O Misterioso Dr. Phinuit (2009) por Michael E. Tymn

Artigo interessante do escritor Michael E. Tymn sobre um dos primeiros controles da médium Piper, Phinuit. Eu não acho, entretanto, que Tymn tenha provado o que afirma o resumo, ou seja, que vários pesquisadores tenham concluído pela realidade de Phinuit. Ainda assim o artigo traz à tona episódios pouco conhecidos da mediunidade de Piper.

O Misterioso Dr. Phinuit 

Por Michael E.Tymn 

Resumo: De 1885 até 1896, Leonora Piper, uma médium de Boston estudada por alguns cientistas e acadêmicos ilustres, foi “controlada” por um espírito que se identificou como Phinuit, um médico francês, quando vivo. Os pesquisadores estiveram inicialmente inclinados a acreditar que o Dr. Phinuit fosse uma “personalidade secundária” profundamente enterrada no subconsciente da Sra. Piper. No entanto, muitos deles gradualmente vieram a aceitar Phinuit como um espírito real. 

Assim como a maioria dos seres humanos não tem a capacidade de ouvir vozes ou de receber diretamente comunicações do mundo espiritual, para tal requerendo os serviços de um médium, a maioria dos espíritos aparentemente não possui a capacidade de se comunicar diretamente com os seres humanos e necessitam dos serviços de um espírito “controle”. Pelo menos este parece ser o caso da mediunidade de transe em sua maioria e foi claramente o caso dos médiuns ??de transe mais confiáveis sujeitos à investigação científica durante o final do século XIX e início do século XX, incluindo Leonora Piper, de Boston, Massachusetts.

O principal espírito controle de Piper durante os primeiros sete anos de sua mediunidade se identificou como “Phinuit”, afirmando ser um médico francês, quando vivo. Era tarefa de Phinuit facilitar a comunicação do seu lado do véu, atuar como um “médium” para esse lado. O processo envolvia a Sra. Piper entrar em um estado de transe e o seu espírito aparentemente desocupar seu corpo, em seguida Phinuit assumia o último e usava o mecanismo da voz para transmitir as mensagens de outros espíritos.

Na verdade, havia quatro entidades envolvidas – o consulente (a pessoa que recebe a mensagem), o médium (a pessoa por meio da qual a mensagem é entregue), o espírito comunicador (o espírito que envia a mensagem) e o controle (o espírito que repassa a mensagem do espírito comunicador).

Inicialmente, os pesquisadores acreditavam que Phinuit fosse uma “personalidade secundária” saída do subconsciente da Sra. Piper, e teorizaram que esta personalidade secundária tinha a habilidade de ler mentes. Quando obtiveram informações que eram desconhecidas aos consulentes, ou seja, que não estavam em suas mentes, a teoria de leitura da mente foi ampliada e chamada teloteropatia, que considerou que uma pessoa é capaz, de alguma forma, de acessar as mentes das pessoas em qualquer lugar do mundo. Quando esta teoria aparentemente falhou, avançou-se para a teoria da “alma cósmica”. De acordo com esta teoria, informações, idéias e impressões de todos os tipos estão flutuando em torno dos “éteres” e o subconsciente do médium pode de alguma forma acessar tudo isso.

Mas, à medida que Phinuit e seus sucessores eram estudados, os pesquisadores começaram a abandonar essas teorias em favor da hipótese de espíritos.

O Surgimento do Dr. Phinuit 

A Sra. Piper disse ter descoberto sua capacidade mediúnica em 1884, depois de ser persuadida pelos pais de seu marido a se sentar com o Sr. J. R. Cocke, um médium de cura cego, por causa de um tumor. Cocke alegou ser controlado por um médico francês chamado “Finny”. Durante a segunda sessão com Cocke, Piper, então com 27 anos, perdeu a consciência e foi controlada pelo espírito de uma jovem indiana que deu o nome de “Chlorine”. Durante o seu primeiro ano de mediunidade, Piper também foi controlada por espíritos que se identificaram como “Sra. Siddons”, “Bach”, “Longfellow”, “Commodore Vanderbilt”, “Loretta Ponchini” e “Dr. Phinuit”. Inicialmente, Phinuit vinha apenas para dar conselhos médicos. No entanto, ele se tornou o controle principal de Piper para fins de comunicação. Segundo Piper, Phinuit era “Finny”, o controle do Sr. Cocke. (A pronúncia francesa de Leonora Piper para “Phinuit” soa muito semelhante a “Finny”.) Se ele continuou ou não a trabalhar com Cocke para a cura ao mesmo tempo em que trabalhava com Piper para a comunicação, é desconhecido.

clip_image001

Leonora Piper 

Piper foi “descoberta” por William James, o ilustre professor de Harvard, depois que sua sogra informou-o de uma leitura muito probatório que tivera com Piper. Altamente cético, James sentou-se com Piper e ficou atordoado. “Esta senhora pode à sua vontade passar para um estado de transe, no qual ela é “controlada” por um poder que se apresente como o espírito de um médico francês, e que atua como um intermediário entre o consulente e os amigos falecidos”, relatou James. “… Eu estou persuadido da honestidade da médium, e da autenticidade de seu transe, e… agora eu acredito que ela está na posse de um poder ainda inexplicado.” (Holt, 400)

clip_image002

William James 

Mas James rejeitou a hipótese espírita. “A teoria prima facie, que é a de controle espiritual, é difícil de reconciliar com a trivialidade extrema da maioria das comunicações. Que espírito real, finalmente capaz de visitar novamente a sua esposa nesta terra, não encontraria algo melhor a dizer do que: “você mudou a minha fotografia de lugar”? Este é o tipo de observação que os espíritos apresentados pelo misterioso Phinuit são capazes de declarar. Devo admitir, no entanto, que Phinuit tem outras inclinações. Por várias vezes, quando minha esposa e eu sentávamos junto a ele, ele repentinamente começava longos sermões sobre nossos defeitos internos e falhas externas, que eram muito sinceros, assim como moral e psicologicamente sutis, e muito impressionantes. Estes discursos, embora dados na própria pessoa de Phinuit, eram muito diferentes em estilo do seu discurso habitual, e provavelmente superior a algo que a médium poderia produzir em seu estado natural.” (Myers, 382)

James recebeu muita informação verídica de Phinuit, algumas das quais ele não sabia, mas depois verificou como verdadeiras. Entretanto, ele estava inclinado a aceitar a teoria da teloteropatia. “Apesar disso, tudo no próprio Phinuit parece indicar que ele é um ser fictício.”, ele escreveu. “O seu francês, até onde ele foi capaz de mostrar-me, limitava-se a algumas frases de saudação, que poderiam facilmente ser derivados da memória “inconsciente” da médium; ele nunca foi capaz de entender o meu francês; e as migalhas de informação que ele dá sobre a sua carreira terrena são, como você sabe, escassas, vagas, e soam improváveis, como se sugerissem o hábito de enfeitar de alguém cujo estoque de materiais para invenção é consideravelmente reduzido. Ele é, no entanto, como ele realmente se apresenta: um indivíduo humano definido, com imenso tato e paciência, e grande desejo de agradar e de ser considerado infalível…”

“A coisa mais notável sobre a personalidade de Phinuit me parece ser a extraordinária tenacidade e minúcia da sua memória. A médium foi visitada por muitas centenas de consulentes, metade deles, talvez, sendo estranhos que vieram apenas uma vez. Phinuit conversou com cada um deles durante cerca de uma hora informando fragmentos desconexos sobre pessoas vivas, mortas, ou imaginárias, e acontecimentos passados, futuros, ou irreais. Que memória desperta normal pode manter esta massa caótica de material reunida? Mas Phinuit consegue; pois as possibilidades parecem indicar que, se um consulente voltar depois de um intervalo de anos, a médium, uma vez extasiada, lembraria nos mínimos detalhes o que foi dito na sessão anterior, e começaria a recapitular muito do que foi dito naquela ocasião. Até onde pude descobrir a memória desperta da Sra. Piper não é notável, e toda a constituição de sua memória de transe é algo que eu simplesmente não consegui entender.” (Holt, 456-457). Um dos colegas de James se referiu a Phinuit como um “perfeito canalha”.

Enquanto James e o Dr. Walter Leaf ambos viram Phinuit falhar no francês, o Dr. Richard Hodgson, que foi trazido da Inglaterra para estudar a Sra. Piper, ouviu-o falar francês fluentemente com dois consulentes diferentes (como discutido abaixo). Assim, este aspecto é especialmente enganador.

Phinuit disse a Hodgson que o seu nome completo, enquanto vivo, era Jean Phinuit Sclivellee, mas que ele era conhecido como Doutor Phinuit. Ele disse que morreu com 70 anos, “por volta” de 1860.

clip_image003

Dr. Richard Hodgson 

Ele deu o nome de sua esposa como Marie Latimer. No entanto, ele depois disse ao professor Oliver Lodge (mais tarde, Sir Oliver), que estudou Piper, na Inglaterra, que seu nome era John Phinuit Schelevelle e que o nome de sua mulher era Mary. Enquanto Jean/John e Marie/Mary possuem o mesmo significado, nunca foi explicado por que ele deu diferentes versões do nome ou grafias diferentes do seu sobrenome. Ele disse a ambos Hodgson e Lodge que ele nasceu em Marselha “por volta” de 1790 e estudou medicina em “Metz”. (Metz era francesa até 1870, quando foi cedida para a Alemanha). Ele informou a Lodge que morreu de lepra. Tentativas de encontrar alguma evidência documentada da existência de Phinuit não foram bem sucedidas, apesar de as referências modernas não fornecerem nenhuma indicação quanto à extensão das investigações. Sabe-se que muitos registros públicos foram destruídos nos levantes civis após a guerra franco-prussiana de 1870.

clip_image004

Sir Oliver Lodge 

Entrando em Transe 

Henry Holt, um editor, autor, filósofo e pesquisador psíquico, descreveu uma sessão que teve com Piper, em 1894: “Depois de estarmos sentados um minuto ou dois, os olhos da Sra. Piper rolaram para cima, seu rosto ficou levemente agitado, e ela começou a falar com uma voz áspera que não a dela própria. Pelo que me lembro, a voz primeiro me impressionou como se estivesse vindo de uma estátua, mas logo me acostumei com isso. Ela estava aparentemente “sob o controle” de Phinuit, um suposto médico francês … às vezes parecia haver mudanças de controle não anotados no relatório …” (Holt, 380-381)

Lodge relatou vários graus de intensidade, e acrescentou que, ocasionalmente, ela não era capaz de alcançar o estado de transe. “Nos tempos passados, entrar em transe parecia ser um processo bastante doloroso, ou ao menos um processo que envolvia esforço muscular; havia certa contorção do rosto, e às vezes uma pequena ruptura do cabelo; e as mesmas ações acompanhavam o retorno da consciência”, relatou, referindo-se às suas observações durante 1889 e 1890, acrescentando que ela sentava-se em sua cadeira com a cabeça um pouco inclinada e os olhos fechados, e com as duas mãos disponíveis para segurar objetos ou a mão do assistente, dos quais ela poderia adivinhar informações. (Lodge, 262)

“A saída do transe foi gradual, e a semi-consciência durou vários minutos, durante os quais sentenças murmuradas foram proferidas, e os olhos, se abertos de algum modo, apenas fitavam à moda sonâmbula, até quase de repente, eles assumiram uma aparência natural e a Sra. Piper voltou a si”, Lodge continuou. “Mesmo assim, no entanto, por meia hora ou mais após o transe haver desaparecido, a médium continuou um pouco atordoada e apenas parcialmente a si mesma.” (Lodge, 264)

J. Rogers Rich, um dos consulentes a quem Phinuit falou francês, ofereceu esta descrição de sua primeira sessão em 5 de setembro de 1888[1]: “Ela entrou em transe com alguma dificuldade… e depois de um momento de silêncio… eu fiquei assustado com a mudança notável em sua voz – um grito, uma espécie de grunhido de satisfação, como se a pessoa houvesse chegado ao seu destino e desse vazão ao seu prazer depois disso por este som, pronunciado com uma voz inconfundivelmente masculina, mas bem rouca. Eu fui imediatamente abordado em francês…” (Holt, 419) Phinuit escreveu, em seguida, o nome original de Rich no alfabeto francês: Thames Rowghearce Reach.

Numa sessão posterior, Phinuit disse a Rich que seu velho amigo Newell estava lá. Rich pediu a Phinuit para repetir o nome. “O nome foi repetido com um forte sotaque estrangeiro, e na voz e tom familiares do Doutor (Phinuit). Pareceu por um momento haver uma mistura de vozes, como se numa disputa, seguido de silêncio e da respiração pesada da médium. Imediatamente fiquei surpreso ao ouvir, em um tom totalmente diferente e no mais puro sotaque inglês, [Newell].” (Holt, 421) Assim, parecia que Phinuit tinha entregue o controle do organismo da Sra. Piper para Newell, que em seguida discutiu assuntos pessoais com Rich, mencionando uma série de nomes que Rich tinha certeza a Sra. Piper não poderia ter tido conhecimento. Rich também observou a Sra. Piper aparentemente torcendo um bigode imaginário, um dos velhos hábitos de Newell.

Quando Newell partiu, Rich observou “a perturbação habitual na condição da médium, e, em seguida, a retomada da voz, do sotaque e dos maneirismos familiares do Dr. Phinuit”. (Holt, 422)

Ainda em outra sessão, Rich observou o que ele interpretou como Phinuit cedendo o controle do corpo de Piper para outro velho amigo. O amigo disse a Rich que Phinuit estava bem ao lado dele e guiando-o.

Holt ainda relatou: “Ainda que alguém zombe ou ore, ao menos vai valer a pena usar um pouco a imaginação – para ver a médium em transe, com o rosto geralmente tão inexpressivo como se uma estátua estivesse falando, falar em dado momento alguma grosseria nos tons profundamente ásperos de Phinuit; a seguir, com a mesma voz suavizada para a brandura, acariciar uma criança; então, talvez uma volta aos tons rudes e algum sarcasmo dilacerante de um controle intrometido; ainda talvez saindo da mesma boca, a voz de uma criança cantando a canção do barquinho – tudo acontecendo em meio a parentes chorosos que se juntam na canção, com o simpático Hodgson auxiliando a performance, e provavelmente perplexo demais para saber se ele está no céu ou num hospital de alienados” (Holt, 482-483 ).

Em uma sessão, Hodgson perguntou a Phinuit se ele se levantaria. “A Sra. Piper se levantou sem alterar a posição de seus pés”, informou Hodgson, “ao mesmo tempo jogando a cabeça ligeiramente para trás e o peito para a frente, e trespassando os polegares alegremente sobre o que teriam sido as cavas de seu colete caso ela estivesse usando um.” (Holt, 405)

Phinuit disse a Hodgson que é um trabalho difícil para ele assumir o controle da médium, e houve momentos em que ele não podia fazê-lo. Em uma sessão em 22 de junho de 1895, Phinuit comunicou: “Quando ela sai eu vejo o seu espírito e eu entro por um cordão enquanto ela sai. Às vezes ela me vê enquanto nós passamos e ela tenta voltar e lutar comigo, não disposta a sair.” (Holt, 860)

Gurney Assume o Controle 

A Sociedade para Pesquisas Psíquicas (SPR), conseguiu que a Sra. Piper viajasse para a Inglaterra, em dezembro de 1889 para ser estudada lá por Frederic WH Myers e o Professor Lodge. Em 21 de dezembro de 1889, Lodge estava testando Phinuit, entregando-lhe (a mão de Piper controlada por Phinuit) vários objetos relacionados a pessoas falecidas para adivinhação. Após Lodge ter-lhe uma foto de um colega falecido e Phinuit ter fornecido informações sobre o colega, Lodge entregou-lhe uma carta escrita por Edmund Gurney, que junto com Myers, e os professores William Barrett e Henry Sidgwick, fundou a SPR em 1882. Gurney morreu em 1888. Com a carta [na mão da Sra. Piper], Phinuit disse que não poderia lê-la palavra por palavra, mas ele poderia dizer-lhe que tinha algo a ver com livros. Então, Phinuit pareceu sair e uma nova personalidade tomou “controle” do organismo da Sra. Piper. Era Edmund Gurney.

Lodge lembrou que Gurney costumava se sentar em suas palestras sobre mecânica e física e iniciou uma amizade com ele, às vezes discutindo assuntos psíquicos durante o almoço. “Eu estou aqui, eu existo etereamente”, Gurney, disse a Lodge diretamente, i.e., sem Phinuit facilitar. “Eu escrevi a você sobre alguns livros para a Sociedade. Eu vi uma pequena mulher que é uma médium, uma médium de verdade. Escrevi para Myers usando sua mão. Eu fiz isso, eu, Edmund Gurney, eu.” (Holt, 431) Lodge ficou temporariamente em estado de choque ao ouvir a voz de Gurney e esqueceu-se de tomar notas. Quando ele recuperou a compostura, Lodge questionou Gurney tanto sobre Piper quanto sobre Phinuit. Gurney lhe disse que Piper era uma médium de verdade. Quanto a Phinuit, ele disse: “Ele não é tudo o que alguém desejaria ser, mas ele é legal.” (Holt, 432)

Ficou claro que Gurney estava confuso e fazendo um grande esforço. Em um momento, ele disse: “Você é Lodge. Eu te conheço. Lodge, vamos vencê-los ainda. Não há morte, apenas uma sombra e então Luz. Experiência e observação são indispensáveis. Nós temos que usar algum método como este para comunicar …” (Holt, 432)

Quatro dias mais tarde, Lodge sentou novamente com a Sra. Piper e Phinuit estava falando quando ele pareceu sair. No entanto, Lodge ouviu Phinuit dando em sotto voce (sussurros) instruções para alguém. Era Gurney novamente. Ele assumiu o controle e falou diretamente com Lodge. “É o único meio, Lodge. Em um sentido é ruim, mas em outro é bom. É seu trabalho. Se tomo posse do corpo da médium e ela sai, então posso usar seu organismo para contar ao mundo verdades importantes. Há um poder infinito acima de nós. Lodge, acredite nisto plenamente. Infinito, sobre tudo; a maior das maravilhas.” (Holt, 433)

Gurney disse a Lodge que é fácil reconhecer um médium de seu lado já que eles aparecem como uma bola de luz. Lodge, por outro lado, parecia a ele tão escuro e material quanto possível. “Eles são como janelas transparentes para se ver através”, Gurney disse a Lodge, se referindo aos médiuns. “Lodge, é um quebra-cabeça. É um quebra-cabeça para nós aqui de certa maneira, embora entendemo-lo melhor que vocês. Trabalho nisso muito. Mesmo. Eu daria qualquer coisa para descobrir. Eu não me preocupo com coisas materiais agora, nosso interesse é muito maior. Estou estudando muito como me comunicar; não é fácil. (Holt, 433)

Lodge perguntou Gurney sobre Phinuit. “O Dr. Phinuit é um tipo peculiar de homem. Ele está continuamente ocupado e envolvido com todos.” Gurney respondeu. “É excêntrico e singular, mas de bom coração. Eu não faria as coisas que ele faz por nada. Ele se rebaixa algumas vezes—é uma grande pena. Tem idéias muito curiosas sobre coisas e pessoas; ele recepta muito sobre as pessoas delas mesmas (?). E capta expressões e frases que ninguém se importa, frases vulgares que ele apreende ao encontrar pessoas estranhas por meio da médium. Estas coisas o divertem e ele fica a repeti-las. Ele me disse outro dia, “Sr. Gurney, o que você acha que um cavalheiro me disse outro dia: ele disse “Coloque  isso no seu cachimbo e fume, Doutor.” Estas coisas o divertem e ele as repete. Tem que entrevistar um grande número das pessoas e não há nenhum jeito cômodo de fazê-lo. Um homem de alto gabarito não poderia fazer o trabalho que ele faz. Mas é um velho sujeito de bom coração. Adeus, Lodge. Aí vem o Doutor”. (Holt, 434)

Numa sessão posterior, Phinuit novamente deu lugar a Gurney. Lodge observou uma mudança significativa na voz. “É notavelmente difícil de se comunicar”, Gurney disse a Lodge. “Todo o tempo que estive aqui só achei duas médiuns além desta. Mais pessoas podem ser médiuns, mas muitos não serão quando podem.” (Holt, 435)

Lodge perguntou a Gurney o que constitui um bom médium. “Não muita espiritualidade, e não muito animalismo. Não são as pessoas mais elevadas, e nem as mais baixas.” Gurney respondeu. “São compreensivos, e não muito conscientes de si mesmos. Capazes de deixar suas mentes entregues a outros. Esse tipo de pessoa, facilmente influenciável. Muitos podiam, mas seus orgulho e senso de si vêm e o estragam. (Holt, 435)

Lodge perguntou se Phinuit é de confiança.

“Não perfeitamente.” Gurney respondeu. “Ele não é nem um pouco infalível. Mistura as coisas terrivelmente às vezes. Faz seu melhor. É um bom homem; mas fica confuso, e quando ele não pode ouvir distintamente, completa ele próprio. Ele ocasionalmente inventa coisas, certamente inventa. Às vezes trabalha muito duro.” (Holt, 436)

Gurney prosseguiu dizendo a Lodge que Lodge é um médico astuto e é muito perspicaz para com suas queixas. Ele afirmou que Phinuit pode fazer muitas coisas que ele não pode fazer, mas mais uma vez mencionou que ele está longe de ser infalível. Quando Lodge perguntou se Phinuit podia ver o futuro, Gurney disse que ele não tinha adentrado nisso, mas que ele (Gurney) não podia. No entanto, ele pensou Phinuit pode ter a capacidade de ver um pouco para o futuro.

Lodge observou que ele não tinha a sensação de estar falando com a Sra. Piper em absoluto. “A maneira, modo de pensar, tom, segmentos de idéia, são todos diferentes. Não se fala mais a uma senhora, mas a um homem, um homem velho, um médico. Tudo isto só pode ser assim vividamente sentido, mesmo por alguém que considere a personificação um consumado ato de representação.” (Holt, 426)

As Observações de Lodge 

Lodge testou o conhecimento médico de Phinuit e o achou muito competente nessa área. “Aliás, as declarações médicas, coincidindo de verdade como as de um médico regular, mas dadas sem qualquer exame costumeiro e às vezes sem mesmo estar vendo o paciente, devem ser mantidas como parte da evidência, estabelecendo um caso à prima facie forte no que tange à existência de algum meio anormal de aquisição de informação. Não se deve supor que ele é mais infalível que os outros. Há um caso definitivo de um distinto erro num diagnóstico…” (Holt, 427)

Mas Lodge observou que Phinuit “pescava” por informações às vezes e ocasionalmente adivinhava. “O processo de pescaria é mais marcante quando a própria Sra. Piper não se sente bem ou está cansada… quando ele não pesca, simplesmente tira de sua memória e reconta velhos fatos que contou antes, ocasionalmente com adições próprias que não os melhoram. Sua memória parece ser de tenacidade e exatidão extraordinárias, mas não de infalibilidade; e seus lapsos introduzem erros. (Holt, 427)

Numa sessão posterior, Lodge perguntou a Phinuit por que o espírito comunicante não poderia assumir o controle e falar diretamente, assim como Gurney tinha feito, ao invés de Phinuit ter que retransmitir a mensagem, ao que Phinuit respondeu: Sim, o Sr. Gurney faz isso, mas o Sr. Gurney é um homem de ciência, que adentrou nessas coisas. Ele vem e me põe para fora às vezes. Seria um local muito estreito em que o Sr. Gurney não alcançaria.” (Holt, 437)

George Pellew Assume o Controle 

Não muito tempo depois Hodgson assumiu a filial americana da SPR (ASPR), em Boston, ele conheceu George Pellew, um associado da ASRP (Foi-lhe dado o nome “Pelham” nos registros da pesquisa e, geralmente, referido como “GP”). Membro de uma proeminente família de Nova York e um graduado de Harvard com uma licenciatura em Direito, Pellew foi um escritor e poeta, de autoria de pelo menos seis livros, incluindo biografias dos estadistas John Jay e Henry Addington. Hodgson teve várias discussões filosóficas longas com Pellew, que lhe disse que ele não poderia conceber a vida após a morte, mas que, se ele morresse antes de Hodgson, ele tentaria deixar Hodgson saber.

Como resultado de uma queda por um lance de escadas, Pellew morreu em fevereiro de 1892, aos 32 anos. Um pouco mais de um mês depois, Hodgson começou a organizar sessões com a Sra. Piper para as pessoas que conheciam Pellew. Cerca de dois meses depois da morte de Pellew, Jim e Mary Howard tiveram uma sessão. Apesar de não acreditar em tais coisas, eles foram persuadidos a participar por um outro amigo que teve uma leitura muito probatória três semanas antes. Como era o procedimento, Hodgson não disse a Piper seus nomes ou deu-lhes qualquer indício a respeito de sua ligação com Pellew. Ainda assim, Pellew comunicou. No entanto, ao invés de Phinuit falar através de Piper e transmitir as mensagens de Pellew, Pellew tomou o corpo de Piper e falou diretamente com seus amigos. “Jim, é você?” Hodgson registrou a saudação inicial de Pellew. “Fale comigo rapidamente. Eu não estou morto. Não pense em mim morto. Estou muito feliz em vê-lo. Você não pode me ver? Não está me ouvindo? Mande lembranças para o meu pai e diga-lhe que eu quero vê-lo. Estou feliz aqui, e ainda mais já que eu posso me comunicar com você. Tenho pena dessas pessoas que não podem falar…” (Holt, 468)

Pellew passou a dizer a seus amigos que ele era muito limitado no que ele podia fazer já que ele tinha acabado de “despertar para a realidade da vida após a morte”, acrescentando que ele ficou muito surpreso já que ele não acreditava em uma vida futura. Ele lhes disse que era tudo escuridão no início e que ele ficou perplexo e confuso. Ele disse que podia ver Jim, mas que sua voz soava como um grande bumbo. Jim Howard perguntou a Pellew se ele ficou surpreso de encontrar-se ainda vivo. “Perfeitamente”, respondeu Pellew. “Muito surpreso. Eu não acreditava em uma vida futura. Isto estava além dos meus poderes de raciocínio. Agora é tão claro para mim como a luz do dia. Nós temos um fac-símile astral do corpo material.” (Holt, 468)

Numa sessão posterior, os Howards trouxeram sua filha, Katharine. Pellew chegou e perguntou Katharine sobre suas aulas de violino, comentando (aparentemente brincando) que seu tocar era “horrível”. Não percebendo o humor nisso, Mary Howard buscou defender a música de sua filha, mas Pellew então explicou que ele mencionou isso porque isso é o que ele costumava dizer quando encarnado. A intenção era a verificação da sua identidade. Phinuit então entrou e tomou de volta o controle de Pellew, gritando: “Você não me venha com essa. George Pellew é um sujeito muito inteligente, mas eu vou dizer a vocês que ele passou por mim, e vocês sabem o que ele fez, ele a deixou ir sem sinalizar para mim em absoluto; ele fez isso por engano, ele me disse depois, e então eu voltei a dizer-lhe…” (Holt, 473). Phinuit então começou a falar em francês para Katharine, que viveu na França e conhecia bem a língua. (Hodgson observou que pouco disso foi registrado já que o taquígrafo não sabia francês.) Alguém que Mary Howard conheceu como Madame Elisa então interrompeu Phinuit, falando em italiano. Mary Howard respondeu em italiano. (Deve-se ter em mente que Piper não sabia francês ou italiano).

Em outra sessão, houve alguma confusão por parte de Pellew em responder às várias perguntas que lhe foram colocadas por Howard. Pellew explicou que ele estava um pouco “lento” em sua nova esfera e que a sua memória não era muito diferente do que quando ele estava no plano terreno, isto é, que ele não poderia sempre recordar tudo em um momento. Ele passou a dizer que ele tinha perdido a noção do tempo em seu novo ambiente. Mas ele estava determinado a deixar a sua identidade clara. “Hodgson, quero dizer, e Jim, eu quero que ambos sintam que eu não sou uma personalidade secundária da médium”, ele lhes disse, acrescentando que ele vive, pensa, vê, ouve, sabe, e sente tão claramente como quando ele estava na vida material “… mas não é tão fácil explicar a vocês como vocês naturalmente suporiam, especialmente quando os pensamentos têm de ser expressos materialmente através de substâncias.” (Holt, 477)

Hodgson perguntou a Pellew o que acontece com a médium durante o transe. “Ela desmaia como quando seu etéreo sai enquanto você dorme” Pellew respondeu. Hodgson, em seguida, perguntou se há um conflito porque a substância do cérebro está, por assim dizer, saturada com suas tendências de pensamento. “Não, não é isso”, respondeu Pellew, “mas a substância sólida chamada cérebro, é difícil controlá-lo, simplesmente porque ele é material… a mente dela deixa o cérebro vazio, por assim dizer, e eu mesmo ou outra mente espiritual ou pensamento assume o cérebro vazio, e é aí onde e quando o conflito surge.” (Holt, 477)

Pellew passou a explicar que ele estava na vida real e Hodgson na vida sonhada. “Você para nós é mais parecido como nós entendemos o sono, você parece calado como um preso, e de modo para que possamos entrar em comunicação com você, temos que entrar em sua esfera, como alguém igual a você, dormindo. Isso é exatamente porque cometemos erros como vocês os chamam, ou ficamos confusos e perturbados, por assim dizer.” (Holt 529)

Mudança da Fala para a Escrita 

Como Pellew gradualmente aprendeu a “gerir a luz”, ele usurpou grande parte da autoridade de Phinuit. Phinuit queixou-se a Hodgson de Pellew ser muito dominador. “Eu nunca vi o tipo daquele camarada George”, resmungou Phinuit a Hodgson e ao Professor William Newbold em uma sessão de 25 de junho de 1894. “Há outro aqui tentando dizer algo, mas ele não dá chance alguma. Quando ele se apodera ele de fato se apodera, eu lhe digo, Hodgson.” (Holt, 590)

Enquanto Phinuit assumia o comando e subordinava Pellew a um papel de assistente, a Sra. Piper começou a mudar de uma médium de transe fônica para uma médium de transe psicógrafa. Quando a Sra. Piper visitou outra vez a Inglaterra em 1906, Lodge novamente sentou-se com ela e notou grandes diferenças. Agora, ela se sentava em uma mesa e descansava a cabeça sobre um travesseiro em cima da mesa, com o rosto para a esquerda. O material para escrever era colocado no lado direito, geralmente 100 folhas em branco e quatro ou cinco lápis macios de chumbo. Depois que ela ia para o estado de transe, o experimentador tinha que organizar o papel e colocar um lápis na mão para que ela pudesse escrever convenientemente, e ele tinha que remover rapidamente cada folha de papel depois de ter sido preenchida.

Pellew aparentemente treinou outros espíritos sobre como usar a mão de Piper e ficou à disposição para ajudá-los. Uma consulente, identificada apenas como “Sra. M.” por Hodgson afirmou que o método GP (Pellew) de comunicação foi ainda mais convincente do que o método de Phinuit, “… talvez a coisa mais convincente é o acúmulo de pequenos toques de personalidade que tornam as sessões tão reais para mim, mas o que seria impossível de reproduzir em papel”, ela escreveu para Hodgson. “Peculiaridades de expressão na escrita e de modos naquela mão incrivelmente dramática da Sra. Piper. Qualquer pessoa que tenha uma boa sessão com a Sra. Piper saberá exatamente o que quero dizer. Sente-se que a mão está viva com uma personalidade distinta muito diferente da de Phinuit. O comportamento da mão quando esta é controlada pelo meu marido ou pelo meu irmão é tão distinto e tão característico dos dois homens como qualquer coisa do tipo poderia ser.” (Holt, 517)

Numa sessão de 17 de junho de 1895, o Professor Newbold perguntou a Pellew a diferença entre a escrita e a fala. Pellew respondeu que a diferença não era evidente para ele. “Eu só sei que eu estou escrevendo por ter sido dito disso por Hodgson” Pellew escreveu através de mão de Piper. (Holt, 590) Quando Newbold perguntou a Pellew o que Phinuit fazia enquanto ele estava controlando a Sra. Piper, Pellew disse que Phinuit “falava com John H. e alguns outros milhões ao mesmo tempo me ajudando a segurá-los e impedindo-os de me interromper”. (Holt, 590)

Até a partida de Phinuit em 1896, Pellew e Phinuit muitas vezes trabalharam juntos como controles. Hodgson informou que houve momentos em que um espírito comunicante estava falando através da voz de Piper enquanto outro espírito entregava uma mensagem através da mão. Em duas sessões, Hodgson experimentou colocar papel e lápis em ambos os lados de Piper. A irmã falecida do consulente escreveu com uma mão enquanto Pellew escreveu uma mensagem de outro espírito com a outra mão, ao mesmo tempo em que Phinuit falava e entregava uma mensagem de um terceiro espírito – “tudo ao mesmo tempo sobre assuntos diferentes.” (Lodge, 252) No entanto, muito pouco foi escrito com a mão esquerda, aparentemente porque ela não foi treinada para escrever.

“Vários comunicadores podem estar em contato com esta “luz” (a médium), ao mesmo tempo” Hodgson registrou. “Há duas ‘massas’ principais disto em seu caso, uma em conexão com a cabeça, a outra em conexão com o braço e a mão direita. Ultimamente, aquela em conexão com a mão direita tem sido mais ‘brilhante’ do que aquela em conexão com a cabeça. Se o comunicador entra em contato com a ‘luz’ e pensa seus pensamentos, eles tendem a ser reproduzidos por movimentos no organismo da Sra. Piper. Muito poucos podem produzir efeitos vocais, mesmo quando em contato com a ‘luz’ da cabeça, mas praticamente todos podem produzir movimentos de escrita, quando em contato com a ‘luz’ da mão.” (Lodge, 247)

À medida que mais e mais comunicações vinham por meio da mão, diretamente ou assistidas por Pellew, o trabalho de Phinuit se tornou o de “guardião”, segurando “espíritos terrestres” que tentavam usar a “luz”. Em algum momento em 1895, a qualidade das mensagens começou a deteriorar-se e havia indícios de que mais e mais espíritos terrestres eram capazes de passar o “portão” e controlar a Sra. Piper. Os falecidos escritores Sir Walter Scott e George Eliot supostamente se comunicaram diretamente através da mão de Piper, mas a natureza da comunicação sugere impostores.

A Partida do Dr. Phinuit 

Pellew e Phinuit gradualmente deram lugar a “Rector” do bando Imperator, um grupo de espíritos avançados que tinham controlado o Rev. William Stainton Moses várias décadas antes. Rector disse-lhes que organismo de Piper estava enfraquecendo e precisava de um descanso. Enquanto Rector e o bando de 49 continuaram a usar o organismo de Piper, isso foi com mais cuidado do que Pellew e Phinuit poderiam proporcionar. Rector disse que eles estavam substituindo uma “melodia suave” por um dialeto áspero, desarmônico e inculto, referindo-se principalmente a Phinuit. Embora não fosse um “terrestre da terra”, Rector disse que Phinuit era sujeito demais aos atrativos das mentes terrenas.[2] Phinuit fez sua última aparição em 26 de janeiro de 1896.

Em 8 de junho de 1897, Pellew advertiu Hodgson para não aceitar mais nada como vindo dele, o que implica que poderia ser um espírito preso à terra posando como ele. Ele acrescentou que ele poderia não ter o prazer de vê-lo por um longo tempo. Rector advertiu Hodgson para não confiar demais em Pellew já que ele estava “muito longe”, i.e., muito avançado, para ser eficaz. “Seu espírito é puro, sua mente sincera, toda a sua vida aqui é honrosa e uma para ser respeitada por todos nós”, escreveu Rector através da mão de Piper. “Ainda assim, nós falamos a verdade e dizemos que o trabalho dele em seu campo está feito.” (Holt, 591) No entanto, Pellew aparentemente continuou como assistente de Rector por alguns anos, pelo menos até 1904.

Em 1906, quando a Sra. Piper voltou para a Inglaterra, Lodge perguntou a Rector sobre Phinuit e foi informado de que ele tinha avançado e ido para outro trabalho.

Conclusões 

O surgimento de George Pellew como um controle para a Sra. Piper moveu muitos dos pesquisadores da hipótese de personalidade secundária para uma crença em espíritos reais. Havia simplesmente evidência demais que Pellew sobreviveu e estava se comunicando. Por exemplo, Hodgson observou que de 150 consulentes durante um período de tempo, 30 eram conhecidos de Pellew enquanto vivo. Em cada caso, Pellew cumprimentou-os pelo nome. Além disso, o não reconhecimento dos outros 120 era contrário às teorias telepáticas, teloteropáticas e de alma cósmica. “Conceda toda a telepatia (informação crua), por favor – do consulente e de inteligências encarnadas do mundo inteiro”, escreveu Holt. “Negue, por favor, toda a telepatia que venha de inteligências desencarnadas, você ainda tem que explicar a permuta e o caráter dramático geral dos controles. O que você sugere? Personalidades secundárias da médium? Então você está pronto para admitir que ela tem milhares?” (Holt, 406)

Embora a existência de Phinuit não pudesse ser verificada, não havia nenhuma dúvida de que Pellew viveu na carne, assim como Gurney. Depois de sua morte em dezembro de 1905, Hodgson aprendeu a ter “controle” do organismo da Sra. Piper e também se comunicou. E se Pellew, Gurney, e Hodgson não eram personalidades secundárias enterradas profundamente no subconsciente da Sra. Piper, então por que supor que o Dr. Phinuit era?

Pelo menos deve ficar claro que o Dr. Phinuit não fez nada para merecer ser chamado de “perfeito canalha.”

Bibliografia 

Baird, AT., Richard Hodgson, Psychic Press, Ltd., London, 1949

Holt, H., On the Cosmic Relations ( Boston: Houghton Mifflin Company, 1914.

Myers, F. W. H., Human Personaliti/ and Its Survival of Bodily Death (University Books, 1961

Lodge, Sir Oliver, The Survival of Man ( London: Methuen & Co., 1909

Pedidos de reimpressão para:

Michael. E. Tymn

641 Keolu Dr.

Kailia, HI 96734

e-mail: [email protected] 

Referência original: Tymn, Michael E. The Mysterious Dr. Phinuit. Journal of Spirituality & Paranormal Studies. Jul 2009, Vol. 32,  Issue 3, p. 142-154. 13p. 

Artigo traduzido por Vitor Moura Visoni 



[1] Tymn parece ter cometido um erro de digitação, pois no original de Holt consta 6 de setembro de 1888 (N. T.)

[2] Em inglês: While not “earth earthy,” Rector said that Phinuit was too bound by the attractions of earthly minds. (N. T.)

61 respostas a “O Misterioso Dr. Phinuit (2009) por Michael E. Tymn”

  1. Larissa Diz:

    Então quer dizer que a mediunidade tem de provir dos dois lados? Médium e espírito?
    .
    Há algum médium hoje em dia capaz de realizar o feitos da Sra. Piper?

  2. Vitor Diz:

    Oi, Larissa
    alguns médiuns conseguem passar mensagens sem guias intermediando, e nem precisam entrar em transe.
    .
    Como a Piper pareceu ter existido Hafsteinn Bjornsson, mas ele faleceu na década de 70. Atualmente, o médium que no artigo de Kelly teve as 6 leituras escolhidas corretamente parece ser do tipo da Piper, mas não é fornecido o nome dele.

  3. MONTALVÃO Diz:

    .
    Prezados,
    .
    O artigo assim inicia:
    .

    TYMN: “ASSIM COMO A MAIORIA DOS SERES HUMANOS NÃO TEM A CAPACIDADE DE OUVIR VOZES OU DE RECEBER DIRETAMENTE COMUNICAÇÕES DO MUNDO ESPIRITUAL, para tal requerendo os serviços de um médium, A MAIORIA DOS ESPÍRITOS APARENTEMENTE NÃO POSSUI A CAPACIDADE DE SE COMUNICAR DIRETAMENTE COM OS SERES HUMANOS e necessitam dos serviços de um espírito “controle”. [...]
    .
    COMENTÁRIO: como fica claro, o autor assume a comunicação como realidade, trata-se de escrito apologético. Ao final Tymn , “brilhantemente”, reconhece que o misterioso “Dr. Phinuit” continua misterioso, mas, visto que Piper teria canalizado personalidades conhecidas, pela “lógica”, a realidade de Phinuit deve ser admitida…
    .
    TYMN: “Embora a existência de Phinuit não pudesse ser verificada, não havia nenhuma dúvida de que Pellew viveu na carne, assim como Gurney. Depois de sua morte em dezembro de 1905, Hodgson aprendeu a ter “controle” do organismo da Sra. Piper e também se comunicou. E se Pellew, Gurney, e Hodgson não eram personalidades secundárias enterradas profundamente no subconsciente da Sra. Piper, então por que supor que o Dr. Phinuit era?”
    .
    COMENTÁRIO: Michael Tymn é conhecido por sua radical crença em quase tudo o que cheire a mediunidade, parece ser discípulo de Conan Doyle. Na wikipédia americana consta interessantes informações, dais quais disponibilizo trechos (ATENÇÃO: tradução do google, seguida do texto original):
    .
    .
    “Michael E. Tymn é um americano pseudociência promotor e espiritualista autor conhecido por seus livros sobre a vida após a morte.
    .
    Biografia
    Tymn é um 1958 pós-graduação da Escola de Jornalismo da Universidade de San Jose State. Ele contribuiu com mais de 1.500 artigos de 40 publicações nos últimos 50 anos, embora a maioria destas publicações são paranormal relacionados. Seus metafísicas artigos e paranormais aparecem em FATE, Mistérios, Atlantis Rising, sinais vitais, Venture para dentro, Nexus, Psychic News, Psychic Times eo parapsicólogo cristã. Atualmente é residente de Kailua, Hawaii .
    .
    Tymn é o Vice-Presidente da Academia de Estudos Espirituais e Consciência, Inc. (anteriormente a Academia de Espiritualidade e Estudos Paranormal, Inc., e, anteriormente, a Academia de Religião e Pesquisas Psíquicas), e editor-chefe de suas duas publicações, O Jornal de Espiritualidade e Estudos Paranormal e O Searchlight revista. [1]
    .
    Tymn afirma que a sobrevivência da consciência após a morte tenha sido comprovada [2] e diz que ele é impelido a levar esta prova para a atenção dos outros, especialmente aqueles em desespero. [3] Ele também afirma ter uma biblioteca de cerca de 700 livros sobre a vida após a morte.
    .
    Tymn tem um fundo religioso e agora se descreve como um “cristão heterodoxo”. [4] Ele co-executado Branco Corvo Livros uma empresa espiritualista editora que afirma médiuns históricas fraudulentas eram genuínas. [5]
    .
    Espiritismo
    .
    Tymn tem nenhum treinamento formal em ciência , mas ele promove o seu trabalho como sendo baseada em idéias científicas. Sua obra não reconhece estudos que desmascaradas muitos dos primeiros médiuns. Tymn ignora qualquer evidência de fraude em mediunidade.
    .
    Tymn é um espiritualista , ele acredita que os espíritos podem ser invocados no escuro seance quartos para assumir povos cérebros e corpos de se comunicar com eles em sessões de transe (embora ele nunca tenha experimentado ou witnesed esta se [6] e nenhum dado científico tem sempre provado isto). Ele parece aceitar muitos dos antigos relatórios vitorianas de meios de comunicação com espíritos em sessões espíritas pelo valor de face e reivindicações que eles são genuínos como “evidência científica” para a vida após a morte.
    .
    Na descrição de seu livro O Articular Morto , Tymn escreveu houve “muitos charlatães” no espiritismo ainda no livro ele menciona nenhum meios fraudulentos. [7] Tymn afirma cada meio histórico era genuíno.
    .
    Tymn evita mencionar médiuns que têm auto-confessou a fraude, como Frederick Tansley Munnings e William Roy. Ele também ignora os mágicos como os irmãos Davenport e Anna Eva Fay que enganaram as pessoas a acreditar que eles podiam se comunicar com os espíritos.
    .
    Eva Carriere
    Tymn escreveu a suposta materialização espírito do médium Eva Carriere conhecido como “Bien Boa” era um espírito real. No entanto, um homem chamado Areski admitiu em um artigo de jornal 1906 que a coisa toda era uma farsa e que ele tinha vestido como Boa. [8]
    .
    Carrière tinha usado cortar recortes de rosto da revista francesa Le Miroir como seus ectoplasma rostos. [9] Tymn não menciona qualquer desses fatos em seus livros.
    .
    [...]
    Richard Hodgson
    Tymn escreveu o pesquisador psíquico Richard Hodgson era um cético e só se tornou um crente no espiritismo depois de estudar a mediunidade de Leonora Piper , isso não é verdade. Se Hodgson afirmou testemunhar espíritos ao longo de sua vida. Em 15 Charles Street iria trancar-se no quarto e afirmou que os espíritos estavam em comunicação com ele. Ele trancou a porta do seu quarto e permitiu que ninguém com ele como ele acreditava que iria perturbar a “atmosfera magnética”. [34] Hodgson também foi descrito como um excesso de zelo e uma testemunha pouco confiável por Joseph McCabe, depois de ler uma carta que ele tinha escrito. [35] Nenhum desses fatos são mencionados por Tymn.
    .
    Hodgson foi pessoalmente obcecado com Piper. Ele iria ficar de fora de sua casa, observando-a por longos períodos de tempo, mesmo nas tempestades de inverno de 1888. [36] O psicólogo americano Walter príncipe que sabia Hodgson também comentou que a mediunidade de Piper tinha “destruído” sua mente.[37]
    .
    Embora um crente em mediunidade mental, Hodgson foi um crítico da mediunidade de efeitos físicos, que ele dizia ser fraudulenta. Alguns dos meios que ele expostos como fraudes foram William Eglinton, Eusapia Palladino , Henry Slade e Rosina Thompson. Tymn acredita todos os médiuns eram genuínas. Tymn informações picks-cereja que ele gosta e ignora qualquer evidência de fraude.
    .
    Cecil Husk
    De acordo com Tymn materializações do meio Cecil Husk eram reais. [38] Tymn não menciona que em uma sessão espírita em 1891 Husk foi pego debruçado sobre uma mesa fingindo ser um espírito, cobrindo o rosto com material de fósforo. [39] A mago Will Goldston também expôs o “espírito” materializações de Husk eram falsos. Em uma sessão Goldston escreveu: “Vi logo que era uma máscara de gaze, e que o bigode ligado a ele foi solto de um lado por falta de gengiva. Puxei a máscara. Ele veio, revelando a face de Husk. ” [40] Tymn não menciona a exposição Goldston.
    .
    Gladys Osborne Leonard
    Tymn afirma Gladys Osborne Leonard era um médium genuíno que se comunicava com os espíritos. [41] Em 1917, Edward Clodd examinou a mediunidade de Leonard e escreveu que ela tinha conhecido seus sitters séance antes que ela tinha realizado as sessões, e poderia facilmente ter obtido informações através naturais significa. [42] Tymn não menciona Clodd.
    .
    Em uma sessão de dezembro, 3, 1915 Leonard descreveu uma fotografia do exército com Raymond, filho de Oliver Lodge sentado no chão com um oficial colocando a mão em seu ombro.Tymn acredita Leonard não poderíamos ter sabido sobre esta fotografia por meios naturais e atribuiu as informações como prova para a comunicação espírito porém o cético Walter Mann refutou a interpretação espiritualista da fotografia e descobriu a fraude de Leonard. Leonard já tinha visto a fotografia como ela tinha cinco dias para obter a fotografia antes da sessão. [43]
    .
    Suposto “espírito” de controle de Leonard Raymond foi perguntas específicas e ele não conseguiu responder. Seu controle Raymond não conseguia lembrar o nome de um único soldado que ele tinha sido com antes de sua morte, e não conseguiu dar o nome de um único soldado na fotografia. [44]
    .
    Oliver Lodge
    Tymn acredita filho de Oliver Lodge “Raymond” comunicada por meio Gladys Osborne Leonard, no entanto, o Dr. Charles Arthur Mercier escreveu um livro inteiro desmascarando tanto Lodge e as comunicações “Raymond”. [45] Tymn não menciona Mercier ou o livro. [ 46] Lodge foi crédulo como ele acreditava que a mesa-rap das irmãs Fox era genuíno. Ele foi levado a acreditar que os fenômenos psíquicos e espiritualismo por artifícios. No Salão de São Jorge, Londres o palco mentalista David Devant realizado um ato falso “vidente”, onde ele iria ler uma mensagem selada dentro de um envelope. Oliver Lodge, que estava presente na platéia foi enganado pelo truque e alegou que havia usado Devant poderes psíquicos. Em 1936 Devant em seu livroSegredos de minha mágica revelou o método truque que ele tinha usado. [47]
    .
    Frederic Myers
    Tymns afirma o classicista e pesquisador psíquico Frederic William Henry Myers deu uma forte evidência para a comunicação espiritual. [48] Myers era um espírita devoto que foi enganado por meios fraudulentos, como Gladys Osborne Leonard e Leonora Piper em acreditar espiritismo. Ele não teve educação ciência e pouca compreensão da psicologia. Suas idéias sobre um “eu subliminar” foram rejeitadas pela comunidade científica. [49]
    .
    Myers também era uma fraude, ele teve relações homossexuais com pesquisadores psíquicos e assuntos com os médiuns femininos que investigou a biasedly voto em seu favor. O pesquisador psíquico Trevor H. Salão escreveu Myers teve um caso com o meio Ada Goodrich Freer. [50] O cético Joseph McCabe descoberto informações falsas em Myers livro Phantasms of the Living (1886), um livro que documenta experiências anedóticos de aparições e fantasmas. Myers incluído uma suposta “experiência pessoal” por um juiz aposentado Edmund Hornby envolvendo uma visita de um espírito, no entanto, a coisa toda era uma farsa e Hornby admitiu que não havia nenhuma verdade nele. [51] Myers não fazer investigação adequada sobre o assunto . Não Tymn não mencionar nada disso e descreveu Myers livro como um “excelente trabalho”.
    .
    Stanislawa P.
    Tymn usou uma fotografia do meio Stanislawa P. com ectoplasma em seu blog que ele afirma é genuína. [52] Ela era médium polonês fraudulenta (para não ser confundido com Stanis?awa Tomczyk um meio fraudulento polonês diferente). Em 1930, Stanislawa P. foi testado no Instituto Metapsíquica em Paris. O pesquisador psíquico Eugene Osty suspeita na sessão que Stanislawa libertou a mão do controle. Fotografias lanterna secretos que foram tomadas revelou que sua mão estava livre e ela havia se mudado objetos sobre a mesa da sessão. [53] Tymn não menciona nada disso.
    http://rationalwiki.org/wiki/Michael_E._Tymn

    /
    /
    ORIGINAL
    .
    Michael E. Tymn is an American pseudoscience promoter and spiritualist author known for his books on life after death.
    Biography
    Tymn is a 1958 graduate of the San Jose State University School of Journalism. He has contributed more than 1,500 articles to 40 publications over the past 50 years although the majority of these publications are paranormal related. His metaphysical and paranormal articles appear in FATE, Mysteries, Atlantis Rising, Vital Signs, Venture Inward, Nexus, Psychic News, Psychic Times and the Christian Parapsychologist. He is currently resident of Kailua, Hawaii.
    Tymn is the Vice-President of the Academy for Spiritual and Consciousness Studies, Inc. (formerly the Academy of Spirituality and Paranormal Studies, Inc., and previously the Academy of Religion and Psychical Research), and chief editor of its two publications, The Journal of Spirituality and Paranormal Studies, and The Searchlight magazine.[1]
    Tymn claims that survival of consciousness after death has been proven [2] and says he is impelled to bring this evidence to the attention of others, especially those in despair.[3] He also claims to have a library of approximately 700 books on life after death.
    Tymn has a religious background and now describes himself as an “unorthodox Christian”.[4] He co-runs White Crow Books a spiritualist publishing company that claims fraudulent historical mediums were genuine.[5]
    Spiritualism
    Tymn has no formal training in science, but he promotes his work as being grounded in scientific ideas. His work does not acknowledge studies which have debunked many of the early mediums. Tymn ignores any evidence of fraud in mediumship.
    Tymn is a spiritualist, he believes that spirits can be invoked in dark seance rooms to take over peoples brains and bodies to communicate through them in trance sessions (even though he has never experienced or witnesed this himself [6] and no scientific data has ever proven this). He seems to accept many of the old Victorian reports of mediums communicating with spirits in seances at face value and claims they are genuine as “scientific evidence” for life after death.
    In the description to his book The Articulate Dead, Tymn has written there have been “many charlatans” in spiritualism yet in the book he mentions no fraudulent mediums.[7] Tymn claims every historical medium was genuine.
    Tymn avoids mentioning mediums who have self-confessed to fraud such as Frederick Tansley Munnings and William Roy. He also ignores magicians such as the Davenport brothers and Anna Eva Fay who fooled people into believing they could communicate with spirits.
    Eva Carriere
    Tymn has written the alleged spirit materialization of the medium Eva Carriere known as “Bien Boa” was a real spirit. However, a man called Areski admitted in a 1906 newspaper article that the entire thing was a hoax and that he had dressed up as Boa.[8]
    Carrière had used cut out face clippings from the French magazine Le Miroir as her ectoplasm faces.[9] Tymn does not mention any of these facts in his books.
    […]
    [edit]Richard Hodgson
    Tymn has written the psychic researcher Richard Hodgson was a skeptic and only became a believer in spiritualism after studying the mediumship of Leonora Piper, this is not true. Hodgson himself claimed to witness spirits throughout his life. In 15 Charles Street he would lock himself in his room and claimed that spirits were in communication with him. He locked the door to his room and allowed nobody in with him as he believed they would disturb the “magnetic atmosphere”.[34] Hodgson was also described as an over-zealous and an unreliable witness by Joseph McCabe after reading a letter he had written.[35] None of these facts are mentioned by Tymn.
    Hodgson was personally obsessed with Piper. He would stand outside her house, observing her for long periods of time even in the winter blizzards of 1888.[36]The American psychologist Walter Prince who knew Hodgson well commented that the mediumship of Piper had “wrecked” his mind.[37]
    Although a believer in mental mediumship, Hodgson was a critic of physical mediumship which he claimed was fraudulent. Some of the mediums that he exposed as frauds were William Eglinton, Eusapia Palladino, Henry Slade and Rosina Thompson. Tymn believes all of those mediums were genuine. Tymn cherry-picks information he likes and ignores any evidence of fraud.
    [edit]Cecil Husk
    According to Tymn the materializations of the medium Cecil Husk were real.[38] Tymn does not mention that in a séance in 1891 Husk was caught leaning over a table pretending to be a spirit by covering his face with phosphor material.[39] The magician Will Goldston also exposed the “spirit” materializations of Husk were fake. In a séance Goldston wrote “I saw at once that it was a gauze mask, and that the moustache attached to it was loose at one side through lack of gum. I pulled at the mask. It came away, revealing the face of Husk.”[40] Tymn does not mention the exposure by Goldston.
    Gladys Osborne Leonard
    Tymn claims Gladys Osborne Leonard was a genuine medium who communicated with spirits.[41] In 1917, Edward Clodd examined the mediumship of Leonard and wrote she had known her séance sitters before she had held the séances, and could have easily obtained information by natural means.[42] Tymn does not mention Clodd.
    In a séance on December, 3, 1915 Leonard described an army photograph featuring Raymond the son of Oliver Lodge sitting on the ground with an officer placing his hand on his shoulder. Tymn believes Leonard could not of known about this photograph by natural means and has attributed the information as evidence for spirit communication however the skeptic Walter Mann refuted the spiritualist interpretation of the photograph and uncovered the fraud of Leonard. Leonard had already seen the photograph as she had five days to obtain the photograph before the séance.[43]
    Leonard’s supposed “spirit” control Raymond was asked specific questions and he failed to answer them. Her control Raymond could not remember the name of a single soldier he had been with before his death, and failed to give the name of a single soldier in the photograph.[44]
    Oliver Lodge
    Tymn believes Oliver Lodge’s son “Raymond” communicated through the medium Gladys Osborne Leonard, however, Dr. Charles Arthur Mercier wrote an entire book debunking both Lodge and the “Raymond” communications.[45] Tymn does not mention Mercier or the book.[46] Lodge was gullible as he believed the table-rapping of the Fox sisters was genuine. He was duped into believing psychic phenomena and spiritualism by trickery. At St. George’s Hall, London the stage mentalist David Devant performed a fake “clairvoyant” act where he would read a message sealed inside an envelope. Oliver Lodge who was present in the audience was duped by the trick and claimed that Devant had used psychic powers. In 1936 Devant in his book Secrets of My Magic revealed the trick method he had used.[47]
    Frederic Myers
    Tymns claims the classicist and psychical researcher Frederic William Henry Myers gave strong evidence for spirit communication.[48] Myers was a devout spiritualist who was duped by fraudulent mediums such as Gladys Osborne Leonard and Leonora Piper into believing spiritualism. He had no science education and little understanding of psychology. His ideas about a “subliminal self” have been rejected by the scientific community.[49]
    Myers was also a fraud, he had homosexual relationships with psychical researchers and affairs with the female mediums he investigated to biasedly vote in their favor. The psychical researcher Trevor H. Hall wrote Myers had an affair with the medium Ada Goodrich Freer.[50] The skeptic Joseph McCabe discovered false information in Myers book Phantasms of the Living (1886) a book which documented anecdotal experiences of apparitions and phantasms. Myers included an alleged “personal experience” by a retired Judge Edmund Hornby involving a visitation from a spirit, however the whole thing was a hoax and Hornby admitted there was no truth in it.[51] Myers did not do proper research on the subject. Tymn does not mention any of this and described Myers book as an “outstanding work”.
    Stanislawa P.
    Tymn has used a photograph of the medium Stanislawa P. with ectoplasm on his blog which he claims is genuine.[52] She was a fraudulent Polish medium (not to be confused with Stanis?awa Tomczyk a different fraudulent Polish medium). In 1930, Stanislawa P. was tested at the Institut Metapsychique in Paris. The psychical researcher Eugene Osty suspected in the séance that Stanislawa had freed her hand from control. Secret flashlight photographs that were taken revealed that her hand was free and she had moved objects on the séance table.[53] Tymn does not mention any of this. […]

  4. Marciano Diz:

    1. MONTALVÃO Diz:
    fevereiro 26th, 2014 às 10:16
    ….
    “COMENTÁRIO: como fica claro, o autor assume a comunicação como realidade, trata-se de escrito apologético. Ao final Tymn , “brilhantemente”, reconhece que o misterioso “Dr. Phinuit” continua misterioso, mas, visto que Piper teria canalizado personalidades conhecidas, pela “lógica”, a realidade de Phinuit deve ser admitida…”.
    .
    COMENTÁRIO: Acho que ainda é mais grave do que diz MONTALVÃO. O autor não só assume a comunicação como realidade, como assume conhecimentos de detalhes, tais como os de que “A MAIORIA DOS SERES HUMANOS NÃO TEM A CAPACIDADE DE OUVIR VOZES OU DE RECEBER DIRETAMENTE COMUNICAÇÕES DO MUNDO ESPIRITUAL” (verdade obtida onde, como, de quem?) e de que “A MAIORIA DOS ESPÍRITOS APARENTEMENTE NÃO POSSUI A CAPACIDADE DE SE COMUNICAR DIRETAMENTE COM OS SERES HUMANOS” (como foi feita esta estatística, para se saber detalhes sobre capacidade de “MAIORIA” e “MINORIA” de seres cuja existência não está provada?
    .
    Estou com um “pressentimento” de que poderá ser iniciada nova e longa discussão sobre o sexo dos anjos.
    Tomara que eu esteja errado.
    .
    EM TEMPO:
    MONTALVÃO,
    pela parte que me toca, obrigado pela transcrição do original.

  5. Marciano Diz:

    Também acho bastante conveniente a afirmação de que ” A MAIORIA DOS SERES HUMANOS NÃO TEM A CAPACIDADE DE OUVIR VOZES OU DE RECEBER DIRETAMENTE COMUNICAÇÕES DO MUNDO ESPIRITUAL, para tal requerendo os serviços de um médium, A MAIORIA DOS ESPÍRITOS APARENTEMENTE NÃO POSSUI A CAPACIDADE DE SE COMUNICAR DIRETAMENTE COM OS SERES HUMANOS e necessitam dos serviços de um espírito “controle””.
    .
    Assim fica fácil objetar qualquer pessoa que não consiga comunicar-se com espíritos, de mortos ou que nunca tenham tido vida material, como eu já fiz algumas vezes, até com os supostos “espíritos” manifestando-se no momento. A gente não consegue transmitir pensamentos aos “espíritos”.
    .
    Vai aqui um teste que qualquer um pode fazer, sozinho, em casa (a ideia não é minha):
    .
    Segundo a bíblia, jesus já apareceu várias vezes depois de morto. Por exemplo:
    .
    • Mateus capítulo 28
    • Marcos capítulo 16
    • Lucas capítulo 24
    • João Capítulos 20 e 21
    Segundo João, jesus disse: ” Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei (João 14:14).
    Parece que é comum para jesus materializar-se. Ele já fez isso várias vezes, conforme relatado na bíblia, e aparece para muitos crentes, que falam com ele diuturnamente.
    .
    Experimentem alguma comunicação direta com jesus, materializado ou em espírito.
    Se nem ele consegue, imaginem os outros.
    .
    Qualquer alegação de que não é qualquer um que pode falar com jesus, na hora em que melhor lhe aprouver, é desmentido pela palavra de deus, a bíblia.
    .
    Do jeito que se afirma, qualquer cético que não conseguir se comunicar com um espírito terá a explicação de que ” A MAIORIA DOS SERES HUMANOS NÃO TEM A CAPACIDADE DE OUVIR VOZES OU DE RECEBER DIRETAMENTE COMUNICAÇÕES DO MUNDO ESPIRITUAL”.
    .
    Assim fica fácil explicar espíritos e comunicações com eles.
    Coisa só de gente e de espíritos muito especiais.
    .
    Se bem entendi o conceito explicitado na “lâmina de Ockham”, parece mais fácil que existam pessoas que “dizem” comunicarem-se com espíritos, às vezes e de forma praticamente inútil, porquanto nada de proveitoso resulta desses contatos, do que “algumas” raras pessoas comunicarem-se com “alguns” supostos espíritos, que não sabem nada que uma pessoa de carne e osso não possa saber, sempre de forma nebulosa.

  6. Toffo Diz:

    Por isso que, solertemente, CX dizia que o telefone só tocava de lá para cá. Tal qual a piada: meia-calça é para meia bunda?

  7. Gorducho Diz:

    Existem pessoas que dizem comunicarem-se com espíritos, às vezes e de forma praticamente inútil, porquanto nada de proveitoso resulta desses contatos.

  8. Vitor Diz:

    Montalvão,
    comentando:
    01 – “Na wikipédia americana consta interessantes informações”
    .
    Não é bem a wikipedia americana, é a “rational wiki”. Ambas referente ao paranormal são totalmente enviesadas, muito piores do que Michael Tymn chega a ser. Se Tymn não menciona as exposições, ao menos ele não contou verdadeiras mentiras como a rational wiki fez. Há vários exemplos, Hodgson não expôs Rosina Tompson, ao contrário do que a “rational wiki” alega, muito menos Piper poderia ser chamada de médium fraudulenta. A rational wiki afirma que Leonard viu a fotografia de Raymond, mas isso não é certeza, é suposição.
    .
    Uma pena que a wiki ” red pill” ainda esteja tão pobrezinha: http://redpill.dailygrail.com/wiki/Main_Page

  9. Gorducho Diz:

    Segundo a “lâmina de Ockham”, existem pessoas que “dizem” comunicarem-se com espíritos, às vezes e de forma praticamente inútil, porquanto nada de proveitoso resulta desses contatos.

  10. Larissa Diz:

    Qualquer um coloca o q quiser na wikipedia e sites semelhantes.
    E não que eu ache que espíritos se comuniquem conosco, mas qualquer comunicação, mesmo q absolutamente inútil, deve ser considerada desde que autêntica.

  11. Gorducho Diz:

    E como se saberá que seja autêntica se são inverificáveis por definição, segundo a tese da Casa?

  12. Larissa Diz:

    Inverificável? Não entendi que seja esta a posição da casa…

  13. MONTALVÃO Diz:

    .
    “Estou com um “pressentimento” de que poderá ser iniciada nova e longa discussão sobre o sexo dos anjos.
    Tomara que eu esteja errado.”
    .
    COMENTÁRIO: na parte que me toca está, realmente, errado… dei o meu recado, ato contínuo recolho-me à minha humilde humildade úmida.

  14. Gorducho Diz:

    Está bem, não vamos chegar a lugar nenhum.
    Cada um tem seu ponto de vista: todos respeitáveis. Também paro por aqui.

  15. Larissa Diz:

    Discutir o sexo dos anjos não é tão ruim assim. E me ajudou bastante a me livrar do espiritoidismo. :)

  16. Marciano Diz:

    Acompanho os eminentes colegas MONTALVÃO e GORDUCHO e paro por aqui também, ressaltando que, a despeito da futilidade da discussão, meu entendimento é o de que penico de barro não enferruja.
    Como diria Nelson Rodrigues, é o óbvio ululante.

  17. Larissa Diz:

    Receita de Pavê
    .
    1 pacote de bolacha maisena molhadas
    1/2 copo de leite com
    1 colher de sobremesa da chocolate em pó
    Creme branco:
    1 lata de leite condensado
    1 lata de leite comum (a medida da lata de leite condensado)
    1 colher (sobremesa) de amido de milho
    2 gemas
    Creme de chocolate:
    1 lata de leite condensado
    1 lata de leite comum (a medida da lata de leite condensado)
    1 colher (sobremesa) de amido de milho
    2 gemas
    4 colheres de chocolate em pó
    Cobertura
    4 claras
    4 colheres de açúcar
    1 lata de creme de leite sem soro
    MODO DE PREPARO
    Molhar as bolachas no leite com chocolate (1/2 copo e 1 colher de sobremesa)
    Fazer cada creme juntando seus ingredientes em uma panela e mexer em fogo brando até engrossar
    Para a cobertura:
    Bata as claras com o açúcar até obter claras em neve bem consistentes e só então misturar o creme de leite
    Montagem:
    Coloque em um refratário grande na seguinte seqüência creme branco, metade das bolachas, creme de chocolate, restante das bolachas, claras em neve

  18. Arnaldo Paiva Diz:

    Boa tarde Vitor
    Vitor Diz:
    .
    Oi, Larissa
    alguns médiuns conseguem passar mensagens sem guias intermediando, e nem precisam entrar em transe.
    .
    Como a Piper pareceu ter existido Hafsteinn Bjornsson, mas ele faleceu na década de 70. Atualmente, o médium que no artigo de Kelly teve as 6 leituras escolhidas corretamente parece ser do tipo da Piper, mas não é fornecido o nome dele.
    .
    COMENTÁRIO: prezado Vitor, todo médium tem o seu orientador mediúnico, até mesmo quando ele está sob processo obsessivo, e ele só consegue passar mensagens sem entrar em transe, quando se trata de mensagens através da vidência ou mesmo audiência e em alguma variedade de psicografia.

  19. Arnaldo Paiva Diz:

    Boa noite
    .
    MONTALVÃO Diz:
    .
    Prezados,
    .
    O artigo assim inicia:
    .
    TYMN: “ASSIM COMO A MAIORIA DOS SERES HUMANOS NÃO TEM A CAPACIDADE DE OUVIR VOZES OU DE RECEBER DIRETAMENTE COMUNICAÇÕES DO MUNDO ESPIRITUAL, para tal requerendo os serviços de um médium, A MAIORIA DOS ESPÍRITOS APARENTEMENTE NÃO POSSUI A CAPACIDADE DE SE COMUNICAR DIRETAMENTE COM OS SERES HUMANOS e necessitam dos serviços de um espírito “controle”. [...]
    .
    COMENTÁRIO: como fica claro, o autor assume a comunicação como realidade, trata-se de escrito apologético. Ao final Tymn , “brilhantemente”, reconhece que o misterioso “Dr. Phinuit” continua misterioso, mas, visto que Piper teria canalizado personalidades conhecidas, pela “lógica”, a realidade de Phinuit deve ser admitida…
    .
    MEU COMENTÁRIO: Não tem nada de apologético, a informação é demonstrada pela experiência e investigação. Nem todo Espírito pode se comunicar com um determinado médium, por isso a incompreensão de quem não entende quando não consegue obter comunicação de uma determinada individualidade desencarnada através de um determinado médium, aí dizem que o Espírito não apareceu, e concluem que é porque Espíritos não existem.
    .
    É necessário para que haja a comunicação mediúnica, mais particularmente a psicofonia, que exista uma afinidade fluídica entre o perispírito do Espírito médium, e do Espírito comunicante. Para que possamos fazer uma idéia do que é necessário, usarei como analogia, a transfusão de sangue, ou seja, é como a necessidade da combinação sanguínea numa transfusão de sangue, sem isso não há comunicação.
    .
    Leon Denis tinha um grupo familiar onde ele fazia suas experiências com a mediunidade e do qual surgiram vários livros, e durante vários anos não conseguiu obter uma mensagem sequer do Espírito de seu pai – já falecido – através dos médiuns que faziam parte do seu grupo, foi receber esta mensagem quando de uma viagem de negócios a uma outra cidade. Lá chegando, ao visitar um amigo, se encontrava na casa do mesmo, uma médium a qual ele não conhecia e espontâneamente ela trouxe uma mensagem de seu pai.
    .
    Por outro lado, Kardec diz:
    “Os Espíritos procuram o intérprete que mais simpatize com eles e que lhes exprima com mais exatidão os pensamentos. Não havendo entre eles simpatia, o Espírito do médium é um antagonista que oferece certa resistência e se toma, um intérprete de má qualidade e muitas vezes infiel. E o que se dá entre vós, quando a opinião de um sábio é transmitida por intermédio de um estonteado, ou de uma pessoa de má-fé.”

  20. MONTALVÃO Diz:

    .
    “É necessário para que haja a comunicação mediúnica, mais particularmente a psicofonia, que exista uma AFINIDADE FLUÍDICA ENTRE O PERISPÍRITO DO ESPÍRITO MÉDIUM, E DO ESPÍRITO COMUNICANTE. Para que possamos fazer uma idéia do que é necessário, usarei como analogia, a transfusão de sangue, ou seja, é como a necessidade da combinação sanguínea numa transfusão de sangue, sem isso não há comunicação.”
    .
    COMENTÁRIO: de uma caneta só o nobre comentarista “provou” a comunicação, o perispírito e ainda nos introduziu no vasto mundo das afinidades fluídicas. Mas, qual mal eu pergunte: que raio de afinidade é essa? E que fluido é esse?
    /
    /
    “Não tem nada de apologético, a informação é demonstrada pela experiência e investigação.”
    .
    COMENTÁRIO: se é demonstrada por experiência o autor esqueceu de relatar que experimentos foram feitos. Talvez você os conheça e possa nos ajudar a ficar esclarecidos… Antecipadamente agradeço.
    .
    Salutos.

  21. MONTALVÃO Diz:

    .
    Larissa,
    .
    SE essa receitinha de pavê não fosse não calorífica eu bem que experimentaria construir um…

  22. MONTALVÃO Diz:

    .
    “Por outro lado, Kardec diz:
    ‘Os Espíritos procuram o intérprete que mais simpatize com eles e que lhes exprima com mais exatidão os pensamentos. Não havendo entre eles simpatia, o Espírito do médium é um antagonista que oferece certa resistência e se toma, um intérprete de má qualidade e muitas vezes infiel. E o que se dá entre vós, quando a opinião de um sábio é transmitida por intermédio de um estonteado, ou de uma pessoa de má-fé’.”
    .
    COMENTÁRIO: esse Kardec era mesmo docudopiru: como é que ele sabia dessas coisas se nunca foi dado a realizar quaisquer experimentos? Seria muito interessante saber o que é que ele bebia…

  23. Larissa Diz:

    MONTALVÃO, relaxa pq é carnaval! É pavê e pra comê. ;)

  24. Larissa Diz:

    Arnaldo, como posso realizar experiências sozinha? Assim, tipo o leon dennis.

  25. Biasetto Diz:

    Fugindo completamente do assunto.
    Prometi ao DeMarte que iria comentar aqui, rs…
    Tenho que cumprir a promessa.
    DeMarte seu telefone é igual ao espiritismo, esta bosta, “só toca do lado de lá”.
    Quando você me liga – e você me liga quando estou em aula, hahaha! Você é show DeMarte, adoro você.
    Bem, quando tento te ligar, nunca consigo.
    A verdade é que tudo isto isto é uma grande BOSTA!
    Eu pensei em fazer um artigo mostrando CRONOLOGICAMENTE como Chico Xavier foi plaginado o Owen, desde Cartas de uma morta, aquela bosta de livro que ele escreveu, falando de vida em Marte (seu planeta DeMarte), cheio de prédios e naves rasgando o céu – tem um monte de dementes que ainda acreditam nisso, acho que até o Arduin acredita – e eu gosto dele, e ele é muito melhor que eu, pois eu só dou aulas em escolas do estado e da prefeitura, mas ele leciona em Universidade Federal, uma das melhores do país.
    é que o Arduin acredita na tal história do filho da Cacilda Cacilda Becker, linda história né?
    Bem, o Chico plagiou tudo quanto foi possível do livro Owen. Começou copiando a história da mão dele no livro Cartas de uma morta (esta bosta de livro), é a mãe do Owen de A vida além do véu. Depois ele copiou os tais “guerreiros do cristo”, sei lá, nem sei se é isto o nome, aquele monte de bobagens, que ele colocou no livro Brasil, Coração do mundo, que é plágio de uma conferência ocorrida na FEB (há artifo no blog).
    Pegou trechos do livro Owen e colocou em “A caminho da luz”, está tudo documentado aqui.
    No livro do Owen, há Universidade das Cinco Torres, de onde o Chico se inspirou pra criar a colônia Nosso Lar, uma fantasia completa.
    Mostrei, com a colaboração de meu amigo e brilhante filósofo Marcio Horta, as cópias feitas em Libertação, da obra do Owen, quase ipsis litteris.
    Mas trouxa, bocó e viajeiro do Scur não viu pla´gio algum. É incrível o que o fanatismo pode fazer a mente de uma pessoa.
    E assim foi Chico Xavier, lendo, escrevendo, plagiando, copiando, plagiando, escrevendo, lendo, inventando …
    Leon Denis, Gabriel Delanne… Vale Owen… tantos e tantos autores copiados, adaptados, plagiados…
    …e a criação do mito, o santo, o deus….
    E o mesmo acontece com outros, Divaldo e cia.
    Chico usou o livro do Owen pra criar TODA a “série André Luiz”.
    Estou aguardando o livro do Luciano dos Anjos – “O verdadeiro André Luiz”, desde setembro de 2011, quando ele me passou um e-mail, dizendo “agora sai”, pobre dos Anjos, gente boa, mas também foi enganado pelo mineirinho de Pedro Leopoldo.
    Fazer o quê?
    O homem era astuto!!!

  26. Biasetto Diz:

    cometi uns erros gramaticais aí, mas vocês corrigem.
    vou curtir o carnaval.
    abraços!!!

  27. Marciano Diz:

    Eu já tinha me despedido do tema em pauta, mas meu amigo Biasetto apareceu aqui.
    Ele disse:
    .
    “DeMarte seu telefone é igual ao espiritismo, esta bosta, “só toca do lado de lá”.

    É que eu herdei esse telefone do cx.
    Biasetto, a admiração é recíproca.
    .
    ARDUIN é espírita denorex, ele mesmo deixou passar, num lapso freudiano.
    Eu acho que ARDUIN não é botânico coisa nenhuma, ele deve ser físico quântico, por isso acredita e não acredita ao mesmo tempo.

  28. Biasetto Diz:

    “físico quântico”, rs…
    este papo quântico a PQP, só pra trouxas ao estilo do Scur e cia.
    Que bom que o retardado do RS não pode comentar aqui.
    Faço questão de provocá-lo. Ele me encheu tanto no face, agora é minha vez.
    Tem gente, ainda, acreditando em Ederlazil, o gaúcho bocó – não o Antonio, este é inteligente, acredita na Ederla, no Saibabão, no divialdo (como diz o “anti”) e até na Teresa de Calcutá, pode?
    Mas ele vê ets também, NINGUÉM MERECE!!!
    Agora, o Arder e Ruir deve ser gozador, só pode.
    Como o sujeito vai ensinar botânica, evolucionismo pra universitários e, depois, participar de algo tão patético do tipo:
    “Agora vamos fazer o ‘evangelho no lar’, que tal começarmos por esta mensagem psicografada por Chico Xavier, do espírito André Luiz?”

  29. Biasetto Diz:

    Perto da escola em que leciono, tem uma igreja da IURD, esta outra bosta ao quadrado, vive cheia. é incrível como tem demente neste país.
    Não consigo nem estacionar mais o carro perto da escola, porque tudo está tomado, nas noites, pelos crentelhos idiotas que vão dar dinheiro para os seguidores do Macedão.
    Falando nisso, o homem está virando um ET, está ficando todo tordo, as mãos, os dedos… “isto não é de deus”, e a crentelhada dando dinheiro pro cara. Que porra de país é este?
    O que mais abre em periferia é buteco (de péssima qualidade) e igreja de crente.
    “Tamo fudido”, na sala de aula já se ouve, “o pastor falô”.
    Sem futuro este Brasil, sem…

  30. Biasetto Diz:

    Chico Xavier esqueceu de mencionar bibliografia em suas obras, começando pelo livro do Owen…

  31. Biasetto Diz:

    O esquizofrênico, foi preso aqui pertinho de Bragança, em Extrema (30 km), jogou a mulher nos trilhos do metrô.
    São esses caras que ouvem voz, veem espíritos…

  32. Biasetto Diz:

    Fazem palestras, por todos o país, reuniões, para estudarem Nosso Lar, a colônia.
    Ficam discutindo “isto”, “aquilo”…
    Como diz o caipira, aqui pros lados de Vargem, se fala assim: “é o cu da pata”, hahaha!
    Os caras falam, falam, falam de Nosso Lar, mas não ninguém diz a verdade.
    Esta meleca NÃO EXISTE. Chico Xavier copiou do livro do Owen. Já foi mostrado no blog.
    Ele inventou a tal colônia. Ele pegou os departamentos da “Universidade das cinco torres” do livro do Owen e transformou nos ministérios de Nosso Lar.
    Lá fala de jardins, belas águas, ruas que convergem para a torre central, “meeeeeeeeeeeuuuuuuuuu deeeuuuuuussss” está tudo lá, PAREM, PAREM PAREM… COM ESTA FARSA.
    NOSSO LAR NÃO EXISTE,
    CHICO XAVIER
    COPIOU DO LIVRO DO OWEN
    É A UNIVERSIDADE DAS CINCO TORRES
    -
    A MÃE DELE (CHICO XAVIER)
    NO LIVRO “CARTAS DE UMA MORTA”
    É A MÃE DO OWEN EM A VIDA ALÉM DO VÉU,
    -
    Chico Xavier copiou,
    COPIOU
    COPIOU
    COPIOU
    COPIOU
    COPIOU

    ISTO NÃO TEM NADA DE MEDIUNIDADE É
    CÓPIA
    CÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIACÓPIA…

  33. Biasetto Diz:

    ARDER e RUIR, meu amigo: Ramatis te mandou um abraço!!!
    -
    Cadê o JCFF pra esclarecer a história do lentulu, lentulus e os escambau?

  34. Marciano Diz:

    BIASETTO, tu tá com a corda toda.
    Tô sentindo cheiro de etanol.
    Estás certo, os crentelhos são alienados mesmo.
    Dê um “sacode” no ARDUIN, lá no “Brasil anedótico”.

  35. Biasetto Diz:

    Hahaha! DeMarte, é carnaval né?

  36. Biasetto Diz:

    Não pode DeMarte, álcool não, é pecado!
    Vixi, quantos anos de umbral isto dá???

  37. Biasetto Diz:

    “Ahh! mas tudo bem, o Chico pode ter lido alguma coisa, isto influenciou em seus escritos…”
    PQP, como pode???
    Onde estão estes espíritos sábios, evoluídos, que não vêm esclarecer???
    Se existem, são um bando de covardes.
    Vou encerrar minha passagem neste sábado de carnaval com umas máximas do Nelson Thomé, o DeMarte também tem ele no face, impagável:
    - Burro demais pra entender ciência? Tente a religião.
    - Foto do papa: “Ensina que deus tem o poder de curar, mas usa óculos”.
    - As passagens judaicas são fantasias de uma teologia que mentia santamente. Os judeus não possuem nem história, viveram sempre em função de acontecimentos sobrenaturais que nunca aconteceram frutos da imaginação de seus sacerdotes. Nem reino tiveram, sempre viveram como ciganos pelo mundo. O reino de Israel e Judá nunca existiram, muito menos as 12 tribos, a região que eles alegam terem sido expulsos é ocupada pelos palestinos há 6000 anos, onde um número reduzido de judeus viviam, até o ano da tomada militar financiada pelo ocidente, como ciganos.
    - Padres e pastores deveriam ser presos, pois são bandidos. Estelionatários, vendem fé. Observou Nietzsche há cerca de dois séculos.
    - Não é estranho a Igreja de Jesus, um suposto messias judaico se chamar Igreja Católica Apostólica Romana?
    - Uma coisa é certa, se um deus existisse, não seria necessário provar a existência dele. Simples assim, pois se existisse seria uma fato e todos saberiam. Todos conheceriam-no. Preciso desenhar?
    - Nem o êxodo judaico de 70 aconteceu. Na realidade, o êxodo de 70 é um acontecimento cristão, uma forma de penalizar os judeus pela morte do suposto Cristo de uma Nazaré que nem existia.
    - Por mim, que Jesus, seu pai, mãe, apóstolos, padres e pastores se fodam!

  38. Biasetto Diz:

    Divaldo Franco falando do SaiBabão, naquela “palestra flamboyant”, como bem observou o Toffo: “o homem é um avatar, um espírito muito evoluído, tem uma aura fantástica, eu e a Jona de Ângelis ficamos encantados, maravilhados…”
    PQP, SaiBabão era um picareta, fazia mágicas de 5ª categoria, acho que não tinha categoria alguma nisso, enganando aquele bando de hindus miseráveis e ignorantes.
    E eu é que sou um sujeito mau por denunciar isto.
    E mais, Divaldo disse, ele disse, TÁ NO VÍDEO, que recebeu um pote mágico do babão, que solta uma fumaça que nuca acaba.
    CADÊ O POTE???

  39. Biasetto Diz:

    O Scur acredita tanto no “Brasil, Pátria do Evangelho, Coração do Mundo”, que pegou toda a família e levou pros Estados Unidos.
    Por que será?
    Será que reconheceu que Chico Xavier era um pasticheiro?

  40. Biasetto Diz:

    Ele está esperando o Nibiru, desde setembro de 2012.
    O André Luiz Ruiz, OUTRO PICARETA, disse, e ele acreditou.

  41. Biasetto Diz:

    Mas preferiu esperar o Niburu nos States, é mais seguro que o Brasil, sabe como é né? Deus é brasileiro, mas o Obama é o dono do mundo.

  42. Biasetto Diz:

    Para os que gostam de discutir “Direito” aqui:

    http://www.paulopes.com.br/2013/08/advogado-quer-que-tribunal-anule-condecao-de-jesis.html#.UxMdxuNdWSo

  43. Biasetto Diz:

    Essa é pro Vitor e o Mori, que adoram tais comprimidinhos.
    http://www.paulopes.com.br/2014/02/hitler-ajudou-tirar-homeopatia-do-esquecimento.html#.UxMexONdWSo

  44. Biasetto Diz:

    Eita vinho bom!
    http://www.paulopes.com.br/2014/02/vaticano-eh-o-maior-consumidor-de-vinho-do-mundo.html#.UxMfOuNdWSo

  45. Biasetto Diz:

    Agora eu sei porque o Scur prefere morar nos EUA:
    http://www.paulopes.com.br/2014/02/nove-em-casa-dez-americanos-duvidam-da-teoria-da-evolucao.html

  46. Biasetto Diz:

    A África vai precisar de mais uns 200 anos pra sair da ignorância, em vários países homossexualidade é crime e, em outros (islamizados), acontece isto:
    http://www.paulopes.com.br/2010/12/mulher-do-sudao-leva-53-chibatadas-em.html#.UxMf3ONdWSo

  47. Biasetto Diz:

    Sem comentários:
    http://www.paulopes.com.br/2014/02/vereador-de-nova-odessa-quer-leitura-da-biblia-nas-escolas.html#.UxMgieNdWSo

  48. Biasetto Diz:

    Sem comentários (II):
    http://www.paulopes.com.br/2013/01/malafaia-cita-a-biblia-para-condenar-a-masturbacao.html#.UxMg2uNdWSo

  49. Biasetto Diz:

    Valeu pessoal. Quem sabe, um novo “feriadão”, apareço por aqui.
    saudações!!!.

  50. Marciano Diz:

    Biasetto, volte depois do carnaval, isto está meio parado.
    É sempre bom ler seus comentários.
    E prepare mais um artigo sobre cx, para publicar aqui.
    Estamos precisando de cx, ele dá vida ao blog.

  51. NVF Diz:

    Voltando bem lá em cima.
    .
    Isso de escrever “maioria” é apenas uma falha na redação, creio. É a força do hábito, que mistura a oralidade com o padrão culto de linguagem exigido pela escrita de um artigo.
    .
    Quando o autor escreve “maioria”, parece-me estar querendo dizer “grande parte”, ou teria sido melhor que escrevesse assim.
    .
    “Maioria” requer uma certeza bem forte. Já “grande parte” recorta um pedaço considerável da suposta amostra.
    .
    De qualquer forma, isso não afasta o argumento do “cadê as estatísticas?”.
    .
    Fica só o comentário.

  52. NVF Diz:

    Biasetto,
    .
    A África foi invadida por Igrejas Evangélicas brasileiras. Essa “caça aos veados” africana é culpa do Bispo Macedo e cia.

  53. Marciano Diz:

    A propósito do último comentário do Biasetto, transplanto para cá o comentário de outro post:
    .
    Marciano Diz:
    fevereiro 27th, 2014 às 14:12
    O que acontece com o espiritismo na França é semelhante ao que acontece com o candomblé na África.
    O candomblé também foi praticamente esquecido na África, continente de onde provém, e está sendo reinventado por brasileiros naquelas terras.
    .
    Parece que brasileiros pegam o lixo do mundo e o reciclam, em forma de lixo mesmo, redistribuindo-o ao resto do mundo.
    Êta povinho de merda, este!
    Estão reinventando inclusive o comunismo, até agora, infelizmente, com sucesso.
    Vejam a tomada do STF por comunistas.

  54. Carlos Diz:

    Não dá para deixar quieto: gerador de lero-lero ou lepo-lepo ?

    http://gizmodo.uol.com.br/gerador-artigos-cientificos/

  55. Arnaldo Paiva Diz:

    Boa tarde
    .
    Peço minhas desculpas ao Montalvão pela demora em responder, é que como falei antes, ando extremamente ocupado sem tempo para me dedicar às respostas e leituras dos assuntos aqui tratados.
    .
    COMENTÁRIO DO MONTALVÃO: de uma caneta só o nobre comentarista “provou” a comunicação, o perispírito e ainda nos introduziu no vasto mundo das afinidades fluídicas. Mas, qual mal eu pergunte: que raio de afinidade é essa? E que fluido é esse?
    .
    MEU COMENTÁRIO: Nada que seja mais alarmante do que você eliminar todas as provas existentes sobre a imortalidade da alma, sobre a mediunidade, com duas palavras apenas: “NÃO EXISTEM”, sem apresentar nenhuma – pelo menos – experiência que os contrariasse no terreno dos fatos.
    .
    A questão meu amigo Montalvão, é que você quer comentar sobre mediunidade sem um estudo a respeito, ou pelo menos se informar do que já foi pesquisado e comprovado, o seu mecanismo, as dificuldades existentes muitas vezes oferecidas pela condição dos próprios médiuns, as dificuldades oferecidas pelo meio em que o médium se encontra, as condições do Espírito comunicante, simplesmente porque não acredita. Você não olha os pós e os contras sobre o assunto, fica apegado apenas aos que, como você, só tem a intenção de negar sistemáticamente, e nestes casos, tem toda a sua aprovação, não precisa nem ser testado o que dizem, você acolhe o conteúdo de qualquer artigo, mas no caso das provas espíritas, sobre essas não, você tem que fazer seus próprios testes e retestes, porque o que os cientistas disseram não tem nenhum valor comprobatório, e é assim que você demonstra que não tem nenhum interesse na confirmação da verdade. Sinceramente não e uma posição digna de um investigador.
    .
    Diz ainda o MONTALVÃO: se é demonstrada por experiência o autor esqueceu de relatar que experimentos foram feitos. Talvez você os conheça e possa nos ajudar a ficar esclarecidos… Antecipadamente agradeço.
    .
    COMENTÁRIO: Eu perguntaria a Montalvao quantas experiências você apresentou com resultados positivos para contrariar as pesquisas e fatos demonstrados pelos cientista e mediunistas, para fundamentar as suas afirmativas em torno dos assuntos aqui ventilados sobre imortalidade da alma e a existência ou não da mediunidade? Tenho absoluta certeza que nenhuma. Mas com que insistência você nos cobra a prova de tudo que dizemos, como se somente nós tivéssemos na obrigação de o fazermos.
    .
    Ora meu amigo, as provas estão aí, e com ela estes detalhes que – se assim posso me expressar – se encontram embutidos no mecanismo da comunicação e fazem parte do fenômeno, são fluidos espirituais que fazem parte do mundo espiritual, modificações do Fluido Cósmico Universal realizadas pelos Espíritos, se você acha que os fatos apresentados não provam, então apresente as investigações que estás a realizar ou que já realizastes, os resultados já obtidos que contrarie o que já foi apresentado pelos cientistas e pelos mediunistas. Ou então apresente suas argumentações demonstrando porque as investigações realizadas e os fatos apresentados não são verdadeiros.
    .
    Não estou querendo trazer aula sobre mediunidade, mas se faz necessário alguns esclarecimentos para que possa ser melhor entendido como se dá uma comunicação mediúnica e suas várias dificuldades.
    .
    1º – As fenômenos mediúnicos, não dependem da vontade do médium e nem de quem quer que seja.
    .
    2º – A mente é a base de toda a fenomenologia. O pensamento que é um produto da mente, é determinante para que o fenômeno aconteça, ou seja, que ele expresse o desejo do médium bem como do Espírito, se um ou outro não tem interesse em comunicar-se, com certeza o fenômeno não acontecera.
    .
    A atração ocorre quando o pensamento é acionado pelo desejo da comunicação de ambos os participantes do fenômeno, o médium e o Espírito.
    .
    3º – No caso de médium novato ou com pouca experiência, o medo ou a insegurança do médium podem dificultar o intercâmbio mediúnico, e no caso do médium com pouca cultura, a resistência à receptação da mensagem aumenta, por parte do médium, devido o mesmo ficar duvidando do uso pelo Espírito de determinados termos com os quais ele não esta familiarizado ou não conhece.
    .
    4º – O padrão vibratório originário pelo tipo de pensamentos, também é importante entre os fatores que auxiliam a aproximação entre Espírito e médium. O padrão vibratório é consequência dos tipos de fluidos originados pela modificação do Fluido Cósmico Universal realizada pelos pensamentos que vão facilitar ou dificultar a sintonia do médium com o Espírito comunicante.
    .
    5º – Os Espíritos procuram o médium que mais “simpatize” com eles e que lhe exprima com mais exatidão os seus pensamentos, estou falando aqui – claro – dos Espíritos conscientes da sua situação como Espírito.
    .
    6º – A influência do meio em que o médium se encontra é de suma importância para a qualidade do fenômeno. O médium deve estar calmo, confiante e seguro de que nada de mau lhe acontecerá, coisa impossível de acontecer ante um ambiente formado por pessoas mal intencionadas ou despreocupadas da importância do momento. Por isso, que o meio em que o médium se encontra é de suma importância para a produção dos fenômenos.
    .
    7ª – Quando acontece a interpenetração dos perispíritos do médium com o do Espírito comunicante, o médium passa a perceber as idéias, os sentimentos e os pensamentos da entidade comunicante, e os transmite conforme a faculdade que possui. Daí a necessidade do que nós chamamos de educação da mediunidade, pois estas sensações faz com que o médium se sinta diferente, sensação de quem vai desmaiar, sudorese, enfraquecimentos nos membros superiores, tremores, respiração ofegante, nervosismos, enfim, quando o médium é deseducado mediunicamente, ele reage – se assim posso me expressar – de modo espalhafatoso ante a estas percepções e sensações.
    .
    Então, não basta como muitos pensam, arranjar qualquer um médium, sentá-lo numa cadeira e haja fenômeno, haja a manifestação de todo tipo de Espíritos, as coisas como podemos perceber, não funcionam dessa maneira.
    .
    Depois eu volto

  56. Arnaldo Paiva Diz:

    Boa tarde
    .
    Larissa me desculpe pela demos em responder a sua indagação.
    .
    Larissa Diz:
    Arnaldo, como posso realizar experiências sozinha? Assim, tipo o leon dennis.
    .
    RESPOSTA: Leon Denis não fez experiências sozinho, como eu disse, ele tinha um grupo mediúnico que ele chamava de grupo familiar. E era com os médiuns desse grupo que ele realizava suas experiências e teve como resultado vários livros publicados.

  57. Arnaldo Paiva Diz:

    Boa tarde
    .
    MONTALVÃO Diz:
    .
    “Por outro lado, Kardec diz:
    ‘Os Espíritos procuram o intérprete que mais simpatize com eles e que lhes exprima com mais exatidão os pensamentos. Não havendo entre eles simpatia, o Espírito do médium é um antagonista que oferece certa resistência e se toma, um intérprete de má qualidade e muitas vezes infiel. E o que se dá entre vós, quando a opinião de um sábio é transmitida por intermédio de um estonteado, ou de uma pessoa de má-fé’.”
    .
    COMENTÁRIO: esse Kardec era mesmo docudopiru: como é que ele sabia dessas coisas se nunca foi dado a realizar quaisquer experimentos? Seria muito interessante saber o que é que ele bebia…
    .
    Diante desse comentário de Montalvão eu diria parafraseando-o: Esse Montavão é mesmo docudopiru, como é que ele desclassifica todos os fatos comprovantes do fenômeno espírita se nunca foi dado a realizar quaisquer experimentos? Deve ter bebido a mesma bebida do Kardec.

  58. Arnaldo Paiva Diz:

    Boa tarde
    .
    Gorducho Diz:
    Existem pessoas que dizem comunicarem-se com espíritos, às vezes e de forma praticamente inútil, porquanto nada de proveitoso resulta desses contatos.
    .
    COMENTÁRIO: Prezado amigo, a pessoa dotada de faculdade mediúnica, é uma criatura humana como qualquer outra, que tem suas virtudes e seus defeitos, que conserva determinados tipos de pensamentos que nem sempre exterioriza, e é através destas características próprias que ela sem perceber seleciona – através da sintonia psíquica -, a suas companhias espirituais, e são os Espíritos que estão em sintonia com ela nesta sua maneira de ser e de pensar, que irão conversar com ela, se comunicam com ela, influenciá-la nas suas realizações, através do pensamento. Esta é uma lei natural que regula o intercâmbio entre encarnados e desencarnados, portanto, sob esta mesma lei estão submetidos aqueles que não são médiuns

  59. Defensor da Razão Diz:

    Gorducho Diz:
    “Existem pessoas que dizem comunicarem-se com espíritos, às vezes e de forma praticamente inútil, porquanto nada de proveitoso resulta desses contatos.”
    Além de esses “contatos” não terem utilidade prática alguma, parece impossível distingui-los de meras alucinações, fantasias ou autoenganos.

  60. Gorducho Diz:

    Não é justo que receba créditos por verdade não por mim originalmente enunciada. O autor é o Analista Marciano; in verbis:
    Marciano Diz:
    FEVEREIRO 26TH, 2014 ÀS 12:53

    (…)
    Se bem entendi o conceito explicitado na “lâmina de Ockham”, parece mais fácil que existam pessoas que “dizem” comunicarem-se com espíritos, às vezes e de forma praticamente inútil, porquanto nada de proveitoso resulta desses contatos, do que “algumas” raras pessoas comunicarem-se com “alguns” supostos espíritos, que não sabem nada que uma pessoa de carne e osso não possa saber, sempre de forma nebulosa.
     
    Eu apenas me permiti discordar do qualificativo praticamente, uma vez que não lembro de alguma “comunicação” supostamente originária de “desencarnados” que tivesse utilidade prática.
    E não, aparentemente não é possível distingui-las de meras alucinações, fantasias ou autoenganos.
    Daí que cientificamente deve-se aplicar a navalha de Guilherme, e dizer que não há nenhuma nenhuma razão para supor a existência do alegado comércio intermundos.

  61. Biasetto Diz:

    Passando aqui só pra responder ao NVF.
    De fato, foderam a África: uma parte foi cristianizada, outra islamizada.
    Só faltava, pra enterrar de vez, conseguir convencê-los do espiritismo-chiquista, aí aceitariam a situação de “comer bosta”, como carma.
    Viva Nosso Lar, ou melhor: a UNIVERSIDADE DAS CINCO TORRES.
    Abraços!!!

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)