicava que a loucura, assim como outras enfermidades julgadas incuráveis pela classe médica, tinha cura, com o tratamento racional e científico. Os médicos de Santos ficaram perplexos e com ele se foram entender a fim de não escrever mais contra a classe médica. Eles reconheciam que o que dizia Luiz de Mattos era verdade, mas não o podiam acompanhar por faltar-lhes coragem para vencer os preconceitos; todavia, estavam prontos a assinar toda receita fornecida pelo Centro presidido por ele, e mais: um dos médicos imediatamente foi ao seu farmacêutico dizer-lhe que aviasse todas as receitas enviadas por Mattos que ele assumia inteira responsabilidade.

    Inaugurado no Rio, o Centro Espírita Redentor, iniciou a explanação da Doutrina, no jornal “Tribuna Espírita” e algumas vezes pela imprensa em geral. Quatro anos depois por ordem de um dos Guias, Padre Fonseca, fundado foi o jornal “A Razão” a 19 de dezembro de 1916. Nesse jornal, o mais liberal que já houve, independente e orientador, eram doutrinados Governos, ciência, clero, setaristas, classes armadas e civis, desde o industrial, ao operário, desde o lavrador ao vendedor, consumidor, etc. Nesse órgão oficial do Racionalismo Cristão, gastou ele a sua energia e sua vida. Sustentou as campanhas mais sérias de que até hoje temos notícia. Sendo que a havida com o clero, da qual resultou a criação da obra: Cartas ao Cardeal Arcoverde causou espanto ao mundo. As verdades eram duras, o Cardeal de tão revoltado, ficou maluco, ordenando o Papa providências para a vinda da Bahia de D. Sebastião Leme para coadjutor, visto o Cardeal estar inutilizado do espírito.

    Por mais de uma vez tramaram o assassinato de Luiz de Mattos e não o conseguindo nas emboscadas traiçoeiras que lhe armavam, ao passar o seu carro, incumbiram dessa criminosa tarefa um bandido que se dizia seu companheiro na Doutrina. Esse hipócrita e infeliz, todos os dias à noite lhe beijava a face e dele se despedia, como se tocado pelo sentimento de verdadeiro amigo ou de um filho que o sabe ser. Mas, no entanto, a ruminar-lhe a alma trazia o crime e o premeditou com uma covardia vilíssima.

    Certo dia, alegando precisar falar-lhe com toda a urgência, às 5 e meia da manhã, desce Luiz de Mattos dos seus aposentos, em pijama, na sua simplicidade de homem puro, às pressas para atender ao suposto amigo, que lhe dava beijos com a boca, mas fel com a alma, e, supondo que alguma enfermidade, ou coisa grave houvesse em sua casa, pronto para ouvi-lo, ao descer a escada, vê-se inopinadamente alvejado à queima roupa por quatro balas de revólver, tendo a última ainda lhe chamuscado a manga do pijama. Vendo-se frustrado em sua tentativa de eliminar o benfeitor, fugiu, covardemente, supondo que Luiz de Mattos o processaria ou lhe mandaria fazer o mesmo. Enganou-se, porém, visto Luiz de Mattos ser homem para homem, ser sempre temido e respeitado pelas suas nobres ações.

    Aos bandidos ele respondia no terreno e na oportunidade da ofensa. Passando daí, vê-los, era o mesmo que ver caninos, e mais: se lhe mandassem pedir alguma coisa, não era capaz de negar. O quanto tinha de enérgico, guerreiro ou lutador, na defesa da família, dos amigos e da pátria, tinha também de bondoso, superior e altruísta.

    Na sua alma não se aninhava rancor. Para ele a palavra “não” devia desaparecer. O que mais lhe custava era negar, era deixar de servir a quem o procurava.

    A sua bondade era excessiva e por vezes até prejudicial. Era um homem que saia com dinheiro na algibeira e se alguém o não acompanhasse para impedir a aproximação de certa gente que vivia de expediente, de exploração, ele dava tudo que levava, a ponto de algumas vezes regressar à casa sem um real.

    Eram palavras dele: “Tomem conta de mim, não deixem aproximar-se certa gente; já sabem que não posso ouvir lamúrias; guardem-me o dinheiro”.

    Lutador igual ainda não houve.

    Sua indômita coragem, seu grande valor se tornaram evidentes quando à frente da “A Razão”, no seu artigo a “Nota”, diariamente doutrinava, esclarecia, orientava governos, ciência, clero e povo. Foi com sua pena manejada à vontade do Astral Superior, que o Brasil entrou na guerra, e se os seus governantes tivessem sabido seguir o que ele ensinava, hoje o país estaria cheio de ouro, como ficou a América do Norte. Foi com a sua “Nota” que ministros se viram na contingência de se demitir, tendo, todavia, mandado oferecer-lhe grandes somas para não prosseguir em seus escritos.

    Foi através de sua “Nota” que Ruy Barbosa ficou ciente e convencido de que nunca seria presidente da República, por ter sido ingrato filho. Tendo levantado a sua candidatura civilista para combater e derrotar a militar, de Hermes da Fonseca, abalou-se para os Estados em propaganda política, recusando-se a representar o país na Liga das Nações.

    Durante a existência do “A Razão”, coisas assombrosas se passaram, mas nem assim quiseram despertar.

    Os galfarros foram muitos, aves de rapina sem asas, voavam no patrimônio do “A Razão” e daí alguns terem se enchido à custa do jornal, porém é ditado velho: o alheio chora o seu dono. E dessas aves rapineiras, as que ainda andam por este mundo, sofrem, vivem como corvos, a alma talvez mais enegrecida do que as penas do próprio corvo.

    Foi, pois, Luiz de Mattos, um lutador incansável.

    Sua desencarnação deu-se antes do tempo. Concorreram para a antecipar: a falência de médiuns, a quem ele estimava como filhos, a quem ele esclarecia carinhosamente e amparava espiritualmente, sempre desejoso de vê-los progredir. Vivia para a Doutrina, e consigo, queria ver caminhando os que se diziam ser seus amigos. No “A Razão” quantas noites de tremendas lutas ele passou!

    A luta foi grande, porém, a maior que se viu forçado a travar foi para varrer do seu espírito as dores produzidas pelas ingratidões, pela perversidade dos que se diziam seus amigos e se tornavam traidores, vilões.

    Desencarnou essa nobre alma para entre nós continuar a lutar, e hoje mais ainda do que quando possuindo corpo físico. Agora ela é livre e está onde é preciso para intuir os que demonstrem querer lutar por causas justas.

    A sua obra ainda vagamente é definida, mesmo pelos que se julgam esclarecidos e conhecedores da Doutrina.

    Com o tempo, porém, os homens a compreenderão, e terão então, a medida exata do trabalho de autêntico gigante que Luiz de Mattos realizou à custa de todos as sacrifícios para confraternizar e espiritualizar a humanidade.
    Parece que o RC é uma das poucas religiões que não prega a humildade, mas a arrogância, coisa que você aprendeu bem.
    Mattos era um santo, todo poderoso. Há muita fabulação nesse relato, parece-se muito com o que os kardecistas dizem de CX, DPF, LHDR e outros.

  38. Marciano Diz:

    Já sei, RC não é religião, é ciência, filosofia. Kardecismo também. Arrogância pura. Não faltam os elementos das demais religiões, grandiosidade dos fundadores e propagadores, revelação, muito mito, muita mistificação.
    A diferença é que seus membros não são humildes, são arrogantes, julgam-se os únicos seres pensantes, quem não compartilha de suas ideias é porque não raciocina, a carne não raciocina.
    Assim você não vai conseguir fazer o proselitismo que pretende, está assustando os leitores, como assustou o CVF, o qual, a princípio, estava simpático às suas ideias. Sua arrogância o espantou.
    Não pense que o Alexandre é uma nova ovelha. Ele já estava fisgado, transparece da adoração dele por você e pela sua doutrina.
    Se ser inteligente é ficar babando ovo do Mattos, prefiro ser burro.

  39. Marciano Diz:

    Se meu nome fosse Luiz José de Moraes Mattos Chaves Lavrador eu também assinaria somente Luiz de Mattos. Quem é que vai querer assinar um nome enorme desses? Como era o papa do RC, era por simplicidade, ausência de pretensão, não por preguiça.

  40. Rafael Maia Diz:

    É chato pensar assim, mas concordo com vc josé dias. Praticamente não sabemos nada sobre o fenômeno espiritual. Cientificamente mesmo só temos pessoas que conseguem obter informações por meios anômalos. O resto é tudo tese e teoria, nada muito palpável

  41. Marciano Diz:

    Pérolas colhidas no fundo do oceano de sabedoria do racionalismo cristão, http://www.racionalismocristao.org:

    1.“O Racionalismo Cristão é uma ciência e uma filosofia, NÃO uma religião.” (grifo deles).
    Qualquer dia vai ser ensinada essa ciência nas escolas, junto com física, química, biologia.
    .
    2. “O Racionalismo Cristão afirma que o Universo é composto de Força e Matéria.”
    A Física moderna admite a existência de quatro tipos de força na natureza, chamadas mais adequadamente de interações: gravitacional, eletromagnética, e as forças nucleares forte e fraca. Ainda não reconheceram a quinta força, esses cientistas toscos. É a força racional cristã.
    .
    3. “A limpeza psíquica é uma prática de higiene mental, uma forma de se obter equilíbrio interior e tranqüilidade espiritual, recomendada pelo Racionalismo Cristão.
    Consiste ela nas irradiações, que são vibrações espirituais, pelas quais ocorre o arrebatamento de espíritos inferiores para fora da atmosfera fluídica da Terra. Esse arrebatamento é feito por espíritos do Astral Superior, que realizam a limpeza psíquica em entrosamento com os pensamentos disciplinados dos seres de boa vontade em exercício mental na Casa-Chefe e nas demais casas racionalistas cristãs, e dos que fazem a sua limpeza psíquica no lar.”
    As casas de quase a totalidade da população brasileira (menos, é claro, as casas de meia dúzia de gatos pingados) deve estar uma sujeira só. E as casas do resto do mundo, aonde ainda não chegou a sabedoria?
    .
    4. “O Racionalismo cristão recomenda às pessoas para procederem à limpeza psíquica em seus lares. Para tanto, devem reunir-se diariamente às 7 da manhã e às 8 da noite – horas locais – pois nesses momentos há corrente astral formada pelo conjunto de irradiantes. Não sendo possível cumprir o horário indicado, escolha-se a hora mais conveniente aos que dela participarem. Os que não puderem irradiar em conjunto irradiem individualmente, de preferência em local isolado e nas horas mencionadas.
    Quando a limpeza psíquica é feita em conjunto, um dos participantes faz as irradiações em voz alta e os demais o acompanham mentalmente. Quando a pessoa estiver só, as irradiações podem ser feitas mentalmente ou de viva voz. O importante é que durante as irradiações se desliguem de coisas, de pessoas, de tudo que seja material, de modo a obter a mais perfeita concentração, o que possibilita a religação com o Astral Superior por pensamentos afins.
    A limpeza psíquica no lar consiste em irradiar da forma seguinte e na seqüência indicada:
    Fazer a irradiação A dirigida ao Astral Superior uma única vez, e, em prosseguimento, repetir a irradiação B durante 5 minutos. Em seguida, fazer uma irradiação B dirigida ao Astral Superior e, para finalizar, fazer uma irradiação B dirigida ao Presidente Astral do Racionalismo Cristão.

    Irradiação A
    Ao Astral Superior
    Grande Foco! Força Criadora!
    Nós sabemos que as leis que regem o Universo são naturais e imutáveis, e a elas tudo está sujeito.
    Sabemos também que é pelo estudo, raciocínio e crescimento, derivado da luta contra os maus hábitos e as imperfeições, que o espírito se esclarece e alcança maior evolução.
    Certos do que nos cabe fazer, e pondo em ação o nosso livre-arbítrio para o bem, irradiamos pensamentos aos Espíritos Superiores para que eles nos envolvam na sua luz e fluidos, fortificando-nos para o cumprimento dos nossos deveres.

    Irradiação B

    Grande Foco! Vida do Universo!
    Aqui estamos a irradiar pensamentos às Forças Superiores para que a luz se faça em nosso espírito, e tenhamos consciência de nossos erros, a fim de evitá-los e nos fortalecer para praticar o bem.
    Significado das irradiações
    As irradiações que o Racionalismo Cristão aconselha constituem simples preparo mental, nada valendo se aqueles que as estiverem fazendo não procurarem sentir bem o seu significado.
    Para melhor alcance do objetivo a que as irradiações são dirigidas, destacamos cada uma das suas sentenças e o que significam:

    Irradiação A
    Ao Astral Superior
    Grande Foco! Força Criadora!
    Essas expressões definem a direção das irradiações. Astral Superior são espíritos evoluídos cuja ação, através do Racionalismo Cristão, beneficia a humanidade. Grande Foco ou Força Criadora designa o princípio inteligente, imaterial, ativo e transformador na sua concepção universal, do qual todos os seres são partículas integrantes.
    Nós sabemos que as leis que regem o Universo são naturais e imutáveis, e a elas tudo está sujeito.
    É uma afirmação categórica, indicativa de que os que irradiam estão esclarecidos sobre a espiritualidade, e sustentam que no Universo não há o acaso, o imprevisto, porque todos os fatos têm sua ocorrência explicada como resultado da aplicação inexorável da lei de causa e efeito.
    Sabemos também que é pelo estudo, raciocínio e crescimento, derivado da luta contra os maus hábitos e as imperfeições, que o espírito se esclarece e alcança maior evolução.
    É outra afirmação indicativa de que, pelo estudo dos princípios racionalistas cristãos, pelo uso do raciocínio e pelo crescimento espiritual decorrente da luta cotidiana para eliminar erros e defeitos morais, o ser humano manifesta esclarecimento progressivo e conseqüente evolução.
    Certos do que nos cabe fazer,…
    É a declaração que traduz o senso da responsabilidade no que concerne ao cumprimento dos deveres cotidianos.
    …e pondo em ação o nosso livre-arbítrio para o bem,…
    É o compromisso que o ser assume, consigo mesmo, de praticar o bem, visto que, sem esse propósito, as portas por onde penetram os maus pensamentos não estarão fechadas. O livre-arbítrio foi alcançado pelo espírito que raciocina com o fim de ser aplicado para o bem.
    …irradiamos pensamentos aos Espíritos Superiores…
    Desde que o objetivo é o de estabelecer contato com o Astral Superior, as irradiações se dirigem a esses espíritos evoluídos, pouco importando quais sejam, porque qualquer deles está animado de um só querer, que é o de ajudar a promover a evolução dos seres.
    …para que eles nos envolvam na sua luz e fluidos,…
    Assim como a limalha do ferro, atraída pelo ímã, fica debaixo da sua ação magnética, os seres, unidos por vibrações aos Espíritos Superiores, ficam, igualmente, sob a ação de sua luz e fluidos.
    …fortificando-nos para o cumprimento dos nossos deveres.
    O empenho no sentido de dar o melhor cumprimento possível aos deveres deverá ser uma aspiração constante que se reafirma em cada irradiação proferida, que tem o dom de fortalecer o espírito na luta pela vida.

    Irradiação B
    Grande Foco! Vida do Universo!
    Alerta o ser para a realidade do fato de que a Força Criadora também é vida e, como tal, penetra todo o Universo. Vida do Universo é, pois, uma expressão que afirma ser o Universo pleno de ação construtiva proveniente do Grande Foco.
    Aqui estamos a irradiar pensamentos às Forças Superiores para que a luz se faça em nosso espírito, e tenhamos consciência de nossos erros, a fim de evitá-los e nos fortalecer para praticar o bem.
    A finalidade das irradiações é estabelecer contato com as Forças Superiores. Sabe-se que o desejado esclarecimento espiritual leva cada ser a tornar-se consciente das suas falhas, das suas imperfeições, dos seus erros, como ponto de partida para evitar que se repitam, fortificando-se para levar a efeito ações e obras dignificantes.”
    Bastante científica essa limpeza. Ainda bem que eles ensinam.
    5. “Uma das práticas disciplinares mais importantes do Racionalismo Cristão é a Limpeza Psíquica. Essa higiene mental ou espiritual está para o espírito assim como o banho diário está para o corpo físico. Daí ser altamente benéfica a freqüência às Reuniões Públicas de Limpeza Psíquica.”
    Como tem porcos no Brasil e no mundo. Isso só vai acabar quando todos se converterem ao racionalismo cristão e deixarem de ser burros.
    ATENÇÃO: LIMPEZA PSÍQUICA NÃO É PASSE. PASSE É COISA DE KARDECISTAS, ATRASADOS. LOUVADO SEJA O LUIZ DE MATTOS.
    Ouça a rádio, assista a TV e leia o jornal.
    Contribua para a limpeza do planeta, mandando esses espíritos atrasados (inclusive eu) para longe.

    Ouçam a limpeza diretamente na rádio:
    http://www.arazao.net/radiorc/limpeza-psiquica.mp3

    ATENÇÃO, BOCÓS:
    Isto NÃO é religião, é ciência.

  42. bruno Diz:

    Parece-me que Luiz de Mattos está seguindo os mesmos passos de Kardec, e está errando nos mesmos pontos que o Kardecismo errou há mais de um século atrás.

  43. Marciano Diz:

    É isso mesmo, Bruno. Kardec se auto intitulava a terceira revelação. Mattos deve ser a quarta. Kardec não entendeu nada, ele corrigiu tudo. Não demora vem a quinta revelação, a sexta. Qual a diferença?
    Como vamos saber a quem seguir, se sempre aparece um novo e real don da verdade?

  44. Marciano Diz:

    “dono” da verdade.

  45. Marciano Diz:

    NVF disse:
    “Eu sou meio do contra também, gosto de negar tudo, mas toda vez que vou na umbanda, não consigo encontrar explicação alguma para os fenômenos mediúnicos. Os argumentos sobre super excitação cerebral não encaixam, muito menos os “parapsicológicos”, que pra mim parecem igualmente argumentos sobrenaturais.”

    Segundo o Luiz de Mattos e o Marden, deve ser porque na umbanda só tem “baixo espiritismo”. Leiam acima o que eu e ele escrevemos.

  46. NVF Diz:

    Marciano,
    .
    Isso de “baixo espiritismo” é puro preconceito e hierarquização. É um ranço positivista ligado a origem do próprio espiritismo.
    .
    Não há superiores e inferiores, isso é um crime. O mesmo que Hitler cometeu contra a humanidade.
    .
    O que há são diferenças, não superiores e inferiores.

  47. NVF Diz:

    Luiz de Mattos fala as mesmas coisas que Kardec, só muda a terminologia. Depois diz que Kardec é passado. Coisa de louco.
    .
    Viu, nem precisei falar de Racionalismo Cristão. Bastou entrarem no site que o Marden sugeriu.

  48. Marciano Diz:

    Bravo, NVF.
    Mattos parece que era mais um plagiador, desses que aparecem aqui no blog.
    Pega as ideias, piora um pouco, zaz traz.

  49. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Primeiramente, quero agradecer pela propagando que você tem feito do RC, colando alguns textos para todos os leitores do blog.
    .
    “Já sei, RC não é religião, é ciência, filosofia. Kardecismo também. ”
    .
    Quanto ao RC você acertou, mas o Kardecismo continua sendo um misto das 3 coisas citadas.
    .
    “A diferença é que seus membros não são humildes, são arrogantes, julgam-se os únicos seres pensantes, quem não compartilha de suas ideias é porque não raciocina, a carne não raciocina. ”
    .
    Você conhece os membros do RC? Quantos? Quais? Cite nomes como você faz com os membros do Kardecismo. Não foi você quem disse que em sua cidade não tinha uma casa racionalista? Você acha que nos julgamos os únicos seres pensantes é isso? Você acha que a carne raciocina?
    .
    “Assim você não vai conseguir fazer o proselitismo que pretende”
    .
    Por acaso você pensa que eu quero proselitismo? O que eu ganharia com isso? Onde resido nem casa racionalista tem e já te falei isso.
    .
    “Não pense que o Alexandre é uma nova ovelha. Ele já estava fisgado, transparece da adoração dele por você e pela sua doutrina.”
    .
    Isso é jeito de se falar das pessoas? Tome postura de homem e seja menos Marciano. Respeite as ideias das pessoas e quando não, justifique porque você acha que tal ideia esteja errada. Ele simplesmente concordou com o meu pensamento de que carne não pensa. Respeite para ser respeitado. Isso aprendemos no Espiritismo.
    .
    “Se ser inteligente é ficar babando ovo do Mattos, prefiro ser burro. ”
    .
    Isso é linguagem superior? O que virá a seguir? A psicologia nos aponta algumas direções, por exemplo: quando nos sentimos encurralados (que é o seu caso agora, encurralado pelas ideias), temos a tendencia de querer fugir ou gritar. E você vem fugindo do assunto levantado por mim e usou letras garrafais que aqui significa gritar. Mas o pior talvez ainda esteja por vim, acobertado pelo anonimato e por atos de covardia que você já deixou transparecer, talvez venha a duvidar da minha masculinidade me chamando de nomes pejorativos, ou quem sabe irá querer ofender a minha mãe? São recursos usados quando estamos com medo. E o que te assusta?

  50. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Quando não se pode ir contra os fatos, então vocês (materialistas) criam boatos? Que mal teve Luiz de Mattos, que por direito que lhe assiste, ter herdado os nomes fidagais de seus país? Sofreria então do mesmo mal aquela que foi uma princesa e primeira senadora do Brasil, por querer apenas assinar e ser chamada de Princesa Isabel? Ainda que pertencesse às famílias de Orléans e Bragança?
    .
    E o que isso teria a haver com as questões levantadas por mim e que você, como um “justiceiro incondicional”, um buscador da “verdade”, insiste em querer recusar em investigar? O que você teme? Tem algo a perder? Tem vergonha de dizer que não sabe?

  51. Marden Diz:

    Bruno,
    .
    Poderia me citar quais os passos seguidos e quais os erros? Seria interessante apontar os erros, você não acha? Se não fica no disse me disse.

  52. Marden Diz:

    NVF,
    .
    Entendo o seu desgosto quanto à palavra superior e inferior. Isso poderia ser evitada, mas é justificada. Ainda mais para você que tem uma mãe e outros parentes que se deixam atuar por essa classe de espíritos. É fácil entender o seu descontentamento, é algo pessoal para você.
    .
    Mas e quanto as Escolas Superiores do nosso país? Ao nosso Ensino Superior? Aos superiores das nossas Forças Armadas? E quanto ao Conselho Superior de Magistratura? Conselho Superior da Justiça do Trabalho? Bem vou parar por aqui, por que os Órgãos e Conselhos Superiores são extensos.
    .
    Assim como um aluno de uma escola primária, ou um adulto analfabeto, poderá um dia ser um aluno de uma Escola Superior, os espíritos que se encontram em uma condição inferior, poderá um dia estar em uma condição mais favorável, numa condição de superioridade em relação a outros em estágios menos evolutivos. Em ambos os casos, tudo irá depender de méritos próprios. Mendigando favores nada se consegue, ou pelo menos nada se consegue nos planos astrais.

  53. Marden Diz:

    NVF,
    .
    Quem disse que Kardec é passado? Foram palavras minhas ou você quer novamente se fazer passar por mim tentando adivinhar quais seriam minhas respostas, como já fez anteriormente?
    .
    Espiritismo é uma coisa só! Com o passar dos anos as sociedades vão se transformando e o Espiritismo tem que se ir adequando, dando respostas satisfatórias à sociedade sempre basadas em ciência e filosofia. A tarefa árdua de Luiz de Mattos, foi retirar do Espiritismo o ranço religioso, deixando apenas a parte científica e filosófica.

  54. Marciano Diz:

    JCFF,
    Cumprindo minha promessa de me converter a todas as religiões, acabei de ingressar no Salão do Reino, das Testemunhas de Jeová.
    Eles mandaram eu sair com um irmão de fé, batendo de porta em porta, pra vender umas revistas e uns livrinhos.
    Não gostei muito da ideia, mas eles disseram que se eu quiser ser ressuscitado em carne e osso depois do Armagedon, pela obra e graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, para viver em paz com 144.000 outros (agora o número aumentou, eles vivem mudando), sem contar os animais carnívoros que virarão vegetarianos, eu tenho de vender essas porcarias.
    Dê-me seu endereço, vou aí vender umas revistinhas pra você e salvar sua alma, você está na religião errada, eles me disseram.
    Salvamo-nos os dois.
    Depois nós fazemos uma limpeza psíquica, conforme ensina o sábio e superior Racionalismo Cristão.
    Você aproveita pra me explicar melhor quem é esse Nosso Senhor Jesus Cristo, cada um diz uma coisa sobre ele, fico confuso, não inteligente e culto como o pessoal do Racionalismo Cristão.
    Já melhorei como pessoa, estou escrevendo o nome dessas porcarias tudo com iniciais maiúsculas.
    MARDEN.
    O pior está por “vim”? Vá estudar português.
    Use uma linguagem superior.
    Deixe essas coisas para o sábio galinha tonta.
    Quando foi que te chamei de nomes pejorativos ou xinguei sua mãe? Ficou mais louco?
    Estou me lixando pra sua masculinidade ou falta dela, meu negócio é mulher.
    O que me assusta são os “espíritos superiores”.
    Eu já estava quase convencido a entrar para o racionalismo cristão, mas o JCFF, no outro post, me convenceu a me tornar católico apostólico romano.
    Você não leu com atenção o que eu escrevi. Nada demais o cara ter nome de fidalgo (só perde pro Pedro I e pra princesa Isabel). O problema foi seu colega de fé dizer que ele assinava Luiz de Mattos por ser humilde, simples, quando na verdade dá um trabalhão escrever um nome desses.
    “E o que isso teria a haver”???!!!
    Já falei, estude um pouco de português. Peça a uns espíritos pra te ensinarem durante o sono.

  55. Marciano Diz:

    Marden,
    quando é que vão começar a ensinar essa ciência superior junto com física, química, biologia, nas escolas?
    Se eu tivesse estudado tal ciência na adolescência, seria agora um ser superior, como você e o Mattos. Saberia fazer a racional e científica limpeza psíquica.
    JCFF,
    especial pra você:
    Ave Maria, gratia plena, benedicta tu in mulieribus et benedictus fructus ventris tuum, Iesu.
    Sancta Maria, mater Dei, ora pro nobis, pecatoribus, nunc e in hora mortis nostrae, amen.
    Desculpe alguns erros na grafia do latim, é que estou aprendendo com o espírito desdobrado do galinha tonta, o qual conheci por indicação do espírito superior Marden.

  56. bruno Diz:

    Marciano,
    Considero a metodologia usada por Kardec em sua codificação completamente falha. O controle usado por Kardec em seu famoso CUEE esteve muito aquém do que se esperaria de um trabalho científico, como os kardecistas as vezes o consideram. Sem o controle das respostas dadas pelos espíritos ditos *superiores*, ficamos à deriva de muitas indagações a respeito da suposta codificação, ficando esta, sujeita a dúvida se existiu ou não algum tipo de “pitaco” de Kardec na obra.
    Se Kardec tivesse, no mínimo, indicado hora, local, e contexto em que as comunicações ocorreram, assim como a variação das respostas dadas (é claro que o livro ficaria imenso, mas é de se duvidar onde é que foi parar todo esse arsenal de informação) teriamos no mínimo, um trabalho respeitável.
    É claro que o espiritismo não tem nada de ciência considerando o sentido epistemológico acadêmico da palavra, porem, acredito eu que ele tambem está muito alem de ser uma simples religião.
    -
    Outra coisa que me incomoda muito no Kardecismo é a soberba existente na doutrina, considerando-se como a terceira revelação divina, detentora da verdade absoluta do mundo (mesmo não sendo essa a intenção, a priori, de Kardec).

  57. NVF Diz:

    Marden,
    .
    Instituições, órgãos, pessoas jurídicas, etc, não tem nada a ver com seres humanos e espíritos. Dizer que um espírito é inferior, é o mesmo que dizer que a pessoa em que ele está encarnado é também inferior.
    .
    Portanto, não tem nada a ver a comparação que você fez. Chamar instituições de inferiores e superiores não ferem a dignidade humana delas, simplesmente porque elas não são humanos.
    .
    Por considerar seres humanos inferiores, determinados sujeitos fizeram o que fizeram.
    .
    “Ainda mais para você que tem uma mãe e outros parentes que se deixam atuar por essa classe de espíritos. É fácil entender o seu descontentamento, é algo pessoal para você.”
    .
    Essa sua frase não condiz com o que você escreve, com relação à moralidade. O maledicente aqui está sendo você, dessa vez. Não se esqueça da “expiação” por qualquer tipo de mal que você fizer.
    .
    Você confessou que sequer foi numa casa Racionalista Cristã. Você é só mais um espírita de internet, deslumbrado com as coisas que lê e que se acha muito racional. Acorda, filhão.
    .
    Sinceramente, estou cansado de loucos e fanáticos. Por isso não dou muita corda pra você.
    .
    Outra coisa: vai estudar mais História, Sociologia e Filosofia no lugar de Racionalismo Cristão. Isso vai te dar elementos para questionar sua fé cega, a que chama de ciência e razão. Vai perceber como sua doutrina, decorrência de Kardec, é uma cópia da filosofia do Séc XIX e tão preconceituosa quanto. Até mais irracional.
    .
    Dica: Leia, pra começar, as análises sociológicas a respeito do Séc. XIX e a filosofia de Immanuel Kant, e de Augusto Comte. Relacione. Faça como você disse pra mim: estude! Mas estude coisas que sirvam para te deixar mais inteligente.
    .
    É triste ver como no Brasil até mesmo as pessoas consideradas “elite” estão bem aquém do que se espera de pessoas com nível universitário.

  58. NVF Diz:

    Não é a toa que Espiritismo só passa de 1% da população aqui no Brasil.

  59. NVF Diz:

    No resto do mundo, países desenvolvidos em educação, as pessoas sabem o que há por trás das doutrinas espíritas. Por isso não seguem o espiritismo. Os espíritas no estrangeiro, nada mais são do que imigrantes brasileiros.

  60. NVF Diz:

    Bruno,
    .
    Concordo com o que você escreveu por último. Aliás, isso que você falou é extensível ao Racionalismo Cristão, conforme percebemos pela postura do tal Marden.

  61. Alexandre Neuwert Diz:

    Marden, também concordo, mas eu deveria ter escrito um pouco mais. As vezes posso parecer arrogante por não dizer tudo o que eu deveria.

    Sim, carne não pensa, isso é um axioma. Não há possibilidade alguma da matéria pensar.

    Portanto há algo a mais, como Sócrates tinha certeza, os antigos egípcios tinham certeza, assim como os orientais tem certeza.

    Ainda sim a investigação aberta para se compreender cada vez mais é totalmente saudável. Porém parece-me que os céticos não são capazes de sequer admitir como hipótese, ou quando admitem, não fazem senão com ironias e idéias pré concebidas. O que não é digno de um investigador que mereça crédito.

  62. Lego Diz:

    Vitor, se quiser aprofundar-se nos estudos sobre a reencarnação, recomendo começar com os livros de Ian Stevenson – principalmente o primeiro: Twenty Cases Suggestive of Reincarnation. (1966). Outra obra essencial é Life Before Life: A Scientific Investigation of Children’s Memories of Previous Lives de Jim B. Tucker. São autores com formação científica e que dedicaram a vida a compreender os relatos de crianças sobre supostas vidas passadas. Essas obras, a meu ver, são imperdíveis e abordam todas as possibilidades fraude, telepatia, etc.
    Abraços.

  63. Biasetto Diz:

    Olá Lego!
    Percebo que você é novato aqui.
    O Vítor é fã destes caras aí, tanto que fundamenta boa parte de seus estudos e ideias, exatamente neles.
    Tem até artigos aqui no blog, sobre estes pesquisadores.

  64. Marciano Diz:

    Bruno,
    “conversar” com você, através desses comentários, é um prazer. Coloquei entre aspas porque está mais para recados do que conversa.
    Concordo em quase tudo com você a respeito do espiritismo. Nossa única divergência é que eu não acredito em espíritos e, por conseguinte, acho que ou o LHDR falseou as respostas dos “médiuns” conscientemente, ou o fez sem maldade.
    O que os médiuns responderam também é irrelevante para mim, pois acho que ou mentiram ou se colocaram em um estado alterado de consciência, acreditando que espíritos se manifestavam através deles, da mesma forma descrita no que postei sobre transe e possessão, da psiqweb.
    Para mim, dentre outras coisas, o espiritismo se diferencia de outras religiões por tentar evitar dogmas e rituais, procurar um lado mais filosófico, mas não consegue. É cheio de dogmas, verdades admitidas como verdadeiras sem provas, e rituais, como o do passe no final das palestras, as preces no início e no fim.
    E realmente são muito soberbos, mas nesse quesito perdem feio para a turma do MATTOS.
    Um abraço.
    .
    NVF,
    Assino tudo o que disseste.
    .
    Lego,
    Pelo conselho que você deu ao Vitor, eu acho que quem andava em Marte era você. Ele é fã do Ian Stevenson, postou várias coisas recentemente baseadas em trabalhos do Stevenson.
    De uma olhada no resto das postagens. E seja benvindo.

  65. NVF Diz:

    Alexandre,
    .
    “Porém parece-me que os céticos não são capazes de sequer admitir como hipótese, ou quando admitem, não fazem senão com ironias e idéias pré concebidas. O que não é digno de um investigador que mereça crédito.”
    .
    Não me considero cético, talvez esteja mais para “agnóstico espírita”, se é que isso existe, rs.
    .
    Mas concordo com isso de que é preciso se admitir apenas como hipótese. Afinal, o método científico tem como uma das primeiras etapas a própria hipótese. É preciso se admitir o desconhecido e que as leis da física podem não ser absolutas.

  66. NVF Diz:

    *admitir como hipótese (sem o “apenas”).

  67. Marciano Diz:

    Tenho a impressão de que os religiosos, seja qual for sua religião, existem dezenas de milhares, são todos classificáveis em dois grupos: uns completamente analfabetos, ignorantes, que não conhecem nem sua religião, supersticiosos, e outros pedantes, pernósticos, falsos modestos, que querem ridicularizar qualquer um que não concorde com sua crença, chamar de ignorante, mandar estudar, mostrar uma cultura inútil fabulosa, mostrar que conhece profundamente coisas que não têm a menor importância, rituais malucos, lendas, histórias fantásticas, rituais complicados, histórias mal contadas, personagens que só tem importância dentro da religião, uns completamente fantasiosos, como o milagroso jesus cristo, outros, embora reais, mistificados ao extremo, como muhammad, ficam espezinhando quem não sente necessidade de acreditar em coisas fantásticas.
    Tem o grupo dos que gostam de acreditar em discos voadores, extra terrestres que só aparecem em vídeos e fotos fora de foco, não se escondem mas também não se mostram.

  68. Lego Diz:

    Pois é Biasetto! Sou novato mesmo :)
    Peço desculpas ao Vitor, pois percebi que ele já está bem familiarizado com a literatura que eu apontei. Sou diletante, coleciono e leio livros sobre o assunto. Gostei do material do site. Os posts são bem interessantes e os comentários, na maioria, pertinentes. Gosto do debate, mas, infelizmente, não sobra muito tempo para contribuir… Muito embora eu não tenha chegado à conclusão alguma acerca da existência, ou não, de espíritos, existe um site com material interessante sobre reencarnação e outros fenômenos. http://existemespiritos.com/reencarnacao.html

    Abraços.

    Abraços!

  69. Marciano Diz:

    Ser normal num mundo de malucos é terrível.

  70. Vitor Diz:

    Oi, Lego
    esse site aí é meu também…. só que atualizar lá dá muito trabalho, e tenho passado algum material de lá para cá.

  71. Lego Diz:

    Meus “duplos” parabéns, então! Já li todo o material daquele site. Acompanhava constantemente a atualização e fico aliviado em saber que a busca continua…

  72. Marciano Diz:

    Gosto muito deste blog. Acompanho-o há cerca de 3 ou 4 anos. Aprendi muita coisa aqui, como por exemplo, os plágios de cx, dpf, os erros históricos do personagem Emanuel, inventado pelo cx. As fotos grotescas de materializações das quais participou cx.
    O que incomoda é que tem vários fantasmas que assombram o blog.
    JCFF fez bons trabalhos aqui, ajudou a desmascarar um monte de “espíritas”. Para mim é uma decepção ver que ele é um católico fervoroso.
    Melhor do que qualquer cético para mostrar as falsidades das religiões é outro religioso. Eles se esmeram em demonstrar os absurdos das religiões dos outros. Fazem um excelente trabalho, melhor do que o de qualquer cético. Entendem mesmo do assunto. Pudera. Conhecem o assunto do lado de dentro.
    Ninguém melhor do que um mágico para mostrar os truques de outro. Ninguém melhor do que um religioso para mostrar os absurdos de outra religião. Está cheio de Valentinos aqui (o Mr. M).
    Às vezes a leitura é difícil, os autores querem mostrar como são eruditos, inteligentes, fica meio chato. Mas vale a pena.
    Isto aqui é muito melhor do que o site do André, por exemplo. O cara não acredita em nada e se diz agnóstico, não admite que o contestem, vive buscando auto-afirmação, querendo mostrar que é um gênio e que os outros são uns néscios.
    Aqui não é muito diferente, mas em geral os autores dos posts são menos arrogantes.
    Complica mesmo é nos comentários.
    .
    Eu preferiria uma discussão mais respeitosa, como alguns poucos aqui fazem. Por vezes me excedo, mas só quando sou provocado. E isso acontece aqui com frequência.
    O site do Mori (o outro site) também é bom, mas ele gosta muito de falar de discos voadores. Muito repetitivo.

  73. Jurubeba Diz:

    Aos entendidos: Me apontem onde, ou quando, o Espiritismo utiliza o Método Científico! Ele pode ser qualquer outra coisa, menos ciência!

  74. montalvão Diz:

    Prezados,

    Meus comentários ao lindo texto juliano.
    .

    JULIO: A reencarnação e a sobrevivência pós morte fazem bastante sentido à luz da biologia e à luz do darwinismo.
    Afinal de contas, é justamente isso que os organismos vivos fazem o tempo todo: sobreviver e reencarnar. Vírus reencarnam (mudam de hospedeiro para hospedeiro), genes reencarnam, parasitas os mais diversos reencarnam, etc. Ideias também reencarnam.
    .
    Então a questão não é se tais eventos fazem sentido ou não à luz da biologia e do darwinismo. A questão é, o quê estaria reencarnando, o quê estaria sobrevivendo, e como se daria (qual o mecanismo efetor de) tais reencarnações e sobrevivências.
    .
    COMENTÁRIO: o “centro” da argumentação está na suposição de que a reencarnação se mostra na natureza e, portanto, é admissível que possa ocorrer em outro nível existencial.
    .
    Entretanto, salta à vista o inusitado da concepção, expendida pelo nosso amigo Júlio, de que certas espécies “reencarnem”, e até mesmo genes passariam por tal processo. Ora, a reencarnação, no conceito ocidental mais conhecido, é a volta do espírito ou alma em novo constructo corpóreo. E a suposição mais acreditada é a de que o fenômeno só ocorreria com e entre humanos. Desse modo, quem hoje seja um “amigo urso” não renascerá como um urso amigo em outra vida.
    .
    Examinando-se a tese da “reencarnação viral”, por exemplo, o que encontramos? Os vírus são os seres mais simples da natureza, alguns autores questionam que mereçam a consideração de “ente vivo”, seriam sim algo como “quase-vivos”. Isso porque não possuem metabolismo próprio, nem capacidade de autorreprodução, necessitam estar hospedados em alguma célula e dela retirarem o que carecem para a perpetuação. Seria, pois, um processo reencarnatório bem esdrúxulo.
    .
    A “reencarnação” de parasitas e de genes é tão ou mais estranha. Parece-me que só com boa dose de generosidade poder-se-ia falar em reencarnação na natureza.
    .
    Ainda que o autor consiga argumentar favoravelmente à suposição que defende, ou seja, a de que CERTAS ESPÉCIES experimentam uma “espécie” de reencarnação, mesmo assim, não significaria que o processo acontecesse em outra desconhecida e incerta instância dita “espiritual”. Seria imprescindível demonstrar (não apenas acreditar) que a existência se prolongasse após a decadência orgânica e que ocorresse reencarnativamente (poderíamos, os que teem alma, cair em gostoso e recuperador sono coalhado de bonançosos sonhos pela eternidade além).
    .
    Além disso, há um equívoco lógico na afirmação do nobre autor, ele disse: “Afinal de contas, é justamente isso que OS organismos vivos fazem o tempo todo: sobreviver e reencarnar.”
    .
    Obviamente, não é isso o que “OS organismos vivos” fazem. Quanto muito, poderia ser dito: é isso o que ALGUNS organismos vivos fazem. Isso porque os exemplos que deu situam-se na escala mais simples da vida (no caso dos genes, nem em vida se pode falar). Desse modo, mesmo na natureza, a ilustração reencarnativa estaria prejudicada: se vírus e alguns parasitas “reencarnam” não se pode automaticamente conceber que ao ente humano esteja reservada tal sina.
    .
    JULIO: Se utilizarmos a hipótese de que existem espíritos, então tais espíritos seriam módulos capazes de processamento de informação e seriam agentes autônomos. Talvez os espíritos tenham aparecido apenas nos animais mais “superiores” (como antropóides e cetáceos). Ou seja, talvez sejam fruto da evolução e tenham aparecido como um desenvolvimento do cérebro de tais seres vivos. Faz sentido sim que tais entidades (espíritos) tentem a sobrevivência autônoma. Isso acontece com algumas células nossas, as células cancerosas, que buscam, através da quebra das regras, sobreviver no modo freelancer individualmente e eternamente (imortalmente).
    .
    COMENTÁRIO: cada um dos “talvez” propostos pelo autor (talvez existam espíritos, talvez tenham aparecido em certas espécies, etc.), ensejaria longas e penosas discussões. Por ora fiquemos com a apreciação sumária: considerados que todos os “talvezes” apresentados (e outros que podem ser interpostos) fossem corretos (ocorressem conforme suposto), e que as as entidades espirituais tentassem sobreviver autonomamente, cairemos na mesma dificuldade exposta anteriormente, e com uma agravante: “tentar” sobreviver não é garantia de sobrevivência (os organismos vivos “tentam” sobreviver até o último alento, mas nenhum consegue quando a morte se mostra inevitável). E mais, supondo que sobrevivam, continuamos a perguntar: porque essa sobrevida se daria em termos reencarnativos? Existem 1.000 opções sobrevivenciais disponíveis, além da suposição multividas.
    .
    O exemplo das células cancerosas, que lutam por sobreviver marginalmente, não me pareceu feliz, visto que o resultado dessa “quebra de regras” resulta na destruição do hospedeiro, o que acarreta a derrocada do câncer. Se isso for ilustração reencarnativa…
    .
    JULIO: Uma das hipóteses para a origem dos vírus é também justamente essa, de que tais entidades eram partes de genomais maiores e que desenvolveram autonomia. Uma outra possibilidade é que espíritos sejam parasitas em contato com corpos humanos. Com o passar do tempo, tal parasitismo começa a ficar mais simbiótico. Enfim, sentido à luz da biologia faz. Mas se é verdade ou não, quem sabe?
    .
    COMENTÁRIO: curioso: parasitismo se tornando simbiótico no decorrer do tempo… parece muito otimismo. A conjetura de que “espíritos” seja parasitas de corpos lembra crenças em possessões demoníacas. Além disso, teríamos de conceber que o corpo é uma vida específica, diferente da vida espiritual que dele se aproveita e que, talvez, durante o convívio parasitário as duas existências se fundissem numa única… sei lá onde iria parar uma reflexão dessas…
    .
    Saudações,

  75. Lego Diz:

    Pessoal, gostaria de saber se alguém teria qualquer material de análise da obra An Experiment with Time (1927), de John William Dunne. Pode ser outro material que aborde os sonhos precongnitivos. Obrigado!

  76. montalvão Diz:

    Sem querer me meter e já metendo, faço comentário no belo diálogo entre Marden e Marciano.
    .

    MARDEN: Você com seu raciocínio lógico e ceticismo materialista (eu sou cético espiritualista), consegue decifrar os fenômenos que ocorreram com Edvalson Bispo dos Santos, vulgo Galinha Tonta? Ele aprendeu 3 idiomas enquanto dormia através de sonhos, pois tinha a visita de 3 “amiguinhos” de nacionalidades diferentes. (Veja o vídeo:http://goo.gl/PdtsP)
    .
    MARCIANO: Só vejo uma explicação para o caso que você linkou: MENTIRA!!!
    Esse programa, Fantástico, só tem lixo. Já começa pelo nome. Apelação pura.
    O galinha tonta deveria ter arranjado uns amigos que lhe ensinassem português, seria mais útil. O cara não conhece nada de gramática, tem um péssimo vocabulário e nunca ouviu falar em ortoépia.
    .
    COMENTÁRIO: a postura de Marden é típica de quem se deslumbra ante a coisa incomum e rapidamente procura explicação mística. A posição do Marciano é “pé no chão”. Não quero julgar quem esteja certo e errado, mas o Marden dificilmente terá como amparar suas suposições, a não ser recorrendo a elucubrações imaginosas que toma por evidências. Quem afirma que o mundo espiritual seja assim e assado e que os “espíritos” agem de tal maneira, ou sabe muito, ou, o que é mais provável, é dotado de grande capacidade criativa.
    .
    O caso do Galinha Tonta não é falso. Não vejo razão para que tenham armado uma encenação daquelas. No entanto, isso não quer dizer que o moço realmente tenha aprendido as línguas que diz saber por meio da visitação de espíritos. Provavelmente trata-se de um desses dotados de facilidade com idiomas e que, desde a infância, tenha tido contato com as línguas que (mais ou menos) domina. Os espíritos visitantes funcionam como compensação mágica à situação sócio-econômica do rapaz (talentoso, pobre, feio e tido por louco). O interesse do programa é divulgar, de forma sensacionalista, a notícia e deixar na mente do expectador a ideia de que algum mistério misterioso ronda a vida do pobre rapaz. Nada acrescenta em termos elucidativos. Se quisessem fazer bom trabalho teriam investigado a vida do garoto e consultado especialistas no assunto para que opinassem (neurologistas, psiquiatras, psicólogos).
    .
    Saudações,

  77. Marciano Diz:

    Montalvão demora a se manifestar, mas quando o faz é magistral.
    O John Dunne (John Doe?) tem uma teoria bem maluca sobre o tempo, o qual seria um todo composto de passado, presente e futuro, nós só perceberíamos uma coisa de cada vez, por isso teríamos uma concepção distorcida do tempo em si.
    Ele procura explicar precognição em essa teoria maluca. Bem melhor do que ele é Guy de Maupassant, em um conto, não me lembro agora, ele diz que a gente tem premonições o tempo todo, quase todas dão erradas e a gente descarta. Quando uma delas dá mais ou menos certo, usamos a memória seletiva para registrar só esta.
    Dunne se dizia médium e espiritualista, o que compromete qualquer coisa que diga para justificar suas crenças.
    Qualquer dúvida, consultem a New Scientist. Há uma artigo sobre o que falei (Ruth Brandon Scientists and the supernormal – New Scientist 16 June 1983 p. 786)

  78. Marciano Diz:

    Montalvão, quando eu disse mentira, não quis dizer que o cara não soubesse se expressar nos idiomas apontados na reportagem, mas sim que JAMAIS poderia ser verdade que aprendera em sonhos, com espíritos, pela simples razão de que espíritos não existem e, caso existissem, só perderiam tempo em ensinar suas línguas a um tonto qualquer se fossem retardados.
    Ademais, para que espíritos precisariam de idiomas, se comunicam-se telepaticamente, segundo os crentes?
    Outra coisa: pode-se ver no vídeo que o alemão e o inglês do tonto são uma porcaria, o português, nem se fale. Quanto ao japonês, deixo por conta do Mori.
    Quanto ao programa FANTÁSTICO, como o próprio nome indica,
    é puro sensacionalismo e exploração da credulidade pública, o que dá a maior audiência (dindin).

  79. Toffo Diz:

    Hum… agora começou a ficar mais interessante. Entrou gente nova no pedaço!

    Bruno, você comentou acima o seguinte: “Outra coisa que me incomoda muito no Kardecismo é a soberba existente na doutrina, considerando-se como a terceira revelação divina, detentora da verdade absoluta do mundo (mesmo não sendo essa a intenção, a priori, de Kardec).”

    Na verdade, o autoritarismo está na raiz mesma do espiritismo. O famoso “crivo da razão” que é a marca da doutrina espírita não passa, na verdade, do crivo da razão DELE, Kardec. Não se trata de submeter as alegadas comunicações a um colegiado, que iria deliberar se aquilo era bom ou não. Ou fazer um trabalho de pesquisa sobre o assunto, pedindo opiniões diversas ou pesquisando nos livros (hoje, na internet). Não. Trata-se do crivo do chefe. Passou por ele, está limpo. Não passou, vai pro lixo. A censura começou ali mesmo, com o antigo prof. Rivail, agora mestre Kardec, o celta. Que padecia de outros males também. Por exemplo, de dar exagerado valor “aos homens instruídos e graves” e desprezar os simples, a seu ver não preparados intelectualmente para tão árdua tarefa, a de analisar os espíritos. Por isso mesmo os médiuns eram, geralmente, pessoas de classes baixas – e isso era desejado pelo chefe, porque, quanto mais rústico e ignorante o médium, mais fácil se tornava verificar a qualidade das comunicações, já que as pretensamente ‘instrutivas’ não estariam no nível desses pobres coitados. Quer dizer, médium escolarizado era no mínimo suspeito. Aí então se criou o fosso entre os “mediums” e os “évocateurs”, ou presidentes de centros, que necessariamente deveriam ser homens instruídos e graves, “superiores” aos médiuns. Portanto, essas veleidades todas nas relações com os médiuns, esses fumos de superioridade científica, de “métodos dedutivos”, que provaram ser falhos – Kardec desprezava tudo o que fosse divergente e aceitava o que ele achava ser o “consenso universal”, sem considerar que a divergência poderia também ser verdadeira (vide a famosa questão dos cisnes negros, inexistentes na Europa, quando era “consenso universal” que cisnes negros não existiam, mas eram sim existentes na Austrália e os europeus não conheciam). Assim, a base doutrinária do espiritismo é essencialmente autoritária e centralizadora, e John Monroe explica porque o espiritismo acabou perdendo lugar entre as vertentes de conhecimento, justamente pela incapacidade de dialogar com os tempos mais novos. Essa base autoritária foi transplantada para o Brasil e hoje a gente vê, nas discussões com espíritas, como eles reproduzem tão bem essa base. A doutrina espírita fossilizou-se, encerrou-se em si mesma, o tempo passou na janela e só as carolinas espíritas não viram.

  80. NVF Diz:

    Jurubeba,
    .
    “Aos entendidos: Me apontem onde, ou quando, o Espiritismo utiliza o Método Científico! Ele pode ser qualquer outra coisa, menos ciência!”
    .
    .
    “Geralmente o método científico engloba algumas etapas como: a observação, a formulação de uma hipótese, a experimentação, a interpretação dos resultados e, por fim, a conclusão.
    .
    Porém alguém que se proponha a investigar algo através do método científico não precisa, necessariamente, cumprir todas as etapas e não existe um tempo pré-determinado para que se faça cada uma delas. Charles Darwin, por exemplo, passou cerca de 20 anos apenas analisando os dados que colhera em suas pesquisas e seu trabalho se constitui basicamente de investigação, sem passar pela experimentação, o que, contudo, não torna sua teoria menos importante. Algumas áreas da ciência, como a física quântica, por exemplo, baseiam-se quase sempre em teorias que se apóiam apenas na conclusão lógica a partir de outras teorias e alguns poucos experimentos, simplesmente pela impossibilidade tecnológica de se realizar a comprovação empírica de algumas hipóteses.”
    .
    (http://www.infoescola.com/ciencias/metodo-cientifico/)
    .
    Assim, apesar das críticas ao método de Kardec, precursor do espiritismo pretensamente científico, temos:
    .
    Quanto à observação: – A Europa de Kardec estava excitada com os fenômenos que vinham ocorrendo na América. Portanto, diversas famílias de intelectuais faziam experimentos em casa, com as chamadas “mesas girantes”, levitação de objetos, escrita espírita com auxílio de cestas, batidas, etc. Kardec era um católico, conhecedor de todas as áreas da ciência da época, tanto humanas quanto exatas. Ainda que cético quanto aos fenômenos, aceitou observá-los. Não conseguiu pensar em nenhuma explicação física para o que viu. Manteve-se freqüentando essas reuniões durante um bom tempo, até que resolver investigar com rigor científico.
    .
    Quanto à hipótese: – Kardec levantou a seguinte: os fenômenos parecem ser inteligentes, pois respondem ao pedido dos participantes das reuniões, além de não reagirem roboticamente, sempre de uma mesma maneira. Ora, a física conclui que não há efeito sem causa. Se os efeitos que observava eram inteligentes, a causa certamente seria inteligente também. Hipotetizou que a causa seria o princípio inteligente que sobrevive à morte do corpo, assim como os filósofos clássicos já levantavam. Seria a alma dos homens. Só restava comprovar.
    .
    Quanto à experimentação: – Kardec coletou um caderno de questões já pré-pronto pelos colegas experimentadores, organizou metodicamente as perguntas, acrescentando outras. Conseguiu duas médiuns menores de 18 anos, com pouca formação cultural, para entrevistar espíritos através delas. Além disso, colheu psicografias de diversas pessoas, de todo o mundo. Constatou que havia psicografias com conteúdos que jamais poderiam sair da cabeça de jovens ainda de pouca cultura. Além disso, as psicografias com a melhor linguagem coadunavam quanto às informações. As respostas batiam umas com as outras, eram coerentes. O espantoso é que vinha de todo lugar do mundo, não só das duas médiuns adolescentes. Assim, descartou as psicografias com linguagem pouco razoável e deu fé à maioria com linguagem digna.
    .
    Quanto à interpretação dos resultados: – Kardec, com conhecimentos enciclopedistas, organizou essas respostas em um livro que chamou “O Livro dos Espíritos”. Nesse livro, apresenta as questões com as melhores respostas (mas garante que estas são as universalizadas, ou seja, respondidas pela maioria dos espíritos) e, no mesmo livro, interpreta as respostas.
    .
    Quanto à conclusão: – Concluiu o seguinte (tópico abaixo):

  81. NVF Diz:

    .
    “Deus é eterno, imutável, imaterial, único, todo-poderoso, soberanamente justo e bom.”
    .
    “Criou o universo, que compreende todos os seres animados e inanimados, materiais e imateriais.”
    .
    “Os seres materiais constituem o mundo visível ou corporal; os seres imateriais, o mundo invisível ou espírita, ou seja, dos Espíritos.”
    .
    “O mundo espírita é o mundo normal, primitivo, eterno, preexistindo e sobrevivendo a tudo.”
    .
    “O mundo corporal é apenas secundário, poderia deixar de existir ou nunca ter existido, sem alterar a essência do mundo espírita.”
    .
    “Os Espíritos vestem temporariamente um corpo material perecível, cuja destruição pela morte lhes devolve a liberdade.”
    .
    “Entre as diferentes espécies de seres corporais, Deus escolheu a espécie humana para a encarnação dos Espíritos que atingiram um certo grau de desenvolvimento, o que lhe dá a superioridade moral e intelectual sobre os outros.”
    .
    “A alma é um Espírito encarnado, sendo o corpo apenas o seu envoltório.”
    .
    “Há três coisas no homem: 1ª) o corpo ou ser material semelhante ao dos animais e animado pelo mesmo princípio vital; 2ª) a alma ou ser imaterial, Espírito encarnado no corpo; 3ª) o laço que une a alma ao corpo, princípio intermediário entre a matéria e o Espírito.
    .
    “Assim, o homem tem duas naturezas: pelo corpo participa da natureza dos animais, dos quais tem os instintos; pela alma participa da natureza dos Espíritos.”
    .
    “O laço ou perispírito que une o corpo e o Espírito é uma espécie de envoltório semi material. A morte é a destruição do envoltório mais grosseiro. O Espírito conserva o segundo, que constitui para ele um corpo etéreo, invisível para nós no estado normal, mas que pode tornar-se algumas vezes visível e mesmo tangível, como ocorre no fenômeno das aparições.”
    .
    “O Espírito não é, portanto, um ser abstrato, indefinido, que somente o pensamento pode conceber; é um ser real, definido, que, em alguns casos, pode ser reconhecido, avaliado pelos sentidos da visão, da audição e do tato.”
    .
    “Os Espíritos pertencem a diferentes classes e não são iguais em poder, inteligência, saber e nem em moralidade. Os da primeira ordem são os Espíritos superiores, que se distinguem dos outros por sua perfeição, seus conhecimentos, sua proximidade de Deus, pela pureza de seus sentimentos e seu amor ao bem: são os anjos ou Espíritos puros. Os das outras classes não atingiram ainda essa perfeição; os das classes inferiores são inclinados à maioria das nossas paixões: ao ódio, à inveja, ao ciúme, ao orgulho, etc. Eles se satisfazem no mal; entre eles há os que não são nem muito bons nem muito maus, são mais trapaceiros e importunos do que maus, a malícia e a irresponsabilidade parecem ser sua diversão: são os Espíritos desajuizados ou levianos.”
    .
    “Os Espíritos não pertencem perpetuamente à mesma ordem. Todos melhoram ao passar pelos diferentes graus da hierarquia espírita. Esse progresso ocorre pela encarnação, que é imposta a alguns como expiação15 e a outros como missão. A vida material é uma prova que devem suportar várias vezes, até que tenham atingido a perfeição absoluta. É uma espécie de exame severo ou de depuração, de onde saem mais ou menos purificados.”
    .
    “Ao deixar o corpo, a alma retorna ao mundo dos Espíritos, de onde havia saído, para recomeçar uma nova existência material, depois de um período mais ou menos longo, durante o qual permanece no estado de Espírito errante16.”
    .
    “O Espírito deve passar por várias encarnações. Disso resulta que todos nós tivemos muitas existências e que ainda teremos outras que, aos poucos, nos aperfeiçoarão, seja na Terra, seja em outros mundos.”
    .
    “A encarnação dos Espíritos se dá sempre na espécie humana; seria um erro acreditar que a alma ou o Espírito pudesse encarnar no corpo de um animal*.”
    .
    “As diferentes existências corporais do Espírito são sempre progressivas e o Espírito nunca retrocede, mas o tempo necessário para progredir depende dos esforços de cada um para chegar à perfeição.”
    .
    “As qualidades da alma17, isto é, as qualidades morais, são as do Espírito que está encarnado em nós; desse modo, o homem de bem é a encarnação do bom Espírito, e o homem perverso a de um Espírito impuro.”
    .
    “A alma tinha sua individualidade antes de sua encarnação e a conserva depois que se separa do corpo.”
    .
    “Na sua reentrada no mundo dos Espíritos, a alma reencontra todos aqueles que conheceu na Terra e todas as suas existências anteriores desfilam na sua memória com a lembrança de todo o bem e de todo o mal que fez.”
    .
    “O Espírito, quando encarnado, está sob a influência da matéria. O homem que supera essa influência pela elevação e pela depuração de sua alma aproxima-se dos bons Espíritos, com os quais estará um dia. Aquele que se deixa dominar pelas más paixões e coloca todas as alegrias da sua existência na satisfação dos apetites grosseiros se aproxima dos Espíritos impuros, porque nele predomina a natureza animal.”
    .
    “Os Espíritos encarnados habitam os diferentes globos do universo.”
    .
    “Os Espíritos não encarnados ou errantes não ocupam uma região determinada e localizada, estão por todos os lugares no espaço e ao nosso lado, vendo-nos numa presença contínua. É toda uma população invisível que se agita ao nosso redor.”
    .
    “Os Espíritos exercem sobre o mundo moral e o mundo físico uma ação incessante. Eles agem sobre a matéria e o pensamento e constituem uma das forças da natureza, causa determinante de uma multidão de fenômenos até agora inexplicável ou mal explicada e que apenas encontram esclarecimento racional no Espiritismo.”
    .
    “As relações dos Espíritos com os homens são constantes. Os bons Espíritos nos atraem e estimulam para o bem, sustentando-nos nas provações da vida e ajudando-nos a suportá-las com coragem e resignação. Os maus nos sugestionam para o mal; é um prazer para eles nos ver fracassar e nos assemelharmos a eles.”
    .
    “As comunicações dos Espíritos com os homens são ocultas ou ostensivas. As comunicações ocultas ocorrem pela influência boa ou má que exercem sobre nós sem o sabermos; cabe ao nosso julgamento discernir as boas das más inspirações. As comunicações ostensivas ocorrem por meio da escrita, da palavra ou outras manifestações materiais, muitas vezes por médiuns que lhes servem de instrumento.”
    .
    “Os Espíritos se manifestam espontaneamente ou por evocação. Podem-se evocar todos os Espíritos, tanto aqueles que animaram homens simples como os de personagens mais ilustres, qualquer que seja a época em que viveram, os de nossos parentes, amigos ou inimigos, e com isso obter, por meio das comunicações escritas ou verbais, conselhos, ensinamentos sobre sua situação depois da morte, seus pensamentos a nosso respeito, assim como as revelações que lhes são permitidas nos fazer.”
    .
    “Os Espíritos são atraídos em razão de sua simpatia pela natureza moral do ambiente em que são evocados. Os Espíritos superiores se satisfazem com reuniões sérias em que dominam o amor pelo bem e o desejo sincero de receber instrução e aperfeiçoamento. A sua presença afasta os Espíritos inferiores que, caso contrário, encontrariam aí livre acesso e poderiam agir com toda a liberdade entre as pessoas levianas ou guiadas somente pela curiosidade. Em todos os lugares onde se encontram maus instintos, longe de obter bons conselhos, ensinamentos úteis, devem-se esperar apenas futilidades, mentiras, gracejos de mau gosto ou mistificações, visto que, freqüentemente, eles tomam emprestado nomes veneráveis para melhor induzir ao erro.”
    .
    “Distinguir os bons dos maus Espíritos é extremamente fácil. A linguagem dos Espíritos superiores é constantemente digna, nobre, repleta da mais alta moralidade, livre de toda paixão inferior; seus conselhos exaltam a sabedoria mais pura e sempre têm por objetivo nosso aperfeiçoamento e o bem da humanidade. A linguagem dos Espíritos inferiores, ao contrário, é inconseqüente, muitas vezes banal e até mesmo grosseira; se por vezes dizem coisas boas e verdadeiras, dizem na maioria das vezes coisas falsas e absurdas por malícia ou por ignorância. Zombam da credulidade e se divertem à custa daqueles que os interrogam ao incentivar a vaidade, alimentando seus desejos com falsas esperanças. Em resumo, as comunicações sérias, no verdadeiro sentido da palavra, apenas acontecem nos centros sérios, cujos membros estão unidos por uma íntima comunhão de pensamentos, visando ao bem.”
    .
    “A moral dos Espíritos superiores se resume, como a de Cristo, neste ensinamento evangélico: ‘Fazer aos outros o que quereríamos que os outros nos fizessem’, ou seja, fazer o bem e não o mal. O homem encontra neste princípio a regra universal de conduta, mesmo para as suas menores ações.”
    .
    “Eles nos ensinam que o egoísmo, o orgulho e a sensualidade são paixões que nos aproximam da natureza animal, prendendo-nos à matéria; que o homem que se desliga da matéria já neste mundo, desprezando as futilidades mundanas e amando o próximo, se aproxima da natureza espiritual; que cada um de nós deve se tornar útil segundo as capacidades e os meios que Deus nos colocou nas mãos para nos provar; que o forte e o poderoso devem apoio e proteção ao fraco, pois aquele que abusa de sua força e de seu poder para oprimir seu semelhante transgride a Lei de Deus. Enfim, ensinam que no mundo dos Espíritos nada pode ser escondido, o hipócrita será desmascarado e todas as suas baixezas descobertas; que a presença inevitável, em todos os instantes, daqueles com quem agimos mal é um dos castigos que nos estão reservados; que ao estado de inferioridade e de superioridade dos Espíritos equivalem punições e prazeres que desconhecemos na Terra.”
    .
    “Mas também nos ensinam que não há faltas imperdoáveis que não possam ser apagadas pela expiação. Pela reencarnação, nas sucessivas existências, mediante os seus esforços e desejos de melhoria no caminho do progresso, o homem avança sempre e alcança a perfeição, que é a sua destinação final.”

  82. Lego Diz:

    Valeu Marciano!!! Obrigado pela dica!! Vou pesquisar a respeito. Abraços.

  83. Phelippe Diz:

    Acabei de reler o “livro dos espíritos”. Li, meditei e só posso concluir, que me perdoem os colegas, que reencarnar não tem sentido. Voltar para a terra por qual razão? Sofrer de novo? Experimentar as mesmas mazelas, injustiças etc? Se Deus é bom e misericordioso deve querer o bem de seus filhos, não o contrário. Fazer com que seus filhos sofram eternamente, obrigando-os a reencarnar para que enfrentem este “vale de lágrimas” novamente, para usar um termo católico, é no mínimo contraditório. Concordo com o amigo Marciano a respeito do assunto que é discutido aqui. E que me perdoem, repito, quem pensa de forma diferente.

  84. Marciano Diz:

    Lego,
    De uma olhada em http://books.google.com.br/books/about/An_experiment_with_time.html?id=UatFAAAAYAAJ&redir_esc=y
    .
    Toffo,
    Tu estavas fazendo falta.

  85. Marciano Diz:

    Phelippe, parabéns pelo bom senso.

  86. Jurubeba Diz:

    NVF,
    tudo isso que você escreveu é a doutrinação encontrada dentro do espiritismo. Encanta e cativa. É o primeiro gozo… Ainda bem que já me livrei desse ranço!

    Não vejo valor estatístico na experimentação de Kardec. DUAS médiuns!

    Se fosse no início do século XX, na Áustria ou Suíça, dois grandes homens que a humanidade conhece teriam estudado o assunto como um problema mental.

    Sobre a hipótese: onde estão as EVIDÊNCIAS que comprovam o fenômeno? Só porque alguém escreveu virou verdade? Por que esses fenômenos não são facilmente reproduzíveis atualmente, como qualquer experimento científico? Por que céticos não encontram os mesmos resultados? Mas, devo admitir que nesse ponto, e só nesse, Kardec seguiu o método científico, já que tudo começa pela HIPÓTESE.

    Sobre a experimentação: como eu disse acima, tivesse as DUAS médiuns passado por bons psicólogos ou psiquiatras e você veria que não seriam tratadas de forma mística mas sim científica. E, óbvio, teríamos um estudo de caso como resultado, e não uma nova religião. Mas foi em outro tempo, outra época, onde se tratavam disturbios com incisões e marteladas no cérebro. É, o povo daquela época sabia das coisas! Aliás, a amostragem de Kardec (DUAS médiuns) não pode ser considerada científica. Um bom vídeo sobre o assunto é esse: http://www.youtube.com/watch?v=voEHhxSBND4&feature=plcp

    Mais uma coisa sobre a experimentação: curioso o fato de Kardec, grande cientista e cético, como é pintado, ao invés de criar uma lista de perguntas sobre medicina, farmacologia ou astronomia foi perguntar coisas que só remetem à religião, ilusão e alienação. Não perguntou nada que tivesse um efeito prático para o dia-a-dia do homem. Partiu pra vida além da morte. Não fez perguntas sobre história, arqueologia, origem da vida, etc. Partiu para a mística de cara! Belo cientista! Enquanto Darwin, Wallace e cia ltda estavam suando a camisa para desmistificar conceitos arcaicos da época de Platão e Aristóteles, esse belo espécime, Kardec, estava justamente fazendo o contrário: metendo o pé na lama do “mundo ideal” de Platão, e ainda por cima usando o mestre dele, Sócrates, que tantas passagens assina no LE!

    Quanto à interpretação e conclusão: ele constrói um livro com uma amostragem duvidosa: muitas mensagens que saem apenas da boca de DUAS médiuns. Dê uma olhada no vídeo que eu postei e ficará evidente que o espiritismo se trata de pseudo-ciência.
    Sobre as conclusões temos um problema: para serem válidas seria necessário que ele, Kardec, primeiro provasse a existência de Deus e segundo que ele provasse a existência de espíritos. Se nem ele, nem ninguém, consegue provar a existência desses dois itens, tudo o que remete a isso não pode ser admitido como verdadeiro. Como aceitar afirmações sobre aquilo que não existe?
    Vou além: quem me garante que todas as respostas do LE não são do próprio Kardec, pintadas com a mística da mediunidade? Infelizmente não conheço livros ou artigos que narrem os bastidores do método, as testemunhas e observadores. Não existem revisores, colaboradores, junta científica ou grupo de estudos. É como diz o Toffo: é tudo muito pessoal, egoísta, da cabeça e vaidade de Kardec (ao menos é o que se tem registrado).

    Sobre a “moral” espírita nem vou falar. Moral é algo cultural e não espiritual, haja visto que para o judaísmo matar quem não era judeu era o desejo de deus. Isso é moral? Pra gente não, mas para os judeus da época de Moisés era!

    Como, dizem, Kardec voltará para completar a obra (se eu acreditasse em reencarnação engoliria essa), quem sabe ele não faça mais nessa vinda: corrija todos os furos que ele deixou, melhore seu método e ré-codifique algo mais científico. Só que acho que ele não se auto-intitularia espírita e sim CIENTISTA!

    Infelizmente meu inglês é muito pobre, senão eu leria o livro que o Toffo tanto comenta, do John Monroe.Acho que você deveria ler NVF.

    Toffo, se possível, coloque o link do livro pra agente baixar.

    Saudações.

  87. Carlos Diz:

    Olá Montalvão,
    .
    O curto texto do Júlio termina com “se é verdade ou não, quem sabe?”. Evidentemente que estamos tratando de hipóteses e, como tal, assim devem ser encaradas. Podemos não gostar do modelo “reencarnação” por várias razões, pessoais, filosóficas, religiosas-dogmáticas, etc. Porém hipóteses são lançadas para serem testadas ou, como entendo o texto do Júlio, para atrair a curiosidade e abrir o leque de investigação de uma área tão sensível tal como se processa a transmissão de informações vitais entre indivíduos da mesma espécie. Sem essa curiosidade, enfim, a ciência estaciona e definha.
    .
    Veja o caso recente de Miguel Nicolelis que surpreendeu a todos quando mostrou que a transmissão de impulsos cerebrais pode ser transformada em movimento por um outro indivíduo (ou máquina!) a centenas, ou mesmo milhares de quilômetros de distância da fonte emissora. Ou seja, a vontade de um indivíduo se manifestando em um outro. Fazendo uma analogia com o espritismo, a isso eles dão o nome de “obsessão espiritual”. Penso que o Julio está provocando e, se não for por algum tipo de pré-conceito, não vejo por que suas hipóteses devessem ser ignoradas.

  88. Al Pacino Diz:

    Deus,Deus,Deus,dane-se Deus!
    Debater a existencia de Deus e bater palma para o louco dançar,rodopiar e soltar a franga!
    O que interessa e destrinchar a miriade de fenomenos parapsiquicos inexplicaveis,ao menos,por enquanto.
    Se nao conseguimos entender nem o que acontece na EQM,clarividencia,precognicao,psicocinese,telepatia,
    entre outros,como queremos aventar sobre a existencia ou nao de Deus.Isso e querer fazer a pos-graduaçao estando ainda no pre-primario.
    As tentativas da ciencia de elucidar esses temas sao ainda debeis,frageis,insatisfatorias.
    Essa conversa de Deus e Jesus Cristo so serve para catolico/evangelico criacionista xarope que entope o seu Facebook com aquelas mensagens idiotas.
    O Espiritismo cravou a estaca no proprio peito ao inserir essa baboseira de Deus e Jesus Cristo e virou apenas mais uma seita.
    Marden,o sufixo cristao acaba com o racionalismo.
    HOO-HA!

  89. Jurubeba Diz:

    Al,
    concordo!
    .
    Só hoje, mais velho e me reconhecendo alguém que tem muito a aprender, me dei conta que usei muitos anos de minha vida em busca de “ouro de tolo”, apartado da vida prática e objetiva que nos cerca, ignorando completamente a ciência e a REALIDADE em nome de uma mística que só existe no mundo da fantasia.
    .
    Hoje me considero agnóstico (http://www.youtube.com/watch?v=LVkklTe77Ww), mas ainda não posso afirmar que sou ateu (nem sei se afirmarei um dia), mas, definitivamente, penso que, de fato, não há como saber (por isso o agnóstico).
    .
    A mente me fascina, consequentemente tudo o que vem dela (como a lista de fenômenos que você enumerou). Comecei a “estudar” ciências. Estou lendo Dawkins e pretendo me aprofundar nesse mundo agora que me acho maduro o bastante para abandonar os “delírios” e viver a REALIDADE.
    .
    Tenho que fazer uma confissão: as visitas à esse blog foi o que deu um estalo em minha mente sobre essa nova perspectiva que eu assumi. Embora não concorde com o viés reencarnacionista do blog, tem muita qualidade aqui.
    .
    Saudações

  90. NVF Diz:

    Jurubeba,
    .
    Te apresentei o método científico. Agora, concordo com as críticas feitas a ele.
    .
    É um método não-perfeito, cheio de falhas e brechas, assim como muitos outros métodos, mas, considero, sim, como um método científico, apesar dos futuros deslumbramentos de Kardec. O que não dá é pra encará-lo como verdade absoluta e fio condutor da verdade espiritual. Alguma coisa dele, ao menos, podemos considerar.
    .
    Afinal, uma coisa eu concordo: os relatos dos espíritos são uma boa fonte de pesquisa, pois eles são testemunhas oculares. Mas isso não deve ser absoluto, claro, pois, como nós, eles dizem o que querem e acreditam.

  91. montalvão Diz:

    Prezado Lego,
    .
    Umas humildes sugestões:
    .
    LEGO DISSE:
    Pessoal, gostaria de saber se alguém teria qualquer material de análise da obra An Experiment with Time (1927), de John William Dunne. Pode ser outro material que aborde os sonhos precongnitivos. Obrigado!
    .
    Desse autor mui pouco posso falar, mas sobre sonhos precognitivos, e mumunhas semelhadas, tem o livro do Dean Radin “Mentes Interligadas”, no qual o autor discorre a respeito desse e outros temas. Embora Radin pareça ter uma perninha pousada nas lides espiritualistas, o foco do trabalho é a pesquisa psi. De minha parte discordo de expressiva parecela das ilações desse autor, mas suas considerações valem ser conhecidas, notadamente pelo bom nível com que aborda os assuntos, devido a formação científica que possui.
    .
    Outros trabalhos muito bons, estes no campo da neurociência, que discorrem esclarecidamente sobre a função dos sonhos e o funcionamento geral do cérebro, são os livros de Suzanna Herculano-Houzel: “O cérebro nosso de cada dia” e “Sexo, drogas, rock’n’roll”. Vale a pena examiná-los.
    .
    De minha parte, sugiro que amadureça a ideia de que precognição seja, em verdade, fruto de intuições produtivas. Nessa linha supositiva, conhecer previamente fatos resulta do processamento afortunado de dados. Trocando em miúdos, só podemos precognizar com base em informes conhecidos (mesmo que não estejam aflorados à consciência). Ninguém jamais terá sonhos, pressentimentos, premonições, ou o que seja, de coisas das quais não disponha de qualquer notícia. Por exemplo: meu mentor espiritual é o anãozinho gigante, um ser de dois metros, com três pernas e cinco cabeças, além de um braço que parte-lhe do plexo solar e se estende até seis metros quando necessário. Pois bem, você jamais teria qualquer sonho premonitório, ou clarividente com o anãozinho gigante. Simplesmente pelo fato de em sua mente não haver informação dessa criatura. Agora que sabe que existe pode ser que lhe venham oníricas e promissora revelações advindas desse bondoso personagem.
    .
    Outro exemplo: imagine-se vivendo numa ilha isolada, num grupo que não cultivasse qualquer expectativa de vida além. Pode parecer impensável, mas um povo nesses moldes existia quando os europeus chegaram as Américas (hoje não mais sobrevivem). Esse grupo só teria projetos para a existência presente. Morto o falecido era descartado no mar e a vida continua. Nesse contexto, sua digna pessoa jamais sonharia com o além, a não ser que de sua própria iniciativa se inspirasse a pensar no assunto. Mas, no nosso exemplo, não seria esse o caso. Desse modo, se houvesse casos premonitórios na comunidade, ninguém os atribuiria a qualquer manifestação sobrenatural, visto que tal pensamento lhes era desconhecido. O vidente seria considerado um habilidoso em previsões, do mesmo modo que outro fosse bom de bola, outro bom de briga, outro bom escritor, outro bom mentiroso…
    .
    Espero que ajude. Preciso dar uma saidinha, depois, se for necessário, conversaremos melhor.
    .
    Saudações premonitórias.

  92. NVF Diz:

    Outra coisa: e quem garante que Deus, se existe, é bom e misericordioso?

  93. NVF Diz:

    OBS.: Quanto à Kardec, hoje não considero nele ausência de método científico, posto que abordou os elementos do método razoavelmente.
    .
    Por mais que fossem duas médiuns, o que elas psicografavam coadunava com o que ele recebia do restante do mundo, de outros lugares. Sem falar que elas não tinham cultura pra escreverem aquele conteúdo.
    .
    O grande problema é a ausência de documentação dessas coisas, o que me faz apostar mais na hipótese de fraude da parte de Allan Kardec. Ele teria lido filosofia, sociologia e religião, e elaborado uma religião com roupa de ciência.
    .
    Hoje, prefiro chamar “método científico fraco” (ou muito fraco). Mas, sim, um método científico.
    .
    Isso porque, como diz no texto que citei na introdução, há muitos métodos científicos aceitos por aí que se baseiam quase que apenas na lógica, com pouquíssima experimentação.

  94. Jurubeba Diz:

    NVF,
    valeu. Parece que muitas pessoas (acho que posso incluir você, eu com certeza) já perceberam que, religião no geral, e espiritismo em particular, começam a exalar um odor desagradável quando iniciamos uma pesquisa séria e visando respostas objetivas, que possam ser enquadradas no que chamamos de REALIDADE.

  95. NVF Diz:

    “Voltar para a terra por qual razão? Sofrer de novo? Experimentar as mesmas mazelas, injustiças etc?”
    .
    É que o Espiritismo tomou pra si a concepção evolucionista da “ordem e progresso”, da mentalidade positivista do Séc XIX.
    .
    Nenhum retorno seria em vão. Na verdade, é no corpo que se pode evoluir, fazendo o bem e se ilustrando. Cada retorno seria um progresso, por menor que seja. É que nada jamais regridiria, no máximo estagnaria.
    .
    As provas da vida na terra são como uma escola (se passar na prova, você passa de ano). A expiação serviria como instrumento de justiça (“ação e reação”), pelo o mal que você fez, e oportunidade de reflexão. No fundo, isso seria bondade de Deus, por mais incompreensível que fosse no momento, para o nosso orgulho humano de querer saber tudo.

  96. NVF Diz:

    Vai que é isso mesmo…

  97. Gorducho Diz:

    Segundo o amigo Maurice Lachâtre relata no Noveau Dictionnaire Universel, Dock de la Librairie, 38 – Paris, 1866, [essa informação tiro do sítio IPEAK - Instituto de Pesquisas Espíritas Allan Kardec] o Hyppolite-Léon teve “(…) desde os quinze anos de idade a ideia de uma reforma religiosa, na qual trabalhou em silêncio por muitos anos, com o pensamento de chegar à unificação das crenças; (…)”
    Portanto o rapazinho era um místico.
    Posteriormente foi influenciado pelos místicos socialistas utópicos (como boa parte dos franceses na época: revolução de ’48 &c…) – o Fourier, o Jean Reynaud &c., que estavam na moda. A reencarnação vem desse pessoal, bem como o Jean Reynaud inventou a mitificação dos Druidas por razões de patriotismo. É daí que o Hyppolite imaginou que tinha sido (só podia!) um Druida: Allan Kardec.
    Daí – agora dedução minha – ele resolveu fazer uma síntese, um socialismo utópico cristão . As “mensagens” serviam como pretexto para conferir um caráter “transcendental” e “autentico” às ideias dele. Evidentemente “mensagens” as haveria aos milhares e dizendo qualquer besteira para qualquer gosto – como se vê nas análises feitas neste sítio! Ele as utilizava – se é que utilizava, eu não acredito – aquelas que concordavam com o plano dele, desconsiderando as demais. Aliás, quais foram as mensagens do mundo inteiro que, estatisticamente analisadas, serviram de base científica para a III Revelação??
    Se ele imaginava mesmo ou não que as mensagens que coincidiam com o pensamento (só essas, claro) dele eram “autenticas” e oriundas mesmo de sábios seres transcendentais tais como: São João Evangelista, Santo Agostinho, São Vicente de Paulo, São Luís, O Espírito de Verdade (! quem seria na cabeça dele esse??), o Sócrates, o Platão…; nunca saberemos (?)

  98. Jurubeba Diz:

    Gorducho,
    sabe quem era, para Kardec, O Espírito de Verdade? JESUS!
    Megalomaníaco o rapazinho, não!?
    .
    Em que pese acreditar ou não na historicidade de Jesus e em tudo que gira em torno de sua figura, para um plano de reforma religiosa, como o que você descreveu, isso bem que viria a calhar, não acha?
    .
    Ah, sim. Kardec só tirou a assinatura de Jesus dos textos depois que ficou evidente que, essa, ninguém iria engolir!
    .
    Saudações

  99. Jurubeba Diz:

    PS: como é que eu sei disso?
    Simples: fui espírita por longos 18 anos! Pense que eu estudei de tudo!!!
    Até as baboseiras do Robson Pinheiro (um ubandista infiltrado no espiritismo) eu li.
    .
    Alguém aí se interessa por uns 200 livros espíritas que estão aqui em casa fazendo volume? rsrsrsrs
    Brincadeira. Minha cunhada iludida já pediu. Vou dar a ela. Essa literatura não serve mais pra mim.
    .
    Saudações

  100. Biasetto Diz:

    Jurubeba,
    Comigo não foram tantos, mas já dei fim em uns 50 livros espíritas. Doei, menos “Legião” do Robson Pinheiro, que eu comprei no Shopping em São Paulo, num sábado (R$42,00), e joguei no lixo, na quarta-feira seguinte.
    Ninguém merece ler um troço daqueles.
    Eu até fiz um comentário, resumindo o livro aqui, tá num artigo de um ano, um ano e meio atrás.
    Ele diz no livro, além de inúmeras besteiras, que existem 40 bilhões de espíritos nas trevas. Tem espírito que virou aranha, cobras e lagartos.
    O pior disso tudo, que ele realiza palestras, falando destas bobagens, e tem gente que fica admirada.

  101. Biasetto Diz:

    Jurubeba, não sei se você e o Gorducho já viram os artigos mostrando os plágios nos livros do Chico.
    Vale à pena.

  102. Marciano Diz:

    Jurubeba,
    Você está certo. O cético só o é até encontrar uma evidência (real, não fantasiada). Aí deixa de ser cético quanto ao objeto estudado.
    Parece que muita gente aqui pensa que o cético não admite evidências. Cético não é quem não acredita de jeito nenhum, mas quem só acredita, principalmente em coisas fantásticas, depois de provas insofismáveis.
    Uma das razões pelas quais eu acho que LHDR estava de má-fé é justamente o elenco das perguntas. Quem não aproveitaria, diante de sábios espíritos superiores, para fazer as perguntas que você sugeriu?
    NVF e Gorducho parecem concordar.
    .
    Outra coisa: se o espírito de verdade era jesus, o LHDR só podia estar mentindo, no meu entender, visto que esse personagem jamais existiu, como sustentei num post anterior, sobre sua (in)existência.
    .
    Pré-cognição existe, quando se trata de mecânica celeste (sabemos exatamente quando e onde ocorrerá um eclipse), às vezes na previsão do tempo, através da movimentação de massas de ar e água acompanhados por satélites e outros instrumentos e analisadas em computador.
    .
    Jurubeba,
    as festas juninas estão acabando, senão eu pediria seus livros espíritas. Dariam uma bela fogueira.

  103. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Espero que esteja melhor e que não pense que minhas palavras rudes, são dirigíveis à sua pessoa. Muito pelo contrário, como já disse aqui, o que as pessoas fazem ou deixam de fazer, para mim pouco importa. Minhas palavras são sim rudes, mas são também cauterizantes. Se aqui venho, o faço com o desejo de combater a mentira e poder tentar mostrar onde está a verdade (de acordo com o meu entendimento é claro).
    .
    Ninguém converte ninguém! Este é o principal ponto que quero que você entenda. No Racionalismo Cristão costumamos dizer: “Existem vários racionalistas cristãos espalhados pelo mundo, que nunca ouviram falar desta doutrina”. E porque dizemos isso? Porque para ser racionalista cristão, não precisa frequentar suas reuniões públicas, nem ler seus livros e nem suas práticas como a limpeza psíquica. Mas sim, pautar sua vida numa disciplina, obedecendo as leis, ser um amante do trabalho e ser útil ao seu semelhante, estar do lado da verdade e não pactuar com a mentira.
    .
    E como eu acredito, assim como os estudantes do Espiritismo também acreditam na existência do espirito, na sua possível comunicação, nas reencarnações sucessivas. Quero que saiba que os atuais estudiosos do Racionalismo Cristão, não ficam em chats, em blogs, em fóruns, criando discussões e dissabores sobre a existência ou não do espirito. Isso é algo que um dia ainda terei que aprender com eles.
    .
    Mas como eu não sou tao paciente quanto os estudantes e praticantes do RC, minha presença aqui ainda te causará certos incômodos. Mas como disse no princípio, o faço com a melhor das minhas intenções. Que é o seu esclarecimento quanto a realidade, quanto ao mundo invisível que só possível ver, enxergar, através do “criptoscópio”, que é a nossa Razão, nas sábias palavras do Dr. Antônio Pinheiro Guedes, que disse:
    .
    “A nossa razão é de fato e incontestavelmente um criptoscópio, instrumento ou aparelho por meio do qual pode ver o invisível, o oculto, o que não está patente; porque, de fato, é pela razão que nós nos analisamos, que o nosso ser, o nosso espírito, se observa, se estuda, se vê.”
    .
    Portanto, Marciano, te peço calma e paciência com minha palavras. Quero que seja sempre o desmitificador que sempre tentou ser (ou talvez se passou por ser) aqui no blog. Que não perca as estribeiras, mesmo que quando sentires o látego da Verdade, açoitar as suas crenças. E como sempre venho dizendo, quem ganhará serão os leitores deste blog, já que nem eu e nem você seremos convertidos. Acredito que a razão esteja do lado da Verdade.

  104. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Vejo que toda a sua fúria, foi resultado das minhas perguntas para resolver o problema de Edvalson Bispo dos Santos, que durante 15 anos, sonhava diariamente com 3 “amiguinhos imaginários” e que com isso aprendeu 3 idiomas distintos. Inclusive aprendeu a escrever Kanji e Hiragana (escritas japonesa) antes mesmo de ter ido para a escola para aprender o português.
    .
    Não deve ser difícil para você tentar resolver esse problema não é mesmo? Afinal de contas os avanços da ciência nas áreas do cérebro, da sociologia, da psicologia, tomografia, ressonância magnética, estão bem adiantados. Não é aqui que se encontram os “doutores” (ou pseudos cientistas) que resolvem os problemas de modo cientifico? Não é aqui que encontramos os desmistificadores do Espiritismo (ou que pelo menos tentam)?
    .
    Mas vejo que você não só não sabe falar sobre esses fenômenos que ocorrem com ele, como também não deu a mínima importância em trazer algo de concreto sobre a incógnita do porquê que o cérebro de um esquizofrênico não apresenta nenhuma anomalia nos estágios iniciais da enfermidade! E o que é mais interessante e que você talvez não saiba, com o passar dos anos, ai sim o cérebro já começa a apresentar sinais de anomalias. Então o paciente que sofre dessa patologia, vive anos sem ter lesões no cérebro e depois de alguns anos, está lá a lesão. O que causou tal lesão e porque ela não apareceu antes? Já que havia os sintomas (efeitos)? E como devemos saber não há efeito sem causa!
    .
    Coisa que você não sabe e nem está interessado em saber. Mas é algo que o Espiritismo tem conhecimento! E conhecendo a causa, é possível eliminá-la, cessando assim os seus efeitos, porque, como já disse e volto a repetir: não há efeito sem causa.
    .
    Você, por vício ou por negligência, está apenas acostumado a combater o baixo espiritismo, ou seja, a combater os espiritas que se deixam intuir por espíritos que não souberam guiar por si próprios. Até então você tinha encontrado terreno fértil para “combater” aquilo que você dominava bem. Mas os tempos agora são outros. Agora tem um estudante do Espiritismo que quer fazer você raciocinar, a fazer investigações, a trazer provas, a vir para o campo das ideias. Não para te “catequizar” mas para fazer você mesmo burilar o seu raciocínio.
    .
    Ou você trás as respostas, ou realmente poderei assumir de que você não entende nada desses assuntos. Assumirei então que seus parcos conhecimentos sobre a vida espiritual, se resume apenas aos espíritas “mágicos”, aos espíritas “despachantes”, aos espíritas de “provação”, aos espíritas “caridosos”.

  105. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Peço desculpas se coloquei um “m” no lugar de “r” na palavra vir. Procurarei tomar mais cuidado para não ferir a nossa língua, ou melhor dizendo, a língua portuguesa. Nem sei se posso chamar de nossa língua, já que você fala mandarim e eu falo árabe (em suas próprias palavras, mas quem sabe um dia eu não estude árabe mesmo?). Mas alguns erros poderão ainda ocorrer, por falta de tempo em revisar meus escritos e por não ter um teclado em português (ABNT), alguns acentos poderão faltar também. Mas caso volte a errar, corrija-me sempre e se não entender algo do que escrevi, pergunte.
    .
    Agora quando for dar as elucidações para os meus questionamentos, procure não alvoraçar tanto, com gritarias e ofensas. Era isso que eu me referia quanto a uma linguagem superior. Não queria dizer que eu e você teríamos que sempre escrever certo. Chamar-me de “baba ovo” de alguém, não é uma postura digna de um ser civilizado. Como sei das razões que o leva a ter esse comportamento, essa histeria, nem me preocupo tanto, afinal de contas nós Espiritualistas sabemos das reais influencias intuitivas sobre os nossos pensamentos. E tendo esse conhecimento, podemos exercer um maior controle sobre nossos pensamentos e sentimentos. O que eu acredito ser um ponto positivo para os estudantes do Espiritismo.
    .
    Pois bem, vou ficando por aqui por enquanto, esperando seus argumentos sobre o nosso debate, antes que esvaiam-se as chamas de nossas conversas.

  106. Marden Diz:

    NVF,
    .
    Se perguntar ao um soldado raso quem são seus superiores, ele deverá saber informar. Com isso não quer dizer que seus superiores sejam mais humanos ou mais desumanos que ele. Mas sim, que possui qualidades superiores que ele não tem. Veja alguns significados de superior: “adj.
    Que está situado acima; mais elevado (por opos. a inferior): degrau superior.
    Que atinge grau mais elevado: temperatura superior à normal.
    Fig. Que ultrapassa os outros em dignidade, posição, mérito, qualidade etc.: talento superior.
    Que emana de autoridade: ordens superiores.
    S.m. Pessoa que exerce autoridade sobre outra. ”
    .
    Então entra aqui uma questão doutrinária. Os Espíritos Superiores, recebem essa denominação por conseguir volitar, ir às alturas, alçar para seus mundos superiores. Sair da atmosfera terrestre após sua desencarnação. Os espíritos que ficam na camada mais baixa, na camada mais próxima da terra, os que por serem tao materializados, cheios de vícios, e que não conseguem volitar, ascender aos seus mundos, estão numa relação de inferioridade aos primeiros que citei (se quiser entender também como por uma questão de altura também seria válido, ainda que imperfeita).
    .
    “Por considerar seres humanos inferiores, determinados sujeitos fizeram o que fizeram. ”
    .
    Eu não disse isso e não considero os seres humanos como inferiores. Isso são palavras e interpretações suas, não minhas! Pelo contrário, os seres humanos dentre os animais são os mais superiores na escala evolutiva, na teoria da evolução. E o Espiritismo também confirma isso. As ações e os sentimentos dos seres humanos, sim podem ser superiores ou inferiores, mas nunca o ser humano em si.
    .
    Não fui maledicente com você, ao dizer que é um assunto pessoal seu. Aliás foi você quem forneceu os subsídios para tal afirmativa. Já que você é do Rio e mora perto de uma casa racionalista, então compare você mesmo, como são as manifestações mediúnicas de um centro de macumba e as manifestações mediúnicas que ocorrem nas reuniões públicas do RC. Não é um convite para conhecer esta doutrina. É um convite para o estudo e investigação.
    .
    “Você confessou que sequer foi numa casa Racionalista Cristã. Você é só mais um espírita de internet, deslumbrado com as coisas que lê e que se acha muito racional. Acorda, filhão.”
    .
    Não, mais uma vez você tenta colocar palavras em minha boca! O que eu disse foi: onde eu moro (hoje em dia) não tem uma casa racionalista e que meus estudos agora se baseiam mais em pesquisas pela internet. Mas isso não quer dizer que eu já tenha morado em outas cidades que tiveram uma casa RC, certo? Também poderia ter ido a outras cidades para conhecer e estudar o RC, certo? Eu posso inclusive ter uma biblioteca de livros do RC e outros assuntos relacionados e continuar estudando pela internet, certo? Eu não fico deslumbrado, porque sou cético. Aliás já desmascarei uma tia e outras pessoas que se tentaram passar por médiuns videntes ou de incorporação. Já você aceita as mediunidades de todos os seus parentes, porque sabe que eles não teriam razão para mentir para você, como a sua mãe por exemplo, não é assim? Você ficou “deslumbrado” com os fenômenos de dona Edelarzil, chegando ao ponto de acreditar e aceitá-los como verdadeiro. Eu não!
    .
    “Sinceramente, estou cansado de loucos e fanáticos. Por isso não dou muita corda pra você.”
    .
    Claro, o ambiente que você conhece, só loucos e fanáticos podem produzir! Te garanto que não sou da mesma casta da qual você deve estar acostumado lidar. Talvez você não queira dar muita corda para mim, por simples precaução. Talvez eu possa colocar aqui tudo o que sei (e que muita gente daqui também deve saber) sobre o tipo de espiritismo que você e sua família estão acostumados e do qual eu costumo desmistificar.
    .
    Você disse: “Outra coisa: vai estudar mais História, Sociologia e Filosofia no lugar de Racionalismo Cristão. ”
    .
    Estudamos tudo isso que você citou e ainda mais. Aliás, você deve ter esquecido, talvez por estar habituado com os espíritos dos tais centros que você deve frequentar, que o Espiritismo é também filosofia. E para você ter certeza de que estou falando a verdade, faz parte de nossa mentalização diária a seguinte frase: “Sabemos também que é pelo estudo, raciocínio e crescimento, derivado da luta contra os maus hábitos e as imperfeições, que o espírito se esclarece e alcança maior evolução.” Portanto, como você pode ver, estudar apenas não é suficiente, também é preciso raciocinar sobre aquilo que se lê ou estuda.
    .
    “Vai perceber como sua doutrina, decorrência de Kardec, é uma cópia da filosofia do Séc XIX e tão preconceituosa quanto. Até mais irracional. ”
    .
    Prove! Dizer todos dizem. Prove isso, não para mim, mas para você mesmo. É capaz? Traga então a matéria que corrobore com o que você acabou de dizer! Estou ansioso.
    .
    “Não é a toa que Espiritismo só passa de 1% da população aqui no Brasil.”
    .
    E não é a toa que você vive falando coisas a toa. Prove! Me mostre a pesquisa. Se não foi por pesquisa, informe então sua fonte. Se foi por sonhos, intuição, comunicação dos espíritos da Umbanda. E por falar nisso, a Umbanda e a Quimbanda entrou nessa sua pesquisa? O Candomblé também? A Seicho-no-ie? Os Católicos não praticantes e que acreditam em espíritos? Entre outras doutrinas?

  107. Marden Diz:

    Alexandre Neuwert,
    .
    Sim, estou de acordo com o que você disse. E sem contar que muitos dos que se dizem céticos não sabem muito bem o significado dessa palavra. E parte de uma premissa de que o que não entendem é falso, é tudo mentira. Produto da nossa ignorância. Na verdade não se trata de céticos e sim, adeptos ou fanáticos do materialismo.
    .
    Mas como sou bem cético também, vou direto no “calcanhar de aquiles” de alguns, ou seja, procuro fazê-los raciocinar. Confesso que não é tarefa fácil, fazer alguém que tem ideias preconcebidas raciocinar. Mas sei que também não é nada impossível. Sei que em seus momentos de calma, o cerne da mensagem fica martelando em seu inconsciente, tal qual os tambores Taiko japoneses (http://youtu.be/kI4Mqb5_jJU)

  108. Jurubeba Diz:

    Biasetto,
    quando li Legião (ainda era espírita) fiquei chocado como um cara pode introduzir tanta besteira em um meio (como eu pensava) tão lúcido! Agora, de fora, não tô nem aí. São farinha do mesmo saco. Pena que tenho uma tonelada de amigos espíritas que não gostam muito quando eu começo a apontar as incongruências da doutrina. Daí me calo e prefiro conversar sobre o dia-a-dia, que desse ninguém escapa (embora os espíritas achem que não se escapa é de obssessores).
    .
    Uma coisa que eu tenho notado é que muita gente que frequenta o blog tem um conceito bastante distorcido de ciência e método científico. Não sou especialista, mas estou trabalhando nisso. No entanto, do pouco que já aprendi, o método científico usado na Física, na Astronomia, na Biologia e cia ltda é bastante diferente do que vejo alguns defenderem aqui. Ah, sim. Sempre na tentativa de encaixar suas crenças dentro do ambiente científico, para serem autorizadas.
    .
    Sou muito pragmático quanto à esses assuntos. A afirmação que faço é: PROVE. Se o conjunto das evidências caminha para uma probabilidade grande, aí as cosas caminham para um final feliz. Agora, acreditar em coisas que não podem ser repetidas ou evidenciadas não é ciência. É crença!
    .
    Hipóteses muito mais complexas e difíceis de serem comprovadas foram confirmadas pela matemática. A Astronomia está recheada de casos, desde o efeito Doppler às equações de Hubble. Nem vou falar de Einstein.
    .
    Agora, acreditar em uma coisa (como a reencarnação) que em 200 anos (ou mais) de “pesquisa” (só o espiritismo tem 155 anos) não se chegou a conclusão nenhuma é dose né. Quanto o homem avançou em outras áreas nesses 200 anos? Milhares de vezes, e em milhares de assuntos, mais do que nesse único, a reencarnação. É por que é difícil de provar ou é por que NÃO EXISTE? E olha que essa deveria ser a hipótese mais fácil de se provar, afinal temos um amostra de mais de seis bilhões de indivíduos! Não somos nós quem reencarnamos? Por quê, então, é tão difícil provar?
    Eu sei por que: porque não existe!
    .
    Sei que vai aparecer um bocado de gente a escrever um monte de FALÁCIAS. Mas minha posição será bastante simples: PROVE!
    Sem discussões nem argumentos. Apenas isso: PROVE!
    .
    Ah, e não caio na falácia da maioria: prove que não existe. Isso é argumento de quem tá acuado no canto da sala e não tem o que falar.
    .
    Saudações

  109. Marciano Diz:

    Parabéns, Marden,
    Voltou com outro espírito.
    Assim fica melhor dialogar com você.
    Não me incomodo com sua presença, sua arrogância no início é que me incomodou.
    Não é o que você diz, mas o modo como o faz.
    Você ainda precisa melhorar um pouco a maneira como se relaciona com os outros. Menos ofensas, menos irritação.
    Não tenho intenção de corrigir seus erros de português, só o fiz duas vezes porque você me provocou com aquela história do galinha tonta.
    Eu não sou psiquiatra nem neurologista, por isso vou me abster de comentar sua alegação de que o RC explica anomalias em cérebros de esquizofrênicos.
    O “baba ovo” foi porque você fica endeusando o Mattos, como outros endeusam o Rivail.
    Se quiser continuar a trocar ideias comigo, vai ter de parar de me chamar de viciado, negligente (Você, por vício ou por negligência), e outras coisas.
    .
    Segundo os kardecistas, qualquer espírito pode “volitar” depois de algum tempo na erraticidade.
    .
    Jurubeba,
    Nesses 200 anos vários milagres aconteceram. A aviação e a astronáutica, os computadores, televisores, telefones. Tudo devido à ciência de verdade, a primeira e única revelação (antes que alguém queira me refutar, vou logo avisando, revelação aí é pura ironia).
    São mais de sete bilhões, Jurubeba.

  110. Marden Diz:

    Jurubeba,
    .
    O médico Antônio Pinheiro Guedes em sua obra Ciência Espirita, cuja obra foi dedicada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, no capitulo Espiritologia, nos dá as seguintes informações: “O espiritismo é a ciência das ciências; ele as unifica em uma síntese admirável.”
    .
    “O espiritismo é ciência profunda, vasta, eclética, cujo estudo fornece conhecimentos, não só sobre o homem espiritual, mas também sobre o homem corpóreo; e ensinamentos de ordem moral e de ordem intelectual.
    Ele nos faz compreender melhor o mecanismo das funções, não só das psíquicas ou mentais, mas, também das orgânicas ou vitais; e as relações da alma com o corpo, cujas perturbações são causas predisponentes e até determinantes de estados mórbidos.”

  111. Marden Diz:

    Jurubeba,
    .
    Diante da definição acima sobre Espiritismo, opinião que inclusive o Racionalismo Cristão compartilha, este mesmo médico define ciência e depois demonstra e prova ser o Espiritismo uma verdadeira ciência e do qual eu transcrevo uma parte.
    .
    “Tendo afirmado que o Espiritismo é ciência vasta, profunda, eclética, cumpre-me demonstrá-lo; porque hoje não basta afirmar, é preciso provar, tornar a coisa evidente, palpável. O tempo do magister dixit foi-se.”
    .
    “Obediente ao método, provarei primeiro que é ciência, demonstrando depois que é vasta, profunda, eclética; porque abrange o ciclo das evoluções que o Espírito realiza desde o seu início, desde a sua origem.”
    .
    “Vejamos, para isso, em que consiste o que se denomina ciência.
    A ciência é o conhecimento das coisas, dos fatos e dos fenômenos em si mesmos, em sua natureza e nas suas relações entre si e com tudo o que os cerca: o meio, o ambiente.”
    .
    “Esse conhecimento só se obtém pelo estudo metódico, observação atenta e análise minuciosa. É, portanto, a ciência fruto de nossa inteligência, resultado de nosso trabalho; ela visa um fim, satisfaz uma necessidade do nosso Espírito.”
    .
    “O Espírito sente incessantemente necessidade de investigar; é ávido de conhecimento; quer luz, mais luz, sempre luz. O Universo é infinito; a avidez de luz é insaciável; a matéria de estudo inesgotável.”
    .
    “A ciência é um corpo de doutrinas, sintetizando todas as leis e princípios, deduzidos do estudo do Universo; ela é, pois, um conjunto de ciências.”
    .
    “As ciências, portanto, são múltiplas e várias; tantas quantos são os objetos de estudo; todas visam o mesmo fim, mas cada uma tem o seu objeto, a matéria de que se ocupa: umas são concretas, outras abstratas.”
    .
    “Assim, pois, não podem todas aplicar os mesmos métodos; mas cada qual reclama métodos, processos e aparelhos adequados à observação e análise da coisa, fato ou fenômeno, que é o objeto do seu estudo. É o que se vê, o que se nota em todas as ciências até hoje constituídas.”
    .
    “As Matemáticas, a Astronomia, a Física, a Química e as ciências biológicas — Botânica, Zoologia, Antropologia e a moderna Sociologia — todas têm a sua matéria de estudo; e servem-se de métodos, processos e aparelhos apropriados, de acordo com a natureza do seu objeto e segundo as necessidades do estudo.”
    .
    Jurubeba, afim de facilitar a leitura, vou dividir esse assunto em duas partes. Na próxima colocarei as explicações do Dr. Antônio Pinheiro Guedes sobre se o Espiritismo tem requisitos para ser chamado de ciência.

  112. Marden Diz:

    Jurubeba,
    .
    Continuando o comentário anterior, continuarei transcrevendo sobre o que disse o Dr. Antônio Pinheiro Guedes em sua obra Ciência Espirita, capitulo Espiritologia.
    .
    “— Preencherá o Espiritismo esses requisitos, satisfará essas condições para merecer foros de ciência?”
    .
    “O Espiritismo tem por fim: esclarecer-nos sobre o outro mundo, sobre a vida além-túmulo; provar a existência da alma, sua preexistência e sobrevivência ao corpo, satisfazendo assim uma necessidade iniludível da nossa alma, aspiração incessante de nosso eu.”
    .
    “Ele estuda os fatos extraordinários, mas numerosos, numerosíssimos, que constituem uma ordem de fenômenos, até há pouco reputados sobrenaturais; e por isso relegados como inobserváveis, indignos de estudos; os quais, entretanto, convenientemente observados, provam a existência do Espírito, esclarecem-nos sobre a vida além-túmulo, pondo sob os nossos olhos maravilhados, estupefatos, um outro mundo.”
    .
    “Os fatos que constituem o objeto do Espiritismo, não são sobrenaturais, nem mesmo extraordinários, senão porque escapam à observação dos que não sabem vê-los; eles são naturais, como tudo quanto existe no Universo; são comuns, ordinários e até freqüentes. Mas para os ver, os observar, aprender a notá-los e os reconhecer, quando e onde quer que se apresentem, era preciso descobrir o instrumento capaz de os registrar, tornando-os evidentes e palpáveis.”
    .
    “Esse instrumento é o Médium.”
    .
    “Achado o instrumento, estudado em suas aptidões, começaram os fatos a ser observados, a princípio os espontâneos, mais tarde os provocados, no intuito de reconhecer a causa produtora de tais fenômenos. Como resultado dos estudos espiríticos, a imortalidade da alma é estatuída em princípio, perfeitamente determinado por provas irrefutáveis.”
    .
    “A sucessão das existências ou multiplicidade de vidas corpóreas de uma individualidade consciente — o espírito humano — denominada reencarnação, constitui uma lei à que estão sujeitos todos os espíritos; e é condição essencial ao seu progresso.”
    .
    “Assim, pois, o Espiritismo visa um fim, estuda uma ordem de fatos, emprega métodos, processos e instrumentos exclusivamente seus; cria teorias, estatui princípios, estabelece leis; satisfaz assim e preenche todos os requisitos exigidos pelos foros científicos.”
    .
    “O Espiritismo é, portanto, sem a mínima dúvida, uma ciência. Ciência vasta, profunda, eclética, ele constrói a síntese da vida humana, abrange o ciclo das evoluções do espírito, ab initio ad eternum, do início ao infinito. Seus princípios, suas leis têm aplicação universal; são um fanal no meio das trevas que nos cercam; são um farol no mar tempestuoso da vida.”
    .
    Fica ai então, nas palavras do Dr. Antônio Pinheiro Guedes, que o Espiritismo é sim uma ciência. E este livro pode-se baixar gratuitamente na internet para maiores consultas.

  113. Marden Diz:

    Montalvão,
    .
    O que sei é baseado não só apenas nos ensinamentos do Dr. Antônio Pinheiro Guedes, que na minha opinião foi uma das pessoas que melhor falou e definiu o Espiritismo, como também nos ensinamentos que o Racionalismo Cristão me proporciona. Portanto, não são baseados em deslumbres como o NVF e você agora, querem impingir.
    .
    Sobre o Galinha Tonta receber a visita de espíritos foi uma hipótese levantada por mim. Por isso que pedi ao materialista Marciano, para dar as suas elucidações, da qual aguardo ansiosamente. O próprio Galinha Tonta não confirma de os “visitantes” serem espíritos. Como ele é católico, talvez em seu entendimento tenham sido “anjos”.
    .
    Não sei se você conhece a cidade de São Francisco, para ter uma certa noção. Eu conheço muito bem a cidade. Da carência e a falta de recurso desse povo. As dificuldades para aprender o inglês são muitas. Alemão e Japonês então nem se fala. Sobre dificuldades me refiro sobre materiais disponíveis e também o material humano, como professores por exemplo.
    .
    Você disse: “Se quisessem fazer bom trabalho teriam investigado a vida do garoto e consultado especialistas no assunto para que opinassem (neurologistas, psiquiatras, psicólogos).”
    .
    Pois eu faço algumas pesquisas nessas áreas. Como tenho acesso a uma boa biblioteca, andei fazendo estudos nas obras de Noam Chomsky, que a dias de hoje é um dos maiores entendedores na área da Linguística. Estudo também outros autores correlacionados. Mas não fico apenas por aqui, também busco referencias alternativas, como é o caso de Timothy Ferris, que nos ensina a aprender de tudo e sem medo, inclusive idiomas. Ou o caso de Alex Rawlings, um garoto de 20 anos da cidade de Londres que aprendeu a falar 11 idiomas.
    .
    Vou deixar algumas referencias para caso queira consultar, recomendo ver os vídeos de Tim Ferris e Alex Rawlings. E sinta-se livre se quiser dar uma ajudinha para o Marciano.
    .
    Referências: Noam Chomsky. Wikipédia (http://goo.gl/z0xDt). Tim Ferris, programa Ted: Esmague o medo e aprenda o que quiser (http://goo.gl/MRaD2). Alex Rawlings, falando 11 idiomas (http://goo.gl/rMFlv).

  114. Marciano Diz:

    “por incrivel que pareça, em pleno 2012, o nosso país está cada vez mais próximo de se tornar um Estado Teocrata.
    O cenário é simples: as Igrejas Evangélicas crescem, porém, para continuarem a suas expansões, elas precisam de parte do Poder Estatal. É necessário que se criem leis que as favoreçam. Para isso, elas apoiam e patrocinam as candidaturas dos políticos, para que esses defendam seus interesses perante o Estado. São desses interesses que surgem projetos de leis como a PEC 99 , entre outros que pretendem igualar o poder das Igrejas ao Poder Estatal. Fora isso, já é previsto a candidatura do Bispo Edir Macedo para Presidente de República em 2018, quando os índices de evangélicos por habitante estarão próximos a 50% dos brasileiros. Já imaginou o inferno?”

  115. Marciano Diz:

    A PEC 99/2011 “dispõe sobre a capacidade postulatória das Associações Religiosas para propor ação de inconstitucionalidade e ação declaratória de constitucionalidade de leis ou atos normativos, perante a Constituição Federal”.
    Para entender melhor a questão, devemos ir à Constituição Federal e consultar quem são as instituições capacitadas a questionar junto ao STF a (in)constitucionalidade de algum dispositivo. Estas estão listadas no artigo 103 de nossa Carta Magna, que diz:
    “Art. 103. Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a ação declaratória de constitucionalidade:
    I – o Presidente da República;
    II – a Mesa do Senado Federal;
    III – a Mesa da Câmara dos Deputados;
    IV – a Mesa de Assembléia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal;
    V – o Governador de Estado ou do Distrito Federal;
    VI – o Procurador-Geral da República;
    VII – o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil;
    VIII – partido político com representação no Congresso Nacional;
    IX – confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.”
    Fonte: Planalto
    Este conjunto de legitimados acima são os que, dentro do Estado brasileiro, estão aptos para o controle de constitucionalidade de normas jurídicas junto ao STF, propondo ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade) e ADECON (Ação Declaratória de Constitucionalidade). Esse status é conferido a este grupo restrito por sua posição de importância dentro do Estado Brasileiro. Nesse conjunto está caracterizado que alguns tipos de entidades representativas podem usar deste instrumento, como a Confederação Sindical e a Entidade de Classe. Porém, não é tão simples como aparenta ser.
    Para a existência de uma Confederação Sindical, é necessária a união de três federações sindicais, que, por sua vez, consistem na união de cinco sindicatos. Já a Entidade de Classe deve ter base social e estar representada em nove Unidades da Federação. As duas entidades só poderão propor quando demonstrarem ligação entre seus interesses e o conteúdo da norma questionada. Estas restrições demonstram o tamanho da responsabilidade para a proposição de uma ADIN ou ADECON para que estas não fiquem banalizadas .
    A PEC 99 traz outro tipo de entidade representativa. A Associação Religiosa é quando uma denominação ou grupo religioso tem reconhecimento perante a lei com caráter representativo e seus respectivos estatuto e ata de fundação registrados em cartório. O Novo Código Civil confere personalidade jurídica às organizações religiosas (entre elas a Associação) e estabelece, no §4º do artigo 44, que “são livres a criação, a organização, a estruturação interna e o funcionamento das organizações religiosas, sendo vedado ao poder público negar-lhes reconhecimento ou registro dos atos constitutivos necessários ao seu funcionamento” (LEI No 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002.). Logo, a associação religiosa possui um privilégio de se organizar sem que o Estado possa negar-lhe o reconhecimento de sua criação por qualquer motivo que seja, graças ao lobby evangélico em 2003 (A Reação dos Evangélicos ao Novo Código Civil).
    Por aqui vemos que há a facilidade irrestrita destes grupos se organizarem, muito diferente dos requisitos estabelecidos para as Confederações Sindicais e Entidades de Classe. Além do perigo de inúmeras associações religiosas surgirem com este propósito (algo que por si só já caracteriza um privilégio e um descompasso com a Constituição), há a oculta pretensão deste projeto: os ataques aos direitos das minorias.
    FONTE: http://www.eleicoeshoje.com.br/estado-laico-pec-99-11/#ixzz1ph6JdbCG

  116. Marciano Diz:

    bancada que mais tem conseguido projeção neste mandato talvez seja a Bancada Evangélica. Segundo dados da própria Frente Parlamentar Evangélica, nas eleições de 2010, a bancada cresceu de 46 deputados (9% do total da Casa) para 68 deputados (13,2% do total), um crescimento de mais de 50%, se comparado ao tamanho da bancada no mandato anterior. No Senado, a bancada conta atualmente com 3 representantes: Walter Pinheiro (PT-BA), Magno Malta (PR-ES) e o bispo Marcelo Crivella (PR-RJ).

    Se fossem comparadas às bancadas dos partidos, a Evangélica seria a terceira maior do Congresso, atrás apenas das do PT e do PMDB, e empatada com o número de parlamentares do PSDB. A força do grupo, liderado principalmente por religiosos e representantes da Assembleia de Deus, mostrou-se já durante a campanha, quando pautaram, juntamente com os membros da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a questão da legalização do aborto na agenda dos candidatos à presidência.

  117. Marciano Diz:

    A bancada evangélica tem feito o monitoramento de 368 projetos da Câmara e do Senado, a maioria referente a questões de direitos individuais, e agido não de acordo com o programa dos seus partidos, legalmente constituídos e pelos quais foram eleitos, mas sim pelas orientações religiosas a que professam.
    O último caso a chamar a atenção foi o Projeto de Lei nº 1.763/2007, que prevê o pagamento de um salário mínimo durante 18 anos para mulheres vítimas de estupro, para que mantenham a gravidez e criem seus filhos. O PL criada pela bancada ainda tem outro ponto bastante polêmico: a ideia de que psicólogos de orientação cristã atendam as mulheres vítimas de estupro, na tentativa de convencê-las sobre a importância da vida e de manter a gravidez. Tudo, obviamente, pago pelo Estado. Porém o próprio Código de Ética dos profissionais de Psicologia veta a indução a “convicções políticas, filosóficas, morais, ideológicas, religiosas, de orientação sexual”.
    Desde 1940, o artigo 128 do Código Penal permite a prática do aborto em apenas dois casos: se não há outro meio de salvar a vida da gestante (aborto terapêutico), ou se a gravidez resulta de estupro e há consentimento da gestante (aborto sentimental).
    A ex-Ministra da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres, Nilcéa Freire, disse em entrevista ao Estadão que a proposta “é retrocesso, uma proposta sem cabimento, equivocada desde o começo. Nós apoiamos a liberdade de escolha da mulher”.
    Na mesma reportagem, a advogada Samantha Buglione, do Instituto Antígona e das Jornadas Pelo Direito de Decidir, afirma que “Há uma dificuldade em compreender que o Estado democrático surge para assegurar a liberdade de crença da população. Há uma confusão no entendimento de alguns parlamentares entre direito e moral, entre religião e política pública.”
    Se seguirmos essa tendência, é provável que o Brasil se aproxime muito de um Estado Teocrata como o Irã, ou mesmo, vire um. Você, eu, seu vizinho, seu amigo e quem mais pisar nesse território vai ter sua liberdade caçada. Censuras, proibições e preconceitos vão virar lei! Os ateus e os devotos das demais religiões não-cristãs só podem esperar o pior havendo o estabelecimento do Estado Teocrata .
    E isso que acontece quando você não toma partido por em uma questão. Quem imaginaria em 1990 que chegaria a esse ponto? Temos que exigir das autoridades que as Igrejas sejam consideradas empresas. Afinal, se portam como uma, não? Já está na hora de elas seguirem todas as normas legais que uma empresa segue! É limitando o poder dessas entidades que voltaremos a solidificar o equilíbrio.

  118. montalvão Diz:

    .
    Marciano Disse:
    .
    Montalvão demora a se manifestar, mas quando o faz é magistral. (…)
    .
    Ele procura explicar precognição em essa teoria maluca. Bem melhor do que ele é Guy de Maupassant, em um conto, não me lembro agora, ele diz que a gente tem premonições o tempo todo, quase todas dão erradas e a gente descarta. Quando uma delas dá mais ou menos certo, usamos a memória seletiva para registrar só esta.
    .
    COMENTÁRIO: primeiramente muito grato pelas elogiosas palavras; apesar de delas não me achar merecedor, um afago no ego sempre faz bem…
    .
    Guy de Maupassant foi um escritor precognitivo (no sentido psicológico, não em termos paranormais). Em realidade, a neurociência diz o que Maupassant dizia: somos precognitivos por natureza e por necessidade. Que diferença há entre prevermos que saindo de casa às tantas horas, embarcando no metrô das sete, chegaremos no serviço antes de oito e meia e prevermos a morte da tia Hilda? Descontado o fato de que a viagem até o trabalho é coisa trivial e o passamento da tia é eventualidade, o processo que nos leva a tais concluimentos é, a meu ver, exatamente o mesmo. De forma semelhante, quando vamos atravessar uma rua e vemos a certa distância um carro vindo em nossa direção, prevemos que o motorista manterá aquela velocidade, portanto podemos seguir sem receio (vejo-me, pois, precognitivamente, do outro lado da rua gordo e salvo). Às vezes as previsões acontecem certinhas, mas se o o chofer não for com a minha cara e pisar fundo lá se vai minha previsão para o buraco e, tomara que não, eu também.
    .
    Precognição, acredito, se resume em informação e capacidade de processamento. Nosso cérebro é um recolhedor de dados de primeira. Durante todo o tempo os informes colhidos são processados em segundo plano em nossos arquivos neuroniais, quando dormimos esse trabalho se intensifica. Dizem que os sonhos, basicamente, são produtos da mente concatenando as informações novas com as existentes. Nesse trabalho algumas intuições fecundas podem brotar e, dentre elas, surgir admiráveis previsões, qual seria acertar que a tia Hilda vai morrer. Veja o ponderamento que enviei ao Lego: ninguém premoniza sobre coisa de que não tenha conhecimento, apesar de que , provavelmente, haverá quem discorde. Aliás, Dean Radin acreditava que muitos vislumbram previamente o ataque às Torres Gêmeas dias antes de acontecer. Gente que não tinha a menor informação sobre Bin Laden e seus terroristas, tampouco pensava no Trade Center, a não ser superficialmente, depois do desastre apareceu com sonhos reputados premonitórios e Radin, alegremente, apologizou que esses pseudoprevedores “sentiram” alguma coisa… Tem gente crendo que precognição seja magia pura, ou poder dito paranormal. Suponho que, nessa linha de pensamento, seja pura fantasia, puro Dunne…
    .
    Cordiais saudações.

  119. montalvão Diz:

    Prezado Toffo.
    .
    Apreciei seu comentário sobre o “autoritarismo kardequiano, do qual destaco o seguinte trecho: “Na verdade, o autoritarismo está na raiz mesma do espiritismo. O famoso “crivo da razão” que é a marca da doutrina espírita não passa, na verdade, do crivo da razão DELE, Kardec. Não se trata de submeter as alegadas comunicações a um colegiado, que iria deliberar se aquilo era bom ou não. Ou fazer um trabalho de pesquisa sobre o assunto, pedindo opiniões diversas ou pesquisando nos livros (hoje, na internet). Não. Trata-se do crivo do chefe. Passou por ele, está limpo. Não passou, vai pro lixo. A censura começou ali mesmo, com o antigo prof. Rivail, agora mestre Kardec, o celta.”
    .
    COMENTÁRIO: recentemente entabulei discussão com um venerável espírita, o qual enviou-me texto da lavra de Rivail, publicado na Revista Espírita, objetivando demonstrar que a reencarnação chegou ao codificador por revelação espiritual e não por vias terrenas, conforme eu afirmara. Como ilustração, posto aqui o texto e minha avaliação, supondo que possa ser de seu interesse apreciá-la e, se quiser, criticar. Está um tanto grandinho, mas dá para ler em suaves prestações. Saudações.
    .
    .
    .
    KARDEC: A doutrina da reencarnação, isto é, a que consiste em admitir para o homem muitas existências sucessivas, é a única que corresponde à ideia que fazemos da justiça de Deus, com respeito aos homens de formação moral inferior; a única que pode explicar o futuro e firmar as nossas esperanças, pois que nos oferece os meios de resgatarmos os nossos erros por novas provações. A razão no-la indica e os Espíritos a ensinam.
    .

    COMENTÁRIO: Consideremos a primeira parte do fecho da reflexão: “A razão no-la indica”. O que Kardec diz-nos é que, dentro da concepção de justiça divina, por ele acatada, o reencarnacionismo seria a proposta que com ela melhor harmonizava. É patente a predileção de Kardec pela reencarnação como projeto salvacionista: somente ao final do discurso, após exaltar as qualidades lógicas da suposição reencarnacionista, noticia que era ensinamento dos espíritos (porém, estrategicamente, não informa que fora ensino de alguns “espíritos”, não de todos).
    .

    KARDEC: O dogma da reencarnação, dizem algumas pessoas, não é novo; foi ressuscitado de Pitágoras. Jamais dissemos que a Doutrina Espírita fosse uma invenção moderna. Por constituir uma lei da Natureza, o Espiritismo há de ter existido desde a origem dos tempos e sempre nos esforçamos em provar que se encontram sinais dele na mais remota Antiguidade. Pitágoras, como se sabe, não foi o autor do sistema da metempsicose; ele o colheu dos filósofos indianos e dos egípcios, [os egípcios não eram reencarnacionistas, a rotina religiosa egípcia, e seus escritos a respeito do julgamento dos homens após a morte, aponta para a ideia de ressurreição, não de reencarnação.] onde existia desde tempos imemoriais. A ideia da transmigração das raças formava, pois, uma crença vulgar, admitida pelos homens mais eminentes. De que maneira chegou até eles? Por uma revelação, ou por intuição? Não o sabemos. Mas, seja como for, uma ideia não atravessa os séculos e nem é aceita pelas inteligências de escol, se não contiver algo de sério. Assim, a antiguidade dessa doutrina seria mais uma prova a seu favor do que uma objeção.
    .
    COMENTÁRIO: “Ser antiga” não dá peso evidenciativo a qualquer idealização. Algumas crenças se mantêm vivas por longo tempo por motivos variados, porém a longevidade não pode ser considerada comprovação. Historicamente, a crença na reencarnação é relativamente recente, apesar de Kardec imaginar que venha “desde a origem dos tempos”. Os povos mais antigos, como egípcios, mesopotâmios, chineses, não cultivavam conjecturas reencarnacionistas. Em algumas nações, a ideia de múltiplas existências foi incorporada ao pensamento de certos grupos, passando a concorrer com outras postulações, conforme aconteceu na Grécia. Nesta civilização, a hipótese multividas foi valorizada em comunidades esotéricas. Mesmo na Índia, onde as idealizações reencarnacionistas são bem distintas das apregoadas pelo kardecismo, a suposição de muitas existências não constava em escritos religiosos primitivos. Os registros indianos mais antigos conhecidos não falam de vidas continuadas. Portanto, é incorreta a afirmação de que a reencarnação seja “crença imemorial”.
    .
    KARDEC: Todavia, entre a metempsicose dos antigos e a moderna doutrina da reencarnação há, como também se sabe, uma grande diferença: a de os Espíritos rejeitarem de maneira absoluta a transmigração da alma do homem para os animais e vice-versa.
    .
    COMENTÁRIO: Podemos replicar que os “espíritos” respondem conforme seus cultuadores desejam. Não esqueçamos que entre os espíritas ingleses, onde a reencarnação é repudiada, a espiritualidade também a renega. A metempsicose foi rejeitada pelos alegados espíritos que assessoravam Kardec porque destoava do projeto reencarnacionista por ele adotado, e os “entes espirituais” fizeram eco ao pensamento do codificador. Provavelmente, se fosse consultada a “espiritualidade” de regiões cultivadoras da metempsicose, utilizando-se de médiuns que nela acreditassem, fosse manifesta empolgada aprovação à transmigração de almas em corpos animais.

    KARDEC: Vós estáveis, sem dúvida, dizem também alguns contraditores, imbuídos dessas ideias, e eis porque os Espíritos se aterraram à vossa maneira de ver.
    .
    COMENTÁRIO: É mais ou menos como dissemos acima, e esta é uma boa objeção, à qual Kardec respondeu como pode. É fato que os “espíritos” refletem, e frequentemente repetem, o pensamento dos vivos: em verdade, as ditas revelações espirituais não são recados inéditos, provindos de legítima sabedoria transcendental, nada: são ecos de anseios terrenos a respeito do que se supõe seja o mundo além. Vemos que naqueles dias, os críticos haviam percebido esse ponto. Adiante veremos como Kardec se defendeu.
    .
    Quanto à metempsicose, esse pensamento ainda é acatado por diversas religiões asiáticas. Se seguirmos a alegação de Kardec, de que a antiguidade de uma crença testifica em seu favor, nesse caso, o crente deveria ficar com a metempsicose, por ser idealização mais vetusta.
    Kardec diz ter buscado o consenso dos espíritos e informa que a espiritualidade unanimemente rejeitara a metempsicose. Porém, essa unanimidade aconteceu entre os espíritos que Rivail dizia consultar, pois não sabemos se as almas asiáticas, caso fossem evocadas, também denegariam a reencarnação em corpos de irracionais. Além disso, mesmo a unanimidade espiritual-européia, afirmada por Kardec, não foi absoluta, conforme afiança: os “espíritos” ingleses, ao rejeitaram a reencarnação, repudiaram tanto a metempsicose, quanto as múltiplas vidas kardecista.
    .

    KARDEC: Aí está um erro que prova, uma vez mais, o perigo dos julgamentos apressados e sem exame. Se essas pessoas tivessem se dado ao trabalho de lerem o que escrevemos sobre o Espiritismo, teriam se poupado apenas de uma objeção feita muito levianamente. Repetiremos, pois, o que dissemos a esse respeito, saber que, quando a doutrina da reencarnação nos foi ensinada pelos Espíritos, ela estava tão longe do nosso pensamento, que tínhamos feito, sobre os antecedentes da alma um sistema diferente, de resto, partilhado por muitas pessoas. [que sistema teria sido? Não localizamos o que Kardec pensava antes de aderir ao reencarnacionismo.] A doutrina dos Espíritos, sob esse assunto, portanto, nos surpreendeu; diremos mais, contrariou, porque derrubou as nossas próprias ideias; ela estava longe, como se vê, de ser-lhe o reflexo. Isso não é tudo; não cedemos ao primeiro choque; combatemos, defendemos a nossa opinião, levantamos objeções, e não nos rendemos senão à evidência, [qual teria sido a evidência à qual Kardec se rendera?] e quando vimos a insuficiência do nosso sistema para resolver todas as questões que esse assunto levanta.

    .
    COMENTÁRIO: Kardec faz sua defesa, ante a acusação de que os recados reencarnacionistas dos espíritos seriam reflexos daquilo em que acreditava, afirmando que, antes de ter conversado com os desencarnados, sua convicção fora contrária às múltiplas vidas. Só que, ao dizer tal coisa, parece entrar em contradição, uma vez que ao início do escrito, explica-nos que dois foram os motivos que o levaram a optar pelo reencarnacionismo: a razão, e os espíritos. Ele assevera que seu primeiro contato com o reencarnacionismo veio da espiritualidade. Então, submeteu a proposta ao crivo da razão, o que o fez perceber a logicidade das múltiplas existências e, finalmente, cedeu. Mas, e anteriormente, a razão não lhe dera indicações de que a melhor escolha seria essa? Quais teriam sido as primeiras razões de Kardec e as derradeiras? A desculpa de Kardec de que jamais examinara proposições reencarnacionistas, só o fazendo após ter conversado com espíritos parece-nos pouco provável.

    .

    KARDEC: Raciocinamos, como dissemos, abstração feita de todo ensino espírita que, para certas pessoas não é uma autoridade. Se nós, e tantos outros, adotamos a opinião da pluralidade das existências, não foi somente porque ela nos veio dos Espíritos, mas porque nos pareceu a mais lógica, e que só ela resolve as questões até agora insolúveis. Se viesse de um simples mortal e a adotaríamos do mesmo modo, e não hesitaríamos antes em renunciar à nossas próprias ideias; do momento em que um erro é demonstrado, o amor próprio tem mais a perder do que a ganhar obstinando-se numa ideia falsa. Do mesmo modo, teríamos repelido, embora vinda dos Espíritos, se ela nos parecesse contrária à razão, como as repelimos muitas outras, porque sabemos, por experiência, que não é preciso aceitar cegamente tudo o que vem de sua parte, não mais do que vem da parte dos homens.
    .
    COMENTÁRIO: Kardec diz algo muito sério: foi ele próprio o filtro que acatou e rejeitou no espiritismo o que achou por bem. Aqui deparamos problema, sério problema. Suponhamos que a reencarnação lhe contrariasse a razão, conforme contrariou a razão dos espíritas ingleses, mas, fosse ensinada pela universalidade dos espíritos por ele consultados. O que faria Kardec? Além disso, o fato de o codificador monopolizar a escolha do que era cabível ao espiritismo não dá a doutrina garantia alguma de que as opções por ele feitas foram as corretas. Melhor se sairia se elegesse colegiado para conjuntamente avaliar os recados mediúnicos.
    .
    O que para Rivail soara de lógica cristalina, para os espíritas ingleses parecia coisa insensata. Vejamos o que um autor inglês dizia da “lógica” reencarnacionista.
    .
    “Quando a Reencarnação assumir um aspecto mais científico, quando puder oferecer um demonstrável conjunto de fatos que admitam verificação como os do Moderno Espiritismo, merecerá ampla e cuidadosa discussão. Por enquanto, que os arquitetos da especulação se divirtam como quiserem, construindo castelos no ar. A vida é muito curta e há muito que fazer neste mundo atarefado, para que deixemos os vagares e as inclinações a fim de nos ocuparmos em demolir essas estruturas aéreas ou apontar os frágeis alicerces em que se assentam. É muito melhor trabalhar naqueles pontos em que concordamos, do que nos engalfinharmos sôbre aqueles em que parece que divergimos tão desesperadamente.” (História do Espiritismo – Arthur Conan Doyle)
    .

    KARDEC: Temos, pois, como se vê, muitos motivos para não aceitarmos, levianamente, todas as teorias dadas pelos Espíritos. Quando uma nos surge, nos limitamos ao papel de observador; fazemos abstração de sua origem espírita, sem nos deslumbrarmos pela imponência de nomes pomposos; nós a examinamos como se ela emanasse de um simples mortal, e vemos se é racional, se dá conta de tudo, se resolve todas as dificuldades. Foi assim que procedemos com a doutrina da reencarnação que não adotamos, embora vinda dos Espíritos, senão depois de reconhecer que só ela, mas só ela, podia resolver o que nenhuma filosofia ainda não resolvera, e isso abstração feita das provas materiais que dela são dadas, cada dia, a nós e a muitos outros. Pouco nos importa, pois, os contraditores, fossem eles mesmo Espíritos; desde que ela é lógica, conforme a justiça de Deus; que eles não podem substituí-la por algo mais satisfatório, não nos inquietamos mais com eles do que com aqueles que afirmam que a Terra não gira ao redor do Sol – porque há Espíritos dessa força e que se dão por sábios – ou que pretendem que o homem tenha vindo inteiramente formado de um outro mundo, carregado nas costas de um elefante alado.
    .

    COMENTÁRIO: Talvez sem perceber, Kardec se complica, pois está a dizer que o critério maior, que o norteou na elaboração da doutrina, foi seu próprio juízo e sua predileção por essa hipótese. De certa forma, o que se declara é o seguinte: “aceitei a proposta reencarnacionista porque ela é lógica, e porque os espíritos a ensinam”. Até aí tudo bem, contudo diante da informação de que espíritos em outras plagas rechaçam tal concepção, Kardec retrucaria: “não importa, a doutrina continua sendo lógica”. Portanto, os reais critérios de escolha foram as particulares predileções do codificador.
    .
    Além disso, que garantia têm os espíritas de que o “filtro lógico” utilizado por Kardec foi eficiente em todas as situações? Ele afirmava que, diante de ensino novo promanado dos espíritos, observava, examinava, avaliava. Assim deve ter feito com a suposição de que a totalidade dos corpos celestes seja habitada; com a ideia de a alma sair do corpo durante o sono, e com a reeencarnação. Ora, se Rivail falhou em sua filtragem lógica em pontos tão ou mais importantes que a evolução reencarnativa, por que não poderia falhar ao eleger essa crença?

    .
    KARDEC: O próprio princípio da reencarnação que tinha, no primeiro momento, encontrado mais contraditores, porque não era compreendido, hoje é aceito pela força da evidência, e porque todo homem que pensa nele reconhece a única solução possível dos maiores problemas da filosofia moral e religiosa. Sem a reencarnação, para-se a cada passo, tudo é caos e confusão; com a reencarnação tudo se esclarece, tudo se explica da maneira mais racional; se ela encontra ainda alguns adversários, mais sistemáticos do que lógicos, o número deles é muito restrito; ora, quem a inventou? Não foi, seguramente, nem vós e nem eu; ela nos foi ensinada, nós a aceitamos, eis tudo o que fizemos. De todos os sistemas que surgiram no princípio, bem poucos sobrevivem hoje, e pode-se dizer que os seus raros partidários estão, sobretudo, entre as pessoas que julgam sob um primeiro aspecto, e, frequentemente, segundo ideias preconcebidas ou preconceitos; mas é evidente agora que, quem se dá ao trabalho de aprofundar todas as questões e julga friamente, sem prevenção, sem hostilidade sistemática, sobretudo, é invencivelmente conduzido, pelo raciocínio quanto pelos fatos, à teoria fundamental que prevalece hoje, pode-se dizer, em todos os países do mundo.
    .

    COMENTÁRIO: Kardec mostra-se mais empolgado que lógico. Esticasse ele o olhar um pouquinho mais, veria que, poucos quilômetros além, na Inglaterra, espíritas não-reencarnacionistas bradavam contrariamente à reencarnação, assessorados pela mesma espiritualidade à qual Kardec recorrera. Até mesmo em França, Pierárt comandava vertente espírita contrarreencarnacionista. Será que esses espiritualistas não “pensaram” a respeito do princípio da reencarnação, conforme sugeriu Rivail? Certamente refletiram sobre a proposta e a rejeitaram! Por que será que não acharam nela os mesmos predicados que Kardec encontrou? A resposta parece-nos mui clara: a escolha se resumiu na simpatia que Kardec votava ao reencarnacionismo.
    .

    ESPÍRITA: Temos, então, acima, os motivos que levaram Kardec a aceitar a reencarnação, o que indica, certamente, que não foi buscá-la no hinduísmo, conforme querem fazer crer os que, na falta de bons argumentos, tentam levar as para o lado do paganismo, com o objetivo de liquidar a questão. Por outro lado, fica aí registrada mais uma prova concreta de que os que assim agem nada sabem sobre o Espiritismo, fato lamentável para quem se propõe a criticar os outros sem conhecimento de causa.
    .
    COMENTÁRIO: Certamente, Kardec não necessitou buscar em fonte primitiva postulações de múltiplas vivências. Se o fizesse, provavelmente a doutrina kardecista seria diferente da que conhecemos. Idealizações reencarnacionistas, mais ou menos nos moldes propostos por Rivail circulavam em França na primeira metade do séc. XIX. Então, Kardec explica sua opção pelas múltiplas vivências asseverando que foi porque os espíritos a apóiam (óbvio, os “espíritos kardecistas”); também porque a proposição seria lógica e “explica tudo”. Em decorrência, diz Kardec, mesmo que os “espíritos” não a ensinassem ele a ela se agarraria; ou seja, Kardec acataria a reencarnação sob qualquer circunstância.

  120. montalvão Diz:

    Carlos DiSSE:
    .
    Olá Montalvão,
    .
    O curto texto do Júlio termina com “se é verdade ou não, quem sabe?”. Evidentemente que estamos tratando de hipóteses e, como tal, assim devem ser encaradas. (…) hipóteses são lançadas para serem testadas ou, como entendo o texto do Júlio, para atrair a curiosidade e abrir o leque de investigação de uma área tão sensível tal como se processa a transmissão de informações vitais entre indivíduos da mesma espécie. Sem essa curiosidade, enfim, a ciência estaciona e definha.
    .
    Veja o caso recente de Miguel Nicolelis que surpreendeu a todos quando mostrou que a transmissão de impulsos cerebrais pode ser transformada em movimento por um outro indivíduo (ou máquina!) a centenas, ou mesmo milhares de quilômetros de distância da fonte emissora. Ou seja, a vontade de um indivíduo se manifestando em um outro. Fazendo uma analogia com o espritismo, a isso eles dão o nome de “obsessão espiritual”. Penso que o Julio está provocando e, se não for por algum tipo de pré-conceito, não vejo por que suas hipóteses devessem ser ignoradas.
    .
    COMENTÁRIO: Carlos, talvez não tenha entendido o motivo de minha manifestação. O Júlio pode e deve expor seus pontos de vista, os quais primam pela coerência e bom senso (mesmo que firam minhas suposições). Meu pronunciamento expressou a reação que a leitura suscitou-me. Confronto de ideias é assim mesmo, alguém fala e quem ouve, se quiser, se manifesta concordativamente ou não.
    .
    Então, não precisa defender o Júlio, sim critique as fragilidades que tenha achado em minhas ponderações. Em termos gerais, discordei da reflexão reencarnativa proposta pelo nobre articulista, quanto ao fato de ter “ousado” apresentá-la, nada contra… Se achar em meu escrito alguma sugestão de que a meditação juliana deva ser ignorada, por favor, mo mostre, pois não lembro, tampouco recordo, de ter proferido qualquer coisa nesse sentido.
    .
    Conquanto considere a hipótese reencarnacionista pouco provável, sou plenamente favorável às pesquisas e às reflexões que a respeito se realizam.
    .
    Quanto ao experimento do Nicolelis não vejo como analogizá-lo à obsessão. Ando meio esquecido dos detalhes da experiência, mas tenho dúvidas se poderia ser considerado submissão da vontade de um pela de outro.
    .
    Salutos.

  121. Antonio G. - POA Diz:

    Marciano, cuidado com a “patrulha”. Denunciando o risco de virarmos um Estado Teocrático, poderá ser tachado de absolutista-marxista-leninista, “sem dó nem piedade”. Tudo em nome de Deus.
    Em tempo: Ao Edir Macedo eleito pelo PIURD, prefiro o JCFF eleito pelo PICAR. Pelo menos, teremos um presidente que sabe utilizar o léxico com desenvoltura, imaginação e criatividade.

  122. Jurubeba Diz:

    Marden,
    só vou comentar esse trecho:
    “Tendo afirmado que o Espiritismo é ciência vasta, profunda, eclética, cumpre-me demonstrá-lo; porque hoje não basta afirmar, é preciso provar, tornar a coisa evidente, palpável. O tempo do magister dixit foi-se.”
    .
    A visão de ciência desse “doutor” não é lá essas coisas. Quando ele diz “porque hoje não basta afirmar, é preciso provar” bem se vê que ele não é cientista. SEMPRE se precisou provar! Einstein que o diga! Se não fosse por um astrônomo bem intencionado sua Teoria Geral da Relatividade teria ido por água a baixo!
    .
    Ademais, todo o resto é bla bla bla. Antes que tudo o que esse moço diz ser verdadeiro possa ter relevância ele tem que fazer o que a pseudo-ciência espírita não conseguiu: PROVAR que o espírito EXISTE! Sem essa prova TODAS as afirmações são palavras ao vento. Que ciência é essa que não consegue provar a existência nem do veículo de sua observação?
    .
    O médium é o instrumento? Só se for de patologias mentais! Esse é o problema do espiritismo: se escreve o que quer, dissociado de qualquer realidade ou ciência, as pessoas lêem e não vão pesquisar, estudar e verificar e se engole tudo como a mais pura verdade. Não existe forma melhor de emburrecer uma sociedade!
    .
    Ah, mais um comentário:
    “O Espiritismo é, portanto, sem a mínima dúvida, uma ciência. Ciência vasta, profunda, eclética, ele constrói a síntese da vida humana, abrange o ciclo das evoluções do espírito, ab initio ad eternum, do início ao infinito. Seus princípios, suas leis têm aplicação universal; são um fanal no meio das trevas que nos cercam; são um farol no mar tempestuoso da vida.”
    Cadê o espírito, objeto da “ciência” espírita? Onde estão os tratados de ciência espírita, equações e fórmulas (a verdadeira ciência precisa urgentemente deles para desvendar várias questões!)? Onde estão as evidências da vida em Marte, das colônias espirituais, do umbral, etc.?
    Tudo isso tem um nome: FALÁCIA. Palavras vazias sem evidência alguma!
    .
    Só admito o espiritismo como ciência se for a ciência da ilusão e da imaginação! Afirmar sem evidência e prova objetiva e zero é a mesma coisa!
    .
    Sabe o que um verdadeiro cientista moderno pensa disso tudo: http://www.youtube.com/watch?v=107NOt8aHTY&feature=plcp
    .
    Saudações

  123. Antonio G. - POA Diz:

    Jurubeba, espiritismo é ciência, sim senhor. Assim como numerologia, quiromancia e astrologia.

  124. Jurubeba Diz:

    Marden,
    só complementando: você (como a maioria aqui) escreve muito bem e consegue concatenar suas idéias com clareza. Isso demonstra que és alguém muito inteligente. Então deve ser muito fácil para você deduzir que o espiritismo não é ciência. E quanto a isso não há como defender outra hipótese!
    .
    Senão vejamos: em 155 anos de existência a pseudo-ciência espírita não conseguiu provar nenhum dos seus fundamentos. Não provou a existência de espíritos; não provou que existe vida após a morte; não provou que existe o perispírito; não provou que existe vida em Marte, Saturo e Júpiter, como afirmaram os espíritos a Kardec; etc.; etc.;…
    Alías, deixe-me corrigir: não apresentou EVIDÊNCIAS objetivas conclusivas. Acho bom frisar isso porque de subjetivismo os hospícios estão cheios.
    .
    Você leu o comentário do Marciano lá em cima: em 200 anos a verdadeira ciência acumula mais de 7 bilhões de conquistas, provas e acertos. Tudo dentro do método científico.
    Podemos contar nas mãos o conjunto de hipóteses do espiritismo e nenhum deles está comprovado, sacramentado, registrado! Onde está a ciência nisso? Acho que você tem plenas condições de tirar as suas próprias conclusões!
    .
    No entanto, se você prefere a CRENÇA, isso é outra história. Nesse caso, não está mais aqui quem falou…
    .
    Vamos ver como funciona a ciência espírita:
    .
    83. Os Espíritos têm fim? Compreende-se que seja eterno o princípio donde eles
    emanam, mas o que perguntamos é se suas individualidades têm um termo e se, em dado
    tempo, mais ou menos longo, o elemento de que são formados não se dissemina e volta à
    massa donde saiu, como sucede com os corpos materiais. É difícil de conceber-se que uma
    coisa que teve começo possa não ter fim.
    .
    “Há muitas coisas que não compreendeis, porque tendes limitada a inteligência.
    Isso, porém, não é razão para que as repilais. O filho não compreende tudo o que a seu pai é
    compreensível, nem o ignorante tudo o que o sábio apreende. Dizemos que a existência dos
    Espíritos não tem fim. É tudo o que podemos, por agora, dizer.”
    .
    Veja, os espíritos estão com a faca e o queijo na mão, prestes a fazer história com uma revelação cósmica, e os caras amarelam, cagam pra trás! “É tudo que o podemos, por agora, dizer” Hã? Como assim cara pálida? Se Einstein desse uma refugada dessa só porque ninguém conseguia compreender (sim, os colegas de Einstein não o entenderam, foi pura coragem, o cara destronou Newton!) não teríamos a Teoria Geral da Relatividade.
    .
    Mas eu entendo essa resposta: na linha do Toffo eu defendo que era a resposta que KARDEC conseguiria dar. Como ele não sabia a resposta, floreou a historinha e imputou a ignorância para o coitado do espírito imáginario que ele inventou.
    .
    Entendeu o que é ciência? Imaginem se a ciência tecnológica afirmasse: “é melhor não construirmos processadores de quatro núcleos por que o usuário final não entende de nano tecnologia e de álgebra binária”. Esse querido blog nem sequer existiria!
    .
    Saudações

  125. Jurubeba Diz:

    KKKKK. Valeu Antônio. Agora sim eu acredito!

  126. Marciano Diz:

    É, Antonio,
    Não sou simpatizante do comunismo ou socialismo, estão sempre associados ao totalitarismo (que não é privilégio de comunistas, veja-se o nazismo), engessa a economia, tira a liberdade das pessoas (como querem também as religiões), nivela por baixo, tira o estímulo ao progresso (sem competição não há motivação), mas não duvido que me rotulem como tal, a “patrulha” é terrível mesmo.
    Ainda que venha a ser acusado de mais uma coisa que nada tem a ver comigo, assumo o risco. Precisamos (todos os brasileiros) começar a nos preocupar com os rumos que a religião está imprimindo à política.
    Não acredito que num futuro próximo alguém como o Macedo possa vir a ser eleito presidente, mas em médio prazo, o perigo existe. Se acontecer uma desgraça dessas vou embora do Brasil.
    .
    Jurubeba,
    Estás enganado. Espíritas estudam muito, mas só espiritismo.
    Eta cultura inútil.
    .
    “Onde estão as evidências da vida em Marte. . .”
    Êpa, tá duvidando da minha existência, Jurubeba?

  127. Jurubeba Diz:

    Marciano escreve:
    “Estás enganado. Espíritas estudam muito, mas só espiritismo.
    Eta cultura inútil.”
    .
    E eu não sei! Quando, em minha looonnngga estada nesse meio ilusório, me viram com um livro apócrifo a primeira coisa que afirmaram foi: corre que só pode ser obsessão!
    .
    Tem um nome pra isso Marciano: ALIENAÇÃO!
    .
    Tô fora!
    .
    Saudações

  128. NVF Diz:

    “Espíritas estudam muito, mas só espiritismo. Eta cultura inútil.”[2]
    .
    Por isso permanecem espíritas. Todos que passam a estudar outras coisas, acabam tendo elementos novos para questionar.

  129. NVF Diz:

    Engraçado, tentei postar o novo nº estatístico de espíritas pelo IBGE, com um link do “Portal IG”, mas não apareceu.

  130. Carlos Diz:

    Olá Montalvão,
    .
    Minha intenção não foi propriamente defender o Julio, porém defender a curiosidade científica em temas tão polêmicos como “espírito” e “reencarnação”. O que se nota muitas vezes é uma negação sistemática até mesmo na formulação de hipóteses que procurem abordar tais temas com base científica. Nesse aspecto, a negação sistêmica é tão burra quanto a credulidade absoluta, e pelos seus comentários acho que, pelo menos nesse ponto, você concordaria comigo.
    .
    Usei as pesquisas de Nicolelis apenas para realçar que ainda ainda há muito a conhecer na área de transmissão da informação (é disso que fundamentalmente o Julio trata no texto). O que o Nicolelis mostrou, além do avanço no uso da tecnologia para entender as funções cerebrais, foi como extrapolar a vontade do indivíduo para além dos limites do corpo; os biólogos (mas não só eles…) devem estar muito interessados nos resultados.

  131. montalvão Diz:

    Carlos,
    Nada como uma boa conversa para burilar as arestas. Vejo que nossas diferenças opinativas, neste caso, são superficiais e quedam mais para a concordância que para o outro lado. Mesmo porque, Julio é meu mestre: muito aprendi acompanhando textos de seu, lamentavelmente falecido, site “Criticando Kardec”.
    .
    Portanto, que venham novas reflexões julianas e vamos acompanhá-las com muita atenção. Concordar ou discordar faz parte do jogo.
    .
    Em relação a extrapolar a vontade para além dos limites sensoriais, isso já existe desde certo tempo. Quando o patrão pega o celular no Brasil e liga para seu assessor no Japão, ordenando: “quero o relatório hoje!”. Ele está estendendo sua vontade muito além do alcance corpóreo. E o que isso significa? Muitas coisas, uma delas é que a tecnociência vem suprindo os sonhos mágicos acalentado pelo homem de possuir poderes adormecidos, os quais, quando acionados, lhe permitiriam controlar a natureza, e dentre esses se inclue a suposição telepática.
    .
    Saudações,

  132. Toffo Diz:

    Montalvão: obrigado pela deferência.

    Mas vamos lá. A primeira sacada é observar que o espiritismo não é e nunca foi, como apregoa, uma doutrina universal: é uma doutrina de raiz exclusivamente francesa, criada por um francês que se propôs a mudar o próprio nome por um nome celta, em referência à ideologia da Segunda República (patriotismo, druidismo, celtismo); que se propôs não à ruptura, mas à continuidade, na medida em que os princípios do espiritismo (segundo propostos por Kardec) não tinham caráter revolucionário, propunham uma inovação sem ruptura com a ordem estabelecida, mesmo porque enquanto viveu Kardec lutou para uma composição com a igreja católica, acreditando que as teses espíritas iriam finalmente convencer a igreja da sua verdade, através da “lógica dos fatos” e da “lei do progresso”, que Kardec acreditava irreversível. Além disso, toda a noção espírita de moral, de caridade e das chamadas virtudes cristãs eram calcadas na igreja católica (a razão do seu sucesso entre as classes médias mais escolarizadas), e mesmo os chamados “espíritos da codificação” eram em sua maioria santos católicos (São Luís, Santo Agostinho, São Vicente de Paulo, São João Evangelista etc). No entanto, após a morte de Kardec, à falta de um sucessor oficial, sucedeu-o Gaetan Leymarie, que, ao contrário do chefe – pertencente à burguesia profissional católica – era de origem operária e visceralmente anticlerical. Assim, o espiritismo pós-Kardec tomou direção contrária, passando a combater a igreja (e esse conflito cruzou o Atlântico e se estabeleceu também no Brasil). Esses dois pontos são de fundamental importância para se entender o espiritismo: (a) sua raiz francesa; (b) sua relação ambígua com a igreja católica. A raiz francesa, assim, explica a adoção do dogma da reencarnação pelo espiritismo, destoando de todas as outras fés heterodoxas, na medida em que, como diz John Moore em seu ensaio “Laboratories of Faith”,

    “combinando a ‘hipótese espírita’ com elementos convencionais do pensamento progressista e socialista da época, Kardec deu [ao Livro dos Espíritos] um apelo mais amplo do que as que as compilações espíritas precedentes, mais idiossincráticas, haviam suscitado. Por outro lado, Kardec retirou dessas ideias todo o aspecto revolucionário que haviam apresentado nos anos 1840. Para completar, adicionou um dos elementos cruciais da cosmologia de Charles Fourier – a ideia de reencarnação – escorando-a com o arcabouço epistemológico retirado do positivismo comteano.” Dessa maneira, para Kardec a reencarnação era tão-somente uma consequência lógica da desigualdade social e econômica da
    humanidade, na medida em que eram necessárias sucessivas reencarnações para que o espírito pudesse passar pelas diferentes provas e, com isso, fosse forjando um mundo cada vez melhor. Era uma visão melhorista, em suma, já que, tendo que passar por uma série de encarnações para purgar suas transgressões passadas, alguns inevitavelmente sofriam mais que outros. Assim, a desigualdade material servia para um propósito cósmico, ou seja, os pobres sofreriam mais por terem mais erros de vidas passadas para expiar. A reencarnação serviria para justificar o sofrimento causado pela desigualdade material, e assim, tendo de passar necessariamente pela prova da pobreza, a alma se redimiria e passaria a ter um comportamento melhor, melhorando assim a sociedade. Quer dizer, para Kardec, taxativamente, a desigualdade material ERA necessária para a evolução do espírito, e por isso Deus a permitia. Políticas públicas de melhoria social, ou mudanças revolucionárias, ou políticas de redistribuição de renda eram, para Kardec, equivocadas e indesejáveis. A reencarnação, através da férrea “lei do progresso”, se incumbiria de aplainar as desigualdades, através da melhora moral, que inspirasse os sentimentos de solidariedade entre os homens, abandonando o egoísmo. Assim, diz Monroe, “num mundo espírita, os ricos sentiriam a obrigação de ser caridosos, e os pobres, fortalecidos com a ideia de uma vida futura melhor, aceitariam as ofertas dessa caridade com resignada gratidão”.

    Eu digo a vocês: isto é pura utopia socialista romântica francesa da Segunda República, com pitadas de catolicismo. Não tem nada de “revelação”, é puramente terreno, nem de universal, na medida em que, alguns quilômetros à frente, do outro lado do Canal da Mancha, os ingleses pensassem completamente diferente. Essas ideias importadas poderiam atrair, num primeiro momento, alguns adeptos instruídos num país atrasado, de absoluta maioria analfabeta, escravocrata, sem a menor tradição de pensamento, lutando pelo abolicionismo e pela república e pela mudança do ‘statu quo’ dominante, como era o Brasil do Segundo Império. Mas a sua permanência numa sociedade complexa como a atual não faz o menor sentido, mas os espíritas continuam a pensar assim até hoje. Por isso é que se chega a uma conclusão: num país culto e desenvolvido como a França, o espiritismo perdeu lugar porque não soube dialogar com os novos tempos; em Pindorama, que todos conhecem e não há nem porque dizer algo a respeito, essas ideias ainda ecoam. Por que será?

  133. Al Pacino Diz:

    Excelente o nivel dos comentarios.Parabens aos debatedores.Agora,so uma pergunta…alguem de voces ja frequentou sessoes mediunicas,de desobsessao,terreiros de umbanda,quimbanda e congeneres…
    Gostaria de ouvir vossas experiencias na pratica,pois na teoria estao craques.
    Marciano,Toffo,Montalvao,Carlos,NVF,Jurubeba,quem se habilita…

  134. NVF Diz:

    Al Pacino,
    .
    Já cheguei a comentar minhas experiências aqui. Fui tão explícito (“aberto”) que acabei sendo vítima de comentários maldosos, envolvendo minha família, por parte do Marden. Inclusive me arrependi de ter confiado totalmente na sensatez dos membros e ter me exposto assim.
    .
    Bem, vejo que a maioria aqui critica as doutrinas espíritas e a existência dos espíritos. Eu, um pouco diferentemente, só questiono as doutrinas espíritas existentes, pois acredito em espíritos, justamente por experiências que tenho e tive.
    .
    Então, eu não acredito que as doutrinas de Kardec, de Chico Xavier, de Luiz de Mattos, etc, sejam a verdade do mundo espiritual. No entanto, acredito na existência dos espíritos.
    .
    Presenciei diversos fenômenos mediúnicos, seja no espiritismo, na umbanda, no cadomblé e em pessoas alheias a qualquer religião. Com base nisso, posso dizer que nenhuma das teses céticas me convencem quanto à “não existência” dos espíritos.
    .
    Admito que os espíritos possam não existir, que sejam fruto de alguma outra explicação materialista, mas no momento sou convicto de que existem. Não exatamente como dizem por aí, nos livros espíritas. Mas existem.
    .
    Contudo, estou junto dos céticos quando eles criticam as doutrinas espíritas hoje existentes, que se acham a “última bolacha do pacote” e se prostram como a verdade superior, quando na verdade são falhas e, por vezes, risíveis, indo contra a razão dos próprios fenômenos mediúnicos observáveis.
    .
    Conclusão: a maioria aqui nega a existência dos espíritos e a plausibilidade das doutrinas. Eu, ao contrário, só nego as doutrinas, sendo convicto quanto aos espíritos, justamente devido à prática. Isso porque, na teoria, não consigo explicar o que ocorre com os médiuns que observo. Não dá pra negar. E as explicações dos céticos quanto aos espíritos me parecem mais sobrenaturais do que eles pensam sobre os mesmos.
    .
    Al Pacino, então, ao que parece, concordo com o seu pensamento (estou supondo):
    .
    “é preciso ver tudo, ou ver bastante, antes de se concluir negativamente”.
    .
    Também já sugeri aos céticos daqui que visitassem diversos lugares diferentes, que trabalhassem com mediunidade, e que não desistissem facilmente diante de fraudes. Há muita fraude, de modo que a impressão que causa é que se trata de mentira em todos os casos. Não obstante, diversos centros trabalham com mediunidade aparentemente genuina, apesar de dentro deles também haver um ou outro médium mentiroso.
    .
    Ao ceticismo, é importante saber que nada é absoluto. Eles costumam pensar em “8 ou 80″, quando a realidade está mais próxima do “mais ou menos”.

  135. Toffo Diz:

    Realmente, o cético duvida, o que eu acho ser uma posição mais coerente. Tem gente que diz que é ficar em cima do muro, mas eu não acho. Pelo menos nesse aspecto. Não ficar em cima do muro significa ou que você acredita que hay las brujas, ou que nega. Como não há como, objetivamente, se saber se hay brujas, espíritos, comunicações, reencarnação, ou se vale da dúvida, ou se vale da fé, que a meu ver é uma espécie de ilusão consentida. Eu objetivamente nunca vi nada na minha vida, embora tenha participado de grupos e sessões e até “psicografado” mensagens, das quais eu solenemente duvido. O ambiente das sessões espíritas é propício à sugestão, pelo escuro, pela música, pelo recolhimento etc. Os cultos afrobrasileiros me parecem mágicos. Quer dizer, é difícil dizer objetivamente que essas coisas existem, embora não duvide de que muita gente teve algum tipo de experiência paranormal na vida. Até as peças de Shakespeare têm fantasmas, como o famoso espectro do pai de Hamlet, que volta das sombras para denunciar ao príncipe da Dinamarca a infâmia do irmão dele, Cláudio, com a rainha Gertrudes. Em tempo: adoro causos de fantasmas e histórias de assombração. Fico sempre indignado porque ninguém interage com os fantasmas, não pergunta nada, não discute, não peita, não faz caras e bocas, etc. Só foge espavorido de medo porque são almas de outro mundo.

  136. Jurubeba Diz:

    NVF,
    eu sempre fui um teísta convicto. Ainda mais: a ilha da fantasia que o espiritismo incute na mente dos seus adeptos era, pra mim, a única e verdadeira realidade que nos cercava! Todo o panteão de idiotices espíritas (vida em Marte, perispírito, nosso lar, etc.) eram, para mim, o supra sumo da verdade!
    .
    Os espíritos também faziam parte desse rol. E não pense que não é a duras penas que tenho cedido. Foram 18 anos de estrada. Mas, como dizem os ateus (cuja a lógica eu admiro mas não me considero um… ainda), quem lê a bíblia tem grandes chances de se tornar ateu. Eu acrescentaria que quem lê Kardec se afasta do espiritismo. Isso porque é Kardec que aconselha ficar com a ciência e deixar o espiritismo e, francamente, cientificamente falando, o espiritismo só deu bola fora!
    Sobre espíritos… ainda não tenho opinião formada! Mas sou cético quanto à hipótese.
    .
    Eu me afastei do espiritismo há alguns anos mas só muito recentemente uma veia agnóstica com tendência ateísta surgiu em mim. Justamente quando estava fazendo meu TCC para a pós-graduação. Lidar com a Metodologia Científica me fez repensar minha visão de mundo. E sabe o que me fez repensar: a REALIDADE! Quando você pede evidências ao espiritismo e às religiões em geral, além de não apresentarem, insistem em apelar à crença e ao mundo das ilusões, nos remetendo à imaginação e aos dragões que tanto Carl Sagan falava.
    .
    Hoje, cético e agnóstico, consigo ver claramente todas as ilusões, infundadas e fracas, que eu guardava em minha mente. Prefiro ficar com a ciência e todas as conquistas que nos ajudam a prolongar a vida, facilitar o trabalho e que nos diverte, à religião e crença em seres imaginários, que nunca se apresentam e fazem questão de se isolar.
    Eu adorava ficar horas filosofando sobre as teses espíritas e espiritualistas, tentando convencer e provar todas essas supostas maravilhas. Mas hoje, confesso que não tenho nenhum pingo de paciência em ficar com essa masturbação mental, divagando sobre o NADA. A era de Platão já se foi. Deixo como sugestão esse excelente vídeo de um biólogo muito safo: http://www.youtube.com/watch?v=LVkklTe77Ww&feature=plcp
    .
    Al,
    fui “doutrinador” em reunião mediúnica durante longos anos. Me afastei voluntariamente, ainda enquanto espírita, por entender o quão perigosas eram essas reuniões e como eram prejudiciais ao desenvolvimento do ser. Vi de tudo. Obsessores, mentores, enganadores, intelectuais, bruxos… Hoje, quando escrevo isso, me sinto um idiota! Só mais tarde, recapitulando essas reuniões, é que vi claramente que, embora dezenas de supostos espíritos estivessem se manifestando através da tão famosa mediunidade de psicofonia, todas, absolutamente TODAS, as manifestações ocorridas em um mesmo médium versava sobre o âmbito de sua realidade. Se fossem usados gravadores (como eu não pensei nisso!) ouviríamos trejeitos diferentes, para diferenciar os manifestantes, mas o CONTEÚDO versava sobre as mesmas coisas. O mais interessante: cada médium tem seu conjunto de espíritos manifestantes característicos. Que interessante não!? Os espíritas dizem que isso se deve aos clichês mentais que geram afinidade entre médium e espírito, permitindo a comunicação. Mas o que mais me incomodava era que, por mais que um médium estudasse, praticasse caridade ou qualquer outra baboseira que se chama progredir, seus clichês nunca mudavam! Eram sempre os mesmos tipos de espíritos! E a evolução? Sem comentários!
    .
    Os apologistas do espiritismo virão com seu bla bla bla, com certeza. Vom comentar antecipadamente: ACORDA GENTE! Vai estudar física, biologia, genética, astronomia… Vai fazer alguma coisa útil e deixe esse mundo egoísta, que não traz nenhum benefício à humanidade, chamado espiritismo. Sai desse mundo da FANTASIA!
    .
    Minhas considerações, hoje, sobre os médiuns é de que se tratam de pessoas com gigantescas necessidades de ajuda psicológica. Quiçá psiquiátrica!
    .
    Concluindo o jornal, quero dizer que, hoje, sou cético quanto aos postulados espíritas. Quando, ou se, cientificamente, suas hipóteses forem comprovadas e aceitas pela comunidade científica mundial, aí eu acredito, pois não será mais espiritismo e sim CIÊNCIA!
    .
    Saudações

  137. Lego Diz:

    Valeu Montavão. Vou tentar adquirir as obras. Depois de analisa-las, tecerei minhas considerações. Abraços.

  138. montalvão Diz:

    Prezado Toffo,
    Apresentei-lhe avaliação realizada “por dentro” de reflexão kardequiana, em que o codificador se esforça por demonstrar que a reencarnação bateu-lhe à porta por vias espirituais. A pretensão fora demonstrar que, mesmo não querendo, Kardec deixa brechas em seu arrazoado que põe sob suspeição a origem espiritual de seu reencarnacionismo.
    .
    De sua parte, brinda-nos com informativas e ilustrativas considerações históricas, esclarecendo as fontes da doutrina reencarnacionista postulada por Rivail. O texto de John Moore que selecionou como ilustração é muito esclarecedor. Pelo visto, a maioria dos kardecistas desconhece esses fatos.
    .
    Apreciei, deveras.
    .
    Cordiais saudações.

  139. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    “Voltou com outro espírito.” “Não é o que você diz, mas o modo como o faz.” “Se quiser continuar a trocar ideias comigo, vai ter de parar de me chamar de viciado, negligente (Você, por vício ou por negligência), e outras coisas.” “Segundo os kardecistas, qualquer espírito pode “volitar” depois de algum tempo na erraticidade.”
    .
    Eu não mudei Marciano, você quem mudou sua postura. Apenas correspondi à altura. Eu também sei fazer, sei agir como a maioria dos céticos, ateus e agnósticos deste blog. Para que eu possa parar de chamá-lo de ter o vício da maledicência ou por negligenciar um estudo mais profundo, ai já não é comigo e sim com você mesmo. Um coisa é certa, não penso cometer injustiça nem com você e nem com nenhum outro participante deste blog. Mas apontar falhas não é defeito, antes o contrário.
    .
    Esse depois de algum tempo na erraticidade deve significar em termos racionais e científicos, que esse espirito por méritos próprios criou condições para volitar. Não por vontade de deus ou por expulsão do diabo.
    .
    Em outro momento oportuno irei explicar-lhe uma pergunta lá atras que você havia feito e também irei mostrar porque o Espiritismo responde melhor para os casos como o de Galinha Tonta que a ciência materialista ainda não tem respostas satisfatórias e nem nunca terá enquanto tiver procurando a causa no cérebro. Explicarei também como Luiz de Mattos curou os loucos da época, que hoje seria como esquizofrênicos catatônicos, a pior das esquizofrenias.

  140. Marden Diz:

    Jurubeba,
    .
    Bem vindo ao campo das ideias livres. Onde cada um pode falar o que bem quiser, mas que só a razão pode ditar quem está com a Verdade.
    .
    Você disse já no seu primeiro comentário: “A visão de ciência desse “doutor” não é lá essas coisas. Quando ele diz “porque hoje não basta afirmar, é preciso provar” bem se vê que ele não é cientista. SEMPRE se precisou provar! Einstein que o diga! Se não fosse por um astrônomo bem intencionado sua Teoria Geral da Relatividade teria ido por água a baixo! ”

    Você mal começa e já começa mal! Como é de costume da grande maioria aqui, nem fazem pesquisas prévias e já vão impondo suas ideias ditatoriais. Você é quem está vendo ele como um não cientista. Talvez só porque ele esteja falando de um assunto que você tem pouco conhecimento ou crenças contrárias. Veja aqui no site do Senado Federal o que falam sobre ele: http://goo.gl/FMKBB
    .
    “SEMPRE se precisou provar!” Certo, mas e quando nem a própria ciência não consegue provar? Tais como os Tetraneutrons ou a Matéria Escura? A sua ciência prova? Você sabe do que o autor se referia e em qual contexto para tirar suas conclusões? Quem era seus alunos? A sua ciência prova a exata temperatura interna da terra. Ou apenas faz uma estimativa?
    .
    Veja aqui uma lista de 13 coisas que a ciência não consegue provar, publicada na revista New Scientist (só espero que você não fale que esta revista não é científica): http://goo.gl/tt5D0
    .
    “Einstein que o diga! Se não fosse por um astrônomo bem intencionado sua Teoria Geral da Relatividade teria ido por água a baixo!”
    .
    E pode ser que tudo vá por água abaixo mesmo, com as novas descobertas que estão sendo feitas sobre as teorias quânticas. Você já ouviu falar que pode ser que a lei da gravidade não é uma força que atrai, mas que talvez uma outra força que empurra? Teoria das Cordas? Teoria das Ondas? Quanta coisa nova não tem surgido não é mesmo?
    .
    Mas o mais estranho (para você) não é isso, o mais estranho foi esse comentário que o próprio Einstein fez:
    .
    “Now you think I am looking at my life’s work with calm satisfaction. But there is not a single concept of which I am convinced that it will stand firm. I am not sure if I was on the right track after all.”
    .
    Estas também são palavras de Einstein:
    .
    “Pode ser que um dia não mais existamos… 
    Mas, se ainda sobrar amizade, 
    Nasceremos de novo, um para o outro. 

    Pode ser que um dia tudo acabe… 
    Mas, com a amizade construiremos tudo novamente, 
    Cada vez de forma diferente. 
    Sendo único e inesquecível cada momento 
    Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre.  ”
    .
    Você também disse: “Ademais, todo o resto é bla bla bla.” Ou seja, nem precisa ler a obra, que você já sabe que é uma fraude, só porque o autor defende uma ideia contrária à sua. Como é mesmo que chamamos as pessoas que se negam a ver o ponto de vista alheio? Pelo menos para mim já está claro que você não é agnóstico. E sendo assim, penso que para mim vai ficar mais fácil, já que noto que sejas um ateísta. Porque os agnósticos aqui do blog costumam ficar em cima do mundo. Coisa que ateísta jamais fariam. Como o codificador do RC fez por 50 anos e depois reconheceu que estava errado.
    .
    Você também disse: “O médium é o instrumento? Só se for de patologias mentais!” E quanto aos instrumentos da Psicologia e Psiquiatria. Não teriam eles também patologias emocionais e mentais? Mas porque é espiritismo não pode, certo? É valeu o seu esforço, mas nada de racional em sua frase.
    .
    “Cadê o espírito, objeto da “ciência” espírita?”
    .
    Como você acha que deveria ser uma prova do espirito? Um espírito morto e dissecado num laboratório de medicina? Visto pelos nossos 5 sentidos? Lamento desapontá-lo mas esse tipo de espirito que tentaram te vender, para mim também ele não existe. Para ver um espirito, além de precisar de um médium, você também precisará de ter uma razão desenvolvida. Despojar-se de ideias preconcebidas e não se deixar influenciar tanto pelo materialismo. Ai sim, já estaria no caminho para saber o que é um espirito de forma racional e científica.
    .
    “Só admito o espiritismo como ciência se for a ciência da ilusão e da imaginação! Afirmar sem evidência e prova objetiva e zero é a mesma coisa!”
    .
    Ah senhor Jurubeba, que acredita em tudo da ciência, mas se for ciência que leve o nome espírita, ai já não existe, não é mesmo? O que o senhor considera como prova objetiva? O senhor age por conta própria ou a mando de alguém? Se for por conta própria, então me responda: Existem evidencias de epilepsia certo? O senhor conseguirá prová-la? O senhor acredita no amor? Acha que esse sentimento existe de fato? Tem como prová-lo? Se for casado, tem como provar para mim e para os leitores aqui que sua mulher te ama, ou você apenas confia nela? Assim como o espiritismo tem que confiar no médium? (Quanto a minha última pergunta, não quero saber da sua vida e nem da sua esposa se tiver, mas que sirva apenas como um exercício de raciocínio).
    .
    E nas questões sobre se o espirito é eterno, no livro ciência espirita o senhor poderá encontrar melhores respostas que as que foram dadas à Kardec. Ao menos tem mais logica e satisfaz à razão.

  141. Gorducho Diz:

    No prefácio de Terra e Céu (*) o Jean Reynaud – eu deduzo que foi o Guruzão do Kardec, todos usando a cosmologia do Fourier, claro – propõe explicitamente o programa seguido 3 anos depois pelo AK. Por razões que expõe, defende a conveniência de uma união das ciências morais e físicas: “Cette coïncidence, qui porte les sciences morales et les sciences physiques à mettre fin à leur disjonction, pour ne pas dire à leur hostilité, et à s’allier désormais em vue d’um ideal commun, (…)” A seguir, ele prega a necessidade de retomarem-se os estudos de Teologia para evitar uma queda no materialismo ou paganismo (lembrando que a Igreja Católica havia sido detonada no século anterior pela turma do Voltaire); porém, claro em novas bases já que planetas haviam sido descobertos, a terra era só mais um dos, &c…
    Ele divide a trajetória da Igreja em fases, cada uma sendo implementada por uma Nação diferente: f1 – propagação da ideia de divindade única, fase que coube à Judéia; f2 – a metafísica da Trindade e do Mediador (Jesus Cristo), coube aos Gregos (Constantinopla, Nicéia, Calcedônia); f3 – organização administrativa da Igreja, coube aos Romanos (Latrão). A fase f4 não acontecera ainda. A Igreja não implementara o esclarecimento formal da parte final do credo: Carnis ressurrectionen, vitam æternam. Amen.
    Assim como a Judéia é instintivamente propensa (portée) à adoração do ser absoluto, a Grécia à metafísica, Roma à administração, a Gália o é [propensa] ao gosto da imortalidade. É esse gosto que constitui, desde os tempos antigos, aos olhos das outras nações, seu caráter distintivo (logicamente tem o Júlio Cæsar em mente). Então, seria conveniente e natural que esta necessária fase “4” fosse implementada pela nação Gaulesa.
    Então, considerando-se o plano que o Kardec tinha desde os 15 anos de produzir uma reforma religiosa; o background de Mesmerism (os fluídos/fluído universal); logicamente as ideias muito difundidas do Swedenborg; tem-se todo o Kardecismo.
    Fecha também inteiramente com o sugerido acima pelo Comentarista Toffo, i.e., o Kardec esperava ser homologado por Roma.
    (*) Disponível na BnF. É extraordinariamente chato, até agora só tive paciência de ler esse prefácio. Porém passando os olhos sobre o início da parte “Terra”, já descobri o espírito que respondeu às questões 56 a 58 do LE (o truísmo de que os habitantes de cada globo deverão ter uma constituição física adequada ao mesmo) – foi o espírito (encarnado) do Jean Reynaud.

  142. Marden Diz:

    Al Pacino,
    .
    Sobre uma frase que você havia escrito lá atras, também estou de acordo com quase tudo o que escreveu. E também me perguntava, já que os princípios do RC são o que são, porque a palavra cristão? Mas ao longo dos tempos fui aprendendo a separar o cristo humano, o cristo histórico, do cristo mistico e evangélico. Ao ponto de isso já não me incomodar tanto, afinal de contas quantos bons cristãos não existem? E quantos maus cristãos também não há? Então se cada um pode fazer suas escolhas, devem decidir sobre qual o tipo de cristão desejam ser.
    .
    Quanto sua pergunta mais recente: sim já presenciei sessões mediúnicas e de desobsessão, com a normalização de obsedados.

  143. Al Pacino Diz:

    NVF,
    Concordo totalmente contigo.
    Tambem tive experiencias que me fazem acreditar na existencia do imaterial,do extrafisico,mas a visao espirita/religiosa do mundo me parece miope.
    Em suma,nao me convence.Eles tem resposta pronta para tudo,com aquela logica meio ridicula,como o caso do menino,o Joao Helio,que,se nao me engano,ja foi comentado aqui.
    Entao,continuamos procurando a “verdade”,ou uma parcela dela que seja.
    Saudacoes.

  144. NVF Diz:

    Jurubeba,
    .
    “quem lê Kardec se afasta do espiritismo.”
    .
    Discordo levemente, apenas complementando.
    .
    Na verdade, não basta ler Kardec para se afastar do espiritismo. É preciso fazer como você, que numa pós-graduação refletiu e averiguou questões não ligadas ao espiritismo, como a verdadeira filosofia e outras ciências. Relacionou. Criticou. Se auto-criticou, o que deve ser uma postura constante para todos nós.
    .
    O importante é não pensar que encontrou a verdade e, por isso, julgar-se superior e, ridiculamente, chamar outros de ignorantes.
    .
    Quem ler Kardec, ou qualquer outro doutrinador, sem elementos suficientes para uma crítica isenta, certamente se deslumbrará e passará anos preso nessa “verdade absoluta”.
    .
    E isso vale pra qualquer doutrina ou ideia, seja religiosa, filosófica, sociológica, etc, tal como o Marxismo, “Big Stick”, “Abolicionismo Penal”, Marcelo Freixo, PSOL, Luiz Inácio Lula da Silva e outras coisas por aí.

  145. montalvão Diz:

    Al Pacino Disse:
    .
    “Excelente o nivel dos comentarios.Parabens aos debatedores.Agora,so uma pergunta…alguem de voces ja frequentou sessoes mediunicas,de desobsessao,terreiros de umbanda,quimbanda e congeneres… Gostaria de ouvir vossas experiencias na pratica,pois na teoria estao craques. Marciano, Toffo, Montalvao, Carlos, NVF, Jurubeba, quem se habilita… [?]
    .
    COMENTÁRIO: Patchino: duas pessoas estão em pontos diferentes da cidade, olhando ao mesmo tempo um certo quadrante do céu. Ambos contemplam algo peculiar naquela área. Após alguns instantes um deles encerra a observação certo de que se tratava da luz de um avião ou coisa parecida; o outro fez o maior alarde, asseverando ter visto uma nave interestelar e até, jura, viu alienígenas acenando para ele da clarabóia do engenho voador.
    .
    Por que estou lhe contando essa linda historinha? Creio que nem eu sei, ah, lembrei: dizem alguns espíritas que “contra fatos não há argumentos”. Querem assim ratificar que os eventos mediúnicos são a inabalável evidência de que estamos rodeados por entes da espiritualidade, uns bons, outros safados. E mais: esses entes agem entre nós e interagem conosco, alguns até penetrando o íntimo da intimidade de certos afortunados e, de lá de dentro, “mandam ver”.
    .
    Acontece que fatos são interpretados e podem aparecer várias interpretações de uma mesma ocorrência, qual foi o exemplo da luz no céu. A mediunidade, a meu ver, é bem explicada pela psicologia: trata-se de ocorrência dissociativa, geralmente não-patológica (será patologia se dificultar a vida normal do envolvido), cuja manifestação é estimulada em certos ambientes e, portanto, desejada. Os que têm habilidades dissociativas gozam de prestígios nesses contextos.
    .
    Desse modo, não é necessário recorrer a hipótese de um imaginoso mundo espiritual para explicar eventos mediúnicos. Além disso, observem que os crentes não aplicam testes para verificar a real presença de espíritos. As comprovações são feitas subjetivamente (o destinatário da comunicação e os circunstantes é que dão a validade).
    .
    Você mesmo, se quiser (o que acho difícil que concorde) pode realizar testagens com os espíritos que contata. Vou lhe dar uma sugestão simples, não necessariamente a melhor: peça a alguém que rabisque uma frase num papel e o dobre. Ponha-o no bolso, sem ler o conteúdo. No centro, solicite ao “espírito” que revele o escrito. Se conseguir, bom indício, se não, pule fora. Acho que todo espírita, umbandista, quimbandista, e quejandos, deveria elaborar verificações desse tipo, assim não seriam iludidos tampouco iludiriam outros. Infelizmente, ninguém faz isso, anote aí: NINGUÉM FAZ ISSO. Mas todos (anote de novo: TODOS) sabem de histórias que médiuns que “disseram” coisas que ninguém sabia, e que nem ele poderia saber, visto ser semi-alfabetizado, etc.
    .
    Tome ilustrativamente a lenda que se criou em torno de Francisco, o Xavier: era iletrado, rude, roceiro, mal cursado o primário (único fato verdadeiro), no entanto escrevia como um princípe das letras. Consideram esse fato prova cabal de que Chico fosse turbinado intelectualmente por espíritos. Esquecem de alguns aspectos, estes bem terrenos, que explicam tais casos: chamam-se eles, talento, interesse, esforço, autodidatismo. Chico não frequentou escolas, mas tinha facilidade para os estudos, escrevia bem (embora num estilo um tanto meloso) e era criativo. Ocorre que, por razões íntimas, optou por atribuir suas habilidades ao fomento dos espíritos.
    .
    Quanto às informações solicitadas, anote aí: minha mãe era médium umbandista. Várias vezes acompanhei suas incorporações. Gostava quando ela recebia o “caboclo Crispim”, que era entidade chegada às crianças e meu pai tinha de comprar doces para mim e meus irmãos. Na infância eu “via” espíritos, sabia que minha genitora se impressionaria, e realmente se impressionava, o que me estimulava a “ver” mais e mais. Fui criado em ambientes místicos, além do candomblé, também fui tocado pela credulidade católica, dos santos e das aparições da Virgem. Na fase adulta estive entre carismáticos, acompanhando falares em línguas celestiais e visitações do espírito santo. Espero que essas informações sejam suficientes para sua pesquisa.
    .
    Saudações.

  146. Marden Diz:

    NVF,
    .
    “Já cheguei a comentar minhas experiências aqui. Fui tão explícito (“aberto”) que acabei sendo vítima de comentários maldosos, envolvendo minha família, por parte do Marden. Inclusive me arrependi de ter confiado totalmente na sensatez dos membros e ter me exposto assim. ”
    .
    Quem planta o que não sabe, colhe o que não quer. Ou resumindo, quem planta colhe. Você vem com um monte de mentiras e disse me disse e queria que eu ficasse calado? Claro que não, pois o dever me obriga a respondê-lo. E jamais te desrespeitei ou falei alguma inverdade. Então não se faça de vitima, porque você sabe que não é. E se foi vitima, foi de você mesmo, que não soube dominar seus próprios pensamentos, acabando por se deixar levar por intuições negativas, onde procuram sempre a rixa no lugar da compreensão.
    .
    Se reparasse bem nos companheiros aqui, notaria isso com certa frequência. Sou enérgico com minhas palavras, mas não desleal. Exijo dos meus interlocutores que falem a verdade e também que não faltem com o respeito. Só assim poderemos chegar a melhores conclusões! Quanto a dor pelo choque das ideias, digo que são necessárias e benéficas. Aqui todos aprendemos.
    .
    Minta, fale coisas sem provar e sempre ouvirá minhas repreendas. Mas não faço por mal, pode acreditar!

  147. Marciano Diz:

    Montalvão diz:
    “. . . extrapolar a vontade para além dos limites sensoriais, isso já existe desde certo tempo. Quando o patrão pega o celular no Brasil e liga para seu assessor no Japão, ordenando: “quero o relatório hoje!”. Ele está estendendo sua vontade muito além do alcance corpóreo. E o que isso significa? Muitas coisas, uma delas é que a tecnociência vem suprindo os sonhos mágicos acalentado pelo homem de possuir poderes adormecidos, os quais, quando acionados, lhe permitiriam controlar a natureza, e dentre esses se inclui a suposição telepática”.

    .
    Sempre pensei assim. Não acredito em telepatia, telecinese, levitação, etc., mas se acreditasse (só para argumentar), não daria a menor importância. Segundo os crentes, você leva 500 anos estudando misticismo, precisa ter qualidades que outros não têm, bla bla bla, para levitar um metro durante alguns segundos, transmitir a ideia de uma figura geomética simples como um triângulo ou um círculo, fazer uma moeda ou uma colher se mexer alguns centímetros. É o melhor que o fantástico pode fazer.
    Com a ciência de verdade, você vai de avião do Rio de Janeiro a Tóquio (já foram até à Lua, há décadas atrás), comunica-se com precisão absoluta com várias pessoas (vídeo ou tele-conferência) entre São Paulo e Canberra (até a Lua – “That’s one small step for man, one giant leap for mankind” – Neil Armstrong), de Houston, Texas, movimenta-se um veículo na superfície do meu planeta (vá ser telecinético assim no diabo que o carregue).
    Quem precisa dessas porcarias quando tem tecnologia fornecida pela verdadeira ciência?
    .
    .
    Serpico,
    Nunca frequentei umbanda, mas tenho parentes que frequentaram, cheguei a ir algumas vezes levados por eles.
    Se você pensa que é coisa de gente ignorante, não instruída, pense de novo (não estou afirmando que você pensa assim, por isso usei a conjunção “se”).
    Dê uma olhada nesse site:
    http://www.ftu.edu.br/
    .
    Eu já disse aqui no blog que a umbanda é uma fusão do espiritismo kardecista com o candomblé (que também não é só de ignorantes, Pierre Verger, um socialista francês viado, já falecido, veio ao Brasil estudar candomblé para elaborar teses sociológicas, “bolou” no santo – expressão usada na crença -, acabou ficando, escreveu um excelente livro sobre orixás, tenho o livro).
    O que essas crenças têm em comum com as demais é que é tudo fantasia.
    .
    Obrigado por ter me incluído na turma que mencionou, só fera.
    .
    Antes de conhecer essas coisas na teoria, conheci na prática, ainda criança, inclusive espiritismo kardecista, catolicismo apostólico romano, várias denominações protestantes.
    Assinei durante vários anos as revistas Despertai e Torre de Vigia, simultaneamente em inglês, francês, italiano e alemão, com o único propósito de praticar as referidas línguas usando um método barato. Já tive muitos livrinhos dos TJ, joguei tudo fora.
    Eu já disse aqui no blog que me considero privilegiado por ter tido contato, ainda criança, através de parentes, com várias crenças discrepantes (desculpe o truísmo – crenças discrepantes é o mesmo que círculos redondos), isso me salvou de ser enganado por qualquer delas. Se tivesse conhecido só uma, provavelmente teria me deixado enganar, não sei, porque também tive a felicidade de nascer duvidando de tudo, questionando tudo.
    .
    Não vou fazer um post sobre essas crenças por várias razões: não é o objetivo do blog, não tenho tempo, não tenho conhecimento suficiente, mas sempre que for oportuno, comentarei.
    .
    .
    NVF,
    O Marden começou aqui muito mal, atacando todo mundo, extremamente arrogante, mas acho que ele vai melhorar agora, pelo menos assim espero.
    Ainda que assim não aconteça, não acho que você tenha motivos para se arrepender, porque todos, menos um, te respeitaram e acho que mesmo o Marden vai mudar, parece que ele já reconheceu que não estava agindo de maneira coerente com o que se espera de quem se manifesta aqui.
    Brincadeiras sempre tem, vez por outra alguns excessos, muita ironia (inclusive de minha parte), mas nada realmente ofensivo.
    .
    Você entrou na psiqweb, leu o artigo sobre transe e possessão?
    Se não te convencer, pelo menos deve te dar outra perspectiva.
    Não pense que explicações de céticos são mais sobrenaturais do que as explicações dos crentes, familiarize-se com as idéias de Willian de Ockham (ele era católico), você vai ver o que é mais e menos provável, mais e menos absurdo.
    Leia sobre sugestão hipnótica e em vigília.
    Além das fraudes, há muita gente que realmente acredita, mas isto não quer dizer que o que pensam é verdade, até porque a verdade é uma só e todos eles desmentem uns aos outros.
    Tem gente que faz leitura fria sem maldade, sem perceber que o faz, sem sequer saber o que é isso, só pra ficar em um único exemplo.

  148. Marden Diz:

    NVF,
    .
    “Então, eu não acredito que as doutrinas de Kardec, de Chico Xavier, de Luiz de Mattos, etc, sejam a verdade do mundo espiritual. No entanto, acredito na existência dos espíritos.”
    .
    Você já deu provas suficientes aqui que não conhece a vida e a obra de Luiz de Mattos, então porque citá-lo? Não sou contra que fale mal dele! Sou contra que se fale e não se prove! Seria capaz de fazer isso? Ninguém aqui o fez ainda e você porque não faz?

  149. Marciano Diz:

    Marden,
    Sem agressões, por favor.
    Você acredita que a soma dos ângulos internos de um triângulo numa superfície plana é igual a 180 graus porque confia ou porque é matematicamente demonstrável?
    Montalvão,
    Eu já propus uma experiência semelhante aqui no blog, eu mesmo já a fiz, quando ainda era criança.
    Nenhum espírito adivinha NADA.
    Veja um trecho do que escrevi:
    “Quando criança, na presença de uma entidade dessas, fiz uma experiência para ver o que ocorreria. Não me lembro mais qual foi a entidade, mas é crença generalizada entre umbandistas que eles sabem de tudo o que a gente faz, bla bla bla. Então, enquanto a entidade falava comigo, eu pensei algo bem ofensivo (não me lembro mais exatamente o que, mas algo assim como “vá tomar no cu, seu espírito de merda). Como eu esperava, a poderosa entidade nem desconfiou do meu abuso.
    Experimente você mesmo fazer a mesma experiência. Finja uma atitude de respeito e acatamento ao que o espírito (seja na umbanda, no kardecismo, onde for) está falando contigo, e pense alguma coisa imperdoável até para Jesus, como, por exemplo, eu gostaria de comer o seu cu. Veja se a entidade vai saber o que você está pensando.
    Se você vir alguém drogado (LSD, peyote, chá de cogumelo), você vai ver o cara se comportando como outro indivíduo e falar coisas que jamais falaria, agir como jamais agiria. O mesmo deve acontecer com substâncias químicas geradas pelo próprio corpo, mas com certeza com conferem o dom da telepatia.”
    .

  150. Marden Diz:

    Entrevista com Michael Roll, que apresenta científicos casos de vida após a morte. O texto tem alguns links também interessantes e um vídeo (em inglês) que foi proibido na Inglaterra.
    .
    Veja aqui: http://goo.gl/G8x1U

  151. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Porque agrediria você? Acho que você já sabe a razão do meu comportamento, certo? O tratamento que deu aos meus interlocutores é recíproco.
    .
    Quanto à sua pergunta, eu diria que é um misto dos dois. Tenho que acreditar e confiar na matemática e nos padrões por ela estabelecidos.

  152. Marden Diz:

    Marciano, (vale para os demais também)
    .
    Escute este programa que tem uma hora de duração (20:10 as 21:10), já que você não tem uma casa RC ai, se quiser, anote os erros e me aponte as falhas: http://www.radioarazao.com.br/toca.php

  153. Marciano Diz:

    Marden, eu tentei, mas parece que o programa é ao vivo, a mulher estava falando sobre educação infantil, dando conselhos a professores, então parei de ouvir, não tem nada a ver com que estamos discutindo aqui.

  154. Jurubeba Diz:

    Marden,
    fui no link que você postou, ávido por uma surpresa e descobri… uma página vazia! Deixa eu te mostrar como é uma página de um cientista de verdade: http://pt.wikipedia.org/wiki/Albert_Einstein
    Pra não dizer que sou fã de Einstein (já deu pra perceber né) aí vai outra: http://pt.wikipedia.org/wiki/Miguel_Nicolelis
    E isso porque fui num dos lugares mais superficiais para pesquisa! Lá tem também do seu ídolo, que TANTOS trabalhos científicos publicou: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B4nio_Pinheiro_Guedes
    Demais, não?
    .
    Você diz: “Certo, mas e quando nem a própria ciência não consegue provar?” A isso se chama HIPÓTESE. Mas, com certeza, você sabe disso e só está me testando, confessa!
    .
    “E pode ser que tudo vá por água abaixo mesmo, com as novas descobertas que estão sendo feitas sobre as teorias quânticas. Você já ouviu falar que pode ser que a lei da gravidade não é uma força que atrai, mas que talvez uma outra força que empurra? ”
    Criança, É ISSO QUE DIZ A TEORIA GERAL DA RELATIVIDADE! Einstein já provou isso! Vão provar de novo? Quem é o gênio que tá querendo fazer isso pra eu rir da cara dele! Ah, já sei. Deve ser alguém que sabe que Einstein não ganhou o prêmio Nobel com esse trabalho (ganhou o Nobel com os estudos sobre o átomo e os fótons) e tá querendo tirar uma lasquinha pra ver se ganha uma graninha né! Como tem gente esperta! Deve ter sido intuído por algum espírito.
    .
    Sobre as outras teorias que você apresentou, nenhuma invalida ou vai de encontro aos trabalhos Einstein. Aliás, a Teoria da Cordas é uma tentativa de aproximar a física de partículas às idéias de Einstein. Vai ler mais, vai. Largue esses livrinhos que falam do mundo da imaginação.
    .
    Não entendi porque você acha que eu estranharia a poesia que Einstein escreveu. Ela até que é bonitinha!
    .
    “Ou seja, nem precisa ler a obra, que você já sabe que é uma fraude, só porque o autor defende uma ideia contrária à sua.”
    Se eu não estiver ficando louco, eu acho que eu não disse que era fraude. Eu disse, sim, que para se afirmar qualquer CIÊNCIA DO ESPÍRITO primeiro tem que se provar a EXISTÊNCIA do espírito, senão, definitivamente, é bla bla bla, falar sobre NADA. Prove o segundo e o primeiro se confirma AUTOMATICAMENTE. Não prove o segundo e o primeiro é, digamos… QUE DESAGRADÁVEL!
    .
    “Como você acha que deveria ser uma prova do espirito? Um espírito morto e dissecado num laboratório de medicina? Visto pelos nossos 5 sentidos? Lamento desapontá-lo mas esse tipo de espirito que tentaram te vender, para mim também ele não existe.”
    Exatamente! ELE NÃO EXISTE! Ou pelo menos não há evidências!
    Agora, se você vive em um universo paralelo onde os 5 sentidos são dispensáveis para te fixar na REALIDADE acho que você precisa ir à um psiquiatra.
    .
    “Pelo menos para mim já está claro que você não é agnóstico. ”
    Estou pouco me lixando para o que você pensa. Agora, com certeza você está bastante preocupado como os céticos e ateus pensam, haja visto os verdadeiros TRATADOS, dignos dos irmãos Grimm, que você escreve aqui.
    .
    “Como o codificador do RC fez por 50 anos e depois reconheceu que estava errado.”
    Sabe, eu já vi esse filme. Uma tal de igreja protestante vive afirmando que não tem nada a ver com o catolicismo. Umhum!
    .
    “E quanto aos instrumentos da Psicologia e Psiquiatria. Não teriam eles também patologias emocionais e mentais? Mas porque é espiritismo não pode, certo? É valeu o seu esforço, mas nada de racional em sua frase.”
    Pode, claro que pode. Mas aí é plágio, né? Acabamos de descobrir mais uma fraude espírita: plagiar a psicologia e a psiquiatria!
    .
    “Ah senhor Jurubeba, que acredita em tudo da ciência, mas se for ciência que leve o nome espírita, ai já não existe, não é mesmo? O que o senhor considera como prova objetiva?”
    O que eu considero… o que eu considero… PERAÍ! Mas isso é uma falácia. Isso se chama INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA! Eu não tenho que considerar nada! A pseudo-ciência espírita é que tem que apresentar suas evidências e provar seus espíritos e ANEDOTAS. E pra não pensar que estou sendo pejorativo aprende aí o que é anedota para a ciência: http://pt.wikipedia.org/wiki/Evid%C3%AAncia_aned%C3%B3tica
    .
    “O senhor age por conta própria ou a mando de alguém?”
    Sou eu e o mundo meu caro. Não preciso me esconder atrás de um sub-produto do espiritismo.
    .
    A partir daqui você devaneia. Não vou nem comentar.
    .
    Sobre ler o tal livro, vou te fazer uma proposta. Leia o livro OS ORNITORRINCOS ALADOS DE VÊNUS e aí eu leio o que você me propõe.
    Mas aí você pode afirmar: não vou ler sobre um bicho que não existe!
    Pois é, eu também não!
    .
    Saudações

  155. NVF Diz:

    Marden,
    .
    Você meteu minha família no meio, não se faça de sonso. Por mais que eu tenha contado relatos que envolvam meus familiares, você não tem o direito de ofendê-los. Ainda mais você que diz atacar apenas ideias e não pessoas. Não seja hipócrita, oh! espírita bondoso, caridoso, evoluído e estudioso. Quem está acompanhando aqui sabe, nem preciso falar mais sobre isso.
    .
    “Você já deu provas suficientes aqui que não conhece a vida e a obra de Luiz de Mattos, então porque citá-lo? Não sou contra que fale mal dele! Sou contra que se fale e não se prove! Seria capaz de fazer isso? Ninguém aqui o fez ainda e você porque não faz?”
    .
    Meu caro lunático, se você não leu direito, eu disse que “não acredito” nas doutrinas espíritas existentes, inclusive de Luiz de Mattos. Sou livre pra citar o nome de quem quiser e acreditar no que quiser, sem ter que te dar satisfação. Eu posso dizer “não acredito” e você não tem nada com isso. A dor parece vir de você, quando alguém questiona seus dogmas e seu ídolo.
    .
    Eu não precisaria provar nada aqui. Você já trouxe provas auto-suficientes: o próprio site da doutrina.
    .
    Quer coisa mais ridícula e irracional do que isto aqui? :
    .
    http://www.arazao.net/radiorc/limpeza-psiquica.mp3
    .
    Isso já prova tudo. Não preciso falar mais nada. Pergunte ao Marciano, por exemplo, o que ele pensa desse áudio e da tal limpeza psíquica.

  156. Jurubeba Diz:

    Aviso aos debatedores:
    provavelmente me ausentarei por um tempo pois irei fazer uma vigem.
    .
    Caso eu não consiga comentar mais no blog, não pensem que corri da raia. Muito provavelmente não consegui acesso à internet.
    .
    Saudações

  157. NVF Diz:

    Marciano,
    .
    “Você entrou na psiqweb, leu o artigo sobre transe e possessão?
    Se não te convencer, pelo menos deve te dar outra perspectiva.”
    .
    Não conhecia, mas pretendo ler, então.

  158. NVF Diz:

    Achei o artigo: http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=130

  159. Marciano Diz:

    NVF,
    Veja http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO%2FLerNoticia&idNoticia=130
    .
    Jurubeba,
    Eu li “Os ornitorrincos alados de Vênus”, aprendi um monte de coisas nesse livro, mas ninguém me leva a sério quando falo sobre o que aprendi.
    Cambada de pseudo-céticos, dessa maldita religião chamada ateísmo.
    Esse livro mudou minha vida.
    Antes eu era um retardado, a única coisa que eu sabia era falar cantonês e hindi, que aprendi com uns espíritos que vieram de Arcturus só para me ensinar idiomas estrangeiros, aprendi até a falar alguns idiomas de lá, mas não sabia nada sobre a vida.
    “Os ornitorrincos alados de Vênus” foi o livro que fez com que eu desse o salto quântico, lembrasse de todas as vidas passadas e passasse a ser um espírito superior.
    Tens um fã em Marte.
    .
    Jurubeba,
    Se você não conseguir acesso à internet, comunique-se conosco por telepatia. Qualquer dificuldade, peça ajuda a uns espíritos amigos, eles estão em toda a parte, qualquer que seja o lugar para onde você vai.
    E boa viagem.
    Volte logo.
    .

  160. Marciano Diz:

    NVF, meu comantário saiu antes do teu.
    Boa leitura!
    Depois comente, por favor.

  161. Marciano Diz:

    A propósito do que comentei acima sobre a bancada evangélica, leiam o seguinte:
    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,onu-critica-imposicao-de-ensino-religioso-em-escolas-publicas,724971,0.htm

  162. Biasetto Diz:

    Passando rapidamente por aqui, vocês conhecem este vídeo?
    .
    http://www.youtube.com/watch?v=2cIAWtVw27o

  163. bruno Diz:

    Acho incrível a capacidade de certas pessoas, como o Marden, por exemplo, tentarem provar a todo custo que sua religião, doutrina ou seita é verdadeira e irrefutável, comprovada cientifícamente por estudiosos que perscrutaram por toda a vida os domínios da espiritualidade, chegando a conclusão (claro que não por fé) de que o RC é a doutrina mais lógica e racional do Universo, e o pior, que tirou a base religiosa do Kardecismo e o transformou em pura ciência e filosofia.
    Me surpreende que pessoas como ele, que a primeiro momento parecem completamente sensatas e inteligentes, adotarem uma postura como essa.
    Qual o grande problema em admitir, por exemplo, que certas questões relacionadas a espiritualidade são movidas pela fé? Por mais racional que seja (e muitas vezes o é), as questões apontadas tanto pelo Kardecismo quanto pelo Racionalismo Cristão são baseadas em crenças – e o que não vejo problema nenhum. Pare de tentar convencer as pessoas aqui do blog, de que tudo que você apresenta é ciência, pois não é! Acredito que muitas coisas apresentadas pelo Kardecismo ( o qual tenho várias ressalvas) acontecem de fato na espiritualidade, mas não que isso não seja uma questão de fé, eu apenas lhe dou o benefício da dúvida.

  164. Carlos Diz:

    Agora,so uma pergunta…alguem de voces ja frequentou sessoes mediunicas,de desobsessao,terreiros de umbanda,quimbanda e congeneres…?Gostaria de ouvir vossas experiencias na pratica,pois na teoria estao craques.
    .
    Al Pacino,
    .
    Nunca participei de reuniões de desobsessão. Por outro lado, já tive oportunidade de presenciar operações espirituais, bem como presenciei um médium que psicografou em idioma (alemão) que ele definitivamente não dominava. Também já presenciei sessões de transcomunicação. Dessas a menos interessante foi a de transcomunicação; os resultados foram muito duvidosos. Esse grupo continua trabalhando até hoje, mas pelo visto nada muito convincente teria sido produzido. Quanto a cirurgia “mediúnica” ela efetivamente ocorreu; foram extraídos alguns nódulos antes visíveis sob a pele do paciente. O médium nesse caso também era médico (Édson Queiroz, já falecido); o paciente está vivo e bem para contar a história. Quanto a psicografia, ou o médium trazia a mensagem escondida no bolso e depois a mostrou a público ou, senão, não tenho como explicar o que aconteceu.

  165. Marciano Diz:

    Provavelmente trazia escondida.
    Alguém sabe por que o CX não quis operar-se com o Dr. Fritz?
    Tinha problemas na próstata, fez cirurgia de verdade.
    Consta que disse:
    “Sou contra essa história de meter o canivete no corpo dos outros sem ser médico”.

  166. Marciano Diz:

    Trecho copiado de http://www.gostodeler.com.br/materia/15747/a_caminho_do_bisturi_como_o_boi_para_o_matadouro.html
    “Chico evitava as queixas e escrevia sem parar, apesar das dores que sofria por causa de um tumor localizado na próstata. Agüentou o sofrimento enquanto pôde, mas a cirurgia era inevitável. Zé Arigó, o médium que incorporava o Dr. Fritz, e realizava cirurgias sem anestesia, ofereceu-se para operar o colega. Chico, humildemente, recusou a oferta e preferiu se internar numa clínica, em São Paulo. Antes, tomou o cuidado de entregar ao Dr. Elias Barbosa documentos particulares, pois “Ninguém sabe o que pode acontecer”, disse ele. Uma vez optando pelos médicos da matéria, sua atitude provocou uma grande polêmica no meio espírita. Por que não aceitou a oferta do Dr. Fritz, tão requisitado na época? Ele duvidava do poder dos Espíritos? O protegido de Emmanuel se limitou a repetir a resposta dada a Arigó: COMO EU FICARIA DIANTE DE TANTO SOFREDOR QUE ME PROCURA E QUE VAI A CAMINHO DO BISTURI, COMO O BOI PARA O MATADOURO? E EU VOU QUERER FACILIDADES? EU TENHO QUE ME OPERAR COMO OS OUTROS, SOFRENDO COMO ELES. Anos mais tarde, num desabafo, Chico deixaria de lado a diplomacia e disse: SOU CONTRA ESSA HISTÓRIA DE METER O CANIVETE NO CORPO DOS OUTROS SEM SER MÉDICO. O MÉDICO ESTUDOU BASTANTE ANATOMIA, PATOLOGIA E, POR ISSO, ESTÁ HABILITADO A FAZER UMA CIRURGIA. POR QUE EU, SENDO MÉDIUM, VOU AGORA PEGAR UMA FACA E ABRIR O CORPO DE UM CRISTÃO SEM SER CONSIDERADO UM CRIMINOSO? (1)

    Sempre obediente aos conselhos do seu guia espiritual, explicava: “EU JA ME OPEREI 5 VEZES, E VÁRIOS MÉDIUNS ME OFERECERAM SEUS SERVIÇOS. O ESPÍRITO EMMANUEL ME DISSE: VOCE DEVERIA TER VERGONHA ATÉ DE PENSAR EM RECEBER ESTE TIPO DE CURA, PORQUE TODOS OS OUTROS DOENTES VERTEM SANGUE, ATÉ TOMAM DETERMINADOS REMÉDIOS PARA MELHORAR. COMO VOCE PRETENDE SE CURAR NUMA CADEIRA DE BALANÇO?”. Daí, perguntaram-lhe: Chico, como conciliar os recursos da medicina terrestre, especialmente na área da cirurgia, com a correção de anomalias orgânicas em criaturas com processos de resgates cármicos? Chico Xavier, então, respondeu: “NÃO IMPORTA QUE A CIRURGIA FAÇA DESAPARECER ANOMALIAS INIBIDORAS OU DEFORMANTES DE IMPLEMENTOS SOMÁTICOS. O PERISPÍRITO CONSERVARÁ A DEFICIENCIA, QUE VAI SE PROJETAR PARA REENCARNAÇÕES FUTURAS, A NÃO SER QUE O ESPÍRITO DEVEDOR SE AJUSTE COM A LEI DA JUSTIÇA, COBRINDO COM AMOR A “MULTIDÃO DE PECADOS”, SEGUNDO O EVANGELHO. A CIRURGIA CORRIGE TRANSITÓRIAMENTE AS DEFICIENCIAS FÍSICAS. O AMOR, TRABALHANDO NOS TECIDOS SUTIS DA ALMA, PURIFICA E REDIME PARA A ETERNIDADE.” (2) O que a medicina dos homens não conseguiu curar foi o problema da visão do Chico. Ele deu, mais uma vez, prova de que não se desviaria dos ensinamentos de Emmanuel ao recusar, em 1969, a oferta do médium Zé Arigó, que desejava operar, espiritualmente, seus olhos, dizendo-lhe o seguinte: “A DOENÇA É UMA PROVAÇÃO DO ESPÍRITO QUE DEVO SUPORTAR”. (3)
    Diante disso, e movido por justa preocupação, porquanto, há mais de trinta anos, laborando no jornalismo espírita, deliberei escrever, há dois anos, o seguinte: A revista Veja, de 14/06/2000, pág. 68, traz longa reportagem intitulada “Não ajuda em nada”, demonstrando que pesquisas confirmam uma realidade preocupante, ou seja, que tratamentos alternativos (místicos), quase sempre, são ineficazes no restabelecimento da saúde de pacientes, especialmente, com câncer. É lastimável sabermos que existem, ainda, em nossas hostes, espíritas que evocam “Espíritos”, para que lhes atendam como cirurgiões do “além”, que vão retalhando corpos em nome de “operações espirituais”; que lhes prescrevam medicamentos alopáticos, fitoterápicos (ervas “milagrosas”) e chás de “coisa nenhuma” ou, ainda, que lhes forneçam dietas para emagrecimento. O Espírito André Luiz adverte: “Aceitar o auxílio dos missionários e obreiros da medicina terrena, não exigindo proteção e responsabilidade exclusivos dos médicos desencarnados”. (4) A tendência de subestimar a contribuição da medicina humana, entregando nossas enfermidades aos Espíritos milagreiros do além (de preferência cirurgião com nome germânico ou hindu, como se isso impusesse maior credibilidade), para que “curem” complexos processos de metástases, por exemplo, é uma atitude equivocada. Os conceitos espíritas nos remetem à certeza de que a matriz das doenças está fincada no estado mental do enfermo, ou seja, o espírito é o verdadeiro responsável pelas enfermidades. Portanto, a rigor, não serão os agentes externos que proporcionarão a cura daqueles que teimam em permanecer entorpecidos, na condição de revoltosos ou hesitantes diante dos códigos de justiça, vigentes nos Estatutos Divinos, mas a mudança de comportamento, pois o equilíbrio das forças mentais impede que invasores se nutram das energias debilitadas. Não podemos, porém, ignorar, de forma alguma, as heranças que provêm das Leis de Causa e Efeito. As enfermidades que se alongam, por toda uma vida, são expiações decorrentes de profundas raízes de natureza moral, que só se extinguirão mediante o fim do resgate, pois, “A doença pertinaz leva à purificação mais profunda”. (5) Os Espíritos não estão à nossa disposição para promoverem curas de patologias que, não raro, representam providências corretivas para o nosso crescimento espiritual no buril expiatório. Nesse sentido, os dirigentes de núcleos espíritas deveriam promover bases de estudos e reflexões sobre as propostas filosóficas, científicas e religiosas do Espiritismo, ao invés de encetarem trabalhos espirituais para os inócuos “curandeirismos”.”

  167. Marciano Diz:

    Em 1969 Chico prefaciou o livro de Reinaldo Comenale, “Zé Arigó, a Oitava Maravilha”

  168. Antonio G. - POA Diz:

    Biasetto, o vídeo é sensacional! Eu já conhecia, mas sempre é bacana rever. E tem uma parte que explica porque eu costumo citar pouca bibliografia nos meus comentários. É bem simples: Prefiro expor meus próprios pensamentos a basear meus argumentos no pensamento de outros “macacos”. Afinal, eles são apenas macacos. rsrsrs

  169. Marciano Diz:

    Interessante é que o cara que escreveu o texto que colei no comentário anterior é espírita há décadas.

  170. Antonio G. - POA Diz:

    Carlos, considere seriamente a possibilidade de que o médium trouxesse a mensagem escondida no bolso (como você mesmo aventou) ou outra forma rudimentar de fraude. Aposte nisso, que você não perderá nada.

  171. Marciano Diz:

    Acabei de psicografar o seguinte numa língua desconhecida. Acho que é alemão. É de um espírito que viveu na Terra mas hoje diz que está na Lua.
    .
    “Würde ab heute jede weitere arische Einwirkung auf Japan unterbleiben, angenommen Europa und Amerika zugrunde gehen, so könnte eine kurze Zeit noch der heutige Aufstieg Japans in Wissenschaft und Technik anhalten; allein schon in wenigen Jahren würde der Brunnen Siegen, die japanische Eigenart gewinnen, aber die neue Kultur erstarren und wieder in den Schlaf zurück-sinken, aus dem sie vor sieben Jahrzehnten durch die arische Kulturwelle aufgescheucht wurde. Daher ist, genau so wie die heutige japanische Entwicklung arischem Ursprung das Leben verdankt, auch einst in grauer Vergangenheit fremder Einfluß und fremder Geist der Erwecker der damaligen apanischen Kultur gewesen. Den besten Beweis hierfür liefert die Tatsache der späteren Verknöcherung und vollkommenen Erstarrung derselben. Sie kann bei einem Volke nur eintreten, wenn der ursprünglich schöpferische Rassekern verlorenging oder die äußere Einwirkung später fehlte, die den Anstoß und das Material zur ersten Entwicklung auf kulturellem Gebiet gab. Steht aber fest, das ein Volk seine Kultur in den wesentlichsten Grundstoffen von fremden Rassen erhält, aufnimmt und verarbeitet, um dann nach
    dem Ausbleiben weiteren äußeren Einflusses immer wieder zu erstarren, kann man solch eine Rasse wohl als eine “kulturtragende”, aber niemals als eine kulturschöpferische” bezeichnen.

  172. Carlos Diz:

    Antônio, é possível… mas não há mais como provar que foi fraude. O que ocorreu lá surpreendeu todo mundo. Era uma simples palestra seguido de uma prece no final quando então o médium pediu papel e lápis. Momentos depois ele apresenta ao público (umas 30 pessoas, metade de brasileiros e metade de alemães) a mensagem em alemão; umas 10 linhas no máximo, no clássico estilo de auto-ajuda espírita. Mesmo dando um crédito ao médium, não vejo por que essa variante da xenoglossia devesse ser uma evidência de comunicação espiritual. Enfim, esse o fato…

  173. Marciano Diz:

    Parece que ele escondeu o papel, trocou-o por outro e deve ter contado com a participação de um dos alemães presentes e mais alguém que serviu de intérprete, antes da encenação.
    Com a vantagem de que, em um ambiente como esse, ninguém vai manifestar dúvida abertamente, muito menos revistá-lo.

  174. montalvão Diz:

    MARCIANO DISSE: “Quando criança, na presença de uma entidade dessas, fiz uma experiência para ver o que ocorreria. Não me lembro mais qual foi a entidade, mas é crença generalizada entre umbandistas que eles sabem de tudo o que a gente faz, bla bla bla. Então, enquanto a entidade falava comigo, eu pensei algo bem ofensivo (não me lembro mais exatamente o que, mas algo assim como “vá tomar no cu, seu espírito de merda). Como eu esperava, a poderosa entidade nem desconfiou do meu abuso.(…)”
    .
    COMENTÁRIO: garoto precoce esse, hem? Não me passou pela cabeça experimentos tão drásticos, mas a proposta até que é interessante… Com um pouco de imaginação pode-se testar quaisquer espíritos que digam saber das coisas e, por extensão, a comunicação em si. Mas, quando se sugere algo nesses moldes, os mediunistas saem-se com evasivas. Em verdade, ninguém, ou pouquíssimos, querem testar a fundo se suas crenças possuem vitalidade. Provavelmente, os que acreditam tenham, lá no fundo de si, forte suspeita de que o chão onde pisam seja movediço.
    .
    Poder-se-ia, pois, estabelecer um filtro preliminar: quem quiser defender a comunicação com espíritos que apresente evidências aceitáveis da presença deles entre nós (cartas psicografas para consolar enlutados não vale; tampouco psicografias protestando inocência de réus). E considerando a interessante ideia do Marciano, o crente poderia nos trazer uma “prova” nos seguintes moldes: “eu falei (em pensamento, e sorrindo), para o espírito ir a merda e ele respondeu, ofender não vale”… Então, esse seria um indício promissor (obviamente não “prova” mas algo que pediria mais investigação).
    .
    Quem sabe não aceitam a sugestão os médiuns e crédulos? Deveriam…

  175. Marciano Diz:

    Montalvão, apenas um adendo. A experiência deve ser feita a partir de agora, não vale o cara dizer que alguma entidade já adivinhou o que ele estava pensando ou o que havia acontecido, se o fato deu-se há muito tempo.
    É necessário também que o experimentador não passe informações para o “espírito” sem o perceber, através de leitura fria, por exemplo.

  176. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Já imaginava que você não conseguiria ouvir a rádio. Muitos temas abordados são relacionados ao Espiritismo sim. Geralmente no final tem uma comunicação doutrinária. Curioso você achar que não tinha nada a ver com os temas do blog. E por falar em ter algo a ver, qual era a finalidade sobre a pergunta dos ângulos de um triangulo? E tem algo a ver com os temas do blog?

  177. Marden Diz:

    Jurubeba,
    .
    Parece que você evitou minhas perguntas e foi pegando algumas partes do meu texto que melhor te aprazia, não é mesmo? Vamos ver se eu entendi: assim como a lista de 13 coisas que ciência não consegue provar, da revista New Scientist, você disse que são hipóteses, certo? Ha outras tantas coisas que a ciência também não consegue provar, podemos chamar de hipótese? Esquizofrenia e Epilepsia, entra na sua lista de hipóteses? Já que a ciência conhece seus efeitos mas não sabe a causa e nem onde está localizada tais patologias. Me responda ok?
    .
    O Espiritismo não está contra as ciências, muito pelo contrário, como disse Dr. Antônio Pinheiro Guedes, ele as unifica. Portanto não somos contra aos estudos e trabalhos de muitos cientistas. Quando você quis comparar os links entre Einstein e Guedes, acredito eu que não é quantidade que se visa, certo? Para o Espiritismo a qualidade é mais importante! E para você? O fruto do trabalho de Guedes foi salvar vidas. Já um dos frutos do trabalho de Einstein, junto com o seu amigo Szilárd, causou a morte de mais de 200.000 (sem contar as mortes posteriores). Será que isso não conta na sua balança? Não quero fazer comparações com pessoas em áreas distintas.
    .
    O Espiritismo luta pela paz do mundo e é contra as guerras! A lei da reencarnação incentiva e estimula a ter uma vida terrena mais digna e mais respeitosa com o meio ambiente, porque sabemos que esta casa (Terra) servirá de abrigo para nossos descendentes, outros povos e para nós mesmos em uma outra oportunidade. Portanto mesmo se as ideais do espiritismo fossem improváveis, ainda assim apenas pelo simples fato de acreditarmos na reencarnação grandes benefícios traria, como os que foram citados anteriormente.
    .
    Não sei se você sabe, mas existe um problema mal resolvido na “grande explosão” com a expansão do universo, que desafiam as leis da física. Pelas leis da física, após uma explosão, há uma dilatação e depois tende a haver uma contração. O que não vem ocorrendo. E que apenas 1/10 da matéria do universo é conhecida e “observada” e sendo portanto 9/10 do universo constituído de matéria não visível.
    .
    Se os cientistas materialistas acreditam que 9/10 do universo pode ser constituído de matéria invisível (a matéria fluídica por exemplo é uma matéria invisível para os espiritualistas, mas visível para os médiuns videntes), porque então não acreditam que pode haver uma matéria fluídica (invisível) de anos conhecida pelos estudiosos do espiritualismo? Já parou para pensar o que mudaria no mundo? Quais empresas perderiam com tal descoberta? Haveria mudanças na medicina? A industria farmacêutica como conhecemos sobreviveria? Continuaria haver guerras e suicídios? São pontos interessantes para serem levantados você não acha?
    .
    A prova da existência do espirito esta aí para todos verem nos quatros cantos do mundo inclusive aqui neste blog. Eu mesmo já propus aqui que investigassem o Galinha Tonta que aos 7 anos já escrevia Kanji e Hiragana (ideogramas japoneses), que investigassem os médiuns do Racionalismo Cristão e que investigassem sua metodologia na normalização de esquizofrênicos. E o que fazem os pseudos investigadores daqui? Fogem, desaparecem. Havia uma jornalista aqui no blog que ficou de fazer tal trabalho investigativo, para testificar ou desbancar uma fraude. E nunca mais apareceu por aqui.
    .
    E antes de finalizar,volto a perguntar: Você realmente acredita que o amor existe? Se sim ou se não, diga-me o porquê, ok? E se souber me responder onde ele estaria localizado, ficaria imensamente grato.
    .
    Saudações Racionalistas.

  178. Marden Diz:

    NVF,
    .
    Não me faço de tonto, mas você se faz de vítima. Cole aqui a frase onde eu ofendi sua família.
    .
    “Meu caro lunático, se você não leu direito, eu disse que “não acredito” nas doutrinas espíritas existentes, inclusive de Luiz de Mattos.”
    .
    Me chamar de lunático é uma ofensa. Como você pode desacreditar de uma coisa que nem conhece? Seria mais inteligente dizer: “eu não concordo com as doutrinas espiritas que já estudei…” e ai você poderia citar os nomes delas. Mas mesmo assim, surge uma dúvida: sendo sua mãe umbandista, você acredita no que ela diz certo? Ou você então deveria dizer assim: “eu não acredito nas doutrinas espiritas que já estudei, mas acredito na minha mãe umbandista…”
    .
    “Sou livre pra citar o nome de quem quiser e acreditar no que quiser, sem ter que te dar satisfação.”
    .
    Depende, se você infringir a lei de algum país, pode ser que tenha sim que dar satisfação à polícia. Existem varias “regrinhas de etiqueta” onde fica mais bonito e justificável, você citar as fontes. Se não, vão pensar que você anda inventando coisas. E o pessoal daqui não gosta muito disso não, ou será que gostam?
    .
    “Eu não precisaria provar nada aqui. ”
    .
    Exato! Não o fez antes e parece querer continuar não fazendo. Então fica mais elegante você começar suas frases assim: “Eu ouvi dizer por fontes não oficiais que …”
    .
    Saudações Racionalistas.

  179. Marden Diz:

    Bruno,
    .
    Primeiramente obrigado por expor o que você pensa sobre o meu comportamento. Antes de continuar com o meu comentário gostaria de fazer uma única pergunta: Você vem da linha umbandista também não é certo?
    .
    Pois bem, tentarei explicar brevemente o porquê que aqui venho voluntariamente. Primeiro, quero saber se aquilo em que acredito é verdadeiro. E a melhor maneira é confrontar minhas ideias com os demais aqui. Digamos que os 10 melhores comentaristas deste blog resolvam se unir para desmascarar o Racionalismo Cristão. Serão dez contra um. Se conseguirem, serão onze a zero. Não tenho medo de desapontar-me. Já que fanatismo nunca foi meu forte!
    .
    90% do que se falam por ai sobre espiritismo eu também não acredito. Eu seria ateu convicto se não tivesse conhecido o Racionalismo Cristão. Conheço o blog há pouco mais de 3 anos. E estudei muito de outras fontes e também do que aqui foi falado. Principalmente o “modus operandi” dos debatedores. Depois de conhecer algumas estratégias adotadas por alguns, resolvi aqui entrar.
    .
    Este blog faz um excelente trabalho para a sociedade e às gerações futuras! Por isso que eu escolhi manifestar-me aqui e não em outros sites/blogs. Este blog faz justamente o que Luiz de Mattos fez há cem anos atrás, que é desmistificar o espiritismo. Luiz de Mattos também desmistificou a igreja, fazendo o primeiro cardeal da América Latina, renunciar o seu cargo. Denunciou o chefe do Protestantismo no Brasil em sua época. E desmascarou a ciência materialista, com suas cartas aos senhores de mais alto cargo da psiquiatria no Brasil. Normalizando “loucos”. E também foi pelas cartas de Luiz de Mattos que Ruy Barbosa ficou sabendo que não iria ser Presidente da República.
    .
    Eu não tenho a capacidade de fazer nem a centésima parte. Mas estou convicto que o que ele fez foi deixar um legado às gerações futuras. E a forma como ele codificou o Espiritismo Racional, vem surgindo efeitos. Repare você, constantemente vários espiritas vão sendo desmascarados, por farsas, mentiras, corrupções, má conduta, usurpação de bens, de lares, famílias sendo desfeitas, médiuns viciados em tabaco, álcool, sexo e drogas e uma infinidades de outras condutas que só inferioriza o ser humano.
    .
    Isso precisa acabar! Para o bem de todos. Dos médiuns racionalistas quantas notícias vergonhosas você conhece? E porque? E apenas criticar o espiritismo (esse baixo e vil espiritismo citado acima, criador de loucos) como fazem aqui, não basta. É preciso compreender que existe algo mais nobre. Por isso que não tiro a razão dos que atacam o espiritismo. Já fiz muito disso no passado. Quem ler Cartas Oportunas Sobre Espiritismo, sabe a praga que é exercer mediunidade sem controle como fazem a grande maioria.
    .
    Quando minhas palavras causticantes ferem as ideias de alguns aqui, na verdade quero desperta-lhes a consciência. Seria como se eu dissesse: “hei, você precisa estudar, há algo que você não está enxergando e é preciso fechar os olhos materiais e enxergar com os olhos da alma (o raciocínio, a razão)”. Se os médiuns soubesse os porquês da vida espiritual, evitariam essas materializações. E para um médium saber isso precisa receber orientações de Espíritos Superiores. E sendo viciados como são, não há acasalamento de fluidos. Já que os iguais se atraem nos planos espirituais.
    .
    Apenas para exemplificar: com o Biasetto tivemos um bom debate também. Mas ficamos sem nos falar por um tempo. Eu me afastei daqui de férias e nesse intervalo o pai dele desencarnou. Quando retornei ao blog, ele manifestou que havia ficado feliz com minha volta. Depois em momento oportuno ele me relatou sobre a desencarnação de seu pai. Ele estava fragilizado com a situação. E quem não fica fragilizado? E chegou a ponderar se a vida se resumiria a isso, nascer e morrer. No fundo, todos sentimos que há algo mais. Mas é preciso descobrir. Quando não despertamos pelo estudo, a dor faz o papel dela. Mas sempre teremos que despertar.
    .
    Portanto, tentar demonstrar que a alma persiste não é tarefa fácil. Há muitos interesses políticos e financeiros (e outros também) que não querem que ocorra o despertar da humanidade. Veja por exemplo a teoria heliocêntrica, desde Pitágoras até Copérnico, são mais de 2.000 anos de obscurantismo. E é por isso que eu luto. Chega de tanta cegueira. Se a mídia se corrompe e não anuncia a verdade, façamos nossa própria revolução através da internet e outros meios que temos disponíveis.
    .
    Já os que aqui não querem raciocinar (afinal raciocinar dá trabalho mesmo e quem não tem essa prática, custa adquirir o hábito), ou agem por indolência mental ou são intuídos para fazerem o seu show aqui, criando discórdias, distrações sobre os assuntos comentados e sempre com o intuito de desviarem a atenção e diminuir o espiritismo. Se forem indolentes ou receptores de intuições negativas, isso ficará evidente nos seus escritos. E é preciso responder energicamente.
    .
    Diante de tudo o que aqui fica, se você achar que minhas palavras não são sinceras, que não merecem valor, você pode simplesmente ignorar tudo o que escrevo aqui no blog. Ou se quiser reunir mais 9 pessoas e desmascarar aquilo que acredito, você estará me fazendo um favor. Serei seu amigo e companheiro de causa.
    .
    Saudações Racionalistas.

  180. Toffo Diz:

    A Umbanda me é simpática pelo único e simples motivo de ter sido originada de um preconceito. Uma prova histórica da existência da raiz autoritária do espiritismo. Os espíritas sempre foram brancos, de classe média, recrutados preferencialmente entre o “enlightened people”. Um determinado centro da região metropolitana fluminense, no início do século 20, passou a receber mensagens de pretos e índios, causando profundo desagrado entre os espíritas, que passaram a ver nessas mensagens de índios e negros uma manifestação de espíritos inferiores, pela única e simples razão de não serem espíritos alegadamente de brancos. Sintetizando: espíritos de índios e pretos são inferiores aos espíritos de brancos. Daí foi se desenvolvendo a nova religião brasileira, filha ilegítima do espiritismo, muito bem descrita, literariamente, no livro Macunaíma, de Mário de Andrade. Como espírita de berço e contumaz fuçador de livros, eu sempre vi na minha vida livros e palestras espíritas estabelecendo o Tratado de Tordesilhas entre o espiritismo e a umbanda, com variações no nível de agressividade com que eram tratadas essas diferenças. Mas sempre vi espíritas lamentando pessoas que haviam “despencado” na umbanda, como se aquilo fosse uma degeneração. Existe um livro exemplar, publicado na década de 1940 por Deolindo Amorim (já falecido, pai do jornalista de TV Paulo Henrique Amorim), chamado Africanismo e Espiritismo, cujo fim é provar que não há nenhuma conexão entre a doutrina espírita (europeia, branca) e as práticas africanas. No entanto, ele faz uma geleia geral, botando na mesma saladeira a umbanda, o candomblé e outras práticas afrobrasileiras, como se fossem tudo a mesma coisa, e provando daí que, como o espiritismo é mais recente que a escravidão, não pode ser relacionado com as práticas fetichistas. O prefácio é um primor de preconceito. Só para se ter uma ideia, reproduzo aqui uma parte dele, escrito por um Sr. Lippmann Tesch de Olivér, vazado nos seguintes termos:

    “É com intensa satisfação – repetimos – que traçamos algumas
    frases iniciais às páginas desta monografia redigida com
    a mira essencial de orientar as massas populares; páginas merecedoras
    de nossos aplausos, porque, além de se conterem
    nelas ensinamentos substanciosos, vazados numa forma simples
    e meridianamente clara, embora circunscritos aos aspectos
    histórico e psicológico do problema, não deixam de ser a
    ressonância de nossa campanha profilática pela “Vanguarda”
    (2), quando, há tempos, apontamos as deturpações do Espiritismo
    e o achincalhe de seu nome pelos acólitos da mitologia,
    da idolatria e dos “orixás” africanos; páginas, enfim, de protesto
    de uma inteligência esclarecida, inacessível aos caprichos
    da falsa tolerância e das transigências inconfessáveis, contra
    o imperdoável erro de pretenderem identificar o Kardecismo
    - a escola mais perfeita e completa surgida no seio do movimento
    Neo-espiritualista! – com as religiões primitivas do Continente
    Negro, trazidas para a América, ao tempo da escravatura,
    e, aqui, desfiguradas por infiltrações de várias procedências.”

    “Por isso mesmo, os centros desceram tão baixo no conceito
    das autoridades da capital da República que até o seu registro
    se processava na Seção de Tóxicos e Mistificações da Polícia
    Central. Espiritistas de valor e os “macumbeiros” eram, destarte,
    fichados em promiscuidade e nivelados, por igual, na ignomínia
    e no menosprezo!”

    “Com esse processo sui-generis de aplainar divergências
    ou, diremos melhor, de misturar alhos com bugalhos, os doutores
    não lograram senão infundir maior vitalidade aos “canjerês”
    dos discípulos de Pai João – o apóstolo da Magia Negra!
    e de oficializar, sob disfarces ardilosos, os “terreiros”, as cabanas
    e as tendas fetichistas com seus batalhões de espíritos atrasadíssimos
    - indígenas e africanos -, que tantos e tamanhos estragos
    têm causado ao progresso de nossos ideais, no Rio de
    Janeiro e noutros pontos do Brasil.
    É preciso desconhecer a lamentável crise psicológica ou
    de fascinação obsessional em que se debatem os “pais de santo”
    e seus fanáticos para se levar a sério tão absurda iniciativa.
    Triste e dolorosa verdade é esta, não há dúvida!”

  181. Marciano Diz:

    Marden, já faz tanto tempo, mas foi porque você perguntou ao Jurubeba o que ele considerava prova.
    A soma dos ângulos internos de um triângulo em uma superfície plana sempre igual a 180 graus é uma coisa que pode ser provada (dentre milhares) a qualquer pessoa.
    Você disse que o espiritismo tinha de confiar no médium, algo assim.
    Você demora demais a responder e a perguntar. Fica difícil.
    .
    Eu ouvi a rádio, mas a mulher estava falando de educação infantil. O que isso tem a ver com espiritismo ou racionalismo? Por isso não ouvi até o final.
    Você imaginou que eu não ouviria a rádio por intuição?
    .
    O que você disse para o Bruno é exatamente o que eu venho sustentando. Todo crente é ateu com relação às crenças dos outros (veja comentários anteriores, neste e em outros posts).
    Para qualquer crente falta apenas uma religião para ele tornar-se ateu. A sua própria. Como você mesmo diz: “Eu seria ateu convicto se não tivesse conhecido o Racionalismo Cristão.”
    Pensa que com os outros é diferente?
    São todos ateus, só que com todas as religiões, menos a sua própria.
    JCFF seria ateu, se não conhecesse o catolicismo apostólico romano.
    Arduin seria ateu, se não conhecesse o espiritismo kardecista purista (não chiquista ou roustanguista).
    Você “seria ateu convicto se não tivesse conhecido o Racionalismo Cristão.” (tu o disseste, em resposta ao Bruno).
    Se não se lembra quando disse isso, vou te ajudar:
    1. Marden Diz:
    junho 30th, 2012 às 15:59
    Bruno, . . .

    .
    Eu disse anteriormente também que os melhores para desmascararem as religiões são os religiosos, não os ateus. Veja acima. É exatamente o que você diz:
    “Este blog faz justamente o que Luiz de Mattos fez há cem anos atrás, que é desmistificar o espiritismo. Luiz de Mattos também desmistificou a igreja, fazendo o primeiro cardeal da América Latina, renunciar o seu cargo. Denunciou o chefe do Protestantismo no Brasil em sua época.”
    Palavras suas. Lembra-se?
    .
    Se você descartar TAMBÉM o RC, vai ficar igualzinho a mim.
    JCFF precisa só descartar o catolicismo apostólico romano.
    Arduin precisa só descartar o espiritismo kardecista purista (não chiquista ou roustanguista).
    Por aí vai.
    .
    Antes que você me pergunte, vou repetir o que já disse em outro post:
    Cético não sabe refutar argumentos religiosos direito. Religiosos sabem como ninguém.
    Acho que a única coisa que eles fazem direito é isso.
    Frase perfeita do Stephen Roberts:
    “When you understand why you dismiss all the other possible gods, you will understand why I dismiss yours.”

  182. Marciano Diz:

    Marden,
    Espero que você continue com o excelente trabalho de desmascarar todas as religiões menos o RC;
    que o JCFF continue com o inigualável trabalho de desmascarar todas as religiões, menos a ICAR;
    que todos os demais consigam provar que todas as religiões, ciências espíritas, filosofias espíritas, etc., são falsas, menos a sua.
    Saudações descrentes (no RC também).

  183. NVF Diz:

    Toffo,
    .
    Por falar nisso, você já leu sobre o tema em Herculano Pires, apontado como um dos grandes espíritas sérios do Brasil? É lamentável o preconceito e a falta de caridade.
    .
    Confira, a partir da página 29:
    .
    http://pt.scribd.com/doc/3920120/-Herculano-Pires-O-Centro-Espirita

  184. montalvão Diz:

    Carlos Disse:
    .
    “Nunca participei de reuniões de desobsessão. Por outro lado, já tive oportunidade de presenciar operações espirituais, bem como presenciei um médium que psicografou em idioma (alemão) que ele definitivamente não dominava. Também já presenciei sessões de transcomunicação. Dessas a menos interessante foi a de transcomunicação; os resultados foram muito duvidosos. Esse grupo continua trabalhando até hoje, mas pelo visto nada muito convincente teria sido produzido. Quanto a cirurgia “mediúnica” ela efetivamente ocorreu; foram extraídos alguns nódulos antes visíveis sob a pele do paciente. O médium nesse caso também era médico (Édson Queiroz, já falecido); o paciente está vivo e bem para contar a história. Quanto a psicografia, ou o médium trazia a mensagem escondida no bolso e depois a mostrou a público ou, senão, não tenho como explicar o que aconteceu.”
    .
    COMENTÁRIO: Como diria o adepto da globalização: “vamos por partes”:
    .
    1) OPERAÇÕES ESPIRITUAIS – efeito placebo, fraudes, propaganda enganosa, são as explicações mais plausíveis para essas práticas. É comum ouvir-se falar de quem estivesse desenganado pelos médicos e foi curado por um desses taumaturgos (seja médium espírita, seja pastor, ou autônomo). Não, não e não. Em muitos casos o doente vem de longo tratamento convencional, está desanimado e deprimido. Então encontra um curandeiro e toma injeção de ânimo, o que faz com que o organismo deixe de embarreirar a ação dos medicamentos. Nesses casos, quando, e se, a cura ocorre o crédito vai para o medicastro, ninguém diz: o tratamento alternativo me ajudou na terapia convencional, não, a tecnologia farmacêutica é esquecida e valorizado o secundário. Realiza-se grande rebuliço diante de uma e outra cura. Os que não obtêm resultado não gritam nem berram o fracasso, calam-se e vão morrer mais ou menos em paz .
    .
    Passei por experiência dessas muito intimamente: tive parente acometido de SIDA (na época em que ainda não havia o “coquetel”), que realizava tratamento com uma curandeira, da qual se dizia maravilhas. Várias idas até a mulher, cujo discurso era cativamente, pude acompanhar a participação de diversas pessoas com doenças mortais. Ela, a cada reunião, insistia para que os curados testemunhassem a transformação. Quase sempre aparecia alguém, ou falando de sua própria melhora, ou atestando que conhecido, que não estava presente, experienciara um milagre. Porém, o que ninguém percebia é que os afortunados eram minoria. O grosso dos participantes definhava a cada encontro, mas mantinha a fé. Homens que vinham recheados de músculos, aparentando saúde (mas contaminados), mulheres parecendo saídas de capas de revistas, aos poucos iam minguando e desapareciam dos encontros. No entanto, a fama da mulher seguia crescente…
    .
    Quem queira exemplo conhecido, deve lembrar da artista Mara Manzan, da Rede Globo, vitimada por câncer no pulmão. A dita realizara duas cirurgias espirituais (uma com um dos “doutores” Fritz, outra com João de Deus) e se confessara curada. No entanto, não sobreviveu um ano…
    .
    Edson Queiroz, morto em 1991, foi um dos recebedores de Fritz. Foi ele quem teve que dividir seu alemão com concorrente, Rubens Farias Jr. O que os dois tinham em comum é que ambos foram acusados de fraudes, mas isso não faz grande diferença: todos os Fritz são fradulentos, mesmo assim multidões vão ao seus encalços, e não poucos se admitem curados. E o Waldomiro Santiago? Êta curandeirão!
    .
    PSICOGRAFAR EM LÍNGUA DESCONHECIDA – De Chico Xavier dizia-se provir mensagens em línguas alienígenas que o médium (iletrado como “todos sabem”) não poderia conhecer. A mais famosa talvez seja o recado de Ilda Mascaro, no qual Perandrea se baseou para elaborar sua “prova científica” da mediunidade (que, em verdade, nem é científica, nem é prova). Essas psicografias pseudoxenoglóssicas dificilmente são investigadas adequadamente. Mesmo sem dominar uma língua alguém pode decorar textos e reproduzí-los, qual se falasse tal idioma, ou, no contexto espírita, estivesse mediunizado. Em casos assim, os testes confirmativos seriam imprescindíveis. Primeiro, como saber se o médium realmente não conhece nadica de nada do idioma? E, por outro turno, se ele verte mensagem em alemão, árabe, industão, ou o que seja, vamos testar se o espírito realmente é capaz de ser sabatinado nessa língua. Chame-se alguém versado em tal idioma (cético de preferência) para que com ele converse. Alguém lembra de Arigó, que atuava sob embriaguês mediúnica do “Dr. Fritz”, um médico alemão nazista em vida? Pois bem, descobriu-se que o Fritz era alemão que não falava alemão, quando se puxava assunto nessa língua ele pulava fora. Isso não impediu que Fritz seguisse, pós-Arigó, incrementando outros sucessores.
    .
    Tão revoltado fico perante essas historietas que minha artéria mediúnica pulsa e o anãozinho gigante me passa recado espiritual, em língua celestial. Diz o seguinte: “Etona ia otohnafag, amugnin anosrep edeup ralbah o ribircse ne reuqlauc arto augnel is non reconoc asoc amugnin asen arto augnel. Odniteper “MEUGNIN EDOP RALAF UO REVERCSE ME REUQLAUQ AUGNIL ES OAN RECEHNOC ASIOC AMUGLA ASSEN AUGNIL.”. Estou tentando ver se no próximo contato ele manda a tradução…
    .
    TRANSCOMUNICAÇÃO INSTRUMENTAL – balela, fantasia, ingenuidade… são adjetivos que caem certinho no universo transcomunicativo. A coisa é tão escandalosamente tola que até crentes deslumbrados com qualquer coisa que lhes soe espiritual reconhece que “ainda falta mais um pouquinho” para legitimar essas supostas comunicações. A nossa papisa da transcomunicação, Sonia Rinaldi, andou recebendo “legítimos” recados do além por telefones, pela televisão e até por meio de rádio escangalhado…
    .
    Essas coisas possuem casca de legitimidade muito fina. Se se der um arranhãozinho logo mostram não ter nada consistente por baixo. Por isso os crentes fogem de testar seus santos qual o cramunhão foge do cruzeiro.
    .
    Depois dessa, só mesmo tomando uns passes…
    .
    Ah, antes que me esqueça: Marciano, o anãozinho gigante traduziu o recado em língua misteriosa que recebeu. Ele informa que não é alemão é germânico. Confira.
    .
    “Dignidade Omitida a partir de hoje toda a influência ariana ainda mais no Japão, aceitou a Europa e a América falir, pode haver um curto espaço de tempo para parar na ascensão atual do Japão em ciência e tecnologia, mesmo que apenas em poucos anos iria ganhar as vitórias Fountain, o caráter japonês, mas a nova cultura e solidificar novamente voltar a dormir, a partir do qual ela foi despertado de sete décadas da onda cultura ariana. Portanto, assim como a origem ariana do desenvolvimento japonês de hoje deve sua vida, mesmo quando esteve na distante influência, passado estrangeiro e desperta o espírito da cultura estrangeira apanischen ex. A melhor prova disso é o fato de a ossificação posterior e solidificação completa do mesmo. Pode acontecer em uma única nação, se a corrida originalmente criativo se perdeu núcleo ou influência externa estava faltando depois que deu o impulso eo material para o primeiro desenvolvimento no campo cultural. É certo que um povo recebe a sua cultura nas mercadorias mais essenciais de raças estrangeiras, para perceber e processar e depois solidificar a ausência de influência externa ainda outra vez, você provavelmente pode chamar essa corrida como um “transmitido culturalmente”, mas nunca como uma cultura criativa “.

  185. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Se um espirito inferior que utiliza de linguagens de baixo calão como você quer sugerir, manifestar numa reunião séria, o médium se for disciplinado, tem por dever filtrar tais palavras de baixo calão. Se a reunião não for séria e se houver mistificação dos médiuns ai pode ser que as mensagens passem sem filtro algum.
    .
    Médiuns que caem ao solo, que batem nas mesas, que dão gargalhadas constantes, são médiuns mistificados e que provavelmente atenderia seu propósito.

  186. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    Queria ter mais tempo como vocês, para passar o dia aqui debatendo. Mas infelizmente tenho outras coisas a fazer, dai que meus comentários serem tardios.
    .
    Eu questionei a ele o que ele considerava como provas objetivas. Acabou não me respondendo. Fiquei confuso entre provas e provas objetivas. Talvez tenha também provas racionais. Provas cientificas. Provas claras. Provas lucidas. Sei lá, são tantas provas que esses materialistas exigem. Mas quando pedimos a eles (você se inclui), fogem, fingem que não é com ele. Saem de mansinho. Como se tivessem o dever de não ter que provar nada.
    .
    Sobre cada um defender sua doutrina. E é para isso que aqui estou. Desmistificar tudo o que for contra a verdade, inclusive se vier de dentro do RC. Por isso que incito, provoco e desafio. Luiz de Mattos foi ateu por 50 anos (e maçom do 33grau). Eu posso ser o contrário: de RC à um ateu. Será você quem vai me mostrar, respondendo todas as minhas duvidas satisfatoriamente, ou seja, de forma racional e científica?
    .
    De momento minhas convicções apontam que estou no caminho certo. E porque? Pelos exemplos que citei nos diálogos com você e com outros. Se a medicina atual não consegue normalizar esquizofrênicos e Luiz de Mattos o fez, algo tem a se pensar (ou investigar), você não acha? E isso ocorre também aos dias de hoje. E isso ocorre justamente pelo simples fatos de não encararmos a pessoa como esquizofrênico e sim portadora de mediunidade (em estado obsessivo).
    .
    Mas eu sei que essa não é sua área. Então estarei aqui esperando até que um dia apareça alguém com bons conhecimentos sobre este tema (dentre outros), para discutirmos e propusermos aplicar a metodologia já utilizada pelo RC.
    .
    O que você disse é verdade, cada um defende suas ideias. Mas a vantagem dos agnósticos (espiritualistas principalmente) é que eles aceitam que não sabem determinadas coisas. E o que você disse é válido para você também, que segue a doutrina do materialismo.
    .
    Então você tenta desmascarar todas as outras doutrinas, religiões e seitas, menos a sua doutrina materialista. Viu como somos parecidos? Mas você já está sentindo que a sua doutrina tem bases não tão sólidas quanto você imaginava. Só não quer admitir isso ainda. Mas quem sabe com um pouco mais de burilamento as coisas não vão ficando mais claras?
    .
    Continue defendendo sua doutrina e irei continuar defendo a minha. A que for mais racional e cientifica há de ser a que esteja com a razão e com a verdade.
    .
    Saudações (bem) racionalistas ;-)
    .
    http://www.valdiraguilera.net/materialismo.html

  187. Marciano Diz:

    Montalvão,
    Tu és português?
    E eu acho que estás possuído. Passou a escrever de trás pra frente.
    Se andas no teto como lagartixa, está confirmado.

  188. Marciano Diz:

    Tens razão, Montalvão…
    Ele me disse que é austríaco e que escreveu isso há muito tempo, quando tava em cana.

  189. Marciano Diz:

    Marden, cumprindo promessa que fiz no post da bruxinha loira (de me converter a todas as dezenas de milhares de religiões que existem), acabo de me tornar racionalista cristão.
    Não pense que o mérito é seu.
    O próprio Mattos materializou-se em minha presença e disse que se eu não me convertesse, teria de fazer a limpeza psíquica todo dia 1º de janeiro dos anos múltiplos de 100 e de ouvir a rádio do racionalismo cristão durante 30 SEGUNDOS, todo dia 29 de fevereiro.
    Quando ele disse isso, fui tomado por um terror inexcedível, lembrei-me dos 0,0000001 nanossegundos em que ouvi a tal rádio e a limpeza psíquica e converti-me imediatamente.
    Doravante, não precisa mais me dirigir sua cantilena.
    Muitíssimo obrigado.
    E viva o racionalismo cristão.

  190. Jurubeba Diz:

    Marciano,
    a cone… tá ….. m…. ruim! Deix… vira… antena.
    .
    Acho que melhorou. Serei breve pois é caro daqui de onde me encontro.
    .
    Marciano, como estou em Vênus colhendo evidências para o meu trabalho sobre os ornitorrincos alados, não participarei do blog por uns 20 dias (mais que isso a instituição não banca).
    .
    Cuidado com seu holismo! Serás acusado de heresia por algum de seus pares!
    .
    Em minha ausência, será que você poderia ensinar alguma coisa pro Marden? Veja como ele tem tantas dúvidas! Acho que ele ainda tem jeito!
    .
    Encerrando conexão…..

  191. Marden Diz:

    Marciano,
    .
    “acabo de me tornar racionalista cristão.”
    .
    Não Marciano, a natureza não dá saltos. Para se tornar um RC, você teria que estudar e ser imparcial com as ideias novas, não aceitando-as de pronto e nem ignorando-as à primeira. Como já disse, a doutrina não quer adeptos, seguidores e nem fanáticos.
    .
    “Não pense que o mérito é seu.”
    .
    Não penso isso. Mas penso que o fracasso é seu! Não conseguir resistir com suas ideias por tão pouco tempo. Diz o ditado: O escorpião morre picado pelo seu próprio veneno.
    .
    “O próprio Mattos materializou-se em minha presença”
    .
    Não deveria responder às suas brincadeiras, mas como dever, sinto-me na obrigação de fazer. Este espirito já não encarna mais, não manifesta, não dá comunicação. Está em planos astrais mais superiores e outro assumiu seu lugar.
    .
    “Doravante, não precisa mais me dirigir sua cantilena.”
    .
    Porquê, vai deixar o vício de criticar e falar do que não sabe aqui no blog? Duvido! Vai fazer uma autoanálise e passar a ponderar sobre o que escreve aqui no blog? Também duvido! Não é fácil acabar com vícios da noite para o dia. Mas todo o esforço será válido.
    .
    Lembre-se, você tem o direito de atacar o Espiritismo e eu tenho o direito de defendê-lo. Bonito esse principio de justiça você não acha? Viva a democracia, abaixo a demagogia.

  192. montalvão Diz:

    MARCIANO DISSE: Montalvão,
    Tu és português?
    E eu acho que estás possuído. Passou a escrever de trás pra frente. Se andas no teto como lagartixa, está confirmado.
    .
    RESPOSTA: ó gaijo, purqui tu aichas que sau purtuguês? O homem aranha anda no teto e no aintanto não vem a seiri lusitano. Ora, pois, pois…

  193. Biasetto Diz:

    foi bom conhecer vocês, atéééééé´……………
    .
    http://www.paulopes.com.br/2012/06/fim-do-mundo.html

  194. Marciano Diz:

    Montalvão.
    Não foi por escreveres de trás pra frente nem por andares no teto. Foi por chamares AIDS de SIDA.
    Português tem um orgulho do idioma só igualado por franceses ou espanhois.
    Tomei-te por um demônio português.
    Entretanto, não trocas o gerúndio pelo infinitivo.
    Falas espanhol de trás pra frente também.
    Deves ter alguma raiz na península ibérica.

  195. Marciano Diz:

    Jurubeba,
    Tu é dos meus.
    Só não partilho do teu gosto por aperitivos. No mais. . .

  196. Marciano Diz:

    Porra, Biasetto. Isso é sacanagem. Disseram que era em dezembro, aí pegam a gente de surpresa.
    O dia ficou noite
    O sol foi pro além
    Eu preciso de alguém
    Vou até a cozinha
    Encontro Carlota, a cozinheira, morta
    Diante do meu pé, Zé
    Eu falei, eu gritei, eu implorei:
    “Levanta e serve um café
    Que o mundo acabou!”
    Dusek

  197. Biasetto Diz:

    Bem, já que o mundo não acabou (eu acho), e já que tem gente defendendo sua crença, de tudo quanto é jeito, como a correta, esta turma aqui, é espírita, mas não dá pelota alguma pra mediunidade de Xavier.
    https://sites.google.com/site/aderj2/sergio-aleixo-site

  198. Toffo Diz:

    NFV, transcrevo aqui o que disse o eminente filósofo espírita J. Herculano Pires a respeito da influência africana, em sua obra “O Centro Espírita”:

    “Compreendem-se as razões de tudo isso, mas não se pode compreender que num Centro Espírita, iluminado pelas luzes da Doutrina Espírita, admita-se a introdução dessas práticas primitivas. As energias espirituais superiores, empenhadas pelosEspíritos Benevolentes nos trabalhos espíritas, são muito mais poderosas do que todas as fórmulas mágicas das selvas. Nãodesprezamos essas práticas nem as condenamos, pois elas nosrevelam as tentativas dos homens selvagens para dominar amagia da Natureza. Mas esse domínio já foi conseguido pelas Ciências, que depois de suas fase materialista já penetraram nasentranhas da matéria e atingiram a essência espiritual do homem,

    dos seres e das coisas. O próprio Espiritismo, tão ferrenhamente combatido pelas Ciência, hoje está comprovado pelas conquistascientificas do nosso século. Os dirigentes de Centros Espíritas precisam conhecer esses problemas, se quiserem realmentedirigi-los. Se insistirem na ignorância, no cultivo de suassuperstições, na falta de leitura e estudo, convencidos de quetudo sabem a respeito do assunto, acabarão como o cego da parábola, caindo no barranco e levando os outros com ele aofundo dos precipícios.O nível mental de uma criatura civilizada não pode estar tão baixo que misture com o nível mental dos selvagens. Há, portanto, um problema grave de defasagem cultural, de desnívelmental, que os espíritas precisam encarar com seriedade, em faceda lei de evolução. O Sincretismo é um retorno à mentalidade daselva. Os que a ele se entregam, geralmente por interessesinferiores, de ordem material, estão tentando regredir na sua evolução. Desse esforço retrógrado resulta sempre o efeitonegativo do atraso mental e espiritual. Dessa maneira, o CentroEspírita infestado por essas práticas torna-se um organismo emdeterioração. Vira no avesso a sua finalidade superior, apegando-se cada vez mais aos interesses passageiros da vida terrena.Admite-se a existência dos terreiros, em que os homens e osespíritos ainda apegados ao primitivismo podem fazer suasexperiências retardadas. Mas não se pode admitir a mistura de práticas contraditórias num local espírita. ”

    Eu tenho grande admiração pelo saber e pela erudição de Herculano. Mas… infelizmente envolveu-se na causa espírita, e teve de defender o indefensável em muitas coisas, como por exemplo nesse trecho. Se fosse isento, seria um dos maiores filósofos do Brasil, um país reconhecidamente pobre na área. Infelizmente preferiu ser um filósofo espírita. Mas de qualquer forma dá para se ver o nível de autoritarismo que existe no espiritismo, a maneira arrogante como os exegetas se apresentam, defendendo a “pureza” de uma doutrina cuja gênese é eminentemente “impura”, haja vista as relações ambíguas que o kardecismo sempre manteve com a igreja católica. Além do que Herculano Pires erra, como quase todo mundo, em dizer que foi Kardec que inventou, ou forjou, a palavra espiritismo. Não foi. A versão original, inglesa (sim, pois o ‘spiritisme’ francês é considerado um anglicismo, deriva do inglês ‘spiritism’), já era corrente nos EUA antes de 1857, para designar o movimento em torno dos sedizentes fenômenos provocados por espíritos batedores (spirit rappers, daí o nome spiritism). Kardec, numa notável jogada de marketing, usou a palavra para designar a doutrina que estava criando e ela “pegou”, inclusive no sentido genérico de qualquer fenômeno espiritual ou mediúnico, sentido esse corrente até mesmo na França.

  199. Marciano Diz:

    Toffo,
    penso como você. LHDR viu a janela de oportunidade, sempre quis criar uma nova religião e ser seu messias, “availed himself of the opportunity”, “et voilá”.
    “Pronto!”
    Desde a primeira vez que li seus livros, isso ficou transparente pra mim. E eu não sabia nem 0.01% do que sei agora e ainda estou aprendendo com vocês.
    Desde a primeira vez achei que ele adotou o pseudônimo AK para não comprometer-se com uma coisa que não sabia se daria certo. Alguém aqui, talvez você mesmo, disse que foi outra a razão.
    Pode esclarecer algo a respeito?

  200. Gorducho Diz:

    Analista Marciano diz:”Alguém aqui, talvez você mesmo, disse que foi outra a razão. Pode esclarecer algo a respeito?”
    Na época havia sido inventada, principalmente pelo Jean Reynaud, que eu deduzo foi o gurú do Hipólito, uma mitificação dos Druidas tentando promover o patriotismo francês num contexto de rixas com a ICAR (devia aliás haver muito recalque com a recente derrota do Napoleão…). Esses eram mitificados como grandes sábios e reencarnacionistas (o que aparentemente era verdade segundo o Julio César, i.e., reencarnacionistas, não sábios). Fecha dentro do plano dele – se consciente ou inconsciente (por loucura??) claro que só poderemos saber quando o encontrarmos em Júpiter (já que todos os Analistas deste sítio, evoluídos que somos, não + neste atrasado globo reencarnaremos). Quem sabe o Mozart não se digna a convidar-nos todos para um sarau?
    Também tenho vaga lembrança de ter lido em algum lugar que ele TRABALHARIA como guarda livros num jornal católico; então seria maneira de proteger sua identidade… Então, sim deduzo que também “para não se comprometer com uma coisa que não sabia se daria certo”. Aliás, nessa Religião, ter sido Sacerdote em encarnações anteriores é confere credibilidade [como se faz para inserir o rolling on the floor? cola-se o código html??]

  201. Marciano Diz:

    Já tentei colar, não saiu nada.
    Valeu, Gorducho!

  202. NVF Diz:

    Toffo,
    .
    O comportamento de Herculano Pires era o mesmo do Séc. XIX. Não teria problema nenhuma se ele fosse desse tempo. Contudo, o homem era do séc XXI, e um filósofo! Totalmente anacrônico, como vemos hoje o pensamento espírita.
    .
    A possível existência dos espíritos independe dessas doutrinas hierarquizantes e autoritárias. Espiritismo não deve ser Nazismo.

  203. NVF Diz:

    o homem era do séc XX*

  204. Biasetto Diz:

    Seus maldosos, nem se lembraram de homenagear o Chico.
    http://www.alterosa.com.br/html/noticia_interna,id_sessao=9&id_noticia=81321/noticia_interna.shtml

  205. Biasetto Diz:

    Vítor,
    Você como criador e dono do blog, ficará à vontade para excluir esta postagem, mas só estou atendendo um pedido de um amigo, muito chato, às vezes, mas amigo!
    .
    Biasetto,

    Quase disse isso no email que te mandei pela manhã, mas eu precisava de confirmação.

    Como fui banido tu poderias passar esta mensagem para o turma dos bananas de pijamas lá do blog do Vitor Moura?


    À todos!
    .
    Gostaria de comunicar a esta turma de pandorgas que enquanto vocês ficam duvidando da existência de espíritos eu realizo a atividade de fornecer a parte do material físico que me cabe para que eles retornem a viver aqui entre nós, afinal precisamos evoluir.
    .
    Acabo de confirmar a gestação de mais um filho, o sexto, que daqui a nove meses, se Deus permitir, verá a luz deste mundão sob os auspícios do Consolador Prometido por Jesus, fará Evangelho no Lar com a família nos domingos, frequentará as aulinhas de evangelização nos sábados, testemunhará perante os futuros coleguinhas que ele é um espírito reencarnado que estará sendo educado para ter fé de modo a não recuar diante dos perigos da vida e nem se entregar para as paixões avassaladoras do caráter.
    .
    Depois de minha mãe os senhores são os primeiros a saberem.
    .
    Continuarei banido do blog do VMware, sem dramas, sem problemas, afinal devo reconhecer que após a minha retirada o blog ficou mais ativo, com maior número de debatedores e mais “light”, afinal, eu encho bem o saco de vocês mesmo a ponto de ficarem nervosos demais para filosofarem como tem feito desde que me saíram daqui.
    .
    Que o deus Acaso, ou o deus Nada ou o deus Matéria os abençoe, já que vocês não acreditam no Deus Pai de todos nós.
    Paz e Sabedoria à todos!
    .
    Do seu sempre impertinente e sempre inquebrantável espírita
    .
    Roberto Scur

    .
    .
    Bem, não vou opinar, estou apenas repassando o que ele me pediu.
    Parabéns papai, haja fraudas !!!

  206. Marden Diz:

    Roberto Scur,
    .
    Fui um dos poucos que manifestei aqui explicando alguns motivos, porque você não deveria ser banido e inclusive deixei claro que o que fizeram foi uma injustiça contra você. Não foi uma injustiça apenas do Vitor Moura não, pois acredito que ele foi motivado a tomar tal decisão nos comentários dos outros participantes do blog.
    .
    Mas agora, baseado-me no seu relato que nos foi passado por Biasetto, repensei sobre o seu caso. Como sabemos que nada ocorre por acaso e que todo efeito tem uma causa e se o efeito é inteligente, então é porque tem uma causa inteligente por detrás, quero manifestar aqui, que o seu banimento do blog só benefícios irá trazer à você e sua família.
    .
    Você agora terá mais calma e espero que seus pensamentos e os de sua família não estejam sendo influenciados por outros pensamentos deletérios, como seria o caso se você ainda estivesse aqui participando. Essa mágica da vida, que é a união de um espermatozoide com um óvulo, que faz gerar um embrião, da qual resultará um ser humano com vontades próprias, poucos ainda conseguem entender. Por terem seus olhos voltados apenas para a matéria.
    .
    Dedique-se ao seu lar! Irradie sobre ele pensamentos de valor, construindo uma atmosfera fluídica favorável, para que este novo ser encontre amparos suficientes, para no futuro ser útil não só à família que o acolheu, como à humanidade em geral. Para mim, você faz falta aqui. Mas agora, quem deve sentir mais a sua falta é a sua esposa, seus outros filhos e este novo que está a caminho.
    .
    Receba minhas irradiações amigas e que a paz possa reinar em seu lar!
    .
    Marden

  207. Vitor Diz:

    Se eu fosse a criança eu faria de tudo para ser abortado.

  208. Antonio G. - POA Diz:

    Eu também lamento pela exclusão do Scur, mas não entro no mérito da decisão. E acho que ele mesmo tem consciência de que provocou o Vitor até que ele enchesse o saco e decidisse baní-lo.
    .
    Abraço, conterrâneo “sem noção”. Parabéns pelo nº 6 !!! Ufa! Não é mole …!!!

  209. Vitor Diz:

    Em vez de dar os parabéns para o Scur eu só consigo lastimar pela criança.

  210. Antonio G. - POA Diz:

    Senhores, eu gosto muito de cinema, e quando encontro um bom filme, costumo indicar aos amigos. Então repasso uma sugestão de filme que assisti ontem à noite, na NET:
    O filme (drama-romance-história) chama-se “Einstein and Eddington”, e conta a história de Albert Einstein e as origens da sua Teoria Geral da Relatividade, passando pela Teoria de Issac Newton e outras questões, inclusive a religiosidade (?) dele (Einstein) e do outro protagonista do filme, o astrônomo inglês Arthur Eddington, que foi o grande responsável pela divulgação da teoria de Einstein, detalhe que eu desconhecia. Filme muito bom, mesmo. Recomendo.

  211. montalvão Diz:

    BIASETTO DISSE: “Bem, já que o mundo não acabou (eu acho), e já que tem gente defendendo sua crença, de tudo quanto é jeito, como a correta, esta turma aqui, é espírita, mas não dá pelota alguma pra mediunidade de Xavier. https://sites.google.com/site/aderj2/sergio-aleixo-site”
    .
    PREZADO BIA: Não entendi porque concluiu que a turma não dá atenção a Chico Xavier e à sua mediunidade. Certamente o foco do site não seja o espiritismo popularesco que Chico incrementou (e que tanto bem fez à causa), mas os autores creem na capacidade de o homem de Uberaba contatar espíritos. Como posso afirmar que sim? Por duas razões, embora os escritores pratiquem um espiritismo mais reflexivo (veja Dora Incontri admitindo muito de humano na mediunidade de Chico, no artigo “Chico Xavier não é Kardec”), mesmo assim, os membros desse grupo reconhecem em Chico um medianeiro. Além disso, o patrono do site é Herculano Pires que, nada obstante ter sido um dos grandes pensadores espíritas, era mediunista-chiquista convicto. Herculano estava no “Pinga-Fogo”, em 1971, enaltecendo a figura de Chico (o programa foi destinado exatamente a essa finalidade: exaltar Chico e dar um incremento ao kardecismo: e funcionou!). Pires, ainda, foi defensor da indefensável Otília Diogo (veja em http://www.4shared.com/office/D4chS6VL/herculanopirescasouberaba.html?).
    .
    Se achar um espírita que não dê pelota para Chico, gostaria muuuito de conhecê-lo, a ele a às ideias que defende.
    .
    Saudações.

  212. Biasetto Diz:

    * só corrigindo: FRALDAS

  213. Biasetto Diz:

    Olá Montalvão. Prazer conversar contigo.
    Obrigado pelas informações. Eu não cheguei a ver com mais atenção, o que o Aleixo tem a nos oferecer, no site que ele citou. Eu sei que ele é um crítico das psicografias do Chico, pelo menos grande parte delas. Pelo o que sei, tem um pessoal que é espírita kardecista, mas não é “chiquista”, o que não deixa de ser interessante, pois o Chico é uma espécie de porta-voz e porta-bandeira do espiritismo no Brasil.
    Grande abraço !!!

  214. Toffo Diz:

    Pois é, Montalvão, eu conheço bem a obra de Herculano, fui um entusiasta dele ‘in my spiritist days’, hoje mantenho uma posição de respeito ao conhecimento e à dimensão intelectual dele, mas francamente não engulo o fato de ele ter posto todo o peso de sua figura na defesa da causa de uma doutrina fóssil como o espiritismo. Realmente ele estava atolado até o pescoço no chiquismo, escreveu diversos livros em parceria com CX, hoje lendo-os acho constrangedor ver todo o seu brilhantismo ao lado da xaropada chiquista, enfim…..

    Gorducho: John Monroe informa que Rivail, após a falência da escola que havia fundado com o patrocínio econômico de um tio, jogador, que dilapidou todo o patrimônio do empreendimento, passou a trabalhar como guarda-livros (hoje, contador) de várias empresas, entre elas um jornal católico, e acabou sendo bastante bem-sucedido nessa nova profissão, que o deixou razoavelmente confortável financeiramente. Na verdade, Rivail nunca foi pobre, pois sua família tinha recursos – família de magistrados e juristas – tanto é que ele foi mandado à Suíça estudar com Pestalozzi, uma escola que, imagina-se, não devia ser muito barata. Rivail aceitou a sugestão do alegado espírito ‘Zéfiro’ de assinar as obras espíritas como Allan Kardec, oficialmente porque teria tido uma encarnação como druida e esse teria sido seu nome naquela encarnação, mas oficiosamente porque desejava separar os alhos dos bugalhos, numa empresa que lhe poderia ser muito arriscada – já que era autor de livros didáticos com o nome próprio. Nunca li nada a respeito, mas admito que Rivail tinha, com toda certeza, o espírito de um verdadeiro empreendedor e homem de negócios, quer dizer, tinha tino comercial: possuía um grande senso de oportunidade e espírito de marketing, tanto é que pegou no ar a palavra ‘spiritism’, que vagava pelos ambientes anglo-saxônicos, transformou-a em ‘spiritisme’, a despeito da extremada cultura francesa de amor ao idioma pátrio (os dicionários franceses registram a palavra como anglicismo) e deu esse nome à doutrina que inventou, o que foi um sucesso retumbante. Assinou seus livros com o apropriado nome céltico de Allan Kardec, o chinelo ideal para o pé ideológico da Segunda República e seus ideais druídico-patrióticos de 1848, tão caros às mentes liberais e anticatólicas das classes médias esclarecidas da época, e construiu um pequeno império econômico com a publicação dos seus livros, a Revista Espírita e a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas (que Mme Kardec tão zelosamente iria tentar resguardar para sua sobrevivência, numa época ainda sem previdência social). Além de eficiente ‘businessman’, Rivail tinha o dom da escrita clara e objetiva, um grande diferencial numa época em que as produções espíritas eram bastante prolixas, o que atraiu leitores e alavancou as vendas de seus livros. John Monroe informa que o Livro dos Espíritos foi um grande best-seller do Segundo Império, tendo alcançado a marca dos 40.000 exemplares vendidos até o início dos anos 1880. Por isso tudo, pessoal, e também pelas ideias socialistas-românticas que permeiam a doutrina espírita, e pelo caráter autoritário que marcou a gênese dela e do caráter de seu chefe, eu hoje tenho a mais clara convicção de que o kardecismo não tem nada de transcendental, de espiritual, de revelação, de metafísico. Nada disso. É pura e simplesmente terreno. Tanto é terreno que teve o seu tempo de apogeu e queda na França. Só sobreviveu no Brasil pelas peculiaridades de nossa Pindorama, que todos vocês conhecem muito bem.

  215. Biasetto Diz:

    Eu me sinto um privilegiado em acessar o blog do Vítor, por causa de várias pessoas que comentam aqui. Todos (ou quase), num sentido geral, me trazem muitas informações interessantes, mas não posso negar minha admiração pelo Toffo, pelas informações históricas, muito boas.
    Montalvão, Arduin, JCFF, Antonio e vários outros também me agradam muito neste contexto.
    O Marciano, com seu lado cético declarado, também tem trazido informações muito legais.
    Eu sou aquele tipo de pessoa que adora ver gente inteligente e bem informada opinando. Quando tem um Roda-Viva ou Canal Livre, com alguém assim, fico torcendo para o programa não acabar nunca.
    Aqui no blog, o que me cansa, muitas vezes, são aqueles que vêm fazer proselitismo, defendendo com todas as forças, a religião ou crença que segue. Isto não é uma crítica pessoal, porque também respeito (estou aprendendo) a escolha da pessoa e o direito de manifestá-la. Só acho que as discussão devem se pautar em evidências, algo que muitos não percebem ou não querem perceber.

  216. NVF Diz:

    Montalvão,
    .
    “Se achar um espírita que não dê pelota para Chico, gostaria muuuito de conhecê-lo, a ele a às ideias que defende.”
    .
    Participei de debates com o Sérgio Aleixo, na associação que ele criou (ADE-RJ). De fato, ele acredita na mediunidade de Chico Xavier, contudo não considera sua obra como Doutrina Espírita, pois para ele tudo o que vai contra “O Livro dos Espíritos” e a Codificação como um todo (Allan Kardec) não é Espiritismo de verdade.
    .
    Para ele, Chico Xavier é uma doutrina a parte. “Inferior”, digamos assim. André Luiz e Emmanuel seriam espíritos pseudo-sábios, sem crédito, pois não passaram pelo crivo da CUEE. E Chico Xavier seria apenas um “médium exaltado”, porém de fato médium.
    .
    Pesquisem ADE-RJ no orkut, em comunidades, existe lá o fórum de debates onde vocês podem ter contato direto com o Sérgio Aleixo. Ele é tipo um “Silas Malafaia” do “Kardecismo” ortodoxo, porém, a princípio, mais calmo e razoável.
    .
    Ele é bastante inteligente e eloqüente. No entanto, tem um limite de tolerância quanto aos questionamentos à Obra de Allan Kardec. Se você ultrapassar esse limite tolerável, ele esquece a caridade típica dos espíritas.
    .
    Mas, dentre os espíritas, eu diria que ele é o mais racional.
    .
    Vejam videos com palestras dele.
    .
    Aqui ele confronta André Luiz com Allan Kardec, como se o último fosse a lente verdadeira que enxerga o mundo espiritual: http://www.youtube.com/watch?v=ubLDKqIBEig

  217. Antonio G. - POA Diz:

    NFV, a propósito do filme do YouTube que você indicou: Você já viu aquele filme estrelado por Al PAcino e Keanu Reeves, chamado O Advogado do Diabo? Se viu, deve lembrar-se da frase que o Diabo (Al Pacino) fala: “- Definitivamente, a vaidade é o meu pecado favorito”. Pois é…

  218. Toffo Diz:

    Além do Sérgio Aleixo, existem outros espíritas que não são complacentes com CX. Não sei seus nomes, porque não os guardei, mas sei que CX não é unanimidade no espiritismo. De qualquer forma, tudo isso me parece divergências dentro de casa, dissensões entre os membros da família, brigas domésticas, enfim, esse tipo de coisa. Que há espíritas inteligentes e articulados, sem dúvida há. Mas, se atacam-se uns aos outros com inteligência, sempre são surdos e mudos em se tratando do chefe, cuja infalibilidade não contestam. E acabam deixando visível a face oculta da lua, isto é, o autoritarismo do prof. Rivail e de sua doutrina. E, ao defender com unhas e dentes o patrimônio kardequiano, acabam por se tornar fundamentalistas, esquecendo-se que o celta tem mais de 150 anos, e o mundo mudou radicalmente nesse período.

  219. NVF Diz:

    Toffo,
    .
    Fantásticas suas últimas palavras.

  220. NVF Diz:

    Pois é, Antonio

  221. Marciano Diz:

    Parabéns, Scur.
    Desejo tudo de bom pra você e sua grande família.
    Amoleça um pouco esse coração, Vitor.
    Montalvão, tu já conheces: Arduin.
    Toffo, foi o Carlos Zérifo quem sugeriu o nome druida ao Rivail? (aviso pro Bruno: estou brincando).

  222. Toffo Diz:

    Com certeza não foi o Carlos Zéfiro, mas me admira que um homem com a gravidade e a sisudez do prof. Rivail tenha se encantado com um espírito que tivesse esse nome, que, nos severos moldes classe-média do século 19, soaria meio como galhofa. Zéfiro no sentido estrito é uma palavra grega que indica um vento que sopra do ocidente, e no sentido figurado tem o sentido de brisa, sopro, ventinho, vento ameno, frescor…

  223. Jurubeba Diz:

    Jovens,
    existe uma versão facebook do blog onde podemos conversar mais dinamicamente?
    .
    Aqui é legal, mas acho que poderíamos aproveitar mais os diálogos.
    .
    Saudações

  224. Biasetto Diz:

    Jurubeba,
    Nós temos dois grupos no facebook, onde trocamos ideias variadas. Não são exatamente, “versões” do blog, mas têm vários participantes do blog.
    Se quiser me adicionar no facebook, procure por Eduardo José Biasetto.

  225. montalvão Diz:

    NVF,

    Tentarei conhecer o trabalho do Sergio Aleixo. Na primeira oportunidade comentarei o que for comentável. fiquei curioso quanto ao que disse:
    .
    “No entanto, tem um limite de tolerância quanto aos questionamentos à Obra de Allan Kardec. Se você ultrapassar esse limite tolerável, ele esquece a caridade típica dos espíritas”.
    .
    Qual será esse limite?
    .
    Saudações.

  226. NVF Diz:

    Montalvão,
    .
    Se tiver curiosidade quanto ao limite, inscreva-se na comunidade dele no orkut (ADE-RJ) e comece a contestar o conteúdo da Codificação espírita de Kardec. Também vou ficar curioso em saber como foi por lá, rs.
    .

  227. Marcelo Esteves Diz:

    Putz! Depois de tantos comentários, acho que cheguei tarde nesta discussão. :-)
    .
    Em primeiro lugar, graaaaande Júlio! Gente fina! Saudades de você, meu brother!
    .
    Sem querer rivalizar em conhecimento, vou me atrever a tecer algumas considerações sobre o texto.
    .
    1) A primeira objeção é quanto ao algoritmo da evolução, que não tem como resultado a sobrevivência em si mesma, mas a perpetuação da espécie. Vista desta forma, a luta pela sobrevivência é apenas um capítulo intermediário na busca pela reprodução.
    .
    A luta pela sobrevivência não pode, então, ser reclamada como o resultado que levaria determinados seres vivos a projetarem-se evolutivamente para além da matéria. A menos que tais seres, por pressão seletiva, vislumbrassem a possibilidade de reproduzirem-se além da morte. Isto, por si só, trairia toda a lógica da própria evolução, levando estes seres ao autoextermínio como solução de continuidade. Se isso fosse verdadeiro, teríamos que lidar com a história de um grande número de espécies que se autoexterminam, sem mais.
    .
    2) A evolução humana explica, com sucesso, o surgimento da consciência (self). Ela é UM dos resultados da seleção natural. Entretanto, poderíamos ter passado sem ela e nada nos obriga a crer que a consciência humana seja um resultado inevitável, algo que aconteceria de uma maneira ou de outra.
    .
    A evolução nunca “buscou” a consciência. Mas, como brinde, a consciência nos deu a capacidade de irmos muito além e mais do que a própria natureza que a criou. Somos capazes de refletir sobre a própria perpetuação da espécie e fazermos escolhas que vão contra ela.
    .
    3) A pergunta, então, é: seria possível existir um outro gênero ou grau de consciência (igualmente contingente à estrutura cerebral) que teria logrado em algum momento sobreviver à morte do corpo físico e existir em mundo “espiritual”? ((Claro, isso exige uma entidade muito mais extraordinária, que é tudo aquilo que compõe este “mundo espiritual”).
    .
    E, a partir deste salto qualitativo, viesse a tornar-se um patrimônio de toda a espécie, assim como a consciência ordinária?
    .
    4) Mas, assumindo a hipótese, teríamos que admitir em primeiro lugar que as almas humanas são nativas de nosso planeta e originadas em cada corpo que logrou alcançar o além.
    .
    Todavia, isto não leva ao passo seguinte: a reencarnação.
    .
    Se todo corpo gera sua própria alma, seria inútil procurar por um corpo sem alma, capaz de receber uma já existente.
    .
    Para tanto, teríamos que apelar a uma engenharia e uma logística capaz de fazer renascer uma alma em um corpo com alma, o que significaria a fusão de ambas ou o aborto da alma nativa para a introdução da alma que reencarna. Ambos os casos me parecem um contrassenso.
    .
    5) De maneira que a evolução – neste exercício de imaginação – parece capaz de gerar almas que sobrevivem à morte; mas seria completamente incapaz de fazê-las renascer em novos corpos.
    .
    Saudações!

  228. Marcelo Esteves Diz:

    Existe uma entrevista com o Stephen Jay Gould (tentarei localizar), na qual ele afirma que a grande desgraça da espécie humana é, exatamente, a sua inteligência.
    .
    Saudações

  229. Marcelo Esteves Diz:

    Vitor
    .
    Quero lhe sugerir que instale em seu blog aquele plug in que permite nos inscrevermos nos tópicos e sermos notificados por e-mail a cada novo comentário.
    .
    Isso facilitaria muito acompanhar os tópicos dos quais participamos e, acredito eu, tornariam as discussões mais atualizadas.
    .
    Saudações

  230. Vitor Diz:

    Marcelo,
    acredite, eu já tentei isso tem uns 4 meses. Não deu certo. O que o pessoal quer é uma seção no blog com os “comentários mais recentes”, mas não tem suporte ainda pra isso no WordPress.

  231. Julio Siqueira Diz:

    Olá todos colegas!

    Perdoem-me a infinita falta de tempo. Pretendo fazer alguns comentários pelo menos às mensagens de Marcelo (e aí cara! Mil Abraços) e Montalvão. Mas acho que só vou ter tempinho depois que voltar do Sul do Brasil (se eu sobreviver ao frio…) no começo de agosto. Até lá, mesmo que não acreditemos na reencarnação, continuemos sobrevivendo, por favor! :-)

    Abraços,
    Julio Siqueira
    [email protected]

  232. Jurubeba Diz:

    Bom texto sobre reencarnação:
    http://ceticismo.net/ceticismo/teoria-da-reencarnacao/
    .
    Saudações

  233. Julio Siqueira Diz:

    Prezado Montalvão, alguns comentários aos seus comentários.

    MONTALVÃO: A “reencarnação” de parasitas e de genes é tão ou mais estranha. Parece-me que só com boa dose de generosidade poder-se-ia falar em reencarnação na natureza.

    JULIO: O texto meu postado pelo Vitor foi fruto de um questionamento sobre se haveria incompatibilidade entre a reencarnação e a biologia, conforme conhecemos a biologia. Os materialistas chatinhos e apressados estão sempre tentando taxar as ideias espiritualistas de incompatíveis com a ciência conhecida; e apesar de muitas vezes isso ser correto, muitas vezes não passa de exagero xiíta mal refletido. Para que eu pudesse refletir sobre possíveis compatibilidades e/ou incompatibilidades entre, de um lado, a biologia por nós conhecida, e de outro, da reencarnação, me foi necessário pensar a fundo *o que é de fato* a reencarnação; ou melhor, que conceito é esse exatamente. Obviamente eu não iria me ater à interpretação viciada e envelhecida (do tipo “rême-rême”) do kardecismo e de outros “ismos” do que seria a reencarnação. Tive que buscar a essência do conceito. E em essência, reencarnar é encarnar novamente. E encarnar é entrar na carne. Basicamente é sair de um lugar-albergue e ir para outro lugar-albergue. E, além disso, tem que ser um albergue vivo (ou seja, o exemplo do Carangueijo Ermitão mudando de concha não vale!). Chegamos então, por estrita demanda lógica, ao conceito de REENCARNAÇÃO 2.0, em verdadeiro upgrade elocubratório :-) . E aí então se descortina diante de nossas vidas toda a exuberância da reencarnação na Natureza.

    MONTALVÃO: Ainda que o autor consiga argumentar favoravelmente à suposição que defende, ou seja, a de que CERTAS ESPÉCIES experimentam uma “espécie” de reencarnação, mesmo assim, não significaria que o processo acontecesse em outra desconhecida e incerta instância dita “espiritual”.

    JULIO: Correto. O texto apenas discorre sobre a *compatibilidade* da reencarnação em si (e em geral), e não da *existência* da reencarnação do espírito que eu nem sei se existe e que mesmo se existir pode nem reencarnar (e nem sobreviver à morte; ou apenas sobreviver à morte por algumas horas… – Ciência é assim. A gente tem que pensar nas possibilidades, e não se antolhar nos dogmas e paradigmas viciados). Aliás, vide o cérebro, que, grosso modo, não reencarna (apesar disso ser questionável…).

    MONTALVÃO: Além disso, há um equívoco lógico na afirmação do nobre autor, ele disse: “Afinal de contas, é justamente isso que OS organismos vivos fazem o tempo todo: sobreviver e reencarnar.”

    JULIO: Senão quanto ao *reencarnar*, espero que o nobre colega concorde pelo menos quanto ao *sobreviver*… (excessão feita, logicamente, ao momento em que eles morrem). Quanto ao reencarnar, ó quanta diversidade reencarnativa na Natureza! Vejam por exemplo os espermatozóides, saindo de um corpo velho para adentrar um fogoso corpitchu jovem e juntar-se (reencarnar!) a um belíssimo e atraente óvulo.

    MONTALVÃO: O exemplo das células cancerosas, que lutam por sobreviver marginalmente, não me pareceu feliz, visto que o resultado dessa “quebra de regras” resulta na destruição do hospedeiro, o que acarreta a derrocada do câncer. Se isso for ilustração reencarnativa…

    JULIO: Novamente, o texto trata de *compatibilidade*, e não de “agradabilidade” ;-) .

    MONTALVÃO: curioso: parasitismo se tornando simbiótico no decorrer do tempo… parece muito otimismo.

    JULIO: Esse processo é clássico na natureza. O parasitismo tende à simbiose.

    No mais, Montalvão, um grande abraço.

    Julio Siqueira

  234. Julio Siqueira Diz:

    Olá Marcelo (Esteves),

    Comentando por partes:

    MARCELO: 1) A primeira objeção é quanto ao algoritmo da evolução, que não tem como resultado a sobrevivência em si mesma, mas a perpetuação da espécie. Vista desta forma, a luta pela sobrevivência é apenas um capítulo intermediário na busca pela reprodução.
    .
    JULIO: *Sobreviver* e *perpetuar a espécie* são situações similares para os efeitos dessa discussão nossa (aliás, perpetuar soa como imortalidade…). E note que a evolução em si, longe de “perpetuar a espécie”, é definida pela *alteração* dessa mesma espécie, e o extremo disso é o eventual aparecimento de uma nova espécie. Tanto a *busca (ou luta) pela sobrevivência* quanto a *busca pela reprodução* são impulsos (processos) biológicos bastante fundamentais; sabe lá Deus por quê…, mas o fato é que são. O efeito prático deles (dentre outros) é, principalmente, a sobrevivência.
    .
    MARCELO: A luta pela sobrevivência não pode, então, ser reclamada como o resultado que levaria determinados seres vivos a projetarem-se evolutivamente para além da matéria.
    .
    JULIO: De fato, não pode ser reclamada. Teria que ser *demonstrada*. O objetivo do texto não é esse. É apenas mostrar que o processo (em termos conceituais) reencarnatório é compatível e, acima disso, lugar-comum mesmo, na biologia. Acima de tudo, não há lugar, em quaisquer reflexões científicas, falar-se em “além da matéria”. Espíritos, Deus, Saci, Belzebu, todos seriam matéria aos olhos da ciência. Se existirem…
    .
    MARCELO: A menos que tais seres, por pressão seletiva, vislumbrassem a possibilidade de reproduzirem-se além da morte.
    .
    JULIO: Mas é exatamente isso que os sistemas vivos fazem o tempo todo. Só não enxergamos isso devido à dicotomia artificial “mundo espiritual vs mundo material”. Meus pais se reproduziram além da morte, e aqui estou eu, que sou 50% eles.
    .
    MARCELO: Isto, por si só, trairia toda a lógica da própria evolução, levando estes seres ao autoextermínio como solução de continuidade. Se isso fosse verdadeiro, teríamos que lidar com a história de um grande número de espécies que se autoexterminam, sem mais.

    JULIO: Mas é exatamente isso que temos. As espécies se autoexterminam para sobreviver. Justamente através da evolução, que as altera. Ao ponto de levar uma bactéria de 3 bilhões de anos atrás chegar a um ser humano (e baleia) moderno.

    Abraços por ora,
    Julio
    .
    JULIO:

  235. Julio Siqueira Diz:

    .
    ESSA MENSAGEM É UMA TENTATIVA DE REPOSTAGEM DA MENSAGEM MAIS ACIMA EM FORMATO MAIS LEGÍVEL…
    .
    .
    .
    Prezado Montalvão, alguns comentários aos seus comentários.
    .
    MONTALVÃO: A “reencarnação” de parasitas e de genes é tão ou mais estranha. Parece-me que só com boa dose de generosidade poder-se-ia falar em reencarnação na natureza.
    .
    JULIO: O texto meu postado pelo Vitor foi fruto de um questionamento sobre se haveria incompatibilidade entre a reencarnação e a biologia, conforme conhecemos a biologia. Os materialistas chatinhos e apressados estão sempre tentando taxar as ideias espiritualistas de incompatíveis com a ciência conhecida; e apesar de muitas vezes isso ser correto, muitas vezes não passa de exagero xiíta mal refletido. Para que eu pudesse refletir sobre possíveis compatibilidades e/ou incompatibilidades entre, de um lado, a biologia por nós conhecida, e de outro, da reencarnação, me foi necessário pensar a fundo *o que é de fato* a reencarnação; ou melhor, que conceito é esse exatamente. Obviamente eu não iria me ater à interpretação viciada e envelhecida (do tipo “rême-rême”) do kardecismo e de outros “ismos” do que seria a reencarnação. Tive que buscar a essência do conceito. E em essência, reencarnar é encarnar novamente. E encarnar é entrar na carne. Basicamente é sair de um lugar-albergue e ir para outro lugar-albergue. E, além disso, tem que ser um albergue vivo (ou seja, o exemplo do Carangueijo Ermitão mudando de concha não vale!). Chegamos então, por estrita demanda lógica, ao conceito de REENCARNAÇÃO 2.0, em verdadeiro upgrade elocubratório :-) . E aí então se descortina diante de nossas vidas toda a exuberância da reencarnação na Natureza.
    .
    MONTALVÃO: Ainda que o autor consiga argumentar favoravelmente à suposição que defende, ou seja, a de que CERTAS ESPÉCIES experimentam uma “espécie” de reencarnação, mesmo assim, não significaria que o processo acontecesse em outra desconhecida e incerta instância dita “espiritual”.
    .
    JULIO: Correto. O texto apenas discorre sobre a *compatibilidade* da reencarnação em si (e em geral), e não da *existência* da reencarnação do espírito que eu nem sei se existe e que mesmo se existir pode nem reencarnar (e nem sobreviver à morte; ou apenas sobreviver à morte por algumas horas… – Ciência é assim. A gente tem que pensar nas possibilidades, e não se antolhar nos dogmas e paradigmas viciados). Aliás, vide o cérebro, que, grosso modo, não reencarna (apesar disso ser questionável…).
    .
    MONTALVÃO: Além disso, há um equívoco lógico na afirmação do nobre autor, ele disse: “Afinal de contas, é justamente isso que OS organismos vivos fazem o tempo todo: sobreviver e reencarnar.”
    .
    JULIO: Senão quanto ao *reencarnar*, espero que o nobre colega concorde pelo menos quanto ao *sobreviver*… (excessão feita, logicamente, ao momento em que eles morrem). Quanto ao reencarnar, ó quanta diversidade reencarnativa na Natureza! Vejam por exemplo os espermatozóides, saindo de um corpo velho para adentrar um fogoso corpitchu jovem e juntar-se (reencarnar!) a um belíssimo e atraente óvulo.
    .
    MONTALVÃO: O exemplo das células cancerosas, que lutam por sobreviver marginalmente, não me pareceu feliz, visto que o resultado dessa “quebra de regras” resulta na destruição do hospedeiro, o que acarreta a derrocada do câncer. Se isso for ilustração reencarnativa…
    .
    JULIO: Novamente, o texto trata de *compatibilidade*, e não de “agradabilidade” ;-) .
    .
    MONTALVÃO: curioso: parasitismo se tornando simbiótico no decorrer do tempo… parece muito otimismo.
    .
    JULIO: Esse processo é clássico na natureza. O parasitismo tende à simbiose.
    .
    No mais, Montalvão, um grande abraço.
    .
    Julio Siqueira
    .

  236. Julio Siqueira Diz:

    .
    Olá Marcelo,
    .
    Continuando…
    .
    MARCELO: 2) A evolução humana explica, com sucesso, o surgimento da consciência (self). Ela é UM dos resultados da seleção natural. Entretanto, poderíamos ter passado sem ela e nada nos obriga a crer que a consciência humana seja um resultado inevitável, algo que aconteceria de uma maneira ou de outra.
    .
    JULIO: Na verdade, de acordo com uma visão que eu consolidei fortemente em mim ao longo dos anos recentes (visão essa alinhada com à de alguns pensadores da área, e contrária à de outros tantos pensadores da área…), não existe mistério maior do que a consciência (experiência subjetiva; aquilo que o filósofo David Chalmers chama de “Hard Problem”, ou “Problema Difícil”). Não há nada, absolutamente nada, que a explique, muito menos a evolução conforme por nós entendida/conhecida, que seria *totalmente incapaz* de levar os organismos a terem consciência. Então na verdade existe, creio eu, uma crescente percepção de que a evolução humana *não explica* o surgimento da consciência.
    .
    MARCELO: A evolução nunca “buscou” a consciência. Mas, como brinde, a consciência nos deu a capacidade de irmos muito além e mais do que a própria natureza que a criou. Somos capazes de refletir sobre a própria perpetuação da espécie e fazermos escolhas que vão contra ela.
    .
    JULIO: Esse é justamente o problema, ou seja: ninguém sabe para quê a consciência poderia servir. Tanto quanto se sabe (ou se consegue vislumbrar, teorizar, bolar, intuir, etc), ela não serve para absolutamente nada… Os processos que você cita acima são realizados, dentro da minha caracterização desses conceitos, não pela consciência e sim pela inteligência. E não há nada que dite que a inteligência seja sempre consciente, havendo mesmo a forte visão de que existem processos inteligentes inconscientes na mente humana. Eles na verdade seriam a regra, enquanto os processos inteligentes conscientes seriam a excessão… Mundo louco esse!
    .
    Abraços,
    Julio
    [email protected]
    .

  237. Marcelo Esteves Diz:

    Grande Júlio!
    .
    É MUITO difícil encontrar pessoas que – como você – estão dispostas a colocar em pauta as próprias dúvidas, em vez de desfilar CERTEZAS. Não é de hoje que sua honestidade intelectual me encanta e, ao contrário do que pensam os intelectuais de plantão, fortalecem sobremaneira os seus argumentos.
    .
    Você sabe que me tornei um “ateu convicto”. Afinal, estes perfis da web não deixam margens a “mais ou menos ateu”, “pós-espírita” ou levemente desconfiado que há mais coisas entre o céu e a Terra do que pode supor nossa vã filosofia.
    .
    Gostei disso: “E não há nada que dite que a inteligência seja sempre consciente, havendo mesmo a forte visão de que existem processos inteligentes inconscientes na mente humana. Eles na verdade seriam a regra, enquanto os processos inteligentes conscientes seriam a exceção.”
    .
    Claro, com todo respeito, é completamente Freudiano. Mas eu acredito piamente nisto.
    .
    Galileu, o primeiro corte epistemológico, tirou a Terra do centro do Universo. Darwin derrubou o Homem do ápice da criação. Freud defendeu que o núcleo ativo da personalidade é o Inconsciente. E NÃO VOU ENTRAR nas reflexões que a Mecânica Quântica nos obriga.
    .
    Para ser MUITO SINCERO com você, compartilho a minha suspeita de que todo o ARCABOUÇO RACIONAL que apresentamos é tão somente uma RACIONALIZAÇÃO de nossos DESEJOS.
    .
    Desta forma , reescreveria sua assertiva da seguinte maneira: “E não há nada que dite que OS DESEJOS sejam sempre conscientes, havendo mesmo a forte visão de que existem DESEJOS inconscientes na mente humana. Eles na verdade seriam a regra, enquanto os processos conscientes seriam a RACIONALIZAÇÃO destes desejos.”
    .
    Júlio, numa boa, eu continuo a crer que somos macacos pelados que aprendemos a mentir. Mentir sobre nossos impulsos, legislar sobre nossos impulsos e compensar estas pulsões por substituição (nunca sublimação).
    .
    Vamos todos nos foder! :-)
    .
    Um grande e carinhoso abraço!
    .
    Marcelo

  238. Julio Siqueira Diz:

    Sábias palavras, Marcelo! :-)
    .
    Devo ainda tentar refletir um pouco sobre alguns dos pontos apresentados por você. [preciso de tempo...]
    .
    Mil Abraços,
    Julio

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)