A Posição Atual do cético Chris French sobre a Parapsicologia (2018)

Em 12 de janeiro de 2018 foi lançado o livro “Pseudoscience: The Conspiracy Against Science” pela MIT Press. Os autores dizem que, “embora o escopo da pseudociência seja muito amplo para um único livro [...], a próxima seção, sobre a pseudociência no mainstream, explora exemplos de como a pseudociência se espalha em vários campos diferentes. David H. Gorski ressalta que a “medicina integral” geralmente tem tanta credibilidade quanto a medicina baseada na ciência (ou seja, “real”). Steven Jay Lynn, Ashwin Gautam, Stacy Ellenberg e Scott O. Lilienfeld fornecem uma visão geral da hipnose, ilustrando como ela pode legitimamente ser usada e como ela pode ser cooptada pela pseudociência. Mark Benisz, John Willis e Ron Dumont descrevem os usos dos testes de inteligência, seus limites e como a falta de compreensão dos testes pode levar a conclusões exageradas. Por fim, Christopher C. French discute seu trabalho em parapsicologia, juntamente com suas ideias sobre como a pesquisa na área deve ser abordada”. Trago aqui traduzido justamente o capítulo que o cético Chris French escreveu. O capítulo é um marco, pois em um livro voltado especificamente para discutir pseudociência, French defende a parapsicologia como uma ciência legítima, e que existem evidências para fenômenos paranormais. Em um ano em que o cético Stanley Jeffreys replica resultados positivos de micro-pk, cientistas gregos replicam o fenômeno de mentes entrelaçadas, e meta-análises confirmam a precognição, o capítulo de French é uma guinada em direção a uma melhor compreensão e aceitação do campo por outros cientistas. Para ler o capítulo, clique aqui.

339 respostas a “A Posição Atual do cético Chris French sobre a Parapsicologia (2018)”

  1. Marciano Diz:

    Finalmente, depois de cento e tantos anos, a parapsicologia deu uma guinada.
    Vamos aguardar os próximos anos, para ver em que direção vai a “guinada”. Ou se é apenas wishful thinkink.

  2. Vitor Diz:

    Que eu saiba a aceitação da Parapsicologia pela AAAS em 1969 foi outra guinada…

  3. Marciano Diz:

    Numa coisa, concordo totalmente com ele: é realmente estranho uma ciência legítima que estuda fenômenos e capacidades que NÃO EXISTEM.
    Há outro argumento que sinto apoiar a conclusão bastante estranha de que a parapsicologiase encaixa melhor como uma ciência legítima do que como pseudociência, AINDA QUE AS HABILIDADES PARANORMAIS NÃO EXISTAM.
    Não existem as habilidades, logo, não existem os paranormais (quais suas habilidades?), nem os fenômenos.
    Impressionante, mesmo!

  4. Marciano Diz:

    “Que eu saiba a aceitação da Parapsicologia pela AAAS em 1969 foi outra guinada…”.
    Que até agora, não resultou em ABSOLUTAMENTE NADA.

  5. Marciano Diz:

    Próximo tópico:
    A IMPORTÂNCIA DA ACEITAÇÃO DA PARAPSICOLOGIA COMO CIÊNCIA PELA AAAS E SUAS IMPLICAÇÕES.

  6. Marciano Diz:

    Outra sugestão:
    Christopher French, um homem adiante de seu tempo.
    Sub-título: A importância da declaração de French em um capítulo de um livro-marco na história da ciência.

  7. Marciano Diz:

    A wikipedia está desatualizada.
    Christopher Charles French is a British psychologist specialising in the psychology of paranormal beliefs and experiences, cognition and emotion. He is the head of the University of London’s Anomalistic psychology research unit and appears regularly in the media as an expert on testing paranormal claims.
    Colabore e edite. French é cético (que reconhece uma ciência sem objeto).

  8. Vitor Diz:

    MARCIANO DISSE: “Que até agora, não resultou em ABSOLUTAMENTE NADA.”
    .
    ABSOLUTAMENTE NADA?
    .
    The affiliation of the PA with the AAAS had at least one positive outcome for parapsychologists: it effectively undermined the case of commentators who may have been inclined to dismiss parapsychological research out of hand as patently ‘unscientific’. Dean (1990) deemed the AAAS affiliation “a kind of intellectual turning point” (p. 8). The style of the parapsychology debate had to adjust to this changed intellectual environment.

  9. Marciano Diz:

    French teaches (present tense) a course entitled Psychology, Parapsychology and Pseudoscience as part of the BSc (Hons) Psychology programmes at both Goldsmiths College and Birkbeck College. He is a Chartered Psychologist and a Fellow of the British Psychological Society.

  10. Marciano Diz:

    Você já leu esse livro do Alcock, que tanto impressionou o Chris?
    Assim como ele se mancou, pode ser que você também.

  11. Marciano Diz:

    Ultimamente você tem trazido a debate vários ex-parapsicólogos, como French, Blackmore e Wiseman, se bem que este último ainda está esperando o colapso da função de onda para decidir-se onde se encaixa.
    Quando você mesmo se tornara um ex-crente da parapsicologia, como fez com o espiritismo?
    Sua pré-cognição diz-lhe alguma coisa?

  12. Marciano Diz:

    E a declaração de Chris, por você traduzida, de que HABILIDADES PARANORMAIS NÃO EXISTE?
    Algum comentário?

  13. Marciano Diz:

    NÃO EXISTEM. Com “m” no final.
    Que cousa!

  14. Vitor Diz:

    MARCIANO DISSE: “Não existem as habilidades, logo, não existem os paranormais (quais suas habilidades?), nem os fenômenos. Impressionante, mesmo”. [...] E a declaração de Chris, por você traduzida, de que HABILIDADES PARANORMAIS NÃO EXISTE? Algum comentário?
    .
    Apenas lembro que o texto de French diz claramente:
    .
    Há alguma evidência para apoiar alegações paranormais? Sim, há (e.g., Irwin e Watt, 2007). Muitas dessas evidências vieram do que parece ser, numa inspeção inicial, estudos razoavelmente bem controlados. Deixe-me ser absolutamente claro neste ponto: por razões discutidas em mais detalhes em outro lugar (French, 2010; French e Stone, 2014), eu não acredito pessoalmente que existam habilidades paranormais, mas não tenho mais qualquer certeza de que minha visão é a correta. A evidência disponível não é suficiente para justificar a rejeição por atacado da visão científica convencional. Mas é simplesmente incorreto afirmar, como alguns autoproclamados céticos fazem, que não há evidências em apoio à existência de tais habilidades.

  15. Marciano Diz:

    Obrigado pelo comentário.
    Chris é um cara mais instável do que um átomo de césio 137.
    Tem hora em que acredita, hora em que não acredita, hora em que fica em dúvida se acredita ou não.
    Esperemos pela progressão da “guinada”, para ver no que vai dar.
    Quem sabe, dessa vez, a psi não decola?

  16. Marciano Diz:

    O título foi bem escolhido.
    A POSIÇÃO ATUAL DO CÉTICO CHRIS FRENCH SOBRE A PARAPSICOLOGIA.
    Não sabemos durante quanto tempo ele manterá essa posição. Vive mudando de pensamento.

  17. Marciano Diz:

    Não é possível conhecer a posição do pensamento de Chris e a velocidade com que ele muda de posição ao mesmo tempo.
    Surge na ciência o Princípio da Incerteza de French.

  18. Marciano Diz:

    Integrais indefinidas e céticos indeterminados.

  19. MONTALVÃO Diz:

    /
    Ainda sem ter lido os comentários dos doutos analistas que o fizerem, e sem ter examinado o artigo, digo que na rubrica anterior deixei uma apreciação sobre Chris French ao Vitor, que não sei se leu, pois não respondeu. Então aqui a reproduzo:
    /
    ——————————.
    MONTALVÃO Diz:
    fevereiro 16th, 2018 às 7:15 PM

    /
    E tem mais, não me parece que Chris French seja tão crente em psi como Vitor quer fazer parecer…
    /
    sábado, 7 de novembro de 2015
    .
    Entrevista com Dr. Chris French
    .
    por David Webb
    .
    tradução: Felipe Nogueira
    .
    Fonte: http://www.all-about-psychology.com/chris-french.html
    .
    Chris French, Ph.D., é professor de psicologia e diretor da Unidade de Pesquisa de Psicologia Anomalística em Goldsmiths, na Universidade de Londres. Ele é renomado por sua pesquisa na psicologia da crença no paranormal, especialmente no seu trabalho que oferece explicações não paranormais para experiências consideradas paranormais (percepção extrassensorial, telecinese, leituras psíquicas, cura espiritual, medicina alternativa e complementar, experiências extracorpóreas e de quase-morte, astrologia e outras técnicas divinatórias, reencarnação, OVNIs e abduções alienígenas, fantasmas e espíritos demoníacos, poder do cristal e dowsing, etc).

    .
    Consultor especial e ex-editor chefe da The Skeptic Magazine, a principal e mais antiga revista cética do Reino Unido, Professor French é frequentemente chamado pela mídia para oferecer uma perspectiva psicológica sobre várias afirmações paranormais. Ele também é colunista das páginas online de ciência do jornal Guardian.
    .
    ENTREVISTADOR: O que fez você perseguir um interesse acadêmico na psicologia das crenças paranormais?
    .
    FRENCH: Afirmações paranormais sempre me fascinaram. Até meus 20 anos, na verdade, eu acreditava em muitos fenômenos paranormais. Foi lendo um livro específico no início dos anos 80, Parapsychology: Science or Magic? escrito por James Alcock, que meus olhos abriram para o fato de que EXISTEM PLAUSÍVEIS EXPLICAÇÕES NÃO PARANORMAIS PARA EXPERIÊNCIAS PARANORMAIS, muitas das quais apoiadas por boas evidências empíricas. Meu interesse aumentou com a leitura de livros escritos por Ray Hyman, James Handi, Martin Gardner e outros. Assinei a revista americana Skeptical Inquirer e na revista britânica The Skeptic (conhecida como a Skeptic britânica e irlandesa).
    ————————–

  20. Vitor Diz:

    Eu li e respondi postando o novo tópico, Montalvão. Vê lá as considerações atuais dele (mais atual que isso impossível, já que foi publicado em 12/01/2018). Ele pode não ser crente em psi, mas não nega que existem evidências.

  21. MONTALVÃO Diz:

    /
    Do preâmbulo da presente rubrica tiro o trecho que segue, destinado ao Marciano e Gorducho:
    /
    ————————-
    Steven Jay Lynn, Ashwin Gautam, Stacy Ellenberg e Scott O. Lilienfeld fornecem uma visão geral da hipnose, ilustrando como ela pode legitimamente ser usada e como ela pode ser cooptada pela pseudociência.
    ————————-
    /
    Embora eu não tenha lido o trabalho dos citados recomendo fortemente aos outros citados que o leiam…

  22. Marciano Diz:

    Eu já tinha lido, Montalvão.
    Cuidado para não cair na mesma armadilha (em vez de mostrar como a hipnose pode ser legitimamente usada, ficar citando, copiando e colando).
    Por falar nisso, eu também deixei um recado para você, que não sei se viu ou se vai ver.
    Quando a coisa ficar feia, assuma que ∫ f (φ (t)) ⋅ φ’ (t) dt = F f (x) dx = F (x) + C

  23. Marciano Diz:

    Corrigindo:
    f (φ (t)) ⋅ φ’ (t) dt = F f (x) dx = F (x) + C ⇒ ∫ f (x dx = F (x) + C

  24. Marciano Diz:

    Não adianta, sem LaTeX não sai nada certo.
    Gorducho, favor retribuir o favor e explicar ao Montalvão o que o aguarda (o que aguarda o Montalvão – o longo e espinhoso caminho que está por trilhar).
    Aproveite, também, para mostrar a ele a utilidade prática da hipnose, quando usada legitimamente.

  25. Marciano Diz:

    Conhece a escala de Stanford?
    Nem todo mundo é suscetível de ser hipnotizado e quem o é, não atinge o mesmo nível de susceptibilidade que alguns poucos, os extremamente sugestionáveis.
    Diferentemente do Vice-Presidente, não nego o fenômeno da hipnose, só afirmo que poucas pessoas são suscetíveis ao grau 12, na escala de Stanford, e mesmo essas pessoas não conseguem benefícios terapêuticos de longo prazo.
    Muitas injustiças já foram cometidas na Justiça americana, com esse negócio de lembranças induzidas por “terapeutas”, que implantaram falsas lembranças em supostas “vítimas”.
    Hipnose, além de inútil do ponto de vista terapêutico, ainda pode ser perigosa, como nos casos de abuso sexual, nos EE UU, em que se revelaram causa de várias injustiças, corrigidas ao depois.

  26. Marciano Diz:

    Gorducho, já vi seu recado no outro tópico.
    Favor ignorar o pedido do comentário de FEVEREIRO 20TH, 2018 ÀS 7:42 PM.
    Vielen Danken!

  27. Mariana Diz:

    Irwin e Watt, 2007…que artigo é esse? Tem no blog?

  28. Vitor Diz:

    Mariana, é um livro:
    .
    Irwin, H. J., and Watt, C. (2007). An Introduction to Parapsychology (5th ed.). Jefferson, NC: McFarland.
    .
    Está disponível aqui:
    .
    https://a.pomf.cat/mrhzzk.pdf

  29. Mariana Diz:

    Já descobri, não é um artigo, é um livro…não deve ter no blog…????

  30. Mariana Diz:

    Postamos juntos Vitor! Depois não existe fenômeno psi….hehehe ????

  31. Mariana Diz:

    Que raiva os livros sobre psi nunca são traduzidos para o português. …pouquíssima coisa dessa área é traduzida pra cá. ..

  32. Borges Diz:

    Não existem as habilidades, logo, não existem os paranormais (quais suas habilidades?), nem os fenômenos.
    Impressionante, mesmo!
    .
    TIPO I

  33. Marciano Diz:

    Oi, Borges. O Chris afirmou que não existem habilidades ψ. O resto e uma questão de dedução.
    Que tipo I é esse?
    Só repeti o que o Chris afirmou.

  34. Marciano Diz:

    Observe que o Chris acha estranho seu próprio raciocínio. Eu apenas concordo que é estranho. Estranho como certos barions.

  35. Marciano Diz:

    O pensamento do Chris é um férmion de spin 1/2, carga elétrica -1/3, número bariônico 1/3 e estranheza -1.

  36. Borges Diz:

    Eu também achei estranho ele achar estranho; penso que ele passou para o tipo II, mas se enxerga com os olhos do tipo I.
    .
    Um abraço

  37. Marciano Diz:

    Test:
    $\alpha_i > \beta_i$’

  38. Marciano Diz:

    Dou-me por vencido.
    r’$\sum_{i=0}^\infty x_i$’

  39. Marciano Diz:

    Gorducho já tinha me mostrado há quase um ano:
    $$\sigma = \sqrt{\frac{\sum_{i=1}^n (x_i – \mu)^2}{n}}$$

  40. Marciano Diz:

    Σ é fácil, mas impossível superscript e subscript.

  41. Borges Diz:

    Está doido ou está tomado pelo Deus Shiva (com c e s no fim)

  42. Marciano Diz:

    O grande problema é que o HTML é uma linguagem pobre quando comparada com o LaTeX.
    Isto é particularmente verdade no que diz respeito a tabelas, fórmulas matemáticas e caracteres não standard.
    https://www.w3.org/Math/

  43. Borges Diz:

    Arriscando-me a uma simplificação excessiva, meus pontos de vista sobre os crentes na paranormalidade e na parapsicologia eram predominantemente negativos. No que diz respeito aos crentes no paranormal, eu os via como irracionais (e provavelmente menos inteligentes) em comparação com os céticos.

  44. Marciano Diz:

    Nem uma coisa nem outra, Borges.
    Estava tentando escrever expressões matemáticas aqui, como pode ver consultando a w3 que linkei acima.
    O blog não tem suporte para linguagem matemática.
    Eu só queria deixar vocês (com exceção do Gorducho, meu mestre e talvez do Vitor) doidos, como se tivessem tomado 2 litros de Chivas Regal.
    Um abraço.

  45. Marciano Diz:

    Cr ⊂ i

  46. Marciano Diz:

    O conjunto dos crentes é um subconjunto do conjunto dos irracionais.
    É o que Borges pensava, até converter-se.
    Sem LaTeX a gente não passa de ∛ƒ
    Nada a ver com Chivas ™.

  47. Marciano Diz:

    I, Coríntios, 2:14:
    14 Mas o homem natural não compreende as coisas do matemático, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porquanto se discernem matematicamente.

  48. Mariana Diz:

    Borges, vc era cético e virou crente?
    O que te fez mudar de idéia? As evidências psi?

  49. Marciano Diz:

    Mariana, o Borges dizia-se cético, mas nunca o foi.
    Já eu, que sou pseudocético, estou prestes a mudar de ideia, graças ao esforço vitoriano.

  50. Marciano Diz:

    Será que existe alguma teoria para o estudo das crenças populares que aplique as descobertas da teoria cognitiva moderna?
    Como dizia Neisser, o mundo da experiência é produzido pelo homem que o experiencia.
    Certamente existe um mundo com animais, árvores, prédios, mas não temos nenhum acesso direto a esse mundo ou a suas propriedades.
    Tudo o que conhecemos como realidade foi mediado pelos sentidos e passou por complexos sistemas que interpretam e reinterpretam informações.
    Nihil est in intellectu quod non fuerit prius in sensu.
    Eu sempre digo que a realidade está do lado de fora da janela, mas cada um que olha pela janela só vê o que quer ver.

  51. Marciano Diz:

    Sem um filtro adequado no sistema cognitivo, passa muita sujeira.

  52. Marciano Diz:

    Algum de vocês já pensou como seriam diferentes, se tivessem nascido no Cazaquistão ou em 1211 EC?
    A realidade é a mesma em qualquer lugar ou época, mas a quase totalidade das pessoas interpreta a realidade de acordo com sua formação intelectual, a qual depende de vários fatores.
    A única forma de livrar-se desses condicionamentos é através do pensamento racional, crítico.
    Fantasia só piora as coisas.
    Fantasiar dá uma sensação prazerosa, mas não tem nada ver com a realidade.

  53. Marciano Diz:

    Uma floresta é a mesma coisa, independentemente de quem a contempla, mas o botânico (Arduin), o entomologista, o lenhador, o poeta e o menino perdido nela veem realidades diferentes, por causa do subjetivismo.
    Vamos tentar ser mais realistas.

  54. Marciano Diz:

    Eu já disse antes aqui que um pintor, um marinheiro, um meteorologista, olham para um por do sol na praia e veem coisas diferentes.
    Também já contei a historinha do elefante e dos cegos.
    Precisamos ser mais objetivos. Não podemos nos contentar com truques de circo de roça.

  55. Marciano Diz:

    Já perceberam como todo mundo conhece mecânica quântica de apartamento, mas que, quando quantificamos a QM, ninguém sabe nada?

  56. Marciano Diz:

    Aqueles que gostam de ler explicações quânticas para os alegados fenômenos, experimentem ver alguns problemas reais de QM.
    http://www.johnboccio.com/courses/Physics113_2011/Book_Problems.pdf
    Se quiserem continuar se iludindo, lendo porcarias, meus pêsames.

  57. Borges Diz:

    Oi Mariana:
    -o comentário acima não é meu, é um trecho do artigo do Chris French que colei para alfinetar o Marciano.
    Um abraço

  58. Borges Diz:

    “Eu sempre digo que a realidade está do lado de fora da janela, mas cada um que olha pela janela só vê o que quer ver”.
    .
    Eu penso diferente; quem olha pela janela vê apenas aquilo que faz parte do espectro visível, mas deve haver muito mais lá.
    Um abraço

  59. Vitor Diz:

    MARCIANO DISSE: “Oi, Borges. O Chris afirmou que não existem habilidades ψ. ”
    .
    Não, ele não disse isso. Você se baseou no trecho “Há outro argumento que sinto apoiar a conclusão bastante estranha de que a parapsicologia se encaixa melhor como uma ciência legítima do que como pseudociência, AINDA QUE AS HABILIDADES PARANORMAIS NÃO EXISTAM.” O sentido do trecho é “MESMO SE NÃO EXISTIREM HABILIDADES PARANORMAIS”. Ou seja, psi existindo ou não, a Parapsicologia é uma ciência de qq forma. Ele não está afirmando que psi não existe.

  60. Gorducho Diz:

    ============================================================
    Dou-me por vencido.
     
     
    Gorducho já tinha me mostrado há quase um ano:

    ============================================================
    TEM QUE APONTAR PRO PARSER LaTeX, e.g.:
     
    <script src="https://cdn.mathjax.org/mathjax/latest/MathJax.js?config=TeX-AMS_CHTML"></script>
    <script type="text/x-mathjax-config">
    MathJax.Hub.Config({tex2jax: {inlineMath: [['$','$'], ['\\(','\\)']]}});
    </script>
     
     
    NÃO TEM COMO nós fazermos isso cá pois não temos acesso ao servidor :!:
    O Sr. sim pode fazer isso aí num simples ficheiro de texto (salvo como .html, claro).

  61. MONTALVÃO Diz:

    /
    Marciano Diz:
    .
    “Conhece a escala de Stanford?”
    .
    CONSIDERAÇÃO: conheço.
    /
    /
    “Nem todo mundo é suscetível de ser hipnotizado e quem o é, não atinge o mesmo nível de susceptibilidade que alguns poucos, os extremamente sugestionáveis.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: correto, mas, assim como poucos atingem o nível máximo de recepção, igualmente poucos são imunes à hipnose. Quer dizer, sob níveis variados de sugestionamento, a maioria é hipnotizável, o que, provavelmente, inclui o Gorducho…
    /
    /

    “Diferentemente do Vice-Presidente, não nego o fenômeno da hipnose, só afirmo que poucas pessoas são suscetíveis ao grau 12, na escala de Stanford, e mesmo essas pessoas não conseguem benefícios terapêuticos de longo prazo.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: concordo muito com a 1ª assertiva, discordo um pouco da segunda. A depender do objetivo terapêutico os benefícios podem ser duradouros.
    /
    /
    “Muitas injustiças já foram cometidas na Justiça americana, com esse negócio de lembranças induzidas por “terapeutas”, que implantaram falsas lembranças em supostas “vítimas”.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: correto, mas isso não significa “culpa” da hipnose, sim o mau uso dela por parte de incompetentes imbuídos de uma ideia fixa. Além disso, a implantação de falsas memórias não se faz especificamente pela hipnose, um terapeuta malandro (ou conselheiro, orientador, líder espiritual…) consegue levar pessoas impressionáveis a acreditar que vivenciaram certas situações apenas conversando e induzindo. E, nos EUA, esses indutores de falsas memórias foram denunciados e, pelo que tenho notícia, a justiça se tornou mais rigorosa em aceitar depoimentos da espécie.
    /
    /
    “Hipnose, além de inútil do ponto de vista terapêutico, ainda pode ser perigosa, como nos casos de abuso sexual, nos EE UU, em que se revelaram causa de várias injustiças, corrigidas ao depois.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: Complementa o acima dito… discordo da primeira parte, concordo em parte com parte da segunda parte. O perigo não está tanto na hipnose: quem é mau vai fazer o mal utilizando a ferramenta que considerar mais adequada, seja hipnose ou outra. Uma arma na mão de bandido é perigosa, na mão de policial competente torna-se benéfica.

  62. MONTALVÃO Diz:

    /
    Curiosidades sobre Hipnose – Escalas de Susceptibilidade
    .
    Tal como outras abordagens terapêuticas ou fenómenos psicológicos, a hipnose também é estudada na sua complexidade. As Escalas de Susceptibilidade Hipnótica de Stanford, concebidas no final da década de 50 na Universidade de Stanford, são utilizadas para determinar até que ponto um indivíduo responde à hipnose e qual a profundidade do seu estado hipnótico.
    .
    Consistem em 12 diferentes actividades, tais como sentir o braço levantado baixar involuntariamente, deixar de ter olfacto, tentar afastar os dedos entrelaçados ou ter a alucinação de ouvir uma mosca a zumbir. No primeiro exemplo, os indivíduos são sugestionados a acreditar que estão a segurar uma bola muito pesada e são considerados bons sujeitos hipnóticos se o seu braço se curva sob o peso imaginado. No segundo caso, as pessoas são induzidas a pensar que não têm o sentido do olfacto, e um frasco de amónia é agitado sob o seu nariz. Se não apresentarem reacção, são consideradas muito sugestionáveis.
    .
    As escalas de Stanford variam de zero, para indivíduos que não respondem a nenhuma das sugestões hipnóticas, a 12, para aqueles que são sensíveis a todas. A maioria das pessoas alcança a pontuação média (entre 5 e 7) e 95% da população obtém uma pontuação acima de 1.
    .
    Interessante também referir que nos estudos efectuados ninguém adivinhou com precisão o quão sugestionável seria, antes de se submeter aos testes: os que pensaram ser muito sugestionáveis mostraram-se precariamente hipnotizáveis, enquanto outros, que se julgavam casos difíceis, ficaram surpresos ao ver o braço baixar, cedendo à sugestão ou ao sentir a boca tão fechada que não podiam dizer o próprio nome.
    .
    Poucas são as pessoas que atingem o nível máximo de hipnotizabilidade e que apreciam a última actividade das escalas – a amnésia pós-hipnótica. Nesse exercício, o hipnotizador pede ao indivíduo para não se lembrar do que ocorreu durante a sessão.
    .
    Em geral, a experiência hipnótica é muito menos misteriosa do que se espera, sendo comum sentir-se menos hipnotizado em alguns momentos da sessão do que noutros, como se viesse à “superfície” por alguns instantes e, depois, “mergulhasse” novamente.
    .
    A capacidade de uma pessoa responder à hipnose é bastante estável durante a vida adulta e também permanece coerente apesar das características do hipnotizador: o género, a idade e a experiência deste têm pouco ou nenhum efeito na capacidade de um indivíduo ser hipnotizado. Da mesma forma, o sucesso não depende da motivação ou da vontade da pessoa. Um indivíduo muito susceptível será hipnotizado mesmo sob uma variedade de condições experimentais e terapêuticas, ao passo que uma pessoa menos susceptível não o será, apesar dos seus esforços. Atitudes e expectativas negativas podem, no entanto, interferir na hipnose.
    .
    Outros estudos também demonstraram que a capacidade de ser hipnotizado não está relacionada com outras características pessoais como a credulidade, a confiança, a agressividade, a submissão ou a imaginação.
    .
    Nem os indivíduos mais sugestionáveis são mais sensíveis do que os outros a influências sociais ou a pressões do meio. Por outro lado, ser susceptível à hipnose parece estar relacionado com a capacidade de uma pessoa em se concentrar em actividades como ler, ouvir música ou sonhar acordado. Um outro dado interessante refere que a grande capacidade de uma pessoa ser hipnotizada sem esforço poderia, em parte, ser determinada pela morfologia cerebral.
    .
    Acresce que este tipo de exercícios são raramente realizados numa consulta terapêutica, visto não ser importante determinar a susceptibilidade de um indivíduo à hipnose para se prosseguir com o tratamento.

    .
    Baseado nas experiências de Michael R. Nash e Grant Benham
    .
    http://www.psicologiahipnose.com/index.php/artigos/25-curiosidades-sobre-hipnose-escalas-de-susceptibilidade

  63. Gorducho Diz:

    Eu repito que não acredito na existência de “hipnose” e reitero a proposta de a devido tempo me submeter a testes c/vocês aí.
    Podem arrumar o hipnotizador que quiserem.
    Minha ida aí é por minha conta pois aproveito pra visitar parentes a amigos.
     
    &nbap;
    Acho que poderíamos estudar uma variante da Conjectura de Moi reconhecendo que sim, a Parapsicologia seja uma “ciência”.
    Só que uma Ciência completa e absolutamente inútil nesses circa 80 anos desde que concebida das cinzas do cadáver da Pesquisa Psíquica (Metapsíquica continental).

  64. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Eu sempre digo que a realidade está do lado de fora da janela, mas cada um que olha pela janela só vê o que quer ver.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: eu não ia falar não, mas vou dizer: diante de minha janela passam um monte de óvinis! Às vezes um ou outro duende…

  65. MONTALVÃO Diz:

    /
    Da pag 381 para a 382 tem texto faltando…
    /
    ————————-.
    “À medida que conheci melhor Bob nos anos seguintes, fiquei impressionado com o seu (381)
    .

    (382) abertura. Ele realmente recebia críticas construtivas e acreditava firmemente que a melhor chance de por fim responder a questão se as habilidades paranormais existem ou não era pela colaboração e discussão entre os moderados nos dois lados do debate (ver, e.g., Morris, 2000).

  66. Vitor Diz:

    Oi, Montalvão
    não tem texto faltando. É que não é “o seu” e sim “a sua”. Já consertei. Grato.

  67. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Oi, Montalvão
    não tem texto faltando. É que não é “o seu” e sim “a sua”. Já consertei. Grato.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: humm, então o French impressionou-se com a abertura do Bob? Nossa! De que tamanho seria?

  68. MONTALVÃO Diz:

    /
    “À medida que conheci melhor Bob nos anos seguintes, fiquei impressionado com a sua abertura.”

  69. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Cuidado para não cair na mesma armadilha (em vez de mostrar como a hipnose pode ser legitimamente usada, ficar citando, copiando e colando).”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: pouco provável que desse mal eu morra, mas, em certas situações, copiar e colar é produtivo, principalmente se acompanhado de arrazoado em que a colagem se encaixa. Infelizmente, dada minhas dificuldades presentes de ler fluentemente inglês, não posso me dar ao luxo de analisar texto que me exigira demasiado tempo para o mister, por isso o recomendei, mais de brinca que à vera, mesmo sem saber se vale a indicação.

  70. MONTALVÃO Diz:

    /
    Mariana Diz:
    .
    Que raiva os livros sobre psi nunca são traduzidos para o português. …pouquíssima coisa dessa área é traduzida pra cá. ..
    /.
    CONSIDERAÇÃO: aí é que você se engana, o que tem pouca tradução são livros que mostram as fragilidades das alegações psi, veja que o Flim-Flam de James Randi sequer foi traduzido; o livro de Alcock, citado por French, não os temos em português. Mas se você quiser exaltações desvairadas ao paranormal vai achar de montão. Temos, por exemplo, várias obras da dupla de patetas Targ e Puthoff. Andrija Puharic, o homem que descobriu Uri Geller, tem livro em português; o próprio Geller tem seu depoimento traduzido. O alucinado Sheldrake você encontra em nossa língua… Quem mais? Stanley Krippner, Lawrence Leshan, Scott Rogo… Sem esquecermos dos antigos: Richet, Lombroso, etc.
    .
    Agora livro sério, que demonstre que “Psi, caso exista, é “força” de atuação tênue, de ocorrência esporádica e imprevisível, sem controle da parte quem supostamente a possui, e sem utilidade conhecida”, desse tipo, realmente, difícil achar traduzido! O mistério e o sobrenatural vendem muito mais que o esclarecimento!
    .
    Falou Moi.

  71. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “veja que o Flim-Flam de James Randi sequer foi traduzido; o livro de Alcock, citado por French, não os temos em português.”
    .
    Graças a Zeus, se a própria Blackmore detona o Randi pelos erros dos livros dele, é porque nem para usar como papel higiênico servem…
    .
    Agora, há livros céticos também, o do Wiseman, “paranormalidade”, consta em português.

  72. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Eu já disse antes aqui que um pintor, um marinheiro, um meteorologista, olham para um por do sol na praia e veem coisas diferentes.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: CORRETO, mas eu diria o seguinte: todos veem o pôr do sol, o qual a cada um sensibiliza de modo diferente…

  73. Vitor Diz:

    Os livros do Michael Shermer também já constam em português, eu mesmo disponibilizei já no blog.

  74. MONTALVÃO Diz:

    /
    MARCIANO DISSE: “Oi, Borges. O Chris afirmou que não existem habilidades ?. ”
    .
    VITOR: Não, ele não disse isso. Você se baseou no trecho “Há outro argumento que sinto apoiar a conclusão bastante estranha de que a parapsicologia se encaixa melhor como uma ciência legítima do que como pseudociência, AINDA QUE AS HABILIDADES PARANORMAIS NÃO EXISTAM.” O sentido do trecho é “MESMO SE NÃO EXISTIREM HABILIDADES PARANORMAIS”. Ou seja, psi existindo ou não, a Parapsicologia é uma ciência de qq forma. Ele não está afirmando que psi não existe.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: em verdade o French diz que NÃO ACREDITA QUE PSI EXISTA, mas não está certo se está certo.
    .
    Seja como for, conscientemente ou não, Chris French não deixa de apoiar a Conjetura de Moi: “Psi, caso exista, é “força”…

  75. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “veja que o Flim-Flam de James Randi sequer foi traduzido; o livro de Alcock, citado por French, não os temos em português.”
    .
    VITOR: Graças a Zeus, se a própria Blackmore detona o Randi pelos erros dos livros dele, é porque nem para usar como papel higiênico servem…
    .
    Agora, há livros céticos também, o do Wiseman, “paranormalidade”, consta em português.
    .
    Os livros do Michael Shermer também já constam em português, eu mesmo disponibilizei já no blog.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: pensei e imaginei que seu novo guru faria com que diminuísse a raivinha que tem do Randi, visto que ele (French) a ele (Randi) se refere respeitosamente… Talvez precise de mais uns sacodes elucidantes até abrir os zoio!
    .
    O que foi que a Blackmore detonou de Randi? E a denotação, provocou consequente explosão?
    .
    O mesmo que diz dos artigos de seu amigo Alvarado pode dizer do trabalho de Randi: não estão isentos de erros, mas no geral são primorosos!
    .
    Há realmente livros céticos a respeito do paranormal para o português traduzidos, mas livros apologéticos há muito mais!

  76. Vitor Diz:

    MONTALVÃO PERGUNTA: “O que foi que a Blackmore detonou de Randi? E a denotação, provocou consequente explosão?”
    .
    Ela reviu o livro “THE SUPERNATURAL A-Z: THE TRUTH AND THE LIES” dele. Eis o que ela disse:
    .
    This book might have served as a useful entry into the whole subject but I am sorry to say that it has too many errors to be recommended in this way. I shall give just a couple of examples.
    .
    The one-page entry on Borley Rectory says that Harry Price took up residence in 1937 and arranged for colleagues to live there in shifts. In fact he did take up the tenancy of the rectory then, but did not really live there, and many of the investigators stayed for very short periods while they watched for phenomena. The rectory was not “reduced to ashes” in 1939. The ruins were much visited from then until 1944, when they were finally demolished (Dingwall, Goldney & Hall, 1956). And the nearby church is not “Borley Abbey”. Harry Price’s library is said to contain “several volumes dealing with conjuring” (p.247). Since it is reputedly one of the most important conjuring libraries in the world, this is an odd comment from a professional conjuror.
    .
    The ouija board and planchette are described in terms of the ideomotor effect but are mixed together to create some kind of apparatus I have never seen. On this topic I have always loved the elegant experiments on table-tipping carried out by Michael Faraday in 1853. He used pieces of card with soft cement to show that the sitters’ hands moved before the table did, and also demonstrated that when a pointer fixed to s small wooden board showed the sitters their own movements, the effect disappeared. Randi says that Faraday “placed a second wooden table-top over the first one, separated from it by thin, round wooden rods the ends of which passed behind an adjacent curtain and were equipped with pointers” (p.302). This is certainly not described in Faraday’s famous (1853) paper. The only rods described were 7-inch rollers made of either glass or metal, and no extra table-top or curtain is mentioned. Randi’s description is simply wrong.
    .
    Most of these errors are quite small but there are many of them.I had hoped that this readable and interesting book would provide me with a quick source of reliable information on all those strange topics that have always fascinated me—and that I could recommend it to my students. However, given all the errors, I will not be able to rely on it.
    .
    The cover blurb proclaims “Here is the real story of what is truth and what is magic, what is fact and what is pure deception”. As with all things connected with the paranormal, the real truth isn’t that simple.

  77. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “O mesmo que diz dos artigos de seu amigo Alvarado pode dizer do trabalho de Randi: não estão isentos de erros, mas no geral são primorosos!”
    .
    Eu acho que ainda não achei um erro do Alvarado. Mas a diferença para o Randi é enorme. No caso do Randi é difícil achar os acertos…

  78. MONTALVÃO Diz:

    /
    • Gorducho Diz:
    .
    Eu repito que não acredito na existência de “hipnose” e reitero a proposta de a devido tempo me submeter a testes c/vocês aí.
    .
    Podem arrumar o hipnotizador que quiserem.
    .
    Minha ida aí é por minha conta pois aproveito pra visitar parentes a amigos.
    .
    CONSIDERAÇÃO: antes de convidá-lo para o experimento, faz-se necessário levar em conta:
    .
    1 – já tentou alguma vez? Se sim, quantas e com quantos hipnotizadores? Ou apenas é sua conclusão pessoal que a hipnose não funciona com ninguém, portanto não funcionará com você?
    .
    2 – o problema não é tanto o hipnotizador, eu mesmo poderia tentar (embora estou fora de forma, pois há anos não utilizo a técnica). Se você não quiser, ou seja, se resistir a se submeter ao ritual, vai ser muito difícil levar adiante o procedimento, conquanto não impossível (mas aí necessário alguém experiente na arte).
    .
    Visto que isso seria mais um tira-teima, vamos esperar que ocasião propícia se mostre e poderemos pensar melhor na ideia.
    .
    Enquanto a oportunidade prática não surge podemos discutir teoricamente o assunto, pois material não falta.

  79. Gorducho Diz:

    Está claro que a veracidade da Conjectura de Moi é indiscutível:
    Ψ, caso exista, é “força” de atuação tênue, de ocorrência esporádica e imprevisível, sem controle da parte quem supostamente a possui, e sem utilidade conhecida.
     
     
    E talvez se possa admitir que a Parapsicologia seja científica pois usa estatística, protocolos &c. compatíveis com o método científico.
    Mas enquanto Ciência (além de “científica” no sentido de usar o método), não apresentou nenhum resultado útil nesses ≅ 80 anos quando surgiu das cinzas da também fracassada Pesquisa Psíquica.

  80. Gorducho Diz:

    Fvr. por o Ψ Sr. Administrador

  81. Gorducho Diz:

    Não nunca tentei.
    Bom, se o paciente “não resistir” vem ao encontro do que eu acho: a vontade de ser “hipnotizado”.
    Em outras palavras: credulidade & will to be…
    Igual à vontade de acreditar que o falecido está morando com a vovó é mandou uma cartinha desde a Erraticidade.
     
    Quando der, façamos o experimento em mim então…
    Pra mim ir aí é até satisfação pois tenho parentes e amigos (e, claro, paro neles se não se ofendem).
    Podem atar com correias meus pulsos e porem 1 ponto luminoso pra eu olhar (tipo igual aos aparelhos que tem na óticas ou usam os oculistas). Podem ficar filmando isso pra se garantirem que não vou desviar os óio do hipnotista.

  82. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “Está claro que a veracidade da Conjectura de Moi é indiscutível”
    .
    Eu discuto. Considero-a comprovadamente falsa.
    .
    GORDUCHO DISSE: “Mas enquanto Ciência (além de “científica” no sentido de usar o método), não apresentou nenhum resultado útil nesses ? 80 anos quando surgiu das cinzas da também fracassada Pesquisa Psíquica.”
    .
    Lembro que livros acadêmicos já admitem que psíquicos ajudam a polícia. E já fizeram descobertas arqueológicas (diante de um cético inclusive).

  83. Gorducho Diz:

    Mesmo que isso seja vero – que eu me lembre o único caso minimamente sólido seria aquele de Marea (aqueles colunelos era ali, não :?: )… – a “ciência” parapsicológica nada teria a tido a ver com isso.
    É como a Pítia ter enxergado o Κροῖσος cozendo e mandado um conselho sábio pra ele.
    Ou vovó ter se curado de cobreiro num terreiro.
    Fatos Sobrenaturais práticos, empíricos.
    A Parapsicologia não tem participação útil nenhuma nisso.

  84. Gorducho Diz:

    O caso de vovó por exemplo foi Espiritismo, não Parapsicologia Estatística.

  85. MONTALVÃO Diz:

    MONTALVÃO PERGUNTA: “O que foi que a Blackmore detonou de Randi? E a denotação, provocou consequente explosão?”
    .
    VITOR: Ela reviu o livro “THE SUPERNATURAL A-Z: THE TRUTH AND THE LIES” dele. Eis o que ela disse:
    .
    [...].
    Most of these errors are quite small but there are many of them.I had hoped that this readable and interesting book would provide me with a quick source of reliable information on all those strange topics that have always fascinated me—and that I could recommend it to my students. However, given all the errors, I will not be able to rely on it.
    .
    The cover blurb proclaims “Here is the real story of what is truth and what is magic, what is fact and what is pure deception”. As with all things connected with the paranormal, the real truth isn’t that simple.
    /
    -TRANSLATE-
    A maioria desses erros é bastante pequena, mas há muitos deles. Eu esperava que esse livro legível e interessante me fornecesse uma fonte rápida de informações confiáveis sobre todos aqueles tópicos estranhos que sempre me fascinaram – e que eu poderia recomendá-lo para meus alunos. No entanto, com todos os erros, não poderei contar com isso.
    .
    A apresentação da obra proclama: “Aqui está a verdadeira história do que é verdade e o que é mágico, o que é fato e o que é puro engano”. Como com todas as coisas relacionadas com o paranormal, a verdade real não é assim tão simples.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: ora, ora, meu caro, o exemplo que dá apenas confirma sua inexplicada raivinha do Randi.
    .
    Começa que Susan aponta erros de informação num dos livros de Randi, insuficientes para explodirem com o profícuo trabalho do sujeito. Porém não vamos endeusar o homem, ele deve mesmo ter deixado furos: quem trabalha erra. Se errar demais mostrará incompetência, errando dentro do aceitável tudo bem. Algo talvez mais ou menos parecido com o caso do Marcelo Gleiser, em A DANÇA DO UNIVERSO, obra recebida com louvores, considerada trabalho primoroso de aproximação da ciência ao vulgo. Entretanto, o físico Valdemar W.Setzer detectou nesse trabalho montão de deslizes que nenhum outro percebera (ou se houve essa percepção não ocorreu denúncia).
    .
    Acontece que cometer erros de informação num livro, embora lamentáveis, não torna Marcelo Gleiser um tratante, tampouco faz de Randi incompetente.
    .
    A denúncia sistemática de falsos poderosos, levada a cabo por James e o desafio que realizou de que legítimo paranormal se apresentasse (o que nunca aconteceu) não é maculada por equívocos menores.
    .
    Sugiro, pois, que reveja urgentemente seus motivos para execrar James Randi, pois aí pode haver mistério!
    .
    Sei que viu e deve lembrar, mas caso não, confira o que seu novo amigo French disse de Randi:
    /
    ————————————.
    “O livro também frequentemente se referia a um certo James Randi, outro nome com o qual eu não estava familiarizado até então (e novamente, alguém que agora sou feliz em considerar um amigo pessoal). Eu comprei cópias de Flim-Flam de Randi (Randi, 1982a) e The Truth about Uri Geller (Randi, 1982b) e percebi o quão ingênuo fui em aceitar as afirmações de Uri Geller de boa fé.”
    /
    “Dito isto, vale a pena notar que é muito provável que quanto maior o perfil do “psíquico”, mais provável é que eles recorram a fraudes deliberadas, dada a pressão sobre eles para demonstrar consistentemente seus supostos poderes dia após dia no palco ou na TV. (Refiro-me meio que brincando a isso como a “lei de French”). Para vários exemplos de psíquicos fraudulentos, veja Randi (1982a, 1982b) e Kurtz (1985).”
    .
    [OBSERVAÇÃO: essa declaração French se aproxima admiravelmente da 2ª Conjetura de Moi: “Nas alegações do paranormal, a fraude e a ilusão são diretamente proporcionais à intensidade e ao controle dos poderes alegados.”]
    /
    “Ocasionalmente, os críticos da parapsicologia, como James Randi, Susan Blackmore, Richard Wiseman e até mesmo este que vos escreve, tentarão colocar as alegações de autoproclamados psíquicos à prova. Quando fazemos isso, tentamos aplicar metodologias científicas bem controladas que sejam testes justos das alegações em questão. Não vejo como negar que, quando o fazemos, estamos envolvidos em investigações parapsicológicas — e fazendo isso cientificamente.”
    ——————————.
    /
    Então, como bem pode ver, French demonstra grande respeito pelo caçador de paranormais. Não seria o caso de melhor refletir antes de qualificar James Randi de “detonado”?

  86. MONTALVÃO Diz:

    /
    GORDUCHO DISSE: “Está claro que a veracidade da Conjectura de Moi é indiscutível”
    .
    VITOR: Eu discuto. Considero-a comprovadamente falsa.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: claro que a considera falsa: enquanto ingenuamente acreditar em coisas quais: Ingo Swann, McMoneagle, Harribance… vai ter nuvem e areia movediça em que se firmar…
    .
    Inda bem que despreciso citar nacionais: nestes naturalmente descrê, o que mostra que metade do problema está equacionado!

  87. MONTALVÃO Diz:

    /
    GORDUCHO DISSE: “Mas enquanto Ciência (além de “científica” no sentido de usar o método), não apresentou nenhum resultado útil nesses ? 80 anos quando surgiu das cinzas da também fracassada Pesquisa Psíquica.”
    .
    VITOR: Lembro que livros acadêmicos já admitem que psíquicos ajudam a polícia. E já fizeram descobertas arqueológicas (diante de um cético inclusive).
    /.
    CONSIDERAÇÃO: lembro que aqui mesmo, nas discussões havidas a respeito desses psíquicos ajudadores de polícia, tais foram devidamente explodidos. O próprio neles crente reconhece que são 1% eficazes! O que constitui clara confissão de que para nada servem!

  88. MONTALVÃO Diz:

    /
    As ditas descobertas arqueológicas por psíquicos não ficam atrás: explodidas!✴
    .
    Nenhuma associação de arqueologia (ou algo semelhante) reconhece haver eficácia nessa tal “arqueologia psíquica”. Sua única eficácia é demonstrar que pessoas ilustradas podem também ser logradas…

  89. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “lembro que aqui mesmo, nas discussões havidas a respeito desses psíquicos ajudadores de polícia, tais foram devidamente explodidos.”
    .
    Não foram não… abaixo casos analisados por céticos
    .
    a) http://obraspsicografadas.org/2017/crimes-e-desaparecimentosparte-16-2004/
    .
    b) http://obraspsicografadas.org/2017/crimes-e-desaparecimentos-resolvidos-com-a-ajuda-de-mediuns-ou-psiquicos-parte-14/
    .
    c) http://obraspsicografadas.org/2014/crimes-e-desaparecimentos-resolvidos-com-a-ajuda-de-mdiuns-ou-psquicos-parte-7/
    .
    MONTALVÃO DISSE: “O próprio neles crente reconhece que são 1% eficazes!”
    .
    1% eficazes? Ótimo, melhor 1% do que 0%. Alguma utilidade há. E é evidente que muitos psíquicos conseguem taxas bem maiores que 1%.

  90. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Entretanto, o físico Valdemar W.Setzer detectou nesse trabalho montão de deslizes que nenhum outro percebera”
    .
    Que eu saiba foi Roberto de Andrade Martins.

  91. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “French demonstra grande respeito pelo caçador de paranormais. Não seria o caso de melhor refletir antes de qualificar James Randi de “detonado”?”
    .
    Por acaso o French revisou algum dos livros de Randi? Que eu saiba ele leu dois livros dele ANTES de ter contato com parapsicólogos, e ANTES de ter acesso à literatura científica psi. Caso bem diferente de Blackmore. Ela já estava familiarizada com a pesquisa psi quando leu os livros de Randi. Por isso ela achou o monte de erros.

  92. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Nenhuma associação de arqueologia (ou algo semelhante) reconhece haver eficácia nessa tal “arqueologia psíquica”.”
    .
    A CIA viu eficácia… o Instituto de Estudos Marinhos e Costeiros da Universidade do Sul da Califórnia viu eficácia… a NASA viu eficácia…
    .
    http://obraspsicografadas.org/2017/hella-hammid-e-ingo-swann-psiquicos-excepcionais/

  93. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “Entretanto, o físico Valdemar W.Setzer detectou nesse trabalho montão de deslizes que nenhum outro percebera”
    .
    VITOR: Que eu saiba foi Roberto de Andrade Martins.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: também o Roberto, em verdade era a ele quem eu ia citar, mas não encontrei o artigo que escreveu (agora localizei), por isso a referência ao Setzer… corrijo-me: então, em vez de “nenhum outro percebera”, leia-se, “que alguns leitores atentos perceberam” (embora poucos).
    /
    —————————-
    =1=
    COMO DISTORCER A FÍSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE UM EXEMPLO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA.
    .
    2 – FÍSICA MODERNA
    .
    Roberto de Andrade Martins
    .
    Resumo
    .
    Este artigo discute a dificuldade de apresentar-se conceitos físicos corretos em obras de divulgação científica. Apresenta-se como exemplo uma leitura crítica do livro A dança do universo: dos mitos de criação ao big-bang, de Marcelo Gleiser, analisando-se problemas conceituais da abordagem empregada naquela obra. Mostra-se a existência de grande número de erros, provenientes de uma utilização descuidada de imagens e comparações, erros esses que poderiam ter sido evitados. =================================.
    /
    =2=
    COMENTÁRIOS SOBRE O LIVRO A DANÇA DO UNIVERSO, DE MARCELO GLEISER
    .
    Valdemar W.Setzer
    .
    [email protected]http://www.ime.usp.br/~vwsetzer
    .
    Campos do Jordão, 23/6/00 – versão 2.1 de 30/6/00
    .

    Introdução
    .
    Acabei de ler o excelente livro de Marcelo Gleiser, A Dança do Universo – dos Mitos de Criação ao Big-Bang (São Paulo: Companhia das Letras, 1997), que há muito estava em minha lista. Recomendo-o a todas as pessoas, pois trata-se de texto que aborda com escrita fascinante, simples e didática a importante história da Física e da Astronomia, que também é em grande parte a história do pensamento humano. Gleiser soube compor relatos claros sobre os mais importantes avanços científicos nessas áreas, abrangendo a história, interessantes aspectos biográficos de pensadores e cientistas que foram responsáveis por esses avanços, cobrindo desde a Grécia antiga até os tempos modernos, e uma tentativa de traçar paralelos entre as visões cosmogônicas atuais e os antigos mitos da criação. Coloco aqui algumas das anotações que fiz durante a leitura, que servem de comentários e críticas; creio que os assuntos são suficientemente relevantes para torná-los públicos através de meu “site”.
    [...]
    Em todo seu livro, Gleiser não fala do reducionismo no método científico atual, e os problemas que ele causa. [...]
    —————————–.

  94. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “O próprio neles crente reconhece que são 1% eficazes!”
    .
    VITOR: 1% eficazes? Ótimo, melhor 1% do que 0%. Alguma utilidade há. E é evidente que muitos psíquicos conseguem taxas bem maiores que 1%.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: então estamos bem acordados neste ponto! Imagine psíquicos trabalhando como policiais: para cada 100 crimes elucidariam UM! Seria o fim da ciência investigativa! Ora detetives não paranormais conseguem muito, mas muito mesmo, mais sucesso que isso!
    .
    Conjetura de Moi, pois, confirmada: sem utilidade conhecida…

  95. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: ” para cada 100 crimes elucidariam UM! Seria o fim da ciência investigativa!”
    .
    Não seria. Os psíquicos geralmente só pegam os casos em que os policiais chegaram a um beco sem saída. Ou seja, a investigação se encerraria de qq jeito. Resolver 1% desses casos que já seriam encerrados mesmo é claramente aumentar a eficácia da polícia.

  96. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “French demonstra grande respeito pelo caçador de paranormais. Não seria o caso de melhor refletir antes de qualificar James Randi de “detonado”?”
    .
    VITOR: Por acaso o French revisou algum dos livros de Randi? Que eu saiba ele leu dois livros dele ANTES de ter contato com parapsicólogos, e ANTES de ter acesso à literatura científica psi. Caso bem diferente de Blackmore. Ela já estava familiarizada com a pesquisa psi quando leu os livros de Randi. Por isso ela achou o monte de erros.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: pois é: quando digo que há mistério em seu repúdio contra Randi não é sem razão. Mesmo não querendo, há de reconhecer que a crítica de Blackmore teve por fito uma das produções do pesquisador e não o geral da obra. Não se vê Susan condenando os testes de Randi, tampouco que ela defendesse a legitimidade de pretensos paranormais por ele desvelados.
    .
    Realmente, French era virgem em parapsicologia quando leu James Randi, o qual o ajudou a desenvolver espírito crítico a respeito das alegações do paranormal.
    .
    Em suma, o mistério continua: por que o Vitor transforma pequenos escorregas de Randi em catástrofes e não acha nela nada de produtivo?
    .
    Há mistério ai, muito.

  97. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: ” para cada 100 crimes elucidariam UM! Seria o fim da ciência investigativa!”
    .
    VITOR: Não seria. Os psíquicos geralmente só pegam os casos em que os policiais chegaram a um beco sem saída. Ou seja, a investigação se encerraria de qq jeito. Resolver 1% desses casos que já seriam encerrados mesmo é claramente aumentar a eficácia da polícia.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: quanto mais explica mais complica. De cada cem casos “beco sem saída” os “psícos” resolvem um… Huuuumm, interessante. Como falei: sem utilidade conhecida.
    .
    Assista ao canal “investigação Discovery” e verá muitos casos tipo beco sem saída resolvido a posteriori, não por sensitivos (q

  98. MONTALVÃO Diz:

    CACETE DE DEDO!
    /
    Assista ao canal “investigação Discovery” e verá muitos casos tipo beco sem saída resolvido a posteriori, não por sensitivos (que estes já sabemos apenas confirmam a conjetura de Moi), mas por bons e velhos detetives. Muitas vezes o aprimoramento da tecnologia permite que o arquivado seja elucidado…
    .
    Já com sensitivos, pode melhorar técnicas à vontade que não lhes faz diferença: continuam um por cento…

  99. Eu Sou a Universal Diz:

    Senhores, quanto tempo. Tenho lido aqui mas não tenho comentado. Alguma previsão do blog voltar com o tema do Kardecismo, Chiquismo e Ramatismo? O sr tem essa previsão Sr Vitor?

  100. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Senhores, quanto tempo. Tenho lido aqui mas não tenho comentado. Alguma previsão do blog voltar com o tema do Kardecismo, Chiquismo e Ramatismo? O sr tem essa previsão Sr Vitor?”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: uma coisa interessante, que mereceria melhor averiguação: o paranormal, de modo geral, pouco impressiona crentes evangélicos. Vemos que espíritas são muito achegados ao tema, católicos quase o mesmo tanto, mas protestantes nada dizem a respeito.
    .
    O desinteresse do pastor pelo assunto é ilustrativo…

  101. Gorducho Diz:

    Espiritismo nada tem a ver com “paranormalidade” estatística.
    Ainda que se possa considera que “médiuns” sejam “paranormais”, não é fenômeno que tenha algum cabimento ser estudado fazendo joguinhos com desvios em relação às esperanças matemáticas.

  102. Gorducho Diz:

    Poderia ter sandice maior que Pastores ficarem discutindo rotinas estatísticas em R, MATLAB, Python, ou na ferramenta que seja pra analisarem a ação de demônios sobre as criaturas ❓

  103. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “por que o Vitor transforma pequenos escorregas de Randi em catástrofes e não acha nela nada de produtivo?”
    .
    Você por muito menos condena Sheldrake. Impressionante como você usa dois pesos e duas medidas. Randi foi pego mentindo incontáveis vezes – a própria Blackmore não foi capaz de contar as mentiras em um único livro dele, imagina na obra toda – e muitas dessas mentiras são sérias e inaceitáveis para quem é visto como uma dos grandes “figurões” do ceticismo.

  104. Vitor Diz:

    EU SOU A UNIVERSAL DISSE: “Alguma previsão do blog voltar com o tema do Kardecismo, Chiquismo e Ramatismo? O sr tem essa previsão Sr Vitor?”
    .
    Em 6 meses. Talvez um pouco menos.

  105. Marciano Diz:

    Montalvão:
    Toquinho, etc.
    Deve ser o poeta que reside em seu cérebro.
     
    Dicas de programação:
    Anotado. A línguagem binária-hexadecimal MOI é de alto nível (não no sentido do alto nível do blog, mas no sentido de linguagem de programação, qual seja, linguagem mais facilmente compreendida por humanos), contudo, embora tenha entendido todos os comandos, não fui capaz de fazer com que o computador a entendesse. Acho que vai ter de desenvolver uma linguagem de baixo nível (olhe lá, estou falando de programação) para que o computador possa entendê-la.
     
    Feitas as devidas honras ao Presidente da Casa, passo a atualizar-me com os comentários dos demais analistas.

  106. Eu Sou a Universal Diz:

    Sr Vitor, 6 meses mesmo? O sr foi irônico ou falou sério? Pretende esgotar o assunto?
    ===========================================
    Meus cumprimentos sr Montalvão. A ovelha número 100. Está perdido do Rebanho mas sabe como voltar.
    ============================================
    Não entendi muito o que o sr quis dizer sr Gorducho sobre estatísticas e demônios.
    ============================================
    Amigo Marciano, o amigo que não gosta de ser chamado de ‘sr’. Como tem passado? Não deixe que o excesso de bebidas alcoólicas e mulheres também em excesso arruínem a sua vida. Seja moderado. O amigo é chegado em jogatina também? Cuidado para não por em apostas os bens conquistados com o sagrado trabalho. Desculpe se sou chato e puxo suas orelhas, mas o sr é tão inteligente, cita tão bem a Bíblia se mostrando ser ateu, que no fundo não acredito que o seja. Desculpe por sempre repetir os mesmos conselhos. Mas já vi colegas caírem por causa de mulheres e bebidas (tudo escondido) e não quero que o amigo vá pelo mesmo caminho.

  107. Gorducho Diz:

    ============================================================
    Não entendi muito o que o sr quis dizer sr Gorducho sobre estatísticas e demônios.
    ============================================================
    Nosso Presidente alfinetou-o por não se interessar pela Parapsicologia.
    Ora, Pastores estão preocupados – e de certa forma então pode-se dizer que “estudam”, certo :?: – a ação de demônios sobre as criaturas.
    Ora, ninguém vai cogitar em estudar esse tema usando modelos estatísticos, concorda :?:
    Imagine vocês escreverem um software estatístico em R pra saber se alguém está possesso ou não.
    Tem cabimento :?:

  108. Gorducho Diz:

    ============================================================
    embora tenha entendido todos os comandos, não fui capaz de fazer com que o computador a entendesse.
    ============================================================

    Não conseguiu escrever em LaTeX; é isso ❓

  109. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Eu penso diferente; quem olha pela janela vê apenas aquilo que faz parte do espectro visível, mas deve haver muito mais lá.
    ===============================================================
     
    Você sabe, acho, que eu estava falando no sentido metafórico de olhar pela janela, para alfinetar o Montalvão.
    Um abraço.
     
     
    ===============================================================
    O Sr. sim pode fazer isso aí num simples ficheiro de texto (salvo como .html, claro).
    ===============================================================
     
    Acho que o Administrador quer manter o debate somente na base da retórica, sem linguagem matemática.
     
     
    ===============================================================
    CONSIDERAÇÃO: concordo muito com a 1ª assertiva, discordo um pouco da segunda. A depender do objetivo terapêutico os benefícios podem ser duradouros.
    ===============================================================
     
    Sabe de casos (verdadeiros, confirmados) de pessoas que tenham se livrado (permanentemente) de tabagismo, dipsomania, enurese noturna, etc., graças à hipnoterapia?
     
    Já viu os casos de falsas memórias induzidas por terapeutas que tratam de alegadas vítimas de abuso sexual, de pessoas que fazem terapia de regressão, principalmente a vidas “passadas”, de pessoas que “lembram-se, sob hipnose, de terem sido abduzidas por imaginários alienígenas❓
     
    O cisma está instalado na Bancada Quase  Cética.
     
    Nem o Presidente e o Vice se entendem.
     
    Tenho receio de que o Excelentíssimo Senhor Presidente (com a devida vênia) esteja defendendo a EFICÁCIA da hipnoterapia com o mesmo denodo que a Administração defende a realidade dos alegados fenômenos Ψ.
     
    Temo que a eficácia da hipnoterapia, caso exista, seja de atuação tênue, de ocorrência esporádica e imprevisível, sem controle da parte quem supostamente a emprega, e sem utilidade conhecida.
     
    Da janela lateral do meu quarto de dormir vejo passarem, de quando em vez, alguns doentes, mas nunca vi duendes. Deve ser porque eles são muito pequenos. Ou porque eu não fumo.

     
    ===============================================================
    CONSIDERAÇÃO: aí é que você se engana, o que tem pouca tradução são livros que mostram as fragilidades das alegações psi, veja que o Flim-Flam de James Randi sequer foi traduzido; o livro de Alcock, citado por French, não os temos em português.
    ===============================================================
     
    É por isso que eu acho que Vossa Excelência deveria aprender inglês proper, in the sense of up to a required or regular standard.

     
     
    Quando Blackmore criticou severamente o Flim-Flam já tinha 🚮 (Susan Blackmore’s (1986) autobiography, The Adventures of a Parapsychologist (Berger, 1988), in which she repeatedly claims that there was no sign of ESP in all of her experimental work. “I concluded that parapsychology is all a lot of rubbish and I should do something else!” (Blackmore, 1986, p. 35).
     
     
    ===============================================================
    Enquanto a oportunidade prática não surge podemos discutir teoricamente o assunto, pois material não falta.
    ===============================================================
     
    Assim, ficamos na mesma posição da Administração, com relação à paranormalidade. Só na retórica.
     
    BTW, quero dizer que, neste ponto (hipnotismo), estou em desacordo com o Presidente e com o Vice-Presidente.
     
    O Vice deve ter tido sua descrença exaltada por ter visto esses shows circences que são apresentados em programas vespertinos de TV.
    Existem pessoas que (colaborando com o hipnotizador, nunca desafiando-o), conseguem ser hipnotizadas e sugestionadas, em vários graus (escala de Stanford, mencionada acima).
     
    Existe hipnoterapia (assim como existe iridologia, psicanálise, parapsicologia, homeopatia).
     
    Aquilo em que não creio é a eficácia da hipnoterapia. Seus benefícios a longo prazo.
     
     
    MARCELO GLEISER, ROBERTO DE ANDRADE MARTINS E VALDEMAR W.SETZER.
     
    É por essas e outras que eu sustento que FÍSICA se aprende em livros-texto de graduação e pós graduação, e com MUITA matemática, não em livros de divulgação científica ou pseudo-documentários, como pensa o Dr. Vlad.
     
     
    Olá, Pastor.
    É uma imensa satisfação revê-lo.
     
    ===============================================================
    Vitor Diz:
    FEVEREIRO 23RD, 2018 ÀS 12:57 PM
    EU SOU A UNIVERSAL DISSE: “Alguma previsão do blog voltar com o tema do Kardecismo, Chiquismo e Ramatismo? O sr tem essa previsão Sr Vitor?”
    .
    Em 6 meses. Talvez um pouco menos.

    ===============================================================
     
    Que o G.A.D.U. seja louvado!
     
     
    PASTOR, ainda bem que dei um f5 antes de postar.
     
    Não sei já o disse ao amigo, mas já declarei aqui.
    Detesto jogo. Não jogo nem em mega-sena, por não gostar de apostas, por não ser completamente estúpido em análise combinatória e por não aprovar esse tipo de receita para os cofres públicos, estimulando a plebe sonhadora a gastar seus míseros cascalhos com um vício.
     
    Quanto a mulheres, aproveito enquanto posso. Não é culpa minha, é da seleção natural.
     
    Bebidas, só as uso moderadamente, apesar de minha tolerância ser bem acima do normal (veja, por exemplo, o Gorducho, que se contenta com 1 pint a day – I mean, a gallon).
     
    O amigo Pastor deve ter uma visão melhor do que a do Clark Kent para detectar minha inteligência infitesimalmente inferior a um neutrino.
    Ela passa despercebida por toda a Terra, em fração de segundo.
    Acho que meus neurônios são muuuito menos massivos do que um neutrino.
     
    ===============================================================

    Não conseguiu escrever em LaTeX; é isso
    ===============================================================
     
    Santo f5!
    Natürlich nicht!
     
    Estava a me referir à dica do Presidente, no tópico anterior.
    Esta aqui.

  110. Marciano Diz:

    Respondi a Montalvão, Gorducho, Borges, Pastor, no comentário acima.
    Questão de gestão de tempo, que anda me faltando. Não sei se perceberam minha breve ausência.

  111. Marciano Diz:

    Que Blackmore fale por si própria:
    https://www.susanblackmore.co.uk/journalism/first-person-into-the-unknown/

  112. Gorducho Diz:

    Pior que a Administração:(
    Se entendi bem ELE se acha capaz de hipnotizar :shock:
     
    Bem, vamos ver em mim quando der…
     
     
    Não: é isso mesmo. Não acredito nem que exista.

  113. Marciano Diz:

    E viu a linguagem de programação do Presidente?
    Foi a ela que me referi, quando entrei na brincadeira e disse que a máquina não entendeu a linguagem.
    A linguagem desenvolvida pelo Presidente.

  114. Marciano Diz:

    Perceba que o Presidente é mesmo um gênio. Ele conseguiu desenvolver uma linguagem binária hexadecimal e de alto nível.
    Codiloco.

  115. Gorducho Diz:

    COBOL…
    bons tempos… Namorei uma programadora!
    Ainda tem muita coisa em COBOL: Sistemas críticos de grandes bancos por exemplo.

  116. Vitor Diz:

    EU SOU A UNIVERSAL DISSE: “Sr Vitor, 6 meses mesmo? O sr foi irônico ou falou sério? Pretende esgotar o assunto?”
    .
    Oi, Pastor, em 6 meses (ou um pouco antes) será disponibilizado um livro raro sobre o Chico Xavier. Por enquanto é só isso que tenho a falar. De resto em breve deve ser disponibilizada a resposta do Hyslop a Tanner. Aquela cuja tradução custará 5600 reais (já estou aceitando doações…), mas embora envolva pesquisas com a médium Piper, não é sobre o espiritismo karcista em si.
    .
    Há um livro do francês Chevreul sobre mesas girantes cuja tradução custa 10 mil reais. Estou aceitando doações também. Esse tem diretamente a ver com o espiritismo kardecista.
    .
    Enfim, se pudesse contar com mais ajuda financeira muito material sobre o Espiritismo sairia com mais frequência aqui no blog.

  117. Vitor Diz:

    MARCIANO DISSE: ” É por isso que eu acho que Vossa Excelência deveria aprender inglês proper, in the sense of up to a required or regular standard.”
    .
    Na idade do Montalvão não vale a pena mais aprender outra língua. O cérebro não consegue mais fazer as conexões necessárias para isso. Aliás, nem na minha idade vale mais a pena. É dinheiro jogado fora.

  118. Marciano Diz:

    Tinha a Cobol, Common Business Language, e uma outra, voltada para uso científico, FORTRAN, Formula Translation.
    Pelo que sei, essas linguagens são do tempo do cartão perfurado, daquelas gigantescas bobinas de fita magnética, dos computadores enormes, consumidores de energia elétrica, que tinham de permanecer em lugares refrigerados (ou davam pau).
    Eu acho que sei o que o encanta.
    É a nostalgia. Associa essas coisas com bons momentos que viveu no passado.
    Se a TI não houvesse progredido, em outras palavras, naquele tempo, não poderíamos discutir essas coisas aqui neste blog, que sequer existiria.
    Em outras palavras, tempo bom é o atual (aquele em que vivemos). Melhor, só o futuro, quando chegar.
    De certa forma, essas linguagens ainda existem, no sentido de que foram a raiz de tantas que existem hoje.
     
    A genialidade do Presidente foi desenvolver uma linguagem binária, cheia de 0s e 1s, reflete-não reflete, passa corrente-não passa, magnetizada-desmagnetizada, que só máquinas conseguem operar, com uma hexadecimal (sem as limitações do sistema decimal, que não consegue exprimir racionalmente (em sentido matemático) a razão entre o diâmetro e a circunferência), tudo isto em alto nível (de fácil compreensão para o programador, por ter comandos evidentes).
     
    O Presidente reuniu Assembler e Fortran.
    Codigênio.

  119. Marciano Diz:

    Oi, Vitor.
    As pouquíssimas línguas que arranho foram aprendidas no início da adolescência.
    Já vi muita gente dizendo isto (sobre idade), mas não sei se é verdade.
    Claro que quando se é mais novo, é mais fácil.
    Montalvão precisaria de mais esforço, levaria mais tempo para aprender, se compararmos com sua (dele) capacidade quando era bem jovem, mas não acho que seja impossível.
    E valeria a pena.
    Pelo menos o inglês, que á a atual linguagem universal.
    Claro que me refiro ao inglês padrão, aquele que encontramos em livros americanos ou ingleses.
    Eu tenho uma dificuldade terrível em entender glaswegian. E falantes nativos de outros lugares também têm difuculdade de entender esse pessoal.
    Perceba a diferença entre ela e ele:
    https://www.youtube.com/watch?v=3FBDCmibOM4

  120. Marciano Diz:

    Brincadeirinha deles à parte, claro que assim como só alguns brasileiros gostam de escola de samba, só alguns escoceses, de Glasgow ou qualquer outra cidade, usam kilt, em ocasiões festivas.
    Mas que não usam nada por baixo, não usam.

  121. Marciano Diz:

    Brincadeirinha deles à parte, claro que assim como só alguns brasileiros gostam de escola de samba, só alguns escoceses, de Glasgow ou qualquer outra cidade, usam kilt, em ocasiões festivas.
    Mas que não usam nada por baixo, não usam.
    Falando assim, palavras soltas ou frases curtas, parece fácil, mas quando você fala diretamente com alguém de Glasgow, principalmente se for muito jovem, é bem difícil.

  122. Marciano Diz:

    Ainda tem as gírias e regionalismos.
    Veja que o cara pega leva com ela. Ele diz:
    How’s it going?
    Normalmente, eles falam:
    Ye right wee man?
    Pronuncia-se mais ou menos assim:
    iê rrêit, uímán?
    O “r” tem um so.
    m como no italiano ou no português de Portugal, quando se fala roupa.
    Wee quer dizer pequeno.
    Se o cara que você cumprimenta for mais baixo (não necessariamente baixinho), você se refere a ele como wee man.
     
    São brigões, andam com facas, torcedores fanáticos de futebol.
    As mulheres não tratam os maridos ou namorados como o restante das pessoas. Não mostram muito carinho, atenção.

  123. Marciano Diz:

    No caso dela, ele veria algum defeito dela e diria:
    Ye right, (something offensive) gal?

  124. Marciano Diz:

    A falácia do escocês de verdade.
    Se Montalvão fosse nascido e criado na maior cidade da Escócia, falaria igualzinho ao Stephen.

  125. Borges Diz:

    Você sabe, acho, que eu estava falando no sentido metafórico de olhar pela janela, para alfinetar o Montalvão.
    .
    Pensei que a alfinetada estava endereçada à minha pessoa; desculpe.
    Um abraço

  126. MONTALVÃO Diz:

    /
    Gorducho Diz:
    .
    Não nunca tentei.
    Bom, se o paciente “não resistir” vem ao encontro do que eu acho: a vontade de ser “hipnotizado”.
    Em outras palavras: credulidade & will to be…
    /.
    CONSIDERAÇÃO: não é bem assim, hipnose não é uma luta de vontades: o operador contra a resistência do paciente, ao contrário, é cooperação. Tem esses hipnotizadores de palco que não sei até que ponto realmente hipnotizam ou se se trata de simulações. A ideia que esses espetáculos passa é a de que hipnose seja um poder maravilhoso e quem o domina domina facilmente a vontade alheia. Desses tenho todas as desconfianças.
    .
    A pessoa que me deu aulas de hipnose é um hipnotista experimentado, pude vê-lo a hipnotizar dezenas de pessoas, nenhuma delas com a facilidade que os hipnotizadores de palco parece conseguir (tipo o sujeito diz duas ou três frases, estala os dedos e o infeliz adentra em profundo estado sugestionável).
    /
    /

    “Igual à vontade de acreditar que o falecido está morando com a vovó é mandou uma cartinha desde a Erraticidade.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: não, é bem diferente do que pensa…
    /
    /
    “Quando der, façamos o experimento em mim então…”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: ok. Enquanto a oportunidade não surge podemos conversar a respeito e tentar alumiar o assunto em termos teóricos.
    /
    /
    “Podem atar com correias meus pulsos e porem 1 ponto luminoso pra eu olhar (tipo igual aos aparelhos que tem na óticas ou usam os oculistas). Podem ficar filmando isso pra se garantirem que não vou desviar os óio do hipnotista.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: o ponto luminoso é usado por alguns, mas não é o único meio de conseguir a atenção do paciente. Quanto a atar os pulsos desconheço que se use esse procedimento, que em nada ajudaria no processo.

  127. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “lembro que aqui mesmo, nas discussões havidas a respeito desses psíquicos ajudadores de polícia, tais foram devidamente explodidos.”
    .
    VITOR: Não foram não… abaixo casos analisados por céticos
    .
    a) http://obraspsicografadas.org/2017/crimes-e-desaparecimentosparte-16-2004/
    .
    b) http://obraspsicografadas.org/2017/crimes-e-desaparecimentos-resolvidos-com-a-ajuda-de-mediuns-ou-psiquicos-parte-14/
    .
    c) http://obraspsicografadas.org/2014/crimes-e-desaparecimentos-resolvidos-com-a-ajuda-de-mdiuns-ou-psquicos-parte-7/
    .
    /.
    CONSIDERAÇÃO: sugiro que examine as discussões havidas. De qualquer modo esses casos continuam no 1%…

  128. MONTALVÃO Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Nenhuma associação de arqueologia (ou algo semelhante) reconhece haver eficácia nessa tal “arqueologia psíquica”.”
    .
    VITOR: A CIA viu eficácia… o Instituto de Estudos Marinhos e Costeiros da Universidade do Sul da Califórnia viu eficácia… a NASA viu eficácia…
    .
    CONSIDERAÇÃO: algumas das citadas é associação de arqueologia? NASA e CIA um dia tiveram curiosidade sobre o paranormal, quero saber se têm esses “profissionais” atuando em seus quadros…
    .
    Agora, se o Instituto de Estudos Marinhos e Costeiros da Universidade do Sul da Califórnia garante que psíquicos são bons arqueólogos, aí tudo muda: não resta a menor dúvida… tem, por acaso, esse atestado para o exibir cá?

  129. MONTALVÃO Diz:

    /
    Gorducho Diz:
    .
    Espiritismo nada tem a ver com “paranormalidade” estatística.
    Ainda que se possa considera que “médiuns” sejam “paranormais”, não é fenômeno que tenha algum cabimento ser estudado fazendo joguinhos com desvios em relação às esperanças matemáticas.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: a paranormalidade que se conversa em ambientes religiosos, em geral, não é a “técnica”, a que envolve avaliação de experimentos e leva em conta mensurações estatísticas, não: é a idealização leiga e fracamente fundamendada de que certas pessoas se comunicam por telepatia, que alguns podem prever o futuro, notadamente catástrofes, coisas assim…
    /
    CONSIDERAÇÃO: É fato que espiritismo nada tem com a parapsicologia estatística, mas é certo que certos espíritas citam a paranormalidade amiúde… exemplos, Hernani Guimarães, Herculano Pires…

  130. MONTALVÃO Diz:

    /
    Gorducho Diz:
    .
    Poderia ter sandice maior que Pastores ficarem discutindo rotinas estatísticas em R, MATLAB, Python, ou na ferramenta que seja pra analisarem a ação de demônios sobre as criaturas ?
    /.
    CONSIDERAÇÃO: a esse nível de discussão realmente não teria sentido, pastores estão para salvar almas e oferecer prosperidade a quem quiser investir no fundo celeste. Minha ponderação referiu-se ao fato de que católicos e espíritas falam muito mais de parapsicologia que protestantes.

  131. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “por que o Vitor transforma pequenos escorregas de Randi em catástrofes e não acha nela nada de produtivo?”
    .
    VITOR: Você por muito menos condena Sheldrake. Impressionante como você usa dois pesos e duas medidas. Randi foi pego mentindo incontáveis vezes – a própria Blackmore não foi capaz de contar as mentiras em um único livro dele, imagina na obra toda – e muitas dessas mentiras são sérias e inaceitáveis para quem é visto como uma dos grandes “figurões” do ceticismo.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: Fala sério, pô! Quer comparar o alucinado Sheldrake com Randi? Quantos vigaristas o Sheldrake denunciou, além dele próprio (indiretamente com seus doudos experimentos)?
    .
    Não sou eu quem condeno o Sheldrake, ele a si próprio o faz: apenas informo de sua loucura, pois, admiravelmente há quem parece não perceber que o sujeito é um nada a ver, embora possa ser brilhantes noutras áreas.
    .
    Agora, veja só se não há mistério no imbróglio, observe suas palavras:
    .
    VITOR: “Randi foi pego mentindo incontáveis vezes”
    .
    CONSIDERAÇÃO: ora, quem seja pego mentindo “incontáveis vezes” no mínimo só abre a boca para proferir inverdades! Se puder sustentar o que diz com exemplos incontestes…
    /
    VITOR: a própria Blackmore não foi capaz de contar as mentiras em um único livro dele, imagina na obra toda
    /.
    CONSIDERAÇÃO: fala aqui pra mim, cê bebeu? Então vai dormir e amanhã reveja o que acabou de dizer e me fale se foi o álcool ou foi isso mesmo que pretendeu declarar!

  132. MONTALVÃO Diz:

    /
    MARCIANO: A línguagem binária-hexadecimal MOI é de alto nível (não no sentido do alto nível do blog, mas no sentido de linguagem de programação, qual seja, linguagem mais facilmente compreendida por humanos), contudo, embora tenha entendido todos os comandos, não fui capaz de fazer com que o computador a entendesse. Acho que vai ter de desenvolver uma linguagem de baixo nível (olhe lá, estou falando de programação) para que o computador possa entendê-la.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: posso desenvolvê-la se o agradar, precisarei tão somente adentrar em estado sonambúlico, o que nem sempre consigo, para poder acessar meu inconsciente inacessível, de onde extraio essa cogitações sheldrakeanas.
    .
    Mas já tem o Assembler que deve dar conta do exigido… e o Fortran, mas desse não tenho certeza se de baixo ou alto…

  133. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Amigo Marciano, o amigo que não gosta de ser chamado de ‘sr’. Como tem passado? Não deixe que o excesso de bebidas alcoólicas e mulheres também em excesso arruínem a sua vida. Seja moderado. O amigo é chegado em jogatina também? Cuidado para não por em apostas os bens conquistados com o sagrado trabalho. Desculpe se sou chato e puxo suas orelhas, mas o sr é tão inteligente, cita tão bem a Bíblia se mostrando ser ateu, que no fundo não acredito que o seja. Desculpe por sempre repetir os mesmos conselhos. Mas já vi colegas caírem por causa de mulheres e bebidas (tudo escondido) e não quero que o amigo vá pelo mesmo caminho.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: isso mesmo, amigo de Marte, não se esbalde com mulheres e bebidas, deixe um pouquinho pra nós também (embora eu já tenha me aposentado da atividade: prefiro cuidar de cachorros a correr atrás de fêmeas, e bebida um uisquinho vez por outra e uma kaiser quando estou arretado já dá para preencher meus vazios…) quero dizer, não queira tudo e todas só pra si… Lembre-se do que diz Pronômios!

  134. MONTALVÃO Diz:

    /
    ========================================
    CONSIDERAÇÃO: concordo muito com a 1ª assertiva, discordo um pouco da segunda. A depender do objetivo terapêutico os benefícios podem ser duradouros.
    ====================================
    .
    MARCIANO: Sabe de casos (verdadeiros, confirmados) de pessoas que tenham se livrado (permanentemente) de tabagismo, dipsomania, enurese noturna, etc., graças à hipnoterapia?
    /.
    CONSIDERAÇÃO: acho que tenho alguns, vou procurar e cá relatar, aguarde-mo, pois…
    /
    /
    MARCIANO: Já viu os casos de falsas memórias induzidas por terapeutas que tratam de alegadas vítimas de abuso sexual, de pessoas que fazem terapia de regressão, principalmente a vidas “passadas”, de pessoas que “lembram-se, sob hipnose, de terem sido abduzidas por imaginários alienígenas?
    /.
    CONSIDERAÇÃO: “ver”, no sentido de pessoalmente presenciar, não, afinal não foi de meu interesse envolvimento aprofundado nessa área de misticismos. Mas devo ter depoimentos desse tipo, idem como acima: vou procurar e cá relatar, aguarde-mo, pois…
    /
    /
    MARCIANO: O cisma está instalado na Bancada Quase Cética.
    Nem o Presidente e o Vice se entendem.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: tá doido sô! Quem é que tá se desendentendo? Não tô te entendendo…
    /
    /
    MARCIANO: Tenho receio de que o Excelentíssimo Senhor Presidente (com a devida vênia) esteja defendendo a EFICÁCIA da hipnoterapia com o mesmo denodo que a Administração defende a realidade dos alegados fenômenos ?.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: nossa senhora da conceição, protegei-nos: a conversa mal começou e já tiras suas conclusões? Se tiver dúvidas sobre o que penso indague, estou à disposição para tal.
    /
    /
    MARCIANO: Temo que a eficácia da hipnoterapia, caso exista, seja de atuação tênue, de ocorrência esporádica e imprevisível, sem controle da parte quem supostamente a emprega, e sem utilidade conhecida.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: está se repetindo…
    .
    Só para melhor situar a conversa e consertar desvios conclusivos apressados (se quiser pode conferir em comentários precedentes que fiz a respeito da hipnose): não considero essa técnica ao nível de panacéia. Poderes mágicos, capacidades excepcionais, inteligência incrementada, força sobre-humana, curas admiráveis, despertamento de paranormalidades… nada disso a hipnose proporciona. O que defendo é que há aplicações terapêuticas eficazes que surtem efeitos concretos e produtivos. Um exemplo é a analgesia, útil para dentistas quando lidam com pacientes que reagem mal aos anestésicos odontológicos.
    .
    A respeito do abandono de vícios, dominar fobias, controlar o pânico, digo que algumas pessoas se beneficiam, mas o sucesso não é geral, depende de vários fatores.
    .
    A hipnose, em verdade, é ferramenta auxiliar de terapias, ela em si não é uma terapêutica, porém pode um útil coadjuvante na área médica-psicológica.
    .
    Talvez agora fique melhor clareado meu ponto de vista, havendo novas questões não conclua antes de perguntar…
    .
    Por outro lado, entenda que não estou aqui a advogar a terapêutica hipnótica. Meu envolvimento nessa área advém de um treinamento prático, feito mais pela curiosidade de melhor conhecer a coisa. A única pessoa a quem dei a ideia de recorrer ao hipnotismo foi justamente a quem? Ao Marciano, devido à dificuldade que tem para conciliar o sono. Fi-lo como sugestão, não garantindo solução: disse que TALVEZ lhe fosse útil (pode consultar o comentário feito).
    .
    Portanto, continuo a defender que, em certos casos, a hipnose é útil. Até mesmo em casos de insônica crônica: sendo o paciente bom espécime hipnotizável deve conseguir dormir a partir de sugestões nesse sentido.
    .
    O que me causa espanto e admiração é que dessa posição que reputo moderada (pois nunca atribuí à hipnose nada de excepcional), posição essa que, creio, sempre foi mais ou menos clara desde que o tema veio à baila, se deduza que encaro essa arte com igual deslumbre com que outrem idealiza o paranormal.
    .
    Assim não dá pra ser feliz…

  135. MONTALVÃO Diz:

    /
    ==============================
    Enquanto a oportunidade prática não surge podemos discutir teoricamente o assunto, pois material não falta.
    ===================================

    “Assim, ficamos na mesma posição da Administração, com relação à paranormalidade. Só na retórica.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: realmente, não estou sendo bem compreendido…
    .
    Não trago, nem pretendi ou pretendo trazer, o tema hipnose como assunto ao nível da defesa do paranormal que o Vitor faz, ou da mediunidade que outros realizam. Tão somente afirmo que tem utilidade e essa afirmação pode ser resolvida em discussão, não meramente retórica, mas com a apresentação de ilustrações e estudos realizados.
    .
    Agora, se você entende que para sua pessoa não teria serventia, tudo bem, não há o que questionar. Do mesmo modo o Marciano, se ele está certo que não melhoraria da insônia submetendo-se a sessões de hipnotismo, ótimo, assunto encerrado.
    .
    Agora, condenar a hipnose como logro, fraude, ilusão, só porque não funciona com alguns é, no meu entender, incorreto.
    .
    O que posso fazer, se for de interesse de quem queira, é levar minha convicção adiante com argumentos e ilustrações e cotejar as objeções que surgiram. Em algum momento posso aceitar que realmente me equivoquei e a hipnose efetivamente é fantasia, ou conseguir sustentar minha opinião contra as opiniões contrárias, mesmo que a ninguém convença.
    .
    Da discussão nasce a luz, desde que os envolvidos a busquem.
    .
    E mesmo com relação ao paranormal não ficamos só na retórica. Mesmo sem experiências objetivas (mesmo porque seria difícil para nosso grupo realizá-las), há argumentos sólidos a demonstrar que psi, caso exista, é uma forcinha de nada. O desafio é entender como é que essa forcinha (caso exista) consegue tanta divulgação”
    .
    Igualmente no que diz respeito ao médium. Mesmo que não consigamos testar ninguém há argumentos fortes que testificam a irrealidade do imaginados contatos entre vivos mortos.
    .
    Quer dizer, a conversa aqui conduzida não é mero blablablá, ao contrário, é elucidativa.

  136. MONTALVÃO Diz:

    /
    MARCIANO DISSE: ” É por isso que eu acho que Vossa Excelência deveria aprender inglês proper, in the sense of up to a required or regular standard.”
    .
    Na idade do Montalvão não vale a pena mais aprender outra língua. O cérebro não consegue mais fazer as conexões necessárias para isso. Aliás, nem na minha idade vale mais a pena. É dinheiro jogado fora.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: viu? Falou meu médico predileto, nem preciso entrar na fila do SUS. Agora explique pra eu entender: não vale aprender porque estou com aquela doença do pai do Hitler ou porque meu cérebro, no seu diagnóstico, embotou? Só o meu ou o de todos na “minha idade”?
    .
    O que você precisa saber, doutor, é que o velhinho aqui inda dá suas cambalhotas, pelo menos até hoje: o dia de amanhã a Deus pertence. Então, como diria Hipócrates, enquanto há cambalhota há esperança…

  137. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Tinha a Cobol, Common Business Language, e uma outra, voltada para uso científico, FORTRAN, Formula Translation.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: tinha muito mais: ALGOL, PL1, FORTRAN, ASSEMBLER (baixo nível), BASIC… e outras que não recordo…

  138. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Montalvão precisaria de mais esforço, levaria mais tempo para aprender, se compararmos com sua (dele) capacidade quando era bem jovem, mas não acho que seja impossível.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: isso tio, já fui bem jovem, hoje apenas jovem sou… também não acho impossível, nada é impossível ao que crê… impossível é morto falar com vivo, pois se possível fosse já teríamos mostras concretas da presença dos falecidos entre nós…

  139. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Se Montalvão fosse nascido e criado na maior cidade da Escócia, falaria igualzinho ao Stephen.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: quase que lá nasci, mas a cegonha estava com o navegador quebrado e veio dar nas quebradas onde me jogou…

  140. MONTALVÃO Diz:

    /
    Pior que a Administração… :(
    Se entendi bem ELE se acha capaz de hipnotizar :shock:

    Bem, vamos ver em mim quando der…

    Não: é isso mesmo. Não acredito nem que exista.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: bem, meu amigo, pelo que percebo você pouco ou nada investigou sobre o assunto: tão somente decidiu que “não existe” e, consequentemente, não pode ser afetado por algo que não existe. E quem diz que teve sucesso deve estar sonhando…
    .
    Suponhamos que você realmente seja resistente, isso significa que sua ideia foi provada? Ora, se leu o comentário sobre a escala de Stanford verá que há vários níveis de sensibilidade entre os pacientes. Um contingente mínimo é plenamente arredio a sugestões hipnóticas e, na outra ponta, pequeno número é totalmente receptivo. Entre os extremos graus variados de respostas.
    .
    Pelo que entendo, no seu modo de ver “a coisa não existe”, portanto não vale o sacrifício de se inteirar melhor do assunto, a negação radical é que lhe basta para derribar qualquer argumento favorável, por mais moderado e bem ilustrado que seja.
    .
    Em tempo: sei sim, hipnotizar, afinal tive aulas práticas a respeito, portanto posso falar do assunto com mais autoridade de quem nada investigou. Porém aprendi e não pus em prática, embora o procedimento em si não envolva nenhum mistério há algumas nuances que só o exercício constante permite aprimorar. Portanto, não seria eu a pessoa ideal para experimentar com quem declaradamente é avesso ao procedimento.
    .
    Se quiser satisfazer sua curiosidade, aí onde mora deve haver quem pratique a hipnose com seriedade, faça contato com alguém assim e experimente. Mesmo que só confirme suas expectativas poderá falar do assunto melhor firmado. Simplesmente negar e fazer da negação argumento não é caminho produtivo.

  141. Marciano Diz:

    Nas horas mortas eu sempre tenho a última palavra.
    ===============================================================
    Por outro lado, entenda que não estou aqui a advogar a terapêutica hipnótica. Meu envolvimento nessa área advém de um treinamento prático, feito mais pela curiosidade de melhor conhecer a coisa. A única pessoa a quem dei a ideia de recorrer ao hipnotismo foi justamente a quem? Ao Marciano, devido à dificuldade que tem para conciliar o sono. Fi-lo como sugestão, não garantindo solução: disse que TALVEZ lhe fosse útil (pode consultar o comentário feito).
    ===============================================================
     
    Não estou acusando-o de advogar o uso da hipnoterapia.
    Se bem me lembro (pode ser conferido), fui bastante elegante ao declinar sua sugestão. Sei que o fez com a melhor das intenções. Tanto que, na época, não me manifestei sobre a eficácia.

     
    O que me levou a rediscutir o assunto foi a declaração aberta do Vice de que nem hipnose existe.
    Diferentemente do pensa o Vitor (que disse que comigo é 8 ou 80), acredito em hipnotismo, que algumas pessoas são sugestionadas por hipnose, umas mais suscetíveis, outras menos, sei que ninguém pode ser hipnotizado contra sua vontade, sei que os espetáculos vespertinos endereçados a donas de casa não passam de pantomima (no sentido de embuste).
     
    Só penso que a terapia hipnótica é sujeita à conjectura de Moi, tanto quando a ψ (minúscula proposital).
     
    Lembro-me de que contei, naquela ocasião, que não sou sugestionável (pode me chamar de refratário), que já me submeti a testes (colaborando, de boa), etc.
     
    Se quer discutir hipnose em si, entenda-se com a Vice-Presidência, que até lhe fez um desafio.
    Sou mero espectador.
     
    Em tempo:
    “Credo in Deum, pater omnipotentuem,
    Creatorem ceali e terrae
    Et in Jesum Christium, Filium ejus unicum, Dominus Nostrum
    Qui conceptus est de Spiritu Sancto
    Natus ex Maria Virgine
    Passus sub Pontio Pilato
    Crucifixus, mortus, Et sepultus
    Descendit ad infernos,
    Tertia dia ressurexit a mortuis
    Ascendit at caelos,
    Sedet at dexteram Dei Patris omnipotentis
    Inde venturus ET judicare vivos ET mortuos.
    Credo in Spiritum Sanctus,
    Sanctam Ecclesiam Catholicam,
    Sanctorum Communionem,
    Remissionem pecatorum,
    Carnis ressurrectionem,
    Vitam aeternam,
    Amem.”

    ===============================================================
    Agora, condenar a hipnose como logro, fraude, ilusão, só porque não funciona com alguns é, no meu entender, incorreto.
    ===============================================================
     
    Eu nunca disse que é logro, fraude ou ilusão. Nem o Vice, o médium G Grassouillet, fez tal afirmação. O que ele disse é que hipnose é ilusão ou encenação (assim entendi).
    Já eu penso que pode até ser melhor estudada, talvez tenha algo a oferecer além de mero entretenimento, mas hic et nunc, não está com essa bola toda.
     
    Claro que os espetáculos televisivos são pura encenação.
     
    Quanto aos pacientes que têm problemas com alguns sedativos, existem outros, também eficazes, sem a complicação e aleatoriedade do sono hipnótico (sem pleonasmo, o sono induzido por um estado alterado de consciência que algumas pessoas atingem, orientados por outrem).
     
    ===============================================================
    Mesmo sem experiências objetivas (mesmo porque seria difícil para nosso grupo realizá-las), há argumentos sólidos a demonstrar que psi, caso exista, é uma forcinha de nada. O desafio é entender como é que essa forcinha (caso exista) consegue tanta divulgação”
    ===============================================================
     
    A divulgação é porque o vulgo adora “mistérios”.
    Veja o exemplo da oração (absolutas, coordenadas ou subordinadas). Reza a lenda que as orações dão uma tremenda força a quem a elas recorre. São muito mais divulgadas do que a ψ (minúscula proposital). E muito mais antigas.
    O povaréu sempre gostou de explicações fantásticas, de viajar na maionese.

     
    DESAFIO AO MONTALVÃO:
    Aprenda inglês de verdade, no prazo de um ano, enriqueça seu vocabulário, obtenha uma gramática impecável, só para mostrar ao Vitor que a vitória é do velhinho.
     
    Intrujice no comentário endereçado à Vice-Presidência:
     
    Acaso acha que alguém pode ser hipnotizado contra sua vontade?
    Quem é hipnotizável no grau 12 da escala de Stanford, já foi hipnotizado muitas vezes pelo mesmo hipnotizador, tem nele a maior confiança, pode ser hipnotizado muito rapidamente, mas quem não quer ser hipnotizado não vai ser de jeito nenhum. Só a pau, madeira de dar em doido, bem no meio da moleira.
     
     
    Agora que está em rota de colisão com a Vice-Presidência, deve entender minha dificuldade de compreender que alguém possa afirmar a realidade do JC histórico só porque não concebe religião que não tenha alguém de carne e osso como raiz (é o que mais existe).
     
    Para que a Bancada Quase  Cética passe a ser realmente cética, torna-se necessário que o Presidente estude mais a fundo a hipnoterapia e que o Vice-Presidente estude mais a fundo a história das religiões (de fonte não religiosa, por supuesto).

     
    O segundo conselho vale para o Presidente também.

  142. Marciano Diz:

    Só para tornar minha palavra a penúltima e a última (ou a primeira e a segunda, dependendo de quando se começa a contar o novo dia):
     
    Parece que quase todo mundo nasce com vontade de acreditar em qualquer coisa que lhe for apresentada.
    Eu sempre duvidei de tudo, até prova robusta em sentido da realidade do que se afirma.
     
    Mesmo depois de provada alguma coisa cabalmente, estou sempre pronto a reconhecer contra-prova que mostre que não é beeeem assim.
     
    Marcianos são assim mesmo.
    Há muita coisa para corroborar meu pensamento. Vejam o modelo ptolomaico, por exemplo. Ou o modelo de Rutherford. Ou o homem de Piltdown. Ou …
     
    A alegria do palhaço é ver o circo pegar fogo:
     

    Hipnoterapia
    Hypnosis and the placebo effect are “so heavily reliant upon the effects of suggestion and belief that it would be hard to imagine how a credible placebo control could ever be devised for a hypnotism study.“ – R Barker Bausell
    A hipnose e o efeito placebo estão “tão fortemente dependentes dos efeitos da sugestão e da crença que seria difícil imaginar como poderia um controlo credível alguma vez ser planeado para a realização de um estudo sobre hipnotismo.
    A base da hipnoterapia é essa: o poder da sugestão. Depende, por definição, do efeito placebo para funcionar. Sendo assim é complicado ter alguma eficácia para lá desse efeito. Mesmo assim, vamos ver a evidência científica existente. E sobre esta técnica já existem mais estudos, mas a qualidade dos mesmos é, na generalidade, reduzida.
    Vamos focar-nos apenas nos tratamentos oferecidos pela Clínica da Mente, fazendo uma ressalva importante: segundo um estudo de revisão da Cochrane de 2010, a hipnoterapia não parece ser eficaz para deixar de fumar…mesmo comparando com a ausência de qualquer tratamento. E deixo esta informação porque este é um tratamento amplamente utilizado para o efeito.
    Relativamente aos tratamentos oferecidos na Clínica da Mente, a utilização da hipnoterapia não parece ser muito eficaz no tratamento da ansiedade crónica, incluindo fobias e stress pós-traumático, segundo a última revisão sistemática realizada em 2016:
    “To date, evidence is negative or insufficient to support the efficacy of hypnosis in chronic anxietydisorders, in any categories whatsoever – including phobia or PTSD. Specific further studies are needed to identify some potential profiles predictive of response to hypnosis in these conditions.”
    Até à data, a evidência é negativa ou insuficiente para suportar a eficácia da hipnose em transtornos de ansiedade crónica, em qualquer categoria – incluindo fobia ou perturbação de stress pós-traumático. Estudos adicionais são necessários para identificar perfis potenciais que possam responder à hipnose.
    No caso da depressão, as coisas complicam-se. Apesar da hipnoterapia ser uma terapia com décadas de existência, existem muito poucos estudos de qualidade que permitam avaliar a sua eficácia nesta patologia. Uma meta-análise de 2009 chegou aos seguintes resultados:
    “The authors concluded that hypnotic intervention appeared to be a viable non-pharmacological intervention to treat the symptoms of depression. In light of the poor quality of available trials, the presence of heterogeneity and the absence of information of comparator conditions, the reliability of the authors’ conclusions is unclear.”
    Os autores concluíram que a hipnoterapia parece ser uma intervenção não farmacológica viável para tratar os sintomas da depressão. À luz da má qualidade dos ensaios disponíveis, a presença de heterogeneidade e a ausência de informações sobre as condições de comparação, a fiabilidade das conclusões dos autores não é clara.
    Portanto, parece existir alguma eficácia, mas com muitas reservas. O que costuma acontecer é que, com o aumento da qualidade metodológica dos estudos, este efeito positivo desaparece.
    Por outro lado, há quem defenda que a hipnoterapia é um tratamento que deve ser considerado quando associado a outras intervenções psicológicas, como a terapia cognitivo-comportamental. Existe, inclusive, uma meta-análise de 1995 que conclui que a junção que esta associação é mais eficaz que a terapia cognitivo-comportamental de forma isolada, com melhores resultados em mais de 70% dos doentes. No entanto, esta meta-análise apresenta várias limitações. E, de qualquer das formas, não é este o tipo de tratamento que a Clínica da Mente aparenta oferecer.
    Um artigo extremamente interessante (e que será abordado quando falarmos do tratamento da depressão) conclui, com base na evidência, que todos os tratamentos existentes para a depressão, farmacológicos ou não farmacológicos, não são muito diferentes do placebo.
    Os antidepressivos funcionam melhor que o placebo, principalmente com o aumento da gravidade da depressão, mas mesmo assim os seus efeitos poderão não ser clinicamente significativos. Tendo isso em consideração, a oferta da terapia cognitivo-comportamental como tratamento de primeira linha faz mais sentido (e é assim que deve ser nas depressões ligeiras), já que a eficácia do tratamento é semelhante e os efeitos são mantidos durante mais tempo, quando comparado com os antidepressivos. Considera também que a junção da hipnoterapia à terapia cognitivo-comportamental funcionará como um reforço do efeito placebo, aumentando a sua eficácia no tratamento dos sintomas.
    Isto é em parte verdade, mas não é a verdade toda. Tal será discutido num artigo dedicado exclusivamente à depressão (é um assunto controverso). Mas para já, a mensagem a levar daqui é que habitualmente a hipnoterapia nem sequer é considerada para tratamento de primeira linha, mas como adjuvante a outras técnicas de psicologia.
    Relativamente à perturbação do sono, uma revisão sistemática de intervenções para melhorar a qualidade do sono em estudantes de faculdade conclui:
    “In line with reviews that focused on (older) adults, this review recommends CBT to improve sleep in college students. Relaxation techniques, mindfulness and hypnotherapy should be combined with CBT to enhance the effects on comorbid mental health problems.”
    Em consonância com avaliações realizadas em adultos (mais velhos), esta revisão recomenda a terapia cognitivo-comportamental (TCC) para melhorar o sono em estudantes universitários. As técnicas de relaxamento, mindfulness e hipnoterapia devem ser combinadas com TCC para aumentar os efeitos sobre estes problemas de saúde mental.
    Uma meta-análise de RCTs realizada em 2015, sobre a hiponoterapia no tratamento da insónia conclui:
    “Eleven of the 13 studies had low methodological quality, (…) and high risks of bias in blinding and design of the control interventions. Meta-analyses found hypnotherapy significantly shortened sleep latency compared to waitlist (standardized mean difference, SMD=-0.88, 95% confidence interval (CI): -1.56, -0.19, P=0.01, I(2)=15%), but no difference compared to sham intervention (SMD: -1.08, 95% CI: -3.15, 0.09, P=0.31, I(2)=90%).”
    Onze dos 13 estudos apresentavam baixa qualidade metodológica (…) e alto risco de viés na ocultação e no desenho das intervenções controlo. A meta-análise encontrou um período de latência de sono reduzida em comparação com a lista de espera (diferença de média padronizada, SMD =-0,88, intervalo de confiança 95% (IC): -1,56, -0,19, P = 0,01, I (2) = 15%), mas nenhuma diferença em comparação com a intervenção simulada (SMD: -1,08, IC 95%: -3,15, 0,09, P = 0,31, I (2) = 90%).
    Ou seja, existiu uma diminuição da latência do sono (período de tempo necessário para realizar a transição da vigília para o sono profundo) comparado com não fazer nada. No entanto, não houve diferenças relativamente ao placebo.
    Uma avaliação da evidência de 2016 sobre intervenções psicológicas em veteranos de guerra com perturbações de sono conclui:
    “There was sufficient evidence to support CBTi with adjunctive psychotherapy for veterans with PTSD-related sleep disturbances, although the evidence for CBTi in the treatment of general sleep disturbance for veterans was ranked as “promising.” This indicates a beneficial effect, but more research is needed to confidently establish efficacy in a veteran population. There is currently insufficient evidence to support the use of sleep hygiene education and pharmacotherapy, hypnotherapy, or mind-body bridging.”
    Existe evidência suficiente para apoiar terapia cognitivo-comportamental com psicoterapia adjuvante para veteranos com distúrbios do sono relacionados ao stress pós-traumático, embora a evidência sobre a terapia cognitivo-comportamental no tratamento do distúrbio geral do sono para veteranos tenha sido classificada como “promissora”. Isso indica um efeito benéfico, mas é necessária mais pesquisa para estabelecer com segurança a eficácia na população veterana. Atualmente, existem provas insuficientes para apoiar o uso da educação e farmacoterapia de sono, hipnoterapia ou terapias mente-corpo.
    Concluindo: Para a perturbação de sono, não parece existir grande eficácia. E existindo eficácia, a hipnoterapia deve ser combinada com a terapia cognitivo-comportamental. Ou seja, não deve ser usada de forma isolada.
    Relativamente à perturbação obsessivo-compulsiva, em 2007 ainda se discutia como a hipnoterapia poderia ser uma intervenção baseada na evidência científica. Uma revisão dos tratamentos nesta patologia realizada no mesmo ano não considerava, sequer, a hipnoterapia. Em 2011 discutiam-se casos clínicos para a introdução da hipnoterapia como tratamento adjuvante da terapia cognitivo-comportamental.
    Não existem mais revisões da evidência sobre o tema. Guidelines de 2014 e guidelines de 2017 para tratamento desta patologia não consideram a hipnoterapia como uma hipótese de tratamento, mesmo como tratamento de segunda ou terceira linha.
    As guidelines da NICE dizem o seguinte:
    “When adults with OCD request forms of psychological therapy other than cognitive and/or behavioural therapies as a specific treatment for OCD (such as psychoanalysis, transactional analysis, hypnosis, marital/couple therapy) they should be informed that there is as yet no convincing evidence for a clinically important effect of these treatments.”
    Quando adultos com TOC (transtorno obsessivo-compulsivo) solicitam formas de terapia psicológica diferentes das terapias cognitivas e /ou comportamentais como um tratamento específico para o TOC (como psicanálise, análise transacional, hipnose, terapia conjugal), estes devem ser informados de que não existe ainda há evidências convincentes de um efeito clinicamente importante para estes tratamentos.
    Concluindo: Não há evidência suficiente para recomendar a hipnoterapia como tratamento isolado para os transtornos obsessivo-compulsivos. E mesmo associado à terapia cognitivo-comportamental, as coisas ainda estão muito verdes.
    Porque falamos da Clínica da Mente?
    A Clínica da Mente não é diferente de outras clínicas que existem em Portugal. Infelizmente existem várias clínicas que oferecem este tipo de tratamentos com muito poucas provas dadas.
    No entanto, a Clínica da Mente tem alguns problemas peculiares.
    • A utilização de “estudos científicos”, que como ficou demonstrado têm muito pouco interesse na validação da eficácia dos tratamentos que promove. Uma má utilização da ciência para promoção comercial.
    • A recaixotagem de tratamentos amplamente conhecidos (hipnoterapia e reprogramação neurolinguística) por questões de marketing. “Somos únicos!…Só nós é que fazemos isto!”. Não será bem assim;
    • A referência ao “lobby da medicação” em algumas presenças televisivas, quase que descartando a eficácia dos medicamentos em detrimento dos tratamentos que esta clínica que oferece…o habitual “v€nha a nó€, os outros estão a enganá-lo”.
    Importante: O “lobby das farmacêuticas” existe e tem sido extremamente prejudicial para os doentes e cidadãos em geral, em determinadas circunstâncias. Os medicamentos antidepressivos têm uma eficácia controversa, principalmente nas depressões ligeiras. Mas descartar estes efeitos e prometer a remoção completa de comprimidos recorrendo a tratamentos placebo é perigoso e desaconselhado.
    Podemos, da mesma forma, dizer que o “lobby da Clínica da Mente” existe. O objetivo da clínica é o mesmo que o objetivo da indústria farmacêutica: ter lucro; ganhar dinheiro; pagar as contas. Não há beneméritos nesta história.
    O importante é se estamos a fornecer um serviço que funciona ou não em troco de dinheiro. E também é importante como oferecemos esse serviço. Utilizar “ciência” para promoção de tratamentos placebo é errado.
    Concluindo
    A Clínica da Mente assemelha-se bastante a uma clínica placebo. A reprogramação neurolinguística não tem provas dadas da sua eficácia e a hipnoterapia é, por definição, um placebo já que funciona através da sugestão.
    No entanto, respeitando a evidência existente, poderá existir algum interesse na utilização da hipnoterapia juntamente com a terapia cognitivo-comportamental para o tratamento da depressão e eventualmente da perturbação de sono.

  143. Marciano Diz:

    Agora vou tomar Rohypnol&#8480, Dormonid&#8480 e Apraz&#8480 para ver se durmo um pouco.
    Primeiro vou tomar umas doses de whisky.
    Johnny Walker Platinum&#8480.

  144. Marciano Diz:

    Tentando corrigir (comecei a beber cedo demais?):
    Rohypnol℠, Dormonid℠ e Apraz℠
    Johnny Walker Platinum℠.

  145. Marciano Diz:

    Não era isto.
    Rohypnol®, Dormonid® e Apraz®
    Johnny Walker Platinum®.

  146. Marciano Diz:

    Estou ficando (mais) burro. Ou mais dependente. Não necessariamente nesta ordem.

  147. Marciano Diz:

    Não sei o porquê, mas eu confio mais na química do que nas mencionadas terapias.

  148. Marciano Diz:

    https://www.scimed.pt/geral/hipnoterapia/clinica-da-mente-e-hipnoterapia-evidencia-cientifica-eficacia/

  149. Marciano Diz:

    Médicos também podem ser céticos.

  150. Gorducho Diz:

    HIPNOTISMO
     
     
     
    tão somente decidiu que “não existe”
     
    Não, eu falei que não acredito que exista.
     
     
    E quem diz que teve sucesso deve estar sonhando
     
    Veja que esse seu argumento se aplica ipsis pra “mediunidade” espírita ou pro cidadão aquele que enxergou os caras trabalhando pelados na Lua
    :lol:
     
     
    Suponhamos que você realmente seja resistente, isso significa que sua ideia foi provada?
     
    Não; significa que eu seguirei não acreditando.
     
     
    na outra ponta, pequeno número é totalmente receptivo. Entre os extremos graus variados de respostas.
     
    Idem em relação às crenças nas alegações do espiritismo…
     
     
    portanto não vale o sacrifício de se inteirar melhor do assunto, a negação radical é que lhe basta
     
    Justo o contrário tanto que estou me propondo ir aí junco c/vocês.
    Apesar que sacrifício não é pois pago visitas pendentes e conheço-os…
     
     
    aí onde mora deve haver quem pratique a hipnose
     
    Desconheço. Mas, sim: passarei a divulgar de público essa minha (des)crença e quiçá apareça…

  151. Gorducho Diz:

    Pergunta pro Analista Marciano:
    ¿O Sr. foi hipnotizado?

  152. Eu Sou a Universal Diz:

    Entendi Sr Gorducho.
    ===========================
    Que bom amigo Marciano que o amigo não é chegado em apostas de jogatinas. Mulheres e álcool é só moderar.
    ==============================
    Sr Vitor, vamos aguardar esse livro do sr Chico Xavier. Continuarei lendo e postando eventualmente.
    =============================
    Sr Montalvão, respondendo-o sobre o desinteresse meu sobre a paranormalidade, digo que sei o básico sobre ela que é suficiente para mim, já o Espiritismo é muito mais perigoso e enganador, esse preciso saber mais.

  153. Eu Sou a Universal Diz:

    Não completei amigo Marciano, é só moderar até não beber mais álcool e ficar com apenas uma mulher. Esse seria o objetivo. O amigo faz uso de tabaco também? Se fuma, largue isso imediatamente. Perdi parentes para o cigarro, é triste a morte por falta de respiração. Talvez a pior das mortes. É duro ver o parente tossindo e ficando roxo e o ar faltando. Eu não estava pessoalmente no hospital, mas assim me foi relatado o sofrimento de dois parentes, a morte foi quase idêntica.

  154. Gorducho Diz:

    O Sr. ACREDITA na possibilidade de “paranormalidade” existir, Pastor :?:
    I.e.: dum “psíquico” poder desvendar algum homicídio;
    ou encontrar uma pessoa sequestrada;
    ou enxergar o futuro…
    &c…

    Que diz a Bíblia (V + NT) sobre essa possibilidade 靓

  155. Gorducho Diz:

    ERRATA
    Onde se lê “bonito”
    leia-se ❓
     
    Desculpem (acho que um espírito conduziu meu lápis)
    :oops:

  156. MONTALVÃO Diz:

    /
    ==============================
    Enquanto a oportunidade prática não surge podemos discutir teoricamente o assunto, pois material não falta.
    ===================================
    GORDUCHO: “Assim, ficamos na mesma posição da Administração, com relação à paranormalidade. Só na retórica.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: o problema da administração não é propriamente a retórica, aliás, o único retórico que lembro tenha por aqui transitado foi o amicíssimo do Vitor, o Scur. A não ser esteja usando retórica no sentido de conversa de botequim (o que seria inaplicável), afirmo que o administrador não é dado a essa arte. O Vitor argumenta ferozmente e buscar firmar seus pontos de vista com generosas exemplificações, conquanto vez por outra quede para falácias.
    .
    Entretanto, há mistério no Vitor, disso não fica dúvida, e o mistério a ser desvendado é o porquê de seu agarradio à tese de que psi seja força ativa, intensa, controlável por quem supostamente a possua, e que tenha utilidade.
    .
    Por outro turno, parece haver réstia de luz ao que se desconfia seja o fim do túnel. A inclusão do French no rol de admirados pelo Visoni tende indicar que real mudança de visão esteja em andamento. É possível brevemente venha o Vitor concordar que praticamente todo o afirmável de psi esteja contido nas Conjeturas de Moi (sim no plural, porque são duas, a 1ª e a 2ª…).

  157. MONTALVÃO Diz:

    /
    Diferentemente do pensa o Vitor (que disse que comigo é 8 ou 80), acredito em hipnotismo, que algumas pessoas são sugestionadas por hipnose, umas mais suscetíveis, outras menos, sei que ninguém pode ser hipnotizado contra sua vontade, sei que os espetáculos vespertinos endereçados a donas de casa não passam de pantomima (no sentido de embuste).
    /.
    CONSIDERAÇÃO: no que diz respeito a “ninguém poder ser hipnotizado contra sua vontade”, embora seja verdade não é a total verdade. É fato que a vontade impera, mas fala-se que hipnotizadores habilidosos podem criar um ambiente favorável à hipnose e obter o efeito, mesmo com pessoas refratárias. Há depoimentos, por exemplo, dando conta de que Milton Erickson, famoso hipnoterapeuta, conseguia hipnotizar a partir de um bate-papo descontraído.
    .
    Falando em Erickson, desconfio que o seu poltergeist esteja fazendos das suas cá em casa. Há alguns meses, de tanto o Vitor afirmar que discutiria as ingenuidades do Krippner (para ele grandes revelações) na pesquisa que fez com Amir Amyden, resolvi escanear o livro que fala do assunto (Transcomunicação, o Fenômeno Magenta). Tomada a decisão, eis que a obra some de minha estante, de tal modo que até hoje não a localizei!
    .
    Agora que prometi postar casos ilustrativos de hipnose, fui em busca do material que tenho sobre o Milton Erickson e cadê ele? Desd’ontem busco-o em vão.
    .
    Antes que desconfie que tento pular fora da encrenca, noticio que se o poltergeist pretendeu me ferrar não o conseguiu de todo, pois algumas obras, de outros autores, localizei: vou buscar nelas o que de útil possa se oferecer.
    .
    Viva para ver…

  158. MONTALVÃO Diz:

    /
    MARCIANO:
    “Credo in Deum, pater omnipotentuem,
    Creatorem ceali e terrae
    Et in Jesum Christium, Filium ejus unicum, Dominus Nostrum
    Qui conceptus est de Spiritu Sancto
    Natus ex Maria Virgine
    Passus sub Pontio Pilato
    Crucifixus, mortus, Et sepultus
    Descendit ad infernos,
    Tertia dia ressurexit a mortuis
    Ascendit at caelos,
    Sedet at dexteram Dei Patris omnipotentis
    Inde venturus ET judicare vivos ET mortuos.
    Credo in Spiritum Sanctus,
    Sanctam Ecclesiam Catholicam,
    Sanctorum Communionem,
    Remissionem pecatorum,
    Carnis ressurrectionem,
    Vitam aeternam,
    Amem.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: li o texto, sem usar o google, e fui obrigado a passar a crer em paranormalidade, pois vivenciei claro fenômeno de anorexia, digo, glossolalia, não! Pô, como é o nome mesmo? (Sai pra lá poltergeist, não queira dar munição ao Vitor)…ééééeé…bem vou lembrar daqui a pouco, tenho certeza. É quando o sujeito consegue falar e entender língua que nunca estudou.
    .
    Li o latim como se português fosse!
    .
    Pronto, tô convertido!
    .
    ——————–
    Sou peregrino na Terra
    E longe estou do meu lar
    Minh’alma anelante espera
    Que Cristo a venha buscar
    Aqui só há desprezo
    As lutas não têm fim
    Mas de Jesus a presença
    Glória será para mim[...]
    ——————-
    .
    Essa vai para o pastor, mas se mais alguém quiser se deleitar com a belíssima canção, visite:
    https://www.youtube.com/watch?v=vokdP7N1ZnY
    /.
    Rarrá: sabia que lembraria sozinho: xenoglossia!

  159. MONTALVÃO Diz:

    /
    “DESAFIO AO MONTALVÃO:
    Aprenda inglês de verdade, no prazo de um ano, enriqueça seu vocabulário, obtenha uma gramática impecável, só para mostrar ao Vitor que a vitória é do velhinho.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: taí, pra mostrar que sou macho pra dedéu: desafio aceito!. No dia 24/2/2019, às 11h20min faça a cobrança!

  160. Gorducho Diz:

    GORDUCHO: “Assim, ficamos na mesma posição da Administração, com relação à paranormalidade. Só na retórica.”
     
     
    Não me lembro de ter dito isso, mas é isso mesmo.
    E por material comprobatório em relação ao hipnotismo, também os há aos milhares em relação ao Espiritismo e à Parapsicologia.
    Veja: se alguém que não queira ser hipnotizado – claro: não vale desviar os óio…– não o seja recai no causo da credulidade.
    Quem QUEIRA acreditar que recebeu uma cartinha da titia falecida acredita.
    Quem não queira, não acredita.
    Isso não significa que a o espírito da titia esteja lá naquele estranho dispositivo celestial (se lembra que S/Pessoa comentou acerca dela cá nos bons tempos que o Sítio se dedicava a seus objetivos ❓ ).
    O paciente QUERENDO ser hipnotizado…

  161. Gorducho Diz:

    Do ponto que cantavam no Terreiro (onde vovó se curou de cobreiro…) só me lembro o finalzinho :(
     
    ?
    no terreiro de umbanda chegou Pai Jobim!
     
     
    Na verdade na m/mente está em feminino:
    “na terreira”
    mas talvez seja má lembrança minha…

  162. MONTALVÃO Diz:

    /
    ” torna-se necessário que o Presidente estude mais a fundo a hipnoterapia”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: aí não tenho como não ficar perdido! Esforcei-me por, resumidamente, explicar o que penso da hipnose. Acredito que tenha lido, entretanto, a respeito dessa explanação nada disse, apenas me aconselha a estudar mais a fundo. Tudo bem, bom conselho, mas onde há falha no que ponderei, em seu modo de encarar a arte de hipnotizar?

  163. Gorducho Diz:

    Claro que os fatos da natureza existem ou não existem – a menos que se seja solipsista, claro – independentemente de razões ideológicas (como aqueles sociólogos noruegueses que queriam ajustar a biologia às teses sociológicas deles :mrgreen: ).
    Então, nenhuma “objeção” séria quanto ao real pode ser baseada em razões ideológicas, bien sûr.
    Mas, admitida a realidade do hipnotismo, tem-se que admitir que basicamente o Mesmer teria razão. Tem que haver alguma forma de “fluído magnético”, num senso figurativo pra “campo” de “alguma coisa” que emane do master pra dentro do cérebro e permita controlar o paciente.

  164. Gorducho Diz:

    ¾ de caminho aberto pro espiritismo também ser real.

  165. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Sr Montalvão, respondendo-o sobre o desinteresse meu sobre a paranormalidade, digo que sei o básico sobre ela que é suficiente para mim, já o Espiritismo é muito mais perigoso e enganador, esse preciso saber mais.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: tudo bem, caro servo do Senhor, meu comentário não foi dirigido especificamente à sua pessoa, embora tenha sido por sua presença inspirado: ponderei que as alegações do paranormal não parecem sensibilizar o meio protestante tanto quanto sensibiliza outras linhas religiosas.

  166. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Gorducho Diz:
    FEVEREIRO 24TH, 2018 ÀS 7:43 AM
    Pergunta pro Analista Marciano:
    ¿O Sr. foi hipnotizado?

    ===============================================================
     
    Nunca. Mas quando era policial, tive um colega que, da mesma forma que o Montalvão, recebeu treinamento como hipnotizador e hipnotizava pessoas.
    Sabendo de minha insônia, ele me propôs hipnoterapia (veja que coincidência!). Conversando a respeito, eu disse-lhe que conhecia (teoricamente) o assunto, mas que não acreditava muito na eficácia.
    Ele me propôs que fizéssemos uns testes, para avaliar como eu me situava na escala de Stanford. Topei, colaborei, mas ele teve sucesso zero comigo, e concluiu que eu era refratário.
    Não conseguiu que eu mantivesse os dedos cruzados, que mantivesse um braço esticado, etc.
    Concluiu que eu me situava no nível zero da escala, ou seja, refratário.
     
    Para evitar que alguém mais afoito não veja a resposta, vou mudar a tática e passar a responder a cada comentário por vez.

  167. Marciano Diz:

    Pastor, eu detesto cigarro.
    Sinto-me extremamente incomodado quando alguém fuma perto de mim. Mas sou bastante educado e finjo que não ligo.

     
    Não é por causa dos supostos efeitos maléficos do fumo, é porque eu não gosto mesmo.

  168. Marciano Diz:

    ===============================================================
    MONTALVÃO Diz:
    FEVEREIRO 24TH, 2018 ÀS 10:41 AM
    /
    ==============================
    Enquanto a oportunidade prática não surge podemos discutir teoricamente o assunto, pois material não falta.
    ===================================
    GORDUCHO: “Assim, ficamos na mesma posição da Administração, com relação à paranormalidade. Só na retórica.”

    ===============================================================
     
    Novamente sinto-me honrado e lisonjeado pela confusão, mas cuidado, Sr. Presidente! Atenção! Quem disse isto fui eu.

  169. Marciano Diz:

    Correção da falta de atenção do Presidente:
    CLIQUE AQUI para conferir sua falta de atenção, Presidente.

     
    VITOR, peço-lhe desculpas pela dúvida.
    Acho que o Presidente não mais tem mesmo condições de se tornar proficiente em inglês.

  170. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Há depoimentos, por exemplo, dando conta de que Milton Erickson, famoso hipnoterapeuta, conseguia hipnotizar a partir de um bate-papo descontraído.
    ===============================================================
     
    Quem escreveu isto, Vitor ou Montalvão?
    Parece o estilo do Vitor.
     
    ===============================================================
    … resolvi escanear o livro que fala do assunto (Transcomunicação, o Fenômeno Magenta). Tomada a decisão, eis que a obra some de minha estante, de tal modo que até hoje não a localizei!
    ===============================================================
     
    Fenômeo meramente quântico teórico aparentemente detectado no mundo real.
    Ou seja a falta de memória mesmo (Alois)?.

     
    Um momento, Presidente, pois já volto para continuarmos nossa prosa.
    O dever me chama (mesmo no dia do Senhor – que é hoje, não amanhã, como distorceram os cristãos).
     
    Em tempo:
    O poltergeist não é meu, é do blog. Eu apenas o detectei, como Alois (não o pai do Führer, o outro).

  171. Marciano Diz:

    Problema resolvido com um simples telefonema.
    O que é a tecnologia…
    ===============================================================
    li o texto, sem usar o google, e fui obrigado a passar a crer em paranormalidade, pois vivenciei claro fenômeno de anorexia, digo, glossolalia, não! Pô, como é o nome mesmo? (Sai pra lá poltergeist, não queira dar munição ao Vitor)…ééééeé…bem vou lembrar daqui a pouco, tenho certeza. É quando o sujeito consegue falar e entender língua que nunca estudou.
    .
    Li o latim como se português fosse!

    ===============================================================
     
    A paranormalidade deve-se a dois fatores: comecemos pelo menos importante (in casu>.
     
    Tu que vives e citar Bilac (última flor do Lácio), deves muito saber que o português é apenas um dos dialetos que provieram do latim, por isso mesmo, para quem fala português (mais ainda se fala italiano) o latim é língua extremamente fácil. 
     
    O que mais deve ter contribuído para o fenômeno é que a oração é o Pater Nostrum, muito conhecida por quem vive num país de grande número de católicos.
     
    Quanto à palavra que o Alois não te deixa lembrar (se não for picardia de sua parte, ironia fina) é xenoglossia.
     
    Já o poema que transcreveste (não sou bom em literatura), dessa vez me pegaste. Não conheço.
    Ou também estou assombrado pelo Alois ou é de sua autoria.
    Ou é de alguém importante, mas, como disse, não conheço literatura tão bem.
    Muito mal conheço os clássicos. Muito mal mesmo.

  172. Marciano Diz:

    Desculpe-me, Presidente.
    Afobei-me, igual a ti.
    Não terminei de ler o comentário.

  173. Marciano Diz:

    CONSIDERAÇÃO: taí, pra mostrar que sou macho pra dedéu: desafio aceito!. No dia 24/2/2019, às 11h20min faça a cobrança!
     
    I’ll probably not remember it then.
    It’s up for you to remind me. Do it, in the due time, and I’ll provide you a text with a nearly insurmontable level of difficulty, even for native speakers.
    We’ll then see who’s right and who’s wrong. You or Vitor.
     

  174. Marciano Diz:

    Pardon me! It’s up to you. Even I go astray sometimes.

  175. Marciano Diz:

    insurmountable – that one is the work of the poltergeist.
    He suppresses some letters, every now and then, and you know it.

  176. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Gorducho Diz:
    FEVEREIRO 24TH, 2018 ÀS 11:22 AM
    GORDUCHO: “Assim, ficamos na mesma posição da Administração, com relação à paranormalidade. Só na retórica.”

     
     

    Não me lembro de ter dito isso, mas é isso mesmo.

    ===============================================================
     
    Se se lembrasse, seria caso de criptomnésia, pois fui eu quem o disse, como esclareci ao Presidente, mais acima.
     
    ===============================================================
    O paciente QUERENDO ser hipnotizado…
    ===============================================================
     
    Pois eu quis, e nem assim rolou.

  177. Marciano Diz:

    ===============================================================
    no terreiro de umbanda chegou Pai Jobim!

    ===============================================================
     
    Nunca ouvi falar de tal “entidade”.
    Talvez não seja só “a terreira” que esta distorcido em sua memória.
    Não que eu conheça cada espírito de macumba, claro, mas é que Jobim não parece nada com os nomes que eles têm.

  178. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Tudo bem, bom conselho, mas onde há falha no que ponderei, em seu modo de encarar a arte de hipnotizar?
    ===============================================================
     
    Não é bem essa a questão.
    É que depositas mais crédito na conta da hipnoterapia do que ela realmente tem.
    Leu o artigo português, que postei apenas para pôr lenha na fogueira?

  179. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Mas, admitida a realidade do hipnotismo, tem-se que admitir que basicamente o Mesmer teria razão. Tem que haver alguma forma de “fluído magnético”, num senso figurativo pra “campo” de “alguma coisa” que emane do master pra dentro do cérebro e permita controlar o paciente.
    ===============================================================
     
    Também não é beeeeeeem assim.
    Como eu escrevi mais acima e o Presidente tem capacidade de esclarecer muito melhor do que eu, o paciente é ajudado pelo hipnotizador a pôr-se num estado alterado de consciência, uma espécie se sonho em vigília.
     
    É um estado entre o sono e o estado de vigília, em que (alguns) pacientes ficam mais suscetíveis às sugestões.
    Ao alguns, uns mais, outros menos.
     
    Qualquer um pode sugestionar outro, sem hipnose (eu mesmo já o fiz).
    Se você fingir bem estar sentindo um cheiro de coisa queimando, na presença de várias pessoas, mostrar-se preocupado (principalmente se for num dos últimos andares de um prédio bem alto) é bem provável que várias, ou pelo menos algumas pessoas, comecem a sentir um leve cheiro de queimado, liguem para a portaria, olhem pelas janelas, etc.
     
    Você acabou de sugestionar um monte de otários em vigília.
    Experimente!
    Imagine outras coisas.
     
     
    Segundo a hipótese hipnótica, durante o sono hipnótico o paciente fica com essa sugestionabilidade que quase todos têm em maior ou menor grau, digamos assim, aumentada.
    Capisce?
     
    Nada a ver com forças, campos, etc.
    Tudo se passa no interior do cérebro do hipnotizado.
     
    Quando você está dormindo, pode sonhar que está tomando cerveja comigo e com o Montalvão, quando um cão do Montalvão morde sua perna.
    Às vezes até sente dor no local.
     
    Não existe campo ou força nenhuma. Tudo ocorre dentro de seu cérebro.
     
    Seria mais ou menos a mesma coisa.
    Segundo eles.
     
     
    Agora, cavalheiros, se me dão licença, terei de ausentar-me por um breve tempo, pois tenho outros afazeres.
     
    Terei a maior satisfação em retomar a conversa brevemente, espero, com a graça de Nossa Senhore – não a de Lourdes, a de Fátima, aquela que desviou o projétil que transitava pelo intestino do papa.

  180. MONTALVÃO Diz:

    /
    “O cisma está instalado na Bancada Quase Cética.
    Nem o Presidente e o Vice se entendem.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: Martiniano lembra-me meus tempos de escola ginasiana (sim, estudei em escolas, apesar de alguns não acreditarem). Quando a turma do agito achava que as coisas estavam calmas demais incrementavam o pancrácio. Selecionavam um aluno nervosinho e lhe diziam: “ó, Fulano xingou sua mãe”, depois iam ao outro: “ó, Beltrano xingou sua mãe”.
    .
    Às vezes não dava em nada, mas quando dava era MMA pra ninguém botar defeito. Lembro de dois que começaram a briga antes de tocar a entrada, continuaram durante o recreio e na saída levaram adiante o acerto. Um deles treinava judô e capoeira e batia direitinho, o outro apanhava que nem boi ladrão, mas, raçudo como poucos, não desistia. Só de rasteira deve ter levado umas vinte, sem problema: caia, levantava e partia pra luta…
    .
    Eu, como não fora abençoado pela natura com físico privilegiado, preferia manter-me ao largo dessas contendas. Porém, quando desafiado não podia passar por medroso, pois esta era a maior desonra que se poderia imaginar. Então dava meu jeito de sair bem da refrega sem risco da pecha de timorato.
    .
    Certa vez um fortão da sala avisou que me pegaria na saída. Tremi mas não demonstrei, respondi que não via homem pra isso. Enquanto comprava a briga já preparava a estratégia de defesa. Em frente ao colégio estava sendo feito uma obra de canalização de um córrego, que se transformara em valão. Os operários cavaram um buraco que eu e alguns, levinhos que éramos (aos doze anos pesava 30 kg, a maioria dos outros era, no mínimo, cinco quilos além), pulávamos dentro sem titubear. Eu presenciara meu carrasco várias vezes demonstrar incapacidade de fazer o mesmo.
    .
    Então, na saída rapidinho lancei-me dentro do buraco e o espicacei a fazer o mesmo. Deu certo, o sujeito não achou coragem e acabou desistindo, avisando que resolveria depois. Nos dias seguintes bastou-me sair da escola correndo feito louco, sob a alegação de que minha mãe (na verdade madrasta) me esperava para ir ao médico…
    .
    Doutra feita estava eu com um grupo a caminho de casa e devo ter dito algo que desagradou a um mastodonte. Sem hesitar jogou seu material no chão e começou a tirar a camisa, avisando que iria me quebrar a cara. 99% do meu cérebro dizia: “corre, senão vais apanhar!”; o 1% retrucava: “se correr amanhã serás a chacota da escola”.
    .
    Fiquei com o menor percentual: aproveitei que ele estava atrapalhado com a camisa e ataquei com todos os golpes marciais que conhecia: tapão, bufete, pescoção, soco-doido. Rapidinho a torcida passou a me apoiar e incentivar. Mas logo percebi que meus golpes pouco o incomodavam e meus braços estavam se cansando… compreendi que a tragédia se avizinhava…
    .
    Contudo, Deus sempre protege os fracos: um anjo veio em minha defesa. Uma mulher apareceu e nos deu a maior bronca, dizendo que deveríamos ser amigos, que estudar em vez de brigar, blablablá… Enquanto ela falava peguei meu material e saltei fora, meu oponente ficou meio paralisado ante a intervenção angélica. Já numa distância segura o ouvi a me desafiar: “volta aqui, se você for homem!”. Fiz de conta que não ouvi e segui em frente. Já havia contabilizado a vitória, não precisava provar mais nada…

  181. Marciano Diz:

    ===============================================================
    ¾ de caminho aberto pro espiritismo também ser real.
    ===============================================================
    ===============================================================

    ===============================================================
    Pelos meus cálculos, deu 10⁻ ⁴ ⁴ ⁴ % do caminho andado, mas o especialista em matemática é você, portanto, aceito seus cálculos.

  182. Marciano Diz:

    Antes de sair, quero deixar registrado que adoro quando o Presidente rememora sua juventude e nos conta suas aventuranças (ou qualquer outro).
    Só não entendi por que diabos logo eu o lembro dessas brigas de infância.
    Sou de paz.
    Embora pratique (estou parado) artes marciais, não brigo.
    Se fosse comigo a história que narrou, eu pegaria os valentões de paulada, facada, canivetada, algo assim.
    Hoje em dia, se acontecer (Osíris me livre!), largo o aço.
    Quem é sábio não briga.
    Tenho a impressão de que me viu como o manipulador da ingenuidade alheia, aquela que incentiva a briga, porque eu disse que a alegria do palhaço é ver o circo pegar fogo e disse que o cisma começou com a discordância entre a Presidência e a Vice-Presidência, mas isto é porque desejo que esmerilhem (ambos) suas últimas arestas de credulidade.
    Acho que podem ajudar-se mutuamente a tornarem-se céticos de verdade, igual ao escocês de verdade.
    Agora parto mesmo.
    Juro que volto mais tarde.

  183. MONTALVÃO Diz:

    /
    “A genialidade do Presidente foi desenvolver uma linguagem binária, cheia de 0s e 1s, reflete-não reflete, passa corrente-não passa, magnetizada-desmagnetizada, que só máquinas conseguem operar, com uma hexadecimal (sem as limitações do sistema decimal, que não consegue exprimir racionalmente (em sentido matemático) a razão entre o diâmetro e a circunferência), tudo isto em alto nível (de fácil compreensão para o programador, por ter comandos evidentes).”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: uai, o cara é bom então não? Só faltou acrescentar “só faltou funcionar”…

  184. MONTALVÃO Diz:

    /
    “O Presidente reuniu Assembler e Fortran.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: foi COBOL e BASIC…

  185. MONTALVÃO Diz:

    /
    “As pouquíssimas línguas que arranho foram aprendidas no início da adolescência.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: as muitas línguas que falo aprendi-as todas em vidas pregressas, mas como sofro do “véu do esquecimento” não lembro…

  186. Gorducho Diz:

    IDENTIFICATION DIVISION.
    AUTHOR GRASSOUILLET G.
    DATA DIVISION.
    WORKING-STORAGE SECTION.
    01 CONCLUSAO PIC X(100).
    PROCEDURE DIVISION.
    BEGIN.
    IF ‘hipnotismo existe’ THEN
    SET ‘Mesmer tinha razão: o magnetismo animal existe!’ TO CONCLUSAO
    DISPLAY ‘Então ’, CONCLUSAO
    END-IF.
    STOP RUN.

  187. Marciano Diz:

    ===============================================================
    MONTALVÃO Diz:
    FEVEREIRO 24TH, 2018 ÀS 5:16 PM
    /
    “O Presidente reuniu Assembler e Fortran.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: foi COBOL e BASIC…

    ===============================================================
     
    Não entendeu. A culpa não é sua. Explico.
     
    Assembler era linguagem de baixo nível (a da máquina) e Fortran de alto nível (a do programador).
     
    A máquina só trabalha com binários, por razões óbvias.
     
    Quanto aos comandos que sugeriste, para mim era só Basic, que foi a única que conheci (superficialmente) nos velhos tempos. Nunca vi COBOL.
     
    Quando digo “era” é porque essas linguagens todas tornaram-se obsoletas.
     
    Quando existia DOS 6.2 (sistema operacional, não linguagem de programação) eu era especialista nele (o sistema).
     
    Criei longuíssimos batches que lembravam programas em Basic, linguagem da qual aprendi um pouquinho (naqueles tempos remotos).
     
    Começavam sempre com:
    echo off
    cls
     
    O comando echo off era para não mostrar os comandos na tela, na medida em que o batch era executado.
    O comando cls, clear screan, era para apagar qualquer conteúdo prévio (no caso, o echo off).
     
    O único programa que bolei (claro que agora é Basic, já que DOS era sistema operacional) foi um que bloquava o computador.
    Para desbloquear, tinha de digitar uma senha.
    Como eu não sabia esconder a senha (em Basic) na medida em que era digitada nem quebrar linhas (em Basic), a qual era limitada a 80 caracteres, a senha aparecia na tela quando eu a digitava.
    Resolvi o problema criando uma senha aleatória com 80 caracteres, os quais eu digitava em velocidade superior a 5,17493c².
     
    Levei cerca de um mês para decorar a sequência e digitá-la a 5,17493c². , porque a senha era composta por caracteres inteiramente arbitrários (digamos aleatórios, mas para quem conhece um pouquinho à toa de informática fica claro que é difícil conseguir um real ramdom).
     
    Em compensação, meu batches faziam milagres.
    Fiz um que residia na memória RAM e iniciava-se ao ligar o computador.
    Não aparecia nos comandos de iniciação.
    Quando alguém ligava o computador, ele carregava na memória RAM, escondia-se, gravava num arquivo inacessível por quem não conhecesse o que eu fiz todas as atividades realizadas no computador.

     
    Quando eu o religava, abria o arquivo escondido e via toda a sequencia de comandos, todos os programas que foram abertos, por quanto tempo ficaram abertos, etc.
    Como diria o Gorducho, bons tempos.
    Hoje só sei um pouquinho de espionagem, como já demonstrei aqui, há alguns tópicos atrás.

     

     
    Gorducho, seu algoritmo tem uma linha com erro.
     
    Substitua “SET ‘Mesmer tinha razão: o magnetismo animal existe!’ TO CONCLUSAO”
    Por
     
    SET ‘Mesmer não tem nada a ver com isto”
    e ele rodará normalmente. 

  188. Marciano Diz:

    random :oops:

  189. Marciano Diz:

    bloqueava, não bloquava :oops: :oops: = 🤢

  190. Eu Sou a Universal Diz:

    Disse o sr Gorducho:
    ===========================================
    Gorducho Diz:
    FEVEREIRO 24TH, 2018 ÀS 10:33 AM
    O Sr. ACREDITA na possibilidade de “paranormalidade” existir, Pastor :?:
    I.e.: dum “psíquico” poder desvendar algum homicídio;
    ou encontrar uma pessoa sequestrada;
    ou enxergar o futuro…
    &c…
    ?
    Que diz a Bíblia (V + NT) sobre essa possibilidade ?
    ========================================
    R: Não acredito, são apenas pessoas endemoniadas. Veja o que diz a Escritura:
    =========================================
    Deuteronômio 18:10-13
    10 Não se deve encontrar em seu meio alguém que queime seu filho ou sua filha no fogo, ou que use de adivinhação, ou que pratique magia, ou que procure presságios, ou um feiticeiro, ou alguém que prenda outros com encantamento, ou que consulte quem invoca espíritos, ou um adivinho, ou alguém que consulte os mortos.
    ===================================
    Esse texto responde a segunda parte da sua pergunta. No NT como pediu também:
    =================================
    Apocalipse 12:9
    9 Assim, foi lançado para baixo o grande dragão,a a serpente original,b o chamado Diabo e Satanás, que está enganando toda a terra habitada.e Ele foi lançado para baixo, à terra, e os seus anjos foram lançados para baixo junto com ele.
    ==============================
    “Paranormal” nada mais é que um nome light, sofisticado para endemoniado.

  191. Eu Sou a Universal Diz:

    Resumindo sr Gorducho: como diz Apocalipse 12:9, são pessoas enganadas pelo diabo.

  192. Eu Sou a Universal Diz:

    Amigo Marciano, que ótimo que não fuma. O cigarro é letal.

  193. Gorducho Diz:

    Se hipnotismo existe tem que haver algo que o máster transfira pra assumir o controle da mente do hipnotizado (“paciente”).
    Um “miasma” animal.
    Chame-se isso de “fluído”/”campo” “magnético” ou o que seja.
    Claro que “magnético” é figurativo, sem correlação necessária c/os vetores B ou H da eletrodinâmica maxwelliana.
    Mas se existe uma “emanação animal” capaz de colocar outra mente em “transe” e quiçá controla-la não tem como negar que no básico o Mesmer teria razão.
    Ainda que não se processem as curas por reequilibração fluídica como ele postulava.
    Claro, repito: eu não acredito que exista.
    Mas os senhores…

  194. Gorducho Diz:

    Eu vou c/o Pastor: o diabo causa uma ilusão na mente de quem Crê (no hipnotismo).

  195. Marciano Diz:

    Gorducho, o mesmo erro que comete com JC está a cometer com o hipnotismo.
    Hipnotismo existe, só que só funciona com meia-dúzia de pessoas e não serve para nada.
    É comparado com efeito placebo porque este efeito baseia-se na sugestão, fato inquestionável, tanto que não há teste médico que não o leve em conta.

  196. Marciano Diz:

    Amigo Pastor, viu como não sou mau?

  197. Marciano Diz:

    Se o hipnotismo baseia-se na sugestão, não tem que haver algo que o máster transfira pra assumir o controle da mente do hipnotizado (“paciente”).
    Faça o teste que lhe sugeri.
    Diga que está com suspeita de vazamento de gás em sua casa ou apartamento. Pergunte aos circunstantes se não estão sentido. Mostre preocupação. Comece a procurar por todo lado e peça para verem se também sentem o cheiro.
    Quanto mais peixes, melhor. Maior a chance de que alguns mordam a isca.
    Isto é sugestão, não fluido, campo, ou nada mais.

  198. Marciano Diz:

    Na medida que um peixe morder a isca, maior a probabilidade de que outro a morda.
    Se conseguir maioria, pode conseguir totalidade.
    Se quiser pegá-los outra vez, não os faça de ridículos logo depois, dizendo que só estava testando a ingenuidade deles, sob pena de não mais conseguir sua credibilidade nem quando estiver dizendo a verdade.
    TENTE! Não custa nada. Nem um centavo.

  199. Marciano Diz:

    Se não der certo da primeira vez, tente de novo, com outros alvos.
    Pode ser que, por acaso, seus “pacientes” sejam iguais a mim e a você. Pouco sugestionáveis.

  200. Marciano Diz:

    Vamos lá, Gorducho, leia meus comentários atentamente.
    Faça o que lhe sugeri. Seja persistente, se não tiver sucesso na primeira vez.
    Quando conseguir sucesso, pense como isto se deu, se não havia cheiro nenhum de queimado, se não havia vazamento algum de gás.
    Como eles foram enganados? Como sentiram um cheiro que não existia.
    Interprete bem, seja criativo.
    Se quiser revelar depois de ter sucesso que tudo foi treta, explique tudo direitinho, que foi em nome da ciência.
    E aprenda.

  201. Marciano Diz:

    Quando digo para que interprete bem, digo-o no sentido de ser bom ator, de falar de modo convincente.
    Mostre genuína preocupação.
    Se é tão ruim quanto os atores de novelas da Globo, não vai conseguir NADA.
    Não seja histriônico. Seja natural.

  202. Marciano Diz:

    À medida em que for desempenhando seu papel, sem exageros, sem caras e bocas, vá enfeitando o pavão.
    Comece a falar no perigo que incêndios ou vazamentos de gás representam.
    Se não existisse SUGESTÃO, não existiria efeito placedo (que não funciona com todos nem com a mesma intensidade em todos).
    Não haveria grupos de controle, duplo ou triplo-cego.
    PENSE.
    Não há fluido nenhum, magnetismo nenhum. HÁ SUGESTÃO.
    Quando quiser infundir medo em alguém, SINTA medo.
    Ou então, dispare um AK-47 meio mm acima da cabeça do paciente. UMA DAS DUAS COISAS.

  203. Marciano Diz:

    Como diz meu amigo português,
    Lembre-se! Não interessam os títulos. Não interessa se é médico, doutorado ou professor. Não interessa se ganhou um prémio Nobel ou tem uma sala cheia de prémios Nobel. O que interessa é se a evidência está de acordo com as afirmações feitas.
    Praxis, Praxis, Praxis.

  204. Marciano Diz:

    Se seguir meus conselhos e obtiver sucesso com a SUGESTÃO, tente o mesmo com a paranormalidade.
    Tente transmitir pensamentos, tente levitar, tente adivinhar.
    Vai errar sempre na medida da esperança matemática, desde que repita os teste em número suficiente.
    Não vai conseguir micro-PK nenhuma.
    Vai ter de apelar para embustes estatísticos.

  205. Gorducho Diz:

    BASIC pode ser “obsoleto” mas funciona muito bem dentro do Office ou dos Libre/Open Offices.
    FORTRAN ainda é muito usado pra aplicações científicas tais como modelos meteorológicos;
    simulações numéricas.
    E COBOL em grandes bancos-de-dados em mainframes.
    Claro, depois tem as camadas de acesso em SQL + Java ou .NET, JavaScript…
    que interagem com os usuários.

  206. Gorducho Diz:

    Se “hipnotismo” se baseia em sugestão, é o que eu disse: não existe de fato.
    É o mesmo que dizer que mediunidade “existe” porque pessoas acreditam estarem a canalizar falecidos.
    I.e.: “existe” a crença. Ou seja: “mediunidade” existe enquanto crença – fato sociológico.
    O mesmo vale neste caso pra hipnotismo.
    O paciente se auto-sugestiona, ACREDITA que foi hipnotizado, e sai a fazer o que o master mandou.

  207. Marciano Diz:

    E pode sentir cheiro de gás, de algo queimando, etc.
    Tem gente que tem remissão espontânea e acha que foi curado pelo espiritismo ou por qualquer outro tipo de mágica.
    Tem gente que se sente melhor depois de ser benzido ou de beber água fluidificada ou receber passes.
    Tem gente que para de fumar por um tempo depois de fazer hipnoterapia.
    E tem gente que se sente melhor porque está há muitos anos perdendo 50 minutos contados como uma hora conversando com alguém que chama de psicanalista, ou só analista, para os íntimos.
    Mas tem de pagar, e bem.

  208. Marciano Diz:

    Acho que agora o Gorducho me entendeu (quanto ao hipnotismo).
    Hipnoterapia é ineficaz (é o que venho sustentando), mas existe e existem estados alterados de consciência que chamamos de hipnose.
    Nem todos os médiuns estão fingindo. Alguns estão em estado alterado de consciência, autoinduzido ou induzido por outrem, como acontecia com sua vovó.
    Falta agora somente a historicidade de JC.
    E convencer o Presidente.
    Aí, seremos realmente A BANCADA CÉTICA.

  209. Marciano Diz:

    Gorducho, que é pós-doc em espiritismo e tem muitas horas de voo, deve saber muito bem que nem todos os médiuns são charlatães mentirosos ou malucos.
    A maioria fica num estado alterado de consciência e acha que está sob influência de um imaginário “espírito”.

  210. Marciano Diz:

    Agora não me diga que NÃO EXISTEM ESTADOS ALTERADOS DE CONSCIÊNCIA, ou perderei a paciência.
    Todos os dias, quando você dorme e, por exemplo, sonha que está pegando aquela vizinha gostosa, está num estado alterado de consciência.
    Basta sacudi-lo um pouco ou jogar-lhe um copo de água fria e sua consciência volta ao normal.
    Com médiuns incorporados, ainda não experimentei, por motivos óbvios.

  211. Marciano Diz:

    Experiência proposta:
    Pegamos um médium incorporado e aplicamos um taser.
    Se o espírito “subir”, era estado alterado de consciência.
    Se não sentir o choque, ou disser que “o choque é fraquinho, sô”, é porque está mesmo incorporado.

  212. Marciano Diz:

    Para quem não entendeu o choque fraquinho:
    https://www.youtube.com/watch?v=cDbIz_iM43s
    É velho, mas nem todos conhecem.

  213. Gorducho Diz:

    Bom, então estávamos dizendo a mesma coisa com palavras diferentes :!:
    “Hipnotismo” NÃO existe. Existe auto-sugestão.
    Como se convencer estar a receber ditados de falecidos.
    Claro: a pessoa está sinceramente convencida que isso está se sucedendo c/ela. ACREDITA piamente naquilo.
    Seu inconsciente cria o ditado mas ela ACREDITA piamente que provém de seres exteriores a ela.
    Não se trata de farsa dela perante 3°s.
    Então:
    Hipnotismo existe tanto quanto mediunidade: como fato psicológico.
    “Existem” no âmbito da psicologia enquanto crença real.
    A crença é real, “existe”, claro.
    Pessoas ACREDITAM estarem sob influencia do magnetizador assim como outras ACREDITAM estarem sob influência dum “espírito”.
    E o magnetizador ACREDITA estar controlando o paciente, e tenta lhe repassar estímulos.
    Assim como o médium passista ACREDITA estar sob influência dum bom espírito e repassando fluídos benéficos ao paciente do passe.

  214. MONTALVÃO Diz:

    /
    MARCIANO, seus pobremas acabaram… ;-)
    /
    ———————–
    [Curso de hipnose] – Auto-hipnose para dormir bem
    by ohipnologo
    .
    Se você, assim como milhares de brasileiros, sofre para dormir, não consegue relaxar e ter uma boa noite de descanso, tenho certeza de que aproveitará muito este presente.
    .
    Neste vídeo, você aprenderá uma técnica de auto-hipnose e relaxamento para dormir bem! Isso mesmo… A partir de agora, seu sono terá mais qualidade e sua vida ficará muito melhor, pois quem não consegue ter uma boa noite de sono acaba não tendo um bom rendimento durante o dia, não é mesmo? Além disso, pode adoecer mais facilmente, ficar irritado, menos concentrado, dentre outras coisas indesejáveis.
    .
    O que acontece quando não dormimos bem?
    .
    Como mencionado acima, existem diversas más repercussões que podem acontecer em seu organismo devido às noites mal dormidas. Isso porque o seu corpo aproveita o seu soninho de beleza para executar vários processos reparadores dentro de você.
    .
    Em outras palavras, enquanto você dorme, o seu corpo continua trabalhando e em atividades que PRECISAM ser realizadas neste período noturno e de repouso.
    .
    Quando dormimos menos que o suficiente, ocorre, por exemplo, um aumento na produção de hormônios ligados à fome. Por consequência, haverá ao longo do seu dia um aumento da necessidade de consumir uma quantidade maior de calorias e, com o tempo, o ponteiro da sua balança irá subir.
    .
    Bom, assista ao vídeo abaixo e tenha bons sonhos…
    .
    https://www.youtube.com/watch?v=CmYYcClfypQ
    .
    http://ohipnologo.com.br/24/11/2015/curso-auto-hipnose-para-dormir-bem/

  215. MONTALVÃO Diz:

    /
    Esse aqui me pareceu legal para ouvir enquanto busca o sono…
    .
    https://www.youtube.com/watch?v=2WyMl-5EgBw
    /
    Não posso garantir se é bom: dormi antes de ouvir tudo…

  216. Marciano Diz:

    ===============================================================
    “Hipnotismo” NÃO existe. Existe auto-sugestão.
    ===============================================================
     
    Quase isto.
    Existe auto-sugestão (não aquela do Émile Coué), mas nos casos a que se refere o Presidente, ela é induzida por outrem, o hipnotizador.
     
    Existe uma diferença sutil entre as duas coisas.
    Vou deixar para o próprio Presidente explicar (se por bem houver), pois além de ele ser melhor conhecedor do assunto (não obstante superestime a técnica) ele explica melhor do que eu.
     
    As pessoas não estão sob a influência do hipnotizador (embora ambos possam achar que sim), mas o hipnotizador foi quem puxou o gatilho, digamos assim.
    Nos centros, também, alguém pode ser induzido por outrem a acreditar que está a falar com defuntos, mas quem acaba criando o estado alterado de consciência é o próprio “médium”, assim como o hipnotizado, pelo que sei.
     
     
    Honrado Presidente, sua pessoa dorme com facilidade, por isso não entende os insones.
    Vou criar uma escala de insônia, só de sacanagem, de 0 a 12.
    Ficarei no grau 17, se é que me entende.
     
    Esse negócio de auto-hipnose só funciona com jacus, segundo o Woody Woodpecker.
     
    https://www.youtube.com/watch?v=KFFnnGm5yjU

  217. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Sabe de casos (verdadeiros, confirmados) de pessoas que tenham se livrado (permanentemente) de tabagismo, dipsomania, enurese noturna, etc., graças à hipnoterapia?”
    .
    CONSIDERAÇÃO: sei de casos relatados, tanto de supostos sucessos quanto de fracassos. Minha suposição é que algumas pessoas respondem bem a sugestões hipnóticas e delas se beneficiam em graus variados, em variados distúrbios, quais dependências, fobias, manias, etc. A quantidade de gente assim atendida é expressiva o suficiente para que se considere a terapia hipnótica além da placeboterapia. Por outro lado, é fato que outro tanto de recorrentes à hipnose não obtém o retorno almejado. Por isso defendo que a terapia hipnótica conquanto tenha utilidade, está longe de ser panacéia e mais distante ainda de ter fundamentos místicos.
    /
    /
    “Já viu os casos de falsas memórias induzidas por terapeutas que tratam de alegadas vítimas de abuso sexual, de pessoas que fazem terapia de regressão, principalmente a vidas “passadas”, de pessoas que “lembram-se, sob hipnose, de terem sido abduzidas por imaginários alienígenas?”
    .
    CONSIDERAÇÃO: quem utiliza a hipnose para desencavar memórias de vidas passadas, recordações de abusos na infância e relatos de abduções garante não induzir os pacientes a produzir tais rememorações. No discurso desses “profissionais” os depoimentos seriam espontâneos e legítimos. Vários terapeutas regressionistas garantem não fazer uso da hipnose, dizem apenas induzir os pacientes a se deixarem levar pelos pensamentos, até que as recordações de outras vidas aflorem. Se é assim mesmo na prática não posso confirmar…
    .
    A produção de falsas memórias julgo que seja mais comum que se imagina. Na rotina diária costuma gerar pequenas confusões, mas quando a coisa é séria elas são capazes de provocar grandes injustiças. Essas pseudolembranças interessam muito à psicologia, neurologia e à justiça. Distinguir claramente o que seja recordação autêntica de falsa memória pode fazer a diferença entre a condenação de inocente e a punição de legítimo criminoso.
    .
    Com as memórias de vidas passadas, regressão ao útero, e abduções fica fácil estabelecer que todas são fantasiações. Inexistem evidências mínimas que apoiem essas conjeturas. Tanto que, até onde sei, a Justiça não aceita depoimentos da espécie. O problema maior é conferir se se trata de legítima vivência quando alguém garante ter sido molestado na infância ou adolescência, e aponta o molestador.
    .
    Tive uma advogada que ouvia vozes a instruindo matar a filha de poucos meses. Isso muito a incomodava. Procurou ajuda de psiquiatra: foi medicada e as vozes pararam. Ocorreu que a medicação tinha efeitos secundários que prejudicavam seu desempenho profissional. Então buscou ajuda de terapeuta regressionista. Contou-me que acabou por “recordar” que, noutra vida, fora auxiliar de sacerdotes maias (ou incas, não recordo ao certo) e sua função era preparar crianças para os sacrifícios. Ela sofria muito ao contemplar os infantes sendo mortos, mas nada podia fazer, pois se não cooperasse seria imolada aos deuses. Depois que vivenciou essa lembrança garantiu que se sentia livre do trauma (tempos depois a irmã dela confidenciou-me que o problema continuava).
    .
    Conheci uma moça espírita, firme adepta da regressão a outras existências. Falou-me ter descoberto várias vidas passadas em regressões. Quando objetei que o véu do esquecimento não permitia que as encarnações fossem lembradas, explicou-me que sendo para o progresso espiritual do indivíduo a regra não se aplica. Noutra ocasião contou-me ter tido “contato” com seus corpos astrais (sete no total). Comentei que o ensino espírita não apoiava a existência desses “corpos”. Retrucou que muitos líderes espíritas vagavam no umbral por terem ocultado a verdade ao povo…
    .
    E la nave va.

  218. MONTALVÃO Diz:

    /
    Pegava essa, Martiniano?
    https://www.youtube.com/watch?v=OzfJTXf0lU8

  219. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Então buscou ajuda de terapeuta regressionista. Contou-me que acabou por “recordar” que, noutra vida, fora auxiliar de sacerdotes maias (ou incas, não recordo ao certo) e sua função era preparar crianças para os sacrifícios.
    ===============================================================
     
    E no véu do esquecimento, não vai nada?
     
    ===============================================================
    (tempos depois a irmã dela confidenciou-me que o problema continuava).
    ===============================================================
     
    Como no hipnotismo.
     
    ===============================================================
    Quando objetei que o véu do esquecimento não permitia que as encarnações fossem lembradas, explicou-me que sendo para o progresso espiritual do indivíduo a regra não se aplica.
    ===============================================================
     
    A contrario sensu, aplica-se para o regresso.
    Ah! Esqueci-me de que espíritos não retrogradam.
    Deve ser para a estagnação que vale o véu do esquecimento. Mas aí, estamos todos estagnados…
     
    ===============================================================
    Noutra ocasião contou-me ter tido “contato” com seus corpos astrais (sete no total). Comentei que o ensino espírita não apoiava a existência desses “corpos”. Retrucou que muitos líderes espíritas vagavam no umbral por terem ocultado a verdade ao povo…
    ===============================================================
     
    Qualquer “religião” que se invente, sempre copiada de outras mais antigas, vai se ramificando, dando frutos.
    Os crentes racionalizam, para moldar a religião a seus gostos.
     
    • Sharpe, Eric J. Comparative Religion: A History, London: Duckworth, 1975 (2nd revised edition 1986).
     
    E tome Fellini!
     
    Pego não, Montalvão!
    Sai pra lá, diabo!

  220. Marciano Diz:

    Leitura recomendada:
    https://jornalggn.com.br/blog/marcelo-castro/a-farsa-do-espiritismo

  221. Marciano Diz:

    O autor do texto comete alguns errinhos, inclusive quando confunde falsidade ideológica com falsidade material, mas no fundo é por aí mesmo.

  222. MONTALVÃO Diz:

    /
    “O paciente se auto-sugestiona, ACREDITA que foi hipnotizado, e sai a fazer o que o master mandou.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: Gorducho, mestres em hipnose pontificam que toda hipnose é auto-hipnose e que sugestão é o âmago do processo. Afirmar que hipnose não existe, pois é apenas sugestão é declaração que não tem sentido.

  223. Gorducho Diz:

    Certes… certes…
    então estamos de acordo.
    E em sendo assim, “mediunidade” também “existe”.
    Simples assim.

  224. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “De qualquer modo esses casos continuam no 1%…”
    .
    Claro que não, Montalvão, o percentual é bem maior, já que policiais trabalham continuamente com os mesmos psíquicos. O próprio Ingo Swann informa que de 25 casos criminais em que ele trabalhou entre 1972 e 1979, 3 foram sucessos, 22 foram “fiascos”, o que dá um sucesso de 12%. Curiosamente, apesar de uma taxa bem razoável na minha opinião, ele mesmo decidiu parar com isso porque na opinião dele “a taxa de sucesso é muito baixa para justificar despertar as esperanças das famílias em relação aos membros da família desaparecidos e justificar os dólares/horas-homem que a polícia usa para acompanhar as pistas psíquicas vazias”. {Carta de Ingo Swaan de 03/10/1989 para Marcelo Truzzi}

  225. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Agora, se o Instituto de Estudos Marinhos e Costeiros da Universidade do Sul da Califórnia garante que psíquicos são bons arqueólogos, aí tudo muda: não resta a menor dúvida… tem, por acaso, esse atestado para o exibir cá?”
    .
    Já tinha posto, repito novamente: http://obraspsicografadas.org/2017/hella-hammid-e-ingo-swann-psiquicos-excepcionais/

  226. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Quer comparar o alucinado Sheldrake com Randi? Quantos vigaristas o Sheldrake denunciou, além dele próprio (indiretamente com seus doudos experimentos)?”
    .
    O próprio vigarista do Randi foi denunciado por ele:
    .
    https://www.sheldrake.org/reactions/james-randi-a-conjurer-attempts-to-debunk-research-on-animals
    .
    E Will Storr confirmou.

  227. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “ora, quem seja pego mentindo “incontáveis vezes” no mínimo só abre a boca para proferir inverdades! Se puder sustentar o que diz com exemplos incontestes…”
    .
    O livro do Will Storr está cheio de exemplos. Também há reportagens dele detonando o randi:
    .
    http://www.telegraph.co.uk/culture/film/film-news/11270453/James-Randi-debunking-the-king-of-the-debunkers.html

  228. Vinicius Diz:

    GORDUCHO,
    outro dia lhe perguntei se Geraldo Lemos ainda era vivo e está sim… vai ter um simpósio com o dito cujo e revelações inéditas de CX :!:
     
    http://feesp.com.br/simposio-2018/
     
    Pensei que ele estivesse retornado ao mundo maior, mas não.

  229. Gorducho Diz:

    Mas ele é relativamente moço…
    Acho que seja + jovem que eu
    😡

  230. Gorducho Diz:

    Eu acho que essa mudança na Segurança Pública do 💖 do futuro 💖 do Mundo já é 2019 chegando…
    O início da melhoria do mundo :!:
    👍
    Se puder pergunte o que ele acha…

  231. Vinicius Diz:

    Sim, me surpreendi bastante.
    Imagine quantos aninhos ele tinha ao conversar com CX e este com seus causos mirabolantes…

  232. Vinicius Diz:

    “Se puder pergunte o que ele acha…”
     
    é um simpósio , acho que podemos perguntar qualquer coisa não.. acho que sobre a abdução da vaca por exemplo.

  233. Gorducho Diz:

    Pelo que vi na programação, tem também uma palestra sobre 🛸
     
    É isso mesmo ❔

  234. Vinicius Diz:

    Sim, isso mesmo. Até um editor da revista UFO.
    Mas é sério mesmo, eu ouvia e lia sobre esse Geraldinho várias vezes mas não conhecia o dito cujo.

  235. Eu Sou a Universal Diz:

    Disse o amigo Marciano:
    ====================
    Marciano Diz:
    FEVEREIRO 24TH, 2018 ÀS 10:07 PM
    Amigo Pastor, viu como não sou mau?
    ===================================
    Que bom. O mundo precisa dos homens livres e de bons costumes, sem distinção de raça, religião, ideário político ou posição social, cidadão honesto e digno, submisso às leis do País, amigo de sua Família, bom pai e bom esposo, cuidador da família, pessoa de paz, de harmonia e concórdia no seio da sociedade, de bom coração, defensor da liberdade e dos direitos sagrados da consciência e da cidadania, não permitindo jamais em seu cérebro idéias de injustiça ou maldade. Deve ter conduta honrada, ser exemplo para sua comunidade, dignificar a mulher e a família, ajudar os necessitados e procurar gozar os prazeres da vida com moderação, evitando a ostentação que ofende os mais humildes. Amigo Marciano, lhe falta acreditar em um Criador e ter MODERAÇÃO ao gozar os prazeres da vida. Isso me referindo ao álcool e a Fé Quanto as mulheres, a Coluna mais forte da Família é a mulher. Diz um ditado popular que atrás de um grande homem existe sempre uma grande mulher. Mas te digo que ao lado, e não atrás ou na frente, está uma grande mulher, esposa, irmã ou filha, que é quem traz a consolação, o conforto e o alento nas amarguras, nas atribulações e nos momentos mais difíceis de nossas vidas. Por isso amigo Marciano, deve vc ser homem de uma só mulher. Eis aí alguns conselhos para seguir. Desculpe por eu ter essa preocupação com o amigo. Sei que sou um chato com vc, mas não quero a sua ruína. Desejo a sua Fortaleza em ambos os lados: Família e Sociedade. Que o amigo seja Coluna e Firmeza da Verdade.

  236. Marciano Diz:

    O sentimento é recíproco, Pastor. Você sabe disso.
    Eu não sou tão exagerado assim. É que eu procuro (sem brincadeira) levar a vida seguindo alguns conselhos do Eclesiastes, o único livro da bíblia pelo qual tenho admiração.
     
    No capítulo terceiro, está escrito:
     
    Já tenho entendido que não há coisa melhor para eles do que alegrar-se e fazer bem na sua vida;
    E também que todo o homem coma e beba, e goze do bem de todo o seu trabalho; isto é um dom de Deus.

    Eclesiastes 3:12,13
     
    Eu sou um homem bom, faço o bem na minha vida, para mim e para os outros; como e bebo, gozo do bem de todo o meu trabalho (que não é pouco).
     
    Eu não fumo, bebo moderadamente, não brigo (só me defendo, se for atacado), não mato (salvo em legítima defesa), não pesco, não caço, trato bem aos animais (do Homo sapiens sapiens ao mais insignificante dos insetos, os quais só mato em caso de necessidade, nunca por prazer ou desnecessariamente).
     
    Não sou devasso. Gosto de mulheres como elas gostam de homens. Ajo de acordo com a natureza.
     
    O amigo não é, de forma alguma, um chato. Preocupa-se comigo, o que me alegra, pois mostra seu bom coração.
    Não de que se desculpar.
     
    Se um dia chegar a hora de constituir família, seguirei o que meu pensamento crítico decidir, mas por hora não vejo motivo para fazê-lo, somente por dever social.
    Também não vejo por que privar-me de mulheres, enquanto elas me querem. Trato-as bem, dou-lhes tanto prazer quanto recebo.
     
    Tenho vasta experiência com famílias, pois, nos últimos tempos, venho de dedicando quase que com exclusividade a essa área, menos rentável, mas mais fácil.
    Já ganhei bastante dinheiro e não sou ganancioso.
     
    O que vejo nas famílias dos outros não quero para mim.
    O amigo não imagina como conheço o coração dos homens (e mulheres).
    Pais e filhos, parentes consanguíneos e afins.
     
    Quando trabalhava com tributário, para grandes e médias empresas, vivia com grande fausto. Agora, sinto-me aliviado (ganhando menos e tendo mais paz), mas conheço muito bem a natureza humana e as relações familiares.
     
    Por hora, não tenho a menor intenção de ter uma esposa (até quando?), filhos, e toda a complicação que faz parte do pacote.
     
    A hipocrisia e malícia do ser humano me envergonham, o modo como alguns pais e filhos, esposos e esposas, se relacionam ao longo do tempo me envergonha de ser humano.
     
    Nada como um dia após o outro para vermos o paraíso transformar-se em inferno.
     
    Tenho minha consciência tranquila, mas não posso dizer o mesmo da quase totalidade dos meus semelhantes.
    A maior parte nem consciência tem. São uns bárbaros.
    Tem um ditado em latim que diz:
     
    Ab inimicus possum mihi ispi cavere, ab amicis vero non.
    Numa tradução livre,
    “dos inimigos posso cuidar eu mesmo, dos amigos, não).
    Em português corresponderia a “Deus me livre dos amigos, pois dos inimigos eu cuido”.
     
    Só podemos ser traídos pelos amigos. A traição (em sentido amplo) só pode provir de alguém em quem se confia. Ninguém pode ser enganado, a não ser por alguém em quem confie.
     
    O que mais vejo no meu trabalho são filhos que anseiam por que seus pais descansem do sofrimento, para que possam correr para as gavetas e brigar na justiça pelos bens dos pais.
     
    Casais amam-se ardorosamente hoje, amanhã usam os próprios filhos como armas para prejudicarem uns aos outros.
     
    Gato escaldado tem medo de água fria e gato esperto, aprende vendo outros gatos se queimarem.
     
    Mais latim:
    Accensa domo proximi, tua quoque periclitatur.
    Em fogo a casa do próximo, a tua própria está em perigo.
    Ou, quando vires arder a barba do vizinho, ponha a tua de molho.
     
     
    Não pense que por ser totalmente descrente sou voltado ao mal. Crença ou descrença não mudam o caráter de ninguém.
     
    Faço o bem porque quero, não porque espere recompensas futuras.
    Abstenho-me de fazer o mal por escolha própria (sempre que posso), não por medo de castigos sobrenaturais.
    Sou sincero, o que, às vezes, ofende as pessoas, que só gostam de mentiras.
     
    Como já deve ter notado, sou muito brincalhão, gosto de ironia e até de sarcasmo, mas sou um homem sério.
     
    Para encerrar, acredite em mim, amigo Pastor. A verdade é diferente do que você supõe.
    Todos sonhamos com paraísos, mas a vida é o que é.
    Mais do que isso: a natureza (que é mais do que um fenômeno local a que chamamos de vida) é o que é, não o que nós (que dela somos uma parte infinitesimal no tempo e no espaço) queremos que ela seja.

  237. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALBAN: taí, pra mostrar que sou macho pra dedéu: desafio aceito!. No dia 24/2/2019, às 11h20min faça a cobrança!
    /.
    MARTIANUS: I’ll probably not remember it then. It’s up for you to remind me.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: Wow! What happened that your prodigious memory?
    /
    /

    “Do it, in the due time, and I’ll provide you a text with a nearly insurmontable level of difficulty, even for native speakers.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: oh, you’re a very bad man, I don’t intend to be “a fodão” in english, it’s enough to me understanding what I read.
    /
    /
    “We’ll then see who’s right and who’s wrong. You or Vitor.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: I suppose you turn of side, because before you belivied me, now is with Visoni. This why I say: it’s not possible be happy!
    .
    In time, as can see, I write this phrases alone! Google out!

  238. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “não vale aprender porque estou com aquela doença do pai do Hitler ou porque meu cérebro, no seu diagnóstico, embotou? Só o meu ou o de todos na “minha idade”?”
    .
    TODOS da sua idade.

  239. MONTALVÃO Diz:

    /
    FAT BOY SAYS: IF ‘hipnotismo existe’ THEN SET ‘Mesmer tinha razão: o magnetismo animal existe!’ [GO] TO CONCLUSAO DISPLAY ‘Então ’, CONCLUSAO
    END-IF. [not "end-if", but, END JOB – If I remember]
    STOP RUN.
    /.
    DEPURATION:
    There are logical error in the affirmation “‘Mesmer tinha razão: o magnetismo animal existe!’”. Mesmer don’t knowed hypnos. He only belivied that whas carried to word eyes the animal magnetisme, only this. This the mistery: the modern hypnos father don’t knowed hypnos!

  240. MONTALVÃO Diz:

    /
    ==============================
    Enquanto a oportunidade prática não surge podemos discutir teoricamente o assunto, pois material não falta.
    ===================================
    GORDUCHO: “Assim, ficamos na mesma posição da Administração, com relação à paranormalidade. Só na retórica.”
    =========================================
    .
    MARS: Novamente sinto-me honrado e lisonjeado pela confusão, mas cuidado, Sr. Presidente! Atenção! Quem disse isto fui eu [The man of Mars!].
    /.
    CONSIDERAÇÃO: ok my king, I saw your advertisement! É que comecei lendo postagem do fat boy, que precedia seu comentário, e não notei a mudança de interlocutor. if possible, pardon me please: will be a great please to me and I’ll be very happy!

  241. MONTALVÃO Diz:

    /
    ===============================================
    no terreiro de umbanda chegou Pai Jobim!
    ==============================================

    “Nunca ouvi falar de tal “entidade”.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: faltou words: “no terreiro de umbanda chegou [o] Pai [do Tom] Jobim!

  242. MONTALVÃO Diz:

    /
    Gorducho Diz:
    .
    IDENTIFICATION DIVISION: AUTHOR GRASSOUILLET G.
    .
    DATA DIVISION.
    WORKING-STORAGE SECTION.
    01 CONCLUSAO PIC X(100).
    .
    PROCEDURE DIVISION.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: forgot the first division: ENVIRONMENT DIVISION.

  243. MONTALVÃO Diz:

    /
    “A máquina só trabalha com binários, por razões óbvias.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: embora sejam óbvias para alguns, não o é para todos. O que ocorre é que, em última instância (ou em primeira), tudo o que o computador “põe pra fora”, seja uma imagem, um filme, música, texto… se resume na alternância (e combinação) dos dois estados possíveis de seus circuitos: aceso/apagado, ou, ligado/desligado.

  244. Gorducho Diz:

    Recordando o COBOL
     
     
    O fim do ponto é o que EU ME LEMBRO de 50 anos atrás. :(

  245. Gorducho Diz:

    Ok Presidente :(
    tou demasiado borracho agora…
    Amanhã lhe aponto algum TUTORIAL INTRODUTÓRIO ao COBOL.

  246. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “Agora, se o Instituto de Estudos Marinhos e Costeiros da Universidade do Sul da Califórnia garante que psíquicos são bons arqueólogos, aí tudo muda: não resta a menor dúvida… tem, por acaso, esse atestado para o exibir cá?”
    .
    VITOR: Já tinha posto, repito novamente: http://obraspsicografadas.org/2017/hella-hammid-e-ingo-swann-psiquicos-excepcionais/
    /.
    CONSIDERAÇÃO: antes de começar digo que acho que a epidemius marcianius me pegou-me: tomei dois copos de café e me bateu um sono que tum tô guentando…
    .
    Mas antes de entregar-me aos braços de morpheus (essa é nova, hem?) quero deixar o Vitor respondido.
    .
    Vitor é esperto pra mais de metro. Pedi-lhe atestado de autenticidade dado pelo “Instituto de Estudos Marinhos e Costeiros da Universidade do Sul da Califórnia” e ele não se fez de rogado: deu-me um endereço…
    .
    Como sou da terra do Lula, e não desisto nunca, fui lá conferir… eis o que encontro:
    /
    ——————————-.
    O Dr. Don Walsh, diretor do Instituto de Estudos Marinhos e Costeiros, avaliou o Projeto Deep Quest, procurando por qualquer possível fraude.
    .
    “Eu não sou necessariamente um apoiador, mas não consegui encontrar qualquer coisa que lançasse dúvidas sobre as afirmações dos psíquicos”, disse ele.
    A descoberta poderia ter sido “fraudada” — os artefatos colocados lá recentemente?
    .
    “Seria extremamente difícil aceitar isso”, disse o Dr. Walsh.
    .
    “Colocar as coisas no fundo do oceano, que supostamente estiveram ali há tanto tempo e fazê-las parecer dessa forma, exigiria os melhores efeitos especiais de Hollywood”.”
    ——————————–.
    /
    CONSIDERAÇÃO: então, o “atestado” do Instituto é declaração de um de seus diretores que, não se sabe porque cargas d’água resolveu lamber os sacos dos alegados sensitivos vedores de terra a dentro… coisa pra lá de doido! Atestado mesmo que é bom necas! Em verdade, o diretor disse o seguinte (traduzido por Moi): “não levo fé nessa gente, mas se me enganaram enganaram direitinho”…
    /
    Já que estamos (voltando) a falar de arqueologia psíquica nada como postar postagem de comentarista feita nessa rubrica, cujo quem seja não sei…
    /
    ——————————-.
    MONTALVÃO Diz:
    JANEIRO 25TH, 2017 ÀS 12:45 PM
    .
    Se fosse qualificar em uma só palavra este texto horripilante sobre o visão remota diria PUTZGRILO! E estaria tudo esclarecido…
    .
    O que temos aqui é a safada atuação de dois trapaceiros, certamente ajudados pelo “desinteressado” pessoal do grupo Mobius.
    .
    Nada de útil essa peça louvativa traz que contribua para legitimar a ideia de que alguém possa ver coisas ocultas à distância: coisa de louco!
    .
    Alguns pontos no texto podem ser destacados ilustrativamente:
    .
    “Descreveram com precisão”: o que foi que descreveram com precisão? Coisas que seriam esperadas encontrar-se num naufrágio.
    .
    Outra tolice descomunal: “surpreenderam os cientistas céticos com suas previsões INCRIVELMENTE PRECISAS”. Nossa Senhora! Essa é de deixar qualquer um doido! Com exceção do Visoni, que adora expressões grandiloquentes, como se bastassem para legitimar sonhos e safadezas.
    .
    O artigo é meramente exaltativo. As besterinhas que os dois “viram” são comuns serem encontradas em naufrágios. Vai saber se esses cara não foram suficientemente informados sobre as perspectivas de que alguma coisa estivesse naquela área? O próprio artigo diz que vários meses se pesquisava por ali. Então tinha-se como local promissor e já haviam eliminado vários pontos em que não havia nada. Sobrou trecho pequeno para que os malandros dessem seus chutes. Aí vem o bobalhão noticiar que os dois acertaram as coisas, apontaram o mesmo local… Nossa senhora que pariu!
    .
    É certo que aquele local era o mais promissor e tudo leva a crer que a DUPLA DISSO SABIA. Quem dirigiu a investigação? O Grupo Mobius! O suspeitíssimo Grupo Mobius… já devidamente destruído pelas objeções do Gorducho…
    .
    A missão deles era identificar a localização de um naufrágio desconhecido e prever (prever ou “ver”?) o que seria encontrado lá.
    .
    E eles “viram”, ah, como viram!
    .
    ——————————–.
    “Entre os esboços desenhados por Hammid havia correntes, uma roda com raios e um estranho bloco retangular. Swann deu descrições de um tubo, cabos, corrente e vários detritos.”
    ——————————–.
    .
    Realmente: “previsões INCRIVELMENTE PRECISAS”! [E de lascar o cocuruto!]
    .
    Tenho a desconfiança que um dos diretores da Cia, que tava arrumando a casa disse: “vamos jogar essas m**** fora. Esses documentos não servem nem pra faxina de fiofó”. Mas um assessor alertara: “Senhor diretor se jogar essa m**** fora vai ter gente dizendo que a Cia esconde documentos importantes sobre a realidade da visão remota e vão ficar fazendo campanha contra a Instituição!
    .
    O fato concreto nessa história é que de depois anos de investigação, financiados com 20 milhões de dólares, não saiu resultado satisfatório nem promissor nessa ideia doidona. Há fortes suspeitas de que os grandes vedores remotos eram municiados com informações preliminares que facilitavam muito que vissem o que de outra maneira não enxergariam.
    .
    Portanto, a melhor palavra para resumir a louca ideia de que exista essa tal de visão remota é putzgrila[elevada à quinta potência], e fim de papo.
    .
    Recomendo fortemente a leitura da primeira postagem do tópico, feita pelo Marciano, que mata a conversa no nascedouro.
    .
    Moi, que tá mal de vista mas ainda enxerga…
    ——————————;
    /
    Agora… tô indo, Morpheus, tô indo…

  247. Gorducho Diz:

    Vamos ver se agora vai…
    Cá temos, Pesidente.
     
     
    É uma lástima que a Casa tenha enveredado pra essa linha suicida.
    Mas, fazer o que ❓

  248. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Vamos ver se agora vai…
    Cá temos, Pesidente.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: valeu! Matou-me saudades dos tempos de quase-programador…
    .
    Estudei em apostilas da IBM, época em que personal computerestava na esfera dos sonhos. A máquina do momento era o IBM/360 (pronunciava-se – com muito respeito – IBM barra três meia zero.
    .
    A sequência lógica do programa era preenchida em folha adequada e enviada ao setor de cartões (alguns usavam fita), gerando, a depender de que serviço fosse, dezenas a milhares de cartões perfurados. Em seguida, passava-se os cartões no computador, o que originava um “relatório de depuração”, onde eram apontadas as inconsistências lógicas. Corrigidas estas o programa estava pronto para ser rodado de verdade.
    .
    Em linhas gerais, e do pouco que lembro, assim funcionava o processo…
    .
    Bons tempos…

  249. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “”Mas antes de entregar-me aos braços de morpheus (essa é nova, hem?) quero deixar o Vitor respondido.”
    .
    Você tem que ir para os braços de Hipnos primeiro antes de se entregar a Morfeus. Isso porque Hipnos é o deus do sono. Morfeus é o deus dos sonhos. Para sonhar você previsa cair no sono primeiro, a menos que esteja sonhando acordado, o que não é o caso.
    .
    MONTALVÃO DISSE: então, o “atestado” do Instituto é declaração de um de seus diretores que, não se sabe porque cargas d’água resolveu lamber os sacos dos alegados sensitivos vedores de terra a dentro… coisa pra lá de doido! Atestado mesmo que é bom necas! ”
    .
    Atestado verbal é atestado também. Você queria o quê, uma declaração impressa, uma placa em letras douradas na entrada do instituto dizendo “comprovamos a visão remota”? Aí poderia dizer: “papel aceita tudo”. Sempre se pode arranjar uma desculpa esfarrapada. E depois o Don Walsh não foi o único!
    .
    a) “O que foi espantoso foi que ambos selecionaram o mesmo local —a poucas centenas de metros”, disse Eugene Veek, diretor associado das instalações do Instituto Marinho, e ex-comandante de um submarino da Marinha dos Estados Unidos.
    .
    b) “Ele nos levou direto para o naufrágio e os artefatos”, disse Allan Witcombe, o piloto-chefe.
    .
    c) “Devo dizer que encontramos o tipo de coisas que, em geral, eles previram,e na área onde disseram que seriam encontradas”, declarou Anne B. Kahle, uma observadora científica independente [da NASA] que estava a bordo do submarino de pesquisa Taurus I, de 3 milhões de dólares, quando os artefatos foram achados.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “O que temos aqui é a safada atuação de dois trapaceiros, certamente ajudados pelo “desinteressado” pessoal do grupo Mobius.”
    .
    O que temos aqui são só acusações infundadas e descabidas do Montalvão, como sempre.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Nada de útil essa peça louvativa traz que contribua para legitimar a ideia de que alguém possa ver coisas ocultas à distância: coisa de louco!”
    .
    Há muita gente que discorda de você. Por exemplo, o site https://weilerpsiblog.wordpress.com/2017/04/23/a-tale-of-em-waves-and-a-sunken-ship/ diz:
    .
    Just as a remote viewing experiment, this was kind of incredible for the accuracy and amount of detail they were able to get. Even skeptics at the time agreed that it would be impossible to fake it. It should have been convincing evidence of remote viewing, but it seems to have been totally forgotten.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Descreveram com precisão”: o que foi que descreveram com precisão? Coisas que seriam esperadas encontrar-se num naufrágio.
    .
    Sério? Witcombe pensa diferente:
    .
    Outra descoberta surpreendente foi um enorme bloco de pedra retangular—que parecia extraordinariamente semelhante ao que Hammid desenhou. “Não era o tipo de coisa que alguém esperaria identificar em um naufrágio”, afirmou Witcombe.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Outra tolice descomunal”
    .
    Como até agora não houve tolices (exceto as próprias proferidas pelo Montalvão), fica difícil falar em “outra” tolice (a menos que seja a próxima frase do Montalvão, aí concordo).
    .
    MONTALVÃO DISSE: “Vai saber se esses cara não foram suficientemente informados sobre as perspectivas de que alguma coisa estivesse naquela área? O próprio artigo diz que vários meses se pesquisava por ali. Então tinha-se como local promissor e já haviam eliminado vários pontos em que não havia nada. Sobrou trecho pequeno para que os malandros dessem seus chutes. Aí vem o bobalhão noticiar que os dois acertaram as coisas, apontaram o mesmo local… Nossa senhora que pariu! [...] É certo que aquele local era o mais promissor e tudo leva a crer que a DUPLA DISSO SABIA.”
    .
    Como predito, tolices descomunais do Montalvão:
    .
    A tripulação de Taurus teve cerca de 30 dias de mergulho procurando na Catalina Island exatamente na área que os sensitivos identificaram. Eles relataram que havia realmente muito pouco detritos, e nada “remotamente parecido com o que os sensitivos estão descrevendo”.
    .
    MONTALVÃO DISSE:” Quem dirigiu a investigação? O Grupo Mobius! O suspeitíssimo Grupo Mobius… ”
    .
    Muito suspeito mesmo: To further document what happened the entire project would be video-taped and photographed. Also it would be witnessed by a dozen men, completely uninvolved, and in some cases not really interested in the nonlocal consciousness research. Their business was taking scientists into the deep ocean so they could measure or see something. For them this was business as usual.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “já devidamente destruído pelas objeções do Gorducho…”
    .
    Perdi essa parte. Mas foi destruído mesmo? Destruído para mim é perder a credibilidade, ser demitido, não arranjar mais emprego na área, mas que eu saiba não ocorreu isso com o Schwartz…
    .
    MONTALVÃO DISSE: Realmente: “previsões INCRIVELMENTE PRECISAS”! [E de lascar o cocuruto!]
    .
    “As previsões foram surpreendentemente precisas. Havia cordas e polias e engrenagens,muitos cabos e correntes e era notavelmente fácil identificar os artefatos dos desenhos”.“Foi incrível encontrarmos a roda do navio em 270 pés de água exatamente como Hella desenhou”.
    .
    MONTALVÃO DISSE: “a melhor palavra para resumir a louca ideia de que exista essa tal de visão remota é putzgrila[elevada à quinta potência], e fim de papo.”
    .
    Infelizmente a melhor frase para definir a análise do Montalvão é: “coisas de um velho gagá”.

  250. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “não vale aprender porque estou com aquela doença do pai do Hitler ou porque meu cérebro, no seu diagnóstico, embotou? Só o meu ou o de todos na “minha idade”?”
    .
    VITOR: TODOS da sua idade.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: pelo que percebo, em sua concepção, há uma decadência linear, da qual ninguém escapa: chegando no tempo respectivo pode dar adeus aos bons tempos, a partir de então, o que espera o infeliz é canseira, enfado, desmemoriamento e… fralda…
    .
    Se for assim, meu caro, pode começar a se angustiar desde agora, pois já sabe o que o espera e todas suas conquistas de pouco lhe valerão quando acontecer o seu momento, o que, inapelavelmente logo perceberá, chega tão rápido que terá dificuldades em crer que finalmente ganhou a “sorte grande”.
    .
    Felizmente para nós que estamos quase lá as coisas não são tão simples conforme supõe. Quero dizer: enquanto há vida há esperança. Seremos amanhã o resultante de nosso investimento presente. É certo que há coisas que não podem ser facilmente mexidas: genética, acidentes, estratégias errôneas, balas perdidas… Mas naquilo que podemos interferir, se o fizermos, será a diferença entre uma vetustice produtiva e um vegetal ambulante.
    .
    Eis a melhor ideia que lhe posso dar neste ano de dois mil e… (em que ano estamos mesmo?), hummmm… se não me me falha aquela coisa que tenho na cabeça que guarda as coisas, dezoito…
    .
    Falou MOi, um quase seguidor do pai do Adolfinho…

  251. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Se for assim, meu caro, pode começar a se angustiar desde agora, pois já sabe o que o espera e todas suas conquistas de pouco lhe valerão quando acontecer o seu momento, o que, inapelavelmente logo perceberá, chega tão rápido que terá dificuldades em crer que finalmente ganhou a “sorte grande”.”
    .
    Eu já me preparo. Não vou gastar meu dinheiro em cursos tentando aprender outras línguas. É perda de tempo e dinheiro. Agora me viro no tradutor do google e tá bom demais. Outras línguas é só para quem é jovem. Criança. Depois de adulto não dá mais. Recomendo que não perca seu tempo e dinheiro tentando aprender línguas. NÃO OUÇA O MARCIANO QUANTO A ISSO. Falo pro seu bem, pra você não ficar frustrado. Se você quer saber minha base para isso, é essa:
    .
    https://www.youtube.com/watch?v=kKKW6RlQygM
    .
    Essa história de “nunca é tarde para aprender” é balela. Pelo menos no tocante a outras línguas.

  252. Gorducho Diz:

    Na escola era o B-6700
     
     
    Depois no 1° emprego c/carteira (não-estagiário) era um mini EDISA se bem me lembro.
    Mas não tinha acesso a ele. Na m/área ele servia pra fazer orçamentos onde se preenchia formulários em papel com a configuração do produto pra se elaborar a proposta (de venda ao potencial cliente).
    Nosso correligionário Marciano nem imagina como eram bons aqueles tempos…
    O TELEX;
    uísque, suco-de-tomate e castanhas-de-caju no avião;
    sem camisinhas…

  253. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “Mas antes de entregar-me aos braços de morpheus (essa é nova, hem?) quero deixar o Vitor respondido.”
    .
    VITOR: Você tem que ir para os braços de Hipnos primeiro antes de se entregar a Morfeus. Isso porque Hipnos é o deus do sono. Morfeus é o deus dos sonhos. Para sonhar você previsa cair no sono primeiro, a menos que esteja sonhando acordado, o que não é o caso.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: se sua rememorência não estivesse um tanto gagagante, lembrar-te-ias que já me falou disso, e o diria, supondo a ruim memória fosse a minha. Ocorre que minha pretensão foi proferir: “antes que me entregue aos sonhos” (mesmo porque nos braços de hipnos eu já estava: funcionava no automático…). Portanto, posso corretamente me referir a Morfeu, sem aludir ao seu irmão Hipnos, e sem incorrer no erro de usar carroça para puxar bois, se é que me entende…

  254. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Nosso correligionário Marciano nem imagina como eram bons aqueles tempos…
    O TELEX;”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: quando a máquina começava a bater uma mensagem entrante parecia uma escola de samba em ação. Alguns colegas até ensaiavam passinhos de dança enquanto o tac-tac-tac estava ativo.
    .
    Tinha uma turma da faxina que trabalhava à noite. Certo dia uma moça pediu ao gerente que a retirasse daquele horário, explicou que havia fantasmas agindo na agência, pois as máquinas começavam a funcionar sozinhas!

  255. Contra o chiquismo Diz:

    Pois é, Marciano e o Pastor mostram um grau de civilidade incrível. Nada concordo com o Pastor, mas é um sujeito notavelmente do bem. O melhor dos tópicos: os comentários últimos dos dois pq o Vítor tá sacal c essa parada de psi. Po, bota o chiquismo ae pra gente detratar CX!
    .
    .
    Gorducho, viu o que esse sem noção fez no avião?
    .
    .
    https://g1.globo.com/mundo/noticia/passageiro-abre-saida-de-emergencia-de-aviao-e-e-preso-nos-eua.ghtml
    .
    .
    Montalva, hj lembrei de tu. Passei na Viscondessa de Piraçununga rumo à rua Laura Araújo pra ver uma auto peças.
    .
    .
    Que mafuá o Catumbi, casas velhas crianças de pé no chão, butecos, taxistas comendo em pés sujos e lixo na rua. Pode-se dizer que é o 2º bairro mais feio do RJ perdendo só pra Gamboa.
    .
    .
    Nessas pobrezas é que se desenrola o chiquismo…

  256. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “Se for assim, meu caro, pode começar a se angustiar desde agora, pois já sabe o que o espera e todas suas conquistas de pouco lhe valerão quando acontecer o seu momento, o que, inapelavelmente logo perceberá, chega tão rápido que terá dificuldades em crer que finalmente ganhou a “sorte grande”.”
    .
    VITOR: Eu já me preparo. Não vou gastar meu dinheiro em cursos tentando aprender outras línguas. É perda de tempo e dinheiro. Agora me viro no tradutor do google e tá bom demais. Outras línguas é só para quem é jovem. Criança. Depois de adulto não dá mais. Recomendo que não perca seu tempo e dinheiro tentando aprender línguas. NÃO OUÇA O MARCIANO QUANTO A ISSO. Falo pro seu bem,
    /.
    CONSIDERAÇÃO: foi nesse ponto que quedei-me estupefato. Sem achar Chapolin Colorado que me defendesse, apelei para as potestades. Pus-me em decúbito frontal e acessei trimegisticamente a erraticidade. Depois de obter passe autorizativo no Ministério das Generalidades, contatei Ismael que, para minha ventura, estava em dia de generosa responsividade (dia que ele está de ovo virado diz logo: Ah! Vá chupar um paralelepípedo, seu inconstanticionalissimamentico!) Seguiu-se, então, o seguinte diálogo telepático sheldrakeano.
    /
    - Isma, como pode o gafanhoto dar conselhos pro sapo que lhe é mais experiente em termos vivenciais?
    .
    Ismael que facilmente pescava sutilezas, com olhos de dulcíssima condescendência, elucidou:
    .
    - A inexperiência, em verdade é tua, não sabes, mas sei eu por que leio aqui nos akhasicos, que em existências contas uns 69s, enquanto o jovem inzoneiro tem nas costas mais de mil!
    .
    Ante meu olhar aparvalhado, arrematou:
    .
    - sim, apenas no período da dominação romana o guapo mancebo acumula 487 idas e vindas!
    .
    - Mas por que tantas? – obtemperei – teria o dito estacionado em sua caminhada evolutiva?
    .
    - Nada – respondeu Ismael com suave ternura – é que ele demorou a aprender manejar a espada…
    .
    Foi aí que dúvida acossou-me intensa:
    .
    - Mas então aí tem mistério: essa pobre alma não traria em seu corpítio múltiplas marcas, a provar cientificamente que a reencarnação é a mais lustrosa realidade? Acontece que, até onde sei, ele é limpinho…
    .
    - Cê num sabe de nada… só pra ter uma ideia: numa das vidas românicas, o em pauta, durante um combate, tentava atabalhoadamente pegar sua espada, que guardava no estojinho de maquiagem. Enquanto estava nesse esforço, um celta o lanhou da testa até o miudinho. Na encarnação seguinte ele veio qual duas bandas de gente mal coladas. Pobre tadinho, teve que passar várias vidas saindo na mão, se é que me entende, pois não achava manceba disposta a encarar o “dois pedaços”, como ficou conhecido.
    .
    - ?! – ante meu olhar de profundo espanto, Isma arrematou:
    .
    - foi então que resolvi acionar o Bezerra. Chamei-o e disse: “Ô Bezerra, olha o estado desse estupor! Ele não pode continuar no vaivém desse jeito, o sujeito tem mais marcas de reencarnação que tecido adiposo!”
    .
    Bezerra prontamente aquiesceu:
    .
    - Tem razão, mas só vou poder fazer algo depois que ele retornar, o Arigó acabou de morrer e não tenho mais ninguém na Terra que faça o milagre, mas não vai demorar muito, visto que nessa vida (quer dizer na vida anterior) ele é manguaceiro de categoria e brevemente vai dar chabu…
    .
    Não demorou nosso herói tropeçou na garrafa e acordou no hades, digo, no Ministério da Recuperação.
    .
    De lá foi encaminhado ao instituto pitangueano errático, onde o remendaram direitinho. Hoje, moçoilas mil se rasgam para decidir que não vai ficar com ele…
    .
    Por isso é que o Visoni acredita ferreamente na reencarnação, mas não tem como prová-la…
    .
    Findei meu papo com Ismael abrindo um Natu Nobilis, do qual bebi gostosamente e ele sorveu vapores.
    /
    /

    VITOR: pra você não ficar frustrado. Se você quer saber minha base para isso, é essa:
    .
    https://www.youtube.com/watch?v=kKKW6RlQygM
    .
    Essa história de “nunca é tarde para aprender” é balela. Pelo menos no tocante a outras línguas.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: sua base está, levando em conta a leitura que dela faz, terrivelmente exagerada! Eis que o autor não fala de “impossível”, diz apenas “difícil”. Segundo ele, quem aprende língua em idade estabilizada fala com sotaque. Tá aí tudo bem. Eu mesmo comunico-me com trejeitos bessarabianos até hoje.
    .
    O olha que de lá migrei aos onze meses de idade. Lembro como se hoje fosse, papai se despedindo de mim, entregando-me uns sanduíches de carne de carneiro alsaciano, dois litros de leite de cabra, uma garrafa de praianinha e uma gramática bassarábio-portuguesa. Cheguei ao Brasil fluente na língua mas nunca perdi o sotaque…

  257. Vinicius Diz:

    Gorducho, Contra etc.
    Noticias de KIM JONG
    https://www.msn.com/pt-br/noticias/mundo/exclusivo-l%c3%adderes-da-coreia-do-norte-usaram-passaportes-brasileiros-para-pedir-vistos-de-pa%c3%adses-ocidentais-dizem-fontes/ar-BBJFqjf?li=AAkXvDK&ocid=spartanntp

  258. Vitor Diz:

    Hoje é aniversário do Vinícius. Parabéns, Vinícius!

  259. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “Eis que o autor não fala de “impossível”, diz apenas “difícil”. Segundo ele, quem aprende língua em idade estabilizada fala com sotaque. ”
    .
    Para o Tarzan e para algumas crianças citadas ficou bem claro que é sim IMPOSSÍVEL.

  260. Contra o chiquismo Diz:

    Vinícius, abri aqui justamente pra postar essa pro Gorducho:
    .
    .
    https://br.noticias.yahoo.com/exclusivo-l%C3%ADderes-da-coreia-norte-usaram-passaportes-brasileiros-180056509–sector.html
    .
    .
    Mas vc se adiantou.
    .
    .
    Vê mais essa do nosso Grande Líder. É mole Gorducho?

  261. Marciano Diz:

    MARCIANO RESPONDE A TODOS.
    ===============================================================
    MONTALBAN: taí, pra mostrar que sou macho pra dedéu: desafio aceito!. No dia 24/2/2019, às 11h20min faça a cobrança!
    /.
    MARTIANUS: I’ll probably not remember it then. It’s up to you to remind me.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: Wow! What happened that your prodigious memory?

    ===============================================================
     
    Correcting (part of the free classes):
    Wow! What happened to your prodigious memory?
    Or
    Wow! What happened to that prodigious memory?
     
    It remains the same, I guess, but I’m not taking you seriously, so I’ll probably not remember when the time comes.
     
    ===============================================================
    “Do it, in the due time, and I’ll provide you a text with a nearly insurmountable level of difficulty, even for native speakers.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: oh, you’re a very bad man, I don’t intend to be “a fodão” in english, it’s enough to me understanding what I read.

    ===============================================================
     
    Correction:
    Oh, you’re a very bad man. I don’t intend to be an old hand in English, it suffices for me to understand (understanding is acceptable, without “to”, in this case) what I read.
     
    That’s what you think! Many times you don’t understand fully or correctly what you read.
    Take my word for it!
     
    ===============================================================
    CONSIDERAÇÃO: I suppose you turn of side, because before you belivied me, now is with Visoni. This why I say: it’s not possible be happy!
    .
    In time, as can see, I write this phrases alone! Google out!

    ===============================================================
     
    Correction:
    I suppose you switched sides, because you believed in me before and now you believe Visoni. It’s for this reason that I say: it’s not possible to be happy.
     
    It’s not only your English that is out of order. Your mind seems to be confused too.
    I don’t take any side. We share many ideas (because we know what’s right and what’s wrong, generally speaking).
    It’s not a question of taking sides or believing.
     
    ===============================================================
    DEPURATION:
    There are logical error in the affirmation “‘Mesmer tinha razão: o magnetismo animal existe!’”. Mesmer don’t knowed hypnos. He only belivied that whas carried to word eyes the animal magnetisme, only this. This the mistery: the modern hypnos father don’t knowed hypnos!

    ===============================================================
     
    No comments!
    That’s why I say (or should say) that it’s impossible to comment on remarks that don’t mean a thing.
    I refer to your Grammar, of course. That has nothing to do with the late Mesmer or with hipnosis.

     
    ===============================================================
    [The man of Mars!].
    ===============================================================
     
    I promised and I must keep my word.
    I’m a man FROM Mars, not OF Mars.
    Ich komme aus Mars.
    I don’t belong to Mars. And I’m not made of Mars.
     
    ===============================================================
    if possible, pardon me please: will be a great please to me and I’ll be very happy!
    ===============================================================
     
    If it is possible, pardon me, please. It will be a great PLEASURE to me etc.
     
    That’s ok! There’s nothing wrong with it. Like I said, you flattered me when you took me for Chubby.
     
    ===============================================================
    Mas antes de entregar-me aos braços de morpheus (essa é nova, hem?) quero deixar o Vitor respondido.
    ===============================================================
     
    Tá com a memória bichada mesmo!
    E pensar que um dia eu, talvez, (se não morrer antes) também ficarei assim, conforme o vaticínio vitoriano.
     
    Marciano Diz:
    FEVEREIRO 12TH, 2017 ÀS 11:20 PM
    Montalvão, obrigado pela atenção.
    Ainda tem mais coisas pra você ler, mas sei que morpheu está rondando seu perispírito.
    Durma com os anjos, tu que tens de humano o gesto e o peito.
    [{-_-}] ZZZzz zz z...
     
    Confira, clicando AQUI.

     
    It seems that there’s really nothing wrong with my old and stressed memory.
    Μορφεύς, be praised!
    I MEAN: Μνημοσύνη be praised!
     
    ===============================================================
    Cá temos, Pesidente.
    ===============================================================
     
    Lesson to be learned: never argue with the Vice-President, when the subject is computer languages or Mathematics.
     
    Montalvão, esse negócio que você chama de “depuração” é o “debugging”?
     
    Remoção de bugs, ou seja, de erros nas linhas de comando?
    Aqueles que geram resultados indesejados na execução?
     
    ===============================================================
    Para sonhar você previsa cair no sono primeiro, a menos que esteja sonhando acordado, o que não é o caso.
    ===============================================================
     
    Mas que tem gente que sonha acordada, isso tem. Daydreaming, Montalvão.
     
    ===============================================================
    Se for assim, meu caro, pode começar a se angustiar desde agora, pois já sabe o que o espera e todas suas conquistas de pouco lhe valerão quando acontecer o seu momento, o que, inapelavelmente logo perceberá, chega tão rápido que terá dificuldades em crer que finalmente ganhou a “sorte grande”.
    ===============================================================
     
    Vou responder pelo Vitor, o que não quer dizer que estou tomando partido, coisa que nunca fiz.
     
    Pelo que entendi, ele estava a se referir especificamente ao aprendizado de línguas estrangeiras, não a qualquer outra atividade intelectual. E foi taxativo em dizer que ele (o Vitor) já atingiu a idade limite.
     
    ===============================================================
    Falou MOi, um quase seguidor do pai do Adolfinho…
    ===============================================================
     
    Está a seguir a pessoa errada. Siga o Führer.
    O pai dele não era de nada.
     
    Vejo logo abaixo que o próprio Vitor respondeu.
     
    VITOR DIZ:
    ===============================================================
    Recomendo que não perca seu tempo e dinheiro tentando aprender línguas. NÃO OUÇA O MARCIANO QUANTO A ISSO. Falo pro seu bem, pra você não ficar frustrado.
    ===============================================================
     
    Parece que Vitor também está ficando desatento ou desmemoriado, pois não viu que logo depois de seu comentário, eu respondi:
     
    Marciano Diz:
    FEVEREIRO 23RD, 2018 ÀS 7:59 PM
    Oi, Vitor.
    As pouquíssimas línguas que arranho foram aprendidas no início da adolescência.
    Já vi muita gente dizendo isto (sobre idade), mas não sei se é verdade.
    Claro que quando se é mais novo, é mais fácil.
    Montalvão precisaria de mais esforço, levaria mais tempo para aprender, se compararmos com sua (dele) capacidade quando era bem jovem, mas não acho que seja impossível.
     
    Prova: CLIQUE AQUI.
     
    GORDUCHO, sem camisinha eu aprovo.
     
    Também preferiria que as mulheres só aparassem, que não depilassem, como era o caso naquele tempo, a julgar pelos vídeos “classics” que se veem na web :oops:
     
     
    COC, que bom que voltou.
    O Pastor é crente, mas é gente boa. Não parece totalmente fanático.
    Por isso me entendo bem com ele.
     
    Vitor disse que teremos de esperar mais meio ano para ter espiritismo de novo por aqui.
     
    Vinicius, parabéns, cara!
    Vou sorver um grau hoje em sua homenagem.

  262. Gorducho Diz:

    Sobre seu comentário após a camisinha [esforço pra superar a inibição... vamos lá!
    vamos lá Grassouillet! :oops: ]
    SIM ❗
     
     
    Lá na America alguém me disse que a origem dessa moda seria… brasileira…
    Mas não sei se tem algum fundamento isso :(

  263. Gorducho Diz:

    Nos erros de compilação no B6700 a maioria das mensagens era
    SEMICOLON EXPECTED
    que obviamente em nada ajudava.
    Depois tinha um DEBUG MONITOR
    que cuspia folhas e folhas – era uma espécie de proto-printStackTrace()

  264. Gorducho Diz:

    DPRK
     
     
    Com ele ninguém pode.
    A SK já baixou a bola e vai negociar…

  265. Gorducho Diz:

    Eu ia escrever no nome em coreano mas é enorme :mrgreen:
    Dá uma trabalheira montar a 1ª consoante
    vogal
    2ª consoante…

  266. Gorducho Diz:

    Congratulações Analista Vinícius :!:
     
    Vou ver se acho a abdução da vaca pra recordar.
    Não me lembro bem do causo…

  267. Marciano Diz:

    Sobre se a moda foi criada no Brasil, não sei, mas no filme (o primeiro) Carrie (baseado no livro de King), tem uma cena, no banheiro feminino, em que se pode ver as mulheres da época (americanas) bem servidas e aparadinhas.
    1976
    Check it out:
    https://www.youtube.com/watch?v=_XIJrmARv94

  268. Marciano Diz:

    Parece que a moda (independentemente da origem) iniciou-se com um bigodinho à maneira do Führer, que logo foi abandonado.

  269. Marciano Diz:

    Também já ouvi dizer que a origem seria brasiliana.

  270. Marciano Diz:

    Que absurdo!
    A versão do youtube está editada, justamente para que não vejamos as cenas.

  271. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Montalva, hj lembrei de tu. Passei na Viscondessa de Piraçununga rumo à rua Laura Araújo pra ver uma auto peças.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: quando lá for de novo, dê uma olhadinha no nº 57, veja se ainda lá funciona uma marcenaria (dei uma vista d’olhos no google, mas não foi possível identificar). Ali laborei durante certo tempo…
    ./
    /
    “Que mafuá o Catumbi, casas velhas crianças de pé no chão, butecos, taxistas comendo em pés sujos e lixo na rua. Pode-se dizer que é o 2º bairro mais feio do RJ perdendo só pra Gamboa.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: hoje, pelo que observei tá um pouco melhor que na década de 1970, nessa época a decadência era total, só tinha construção centenária e caminhando para a ruína. Agora, várias foram remodeladas.

  272. Marciano Diz:

    O youtube editou as cenas e não consegui outra fonte.
    Leia (sem imagens) aqui:
    http://www.complex.com/pop-culture/25-most-important-full-frontal-nude-scenes-movies/carrie
    Eu vi esse filme, e era nu frontal de um monte de mulheres. Todas peludas.
    Tente baixar (não do comunista e censor youtube, claro).
    É logo no início do filme.

  273. Marciano Diz:

    Depois, veja como seu amigo tem razão:
    https://www.liveabout.com/what-is-a-brazilian-wax-1716740

  274. Marciano Diz:

    Aqui no blog a gente aprende “cada coisa”…

  275. Gorducho Diz:

    O DEBUG MONITOR tb. imprimia os valores que as variáveis iam assumindo durante o
    JOB
    … se chamava JOB…
    se bem me lembro.
    Que maravilha, que bons tempos.
    A linguagem “nativa” do B6700 (se bem me lembro até o OS dele ela escrito nela) era o ALGOL
    que depois inspirou o Pascal
    que originou o Delphi
    que foi muito usado pra acessar bancos-de-dados (automação comercial, &c…) na era pré-web.

  276. Marciano Diz:

    Aqui
    http://www.filmsite.org/sexinfilms27.html
    em Carrie (1976), tem pelo menos UMA foto que dá pra ver o que estão escondendo.
    É incrível que em 2018 os comunistas tenham censurado a cena, com o propósito de tornarem as pessoas mais puritanas do que em 1976.
    Esses babacas são uns hipócritas mesmo.
    NSFG ficaria p da vida com eles.

  277. Marciano Diz:

    평양 ❔

  278. Marciano Diz:

    Pelo que vi, as cenas omitidas eram um take alternativo, da época.
    Na montagem final, o nu frontal foi para o cinema.

  279. Marciano Diz:

    Got it!
    朝鮮民主主義人民共和國
    Em hangul,
    조선민주주의인민공화국
    O primeiro nome é em hanja.
    한문; 漢文 = caracteres sino-coreanos.
    한자 é a simplificação.

  280. Marciano Diz:

    Eu tinha um DVD com as cenas originais, todas peladas, ou peludas, depende do ponto de vista.
    Agora não tenho certeza se era um DVD ou VHS.
    TEntei encontrar o filme no web (o original) ou pelo menos as cenas originais, sem os cortes, mas não consegui.

  281. Marciano Diz:

    Gorducho, monte um ficheiro com as várias escritas.
    Eu fiz isto.
    Fica mais fácil, na hora de montar.
    Tenho ficheiros para várias línguas.
    Com tudo organizado, fica fácil.

  282. Marciano Diz:

    Aí, COC:
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Hanja

  283. Marciano Diz:

    Como diz a wikipedia, Sem suporte multilingue apropriado, você verá interrogações, quadrados ou outros símbolos em vez de hangul ou hanja.
    Atualize o Chrome.

  284. Marciano Diz:

    한국어는 쉽습니다. 새로운 알파벳은 간단합니다.
    Agora vou dar um tempo.

  285. Marciano Diz:

    Coc, a frase acima tem dois “ni-dá”.

  286. Marciano Diz:

    니다 = ni-dá.

  287. Marciano Diz:

    Verbos sem batchim – Flexão no discurso formal
    (usado com pessoas de nível superior ao do falante ou com desconhecidos, como forma de alto respeito)

    É bem simples! Basta colocar o ㅂ니다 (afirmativa) ou ㅂ니까 (interrogativa) acoplado à raiz.

  288. Gorducho Diz:

    Ok, já tenho meu gerador de entidades mais aperfeiçoado, em JavaScript…
     
     
    Ninguém pode com a
    조선민주주의인민공화국
    Companheiro CoC :!:

  289. Marciano Diz:

    한국말을 잘 몰라요.
    Hangungmal* chal mollayo.
    Não falo muito bem coreano.
    * Coloquei a romanização dessa frase por causa do 한국말.
    Não é o esperado hangukmal, mas hangungmal, pois ocorre uma nazalização, ou seja, com a assimilação de uma consoante velar (ㄱ)com a bilabial ㅁ , o ㄱ vira ㅇ.

  290. Marciano Diz:

    A frase acima é apenas um exemplo, tirado de uma aula de coreano.
    Eu (propriamente dito, minha pessoa) não falo absolutamente NADA de coreano.

  291. MONTALVÃO Diz:

    /
    “=============================================
    mas antes de entregar-me aos braços de morpheus (essa é nova, hem?) quero deixar o Vitor respondido.
    =====================================
    .
    Tá com a memória bichada mesmo!
    E pensar que um dia eu, talvez, (se não morrer antes) também ficarei assim, conforme o vaticínio vitoriano.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: UAi, agora deu-me nó no compreendimento (devo tá mesmo bichado). O que o levou a desenterrar o seu comentário precedente correlacionando-o ao meu comentário presente? Até onde minha miopia permite vislumbrar não vislumbro ligação entre…

  292. Marciano Diz:

    Entendi mal, Senhor Presidente.
    Mil perdões.

  293. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Montalvão, esse negócio que você chama de “depuração” é o “debugging”?
    .
    Remoção de bugs, ou seja, de erros nas linhas de comando?
    Aqueles que geram resultados indesejados na execução?”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: como diria o Chaves: ISSO, ISSO, ISSO…

  294. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “Eis que o autor não fala de “impossível”, diz apenas “difícil”. Segundo ele, quem aprende língua em idade estabilizada fala com sotaque. ”
    .
    VITOR: Para o Tarzan e para algumas crianças citadas ficou bem claro que é sim IMPOSSÍVEL
    /.
    CONSIDERAÇÃO: a história do Tarzan e a das crianças citadas difere da minha substancialmente, não se aplica, pois…

  295. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Vou responder pelo Vitor, o que não quer dizer que estou tomando partido, coisa que nunca fiz.

    Pelo que entendi, ele estava a se referir especificamente ao aprendizado de línguas estrangeiras, não a qualquer outra atividade intelectual. E foi taxativo em dizer que ele (o Vitor) já atingiu a idade limite.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: sei-o disso, sei-o que ele se referiu às línguas, nobre fiscal de anciões: eu é que expandi horizontes, pretendendo mostrar-lho (a ele) que se a coisa fica feia será mais feia do que ele pensa. A não ser que ele demonstrasse que somente o aprendizado de idiomas é que fica arruinado na “boa idade” (coisa que não fez) sugeri que, levando em conta a tese que defende, que se preparasse para o pior, pois ele (o pior) chega mais cedo que se imagina.

  296. Marciano Diz:

    Conheço sua magnífica inteligência, Senhor Presidente.
    Com esse estímulo, acho que em um ano começarei a ter meus textos em inglês corrigidos por sua pessoa.
    O que será um deleite, pois sempre é bom aprender um pouco mais.
    Agora vou 🍽
    Vou tomar um gole em homenagem ao VINICIUS.

  297. Marciano Diz:

    VINICIUS, Alles Gute zum Geburstag!
    Vou lembrar de você e pedir um 🍾 após o prato principal.

  298. MONTALVÃO Diz:

    /
    ====================================
    Mas antes de entregar-me aos braços de morpheus (essa é nova, hem?) quero deixar o Vitor respondido.
    =================================

    MEN FROM MARS said: Tá com a memória bichada mesmo!
    E pensar que um dia eu, talvez, (se não morrer antes) também ficarei assim, conforme o vaticínio vitoriano.
    ————————————.

    Marciano Diz:
    FEVEREIRO 12TH, 2017 ÀS 11:20 PM
    Montalvão, obrigado pela atenção.
    Ainda tem mais coisas pra você ler, mas sei que morpheu está rondando seu perispírito.
    Durma com os anjos, tu que tens de humano o gesto e o peito.
    ————————————.
    /
    CONSIDERAÇÃO:
    GREAT MEN FROM MARS:
    .
    Para que melhor entenda meu comment ao Vitor e fique deveras iluminado, informo-lho o histórico:
    /

    VITOR falou: Você tem que ir para os braços de Hipnos primeiro antes de se entregar a Morfeus. Isso porque Hipnos é o deus do sono. Morfeus é o deus dos sonhos. Para sonhar você previsa cair no sono primeiro, a menos que esteja sonhando acordado, o que não é o caso.
    /.
    MONTALVÃO respondeu: se sua rememorência não estivesse um tanto gagagante, lembrar-te-ias que já me falou disso, e o diria, supondo a ruim memória fosse a minha. Ocorre que minha pretensão foi proferir: “antes que me entregue aos sonhos” (mesmo porque nos braços de hipnos eu já estava: funcionava no automático…). Portanto, posso corretamente me referir a Morfeu, sem aludir ao seu irmão Hipnos, e sem incorrer no erro de usar carroça para puxar bois, se é que me entende…
    /
    CONSIDERAÇÃO: aí você, homem de Marte, deve ter entendido que o velhinho, mais uma vez, mostrou estar baruela das ideias, pois teria creditado ao Vitor a autoria de declaramento seu!
    .
    A gente cá tem que pisar em ovos…
    .
    Ocorre que minha referência foi ao diálogo abaixo reproduzido:
    /
    ——————————-.
    Vitor Diz:
    JANEIRO 22ND, 2016 ÀS 12:00 PM
    .
    MONTALVÃO DISSE: ” tem razão, ontem, antes de entregar-me aos braços de Morfeu,”
    .
    VISONI: Só se você sonhou, porque Morfeu era o deus dos sonhos. Se você apenas dormiu, um sono sem sonhos, você se entregou apenas aos braços de Hipnos, este sim o deus do sono.
    ——————————-.
    /
    Acreditando ter esclarecido, parto para novas aventuras…

  299. MONTALVÃO Diz:

    /
    Estou lançando meu fã-clube, quem quiser aderir inscrições abertas.
    .
    Eis o manifesto do primeiro inscrito:
    /
    ————————–.
    Rodolfo Diz:
    janeiro 28th, 2017 às 11:45 PM
    .
    Eu estava procurando um texto de parapsicologia e me deparei com esse blog. Me surpreendi por ser um blog brasileiro cujo o autor entende do assunto.
    .
    Estava bom demais para ser verdade. Cada post vem com uma sessão de comentários que é, no mínimo, um hospício. Principalmente esse Montalvão, até a maneira com que ele se expressa demonstra que ele claramente possui algum tipo de problema mental.

    ———————————–.
    /
    Aproveitem a promoção, taxa de inscrição com 50% de desconto!

  300. MONTALVÃO Diz:

    /
    Eu hoje só amanhã…

  301. Gorducho Diz:

    ABDUÇÃO DA VACA

  302. MONTALVÃO Diz:

    /
    GORDUCHO Diz:
    .
    O Sr. ACREDITA na possibilidade de “paranormalidade” existir, Pastor?
    I.e.: dum “psíquico” poder desvendar algum homicídio; ou encontrar uma pessoa sequestrada;
    ou enxergar o futuro…
    &c…
    Que diz a Bíblia (V + NT) sobre essa possibilidade ?
    /.
    MAN OF RELIGION SAYS:
    ========================================
    R: Não acredito, são apenas pessoas endemoniadas. Veja o que diz a Escritura:
    =========================================
    Deuteronômio 18:10-13
    10 Não se deve encontrar em seu meio alguém que queime seu filho ou sua filha no fogo, ou que use de adivinhação, ou que pratique magia, ou que procure presságios, ou um feiticeiro, ou alguém que prenda outros com encantamento, ou que consulte quem invoca espíritos, ou um adivinho, ou alguém que consulte os mortos.
    ===================================
    Esse texto responde a segunda parte da sua pergunta. No NT como pediu também:
    =================================
    Apocalipse 12:9
    9 Assim, foi lançado para baixo o grande dragão,a a serpente original,b o chamado Diabo e Satanás, que está enganando toda a terra habitada.e Ele foi lançado para baixo, à terra, e os seus anjos foram lançados para baixo junto com ele.
    ==============================
    MAN OF RELIGION Find: “Paranormal” nada mais é que um nome light, sofisticado para endemoniado.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: parece que o Fat Boy deu-se por satisfeito com a resposta do pastor, eu não.
    .
    Pastor, li e reli as referências que postou e elas não falam de endemoninhamento, nem no Deuteronômio, nem no Apocalipse. Será que aí tem mistério?
    .
    Talvez se der sua pessoal interpretação as trevas se alumiem.
    .
    Fico no aguardo.

  303. Contra o chiquismo Diz:

    Obrigado Gorducho e Marciano pelo coreano, ainda quero aprender a escrever assim aqui.
    .
    .
    Vinícius, parabéns, felicidades mesmo cara e desejo que vc jamais tenha recaída chiquista.
    .
    .
    Montalva, amanhã vou ver se passo lá e confiro,mas asfaltaram lá e tem casas reformadas sim. Mas uma tinha a placa ” Mantenha a porta fechada – Ratazanas” . Kkkkkkkkkkkkkkkkk. A vantagem ali é só estar perto do Centro e nada mais.

  304. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Acreditando ter esclarecido, parto para novas aventuras…
    ===============================================================
     
    Eu já tinha pedido desculpas pelo lamentável incidente, Senhor Presidente, mas agradeço penhoradamente seus esclarecimentos.
     
    E esse negócio de pisar em ovos não foi criado por mim. Quando aqui cheguei, já encontrei o ambiente formado.
    Se não defecar 1kg certo, tá lascado.
    Se urinar fora do penico, paga 800 anos de umbral.
     
    Desejo que saiba eu penso que um pouquinho (só um pouquinho) mais de flexibilidade facilitaria o entendimento de todos. Por outro lado, também não se pode flexibilizar muito, senão vai ter gente inventando o que bem lhe aprouver.
    Apesar de extremista, não sou dado a extremos, muito pelo contrário. Para mim, pão é pão e queijo é queijo.
    Sei que não funciona ( {\displaystyle x_{m}} {\displaystyle x_{m}} ), mas o quero dizer é que não gosto de pontos máximo e mínimos de uma função. Sou a favor do Teorema do Valor Médio para Integrais.
    Gosto de clareza, por isto sempre me expresso claramente, como o faço neste parágrafo.
     
    É justamente para evitar a polivalência semântica da gramática que postulo (com o apoio do Vice-Presidente, o Excelentíssimo Senhor G Grassouillet) que se implemente LaTeX no sítio.
     
    ===============================================================
    Estou lançando meu fã-clube, quem quiser aderir inscrições abertas.
    ===============================================================
     
    Sabe que sou seu fã, no entanto, nunca me falou dessa tal taxa de inscrição no fã-clube.
    Se tiver de pagar alguma coisa, eu saio.
     
    Outra coisa: fãs que iniciam oração com pronome oblíquo átono, que colocam artigo depois de pronome relativo, etc., também contam?
     
    Se a resposta for afirmativa, requeiro minha desfiliação.
     
     
    Sendo o Pastor meu amigo, assim como o Sr. Presidente, vou passar ao largo da questão paranormal.

  305. Marciano Diz:

    🤔
    Por que trazer a lume um comentário isolado de mais de um ano atrás?
    Será que só agora o viu?
    Parece que Ele está mesmo atrasado na leitura.

  306. Marciano Diz:

    Leitura recomendada:
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Ceticismo_cient%C3%ADfico
    A esta hora, só os 🧛 permanecem em vigília.
    Sou ansioso, gosto de respostas rápidas.
    Quando tenho tempo, os demais estão dormindo. Quanto estão ativos, não tenho tempo.🤷
    Hasta mañana, baby!

  307. Vinicius Diz:

    Muito grato pelos votos de feliz aniversário! Sucesso a todos nós!
     
    Aí vai uma “mensagem do além” recebida por arqueólogos no Egito
     
    “Mas outra coisa também chamou a atenção de todos na equipe de arqueólogos.
     
    Waziri qualificou como uma “maravilhosa coincidência” ter descoberto na véspera do Ano Novo um colar que tinha a inscrição “Feliz Ano Novo” em hieróglifos.
     
    “Foi uma mensagem enviada do além”, disse.”
     
    https://www.msn.com/pt-br/noticias/mundo/a-necr%C3%B3pole-descoberta-no-egito-que-continha-uma-mensagem-do-al%C3%A9m/ar-BBJFMWx?li=AAkXvDK&ocid=spartanntp

  308. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Se não defecar 1kg certo, tá lascado”
    /,
    CONSIDERAÇÃO: essa piada, vou te contar: tem mais de cinquenta anos, beira os sessenta!

  309. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Com esse estímulo, acho que em um ano começarei a ter meus textos em inglês corrigidos por sua pessoa.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: menos, meu jovem, menos… se eu nesta vida (nas próximas não sei) chegar um dedinho próximo de sua esmerada formação entenderei que valeu a pena cá ter vindo…

  310. Vitor Diz:

    MONTALVÃO DISSE: “a história do Tarzan e a das crianças citadas difere da minha substancialmente, não se aplica, pois…”
    .
    Ok, Montalvão, mas eu penso que a relação custo/benefício não valerá a pena. Se já para mim não vale, que sou mais novo, quanto mais para você. Melhor investir seu tempo e dinheiro em outras coisas.

  311. Gorducho Diz:

    Eles só não “descobrem” o que tem atrás das paredes N e W da tumba do Tut.
    Agora (fevereiro) contrataram outros radaristas. Polêmica de anos mas “ψquico” ou “médium” pra dar uma informação do que tem a 2 ou 3 pés de distância que é bom, nada…
    Na literatura fantástica eles ajudam o FBI, enxergam obras no outro lado da Lua onde os trabalhadores trabalham pelados.
    Mas pruma coisa tão simples… nada
    :(

  312. Gorducho Diz:

    Eu concordo que aprender OUTRO idioma não vale a pena mesmo.
    Por isso não mais me interesso em aperfeiçoar o alemão – cujo só arranho –, por exemplo.
    Mas inglês é básico hoje em dia e vale a pena em qq. idade. Ainda mais ele que mora em cidade relativamente pequena, então é fácil ir até de-a-pé quiçá num Yázigi ou similar…

  313. Gorducho Diz:

    ============================================================
    Se já para mim não vale, que sou mais novo
    ============================================================
    S/Pessoa labuta no ramo financeiro, certo :?:
    Então faça-se a seguinte auto-avaliação:
    se seus patrões lhe mandarem tratar d’algum assunto dentro do ramo, S/Pessoa iria, falaria com os contatos dando uma solução :?:
    Almoçaria e jantaria c/eles mantendo uma conversação social polida :?:
     
     
    ☑ SIM – tudo ok consigo
    ☑ NÃO – tem que estudar (Yázigi, &C.)

  314. Vitor Diz:

    GORDUCHO DISSE: “se seus patrões lhe mandarem tratar d’algum assunto dentro do ramo…”
    .
    Eu teria que fazer um curso, é certo. DENTRO da minha língua. Em inglês nem pensar.

  315. MONTALVÃO Diz:

    /
    MARCIANO: Desejo que saiba eu penso que um pouquinho (só um pouquinho) mais de flexibilidade facilitaria o entendimento de todos.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: really, flexibilidade é a palavra! Flexibilidade vai bem em qualquer terreno, até entre gays funciona maravilhosamente!
    /
    /
    MARCIANO: “Sei que não funciona ( {\displaystyle x_{m}} {\displaystyle x_{m}} ), mas o quero dizer é que não gosto de pontos máximo e mínimos de uma função. Sou a favor do Teorema do Valor Médio para Integrais.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: nunca duvidei disso.
    /
    /

    MARCIANO: “Gosto de clareza, por isto sempre me expresso claramente, como o faço neste parágrafo.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: nem o sol do meio-dia num céu de brigadeiro seria mais claro…
    /
    /

    MARCIANO: “É justamente para evitar a polivalência semântica da gramática que postulo (com o apoio do Vice-Presidente, o Excelentíssimo Senhor G Grassouillet) que se implemente LaTeX no sítio.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: implementar látex no sítio significa distribuição gratuita de camisinhas?
    /
    /
    ===========================================
    Estou lançando meu fã-clube, quem quiser aderir inscrições abertas.
    ==========================================
    .
    “Sabe que sou seu fã, no entanto, nunca me falou dessa tal taxa de inscrição no fã-clube.
    Se tiver de pagar alguma coisa, eu saio.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: quem trouxer atestado de “unha-de-fome” está desobrigado da taxa…
    /
    /
    MARCIANO: “Outra coisa: fãs que iniciam oração com pronome oblíquo átono, que colocam artigo depois de pronome relativo, etc., também contam?”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: a partir do fã-clube pretendo criar minha igreja a “Fíbula Universal”, não posso ser rigoroso na inzigências, pode, inclusive, misturar o tu com você, tá valendo…
    /
    /
    MARCIANO: “Se a resposta for afirmativa, requeiro minha desfiliação.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: desfiliação negada, você será inscrito na ala intelectual do clube e, quando formada a igreja, será o tesoureiro, a 20%.

    /
    /
    MARCIANO: “Sendo o Pastor meu amigo, assim como o Sr. Presidente, vou passar ao largo da questão paranormal.”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: deixou de ser questão paranormal para se tornar coisa do demônio… aí há mistério…

    ????
    MARCIANO: Por que trazer a lume um comentário isolado de mais de um ano atrás?
    Será que só agora o viu?
    Parece que Ele está mesmo atrasado na leitura.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: passou perto, 28.000 anos-luz de distância…
    .
    O comentário isolado foi para quebrantar a seriedade do ambiente e inserir clima descontraído no pedaço. Se funcionou só a posteridade dirá…
    .
    Não só agora o vi, também o vi no tempo aprazado, inclusive a ele respondi, não viu? Entretanto, ocorreu de fato uma não visão da continuidade: pensei que a conversara findara postagens adiante e não mais retornei a ela. Só agora observei que houvera seguimento, inclusive o Rodolfo respondeu ao meu ponderamento, e desta resposta é que não tomei conhecimento.
    .
    De qualquer modo, como a passagem do personagem foi meteórica, e nunca mais as caras deu, não fez diferença ter ou não retrucado…
    .
    Fim.

  316. Vinicius Diz:

    “Agora (fevereiro) contrataram outros radaristas.
    Fora a “simplicidade” da mensagem, tudo bem: é uma coincidência: mas só essa mensagem padronizada chiquista modelo 1 de feliz ano novo ? nada mais, como estão lá na colônia egípcia por exemplo :mrgreen:
     
    Mas o arqueólogo ficou extasiado com este feliz ano novo em hieróglifo!

  317. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO DISSE: “a história do Tarzan e a das crianças citadas difere da minha substancialmente, não se aplica, pois…”
    .
    VITOR: Ok, Montalvão, mas eu penso que a relação custo/benefício não valerá a pena. Se já para mim não vale, que sou mais novo, quanto mais para você. Melhor investir seu tempo e dinheiro em outras coisas.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: seu excelente conselho seria excelente conselho se as duas variáveis – tempo e dinheiro – fossem preenchidas: uma sei que não tenho, outra não sei se tenho.
    .
    Dinheiro tenho o suficiente para sobreviver modesta, porém dignamente, mas não para investir, nem em bitcoin. Tempo é a incógnita. Enviei vários requerimentos ao Ministério da Sobrevida, indagando qual meu saldo, e tudo o que respondem é: “vai vivendo, vai vivendo”.

  318. Espirita Sp Orlando Diz:

    Feliz aniversário atrasado Vinicius.
    Você queria que o arqueólogo encontrasse uma mensagem com toda a história da Múmia?
    Meu estiveram lá na véspera do ano novo e encontram justamente uma frase que corresponde a feliz ano novo. Isto não seria prova de algo mais???

  319. Espirita Sp Orlando Diz:

    Montalvão, tenha paciência, vc é um espírito manso e sábio.
    Use compressas de gaze nos joelhos ok
    Li seus trabalhos anteriores aqui no blog e são bastante interessantes.

  320. Gorducho Diz:

    ============================================================
    Eu teria que fazer um curso, é certo. DENTRO da minha língua. Em inglês nem pensar.
    ============================================================
    Não :!:
    Português só serve pra quem quer fazer concurso público.
    Meu exemplo implícito é se lhe mandassem numa tarefa – sozinho e fora daqui debaixo do Rio Grande ou da Ibérica, claro :!:
    Na nossa idade minha (nova) “métrica” é essa. Já não precisamos ter um inglês suficiente pra fazermos Ph.D (visto que graduação pra nós já vai longe :mrgreen: ).
    Mas pra tratarmos sozinhos e dar uma solução prum assunto dentro da nossa atividade sim.
    Essa é amétrica básica.
    Se matricule já em abril se não satisfaz esse requisito :(

  321. Gorducho Diz:

    substituir :?: por :!: no “NÃO”
    faz favor…

  322. Gorducho Diz:

    Participar duma reunião/simpósio/seminário na matriz…
    &c…
    Isso é o fundamental do fundamental.

  323. Gorducho Diz:

    Claro que não precisa entender uma peça teatral em Londres…

  324. MONTALVÃO Diz:

    /
    “Você queria que o arqueólogo encontrasse uma mensagem com toda a história da Múmia?
    Meu estiveram lá na véspera do ano novo e encontram justamente uma frase que corresponde a feliz ano novo. Isto não seria prova de algo mais???”
    /.
    CONSIDERAÇÃO: provaria, por exemplo, que coincidências acontecem? Ou que procuramos correlações validativas conforme nossos anseios?
    .
    Para qual “algo mais” a mensagem egípcia apontaria?

  325. Eu Sou a Universal Diz:

    Disse o sr Montalvão
    ==========================================
    MONTALVÃO Diz:
    FEVEREIRO 27TH, 2018 ÀS 11:43 PM
    /
    GORDUCHO Diz:
    .
    O Sr. ACREDITA na possibilidade de “paranormalidade” existir, Pastor?
    I.e.: dum “psíquico” poder desvendar algum homicídio; ou encontrar uma pessoa sequestrada;
    ou enxergar o futuro…
    &c…
    Que diz a Bíblia (V + NT) sobre essa possibilidade ?
    /.
    MAN OF RELIGION SAYS:
    ========================================
    R: Não acredito, são apenas pessoas endemoniadas. Veja o que diz a Escritura:
    =========================================
    Deuteronômio 18:10-13
    10 Não se deve encontrar em seu meio alguém que queime seu filho ou sua filha no fogo, ou que use de adivinhação, ou que pratique magia, ou que procure presságios, ou um feiticeiro, ou alguém que prenda outros com encantamento, ou que consulte quem invoca espíritos, ou um adivinho, ou alguém que consulte os mortos.
    ===================================
    Esse texto responde a segunda parte da sua pergunta. No NT como pediu também:
    =================================
    Apocalipse 12:9
    9 Assim, foi lançado para baixo o grande dragão,a a serpente original,b o chamado Diabo e Satanás, que está enganando toda a terra habitada.e Ele foi lançado para baixo, à terra, e os seus anjos foram lançados para baixo junto com ele.
    ==============================
    MAN OF RELIGION Find: “Paranormal” nada mais é que um nome light, sofisticado para endemoniado.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: parece que o Fat Boy deu-se por satisfeito com a resposta do pastor, eu não.
    .
    Pastor, li e reli as referências que postou e elas não falam de endemoninhamento, nem no Deuteronômio, nem no Apocalipse. Será que aí tem mistério?
    .
    ================================================
    R: Como não? Quem queima filho, consulta espíritos, procura feiticeiros,pede bênção ao diabo e tem parte com ele. Veja no trecho do Apocalipse que ele tem enganado até hoje. Parapsicólogos são enganados do diabo.
    ==========================================
    Talvez se der sua pessoal interpretação as trevas se alumiem.
    .
    Fico no aguardo.

  326. MONTALVÃO Diz:

    /
    Espirita Sp Orlando Diz:
    .
    Montalvão, tenha paciência, vc é um espírito manso e sábio.
    Use compressas de gaze nos joelhos ok
    Li seus trabalhos anteriores aqui no blog e são bastante interessantes.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: amigo Samporlando, agora bateu-me fera dúvida: seu conselho sobre meus joelhos deriva de revelação mediúnica ou leu algo que eu tenha dito? (Na presente rubrica certamente não foi).
    .
    Apenas a gaze é suficiente, ou devo nela acrescentar ingrediente?
    .
    Se eu puser a compressa devagar vale?
    .
    Grato pelo elogio, meu ego precisava: há dois dias não durmo pensando no Rodolfo que sassaricou, sassaricou e nunca mais voltou. Volta Rodolfinho, precisamos continuar o papo…
    .
    Por fim, embora estejamos em lados opinativos divergentes considero sua pessoa nota dez.
    /
    —————————.
    ♩ ♩ Manso e suave, Jesus ‘stá chamando,
    Chama por ti e por mim [presta atenção Men from Mars]
    Eis que ele às portas espera velando,
    Vela por ti e por mim♩ ♩
    .
    ♫Vem já, vem já,
    Alma cansada vem já…♫

  327. MONTALVÃO Diz:

    /
    Men no, MAN
    .
    MAN FROM MARS PAY ATTENTION!
    .
    ♪”Jesus Christ, Jesus Christ, Jesus Christ
    I’m here…”♪

  328. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO diz: Pastor, li e reli as referências que postou e elas não falam de endemoninhamento, nem no Deuteronômio, nem no Apocalipse. Será que aí tem mistério?
    .
    ================================================
    PASTOR Responde: Como não? Quem queima filho, consulta espíritos, procura feiticeiros,pede bênção ao diabo e tem parte com ele. Veja no trecho do Apocalipse que ele tem enganado até hoje. Parapsicólogos são enganados do diabo.
    ==========================================
    /.
    CONSIDERAÇÃO: nobre pastor, sua leitura soa-me extrapolante. Confira:
    /
    ———————————-.
    DEUTERONOMIO: Não se deve encontrar em seu meio alguém que queime seu filho ou sua filha no fogo, ou que use de adivinhação, ou que pratique magia, ou que procure presságios, ou um feiticeiro, ou alguém que prenda outros com encantamento, ou que consulte quem invoca espíritos, ou um adivinho, ou alguém que consulte os mortos.
    ———————————-.
    /
    O que é dito é que os judeus não deveriam inserir em sua praxis religiosa os quesitos relacionados. Em parte alguma dessa admoestação é acrescentado que quem assim faz tenha parte com o demo, MUITO MENOS, que os adeptos de tais práticas estejam possuídos!
    /
    O texto em Apocalipse vai pela mesma linha, observe:
    /
    ———————————-.
    APOCALIPSE: Assim, foi lançado para baixo o grande dragão, a serpente original, o chamado Diabo e Satanás, que está enganando toda a terra habitada, e Ele foi lançado para baixo, à terra, e os seus anjos foram lançados para baixo junto com ele.
    ———————————-.
    /
    Aqui diz que o diabo e seus asseclas foram expulsos do Céu e desterrados na Terra: nada informa sobre possessão…

  329. Eu Sou a Universal Diz:

    Mas fala de enganação sr Montalvão. Parapsicologia é enganação como toda forma de Espiritismo. Só que o diabo usa nomes sofisticados e religiões rebuscadas como o Kardecismo para enganar os mais eruditos.

  330. Marciano Diz:

    ===============================================================
    Waziri qualificou como uma “maravilhosa coincidência” ter descoberto na véspera do Ano Novo um colar que tinha a inscrição “Feliz Ano Novo” em hieróglifos.
    ===============================================================
     
    Eu qualificaria a descoberta de suspeita, dado que existem vários calendários pelo mundo, muitos outros já existiram, e a expressão “feliz ano novo” é relativamente recente e não é adotada por todos os povos atuais, que dirá os antigos.

     
    ===============================================================
    CONSIDERAÇÃO: essa piada, vou te contar: tem mais de cinquenta anos, beira os sessenta!

    ===============================================================
     
    Vou procurar contar uma mais nova, da próxima vez. Alguma de papagaio ou de português.
     
    E esta, é antiga também?
     
    Ut pater, ita filius; ut mater, ita filia.
    Qual o pai, tal o filho.
    Die Mutter eine Hexe, die Tochter auch eine Hexe.
    Like father, like son; like mother, like daughter.
    Tel père, tel fils; telle mère, telle fille.
    Cuales fueron los padres, los hijos serán.
    Il figlio al padre s’assomiglia, alla madre la figlia.
    ===============================================================
    CONSIDERAÇÃO: menos, meu jovem, menos… se eu nesta vida (nas próximas não sei) chegar um dedinho próximo de sua esmerada formação entenderei que valeu a pena cá ter vindo…
    ===============================================================
     
    Devagar com o andor, porque este santo é de barro 😇
     
     
    Tento seguir seu exemplo, aprendendo todos os dias consigo (não é que “eu consigo” – verbo, é que procuro aprender “consigo” – pronome pessoal, inclusive a não misturar segunda e terceira pessoas, como “teu exemplo consigo” ou “seu exemplo contigo”).
    Por outro lado, parece-me que está querendo roubar minha coroa de campeão universal de humildade, pois é de comezinho conhecimento que sua sapiência é infinitamente superior à minha inguinorança.
     
    —————————.
    ♩ ♩ Manso e suave, Jesus ‘stá chamando,
    Chama por ti e por mim [presta atenção Men from Mars]
    Eis que ele às portas espera velando,
    Vela por ti e por mim♩ ♩
    .
    ♫Vem já, vem já,
    Alma cansada vem já…♫
     
    WTF❓
     
    Essa linguagem metafórica é como o amor carnal que traz a semente da vida. Em outras palavras, como diria Drummond, para não vexar o Vice-Presidente, Mimosa boca errante à superfície até achar o ponto em que te apraz colher o fruto em fogo que não será comido, mas fruído. Somente a rosa crispada, o talo ardente, uma flama aquele êxtase na grama, em teu crespo jardim, anêmonas castanhas.
     
    Como podemos entender uma coisa dessas?
    É melhor falar português claro.
    Esta linguagem metafórica é f(x)

  331. Eu Sou a Universal Diz:

    Disse o amigo Marciano
    ======================================
    Marciano Diz:
    FEVEREIRO 28TH, 2018 ÀS 4:16 PM
    =================================================

    Devagar com o andor, porque este santo é de barro ????
    ==============================================
    Pra vc ver, o santo é de barro e não pode se salvar. Se o andor balançar, ele cai e se espatifa todo. Quanto mais fazer milagres recebendo promessas. Veja amigo.
    ========================================
    https://www.youtube.com/watch?v=aiEsXQdWdpQ
    =====================================
    São Jorge não pôde salvar a si mesmo. Quebrou em vários pedaços. Como ele tem poder pra atender promessas e pedidos?

  332. MONTALVÃO Diz:

    /
    UTILIDADE PÚBLICA
    /
    A QUEM INTERESSAR POSSA
    /
    HÁ NOVO TÓPICO…

  333. MONTALVÃO Diz:

    /
    MARCIANO, pergunta de prova: você conseguiria vencer um chimpanzé numa luta?

  334. Marciano Diz:

    Novamente não entendi, Montalvão.
    Se está falando no sentido direto, nenhum humano ganha de um chimpanzé na porrada.
    Ultimamente ando meio confuso.
    Não entendi patavina sobre os versos sobre NSFG, não entendi esta pergunta, tenho a impressão de que vi Scur e Vitor conversando (ainda que monossilabicamente), Scur defendendo a Terra Plana, Biasetto continua comunista, mesmo depois de tudo o que vem acontecendo…
    Melhor procurar um psiquiatra.

  335. Marciano Diz:

    BTW, desculpe-me por não tê-lo avisado do novo tópico.
    Já estive por lá, mas não tive tempo de ler o artigo.

  336. Marciano Diz:

    Pastor, você sabe que eu citei esse ditado apenas para brincar com o Montalvão, não sabe?
    Eu não acredito em São Jorge. Até o papa Paulo VI tinha dúvidas sobre a historicidade desse “santo”.
    Não existe nenhuma evidência histórica da existência de Γεώργιος.
    Sua história é cercada de lendas, até dragão tem.

  337. Marciano Diz:

    O culto do santo ao Brasil chegou com os portugueses que decretaram a obrigatoriedade da imagem nas procissões de Corpus Christi. Mas em 1969, o Papa Paulo VI reformou o calendário litúrgico da Igreja Católica e tornou opcional a festividade em homenagem ao dia do santo, alegando que o santo não tinha registros históricos, apenas relatos tradicionais.
    Fonte:
    http://g1.globo.com/Noticias/Rio/0,,MUL1095452-5606,00-CONHECA+A+HISTORIA+DE+SAO+JORGE.html

  338. MONTALVÃO Diz:

    /
    EU SOU A UNIVERSAL Diz:
    .
    Mas fala de enganação sr Montalvão. Parapsicologia é enganação como toda forma de Espiritismo. Só que o diabo usa nomes sofisticados e religiões rebuscadas como o Kardecismo para enganar os mais eruditos.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: pastor, respeito seu modo de pensar, e admiro a facilidade com que demoniza expressões religiosas diferentes da que segue. Entretanto, achar que o demônio é solução para todos os mistérios, em realidade, constitui mais um mistério!
    .
    O mesmo que alguns parapsicólogos dizem da parapsicologia (“sequer sabemos se psi existe”) pode ser dito do capeta: “sequer sabemos se o coisa-ruim existe”.
    .
    De qualquer modo, o que está fazendo é o comum: apresentar Belzebu como o enganador, aquele que bisura nos ouvidos dos mortais ideias tortas e os leva à danação.
    .
    Embora essa idealização também seja discutível (mesmo biblicamente), o ponto que levantei diz respeito à possessão. Se bem entendi, na sua concepção, o capeta domina os corpos daqueles que se julgam dotados de capacidades paranormais e, para mostrar onde se apóia para pensar desse modo, citou textos bíblicos. Lembre-se do que disse:” são apenas pessoas endemoniadas”.
    .
    Ocorre que as referências dadas não fazem menção à possessão!
    .
    Eis o ponto…

  339. MONTALVÃO Diz:

    /
    MONTALVÃO Diz:
    fevereiro 28th, 2018 às 4:50 PM

    /
    ————————————–
    MARCIANO, pergunta de prova: você conseguiria vencer um chimpanzé numa luta?
    ——————————–
    Marciano Diz:
    .
    Novamente não entendi, Montalvão.
    Se está falando no sentido direto, nenhum humano ganha de um chimpanzé na porrada.
    Ultimamente ando meio confuso.
    /.
    CONSIDERAÇÃO: se tivesse aberto o link que o Vitor postou, para me provar que não conseguirei aprender língua, entenderia…

Deixe seu comentário

Entradas (RSS)