O Caso da Inscrição (1905)

Para celebrar o dia da mentira, analisei um caso contado por Léon Denis no livro “No Invisível” de forma bem acrítica, e que me parece uma mentira completa. Minha análise pode ser lida aqui.

229 respostas a “O Caso da Inscrição (1905)”

  1. Vladimir Diz:

    Não podia deixar passar em branco:
    http://www.oabsp.org.br/noticias/2015/03/oab-sp-promove-palestra-sobre-plagio-envolvendo-obras-psicografadas.9913

  2. Gorducho Diz:

    Onde está na Revue? No modo imagem não funciona a pesquisa…

  3. Vitor Diz:

    Vladimir,
    já falei com a Renata em 2012. Ela disse que ia citar meu trabalho no livro dela, mas acho que acabou não acontecendo. Nunca comprei o livro para conferir…
    .
    Gorducho,
    Eu disse no artigo que está nas páginas 250-251…

  4. Gorducho Diz:

    Desculpe!
    Trabalho quiçá p/o Sr. ,b>JCFF… Suponho que ele deve ter contatos nessa área de arqueologia com pessoal lá da Italia (iria fazer uma brincadeirinha dizendo Vaticano, mas é numa boa então me abstive…).
    Sendo algo assim tão curioso, o Prof. Gaspare deve ter publicado nalgum meio cientificamente sério.
    Procurei por Gorresio Gaspare iscrizione runica runique
    alternados e ainda nada achei.
    Tentarei…

  5. Gorducho Diz:

    ,b>JCFF

  6. Gorducho Diz:

    Quanto ao “plágio” acredito que o enfoque é diferente dos abordados cá…
    Cá aborda-se as fontes de consulta para certos textos – sem se entrar no mérito de que tecnicamente seria “plágio” ou não. Como foi o caso do Eugène Nus em relação ao Kardec, ou seja um plágio de ideias, sem ser de fato tecnicamente “plágio”.
    E no caso em tela seria o “médium” escrever analogamente ao falecido e se justificar dizendo que é o próprio falecido escrevendo. Certo?

  7. Contra o chiquismo Diz:

    Cx no O Globo de hoje:

    **

    http://acervo.oglobo.globo.com/em-destaque/ha-80-anos-medium-chico-xavier-era-revelado-em-reportagens-do-globo-15758885

  8. Larissa Diz:

    Na ocasião, o enviado especial do jornal destacou que Chico Xavier tinha pouco acesso a livros e revistas, já que era bastante humilde (filho de um operário e uma lavadeira) e vivia no interior.
    .
    Sem comentários…

  9. Marcos Arduin Diz:

    Sobre o caso da inscrição é de fato anedótico em vista que nada de original restou que pudesse ser usado como prova. Nem a dita pedra… Mais gozado ainda é afirmar que o Gorrésio se convertera ao Espiritismo. Aí já virou piada mesmo.
    .
    Agora quanto ao plágio em coisas psicografadas, ah que piada. Antes de mais nada, obra psicografada, QUALQUER UMA, é no máximo um pastiche ou uma tentativa de imitação. Atribuí-la a ação de espírito é coisa que só espírita acredita (e ainda assim com a ressalva de que pode ser coisa de espírito falsário…).
    Então o tal médium pintou assinava quadros que qualquer pintor de praça pintaria e, irritado, disse que colocaria um carimbo atrás dizendo ser obra mediúnica…
    Gostaria de saber se alguma obra psicografada traz realmente alguma pista que aponte a algum autor vivo. Tirando o Charles Dickens, não sei de mais nenhum.
    .
    Bem, então o Chico Xavier em 1935, que já mostrava ter problema nos olhos como se vê pelas fotos, dispensa comentários da Larissa sobre ser de origem humilde e ter pouco acesso a livros e revistas. É… Ele era cego de um olho e tinha o cristalino deslocado no noutro. Não o impedia de ler, mas dificultava. O lance é que nesta época ele tinha de trabalhar durante o dia e cuidar do centro seu à noite. Parece um problema mais de falta de tempo. Mas vá lá…
    .
    O Quemedo vive dizendo que o médium só psicografa coisas afins com sua formação, mas no caso de Patience Worth, ela só sabia um pouco de música e escreveu uma obra de mais de 70.000 palavras em inglês médio, sem nenhum vocábulo surgido após 1600. Não seria uma tarefa fácil nem para um literato britânico, mas o seria para uma moça ignorante em literatura?

  10. Marcos Arduin Diz:

    Ôpa. Cometi um erro. A médium era Pearl Curran. Patience Worth era o espírito que escreveu a história.

  11. Marciano Diz:

    Arduin, é um prazer “revê-lo” aqui.
    Quanto aos olhos de cx, a própria biografia chiquista diverge do que você quer ver. Releia.
    Ele mesmo sempre afirmou que o problema não o afetava ao ponto de impedir que escrevesse quatrocentos e tantos livros. Todo mundo sabe que escrever exige muito mais dos olhos do que ler.
    Quanto tempo a gente leva para escrever e ler o mesmo texto?
    A própria bibliografia (agora é bibliografia mesmo) de cx desmente o fato de que ele tinha problemas para ler, pois escrevia sem parar.
    Quem supera dificuldades para escrever, lê que é uma beleza!

  12. Marciano Diz:

    A gente sempre lê muito mais do que escreve.
    Quem não consegue ler por problemas oftalmológicos, consegue menos ainda escrever.

  13. Marcos Arduin Diz:

    De Morte, quando o Chico escrevia “incorporado”, usualmente cobria os olhos. ESCREVIA SEM VER, inclusive escrevia mal, em letras grandes e mal traçadas, que exigiam um “interprete” para transcrevê-las.
    Mas releia o que escrevi:
    Não o impedia de ler, mas dificultava.
    Chico nunca disse que não lia livros ou revistas. O que fica forçado é dizer que ele lia UM LIVRO POR SEMANA e assim conseguiu a bagagem cultural e material necessário para fazer os seus plágios e não plágios…

  14. Gorducho Diz:

    O hobby, lazer do CX era a literatura: inicialmente histórias de santos e certamente outras de caráter piedoso mais poesias.
    Tenho o livro da Magali Oliveira Fernandes onde é reproduzido partes dos famosos cadernos de recortes e cópias. Neste livro é citado inclusive o depoimento do próprio:
    Comecei então a fazer livros artesanais: criava capa para eles, autografava e presenteava os amigos [...]
    Certa vez meu pai, que não podia compreender a minha vocação literária, queimou todas minhas coleções… Chorei muito [...]
    Também já citei cá várias vezes o dito por aquele amigo dele do Rio ao Nasser (detetive do Além):
    Devora os livros com fúria. Trouxe-lhe, há dias, “O homem, êsse desconhecido” e êle não gastou mais de quatro horas e meia para ler o volume gordo.
     
    Então que ele lia ao menos “um livro” se considerarmos como “livro” uma quantidade de texto equivalente, não tenho dúvidas.
    Quanto a “bagagem cultural” aí a coisa pega e aí sim aparece a falta duma formação mais sólida.
    Temos catolicismo devocional infantil somado ao texto bizarro que conhecemos bem. Então não sei se ele adquiriu “bagagem cultural”…
    Agora criatividade ele tinha inegavelmente.
     
    Quanto à Pearl Curran, de fato até gosto de ler alguma coisa pelo inusitado também. Mas deve-se notar que não é uma linguagem característica de determinada época e locais (correspondendo então à vida terrícola do “espírito”), e sim um amálgama de linguagem poética antiga. De certa forma também é bizarro como o CX, só que em outros moldes.

  15. Toffo Diz:

    Arduin, você voltou do seu período sabático. Bem-vindo ao clube!
    .
    Há um aspecto que é pouco considerado quando se fala de CX: ele era um missivista inveterado. Escrever cartas leva tempo e cansa a vista, mas isso não parece ter sido obstáculo para ele. Sendo correspondente assíduo, podia se corresponder com pessoas que sabiam exatamente aquilo que ele queria saber. Morando perto de BH como Jundiaí é de SP, não era difícil para ele ter acesso a livrarias e bibliotecas da capital mineira. Sabe-se também que ele colecionava revistas e periódicos, e tinha o costume de fazer recortes e guardá-los.
    .
    A vida de CX é cheia de episódios eclipsados pela mitologia. Como o da sua alegada falta de cultura, devida à pouca escolaridade formal. Criou-se um véu espesso sobre isso, mas é evidente que CX tinha sim cultura geral adquirida de forma autodidata para escrever os livros que escreveu. O que lhe escapava era copiado ou “soprado” por pessoas do ramo. É a tradução do provérbio: querer é poder. E as limitações de conhecimento que seus livros trazem refletem as próprias limitações de seu autor.
    .
    Quanto a essa história trazida pelo Vitor, embora não a conheça, tem paralelos até na obra de Kardec. O Livro dos Médiuns, por exemplo, está recheado de “racconti” de segunda mão que Kardec não viu e não documentou, mas ainda assim ele utiliza para abonar suas convicções sobre mediunidade. Credibilidade zero, vamos combinar. Assim como o “racconto” rúnico que o Vitor trouxe.

  16. Marciano Diz:

    “O Livro dos Médiuns, por exemplo, está recheado de “racconti” de segunda mão que Kardec não viu e não documentou, mas ainda assim ele utiliza para abonar suas convicções sobre mediunidade”.
    .
    É o famoso bias confirmation. É mais fácil sermos enganados por nós mesmos do que pelos outros.

  17. Marcos Arduin Diz:

    Balofo, o fato de Chico fazer aqueles caderninhos e os encapar e presentear aos amigos, não é indício de que ele já fosse um GRANDE(?) LITERATO em potencial… Eu também quando adolescente escrevi um livruxo, o qual pretendo retomar a história base, mas em outro contexto. Vou me tornar um literato, ao menos de fundo de quintal, na minha velhice…
    .
    Quanto ao Nasser, bem… Tomando como exemplo o tema deste tópico, serve para nos alertar quanto a historietas fantásticas, retumbantes, mas que podem ser pura mentira. E vindo de Nasser e sua cupinchada do Cruzeiro, é sempre bom ficar esperto pois é muito provável que esteja navegando numa roubada, especialmente se não houver nada mais independente que confirme. Nasser era um jornalista mentiroso e sabia que uma mentira bem contada vendia melhor do que uma verdade. Tanto assim que inventou até história de disco voador…
    Então dizer que ouviu de algum amigo do Chico que este era capaz de ler um calhamaço do tamanho da Bíblia em 4 dias (menos, pois ainda tem de descontar o tempo do trabalho e o tempo em que se dedicava ao seu centro) tá mais para conversa pra boi dormir. Porém se você e outros tantos por aqui acreditam nisso, não fico mais surpreso: os céticos sábios, cultos, racionais e inteligentes são as pessoas mais crédulas e tapadas que já vi.
    .
    Pra quem lia tanto não conseguir formar uma bagagem cultural, então só devia ler bobagens…
    .
    Como chegou à conclusão de que o escrito mediúnico da Pearl Curran não é uma linguagem que se encaixa na época em que o espírito viveu e sim uma mistura de poesia antiga?

  18. Marcos Arduin Diz:

    Sem querer ser chato, de Morte, mas temos aí a lista das cartas que o Chico escreveu, o número de linhas e palavras delas, etc e tal, para atribuir-lhes tanto cansaço na sua opinião? E que provas tem de que colecionava revistas e recortes e quais os temas destas duas coisas?
    .
    Então você admite que o Chico possa ter adquirido uma cultura autodidata e sendo o tal missivista inveterado, correspondia-se com as pessoas certas para tapar os buracos em sua tão imensa bagagem cultural. Legal. Agora tem você as declarações juramentadas e as cartas escritas e trocadas que confirmem a sua tese? Ou é só mais uma daquelas supostas proposições para explicar o que não gosta de ver explicado de outra forma?
    .
    Quanto aos tais “racconti”, bem… Duvido que Kardec os aceitasse assim numa boa sem NUNCA haver testemunhado eventos mediúnicos por si mesmo. Porém, se os viu, então lhe fica menos propenso a duvidar do que lhe relataram ou obteve em noticiários. Claro, não era infalível: o Flamarion psicografou uma mensagem de Galileu totalmente anímica e Kardec esqueceu-se de perguntar se o jovem astrônomo escreveria aquilo mesmo se lhe fosse solicitado a colaborar com um artigo sobre o tema…

  19. Gorducho Diz:

    Nasser + E que provas tem de que colecionava revistas e recortes e quais os temas destas duas coisas?
     
    Assim fica fácil: o Sr. simplesmente desqualifica as fontes do opositor. Eu citei o livro que tenho. Aparecem muitos fac símiles das páginas.
    Compre-o: o preço é acessível e ainda certamente parcelam sem interesses caso insira um n° de cartão de crédito válido no formulário de pedido que se abrir na tela de seu navegador.

  20. Gorducho Diz:

    Quanto a trabalho é relativo. Num bolicho interiorano é muito provável que houvesse longos períodos de falta-de-movimento particularmente à tarde, caso o patrão não exerça feroz supervisão.
    Da minha infância, tenho boa noção de comércio interiorano. Muito tempo passam conversando – ainda é assim… – por falta de clientes contínuos; ele provavelmente passava lendo ou escrevendo.
    Não confunda c/os caixas de supermercado atuais…

  21. Gorducho Diz:

    [...] já fosse um GRANDE(?) LITERATO &c.
     
    :o eu falei isso?
    Grande literato nunca foi. Desde quando aqueles textos de vocabulário bizarro e as cartas dos falecidos dizendo que estão a operar um engenho lá na erraticidade, acompanhados da vovó, é grande literatura.
    O que eu disse é que ele tinha criatividade. E criatividade independe de estudo formal. Aliás, este até pode inibir pois que o autor talvez se policie se perceber que está escrevendo sandices…

  22. Marciano Diz:

    Arduin, sem querer ser chato, também, mas você me confundiu com o Grassouillet, o que muito me honra, porém não corresponde à verdade.
    Eu só afirmei que escrever mais de quatrocentos livros é mais cansativo para os olhos do que ler mais de quatrocentos livros.
    Em outras palavras, se cx tinha dificuldade de ler, por isso não lia compulsivamente, onde arranjou olhos para escrever tanto?
    De certa forma, você já respondeu, quando disse que ele escrevia garatujas com os olhos fechados.
    Dizem que ele só tapava o olho lampiônico, usando o outro para escrever.
    Isso é caso para acareaçao.

  23. Marciano Diz:

    Quem sabe se cx era paranormal, como os paranormais citados pela casa, e lia de olhos fechados, tal como Arduin diz que ele escrevia?
    A vida é cheia de mistérios. Que o diga o enterro de cx, de óculos e boné.

  24. Gorducho Diz:

    Como chegou à conclusão de que o escrito &c.
     
    Veja e.g. na página 129 (bem no começo começa…) de
    SHEA, Daniel B. A Paciência de Pérola – espiritualismo e autoria nos escritos de Pearl Curran. Univ. of Missouri Press, 2012.
    também veja, se lhe aprouver, a análise do Prof. (de filosofia, não de línguas bien entendu) Charles E. Cory da Washington Univ.

  25. Contra o chiquismo Diz:

    “Marcos Arduin Diz:
    ABRIL 4TH, 2015 ÀS 5:32 PM
    ***
    os céticos sábios, cultos, racionais e inteligentes são as pessoas mais crédulas e tapadas que já vi.
    ***
    Sim… mas duro mesmo é fechar os olhos para tudo isso e começar a “Reunião Pública de Hoje” com a página de harmonização do ambiente tirada do livro “Pão Nosso” de autoria de Francisco CX pelo ‘espirito’ emmanuel…

    ***

    depois da edificante leitura de cx e do ambiente harmonizado, vamos fechar nossos olhos e fazer a prece de abertura…

    **

    deixa eu ser tapado mesmo… e ‘tapado’ com concreto da NASA!

  26. Gorducho Diz:

    E aí, Professor? O espírito do Shakespeare ditou ou não a An Elisebethan Mask?
    Resposta (dela à pergunta):
     
    Who stirreth this puddin’? And did ever a boiler o’ the pot betell the how the puddin’ came for to be? The time it taketh? The stuff it be created o’? Yea, – but the puddin’, nay!

  27. Marcos Arduin Diz:

    “o Sr. simplesmente desqualifica as fontes do opositor.”
    _ Mas claro, Balofo. Se a fonte DE FATO não é confiável, o trabalho do opositor fica comprometido. Então o Nasser era um jornalista mentiroso, que dirigia um periódico fundamentado em sensacionalismo barato e divulgava notícias comprovadamente mentirosas. Além disso era anti-espírita. Certamente não posso apresentar essa fonte como sendo imparcial, certo?
    .
    “Eu citei o livro que tenho. Aparecem muitos fac símiles das páginas.”
    _ E daí? O que isso prova em relação ao que Chico fez na vida adulta?
    .
    “Quanto a trabalho é relativo. Num bolicho interiorano é muito provável que houvesse longos períodos de falta-de-movimento particularmente à tarde, caso o patrão não exerça feroz supervisão.”
    _ É uma boa possibilidade, mas nesses bolichos interioranos também há discriminação de trabalhos. Os filhos dos amigos podem se dar ao luxo de vadiar se o movimento caía, já os dos pobres, se não tinha coisa pra fazer no serviço contratado, então faziam outras coisas… Sempre foi assim nos colégios de freiras. As filhas de ricas faziam bordados, costuras e outras coisas leves e dignas da sua classe. As filhas de pobres lavavam chão, roupas, cozinhavam, limpavam banheiros…
    .
    “O que eu disse é que ele tinha criatividade.”
    _ Devia ter sido mais claro. O Quemedo apresenta essas poucas picuinhas da infância do Chico como prova de que ele tinha UMA GRANDE QUEDA por literatura…
    .
    “Veja e.g. na página 129 (bem no começo começa…) de
    SHEA, Daniel B. A Paciência de Pérola – espiritualismo e autoria nos escritos de Pearl Curran. Univ. of Missouri Press, 2012.
    também veja, se lhe aprouver, a análise do Prof. (de filosofia, não de línguas bien entendu) Charles E. Cory da Washington Univ.”
    _ Favor me fazer um resumo do que dizem. Espero que não seja coisa do tipo:
    O professor norte-americano Charles Edward Cory, da Washington University (Universidade de Washington), se interessou pelo caso e passou a acompanhá-la.
    .
    Para Charles, Patience Worth era uma personalidade secundária (teoria das personalidades múltiplas). Segundo ele, embora Pearl não se lembrasse, ela poderia ter em algum momento aprendido aquele idioma e os dialetos, e agora os utilizava inconscientemente – realmente a imaginação de alguns investigadores era bastante criativa quando se tratava de obter explicações com o objetivo de negar a Mediunidade.
    .
    “O espírito do Shakespeare ditou ou não a An Elisebethan Mask?”
    _ Sei lá. Nunca ouvi falar.

  28. Marcos Arduin Diz:

    “Dizem que ele só tapava o olho lampiônico, usando o outro para escrever.
    Isso é caso para acareaçao.”
    - O Quemedo diz que ele tampava o olho lampiônico e fazia um “palpebrar rápido” com o outro olho e assim via o que escrevia. E como eu disse, ele escrevia garratujas grandonas que tinham de ser traduzidas por um intérprete… Digo que escrever um livro assim, não dá o menor trabalho. O duro mesmo é depurar a obra. Esse trabalho acho que o Chico nunca fez.
    .
    “Quem sabe se cx era paranormal”?
    _ O que vem a ser um paranormal?

  29. Gorducho Diz:

    Sei lá. Nunca ouvi falar.
    Pedi p/o Sr. se basear na resposta dela própria, a qual citei.
     
    A prova que ele tinha uma grande queda pela literatura citei-a acima.
    Agora, se o Sr. adota a postura do avestruz e simplesmente resolve ignorar a realidade, prova sua incapacidade de argumentar fundadamente.
     
    Em relação ao vocabulário da Pearl há uma ótima análise também na publicação THE CASE OF
    Patience Worth
    do Walter Franklin Prince.
    Se tiver interesse, lhe indico as páginas. Mas não vou fazer os trabalhos de casa p/si. Se não quer estudar o assunto é problema seu: foi o senhor quem aventou, apenas respondi como corresponde.

  30. Contra o chiquismo Diz:

    Pior cego é o que não quer ver..
    Fanatismo, sectarismo, crentismo, e todos os ‘ismos’.
    Prova da existência dos ‘espiritos’ que é bom mesmo , nada até agora.
    Defender cx… aí já é demais.

  31. Marciano Diz:

    Mes amis, neste 15 Jumada t-Tania 1436 (yawm al-’ahad), eu apenas vos desejo As-Salamu `Alaykum (que a paz de Allah esteja convosco).
    Sabendo que sois todos infiéis, não espero que respondam Wa Alaykum As-Salam Wa RahmatulLahi wa BarakatuHu (E a paz e a misericórdia de Deus e a Sua bênção esteja sobre você).

  32. Marciano Diz:

    Qualquer ironia com a Pêssach ou Páscoa não é mera coincidência.

  33. Marciano Diz:

    Para que fique bem explicadinho, com isso perdendo toda a graça:
    .
    Como todos aqui são ou cristãos ou ex-cristãos (infiéis), para os quais a adaptação da pêssach, chamada de páscoa, tem ou teve algum significado, estou lembrando que nem todo o mundo é cristão.
    Para um muçulmano, a páscoa tem tanto significado quanto para um total descrente, comme moi.
    Que se dane se supostamente os judeus comemoram a “passagem” (significado de pêssach e, por extensão, de páscoa) dos judeus para a liberdade e se os cristãos acham que FG foi ressuscitado durante a pêssach.
    Entenderam?
    .
    Moral da história: todos são descrentes quanto às crenças dos outros. Eu apenas sou descrente quanto a mais uma.

  34. Marciano Diz:

    Em linguagem algébrica (do árabe, al jabara, a reunião), podemos dizer que todo crente é descrente quanto a n-1 crenças. Eu sou descrente quanto a todas, não falta nenhuma.

  35. Marcos Arduin Diz:

    Traduza a resposta então, Balofo, pois não entendi lhufas.
    .
    Ai meu São Cipriano… Desde quando escrever historinhas quando criança se traduz em “grande queda” por literatura? Eu me citei como exemplo: também escrevi coisinhas quando adolescente, mas nunca me tornei literato.
    Tá coincidiu de que o cara que fez isso escrevesse mais de 400 livros ao longo da vida, mas tanto quanto eu saiba, esses livros são vistos como baitas besteiras por aqui, certo?
    .
    Também já ouvi falar deste cara aqui: http://www.omensageiro.com.br/personalidades/personalidade-147.htm
    Em se tratando de casos mediúnicos, foram poucos os sábios que tiveram a coragem de contrariar o pensamento acadêmico. Mas eu não o culpo por isso.
    O que me interessa é: a Pearl Curran escreveu ou não os textos tidos por mediúnicos e só os teria feito porque “descobriu-se” que ela era uma voraz estudiosa autodidata de textos ingleses antigos por isso foi capaz de redigir o ditos escritos?

  36. Gorducho Diz:

    Os versos surgiam no idioma anglo-saxão e em nenhum momento eram utilizados quaisquer vocábulos que não estivessem perfeitamente enquadrados àquela época.
    Claro que era anglo-saxão, mas, não Professor. Era uma miscelânea de termos, inclusive com maior % de palavras anglo-saxãs que a média de outros textos das épocas. Indica portanto uma linguagem montada, não correspondendo a uma região e época especifica que seria então a adonde nasceu e depois na América viveu e foi morta a PW.
    By the way naturalmente o Sr. sabe que ela tinha entre outras obras o The Old Spelling of Sheakespeare; claro que sabe não é Professor?
     
    ANSWERS
    i) a Pearl Curran escreveu ou não os textos tidos por mediúnicos?
    Sim.
    ii)só os teria feito porque “descobriu-se” que ela era uma voraz estudiosa autodidata de textos ingleses antigos por isso foi capaz de redigir o ditos escritos?
    Não: é espantoso. Como lhe disse eu também sou admirador.

  37. Gorducho Diz:

    Puxa! O Sr. entende tudo de botânica, mas quanto a interpretação de textos…
    Vou gritar c/o Sr., mas é para estimular seu entendimento…
    [...] SEMPRE TIVE O MAIS PRONUNCIADO PENDOR PARA A LITERATURA;
    [não constitui sequência...]
    É verdade que em casa sempre estudei o que pude, mas meu pai era completamente avesso À MINHA VOCAÇÃO PARA AS LETRAS [...]
    Certa vez meu pai, que não podia compreender MINHA VOCAÇÃO LITERÁRIA, queimou todas minhas coleções… CHOREI MUITO [...]
    ATÉ HOJE, PASSADOS TANTOS ANOS, SINTO N’ALMA AQUELA EMOÇÃO INDEFINÍVEL QUANDO TIVE EM MINHAS MÃOS O PRIMEIRO EXEMPLAR DO PARNASO DE ALÉM-TÚMULO!
     
    Com base nos sentimentos expressados, se poderia concluir que o entrevistado tem uma “grande queda” por literatura?
    ( ) не
    ( ) да

  38. Marcos Arduin Diz:

    Por uma miscelânea, Balofo, eu entendo o seguinte: era apenas um amontoado de palavras que NÃO FORMAVAM FRASES, nada tinha sentido. Eu só não sei então de onde saíram as histórias que lhe atribuíram autoria, que inclusive foram traduzidas pelo Hermínio Corrêa Miranda…
    .
    “Indica portanto uma linguagem montada, não correspondendo a uma região e época especifica”
    - Ué? Precisava ser? Se era obra de um espírito e este a quis escrever servindo-se de um anglo-saxônico médio ou arcaico, qual é o problema? A questão é se a dita médium, cujo trabalho foi testemunhado, seria capaz de fazer isso por si só, sem ser erudita em inglês…
    .
    “By the way naturalmente o Sr. sabe que ela tinha entre outras obras o The Old Spelling of Sheakespeare; claro que sabe não é Professor?”
    - Não, mas o que isso significaria? A menos é claro que se vá usar da Parapsicologia Católica: de acordo com o Quemedo, basta que se ouça alguém dizer Guntag e pronto _ o inconsciente já sabe todo o idioma alemão…
    .
    Alguém aqui reclamou do sacrifício aos olhos do Chico para escrever. Pois bem, vou dizer o mesmo da Curran: ler algo escrito em anglo-saxônico antigo não faz dessa pessoa uma erudita nisso. E o que eu acho estranho é ela não ter continuado a escrever nessa linha, já que a coisa era dela e não de espírito…
    .
    Pronunciado pendor para literatura… Parece alguém dando atestado a si próprio… Não vale. Mas muito que bem, vamos admitir que ele tenha dito isso e sido incompreendido pelo pai. Mas no fim, parece que ele nunca escreveu algo de si próprio quando adulto: precisou dos espíritos para fazê-lo. Uma pena.

  39. Gorducho Diz:

    Se passei essa ideia penitencio-me. Formam frases e histórias coerentes e com pitadas de bizarrismo. Apenas não correspondem a um dialeto específico ou época.
    Portanto as histórias que atribuem a ela autoria são corretas.
     
    E o que eu acho estranho é ela não ter continuado a escrever nessa linha, já que a coisa era dela e não de espírito…
    Tentou. É que após Sorry Tale e Hope Trueblood (acho) o público perdeu o interesse pela novidade. Ainda, a PW esqueceu o planejamento e se deu mal e escreveu uma novela em estilo vitoriano e vocabulário atualizado para. Daí foi pro saco a história que a linguagem corresponderia à que ela falava no século xvii &c. Então perdeu o charme do “espírito” elisabetano.
     
    Mas no fim, parece que ele nunca escreveu algo de si próprio quando adulto: precisou dos espíritos para fazê-lo. Uma pena.
    Isso só na mente dos chiquistas como o Sr. :lol:

  40. Marciano Diz:

    Como doutor em biologia, professor de botânica, fico intrigado como Arduin lida com a seleção natural (faz tabula rasa dela?) e como coaduna a moderna teoria da evolução com o “reino hominal” citado na obra chiquista.
    .
    .
    “REINO HOMINAL

    O homem, tendo tudo o que existe nas plantas e nos animais, domina todas as outras classes por uma inteligência especial, ilimitada, que lhe dá a consciência do seu futuro, a percepção das coisas extramateriais e o conhecimento de Deus.

    André Luiz em Evolução em Dois Mundos cita que o princípio inteligente estagiando na ameba adquire os primeiros automatismos do tato; nos animais aquáticos, o olfato; nas plantas, o gosto; nos animais, a linguagem. Hoje somos o resultado de todos os automatismos adquiridos nos vários reinos da natureza. Assim, no reino mineral adquirimos a atração; no reino vegetal, a sensação; no reino animal, o instinto; no reino hominal, o livre-arbítrio, o pensamento contínuo e a razão. (Xavier, 1977, cap. 4) Diz ainda que “nas linhas da civilização o reflexo precede o instinto, este à atividade refletida, esta à inteligência, esta, por sua vez, à razão e, finalmente, esta à responsabilidade”.

    A característica principal deste reino, como uma síntese de todos os anteriores, é o aparecimento do Pensamento Contínuo, do Livre-Arbítrio e da Responsabilidade Moral.

    O homem é um ser a parte. O Espírito, encarnando-se no homem, transmite-lhe o princípio intelectual e moral, que o torna superior aos animais. O Espírito ao purificar-se liberta-se pouco a pouco da influência da matéria.”
    .
    .
    Escolha, Arduin: biologia ou bizarrices espiritoides.
    Não dá para conciliar as duas coisas.
    Experimente falar em “reino hominal” ou citar AL em suas classes.

  41. Marciano Diz:

    Arduin é a prova de que certos físicos teóricos precisavam para demonstrar a existência de universos paralelos.
    Ele transita em dois universos paralelos, o mundo acadêmico que lhe dá o pão de cada dia e os delírios bizarros que ouve e quiçá diz nos centros espíritas.

  42. Marciano Diz:

    Assim como os cinco sentidos, os três reinos, mineral, vegetal e animal, já foram abandonados há tempos.
    Hoje existem outras classificações, mas ainda não vi o reino hominal.

  43. Marciano Diz:

    Bem entendido: ao lado dos três reinos de antigamente, classificaram-se seres em outros reinos, antes pertencentes ao reino vegetal.
    Essa de reino hominal é um atentado à biologia.

  44. Marcos Arduin Diz:

    “Apenas não correspondem a um dialeto específico ou época.”
    - Não entendi exatamente qual é o problema. Ela escrevia em inglês arcaico ou médio. Quais eram as épocas desses ingleses?
    .
    “Ainda, a PW esqueceu o planejamento e se deu mal e escreveu uma novela em estilo vitoriano e vocabulário atualizado”
    - Foi a Patience quem escreveu ou foi a Curran?
    .
    “Isso só na mente dos chiquistas como o Sr.”
    - Não sou chiquista, meu caro. Apenas acho estranho que alguém, tendo por si próprio uma GRANDE QUEDA POR LITERATURA, fosse atribuir autoria de suas obras a espíritos ainda mais num país chatólico… Se tivesse se apresentado como autor delas e retido os direitos autorais, teria se dado bem melhor na vida…

  45. Marcos Arduin Diz:

    “biologia ou bizarrices espiritoides.”
    - Bizarrices.
    .
    “Ele transita em dois universos paralelos, o mundo acadêmico que lhe dá o pão de cada dia e os delírios bizarros que ouve e quiçá diz nos centros espíritas.”
    - Só não misturo esses universos e nem levo a sério as bizzarices ditas em obras espíritas. Posso descartar essas sem mais aquela, algo difícil para um chiquista.
    A minha dificuldade no mundo real é quando a turma que diz ter os pés no chão precisam mentir e falar bizarrices para refutar o obtido cientificamente dos ditos fenômenos mediúnicos (estou me referindo aos fenômenos em si e não de elucubrações que tenham saído deles…).

  46. Gorducho Diz:

    Não entendi exatamente qual é o problema.
     
    A natureza do problema é que não corresponde ao vocabulário que a PW teria correspondendo ao lugar e tempo onde nascera e posterior imigração p/a América (onde é claro adquiriria algum vocabulário função dos lugares que habitou, meio social e tempos de permanência).
    Então perdeu o charme da alegação. Veja: a PW também não era uma erudita em poesia medieval (tardia, claro) ou Shakespeariana que me conste. Então fica 0 x 0 se foi a terrícola ou a ultramundana que bolou os textos. O charme estaria se ela escrevesse numa linguagem coerente duma moça que vivenciara sua época e lugares específicos durante sua estadia para provas na crosta. Isso naufragou, como lhe elucidei acima.
    Mas repito: não vou fazer os trabalhos de casa p/o Sr.

  47. Gorducho Diz:

    Foi a Patience quem escreveu ou foi a Curran?
    Fiz uma figura p/ressaltar o ponto que lhe sublinhei acima. Quando o “espírito” escreveu em linguagem vitoriana, i.e., posterior à época (elisabetana) que ela teria vivido. O CX certamente teria alegado que PW mantinha-se continuamente atualizada quanto aos desenvolvimentos do inglês na colônia espiritual (qual seria?) para a qual fora levada após recuperar a peri-consciência após a execução pelos aborígenes.
    Aliás é de certa forma tragicômico (síndrome de Stockholm?): ela na apresentação usa a medida de tempo dos captores:
    Many moons ago I lived. Again I come. Patience Worth my name. Wait, I would speak with thee. If thou shalt live, then so shall I. I make my bread at thy hearth. Good friends, let us be merrie. The time for work is past. Let the tabby drowse and blink her wisdom to the firelog.

  48. Gorducho Diz:

    [...] para refutar o obtido cientificamente dos ditos fenômenos mediúnicos
     
    Tipo como ovos de peru luminíferos flutuando?

  49. Gorducho Diz:

    [...] fosse atribuir autoria de suas obras a espíritos ainda mais num país chatólico… Se tivesse se apresentado como autor delas e retido os direitos autorais, teria se dado bem melhor na vida…
     
    Minha tese é tanto a insegurança decorrente das humilhações e vicissitudes da infância quanto esquizofrenia ou algo semelhante (é claro que não sou médico). Lendo-se artigos sobre esquizofrenia para leigos é sintoma aparições bem como o recebimento de ordens desses seres mentais – aliás caso que tenho presenciado a relativa distância em infante de família com a qual convivemos a nível social não-íntimo.
    Essas ordens é exatamente o caso do Emmânuel, que se bem me lembro ameaçou-o até de morte em caso de desobediência.

  50. Gorducho Diz:

    Evidentemente que depois quase imediatamente a cartolagem espírita por conveniência começou a botar pilha de certa forma “racionalizando” os sintomas.

  51. Antonio G. - POA Diz: Diz:

    É interessante como o passar do tempo pode fazer-nos adquirir um melhor discernimento e distinguir o que não percebíamos em outro momento. Eu já era um homem maduro, com sólida formação acadêmica, pai de família, profissional bem situado, e admirava a obra de Chico Xavier como algo maravilhoso, irretocável, sublime. Hoje percebo que, se processarmos e condensarmos tudo o que ele escreveu, mal obtemos um livrinho de catequese infantojuvenil. O resto fica apenas por conta da fé, da vontade de acreditar, e da disposição em fazer vistas grossas à mediocridade literária e ao cabedal de bobagens que ele enunciou.

  52. Antonio G. - POA Diz: Diz:

    Teste

  53. Gorducho Diz:

    A minha dificuldade no mundo real é quando a turma que diz ter os pés no chão precisam mentir e falar bizarrices para refutar o obtido cientificamente dos ditos fenômenos mediúnicos (estou me referindo aos fenômenos em si e não de elucubrações que tenham saído deles…).
     
    “Under the strictest test conditions, I have seen a solid self-luminous body, the size and nearly the shape of a turkey’s egg, float noiselessly about the room, at one time higher than any one present could reach standing on tiptoe, and then gently descend to the floor. It was visible for more than ten minutes, and before it faded away it struck the table three times with a sound like that of a hard solid body. During this time, the medium was lying back, apparently insensible, in an easy-chair.”
    :mrgreen:

  54. Gorducho Diz:

    E tem mais uma cousa relativo à obra do CX, Professor. Se ele não as atribuísse ao Sobrenatural, que charme teria.
    Teria sido um poeta mediano… E na parte evangélico religiosa? Faria ele o que? Faria romances assumidamente de ficção com objetivos de aprimoramento moral?
    O Lentulus e a Lívia seriam assumidamente personagens fictícias com a finalidade de passar a versão bezerrista do catolicismo reencarnacionista.
    Que repercussão teria tido isso no povão, escritos feitos por um suposto matuto?
    É exatamente o caso do Kardec, ressalvado que este era de fato algo culto. Ou seja: se o Kardec tivesse assumidamente da cabeça dele tentado reformar a igreja católica a partir das bases mesmeristas e socialistas utópicas, por lógica escolástica, sem alegar origens Sobrenaturais para os escritos, que repercussão teria isso tido?

  55. Marcos Arduin Diz:

    Mas qual era a OBRIGAÇÃO de o vocabulário ser NECESSARIAMENTE correspondente à época X, senão não vale? Como eu disse, quero saber se o escrito era coerente como texto com alguma mensagem compreensível, ao menos para quem conhecesse o inglês arcaico.
    O meu foco é se a MÉDIUM tinha conhecimentos literários que lhe permitissem fazer aquilo por si só.
    .
    “Fiz uma figura p/ressaltar o ponto que lhe sublinhei acima. Quando o “espírito” escreveu em linguagem vitoriana, i.e., posterior à época (elisabetana) que ela teria vivido.”
    - Parece-me que aqui temos o dogma cristão que diz que a alma separada do corpo é INCAPAZ de aprender, pois ela só pode receber conhecimentos através do corpo. Assim, se algum espírito se comunicasse, ele só poderia falar como na época que viveu e só dizer coisas que sabia até o dia de sua morte. É esse o seu argumento?
    .
    Balofo, seria um caso de “carroça na frente dos bois”. Tanto o Kardec, como o Chico, DEPARARAM-SE com eventos mediúnicos e foi A PARTIR DISSO, que atribuíram as coisas como sendo obra de espíritos. Se nunca houvesse acontecido nada disso, então nunca teria o Chico, de formação católica, falado em espíritos. Diria que foi “inspiração celestial” talvez.
    .
    E charme? Que charme havia em dizer que a coisa vinha de espíritos? Já disse que havia muita hostilidade contra isso nos tempos idos e passados. O único país onde o dito “psicografado por” e “espírito Zé Mané” não causa estranheza é este aqui onde vivemos. Ainda assim duvido que um católico fervoroso ou evangélico ou TJ o comprasse. Embora haja até estantes inteiras nas livrarias dedicadas a livros espíritas, não acho que o atrativo seja “psicografado…” Livro ruim não vende, pois o maior responsável pela propaganda é o boca a boca do leitor.
    O Chico deu uma sorte pois sua obra interessou aos sorbonizados da FEB e daí vieram as outras. Ele só parou de mandar livros pra lá quando a FEB não permitiu a tradução dos seus livros para o inglês.
    .
    Nunca imaginei que o Kardec quisesse reformar a Igreja. Onde ele disse isso?
    .
    E quando aos aspectos científicos, já falei da pesquisa feita durante 80 anos por gente de diversos campos do conhecimento, inclusive os científicos. E que as refutações a isso, até onde vi, são pífias. Ex: o Philippe Davis escreveu um livro onde Douglas Home confessou-lhe que nunca viu espírito algum.

  56. Gorducho Diz:

    Mas qual era a OBRIGAÇÃO de o vocabulário ser NECESSARIAMENTE correspondente à época X, senão não vale?
    Aparentemente essa avaliação foi feita pelo público leitor, não pelo M. Grassouillet, tanto que rapidamente passou de moda. Digamos: pelo “mercado consumidor”. Agora sim interpretação minha: de novo ficamos 0 x 0 na indeterminação se foi a terrícola ou a ultramundana quem estudou e compôs essa linguagem semi-artificial. E nesses caso eu uso a navalha de Guilherme e não fico multiplicando entidades no modelo.
     
    Como eu disse, quero saber se o escrito era coerente como texto com alguma mensagem compreensível, ao menos para quem conhecesse o inglês arcaico.
    Compreensível mas não coerente no sentido que era uma mistura de arcaísmos, entende? Imagine alguém compondo num português antigo de diversas épocas e usando termos de Portugal, daqui, Goa, Angola; bem como algumas coisas aparentemente originais dela (que se poderia legitimamente enquadrar como licença poética, bien entendu).
     
    O meu foco é se a MÉDIUM tinha conhecimentos literários que lhe permitissem fazer aquilo por si só.
    Aparentemente não. Mas conhecemos bem esse meio espiritualista. Somos pós-doutorados nisso, o Sr., eu e a maioria aqui.
     
    “Fiz uma figura p/ressaltar o ponto que lhe sublinhei acima. Quando o “espírito” escreveu em linguagem vitoriana, i.e., posterior à época (elisabetana) que ela teria vivido.” &c.
    É. Mas, sim, podemos adotar o dogma chiquista de que as almas estudam hebraico latinizado, inglês, &c. no ultramundo. E aí chegarmos à sua conclusão implícita.
     
    Balofo, seria um caso de “carroça na frente dos bois”. Tanto o Kardec, como o Chico, DEPARARAM-SE com eventos mediúnicos e foi A PARTIR DISSO, que atribuíram as coisas como sendo obra de espíritos. Se nunca houvesse acontecido nada disso, então nunca teria o Chico, de formação católica, falado em espíritos. Diria que foi “inspiração celestial” talvez.
    No caso do CX certamente.
    Mas no caso do Kardec não é esse o ponto. Ele desde adolescente tinha um plano de reformar o cristianismo. E tudo que o Kardec escreveu já estava posto, desde o mesmerismo, o código penal para os defuntos (última parte do Terra & Céu), a reencarnação romântica… Sem falar é claro na dogmática teológica básica quanto à existência e atributos escolásticos de Deus, a realidade do Cristo (note que o Kardec faz questão de falar “Cristo”, e não Jesus como poderia razoavelmente ser se de fato ele estivesse fazendo um estudo independente dos dogmas católicos. Tudo escritos e ideias já postas na crosta.
     
    Que charme havia em dizer que a coisa vinha de espíritos?
    Lhe devolvo a pergunta: o espírita é o Sr. :mrgreen:
    Eu sou ex, mas faz tanto tempo (40 anos) que nem me lembro mais qual era o charme. Fui criado no meio, tanto chiquista como umbanda, e achava natural e que era verdade aquilo tudo.
     
    Embora haja até estantes inteiras nas livrarias dedicadas a livros espíritas, não acho que o atrativo seja “psicografado…”
    Claro que é. Se os chiquistas não achassem que NL boia em cima do Rio, que a Joanna de Angelis existe de fato, que o Lentulus existiu e se encontrou c/Jesus, que o Dr. Bezerra sofre das cordas vocais ou dos pulmões na erraticidade; acha que comprariam os livros em tal quantidade?
     
    E quando aos aspectos científicos, já falei da pesquisa feita durante 80 anos por gente de diversos campos do conhecimento, inclusive os científicos. E que as refutações a isso, até onde vi, são pífias
    Não discordei. Até citei o ovo de peru voador investigado cientificamente por quem o Sr. bem sabe…
    o curioso é que hoje em dia ovos não flutuam mais (exceto na estação essa internacional, claro).

  57. Larissa Diz:

    “Nunca imaginei que o Kardec quisesse reformar a Igreja. Onde ele disse isso?”
    .
    Precisa falar?

  58. Antonio G. - POA Diz:

    Fui banido? Não consigo postar.

  59. Vitor Diz:

    Antonio,
    seus posts estavam caindo no spam. Já resolvido.

  60. Antonio G. - POA Diz:

    Ah… Ok, obrigado.
    É que eu tinha postado um comentário sobre minha mudança de percepção sobre a obra de CX, ontem, às 9:18 AM. Não aparecia, mas agora apareceu.
    Obrigado.

  61. Marcos Arduin Diz:

    Balofo, pelo que entendi do caso, não era uma “linguagem artificial” e sim um estilo próprio de se expressar, servindo-se do inglês arcaico.
    .
    Ao que parece não foi exatamente uma MISTURA de arcaísmos, mas uma pista deixada pelo espírito de que teria vivido em várias épocas. É de se notar que Patience não era muito comunicativa a respeito de si própria. A história que escreveu da época da Palestina no tempo de Cristo é como se tivesse sido escrita por alguém que viveu naquele momento. Mesmo que estivesse estudado amplamente a história disponível daquela época (o que a médium NÃO fez), não conseguiria elaborar algo tão bem feito abordando tantos temas diferentes. Coisa nem um pouco parecida com o Há 2000 anos, do Chico.
    .
    “Ele desde adolescente tinha um plano de reformar o cristianismo.”
    - Sério? Bem, pretensão e água benta…
    .
    “note que o Kardec faz questão de falar “Cristo”, e não Jesus como poderia razoavelmente ser se de fato ele estivesse fazendo um estudo independente dos dogmas católicos.”
    - Ih, meu caro! Estranho: alguém teria de ter tantos cuidados no seu linguajar se já tivesse toda uma ideia montada com antecedência. Cristo e Jesus são sinônimos, a menos que queiramos fazer que nem o Ramatis fez.
    .
    Meu estou colocando a questão do charme no início da obra do Chico. Naquela época NÃO havia charme algum em ser espírita. Era tido e havido por gente do Capeta. E a comunidade espírita não era das maiores…
    .
    “acha que comprariam os livros em tal quantidade?”
    - O livro tem que ter coisa boa, ao menos uma história divertida para vender. Tá, os romances melosos espíritas até vendem bem. Já um livro de estudos não vende nem um décimo do que vende um romance. O psicografado espanta parte do público (e diria: uma grande parte).
    .
    Há investigações melhores e que já foram muito discutidas por aqui. Veja lá o seu Victor e a Dona Piper…

  62. Marcos Arduin Diz:

    Precisa falar?
    - Precisa sim, Larissa.

  63. Antonio G. - POA Diz:

    Para mim também é muito óbvio que Kardec (e depois CX) pretenderam dar uma nova ordem ao cristianismo, em especial à ICAR. A mais gritante evidência disto é a profusão de santos católicos protagonizando seus textos doutrinários.

  64. Antonio G. - POA Diz:

    Os espíritos do kardecismo/chiquismo são sempre cristãos. Não há espírito judeu, muçulmano ou ateu, por exemplo.

  65. Larissa Diz:

    Buda, Confúncio, lutero, etc., bem Q poderiam ter dado uma pitada ecumênica à codificação kardecista – já q do lado de lá todos sabem a verdade verdadeira. Mas parece a só espiritos católicos se dispuseram a participar da codificação.
    .
    Há coisas q não precisam ser ditas. Como diz o ditado:”meia palavra para bom entendedor basta”.

  66. Gorducho Diz:

    Balofo, pelo que entendi do caso, não era uma “linguagem artificial” e sim um estilo próprio de se expressar, servindo-se do inglês arcaico.
     
    Mas arcaico de diversas regiões e épocas. Vejamos por exemplo o que diz o (deslumbrado) Yost: and, not rarely, word and phrase forms that seem never to have been used in English or in any English dialect.
    E recordo-lhe também esta observação no A Paciência da Pérola que lhe indiquei (já terminou de ler?):
    Not even PW’s defenders could avoid characterizing the antiquity of PW’s language as performative costume. Walter Prince, noting the repetitive use of the prefix a- as rhythmic filler, was exasperated enough to call the dialect “half-artificial”. Not one would write in a tongue “so clumsy and so objectionable”, never spoken “anywhere at any time,” granted a contributor to Patience Worth’s Magazine – probably Casper Yost - [...]

  67. Vitor Diz:

    Gorducho,
    disponibiliza o livro do Shea pra gente aí! Please!

  68. Gorducho Diz:

    Eu li partes no Google. Tem o suficiente para o objetivo, que é a questão da linguagem.
    A brincadeirinha quanto ao Professor já tê-lo lido, é que ele tem a mania de ficar exigindo do opositor as referências as quais ele não faz, requerer resumos, fingir que não entende os idiomas, &c. Em suma: não faz o dever de casa, quer tudo mastigado.

  69. Gorducho Diz:

    … se finge de mau entendedor, incapaz de apreender a intenção a partir do conjunto da obra.
    Exemplo específico então, acerca das intenções do Kardec [Revue, janeiro '63 - resposta e leitor de Bordeaux]
     
    A Igreja não se alinhou com a Ciência a propósito de certas crenças de que outrora fazia artigos de fé? Não reconhece hoje a lei do movimento da Terra e dos períodos geológicos da Criação, que havia condenado como heresias? Quanto às chamas do inferno, toda a alta teologia reconhece que é uma imagem e que por ela se deve entender um fogo moral e não material. Sobre vários outros pontos as doutrinas são também menos absolutas do que antigamente, donde se pode concluir que um dia, cedendo à evidência dos fatos e das provas materiais, ela compreenderá a necessidade de uma interpretação em harmonia com as leis da Natureza, sobre alguns pontos ainda controvertidos; porque nenhuma crença poderia racionalmente prevalecer contra essas leis. Deus não pode contradizer-se estabelecendo dogmas contrários às suas leis eternas e imutáveis, e o homem não pode pretender colocar-se acima de Deus, decretando a nulidade dessas leis. Ora, a Igreja, que compreende esta verdade para certas coisas, compreendê-la-á também para as outras, notadamente no que concerne ao Espiritismo, em todos os pontos fundado sobre as leis da Natureza, ainda mal compreendidas, mas que se compreende cada vez melhor à medida que os dias passam.

  70. Antonio G. - POA Diz:

    É o que eu quis dizer com “nova ordem do cristianismo” intentada por Kardec.

  71. Gorducho Diz:

    Os espíritos do kardecismo/chiquismo são sempre cristãos. Não há espírito judeu, muçulmano ou ateu, por exemplo.
    Muçulmano só me lembro do Mehmet Ali (falecido em ’49). Note-se que o objetivo é esculachar c/a religião muçulmana e fazer propaganda do cristianismo.
     
    23. Pensais que se o povo que governastes fosse cristão, teria sido menos rebelde à civilização? – R. Sim; a religião cristã eleva a alma; a religião muçulmana não fala senão à matéria.
    24. Quando vivo, vossa fé na religião muçulmana era absoluta? – R. Não; eu acreditava num Deus maior.
    25. Que pensais disso agora? – R. Ela não faz os homens.
    26. Maomé tinha, segundo vós, uma missão divina? – R. Sim, mas que a prejudicou.
    27. Em que a prejudicou? – R. Quis reinar.
    28. Que pensais de Jesus? – R. Este veio de Deus.
    29. Qual dos dois, Jesus ou Maomé, que, segundo vós, tem feito mais para a felicidade da Humanidade? – R. Por que o perguntais? Que povo Maomé regenerou? A religião cristã saiu pura das mãos de Deus; a religião maometana é a obra de um homem.
    30. Credes uma dessas duas religiões destinada a se apagar de sobre a Terra? – R. O homem progride sempre; a melhor permanecerá.
    31. Que pensais da poligamia, consagrada pela religião maometana? – R. É um dos laços que retêm na barbárie os povos que a professam.

  72. Marciano Diz:

    1. Antonio G. – POA Diz:
    ABRIL 7TH, 2015 ÀS 2:54 PM
    Para mim também é muito óbvio que Kardec (e depois CX) pretenderam dar uma nova ordem ao cristianismo, em especial à ICAR. A mais gritante evidência disto é a profusão de santos católicos protagonizando seus textos doutrinários.
    .
    É sempre assim, Antonio. Não se cria uma religião do nada.
    Quando surgiu o cristianismo primitivo, foi apenas uma adaptação.
    Quando interessou a Roma, o cristianismo foi transformado, adotando práticas de outras religiões mais antigas, chamadas pelos novos cristãos (novos naqueles tempos, claro) de pagãs.
    Quando houve o primeiro cisma, não foi nada criado do zero, foi adaptação.
    .
    Quando surgiram as reformas luterana e calvinista, nada de novo foi criado debaixo do Sol (citação ao Eclesiastes para efeito de estilo).
    .
    .
    Se você for esperto, não tenta criar uma NOVA religião, pega uma antiga e modifica-a.
    .
    .
    Eu gostaria que a seleção natural tivesse feito de mim um safado. Assim, eu usaria o que foi dito acima para criar mais uma “nova” religião e viveria regiamente, do dinheiro dos bobos, em vez de ficar trabalhando feito um cavalo para sustentar a ditadura petista e até a cubana e venezuelana, através dos acordos com cláusulas secretas, médicos cubanos, etc.
    .
    Aliás, para quem é safado, outra maneira de ganhar dinheiro mole é se dedicando à política, que pode ser convenientemente mixada com a crença religiosa.

  73. Marciano Diz:

    Enquanto não se instala a ditadura com todas as letras, nada como crentes e eleitores para dar boa vida a gente safada.

  74. Marciano Diz:

    Meu sonho é morar em Cuba, plantando cana-de-açúcar, ao mesmo tempo frequentando uma mesquita de uma das muitas denominações muçulmanas, dando parte da miséria que o Estado me fornecer para Allah.
    Tenho muita vontade de ser burro, pois inteligência dói, a verdade machuca, incomoda. Pessoa inteligente não consegue ter amigos, no meio de tantos idiotas.
    Desgraçadamente, sou um animal gregário.
    Na próxima reencarnação, pedirei para voltar como um tigre solitários, se ainda existirem tigres até lá.
    Sei que o espírito não retrograda, mas quem disse que os tigres são inferiores a nós, espiritualmente falando?

  75. Marciano Diz:

    Errata:
    citação DO Eclesiastes;
    tigre solitário (sem o s no final, no singular, como o substantivo).

  76. Contra o chiquismo Diz:

    Magino a penca de discussões nas ‘casas espiritas’ sobre o suicídio do piloto alemão…

    **

    tudo que os ‘espiritas’ gostam: suicídio, resgate coletivo, trevas, obsessão, perturbação do co piloto, mas no fundo mesmo, estão todos felizes pq a tragédia fez a ‘justiça divina’ se cumprir. Todos ali naquele avião eram maus p cacete e resgataram as faltas morrendo daquela forma.

    ****

    Ora, emmanuel explica:

    **
    “Realmente reconhecemos em Deus o Perfeito Amor aliado à Justiça Perfeita. E o Homem, filho de
    Deus, crescendo em amor, traz consigo a Justiça imanente, convertendo-se, em razão disso, em qualquer
    situação, no mais severo julgador de si próprio.
    Quando retornamos da Terra para o Mundo Espiritual, conscientizados nas responsabilidades
    próprias, operamos o levantamento dos nossos débitos passados e rogamos os meios precisos a fim de
    resgatá-los devidamente.
    É assim que, muitas vezes, renascemos no Planeta em grupos compromissados para a redenção
    múltipla.
    ***
    Invasores ilaqueados pela própria ambição, que esmagávamos coletividades na volúpia do saque,
    tornamos à Terra com encargos diferentes, mas em regime de encontros marcado para a desencarnação
    conjunta em acidentes públicos”
    **
    Livro “Chico Xavier pede licença” Psicografia Francisco C. Xavier Autores diversos
    **

    tá aqui na pág 29, cap. 19:

    http://www.limiarespirita.com.br/livros/chico_xavier_pede_licenca.pdf

  77. Contra o chiquismo Diz:

    Corrigindo a 1ª frase: do CO PILOTO alemão.

  78. Contra o chiquismo Diz:

    “Invasores ilaqueados pela própria ambição, que esmagávamos coletividades na volúpia do saque,
    tornamos à Terra com encargos diferentes, mas em regime de encontros marcado para a desencarnação
    conjunta em acidentes públicos”
    ***
    Ilaquear é se aproveitar da boa-fé de alguém.**

    ///

    é… no acidente de avião, o desencarne coletivo são dos invasores ilaqueados-saqueadores-massacradores da coletividade. Todos muito maus… na certa merecedores de tamanho infortúnio.

    ///

    como pagaram seus débitos, na outra encarnação vão voltar como plantadores de rosas em Holambra? Sempre pensei que essa cidade paulista fosse o berço reencarnatório desses com débitos altíssimos que sofreram esses ‘resgates coletivos’…

  79. Larissa Diz:

    tudo que os ‘espiritas’ gostam: suicídio, resgate coletivo, trevas, obsessão, perturbação do co piloto, mas no fundo mesmo, estão todos felizes pq a tragédia fez a ‘justiça divina’ se cumprir. Todos ali naquele avião eram maus p cacete e resgataram as faltas morrendo daquela forma.
    .
    Verdade. Até q aconteça com alguém da família deles.

  80. Gorducho Diz:

    Cristo e Jesus são sinônimos, a menos que queiramos fazer que nem o Ramatis fez.
     
    Não, Professor, são quase antônimos. Jesus seria o nome do rabino fundador da seita – pessoa que até eu acredito que possivelmente tenha existido.
    Cristo é tradução p/o grego de מָשִׁיחַ – em vernáculo: ungido [pela divindade que controle o lugar]; messias. Sendo o Kardec culto, é inaceitável que não soubesse essa diferença essencial. De formas que, sim, procurava intencionalmente implicitamente passar o caráter mitológico religioso católico aos leitores.

  81. Gorducho Diz:

    Tem um espírito me ditando em hebraico. Não compreendo nada: sou médium totalmente automático.
    Só estou tendo dificuldades em psicografar ao contrário. E como olhar a folha atrapalha o automatismo, tenho que tapar os olhos com a mão esquerda para não enxergar nada e ficar um escurinho que também favorece a captação através da pineal, mas em contrapartida dificulta ainda mais a escrita em si mesma. Já quebrei muita ponta de lápis… :(

  82. Marcos Arduin Diz:

    “Não, Professor, são quase antônimos.”
    - OK. O pseudônimo Pelé refere-se a um talentoso jogador de futebol e não deve ser confundido com um cidadão tricordiano de nome Edson Arantes do Nascimento… Assim, se alguém xingar a mãe do Pelé, não corre o risco de ser processado pelo cidadão Edson Arantes do Nascimento… Registrado.
    .
    “Em suma: não faz o dever de casa, quer tudo mastigado.”
    - De fato vou pelo caminho mais fácil e que dá menos trabalho. Mas também pensando em facilitar a vida de leitores que passam por aqui e não sabem do que estamos falando…
    .
    “Mas arcaico de diversas regiões e épocas. ”
    - Exato. Era o estilo dela, mas todos os seus poemas e textos eram mesmo mistura de arcaísmos ou cada texto ou poema tinham o seus próprios?
    .
    O meu problema aqui é a afirmação de que Kardec queria REFORMAR a Igreja e por isso teria inventado o Espiritismo. O único que tem autorização para reformar a dita cuja é o Papa e ao que me consta, Kardec nunca foi essa figura. Se ele inventou alguma coisa doutrinária com base em textos diversos e mais alguma coisa que supostamente espíritos lhe disseram, pretender que quisesse mudar alguma coisa no Cristianismo por conta disso é muita forçada de barra. Talvez por conta do mediunismo, ele achasse que isso seria uma ferramenta contra o Materialismo que poderia ser usada por qualquer religião. Muita ingenuidade e que ao fim do seu trabalho, deu-se conta de que tinha em mãos uma doutrina própria e inservível para a fé de outras.

  83. Gorducho Diz:

    Pelé suponho que fosse o apelido dele ou de infância ou adquirido no Santos. É uma palavra sem nenhum outro significado prévio e/ou dissociada da pessoa do Edson Arantes, exceto pela possibilidade provável de outras pessoas terem antes como agora este apelido – que atualmente, claro, associa-se ao melhor jogador da história. O contrário de Cristo que é uma tradução com sentido religioso bem definido, com sentido próprio autônomo e muito prévio ao (suposto) nascimento de Jesus. Em particular, tamanha imprecisão é absolutamente inaceitável no Kardec, que era razoavelmente culto – não discuto… – e vocacionado à filosofia religiosa.
     
    Era o estilo dela, mas todos os seus poemas e textos eram mesmo mistura de arcaísmos ou cada texto ou poema tinham o seus próprios?
    As duas coisas, i.e., havia variabilidade quanto ao ° de arcaicidade e % deles na linguagem semi-artificial. Leia no GOOGLE as partes da obra que lhe indiquei, forme sua opinião, e se se interessar, leia o resto da obra dela e outros estudos.
     
    O meu problema aqui é a afirmação &c.
    Evidentemente que a reforma seria fora do manual de O&M do Vaticano, Professor…
    Puxa! O Sr. tem dificuldades enormes fora da lógica binária pura…
    No seu centro após a leitura das obras de CX para a harmonização do ambiente e os passes, na sessão mediúnica, evoque o Maurice La Châtre e pergunte pessoalmente.
    Hoje deve haver não? No meu tempo era 2ª 4ª e 6ª desobsessão. Domingo, evangelização (atentado moral contra a infância, cá fizeram aperceber-me).
    É claro que era forçada de barra. O Analista Marciano poderá responder porque se interessa pelo assunto (o Dr. por ética profissional certamente não se manifestará, mesmo que esteja espreitando…) – F.22.0?
    Quanto a poder ser usada por qualquer religião a destruição do materialismo, até seria coerente. Mas ele se trai – é claro que a obra dele não tem coerência interna – ao adotar o cristianismo. Então vai pro saco o logicamente entendível universalismo que haveria se de fato estivessem sendo estudadas manifestações de espíritos. O ESE foi o suprassumo do absurdo e a confissão de propósitos dissimulada no LE + LM.
    Aliás certamente já terá se apercebido que a inspiração para o ESE vem do Evangelho do Povo do Esquirol, não é mesmo?

  84. Gorducho Diz:

    Esquiros… Esquirol era o psiquiatra :(

  85. Vladimir Diz:

    Em homenagem aos Ateus (que julgam ser intelectualmente superiores aos crentes):

    https://www.youtube.com/watch?v=esaSD-8fHc8

  86. Gorducho Diz:

    Ainda acerca da forçação de barra (megalomania), Professor [da Wikipédia]:
     
    No delírio de tipo grandioso o indivíduo pode apresentar um conteúdo religioso ao unir o delírio de grandeza com temas dessa natureza como, por exemplo: acreditar que está recebendo mensagens [na varietal dele terceirizadamente] relativas a acontecimentos futuros ou profecias.

  87. Gorducho Diz:

    Mas justo para quem tem mentalidade científica, Dr., há coerência. A não existência de deuses é a hipótese mais simples.
    Ciência, utilizando a navalha, requer sempre a hipótese mais simples. O próprio entrevistado reconhece [claro que as palavras são minhas agora]: aparentemente está tudo perdido. O planeta foi destruído: não existem mais animais, só automóveis; os oceanos são imensas lixeiras; em certos lugares nem tem mais espaço para plantarem o suficiente para preencher os estômagos(Indonésia); não há mais terrenos baldios; os campos estão recobertos e os bueiros e rios atulhados por dejetos plásticos. Estamos perdidos. O otimismo dos socialistas utópicos esvaneceu-se.
    A geração de espíritos índigo, que, segundo elucidam os chuiquistas, está encarnando para modificar o planeta, eu concluo devem ser os caras do DAESH.
    Então, pelo menos a divindade descrita na #13, certamente que não existe.

  88. Antonio G. - POA Diz:

    Vladimir,
    .
    Com relação ao Pondé, particularmente, não gosto de suas assertivas como pensador. Considero-o mais um exibicionista midiático do que um filósofo que tenha algo relevante a dizer.
    .
    Quanto ao seu blague dizendo que os ateus se acham intelectualmente superiores aos crentes, eu diria que provavelmente até são. Mas não dá prá afirmar isto. É de demonstração muito improvável. Na verdade, a ascendência dos ateus sobre os crentes está centrada na questão do destemor, da independência e do discernimento sobre as questões da própria existência. Um ateu não terceiriza responsabilidades. Assume a própria vida. E possui algo de que um crente não tem como dispor: liberdade.

  89. Marciano Diz:

    Endosso o comentário de Antonio, acrescentando apenas que os crentes, por definição (já que acreditam em coisas bizarras, totalmente sem sentido e contraditórias entre si) têm, no mínimo, algum defict intelectual, algo parecido com idiot savants, sendo que, tirando a crença em coisas incríveis, são intelectualmente normais, alguns inteligentes, outros bem burros.
    De que adianta alguém tocar Rachmaninoff com perfeição, mesmo as peças mais difíceis, se não consegue tomar um simples sorvete sem apertá-lo contra a testa?

  90. Marciano Diz:

    Talvez os savants creiam que pela testa o sabor do sorvete (tem pra todos os gostos, como costumo afirmar – fato conhecido pelos frequentadores mais antigos); como dizia, talvez creiam que pela testa o sabor do sorvete seja melhor apreciado.

  91. Vladimir Diz:

    Gorducho diz:
    A não existência de deuses é a hipótese mais simples.
    .
    COMENTÁRIO:
    https://www.youtube.com/watch?v=5dqU9sJbYRc
    .
    https://www.youtube.com/watch?v=WQ04IlX0z_M
    .
    Antonio diz:
    .
    Quanto ao seu blague dizendo que os ateus se acham intelectualmente superiores aos crentes, eu diria que provavelmente até são.
    .
    Marciano diz:
    Endosso o comentário de Antonio
    .
    COMENTÁRIO:
    https://www.youtube.com/watch?v=3gBV2vzaLvc
    .
    E
    .
    https://www.youtube.com/watch?v=IzxJscgeDIM
    .
    Antonio diz:
    E possui algo de que um crente não tem como dispor: liberdade.
    .
    COMENTÁRIO:
    https://www.youtube.com/watch?v=BRLqoUKM_dU

  92. Marcos Arduin Diz:

    Balofo, sem querer ser chato, mas é o seguinte: quando falamos de Jesus, pensamos naquele cara que viveu lá na Palestina há 2000 anos, certo? Usualmente, quando não é ele, aí vem alguma retificação de imediato: _ Jesus Ruela, irmão do Zé Ruela. Aí então se percebe que não era daquele que se falava. Quanto ao Cristo, cujo significado é ungido, certo houve muitos ungidos, mas da mesma forma que o Jesus, hoje na sociedade ocidental, quando se fala do Cristo, a primeira coisa que se remete é aquele mesmo Jesus lá da Palestina que viveu há 2000 anos. Se o Cristo do qual falamos não é aquele, então vem no contexto: O Cristo, estátua que fica lá no Rio de Janeiro, não pode ser fotografado sem permissão da empresa detentora dos direitos da sua imagem… Entendeu agora ou preciso desenhar? Pois eu não entendi que obrigação em nome da precisão o Kardec tinha de fazer para diferençar entre o Cristo e o Jesus, ambos a mesma pessoa.
    .
    A obra que li foi a do Hermínio C. Miranda – O mistério de Patience Worth.
    .
    “ao adotar o cristianismo.”
    - Balofo, é o seguinte: o Cristianismo é um amontoado de elucubrações teológicas fundamentadas na Bíblia. Consulte os evangélicos e você saberá que muito mais importante que obras, é a fé. Você será salvo por CRENÇA. Daí se entende porque os bons cristãos americanos passaram décadas achando que negro era uma raça para o branco pisar em cima. Eles não viam nada de errado no racismo, na violência e nos abusos contra os negros. Nenhum cristão americano branco jamais perderia sua salvação se linchasse um negro à toa. Mas poderia perder sua salvação se achasse que algum texto na Bíblia está errado.
    Isso é o Cristianismo.
    Já o que Kardec obteve foram ensinamentos que têm consequências morais. E para melhor ilustrar a coisa, serviu-se do melhor código moral à sua disposição que era justamente o que havia no Evangelho. Pegou esse, pois não fazia sentido plagiá-lo. O ESE é apenas uma compilação dessas leis morais. Está lá no prefácio que foi essa a parte que se aproveitou, já que as outras: a historicidade, os milagres, as elucubrações teológicas, etc e tal só geravam polêmica estéril. O uso de apenas essa parte moral não é suficiente para fazer do Espiritismo uma outra seita cristã.
    O chamado Espiritismo Cristão é uma invenção da FEB, que usa do Roustaing, que por sua vez contrabandeou dogmas católicos para o meio do Espiritismo e assim conseguiu a simpatia dos primeiros espíritas, egressos do Catolicismo.
    .
    É isso.

  93. Marcos Arduin Diz:

    “Ciência, utilizando a navalha, requer sempre a hipótese mais simples.”
    - E o que seria essa hipótese mais simples? Vejamos a mesma coisa velha já muito comentada por aqui: como sabemos que Ana Eva Fay enganou o Crookes? Porque ela confessou a Houdini que o enganou aproveitando uma queda de força no teatro onde se apresentava e substituiu uma mão pela junta do joelho e assim pôde burlar a fiscalização do galvanômetro.
    Então, em Ciência, usamos essa navalha: a fraude é a hipótese mais simples que explica perfeitamente os tais fenômenos mediúnicos. Certo? Para os céticos é isso mesmo. Taí o Massimo Polidoro que não me deixa mentir.
    .
    Só que quando vou verificar os dados experimentais, aí fico sabendo que não houve experimento em nenhum teatro. O galvanômetro funcionava (e funciona até hoje) a bateria e uma queda de força na rede de energia não o afetaria. Aliás, em 1875 nem existiam redes de energia elétrica… Além disso os contatos foram chumbados na parede e se ela trocasse uma mão pelo joelho, ficaria presa lá, sem poder sair e sem poder fazer nada do que é registrado no experimento.
    .
    Para não perder a hipótese tão simples, então começam-se os aditivos complicadores: ela usou uma tira de pano molhada com solução salina. Não usou pois foi feito um teste dessa hipótese e mostrou-se inviável. Ah! Ela usou um resistor qualquer. Não usou pois neste caso não haveria oscilações na leitura do galvanômetro. Ela usou clipes e fios. Improvável, pois os fios naqueles tempos eram maciços e não flexíveis, seu desenrolamento e enrolamento seriam bem problemáticos. Além disso ela não confessou tê-los usados. Ela tinha um cúmplice. Quem? E como ele a teria ajudado? Não tinha como entrar na biblioteca do Crookes, pois a porta e janelas foram trancadas e lacradas. Posso parar por aqui? Já viu que a hipótese mais simples, quando examinados bem os fatos, acaba ficando cada vez mais complicada?

  94. Gorducho Diz:

    Porque metafisicamente não são a mesma pessoa, Professor. Jesus talvez tenha existido (eu tendo a achar que sim) e divulgado uma moral a qual o Kardec admirava e considerava a correta para uma regeneração da humanidade. Até aí haveria coerência dele em introduzir esse personagem e essa moral na doutrina que estava a escrever; e a qual portanto serviria genericamente para todos os hominais.
    Cristo já é a parte metafísica desse ser, certamente imaginária, criada pela mitologia católica. Note que o ESE ele faz questão de se referir ao Cristo [e.g. ESE, I, 7]: Assim como o Cristo disse [...]
    Note a forma como ele redige: está a passar ao leitor a imagem de que Jesus (pessoa real que existiu, admitamos para fins do argumento) é o Cristo (ser metafisicamente distinto, mitológico, que acho até mesmo o Sr. concorda ser invenção dos padres…).
    By the way: que eu saiba no Rio não é o Cristo e sim O Cristo Redentor que aí é um nome próprio para esse belíssimo monumento (principalmente pela vista…).
     
    O ESE é apenas uma compilação dessas leis morais.
    Bom saber, Professor. Por isso sempre digo que o Obras Psicografadas também é cultura! Ocorreu então que o ESE que herdei veio com páginas a mais, certamente de outra obra, costuradas por engano pelos gráficos da FEB. Tem até umas onde vêm explicações sobre como orar, e até diz que o dever primordial de toda criatura humana, o primeiro ato matinal diuturno, deve ser a prece.
    Diz também que as grandes vozes do céu ressoam como sons de trombetas, e cânticos de anjos acompanham tal divino concerto.
    Vou pensar num jeito de retirar essas páginas que, graças a sua explicação, agora vejo que estão a mais, sem desconjuntar a encadernação.

  95. Contra o chiquismo Diz:

    “Marcos Arduin Diz:
    abril 8th, 2015 às 3:46 PM

    “Ciência, utilizando a navalha, requer sempre a hipótese mais simples.”
    - E o que seria essa hipótese mais simples? ”

    **
    //

    Aí vem um ‘espirito’ e se apresenta a ti como “João, o teu bom gênio” e tu acreditas sem passar por navalha alguma.

    //

    Ele se apresentou em sonho, incorporou num ‘medium’ , deu ‘mensagem de escrita automatica’ ou falou ao seu ouvido?

    **

    Não faria diferença nesse caso ser apenas ‘joão o bom gênio’ ou o Luiz XV da guarda.

  96. Contra o chiquismo Diz:

    Sim Professor, conte-nos com mais detalhes como se identificou o teu ‘bom gênio’, o ‘joão’ . Queremos saber, não nos poupe detalhes por gentileza.

  97. Gorducho Diz:

    Estava demorando prá aparecer o Polidoro. Mas não posso reclamar: eu alfinetei o Sr. c/o ovo de peru voador e o Sr. desconversou discretamente. :lol:
    A hipótese mais simples é simplíssima: o Crookes era um bocó.
    =============== FIM DA EXPLICAÇÃO SIMPLES ===============
     
    A Cathie também enganou ele com a mão voadora escrevente.
    Mas no fim felizmente parece que se deu por conta, tanto que, ao que tudo indica, tratou de queimar as fotos…

  98. Gorducho Diz:

    Tinha até me esquecido que o anjo-da-guarda do Professor se chama João!

  99. Contra o chiquismo Diz:

    Vamos ver se ele vai desconversar tb sobre a história que ele contou aqui pela metade do seu ‘bom gênio joão’ …

  100. Gorducho Diz:

    O ESE é apenas uma compilação dessas leis morais.
    2° Episódio
     
    Ele vem cumprir, na época predita, o que o Cristo anunciou, e preparar o cumprimento das coisas futuras. Ele é, portanto, obra do Cristo, que o preside, assim como preside ao que igualmente anunciou: a regeneração que se opera e que prepara o Reino de Deus sobre a Terra.
     
    Isso é uma compilação de leis morais que nada tem a ver com a mitologia religiosa cristã?
    Bah! Vivendo e aprendendo… :(

  101. Antonio G. - POA Diz:

    Que tal a pergunta 625 (e a respectiva resposta) do LE?

  102. Marcos Arduin Diz:

    Então é esse o problema? O confronto entre um cara que existiu e a imagem lendária que construíram em cima dele? Eu nunca me envolvi com essa elucubração teológica e para mim, Cristo e Jesus se referiam à mesma pessoa cujo chamamento ficava na preferência de cada um. Talvez eu use mais Jesus depois dessa. Imagino que o Kardec não era tão afinado com teologia e por isso não fez questão de usar um termo em preferência a outro.
    .
    “Diz também que as grandes vozes do céu ressoam como sons de trombetas, e cânticos de anjos acompanham tal divino concerto.”
    - Deve ser coisa da FEB mesmo, pois ela sempre foi espiritólica. De que nos adiantam grandes vozes que não podem ser ouvidas daqui? Mas como eu disse, o grosso do CONTEÚDO, se prefere essa restrição, é a compilação das leis morais, com comentários do Kardec e uma mensagem de espírito junto.
    .
    “Crookes era um bocó.”
    - E mais bocós ainda são os que tentam explicar como ele foi enganado e só falam besteiras. E o Polidoro é um mentiroso. Agora quanto ao ovo de peru, nem sei do que se trata. Achei melhor foi o pires de farinha da Eusápia.
    .
    “A Cathie também enganou ele com a mão voadora escrevente.”
    - Beleza! Agora me explica como foi feito esse engano. E aproveite para explicar os outros também. Inclusive porque até agora nenhum cético conseguiu.
    .
    “Isso é uma compilação de leis morais que nada tem a ver com a mitologia religiosa cristã?”
    - Não isso é como o Kardec entendeu o papel do Espiritismo. Pretensão e água benta…
    .
    “Que tal a pergunta 625 (e a respectiva resposta) do LE?”
    - Que tem demais, Antônio Gê de Porto Alegre e Saltitante? Pergunta-se qual o tipo mais perfeito de gente que apareceu por aqui e a resposta foi: _ Jesus.
    Tem algum exemplo melhor?

  103. Contra o chiquismo Diz:

    E o ‘bom gênio joão’ ?

  104. Sanchez Diz:

    Antes tarde do que mais tarde. Gostei do artigo Vitor.
    O assunto perdeu um pouco o rumo.

  105. Marcos Arduin Diz:

    Vá se acostumando, Sanchez. Por aqui é assim mesmo.

  106. Contra o chiquismo Diz:

    E o ‘bom gênio joão’ ?

  107. Contra o chiquismo Diz:

    Incrível o constrangimento de explicar uma crendice (E o ‘bom gênio joão’ ?) e o malabarismo para defender Crookes et al…

    **

    Esse kardecismo/chiquismo/espeiritismoabrasileira é uma … mesmo!

  108. Marciano Diz:

    Tava demorando, mas Arduin tinha de falar em Polidoro e Crookes.
    Será que se trata de pensamento obsessivo? Com a palavra Vlad…

  109. Contra o chiquismo Diz:

    Marciano, conhece a história do Professor do ‘bom gênio joão’ ?
    Óbvio… ele tem constrangimento de falar nisso.

  110. Marciano Diz:

    Contra, na verdade eu só me lembro do caso das pancadas na parede, que um espírito macumbeiro usou para assombrar Arduin e seus amigos.
    Desse caso do joão em não tomei conhecimento ou dele esqueci-me.
    O que eu acho mais incrível não é o caso do rapping ou de qualquer espírito protetor ou anjo da guarda. Incrível é que alguém da estatura intelectual do Arduin consiga deglutir essas coisas.
    Fico impressionado, também, como alguém arguto como o Vitor possa acreditar em paranormalidade, depois de tanto estudar o assunto.
    Como diria Castro Alves, eu já fui um sujeito que o cérebro emprestou para estudar um assunto tão abstruso, porém absolvo-me porque logo depois de alguns livros sobre o assunto e alguma reflexão, vi que estava desperdiçando tempo com pseudociência.
    Newton era religioso e Darwin, apesar de descrente no sobrenatural, acreditava em hidroterapia, tendo apostado (e perdido) a vida de uma filha com esse embuste.
    Não que Arduin, Vitor ou eu estejamos à altura de Newton ou Darwin. O problema é que se até eles tinham suas crendices, isso não tem muito a ver com inteligência e sabedoria. Deve ser genético mesmo.
    Aconselho você a ler o livro (excelente) do Shermer, que o Vitor disponibilizou. Ele tem suas conjecturas (bem fundamentadas) do porquê de pessoas acreditarem em coisas estranhas. Aliás, tem outro livro dele, que também já li, mais antigo, em que ele fala do mesmo assunto. Vitor ganhou um exemplar do André, aquele pernóstico professor de química que é ateu e acha que é agnóstico.

  111. Antonio G. - POA Diz:

    Arduin postou:
    .
    “Que tal a pergunta 625 (e a respectiva resposta) do LE?”
    - Que tem demais, Antônio Gê de Porto Alegre e Saltitante? Pergunta-se qual o tipo mais perfeito de gente que apareceu por aqui e a resposta foi: _ Jesus.
    Tem algum exemplo melhor?
    .
    Respondendo: Caro Arduin, admitindo-se, apenas para efeito de argumentação, que existam espíritos, eu lhe digo que desconfio fortemente de que o tal Jesus sequer existiu (uma vez que não há indícios razoáveis de que tenha existido). Então, acho que qualquer outro exemplo de pessoa “de bem” serviria melhor como resposta à pergunta 625 do LE.
    .
    Mas minha referência à pergunta 625 foi no sentido de evidenciar mais uma vez que o “codificador” visava a uma nova leitura do cristianismo. O espiritismo kardecista pretendia ser a nova e verdadeira igreja cristã (vide o termo “espírito da verdade”). Só que não deu muito certo. Morreu “na casca”. Kardec foi solenemente ignorado pelo mundo inteiro, e hoje jaz sepulto num cemitério de Paris como uma personalidade meio bizarra, só reconhecida por brasileiros, que lá vão homenageá-lo. Mais tarde, Chico Xavier resolver reativar os dogmas determinados por Kardec, mas com uma releitura muito peculiar, criando o “chiquismo”, ou espiritismo brasileiro. Saiu-se até melhor que o francês, é preciso reconhecer, haja vista a quantidade expressiva de simpatizantes que vicejam na terra brasilis.

  112. Gorducho Diz:

    O confronto entre um cara que existiu e a imagem lendária ficção de messias abençoado pela divindade, que construíram em cima dele?
    Sim.
     
    Eu nunca me envolvi com essa elucubração teológica e para mim, Cristo e Jesus se referiam à mesma pessoa cujo chamamento ficava na preferência de cada um. Talvez eu use mais Sempre usarei Jesus depois dessa.
    Tomei a liberdade de fazer o necessário reparo… Mas, que bom… o debate serviu-lhe então. Como disse o Dr., admoestando-me, a finalidade deve ser aprendizado mútuo e não obter vitórias políticas em cima do oponente.
    E altere sua resolução frase para: Sempre usarei Jesus doravante.

  113. Gorducho Diz:

    Kardec foi solenemente ignorado pelo mundo inteiro, e hoje jaz sepulto num cemitério de Paris como uma personalidade meio bizarra, só reconhecida por brasileiros [...]
     
    Diz que em Cuba tem também kardecistas e chiquistas. Nas Filipinas é também muito forte um espiritismo que reconhece o Kardec mas se baseia mais diretamente na bíblia. Li, nunca estive nesses lugares.
    Só que o espiritismo filipino é fundado diretamente na bíblia e tem bastantes anjos (não só o Ismael e o João…).
    Mas nem a obra básica deles (espiritismo filipino)encontrei disponível, daí não consegui avanças mais…

  114. Gorducho Diz:

    Antes tarde do que mais tarde. Gostei do artigo Vitor.
    O assunto perdeu um pouco o rumo.

     
    Nada temos a acrescentar, Analista Sanchez, pois que ao que tudo indica é invenção. Nada indica que o Comendador Gaspare tenha acreditado no espiritualismo, nem que tenha apresentado algum trabalho acerca dessa inscrição rúnica existente no museu o qual dirigia, então decifrada.
    Para evoluir, só contactando algum intelectual profundo conhecedor de toda obra dele. Só o Sr. JCFF talvez pudesse aportar algo mais…

  115. Antonio G. - POA Diz: Diz:

    Gorducho, é certo que existem “gatos pingados” do espiritismo kardecista/chiquista espalhados por alguns cantos do planeta. Mas, pelo que sei, só fazem algum barulho mesmo é no Brasil. E a mídia televisiva, especialmente a Rede Globo, tem bastante a ver com isto.

  116. Gorducho Diz:

    Imagino que o Kardec não era tão afinado com teologia e por isso não fez questão de usar um termo em preferência a outro.
     
    Santa ingenuidade… Um intelectual que desde a adolescência pretendia reformar o cristianismo “não sabia” a diferença entre Jesus e o Cristo.
    Como dizem que disse Jesus: o reino dos céus lhe pertence, Professor.

  117. Antonio G. - POA Diz: Diz:

    Um filme ou documentário sobre a vida e obra de Chico Xavier é muito mais “vendedor” do que um filme sobre São Francisco de Assis, ou sobre São João Paulo II, por exemplo.

  118. Gorducho Diz:

    Pelo que entendi das leituras, é expressivo também nas Filipinas. É claro que eles não dão bola p/a FEB (CEI). É baseado na Rei James, e com anjos ditando os ensinamentos. Tem também bastantes curas, estilo Dr. Fritz.
    Mas repito: não conheço, só li na INTERNET.
    Vou ver se consigo mais estatísticas.

  119. Antonio G. - POA Diz: Diz:

    Claro, muitas crenças e ceitas são apologistas da existência de espíritos e suas peripécias. Inclusive algumas culturas indígenas.

  120. Antonio G. - POA Diz: Diz:

    Mas eu me referia mesmo ao espiritismo kardecista/chiquista.

  121. Antonio G. - POA Diz: Diz:

    Vladimir,

    Eu estava quieto no meu canto e você veio propor a questão sobre se “os ateus seriam mesmo mais inteligentes que os crentes”. Eu nem quis argumentar, porque a discussão me parece bastante inócua e de improvável demonstração prática, como eu afirmei. Mas aí você posta o vídeo abaixo, e facilita minha vida. Baseado no pensamento e argumentos deste sujeito, eu ficaria muito a vontade para dizer que os ateus são, obviamente, mais inteligentes que os crentes. Mas sei o advogado gordinho não deve ser um bom representante dos crentes. Acho que você só fez uma escolha infeliz. rsrsrs

    https://www.youtube.com/watch?v=IzxJscgeDIM

  122. Gorducho Diz:

    Mas eu me referia mesmo ao espiritismo kardecista/chiquista.
     
    Justo… Então (como diz o paulista), nominalmente o espiritismo filipino – União Espírita Cristã das Filipinas, afiliada à tem inspiração kardecista. A obra fundamental depois da bíblia seria dum certo D. Juan Alvear, escrita numa mistura de tagalog, inglês e espanhol (portanto eu deduzi que entenderia dela :mrgreen: ), aparentemente ditada a ele pelo Espírito Santo. Daí vê-se que ele não se limitava a dizer MUUU!!! p/o Kardec, como fazem os kardecistas daqui. Só que não a encontro disponível p/leitura, o que me faz pensar que é bem desorganizado esse movimento :( ou não estou sabendo procurar…
    Mesmo assim há mais de 2000 centros.
    Ditam mensagens entre outros São Miguel Arcanjo e o Rafael. Daí, vê-se que não é um kardecismo de fato…

  123. Antonio G. - POA Diz: Diz:

    Ah… e alguém, por gentileza, avise ao tal de Caio (figuraça!) no vídeo que você também postou (link abaixo), que a vida e a inteligência humana não precisa ter, necessariamente um propósito. Quem disse que precisa haver um porquê? Os crentes acham que não é suficiente simplesmente ser. Demandam um motivo, um propósito. Os cupins, hipopótamos e araucárias não se preocupam com isto. Eles, simplesmente, são. Não é o suficiente?
    .
    Para os seres vivos não dotados de intelecto superior, não é preciso haver um propósito na vida, pela simples e boa razão de que eles não têm medo.

    https://www.youtube.com/watch?v=BRLqoUKM_dU

  124. Gorducho Diz:

    A discussão nem era sobre ateísmo, mas sobre a intenção mal disfarçado do Kardec de reformar o cristianismo e ser reconhecido pela Igreja (que para ele era sinônimo de Católica).

  125. Gorducho Diz:

    Justamente achar que as coisas tem que ter um propósito já é prova de falta de inteligência.

  126. Marciano Diz:

    Bem sintetizado, Antonio.
    Cito como exemplo a erraticidade e os bivaques (acampamento militar para se passar UMA noite em longas marchas) citado por Rivail em contraste com as cidades espirituais chiquistas, com cursos de línguas, bônus-hora e outras coisas totalmente incompatíveis com o pensamento kardequiano.
    .
    Gorducho, em Cuba pode até haver kardecistas e chiquistas. O que falta é pão, papel higiênico, dinheiro, vida decente, por aí vai.
    Esses gatos pingados a que se refere Antonio foram criados por brasileiros.
    Bem aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino do céu.
    .
    A Globo anda fazendo propaganda do espiritismo. Volta e meia apresentam uma reportagem sobre o assunto. Esta semana mesmo teve uma reportagem sobre psicografia e cirurgias espirituais.
    .
    Falando em cirurgias espirituais, pergunto ao Vlad. Cirurgiões espirituais costumam ter uma equipe, com cirurgião assistente, anestesista, enfermeiro instrumentista, etc?
    .
    Já existe residência em cirurgia espiritual?
    .
    .
    O Dr. Fritz era um médico alemão que serviu na segunda guerra, o qual só tinha um falso sotaque de alemão e nada sabia do idioma. Igualzinho ao inri cristo, que adquiriu um sotaque estranho (aquele que sempre está falando no “PUÓOI”, referindo-se ao seu suposto pai celestial).
    .
    .
    Esse negócio de a vida e outras coisas, como o universo, terem um propósito, em vez de apenas SEREM, é de uma estupidez equina.

  127. Marciano Diz:

    Vou transcrever, apenas:
    .
    Hippolyte Léon Denizard Rivail nasceu em 1804 na França. Formou-se em Pestalozzi na Suíça. Era um pedagogo frustrado que não conseguia ter um bom retorno com nenhum de seus livros sobre educação. Em 1855, fez um pacto com satanás para ficar famoso e vender suas obras. Em 1868, já era um autor renomado. Tem sido acusado injustamente de racismo, quando, na verdade, tudo o que ousou fazer foi defender a justa e compreensível superioridade dos europeus e seu consequente direito de dominar as outras civilizações menos evoluídas.
    .
    Ectoplasma
    Camada periférica do citoplasma celular que envolve o endoplasma. É constituído de água e moléculas de proteína.
    .
    Médium

    Chico Xavier, maior representante dos médiuns no Brasil.
    Médiuns são pessoas iluminadas capazes de se comunicar com fantasmas ou fazer mágicas genuínas que, curiosamente, são sempre menos impressionantes que os truques do x-pírita David Copperfield. Os médiuns são pessoas evoluídas e sem apego material: apesar de serem capazes de provar que fazem coisas sobrenatuais, não ligam para pegar o prêmio de um milhão de dólares oferecido pelo mágico profissional James Randi na Califórnia.
    .
    Parapiscicologia: uso de técnicas não ortodoxas na captura de peixes, como, por exemplo, o uso de diálogos convincentes para que o peixe pule pra dentro do barco. É muito utilizado na região norte, e a prática é conhecida como pororoca, provando que os caboclos nortistas são muito mais inteligentes que os caboclos do sudeste, que acham que sabem falar a língua dos animais (a mesma que os Testemunhas de Jeová falam).
    .
    Sim! Há vida em todos os globos que se movem no Espaço!
    Livro dos espíritos, pág. 55.
    .
    A Bíblia e o espiritismo se completam. Poderíamos dizer que a Primeira Aliança ou Velho Testamento, a Nova Aliança ou Evangelhos, e a Terceira Revelação fazem parte de um projeto divino, onde Moisés iniciou, Jesus aperfeiçoou e Kardec concluiu.

  128. Marciano Diz:

    Cientologia também não é uma religião. Como o próprio nome deixa entrever, é ciência.

  129. Marciano Diz:

    Grassouillet, transcrito do site http://region18officialsite.weebly.com/espiritismo.html, especialmente para você, que entenderá 1/3 do que se segue:
    .
    .
    Doktrina sa Espiritismo
    (Visayan Dialect)
    Ang UECFI – Gitawag kini ug Union Espiritismo.

    Ang ESPIRITISMO- usa ka censia o kaalam sa pagtuon mahitungod sa mga espiritus ug ngadto usab sa Dios ug mahitungod usab sa umaabot nga kinabuhi kini usab ang nagasusi sa dalan sa pagkabalaan.

    Ang Pagtoo sa Union Espiritismo nga adunay usa lamang ka Dios nga nagmugna sa tanang butang, makita ug dili makita.

    • JUAN 4:23-24- Ang Dios usa ka Espirito kinahanglan motoo ug magasimba kita sa Dios diha sa Espiritu ug sa kamatuoran. Gitawag kita nga mga Espiritista kay kita ang matuod nga magsisimba sa Dios.

    ANG UNION ESPIRITISMO – nagapasabot ug nagatuon sa mga laglum nga butang sa Dios. Ug maingon usab sa pagsaysay ug pagpasabot, misteryo sa kinabuhi sa ( kalag/Espiritu) Diha ubos sa pagtulun-an sa Espirito Santo ug kang Jesu-Cristo, pinaagi sa paggamit sa usa ka MEDIUM.

    Ang Dios nga usa ka Espiritu nagaingon:

    • GENESIS 1: 26-27- Buhaton nato ang tawo sama sa atong dagway ingon sa kasama nato. Ug gibuhat sa dios ang tawo sa iyang kaugalingong dagway sa dagway sa Dios gibuhat niya sila, lalake ug babae iyang gibuhat sila.

    Diri atong masabot nga ang dagway sa Dios nga anaa sa tawo mao ang espiritu sa tawo nga anaa sa sulod niini. Zac 12: 1

    • Genesis 2:7 – Ug giumol ni Jehova nga Dios ang tawo gikan sa abog sa yuta ug gihuypan niya sa mga buho sa iyang ilong ang “gininhawa sa kinabuhi” ug ang tawo nahimong kalag nga may kinabuhi.

    Ang gininhawa sa kinabuhi – mao man ang espirito sa tawo nga iyang gihimo sama s iyang dagway, Ug kini iyang gihuyop o gipahimutang sa abog nga iyang giumol o gipurma. Ug ang Tao nahimong kalag nga may kinabuhi.

    • Ang tawo sama sa iyang magbubuhat usa ka espiritu nga naputos o sinuluban sa unodnon nga lawas.

    • Soul is man, and the soul which is the spirit incarnate in the physical body.

    • Soul is an incarnated spirit.

    Daghang mga tawo nga dili motoo nga adunay kalag o espiritu sa tawo.

    Sa Biblia nagpamatuod:

    • Adunay kalag sa lawas sa tawo: Mat. 10:28, Isaias 10:18, Santiago 2:26, II Cor. 4:16, Sal. 42: 5-6.

    • Ang lawas madunot apan ang kalag walay kamatayon: Genesis 4:1-13, Heb. 11:4, I Pedro 3: 18-19, 4:6. Mat. 17:1-3, Ecle. 12:7, Luc. 16: 19-31, Apoc. 6:9.

    • Ang dios mao ang naghatag kanato sa unodnon nga kinabuhi niini nga kalibutan, Gipakatawo kita sa Dios niining material nga kalibutan, nga adunay material nga lawas aron sa pagttuman sa iyang kabubut-on ug dinhi ginatudluan kita sa mga buhat nga matarong. Aduna kita’y mision ug ginbuhaton niini nga kalibutan. Ania kita na nagkinabuhi aron dinhi kita magahinlo sa atong buling ug kahugawan.

    • Ania kita niini nga dapit aron sa paghugas ug pagbayad sa atong mga kasal-anan. Aron pinaagi niini mahimo kitang matarong ug balaan. Kay ang tuyo sa Dios nga mahimo kita nga matarong ug mahingpit. Mateo 5:48

    Kay ang Dios nagaingon:

    • Magbalaan kamo kay ako balaan.

    • Mahimo ta kining mga butanga pinaagi sa atong kaugalingong paningkamot ug pagpursigi.

    • Kay adunay espiritu santo nga gisaad sa Dios amahan ug ni Jesu Cristo nga magatabang nga magtudlo kanato sa dalan sapagkamatarong.

    Ang buluhaton sa Espiritu Santo kanato.

    • Manlalaban(Conforter) Juan 14:16, 16:7

    • Magatudlo – Juan 14: 26 , I Cor. 2:13

    • Magagiya – Juan 16: 13

    • Magahinlo – Esec. 36: 25-27

    • Magatabang sa pag-ampo – Roma 8: 26-27.

    • Ang espiritu santo magatudlo ug magasulti pinaagi sa paggamit sa tawo ingon nga usa ka medium. Luc. 12:11-12, Mateo 10:19-20

    Ang UECFI – niini nga pundok kita nakadawat sa Espiritu Santo nga gisaad sa Dios. Act 2:39

    • Efeso 1:13 – Kita gikatimbrihan sa Espiritu Santo sa diha nga midawat kita sa pulong sa Dios alang sa kaluwasan aduna kita’y kaluwasan dili lamang niini nga kinabuhi hangtud usab sa umaabot nga kinabuhi, Nga dili unta kita igatambog ngadto sa linaw nga kalayo nga mao ang ikaduhang kamatayon. Pinadayag 20:14-15

    Adunay gisaad sa atong Ginoo nga daghang puluy-anan. Nga mao ang kalibutan sa mga Espiritu nga ginatawag ging-harian sa langit.

    • Heb. 12:22-23 – sa atong langitnong dapit ang dili maisip nga mga anghel nga nanagtigum aron sa pagsadya. Ug didto usab ang mga Espirito sa mga tawong matarong nga nangahimong hingpit.

    • Mat. 5:48 – Busa kita kinahanglan nagmahingpit ingon nga atong amahan hingpit.

    Kay mao kini ang kabubut-on ug balaod sa Dios nga mao ang pagkamatarong ig hingpit. Aron kita makasulod sa gingharian sa langit.

    • Pinadayag 20: 3-4 – Ang puluy-anan sa Dios anaa uban sa mga tao. Ug sya magapuyo uban kanila, Ug iyang pagapahiran ang tanang luha gikan sa ilang mga mata, ug ang kamatayon wala na; ug wala na usab unya’y pagminatay, ni paghilak, ni kasakit, kay ang unang mga butang nangagi na.

  130. Marcos Arduin Diz:

    “porquê de pessoas acreditarem em coisas estranhas.”
    - Não é estranho, de Morte. É apenas porque nos sentimos bem assim. Digamos que é uma área de conforto na nossa mente. Afim de demonstrar superioridade intelectual, o pessoal cético faz como você, achando estranho que alguém intelectualizado e sorbonizado acreditasse em coisas tidas e havidas como superstição ou bobagem.
    No meu caso específico eu noto que em vez de refutar cientificamente ou ao menos logicamente o que é apresentado pelo mediunismo, o pessoal cético apela para escapismos bobos e supersticiosos. Eles descreem do que Crookes & Cia Bela apresentaram, ainda mais estes que tinham uma reputação a zelar, e fazem o maior cavalo de batalha, CRENDO NA MAIOR BOA FÉ na palavra de estranhos, que nunca provaram sequer terem conhecido mesmo os médiuns, dizendo terem sido amantes ou confessores deles e que lhes foram revelados que enganaram os bocós científicos com truques bobos e infantis. Nem ao menos esses truques foram revelados, mas os céticos verdadeiros ACEITAM tais declarações numa boa. Eu fico no dilema lógico: quais argumentos eu devo ao menos considerar? Os dos cientistas que pesquisaram os médiuns, meteram as caras, fizeram experimentos, etc e tal ou os argumentos dos sábios céticos que nunca viram médium algum e aceitam como válidas declarações nebulosas, nunca confirmadas ou verificadas (=evidência anedota)?
    .
    Antonio Gê de Porto Alegre e Saltitante é o seguinte. Há pessoas que até os historiadores assumem que nunca existiram, ou se existiram, nunca fizeram o que eles é atribuído. O tal Licurgo foi um sábio homem que fez as leis e determinou os costumes de Esparta. Acontece que nenhum historiador acredita que uma sociedade possa nascer dessa maneira. A verdade é que em Licurgo se personifica TODO um período de vida de Esparta. A mesma coisa é o Moisés e toda aquela lenda do Êxodo. Aquilo também nunca aconteceu, mas houve sim um grupo emigrado do Egito que influenciou o povo hebreu JÁ INSTALADO NA PALESTINA e o direcionou para o monoteísmo e fez surgir lá a classe sacerdotal e os levitas.
    Quanto ao Jesus, ele DEVE ter existido mesmo, pois NENHUMA SEITA JUDAICA admitiria ter por fundador um cara que morreu crucificado. Uma simples leitura do Novo Testamento já é o bastante para ver tudo o que se montou para desesperadamente fazer crer que ele era o tal Messias esperado. Tá cheio de verso falando em “para se cumprir as escrituras…” Conversa pra boi dormir para quem pensa um pouco. Tudo isso foi INVENÇÃO em cima de coisas da vida de Jesus que muito provavelmente jamais aconteceram.
    Mas no frigir dos ovos (de perua e não de peru) herdamos na História o tal Jesus construído pelo Cristianismo. Moralmente deu muitos exemplos bons e também teve os seus carunchinhos racistas (chamou os samaritanos de cachorros). É… nem ele foi perfeito total ou foi, mas quem contou sua história não foi nem quem o conheceu pessoalmente.
    Kardec já tinha o Cristianismo como referencial e obteve revelações dos médiuns que não casavam com o dito cujo. Tentou harmonizar o que foi possível. Forçando a barra, incluiu textos bíblicos para dizer que se referiam a reencarnação, outros que falavam de mediunidade, etc e tal. Mas não dava para misturar água e óleo. Podemos sim usar alguns textos bíblicos que confundiriam os cristãos. Lembra-me um cara que tinha uma banca de livros na Rua Maria Paula em São Paulo e um dia uma moça evangélica quis discutir com ele, mas usando a Bíblia. Pois bem, ele foi pegando vários versos da Bíblia onde encaixava-se o que diz o Espiritismo. Quando chegou no verso onde diz que Levi estava no corpo de Abraão, a moça desatou a chorar, inconformada de ver que a Bíblia ensina coisas ditas pelo Espiritismo, mas isso tudo é escondido pelos pastores.
    .
    ” E a mídia televisiva, especialmente a Rede Globo, tem bastante a ver com isto.”
    - Improvável. O Espiritismo começou a crescer mesmo do fim dos anos 1950 para cá. E a Globo era CONTRA o Espiritismo até a esposa do Marinho deu uma escovada no marido. Quem saiu na frente foi a TV Tupi, ironicamente uma empresa dos Diários Associados, a mesma do Cruzeiro.

  131. Gorducho Diz:

    É apenas porque nos sentimos bem assim. Digamos que é uma área de conforto na nossa mente
    Ah! Perfeito! Agora sim…
    Vocês se metem na cabeça que o falecido está morando com a vovó e que tem uma cidade invisível boiando em cima do Rio para onde vocês irão se forem caridosos porque essa fantasia os faz sentirem-se bem.
    Perfeito: nem um iota a objetar.

  132. Gorducho Diz:

    [...] os argumentos dos sábios céticos que nunca viram médium algum &c.
     
    Mas justamente é porque nunca se vê médium algum é que se conclui pela inexistência das alegações!
    O Sr. acha que se o Analista Marciano visse um fenômeno mediúnico ele iria continuar descreditando?
    Justamente porque muitos de nós frequentamos anos e nunca vimos nenhum “fenômeno mediúnico” é que não creditamos.
    E também e principalmente ao ver o pânico que se apossa de vocês quando se fala em por essa dogmática em teste.

  133. Vladimir Diz:

    Antonio diz: Vladimir,
    Eu estava quieto no meu canto e você veio propor a questão sobre se “os ateus seriam mesmo mais inteligentes que os crentes”.
    .
    COMENTÁRIO: Eu sei, Antonio, na verdade que começou a provocação foi o De Morte com essa história de que ele é mais inteligente
    porque é Ateu e Materialista.
    .
    Antonio diz: Eu nem quis argumentar, porque a discussão me parece bastante inócua e de improvável demonstração prática, como eu afirmei.
    .
    COMENTÁRIO: Inócua, com certeza, entretanto de difícil demonstração prática eu duvido muito.
    .
    Aliás é bastante simples: Pegue uma folha de papel e faça duas colunas, na 1º coluna você coloca todos os filósofos, cientistas, pensadores, líderes, artistas, (no sentido Clássico, e não do Showbizz) que foram religiosos, e na outra você coloca os mesmos filósofos, cientistas, líderes e artistas quem foram Ateus.
    A lista que for maior vai demonstrar de que lado está a Intelligentsia da raça humana.
    .
    Antonio diz: Baseado no pensamento e argumentos deste sujeito, eu ficaria muito a vontade para dizer que os ateus são, obviamente, mais inteligentes que os crentes.
    .
    COMENTÁRIO: Ha,ha,ha, na minha listinha eu tenho Newton, Einstein, Platão, Aristoteles, Leibniz, Kant, Bach, Mandela, Gandhi…putz a lista é interminável rs
    .
    Antonio diz: Mas sei o advogado gordinho não deve ser um bom representante dos crentes. Acho que você só fez uma escolha infeliz.
    .
    COMENTÁRIO: Curiosamente você ignorou o vídeo do Prof.Dr. William Lane Craig, difícil contra-argumentar com alguém que desbancou o Christopher Hitches (R.I.P) e do qual o Richard Dawkins foge tal qual o Diabo da Cruz…
    .
    Mas refresco-lhe a memória:
    https://www.youtube.com/watch?v=3gBV2vzaLvc
    .
    Alías Antonio se você está mesmo no Clube dos Ateus refuta para mim estes dois vídeos:
    .
    https://www.youtube.com/watch?v=5dqU9sJbYRc
    e
    https://www.youtube.com/watch?v=WQ04IlX0z_M

  134. Vladimir Diz:

    Antonio diz:
    Ah… e alguém, por gentileza, avise ao tal de Caio (figuraça!) no vídeo que você também postou (link abaixo), que a vida e a inteligência humana não precisa ter, necessariamente um propósito.
    .
    COMENTÁRIO: Não precisa ter necessariamente um propósito, mas isso não implica que esse propósito não exista, tampouco invalida
    a sua busca…
    .
    Antonio diz: Quem disse que precisa haver um porquê?
    .
    COMENTÁRIO: Essa é uma das questões metafísicas por “par excellence”, Qual o sentido da Vida?
    .
    Antonio diz: Os crentes acham que não é suficiente simplesmente ser.
    .
    COMENTÁRIO: Eu diria que não são apenas os crentes e sim qualquer pessoa que se debruçou sobre a Filosofia se depara
    com está questão, é inevitável buscar o sentido do Ser…
    .
    Como disse Sartre (que era Ateu): Por que existe o Ser e não o Nada?
    .
    Antonio diz: Os cupins, hipopótamos e araucárias não se preocupam com isto.
    .
    COMENTÁRIO: Oh, Antônio você é Bacharel em Direito, não me dá uma dessa…
    Você confunde ôntico com ontológico, ente com Ser, essência com existência…
    Os cupins, hipopótamos, e araucárias não tem consciência do Ser, tampouco consciência da Morte, e muito menos consciência
    do sentido de sua existência…
    .
    Como diria Heidegger (provavelmente Ateu): As coisas existem, mas só o Ser É…
    .
    Antonio diz:
    .
    Para os seres vivos não dotados de intelecto superior, não é preciso haver um propósito na vida, pela simples e boa razão de que eles não têm medo.
    .
    COMENTÁRIO: A questão não é a ausência do Medo e sim a ausência da capacidade de autorreflexão…
    .
    Se você acredita que todos os crentes acreditam em Deus porque tem medo, você não entendeu absolutamente nada do que o Caio disse…
    .
    A questão não é o Medo e sim a resposta a pergunta:
    .
    Qual o sentido do Ser?

  135. Vitor Diz:

    Oi, Marciano
    comentando:
    .
    01 – “Fico impressionado, também, como alguém arguto como o Vitor possa acreditar em paranormalidade, depois de tanto estudar o assunto.”
    .
    Justamente porque há pouca dúvida entre as pessoas que estudaram as evidências fornecidas pelos melhores médiuns dos séculos XIX e início do XX que pelo menos algumas das informações dadas não foram obtidas de qualquer forma normal. O mesmo concernente às mais atuais pesquisas de reencarnação.
    .
    02 – “Aconselho você a ler o livro (excelente) do Shermer, que o Vitor disponibilizou. Ele tem suas conjecturas (bem fundamentadas) do porquê de pessoas acreditarem em coisas estranhas. Aliás, tem outro livro dele, que também já li, mais antigo, em que ele fala do mesmo assunto.”
    .
    O livro é ótimo, mas acho que hoje ele escreveria esse livro de forma um tanto diferente após a experiência paranormal pela qual ele passou…
    .
    03 – “Vitor ganhou um exemplar do André, aquele pernóstico professor de química que é ateu e acha que é agnóstico”.
    .
    Não, ganhei do Kentaro Mori, do site Ceticismo Aberto.

  136. Gorducho Diz:

    Justamente porque há pouca dúvida entre as pessoas que estudaram as evidências fornecidas pelos melhores médiuns dos séculos XIX e início do XX
     
    Isso mesmo. Se o Crookes disse que ovos de peruA voam é porque voam. Como vai duvidar disso, Analista Marciano?

  137. Marciano Diz:

    ARDUIN,
    Estou gostando de ver seu lento progresso em direção ao ceticismo.
    Você já admite, como destacou M G GRASSOUILLET, que é uma questão de conforto psicológico. Eu já havia dito que a conciliação entre botânica e reino “hominal” só pode ocorrer para evitar o desconforto causado pela dissonância cognitiva entre conhecer profundamente a evolução da vida no planeta e ler bobagens de AL, como reino “hominal”.
    .
    Você também admitiu para o ANTONIO que Moisés é uma invenção. Parabéns! Sem sacanagem! Não é qualquer um que vê isso. Tem muito mais gente inteligente negando a existência física de FG do que do tal Moisés.
    Ainda faltam FG (esse vai ser difícil), Budha, Muhhamad, Krishna e outros, mas um dia talvez você compreenda também a invenção destes.
    .
    .
    A GLOBO, anteontem, no PROFISSÃO REPÓRTER, fez MAIS UMA propaganda do espiritismo.
    Eles vendem DVD de cx, com as tais cartas psicografadas que livraram assassinos das grades, produziram filmes chiquistas e os reproduzem de vez em quando na programação do canal aberto e nos de tv paga, fazem novelas espíritas (ATUALMENTE passa uma, chamada ALTO ASTRAL, no horário das 19 horas).
    .
    Podem até ter começado sendo contra (lá pelos idos de mil novecentos e deus-me-livre), entretanto, ATUALMENTE, são grandes incentivadores do chiquismo.
    .
    .
    .
    GORDUCHO,
    Você tem toda a razão. Se alguém, num dos experimentos propostos por você e Montalvão, me mostrasse um fenômeno mediúnico bem explicado e reprodutível, sob criteriosa inspeção de nós da bancada cética, eu passaria a crer que existe MAIS alguma coisa ainda não explicada pela ciência contemporânea.
    Se um Gasparzinho aparecesse e desaparecesse na minha frente, eu teria de reavaliar meus conceitos.
    .
    .
    .
    VLADIMIR,
    Eu não sou provocador, você confundiu tudo. Eu gosto de agitar o blog, quando ele está muito parado. Só isso.
    E eu não sou ateu, isso é muito pouco. Eu sou é descrente. Tá cheio de ateus que acreditam em coisas estranhas no blog, como LARISSA, VITOR, etc.
    Não acredito em qualquer coisa, só porque alguém disse que é verdade, sem demonstração alguma. Simples assim.
    Repudio a palavra ateu, que considero idêntica a alobisomem (quem não acredita em lobisomens).
    .
    Essa sua lista não está com nada, primeiro porque a MAIORIA dos cientistas ATUAIS admite ser descrente de coisas fantástica; a duas, porque antigamente era mais fácil enganar um cientista; em terceiro lugar, muitos cientistas fingem acreditar para ficarem bem com a família.
    Darwin mesmo era ateu (e acreditava em hidroterapia), de pai e mãe, mas casado com uma crente louca e amigo de sacerdotes poderosos.
    Você ficaria sem amigos, seria considerado um demoníaco, terminaria um casamento, só porque seus amigos, esposa, a sociedade em geral vive delirando com coisas malucas?
    Você nem imagina as confusões que amigos e parentes já arranjaram comigo por causa do meu ceticismo.
    Tente lembrar-se de sua infância, imagine se você, com 3 anos, dissesse para os coleguinhas de creche que papai noel e colhinho da páscoa não existiam. Imagine o beicinho que fariam pra você.
    .
    .
    Qual o sentido da vida de uma formiga ou de uma Ascaris lumbricoide?
    Até o Eclesiastes reconhece isso.
    .
    17 Eu disse no meu coração: Deus julgará o justo e o ímpio; porque há um tempo para todo propósito e para toda obra.
    18 Disse eu no meu coração: Isso é por causa dos filhos dos homens, para que Deus possa prová-los, e eles possam ver que são em si mesmos como os animais.
    19 Pois o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais; uma e a mesma coisa lhes sucede; como morre um, assim morre o outro; todos têm o mesmo fôlego; e o homem não tem vantagem sobre os animais; porque tudo é vaidade.

    20 Todos vão para um lugar; todos são pó, e todos ao pó tornarão.
    21 Quem sabe se o espírito dos filhos dos homens vai para cima, e se o espírito dos animais desce para a terra?

    Sartre, diga aí, pelo médium Vlad, por que existiria o NADA e não o SER?
    Sartre era um safado COMUNISTA.
    Não dá para levar a sério um comunista burguês. Isso é um oximoro, uma antítese, uma contradictio in adjecto.
    .
    A consciência que temos de nós mesmo vem do cérebro mais desenvolvido e mais inteligente, consequentemente, e você, como psiquiatra, deveria saber. Não vem de alguma coisa mágica.
    Onde estavam os SERES tão importantes há 13,7 bilhões de anos?
    Onde mais estão no universo?
    .
    .
    .
    VITOR, confundi o Kentaro com o André. Faz muito tempo.
    Eu já li. Você gostou do presente do Kentaro? Já conversou com ele sobre o livro? Tem outros livros desse tipo para postar aqui para a gente?

  138. Marciano Diz:

    GORDUCHO, ovos de peruA voam, como afirmou o cientista Crookes, já ovos de peru não voam porque ficam presos na bolsa escrotal.
    Eu tenho uma amendoira plantada no meu quintal e ela põe ovos, dos quais brotam outras amendoirinhas, que ficam mamando na amendoeira mãe.
    Não sei como explicar o fenômeno do ponto de vista da botânica, mas com uma abordagem psiquiátrica, fica fácil.
    .
    Traduzindo em miúdos: o que é mais difícil, ovos de peruA voarem ou ovos de amendoeira mamarem?
    Resposta: É a mesma coisa. Coisa de doido.

  139. Marciano Diz:

    VITOR, você falou do Kentaro e eu me lembrei. A confusão mental foi porque o Kentaro tem o Ceticismo Aberto e o André o Ceticismo.net. Já o vi (Kentaro) no Jô, falando de crença em discos voadores.
    Disco voador é uma coisa muito comum. O Scur já viu um, muita gente vê, eles aparecem em documentários do History, Discovery, Nat Geo, no entanto, só aparecem para crentes.
    A mesma coisa acontece com fantasmas. São muito comuns, aparecem pra todo lado, são filmados, fotografados, vivem em documentários, mas também só aparecem para os crentes.
    A paranormalidade é assim também?
    VOCÊ, pessoalmente, já presenciou algum fenômeno inegavelmente paranormal, ou apenas os estudou em livros?
    Já li muitos livros sobre parapsicologia, espíritos, divindades, discos voadores.
    Sei que existem paranormais aos montes, assim como médiuns (eu mesmo conheço vários), sacerdotes, etc. e tal.
    Eu nunca tive a honra de presenciar um fenômeno paranormal, espiritual, fantasmagórico, extra-terrestre, nadica de nada.
    Esses caras têm preconceito com céticos?
    Será que fantasmas e divindades são tementes aos céticos? Só aparecem para os tementes a deus ou aos fantasmas.
    Eu juro que se um fantasma ou uma divindade aparecer diante de mim, não lhes farei nenhum mal.
    Mesmo que seja uma deusa gostosa como a Vênus, a Ísis ou a Virgem Maria (a qual continuaria a ser virgem, prometo).
    Não precisam ter medo de mim.
    Aliás, os ETs, sejam cinzas ou rosas, não precisam ter medo de mim também. Não vou roubar seus discos voadores nem seus segredos tecnológicos.

  140. Vitor Diz:

    Marciano,

    a paranormalidade não aparece apenas para crentes, céticos já reproduziram com sucesso os experimentos ganzfeld e de micro-pk, por exemplo. O próprio Daryl Bem, que publicou seus resultados sugestivos de precognição, era cético de psi (ver http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/eu+era+cetico+diz+estudioso+de+percepcao+extrassensorial/n1237961874017.html), e também é mágico.

    De minha parte nunca presenciei um fenômeno inegavelmente paranormal, apenas os estudei nos livros e artigos científicos.

  141. Gorducho Diz:

    De minha parte nunca presenciei um fenômeno inegavelmente paranormal, apenas os estudei nos livros e artigos científicos.
    Claro, nem vai presenciar.

  142. Gorducho Diz:

    Todos eram “céticos” Sr. Administrador. É a maneira deles se vacinarem contra as críticas que sabem virão. Ou mesmo tentativa de racionalização para a credulidade.

  143. Sanchez Diz:

    É apenas eu que sinto a falta do Montalvão e de seus sucintos comentários?

  144. Gorducho Diz:

    Sr. Administrador. Dê uma olhada neste artigo e em particular no primeiro comentário, onde o cara corretamente observa como práticas falhas podem levar a resultados absurdos. Ainda (agora comentário meu), esse resultado absurdo poderá contribuir para aprimorar as práticas e acautelar os experimentadores (psicólogos de verdade, não para…).
    Outros comentaristas que conhecem ele questionam e especulam que o objetivo dele seria justamente ensinar autocrítica e cautela, sem acreditar de fato nessa sandice.
     
    http://andrewgelman.com/2013/08/25/a-new-bem-theory/

  145. Gorducho Diz:

    Não. Todos nós sentimos imensa falta do líder da nossa bancada.

  146. Gorducho Diz:

    Vale a pena transcrever o final do 1° comentário (esse cara acredita que o Bem acredita mesmo em ESP):
     
    It was a powerful illustration of how flawed practices can lead to nonsensical results. Yes, it hurt the reputation of the journal, but it might actually help move the field toward improved methods and standards.

  147. Marcos Arduin Diz:

    Deixei você feliz finalmente, Balofo? Tá, muitos podem acreditar em bobagens facilmente e normalmente isso é um mantra entre os críticos e céticos, de que as pessoas, fragilizadas pelas perdas de parentes, querem acreditar a qualquer preço nessas bobagens. Já vi muito disso.
    Contudo, quando nos deparamos com eventos onde os parentes não estavam fragilizados, nem dispostos a aceitar qualquer mensagem genérica e obtêm informes que só eles sabiam, aí o caso não vale, não serve, é mentiroso…
    .
    “Mas justamente é porque nunca se vê médium algum é que se conclui pela inexistência das alegações!”
    - Ah! Claro! Para eles não existe história. Se não souberam o que estavam procurando, não saberiam o que encontraram.
    .
    Eu disse que reino hominal é babaquice, nada tenho a conciliar. E não é de agora que digo que Moisés nunca existiu, mas quem é esse FG?
    .
    A Globo só em anos recentes é que passou a incluir o Espiritismo nas suas novelas. Acho que a primeira foi uma refilmagem de A Viagem. Mas aí ela viu que tinha um filão de interessados e simpatizantes e resolveu investir mais nessa parte. Pode ser esoterismo e nada a ver com Espiritismo…
    .
    A minha bronca com o Kentaro é que lhe cobrei sobre os numerosos médiuns farsantes de materialização que foram desmascarados até ficando de joelhos para imitar crianças e sobre os numerosos desmascaramentos que Crookes fez de médiuns farsantes, mostrando que seus métodos eram eficazes. Nada de nada. Uma pena.

  148. Gorducho Diz:

    i) Sim, Professor: hoje após ir olhar futebol na casa do vizinho, dormirei feliz independente do resultado.
     
    ii) Não, Professor: fofocas e intimidades familiares não nos servem. Serve a testagem de que a alma está no ambiente. Quem andou comendo quem nas famílias dos outros não nos interessa.
     
    iii) Não, Professor: neste caso história não serve porque conhecemos a do meio muito bem…
    Mas se o Sr. me mostrar um ovo de perua voador, prometo que volto a ser espiritualista.

  149. Marciano Diz:

    Obrigado pela resposta, Vitor.
    Você esqueceu-se de responder se tem outros livros no estilo do livro de Sherman para disponibilizar no blog.
    Se tiver, dê-me mais esse prazer.
    .
    .
    Sanchez, eu também sinto falta do Montalvão, como estava sentindo falta do Arduin. Já dizer que os comentários dele são sucintos, é outra coisa. Os comentários de Montalvão são excelentes, brilhantes, cativantes, menos sucintos.
    sucinto Datação: 1635

    ? adjetivo
    1 dito ou escrito com poucas palavras; breve, resumido, lacônico
    Ex.: só havia uma notícia s. no jornal
    2 limitado ao essencial; curto, breve
    Ex.: exame s.

    sucinto
    [Do lat. succintu.]
    Adjetivo.
    1.Que consta de poucas palavras; breve, resumido, condensado, conciso:
    estilo sucinto;
    exposição sucinta;
    “Emílio Levasseur descreve a situação e a superfície do país, as suas fronteiras, com o exame sucinto das questões concernentes a elas” (Rui Barbosa, Ensaios Literários, p. 180).
    .
    O pior é que ele disse que deixaria o blog, que seu trabalho aqui já está se encerrando, que iria para outras plagas.
    Eu já pedi que avise aqui para onde vai, pois pretendo acompanhá-lo, SEM DEIXAR O BLOG.
    Se ele realmente for embora daqui, unser Führer passará a ser, automaticamente, G M GRASSOUILLET.
    .
    .
    .
    ARDUIN, você andou ausente do blog.
    FG é o apelido que eu arranjei para o glorioso nosso senhor jesus cristo, porque os dois têm em comum o fato de, apesar de nunca terem existido, terem convivido com personagens históricos reais. FG são as iniciais de FORREST GUMP.

  150. Marciano Diz:

    Forrest Gump (Forrest Gump: O Contador de Histórias (título no Brasil) ouForrest Gump (título em Portugal)) é um filme norte-americano de 1994, dirigido por Robert Zemeckis com Tom Hanks no papel-título e baseado no romance homônimo de 1986 escrito por Winston Groom. O filme também traz no elenco Robin Wright Penn e Gary Sinise. A história atravessa várias décadas na vida do personagem central, Forrest Gump, um homem simples doAlabama que viaja ao redor do mundo, encontra figuras históricas, influencia a cultura popular e é testemunha de alguns dos eventos históricos mais notórios da segunda metade do século XX.
    O filme difere substancialmente do romance de Winston Groom, no qual foi baseado. As filmagens aconteceram em 1993, principalmente nos estados daGeórgia, Carolina do Norte e Carolina do Sul. O filme fez grande uso de imagens geradas por computador para incorporar o protagonista em filmagens antigas e no desenvolvimento de outras cenas.
    Gump se encontrando com pessoas famosas
    • Ele é um descendente de Nathan Bedford Forrest, general confederado e fundador daKu Klux Klan. Isto pode ser considerado uma ironia pois Forrest se torna amigo de um negro chamado Bubba, que ele conhece no exército. Porém, também pode não ser irônico, uma vez que Nathan B. Forrest rapidamente se desiludiu com o que criou e rapidamente tentou se dissociar do seu passado.
    • Ele encontra Elvis Presley quando Elvis estava na sua casa como um hóspede. Suas tentativas curiosas de dançar com um aparelho nas pernas inspiraram os famosos movimentos de quadril de Elvis.
    • Enquanto corria para escapar de um grupo de arruaceiros, a velocidade de Forrest é notada pelo técnico Bear Bryant da University of Alabama. Forrest é recrutado pelo técnico Bryant para jogar futebol americano, que ele joga por cinco anos, na posição deretornador. Sendo assim, ele fez parte da equipe que venceu o Campeonato da NCAAem 1961. Também significa que ele jogou com Joe Namath. Jogando por Alabama, Forrest impressiona Bryant com sua velocidade, mas o incomoda com sua estupidez. As habilidades de Forrest o levam a ser escolhido à equipe das estrelas.
    • Ele encontra o presidente John Kennedy após a equipe das estrelas do futebol americano universitário ser convidada à Casa Branca. Uma vez que era de graça, Forrest bebeu 15 garrafas de Dr Pepper. Após apertar a mão do presidente Kennedy, este pergunta como ele sentia, Gump respondeu: “Estou apertado”.
    • Ele depois encontraria o presidente Lyndon Johnson, que o presenteia com a medalha de honra pelo resgate heroico de seus colegas soldados. Após Forrest contar a Johnson sobre seu ferimento, Johnson diz que gostaria de ver o ferimento alguma hora. Nisso, Forrest hesitantemente, mas obedientemente abaixa suas calças e mostra o ferimento em suas nádegas. Presidente Johnson vai embora, murmurando, “Caramba, filho.”
    • Num protesto em Washington, Gump encontra Abbie Hoffman e faz um discurso que não se ouve devido a problemas técnicos (um oficial militar puxa os fios do microfone dos alto-falantes e do sistema de som). A multidão acaba por aplaudir Gump após a reação emocionada do líder do protesto ao final do discurso. De acordo com Tom Hanks, Gump diz: “Algumas vezes quando as pessoas vão ao Vietnã, elas vão pras casas de suas mamães sem suas pernas. Algumas vezes elas nem voltam para casa. Isso é muito mau. E isso é tudo o que tenho a dizer sobre esse assunto.”
    • Finalmente, após fazer parte da equipe de tênis de mesa dos Estados Unidos, ele encontra o presidente Richard Nixon, que pergunta a Gump onde ele está hospedado, e então oferece a Forrest um hotel muito melhor, que era o complexo de escritórios e hotel de Watergate. Forrest liga para a recepção após perceber várias lanternas numa outra sala, chamando atenção ao que seria o Caso Watergate, que precipitaria a queda de Nixon.
    • Ele encontra Dick Cavett e John Lennon no programa de entrevistas de Cavett, e suas visões da China inspiram Lennon a compor Imagine
    • No DVD da edição de colecionador há mais duas cenas deletadas. Numa, Forrest joga tênis de mesa com George H. W. Bush, na época embaixador na China. Noutra, Forrest salva a marcha pelos direitos civis de Martin Luther Kingbrincando com os cães da polícia.
    • O barco de pesca de camarões de Forrest Gump foi o único a sobreviver a fúria total do Furacão Carmen, um furacão de categoria 4 que veio pela Louisiana em 1974.
    • Ele, além de ser dono da indústria de pesca Bubagump, também é acionista da indústria tecnológica Apple Inc., porém ele não sabe muito bem disso, pois quando recebe a carta de Tenente Dan dizendo que fez investimentos na indústria ele diz que ” O Tenente Dan investiu em um negócio de frutas”.
    • E quando estava correndo pelos Estados Unidos Gump serviu de inspiração para a frase de parachoque mais icónica do mundo e para a camisa com um smile e a frase have a nice day imortalizada pela banda Bon Jovi
    .
    .
    Segundo a wikipedia,
    “A teoria do mito de Cristo, que questiona a existência de Jesus e a veracidade dos relatos sobre ele, apareceu no século XVIII. Alguns dos apoiantes argumentam que Jesus é um mito inventado pelos primeiros cristãos,280 281 282 salientando a inexistência de quaisquer referências escritas a Jesus durante a sua vida e a relativa escassez de referências fora do contexto cristão durante o século I.283 Ao longo do século XX, académicos como George Albert Wells, Robert M. Price e Thomas Brodie têm apresentando vários argumentos que apoiam a teoria do mito de Cristo.284 285 286 No entanto, na atualidade praticamente todos os académicos que estudam a Antiguidade concordam que Jesus existiu e encaram determinados eventos, como o seu batismo e crucificação, como factos históricos.287 288289 Robert E. Van Voorst e Michael Grant afirmam que os investigadores bíblicos e historiadores clássicos vêm as teorias da inexistência de Jesus como efetivamente refutadas.15 290”.
    .
    .
    Na verdade, Jesus Cristo de Nazaré (Belém, 6 a.C. — Jerusalém, 29 d.C.(ou não)) foi um jovem judeuque nasceu no Pará.
    Ao contrário do que muitos pensam, Jesus não morreu na cruz, ele simulou a própria morte e fugiu, muitos acreditam que foi porque Maria Madalena estava grávida e ele não queria pagar pensão. Depois de ter sido salvo da morte por José de Arimateia, Jesus foi até os discípulos e mandou eles cuidarem da bagaça toda que ele estava de saída, mas prometeu a eles que iria voltar. Jesus seguiu a rota e foi para a Índia local onde ele passou a sua infância (Fato que foi excluído da bíblia porque ninguém queria assumir que Jesus era budista! Ou você acha que é por acaso que não tem escrito porra nenhuma desde a sua infância até seus 30 anos?), Jesus chegou até a Caxemira, e lá casou com uma indiana, e como ele não tinha mais dinheiro para voltar á Judeia, ele acabou ficando por lá mesmo até o dia de sua morte.
    Embora JC tenha prometido voltar antes do fim de sua geração, muitos fiéis acreditam que a promessa ainda vale e que a volta de Jesus está próxima. Outros acreditam que na verdade ele já está novamente entre nós, e que no final dos tempos irá montado num verme de areia até a Casa Branca e a todas as sedes das grandes religiões do mundo, cobrar os royalties pelo uso de seu nome durante todos estes anos. Esse dia será chamado de O Juízo Final. Os poucos cristãos de verdade que restaram só temem, no entanto, que o processo corra pelo judiciário de algum país de Terceiro Mundo, como o Brasil, pois se isso acontecer, o tal Juízo Final jamais ocorrerá antes do Fim dos Tempos.
    Saramago, o maior historiador da vida de Jesus Cristo, autor de O Evangelho segundo Jesus Cristo, conseguiu após um profundo estudo ateístico, realizar a mais completa biografia de Jesus até hoje. Filho único de Maria com Deus, nasceu numa gruta qualquer de um presépio natalino. Os galileus diziam que seu real local de nascimento foi em Belém, na Judéia, enquanto os judeus diziam que na verdade Jesus nasceu em Nazaré, na Galilélia. Pow, mas a Galiléia não ficava na Judéia também? Sei lá, isso provavelmente nem Saramago nem o pastor/padre da sua igreja saberá explicar.
    De qualquer modo, Jesus teve uma infância difícil de criança pobre na favela, frequentemente tinha que aguentar o pai adotivo José que chegava bêbado em casa e ainda exigia que o filho transformasse água em vinho. Talvez por isso, Jesus durante sua adolescência viveu uma fase bastante irresponsável, passando a ouvir rock, relacionando-se com prostitutas e abandonando sua mãe para ir morar com o Cão – aquele mesmo que botou pro Jeremias bebê. Também durante esta fase da vida Jesus passou a simpatizar com o Comunismo.
    Jesus Cristo, assim como o décimo terceiro, veio ao mundo para nos salvar! Não tão famoso quanto osBeatles ASSIM DISSE JOHN LENNON, Cristo foi uma espécie de Lula da Galiléia. Assim como Lúcio Mauro e a Fafá, nasceu em Belém e foi para Jerusalém num pau-de-arara e lá arrumou emprego de marceneiro na Villares. Graças aos seus milagres, o Filho de Deus chamou a atenção da mídia e chegou a ser comparado ao Mister M. Cristo andou sobre as águas sem windsurfe, pois havia colocado um vidro temperado mais ou menos 1 CM dentro da água e como o vidro também é transparente todo mundo achou que ele andou sobre as águas, ressuscitou o Lázaro Ramos, e muito antes do Fome Zero, criou um revolucionário Programa Social de Combate à Fome baseado na multiplicação de pães e peixes. Mas Jesus sempre teve inveja de Maomé {o pombo correio divino de Alá} que tem um harem com várias virgens dispostas a transar com qualquer um que morrer em nome dele, enquanto o filho de Deus morreu por toda a humanidade e agora no seu pseudo-paraíso só tem freira…
    Após Jesus dizer que se deveria dar a outra face, houve o famoso racha entre comunistas eanarquistas. Os primeiros passaram a seguir Barrabás, que pregava a revolução proletária em Israel, enquanto os anarquistas seguidores de Jesus preferiam a não-violência, convencendo o maior número possível de pessoas a mudar-se para “A Jerusalém Celestial”, que deve ficar em algum lugar entre oSuriname e a Atlântida.
    Ironicamente, Jesus acabou despertando mais a ira dos religiosos de seu tempo. Estes possuíam mais dinheiro, o que fez com que conseguissem votar mais vezes no paredão do Big Brother Império Romano, que eliminou Jesus e permitiu ao comunista Barrabás continuar no jogo por mais alguns anos.
    Traído pelo núcleo duro do cristianismo, Jesus foi dedurado por Delubius Iscariotes, que se vendeu por 30 dinheiros pagos pelo caixa-dois do centurião Marcus Valerius. Condenado pelo fisioterapeuta romano Pôncio Pilates, Jesus acabou sendo crucificado pela imprensa e pela direita; Daí a oração “Bode expiatório que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós”
    J.C é o fundador da ideologia opensource. Qualquer mané pega suas ideias, modifica e diz que criou algo novo. Mas ao contrario do Linux, que tem que continuar grátis, Jesus não falou explicitamente 10 vezes pra não pagarem nada. Graças a isso, hoje em dia temos igrejas que cobram dízimos baratinhos de R$100 mensais, o que se você for ver bem, não é nada pra quem ganha R$530 por mes e paga INSS, SUS, água, telefone, esgoto, taxa do lixo, taxa de antena, conta de luz do Sol, conta de luz da Lua, imposto sobre conta e CPMF.
    .
    .POLÊMICA SOBRE A NACIONALIDADE DE JESUS
    Três evidências de que Jesus era Judeu:
    ? Assumiu os negócios do pai dele;
    ? Viveu em casa até os 33 anos;
    ? Tinha certeza de que a mãe era virgem e sua mãe tinha certeza de que ele era Deus.
    Três evidências de que Jesus era Irlandês:
    ? Nunca foi casado;
    ? Nunca teve emprego fixo;
    ? O último pedido dele foi uma bebida.
    Três evidências de que Jesus era Porto-Riquenho:
    ? O primeiro nome dele era Jesus;
    ? Sempre teve problemas com a lei;
    ? A mãe dele nem conhecia o pai dele pessoalmente.
    Três evidências de que Jesus era Português:
    ? Seu pai era José;
    ? Sua mãe era Maria;
    ? Viviam fazendo piadinhas a seu respeito.
    Três evidências de que Jesus era Italiano:
    ? Falava com as mãos;
    ? Tomava vinho em todas as refeições;
    ? Trabalhou no comércio.
    Três evidências de que Jesus era Californiano:
    ? Nunca cortou o cabelo;
    ? Andava descalço;
    ? Inventou uma nova religião.
    Três evidências de que Jesus era Francês:
    ? Nunca trocava de roupa;
    ? Só lavava os pés;
    ? Não falava inglês.
    Três evidências de que Jesus era Brasileiro:
    ? Nunca tinha dinheiro;
    ? Vivia fazendo milagres;
    ? Se ferrou na mão do governo.
    Três evidências de que Jesus era Argentino:
    ? Tinha certeza que era Deus;
    ? Sua mãe achava que ele era Deus;
    ? Tinha certeza que seu país era a terra santa.

  151. Marciano Diz:

    Artigo da wikipedia sobre o livro de Saramago:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Evangelho_segundo_Jesus_Cristo

  152. Marciano Diz:

    Para quem ainda não leu o livro do saudoso, nobre e Nobel Saramago, aviso que no final do texto da wikipedia tem um link para baixá-lo em pdf, totalmente grátis.
    Aproveitem enquanto não retiram o link, a pedido de algum ganancioso.

  153. Marciano Diz:

    O livro “O Fator Deus”, que estava disponibilizado na mesma página, já foi retirado. O link permanece, mas leva a uma página não encontrada da UFRGS.

  154. Marciano Diz:

    As a matter of fact, O Fator Deus não é um livro, é um artigo, e ainda pode ser lido em outros sites.

  155. Marciano Diz:

    É tão pequenucho o artigo que ei-lo aqui:
    .
    O FATOR DEUS
    José Saramago

    Algures na Índia. Uma fila de peças de artilharia em posição. Atado à boca de cada uma delas há um homem. No primeiro plano da fotografia um oficial britânico ergue a espada e vai dar ordem de fogo. Não dispomos de imagens do efeito dos disparos, mas até a mais obtusa das imaginações poderão “ver” cabeças e troncos dispersos pelo campo de tiro, restos sanguinolentos, vísceras, membros amputados. Os homens eram rebeldes. Algures em Angola. Dois soldados portugueses levantam pelos braços um negro que talvez não esteja morto, outro soldado empunha um machete e prepara-se para lhe separar a cabeça do corpo. Esta é a primeira fotografia. Na segunda, desta vez há uma segunda fotografia, a cabeça já foi cortada, está espetada num pau, e os soldados riem. O negro era um guerrilheiro. Algures em Israel. Enquanto alguns soldados israelitas imobilizam um palestino, outro militar parte-lhe à martelada os ossos da mão direita. O palestino tinha atirado pedras. Estados Unidos da América do Norte, cidade de Nova York. Dois aviões comerciais norte-americanos, seqüestrados por terroristas relacionados com o integrismo islâmico lançam-se contra as torres do World Trade Center e deitam-nas abaixo. Pelo mesmo processo um terceiro avião causa danos enormes no edifício do Pentágono, sede do poder bélico dos States. Os mortos, soterrados nos escombros, reduzidos a migalhas, volatilizados, contam-se por milhares.
    As fotografias da Índia, de Angola e de Israel atiram-nos com o horror à cara, as vítimas são-nos mostradas no próprio instante da tortura, da agônica expectativa, da morte ignóbil. Em Nova York tudo pareceu irreal ao princípio, episódio repetido e sem novidade de mais uma catástrofe cinematográfica, realmente empolgante pelo grau de ilusão conseguido pelo engenheiro de efeitos especiais, mais limpo de estertores, de jorros de sangue, de carnes esmagadas, de ossos triturados, de merda. O horror, agachado como um animal imundo, esperou que saíssemos da estupefação para nos saltar à garganta. O horror disse pela primeira vez “aqui estou” quando aquelas pessoas saltaram para o vazio como se tivessem acabado de escolher uma morte que fosse sua. Agora o horror aparecerá a cada instante ao remover-se uma pedra, um pedaço de parede, uma chapa de alumínio retorcida, e será uma cabeça irreconhecível, um braço, uma perna, um abdômen desfeito, um tórax espalmado. Mas até mesmo isto é repetitivo e monótono, de certo modo já conhecido pelas imagens que nos chegaram daquele Ruanda-de-um-milhão-de-mortos, daquele Vietnã cozido a napalme, daquelas execuções em estádios cheios de gente, daqueles linchamentos e espancamentos daqueles soldados iraquianos sepultados vivos debaixo de toneladas de areia, daquelas bombas atômicas que arrasaram e calcinaram Hiroshima e Nagasaki, daqueles crematórios nazistas a vomitar cinzas, daqueles caminhões a despejar cadáveres como se de lixo se tratasse. De algo sempre haveremos de morrer, mas já se perdeu a conta aos seres humanos mortos das piores maneiras que seres humanos foram capazes de inventar. Uma delas, a mais criminosa, a mais absurda, a que mais ofende a simples razão, é aquela que, desde o princípio dos tempos e das civilizações, tem mandado matar em nome de Deus. Já foi dito que as religiões, todas elas, sem exceção, nunca serviram para aproximar e congraçar os homens, que, pelo contrário, foram e continuam a ser causa de sofrimentos inenarráveis, de morticínios, de monstruosas violências físicas e espirituais que constituem um dos mais tenebrosos capítulos da miserável história humana. Ao menos em sinal de respeito pela vida, devíamos ter a coragem de proclamar em todas as circunstâncias esta verdade evidente e demonstrável, mas a maioria dos crentes de qualquer religião não só fingem ignorá-lo, como se levantam iracundos e intolerantes contra aqueles para quem Deus não é mais que um nome, o nome que, por medo de morrer, lhe pusemos um dia e que viria a travar-nos o passo para uma humanização real. Em troca prometeram-nos paraísos e ameaçaram-nos com infernos, tão falsos uns como os outros, insultos descarados a uma inteligência e a um sentido comum que tanto trabalho nos deu a criar. Disse Nietzsche que tudo seria permitido se Deus não existisse, e eu respondo que precisamente por causa e em nome de Deus é que se tem permitido e justificado tudo, principalmente o pior, principalmente o mais horrendo e cruel. Durante séculos a Inquisição foi, ela também, como hoje os talebanes, uma organização terrorista que se dedicou a interpretar perversamente textos sagrados que deveriam merecer o respeito de quem neles dizia crer, um monstruoso conúbio pactuado entre a religião e o Estado contra a liberdade de consciência e contra o mais humano dos direitos: o direito a dizer não, o direito à heresia, o direito a escolher outra coisa, que isso só a palavra heresia significa.
    E, contudo, Deus está inocente. Inocente como algo que não existe que não existiu nem existirá nunca, inocente de haver criado um universo inteiro para colocar nele seres capazes de cometer os maiores crimes para logo virem justificar-se dizendo que são celebrações do seu poder e da sua glória, enquanto os mortos se vão acumulando, estes das torres gêmeas de Nova York, e todos os outros que, em nome de um Deus tornado assassino pela vontade e pela ação dos homens, cobriu e teimam em cobrir de terror e sangue as páginas da história. Os deuses, acho eu, só existem no cérebro humano, prosperam ou definham dentro do mesmo universo que os inventou, mas o “fator deus”, esse, está presente na vida como se efetivamente fosse o dono e o senhor dela. Não é um Deus, mas o “fator Deus” o que se exibe nas notas de dólar e se mostra nos cartazes que pedem para a América (a dos Estados Unidos, e não a outra…) a bênção divina. E foi no “fator Deus” em que o Deus islâmico se transformou, que atirou contra as torres do World Trade Center os aviões da revolta contra os desprezos e da vingança contra as humilhações. Dir-se-á que um Deus andou a semear ventos e que outro Deus responde agora com tempestades. É possível, é mesmo certo. Mas não foram eles, pobres Deuses sem culpa, foi o “fator Deus”, esse que é terrivelmente igual em todos os seres humanos onde quer que estejam e seja qual for a religião que professem, esse que tem intoxicado o pensamento e aberto as portas às intolerâncias mais sórdidas, esse que não respeita senão aquilo em que manda crer, esse que depois de presumir ter feito da besta um homem acabou por fazer do homem uma besta.
    Ao leitor crente (de qualquer crença…) que tenha conseguido suportar a repugnância que estas palavras provavelmente lhe inspiraram, não peço que se passe ao ateísmo de quem as escreveu. Simplesmente lhe rogo que compreenda, pelo sentimento de não poder ser pela razão, que, se há Deus, há só um Deus, e que, na sua relação com ele, o que menos importa é o nome que lhe ensinaram a dar. E que desconfie do “fator Deus”. Não faltam ao espírito humano inimigos, mas esse é um dos mais pertinazes e corrosivos. Como ficou demonstrado e desgraçadamente continuará a demonstrar-se.

  156. Sanchez Diz:

    Marciano
    .
    Li o pequeno artigo o fator Deus de José Saramago. O texto é apelativo e nota-se que o escritor quer deixar claro que toda a violência provem da religião.
    .
    “Já foi dito que as religiões, todas elas, sem exceção, nunca serviram para aproximar e congraçar os homens, que, pelo contrário, foram e continuam a ser causa de sofrimentos inenarráveis, de morticínios, de monstruosas violências físicas e espirituais que constituem um dos mais tenebrosos capítulos da miserável história humana”
    -Retirado do texto-
    .
    Só que ele esquece que a barbárie tem rosto humano. Pode ser nobelista, mas prefiro Leandro Karnal que fala sobre fundamentalismo religioso. Bem mais lúcido na sua explanação na minha opinião.
    .
    https://www.youtube.com/watch?v=Jyt9tBBBbMY
    .
    Sobre meu último comentário sucinto. Tava de brincadeira. Sei o significado da palavra só não sei a diferença entre ironia e sarcasmo. Talvez você possa me ajudar, agora sem ironia… ou é sem sarcasmo. Nossa! Tô confuso! Sem ofensas, pronto.

  157. Contra o chiquismo Diz:

    E o ‘bom gênio joão” ??

  158. Marciano Diz:

    Sanchez, eu até desconfiei que era ironia, só que foi fina demais para um sujeito grosso como eu.
    Sarcasmo e ironia podem ser usados como sinônimos, contudo eu prefiro deixar a palavra sarcasmo para uma ironia mais agressiva.
    Podem ser ofensivas ou não, dependendo do animus de quem usa. No seu caso, ainda mais tendo se referido ao Montalvão, sei que não há intenção alguma de ofensa, só uma brincadeirinha inocente, por causa dos overkills do líder de bancada cética.
    .
    Eu não comungo (escolhi a dedo a palavra, é ironia, de outro tipo) da opinião de Saramago inteiramente, só em parte.
    As religiões sempre foram causa de muita violência, tanto o cristianismo, principalmente em épocas graças a deus passadas (ironia de novo, cum animus jocandi). Os muçulmanos em geral ainda são muito violentos.
    Eu, apesar de descrente, em princípio, creio que o mundo seria melhor sem religião.
    Religião separa as pessoas. Quem é testemunha de jeová não gosta de católicos, quem é católico não gosta de umbandistas, por aí vai.
    E olhe que, sendo denominações cristãs, seus crentes deveriam andar com ladrões, prostitutas e cobradores de impostos, como seu imaginário mestre fazia, pois são os que mais precisam de ser perdoados 70 x 7.
    As pessoas têm religiões por motivos semelhantes aos que as levam a torcer por um time de futebol. Além da doutrinação que sofrem desde o nascimento.
    São raros os que não têm o cérebro formatado para crenças estranhas desde o nascimento, sem contar que pode haver um fator genético também.
    Menos raros, mas também raros, são os que conseguem reformatar o HD mental.
    A melhor maneira de livrar-se de religiões é estudá-las a fundo. Principalmente o estudo comparado de religiões ou denominações da mesma religião.
    .
    Os que melhor conseguem fazer um estudo abrangente são os kardecistas (talvez pelo fato citado por ANTONIO, de que toda a doutrina cabe num grão de mostarda – ironia de novo).
    Apesar disso, basta comparar a erraticidade e os bivaques de Rivail com as cidades espirituais de cx para ver que barafunda é o espiritismo kardecista.
    Eu costumo dizer que divindades assemelham-se a sorveterias: tem para todos os gostos.

  159. Gorducho Diz:

    Apesar disso, basta comparar a erraticidade e os bivaques de Rivail com as cidades espirituais de cx para ver que barafunda é o espiritismo kardecista.
     
    A cosmologia das cidades não é kardecista, é americana, do espiritualismo anglo. Na estratégia para legitimação do NL – visto que obviamente chocou os leitores – (provavelmente fosse) o Wantuil n’O Reformador é explícito:
    “Ao nosso ver, as obras de André Luiz têm o fim providencial de estabelecer a ligação das duas Escolas Espíritas: a francesa, fundada por Allan Kardec, e a
    anglo-saxônica, de Andrew Jackson Davis, um pouco mais velha do que a Kerdeciana.”
    A dúvida que me fica e provavelmente nunca será esclarecida, é se ele (Wantuil) foi pego de surpresa pelo CX e teve que sair correndo atrás do prejuízo, ou se havia (Wantuil) induzido CX, talvez até fornecendo as obras do Owen (?)
     
    By the way, segundo entendi, no espiritismo filipino tem o lago-de-fogo que fica na atmosfera da terra. Portanto seria o umbral chiquista, que segundo sei fica ainda nos limites da atmosfera.
    Teria no frigir dos ovos CX razão?
    há o

  160. Antonio G. - POA Diz: Diz:

    Vladimir disse: Curiosamente você ignorou o vídeo do Prof.Dr. William Lane Craig, difícil contra-argumentar com alguém que desbancou o Christopher Hitches (R.I.P) e do qual o Richard Dawkins foge tal qual o Diabo da Cruz…
    .
    Não, Vladimir. Eu não ignorei o vídeo. Eu o assisti. Só não tive ânimo para comentá-lo. De fato, estes religiosos americanos me causam até uma certa estupefação, pelo contraste que existe na relação entre sua condição de cidadãos de um país econômica e tecnologicamente tão desenvolvido e ao mesmo tempo tão atrasado intelectualmente na esfera da religiosiosidade e da crendice. A influência de deus no ordenamento social norteamericano é espantosa. Deus está presente em leis, na ritualista judicial, no juramento de posse do presidente do país, nas cédulas de dinheiro, etc, etc, etc… De fato, é o maior contraste mundial nesta questão. Praticamente uma exceção à regra de que quanto mais evoluído economica, tecnologica e socialmente é um país, menor é a influência da religiosidade nas pessoas. Os EUA são um caso à parte.
    .
    E se você realmente acha que o discurso do Professor Doutor Craig é algo a ser classificado como inteligente e que Richard Dawkins teria receio de contra-argumentar com ele, nós não estamos mesmo no mesmo plano de entendimento do que seja inteligência.
    .
    Tenhamos todos um bom dia.

  161. Vladimir Diz:

    Marciano disse: Eu não sou provocador, você confundiu tudo. Eu gosto de agitar o blog, quando ele está muito parado. Só isso.
    .
    COMENTÁRIO: Tá certo
    .
    Marciano disse: Não acredito em qualquer coisa, só porque alguém disse que é verdade, sem demonstração alguma. Simples assim.
    .
    COMENTÁRIO: O que seria “demonstração”?
    .
    Marciano disse: Essa sua lista não está com nada, primeiro porque a MAIORIA dos cientistas ATUAIS admite ser descrente de coisas fantástica;
    .
    COMENTÁRIO: A maioria dos cientistas atuais não tem o quilate de um Newton ou um Einstein, tampouco contribuíram para a humanidade quanto Goethe ou Bach
    .
    Marciano disse: porque antigamente era mais fácil enganar um cientista
    .
    COMENTÁRIO: 1º Salto (I)lógico baseado no preconceito do missivista, a de que os cientistas e pensadores de antigamente foram “enganados”
    porque defendiam convicções religiosas…
    .
    Marciano disse: muitos cientistas fingem acreditar para ficarem bem com a família.
    .
    COMENTÁRIO: 2º Salto (I)lógico, a de que os grandes pensadores da humanidade eram “crentes” porque estavam “mentindo”…
    .
    Marciano disse: Sartre, diga aí, pelo médium Vlad, por que existiria o NADA e não o SER?
    Sartre era um safado COMUNISTA.
    Não dá para levar a sério um comunista burguês. Isso é um oximoro, uma antítese, uma contradictio in adjecto.
    .
    COMENTÁRIO: 3º Salto (I)lógico baseado no desconhecimento do missivista da Historia da Filosofia.
    .
    Sartre de quando da escrita de sua obra magna “L’Etre et l’neant” era burguês mas nem de longe Comunista.
    A geração de Sartre na França era conhecida como geração dos 3H, devido a influência exercida pelos três pensadores:
    Hegel, Husserl e Heidegger.
    Dá época da composição do “Ser e o Nada” poderíamos dizer que Sartre era “heideggeriano” e no máximo Fenomenólogo, se bem que a Fenomenologia
    foi apresentada a ele por seu colega também filósofo Raymond Aron
    Sarte vai adotar o Comunismo (ou a sua versão de Comunismo, pois o mesmo nunca foi aceito pelo PCF) a partir da 2º Guerra Mundial,
    e isso fica evidente em sua produção literária tendo como ponto máximo a obra “Critique de la Raison Dialectique”.
    Sartre (tal como o luso Saramago) foi laureado com o Nobel de Literatura, e também era Ateu.
    .
    De todo modo a pergunta pelo Ser perpassa toda a História da Filosofia, e se podemos datar seu ínicio talvez seja com Parmenides de Eléia no século V A.C.
    Portanto Sartre foi apenas um exemplo contemporâneo.
    .
    Marciano disse: A consciência que temos de nós mesmo vem do cérebro mais desenvolvido e mais inteligente, consequentemente, e você, como psiquiatra, deveria saber.
    .
    COMENTÁRIO: Baseado no atual conhecimento da Medicina eu concordo contigo, e lhe pergunto: E daí?
    .
    Isso não responde a pergunta Metafísica fundamental:
    .
    “Qual o Sentido da Vida”?
    .
    Marciano disse: Onde estavam os SERES tão importantes há 13,7 bilhões de anos?
    .
    COMENTÁRIO: Quais “seres”?

  162. Antonio G. - POA Diz: Diz:

    Marciano, sem demagogia barata: Admiro cada vez mais sua verve e energia para o debate. Confesso, que além da incapacidade intelectual, falta-me disposição para tentar acompanhá-lo. Além de meio burro, sou mesmo um preguiçoso.

  163. Vladimir Diz:

    Antonio disse: E se você realmente acha que o discurso do Professor Doutor Craig é algo a ser classificado como inteligente e que Richard Dawkins teria receio de contra-argumentar com ele, nós não estamos mesmo no mesmo plano de entendimento do que seja inteligência.
    .
    COMENTÁRIO: Ufa!, eu fico muito feliz em não estar no mesmo nível de um Dawkins, o brilhante zoologo de Oxford pode entender
    de Biologia mas em relação a Filosofia o coitado não diz “lé com cré”…
    .
    Curiosamente o Sr.Antônio, evidentemente por não respostas as indagações seguintes indagações:
    /////
    VOLTA AO PASSADO (RECENTE):
    .
    Antonio diz:
    Ah… e alguém, por gentileza, avise ao tal de Caio (figuraça!) no vídeo que você também postou (link abaixo), que a vida e a inteligência humana não precisa ter, necessariamente um propósito.
    .
    COMENTÁRIO: Não precisa ter necessariamente um propósito, mas isso não implica que esse propósito não exista, tampouco invalida
    a sua busca…
    .
    Antonio diz: Quem disse que precisa haver um porquê?
    .
    COMENTÁRIO: Essa é uma das questões metafísicas por “par excellence”, Qual o sentido da Vida?
    .
    Antonio diz: Os crentes acham que não é suficiente simplesmente ser.
    .
    COMENTÁRIO: Eu diria que não são apenas os crentes e sim qualquer pessoa que se debruçou sobre a Filosofia se depara
    com está questão, é inevitável buscar o sentido do Ser…
    .
    Como disse Sartre (que era Ateu): Por que existe o Ser e não o Nada?
    .
    Antonio diz: Os cupins, hipopótamos e araucárias não se preocupam com isto.
    .
    COMENTÁRIO: Oh, Antônio você é Bacharel em Direito, não me dá uma dessa…
    Você confunde ôntico com ontológico, ente com Ser, essência com existência…
    Os cupins, hipopótamos, e araucárias não tem consciência do Ser, tampouco consciência da Morte, e muito menos consciência
    do sentido de sua existência…
    .
    Como diria Heidegger (provavelmente Ateu): As coisas existem, mas só o Ser É…
    .
    Antonio diz:
    .
    Para os seres vivos não dotados de intelecto superior, não é preciso haver um propósito na vida, pela simples e boa razão de que eles não têm medo.
    .
    COMENTÁRIO: A questão não é a ausência do Medo e sim a ausência da capacidade de autorreflexão…
    .
    Se você acredita que todos os crentes acreditam em Deus porque tem medo, você não entendeu absolutamente nada do que o Caio disse…
    .
    A questão não é o Medo e sim a resposta a pergunta:
    .
    Qual o sentido do Ser?
    .
    FIM DA VOLTA AO PASSADO
    ////
    Resumindo o nosso diálogo Sr.Antônio: “Qual o Sentido do Ser”?
    .
    PS: Me parece que o Sr. não conseguiu refutar o “Argumento Cosmológico Kalam”, tampouco o “Argumento do Ajuste Fino do Universo” através
    de sua perspectiva Ateia e Materialista…
    .
    “Sacomé, Antônio, não sabe brincar não desce pro play, HAHAHA!”

  164. Vladimir Diz:

    Correção: “Curiosamente o Sr.Antônio, evidentemente por não ter respostas as seguintes indagações:”

  165. Vladimir Diz:

    PROCURA-SE: Um Ateu e Materialista que entenda de Metafísica…
    .
    COMENTÁRIO: É dificil ver Neo-Ateus bradando a descoberta da pólvora simplesmente porque não fizeram o dever de casa…
    .
    Que falta eu sinto da Barsa, ou da Delta Larousse rs

  166. Gorducho Diz:

    Não precisa ter necessariamente um propósito, mas isso não implica que esse propósito não exista, tampouco invalida a sua busca…
     
    Mas aí me parece que o Sr. está invertendo a lógica de vocês mesmos Crentes. Pelo que entendo, a lógica é:
    Deus (ou deuses dependendo se o filósofo eventualmente por politeísta) existe porque o universo tem um propósito e por via de consequência a vida tem sentido.
    Então, ok, se apraz a vocês buscarem por divindades, tudo certo. O Professor reconheceu ontem que faz bem à mente dele buscar por espíritos. Mas não digam que divindades e espíritos existem. Digam que vocês procuram por elas porque os faz sentirem-se bem. Aí sim estará tudo certo.

  167. Gorducho Diz:

    Sr. Administrador: favor completar o fechamento do bold. Estou num teclado sem sensibilidade táctil. Desculpe!

  168. Vladimir Diz:

    Gorducho diz:
    Deus (ou deuses dependendo se o filósofo eventualmente por politeísta) existe porque o universo tem um propósito e por via de consequência a vida tem sentido.
    .
    COMENTÁRIO: Pela perspectiva Cosmológica certamente o raciocínio está correto, porém o ponto central
    a divergência foi a falta de sentido da vida humana.
    .
    Ora se Deus não existe (ou um propósito maior),a pergunta que inevitavelmente se avizinha é:
    .
    “Qual o sentido da Vida”?
    .
    E a subsequente a ela seria: “Por que escolher a Vida e não a Morte?”

  169. Gorducho Diz:

    A resposta de inteligente filósofo GRASSOUILLET G é:
    Por que a vida teria que ter um sentido?
    Dos absurdos que se vê: DAESH; fanáticos religiosos se recusando a sentar ao lado de mulheres em aeroplanos
    http://www.nytimes.com/2015/04/10/us/aboard-flights-conflicts-over-seat-assignments-and-religion.html?hp&action=click&pgtype=Homepage&module=mini-moth&region=top-stories-below&WT.nav=top-stories-below&_r=0
    a destruição já perpetrada no planeta – tudo indica que não há sentido não.
    O Kardec previu “progresso moral”. Os chiquistas previram a reforma do planeta a partir do ano 2000.
    Todos se deram mal.

  170. Gorducho Diz:

    E a subsequente a ela seria: “Por que escolher a Vida e não a Morte”?
     
    Acredito que por medo do desconhecido somada à circunstância de cada um. Ninguém quer deixar o bom convívio de familiares (incluídos aí os não-hominais); o belo céu azul; a cerveja; percorrer as belas ruas de Paris… E também o princípio classe média de preservar o que se têm. Por que socialistas, após receberem um pedaço de terra em reforma agrária viram conservadores?
    Mas quando o balanço custos benefícios se altera… Por que presos têm que ser placed under suicide watch?
    Quando ocorre uma circunstância irreversível, o suicídio é o caminho racional. Por isso o empenho de muitas seitas religiosas em tentar assustar os Crentes.

  171. Vladimir Diz:

    Gorducho disse:
    A resposta de inteligente filósofo GRASSOUILLET G é:
    Por que a vida teria que ter um sentido?
    .
    COMENTARIO: A vida não tem que ter necessariamente um “sentido” (ela pode ter ou não) entretanto isso não invalida as perguntas:
    .
    Qual o Sentido da Vida?
    .
    Por que escolher a Vida e não a Morte?

  172. Vladimir Diz:

    Gorducho disse:
    .
    Quando ocorre uma circunstância irreversível, o suicídio é o caminho racional.
    .
    COMENTÁRIO: Se a vida não tem um propósito, o suicídio é o caminho mais racional…
    .
    É justamente isso que o Rev.Caio Fabio defendeu:
    https://www.youtube.com/watch?v=BRLqoUKM_dU

  173. Gorducho Diz:

    Não, não invalida perguntas. É a essência da filosofia perguntar e pensar sobre a questão.
    Mas não prova a existência de deuses. Seu pensamento é correto – filosofia é coisa boa.
    Mas religiosos não filosofam – exceto no sentido escolástico de racionalizar os dogmas, como analogamente os kardecistas “estudam” (dizem MUUU!!! p/o Kardec) a Doutrina – eles Creem.

  174. Gorducho Diz:

    Valeu Dr.!
    Esse Sr. é melhor que o Divaldo incorporando o Dr. Bezerra
    :lol: :lol: :lol: :lol:

  175. Antonio G. - POA Diz:

    O Vladimir é um gozador. Posta links de uns vídeos de umas figuras esdrúxulas, e depois deve ficar dando risada imaginando o que pensaremos a respeito.
    Definitivamente, Vladimir é um pândego…

  176. Antonio G. - POA Diz:

    De fato, Gorducho, a cena do Divaldo incorporando o Dr. Bezerra de Menezes sempre me vem à cabeça quando penso nas farsas com que os grandes expoentes do espiritismo brasileiro costumam brindar seus incautos admiradores. Outra que eu sempre lembro é a foto do CX de mãos dadas com a Irmã Josefa materializada. São imagens icônicas da falcatrua espírita.

  177. Sanchez Diz:

    Gorducho Diz:
    abril 10th, 2015 às 11:07 AM
    .
    “Mas religiosos não filosofam – exceto no sentido escolástico de racionalizar os dogmas…”
    .
    Então segundo a concepção Newton, Descartes e Leibniz que eram religiosos que se denominavam filósofos naturais não filosofavam.
    .
    Racionalizar sobre dogmas não leva a questionamentos sobre se há fundamentação racional e lógica? Se isto não é filosofar, então é o que?

  178. Phelippe Diz:

    O Vladimir gosta de trollar, só pode.

  179. Gorducho Diz:

    Deixei claro que se poderia considerar “filosofar” nesse sentido. Mas a verdadeira filosofia não deve ser limitada por dogmas.
    Veja: quando o Aquinate diz (i) o casamento deve ser indissolúvel porque precisa dum pai p/educar a prole; (ii) quando apresenta as “provas” p/a existência da Deus…
    O Sr. acha que se ficasse provado que a mãe é tão boa quanto o pai p/educar (como é o pensamento convencional ocidental hoje); ou que as “provas” dele são furadas, ele deixaria de acreditar que Deus existe ou defender a indissolubilidade do matrimônio?
    Claro que não, não é?
    Tem um outro não me lembro se o próprio Tomás ou outro que filosofa contra o incesto irmão/irmã on the grounds that por serem familiares haveria excesso de desejo sexual. Se ficar provado (como eu acredito que seja…) que um eventual desejo entre esses seres é igual à média dos hominais, o Sr. acha que o “filósofo” mudaria de conclusão, e aceitaria isso?
    Quanto ao Newton não tenho conhecimento da obra filosófica dele. Note que filosofia natural é o nome antigo para o que hoje chamamos ciência.
    O Leibniz e o Descartes cometem o mesmo erro dos citados antes: partem do pressuposto que Deus existe, e aí fazem variantes acerca de como seria tal ente, sem se habilitarem a questionar sua realidade.
    E sim, raciocinar (não racionalizar) sobre dogmas leva a questionamentos quanto à fundamentação. Mas fundamentação racional e lógica tem limitado valor no mundo real. Qual a fundamentação racional e lógica dos fenômenos quânticos? A única coisa que sabemos sobre a QM e respectivos fenômenos é que devemos calar a boca, calcular e medir.
    E, note. Quando alguém chega ao ponto de questionar, como nós, por absoluta falta de evidências, a existência de deus(es), deixou por definição de ser religioso. Entrou no nosso time.

  180. Marciano Diz:

    ANTONIO, você não tem nada de burro. Muito ao contrário, é muito mais inteligente do que eu, na medida em que não fica dando murros em ponta de faca nem malhando em ferro frio.
    Vlad, por exemplo, insiste em não entender que as coisas não precisam ter um propósito. Esse propósito seria de quem, das coisas? De algum ser sobrenatural?
    .
    .
    Boa, Gorducho!
    Conservador é quem quer manter tudo como está. Reformista é quem quer mudar para, depois da mudança, manter tudo como estiver. Então, são todos conservadores. A não ser que os reformistas queiram mudar só pelo prazer de mudar.
    .
    .
    A vida não tem qualquer sentido, até porque não é privilégio de humanos, Ascaris lumbricoides também vivem.
    Não existe uma coisa que se possa chamar de morte. Morte é simplesmente a cessação dos processos vitais. Não entendo essa dicotomia vida/morte, como se fosse possível a morte sem vida anterior.

  181. Marciano Diz:

    Se a vida é tão importante, por que, aparentemente, só existe num canto do universo e por um tempo tão breve em sua história?
    Ou será que estrelas vivem vidas cheias de sentido filosófico, cheias de propósitos?

  182. Marciano Diz:

    Na melhor das hipótese, podemos afirmar que a não-vida predomina por todo o universo, até mesmo na Terra, por quase toda a sua existência.
    A vida parece ser uma anomalia, mesmo a vida de bactérias.
    .
    .
    Por outro lado, suponhamos que nada existisse, nenhum tipo de matéria. QUEM faria a pergunta idiota “Por que o SER e não o NADA?
    Só podemos fazer a pergunta porque existe um universo.
    Se nada existisse, nada haveria para fazer pergunta alguma.
    A frase é bem idiota, se pararmos para pensar em sua falta de sentido.

  183. Marciano Diz:

    Precisamos ter cuidado com filosofia.
    É inegável que Aristóteles foi um grande pensador, por outro lado, causou a estagnação da ciência por dois milênios, com suas ideias engessadas.
    .
    Outra coisa: conhecer o pensamento de filósofos não é filosofar. Filosofar é pensar com sua própria cabeça.
    Jogar futebol é uma coisa. Ficar de coach potato diante de uma tv vendo a imagens de outras pessoas jogando é completamente diferente.
    .
    Qualquer idiota pode ler e decorar o que vários filósofos já pensaram, ver seus erros e acertos, ver as discrepâncias entre seus pensamentos e recitá-los ou citá-los.
    Pensar por si próprio já é outra coisa.

  184. Marciano Diz:

    Meu teclado está com problemas na tecla “s”, a qual não sai várias vezes.
    Eu não tenho tempo para ficar revisando textos.
    Acho que todos aqui já perceberam que eu conheço concordância verbal e nominal, plural de substantivos simples e compostos, etc.
    Não ficar corrigindo porcaria nenhuma.

  185. Sanchez Diz:

    Gorducho Diz:
    abril 10th, 2015 às 1:28 PM
    .
    “O Sr. acha que se ficasse provado que a mãe é tão boa quanto o pai p/educar (como é o pensamento convencional ocidental hoje); ou que as “provas” dele são furadas, ele deixaria de acreditar que Deus existe ou defender a indissolubilidade do matrimônio?”
    .
    O contrário também é verdadeiro.
    .
    “O Leibniz e o Descartes cometem o mesmo erro dos citados antes: partem do pressuposto que Deus existe, e aí fazem variantes acerca de como seria tal ente, sem se habilitarem a questionar sua realidade.”
    .
    Eles tem a sua tese e convicção particulares, mas a demonstração da existência de Deus por eles feita parte de deduções, portanto o raciocínio é ao contrário.
    .
    “Mas fundamentação racional e lógica tem limitado valor no mundo real. Qual a fundamentação racional e lógica dos fenômenos quânticos?”
    .
    Os fundamentos que me refiro são os postulados terem esse caráter de serem auto evidentes. Os axiomas da geometria euclidiana não parece ser evidente? A mesma pergunta os padres da igreja também fizeram sobre a existência de Deus.

  186. Vladimir Diz:

    Gorducho diz:
    Não, não invalida perguntas. É a essência da filosofia perguntar e pensar sobre a questão.
    .
    COMENTÁRIO: Concordamos!
    .
    Gorducho diz:
    Mas não prova a existência de deuses.
    .
    COMENTÁRIO: Aí depende qual o sentido o Sr. vai dar para a questão da “prova”.
    Se está esperando encontrar um “ente” material que possa ser pesado, medido e tocado e chama-lo de “deus”, penso
    que irá se decepcionar…
    .
    Não se pode provar “Deus” “cientificamente” na medida em que “Deus” é um conceito “Metafisico”.
    Entretanto é possível inferir sua existência através da razão tanto Objetiva quanto Subjetivamente…
    .
    Estávamos até então tratando do conceito metafísico de Deus enquanto entidade ontológica fundadora de sentido
    da existência humana, portanto conceito Metafisico Subjetivo, como o de Kierkegaard, Pascal, Jaspers, Marcel, Tillich e etc
    .
    Gorducho diz:
    Mas religiosos não filosofam
    .
    COMENTÁRIO: Existem e existiram muitos filósofos religiosos, mas nem sempre os religiosos são filósofos, ainda que
    uma reflexão teológica profunda acabe em Filosofia, na medida em que Deus é um problema fundamental da Metafísica…
    .
    Gorducho diz: O Leibniz e o Descartes cometem o mesmo erro dos citados antes: partem do pressuposto que Deus existe, e aí fazem variantes acerca de como seria tal ente, sem se habilitarem a questionar sua realidade.
    .
    COMENTÁRIO: Balofo, vc estava indo bem não vai começar a emitir juízo de valor sobre a obra filosófica alheia baseado em “pesquisa” de Google/Wikipedia.
    .
    você lembra da história do Spinoza…
    .
    Uma das coisas mais valiosas que aprendi na Academia foi “cautela” com a produção alheia, pois em geral quando pensamos que estamos
    refutando um filósofo da tradição, na maioria das vezes estamos apenas expondo nosso “desconhecimento” sobre o mesmo.
    .
    Aí o tiro saí pela culatra…
    .
    Tentar aplicar o Método Cientifíco a Filosofia é cometer suícidio Intelectual…infelizmente a maioria dos neo-ateus por imprudência
    acabam escorregando por esse caminho…
    .
    Aí de mim como dizia Medeia em sua loucura trágica…

  187. Vladimir Diz:

    Antônio diz:
    O Vladimir é um gozador. Posta links de uns vídeos de umas figuras esdrúxulas, e depois deve ficar dando risada imaginando o que pensaremos a respeito.
    Definitivamente, Vladimir é um pândego…
    .
    COMENTÁRIO: Antonio depois de toda essa sua pantomima, em me lembrei de um aforismo, de um dos meus
    ateus favoritos, e vou transcreve-lo em sua homenagem…
    .
    “E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música.” – Friedrich Nietzsche

  188. Vladimir Diz:

    Phelippe disse:
    O Vladimir gosta de trollar, só pode.
    .
    COMENTÁRIO: Sem dúvida meu caro, eu sou um Troll marrom, grande e peludo, que venho dos confins das Montanhas do Norte,
    sofrendo com o Mal de Prometheus, do qual as vezes me sinto como o Sisifo de Camus ou o Idiota de Dostoievski, quiça
    talvez eu seja muito Kafkiano.
    Como dizia Baudelaire: “Se existe um Deus, é o Diabo”

  189. Vladimir Diz:

    De Morte, estou em dúvidas sem foi Mortal ou Marciano vamos analisar:
    .
    Marciano diz: Vlad, por exemplo, insiste em não entender que as coisas não precisam ter um propósito
    Esse propósito seria de quem, das coisas?
    .
    COMENTÁRIO: Aí você precisa definir o que entende por “coisas”, pois não está claro na assertiva…
    .
    Marciano diz: A vida não tem qualquer sentido, até porque não é privilégio de humanos, Ascaris lumbricoides também vivem.
    .
    COMENTÁRIO: Concordo contigo, a vida biologica não tem qualquer sentido é apenas o resultado de processos bioquimicos e biofísicos.
    Mas, em nenhum momento eu falei de Vida enquanto sinônimo de “vida biológica”
    Estou falando em Vida enquanto categoria metafísica do SER.
    Existência enquanto condição ontológica fundante do ente humano.
    Aí a coisa muda da “água para o vinho”.
    As baratas são entes ônticos, mas não possuem nenhuma prerrogativa ontológica.
    A menos que você tenha visto alguma barata refletindo sobre sua condição no Cosmos…hahahaha!
    .
    Marciano diz: Não existe uma coisa que se possa chamar de morte.
    .
    COMENTÁRIO: Humm, afirmação curiosa, vamos ver…
    .
    Marciano diz: Morte é simplesmente a cessação dos processos vitais.
    .
    COMENTÁRIO: Ah claro, a “Morte Biológica”, humm e daí?
    .
    Marciano diz: Não entendo essa dicotomia vida/morte, como se fosse possível a morte sem vida anterior.
    .
    COMENTÁRIO: Então “De Marte” talvez em Marte as coisas sejam diferentes (vamos consultar o Kardec a respeito rs) mas cá na Crosta Terrícola
    tanto o SER quanto o NÃO-SER, são conceitos filósoficos que existem a mais de 23 séculos para o qual aínda não temos uma resposta satisfatória
    e definitiva, de modo que a questão continua atual:
    .
    Qual o Sentido da Vida?
    .
    Por que devemos escolher a Vida e não a Morte?
    .
    Marciano diz: Se a vida é tão importante, por que, aparentemente, só existe num canto do universo e por um tempo tão breve em sua história?
    .
    COMENTÁRIO: Penso que a sua afirmação já traz a própria resposta. PENSE!
    .
    Marciano diz: Ou será que estrelas vivem vidas cheias de sentido filosófico, cheias de propósitos?
    .
    COMENTÁRIO: Exatamente como eu disse acima, a sua afirmativa já está trazendo a própria resposta, ao invés de refutar o Teísmo,
    suas afirmações confirmam necessariamente essa posição filósofica…
    .
    Depois eu falo que os neo-ateus (em geral) deveriam estudar mais Filosofia, aí eles ficam brabos…
    .
    Marciano diz: Na melhor das hipótese, podemos afirmar que a não-vida predomina por todo o universo, até mesmo na Terra, por quase toda a sua existência.
    .
    COMENTÁRIO: Se considerar a não-vida enquanto potencial de ação, eu concordaria contigo, na medida em que 97% do Universo é composto de Dark Matter…
    .
    Marciano diz: A vida parece ser uma anomalia, mesmo a vida de bactérias.
    .
    COMENTÁRIO: Ou um ….(putz eu ja ia dar a resposta rs)
    .
    Marciano diz: Por outro lado, suponhamos que nada existisse
    .
    COMENTÁRIO: O Sr. quis dizer: suponhamos que não existisse nada…imagino (espero rs)
    .
    Marciano diz: QUEM faria a pergunta idiota “Por que o SER e não o NADA?
    .
    COMENTÁRIO: Tirando o fato de que o Sr. está jogando na lata do lixo 23 séculos de conhecimento racional produzido, de fato é provável
    que a pergunta não existisse…
    .
    Marciano diz: Só podemos fazer a pergunta porque existe um universo.
    .
    COMENTÁRIO: Desde quando a existência do Universo, implica a existência do SER???
    .
    Marciano diz: Se nada existisse, nada haveria para fazer pergunta alguma.
    .
    COMENTÁRIO: Já disse que concordo, não entendi o porquê do replay…
    .
    Marciano: A frase é bem idiota, se pararmos para pensar em sua falta de sentido.
    .
    COMENTÁRIO: Vou dar um desconto, porque o Sr. é cá um visitante interplanetário não acostumado com lucubrações metafísicas, mas garanto-lhe
    que não há nada de idiota na pergunta…talvez o Sr. não tenha compreendido a essencialidade da questão…confesso é dificil mesmo…
    .
    Marciano diz: Precisamos ter cuidado com filosofia.
    .
    COMENTÁRIO: Eu diria que precisamos ter cuidado com o não-filosofar, mas…
    .
    Marciano diz: É inegável que Aristóteles foi um grande pensador, por outro lado, causou a estagnação da ciência por dois milênios, com suas ideias engessadas.
    .
    COMENTÁRIO: Sempre fui fascinado por Aristóteles, mas confesso que conheço pouco, quais “ideias engessadas”…
    .
    Marciano diz: Outra coisa: conhecer o pensamento de filósofos não é filosofar.
    .
    COMENTÁRIO: Concordo plenamente, mas eu diria que é melhor conhecer o pensamento dos filósofos do que não conhecer pensador algum…
    a menos que considere o Pedro Bial e suas citações enquanto “pensador” aí eu vou dizer que o povo Pindoramense está bem arranjado rs
    .
    Marciano diz: Filosofar é pensar com sua própria cabeça.
    .
    COMENTÁRIO: Não Marciano, pensar todo ser humano pensa o tempo todo, Filosofar é mais do que isso, muito mais, infinitamente mais do que simplesmente pensar: “Com qual roupa devo ir?”, ou “Qual o resultado de x²+x-50=0?” e por aí vai…
    .
    Acaso não teve Filosofia na Faculdade de Direito?
    .
    Dr.Miguel Reale, dava de dez a zero em muito “filósofo” por aí, infelizmente parace que seus pupilos não tem a mesma “verve”…
    ou talvez não sejam seus pupilos, penso…
    .
    Marciano diz: Qualquer idiota pode ler e decorar o que vários filósofos já pensaram, ver seus erros e acertos, ver as discrepâncias entre seus pensamentos e recitá-los ou citá-los.
    .
    COMENTÁRIO: Isso só um idiota pode fazer, acaso a descrição acima em nada condiz com o Estudo Sistemáticio e Diligente da Filosofia, posso lhe assegurar…
    .
    Marciano diz: Pensar por si próprio já é outra coisa.
    .
    COMENTÁRIO: Isso também qualquer idiota pode fazer (quer dizer menos um idiota de verdade, é claro rs)
    Entretanto Filosofar é outra coisa…
    .
    Infelizmente a maioria dos “pensadores autônomos” que desprezam a Filosofia, acabam geralmente enganados por ela…
    .
    Enquanto tentam ser Originais, acabam por ser apenas cópia de algum esboço deixado por um filósofo pelo caminho
    .
    Marciano diz: Acho que todos aqui já perceberam que eu conheço concordância verbal e nominal, plural de substantivos simples e compostos, etc.
    .
    COMENTÁRIO: Certamente, já Filosofia…rs

  190. Vladimir Diz:

    Correção: Sistemático
    .
    Correção 2: “De Morte estou em dúvidas se foi…”

  191. Gorducho Diz:

    [...] você lembra da história do Spinoza…
     
    E o Sr. se lembra que eu, apesar de ter perdido a discussão, mostrei a mudança de postura dele quanto ao tipo de divindade entre o rascunho e a obra final. Ele no fim cedeu ao convencionalismo. Desde aí, caiu completamente no meu conceito.

  192. Gorducho Diz:

    Tentar aplicar o Método Cientifíco a Filosofia é cometer suícidio Intelectual…infelizmente a maioria dos neo-ateus por imprudência acabam escorregando por esse caminho…
    :o eu fiz isso?
     
    Quanto ao Leibniz e o Descartes, não é fato que eles partem da crença que Deus existe, e aí tentam tipifica-Lo?
    Do Newton já disse que nada sei sobre filosofia dele.

  193. Gorducho Diz:

    [...] na medida em que Deus é um problema fundamental da Metafísica…
    Sim se se partir da possibilidade que exista(m) ou não. Mas o religioso parte da crença na existência e em geral dum tipo de divindade – digamos essa escolástica adotada pelo judaísmo, islamismo e cristã (desprezando o fato da divindade cristã padrão ser quântica c/ 3 deuses em 1). Aí é que eu digo que já não é filosofia de verdade, e sim escolástica. Ou seja: racionalizações para a Crença Religiosa.

  194. Gorducho Diz:

    Não entendi o inverso, Analista Sanchez.
    Um filósofo de verdade, se provada a falsidade do postulado que ele usa para justificar a conclusão, deveria modificar essa conclusão. O Aquinante teria feito isso (no exemplo particular que dei)?
     
    Os axiomas da geometria euclidiana não parece ser evidente?
    Pareciam… E deu no que deu: as outras geometrias, inclusive base para a relatividade generalizada. É justamente isso que estava e lhe dizer: “mundo” lógico, “racional” para a mente hominal é uma coisa. Realidade física é outra.
    Os religiosos não apenas postulam uma entidade (Deus). Eles acreditam que ela está lá no 9° (é esse não é?) céu olhando e criando coisas :(

  195. Marciano Diz:

    Não foi Aristóteles quem disse que as coisas eram feitas de água, fogo, terra e ar? Que havia uma quintessência, o quinto elemento?
    Havia o movimento natural e o movimento violento. O movimento natural era a natureza que um objeto tinha de voltar ao seu lugar apropriado, dependendo se nele predominava água, terra, fogo ou ar.
    Os objetos celestes eram feitos de uma quintessência (nenhuma das quatro anteriores) e sua natureza era perfeita e imutável, moviam-se em círculos, sendo objetos perfeitos e imutáveis.
    Esse inteligente pensamento predominou por dois mil anos, até que Copérnico resolveu desrespeitar a autoridade de Aristóteles.
    Galileu foi outro ignorante de filosofia que ousou pensar de forma diferente do perfeito Aristóteles.
    Para Aristóteles, quanto mais pesado um objeto, mais rapidamente ele iria para o seu lugar natural (o chão). Galileu não acreditou na filosofia do mestre.
    Já estudei lógica, filosofia, especialmente filosofia do direito, mas cansei, da mesma forma que cansei de estudar outras coisas inúteis.
    Gosto mais de física, química, matemática, embora tenha seguido o caminho do direito, onde convivo somente com animais e corruptos, como o grande filósofo contemporâneo articulador político da petralha.
    Entre Sócrates (se não foi criação de Platão), Platão e Aristóteles, prefiro, dentre os antigos, Arquimedes, Eratóstenes…
    Coisa de gente burra, mas o que seria do mundo se todos fossem tão inteligentes quanto os crentes que a filosofia tomam emprestada para cobrir tanta ignorância e falta de raciocínio?
    Ser burro, felizmente para mim, não é crime.
    Não consigo entender o gênio da bancada crente.
    Um sujeito burro como eu não consegue entender que a existência de paranormalidade, divindades e espíritos esteja provada.
    Fico impressionadíssimo quando vejo um sujeito mais burro ainda do que eu tentando disfarçar as coisas jogando fumaça filosófica no ar, para esconder a falta de raciocínio.
    Agora vou misturar um pouco de terra com água, fogo e ar, mais uma pitada de quintessência, para ver no que dá.
    Acredito que dê merda, mas acho que só posso ter certeza depois de experimentar.
    Falando em experimentos, diga aí, GORDUCHO, quando eles vão sair do mundo das ideias filosóficas e ir para o seu lugar natural, que é o laboratório de testes, composto paritariamente de crentes e descrentes?
    Deve ser tão fácil provar a existência do sobrenatural para crentes burros e tapados, como disse o professor.

  196. Marciano Diz:

    Fui até ao Bar do Bigo, de onde acabara de sair o Montalvão, levado para casa completamente embriagado pelo Anãozinho Gigante.
    Pus-me a conversar com outros freqüentadores, até que, inebriado ao extremo pela beberagem que servem lá, começamos todos a filosofar.
    Chegamos às seguintes conclusões, sujeitas a revisão quando o porre passar:
    .
    Até pouco tempo pensava-se que a filosofia não servia para nada…(e atualmente não serve mesmo).
    Já pensou que profissão, além de filósofo, poderia obter com a Filosofia?
    Hoje está constatado que a filosofia serve para separar em duas classes as pessoas: aquelas que fingem ou que acham que entendem a filosofia e aquelas que não entendem e que acham que os filósofos não passavam de doidos que inventavam frases para fazer fama.
    Há de se notar o incremento das faculdades de bazinga filosofica como algo benéfico, sem as quais os milhares de estudantes formados não teriam onde ficar, tendo em vista que os bares e botecos já andam lotados demais. Além disso, os milhões de euros gastos com doutorados em filosofia na Europa para estudantes brasileiros foi uma tentativa de diminuir o uso de drogas por parte dos inúmeros jovens sem nenhuma aptidão para engenharia e ciências, essas sim, úteis à sociedade. Dai, o estudante que chega à graduação em filosofia já pode ter a certeza que não terá nenhuma certeza ao terminar o curso, a não ser que saiba falar alemão.
    O estudante de filosofia é um futuro desempregado que passa seu tempo procurando pelos em ovo e dissertando sobre isso. 100% dos filósofos brasileiros modernos já assistiram “Super Xuxa Contra o Baixo Astral”, e todos dizem que encontraram fortes influências de Aristóteles, Weber, Nietzche(saúde!) e Kafka neste filme. A maioria acaba trabalhando como digitador de teses de outros idiotas estudantes de filosofia. O mesmo vale para Sociologia, embora ela seja mais chique. A única utilidade prática para o filósofo é utilizar seus conhecimentos (inúteis) profundos para escrever canções de sucesso para duas bandas: Supertramp ou Sex Pistols, visto que ambas passam hoje por problemas técnicos; a profissão ruma à decadência suprema. O formado tem duas possibilidades de emprego: trabalhar como vendedor (o que já não necessitaria de um diploma universitário) ou como professor (precisa MESMO dizer que o diploma universitário para tal é menos importante que para ser vendedor?)
    PRINCIPAIS DISCIPLINAS DO CURSO:
    Patiologia I,II; Enrolamento de baseado I,II,III,IV; Filosofia de boteco; Introduçao ao nada; Elementos do nada I,II; Complementos do nada I,II; Tópicos especiais em qualquer coisa que ninguém entende.
    Aristóteles acreditava que a partir de qualquer coisa que viesse-lhe à mente ele seria capaz de compreender a verdadeira “essência” de qualquer objeto. Além de ser uma teoria capenga e arrogante, ele ainda tentava usar o respaldo de Sócrates botando a culpa nele, mesmo sendo Sócrates a última pessoa no mundo que admitiria ter conhecimento sobre algo (Só sei que nada sei).Aristóteles ainda era quase um vidente, pois previu que o mundo viraria uma invasão de coloridos ( coisa que ele gostaria de ter vivido).
    De Aristóteles nós pudemos extrair as grandes verdades da ciência:
    -A terra é o centro do universo
    -O mundo não consiste de partículas pequenas e indivisíveis, por que senão elas (as partículas) iriam cair que nem as pedras caem.
    -O homem é por natureza superior, e a mulher inferior; o primeiro comanda, e a segunda é comandada; esse princípio, de necessidade, se estende por toda espécie humana.
    - Aristóteles ultrapassou as normas temporais, conseguindo nascer em 322 a.C e morrer em 384 a.C., pelo menos em suas contas…
    Como diz a história, Aristóteles era um poço de sabedoria.

  197. Vladimir Diz:

    Marciano disse: Não foi Aristóteles quem disse que as coisas eram feitas de água, fogo, terra e ar?
    .
    COMENTÁRIO: Na verdade a teoria dos elementos é de Empédocles (para um estudo mais aprofundado sobre isso recomendo a leitura dos três volumes de Jean Bollack )
    .
    Marciano disse: Esse inteligente pensamento predominou por dois mil anos, até que Copérnico resolveu desrespeitar a autoridade de Aristóteles.
    .
    COMENTÁRIO:
    O corpus aristotelicum é composto por dezenas de obras que versam sobre Ética, Metafísica, Epistemologia, Teoria do Conhecimento, Biologia..enfim
    Devemos ter o cuidadado de não cairmos em um anacronismo pueril em exigir de Aristóteles um conhecimento da Técnica própria de tempos posteriores.
    Não conheço nenhum ser humano depois de Aristóteles que tenha reunido em sua vida um conhecimento tão vasto de sua época.
    .
    Me causa espécie alguém em nosso tempo que não é Estudioso do pensamento Aristotélico (e ainda que o fosse) se arrogar o Direito de tal julgamento…
    .
    Como diria Medeia: Aí de mim, aí de mim…
    Mas como sou um simples Médico e um diletante em Filosofia recomendo a opinião de quem entende do assunto (Ciência e Dialética em Aristóteles do Prof.Oswaldo Porchat,
    Aristoteles de Jonathan Barnes, Introdução a Teoria da Predicação em Aristoteles do Prof.Lucas Angioni, bem como os comentários de Sir W.D. Ross a Obra de Aristoteles)
    .
    Ah propósito não sabia que dentre seus extensos conhecimentos linguisticos incluiam o Grego Clássico, eu adoraria ler Aristóteles no original (como o fazem todos os comentadores que tive o prazer de conhecer)
    .
    Marciano disse: Já estudei lógica, filosofia, especialmente filosofia do direito, mas cansei, da mesma forma que cansei de estudar outras coisas inúteis.
    .
    COMENTÁRIO: Entendo, entendo eu citei logo acima o meu antigo caseiro, a mãe dele D.Irene dizia: “Na minha idade fio, eu quero desaprender”…
    .
    Marciano disse: Entre Sócrates (se não foi criação de Platão),
    .
    COMENTÁRIO: Na verdade não foi tem uns 30 anos que essa tese está definitivamente refutada mas como não sou ixpescialiszta recomendo (Ler Platao de Thomas Szlezak, Oralidade e Escrita em Platao de Franco Trabattoni, Platao de Luc Brisson, e se quiser algo mais clássico recomendo Havelock, Goldschmidt e Chatelet)
    .
    Marciano disse: Um sujeito burro como eu não consegue entender que a existência de paranormalidade, divindades e espíritos esteja provada.
    .
    COMENTÁRIO: Evidentemente a existência de quaisquer divindade não está “provada” na medida em que Deus por definição perene encontra-se para além do espaço-tempo, infinitamente grande para caber em nossa lógica limitada (de alguns mais do que outros rs)
    .
    De todo modo o mesmo não ocorre com os fenômenos anômalos PSI, basta ver os relatórios produzidos pela SPR assinados por “simples pessoas” como Wlliam James, Oliver Lodge, além dos conhecidos Hodgson, Hyslop, Myers…
    .
    Como eu disse no outro post ao Gorducho:
    .
    “Prove-me que houve fraude nas pesquisas da SPR com a Sra.Piper, a Srta Osborne e terei o prazer em duvidar da existência dos fenômenos anômalos PSI (não vou nem entrar no mérito do Prof.Rhine ou do Dr.Ian Stevenson)”
    .
    Até agora só escutei bravatas. mas evidência de fraude que é bom…”necas”
    .
    Marciano disse: Fico impressionadíssimo quando vejo um sujeito mais burro ainda do que eu tentando disfarçar as coisas jogando fumaça filosófica no ar, para esconder a falta de raciocínio.
    .
    COMENTÁRIO: E eu fico curioso imaginando como alguém tão crente em um “Materialismo Ingênuo” (visto que o próprio Einstein, jogou para escanteio o Materialismo, e que foi definitivamente sepultado com a Mecânica Quântica) pode negar os FATOS disponíveis ao estudo de quem quiser
    .
    Aliás fico perplexo e curioso em saber qual o propósito de alguém tão crente em um modelo interpretativo, faz em um site dedicado a pesquisa científica psíquica…
    .
    Talvez Freud explique (aí já é minha área hahaha) se bem que pessoalmente prefiro Jung ou Ferenczi…
    .
    Marciano disse: Até pouco tempo pensava-se que a filosofia não servia para nada…(e atualmente não serve mesmo).
    .
    COMENTÁRIO: Marciano, estou impressionado Marcia Tiburi refutou Hegel (segundo entrevista no Abujamra) penso que Vossa Excelência fez algo mais excelente, refutou toda a Tradição Filosófica Ocidental
    Penso que podemos talvez recomendar seu nome a Fundação Alfred Nobel para que possa concorrer ao Nobel de Literatura (visto ser o único a qual um filósofo possa concorrer)
    .
    Aliás já que estudaste Filosofia do Direito penso que poderia apontar a relação de continuidade e descontinuidade do pensamento de Bobbio em relação a proposta de Kelsen a respeito do Estado, para além das Antinomias Jurídicas (para alguém que refutou a Tradição, isso deve ser “café pequeno”) (só uma palinha meu Rei por favor)
    .
    Marciano disse: aquelas que fingem ou que acham que entendem a filosofia e aquelas que não entendem e que acham que os filósofos não passavam de doidos que inventavam frases para fazer fama.
    .
    COMENTÁRIO: Oh duvida cruel…realmente um enigma digno da Esfinge…
    .
    Marciano disse: Como diz a história, Aristóteles era um poço de sabedoria.
    .
    COMENTÁRIO: Entre nós pobres terrícolas com certeza, já entre os Marcianos eu duvido muito, Kardec tinha razão, realmente era uma civilização mais adiantada…
    .
    Aliás De Morte o sr. está me devendo duas respostas filósoficas:
    .
    Qual o Sentido do Ser?
    .
    Por que devemos escolher a Vida e não a Morte ?
    .
    PS: Ah propósito não vá esquecer de apresentar as fraudes da SPR, tampouco a explicação do Kelsen e do Bobbio (se bem que sou fã do Dr.Reale)
    .
    Saudações Filosóficas

    Vlad

  198. Vladimir Diz:

    Marciano,
    .
    Falha minha, esqueci completamente de indicar-lhe um título que lhe será “como um facho de luz nas Trevas”
    .
    “Aristoteles no Século XX” do Professor de Historia da Filosofia Antiga da Università di Padova Dr.Enrico Berti.
    .
    Ele não tem o calibre da vossa interplanetariedade mas penso que ele deva conhecer um “pouquinho” de Aristóteles…

  199. Gorducho Diz:

    O Aristóteles já estava ultrapassado no próprio tempo. Veja o caso da cidade-estado, única forma de sociedade que ele achava possível, já quando o aluno, provavelmente um bronco mas pragmático, estava já a construir um império. E com a noção de integrar os habitantes na cidadania, via casamentos.
    E a história do n° de dentes das mulheres? É verdade Dr. (cá sem sarcasmo, não sei se é verdade mesmo, tipo como quando circula que o CX teria dito a vida é mais importante que a verdade ou teria psicografado o Monteiro Lobato sem saber do pacto da senha)?
     
    Também quando ele diz que a “raça” “superior” tem o direito de escravizar a “inferior”. Ora, isso é “filosofia”? Por definição, quem ganhar uma guerra será então “racialmente superior”.
     
    Quanto a filósofos religiosos, ontem de tarde estava – como agora – confeccionando um desenho e desconcentrado. Mas já durante o primeiro copo de cerveja, aflorou-se-me no neurônio a solução para o aparente paradoxo proposto pelo Analista Sanchez.
    A saber: o Newton não há dúvida que era religioso. Mas, o Descartes, o Spinoza, Leibniz e o Kant (a ordem cronológica é esta, não?) seriam religiosos, ou pessoas tentando se libertar da religião após a indroutrinação da qual foram vítimas durante os anos formativos (e que naquela época era obrigatória e extensa)?

  200. Gorducho Diz:

    Entre nós pobres terrícolas com certeza, já entre os Marcianos eu duvido muito, Kardec tinha razão, realmente era uma civilização mais adiantada…
     
    Ato falho! Lhe peguei! Viu como o Sr. é chiquista enrustido?
    No kardecismo Marte é o único planeta do sistema solar mais atrasado que a Terra.
    Marte é mais adiantado é no chiquismo. A mãe dele até visitou pontos turísticos (Vi-me à frente de um lago maravilhoso).
     
    Kardecismo:Marte é a primeira encarnação dos demônios mais grosseiros; são seres rudimentares; sua vida é curta; não são canibais, mas sua vida beira a vida da “idade da pedra”, da Terra; lá, os mares são “furiosos” e não permitem a navegação.
    &nbbsp;
    Chiquismo:Nele a sociedade está constituída de tal forma, que as guerras ou os flagelos seriam fenômenos jamais previstos ou suspeitados. A vibração de paz e de harmonia que ali se experimenta irradia aos corações felicidades nunca sonhadas na Terra. A mais profunda espiritualidade caracteriza essa humanidade [a humanidade marciana...], rica de
    amor fraterno e respeito ao Criador
    .

  201. Gorducho Diz:

    Favor eliminar o “b” a mais na linha em branco, Sr. Administrador. Desculpe…

  202. Sanchez Diz:

    Passou tanto comentário que me perdi, então não como continuar. Em filosofia aceita tudo como tema. Somente aqui no Brasil e na América do Sul filosofia e sociologia é tratado com demérito. O mesmo não acontece lá fora onde tem uma estátua de Kant. Para quem acha que filosofia é viagem na maionese eu recomendo ler sobre a história da filosofia. Deixo link do livro história da filosofia de Giovanni Reale e Dario Antiseri. São 7 livros divididos por ordem cronológica. É escaneada, mas tem excelente qualidade.
    .
    http://charlezine.com.br/historia-da-filosofia-giovanni-reale-dario-antiseri/
    .
    Agora eu vou comprar o livro história do ateísmo de Georges Minois editora UNESPE.

  203. Sanchez Diz:

    Dei uma olhada no youtube e nos principais sites de cunho ateísta quando fui pesquisar o livro de Minois e não encontrei nada em se tratando de divulgação e resenha. Um livro que retrata a história desse movimento que até agora quase não há nada sobre sua história e que pode nos ajudar a entender e eliminar preconceitos e enxergar por um outro viés não tem exposição. Deixo minha observação.

  204. Gorducho Diz:

    Essa é muito boa, Dr.
    (estou procurando mais informações sobre Marte p/o Sr…):
     
    O Serviço de Direção dos Movimentos Espiritistas (o CX como foi funcionário público gostava de departamentos, autarquias…) está reunido, sob a bênção misericordiosa e augusta do Cordeiro de Deus, pra definir um país sede para o grande serviço de restauração do Cristianismo, já que na Europa a coisa está feia (1938). Na Ásia eles percebem que as crenças já estão consolidadas, então não será produtivo ficar malhando em ferro frio…
    Aí Jesus interfere e dá um carteiraço definido o lugar da nova sede:
    Esquecestes que os excessos do raciocínio prejudicaram o coração das ovelhas desgarradas
    do grande rebanho?

    Tradução: como os brasileiros não raciocinam muito, estabeleçamo-nos lá…
    E fundamenta mais a escolha:
    Procurai a nação da fraternidade e da paz, onde se movimenta o povo mais emotivo [choramingão será?] do globo terrestre, e iniciai aí uma tarefa nova.
    Verdade… No Brasil a paz é tanta que anda-se despreocupado às 3 da manhã, e nem grades se precisa nas janelas. Jesus sabe das coisas é mesmo. Pudera: é o filho de Deus.
    E foi assim que a caridade selou, então, todas as atividades do Espiritismo brasileiro. Seus núcleos,
    em todo o país, começaram a representar os centros de eucaristia divina para todos os desesperados e para todos os sofredores. Multiplicaram-se as tendas de trabalho do Consolador, em todas as suas cidades
    prestigiosas, e as receitas mediúnicas, os conselhos morais, os postos de assistência, as farmácias homeopatas gratuitas
    [de graça até injeção na testa...], os passes magnéticos, multiplicaram-se, em toda parte no Brasil, para a fusão de todos os trabalhadores, no mesmo ideal de fraternidade e de redenção pela caridade mais pura.

  205. Marciano Diz:

    “Berti si è poi inserito nella dibattuta questione del rapporto tra filosofia e scienza, cercando di definire la specificità della filosofia, che si fonda su una razionalità non rapportabile a quella scientifica, ma piuttosto alla dialettica e alla retorica. Su un piano più propriamente teoretico si è interessato alla possibilità di riproporre oggi una filosofia di tipo metafisico, formulando una concezione «umile« o «povera» della metafisica come consapevolezza della problematicità, e quindi dell’insufficienza, del mondo dell’esperienza, considerato nella sua totalità (comprendente scienza, storia, individuo e società)”.
    .
    Entendo sua admiração por Berti, Vlad. O negócio dele é dialética e retórica, também sua especialidade.
    Ele quer repropor uma filosofia do tipo metafísico.
    Tem tudo a ver com você, Vlad.
    .
    É difícil constatar isto, mas acho que seu estado é terminal. Você não tem esperanças.
    Vai viver no mundo das ilusões até o fim de seus dias, quando não vai descobrir o que é a morte, pois só um vivo pode saber. Mortos não sabem de nada, porque não mais existem. Você que gosta tanto de epistemologia ignora isto?
    .
    .
    .
    Gorducho, você está atento! Pegou o ato falho do psiquiatra instantaneamente. Chiquistas forçando a barra para dizerem que são kardecistas.
    .
    .
    .
    Sanchez, como você deve saber, todo mundo sempre foi e continua sendo pressionado a crer ou fingir que crê em alguma bobagem extraordinária, a ter religiões. A descrença é perigosa para os feiticeiros modernos ou antigos, que perdem dinheiro e poder com os descrentes.
    Veja em qualquer livro religioso, a bíblia incluída, como o maior pecado é a falta de ingenuidade. Deus perdoa tudo 70 x 7, menos que você saiba que ele não existe.
    De que viveriam os sacerdotes se suas mentiras se tornassem inócuas? Da mesma coisa que vivem os filósofos?
    .
    A filosofia aristoteliana atrasou o progresso científico por dois mil anos e as crenças religiosas e em pseudociências vem atrasando o progresso científico desde o tempo das cavernas.
    Que o digam Giodano Bruno, Galileu Galilei, Luís Marciano…
    .
    Lista de pecados de Bruno:
    .
    • sustentar opiniões contrárias à fé católica e contestar seus ministros;
    • sustentar opiniões contrárias à fé católica sobre a Trindade, a divindade de Cristo e a encarnação;
    • sustentar opiniões contrárias à fé católica sobre Jesus como Cristo;
    • sustentar opiniões contrárias à fé católica sobre a virgindade de Maria, mãe de Jesus;
    • sustentar opiniões contrárias à fé católica tanto sobre a Transubstanciação quanto à Missa;
    • reivindicar a existência de uma pluralidade de mundos e suas eternidades;
    • acreditar em metempsicose e na transmigração da alma humana em brutos (brutos, aí, significa animais outros que não o H. s s.), e;
    • envolvimento com magia e adivinhação.
    .
    .
    “Foi trágico o desfecho do processo contra Giordano Bruno (séc. XVI ), acusado de panteísmo e queimado vivo por defender com exaltação poética a doutrina da infinitude do Universo e por concebê-lo não como um sistema rígido de seres, articulados em uma ordem dada desde a eternidade, mas como um conjunto que se transforma continuamente”. (culpa indireta de Aristóteles).
    .
    .
    “Seu livro Spaccio de la Bestia Trionfante era um ataque à religião e mostrava o ateísmo do seu autor”.
    Está bem clara a razão para que descrentes tenham medo de admitir sua descrença.
    Quantos candidatos à presidência de qualquer país podem confessar que são descrentes?
    .
    .
    Experimente falar a verdade em qualquer livro adotado em qualquer instituição de ensino e veja se não vão boicotar sua obra. Fica assim explicado por que tanta gente finge que acredita em B.S. (Bullshit). Isto explica também a historicidade do personagem FORREST GUMP.

  206. Gorducho Diz:

    [...] che si fonda su una razionalità non rapportabile a quella scientifica, ma piuttosto alla dialettica
     
    Sim, essa é sua prais, Dr. Mas não esqueça do aviso do CX: espírita não tem que raciocinar demais…

  207. Gorducho Diz:

    Olha aqui, Dr. O Humberto de Campos ganhou uma excursão a Marte de prêmio (deve ter sido alguma rifa lá em Nosso Lar :mrgreen: )
    Enquanto as empresas de turismo organizam na Terra os grandes cruzeiros intercontinentais, realizando
    um dos mais belos esforços de socialização do século XX, no mundo dos Espíritos organizam-se caravanas de fraternidade, nos planos do intermúndio
    .
    [...] fomos felicitados com uma passagem gratuita ao nosso admirável vizinho do sistema solar, cuja passagem, nas adjacências do orbe, vem empolgando igualmente os núcleos de seres invisíveis, localizados nas regiões mais próximas da Terra.
    A descrição das viagens, desde o princípio deste século, é uma das modalidades mais interessantes da literatura mundial; todavia, o homem que vá do Rio de Janeiro a Tóquio, de avião, sem escalas de qualquer natureza, não pode descrever o caminho, com os seus detalhes mais interessantes. Transmitirá aos seus leitores a emoção da imensidade, mas não conseguirá pintar uma nuvem. Fora de suas máquinas aéreas, poderia
    fornecer a impressão de uma águia, mas o turista do Espaço, para se fazer entendido pelos companheiros
    da carne, teria de recorrer às figuras mais atrevidas do mundo mitológico.
    É por isso que apelarei aqui para o véu de Ísis ou para o dorso de Pégaso, cuja patada fez brotar a fonte de Hipocrene, no Hélicon das divindades
    .
     
    Soluço de seriedade agora: veja que a imaginação dele era bem limitadinha e ele se vacina…
    Depois de alguns segundos, chegávamos ao termo de nossa viagem vertiginosa.
    Dentro da atmosfera marciana, experimentamos uma extraordinária sensação de leveza… Ao longe, divisei cidades fantásticas pela sua beleza inédita, cujos edifícios, de algum modo, me recordavam a Torre
    Eiffel ou os mais ousados arranha-céus de Nova York. Máquinas possantes, como se fossem movidas por
    novos elementos do nosso “hélium” balouçavam-se, ao pé das nuvens, apresentando um vasto sentido de estabilidade e de harmonia, entre as forças aéreas
    .
     
    Aí o Sr. já ficou sabendo um pouco mais sobre Marte (CHIQUISTA, não kardecista), Dr.
    Veja por exemplo que eles usam zeppelins lá.

  208. Marciano Diz:

    Esse cx parece até personagem da zorra total, aquele programa de humor sem graça da globo.

  209. Marciano Diz:

    Testing, one, two, three… \xF0\x9F\x98\x81
    I knew it would’t work.

  210. Marciano Diz:

    💔

  211. Marciano Diz:

    I give up! The phone only calls from the other world. ☎

  212. Marciano Diz:

    Vlad, estou tentando algumas experiências paranormais especialmente para você. ☠

  213. Gorducho Diz:
  214. Gorducho Diz:

    =))

  215. Marciano Diz:

    Gorducho, eu voltei na sua cédula sobre as hipóteses do porquê de terem sumido do mapa os fenômenos paranormais.
    Veja aqui ☛ : http://obraspsicografadas.org/2015/livro-gratuito-fundamentacao-da-ciencia-espirita-de-carlos-friedrich-loeffler-2003/#comments

  216. Marciano Diz:

    Encontrei a equação de deus!
    .
    Deus = √ -1

  217. Gorducho Diz:

    >:)

  218. Gorducho Diz:

    Estava tentando fazer o rolar-de-rir mas acho que não tem no Sítio :(

  219. Marciano Diz:

    Mathematically speaking, god &#x2204

  220. Marciano Diz:

    god ∄

  221. Marciano Diz:

    Agora, sim! Estou começando a conseguir exprimir linguagem matemática aqui.
    Para quem se esqueceu, deus não existe, é imaginário.

  222. Gorducho Diz:

    (rofl)

  223. Marciano Diz:

    God ⊭ ∎ q.e.d.

  224. Marciano Diz:

    Em linguagem gramatical: deus não é verdadeiro. Fim da prova, como queríamos demonstrar.

  225. Marciano Diz:

    Traduzindo para o Vlad, Chubby is R olling O n T he F loor.
    Capisce?

  226. Marciano Diz:

    Faltou o L aughing.

  227. Contra o chiquismo Diz:

    Legal tb é a viagem do Vosso Lar para o Rio de Janeiro…
    ***
    ***
    Tá lá em ‘os mensageiros’…
    **
    **
    curioso são os nomes dos personagens.. Telésforo, Aniceto, Ismália,

    **

    “XIV – Preparativos
    À noite, Aniceto veio ver-nos, começando por dizer:
    — Amanhã deveremos partir os três, a serviço nas esferas da Crosta. …. — Aqui — disse Aniceto —, toda a nossa bagagem é a do coração. Na
    Terra, malas, bolsas, embrulhos; mas, agora, devemos conduzir propósitos, …. Meditando sobre a lição sublime em pleno impulso volitante, contemplei
    as torres de “Nosso Lar”, que iam ficando a distância…
    Nosso orientador avisou, cauteloso:
    Procuremos interromper os efeitos luminosos do nosso corpo espiritual.
    Bastará que pensem com vigor na necessidade dessa providência. Estamos
    atravessando extensa zona, a que se acolhem muitos desventurados, e não é
    justo humilhar os que sofrem com a exibição de nossos bens ….
    tá aqui: http://www.aeradoespirito.net/ALuiz/AndreLuizOsMensageiros.pdf

  228. Marciano Diz:

    Talvez o Toffo tenha um explicação para esses nomes esdrúxulos que cx arranjava.

  229. Antonio G. - POA Diz:

    O cara era cheio de diplomas e títulos acadêmicos. Versado em diversos ramos do conhecimento. Fluente em línguas. Cônscio das múltiplas correntes de pensamento dos filósofos, sociólogos e antropólogos.
    Mas acreditava em deus e seus correlatos.
    Inteligência é um conceito muuuuuuito relativo.

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)